PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ

(Engenharia de Controle e Automação)
10º. Período turma U

Acionamentos Industriais II
V2

Noturno
Aulas
Quarta: 18:15 – 19:45
Las 05
Sexta: 18:15 – 19:45
Las 05

EMENTA (Parte 1)
ACIONAMENTOS INDUSTRIAIS II
Princípios de conversão de energia e sistemas de potência: Acionamentos elétricos
industriais. Projeto elétrico.

1. Sistemas de Potência e Instalações Elétricas:
a) Proteção contra curto circuitos;
b) Proteção contra choques elétricos;
c) Sistemas de aterramento;
d) Sistemas de proteção contra descargas atmosféricas;
e) Correção de fator de potência;
f) Correntes harmônicas;

EMENTA (Parte 2)
ACIONAMENTOS INDUSTRIAIS II
Princípios de conversão de energia e sistemas de potência: Acionamentos elétricos
industriais. Projeto elétrico.

2. Acionamentos elétricos:
a) Motor de indução monofásico;
a) Dispositivos de proteção;
b) Acionamento com partida direta;
b) Motor de indução trifásico;
a) Dispositivo de proteção;
b) Acionamento com partida direta;
c) Acionamento com partida estrela-triângulo;
d) Acionamento com soft-starter;
e) Acionamento com inversor de frequência;
c) Motor de corrente contínua;
a) Dispositivo de proteção;
b) Acionamento de motor CC;

b) Motor de passo.EMENTA (Parte 3) ACIONAMENTOS INDUSTRIAIS II Princípios de conversão de energia e sistemas de potência: Acionamentos elétricos industriais. 3. Acionamentos elétricos: a) Motor brushless. c) Servomotor (Dirigido ao TDE). . Projeto elétrico.

Princípios de conversão de energia: a) Transformadores lineares. c) Transformador isolador.EMENTA (Parte 4) ACIONAMENTOS INDUSTRIAIS II Princípios de conversão de energia e sistemas de potência: Acionamentos elétricos industriais. b) Autotransformadores. g) Conexão estrela-triângulo. f) Conexão estrela-estrela. . Projeto elétrico. e) Circuitos trifásicos. d) Transformador casamento de impedância. 4.

TDE ACIONAMENTOS INDUSTRIAIS II (Eng. Entregar o trabalho por escrito até 23 de setembro TDE Horas relógio: TDE Horas aula: 07:30 para a turma de quarta 10:00 (Lançar no diário para turma de quarta) TDE Horas relógio: TDE Horas aula: 04:30 para a turma de sexta 06:00 (Lançar no diário para turma de sexta) . Servomotor: a) Descrever suas características construtivas. período) Trabalho Discente Efetivo 5. de Controle e Automação Turma U Noturno) (10. b) Descrever propriedades de aplicação. c) Descrever sistemas de acionamentos para o Servomotor.

LEIS BÁSICAS DA ELETRICIDADE (Revisão) 03-08 05-08 Grandeza Unidade Símbolo Tensão Corrente Potência Resistência Volt Ampere Watt Ohm V A W Ω Estas leis básicas valem para energia em corrente contínua e também para corrente alternada .

1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Capacidade de corrente de cabos elétricos) 03-08 05-08 .

1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Capacidade de corrente de cabos elétricos) 03-08 05-08 .

3.1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Dimensionamento de cabos – revisão) http://www.br/doc/nbr5410.br/~fdosreis/ftp/Tese/QEE/QEE_ANEXOI.2. pg 72 NBR 5410 pg 64 NBR 5410 pg 65 NBR 5410 pg 60 NBR 5410 pg 74 NBR 5410 03-08 05-08 .pdf Obter estas duas referências da internet (download) O dimensionamento de cabos é feito a partir da norma NBR 5410 Primeiro calcular a corrente do circuito Seção mínima: Fator de correção temperatura (FCT) Fator correção número de circuitos (FCNC) Calculo da corrente do projeto Capacidade de condução de corrente: Queda de tensão: Sobrecarga: Curto circuito: (Icirc = Pot/Tensão) 6.feng.5 Tabela 31 e 28 6.2.3 5.4 A escolha do cabo deve ser o de maior bitola obtido pelos critérios acima.com.7 Tabela 46 5.2.pdf Norma: NBR 5410 Referência: Tabela de Dimensionamento de Cabos Pirelli http://www.pucrs.markrental.3.6 Tabela 43 Tabela 35 Tabela 37 (IPROJ = ICIRC/(FCT*FCNC) 6.

1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Dimensionamento de cabos – revisão) Queda de tensão A queda de tensão não deve ser superior a: 03-08 05-08 .

10-8 Ω.m/mm2 ou 2.m/mm2 ou 1.m 03-08 05-08 .67 .1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Dimensionamento de cabos – revisão) Queda de tensão  A queda de tensão no circuito também pode ser expressa por:  A resistência para um circuito a 2 fios: Resistividade Cobre ρ = 0.0167 Ω.65 .10-8 Ω.0265 Ω.m Alumínio ρ = 0.

ocorre uma queda de tensão.1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Dimensionamento de cabos – revisão) Queda de tensão  SOLUÇÃO Queda de tensão:  Aparelhos elétricos são projetados para trabalharem a determinadas tensões. Utiliza a corrente de projeto do circuito. Quedas dadas em percentagem da tensão nominal      Queda de tensão percentual = tensão de entrada . Tratado na seção 6.7 da NBR 5410. As quedas de tensão são em função da distância entre a carga e o medidor e a potência da carga. Ao longo do circuito.tensão na carga x 100% tensão na entrada 03-08 05-08 .2. com baixa tolerância.

1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Dimensionamento de cabos – revisão) Queda de tensão  EXERCÍCIO 1-a: Calcule a queda de tensão de um circuito de 1300W de iluminação e tomadas de uso geral. cabo de bitola 1. de fase e neutro.5 mm2 e comprimento da caixa de distribuição até a carga de 16 m. A tensão é de 127V. 03-08 05-08 .

a corrente elétrica e a bitola deste cabo. Calcule a queda de tensão percentual. considere o comprimento da caixa de distribuição até a carga de 16 m. considerando que a potência das cargas somadas seja de 1300W.1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Dimensionamento de cabos – revisão) Queda de tensão  EXERCÍCIO 1-b: Refaça o exercício 1-a considerando que a tensão na entrada do circuito seja de 127 V e nas cargas de 120 V. 03-08 05-08 .

1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Dimensionamento de cabos – revisão) Dimensionamento de cabos para motores 10-08 12-08 .

1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Dimensionamento de cabos – revisão) 10-08 12-08 .

Determinar a seção do condutor. Verificar o fator de correção de temperatura (FCT). Calcular a corrente do circuito. A temperatura ambiente é de 35ºC. passa no interior de um eletroduto embutido de PVC com outros seis condutores isolados de outros circuitos. Qual a seção do condutor a ser escolhido. A tensão é de 127V. 10-08 12-08 . de fase e neutro. Fator de correção para número de circuitos (FCNC).1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Dimensionamento de cabos – revisão)  EXERCÍCIO 2: Um circuito de 1000W de iluminação e tomadas de uso geral. PVC = 75ºC. Cálculo da corrente do projeto.

considerando os efeitos de aquecimento e agrupamento.5 mm2 é suficiente.94*0.88A  Conclusões: 2  O condutor a ser escolhido é o de seção 1.  Para circuitos internos de iluminação de 1000W.  10-08 12-08 .94  Fator de correção para número de circuitos (FCNC) = 0.65) = 12.1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Dimensionamento de cabos – revisão)  SOLUÇÃO Cálculo da corrente do circuito  ICIRC = 1000W/127V = 7. o condutor de 1.65  Cálculo da corrente de projeto  IPROJ = ICIRC/(FCT*FCNC) = 7.5 mm .87A  Fator de correção de temperatura (FCT) = 0.87A/(0.

Fator de correção para número de circuitos (FCNC). Qual a seção do condutor a ser escolhido. Verificar o fator de correção de temperatura (FCT).1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Dimensionamento de cabos – revisão)  EXERCÍCIO 3: Um motor trifásico tem uma potência de carga de 5 KW. Cálculo da corrente do projeto. Calcular a corrente do circuito. A tensão de linha é de 220V. A temperatura ambiente é de 40ºC.8. PVC = 75ºC. seus três condutores passam no interior de um eletroduto embutido de PVC com outros três condutores isolados de outros circuitos. Determinar a seção dos condutores. o fator de potência é de 0. 10-08 12-08 .

1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Dimensionamento de cabos – revisão)  EXERCÍCIO 4: Um circuito de 5000W (chuveiro). Calcular a corrente do circuito. PVC = 75ºC. Cálculo da corrente do projeto. passa no interior de um eletroduto embutido de PVC com outros dois condutores isolados de outros circuitos. A tensão é de 220V. 10-08 12-08 . Fator de correção para número de circuitos (FCNC). Qual a seção do condutor a ser escolhido. Verificar o fator de correção de temperatura (FCT). Determinar a seção do condutor. A temperatura ambiente é de 35ºC.

1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Aterramento) Aterramento NBR 5410 10-08 12-08 .

1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Aterramento) Aterramento NBR 5410 10-08 12-08 .

As hastes de aterramento geralmente são feitas de material altamente condutivo/com baixa resistência. graxa etc. conceitualmente. Cada concha subsequente incorpora uma área maior. o que resulta no maior grau de resistência. c. 10-08 12-08 .A resistência de contato do solo em volta do eletrodo O National Institute of Standards (uma agência governamental do Departamento de Comércio dos EUA) demonstrou que essa resistência é quase negligível desde que o eletrodo esteja livre de tinta. e que esteja firmemente em contato com o solo. As conchas mais próximas do eletrodo têm a menor área.A resistência do solo em volta O eletrodo de aterramento é envolvido pelo solo que.O eletrodo de aterramento e sua conexão A resistência do eletrodo de aterramento geralmente é muito baixa. é feito de conchas concêntricas com a mesma espessura. atinge-se um ponto em que as conchas adicionais oferecem pouca resistência ao solo em volta do eletrodo. Por fim. b.1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Aterramento) Noções básicas sobre aterramento Componentes de um Eletrodo de Aterramento •Condutor de aterramento •Conexão entre o condutor de aterramento e o eletrodo de aterramento •Eletrodo de aterramento Locais das Resistências a. como aço ou cobre. resultando em uma resistência menor.

250-83-3) exige que no mínimo 2. há quatro variáveis que afetam a resistência de aterramento de um sistema: Comprimento/profundidade do eletrodo de aterramento Diâmetro do eletrodo de aterramento Número de eletrodos de aterramento Design do sistema de aterramento Eletrodo de aterramento único.5 metros (8 pés) do eletrodo de aterramento estejam em contato com o solo. No entanto.1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Aterramento) O Que Afeta a Resistência de Aterramento? Primeiro. o código NEC (1987. 10-08 12-08 .

você pode reduzir o nível de resistência em mais 40%. Geralmente. Nesses casos. Isso é feito para que a resistência de aterramento não seja muito influenciada pelo congelamento do solo em volta. são viáveis métodos alternativos. como o cimento de aterramento. Essa resistividade é essencial ao instalar o eletrodo de aterramento. ao dobrar o comprimento do eletrodo de aterramento. Há ocasiões em que é fisicamente impossível posicionar as hastes de aterramento mais profundamente . O solo não possui uma resistividade consistente e pode ser altamente imprevisível. Diversos eletrodos de aterramento conectados 10-08 12-08 .em áreas compostas de pedra. que deve ser posicionado abaixo da linha de congelamento. granito etc.1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Aterramento) Comprimento/Profundidade do Eletrodo de Aterramento Uma forma muito eficaz de reduzir a resistência de aterramento é posicionar os eletrodos mais profundamente.

Para que os eletrodos adicionais sejam eficazes. Sem o espaçamento correto dos eletrodos de aterramento. você pode dobrar o diâmetro de um eletrodo de aterramento e a sua resistência diminuiria somente em 10%. mais de um eletrodo é enterrado e conectado em paralelo para reduzir a resistência. Por exemplo. Número de Eletrodos de Aterramento Outra forma de reduzir a resistência do aterramento é usar diversos eletrodos. Desse design. equivalentes à profundidade da haste enterrada. os espaçamentos entre as hastes adicionais devem ser.1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Aterramento) Diâmetro do Eletrodo de Aterramento Aumentar o diâmetro do eletrodo de aterramento não reduz muito a resistência. no mínimo. Rede em malha 10-08 12-08 . suas áreas de influência se sobreporão e a resistência não será reduzida.

Lembre-se que essas tabelas só devem ser usadas como regra geral. pode se usar tabelas de resistências de aterramento. Os valores de resistência variam significativamente. pois o solo possui camadas e é raramente homogêneo.1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Aterramento) Para ajudar na instalação de uma haste de aterramento que atenda aos requisitos específicos de resistência. Placa de aterramento 10-08 12-08 .

conectadas em redes de malha ou grade. placas de aterramento e loops de aterramento.1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Aterramento) Design do Sistema de Aterramento Sistemas de aterramento simples consistem em um único eletrodo enterrado no solo. escritórios centrais e locais de torres de transmissão. Sistemas de aterramento complexos consistem em diversas hastes de aterramento. 10-08 12-08 . O uso de um único eletrodo de aterramento é a forma mais comum de aterramento e pode ser encontrada do lado de fora da sua casa ou local de trabalho. Esses sistemas geralmente são instalados em subestações de geração de energia.

1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Medição do aterramento) A medida da resistência de terra pelo método da queda de tensão implica que se desligue o eléctrodo de terra do circuito de terra da instalação. O telurómetro injecta uma corrente alternada na terra através do eléctrodo de terra sob teste (X) e a estaca de corrente (Z). por último. O telurómetro requer três ligações para realizar a medida de resistência de terra no entanto os medidores mais precisos podem necessitar de uma quarta ligação para eliminar do resultado da medida. e mediante a lei de Ohm calcula a resistência entre X e Y. A seguir mede a queda de tensão entre o eléctrodo de terra (X) e a estaca de tensão (Y) e. 10-08 12-08 . a resistência dos próprios cabos de ensaio.

Portanto se a resistência de aterramento for de 25 OHMS e passar uma corrente de 1.000A através da haste . Sendo que na prática metade da resistência do aterramento concentra-se na vizinhança de 15cmda haste.1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Efeito de uma descarga atmosférica) A resistência da terra é bem maior que a do cobre. qual será a tensão de passo que uma pessoa será submetida? 10-08 12-08 .

1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Efeito fisológico da corrente elétrica) 10-08 12-08 .

1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Proteção contra curto circuitos) 10-08 12-08 Os dispositivos de segurança contra curto circuitos mais comuns aplicados na prática são os disjuntores .

1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Proteção contra curto circuitos) 10-08 12-08 .

1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Proteção contra curto circuitos) 10-08 12-08 .

1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Proteção contra curto circuitos) 10-08 12-08 .

1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Proteção contra curto circuitos e sobrecarga em motores) Disjuntores para proteção de motores 17-08 19-08 .

1 – SISTEMAS DE POTÊNCIA E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Proteção contra curto circuitos e sobrecarga em motores) Disjuntores para proteção de motores 17-08 19-08 .

DESCARGAS ATMOSFÉRICAS FORMAÇÃO DO RAIO 17-08 19-08 .

DESCARGAS ATMOSFÉRICAS 17-08 19-08 .

DESCARGAS ATMOSFÉRICAS FORMAÇÃO DE CARGAS QUE GERAM RELÂMPAGOS NA PRÓPRIA NÚVEM 17-08 19-08 .

DESCARGAS ATMOSFÉRICAS
FORMAÇÃO DE CARGAS QUE GERAM RELÂMPAGOS
NA PRÓPRIA NÚVEM

17-08
19-08

DESCARGAS ATMOSFÉRICAS
FORMAÇÃO DE CARGAS QUE GERAM RAIOS
E RELÂMPAGOS

17-08
19-08

DESCARGAS ATMOSFÉRICAS
CORRENTE DO RAIO

17-08
19-08

DESCARGAS ATMOSFÉRICAS PROTEÇÃO 17-08 19-08 .

DESCARGAS ATMOSFÉRICAS SURTOS NA REDE DE ENERGIA 17-08 19-08 .

DESCARGAS ATMOSFÉRICAS ENSAIO NO LABORATÓRIO (24-08 e 26-08) 24-08 26-08 .

00 5.00 3.PRIMEIRA BIMESTRAL TDE: Relatório Descargas Atmosféricas: Prova: 2.00 30—9 05-10 .

31-08 02-09 ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motores) .

.ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motores) 31-08 02-09 Conversão eletromecânica: ocorre quando a variação do fluxo magnético é associado ao movimento mecânico.

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motores) Motores de corrente alternada 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motores) Motores de corrente alternada 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motores) Motores de corrente alternada 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motores) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motores) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motores) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motores) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motores) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motores) 31-08 02-09 .

31-08 02-09 ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor monofásico) .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução) 31-08 02-09 .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução) 31-08 02-09 .

14-09
16-09

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS
(Motor de indução)

Qual a potência de um motor de elevador para levar uma carga de 700 Kg do térreo ao
décimo andar de um prédio cuja altura entre andares seja de 3,5 metros, num tempo de 50 segundos?
Considere que a massa do elevador sem carga seja de 400 Kg. ( g = 10 m/s 2 e 1 cv = 736 W).

P = W/t

Watt

W=f.d

N.m

f = 1100.10
f = 11000 N

W = 11000 . 3,5 . 10
W = 385000 N.m
1 cv = 736 W

f = m.g

N

m = 700 + 400

m = 1100 kg

P = W/t
P = 385000/50
P = 7700 Watt
P = 10,46 cv

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS
(Motor de indução monofásico)
Diagrama de ligações de um motor monofásico

14-09
16-09

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS
(Motor de indução monofásico)
Diagrama de ligações de um motor monofásico de uma única tensão
(compressor de refrigerador por exemplo)

14-09
16-09

14-09 16-09 . implementar no laboratório (ensaio sem relatório).ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução monofásico) Configurar o motor para 127 V.

Relatório. elaborar os esquemas de acionamento de um motor monofásico (b) com seleção de sentido de rotação alimentado em 220V. Demonstrar o funcionamento. Desenvolver o projeto do comando.ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução monofásico) 14-09 16-09 Implementar no laboratório. Laboratório 14 e 16 de setembro .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução monofásico) Implementar no laboratório .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução monofásico) .

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução monofásico) .

Q2: Disjuntor termomagnético de comando .ACIONAMENTOS ELÉTRICOS (Motor de indução trifásico) Q2 Fase 1 Fase 2 O disjuntor motor dispensa o uso de relé térmico.