MITOS OU REALIDADE?

Objetivos:

Fazer uma primeira aproximação dos temas a serem abordados ao longo do
curso.

Tempo de duração: aproximadamente 1 hora.
Material necessário: lista de afirmações e folha de recursos para o facilitador, fita
adesiva, 3 cartazes com as palavras Concordo – Discordo – Tenho dúvidas.
Sugestão para o encaminhamento da oficina:



O facilitador apresenta o objetivo e distribui pela sala os cartazes, afixando-os
nas paredes;
Informa que vai ler um conjunto de afirmações e que, após a leitura de cada uma
delas, os participantes deverão dirigir-se ao cartaz que expressa sua posição em
relação à afirmação apresentada. O grupo deve escutar com atenção cada frase,
que será lida duas vezes, para, só então, se movimentar;
Após cada deslocamento, o facilitador pode apresentar algumas informações
disponíveis na folha de recursos ou promover rápidas trocas de idéias sobre cada
tema;
Ao término desta etapa, o facilitador abre um debate utilizando-se de alguma
referências, como:
Os mitos estão relacionados com o grau de informação pessoal, mas,
principalmente com a cultura e os valores predominantes na sociedade;
Um dos principais objetivos do trabalho educativo no campo da sexualidade e
prevenção de DST/AIDS e permitir que as pessoas possam questionar os mitos e
preconceitos para ampliar sua liberdade na busca de novos conhecimentos,
recursos de proteção e experiências de vida.

Texto de apoio
Afirmações
1. O homem costuma ter várias parceiras porque sente mais desejo sexual do que a
mulher.
2. Uma pessoa pode ter uma doença sexualmente transmissível sem ter nenhuma
dor ou problema aparente.
3. Um homem com pênis grande é sexualmente mais potente do que um homem
com o pênis menor.
4. O fornecimento de métodos contraceptivos para adolescentes requer a
autorização de pais ou responsáveis.
5. A masturbação pode causar doenças mentais.
6. O uso da camisinha é importante no início de um relacionamento, quando os
parceiros estão se conhecendo.

A mulher pode saber exatamente o período do mês em que pode engravidar. Pode. Além disso. 5. Um(a) adolescente não necessita de autorização dos pais ou responsáveis para solicitar ou comprar métodos contraceptivos. Quando alguém se infecta com o vírus da AIDS – o HIV – começa a emagrecer e perder cabelo. as doenças sexualmente transmissíveis e a AIDS. podem levar à gravidez. Os adolescentes usam preservativos com menor freqüência do que os adultos porque muitos não estão atentos para a importância da prevenção da gravidez não planejada e das DST/AIDS. 6. ela precisa ser usada em todas as relações sexuais. A cultura e o papel social do homem na sociedade são os principais fatores que condicionam os comportamentos sexuais masculino e feminino considerados “normais” e não as suas características biológicas. Uma mulher pode engravidar mesmo que o homem ejacule fora dela. a ausência de sintomas costuma ser mais frequente entre as mulheres. Quase todas as vezes que adolescentes e jovens são abusados sexualmente. de forma desigual. acne. entre mulheres que tem um único parceiro e que não se beneficiam da dupla proteção oferecida pelo preservativo (contra DST/AIDS e gravidez não desejada). como muitas vezes somos levados a crer. É possível ter doenças sexualmente transmissíveis sem sentir nada e sem apresentar sintomas por um longo período após a infecção. Hoje. Folha de recursos para o facilitador 1. ocorre com muita frequencia nos namoros e nos casamentos um pacto entre os casais de usar preservativo apenas se forem mantidas relações sexuais com outros parceiros. 7. O uso de preservativos é muito mais difundido entre adolescentes do que entre adultos. 10. Mas. O líquido expelido antes da ejaculação contém espermatozóides. pode ser mais difícil utilizar a prática do sexo seguro nas situações imprevistas do que nas relações estáveis. também. próximas à entrada da vagina. Os grupos de risco para AIDS são os homossexuais. os hemofílicos e as pessoas que tem diversos parceiros ou parceiras sexuais. 8. 11. Para algumas doenças sexualmente transmissíveis.7. Atualmente. O fato de não conhecer o parceiro não é o principal motivo para usar camisinha. A masturbação não causa doenças mentais. O tamanho do pênis não determina a capacidade de procriar ou o prazer do homem ou da mulher na relação sexual. Ejaculações “nas coxas”. os drogados. É direito de adolescentes de ambos os sexos. Para que ela funcione para evitar a gravidez. pois uma única relação pode bastar para a transmissão de doenças por via sexual. cabe refletir sobre o planejamento de gestação. 4. . 12. a busca de orientação adequada para o uso de contraceptivos. Será que a maioria das gestações que ocorrem entre pessoas adultas são planejadas? 8. na vida real. 2. 9. nem faz crescer pelos nas mãos ou no corpo. 3. o crime é cometido por desconhecidos. a infecção pelo HIV está aumentando.

mudanças no ritmo de vida. podem alterar momentaneamente o ciclo ovulatório. pode transmitir o vírus se não fizer sexo seguro. O conceito de grupo de risco já foi abandonado.9. Comentários Poderão surgir novas questões para as quais o facilitador não tem resposta. Não é fácil saber com exatidão o período fértil de uma mulher. 12. 10. gerou a falsa idéia de que as pessoas que não pertencem a esses grupos não corriam risco de infectar-se. a medicação permite que as pessoas mantenham peso adequado e não apresentem queda de cabelo. Na adolescência é mais difícil determinar o período fértil porque é frequente a irregularidade dos ciclos. Além disso. etc. mesmo sem ter nenhum sintoma. sendo necessário observá-los durante alguns meses. muitas vezes os próprios familiares. a portadora ou portador do HIV. também. doenças. Uma pessoa pode se infectar com o HIV. Existem formas de calcular esse período. Mesmo quando adoecem de AIDS. O objetivo da oficina é a realização de uma primeira aproximação das questões a serem aprofundadas durante o desenvolvimento do curso e as respostas oferecidas como subsídio podem não dar conta de eliminar as duvidas no grau de profundidade desejada. A associação inicial da AIDS a grupos de risco ampliou o preconceito contra determinadas pessoas e grupos e. A maior parte dos abusos sexuais de crianças e adolescentes é cometida por pessoas conhecidas das vítimas. 11. Nesse caso não se deve ter receio de afirmar que será necessário procurar novas fontes de informação. os comportamentos que aumentam as chances de contrair a AIDS não podem ser compreendidos ou transformados sem considerar as condições de vida das pessoas e grupos sociais. mas para isto os ciclos precisam ser regulares. pois sempre há uma pequena variação. Nesses casos. e não desenvolver a doença – a AIDS – por vários anos. tornando-se soropositiva. . Além disso.