You are on page 1of 29

-PÚBLICO

-

N-134

REV. E

12 / 2011

Chumbadores para Concreto

Padronização
Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior.
Cabe à CONTEC - Subcomissão Autora, a orientação quanto à interpretação do
texto desta Norma. A Unidade da PETROBRAS usuária desta Norma é a
responsável pela adoção e aplicação das suas seções, subseções e
enumerações.

CONTEC
Comissão de Normalização
Técnica

Requisito Técnico: Prescrição estabelecida como a mais adequada e que
deve ser utilizada estritamente em conformidade com esta Norma. Uma
eventual resolução de não segui-la (“não-conformidade” com esta Norma) deve
ter fundamentos técnico-gerenciais e deve ser aprovada e registrada pela
Unidade da PETROBRAS usuária desta Norma. É caracterizada por verbos de
caráter impositivo.
Prática Recomendada: Prescrição que pode ser utilizada nas condições
previstas por esta Norma, mas que admite (e adverte sobre) a possibilidade de
alternativa (não escrita nesta Norma) mais adequada à aplicação específica. A
alternativa adotada deve ser aprovada e registrada pela Unidade da
PETROBRAS usuária desta Norma. É caracterizada por verbos de caráter
não-impositivo. É indicada pela expressão: [Prática Recomendada].

SC - 04
Construção Civil

Cópias dos registros das “não-conformidades” com esta Norma, que possam
contribuir para o seu aprimoramento, devem ser enviadas para a
CONTEC - Subcomissão Autora.
As propostas para revisão desta Norma devem ser enviadas à CONTEC Subcomissão Autora, indicando a sua identificação alfanumérica e revisão, a
seção, subseção e enumeração a ser revisada, a proposta de redação e a
justificativa técnico-econômica. As propostas são apreciadas durante os
trabalhos para alteração desta Norma.
“A presente Norma é titularidade exclusiva da PETRÓLEO BRASILEIRO
S.A. - PETROBRAS, de uso interno na PETROBRAS, e qualquer
reprodução para utilização ou divulgação externa, sem a prévia e
expressa autorização da titular, importa em ato ilícito nos termos da
legislação pertinente, através da qual serão imputadas as
responsabilidades cabíveis. A circulação externa será regulada mediante
cláusula própria de Sigilo e Confidencialidade, nos termos do direito
intelectual e propriedade industrial.”

Apresentação
As Normas Técnicas PETROBRAS são elaboradas por Grupos de Trabalho
- GT (formados por Técnicos Colaboradores especialistas da Companhia e de suas Subsidiárias), são
comentadas pelas Unidades da Companhia e por suas Subsidiárias, são aprovadas pelas
Subcomissões Autoras - SC (formadas por técnicos de uma mesma especialidade, representando as
Unidades da Companhia e as Subsidiárias) e homologadas pelo Núcleo Executivo (formado pelos
representantes das Unidades da Companhia e das Subsidiárias). Uma Norma Técnica PETROBRAS
está sujeita a revisão em qualquer tempo pela sua Subcomissão Autora e deve ser reanalisada a
cada 5 anos para ser revalidada, revisada ou cancelada. As Normas Técnicas PETROBRAS são
elaboradas em conformidade com a Norma Técnica PETROBRAS N-1. Para informações completas
sobre as Normas Técnicas PETROBRAS, ver Catálogo de Normas Técnicas PETROBRAS.
PROPRIEDADE DA PETROBRAS

26 páginas, Índice de Revisões e GT

-PÚBLICO-

N-134

REV. E

12 / 2011

1 Escopo
1.1 Esta Norma padroniza formas, dimensões, materiais e características mecânicas de
chumbadores a serem usados na fixação de elementos e componentes estruturais e de
equipamentos em estruturas de concreto. Também define critérios mínimos para instalação e uso dos
chumbadores, determina tolerâncias de fabricação, requisitos para serviços e critérios para aceitação
de materiais e serviços.

1.2 Chumbadores diferentes dos apresentados no Anexo A desta Norma podem ser utilizados, desde
que no detalhamento do projeto sejam definidas formas, especificadas dimensões, materiais e
características mecânicas.

1.3 Esta Norma não se aplica à padronização de quaisquer características de chumbadores de
pós-concretagem, apenas define critérios mínimos para seu uso, bem como determina as tolerâncias
de fabricação e os critérios para aceitação de materiais e serviços.

1.4 Esta Norma se aplica a serviços iniciados a partir da data de sua edição.

1.5 Esta Norma contém Requisitos Técnicos e Práticas Recomendadas.

2 Referências Normativas
Os documentos relacionados a seguir são indispensáveis à aplicação deste documento. Para
referências datadas, aplicam-se somente as edições citadas. Para referências não datadas,
aplicam-se as edições mais recentes dos referidos documentos.
PETROBRAS N-1550 - Pintura de Estrutura Metálica;
ABNT NBR 5872 - Furos de Passagem para Parafusos e Peças Roscadas Similares Dimensões;
ABNT NBR 5875 - Parafusos, Porcas e Acessórios;
ABNT NBR 5876 - Roscas;
ABNT NBR 6118 - Projeto de Estruturas de Concreto;
ABNT NBR 6215 - Produtos Siderúrgicos;
ABNT NBR 8800 - Projeto de Estruturas de Aço e de Estruturas Mistas de Aço e Concreto
de Edifícios;
ABNT NBR 11888 - Bobinas e Chapas Finas a Frio e a Quente de Aço-Carbono e Aço de
Baixa Liga e Alta Resistência;
ABNT NBR 11889 - Bobinas Grossas e Chapas Grossas de Aço-Carbono e de Aço de
Baixa Liga e Alta Resistência;
ABNT NBR 12320 - Trilho - Dimensões e Tolerâncias;
ABNT NBR 14827 - Chumbadores Instalados em Elementos de Concreto ou Alvenaria Determinação de Resistência à Tração e ao Cisalhamento;
ABNT NBR 14918 - Chumbadores Mecânicos Pós-Instalados em Concreto - Avaliação do
Desempenho;
2

3 . subtipo 4. A notação deve ser indicada junto à locação dos chumbadores. distribuídos de forma polar. “International Organization for Standardization”.1 do Anexo A) elemento acessório do chumbador destinado a facilitar a instalação de equipamentos e elementos estruturais 3. E 12 / 2011 ABNT NBR 15049 .3 chumbador de adesão química elemento de ancoragem normalmente chamado de “insert” metálico.4 luva (conforme Figura A. NBR 5876.5 graute argamassa cimentícia ou mistura de agregados minerais e resina química.Determinação do Desempenho. A citada Figura exemplifica uma base octogonal em planta com oito chumbadores do tipo G. 5 Notação dos Chumbadores de Pré-Concretagem 5.1 nicho de concretagem (conforme Figura A. NBR 6215 e NBR 14827 e os seguintes.Pintura Industrial. cuja aderência no concreto é garantida por resinas químicas (produtos de base polimérica. destinada ao nivelamento da chapa metálica sobre a base de concreto. 3.3 do Anexo A) volume vazio. moldado na base de concreto.Chumbadores de Adesão Química Instalados em Elementos de Concreto ou de Alvenaria Estrutural . poliéster bicomponente) ou argamassas especiais 3. 3 Termos e Definições Para os efeitos deste documento aplicam-se os termos e definições da ABNT NBR 15156. Tem resistência mecânica superior ao concreto empregado na base e característica não-retrátil após a cura 4 Símbolos e Abreviaturas ABNT ISO PVC VAC - Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 5875. Ventilação e Ar Condicionado.1 Para os fins desta Norma deve ser adotada a notação conforme a Figura 1.2 chumbador fixado à pólvora chumbador de pós-concretagem instalado no concreto através de equipamento de percussão originada por explosão de pólvora 3. no desenho para execução de forma da base. ABNT NBR 15156 . destinado à instalação posterior de chumbador de pré-concretagem com uso de argamassa para enchimento. com resistência mecânica igual ou superior ao concreto empregado na base 3. inserido em estrutura existente.-PÚBLICO- N-134 REV. “Polyvinyl Chloride” (Policloreto de Vinila).

que devem ser inteiros. NOTA 2 A unidade de massa kg deve constar da notação. E 12 / 2011 8-G4-M30-L850-PR125-8. L (indicadora do comprimento embutido) e PR (indicadora da projeção) devem constar da notação. conforme Tabela 1 Tipo do chumbador. conforme Figuras do Anexo B Quantidade de chumbadores NOTA 1 As siglas M (indicadora do diâmetro e da rosca métrica).61kg Massa do chumbador em kg Projeção do chumbador em mm Comprimento embutido do chumbador em mm Diâmetro da haste e da rosca métrica ISO Subtipo do chumbador. Excetuam-se somente as massas de porcas e arruelas utilizadas para fixar o equipamento sobre a base. Figura 1 . luva e demais elementos que ficam inseridos na base.Notação dos Chumbadores 4 . NOTA 3 No cálculo da massa do chumbador devem ser consideradas as massas da haste. em cujo lado esquerdo deve ser indicado o respectivo valor numérico. em cujo lado direito devem ser inicados os respectivos valores numéricos. chapa de ancoragem. que deve conter 2 casas decimais.-PÚBLICO- N-134 REV.

2 Em chumbadores com diâmetro acima de 33 mm.2 Com a utilização de elementos acessórios para fixação dos equipamentos. 6. — processo de fixação. — proteção anticorrosiva e mecânica. instalação: — elaboração de gabaritos. o uso de luva é obrigatório caso não seja utilizado nicho de concretagem. o uso de luva ou nichos de concretagem é obrigatório. normas de referência.1. 5 . locação e nivelamento. tolerância. Tabela 1 . 6. especificação.  Elemento não utilizado.-PÚBLICO- N-134 REV. limpeza e condicionamento. para qualquer finalidade. 6. termos e definições. 6 Critérios para Utilização de Chumbadores 6. os tipos de chumbadores dividem-se em subtipos.1.4 Para aplicação ou impedimento de uso dos chumbadores devem ser seguidas as indicações da Tabela 2.1 Os chumbadores de pré-concretagem. metodologia de registro das informações.1. [Prática Recomendada] 6. requisitos de segurança. Para obtenção dos subtipos.Subtipos de Chumbadores Elementos acessórios Número do subtipo 1 2 3 4 5 6 7 8 Legenda: Luva Arruela lisa Arruela de pressão Número de porcas                         1 1 2 2 1 1 2 2  Elemento utilizado.3 Para equipamentos pesados ou chumbadores que exijam rigoroso controle de locação.1. saúde ocupacional e meio ambiente. podem ser providos de luvas para permitir ajustes em sua instalação. E 12 / 2011 5. devem ser adicionados às letras designadoras dos tipos de chumbadores os números apresentados na Tabela 1.1 Gerais Deve ser elaborado procedimento para fixação de insertos e chumbadores contemplando no mínimo os seguintes itens: a) b) c) d) e) f) g) h) i) objetivo.

1. plataformas de carregamento de produtos    (com altura menor que 2 500 mm).1.6 Devem ser usadas duas porcas nos chumbadores para vasos verticais.7 Os chumbadores devem ser fixados obedecendo-se às disposições construtivas mostradas nas Figuras do Anexo A. equipamentos leves diversos em bases de concreto não armadas Legenda:  Aplicável. as arruelas devem ser de pressão. 6.             6. bandejas (com largura menor que    400 mm) de cabos elétricos e de instrumentação.Matriz de Utilização dos Chumbadores Aplicação: fixação de Tipo de chumbador De pré-concretagem De pós-concretagem A B C D E F G H I J K L M Expansão Adesão Fixado à química pólvora Bombas centrífugas (potência    até 60 CV) Bombas centrífugas (potência    acima de 60 CV) Turbinas.-PÚBLICO- N-134 REV.   compressores centrífugos e              alternativos Vasos e trocadores    “Chillers”    Torres e chaminé    Trilhos (para movimentação   de pórticos. bases de painéis elétricos e de instrumentação Tubulações de diâmetro menor que 100 mm. para suportes deslizantes de equipamentos e para equipamentos que causam esforços dinâmicos nos chumbadores. dutos de VAC. passarelas de operação e suportes de tubulação em   estruturas de concreto              existentes.  Não permitido (por impossibilidade de aplicação ou por não recomendação). escadas de acesso. No caso de equipamentos que causam esforços dinâmicos nos chumbadores. guindastes e              outros equipamentos) Suportes de tubulação    Bases de estruturas de aço    Guarda-corpos. geradores.1 do Anexo A). 6. 6 . E 12 / 2011 Tabela 2 .1.5 Na fixação dos equipamentos devem ser utilizadas arruelas lisas de aço-carbono (ver Figura A. forros em edificações Estruturas de plataformas.

o projeto de detalhamento deve prescrever o citado revestimento.3 O comprimento de ancoragem do chumbador (comprimento embutido L) no concreto deve ser calculado conforme a ABNT NBR 6118 para os chumbadores de pré-concretagem dos tipos A. nas áreas indicadas pela Figura A.6 Os chumbadores de pós-concretagem de expansão e de adesão química devem ter um comprimento de embutimento L de.1 A seleção do tipo de chumbador mais adequado.1. I e J. B. visando melhor proteção em ambientes agressivos. 7 .1. bem como para os chumbadores de pós-concretagem de adesão química. dez vezes o seu diâmetro nominal. deve-se proceder à pintura de campo nos extremos dos chumbadores. e a critério do projeto de revestimento. 6. 6.5 No cálculo do comprimento de ancoragem dos chumbadores de pós-concretagem de adesão química. 6. o cálculo do comprimento embutido L (ver Figura 1 e Anexo B) e a determinação da projeção PR (ver Figura 1 e Anexo B) fazem parte do escopo do projeto de detalhamento. C. 6.11 As partes externas dos insertos metálicos. 6.10 Os chumbadores devem receber pintura de fábrica.8 Os nichos de concretagem devem ser executados seguindo as condições estabelecidas na Figura A.1. Neste caso.-PÚBLICO- N-134 REV.2. deve ser desconsiderado o comprimento de 30 mm relativo à área de pintura de fábrica (ver Figura A. devem possuir proteção anticorrosiva.2.2.12 Estando o graute já curado e o equipamento fixado com o aperto final aplicado às porcas.3 do Anexo A e devem ser detalhados e apresentados no desenho para execução de forma da base. a aplicação das pinturas pode ser dispensada. 6. Para os chumbadores de pré-concretagem sem luvas.2. G. deve ser analisada a influência da temperatura na redução da resistência de ancoragem.4 No cálculo do comprimento de ancoragem (comprimento embutido L) deve ser desconsiderado o comprimento da luva. de acordo com as prescrições da norma PETROBRAS N-1550.2. porcas e arruelas.1. [Prática Recomendada] 6.4 do Anexo A).9 Os nichos de concretagem podem ser executados também por meio de tubos corrugados de aço galvanizado (comumente utilizados como bainhas de cabos de protensão).4 do Anexo A.2.2 A seção da haste do chumbador deve ser calculada e verificada conforme as prescrições das ABNT NBR 6118 e NBR 8800. 6. tanto para os chumbadores de pré-concretagem quanto para os chumbadores de pós-concretagem de expansão e de adesão química.1. no mínimo. assim como aquelas situadas à profundidade menor ou igual ao cobrimento da armadura.2 Critérios para Cálculo e Dimensionamento 6. 6.13 Quando for necessária a aplicação de revestimento especial na superfície dos chumbadores. 6. D. [Prática Recomendada] 6. H. E 12 / 2011 6. porcas e arruelas.1.

3. E 12 / 2011 6. deve ser levado em conta o efeito de fadiga no dimensionamento dos mesmos da ABNT NBR 8800.3. adicionando-se proteção contra corrosão após a concretagem.3. 6.2.2. 6.13 Recomenda-se fazer pelo menos um teste de arrancamento em um chumbador de sacrifício para testar a qualidade final do chumbador implantado.5 Deve realizada uma proteção prévia contra danos mecânicos antes da concretagem.8 Para os chumbadores de pré-concretagem dos tipos E.1 Os chumbadores não devem apresentar corrosão ou amassamento de rosca. K. Para os chumbadores de expansão o cone de cisalhamento deve ser iniciado a partir da jaqueta (ou castanha).2. atendendo as ABNT NBR 6118 e NBR 8800.3 Critérios Mínimos a Serem Observados no Recebimento dos Chumbadores. deve ser feita apenas a verificação ao puncionamento do concreto conforme a ABNT NBR 6118. deve ser feita a verificação ao puncionamento do concreto conforme ABNT NBR 6118.2.3.6 A locação e nível dos chumbadores de pré-concretagem devem ser verificados por topografia antes do lançamento do concreto na forma e conferidos após 24 horas do término da concretagem. 6. 6.2.2 Os chumbadores de pré-concretagem devem ser instalados com auxílio de gabarito fixado na forma da base. L e M. conforme as prescrições das ABNT NBR 14918 e NBR 15049. [Prática Recomendada] 6. tanto para os chumbadores de pré-concretagem quanto para os chumbadores de pós-concretagem de expansão e de adesão química. 6. 6.-PÚBLICO- N-134 REV. K.3. Permite-se tomar o cone de puncionamento começando no extremo inferior do chumbador e com ângulo de distribuição a 45° com a vertical.3 Caso necessário.4 Os chumbadores e gabaritos não devem ser soldados às armaduras do concreto para não haver o risco da corrosão causada por metais diferentes em contato (corrosão eletrogalvânica). 8 . que possuem chapa de ancoragem.3.12 Para os chumbadores solicitados por ações dinâmicas.9 Deve ser verificada a influência dos cones de punção de chumbadores vizinhos. para a totalidade do esforço de tração atuante no chumbador. 6.2. F. na Instalação e Concretagem da Forma 6. 6. 6. deve ser feita verificação complementar da segurança ao rompimento do concreto na borda. F.2. [Prática Recomendada] podem ser usados gabaritos metálicos embutidos no concreto. 6. 6.11 No caso de chumbadores solicitados por força cisalhante. L e M são calculadas e verificadas.7 Tendo fixado o comprimento de embutimento L no concreto.10 As dimensões das chapas de ancoragem dos chumbadores de pré-concretagem dos tipos E. na Locação.

a fim de protegê-lo contra corrosão e ações mecânicas. 6. que deve ser untado previamente com graxa amarela.8 Para instalação dos chumbadores de pós-concretagem de expansão e de adesão química deve-se tomar alguns cuidados. d) encher completamente o nicho com água e deixá-lo por 24 horas (caso o fabricante da argamassa de enchimento prescreva ação diferente. b) caso haja necessidade do corte de armaduras da peça estrutural.3.11 Deve ser impedida a entrada de água nas luvas dos chumbadores. o que for menor. f) o diâmetro do furo deve permitir trabalhabilidade e garantir que o elemento químico envolva completamente o perímetro da barra. seguir esta última). recomenda-se o atendimento das prescrições do fabricante referentes ao desempenho do produto para temperaturas elevadas. estando ainda a superfície úmida. [Prática Recomendada] h) no caso de chumbador de adesão química. e) o interior do furo deve estar limpo.3. deve ser usado “cap” rígido de PVC sobre o trecho roscado do chumbador. Após o equipamento estar fixado. com a retirada total da graxa e outros agentes.9 Após a concretagem.3. e) esvaziar completamente o nicho e. 6. 9 . [Prática Recomendada] 6. E 12 / 2011 6. deve ser feita uma avaliação estrutural da peça considerando somente as armaduras remanescentes. c) os chumbadores não devem ser soldados às armaduras existentes.10 Antes da fixação do equipamento sobre a base. d) deve ser feito rigoroso controle dimensional do furo. Podem ser usados como “cap” eletrodutos rígidos de PVC com ponta amassada a quente. mecânicos e máquinas. b) apicoamento da superfície ou seu jateamento com água em alta pressão (aplicável somente se a superfície estiver ainda em estado de cura inicial). [Prática Recomendada] 6. em posição que permita a entrada de água com conseqüente oxidação do corpo do chumbador.-PÚBLICO- N-134 REV. deve-se proceder à limpeza do trecho roscado do chumbador. entre os quais destaca-se: a) os furos dos chumbadores devem estar afastados das armaduras da peça estrutural.3. com a retirada dos materiais utilizados como forma. que possuem quantidade limitada de resina para colmatação do furo. Caso as tolerâncias não sejam especificadas pelo fabricante deve-se adotar: — para locação: 2 mm. principalmente para os chumbadores de adesão química por ampolas. 6. c) nova limpeza da superfície. de maneira a evitar o contato direto e conseqüentemente problema de corrosão. executar seu enchimento (caso o fabricante da argamassa de enchimento prescreva ação diferente. seguir esta última). sujeitas a chuvas ou lavagens.3.3. todas as luvas devem ser preenchidas com graute. com a retirada de fragmentos e poeiras. g) no caso de chumbador de expansão recomenda-se cuidados na utilização dos mesmos em áreas abertas.12 Devem ser observadas as tolerâncias especificados pelo fabricante do equipamento para locação e elevação dos chumbadores em bases de equipamentos estáticos e dinâmicos. — para elevação: 2.1 % da altura da base em relação ao piso.7 Para enchimento dos nichos de concretagem deve ser executado o seguinte procedimento: a) limpeza da superfície. sem a presença de poeiras e estar com a superfície seca.5 mm ou 0.

— 6 mm de centro a centro de grupos adjacentes de chumbadores. dimensões. terceira e quarta subalíneas desta alínea. locados no projeto fora das linhas estabelecidas para pilares. — projeção dos chumbadores: ± 5 mm. a linha estabelecida para os pilares é a linha real de locação mais representativa dos centros dos grupos de chumbadores como locados na obra. ao longo de uma linha de pilares.-PÚBLICO- N-134 REV. 7 Especificações Para especificações de materiais.13 Tolerâncias para Locação de Chumbadores a) os chumbadores devem ser instalados de acordo com o projeto não podendo a locação variar em relação às dimensões indicadas além dos seguintes limites: — 3 mm. b) no que diz respeito à base de esferas. aplicam-se as tolerâncias descritas nas segunda. deve-se atender aos seguintes requisitos: — distância entre eixos de chumbadores alternados de bases vizinhas: ± 5 mm. os chumbadores devem ser instalados perpendicularmente à superfície teórica de apoio. 10 . requisitos para serviços e critérios de aceitação de materiais e serviços. E 12 / 2011 6. onde grupo de chumbadores é definido como o conjunto que recebe uma peça única a ser fixada.3. de 2 chumbadores quaisquer. — 6 mm. desde que as dimensões consideradas sejam medidas nas direções paralela e perpendicular à linha mais próxima estabelecida para pilares. de centro a centro. devem ser seguidas as normas indicadas na Seção 2. não podendo ultrapassar um total de 25 mm. entre o centro de qualquer grupo de chumbadores e o eixo estabelecido para este grupo. dentro de um grupo de chumbadores. — diâmetro do círculo que contém os eixos dos grupos de chumbadores de bases opostas: ± 10 mm. determinação de tolerâncias de fabricação. — para pilares individuais. c) a menos que haja indicação em contrário. — o valor acumulado entre grupos deve ser menor ou igual a 6 mm para cada 30 m de comprimento medido ao longo da linha estabelecida para os pilares.

6 600 4.5 40 150 2 55 5 13 4 0. série normal.3 31 5 1.64 M22 75 39 3 50 200 2 65 5 23 4 0. NOTA 3 Espessuras padronizadas pelas ABNT NBR 11888 e NBR 11889.37 M30 100 56 4 60 300 3 80 6.59 M56 160 105 10 101.2 350 3 95 8 37 5 2.31 M10 45 20 2 40 100 2 55 5 10.Dimensões Padronizadas de Trechos Roscados.5 66 6 7. Figura A.41 M16 60 30 3 50 150 2 65 5 17 4 0.1 .5 50 6 5.4 800 5 175 16 93 8 17.35 NOTA 1 Dimensões aplicáveis somente para arruelas lisas.02 M72 200 125 10 127 650 4.4 900 5 175 16 104 8 19.Disposições Construtivas ØB Porca sextavada para fixação do equipamento A C Arruela para fixação do equipamento (lisa ou de pressão) ØD Ø Luva Base de concreto E (em elevação) F J H G Furo na chapa (ØI) Dimensões padronizadas (mm) Ø A B 1) C 1) D E F G H 3) I 2) J Massa da luva (kg) M8 40 16 1.5 74 6 10.6 40 100 2 55 5 8.64 M24 80 44 4 60 250 3 80 6.5 4 0. Arruelas para Fixação e Luvas 11 .31 M12 50 24 2.25 150 12.73 M100 275 175 14 152.5 58 6 6.6 500 4.05 M64 180 115 10 101.4 4 0. NOTA 2 Equivale à série fina.3 34 5 2.-PÚBLICO- N-134 REV. E 12 / 2011 Anexo A .37 M27 90 50 4 60 250 3 80 6.5 82 6 11.25 150 12.3 25 5 1.06 M36 110 66 5 76.68 M48 140 92 8 101. definida na ABNT NBR 5872.53 M20 70 37 3 50 200 2 65 5 21 4 0.25 120 9.2 300 3 95 6.2 400 3 95 8 43 5 2.6 450 4.24 M80 220 140 12 127 750 4.3 28 5 1.43 M90 250 160 12 152.43 M42 130 78 8 76.25 120 9.57 M33 105 60 5 76.25 120 9.

em planta.2 .2.Ø 100 mm 3.Posicionamento da Placa de Base  100 mm  4.Posicionamento dos Chumbadores Figura A.Restrições no Posicionamento das Placas de Base e Chumbadores 12 .2 . E 12 / 2011  50 mm Placa de base do equipamento 50 mm 0.1 . da placa de base) Graute Base de concreto (em elevação) Figura A.Ø Ø 75 mm   75 mm Ø Projeção do gancho ou da chapa de ancoragem   75 mm 50 mm 2.-PÚBLICO- N-134 REV.2.Ø Base de concreto  100 mm (em elevação) Figura A.B  45° (B é a menor dimensão.15.

E 12 / 2011 (A + 20 mm) ver Nota Nicho de concretagem  20 mm Base de concreto (em elevação) A  100 mm 100 mm  100 mm (A + 80 mm) ver Nota NOTA Caso seja utilizado tubo corrugado de aço galvanizado. Figura A.-PÚBLICO- N-134 REV.Pintura de Fábrica para os Chumbadores de Pré-Concretagem 13 . a chapa de ancoragem ou gancho. em planta. Figura A.4 . o diâmetro efetivo interno deve ser 80 mm maior que o diâmetro do círculo que circunscreve.Dimensões Limites para Nichos de Concretagem (“Blockouts”) Ver Nota Topo da base 30 mm Ver Nota Chumbador com luva Chumbador sem luva NOTA Área a receber pintura de fábrica.3 .

-PÚBLICO- N-134 REV. NOTA 2 Comprimento mínimo admissível para L (comprimento embutido).7 24 240 8.7 37.1 25.9 x 10 -4.1 .4 20 200 6.1 16 160 3.2 x 10 -4.9 x 10-4.(PR + L + A) M12 7.(PR + L + A) M10 6.4 31.(PR + L + A) NOTA 1 As dimensões PR (projeção) e L (comprimento embutido) são definidas pelo detalhamento. E 12 / 2011 Anexo B . NOTA 3 Comprimento desenvolvido do gancho. Figura B.Chumbador Tipo A 14 .Tipos de Chumbadores de Pré-Concretagem PR (ver Nota 1) Topo da base Ø L (ver Nota 1) R B R A Ver Nota 3 Diâmetros permitidos e dimensões padronizadas (mm) L mín ² ) Massa (kg) Ø A B R M8 5.

E 12 / 2011 PR (ver Nota 1) Topo da base Ø L (ver Nota 1) r r B 45° 45° A Ver Nota 2 Diâmetros permitidos e dimensões padronizadas (mm) L mín ³ ) Massa (kg) Ø A B r M8 4.9 x 10 -4.3 38.6 x 10 -3.7 76.(PR + L + A) M16 8.(PR + L + A) M12 6. NOTA 2 Comprimento desenvolvido do gancho.9 10 200 6.(PR + L + A) M10 5. Figura B.Chumbador Tipo B 15 . NOTA 3 Comprimento mínimo admissível para L (comprimento embutido).3 8 160 3.9 x 10 -4.(PR + L + A) NOTA 1 As dimensões PR (projeção) e L (comprimento embutido) são definidas pelo detalhamento.5 57.4 12 240 8.2 x 10 -4.-PÚBLICO- N-134 REV.4 47.2 .6 16 320 1.

9 x 10-4.-PÚBLICO- N-134 REV. E 12 / 2011 PR (ver Nota 1) Topo da base Ø L (ver Nota 1) Barra roscada Diâmetros permitidos e dimensões padronizadas (mm) Ø L mín ² ) Massa (kg) M8 160 3.5 x 10-3.(PR + L) NOTA 1 As dimensões PR (projeção) e L (comprimento embutido) são definidas pelo detalhamento.(PR + L) M16 320 1.(PR + L) M12 240 8.2 x 10-4.(PR + L) M10 200 6.9 x 10-4. Figura B.6 x 10-3.3 .Chumbador Tipo C 16 . NOTA 2 Comprimento mínimo admissível para L (comprimento embutido).(PR + L) M20 400 2.

10 M16 82.4 .5 100 170 80 27 8 50 300 2.4 50 80 50 16 5 20 150 6.9 x 10-4.52 M24 130.5 x 10 -3.22 M20 108.Chumbador Tipo D 17 .38 M22 119.(PR + L + A) + 0.-PÚBLICO- N-134 REV.0 x 10-3. NOTA 2 Comprimento mínimo admissível para L (comprimento embutido).(PR + L + A) + 0.(PR + L + A) + 0. Figura B. E 12 / 2011 PR (ver Nota 1) Topo da base Ø F ØE L (ver Nota 1) Barra transversal (comprimento = D) C R B A Ver Nota 3 Diâmetros permitidos e dimensões padronizadas (mm) Massa (kg) Ø A B C D E F R L mín ² M10 51.(PR + L + A) + 0.3 80 128 70 22 6 32 240 1.2 120 204 90 33 10 60 360 3.64 NOTA 1 As dimensões PR (projeção) e L (comprimento embutido) são definidas pelo detalhamento.6 x 10 -3. NOTA 3 Comprimento desenvolvido do gancho.7 60 96 60 16 6 24 180 8.(PR + L + A) + 0.6 x 10 -3.4 110 187 90 30 8 55 330 3.2 x 10 -4.08 M12 61.(PR + L + A) + 0.

(PR + L) + 3. Figura B.(PR + L) + 3.Chumbador Tipo E 18 .2 x 10 -1 15.5 .59 M22 55 66 5 260 3.(PR + L) + 2.9 x 10 NOTA 1 As dimensões PR (projeção) e L (comprimento embutido) são definidas pelo detalhamento.81 M20 50 60 4 240 2.3 x 10 -2 2. NOTA 2 Comprimento mínimo admissível para L (comprimento embutido).5 x 10-3. aplicar 2 pontos de solda em cada porca (em posição diametralmente oposta) no sentido de garantir a permanência de fixação do conjunto NOTA 4 Carga nominal máxima de tração no chumbador.6 x 10 -3.9 x 10-4.(PR + L) + 5.0 x 10-3.2 x 10-4.2 x 10 -1 10. NOTA 3 Após estarem fixadas as porcas à arruela (sem aperto excessivo que possa ocasionar protensão na haste do chumbador).(PR + L) + 3.(PR + L) + 1.59 -1 16.6 x 10 -3.24 M16 40 50 3 190 1.2 x10 -1 6.95 M12 30 37 3 140 8.5 x 10 -2 4.-PÚBLICO- N-134 REV. E 12 / 2011 PR (ver Nota 1) Topo da base Ø L (ver Nota 1) Porcas sextavadas C A Arruela lisa (série grande) Ver Nota 3 ØB Diâmetros permitidos e dimensões padronizadas (mm) Carga 4 ) máxima (kN) Massa (kg) L mín ² ) Ø A B C M10 25 30 2.5 120 6.55 M24 60 72 5 280 3.

5 220 35 13 160 1. Figura B.2 x 10-3.(PR + L) + 10.79 M16 150 55 19 270 40 17 210 3.70 M20 150 70 19 270 50 21 250 4.49 M24 200 85 25 360 70 25 310 7.6 . NOTA 4 Uso de luvas impedido por restrição geométrica (ver Figura A.-PÚBLICO- N-134 REV.8 x 10-3. aplicar 2 pontos de solda em cada porca (em posição diametralmente oposta) no sentido de garantir a permanência de fixação do conjunto.5 180 30 10. NOTA 5 Equivale à série fina.(PR + L) + 5.5 130 1.13 NOTA 1 As dimensões PR (projeção) e L (comprimento embutido) são definidas pelo detalhamento. NOTA 6 Espessuras padronizadas pela ABNT NBR 11 889.0 x 10-3.2.1 x 10-2. NOTA 3 Após estarem fixadas as porcas à arruela (sem aperto excessivo que possa ocasionar protensão na haste do chumbador).20 M22 200 80 25 360 60 23 280 6.2 x 10-3. E 12 / 2011 PR (ver Nota 1) Topo da base Ø L (ver Nota 1) Chapa de ancoragem (largura = E) Porcas sextavadas B C = Ver Nota 3 = A Furo na chapa (Ø F) D Diâmetros permitidos e dimensões padronizadas (mm) Ø A B C 6) D E F 5) L mín ² ) Massa (kg) M10 4) 100 35 9.1 x 10-3.90 M30 250 100 30 450 90 31 380 1.(PR + L) + 2.Chumbador Tipo F 19 .(PR + L) + 8.(PR + L) + 1.(PR + L) + 0.0 x 10-3. NOTA 2 Comprimento mínimo admissível para L (comprimento embutido).(PR + L) + 4.9 x 10-3.25 M27 250 95 30 450 80 28 350 9. definida na ABNT NBR 5 872.(PR + L) + 0.43 M12 4) 120 40 12.2).

(PR + L + A) M22 224.6 12 24 240 8.(PR + L + A) M30 306.0 x 10 -3 . Figura B.3 260.2 x 10 -4 .9 x 10 -4 .5 603.9 162.7 62.8 27 68 540 4.1 130.9 30 75 600 5.5 47.5 x 10 -3 .2 547.(PR + L + A) M12 94.6 105.(PR + L + A) NOTA 1 As dimensões PR (projeção) e L (comprimento embutido) são definidas pelo detalhamento.9 39.6 x 10 -3 .2 482.4 16 32 320 1.6 143.9 55.6 x 10 -3 .4 402.8 442.7 .3 117.1 103.7 195.9 115.5 95.(PR + L + A) M20 204.9 24 60 480 3.6 20 50 400 2.3 34.(PR + L + A) M27 278.-PÚBLICO- N-134 REV. NOTA 2 Comprimento mínimo admissível para L (comprimento embutido).(PR + L + A) M24 245.9 86.1 41.(PR + L + A) M16 126.8 129. E 12 / 2011 PR (ver Nota 1) Topo da base Ø L (ver Nota 1) r C D R B 30° A Ver Nota 3 Diâmetros permitidos e dimensões padronizadas (mm) Ø A B C D r R L mín ² ) Massa (kg) M10 78.6 10 20 200 6.5 x 10 -3 .4 95.3 22 55 440 3.5 x 10 -3 . NOTA 3 Comprimento desenvolvido do gancho.Chumbador Tipo G 20 .

1 398.9 155.5 x 10 -3 . NOTA 2 Comprimento mínimo admissível para L (comprimento embutido).9 361.3 50.(PR + L + A) M27 179.0 x 10 -3 .3 491.3 434.8 .9 103.9 542.Chumbador Tipo H 21 .9 60 60 30 75 600 5.9 x 10 -4 .(PR + L + A) M12 64.6 x 10 -3 .3 42.2 141.(PR + L + A) M16 86.(PR + L + A) M20 131.-PÚBLICO- N-134 REV. E 12 / 2011 PR (ver Nota 1) Topo da base Ø L (ver Nota 1) r C r D B E R 30° A Ver Nota 3 Diâmetros permitidos e dimensões padronizadadas (mm) ) Massa (kg) Ø A B C D E r R L mín ² M10 53.6 x 10 -3 .7 48 48 24 60 480 3. NOTA 3 Comprimento desenvolvido do gancho.9 40 40 20 50 400 2.3 44 44 22 55 440 3.(PR + L + A) M24 158.9 155. Figura B.(PR + L + A) NOTA 1 As dimensões PR (projeção) e L (comprimento embutido) são definidas pelo detalhamento.3 124.3 248.1 32 32 16 32 320 1.(PR + L + A) M30 197.(PR + L + A) M22 145.1 114.5 x 10 -3 .4 67.4 24 24 12 24 240 8.5 x 10 -3 .3 54 54 27 68 540 4.2 x 10 -4 .0 20 20 10 20 200 6.7 186.

-PÚBLICO- N-134 REV. Figura B.0 x 10 -3 . NOTA 2 Comprimento mínimo admissível para L (comprimento embutido).5 32 32 320 1.6 x 10 -3 .(PR + L + A) M22 139. E 12 / 2011 PR (ver Nota 1) Topo da base Ø L (ver Nota 1) B R A Ver Nota 3 Diâmetros permitidos e dimensões mínimas (mm) Ø A B R L mín ² Massa (kg) M10 52.2 x 10 -4 .1 40 50 400 2.9 . NOTA 3 Comprimento desenvolvido do gancho.(PR + L + A) M24 152.5 x 10 -3 .8 20 20 200 6.(PR + L + A) M27 172.4 24 24 240 8.(PR + L + A) NOTA 1 As dimensões PR (projeção) e L (comprimento embutido) são definidas pelo detalhamento.6 54 68 540 4.Chumbador Tipo I 22 .(PR + L + A) M12 63.9 x 10 -4 .(PR + L + A) M20 127.8 44 55 440 3.5 x 10 -3 .(PR + L + A) M16 84.5 48 60 480 3.(PR + L + A) M30 190.6 60 75 600 5.5 x 10 -3 .6 x 10 -3 .

A --- 2) M10 4) 2.-PÚBLICO- N-134 REV. TR-57 M24 2. TR-50. TR-57 M30 2.(PR+L+36) 105 480 3.(PR+L+16) 45 M12 4) 2.5 x 10 .A TR-25 M20 2.A TR-68 NOTA 1 NOTA 2 NOTA 3 NOTA 4 NOTA 5 -4 -3 As dimensões PR (projeção) e L (comprimento embutido) são definidas pelo detalhamento.(PR+L+36) 116 600 5.6 x 10 -3. E 12 / 2011 PR (ver Nota 1) Topo da base Ø L (ver Nota 1) R Diâmetros permitidos e dimensões padronizadas (mm) Ø A 3) R L mín 200 Massa (kg) Recomendável para trilho tipo: 6.A TR-32.2.(PR+L+36) 110 540 4.0 x 10 -3.(PR+L+29) 79 320 1. TR-52. TR-50. Comprimento mínimo admissível para L (comprimento embutido).5 x 10 -3. Comprimento desenvolvido do chumbador. TR-37 M22 2.2).10 . TR-57 M27 2. TR-52.5 x 10 -3. TR-52.A TR-45.A TR-45. Figura B.(PR+L+19) 54 240 8. TR-50.A --- M16 2. Uso de luvas impedido por restrição geométrica (ver Figura A.6 x 10 -3.(PR+L+34) 94 400 2. Conforme a ABNT NBR 12 320.(PR+L+37) 104 440 3.Chumbador Tipo J 23 5) .2 x 10 -4.9 x 10 .A TR-45.

Chumbador Tipo K 24 .1 x 10 -2 .33 110 19 25 20 10 280 3.4 x 10 -2 .9 x 10 -2 .(PR + L) + 4.01 17 23 20 9 260 3.-PÚBLICO- N-134 REV.5 x 10 -3 .(PR + L) + 1.5 50 45 21 570 1.(PR + L) + 9.5 x 10 -3 .4 28 25 11 315 4.0 x 10 -3 . E 12 / 2011 PR (ver Nota 1) Topo da base Ø L (ver Nota 1) Furo na chapa de ancoragem (Ø C) E B D A Diâmetros permitidos e dimensões padronizadas (mm) E L mín 2) 21 20 8 235 2.(PR + L) + 2.(PR + L) + 1.7 x 10 -3 . Equivale à série fina.11 .(PR + L) + 1.95 M36 160 30 37 35 15 425 8. definida na ABNT NBR 5872. Figura B. Comprimento mínimo admissível para L (comprimento embutido).80 M27 120 22. Espessuras padronizadas pela ABNT NBR 11889.92 M48 220 42.(PR + L) + 6.(PR + L) + 26.(PR + L) + 3.18 M56 260 50 58 55 25 665 1.0 x 10 -3 .5 x 10 -3 .(PR + L) + 16.85 M33 150 28 34 30 14 390 6.6 x 10 -3 .03 M42 190 35 43 40 18 495 1.62 A B M20 90 16 M22 100 M24 NOTA 1 NOTA 2 NOTA 3 NOTA 4 4) C 3) Massa (kg) D Ø As dimensões PR (projeção) e L (comprimento embutido) são definidas pelo detalhamento.53 M30 140 25 31 30 13 355 5.

30 -2 M56 260 25 58 25 105 160 14 M64 300 28 66 25 125 210 16 30 45 14 8 720 2.(PR + L) + 3.77 M33 M48 220 19 50 25 85 -3 -2 -2 135 14 30 35 10 8 540 1. E 12 / 2011 PR (ver Nota 1) Ø Topo da base A A A G A K E Nervuras de enrijecimento D L (ver Nota 1) Vista A A K Chanfro nas nervuras (H x H) F D B I Furo na chapa de ancoragem (Ø C) J Diâmetros permitidos e dimensões padronizadas (mm) 4) Ø A B M27 120 12.(PR + L) + 4.(PR + L) + 12.13 -3 -3 -3 150 15 34 20 50 80 7.94 7 6 340 5.2 25 30 9 6 470 1.1 20 25 8 6 370 6.77 As dimensões PR (projeção) e L (comprimento embutido) são definidas pelo detalhamento.45 30 210 320 28 45 75 23 10 1 120 6.(PR + L) + 121.4 x 10 .2 x 10 . Figura B.5 M30 140 14 C 3) D E F G 28 15 40 65 31 20 45 75 4) H I J 5 20 20 6.12 .4 35 60 18 8 900 3.(PR + L) + 3. definida na ABNT NBR 5872.0 x 10 . Equivale à série fina.5 74 25 150 220 20 35 50 16 8 810 3. Espessuras padronizadas pela ABNT NBR 11889.5 x 10 .-PÚBLICO- N-134 REV.85 M36 160 16 37 20 55 85 8 20 25 8 6 400 8.1 x 10 .9 x 10 .Chumbador Tipo L 25 .(PR + L) + 45.0 x 10 .38 30 40 13 8 630 1.(PR + L) + 20.04 M80 380 35 82 25 170 250 22.3 20 20 Massa (kg) 2) K L mín 7 5 310 4.(PR + L) + 86.68 M42 190 18 43 20 70 105 11.(PR + L) + 62.(PR + L) + 31.2 x 10 -2.5 x 10 .23 M90 420 40 93 M100 470 45 104 NOTA 1 NOTA 2 NOTA 3 NOTA 4 -2 -2 -2 -2 30 185 275 25 40 65 20 9 1 010 5.(PR + L) + 1.5 x 10 .(PR + L) + 7.9 x 10 . Comprimento mínimo admissível para L (comprimento embutido).03 M72 340 31.7 x 10 .

4 x 10 -2.87 3 25 70 14 25 20 9 5 7 560 1.88 20 50 101.21 M100 480 45 104 152.3 x 10-2.L + 34.7 x 10 -3.PR + 3.2 M48 240 M56 5) Massa (kg) 2) I J K M N L mín 20 15 8 5 6 400 5.L + 43.13 .25 40 130 25 45 35 19 6 13 960 3.1 x 10 -2.25 40 155 25 50 40 20 6 13 1 080 3.PR + 6.65 M64 310 30 66 101.06 M72 350 31. Este tipo de chumbador não deve ser usado em nicho de concretagem.4 5 45 175 30 55 45 22 8 15 1 210 5.0 x 10-2.8 x 10-2.2 x 10 -2.5 74 127 4.L + 62.5 x 10 -2.9 x 10 -2. a haste do chumbador deve receber pintura de fábrica. Espessuras padronizadas pela ABNT NBR 11889.PR + 1.L + 7.PR + 8. 3.PR + 1.6 4.9 x 10-2.PR + 9.0 x 10 .8 x 10-3.L + 12.05 NOTA 1 NOTA 2 NOTA 3 NOTA 4 NOTA 5 NOTA 6 C 4) Ø 185 35 -3 As dimensões PR (projeção) e L (comprimento embutido) são definidas pelo detalhamento.0 x 10 -2.2 x 10 -2. Comprimento mínimo admissível para L (comprimento embutido).25 40 110 25 45 30 19 6 13 850 2.99 M80 390 37.5 x 10 -3.L + 121.94 3 20 60 12.L + 3.L + 19.PR .L + 2.PR + 5. No interior da luva.78 20 55 11.43 270 25 58 101.2 200 18 43 76.4 5 55 65 50 25 8 18 1 340 6.L + 4.6 4.2 20 20 8 5 6 440 6. Figura B.Chumbador Tipo M 26 .-PÚBLICO- N-134 REV.2 3 16 37 76.5 x 10-2.PR + 4.5 x 10-2.25 25 95 16 30 25 10 6 8 650 1.25 30 105 18 35 30 13 6 9 750 1.5 25 20 8 5 7 480 8.6 4. E 12 / 2011 PR (ver Nota 1) Ø Topo da base Luva A E A H Ver Nota 3 N Furo na chapa de ancoragem (Ø C) ØD L (ver Nota 1) Vista A A K M B F G Chanfro nas nervuras (I x I) J G F Nervuras de enrijecimento N A A Diâmetros permitidos e dimensões padronizadas (mm) 5) A B E F G H M30 140 15 31 M33 160 15 M36 170 M42 D 60 3 20 45 8 34 76.4 x 10 -2.2 x 10-2.6 x 10 -2.PR + 2.08 M90 440 40 93 152.0 x 10 -2. definida na ABNT NBR 5872.5 82 127 4.2 x 10-2.L + 87. Equivale à série fina.PR + 1.

2.1. REV.3 Excluído 6.7 Renumerado e revisado 6.2.1 Revisado 1.8 Renumerado e revisado 6.5 Incluído 6.2.1.13 Renumerado e revisado Tabelas 4.11 Renumerado e revisado 6.6 a 6.1.2.2 Revisado 6. A e B Não existe índice de revisões.2.2. E ÍNDICE DE REVISÕES REV.3.2.-PÚBLICO- N-134 REV.2.10 Renumerado 6.12 Renumerado 6.9 Renumerado 6. 5 e 6 Excluídas 6.1 Revisado 6.4 Renumerado 6.2.6 Renumerado 6.7 Revisado Tabela 7 Excluída IR 1/2 12 / 2011 . D Partes Atingidas Descrição da Alteração 1.12 Renumerado 6. C Partes Atingidas Todos os itens Descrição da Alteração Revisados REV.2 Revisado 2 Revisado 3 Renumerado e Revisado 4 Renumerado e Revisado Tabela 2 Revisada 6.2.2.2.2.5 Renumerado e revisado 6.

11 Incluído 6. E ÍNDICE DE REVISÕES REV.3.10 Renumerado 6.12 Incluído 6.3.11 Renumerado 6.3.3.12 Renumerado 6.3.3.13 Renumerado 6.13 Incluído IR 2/2 12 / 2011 .6 Renumerado 6.3.3.1 Incluído 6.3.7 Renumerado 6.8 Renumerado 6.9 Renumerado 6.-PÚBLICO- N-134 REV.5 Incluído 6. E Partes Atingidas Descrição da Alteração 6.

-PÚBLICO- N-134 REV. E 12 / 2011 GRUPO DE TRABALHO .GT-04-29 Membros Nome Andreia dos Santos Soares Carlos Augusto Rodrigues Costa Eduardo Arreguy Viana Lotação Telefone Chave ENGENHARIA/IEABAST/EAB/IESC 819-3343 EEWV ENGENHARIA/IEABAST/EAB/IESC 819-3346 EO8B ENGENHARIA/IEABAST/EAB/IESC 819-3356 CY3F 811-7488 TRNF 819-3091 E1K6 Luis Alfredo de Paulafreitas TRANSPETRO/PRES/SE/ENG/POE/TERM Figueiredo Secretário Técnico Monica da Silva Brandão da Cruz ENGENHARIA/AG/NORTEC-GC .