You are on page 1of 5

RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PRODUÇÃO DE CURSOS MASSIVOS

ONLINE*1
Marcos Antônio P. Coelho – UEMG – Unidade Carangola
Lenise Ribeiro Dutra – Fundação São José de Itaperuna / Faculdade Redentor de Itaperuna
Aline Musse Alves Pereira – Colégio Pedro II
Vânia Lúcia Musse Alves - CEDERJ

RESUMO
A modalidade de ensino a distância nas últimas décadas se embasa em teorias de
aprendizagens, ferramentas de comunicação e principalmente em ambientes virtuais fechados,
em sua maioria modular e em crescimento constante. Para agregar mais valora esse contexto,
surgem os Recursos Educacionais Abertos(REA), que proporcionam a seus usuários maior
autonomia de escolha tanto do método quanto do conteúdo a ser estudado. Este artigo tem por
objetivo realizar um breve estudo sobre os recursos educacionais abertos e dos Cursos
Massivos Online (MOOC´S), que os utilizam em sua maioria com base na teoria conectivista
proposta por Siemens(2004). A pesquisa se justifica na falta de estudos mais detalhados sobre
os dois temas, procurando contribuir com pesquisadores e estudantes da área. A metodologia
eleita foi à pesquisa bibliográfica em livros, artigos científicos e na Internet. Percebeu-se que
os recursos educacionais abertos, estão em escala de ascensão e são utilizados nos Mooc’s.
Palavras-Chave: Recursos Educacionais Abertos, Moocs, Ensino Online

INTRODUÇÃO
As teorias da aprendizagem tradicionais não foram produzidas vislumbrando
ambientes virtuais de aprendizagem, mesmo assim são utilizadas para o mesmo. Alguns
autores defendem que são necessários novos estudos e formulação de novas teorias para
explicar os fenômenos que ocorrem nesses novos ambientes, comuns na sociedade do
conhecimento e em rede. Siemens(2004) e Downes(2004) elaboraram uma teoria nomeada
como Conectivismo e considerada por eles como a “teoria da era digital” e posteriormente em
2008, criaram cursos online embasados nessa teoria, o que deu origem aos chamados
MOOC´s (Cursos Massivos Online).
Não clarificamos ainda os fenômenos que ocorrem na Modalidade de Ensino
presencial, semipresencial e a distância e já temos outra modalidade emergente de ensino que
nos exige mais esclarecimentos. A autonomia do aluno é revelada e posta à prova por meio
dos Recursos Educacionais Abertos e dos Mooc´s, uma nova modalidade de ensino autônoma
que exige do aluno um auto grau de disciplina, conhecimentos prévios e total integração em
redes de comunicação, assim como o uso de ferramentas midiáticas diversas.
Dessa forma, procuramos realizar um estudo sobre os REA´s (Recursos Educacionais
Abertos e dos cursos Massivos Online). Esse trabalho se justifica na falta de estudos mais
detalhados sobre quais teorias estão embasando as modalidades de ensino que utilizam as
Tecnologias da informação e redes de comunicação para produzirem conhecimento.
Como metododologia foi eleita a pesquisa qualitativa, por meio de pesquisas
bibliográfica e o levantamento de dados na Internet.

*1 XII EVIDOSOL e IX CILTEC-Online - junho/2015 - http://evidosol.textolivre.org

Rossini e Pretto(2012) no Brasil. no ensino básico. servindo para consulta. (P. que visam remover as barreiras de acesso à educação tradicional. áudio aulas e outros. e sugerem uma filosofia de aprendizagem centrada no aluno e prevê o uso dos Recursos Educacionais abertos. como livros. até chegarmos à sua definição mais atual. artigos e revistas. a família. efetivar um enquadramento histórico/temporal para uma definição e concepção efetiva do mesmo. para a produção de recursos educacionais mais apropriados à diversidade regional e aos padrões regionais de qualidade. tais como:     o acesso público a materiais educacionais em geral. A partir daí. existe grande dependência dos livros didáticos distribuídos pelo poder público. a prioridade não está somente na aprendizagem e sim na formação tanto do professor. p. o movimento REA ganhou forte apoio institucional. Segundo Ortellado (2009).16) como: Um conjunto aberto de recursos educacionais. Assinala também que. bem como uma estratégia de educação aberta para incluir o indivíduo. o que ocasiona um alto número de cópias irregulares de materiais didáticos. os debates sobre os Recursos educacionais abertos estão galgados em quatro pilares ao mesmo tempo em que refletem as estruturas internas da educação tradicional e as associam às novas oportunidades proporcionadas pela mudança em direção às redes digitais e para a disseminação e utilização de recursos educacionais. potenciados pelas tecnologias de informação e comunicação. de recursos didáticos impressos como livros. apesar da argumentação. ao mesmo tempo. hoje. No ensino superior especificamente. materiais didáticos multimídia. O termo REA (Recursos Educacionais Abertos) surgiu pela primeira vez numa conferência da UNESCO em 2002 e foi definido por (Johnstone. o ciclo econômico de produção de materiais educacionais e seu impacto no “direito de aprender dos cidadãos”. uso e adaptação e novamente reutilizados por uma comunidade de utilizadores com propósitos não comerciais. Lewis e Spencer (1986) definem a educação aberta como um termo utilizado para descrever cursos flexíveis.2 Recursos Educacionais Abertos (REA) O conceito de REA é relativamente recente e torna-se necessário apresentar explicações acerca de algumas ideias e informações e também. 2006). Essa realidade se encontra explícita em sites do Governo Federal como o portal do professor e domínio público. 2005. ainda há muito que fazer em prol da disseminação e desenvolvimento do movimento (Hylén. impacto dos recursos digitais. desenvolvidos para atender necessidades individuais. online e abertos no desenvolvimento profissional continuado dos professores. . quanto na sociedade de forma generalizada por meio das redes digitais e das novas tecnologias da informação e da comunicação. a comunidade e toda a sociedade no processo de aprendizagem e de produção colaborativa de conhecimento. Para Santana. Que oferece recursos educacionais abertos e de apoio aos professores. é conhecida a dependência de alunos de livros didáticos de alto custo. em grande parte. apostilas. os possíveis benefícios que os REA podem trazer para as estratégias de aprendizagem. No entanto. a. 42) Percebe-se que nesses eixos. e há um número considerável de iniciativas na área em vários países. O ensino básico e superior depende.

Mattar (2013) afirma que o MOOC é uma das tentativas de ampliar o modelo conectivista para larga escala e é em princípio “um curso online (que pode utilizar diferentes plataformas). além das emergentes universidades abertas. MOOC é acrônimo de Massive Open Online Course (MOOC) e consiste em um tipo de curso baseado na teoria de aprendizagem Conectivista. aberto (gratuito. Segundo Siemens(2012).400 inscritos. criatividade. bem como acompanhamento dos resultados do sistema de ensino que forem aplicadas.035/2010 que traça diretrizes e metas para a Educação no Brasil e tem prazo de até dez anos para que todas elas sejam cumpridas. enquanto o modelo de cursos nomeado por ele como “coursera” enfatiza uma abordagem de aprendizagem mais tradicional por meio de apresentações de vídeo e pequenos exercícios e testes. assegurada a diversidade de métodos e propostas pedagógicas. Massive Open Online Course (MOOC´s) Para Mattar(2013). como wikis. 57) cita o Plano Nacional de Educação – Projeto de Lei Federal n º. Na contemporaneidade. 57) afirmam também que duas das propostas ainda constam na última versão do Projeto de Lei do PNE 2011-2020:   Selecionar. que uma das primeiras práticas com MOOCs foram realizadas por George Siemens e Stephen Downes em 2008. no qual as informações estão abertas e acessíveis pela internet de forma massiva. Vimos que os Recursos Educacionais Abertos. 8. bookmarks e redes sociais. com aproximadamente 2. Santana. que assegurem a melhoria do fluxo escolar e a aprendizagem de alunos. p. a implementação de um MOOC geralmente ocorre pelo uso combinado das mais variadas ferramentas disponíveis na internet. autonomia e aprendizagem social em rede. microblogs. . abrange também as práticas de oferta e utilização de recursos midiáticos. é um termo genérico. p. entre outras grandezas de uso e disponibilização de tecnologias e pesquisa de acesso livre. certificar e divulgar tecnologias educacionais para educação infantil. o ensino fundamental e ensino médio. e de inovação das práticas pedagógicas nos sistemas de ensino. 2006). o modelo conectivista dos MOOCs enfatiza a criação.3 No que tange a legislação específica que trata do uso de Recursos Educacionais Abertos no Brasil. inclusive a utilização de recursos educacionais abertos. o MOOC se baseia no livre acesso à informação. Implementar o desenvolvimento de tecnologias educacionais. (p. Rossini e Pretto(2012. A funcionalidade de um MOOC possui algumas propriedades que o diferenciam das plataformas habituais de ensino a distância (EAD). blogs.30) Mattar(2013.31) informa também. sem pré-requisitos para participação e que utiliza recursos educacionais abertos) e massivo (oferecido para um grande número de alunos)”. fóruns. Rossini e Pretto(2012. Parece claro que a falta de restrições como pagamento de taxas é a responsável pela massividade dessa modalidade de cursos. com preferência para software livre e recursos educacionais abertos. cujo uso foi popularizado pela UNESCO em 2002. Assim. 2009 e 2011. O termo massivo está associado com a falta de restrições do número de participantes e tem a característica de ser gratuita e promover a colaboração em uma rede de conhecimento entre seus participantes. e tinha como objetivo o estudo da teoria da aprendizagem contectivista de forma massiva e aberta. listas de discussão. assim como nos Learning Management Systems (LMS) ou Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA). o conceito da sala de aula tradicional é levado para o ambiente virtual (DOWNES. p. Nessas plataformas. Diferentemente do AVA. Intitulado “Connectivism and Connective Knowledge. Santana.

Acesso em: 15 de novembro 2014. não seria difícil imaginar a participação de alunos ou professores em MOOCs. novas teorias são desenvolvidas. Groups and Networks. turmas ou períodos. DOWNES. T.. sem limite de participantes e onde todos estão ao mesmo tempo ensinando e aprendendo de forma ativa.26) Percebe-se nas informações do autor que os Mooc´s podem ser utilizados não só em ambientes virtuais. garantindo assim o acesso ao conhecimento por parte dos não participantes do curso. criar e compartilhar recursos dispersos na web. DRON. CONSIDERAÇÕES FINAIS Viu-se então que o governo Brasileiro encoraja o uso de Recursos Educacionais Abertos e estipulou até um prazo para sua implantação. 2011. 80-97. tanto em salas de aula quanto em capacitações mais específicas. Ficou explícito que a teoria da aprendizagem conectivista é a que ampara os Cursos Massivos Online. Novo recursos são criados. S. onde as barreiras do tempo e do espaço são inexistentes. REFERÊNCIAS ANDERSON. pois julga-se que o individual participante desses ambientes pode fazer uso independente doas mídias de comunicação. Tendo em vista a flexibilidade do modelo.l: s. dando características conectivista ao ensino presencial e a distância. p. e as ferramentas são variadas. Outra característica do MOOC descrita por Downes(2006) é a manutenção do conteúdo gerado durante o curso. 3. 2006. criando assim uma metodologia mais rica e motivadora. Estamos envolvidos em redes de comunicações. [S. no MOOC não existem grupos ou turmas como ocorre no ensino presencial. podem ser considerados ou nomeados como Recursos Educacionais Abertos. Percebe-se que as conexões de rede e os mecanismos não humanos estão presentes. e espaços de conhecimento. demonstrando uma alto grau de conexão entre as ferramentas disponíveis. conexões. mecanismos e ferramentas novas o que nos exige um alto grau de conexão e participação ativa. criar suas próprias redes. exigindo assim novas formas de aprender e distribuir conhecimento. e Mota(2009) complementa que em seu lugar surge uma rede de conexões mutante.International Review of Research in Open and Distance Learning. Three generations of distance education edagogy. J.]. Para Santana.flickr. conectando o ambiente presencial da escola ao ambiente virtual. Rossini e Pretto(2012): Participantes são encorajados a encontrar. n. Somos convidados então a repensar o papel dos professores e dos alunos nesses ambientes de ensino. mas também como um recurso a mais para os professores presenciais. v. aberto a mecanismos de busca comerciais da internet. 12. Disponível em: http://www.com/photos/stephen_downes/252157734/. . pois segundo os autores não existe a formação de grupos. (p.4 Como informa Downes(2006). Percebeu-se no percurso da investigação que os Cursos Massivos online.n.

S. 2012. R. Teccogs. Disponível em: <http://www.tagoras. ago.educause. 156 p. George. HYLÉN. J. v. 2013.pdf> Acesso em: 27 nov. 2004.1.org/KnowingKnowledge_LowRes. PRETTO. conectivismo e MOOCs. Da web 2.. – Salvador: Edufba. 7. 2005.l: s.elearnspace.n. São Paulo: Casa da Cultura Digital. [S.]: OECD’s Centre for Educational Research and Innovation. 2005. jan. Acesso em: 11 de novembro 2014.0 ao e-learning 2.com/2010/09/27/mooc/. ISBN 978-1-4303-0230-8. ed. S. Acesso em: 12 novembro. MOTA. Associations Should Consider the MOOC.org/Articles/connectivism. Bianca. 2014. n. 246 p.edu/ir/library/pdf/EQM0533.-jun. Carolina.pd>. Disponível em: <http://www.]. George. SIEMENS. São Paulo: Ação Educativa. D.. 2014.5 DOWNES. SPENCER. ORTELLADO. What is Open Learning? In: Open Learning. . [S. Observatório da Educação. João. Aprendizagem em ambientes virtuais: teorias. 2009).org/weblearning20/. JOHNSTONE. SIEMENS. George. Uma política de direito autoral para o livro didático. SANTANA. Nelson De Lucca (Organizadores) Recursos Educacionais Abertos: práticas colaborativas políticas públicas. 2009 (Desafios da Conjuntura. 2006. Volume 28. – 1.pdf>.0: Aprender na rede. 2009. Number 3.. Open educational resources serve the world.l. Open educational resources: opportunities and challenges. Pablo.27. ROSSINI. 2011. Acesso em: 11 de novembro 2014. Acesso em: 12 nov. Disponível em: <http://www. SIEMENS. EDUCAUSE Quarterly Magazine. 1 imp. 2008 http://www. LEWIS.elearnspace.Disponível em: < http://www.org/dataoecd/5/47/37351085. Londres: Council for Educational Technology. n. Disponível em: http://orfeu. 1986 MATTAR. José Carlos.oecd. Connectivism: A Learning Theory for the Digital Age. Knowing Knowledge.htm>.