You are on page 1of 10

ETAR

Estação de tratamento de águas residuais

Trabalho Elaborado por: António Estrada


1
ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS

Que se designa oficialmente também Numa ETAR as águas residuais


por Estação de Tratamento de Efluentes passam por vários processos de
(ETE), é uma infra-estrutura que trata tratamento com o objectivo de
as águas residuais de origem separar ou diminuir a quantidade
doméstica e/ou industrial, chamadas da matéria poluente da água.
de esgotos sanitários ou despejos
industriais , para depois serem
escoadas para o mar ou rio com um
nível de poluição aceitável (ou então,
serem "reutilizadas" para usos
domésticos), através de um emissário,
conforme a legislação vigente para o
meio ambiente receptor.
Trabalho Elaborado por: António Estrada
2
FASES DO TRATAMENTO

 Pré tratamento
 Tratamento primário
 Tratamento secundário
 Tratamento terciário
 Remoção de nutrientes
 Desinfecção

Trabalho Elaborado por: António Estrada


3
PRÉ TRATAMENTO
Numa primeira fase do Após esta primeira fase de desarenação
tratamento, a água dos e desengorduração, é aplicado um
esgotos passa por uma processo de neutralização da água, de
grade, que arrasta as areias modo a estabilizar o seu pH, para
maiores, que são retiradas poderem ser enviadas para os tanques
para serem enviadas para de arejamento, onde com a ajuda de
um aterro. Depois, estas lamas activadas, serão decompostos os
águas, já livres das areias derivados de carbono.
maiores, são enviadas para
um tanque, onde com a
ajuda de oxigénio, se faz a
separação da gordura das
águas.
Trabalho Elaborado por: António Estrada
4
TRATAMENTO PRIMÁRIO

 Remoção de sólidos
suspensos facilmente
decantáveis e matérias
flutuantes, através de
processos físicos
(agregação,
sedimentação)

Trabalho Elaborado por: António Estrada


5
TRATAMENTO SECUNDÁRIO

Remoção de matérias
orgânicas em solução e
suspensão, por processos
biológicos (discos biológicos,
lamas activadas e
lagunagem) e processos
físico-químicos (precipitação
química)
Trabalho Elaborado por: António Estrada
6
TRATAMENTO TERCIÁRIO

Remoção de poluentes que


não são afectados pelos
tratamentos primários e
secundário, por operações
físicas (filtração e
microtamisagem), processos
biológicos (lagunagem e
tratamento no solo) e
químicos (precipitação
química, absorção,
desinfecção e outros).
Trabalho Elaborado por: António Estrada
7
REMOÇÃO DE NUTRIENTES

Águas residuais podem conter altos níveis de nutrientes como


nitrogénio e fósforo. A emissão em excesso destes pode levar ao
acúmulo de nutrientes, fenómeno chamado de eutrofização, que
encoraja o crescimento excessivo (chamado bloom) de algas e
cianobactérias (algas azuis). A maior parte destas algas acaba por
morrer, porém a decomposição das mesmas por bactérias remove
oxigénio da água e a maioria dos peixes morrem. Além disso,
algumas espécies de algas produzem toxinas que contaminam as
fontes de água potável (as chamadas cianotoxinas).

Trabalho Elaborado por: António Estrada


8
DESINFECÇÃO

A desinfecção das águas


residuais tratadas objectiva a
remoção dos organismos
patogénicos. O método de cloração
também tem contribuído
significativamente na redução de
odores em estações de tratamento
de esgoto. Revelou-se entre os
processos artificiais o de menor
custo e de elevado grau de
eficiência em relação a outros
processos como a ozonização que
é bastante dispendiosa e a
radiação ultravioleta que não é
aplicável a qualquer situação.
Trabalho Elaborado por: António Estrada
9
ÁGUA PARA A VIDA
Não há vida sem água. A água é um bem precioso, Os recursos aquíferos devem ser inventariados.
indispensável a todas as
actividades humanas.
A boa gestão da água deve ser objecto de um plano
Os recursos de águas doces não são promulgado pelas
inesgotáveis. É indispensável autoridades competentes.
preservá-los, administrá-los e, se possível,
aumentá-los.
A salvaguarda da água implica um esforço crescente
Alterar a qualidade da água é prejudicar a vida de investigação,
do homem e dos outros formação de especialistas e de informação pública.
seres vivos que dependem dela.
A qualidade da água deve ser mantida a níveis A água é um património comum, cujo valor deve ser
adaptados à utilização para reconhecido por
que está prevista e deve, designadamente, todos. Cada um tem o dever de a economizar e de a
satisfazer as exigências da saúde
pública. utilizar com cuidado.

Quando a água, depois de utilizada, volta ao A gestão dos recursos de água deve inscrever-se no
meio natural, não deve quadro da bacia
comprometer as utilizações ulteriores que dela
se farão, quer públicas quer natural, de preferência a ser inserida no das fronteiras
privadas. administrativas e
políticas.
A manutenção de uma cobertura vegetal
adequada, de preferência
florestal, é essencial para a conservação dos A água não tem fronteiras. É um recurso comum que
recursos de água. necessita de uma
cooperação internacional. 10
Trabalho Elaborado por: António Estrada