1

2 .

3 .

4 .

ganhou o prêmio Turner Prize com o trabalho intitulado Shedboatshed (Arquitetura móvel número 2). quando este toma uma nova forma. em que ele desmonta e faz um barco. como Starling constrói uma narrativa para cada objeto. foi escolhida. de compulsivamente dar um significado as coisas. Faz parte da nova geração de artistas conceituais1. É interessante notar. Esse artista é atento á questões ambientais. e com a com a ambiguidade ontológica do ser 1 De acordo com a revista Art Review edição 66 de Março de 2013. por fim. Figura1: Simon Starling Figura 2: O galpão. . Em 2005. Trabalha à cerca de pouco mais de 20 anos com arte e estudou na Glasgow School of Art.5 2. SIMON STARLING Simon Starling é um artista nascido no Reino Unido. Para uma tentativa iniciante de entender a poética de Simon Starling. montado em uma cidadezinha na Suíça. descendo com ele ao longo do rio Reno chegando. Figura 3: O barco. nesse trabalho. remontando o barco na forma original do galpão. sociais e politicas e seu posicionamento reflete em seus trabalhos. justamente a obra Shedboatshed (ver figura 2). que consistia em um galpão de madeira. na cidade de Basiléia. Ele brinca com a significação epistemológica.

é para nós inovadora. e também gosta de tirar-se de cena. É o tipo de comodidade e de sensações.6 uma coisa ou outra (Figura 3). como a casa de seus sonhos. A preferência é pelo galpão ou pelo barco? Chega a ser uma reflexão metafísica na qual ele proporciona uma nova forma de ver o mundo e mais do que isso. como o individuo reage á essa não fixação de significado e formas (uma influência clara de Marcel Duchamp e de princípios de física quântica). 3. como a sala da casa de seu pai e até mesmo. 4. ele usa só fotografia. como “acontecimento do logos. recusa. Para este trabalho foi escolhido a obra “I’m a real artist”. a profundidade. KEITH ARNATT É um artista conceitual britânico e seus principais trabalhos estão em fotografias. em seu livro A poética do espaço. O artista transporta para a carcaça de um televisor velho (e obsoleto às novas tecnologias do mundo) até a imensidão intimidade e o conforto do seu lar. A casa como sinônimo de intimidade. ZHANG XIANGXI Zhang Xiangxi é um artista chinês. Um espaço onde o sujeito se encontra consigo. que consiste basicamente do artista segurando um cartaz com o título da obra escrito. é reconhecido mundialmente. ele passou a desenvolver o trabalho pelo qual. Durante seus estudos na Guangzhou Academia de Belas Artes. com seu silencio. Bachelard . Não a tomamos mais como "objeto". Pois sua reconstrução é constante. 1989). consistia em fazer réplicas de lugares da sua própria vivência.” Sendo assim. Sentimos que a atitude "objetiva" do crítico sufoca a "repercussão". Armatt usa texto e foto grafia quando não. fala que a imagem poética. Trabalho que no inicio. Figura 4: Zhang Xiangxi O trabalho de Zhang relaciona a imensidão do interior tratada por Bachelard. o objeto em si e a imagem condicionada á uma significação única se perde no trabalho de Simon Starling. que por vezes passam despercebidas devido à pressa do dia – a – dia. hoje. de onde deve tomar seu ponto de partida o fenômeno poético primitivo (Bachelard. . lugares imaginários. por princípio. com seu modo ser e de dispor suas coisas.

Klein tira o corpo. Figura 6: Anthropometry Esse trabalho é muito interessante. Porém. ele faz alusão daquele ato à uma verdadeira impressão da digital que releva sua identidade. YOKO ONO Yoko Ono ficou mais conhecida por ser companheira de John Lenon (vocalista do The Bettles). Justamente auge da no arte conceitual e do movimento de contra cultura. Questiona o papel do artista e do observador. datada de 1960. 6.do período azul.7 Ele questiona as ironias que faz um artista ser reconhecido como artista de verdade. Nesse trabalho Yves pinta o corpo de uma modelo e prensa esse corpo contra tela. Essa tela pode estar no chão ou na parede. A obra escolhida para analise chama-se Anthropometry . É algo tão intimo. seu trabalho como artista também lhe abriu espaço no mundo . O corpo é o “pincel” com tinta. e transforma esse corpo em ferramenta para representação. O corpo usado como o instrumento orgânico se constituir a obra. Figura 5:I’m a real artist 5. porque a modelo se encontra nua e quando ele prensa o corpo dela contra a tela. Essa obra foi importante por causa do período em que ela foi feita. que antes era objeto de estudo para representação. YVES KLEIN Yves Klein foi um artista francês muito importante.

porque a violação não consiste apenas em algo físico. é um reflexo da passividade com que são tratados os casos de estupro. em seguida um pessoa do público era convidada a cortar uma parte de seu vestido. em Quioto no Japão. Ora. ela a travessa fronteiras e alcança a própria mente. talvez este homem raramente perceba que o seu papel dentro da performance vai muito além de um simples cortar de tecido. sendo o estupro algo tão invasivo. Então talvez parar a performance naquele momento. e o fato de ela estar parada também revela a impotência da mulher diante daquele ato brutal. A participação do publico era restringida. Cada peça que cai pode representar uma mulher. Então quando o homem vai ao palco e corta uma parte de seu vestido. isso nunca seria suficiente para representar o numero de pessoas afetadas e que seriam afetadas futuramente. Somente homens poderiam cortar as peças. Nessa performance. onde seu principal trabalho ficou intitulado como Cut Piece. Porém. Algo a ser questionado é porque ela não se permite a nudez completa. os trabalhos de Yoko evoluem para um discurso feminista mais claro. Mais adiante. Esse trabalho impressiona porque ela trata da questão da violação da mulher de uma forma sutil.8 performático. FELIX GONZALEZ-TORRES . Figura 7: Cut Piece. coisa que na realidade não é. talvez ai esteja o grande ponto alto da performance. que na performance é tratado de forma “sutil”. Yoko ficava sentada no chão. Foi realizado pela primeira vez em 1964. seja o suficiente para interpretar que por mais que se cortasse uma peça. A performance acaba quando o vestido é todos cortado e as alças e do sutiã também. 7.

onde o público é convidado á atravessá-la. uma demonstração da sensibilidade anteriormente citada. justamente dispostos na mesma marcação de tempo. Como não se sensibilizar? Figura 10:Death by Gun Em outros trabalhos ele usa das luzes e das cores em placebos. Porém. Ele constrói sua poética em torno do curso natural da vida. Uma cortina dourada.9 Felix Gonzalez-Torres (Figura) foi um artista cubano que viveu nos estados unidos e morreu de AIDS aos 38 anos. O trabalho mostrado na figura já é uma referencia ao uso das cores e da luz ao mesmo tempo. Os relógios com os ponteiros. Figura 9: Untitled (Perfect Lovers). Ora. Como um casal que começa a vida juntos. um irá parar antes do outro. como ao automatizado e massificado. porque o sentido se foi junto com o seu companheiro. imprime. Foi artista conceitual. pode funcionar para apenas cumprir sua obrigação com o tempo e nunca mais “experimentar” do tempo. Figura 8: Felix Gonzalez Na imagem acima é possível ver um de seus trabalhos. A Figura mostra o trabalho intitulado Untitled (Perfect Lovers). pois. empilha e coloca no chão. Um escultor de característica minimalista. quantas mil pessoas são mortas diariamente de modo tão banal com o uso da arma? O artista. O tempo irá para parar para um dos dois. Nesse trabalho ele coloca fotos de pessoas anônimas que foram mortas por armas de fogo. e em algum momento eles se separam porque “o relógio” de um deles irá parar de funcionar. ou até mesmo para os dois. o relógio que ainda funciona. Coloca os rostos juntos. tira do anonimato aquelas pessoas e usa faz uma crítica justamente ao modo que essas mortes são tratadas. . Seu trabalho é cercado de sutileza e sensibilidade e usou das cores e de luzes para compor seus trabalhos. naquele momento único. que são contadas como estatísticas.

A disposição dos retângulos na parede cria a sensação de volume e a escolha das cores na parte externa dá a sensação de harmonia.10 Figura 11: Gold. 8. O artista constrói sua poética através do brilho da cor dourada. Sem título Figura 14: Direita. DONALD JUDD Donald foi artista minimalista. Se olhar de cima para baixo é possível ver o vazio. o olhar o público enche a peça de volume. Sem título . Para este trabalho foi escolhido a serie trabalhos sem títulos quem que ele trabalha a forma retangular a cor e o volume. É fascinante uma simples cor é capaz de transmitir sensações tão intensas. Enquanto que externamente. O artista usa da repetição de formas para construir outras formas. Sem título Figura 13:Centro. Figura 12: Esquerda. O Artista brinca com o cheio e o vazio.

que proporciona uma auto reflexão que é justamente o que a arte faz. por sua vez. Transporta o ser e mostra a vida de um ângulo diferente. Porque a pessoa se percebe assim e sente vergonha por ver que tem isso guardado dentro de si de forma tão reprimida. Para construir a poética neste trabalho. É conhecida como a Grandmother of Body Art (avó da body Art). tornando a passagem ainda mais estreita e ambos nus. O público. Figura 15: Marina Abramovic Ela começou sua carreira com uma série de trabalhos intitulados ritmos. MARINA ABRAMOVIC Marina Abramovic é uma artista sérvia. Imponderabili foi feita por Marina e seu companheiro na época Ulay. se percebe com sentimentos e sensações que tanto se esforça para reprimir. O artista se coloca em posição de fragilidade expondo seu sexo e se aproximando do público. Consistia basicamente da seguinte forma: Marina de um lado do portal e de frente para Ulay. Body Art foi o termo utilizado para definir o estilo de performance feita por ela. Figura 15: Imponderabilia 1977 . Para qual dos dois artistas a pessoa escolhe olhar quando atravessar a passagem? A performance já começa quando a pessoa percebe que para chegar do outro lado ela deve encarar seus próprios pudores. É justamente esse estranhamento e esse encontro com seu verdadeiro eu .11 9. foi escolhida a performance intitulada Imponderabilia. Para passar para o outro lado era necessário atravessar por entre eles. Na verdade nesse momento acontece a performance de forma mais intensa. O desejo e a atração pelo corpo e ao mesmo tempo indignação por ver tal exposição.

Disponível em : < http://esquizofia.org/new- york/exhibitions/past/exhibit/3155 > Acesso em : 14/07/2013 Felix Gonzalez-Torres.com/wp/wp-content/uploads/2012/06/StarlingPressKit.com/2013/05/22/zhang-xiangxidiscarded-tv-sets-art/zhang-xiangxi-discarded-tv-sets-art-1/> Acesso em : 14/07/2013 Marina Abramovic.org/document.br/2013/01/felixgonzalez-torres.jpg > Acesso em : 14/07/2013 .php?id=419 SIMON STARLING.com/2007/09/11/yokoono-cut-piece/ > Acesso em : 14/07/2013 Felix Gonzalez-Torres. Disponivel em : <http://florica.wordpress. Disponível em: < http://www.com.jubilee-centre.gessato.html >Acesso em : 14/07/2013 http://www. Diponivel em: <http://caseykaplangallery.blogspot.com/tag/simon-starling/> Acesso em : 14/07/2013 Zand Xiangxi : Disponivel em < http://blog.com/2012/01/25/treplicasreplicas-51/ > Acesso em : ART REVIEW EDIÇÃO 66 DE MARÇO DE 2013.12 REFERÊNCIAS RÉPLICAS E TRÉPLICAS.e1.net/wp- content/uploads/2012/07/imageone.artandeducation.guggenheim. Disponível em: < http://arteseanp. Disponível em : < http://www. Disponivel em : < http://pietmondriaan.pdf> Acesso em : 14/07/2013 YOKO UNO CUT PIECE.