MINERALOGIA QUÍMICA

Trata da composição química dos minerais
Abundância de elementos na crosta

% em peso - O = 46,60 % , Si = 26,72 % , Al = 8,13 % (O + Si + Al = 81,45%)
Fe = 5,0 % , Ca = 3,63 % , Na = 2,83 % , K = 2,59 % , Mg = 2,09 % (8 elementos =

98,59)

% de átomos - O = 62,55 % , Si = 21,22 % , Al = 6,47 % (O + Si + Al = 90,24%) , Fe =
1,92 % , K = 1,94 % , Ca = 2,64 % , Mg = 1,42 % , C = 1,84%. (8 elementos = 100,00%)

Raio iônico (A0) - O = 1,36 , Si = 0,26, Al = 0,39
Fe = 0,78 , Ca = 1,00, Na = 1,02 , K = 1,51 , Mg = 0,72

% em volume –

As propriedades dos minerais dependem da sua composição química, do arranjo dos átomos
e das forças de ligação.

Os minerais são agrupados em classes com base no ânion ou radical aniônico dominante em
sua fórmula química (James D. Dana, 1813 - 1895).

Classes: elementos nativos (minerais forma-dos por só um elemento), sulfetos (S-), óxidos
(O=), carbonatos (CO3=), silicatos (SiO), etc.

O = ~ 94%
outros = ~ 6%

Razões da classificação pelo ânion

1) minerais com mesmo radical aniônico têm proprie-dades muito mais semelhantes do que
os com mesmo cátion. Ex: siderita (FeCO3) assemelha-se mais com calcita (CaCO3) e
magnesita (MgCO3) que com pirita (FeS2) e hematita (Fe2O3)

2) minerais com mesmo ânion tendem a ocorrer associados uns aos outros na natureza. Ex:
sulfetos em veios hidrotermais; silicatos nas rochas da crosta.

3) classificação concorda com a química na classificação dos compostos inorgânicos.

Polimorfismo: mesma substância química com duas ou mais formas físicas distintas (dois
minerais diferentes).
C

- diamante ---- cúbico ----- D = 10 ---- d = 3,5
- grafita ---- hexagonal ---- D = 1 ---- d = 2,2
FeS2 - pirita ---- cúbico ------ D = 6 ----- d = 5,0
- marcassita - ortorrômb - D = 6 d = 4,85
CaCO3 - calcita - romboédrico - D = 3 d = 2,71
- aragonita - ortorrômb - D = 3,5 d = 2,95

substituição fácil .sistema triclínico Anortita CaAl2Si2O8 . podem acontecer substituições impossíveis em temperaturas menos elevadas.substituição limitada a rara . Se a temperatura abaixa progressivamente. . um pseudomorfo de madeira constituído de sílica.Substituição iônica minerais cristalizam-se a partir de soluções complexas. .fibras de madeira substituídas por sílica. Exsolução: (desmisturação) . quando a estrutura do retículo está mais ou menos desordenada e “frouxa”. formando séries isomórficas. Quase todos os minerais apresentam variação na composição química. antes da cristalização total.siderita FeCO3 .sistema romboédrico Albita NaAlSi3O8 . Magnesita MgCO3 .Mg substituído por Fe • Substituição dupla (acoplamento): nos plagioclásios Na+.15% a 30% .diferença até 15% .raio iônico . Existe substituição em quaisquer proporções.Por alteração – pirita (FeS2) passa para limonita {FeO(OH). exigências iguais no retículo e raios iônicos compatíveis.> 30% escassas possibilidades • Substituição simples: magnesita MgCO3 . sendo oferecidas amplas oportunidades de substitui-ção de um íon por outro. Pseudomorfos: muda a composição química e a estrutura interna e permanece a forma externa. Acontece substituição iônica completa. pode ser substituído por Ca+2 . . • Mais importante .Por substituição – madeira fossilizada .xH2O}.cristalização se processa em temperaturas elevadas. portanto. • • Ex: Pertitas . quando simultaneamente um Si+4 é substituído por um Al+3  NaAlSi3O8 (albita) CaAl2Si2O8 (anortita) Isomorfismo ou solução sólida: mesma forma cristalina ou se-melhante (sistema de cristalização) e composição química diferente.sistema triclínico Cargas iguais. os íons migram e formam núcleos ou lamelas de composição e estruturas diferentes no interior do cristal primitivo.lamelas de feldspato sódico no interior de K – feldspato Massas lenticulares de ilmenita na magnetita.sistema romboédrico Siderita FeCO3 . forma-se um pseudomorfo de pirita mantendo a forma externa cúbica original. onde são satisfeitas as condições de equilíbrio.