You are on page 1of 7

A ARTE DE TOCAR PIANO

I confess that this title arouses some doubt in my mind, in spite of the fact
that the conception it expresses is generally accepted and that everyone
takes these words to signify something completely reasonable,
understandable and real. But what is ‘’the artistic imagem of a musical
composition but music itself, the living fabrico f sound, musical language
with its rules, its ets., a specific formal structure, an emmotional and
poeticcontent? How many times I heard pupils who have had no real musical
or artistic schooling, i.e., no aesthetic education, who are musically
insufficiently developed, attempt to render the compositions of great
composers! Musical lenguae was not clear them; instead of speech, they
achieved only some sorto f muterring; instead of a clear idea – only some
meagre fragments muttering; instead of a Strong emotion – some abortive
pangs; instead of profound logic – effect without cause, and instead of
poetic image – a prosaic shadow. And, of course, so-called technique was
consequently also inadequate. This is the kind of playiing you get if the
artistic imagem is distorted, o ris nota t the core of the rendering, or is
altogether absent.

Diametrically opposed, for instance, is the performance of Sviatoslav
Richter. When singht-reading a piece for the first time – whether a piano
composition, an opera, a symphony, anything – he immediately gives an
almost perfect rendering, both from the point of view of contente and from
the point of view of technical skill (in this case, one and the same thing).
What is the point of this comparison? First, everything that has been said
and written on the subject of the image (with the exception of certain things
said by some very great men) has been mainly tailored to some said by
some very grat men) has been mainlytailored to some general idea of an
imaginary average learner, whereas we know from experience that those
who study music (i.e. who have to work on the artistic image) are real, fleshand-blood people, representing every degree of talento from the mediocre
to the genius, with hundreds and even thousands of variations and
deviations one way or the other, depending on their personal ability. The
conclusion is clear: in each particular case, work on the musical imagem will
be different.

Secondly, the greater the musician, the greater his capacity to approach
music like an open book, the less the problem which working on the image
represents for him. For such as merely, it is practically nil; in this is precisely
the starting point of that tremendous work, the profound, passionate labour
which in the lives of great artists is known as the agony of creaion. If the
painter Vrubel painted the head of his Demon forty times, it was precusely
because he was a genius and not because he was ungifted.

in our brain. whose gift is unique. then it will emerge from the nursery and finally stop arousing boredom in every true pianista and musician. person. Music lives within us. natural gift. very difficult. his is the spontaneous. for the beginner and the accomplished performer. and obey our creative will. should have in mind the average. . must be mastered and made to comply with our inner world. I emphatically reject such a point of view. we are avoiding the most burning problem of all. then one has to be a methodologist to the end. for we teachers. its domicilie can be accurately established: it is our hearing. and consequently not valid. If methodological thinking is concentrated on a small segmente of reality (the average). Such elementar music-making is. and not keep on running around in the vicious circle of some narrow systen. All artistic methodology should be interesting and educational both for the teacher and the pupil. etc. in our consciousness. Every great pianista-artist is. a loto f intelligence. it is a particle of the objective outside world and as such must be studied. genius. I agree temporarily to ignore my doubts concerning the appropriateness of the expresseion ork on the artistic image and accept it at its face value. Then let us agree on the following: work on the artistic image begins in the very first stages of studying in our music schools for children know full well that in teaching a child to read notes they must use the sugns just learned by the pupil to make up melody (not just a dry exercis). the purpose of which is tecnical-to make the acquaintance to know an instrument and mastering it. I am convinced that a dialectically designed method and school must encompass all degrees of talento – from the musically deficiente ( since such. For the sake of convenience. methodologists. our emetions. for music is a vehicle of culture just as any other) to the natural genius. The instrument exists without us. talento and knowledge in order to fathom this complex nature. gift. be asked why I speak of Richter. for the research-minded. natural. I insist on the following dialectic triad: thesis antithesis. somenthing akin toa n unsplit atom for the physicist. our imagination. or even below average. too.. But that is precisely what methodology should deal with. encompassing the whole horizon. of course. we should not concern ourselves with such as Richter. sensitivity. undialectic. the problem which should be the primary concern of the searcher and teacher. synthesis is the performance. and teach him to reproduce this melody on his instrument. In so thinking. Of course this is difficult. preferably a familiar ond (this is a more conveniente way of combinig sight with hearing – the ear with the eye). then it is defective. A loto f spiritual energy is needed. it is impaired. of course accompanied by the first simple exercise. must study music. in lulling ourselves with words such as: talente. I fone is a methodologist ( and a methodologist must probe reality).I shall. otherwise it can hardly be justified.

that the nature of the performance should correspond to the nature (the contente) of the melody. leave his feelings and imagination completely unaffected. and neither louder nor softer. it is essential to set the pupil very clear aims and tasks and not to depart from them until they are fully met. specific Works. it is essential to make this frist performence expressive. crotchets. a solemn melody solemnly. In order that it should come. staccato. etc. By this I mean that if a child is able to repdroduce some very simple melody. And should make his musical and artistic intention completely clear. with or without nuances. by means of real. in order to derive real use from this technical instrumental work (I mean work aimed at mastering the instrument and the player`s movements). it is known to all. with given strength. it will be just playing without any clear aim (playing for the sake of playing and not playing for the sake of music). rests. etc. etc. an arbitrary quality. at will. it is especially advisable to use folk tunes in which the emotional and poetic eleement is much more apparent than even in the best educational compositions for children.). a gay melody gaily. his effective working energy. and are consequently absolutely essencial and irreplaceable. living. for instance: to play the study or exercise at a given speed and none other. such problems. Experienced teachers od children`s schools report that children of average talento are much more enthusiastic in rendering folk tunes than the educational childrens`s literature which is concerned with purely technical or intelectual problems (for instance: the playing of minims. they should be corrected immediately.. When a child plays an exercise or study. and to dot the is. We all know that the development of the whole wealth and variety of pianistic skills. If they happen.) Pág 11 . then not a single acceleration or slowing down. louder or more softly. I merely wish to highlight some of the aspects of this problem. etc. in other words. their accuracy and fineness. for this purpose. play faster or slower. which help to develop a child`s fingers and brain. Everything that I am saying here is as old as music and the study of music. (It is assumed that an inteligente teacher wiil note set his pupil an impossible task. which are essentical to a pianista for rendering the tremendously varied and immeasurably rich piano literature can be achieved only by studying that same literature. The child should sadly. that is. it will be playing as it comes (and very often it doesn`t come). there is in his performance an inevitable elemento of uncertainty. If the aim of the given strength. he may. in other words.Work on the artistic image should begin at the very first stage of learning the piano and note Reading. legato. and neither louder nor softer. a piece which is purely instructive and devoid of artistic contente. If the aim of the study is to develop an even sound.

longe disso. A relação entre estes dois eventos é a mesma que entre uma lei e a sua aplicação ou entre dispostos e realização. guia e educador deve tentar influência. se o aluno é preenchido com este criativo será o papel do professor é apenas a de conselheiro. sem isso não pode haver "implementação". Eu não quero dizer com isso que trabalhar em uma composição não acrescenta em nada para a percepção inicial e a intenção. para que a imagem evocada pela imaginação. nenhuma implementação. Este é o cerne. a fim de . não há nenhuma realidade. Às vezes é mesmo aconselhável desistir completamente de interferir e manter uma neutralidade amigável. A conclusão a ser tirada a estas considerações é óbvia: "trabalho sobre a imagem artística" pode ser bem sucedido somente se ele é o resultado de um desenvolvimento contínuo do aluno musicalmente. obviamente. lendo a pontuação sem tocar o piano. até que ele tenha exaustivamente assimilar ele (o aluno que sabe cinco sonatas de Beethoven não é o mesmo homem como aquele que sabe vinte e cinco sonatas. apenas o que quero dizer que se não houver uma "lei". consequentemente. nem "incorporação". dando-lhe um amplo conhecimento da literatura musical. uma espécie de colega mais velho. não "vontade". E isso significa desenvolver seu ouvido. intelectual e artisticamente e. emoção audição interior e estética e intelectual compreensão torna-se um desempenho.na carne”. e pianística. o centro nervoso o professor. aqui quantidade se transforma em qualidade) isso significa fazê-lo memorizar a música. fazendo-o viver com um compositor por um longo tempo em um trecho.

i.desenvolver a sua imaginação e é ouvido. vem antes de a imagem artística. tal conselho. tendo separadamente os principais elementos . e. caso contrário. Mas vou citar duas ou três coisas que eu digo os alunos podem. não pode haver nenhuma ideia completa da composição para além de ver seu elemento componente. desenvolver a sua imaginação através da utilização de metáfora. a estrutura harmónica. não só como um todo (isto deve ser feito em primeiro lugar. em outras palavras sobre os principais marcos da estrutura formal.e. e. o mais importante de tudo. ele não disse nada específico sobre a trabalhar na imagem depois de tudo". utilizando todos os meios para desenvolver nele um amor de Outras formas de arte os. metáforas poéticas. as notas. pintura e arquitetura. ele deve ser capaz de dizer. Lá está revelado a ele uma beleza não é reconhecido no início. vida emocional. o acompanhamento. fazendo-o sentir (e quanto mais cedo melhor) a dignidade ética do artista. Isso significa que completa e interpretação da linguagem musical (mas sem. ele começa a saber entende que uma composição que é um belo como um todo é lindo em todos os . nove ou dez anos de idade. descrições detalhadas do trabalho feito com o aluno ou alunos em qualquer composição particular (por vezes. Além disso. A fim de dar estas notas a qualidade específica desejada.por exemplo. eu posso sentar com um aluno para uma e meia a duas horas ao longo de uma única página de pontuação. um grande negócio que é substantivo sobre o que se passa naquela sonata do ponto de vista da análise musical e teórico). i deve complementá-los com exemplos musicais inumeráveis. Eu não posso citar aqui mesmo uma pequena parte do conselho que eu dou um aluno para aprender e dominar uma composição. em seguida.tais como (no caso de um Sonata) a transição para o segundo objeto ou para a recapitulação coda ou. o polifônico estrutura. Deus me livre!. etc. em palavras. habitar particularmente sobre os "aparas" decisivas de uma composição . mas que abunda nas obras de grandes compositores. por analogia com os fenômenos naturais ou eventos na vida. o leitor poderia talvez perguntar: "Bem. Depois de ler este capítulo até agora. que é. ensinando-o desde a infância para distinguir a forma. se um aluno talentoso. A minha resposta é "Venha à minha classe. sentar-se conosco um mês ou dois e você terá tal auxílio do" específica "que vai durar um longo tempo". as suas obrigações. como um condutor estuda uma pontuação. Trabalhando desta forma. o aluno descobre coisas surpreendentes. este capítulo iria crescer para o tamanho de um volume de espessura.if esta qualidade não é inerente ao aluno) sua ambição profissional: ser igual ao melhor. os elementos "secundárias" – por exemplo. o que geralmente acontece no início do meu trabalho com um aluno). mas. pode tocar uma sonata de Mozart ou Bethoveen bem. Sugiro ao aluno que ele deve estudar uma composição para piano. i. naturalmente. as suas responsabilidades e os seus direitos. a linha melódica. particularmente espiritual. o material temático e da estrutura harmônica e polifônica da composição que está executando (a minha própria regra inabalável é que. Significa usar todos os meios para despertar (se necessário. especialmente poesia. cair em "Ilustrações" banais).

mas apenas para além do trabalho que tenho descrito acima. outros ainda . de fato. dominado. outros . pois é uma parte orgânica de um todo. O nosso objetivo é modesto. maneira fria. uma lógica. Frequentemente no curso de tal lição Godowsky escreveu apenas algumas indicações dinâmicas e ritmo na música. para sacudir suas entranhas tediosas. interessante. Então o que é que o intérprete precisa. seus anseios mais aguda e dar maior profundidade à sua compreensão . como alunos chamá-lo. Tudo isso é verdade.)¹ Se uma composição que foi aprendido. isso é tudo que existe para ela". profissional.. (É necessário apenas como "saídas de emergência" em um edifício são necessários em caso de incêndio ou algum outro problema. ou indicado o dedilhado em um par de casos. como expressividade. para citar "Profeta" de Pushkin. a fim de "queimar os corações dos homens.auto sacrifício e muitas outras coisas além disso.) Eu sei a resposta será: "é uma questão de talento. para torná-lo chegar ao ouvinte? (Gostaria de lembrar ao leitor pela terceira ou quarta vez que algumas pessoas podem alcançá-lo dentro dos limites da sua capacidade. ¹ É claro. fez alguns comentários que se assemelhavam prescrições e definir o trabalho a ser feito para a próxima vez. . fazer seus sentimentos mais intensos. por seu discurso". Tudo isso de forma desapaixonada. o que lhe oferecer algum problema . alguns podem e outros não. nossa literatura de piano magnífico de tal forma a tornar o ouvinte como ele. ou se para não queimar. Eu recomendo que muito mais esforço deve ser dedicado a esse trabalho do que para a prática habitual das mãos esquerda e direita separadamente.o reconhecimento acidental ou merecido.detalhes. pelo menos para aquecer e movê-los um pouco? Alguns dizem: paciência e trabalho. é jogar nosso incrível. existem alunos que eu recomendo vivamente para a prática de cada mão separadamente . se. IMAGEM ARTÍSTICA DE COMPOSIÇÃO MUSICAL Para não dizer. mas neste momento eu não estou olhando tão longe e eu não quero discutir "problemas psicológicos". Todo mundo sabe a importância para os jovens artistas de sucesso . para alterar ele. memorizado. Não houve nenhuma tentativa para ver mais fundo no coração e na mente do aluno. que cada detalhe ha como sentido. a maneira formalista completamente formal. tudo isso é inevitavelmente parte da biografia de um homem que tem algo a dizer para os outros. Tanto tempo é que eu vá no ensino vou tapar os ouvidos para não ouvir esta resposta. "sai" o que é o trabalho particular que ainda precisa ser feito para dar o desempenho de um verdadeiro valor artístico? O que deve ser feito para tornar o desempenho comoventes.o sofrimento e privações. o que eu admitem em certos casos especiais. para fazê-lo amar a vida ainda mais.uma "saída de emergência" está lá para ser usado . e ao mesmo tempo grande.

.emocional ou musical difícil: nada disto. "Ele foi ótimo hoje!" exclamou um americano satisfeito após Godowsky indicou o dedilhado em duas notas e vi a porta com um agradável comentário jocoso. ele iria deixar cair uma observação sarcástica ou fazer uma piada não desprovido de veneno. mas não para jogar). isto é. incluindo alunos realmente talentosos (oito a nove "jogadores". nem de aprovação: apenas em momentos quando se joga de um aluno foi realmente muito desinteressante ou não inteligente. Meisterschule reais e cerca de vinte Hospitanten que só tinham o direito de estar presente. as lições Meisterschule que foram assistidos por muitas pessoas. nem tristeza. nem raiva. Mas é prestígio e autoridade eram tais que os alunos aceitam mesmo uma tal lição como algo significativo e precioso. Ele mostrou nem alegria. ele foi parar diferente. É verdade.