Lei 13.

247/2016: cria a sociedade individual de advocacia
quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Olá amigos do Dizer o Direito,
Temos mais uma novidade legislativa.
Trata-se da Lei nº 13.247/2016, que altera os arts. 15, 16 e 17 do Estatuto da
OAB (Lei nº 8.906/94).
Vejamos, em linhas gerais, o que mudou.
ARTIGO 15

Estatuto da OAB (Lei nº 8.906/94)
ANTES
Art. 15. Os advogados podem reunir-se em
sociedade civil de prestação de serviço de
advocacia, na forma disciplinada nesta lei e no
regulamento geral.

AGORA
Art. 15. Os advogados podem reunir-se
em sociedade simples de prestação de serviços de
advocacia ou constituir sociedade unipessoal de
advocacia, na forma disciplinada nesta Lei e no
regulamento geral.

Agora, mesmo que o advogado trabalhe sozinho ele poderá constituir uma
sociedade unipessoal (de uma só pessoa) para prestar seus serviços de
advocacia.

Isso

traz

vantagens

especialmente

no

campo

tributário

considerando que este advogado poderá recolher os tributos pelo sistema do
SIMPLES, o que será mais vantajoso para ele do que a tributação de pessoa
física, que possui alíquotas mais altas.
Além disso, existem outros benefícios indiretos porque o advogado terá uma
"pessoa jurídica" com a qual poderá comprar carros mais baratos, ter acesso a
determinados tipos de financiamento em condições especiais, planos de saúde
empresarial etc.

§ 1º A sociedade de advogados adquire
personalidade jurídica com o registro aprovado dos
seus atos constitutivos no Conselho Seccional da
OAB em cuja base territorial tiver sede.

§ 1º A sociedade de advogados e a sociedade
unipessoal de advocaciaadquirem personalidade
jurídica com o registro aprovado dos seus atos
constitutivos no Conselho Seccional da OAB em
cuja base territorial tiver sede.

Este § 7º apenas deixa claro que a sociedade unipessoal pode resultar: • de uma escolha inicial do advogado. § 6º Os advogados sócios de uma mesma sociedade profissional não podem representar em juízo clientes de interesses opostos. obrigados à inscrição suplementar. § 5º O ato de constituição de filial deve ser averbado no registro da sociedade e arquivado junto ao Conselho Seccional onde se instalar. ou integrar. ARTIGO 16 . Não houve alteração neste § 3º § 4º Nenhum advogado pode integrar mais de uma sociedade de advogados. independentemente das razões que motivaram tal concentração. § 3º As procurações devem ser outorgadas individualmente aos advogados e indicar a sociedade de que façam parte. § 5º O ato de constituição de filial deve ser averbado no registro da sociedade e arquivado no Conselho Seccional onde se instalar. § 2º Aplica-se à sociedade de advogados e à sociedade unipessoal de advocacia o Código de Ética e Disciplina. Não havia § 7º § 7º A sociedade unipessoal de advocacia pode resultar da concentração por um advogado das quotas de uma sociedade de advogados. com sede ou filial na mesma área territorial do respectivo Conselho Seccional. constituir uma sociedade unipessoal. Esta sociedade simples poderá ser transformada em sociedade unipessoal com a concentração das quotas do sócio morto na figura do sócio que permanece vivo. ou • da concentração por um advogado das quotas de uma sociedade de advogados. Não houve alteração no § 6º. inclusive o titular da sociedade unipessoal de advocacia. O texto foi apenas atualizado para prever que agora. ficando os sócios. ficando os sócios obrigados à inscrição suplementar. uma sociedade de advogados e uma sociedade unipessoal de advocacia. no que couber. desde logo. no que couber. § 4º Nenhum advogado pode integrar mais de uma sociedade de advogados. existe também a sociedade de um só advogado (sociedade unipessoal).constituir mais de uma sociedade unipessoal de advocacia. Nos §§ 1º a 6º acima transcritos não houve nenhuma mudança substancial. Ex: dois advogados possuíam uma sociedade simples de advocacia (os dois eram sócios). simultaneamente. Um deles morreu.§ 2º Aplica-se à sociedade de advogados o Código de Ética e Disciplina. além da sociedade de advogados. com sede ou filial na mesma área territorial do respectivo Conselho Seccional. Ex: advogado inicia sua carreira e decide.

Atualiza também a redação por conta do advento do "Direito Empresarial" em substituição ao "Direito Comercial" (ou mercantil) com o CC 2002. que realizem atividades estranhas à advocacia. completo ou parcial. Além da sociedade. Nenhuma mudança no conteúdo. 17. que realizem atividades estranhas à advocacia.Estatuto da OAB (Lei nº 8. Não são admitidas a registro nem podem funcionar todas as espécies de sociedades de advogadosque apresentem forma ou características de sociedade empresária. Ex: João da Silva Carvalho Sociedade Individual de Advocacia. 16. as sociedades de advogados que apresentem forma ou características mercantis. existe também outra espécie: a sociedade unipessoal. que adotem denominação de fantasia. Além da sociedade. além da sociedade simples de advocacia. o sócio responde subsidiária e ilimitadamente pelos danos causados aos clientes por ação ou omissão no exercício da advocacia. ARTIGO 17 Estatuto da OAB (Lei nº 8. § 4º A denominação da sociedade unipessoal de advocacia deve ser obrigatoriamente formada pelo nome do seu titular. que incluam como sócio ou titular de sociedade unipessoal de advocacia pessoa não inscrita como advogado ou totalmente proibida de advogar. 17. A redação foi apenas atualizada para incluir a nova espécie de sociedade individual (unipessoal) de advocacia . Assim. o sócio e o titular da sociedade individual de advocacia respondem subsidiária e ilimitadamente pelos danos causados aos clientes por ação ou omissão no exercício da advocacia. sem prejuízo da responsabilidade disciplinar em que possa incorrer. nem podem funcionar. Apenas atualiza a redação para o plural. sem prejuízo da responsabilidade disciplinar em que possam incorrer. com a expressão ‘Sociedade Individual de Advocacia’. Não havia.906/94) ANTES AGORA Art.906/94) ANTES AGORA Art. que adotem denominação de fantasia. a expressão "mercantis" é substituída por sociedade empresária (mais atual). 16. considerando que agora. Art. que incluam sócio não inscrito como advogado ou totalmente proibido de advogar. Não são admitidas a registro. Art.