HISTOLOGIA

A histologia é o estudo da estrutura do material biológico e das maneiras como os seus
componentes se inter-relacionam, tanto estrutural quanto funcionalmente.
O estudo da histologia se iniciou com o desenvolvimento de microscópios simples e de
técnicas para preparo de material biológico, tornando-o adequado para exame.
Os primeiros histologistas descobriram muito sobre a estrutura do material biológico,
estabelecendo a teoria celular da estrutura dos organismos vivos, onde a célula é a
unidade básica da arquitetura da maioria dos materiais biológicos.
O conjunto de células com características morfológicas semelhantes foram descritas
como tecido, tendo sido estes divididos em quatro tipos:

Tecido Epitelial – formado por células que revestem superfícies, cavidades
corporais ou formam glândulas.

Tecido Conjuntivo – constituído por células e abundante matriz extracelular,
com a função de preenchimento ou sustentação.

onde elas podem modificar tanto sua estrutura como sua funcionalidade para se adaptar a determinadas condições ambientais. Esta plasticidade celular é evidente. fornecendo a base para a compreensão dos processos patológicos e suas causas. como por exemplo. A célula varia consideravelmente. constituindo os órgãos e os sistemas. geralmente de vários tios. por exemplo. como a bioquímica. . cada célula desenvolve atributos estruturais para adequar suas funções pelo processo da diferenciação. O termo sistema pode ser utilizado para descrever células com funções semelhantes. De um único ovo fertilizado. Os tecidos são arranjos celulares funcionais. a histologia relaciona-se com outros campos da ciência. os rins. medula óssea e nervos. biologia molecular e a fisiologia. ou relacionados. mas amplamente distribuídas em diversos sítios anatômicos. realizando funções específicas. Tecido Muscular – constituído por células com propriedades contráteis. mesmo no adulto. ou referir-se a um grupo de órgãos com pápeis funcionais semelhantes.  Tecido Nervoso – constituído por células que formam o cérebro. Atualmente. Um órgão é uma organização de diferentes tecidos. a pelve. as células do sistema imune. ureteres e bexiga são parte do sistema urinário.

atuando como uma interface entre células parenquimatosas e os tecidos de sustentação. Quase todas as células epiteliais estão situadas sobre uma membrana basal. glicosaminoglicanos e proteínas. Como unidades funcionais das glândulas As células de um tecido epitelial são mantidas em íntimo contato por uma pequena quantidade de material intercelular e por funções celulares. a membrana basal é constituída por :   Lâmina basal – que apresenta cinco componentes principais (colágeno tipo IV. rica em glicoproteínas e serve para ancorar as células epiteliais ao tecido subjacente. laminina. ou do revestimento do intestino e ductos. heparansulfato entactina e fibronectina) Lâmina fibrorreticular – formada por pequenos feixes de fibras reticulares Esquema da Membrana Basal Membrana Basal da pele de sapo . O tecido epitelial pode ser subdividido em:    Tecido epitelial de revestimento Tecido epitelial glandular Tecido epitelial especial. e existindo abaixo da superfície.  Membrana Basal – é uma especialização de elementos da matriz extracelular constituída por glicoproteínas. como pele. que participam:   Do revestimento de superfícies.I – TECIDO EPITELIAL Neste tipo de tecido as células epiteliais encontram-se organizadas muito próximas umas das outras. Morfologicamente. separando o meio interno do meio externo. constituindo os epitélios.

como lubrificante vaginal e como barreira estomacal. No epitélio pseudoestratificado as células parecem dispor-se em camadas. pericárdia e peritoneal. . Reunindo os parâmetros acima citados. Além da análise que leva em consideração o número de camadas e o formato celular. As mucinas (misturas de glicoproteínas e proteoglicanos) tem importantes funções nas cavidades corporais. No intestino. onde as células são do tipo transicional. trato digestivo e geniturinário. como microvilosidades. Há autores que consideram este tipo de epitélio como uma variedade do epitélio pseudoestratificado. e suas células variam sua morfologia dependendo do grau de estiramento. Também reveste as cavidades corporais. deve-se chamar a atenção do termo a ser utilizado para indicar a presença de microvilosidades na superfície apical das células epiteliais.Classificação: A classificação dos diferentes tipos de epitélio baseia-se em diversos parâmetros. onde a camada mais inferior entra em contato com a membrana basal (epitélio estratificado). enquanto no rim se refere às microvilosidades como borda em escova. como a forma da célula e o número de camadas. formando ainda o revestimento do coração. isto é. As células epiteliais podem se dispor em uma única camada (epitélio simples) ou organizar-se em várias camadas. Alguns tipos de epitélio podem ainda apresentar células epiteliais secretoras de muco. mas todas estão em contato com a membrana basal porém nem todas alcançam a superfície livre. os epitélios ainda podem ser classificados observando-se a presença de especializações de superfície livre. Há autores que se referem as células transicionais. elas são referidas como planura estriada. Há três tipos básicos de cuja nomenclatura se relaciona com a forma celular: células cúbicas e cilíndricas. Em microscopia óptica. estereocílios. atua como lubrificante bucal. – TECIDO EPITELIAL DE REVESTIMENTO Forma uma barreira que cobre as superfícies do corpo e o revestimento dos tubos e ductos que se comunicam com a superfície. O epitélio de transição é um tipo especial de epitélio restrito ao revestimento das vias urinárias. cílios. as cavidades pleural. As células caliciformes presentes nos epitélios que revestem o intestino e no trato respiratório são exemplos de células secretoras de muco. por exemplo. vasos sanguíneos e linfáticos. os epitélios podem ser classificados como:      Epitélio pavimentoso simples Epitélio cúbico simples Epitélio cilíndrico simples Epitélio pavimentoso estratificado Epitélio cúbico estratificado .

Epitélio pavimentoso simples. LÂMINAS Lâminas (tecido epitelial) 1 . Aumento 400x.    Epitélio cilíndrico estratificado Epitélio cilíndrico pseudoestratificado Epitélio de transição. Coloração H&E. Aumento 400x.Epitélio estratificado pavimentoso queratinizado (pele). b: Queratina. 2 .Pele . Seta: Estrato granuloso . Coloração H&E.Vaso Sanguíneo . a: Epitélio pavimentoso queratinizado da pele.

Bexiga .Epitélio estratificado de transição (bexiga urinária). b: Lâmina própria (tecido conjuntivo) . Aumento 40x. a: Lâmina própria (tecido conjuntivo). Seta de duas cabeças: Epitélio estratificado de transição Bexiga . a: Epitélio estratificado de transição. Aumento 100x.3 . Coloração H&E. Coloração H&E.Epitélio estratificado de transição (bexiga urinária).

Epitélio estratificado de transição (bexiga urinária). Aumento 40x. b: Lâmina própria (tecido conjuntivo frouxo) c: Tecido muscular. d: lúmen. Aumento 400x. Seta: Glândulas mucosas esofágicas.Bexiga . a: Lâmina própria (tecido conjuntivo). Coloração H&E. . Seta de duas cabeças: Epitélio estratificado de transição. a: Epitélio estratificado pavimentoso não queratinizado.Epitélio estratificado pavimentoso não queratinizado (fragmento de esôfago). Esôfago . Coloração H&E.

Seta: Vaso sanguíneo. b: Lâmina própria (tecido conjuntivo frouxo). Cabeça de seta: Cílios. Aumento 40x. a: Epitélio pseudo-estratificado cilíndrico ciliado. Coloração H&E. Coloração H&E.Epitélio pseudo-estratificado cilíndrico ciliado (traquéia). Cabeça de seta: Glândulas serosas.Epitélio pseudo-estratificado cilíndrico ciliado com células caliciformes (traqueia). . Seta tracejada: Corpúsculo basal.Traqueia . Seta: Glândulas serosas. a: Epitélio pseudo-estratificado cilíndrico ciliado. Seta tracejada: Pericôndrio. Seta de duas cabeças: Cartilagem hialina. Aumento 400x. Traqueia .

intestino delgado). b:setas: Célula caliciforme. a: Epitélio cilíndrico simples.Epitélio cilíndrico simples (mucosa do jejuno . Aumento 400x. Seta de duas cabeças: Área epitelial. Intestino . a: Epitélio pseudo-estratificado cilíndrico ciliado. Coloração H&E. Coloração H&E. Cabeça de seta: Cílios. . b: Lâmina própria (tecido conjuntivo frouxo).Traqueia . Lâmina própria (tecido conjuntivo frouxo).Epitélio pseudo-estratificado cilíndrico ciliado com células caliciformes (traqueia). Aumento 100x.

intestino delgado). a: Epitélio cilíndrico simples. Aumento 40x.Intestino Delgado . b: Lâmina própria (tecido conjuntivo frouxo).Epitélio estratificado pavimentoso não queratinizado (esôfago). Coloração H&E.c: Tecido muscular.Epitélio cilíndrico simples (mucosa do jejuno . Cabeça de seta: Vaso sanguíneo. seta: Glândulas esofágicas de secreção mucosa. Esôfago . a: Epitélio pavimentoso não queratinizado. . Aumento 40x. Coloração H&E. seta de duas cabeças: Área epitelial. b: Lâmina própria (tecido conjuntivo). seta de duas cabeças: Túnica muscular.

seta: Secção de uma vaso.a: Epitélio pavimentoso não queratinizado. . . b: Tecido conjuntivo.Epitélio estratificado pavimentoso não queratinizado (esôfago).Esôfago Esôfago . Coloração H&E. Aumento 100x. seta de duas pontas: Área epitelial.

H&E Observe o epitélio pavimentoso simples (seta) que reveste os vasos sangüíneos. pericárdia e peritoneal é chamado mesotélio. O epitélio pavimentoso simples que forma o revestimento do coração e dos vasos sanguíneos e linfáticos. é denominado de endotélio.TC: tecido conjuntivo. enquanto que o que reveste cavidades pleural.Ci: citoplasma.uma veia de pequeno calibre e à direita . O núcleo das células é esférico ou oval.E) N:núcleo. ( à esquerda . também denominado endotélio.uma artéria de pequeno calibre) . estando centralmente localizado. EPITÉLIO PAVIMENTOSO SIMPLES Este tipo de epitélio consiste de uma camada única de células planas ou achatadas. ESp: epitélio simples pavimentoso.Plm: plasmócito Vasos.  Lâminas Origem: passagem reto-anal(H.

Observe o mesotélio que. é denominado de estroma. Quanto ao número de células.Músculo liso Intestino. enquanto que o tecido conjuntivo no interior da glândula e que sustenta as células secretoras.. O estroma sustenta também vasos sanguímeos.  Classificação: Utiliza-se alguns parâmetros para classificarmos diferentes tipos glandulares. As células secretoras de uma glândula são conhecidas como parênquima. Notar feixes de fibras musculares lisas em corte longitudinal (*) e em corte transversal («). vasos linfáticos e nervos. Multicelular: a secreção é realizada por um conjunto de células. como o número de células e o local onde a secreção é lançada. H&E. juntamente com o tecido conjuntivo (¬) constituem a serosa que reveste o intestino. H&E  TECIDO EPITELIAL GLANDULAR É formado por um conjunto de células especializadas cuja função é a produção e liberação de secreção. as glândulas podem ser classificadas como:   Unicelular: a secreção é elaborada apenas por células especializadas ocasionais ( por exemplo: células caliciformes muco-secretoras) espalhadasentre outras células não secretoras. .

tal secreção pode ser de quatro tipos:      A secreção autócrina: ocorre quando uma célula secreta um mensageiro químico para atuar em seus próprios receptores. vasopressina. A secreção endócrina é a secreção de mensageiros químicos (hormônios) para a corrente circulatória.tiroxina) Pequenos peptídeos (ex. a comunicação entre as células é mediada pela secreção de um mensageiro químico. A secreção sináptica se refere à comunicação por contato estrutural direto de um neurônio com a outra por meio de sinapses. onde o neurônio produz secreção que ganha os vasos sanguíneos para atingir a célula-alvo.noradrenalina. Há ainda a secreção neuroendócrina. estando esta restrita ao sistema nervoso. Reunindo-se os dois parâmetros acima citados.  Secreção dos Mensageiros Químicos Em muitos locais do nosso organismo. os mensageiros químicos podem ser:     Derivados de aminoácidos (ex. as glândulas podem ser classificadas como:   Endócrinas: as glândulas não possuem ductos e sua secreção ganha a corrente sanguínea onde será distribuída para todo o corpo. paratormônio. sendo este um modo de ação de muitas células do sistema neuroendócrino difuso. fator de crescimento epidérmico. segundo alguns autores. podemos classificar as glândulas como :     glândula endócrina unicelular glândula endócrina multicelular glândula exócrina unicelular glândula exócrina multicelular. testosterona) . como por exemplo a produção do fator de crescimento epidérmico. Proteínas (ex. estradiol. seja a superfície do corpo ou para o interior (lúmem) de um órgão cavitário. A secreção endócrina é a secreção de mensageiros químicos (hormônios). progesterona. encefalina. os quais atuam sobre tecidos distantes do local de sua produção. que ativam células pela interação com receptores específicos. Com relação a classe molecular. Na secreção parácrina os mensageiros químicos atuam sobre células adjacentes.Quanto ao local onde a secreção é lançada. adrenalina. atuando sobre tecidos distantes. cortisol. hormônio estimulador da tireóide) Esteroides (ex.fator de liberação do hormônio da tireóide). Exócrinas: as glândulas possuem ducto excretor que transportam a secreção produzida pela glândula para o meio externo.

As células caliciformes são células produtoras de muco e podem fazer parte de um epitélio superficial. Acinosa – a porção secretora se apresenta sob forma de bagos de uva. lançam sua secreção em vasos sanguíneos. em geral repetidamente. . separados entre si por uma rede de pequenos vasos sanguíneos. Composta – quando os ductos se ramificam. Glândula endócrina unicelular – como exemplo deste tipo de glândula temos a célula de Leydig. elas podem ser classificadas como:   Glândula cordonal – as células secretoras se organizam em cordões celulares em arranjo retilíneos ou irregulares. presente no tecido conjuntivo intersticial (entre os túbulos seminíferos) do testículos. 2– Quanto ao modo de secretar:   Holócrina – neste tipo de glândula. participando da constituição da própria secreção da glândula. tireóide. Classificação: 1-Quanto as suas porções constituintes: ducto e porção secretora     Simples – quando apresenta um ducto único que não se divide. por não possuírem ducto excretor.  Glândula endócrina multicelular – esta glândula é constituída por várias células que. supra-renal (adrenal em). e sua secreção é lançada no meio externo. hipófise. Tubular – se a unidade secretora apresentar aspecto de túbulos alongados. ilhota pancreática ( ilhota de Langerhans). Estas glândulas não são apenas aglomerados de células. Ex. mas órgãos definidos com arquitetura ordenada. Apócrina – a secreção e uma microscópica parte do citoplasma são eliminados para o meio externo. como por exemplo nos epitélios que revestem o intestino e a via respiratória.as células secretoras organizam-se formando pequenas vesículas ou folículos. Glândula vesicular ou folicular.  Glândula exócrina multicelular – esta glândula é formada por várias células que trabalham em conjunto para produzir a secreção. Ex.  Glândula exócrina unicelular – como exemplo deste tipo glandular temos a célula caliciforme. a célula inteira morre e se destaca. Dependendo do arranjo das células que constituem estas glândulas.  Nas glândulas exócrinas é possível se distinguir duas partes distintas: a porção secretora e a porção ductal. Este modo de secretar é observado na glândula mamária na fase de lactação.

Mista – as células serosas associam-se às células mucosas onde se organizam excentricamente. não havendo perda de material citoplasmático. 3 – Quanto ao tipo de secreção elaborada (glândula merócrina)    Mucosa – caracteriza-se por apresentar núcleo achatado deslocado para a base e citoplasma basófilo. . Serosa – caracteriza-se por apresentar núcleo esférico e citoplasma acidófilo. Merócrina – a secreção elaborada pelas células secretoras são eliminadas para o meio externo por um processo de exocitose. formando semiluas.