You are on page 1of 8

www.engenhariafacil.weebly.

com

Resumo com exercícios resolvidos do assunto:
(I)
(II)
(III)

Funções de duas ou mais variáveis;
Limites;
Continuidade.

(I)

Funções de duas ou mais variáveis.

No Cálculo I estudamos funções de uma variável,do tipo y=f(x) em que o
domínio era uma reta, apenas. Agora, no Cálculo II , estudaremos funções do tipo
z=f(x,y),w= f(x,y,z), etc.
Função de 2 variáveis: Neste caso, temos que o domínio da função passa a ser uma
área, e o gráfico de z=f(x,y) passa a ser uma superfície, onde a imagem vai do valor
mínimo até o valor máximo que z assume.
Exemplo:
? = ? ?, ? =

9 − ?² − ?²

Como uma raiz quadrada não pode ser negativa (nos reais), temos que:
9 − ?² − ?² ≥ 0 , ???? ?² + ?² ≤ 9
Vemos, portanto que o domínio é dado pela área contida dentro de um disco de raio 3.

por isso. ?. Obs 2: Para funções com mais de 3 variáveis não é possível esboçar o domínio nem o gráfico da função. logo a imagem será: ???(?) = [0. Mesmo assim. no entanto. z deve ser positivo para estar contido no domínio. Exemplo (3 variáveis): ? = ? ?. Semiesfera de raio 3 Imagem: Ao observar o gráfico.logo o gráfico será apenas a parte positiva da equação da esfera (semiesfera de raio 3). e o gráfico seria algo na 4ª dimensão. o domínio da função w=f(x. ? = log⁡ (25 − ? 2 − ? 2 − ? 2 ) . não sendo possível de desenhar.3] Obs: Funções de 3 variáveis: Neste caso.Gráfico: ?= 9 − ?² − ?² → ?² + ?² + ?² = 9 Essa é a equação de uma esfera de raio 3. ainda é possível descobrir a sua imagem algebricamente. essas são mais difíceis de serem estudadas. vemos que z varia de 0 até 3.y.z) seria uma superfície.

y). 9 − ?² − ?² = 0 → 9 = ?² + ?² Circunferência de raio 3 K=1.y)=K. Exemplo: Esboce as curvas de nível da função ? = ?(?. Curvas de Nível As curvas de nível de uma função F de duas variáveis. Exercícios Recomendados: . percebemos que o domínio será uma esfera maciça. Em outras palavras. temos z=3 9 − ?² − ?² = 9 → ?² + ?² = 0 Ponto (x. temos z=2 9 − ? 2 − ?² = 4 → ?² + ?² = 5 Circunferência de raio 5 K=3. temos z=1 9 − ? 2 − ?² = 1 → ?² + ?² = 8 Circunferência de raio 2 2 K=2.∞ até ln25 = 2ln5. é como “cortar” o gráfico da função em diferentes alturas e depois planificar as imagens encontradas.Domínio: (ℝ³) 0 ≤ ?² + ?² + ?² < 25 Logo. portanto temos: ?? ? = [−∞.1.são funções do tipo f(x. de raio menor do que 5 (sendo a casca esférica que sobrepõe a esfera fora do domínio). ?) = K=0 . onde K é uma constante. 2??5] O gráfico dessa função não é possível esboçar.temos z=0 9 − ?² − ?² para K=0. Imagem: Vemos que o gráfico (eixo w) teria uma variação de ln(0) = .y)=(0.0) Curvas de nível da função f(x.2 e 3.

?) existir.y)=10-4x-5y. temos: ?? 0 = 2=0 ?→0 ?² + ?² ? lim Fazendo o sublimite na direção da reta y=x. Exemplo: Mostre que não existe o limite: lim ?. ??9) 3(II) Limites Em uma função de duas variáveis. 3)(Stewart)Esboce o gráfico da função f(x.y)=ln(9-x²-9y²).y)= 1−?² . ?)|? ≥ ? 2 . .? ?? →(0.0) ?(?.y)|9 ?² + ?² < 1}. ?−?² 2) (Stewart)Determine o domínio da função f(x. os sublimites (limites calculados em todas as direções possíveis) devem existir e devem ser todos iguais. ? ≠ ±1 1-{(x.(-∞. como encontramos dois sublimites diferentes.? Portanto.0)} + ?2 Fazendo o sublimite na direção do eixo y.0) ?² + ?² 2?² 2 lim ?. podemos concluir que o limite não existe. (x=0). temos: ?? ?² 1 = = →(0. Temos: ??? ?2 ?? = ℝ² − {(0. para o limite lim ?.? →(0. Para mostrar que não existe limite basta encontrar dois sublimites diferentes. Gabarito : 1 2-{(?.0) ?²+?².1)(Stewart)Determine e esboce o domínio da função f(x.

Existem outras aplicações para utilizar o conceito de grau. o limite em questão não existe. 0≤ ?² ≤1 ?² + ?² ?² será sempre maior ou ?²+?² . podemos concluir que o limite não existe.0) ?² + ?² 1 + ? ?² 1 + ?2 lim ?. ?? ?? 2 ? = = 2 →(0. podemos fazer a substituição ? = ??100 ? 9600 ? 4 = →(0. fazemos a substituição y=mx . que dependem da inclinação da reta y=mx. Para confirmar. para igualar o grau. utilizando separações de funções e Teorema do Confronte é possível provar a existência do limite em algumas funções.? Como m pode variar. Podemos perceber então. que é muito mais difícil a existência do limite de uma função de duas variáveis do que quando trabalhávamos com funções de uma variável.? ?? →(0.0) ? 10000 + ? 100 lim ?. um deles é substituir o valor de uma variável em relação a outra para igualar o grau e provar que o limite não existe. já devemos suspeitar que o limite não existe. Exemplo 1: lim ?. Exemplo: ? 9600 ? 4 →(0. ?²+?² Podemos perceber que igual a zero e menor ou igual a 1.0) ? 10000 + ?100 ? 10000 1 + ?100 lim ?. logo. Mas como provar isso? Vamos separar a função em y.0) ? 10000 + ? 100 lim ?. (Função limitada). a intuição nos diz que a parte de cima da equação tende a zero mais rápido.Outra maneira de provar que o limite não existe é usando noção de “grau”. Logo. ?² .? ? 9600 ?4 ? 400 ?4 = →(0. vemos que existem infinitos sublimites. lim ?.? Notamos que. vemos que existem infinitos sublimites .0) ?²+?² Grau 2 Como os graus do numerador e do denominador são iguais. No entanto. logo o limite seria 0.? Como m é uma variável.0) ? 2 +?² Grau 3 Grau 2 Como o grau do numerador é maior que do denominador.? ? 2? →(0.

? →(0.?) ?(?.0) ? 4 + ?² ?. devemos ter que : ?²? lim = ? 0.0) Domínio da Função = ℝ² Podemos perceber que a função é contínua em todos os pontos diferentes de (0.Logo.? Vamos separar a função em: x . essas duas funções são limitadas.pois essa função é formada pela composição de dois polinômios.? →(0.:F(x. Ex. assim como a composição dessas funções.0) ?. logaritmos. e: lim ?. Exemplo: Calcule os pontos de continuidade da função: ?²? ? 4 +?² ?? ?. −1 ≤ cos x ≤ 1 e 0 ≤ ? 2 +|?| ≤ 1 Logo. ? ≠ (0. ? ? 2 +|?| ? Mas. Exemplo 2: ?????(?) →(0. ?) Teorema: As funções principais conhecidas (Polinômios.y) é contínua num ponto (a. ? =0 ? 2 +|?| limitado limitado (III) Continuidade Dizemos que uma função f(x. ?) = ?(?.0) 1 + ?2 ? 4 1 + ?² ..? →(0.0).0) ?. exponenciais . ??? Tende a 0 ? .0) ? 2 + |?| lim ?.0). ?) existe e lim ?. usando a substituição y=mx² temos que: ?²? ?? 4 ? lim = lim = ?.y)= sen(x²+y²) é continua em ℝ² pois é formada pela composição seno e polinômio.? →(?.0) ? + ?² Mas.? ?2 →(0. ? 2 +?² =0 0 entre 0 e 1 Obs: Sempre que a função for separável.) são contínuas em todos os pontos do seu domínio. senos e cossenos.? →(0. cos(x) ..? →(?.?) ?(?. lim ?.y)= 0 ?? ?. ? = (0.0 = 0 4 ?. dessa forma o limite existe. Para isso ocorrer.b) ∈ Domínio se lim ?.0) F(x. Agora devemos descobrir se a função também e contínua no ponto (0.

0) ?²+?²+?² 4) (UFRJ-2014.2) 6) (UFRJ-2012.? →(0.a | 6.0 |3.0) ?. os pontos de continuidade são: ℝ²-(0. ?? ?.1-Modificada) Diga se existem os seguintes limites abaixo: 5) (UFRJ-2013.Não existe | 5.0). Exercícios Recomendados: 1) Diga o valor de a.0 | 2. não existe limite.0) ?²+?²+1−1 ?? +?? ?.0) ?²+|?| 3) Calcule os seguintes limites (se existirem): a) lim b) lim c) lim d) lim 1+? 2 (? 2 +?? ) ?.0.0) 2) Calcule lim ?.? ?. ? = (0.? →(0. Logo.y) = 3?? ² . ?? ?²+?² ?.a) 0 b) ∄ c)2 d) ∄ | 4.? →(0. se possível.0) log⁡ ?? 4 ?.?. ? ≠ (0.2) Gabarito: 1.a) Não b) Não .? →(1. e portanto a função não é contínua no ponto (0.Como temos infinitos sublimites.??? (?) →(0.0) ? 2 +? 8 ?²+? 2 ?.0). de modo que a seguinte função seja contínua na origem: F(x.Existe.

com .weebly.engenhariafacil.Bons Estudos!! Dúvidas? Acesse o Solucionador na página www. .com ou mande email para contatoengenhariafacil@gmail.