UNIFESSPA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ
Instituto de Geociências e Engenharias
Faculdade de Engenharia de Minas e Meio Ambiente

AULA : MECANISMOS DE TRANSFERÊNCIA
DE CALOR

Profa DYENNY LHAMAS

MARABÁ- PA
2016

1. INTRODUÇÃO
1.1 IMPORTÂNCIA TEMÁTICA
 O conhecimento dos mecanismos de transferência de calor

apresenta grande importância no dia-dia de qualquer
engenheiro, uma vez que a aplicabilidade deste
conhecimento é vasta, no que se refere ao desenvolvimento
de equipamentos e na execução de procedimentos
operacionais em processos industriais e acadêmicos.

Como engenheiros, é importante que entendamos os
mecanismos físicos que fundamentam os modos de
transferência de calor e que sejamos capazes de usar as
equações das taxas que determinam a quantidade de energia
sendo transferida por unidade de tempo.

transferência de calor. Sempre que existir uma diferença de temperaturas em um meio ou entre meios. haverá. . necessariamente.1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS O que é Transferência de Calor? “Transferência de calor é a energia térmica em trânsito devido a um gradiente de temperatura”.2-INTRODUÇÃO À TRANSFERÊNCIA DE CALOR 2. Ex: Nota-se haver uma distribuição desigual de temperatura o que acarretará em um transporte de calor no sentido do Sol para Terra.

2.  O termo convecção refere-se a transferência de calor que irá ocorrer entre uma superfície e um fluido em movimento quando eles se encontram em temperaturas diferentes.2 MODOS DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR  Quando existe um gradiente de temperatura em um meio estacionário. . usamos o termo condução.  Um terceiro modo de transferência de calor é conhecido por radiação térmica. que pode ser um sólido ou um fluido.

pois. devido às interações entre elas como mostrado na Figura . devemos imediatamente visualizar conceitos das atividades atômicas e moleculares. em um meio. A condução pode ser vista como a transferência de energia das partículas mais energéticas para as partículas de menor energia.2.1Condução Ao mencionar a palavra condução.2. são processos nesses níveis que mantêm este modo de transferência de calor.

Conjunto Demonstrativo dos Meios de Propagação do Calor.02 28.56 34. Esfera 1 2 3 4 Tempo de queda Tempo de queda Tempo de queda (tq) (tq) (tq) 9. 20 mm acima do pavio da lamparina.43 12.32 229.73 12.08 74. Em seguida prendem-se os corpos de prova esféricos com cera de vela.13 . procurando usar o mínimo possível de parafina.85 11. Depois se fixa a régua de sustentação com os corpos de prova para baixo. sobre as marcas existentes sobre a régua.92 100. Para condução Utiliza-se como fonte térmica uma lamparina.55 24.77 46.68 12.

há uma perda significativa de uma sala aquecida para o ambiente externo. quando imersa em uma xícara de café quente. Em um dia de inverno. principalmente. a ponta de uma colher de metal. será aquecida devido à condução de energia através da colher. . a transferência de calor por condução através das paredes que separam o ar do interior da sala do ar externo. Essa perda é devida.Existem vários exemplos de transferência de calor por condução. Por exemplo.

Para a condução de calor. É possível quantificar os processos de transferência de calor em termos das equações de taxas de transferência e de fluxo de calor apropriadas. . Essas equações podem ser utilizadas para calcular a quantidade de energia transferida por unidade de tempo e área. a equação da taxa de transferência é conhecida como Lei de Fourier.

2. que o fluxo de calor por condução é diretamente proporcional ao gradiente de temperatura. .1 LEI DE FOURIER DA CONDUÇÃO DE CALOR Verifica-se.1. experimentalmente. pode-se escrever que: dT q  k dx " x (1) Onde o fluxo de calor q”x (W/m2) é a taxa de transferência de calor na direção x por unidade de área perpendicular à direção da transferência e é proporcional ao gradiente de temperatura. é o gradiente de temperatura na direção x. Para um processo unidimensional de condução.2. na direção x.k) e é característica do material da parede. e K é o coeficiente de proporcionalidade conhecido como condutividade térmica (W/m.

A . T2  T1 dT " q x  k  k dx L Ou Figura: Transferência de calor unidimensional por condução (difusão de energia) A taxa de transferência de calor por condução. como mostrado na Figura abaixo. a qual apresenta uma distribuição de temperatura T(x).Nas condições de estado estacionário para uma parede plana. então. o gradiente de temperatura pode ser representado como: E o fluxo térmico é. qx (W) é o produto do fluxo e da área: " qx  qx .

ou .APLICAÇÃO EM CORPOS DE GEOMETRIA SIMPLES: Placa Plana: Dada uma placa plana de espessura "Δx" como mostra a figura abaixo. na qual as duas faces estão mantidas às temperaturas "T1" e "T2” (T1 > T2). A quantidade de calor que passa através da área "A" por unidade de tempo é dada por Encontre uma expressão para "T2".

Placa Plana Composta: .

. somando-se membro a membro. verificamos que: . temos: # Fazendo-se uma analogia com a resistência elétrica.

verificamos que: .# Fazendo-se uma analogia com a resistência elétrica.

π.r.L .Cilindro Oco Consideremos um cilindro vazado submetido a uma diferença de temperatura entre a superfície interna e a superfície externa. ?? Onde ?? ?? é o gradiente de temperatura na direção radial Para configurações cilíndricas a área é uma função do raio: A = 2. como pode ser visto na Figura. ou seja: ?? ? = −??. A taxa de calor que atravessa a parede cilíndrica poder ser obtido através da equação de Fourier.

Substituindo na equação de Fourier. tem-se: . obtemos: multiplicando a equação por ?2 −?1 ?2 −?1 . chega-se a: Aplicando-se propriedades dos logaritmos. obtemos: Fazendo a separação de variáveis e integrando entre T1 em r1 e entre T2 em r2.

.

?? Em: r = r1 ⇒ T = T1. r = r4 ⇒ T = T4 . Permanente  A = 2πrL  q = cte ??  ? = −??. como pode ser visto na Figura Considerando:  Reg. r = r3 ⇒ T = T3.Cilindro Oco composto Consideremos um cilindro oco composto submetido a uma diferença de temperatura. r = r2 ⇒ T = T2 .

Cilindro Oco composto Somando-se membro a membro. Assim: . temos: Sendo.

A forma apropriada da lei de Fourier é: ?? = −?? ?? ?? = −?.Esfera Oca Considere a utilização do método alternativo para analisar a condução na esfera oca. como pode ser visto na Figura. ?? ?? é o gradiente de Reconhecendo que qr é uma constante. submetida a uma diferença de temperatura entre a superfície interna e a superfície externa. 4?. ? 2 é a área normal à direção da transferência de calor e temperatura na direção radial. a equação pode ser escrita na forma integral: . independente de r. ? 2 ?? ?? Onde A=4?.

chega-se a: Onde: ?.Fazendo a separação de variáveis e integrando entre T1 em r1 e entre T2 em r2.?? = 4??1 ?2 .

h. h → coeficiente de convecção local (Kcal/m2.h−1) ou (Watt). A taxa de calor por convecção é calculada pela Lei de Newton do Resfriamento.ºC) ou (Watt/m2ºC). já que a transferência de energia depende do movimento de porções macroscópicas de um líquido ou gás (fluido).CONVECÇÃO É parcialmente regida pelas leis da mecânica dos fluidos. onde: qC → taxa de calor por convecção (Kcal. TS → temperatura da superfície no elemento "A" (ºC). . A → elemento de área em que flui a quantidade de calor "qC" (m2). Tf → temperatura do fluido ao longe da superfície (ºC).

etc. 2ª Obs: "h" depende do tipo de escoamento (laminar ou turbulento). características geométricas. calor específico. .1ª Obs: Caso a temperatura do fluido seja maior que a da superfície. então (TS − Tf) fica (Tf − TS). do mecanismo de transferência por convecção (natural ou forçada). viscosidade. condutividade térmica.

gases.1. Geralmente ocorre uma combinação em série ou paralelo. A energia é transportada por ondas eletromagnéticas ou fótons de comprimento variando desde 10−11m (ondas curtas dos raios cósmicos) até 103m (ondas longas de rádio comunicação). α ≅ 0. . Obs: Raramente o calor é transferido por um só mecanismo. A energia radiante pode ser refletida (α). transmitida (β) ou absorvida (γ).97. β ≅ 0).9. Placa de alumínio (γ ≅ 0. líquidos ou sólidos transparentes. β ≅ 0). α ≅ 0.Radiação Propaga-se através do vácuo. onde α + β + γ = 1 Ex: Negro de fumo (γ ≅ 0.03.

1: O corpo negro é o corpo que absorve toda a energia radiante que atinge sua superfície (γ = 1) e a taxa de calor é dada por: (Lei de Stefan-Boltzmann) Obs. A → área superficial (m2). ε → emissividade do meio (adimensional. "K" ou "R"). σ → constante de Stefan-Boltzmann (5.Obs. variando de 0 a 1). .3: Caso o corpo não seja um corpo negro (γ < 1) a taxa de calor é dada por: Onde: qR → taxa de troca de calor por radiação térmica (Watt). TS → temperatura da superfície (absoluta.67.2: Quando dois corpos negros trocam radiação a taxa de calor é dada por: Obs.10−8W/m2K4).