PONTOS EXTRAÍDOS DO TEXTO SOBRE ANTICOAGULANTES

RESUMO*
Varfarina
NOAS: Dabigatran, rivaroxaban e apixaban- Objetivos: evitar inconveniências
associadas com a Varfarina.
Objetivo do trabalho:

Principais características dos NOAS;
O manejo dos pacientes que tomam esses medicamentos e que necessitam e

cirurgia oral e cirurgia de implante;
Discutir atualmente as propostas e diretrizes relacionadas aos NOAS.
INTRODUÇÃO*

Varfarina: tratamento de escolha para prevenção eventos trombóticos;
Desvantagens: necessidade de ajustar a dosagem; monitorar o estado de
coagulação do paciente; interações medicamentosas e dietéticas;
Diante disso: Motivo do desenvolvimento das NOAS
Varfarina- inibe indiretamente
NOAS- ação direta (bloqueio seletivo) na cascata de coagulação
Vantagens das NOAS: Tão eficazes quanto a varfarina; rápido inicio de ação; não há
necessidade de ponte de medicação com outros medicamentos anticoagulantes
(heparina de baixo peso molecular); ***terapêutica de baixo índice***; baixa
interação medicamentosa e alimentar; sem necessidade de monitoramento de
coagulação de rotina- adm. Em doses fixas.
Desvantagens das NOAS: Adesão e persistência (rigor) ao tratamento, meia vida
curta. Problemas renais, grande parte do que é excretado (80%) se dá pelos rins;
dificuldade descontrole de hemorragia grave e risco de vida; falta de antídoto
específico; efeitos colaterais e taxas de abandono em potencial; custos elevados e
tomam mais vezes (parcialmente equilibrados por um esforço menor para teste de
laboratório).

INIBIDORES DIRETOS DA TROMBINA

Na EUROPA Tudo isso (acima) mais aprovado para tromboprofilaxia pós-operatória em pacientes adultos que tenham sido submetidos a cirurgia de substituição (correção) de quadril ou joelho. 20% absorvida e depois sofre metabolização hepática. Exclui: paciente com válvulas cardíacas mecânicas. 80% excretada pelos rins de forma inalterada. estudos recentes já mostram um potencial antídoto para reverter seus efeitos anticoagulantes.  INIBIDORES DIRETOS DO FATOR Xa -Rivaroxaban . Outra característica: rápido início de ação e meia vida curta (permitindo uma ou duas doses por dia). dispepsia (sensação de desconforto digestivo). heparina de baixo peso molecular em que inibe a atividades de ambos e a ligada a fibrina trombina. Vantagens sobre inibidores indiretos da trombina (varfarina). Efeitos colaterais: hemorragias. sintomas semelhantes a gastrite e reações de hipersensibilidade. PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO PARA CASOS DE EMERGÊNCIAS: FALTA DE ANTÍDOTO. Administração com outros anticoagulantes e antiagregantes aumentam o risco de hemorragia. heparina não fracionada.-Dabigatrana Nos EUA Alternativa a varfarina para reduzir o risco de AVC e embolia sistêmica em pacientes com fibrilação atrial não valvular.

Ele também é indicado para reduzir risco de AVC e embolia sistêmica em paciente com fibrilação atrial não-valvular. Um tratamento profilático apropriado pode ser necessário para esses pacientes. Reações adversas para inibidores do fator Xa: episódios hemorrágicos que podem levar a anemia pós-hemorrágica. Náusea é declaradamente um efeito colateral comum. devido ao maior risco de sangramento. rivaroxaban e apixaban compostos ativos de início rápido após a ingestão por via oral. particularmente estão em risco de doença gastrointestinal ulcerativa. OBS. Precaução com insuficiência renal grave e ajuste de dose quando o nível plasmático aumentar. Na Europa foi aprovado para prevenção de eventos aterotrombóticos em pacientes adultos que experimentaram uma síndrome coronariana adulta com biomarcadores cardíacos elevados. Obs. embolismo pulmonar (EP). Não há antídoto específico disponível.Nos EUA e Europa: Rivaroxaban aprovado para profilaxia contra tromboembolismo venoso (TEV) e em pacientes cirúrgicos submetidos a cirurgia de quadril e joelho. Contraindicados para pacientes com insuficiência hepática grave (20% do metabolismo absorvido). ASA.: a agência europeia de medicamentos concordou em rever o apixaban em outras aplicações como tratamento de trombose venosa profunda e PE reduzindo o risco de TVP e recorrente EP. INIBIDORES DE AGREGAÇÃO PLAQUETÁRIA. -Apixaban Nos EUA e Europa aprovado para reduzir o risco de AVC e embolia sistêmica em adultos que sofrem de fibrilação atrial não valvular Na Europa aprovado para tromboembolismo venoso e profilaxia em paciente adultos indicados para cirurgia de substituição de quadril e joelho. . elevada biodisponibilidade.: cuidado com pacientes que usam concomitantes AINES. Os dois. tratamento de trombose venosa profunda (TVP).

por quanto tempo da terapia ou implante dentário. pois não houve relatos de hemorragia significativa. Sugeriu a interrupção de trabigatrana pelo menos 24h antes de qualquer cirurgia eletiva dependendo do nível de insuficiência renal e risco de sangramento do paciente. Poucos relatos na literatura de cirurgia oral realizadas em paciente que tomavam dabigratam demonstrou que extrações de dentes individuais podem ser geridas sem suspender o medicamente. Gestão periprocedural dos pacientes que tomam NOAS em cirurgia oral. O metabolismo alterado do paciente pode alterar a eficácia dos NOAS. . Van Ryn et al. propriedades farmacocinéticas previsíveis e poucas interações medicamentosas o uso de NOAS simplifica o gerenciamento periprocedural do paciente. Isso é importante porque a retirada temporariamente da terapia anticoagulante parece aumentar o risco de trombose.: A maioria dos artigos publicados sobre a gestão dos pacientes que tomam NOAS se concentram na farmacologia e propriedade dos medicamentos em vez de dados clínicos.------------- o potencial para efeitos adversos de sangramento deve ser correlacionado com a função renal dos paciente. OBS.  Uso de NOAS na cirurgia Devido ao curto tempo de semi-vida. mas há orientações comuns atualmente disponíveis a respeito de qualquer necessidade de suspender a terapia NOA e em caso afirmativo. Para fins de cirurgia oral. Todos os autores concordam que não há nenhuma necessidade no ajustamento ou controle de dose. Já em extrações múltiplas é necessário a suspensão temporária pois resulta em hemostasia adequada. o rápido início de ação. dando origem a um maior risco de sangramento. continuando a terapia com AVK (antagonistas da vitamina K) e concorrentemente a administração de um agente por via oral pró-hemostatico apresentam risco baixo de hemorragia grave (5%).

Hemorragia gastrointestinal grave tem sido relatada em pacientes com doença renal crônica que tomam dabigratan. pois. . CONCLUSÃO* Não há estudos suficientes. todos de voltam a parte farmacológica dos medicamentos e não há pesquisas clínicas suficientes para validar a eficácia das NOAS.