TSE adota entendimento sobre recursos de registro de candidatura

Fica prejudicado o recurso que trata de registro de candidatura de quem, na eleição
majoritária (prefeito), obteve número de votos, nulos, insuficientes para alcançar o p
rimeiro lugar, ou que, somados a outros votos nulos, não ultrapasse o percentual d
e 50% previsto no artigo 224 do Código Eleitoral (Lei nº 4.737/65). Esse foi o enten
dimento unânime do Plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ao julgar, na sessão
desta quinta-feira (6), prejudicado recurso apresentado por Gervásio Uhlmann, cand
idato a prefeito em Itaiópolis (SC) nestas eleições, que ficou em terceiro lugar na di
sputa.
O artigo 224 do Código estabelece que, se a nulidade de votos atingir a mais de me
tade dos votos do país nas eleições presidenciais, do Estado nas eleições federais e estad
uais ou do município nas eleições municipais, serão julgadas prejudicadas as demais votaçõe
e o Tribunal marcará dia para nova eleição dentro do prazo de 20 a 40 dias.
Ao julgar prejudicado o recurso, o relator, ministro Henrique Neves, informou qu
e, no caso específico, o candidato ficou em terceiro lugar para prefeito, enquanto
o primeiro colocado recebeu 60,65% dos votos válidos. Os votos obtidos pelo tercei
ro colocado não trazem nenhum reflexo para a eleição. Se esse recurso fosse provido ou
desprovido, a consequência é que o candidato que está eleito se elegeria por 60,65% o
u 51,57% dos votos válidos. Em qualquer das hipóteses, acima de 50% , disse o ministro
.
Na sessão, o Plenário definiu que, a partir desse julgamento, o ministro que receber
o primeiro caso de um município referente às eleições de 2016 será, por prevenção, o relat
dos demais processos que chegarem ao TSE relacionados ao mesmo município. A decisão
foi tomada pelo Colegiado ao analisar questão de ordem levantada pelo ministro Her
inque Neves, que sugeriu que a Corte Eleitoral adotasse posicionamento nesse sen
tido, de acordo com a regra do artigo 260 do Código Eleitoral.

EM/CM
Processo relacionado: Respe 13646
PERFIL FALSO
Juiz eleitoral de SC determina que Facebook fique fora do ar por 24 horas
ImprimirEnviar6205740
8 de outubro de 2016, 18h43
Por Fernando Martines
Por não ter cumprido ordem judicial e para que a desobediência não afete o processo el
eitoral, o Facebook deverá ficar 24 horas fora do ar. A decisão é juiz eleitoral Renat
o Roberge, de Santa Catarina, e se deve a uma página com críticas a um dos candidato
s a prefeito de Joinville. Em seu despacho, o julgador acionou a Anatel para pro
videnciar o bloqueio da rede social em todo o território nacional. A página deverá terá
um comunicado explicando o caso.
Decisão notifica Anatel para mandar provedores tirarem rede social do ar.
A medida vem após ter sido ordenado, por meio de tutela de urgência, que o Facebook
retirasse do ar a página Hudo Caduco , que contém paródias do candidato Udo Dohler (PMDB)
ele disputa o segundo turno com Darci de Matos (PSD). Segundo o juiz Roberge, a
rede social ignorou a decisão judicial, não tirou o perfil do ar e não pagou a multa
estipulada.
A legislação eleitoral proíbe propaganda de cunho ofensivo, degradante ou que leve ao
ridículo. O juiz afirma que não há dúvida que a página descumpre esse aspecto da lei: como
exemplo, cita publicação na qual se fala que Udo teria estudado ditadura militar na
instituição Gestapo .
Udo está disputando o segundo turno em Joinville, e segundo o juiz, isso faz com q
ue seja urgente que medidas sejam tomadas para que a rede social cumpra a decisão

ma s. Roberge ainda determina que a empresa pague por dia de infração R$ 30 mil. O juiz ainda determina que caso o descumprimento c ontinue.judicial. Pois como se vê. . já que por ser uma multinacional com muitos recursos. cuja desobe diência não só se mostra uma afronta aos comandos legislativos e ao Poder judiciário. permanece a representada na prática irregular. qualquer pena menor não surtiria efeito. mais grave que isso. a rede social fique outras 24 horas fora do ar. multa máxim a prevista na lei. pode acarretar prejuízos irreparáveis ao processo eleitoral que se encontra em curso .