You are on page 1of 2

Secretaria do Estado de Saúde do Distrito Federal

AULA: AUTO CUIDADO COM A NUTRIÇÃO E HIDRATAÇÃO DO IDOSO


Carolina de Carvalho e Carvalho
Nutricionista
População alvo: idosos

São considerados idosos todos aqueles com idade acima dos 65 anos. Há os
“idosos jovens”, aqueles entre 65 e 75 anos, os “idosos velhos”, entre os 75 e 85 anos, e
os “idosos mais velhos”, que são aqueles acima de 85 anos.
Definitivamente, uma boa alimentação ao longo de toda a vida é um importante
fator para a manutenção da qualidade de vida na terceira idade e leva a um
envelhecimento saudável. Claramente um bom estado nutricional contribui para o
aumento da expectativa de vida, manutenção da saúde e prevenção de doenças. Um
idoso mal nutrido possui resposta imune comprometida e se torna mais suscetível a
infecções.
O envelhecimento é um processo normal que inicia na concepção e termina na
morte. Após a maturidade fisiológica o corpo começa a sofrer um processo degenerativo
em que há uma perda progressiva e natural de massa muscular que pode, se não
monitorizada, levar à morte porque os órgãos mantenedores da vida são compostos por
músculos (sistema respiratório, coração, fígado, rins) e a perda destes pode levar à
falência dos múltiplos órgãos. Como os idosos tendem a perder massa muscular em todo
o corpo, eles ficam mais sujeitos a quedas e fraturas pela instabilidade do esqueleto.
Um dos grandes riscos para a saúde na velhice é a desnutrição causada por
uma série de problemas como a diminuição do apetite em conseqüência à perda do
olfato e paladar, à depressão, a problemas de mastigação, à disfagia e ao uso de
medicamentos que causam gastrite.
Mas se de um lado temos a desnutrição como um fator de risco para a saúde
do idoso, do outro lado encontramos um crescimento exacerbado da obesidade que traz
consigo uma série de doenças cada vez mais comuns nesta faixa etária. Com o passar do
tempo o nosso gasto energético diminui e a necessidade de energia também declina nos
obrigando a comer menos para manter nosso peso. Porém, muitas vezes o idoso sadio
tende a consumir as mesmas quantidades ou mais de alimentos de quando era mais
jovem e é aí onde mora o perigo, porque o excesso alimentar traz consigo muitas
conseqüências como o aumento de peso, aumento da pressão arterial, aumento do
colesterol e triglicérides e intolerância à glicose podendo vir a desenvolver diabetes.
Na terceira idade os idosos tendem a apresentar elevação da pressão arterial
devido aumento na elasticidade dos vasos sanguíneos. Por isso, uma alimentação pobre
em sal é o mais adequado para estas pessoas.
Os idosos tendem a apresentar elevação das taxas de colesterol,
principalmente as mulheres. Neste caso, trabalhamos com a ingestão de medicamentos e
com a melhoria da qualidade da dieta, reduzindo o consumo de alimentos gordurosos e
ricos em colesterol tais como carnes gordas, pele do frango, lingüiça, bacon, salame,
mortadela, presunto, ovos, leite integral, queijos gordos, pudins, cremes, sorvetes,
manteiga, maionese, pão de queijo, biscoitos e pães recheados, etc.
Na velhice há uma menor tolerância à glicose e os idosos tendem a
apresentar hiperglicemia e se este quadro persistir podem desenvolver diabetes. Para
evitarmos esta situação devemos diminuir o consumo de açúcares, doces, arroz,
macarrão, batatas, pães e biscoitos (principalmente os doces), mas principalmente
devemos diminuir as quantidades dos alimentos ingeridos. Os diabéticos necessitam
seguir um plano alimentar especialmente desenvolvido para eles.
A dieta do idoso deve ser nutritiva, saborosa e agradável de comer. O
ideal é que façam de 4 a 6 pequenas refeições diárias.
. Varie bem o consumo dos alimentos, principalmente de verduras e frutas que
fornecem ao organismo vitaminas, minerais e fibras. Quanto mais variada for a dieta
maior será a variedade de nutrientes que o organismo irá receber. O consumo ideal
destes alimentos deve ser de 2 a 3 porções diárias.
. Utilize carnes, sal e açúcar em quantidades moderadas. A gordura presente
nas carnes está relacionada a doenças cardiovasculares. O sal relaciona-se diretamente
com o aumento da pressão arterial e o excesso de açúcar pode vir causar uma
intolerância à glicose, além do ganho de peso.
. Modere o consumo de óleo no preparo dos alimentos.
. Faça as refeições em lugares agradáveis e silenciosos.
. Os idosos tendem a ter uma diminuição na absorção de cálcio, por isso,
devemos elevar o consumo de leite e derivados para pelo menos 3x ao dia a fim de
evitarmos a osteoporose, que é uma complicação freqüente nesta faixa etária. Se o idoso
tende a sofrer com cólicas devido à produção excessiva de gazes e diarréia por causa do
leite, a utilização de iogurtes e queijos magros melhora a tolerância à lactose, que é a
causadora destes distúrbios.
. Juntamente com o cálcio, a vitamina D deve estar em quantidades suficientes
para evitarmos a osteoporose. Conseguimos supri-la apenas tomando sol, cerca de 20 a
30 minutos pela manhã antes das 9hs.
. A obstipação intestinal, freqüente nos idosos, pela falta de fibras na dieta,
escassez de líquidos e inatividade física pode ser revertida aumentando o aporte destes
itens. As fibras, nós podemos aumentar incluindo alimentos laxantes à dieta tais como
laranja, mamão, ameixa seca, melancia, melão, abacaxi, folhosos em geral, abóbora,
beterraba, vagem, milho, aveia, etc.
. A desidratação é um distúrbio muito freqüente no idoso porque eles sentem
menos sede que os jovens.
Sem água não há vida porque a água serve de veículo para as reações
bioquímicas do organismo que possibilitam o metabolismo responsável por nos manter
vivos.
A água possui várias funções no organismo dentre elas servir como lubrificante
para tecidos e articulações, manter a temperatura do nosso corpo, servir como transporte
de alimentos e produtos do metabolismo celular além de ser fundamental para os
processos digestivos, respiratórios e excretórios.
70% do nosso peso corpóreo é composto de água. A perda de 20% deste
conteúdo é fatal. Conseguimos sobreviver apenas 3 dias sem água.
Perdemos água de várias formas: pela urina, no mínimo 500ml ao dia, pela
respiração 400ml, pela pele 600ml e pelas fezes cerca de 150ml de água por dia. Quando
ingerimos menos água do que excretamos o corpo desidrata e passa a economizar água
concentrando a urina.
A falta de líquidos normalmente ocasiona obstipação intestinal e doenças de
cálculos renais. Quando desidrata, o paciente poderá apresentar delírios e muitas vezes
precisa ser levado ao hospital. Para que isto não aconteça devemos monitorar
diariamente a quantidade de água que o idoso ingere. O ideal é que ele beba em torno de
1,5L de água ao dia, fracionada em várias vezes. Estipular horários para a ingestão
hídrica é interessante para não esquecermos.