UNIVERSIDADE SÃO MARCOS

CEAFI PÓS-GRADUÇÃO
PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FONOAUDIOLOGIA HOSPITALAR

PRESBIFAGIA: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

Ana Paula Alves de Morais

GOIÂNIA
2009

Maria Aparecida Sumã Pedrosa Carneiro Co-orientadora: Oliveira e Silva GOIÂNIA 2009 Lillian Christina .UNIVERSIDADE SÃO MARCOS CEAFI PÓS-GRADUAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FONOAUDIOLOGIA HOSPITALAR PRESBIFAGIA: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Ana Paula Alves de Morais Artigo apresentado como exigência para aprovação na Pós-Graduação Lato Sensu em Fonoaudiologia Hospitalar pela Universidade São Marcos / CEAFI. Orientadora: Prof.

PRESBIFAGIA: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Ana Paula Alves de Morais Artigo apresentado em ____/____/_____. e aprovado pela banca examinadora: NOME ASS. NOTA ________________________ _________________ __________ _______________________ _________________ __________ .

A coleta de dados foi realizada por meio de consulta manual a livros específicos. residência e outros. Trata-se de uma pesquisa de revisão bibliográfica. Scielo. 1997). Concluiu-se que o paciente idoso necessita de atenção onde esse estiver.1997). aumentaramse os anos vividos e não a qualidade de vida (NETO. INTRODUÇÃO Nas últimas décadas. Lilacs. hospital. o papel do fonoaudiólogo é orientá-lo no que diz respeito a alimentação para obter como resultado uma mastigação e deglutição melhorada dentro das condições da musculatura facial que se encontra. PONTES. ou seja. . Esse aumento deve-se não a uma melhora sócio-econômica do país e. através de programas de prevenção e reabilitação é possível proporcionar condições para uma maior qualidade de vida a estes indivíduos (BACHA et al. instituição. disfagia. pois a idade avançada é um dos maiores fatores de risco para a ocorrência da disfagia. Sendo assim. O tema apresentando é de grande importância para a sociedade. Por outro lado. 1997). na qual foram incluídos livros e artigos científicos concernentes à temática de estudo. Ainda. pois. aumentou-se a ocorrência de sequelas e complicações de doenças crônicas. sim. acima de 60 anos. Bdenf. Bireme. houve um aumento significativo da população idosa. presbifagia. pode-se curar e sobreviver por mais tempo. é de extrema importância a investigação de aspectos que comprovem as alterações advindas do envelhecimento senescente ou senil. à importação de tecnologia medicinal como antibióticos e vacinas (NETO. PONTES.PRESBIFAGIA: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA PRESBIFAGIA: LITERATURE REVIEW Ana Paula Alves de Morais Resumo: O presente trabalho pretende verificar se o idoso sem queixa de disfagia apresenta alterações importantes que comprometem a fase oral da deglutição. Palavras . O intuito é de questionar e analisar de forma construtiva a presbifagia e a atuação do fonoaudiólogo na disfagia. Com isso. diminuindo o risco de mortalidade por doenças infectocontagiosas. por meio de consulta eletrônica nos bancos de dados da Biblioteca Virtual de Saúde (BVS).Chave: deglutição.

Portanto. 2005). As alterações do processo da alimentação merecem atenção especial. audição. aumenta a preocupação do fonoaudiólogo em diagnosticar alterações na motricidade orofacial que possam prejudicar o mecanismo normal de deglutição (TANURE et al. como infecções de vias aéreas superiores. 2006). A coleta de dados se deu por meio de consulta eletrônica nos bancos de dados do Ministério da Saúde e Biblioteca Virtual de Saúde (BVS). na qual foram incluídos artigos científicos concernentes ao tema. 2005). Foram utilizados como descritores: presbifagia. deglutição. voz. . tornam o mecanismo da deglutição mais vulnerável a distúrbios causados por pequenas alterações de saúde. MOTTA.A população de idosos apresenta alto risco para disfagia em consequência dos efeitos do processo de envelhecimento no mecanismo da deglutição. uma vez que as doenças que podem gerar um quadro disfágico são mais prevalentes no idoso (TANURE et al. A atuação fonoaudiológica junto ao paciente idoso compreende vários aspectos: transtornos de fala. Apesar destes efeitos isoladamente não causarem a disfagia. Estudos utilizando videofluoroscopia da deglutição comprovam que com o avançar da idade as alterações nas fases oral e faríngea da deglutição são mais freqüentes. REVISÃO DA LITERATURA O fonoaudiólogo é o profissional responsável pela reabilitação funcional da deglutição. Os dados foram extraídos de acordo com as categorias que emergiram. Com o crescimento da população idosa e da expectativa de vida. Foi realizada consulta específica sobre presbifagia por meio de livros e artigos datados de 1993 a 2007. MÉTODOS O presente estudo é uma revisão de bibliografia. 1999). qualquer distúrbio que dificulte uma boa deglutição interfere diretamente no estado físico e emocional do idoso (STEENHAGEN. este estudo teve como objetivo analisar a deglutição de idosos saudáveis. idosos e distúrbios de deglutição. uma vez que estão diretamente relacionadas com a nutrição e a qualidade de vida de idosos (RUSSO. Considerando que o ato de comer é fundamental para a manutenção de nossa vida. alterações da memória e do processo da alimentação.

distúrbios clínicos agudos ou crônicos e a utilização de um grande número de medicamentos (CARDOSO.Os idosos apresentam um alto risco para apresentarem déficits nutricionais e de hidratação devido a uma variedade de fatores. porque o indivíduo pode aspirar partículas que venham porventura entrar na laringe ou vias aéreas altas e retornar à faringe pela tosse ou outros mecanismos respiratórios de retropulsão. estando entre eles: a perda sensorial. A fase oral é voluntária e consciente. A deglutição é o processo pelo qual o alimento é transportado da boca até o estômago. Serve também como mecanismo protetor para os tratos respiratório e digestivo. faríngea e esofágica. levando a redução da mobilidade da língua e de sua força de movimentação (CARDOSO. organizados no centro da deglutição (MARCHESAN. Esse processo é complexo e é submetido a um controle neural que permite a condução do conteúdo oral até o estômago (SILVA. esôfago e estômago (STEENHAGEN. podem comprometer a fase oral da deglutição. quando remove partículas originariamente perdidas na nasofaringe ou retorna o material digestivo que reflui do estômago para o esôfago ou faringe. 2006). A fase esofágica. sendo que nesta ocorre uma série de eventos sincronicamente coordenados. dentes. A deglutição é dividida em três fases: oral. dificuldades de mastigação e deglutição. A atividade de deglutir pode ser iniciada conscientemente. é responsável pela passagem do alimento da faringe ao estômago (STEENHAGEN. estruturas capazes de funcionar de uma forma coordenada e rápida. 1993). (MARCHESAN. faringe. palato. a deglutição age como mecanismo protetor. . associadas ao envelhecimento. MOTTA. a anorexia. laringe. bochechas. Essas mudanças na cavidade oral. 2006). língua. MOTTA. Aparentemente simples e automático envolve. mandíbula. Dela participam lábios. Assim. porém. 2006). A fase faríngea é involuntária e subconsciente. o que se completa mediante a integração no sistema nervoso central de impulsos aferentes e eferentes. As modificações do processo de deglutição no envelhecimento estão relacionadas às adaptações nas funções de mastigação e da própria deglutição por perdas dentárias e pela utilização de próteses mal adaptadas e denominadas como presbifagia. 1993). 2007). também involuntária. 2007). A deglutição tem como função fundamental a propulsão do alimento da boca para o estômago.

2006). ajustando-se gradativamente a elas (CARDOSO. compensando tais perdas. 2007). Estimativas da prevalência de disfagia nos idosos são variáveis (FREITAS et al. de forma progressiva. deterioração dos músculos da mastigação.A diminuição dos movimentos orais. As modificações da função de deglutição no envelhecimento ocorrem por disfunção sensorial. que afeta paladar e olfato. e concorrem com problemas cognitivos e psiquiátricos. a disfagia é um sintoma frequente e traz riscos de desnutrição e pneumonia aspirativa. Os idosos sadios mantêm a sua funcionalidade. 2007). É importante notar que desordens alimentares em pacientes idosos podem resultar não somente em doenças faringoesofágicas. Ela pode comprometer tanto a condição nutricional como o estado pulmonar. Entre elas. 2005). durante e/ ou após a alimentação. As alterações encontradas na presbifagia respaldam-se nas modificações das estruturas anatomofuncionais. a diminuição da saliva e a redução do tônus muscular prejudicam visivelmente o processo de mastigação e a fase preparatória oral da deglutição (CARDOSO. podem causar alterações na fala. Disfagia é qualquer alteração ou dificuldade de deglutição que ocorre antes. a disfagia pode ser causada pelo envelhecimento associado a doenças sistêmicas. para verificar se os idosos sem queixa de disfagia apresentam comprometam a fase oral da deglutição. 2007). mas também em distúrbios não associados com o trato gastrointestinal. alterações importantes que . mastigação e deglutição (TANURE et al. a redução da sensibilidade orofacial. As alterações fonoaudiológicas incluem amplo espectro de distúrbios de comunicação e deglutição que contribuem para a perda da funcionalidade e independência dos idosos. Maksud e Reis (2003) fizeram uma pesquisa de campo. doenças dentais e osteoporose afetando a mandíbula (FREITAS et al. comprometimento físico de membros superiores. MOTTA. as perdas dentárias e a utilização de próteses. pelo uso de prótese dentária mal adaptada e/ou pela perda dos dentes. podendo levar a uma piora do quadro clínico (STEENHAGEN. A presbifagia é o termo designado às alterações que ocorrem pela degeneração fisiológica do mecanismo da deglutição. 2007). Nos idosos. devido ao envelhecimento sadio das fibras nervosas e musculares.

lidando com a população idosa. muito do que se considerava alteração na fase oral da deglutição de idosos.1997). muitos sinais que eram vistos como alterações. que vem aumentando mundialmente (CARDOSO. ou seja. O fonoaudiólogo. CONSIDERAÇÕES FINAIS Pude analisar que a maior parte dos idosos desenvolve adaptações diante das alterações do envelhecimento a fim de conseguir uma alimentação satisfatória. mastigação e deglutição (BACHA et al. as alterações nas fases oral e faríngea da deglutição são mais freqüentes. a fim de viabilizar um funcionamento coordenado das funções de respiração. REIS. com idade acima de 65 anos de ambos os sexos. avaliação dos órgãos fonoarticulatórios e do processo de deglutição. 2007). aprimora técnicas que previnam. na realidade são adaptações (MAKSUD.Eles avaliaram 20 idosos. mas como o envelhecimento é um processo gradativo. apesar de variarem de um idoso para outro. na verdade são adaptações graduais em resposta ao envelhecimento que garantem a funcionalidade da deglutição. Conhecer as possíveis modificações da deglutição pode auxiliar no estabelecimento de ações fonoaudiológicas e na promoção de saúde no envelhecimento desta população. Com o avançar da idade. resultado do processo de envelhecimento no funcionamento da deglutição. 2003). Os resultados indicaram que 100% dos idosos pesquisados apresentavam algum tipo de alteração fisiológica. sem queixas de problemas de deglutição. que foram submetidos a um protocolo contendo anamnese. essas alterações foram compensadas pela ocorrência de adaptações que garantiram a funcionalidade adequada do sistema estomatognático. reabilitem ou minimizem as alterações do sistema estomatognático. ou seja. A população de idosos apresenta alto risco de disfagia. . são características dessa fase. No processo de envelhecimento ocorrem alterações estruturais e funcionais de cada sistema do nosso organismo e.

Disponível em: <http://www. P. Acessado em: 28/10/09. Geriatr.L. R. SILVA. STEENHAGEN. E. NETTO M.A. MOTTA L.M.br Acessado em: em: 12/09/2009. S. Acessado em: em: 12/09/2009. 1998. M. T.V.I. 2.apps.F. Acessado em: 12/09/2009. 2007. M. FREITAS. 1997. P. São Paulo: Pancast. RIBEIRO J. Deglutição e envelhecimento: enfoque nas manobras facilitadoras e posturais utilizadas na reabilitação do paciente . Investigação fonoaudiológica de idosos em programa de assistência domiciliar.P. Disfagia orofaríngea pós-acidente vascular encefálico no idoso. C.N. RIBEIRO. B. 2003. Presbifagia: Deglutiçao no Processo do Envelhecimento.. PONTE I.einstein. A. L.uerj.pucrs.br. C.br/library. H.Para viabilizar uma segurança alimentar é importante o estudo dinâmico da deglutição através do exame de videofluroscopia na população idosa com dificuldade de deglutição. MANSUR L. R.C. I.L. 2006. Intervenção fonoaudiológica na terceira idade. RUSSO I.unati..sistema estomatognático.pdf Acessado em: 12/09/2009. Bras. A. Disponível em: http://www. Disfagia no idoso: risco (in) visível. Mastigação e Deglutição do idoso . P.S.C. PONTE I.. CHIBA. Aspectos gerais do envelhecimento. Rio de Janeiro: Revinter. Rev. GIGLIO V. DUARTE. Gerontol. Disponível em www. REFERÊNCIAS BACHA S. In: NETTO M. 2007. P. M. CARDOSO.. Gerontologia..br/revista/revista53/Arti>...F.São Paulo: Pró-fono 1999.cefac. vol.cefac. Q.F. V.br/MARIA_CRISTINA_DE_ALMEIDA_FREITAS_CARDOSO. MARCHESAN.. SOUSA M.A... 1993 MAKSUD. Barueri .9 no. Disponível em: www. Motricidade Oral. L. REIS. Perfil fonoaudiológico do idoso institucionalizado. Disponível em: www.M. São Paulo: Atheneu. 1999.

2. São Paulo. dysphagia. 171-7. SciELO and BDENF. A. v. MOTTA. BARBOZA.cefac. TANURE. Geriatr.Ana Paula Alves de Morais .P.P. Especialista em Fonoaudiologia Hospitalar pela USM/CEAFI. J. n. This is a research literature review. The aim is to question and analyze constructively to presbifagia and speech pathology in dysphagia . Gerontol.Especialista em Fonoaudiologia Hospitalar pela UNESA.7.C. LILACS..uerj. presbifagia. Rev CEFAC.unati. J. A deglutição no processo normal de envelhecimento. C.Especialista em Linguagem pelo CFFa. The issue presented is of great importance to society. Thus. 1 . v. Rev. AMARAL.9 n. Bras. BIREME. which will be included in books and scientific papers concerning the topic of study. Data collection will be performed by consulting the manual specific books.br Acessado em: 12/09/2009.3 Rio de Janeiro 2006. Mestre em Psicologia pela UCG . 3.disfágico. Pósgraduada em Distúrbios da Comunicação pela USC.. Key .Lillian Christina Oliveira e Silva . This paper looks for elderly without complaint of dysphagia have major changes that compromise the oral phase of swallowing..R. Disponível em: http://www. 2005. Disponível em: www. the study to be performed is an opportunity to acquire knowledge on the subject.. seeking to achieve the intended goals and then connected. abrjun. Still. 2.br Acessado em: 12/10/2009.Words: swallowing.Especialista em Motricidade Oral Com Ênfase Em Disfagia (2008) pelo Centro de Especialização e Pesquisas em Fonoaudiologia – CEPEF. by consulting the electronic databases of the Virtual Health Library (VHL).M. because old age is a major risk factors.Maria Aparecida Sumã Pedrosa Carneiro . Abstract: This study is based on analyzing the presbifagia.