11

CAPÍTULO 1. O JORNAL IMPRESSO

OLIVEIRA MEIRELES, Rafael Antonio de. Imprensa Brasileira - História e crítica do nosso jornalismo. São Paulo: 2006.

ive
desenvolvimento do jornal. domínio, não queria arrancá-la das trevas da ignorância”.

ira
1

A imprensa oficial no Brasil foi instalada na casa de Antônio de Araújo2, futuro conde da Barca3 (SODRÉ 1999, p. 19), ou seja, nossos periódicos tiveram início em 10 de setembro de 1808, como resultado de uma confusa fuga de Portugal: a vinda da corte de D. João VI para o Brasil, na pressa de escapar das tropas francesas, trouxe o prelo e a tipografia, mas não uma sustentabilidade para o

palavras de Moreira de Azevedo via Sodré (1999, p. 18), “não convinha a Portugal que houvesse civilização no Brasil. Desejando colocar essa colônia atada ao seu

Ra

fae

Brasil rotário on-line. Disponível em : http://www2.brasil-rotario.com.br/revista/materias/rev922/ e922_p18.html. Acessado em 2 de outubro de 2006. 2 “Um ato do Príncipe Regente inaugura a Impressão Régia, com dois prelos e 28 volumes de material tipográfico que Antônio de Araújo, [...] Secretário de Estrangeiros e da Guerra, trouxe de Portugal no navio Medusa. Antecessora da Imprensa Oficial, a gráfica que funcionava na Rua do Passeio, 44, no Centro do Rio, tinha a finalidade de imprimir com exclusividade os atos normativos e administrativos” (BARBOSA, 2004, on-line. Acessado em 2 de outubro de 2006). 3 “Conde da Barca foi um título criado por D. Maria I, por decreto de 27 de dezembro de 1815 a favor de António de Araújo e Azevedo, um importante político da época do Reinado de Dom João VI no Brasil” Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Conde_da_Barca. Acessado em 2 de outubro de 2006.

1

lA nto

Enquanto colônia, o Brasil foi mantido sob a tutela da ignorância. Nas

nio

de

Ol

M eir ele s

12

Os primeiros colonizadores lusitanos chegaram como um mal cultural, afetando tanto a saúde dos índios, nada imunes às doenças dos recém-chegados, quanto a estrutura sócio-econômica e ético-cultural. Como se a “destruição das bases da vida social indígena, a negação de todos os seus valores, o despojo, o cativeiro”4

dogmas católicos. Perante essas restrições, a religião era o único assunto amplamente
OLIVEIRA MEIRELES, Rafael Antonio de. Imprensa Brasileira - História e crítica do nosso jornalismo. São Paulo: 2006.

difundido e incontestável.

Tal era a importância da Igreja que o primeiro livro publicado por Gutenberg5 foi a Bíblia. E no que foi possível à reprodução de obras, ou seja, de conhecimento e cultura, a Igreja instituiu juntamente com o Estado, em Portugal, “três censuras: a

Episcopal, ou do Ordinário, a da Inquisição, e a Régia, exercida pelo Desembargo do

proibiam a impressão de qualquer obra ‘sem primeiro ser vista e examinada pelos

da Inquisição’”. A partir de 1624, os livros dependiam de autoridades reconhecida

circularem. “Pombal, em 1768, encerrou esse regime, substituindo-o pelo da Real

Mesmo os holandeses no nordeste, “parte mais rica da colônia, no séc XVII [...], apesar de lhe terem dado singular desenvolvimento, na área metropolitana [...], não se empenharam em trazer ao seu novo domínio americano a arte tipográfica” (idem, p. 16). Além dos impedimentos oficiais dos portugueses, as condições econômica e social da colônia, em razão ao escravismo dominante, não geravam as

Ra

fae

exigências necessárias à instalação da imprensa. Ignorância justificada pela Igreja em que as pessoas deveriam se contentar com o que têm em vida, pois os males só terão cura no reino do céu.

RIBEIRO, 1995, p.30 – 43 Em 1450, Gutenberg se propõe a imprimir a Bíblia com um empréstimo de 800 florins de João Füst e Pedro Schaeffer. Gutenberg precisou de mais dinheiro emprestado. Como garantia, a penhora da própria oficina. Em 1455, Füst executa o crédito; Gutenberg sem como saldar a dívida, perde a oficina sem terminar o serviço. Füst e Schaeffer, em 1456, imprimem a “Bíblia de 42 linhas”. (Fundação Museu da Tecnologia de São Paulo Disponível, on-line. Acessado em 2 de outubro de 2006).
5

4

lA nto

nio

Mesa Censória, que vigorou até 1787” (SODRÉ ,1999, p. 9-10).

de

pelo Estado para serem impressos, o que incluía a Igreja, e da Cúria romana para

Ol

desembargadores do Paço, depois de vista e aprovada pelos oficiais do Santo Oficio

ive

Paço, desde 1576, cuja superioridade firmava-se nas Ordenações Filipinas, que

ira

M eir ele s

não bastassem, os missionários se incumbiam de doutrinar os índios conforme os

13

Quanto aos brasileiros letrados, não tinham interesse algum em assuntos oficiais que serviam apenas para agradar a Coroa. A Gazeta do Rio de Janeiro era um diário e agenda da monarquia européia6. Mesmo o Correio Brasiliense fora criticado por não tratar do Brasil dentro de uma ótica nacionalista7 (SODRÉ, 1999). A Gazeta era noticiosa, sem interesse de conquistar opiniões. Já o Correio era
OLIVEIRA MEIRELES, Rafael Antonio de. Imprensa Brasileira - História e crítica do nosso jornalismo. São Paulo: 2006.

mais doutrinário que informativo. No entanto, ambos não tinham interesses

revolucionários. Por mais que o Correio atacasse a administração brasileira, possuía um caráter moralizador e não modificador. Ainda assim, a entrada do jornal de

Hipólito da Costa, no Brasil, fora barrada pela Corte do Rio de Janeiro. “Já a 27 de março de 1809, o conde de Linhares determinava ao juiz da Alfândega, José Ribeiro

Freire a apreensão do material impresso no exterior” por conter calúnias contra o assuntos de economia política, tema proibido em Portugal8 (SODRÉ 1999). Com a revolução do Porto, em 1820, o Correio Brasiliense passa a circular normalmente. Neste momento, notícias começaram a ser produzidas no próprio Brasil. Em razão da natureza perecível da informação jornalística e a necessidade de proximidade com os fatos, Hipólito da Costa já não mais conseguia sustentar um jornal feito na Inglaterra – sem mencionar a questão financeira.

a Gazeta do Rio de Janeiro durou até 1821. Dada a austeridade da Corte, a Gazeta e a Idade d’Ouro do Brasil – impressa na Bahia ao gozo lusitano de 1811 a 1823 – “foram os únicos jornais brasileiros num período de seis anos, entre 1814 e 20. Até o ano de 1821, o Rio de Janeiro não contava com outra tipografia senão a da Imprensa

fae

Régia” (BAHIA, 1972, p. 15).

lA nto

O Correio Brasiliense publicou a última edição em 1822, enquanto, no Brasil,

nio

de

Ol

ive

governo inglês e material ilusório a gente superficial e ignorante. Ou seja, por conter

ira

“Por meio dela só se informava ao público, com toda a fidelidade, do estado de saúde de todos os príncipes da Europa e, de quando em quando, as suas páginas eram ilustradas com alguns documentos de ofício, notícias dos dias natalícios, odes e panegíricos da família reinante. Não se manchavam estas páginas com as efervescências da democracia, nem a exposição de agravos. A julgar-se do Brasil pelo seu único periódico, devia ser considerado um paraíso terrestre, onde nunca se tinha expressado um só queixume” (ARMITAGE, 1914 apud SODRÉ, 1999). 7 Por ser produzido na Inglaterra, sem proximidade direta com os fatos no Brasil. 8 Portugal queria evitar que os princípios da Revolução Francesa prejudicassem a estabilidade do poder da corte lusitana. A Revolução Francesa, “deu início à Idade Contemporânea. Aboliu a servidão e os direitos feudais na França e proclamou os princípios universais de ‘Liberdade, Igualdade e Fraternidade’ [...]”. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Revolu%C3%A7%C3%A3o_ Francesa. Acessado em 2 de outubro de 2006.

6

Ra

M eir ele s
.

14

1.1 As várias fases da mesma história

A imprensa periódica brasileira foi retardatária. Na América Hispânica, o jornalismo teve início em 1722, enquanto colônia, já no Brasil, só foi possível quando tornou-se Reino Unido a Portugal. “Os governantes portugueses [...] providenciaram a instalação de prelos e tipografias, ensejando a circulação do
OLIVEIRA MEIRELES, Rafael Antonio de. Imprensa Brasileira - História e crítica do nosso jornalismo. São Paulo: 2006.

primeiro jornal em língua portuguesa na América”9.

Para Sodré (1999), a imprensa está ligada ao capitalismo e seu atraso no Brasil é relacionado com a ausência de burguesia. Somente depois da abertura dos

Pernambuco10, inaugurado por Antônio José de Miranda e depois dirigido por

a da consolidação e a moderna”.

A princípio, podemos dividir a imprensa em duas fases. A imprensa

imprensa industrial, em que “o jornal dispensa, no conjunto, a opinião dos leitores e

Ao falarmos de jornalismo como um todo, segundo Marcondes Filho (2000) nossa divisão se estende a quatro fases.
O primeiro jornalismo, de 1789 à metade do século 19, foi, assim, o da “iluminação”, tanto o sentido de exposição do obscurismo à luz quanto de esclarecimento político e ideológico. O controle do saber e da informação funcionava como forma de dominação, de manutenção da autoridade e do poder, assim como facilitava a submissão e a servidão [...]. Desmoronado este poder, entra em colapso igualmente seu monopólio do segredo. A época burguesa invade o processo: agora tudo deve ser super exposto.11

Ra

fae

segundo plano”. Tinham posicionamento político-partidário além de doutrinários.

MELO, 2003, p. 29 - 30 o Diário de Pernambuco passou pelo desenvolvimento gráfico dos mais rudimentares às linotipos e rotativas. Participou ativamente de embates políticos e nas lutas liberais do povo pernambucano, no Império e na República. (BAHIA, 1972, p. 26). 11 MARCONDES FILHO, 2000, p. 11
10

9

lA nto

Neste período, os jornais eram mais literários e “os fins econômicos vão para

nio

passa a servir aos anunciantes, predominantemente” (SODRÉ, 1999).

de

artesanal, de Gutenberg, “que vivia da opinião dos leitores e buscava servi-la”, e a

Ol

ive

Manuel Figueirôa, como testemunha de três fases do jornalismo brasileiro: “a inicial,

ira

portos, os jornais se manifestaram. Bahia (1972), apresenta o Diário de

M eir ele s

15

Com as revoluções burguesas, após 1800, “os grandes partidos políticos, inclusive os operários, reivindicam igualmente o poder da imprensa e meios de comunicação mais efetivos para a conquista de adeptos”, eis o surgimento da esfera pública proletária12, inicialmente na Inglaterra. A imprensa se difundia popularmente e “todo

notícias e de lucros com os jornais populares sensacionalistas” (MARCONDES
OLIVEIRA MEIRELES, Rafael Antonio de. Imprensa Brasileira - História e crítica do nosso jornalismo. São Paulo: 2006.

FILHO, 2000, p. 12-13).

As tiragens deste momento caracterizado como o da imprensa de massa, subiram de 35 para 200 mil. Os jornais se mantêm através da economia da empresa jornalística e precisam resultar em lucro. “A gradual implantação da imprensa como negócio, iniciada após 1830 na Inglaterra, na França e nos Estados Unidos, impõe-se plenamente por volta de 1875” (idem, p. 13-14). O jornalismo se profissionaliza13. As manchetes aparecem, dentre outras formas de atrativo para o aumento das vendas, e a notícia cede lugar à publicidade. “A tendência – como se verá até o século 20 – é a de fazer do jornal progressivamente um amontoado de comunicações publicitárias permeado de notícias” (ibidem, p. 14). Somente assim para garantir a sustentabilidade do jornal impresso.
No século 20, o desenvolvimento e o crescimento das empresas jornalísticas desembocaram na constituição do terceiro jornalismo, e de monopólios, cuja sobrevivência só será ameaçada pelas guerras e pelos governos totalitários do período (ibidem).

Ra

fae

Novelli resgata o conceito de esfera pública para interpretar o papel da imprensa nas sociedades contemporâneas por ser importante distingui-la da esfera econômica e do Estado na instituição de uma política democrática. “A noção de esfera púbica vai se enquadrar nessa perspectiva justamente na base de sua dupla função: colher e disseminar informações, de um lado e, de outro, fornecer um fórum para debate.” (Novelli apud MOTTA, 2002, p. 185). 13 “A reforma do estilo da imprensa brasileira começou na década de 1950” com o Diário Carioca que “foi um dos mais influentes jornais do País e o responsável pela modernização técnica da imprensa brasileira. Introduziu o lead nas matérias, criou o copidesque e lançou o primeiro manual de redação jornalística”. “O Diário Carioca foi um jornal tecnicamente revolucionário, que terminou com o lerolero das reportagens intermináveis em que a estrela era o repórter, e não o assunto (Paulo Francis)” (Diário Carioca.com.br, on-line. Acessado em 02 de outubro de 2006).

12

lA nto

nio

de

Ol

ive

O segundo jornal, o jornal como grande empresa capitalista, surge a partir da inovação tecnológica da metade do século 19 nos processos de produção de jornal. A transformação tecnológica irá exigir da empresa jornalística a capacidade financeira de autosustentação, pesados pagamentos periódicos para amortizar a modernização de suas máquinas; irá transformar uma atividade praticamente livre de pensar e de fazer política em uma operação que precisará vender muito para se autofinanciar (idem, p. 13).

ira

M eir ele s

o romantismo da primeira fase será substituído por uma máquina de produção de

16

Como reflexo da modernidade e da necessidade de promoção institucional das empresas, desenvolvem-se a comunicação publicitária e as relações públicas. O jornalismo entra num “processo de desintegração da atividade, seu enfraquecimento, sua substituição por processos menos engajados” os quais Marcondes Filho (2000, p.

os políticos, que já não apostam numa evolução para uma ‘sociedade mais humana’.
OLIVEIRA MEIRELES, Rafael Antonio de. Imprensa Brasileira - História e crítica do nosso jornalismo. São Paulo: 2006.

[Tal] transformação ou descaracterização da atividade [...] tem a ver com a crise da cultura ocidental”.

perante os “desafios da tecnologia, da globalização e do perigoso convívio com o

combinada à descapitalização da empresa jornalística, articulam um novo cenário e uma nova pauta para a discussão da missão da imprensa” (p. 16). Este autor vê o processo evolutivo do jornal como uma constante cíclica, por

Ra

fae

apresenta a primeira fase da impressão como “totalmente plana; depois, quando se pretendeu alcançar maior velocidade, adotou-se a rotativa, arredondamento, para

efeitos de velocidade, do processo industrial” (p. 44). Quanto “a nossa imprensa, no que tinha de específico, não mudou com a

passagem do [...] Império à República. Mudou muito, entretanto, quanto ao conteúdo, quanto ao papel desempenhado.” Em termos de divisão, Sodré (1999) apresenta, ainda, como “a única repartição acorde com a realidade seria em imprensa artesanal e imprensa industrial” – por nos ser recente a fase da imprensa industrial.

lA nto

entretenimento”. Esta crise “foi exportada para o Brasil, onde a concentração,

nio

Para Dines (1986), a mídia internacional sofreu uma crise de identidade

de

O quanto e último jornalismo, o do fim do século 20, é o jornalismo da era tecnológica, um processo que tem seu início por volta dos anos 70. Aqui se acoplam dois processos. Primeiramente, a expansão da indústria da consciência no plano das estratégias de comunicação e persuasão dentro do noticiário e da informação. É a inflação de comunicados e de materiais de imprensa, que passam a ser fornecidos aos jornais por agentes empresariais e públicos (assessorias de imprensa) e que se misturam e se confundem com a informação jornalística (vinda da reportagem principalmente), depreciando-a “pela overdose”. Depois, a substituição do agente humano jornalista pelos sistemas de comunicação eletrônica, pelas redes, pelas formas interativas de criação, fornecimento e difusão de informações [...], que recolhem material de todos os lados e produzem notícias (idem, p. 30).

Ol

ive

ira

M eir ele s

15) atribui àqueles que “não buscam a ‘verdade’, que já não questionam a política ou

17

Retomando às três fases que Bahia (1972) apresenta – além do jornalismo contemporâneo –, a fase inicial correspondente ao período de 1808 a 1880. Momento em que o Brasil começava a “usufruir os resultados positivos do espírito autonomista, das conspirações pela liberdade e pela independência” (p. 33). A consolidação ocorreu “setenta e dois anos passados da instalação do pesado
OLIVEIRA MEIRELES, Rafael Antonio de. Imprensa Brasileira - História e crítica do nosso jornalismo. São Paulo: 2006.

material com que se imprimia a Gazeta do Rio de Janeiro [...]. Depois de 1880 e no fim do século XIX até princípios do século XX, a imprensa adquire expressão no campo das atividades industriais” – transição tardia comparada a de outros países. A definida capacidade econômica”14.

nossa tipografia, de artesanal, passa a “conquistar a posição de indústria gráfica de

Nesta fase, muitos jornais efêmeros desapareceram e “uma imprensa mais participante e consciente é chamada a ocupar lugar fundamental na vida pública do País” (idem). É entre 1920 e 1930 que surgem alguns dos grandes jornais brasileiros – década em que aparece a radiodifusão. A partir de 1928, rotativas15 mais modernas eram instaladas nos principais Estados16, com resultados próximos ao do offset, e em 1930 inicia a fase moderna, “consubstanciando o espírito renovador e a explosão de sentimentos populares”. Jornais reapareciam “com nova disposição e maior empenho na defesa dos direitos individuais”17.

a dos Estados Unidos, Europa e Ásia. Contudo, a nossa imprensa não corresponde à demanda de informação, dentro das expectativas do jornalismo, perante o público e a sociedade, atingida por nações mais desenvolvidas. Tal desnível está relacionado ao nosso passado histórico atrelado ao desenvolvimento do jornalismo – que ainda

Ra

fae

enfrenta “sérios problemas, desde a instabilidade política à busca de modelos de desenvolvimento, para a superação de suas deficiências”18.

BAHIA, 1972, p. 45 De exemplo o jornal A TARDE, de Salvador, instalado em 1912 com um impressora plana Marioni considerada obsoleta na Europa. Um ano depois é incorporada a impressora Koening-Bauer. Em 1920, A TARDE entra na era dos linotipos. Em quatro anos, passam para a Albert. Em 1930, foi trazida a rotativa alemã Man. Com ela, uma prensa elétrica, uma fundidora automática e uma fresa elétrica. (A Tarde, 15 de outubro de 2002, on-line. Acessado em 2 de outubro de 2006). 16 São Paulo; Rio de Janeiro; Minas Gerais; Rio Grande do Sul; Pernambuco (BAHIA, 1972, p. 67). 17 idem, p. 67 18 ibidem, p. 91
15

14

lA nto

Logo nos anos 40, a nossa indústria gráfica já era tão bem aparelhada quanto

nio

de

Ol

ive

ira

M eir ele s

18

A imprensa só tentará uma penetração nacional, alcançando às massas, “muito mais tarde, na fase moderna, já no complexo quadro da comunicação que comporta os veículos impressos, rádio e a televisão” (BAHIA, 1972, p. 68).
A expansão observada a partir de 1930 se deve a fatores econômicos, políticos e culturais. O jornalismo já entrara numa faixa de operação industrial, abandonado a projeção boemia, ativista, idealista da primeira fase. O jornal-mito, identificado com a visão individualista de seu proprietário, não raro o principal redator e administrador, cede lugar ao jornal-empresa (idem).

OLIVEIRA MEIRELES, Rafael Antonio de. Imprensa Brasileira - História e crítica do nosso jornalismo. São Paulo: 2006.

A revolução de 30 contribuiu para acabar com a marginalização do processo educacional a qual as correntes populares eram submetidas na República Velha. O conseguia alcançar ou suprir19 até os anos 50.

Para Bahia (1972), o jornalismo contemporâneo, representa a adaptação do

jornalismo surgido com o “despertar social, com a mobilização popular Constituinte,

expansão das indústrias de base” e assim, o tradicional “jornal mais se aproxima do

(p. 92).

sua época, que o Brasil “ingressa na idade da cultura de massa com uma participação que, dos anos 50 em diante, é cada vez maior”. Isso só foi possível devido a penetração do rádio e da TV20 na parcela analfabeta da população, que, em 1970,

fae

representava 33% dos 80 milhões de brasileiros.
Não é por outro motivo que, apesar do esforço dos grandes jornais, nenhum cobre nacionalmente o território e poucos ultrapassam a marca dos 150 mil exemplares diários. Várias outras causas

Ra

em razão das “condições particulares do sistema de comunicação internas - desde os correios e telégrafos, as ferrovias e demais meios de transportes, ao telefone.” (BAHIA, 1972, p. 68). 20 Nesta fase, o jornal impresso atua em conjunto com as outras mídias. Mas com o surgimento da internet - no final da década de 80 com o desenvolvimento da ARPANET (Advanced Research Project Agency Network), que teve início 1969; o Brasil passa a usufruir desta rede mundial já nos anos 90 -, e seu desenvolvimento no Brasil, mudanças ocorreram no contexto do jornalismo de tal forma que dedicaremos o quarto capítulo, Para que jornal?, para abordar a relação do jornal impresso com as outras mídias.

19

lA nto

É na contemporaneidade atribuída ao jornalismo, por Bahia (idem, p. 92) em

nio

povo, passando a ser um intérprete mais eloqüente e vigoroso dos anseios populares”

de

a queda da ditadura Vargas, a ascensão das grandes parcelas operárias urbanas, a

Ol

jornalismo às necessidades da sociedade brasileira. Bahia refere-se ao novo

ive

ira

número de interessados por informação aumentava de modo que a imprensa não

M eir ele s

19

dificultam a circulação dos periódicos: deficiência do sistema de transportes; precariedade de comunicações; excessiva concentração de jornais diários nas metrópoles; incapacidade econômica; crises no fornecimento de papel etc.21

Mesmo as dificuldades econômicas não impediram o aumento da circulação deste veículo em todo o mundo. “O público considera-o cada vez mais indispensável,
OLIVEIRA MEIRELES, Rafael Antonio de. Imprensa Brasileira - História e crítica do nosso jornalismo. São Paulo: 2006.

reiterando em termos de preferência a importância do meio impresso na ação sobre a opinião”.22

Novelli23 apresenta a imprensa como uma “instituição por excelência da

esfera pública [que] atua numa área de intersecção24 entre o setor público e o

demonstrar a própria evolução da esfera pública”, apresentada da seguinte forma:
Imprensa da informação - fase inicial: surge no século XIV conseguinte da

mercadorias. Desta forma, surge um elo entre indivíduos privados [mercado], que sustenta a imprensa assim caracterizada por produzir informação perecível de certa realidade, mas sem a acessibilidade - característica da imprensa moderna.

Imprensa de opinião - fase seguinte: de forma literária, os jornais passam a ser

Ra

fae

21 22

BAHIA, 1972, p. 93 idem, p. 153 23 MOTTA (org.), 2002, p. 184-185. 24 Segundo Novelli, a burguesia buscava ocupar um espaço entre o poder público do Estado e o poder privado do mercado, organizando-se na forma de sociedade civil. Esta organização deu origem, no século XVIII, a esfera pública burguesa composta por funcionários do Estado, profissionais autônomos, grandes proprietários e produtoras de mercadoria. A ideologia contida nesta esfera, que visava dominar os mecanismo de produção e troca, cai com a ascensão à categoria de classe dos indivíduos por ela dominados. Assim, o Estado, único legítimo no poder, regula os mecanismos de troca entre as pessoas privadas originando assim, as privatizações bem como a estatização da sociedade. Confunde-se aí, o setor público como o setor privado, originado uma nova esfera social intermediária a qual interpreta-se como setores estatizados da sociedade e setores socializados do Estado, ambos apartidários.

lA nto

porta-vozes e condutores da opinião pública. Sendo um mecanismo de publicidade argumentativa dos próprios donos - partidos políticos e escritores -,

cuja lucratibilidade fica em segundo plano. Movida pelo idealismo, operam na falência, mas resguardam para suas redações uma espécie de liberdade típica da comunicação das pessoas privadas caracterizadas com o público.

nio

de

Ol

necessidade de troca de informações comerciais sobre circulação das

ive

ira

privado”, portanto, as “fases que representam a evolução da imprensa vão

M eir ele s

20

Imprensa comercial - fase atual: surge quando o estabelecimento do Estado burguês de direito e a legalização da esfera pública politicamente ativa libertam a imprensa das obrigações críticas dando a ela a oportunidade de assumir o lucro de uma empresa comercial.

Dentro
OLIVEIRA MEIRELES, Rafael Antonio de. Imprensa Brasileira - História e crítica do nosso jornalismo. São Paulo: 2006.

da

caracterização

atual

da

imprensa,

empreendimento capitalista avançado, que subordina a política empresarial a pontos de vista da economia de mercado [...] o jornal passa a ser influenciado por interesses estranhos aos seus objetivos primeiros” (MOTTA (org.), 2002, p. 185).

A imprensa, segundo Novelli, precisa de uma estrutura pública e autônoma,

setores da sociedade civil, pois não há como garantir que a imprensa seja dotada de

não na agenda pública.

O jornal impresso brasileiro nasceu sufocado pelo Estado e sofreu ao longo de sua história inúmeras agressões para que permanecesse calado. Foi um processo de manipulação política por meio da censura. Os governantes sempre sonharam com uma imprensa submissa, que

funcionasse como um veículo de propaganda institucional. Getúlio Vargas contou com um jornalista à sua disposição: Samuel Wainer. Este criou um jornal, A Última

Ra

fae

Hora, cujo único objetivo era ser favorável a Getúlio.
O jornal foi criado graças a financiamentos concedidos pelo Banco do Brasil e à participação de alguns grandes empresários, como Walter Moreira Salles, Ricardo Jafet e o Conde Matarazzo. A Última Hora ganhou espaços de mercado graças a qualidade de seus jornalistas e a uma linguagem mais moderna que adotou. Isso incomodou duplamente os grandes empresários de comunicação: pela perda de espaços de mercado e pelas posições políticas que a linha editorial da Última Hora favorecia.25

25

O legado de Getúlio Vargas, on-line. Acessado em 4 de outubro de 2006.

lA nto

nio

de

1.2 Em memória dos que foram calados

Ol

ive

isenção se é exclusiva a responsabilidade dos jornalistas para decisão do que entra ou

ira

separada da função de debate político. Para tal, é preciso ampliar o acesso dos vários

M eir ele s
“como um típico

21

Uma imprensa sem liberdade significa um país sem democracia, mas era isso que Getúlio desejava. Era isso que o autoritário D. Pedro I queria, conforme atesta a História. Todavia muitas vozes e consciências repudiando a cultura do silêncio cumpriram o dever cívico de informar ao povo o que ocorria nos corredores do poder
OLIVEIRA MEIRELES, Rafael Antonio de. Imprensa Brasileira - História e crítica do nosso jornalismo. São Paulo: 2006.

público, desde a época do Brasil império. Infelizmente, algumas delas foram silenciadas e outras violentadas, conforme podemos observar nos textos 1, 2, 3, e 4.

TEXTO 1

jornalista da TV Cultura, acompanhava a transmissão do telejornal

esposa e os filhos. Ao sair da redação, encontra dois agentes de segurança do regime militar. Queriam levá-lo preso. Após intermináveis barganhas, Vlado – como era chamado pelos

fae

Ra

26

Canal da Imprensa, on-line. Acessado em 4 de outubro de 2006.

lA nto

nio
no DOI-Codi. enforcamento.”26

colegas de ofício – consegue convencer os homens a não levá-lo àquela hora, devido a compromissos profissionais. Se compromete a comparecer no dia seguinte ao DOI-Codi (Destacamento de Operações e Informações e Centro de Operações de Defesa do II Exército). “Às 8h”, frisa o policial. 25 de outubro. Oito horas da manhã. Vladimir Herzog se apresenta

25 de outubro. Final da tarde. Vladimir Herzog está morto. Motivo: Teria assinado confissão declarando-se militante do Partido Comunista Brasileiro. Causa mortis: “Voluntário suicídio por

de

Ol

Hora da Notícia, antevendo um agradável final de semana com a

ive

24 de outubro de 1975. Sexta-feira à tarde. Vladimir Herzog,

ira

M eir ele s

22

TEXTO 2

20 de novembro de 1830. Passa das 22h. O médico e jornalista italiano João Batista Líbero Badaró caminha pelas ruas centrais da capital paulista. Dois pistoleiros encapuzados aguardam-no na
OLIVEIRA MEIRELES, Rafael Antonio de. Imprensa Brasileira - História e crítica do nosso jornalismo. São Paulo: 2006.

esquina. Ouve-se o som de um revólver. A bala atinge em cheio uma artéria, rompendo-a. Amigos o socorrem. Levam-no para casa,

cogitam uma operação. Em vão. O ferimento é fatal. Líbero morre no dia seguinte.

ao autoritarismo de dom Pedro I e aos desmandos do ouvidor

nacionalização do império brasileiro. Pouco antes de falecer, desabafa: “Morre um liberal mas não morre a liberdade”. O boato a respeito de sua morte tornou-se verdade absoluta: Líbero foi assassinado a mando direto do imperador. Um tanto irônico para alguém que declarou “Independência ou Morte!”.27

TEXTO 3

fae

lA nto

nio
24 de março de 1990. Sábado, 15h30. Seis fiscais da Receita, um delegado e dois agentes armados e uniformizados da Polícia Federal invadem a sede da Folha de S. Paulo. Exigem ser levados à presença de Octavio Frias de Oliveira, dono do grupo Folha. A penetração forçada encontrava pretexto em eventuais irregularidades econômicas. [O governo queria averiguar se a empresa cobrava as faturas publicitárias em cruzados novos ou cruzeiros.] Por trás estava a repressão política, um revide às matérias negativas à candidatura de Fernando Collor.28

Ra

27 28

idem ibidem.

de

Ol

ive

Cândido Japiaçu, Líbero tornou-se símbolo da luta pela

ira

Fundador do jornal Observador Constitucional, veículo de ataque

M eir ele s

23

TEXTO 4

Recentemente, o jornal O Globo, (julho/2001) e o semanário Carta Capital (maio/2002) tiveram seu conteúdo censurado previamente – obras do presidenciável Anthony Garotinho. No mesmo maio, a grande imprensa recebeu ordem judicial, proibindo qualquer
OLIVEIRA MEIRELES, Rafael Antonio de. Imprensa Brasileira - História e crítica do nosso jornalismo. São Paulo: 2006.

referência às denúncias de abuso sexual envolvendo juiz do TRT

paulista. Se veículos como a Folha e Último Segundo não ousassem se pronunciar, o delato nunca chegaria ao grande público.29

momentos vivos na memória do povo, como uma forma de resistência à ditadura imposta aos veículos de informação ou à cultura do silêncio. O resgate dos valores contidos nas figuras de Líbero Badaró, de Herzog e outros tantos que foram calados, é indispensável para a imprensa mostrar à sociedade

capaz deste gesto e sobreviveu como o símbolo da liberdade e da democracia.

Ra

fae

29

Ibidem.

lA nto

nio

que ela tem um compromisso com a liberdade de expressão. E a nossa imprensa foi

de

Ol

ive

Assim a imprensa sabe que é dela própria a responsabilidade de manter estes

ira

M eir ele s