You are on page 1of 51

Título  V  

Os  negócios  jurídicos  
 
Capítulo  I  
Noções  prévias  

a)

b)

 
102.  As  acções  
 
I.  As  pessoas  agem  na  prossecução  dos  seus  fins,  para  a  satisfação  das  suas  necessidades.  As  acções  são  dados  extrajurídicos.  São  
extrajurídicos  porque  não  são  instituídos  pelo  Direito.  O  Direito  valora  e  desvalora  as  acções.  Mas  não  é  o  Direito  que  está  na  sua  
origem.  Não  é  o  Direito  que  conduz  as  pessoas  a  casar  e  constituir  família,  por  exemplo.  
 
As  acções  situam-­‐se  numa  relação  tensa  entre  as  pessoas,  os  seus  projectos  e  fins  que  lhes  são  próprios.  Os  bens  situam-­‐se  
entre  as  pessoas  e  os  seus  projectos  ou  os  seus  fins,  são  os  meios  úteis  para  a  realização  dos  fins  das  pessoas.  
 
Em  sentido  ético  e  jurídico,  a  acção  engloba  em  si  a  finalidade  que  se  desencadeou  o  comportamento  e  que  e  o  orientou,  e  
a  intencionalidade  que  lhe  é  imanente.  Um  mesmo  comportamento  humano  exterior  pode  ter  sentidos  éticos  diferentes  e  merecer  
valorações  jurídicas  muito  diversas,  consoante  a  finalidade  que  o  move  e  a  intencionalidade  que  lhe  está  imanente.  A  relevância  
jurídica  da  intencionalidade  e  da  finalidade  na  acção  é  variável.  A  acção  humana  só  é  compreensível  na  sua  integralidade.  
Desconsideradas  a  intencionalidade  e  finalidade,  o  simples  comportamento  externo  só  pode  ser  relevante  como  facto  e  não  como  
acto  jurídico.  Também  as  pessoas  colectivas  agem  no  Direito  e  as  suas  acções  não  diferem  de  natureza  em  relação  às  das  pessoas  
humanas.  
 
 
103.  Os  factos  jurídicos  "stricto  sensu"    
 
I.  O  facto  jurídico  é  um  acontecimento  com  relevância  jurídica.  O  facto  jurídico,  ao  corresponder  à  previsão  da  norma,  é  integrado  
com  a  norma,  e  dá  lugar  à  consequência  jurídica.  
 
Perspectiva  subsuntiva  silogística:  
Numa  perspectiva  tradicional,  a  relevância  do  facto  jurídico  é  entendida  subsuntivamente.  O  Direito  configurado  como  norma  geral  e  
abstracta,  é  posto  em  premissa  maior.  O  facto  simples  e  concreto  é  posto  em  premissa  menor.  
 
Esta  perspectiva  tem  a  seu  favor  a  virtude  de  ser  simples  e  a  vantagem  de  dar  uma  ilusão  de  segurança  e  de  precisão  no  
exercício  jurídico.  Verificada  a  ocorrência  do  facto,  através  da  prova  -­‐  questão  de  facto  -­‐,  desencadear-­‐se-­‐ia  a  consequência  jurídica  -­‐  
questão  de  direito  -­‐,  de  um  modo  puramente  lógico.  A  precisão,  a  segurança  e  mesmo  a  simplicidade  deste  método  são  ilusórios.  
 
Desde  logo  porque  os  factos  não  existem  como  tal.  O  que  existe  é  o  acontecer  constante.  A  partir  da  facticidade  bruta,  o  
critério  da  selecção  do  que  interessa,  do  que    é  relevante  para  o  Direito,  é  a  previsão  da  regra  jurídica  candidata  à  aplicação.  O  facto  
jurídico  é  um  pedaço  de  realidade  que  é  dela  recortado  e  autonomizado  sob  o  critério  da  sua  correspondência  à  previsão  da  norma.  
O  facto  jurídico  é  algo  que  é  construído  a  partir  da  norma.  
 
Perspectiva  analógica  e  hermenêutica  
Numa  perspectiva  analógica  e  hermenêutica,  o  facto  e  a  norma  não  passam  de  matérias  primas  do  processo  de  concretização,  que  
carecem  de  uma  certa  manipulação  prévia  para  que  possam  ser  integrados  no  processo  de  concretização  do  Direito.  A  norma  
pertence  ao  dever-­‐ser  conceptual-­‐abstractamente  formulado;  os  factos  à  facticidade  do  acontecer  permanente.  Para  que  possam  ser  
juridicamente  integrados,  numa  decisão  jurídica,  é  necessário  que  a  norma  seja  previamente  facticizada  -­‐  através  da  interpretação  -­‐  e  
que  o  facto  seja  previamente  normativizado  -­‐  através  da  sua  leitura  jurídica.  
 
 
104.  Os  actos  jurídicos  
 
I.  Os  actos  jurídicos  são  comportamentos  voluntários  juridicamente  relevantes.  Comportamentos  de  pessoas  humanas  ou  colectivas,  
aos  quais  o  Direito  reconhece  relevância  como  comportamentos  voluntários  e  livres.  Diferentemente  dos  simples  factos  jurídicos.  Os  
actos  jurídicos  têm  como  características,  o  serem  voluntários  e  o  serem  da  autoria  de  pessoas  e  a  elas  imputáveis.  
 
Os  actos  jurídicos  têm  algo  de  comum  com  os  factos  jurídicos  e  algo  de  comum  com  os  negócios  jurídicos.  De  comum  com  
os  factos  jurídicos  têm  o  ser  objecto  de  valoração  jurídica;  de  comum  com  os  negócios  jurídicos  têm  a  relevância  da  voluntariedade.  
 
Os  actos  jurídicos  são  objecto  de  valoração  jurídica.  Tal  como  os  simples  factos  jurídicos,  os  actos  jurídicos  têm  um  papel  
quase  passivo  na  determinação  da  consequência  jurídica.  A  intencionalidade  e  a  finalidade  com  que  sejam  praticados  não  é  relevante  
para  a  determinação  da  consequência  jurídica.  O  autor  do  acto  jurídico  não  tem  poder  de  determinar  quais  as  suas  consequências  
jurídicas.  
 
II.  Actos  jurídicos  podem  classificar-­‐se  em:  
actos  declarativos  ou  declarações:  são  actos  dirigidos  a  outros  que  têm  um  conteúdo  comunicativo.  são  dirigidas  a  outrem  e  têm  um  
conteúdo  comunicativo.  Têm  de  ter  um  ou  mais  destinatários.  Têm  de  ter  uma  função  de  comunicar  um  conteúdo  e  de  ter  um  
conteúdo  a  comunicar  a  esses  destinatários:  são  actos  de  comunicação  



a.

actos  reais  ou  operações:  comportamentos  voluntários  de  pessoas  em  relação  aos  quais  o  Direito  atende  à  voluntariedade  da  sua  
prática,  mas  que  não  têm  conteúdo  comunicativo.  O  que  é  relevante  para  o  Direito,  nestes  casos,  é  o  comportamento  do  agente.  
 
III.  As  declarações  podem  classificar-­‐se  em:  
Declarações  de  vontade:  aquelas  em  que  se  exprime  uma  intenção.  O  seu  conteúdo  comunicativo  exprime  uma  intenção  
Declarações  de  ciência:  aquelas  em  que  se  comunica  a  outrem  uma  asserção  sobre  a  verdade  ou  falsidade,  em  que  se  exprime  um  
juízo  de  realidade.  
 
 
105.  Os  negócios  jurídicos  
 
Os  negócios  jurídicos  são  actos  de  autonomia  privada  que  põem  em  vigor  uma  regulação  jurídica  vinculante  para  os  seus    autores,  
com  o  conteúdo  que  estes  lhe  quiserem  dar,  dentro  dos  limites  jurídicos  da  autonomia  privada.  
 
Diferentemente  do  que  sucede  com  os  actos  jurídicos  simples  e  com  os  meros  factos  jurídicos,  no  caso  dos  negócios  
jurídicos  não  é  a  Lei  que  determina  unilateral  e  fixamente  as  consequências  jurídicas.  O  regime  jurídico  e  as  consequências  jurídicas  
dos  negócios  jurídicos  são  instituídas  pelos  próprios  negócios.  É  a  acção  das  partes  e  não  a  Lei.  Os  negócios  jurídicos,  enquanto  actos  
de  autonomia  privada,  só  vinculam  os  seus  autores.  
 
 
106.  Liberdade  de  celebração  e  liberdade  de  estipulação  
 
Associadas  ao  negócio  jurídico  estão  a  liberdade  de  celebração  e  a  liberdade  de  estipulação.  
 
A  liberdade  de  celebração  postula  uma  livre  decisão  por  parte  do  autor  de  celebrar  ou  de  não  celebrar  o  negócio.  O  negócio  
é  uma  manifestação  do  livre  arbítrio.  
 
Além  da  liberdade  de  o  celebrar  ou  não,  intervém  também  no  negócio  jurídico  a  liberdade  de  determinar  o  seu  conteúdo.  O  
autor  tem  também  o  poder  de  determinar  em  que  termos  se  quer  vincular.  
 
A  autonomia  pode  desempenhar  um  papel  maior  ou  menos  em  cada  negócio  ou  contrato  concreto.  
 
 
107.  Autonomia  e  heteronomia  
 
A  autonomia  privada  existe  sempre  nalguma  medida.  A  autonomia  privada  corresponde  ao  grande  espaço  de  liberdade  imposta  pela  
dignidade  humana,  liberdade  que  não  é  tributária  do  Estado  porque  não  é  por  ele  concedida  e  que,  por  isso  mesmo,  não  pode  
também  ser  pelo  Estado  suprimida.  É  uma  liberdade  originária  e  radical  que  as  pessoas  têm,  e  por  si  e  autonomamente,  de  criar  
Direito.  O  modo  interprivado  de  criar  Direito,  através  do  negócio  e  do  contrato,  e  o  modo  estatal  de  criar  Direito,  através  da  lei,  
harmonizam-­‐se  e  integram-­‐se  na  realização  concreta  do  Direito.    
 
 
108.  Limites  da  autonomia  privada  e  área  objectiva  de  licitude  
 
Preceitos  legais  no  CC  que  limitam  a  liberdade  de  estipular  o  conteúdo  dos  contratos  e  dos  negócios:  405º,  280º,  294º,  398º,  401º.  
 
Os  limites  da  autonomia  encontram-­‐se  na  Lei,  na  Moral  e  na  Natureza.  A  Natureza  limita  a  autonomia  privada  do  mesmo  
modo  que  limita  a  liberdade  das  pessoas.  
 
 
109.  A  ilicitude  e  as  suas  consequências.  Invalidade  e  responsabilidade  
 
No  domínio  do  Direito  Civil  e  do  negócio  jurídico,  a  ilicitude  acarreta  principalmente  duas  consequências:  
invalidade:  a  invalidade  do  negócio  jurídico  traduz-­‐se  na  sua  não  vigência  no  âmbito  do  Direito.  O  negócio  inválido  não  ganha  
vigência.  Em  princípio  não  alcançam  vigor  jurídico  se  forem  ilícitos.    
responsabilidade:  a  ilicitude  da  acção  tem  também  como  consequência  o  dever  de  indemnizar  os  danos  dela  emergentes.  Traduz-­‐se  
na  responsabilidade  civil  por  parte  do  seu  autor.  O  autor  de  acções  ilícitas  deve  indemnizar  os  danos  que  com  essas  acções  causa  a  
terceiros.  337º  a  339º  CC  
 
 
110.  Pressupostos  dos  negócios  jurídicos  
 
As  partes  
Os  negócios  jurídicos  pressupõem  pessoas  que  os  tenham  celebrado  e  que  sejam  partes  deles.  Os  negócios  jurídicos  são  celebrados  
por  pessoas  humanas  ou  colectivas,  que  são  os  seus  autores.  Com  os  autores  não  devem  ser  confundidos  os  agentes.  Os  agentes  são  
outras  pessoas  que,  por  títulos  variados,  podem  ser  legitimadas  a  agir  no  negócio,  ou  como  representantes  ou  como  auxiliares  dos  
autores.  Os  autores  ou  as  partes  podem  fazer-­‐se  substituir  por  pessoas  a  quem  confiram  poderes  de  representação.  Pessoa  que  
directamente  age  no  negócio  -­‐  o  agente  -­‐  e  a  pessoa  a  quem  o  Direito  vai  imputar  essa  acção  -­‐  o  autor.  "Parte  é  o  titular  dos  

b.

c.

d.

interesses".  Um  negócio  bilateral  tem  duas  partes:  a  parte  compradora  e  a  parte  vendedora.  Se  os  compradores  foram  três  e  os  
vendedores  foram  dois,  continuará  a  haver  apenas  duas  partes,  embora  haja  cinco  autores.  
 
Capacidade  
A  incapacidade  tem  como  consequência  a  invalidade  do  negócio  jurídico.  A  falta  de  capacidade  de  gozo  tem  como  consequência,  em  
princípio,  a  nulidade  de  negócio.  A  falta  de  capacidade  de  exercício  tem  uma  consequência  diferente.  O  negócio  jurídico  celebrado  
por  quem  estiver  afectado  por  uma  incapacidade  de  exercício  é  suprível  pelo  poder  paternal  ou  pela  tutela,  no  caso  da  incapacidade  
por  menoridade  ou  interdição,  ou  pela  curatela,  no  caso  de  inabilitação.  Para  além  de  incapacidade  de  gozo  e  de  exercício,  o  negócio  
jurídico  pode  ainda  ser  afectado  por  incapacidade  acidental  do  seu  autor.    
 
Legitimidade  
A  celebração  de  negócios  jurídicos  pressupõem  a  legitimidade.  A  legitimidade  é  a  particular  posição  da  pessoa  perante  concretos  
bens,  interesses  ou  situações  jurídicas  que  lhe  permite  agir  sobre  eles.  A  legitimidade  resulta  sempre  de  uma  relação  privilegiada  
entre  a  pessoa  que  age  e  os  concretos  bens,  interesses  ou  situações  jurídicas  sobre  os  quais  ela  está  habilitada  a  agir.  Pode  haver  
titularidade  sem  legitimidade.  O  titular  dos  bens  penhorados  mantém  a  sua  titularidade  mas  não  pode  dispor  deles.  Só  após  o  
pagamento  ou  a  remissão  dos  créditos,  o  titular  volta  a  ter  legitimidade  para  fazer  o  que  entender  dos  bens.    
 
A  legitimidade  é  um  dos  pressupostos  do  negócio  jurídico,  no  sentido  de  que  o  autor  só  pode,  através  do  negócio,  agir  
sobre  e  em  relação  a  bens,  desde  que  para  tanto  tenha  legitimidade.  A  falta  de  legitimidade  tem  como  consequência  em  princípio  a  
ineficácia,  que  se  traduz  na  falta  de  produção,  total  ou  parcial  e  absoluta  ou  relativa,  dos  efeitos  típicos  do  acto.    
 
Objecto  
O  negócio  jurídico  não  é  uma  acção  vazia.  As  suas  partes  regem  entre  si  os  seus  interesses  sobre  algo.  Esse  algo  sobre  que  o  negócio  
rege  é  o  seu  objecto.  Quando  se  fala  de  ilicitude  do  objecto,  o  que  se  está,  na  realidade,  a  referir  é  a  ilicitude  do  negócio,  causada  por  
um  vício  do  seu  objecto  ou  do  seu  conteúdo.  O  objecto  como  o  bem  sobre  o  qual  incide  o  negócio,  abrangendo  coisas  e  prestações.  
 
Capítulo  II  
 
Classes  de  negócios  jurídicos  
 
 
111.  Classe  e  classificação.  Distinção  do  tipo  
 
Classe  é  um  conjunto  de  objectos  agrupados  em  torno  de  uma  ou  mais  características  que  neles  se  verifiquem.  As  classificações  são  
modos  de  ordenar  objectos  em  classes  consoante  as  suas  características  de  modo  a  facilitar  a  sua  sistematização.  O  critério  de  
classificação  pode  consistir  em  uma  ou  em  mais  do  que  uma  características  que  tenham  a  virtualidade  de  distinguir  uns  objectos  dos  
outros.  As  classificações  podem  ser  construídas  com  três  ou  mais  classes.    
 
 
112.  Negócios  unilaterais  e  plurilaterais  
 
I.  Os  negócios  jurídicos  podem  classificar-­‐se  em  unilaterais  e  plurilaterais.  Todos  os  negócios  ou  são  unilaterais  ou  são  plurilaterais.  O  
critério  de  classificação:  nos  negócios  unilaterais  há  apenas  uma  parte.  Nos  plurilaterais  há  duas  ou  mais  partes.  
 
Uma  parte  pode  ser  constituída  por  uma  ou  mais  pessoas.  A  parte  determina-­‐se  pela  unidade  do  interesse  prosseguido  no  
negócio  e  pela  unidade  da  legitimidade  no  agir  negocial.  No  negócio    unilateral  intervém  apenas  uma  parte.    
 
II.  Negócios  unilaterais:  Artigos  457º  a  463º  
 
III.  Os  negócios  jurídicos  plurilaterais  são  os  contratos.  Na  maior  parte,  os  contratos  são  bilaterais,  porque  têm  apenas  duas  partes  
(casos  típicos  da  compra  e  venda  -­‐  uma  parte  compradora  e  uma  parte  vendedora;  doação  -­‐  doadora  e  donatário;  locação  -­‐  locador  e  
locatário)  
 
IV.  Os  negócios  unilaterais  confinam-­‐se  a  uma  única  declaração  negocial,  ao  contrário  dos  plurilaterais  que  implicam  uma  declaração  
negocial  por  cada  uma  das  suas  partes.  
 
 
113.  Negócios  "inter  vivos"  e  "mortis  causa"  
 
Outra  classificação  dos  negócios  jurídicos:  inter  vivos  e  mortis  causa.  Em  regra,  os  negócios  jurídicos  são  celebrados  inter  vivos.  São  
actos  que  não  têm  por  função  típica  a  produção  de  eficácia  jurídica  por  morte.  
 
Os  negócios  mortis  causa  têm  como  causa  a  morte.  A  sua  função  típica  está  ligada  à  morte,  como  facto  jurídico.  
Desencadeiam  a  sua  eficácia  típica  por  causa  da  morte  da  pessoa  a  que  se  referem.  Exemplo:  testamento.  
 
 



114.  Negócios  consensuais  e  formais  
 
Os  negócios  jurídicos  classificam-­‐se  em  consensuais  e  formais.  São  negócios  consensuais  aqueles  para  cuja  celebração  é  suficiente  o  
consenso  das  partes,  não  sendo  necessária  uma  forma  especial  de  expressão.  
 
São  formais  os  negócios  para  cuja  celebração  ou  titulação  a  lei  exija  uma  forma  especial.  220º  CC;  238º.  
 
 
115.  Negócios  pessoais  e  patrimoniais  
 
Os  negócios  jurídicos  pode  ser  pessoais  e  patrimoniais.  Os  negócios  jurídicos  têm  carácter  patrimonial  quando  o  seu  conteúdo  seja  
avaliável  em  dinheiro;  têm  carácter  pessoal  quando  o  seu  conteúdo  não  é  avaliável  em  dinheiro.  São  negócios  jurídicos  pessoais  
aqueles  pelos  quais  são  instituídos  ou  modificados  estados  pessoais  das  partes  (casamento,  adopção,  perfilhação).  São  negócios  
jurídicos  patrimoniais  aqueles  pelos  quais  as  partes  regem  sobre  os  bens  da  sua  esfera  jurídica  patrimonial,  isto  é,  sobre  bens  
avaliáveis  em  dinheiro  (compra  e  venda,  doação).  
 
 
116.  Negócios  obrigacionais,  reais,  familiares  e  sucessórios  
 
I.  Os  negócios  jurídicos  podem  ser  classificados  em  obrigacionais,  reais,  familiares  e  sucessórios.  
 
Como  obrigacionais,  os  negócios  jurídicos  dos  quais  resulte  a  vinculação  das  partes,  ou  de  alguma  delas,  à  execução  de  
prestações,  isto  é,  a  comportamentos  devidos.  Exemplo:  mandatos,  arrendamento,  comodato.    
 
Negócios  jurídicos  reais  são,  por  um  lado,  os  que  têm  efeitos  de  direitos  reais,  e  por  outro  os  que  se  materializam  com  a  
entrega  da  coisa  que  constitui  o  seu  objecto.  
negócios  jurídicos  quaod  effectum:  aqueles  que  têm  eficácia  real.  Exemplo:  compra  e  venda.  Transmissão  da  propriedade  em  
consequência  da  simples  celebração  do  contrato,  e  ainda  que  não  haja  entrega  da  coisa  vendida.  
negócios  jurídicos  quaod  constitutionem:  aqueles  contratos  que  se  não  fecham  sem  que  ocorra  a  entrega  da  coisa.  Exemplo:  mútuo  e  
depósito  típicos  
 
Como  negócios  jurídicos  familiares  são  aqueles  que  têm  por  conteúdo  a  constituição,  modificação,  ou  extinção  de  situações  
ou  relações  jurídicas  familiares.  Exemplo:  casamento,  convenção  antenupcial,  adopção,  ou  a  perfilhação.  
 
Como  negócios  jurídicos  sucessórios  classificam-­‐se  os  que  têm  por  conteúdo  a  constituição,  modificação  e  extinção  de  
situações  e  relações  jurídicas  sucessórias,  e  cuja  eficácia  se  desenvolve  no  âmbito  da  instituição  da  sucessão  por  morte.  Exemplo:  
testamento,  repúdio  e  a  alienação  da  herança.  
 
 
117.  Negócios  sinalagmáticos  
 
Quando  os  efeitos  que  produz  para  as  partes  têm  a  sua  razão  de  ser/fundamento  dos  efeitos  produzidos  na  outra  parte.  Formam  um  
todo  indissociável.  Cada  prestação  é  a  contrapartida  da  outra  prestação.  Contrato  não  sinalagmático:  doação  (só  gera  obrigações  
para  uma  parte).  
 
Sinalagma  é  um  vínculo  entre  os  efeitos  de  ambas  as  partes  (se  um  não  é  pago,  o  outro  não  entrega):  
Genético  
Funcional  (típico  de  contratos  de  duração  continuada  -­‐  contrato  de  trabalho,  arrendamento  
 
 
118.  Negócios  gratuitos  e  onerosos  
 
I.  O  critério  de  classificação  é  a  existência,  ou  não,  no  conteúdo  do  negócio,  de  um  sistema  de  contrapartidas.  Artigo  237º.  Os  
contratos  onerosos  são  aqueles  em  que  é  estipulado  um  sistema  de  contrapartidas.  Na  compra  e  venda  o  preço  é  a  contrapartida  da  
coisa  vendida,  na  locação  a  contrapartida  é  a  renda,  no  contrato  de  trabalho  é  o  salário.    
 
Contratos  gratuitos  são  aqueles  em  que  à  prestação  principal  não  corresponde  uma  contrapartida.  
 
II.  A  classificação  dos  negócios  jurídicos  em  gratuitos  e  onerosos  é  defeituosa,  porque  dificulta  a  concepção  dos  contratos  que  não  
sejam  puramente  gratuitos  nem  perfeitamente  onerosos.  Uma  das  prestações  pode  não  corresponder  valorativamente  à  outra.  
 
 
119.  Negócios  comutativos,  aleatórios  e  parciários  
 
Os  contratos  onerosos  subclassificam-­‐se  em  comutativos,  aleatórios  e  parciários.  Nos  negócios  comutativos,  a  onerosidade  é  
perfeita.  Quer  isto  dizer  que  à  atribuição  patrimonial  de  uma  das  partes  corresponde  uma  atribuição  patrimonial  da  outra  parte  de  
valor,  pelo  menos  equivalente.    

 
Nos  negócios  aleatórios  existe  um  risco  que  dá  ao  negócio  o  seu  sentido  jurídico  e  que  influencia  o  seu  regime  e  a  
concretização  da  sua  disciplina.  Os  negócios  aleatórios  são  negócios  de  risco.  Ao  decidirem  da  sua  celebração,  as  partes  assumem  
voluntária  e  conscientemente  o  risco  da  eventualidade  do  desequilíbrio  patrimonial.  
 
Os  negócios  parciários  são  aqueles  que  se  caracterizam  pela  participação  de  uma  ou  de  ambas  as  partes  no  resultado  de  um  
acto  ou  de  uma  actividade  económica.  Nestes  negócios,  a  atribuição  patrimonial  de  uma  ou  mais  partes  traduz-­‐se  numa  participação,  
que  muitas  vezes  é  uma  percentagem,  do  resultado  económico  da  operação  económica  subjacente.  Exemplo:  parceria,  associação  
em  participação,  a  comandita  e  a  própria  sociedade.  
 
 
120.  Negócios  de  administração  e  de  disposição  
 
I.  É  importante  distinguir  os  actos  de  administração  dos  actos  de  disposição.  A  administração  inclui  os  actos  tendentes  à  conservação  
e  à  frutificação  normal  dos  bens  em  questão.  A  conservação  abrange  a  manutenção  normal  de  acordo  com  padrões  de  razoabilidade  
ou  com  manuais  de  manutenção,  se  existirem,  próprios  desses  bens;  inclui  também  as  reparações  que  possam  ser  consideradas  de  
rotina  e  os  actos  necessários  para  evitar  que  os  bens  se  percam  ou  se  deteriorem.  Muitas  vezes  a  administração  corrente  implica  a  
alienação  de  bens.  
 
II.  A  simples  administração  não  pode  atingir  e  deve  manter  intacta  a  substância  dos  bens  administrados.  O  critério  de  determinação  
da  substância  de  uma  coisa  ou  de  um  bem  jurídico  está  na  sua  apetência  para  satisfazer  uma  necessidade  ou  de  um  fim  das  pessoas.  
Em  termos  jurídicos,  está  ligada  à  sua  funcionalidade  e  à  sua  utilidade.  O  critério  distintivo  entre  a  administração  e  a  disposição  varia  
conforma  a  coisa  ou  o  bem  em  causa  tenha    esta  ou  aquela  utilidade  concreta,  esteja  afectado  à  prossecução  de  um  ou  de  outro  fim.    
 
Os  actos  de  administração  devem  manter  incólume  a  aptidão  da  coisa  ou  do  bem  para  a  satisfação  das  necessidades  ou  
para  a  prossecução  dos  fins  a  que  estão  afectas  e,  promover  a  potencialidade  e  a  utilidade  desse  bem  para  a  satisfação  dessas  
necessidades  e  para  a  realização  desses  fins,  de  modo  a  que  efectivamente  os  alcancem  do  melhor  modo  possível.    
 
Os  actos  de  disposição  são  aqueles  que,  dentro  do  critério  enunciado,  afectem  a  substância  da  coisa  ou  do  bem.  
 
III.  A  administração  pode  abranger  actos  de  alienação.  O  critério  será  sempre  o  da  substância  do  bem  a  administrar.  
 
 
121.  Negócios  causais  e  abstractos  
 
Negócios  causais  são  aqueles  em  que  a  causa  é  relevante  para  o  respectivo  regime  e,  pode  ser  invocada  como  fundamento  de  
pretensões  ou  excepções  de  direito  material.  Os  negócios  abstractos  são  aqueles  em  que  a  causa  é  irrelevante,  e  como  tal,  não  pode  
ser  atendida  nem  constituir  o  fundamento  de  pretensões  ou  excepções.  
 
Nos  negócios  causais,  às  partes,  é  permitido  que,  nas  controvérsias  suscitadas  pelo  negócio,  invoquem  como  fundamento  
argumentos  ligados  ou  emergente  da  causa;  nos  negócios  abstractos  é  vedada  a  invocação  de  tais  argumentos.  Os  negócios  
abstractos  são  negócios  nos  quais  a  causa  é  desconsiderada,  é  irrelevante.  A  abstracção  nunca  é  completa.    
 
Capítulo  III  
 
Formação  dos  negócios  jurídicos  
 
122.  A  declaração  negocial  e  a  sua  perfeição  
 
I.  A  declaração  negocial  é  um  comportamento  voluntário  que  se  traduz  numa  manifestação  da  vontade  com  conteúdo  negocial,  feita  
no  âmbito  do  negócio.  No  negócio  jurídico  unilateral,  a  declaração  negocial  preenche  a  totalidade  do  acto  jurídico  e  esgota  a  sua  
materialidade.  O  contrato,  como  negócio  jurídico  plurilateral,  traduz-­‐se  numa  pluralidade  de  declarações  negociais.  Uma  típica  
compra  e  venda  é  celebrada  através  de  duas  declarações  negociais,  uma  do  comprador  e  outra  do  vendedor.  
 
A  declaração  negocial,  como  declaração  de  vontade,  tem  um  conteúdo  que  é  dirigido  a  outrem:  ao  declaratário.  A  
declaração  negocial  pode  ter  um  declaratário  específico  ou  ser  dirigida  a  uma  ou  mais  pessoas  indeterminadas.  Quando  tenha  um  
destinatário  específico  chama-­‐se  declaração  negocial  recipienda  ou  receptícia;  quando  não  tenha,  declaração  negocial  não  recipienda  
ou  não  receptícia.    
 
II.  A  declaração  negocial  torna-­‐se  perfeita  quando  se  consuma,  quando  se  liberta  do  seu  autor  e  ganha  substância  própria.  Quando  
alcança  a  finalidade  que  lhe  foi  imprimida.    tornar-­‐se  perfeita  a  declaração  negocial  alcança  a  sua  plena  eficácia.  Dois  sistemas  de  
determinação  da  perfeição  da  declaração  negocial:  o  da  emissão  e  o  da  recepção.  
 
De  acordo  com  o  sistema  da  emissão,  a  declaração  negocial  tornar-­‐se-­‐ia  perfeita  no  momento  em  que  o  seu  autor  a  
emitisse.  A  declaração  negocial  traduz  sempre  uma  perda  de  liberdade  para  o  declarante.  
 
Segundo  o  sistema  da  recepção,  o  declarante  apenas  ficaria  vinculado  no  momento  em  que  a  declaração  chegasse  ao  seu  
destinatário.  
 
A  perda  de  liberdade  do  declarante  e  a  sua  vinculação  só  teriam  lugar  no  momento  da  recepção  da  declaração  pelo  
declaratário.    
 
Em  grande  parte  dos  casos,  a  emissão  e  a  recepção  da  declaração  negocial  ocorrem  em  momentos  diferentes.    

 a  não  declaração.  Exemplo:  telefone.       123.  consoante  são  celebrados  entre   presentes  ou  entre  ausentes.  Num  qualquer  contrato  pode  convencionar-­‐se  que  o  silêncio   tenha  o  valor  de  aceitação.  ou  de  recusa.  por  carta  registada.  a  declaração  veio  a  ser  recebida  mas  tardiamente.  a  sua  perfeição  ocorre  com  a  emissão.  quando  a  vontade  do  declarante  se   manifesta  na  forma  adequada. 2.       A  conclusão  do  negócio  é  feita  de  maneira  diferente  e  envolve  problemas  diversos.     III.  Quando  o  negócio  entre  ausentes  seja  celebrado  por  escrito.   deve  entender-­‐se  que  se  tornou  eficaz  no  momento  em  que  deveria  ter  sido  recebida  se  não  tivesse  ocorrido  a  conduta  culposa  do   destinatário.  de  uma  prestação  como  cumprimento.   Segunda:  também  por  culpa  exclusiva  do  destinatário.  As  declarações  tácitas  correspondem  à  compreensão  do  sentido  que  está  implícito  num  qualquer  comportamento.  por  exemplo.     VII.  exemplo:  cartas.     Quando  o  negócio  é  celebrado  entre  presentes.  a   sua  conclusão  implica  a  emissão  e  recepção  de  comunicações.  A  declaração  expressa.  por  convenção  ou  pelos  usos.  A  declaração  negocial  torna-­‐se  perfeita  no  lugar  onde  foi  recebida.     V.  A  questão  da  recepção  não  se  coloca  em  relação  à  simples  recepção  ou  não  recepção  da  declaração.  ou  onde  deveria  ter  sido  recebida  quando.   Se  a  declaração  foi  enviada.  também  um  sentido  tácito.         124.  por  culpa  exclusiva   do  seu  destinatário.  Também   pode  ser  celebrado  verbalmente.  a  declaração  deve  ser  tida   como  eficaz.  a  recepção  tenha  sido  impedida  ou  atrasada.  por  parte  de  cada  uma  das  partes.  217º  distingue  as  declarações  negociais  em  expressas  e  tácitas.  uma  vez  que  são  concluídos  entre  uma  pluralidade  de   partes.  Estas   mensagens  são  declarações  negociais  distintas.  as  declarações  negociais  tanto  pode  ser  feitas  expressa  como  tacitamente.       Há  que  distinguir  duas  situações  diferentes:     Primeira:  por  exclusiva  culpa  do  destinatário.  a  proposta  e  a  aceitação.     No  que  respeita  às  declarações  não  recipiendas.  As  declarações  tácitas.  A  declaração  negocial  nos  negócios  entre  presentes  e  entre  ausentes     Os  negócios  jurídicos  podem  ser  celebrados  entre  pessoas  que  estão  na  presença  umas  das  outras.  mas  também  em  relação  ao   tempo  em  que  ocorra.  No  que  respeita  aos  contratos.     Da  letra  da  lei  resulta  que  a  declaração  só  se  torna  eficaz  se  a  sua  não  recepção  foi  devida  apenas  a  culpa  do  declaratário.   No  primeiro  caso.  e  no  segundo  negócio  entre  ausentes.  não  impede  que  ela   tenha  além  do  expresso.  no  tempo  em  que  chegam  ao  poder  do  declaratário   ou  são  dele  conhecidas.  ou  entre  pessoas  que  o  não  estão.  Só  nos  casos  em  que  a  lei  o  exija  é  que  a  declaração  tem  de   ser  expressa.  não  se  torna  aparente  a  distinção  entre  diferentes  declarações  negociais  de   cada  uma  das  partes.1.  e  o  destinatário  se  recusou  a  recebê-­‐la.     IV.  é  pura  omissão.  artigo  1054º/1   do  CC  atribui  ao  silêncio  das  partes  o  efeito  de  renovação  do  seu  prazo.  declaração  tácita  e  o  silêncio     I.  As  declarações  expressas  e  tácitas  têm  em  principio  o  mesmo  valor.  O  silêncio  não  deve  ser  confundido  com  a  declaração  negocial  tácita.  tal  como  as   expressas.  com  toda  a  probabilidade.     II.  como  declarações  negociais  em  relação  a  cada  uma  das  quais  se  coloca   .  mas  determinou  o  seu  atraso.  que  tem  em  seu  poder  a  declaração.  O   silêncio  é  a  ausência  de  uma  acção.   Quando  a  lei  nada  diga  em  contrário.  em  termos  tais   que  dele  se  deduz  com  toda  a  probabilidade.  a  não  leia  ou  dela  não  tome  conhecimento.  Se  a  conduta  culposa  do  declaratário  não  impediu  a  recepção.  segundo  o  Código.  a   revelam.  à  interpretação  das  declarações  negociais  tácitas  aplicam-­‐se  as  regras  dos  artigos  236º  e  ss  CC.   III.       O  tempo  da  emissão  da  declaração  negocial  é  relevante  no  que  respeita  aos  pressupostos  de  capacidade  e  disponibilidade   por  parte  do  declarante  -­‐  226º.     Quando  o  negócio  é  celebrado  entre  ausentes  tornam  aparentes  as  declarações  negociais  de  cada  uma  das  partes.  de  declarações  negociais.  É  irrelevante  que  o   declaratário.  As  declarações  negociais  recipiendas  tornam-­‐se  perfeitas.  segundo  o  artigo  218º  do  CC  só  tem  o  valor  jurídico  que   eventualmente  lhe  for  atribuído  por  lei.  O  silêncio.  a  declaração  não  veio  a  ser  definitivamente  recebida.  Exemplo:  casamento.   escrito  ou  noutro  meio  directo  de  manifestação  da  vontade.  é  possível  na  sua  formação.     O  facto  de  a  vontade  ser  emitida  por  um  dos  meios  objectivamente  típicos  da  declaração  expressa.  No  regime  legal  do  arrendamento  por  exemplo.  tendo  a  mesma  sido  devolvida.  a  declaração  é  legalmente  tida  por  conhecida.  O  silêncio  é  a  ausência  da  declaração.  fala-­‐se  de  negócio  entre  presentes.  A  declaração  negocial  é  expressa  quando  é  feita  por  palavras.  Chegada  ao  poder  do  declaratário.  é  tácita  quando  se  deduz  de  factos  que.  podem  ser  recipiendas  ou  não.  Artigo  224º.       VI.     Declaração  tácita:  comportamento  do  qual  se  deduza  com  toda  a  probabilidade  a  expressão  ou  a  comunicação  de  algo.

 quer  a  declaração   negocial.  na  proposta. 1) 2) 3) a  problemática  da  perfeição.  estipular  ou  não.  deverá  ser  determinada  a  demora  normal  destes  meios  de  comunicação.  ou  ainda  a  certas  classes  de  pessoas  ou  a  pessoas  determinadas  segundo  critérios  gerais.  Deve  constar  tudo  aquilo  em  que  o  proponente   queira  afastar  ou  modificar  no  regime  dispositivo.  O  convite  a  contratar  não  tem  de  ser   formulado  numa  forma  que  satisfaça  as  exigências  formais  do  contrato  tido  em  vista.  quer  o  negócio  propriamente  dito.  Quando  for  recipienda.  e  torna-­‐se  eficaz  e  vinculativa  com  a  recepção.  Se  for  pedida  resposta   imediata  será  então  somado  o  tempo  de  demora  normal  das  duas  comunicações.     Na  proposta.  em  condições  normais.  no  convite  a  contratar  propõe-­‐se  uma  negociação  com  vista  à  eventual  celebração  de  um  contrato.  O  sentido   técnico-­‐jurídico  é  mais  restrito  e  limita-­‐se  às  ofertas  que  possam  determinar  a  conclusão  do  contrato  mediante  uma  aceitação.  Quando  for  não  recipienda.       Requisitos  da  proposta  de  contrato:   Completa:  deve  incluir  todas  as  matérias  que  devam  ficar  estipuladas  no  contrato.  A  proposta  que  tem  um  ou  mais  destinatários  determinados  é  uma  declaração   recipienda.  Acto   orientado  à  conclusão  de  um  contrato.  Se  o  proponente  não  estipular  na  proposta  o  meio   .  a  proposta  terá  de  ser  formulada  numa  forma  que  seja  suficiente   para  satisfazer  a  forma  exigida  para  o  contrato.     b)  O  convite  a  contratar   A  proposta  que  não  respeite  estes  três  requisitos  não  é  juridicamente  uma  proposta  contratual.  a  pessoas  indeterminadas  é  uma  declaração  não  recipienda  que  é  eficaz  e  torna-­‐se  vinculativa  com  a   emissão  logo  que  se  manifesta  na  forma  adequada.  demorem  a  proposta  e  a   respectiva  aceitação  a  chegar  aos  respectivos  destinatários.  contrapropostas  ou  aceitações. 2.  e  o  negócio   conclui-­‐se  com  a  declaração  negocial  única  do  seu  autor.  o  meio  de  comunicação  que  o  destinatário   deverá  usar  na  resposta.  formula  uma  oferta  de  contrato. 3.  projecto  que  se  destina  a  ser  transformado  em  contrato.  O  convite  pode  ser  dirigido  ao  público  ou  a   pessoas  concretamente  identificadas.  a  proposta  é  qualquer  acto  destinado  a  abrir  um  processo  de  contratação.  e  vincula  as  pessoas  envolvidas   apenas  ao  dever  de  boa  fé.  A  proposta  tem  de  constituir  um  projecto  completo  de   contrato.  demorem  a  proposta  e  a  respectiva  aceitação  a  chegar  aos  respectivos  destinatários.  Se  assim  não  fosse.       No  sentido  comum  extrajurídico.  torna-­‐se  perfeita  logo  que  a  vontade  do  declarante  se   manifesta  na  forma  adequada.   Se  não  for  estipulado  qualquer  prazo.  A  proposta  contratual  e  o  convite  a  contratar     A  proposta  de  contrato   A  conclusão  do  contrato  entre  ausentes  que  não  estejam  em  contacto  simultâneo  envolve  um  processo  que  implica  pelo  menos  duas   declarações  de  vontade:  a  proposta  e  a  aceitação.     Há  que  distinguir  consoante  o  proponente.  sujeito  a  uma  exigência  de  forma.     No  convite  a  contratar  o  seu  autor  mantém  uma  liberdade  que  não  tem  na  proposta  de  contrato.  a  vinculação  do  proponente  manter-­‐se-­‐á  até  cinco  dias  após  o  tempo  que.     Artigo  228º  distingue  3  regimes  de  duração  de  vinculação  do  proponente:   Se  for  estipulado  um  prazo  para  a  aceitação.  No  caso  dos  negócios  unilaterais.  mas  sim  convites  a  contratar:  na  proposta  propriamente  dita.  A  aceitação  de  um  convite  a  contratar  tem   como  consequência  apenas  o  iniciar  de  uma  negociação  com  vista  à  celebração  de  um  contrato.  uma  das  partes.  deve  incluir  todas  as  estipulações  que  sejam  necessárias  para  que  o  contrato  se  conclua  tal  como  projectado  pelo   proponente.  mas  um  simples  convite  a  contratar.  em  condições   normais.  a  proposta  e  a  sua  aceitação   demorem  a  chegar  ao  seu  destino.  mas  não  é   obrigado  a  contratar.  não  há  lugar  a  propostas.  não  são  juridicamente  propostas  contratuais.     A  partir  do  momento  da  sua  perfeição.   Firme:  deve  exprimir  uma  vontade  séria  e  inequívoca  de  contratar  nos  precisos  moldes  projectados  na  proposta.  o  proponente  fica  vinculado  até  ao  termo  desse  prazo   Se  for  pedida  resposta  imediata.   propõe-­‐se  um  contrato.  nem  à  sua  conclusão.   O  convite  a  contratar  é  uma  declaração  pela  qual  uma  pessoa  se  manifesta  disposta  a  iniciar  um  processo  de  negociação  com  vista  à   futura  eventual  conclusão  de  um  contracto.  mas  sem  se  vincular.  Da  proposta  deve  constar  o  projecto  completo  do  contrato  querido  pelo   proponente.  de  acordo  com  a  boa  fé.  quando  chega  ao  poder  do  destinatário  ou  é  dele  conhecida.a) 1.  Pode  modificar  o   conteúdo  do  projecto  contratual  inicialmente  formulado  e  pode  desistir  de  contratar..       c)  Eficácia  vinculativa  da  proposta   A  proposta  feia  ao  público.     O  convite  a  contratar  fixa  o  quadro  contratual  cuja  negociação  se  propõe.  torna-­‐se  perfeita  com  a  recepção.  Se  o  fizer.  em  condições  normais.  a  vinculação  mantém-­‐se  durante  o  tempo  que.  mediante  a  sua  aceitação  pela  pessoa  a  quem  for  dirigida.  a  aceitação  da  proposta  teria  como  consequência  a  conclusão  de   um  contrato  nulo  por  falta  de  forma.  O   âmbito  pessoal  do  convite  e  o  seu  conteúdo  não  podem  deixar  de  ser  tidos  em  conta.  nem  a  um  seu  conteúdo  já  completamente   determinado.  a  proposta  contratual  vincula  juridicamente  o  proponente.  Se  o  contrato  proposto   estiver.         125.  Todas   as  demais  ofertas.   Formalmente  suficiente:  deve  revestir  uma  forma  que  satisfaça  a  exigência  formal  do  contrato  proposto.  Não  deve  ser  exagerado  o  grau  de  vinculação   que  do  convite  a  contratar  pode  resultar  para  o  seu  autor:  ela  fica  vinculado  a  agir  com  lealdade.  por  lei  ou  convenção.     CC  não  avança  quanto  à  determinação  concreta  do  que  seja  esse  tempo  que.

  depois  de  formular  e  expedir  a  sua  proposta.  perante.  Porém.  em  princípio  vinculado  aos  seus  termos.  Nº  1  do  artigo  226º:  a  morte  ou  incapacidade  do  declarante-­‐proponente.  Trata-­‐se  de  matéria  disponível  onde  rege  a  autonomia  privada.     Segundo  o  nº  1  do  artigo  231º.  a  morte  ou  incapacidade  superveniente  do  proponente  não  determina.       A  questão  deve  ser  apreciada  em  ligação  com  o  dever  de  boa  fé  na  contratação.  a  proposta  caduca  "se  houver  fundamento  para  presumir  que  outra  teria  sido  a  (.  terá  tida  em  consideração  a  pluralidade  dos  meios  de  comunicação.  Segundo  o  artigo  233º.     Uma  vez  expedida  a  proposta.  também  ela  se  integra.  Neste  caso.  desde   que  o  seja  na  mesma  forma  da  proposta  ou  em  forma  equivalente  -­‐  230º.1) 2) 3) 1) 2) de  comunicação.  No  que  respeita  à  declaração  negocial   em  geral.  Qualquer  resposta  que  não  satisfaça  o  requisito  da   conformidade  não  tem  a  eficácia  de  conclusão  do  contrato.  limitações  ou   outras  modificações  importa.  O  nº  1  do  artigo  230º  admite  a   estipulação  pelo  proponente  do  regima  da  revogação  da  proposta.  mediante  a  aceitação.  a  declaração  pode  ser  qualificada  como  nova  proposta.  que  exprima  a  vontade   firme  de  contratar  nesses  moldes  e  que  seja  formalmente  suficiente  para  que.     Se  o  destinatário  receber  a  revogação  antes  ou  simultaneamente  à  recepção  da  proposta.  não  prejudica  em  princípio  a  sua  eficácia.       O  regime  do  artigo  231º  aplicável  especificamente  à  proposta  contratual.  a   caducidade  da  proposta.  A  aceitação     I.  do  mesmo  modo  que  é  exigido  para  a  proposta.  uma  aceitação.  Se  o   proponente  quiser.  Artigo  224º.  previu  a  lei  o  caso  em  que  a  aceitação  com  modificações  tenha  características  que  obedeçam  aos  requisitos   necessários  para  uma  proposta  contratual.  A  aceitação:  declaração  de  vontade  recipienda  que  tem  como  conteúdo  a  concordância  com  uma  proposta  contratual  e  que  tem   como  eficácia  a  vigência  do  contrato  proposto.       126.  sempre  poderá  emitir  nova  proposta.  deverá  sujeitar-­‐se  à  demora  normal  de  um  meio  de  comunicação  normal.  O  proponente.  não  chega  a  ser  criada  no  seu   espírito  a  expectativa  da  contratação  e  não  se  justifica  a  vinculação  do  proponente  -­‐  números  1  e  2  do  artigo  230º  do  CC.  não  poderá  deixar  de  ser  formalmente  suficiente  para  o  contrato   se  poder  concluir.       Diferente  é  o  regime  da  revogação  da  proposta  dirigida  ao  público.  nº  2).  Trata-­‐se  apenas  de  ilegitimidade  superveniente.  O  projecto  de  contrato  que  contém  é  formado  por  tudo  aquilo  que  na  proposta  tiver  sido  aceite  e  ainda  por  aquilo   que  na  resposta  for  modificado  ou  acrescentado.  Uma  aceitação  com  reservas.     Conformidade:  adesão  total  e  completa  à  proposta.  Pode  todavia  ter  o  valor  de  uma  contraproposta..  se  opere  a  conclusão  do   contrato.  a  eficácia  da  revogação  da  proposta  tem  limites  e  depende  de  se  tratar  de  uma   proposta  dirigida  ao  público  ou  a  pessoa  determinada  e  da  recepção  ou  conhecimento  que  dela  tiver  já  o  destinatário.  A  eficácia  da  revogação  ocorre  logo  que  seja  feita.     d)  Morte  ou  incapacidade  do  proponente   Artigo  231º  -­‐  prevê  e  regula  o  caso  em  que  o  proponente  ou  o  destinatário  da  proposta  faleça  ou  se  torne  incapaz  após  a  emissão  da   proposta.  aditamentos.  antes  da  recepção  ou  do  conhecimento  do  declaratário..  deve  aguardar  o  tempo  necessário  para  que  o  destinatário  da  proposta  a  possa  estudar   e  lhe  possa  dar  uma  resposta.     Já  a  morte  ou  incapacidade  superveniente  do  destinatário  da  proposta  determina  a  sua  caducidade  (artigo  231º.  o  proponente  fica.     A  aceitação  deve  obedecer  a  três  requisitos:   Conformidade   Tempestividade   Suficiência  formal     II.       d)  Revogação  da  proposta   A  proposta  pode  ser  revogada.  A  aceitação  com  modificações  vale  como  contraproposta  com  o  conteúdo  da  proposta  tal  como  modificado  na  resposta   que  lhe  foi  dada.  Quando  assim  suceder.  a  aceitação  com  aditamentos.  nº  3.       Na  falta  de  estipulação  do  proponente.  Quando  a  proposta  tenha  um   destinatário.  pelo  seu  lado.  ou  como   contraproposta.  A   vinculação  do  proponente  só  tem  início  com  a  recepção  ou  o  conhecimento  da  proposta  pelo  seu  destinatário.  relaciona-­‐se  com  o  do  artigo  226º  que  se  aplica  à   declaração  negocial  em  geral.   Suficiência  formal:  é  necessário  para  a  contraproposta.)  vontade"  do   proponente.  o  declarante  perder  a  disponibilidade  do   direito  a  que  a  declaração  se  refere.  conjuntamente  com  a  proposta  inicial.  é  necessário  que  esta  declaração  contenha  um  projecto  completo  de  contrato.  limitações  não  opera  a  conclusão  do   contrato.   .  em  princípio  a  rejeição  da  proposta.  de  igual  teor  dirigida  aos  herdeiros  do  destinatário.  uma  vez  que.  não  se  justifica  que  o  seu  autor  fique  vinculado  antes  de  esse  destinatário  a  ter  recebido.  em  princípio.  posterior  à  emissão  da   declaração  negocial  que  contém  a  proposta.  Na  segunda  parte   do  artigo  233º.  ocorre  ineficácia  se.  a  que  se  refere  o  artigo  277º  do  CC.  A  aceitação  com   modificações.  Se  o  proponente  nada  estipular  quanto  ao  meio   de  comunicação  a  utilizar  na  resposta.  para  poder  valer  como  contraproposta.  A  aceitação  deve  exprimir  uma  concordância  pura  e  simples.       Também  o  regime  do  nº2  do  artigo  226º  se  pode  harmonizar  com  o  do  artigo  231º.     Esta  limitação  justifica-­‐se:  se  do  teor  e  do  contexto  e  circunstância  da  proposta  de  concluir  que  o  proponente  não  teria   querido  a  proposta  se  tivesse  previsto  que  viria  a  falecer  ou  a  tornar-­‐se  incapaz  durante  o  processo  negocial.

  por  lei  ou  por  estipulação.  Este  tipo  é  o  mais  adequado  e  o  mais  utilizado  na  celebração  de   contratos  em  que  à  parte  que  tem  a  inicitativa  contratual  se  oferece  um  universo  plural  de  possíveis  contrapartes.  Se  o  não  fizer.  usa  o  serviço  pretendido  ou  apropria-­‐se  do  bem  a  adquirir  e  paga-­‐o  na  caixa.     g.  o  contrato  não  se  conclui.  o  destinatário  pode  considerá-­‐la  eficaz.     c.  Contratação  sobre  documento   Existência  de  um  documento  que  contém  a  estipulação  contratual  e  ao  qual  as  partes  aderem.     b.  228º  -­‐  tempo  de   vinculação.  Contratação  em  auto-­‐serviço   O  adquirente  serve-­‐se  a  si  próprio.  feita  ao  público.         127.  Venda  por  catálogo   Caracteriza-­‐se  pela  oferta.  Este  documento  pode  ser  preparado   por  ambas  as  partes  ou  por  um  terceiro  e  o  seu  conteúdo  pode  resultar  de  negociações  mais  ou  menos  complexas  e  prolongadas.  A  outra  parte.     A  aceitação  pode  ser  expressa  ou  tácita  -­‐  234º.  caso  em  que  o   contrato  se  conclui.  A  aceitação  deve  tornar-­‐se  perfeita.  e-­‐commerce.  que  se  torna  perfeita  nos  termos   do  artigo  224º.  O  contrato  vem  a  ser  celebrado  com  quem  fizer  o   lance  que  mais  agradar  à  parte  que  teve  a  iniciativa  do  leilão.  qual  é  o  tempo  pelo  qual  se  pretende  vincular.  Se  o  negócio  projectado  estiver  sujeito  a  uma  exigência  especial  de  forma.  Proposta-­‐aceitação  -­‐  228º  e  seguintes   O  tipo  proposta-­‐aceitação  caracteriza-­‐se  pela  separação  formal  das  declarações  negociais  das  partes  em  uma  proposta  e  uma   aceitação.  ma  proposta.  Nos  restantes  casos  previstos  no  artigo  229º  não  existe  dever  de  informar?  O  dever  de   informação  resulta  do  dever  de  boa  fé  na  contratação  que  está  expressamente  prevista  no  artigo  227º.  A  licitação  é   feita  de  modos  diversos:  carta  fechada.   .  O  texto  do  artigo  234º  exige  expressamente  que  tenha  havido  um   comportamento  do  qual  se  deduza  a  aceitação.  lances  ascendentes.  caracteriza-­‐se  pela  dualização  entre  a  parte  que  tem  a  iniciativa  do  contrato  e  uma  pluralidade  de  interessados   na  contratação.  A  aceitação  só  é   tempestiva  se  se  tornar  perfeita  enquanto  se  mantiver  a  sujeição  do  proponente.  com  a  possível  intermediação  de  uma  ou  mais  contrapropostas.  mas  aquele  que  recebeu  tardiamente  a  aceitação   deverá  avisar  imediatamente  o  aceitante  de  que  o  contrato  se  não  concluiu.3) 1) 2) 3) 4) 5) 6) Tempestividade:  O  proponente  pode  estipular.  A  parte  que  tem  iniciativa  do  contrato  dirige  à  outra  uma   proposta  que  contém  o  seu  projecto  de  contrato.  de  uma  pluralidade  de  bens.  corresponde  geralmente  aos  contratos  mais  complexos  e  com  maior   importância.       f.  Contratação  automática   Em  que  o  contrato  é  celebrado  por  intermédio  de  máquinas.     Este  tipo  de  processo  de  contratação  é  o  que.  em  catálogos.  A  determinação  final  de  com  qual  dos  interessados  virá  a  ser  concluído  o  contrato  é  feita  por  licitação.  o  seu  destinatário  não  tiver   razões  para  admitir  que  foi  expedida  fora  de  tempo.  a  aceitação  terá  de  revestir  uma  forma  que  seja  suficiente  para  o  contrato  se  poder  concluir.  lances  descendentes.  Cada  interveniente  na   contratação  deve  informar  o  outro  sobre  tudo.  como  declaração.  A  aceitação  é  uma  declaração  recipienda.  a  aceitação  tiver  sido  expedida  em  tempo  oportuno.  Tipos  de  processos  de  contratação     Existem  vários  tipos  de  processos  de  contratação:   proposta-­‐aceitação   contratação  sobre  um  documento   contratação  em  leilão   contratação  automática   venda  por  catálogo   contratação  em  auto-­‐serviço     a.     e.  Se  não   obstante  ter  chegado  tardiamente.  depois  de  recebida  a  proposta.  Contrato  em  leilão   Ou  em  hasta  pública.  ou  com  uma   aceitação.  Este  comportamento  é  uma  declaração  tácita.  Passado  esse  tempo.  será  responsável  pelo  prejuízo.  antes  de  ter  cessado  a  vinculação  do  proponente.  ou  com  uma  rejeição.  É   importante  que  o  aceitante  seja  informado.  cessa  a  sujeição  do   proponente  e  também  o  poder  potestativo  do  destinatário  de  aceitar  a  proposta.  dirigida  ao  proponente.     IV.  Contratação  electrónica   e-­‐business.  ou  não.     d.  O  processo  de  contratação  só  determina.  quando  chega  ao  poder  do  proponente  ou  é  por  ele  conhecida.  as  partes  assinalam-­‐no  e  põem  assim  em  vigor  o  contrato  que  nele  está  titulado.  A  suficiência  formal  é  imprescindível  como  requisito.   Chegado  ao  acordo  sobre  o  texto  do  documento.  mas  pode  também  formular  uma  contraproposta.  Se  recebida  tardiamente.  Artigo  229º  estatui  um  regime  especial  para  o  caso   da  recepção  tardia  da  aceitação.         229º  prevê  o  dever  de  informação  no  caso  em  que  o  contrato  se  não  conclui  em  consequência  da  recepção  tardia  da  aceitação.  pode  aceitá-­‐la.

 Também  não  é  lícito  que  uma  das  partes  que  se   aperceba  de  que  a  outra  está  em  erro  ou  mal  informada.  só  pode  ser  desencadeado  se  se  puder  concluir  que  o  contrato  teria  sido  celebrado  pelas  partes   mesmo  sem  aquela  matéria  sobre  a  qual  o  dissenso  recaiu.  À  medida  que  uma  negociação  vai  progredindo.  As  partes  em  negociação  revelam  umas  às  outras  as  suas  necessidades  e  conveniências.  as  partes  ficam  vinculadas  nos  seus  termos  e  nada  mais  existe  para  negociar.  Artigo  253º   deveres  de  lealdade:  vinculam  as  partes  em  negociação  a  comportar-­‐se  na  interacção  pré-­‐contratual  com  honestidade  e  correcção.  ainda  que   tenha  havido  dissenso  sobre  um  ponto  acerca  do  qual  devesse  ter  havido  acordo.  leal  e  transparente  como  pessoa  de  bem.  A  boa  fé   exigida  às  partes  na  fase  das  negociações  é  a  boa  fé  objectiva.  É  relevante  para  a  determinação  do  tempo  e  do  conteúdo  do  contrato.  A  negociação  pode  frustrar-­‐se  definitivamente  quando  as  partes  cheguem  à  conclusão  de  que  não  chegarão  a  acordo  e   neste  caso  o  dissenso  é  definitivo  e  corresponde  à  desistência  das  partes  em  relação  à  conclusão  do  contrato.  as  áreas  de  consenso  vão  aumentando  até  ser  alcançado  o   consenso  total.     Artigo  232º  -­‐  o  contrato  não  fica  concluído  enquanto  as  partes  não  houverem  acordado  em  todas  as  cláusulas  sobre  as   quais  qualquer  delas  tenha  julgado  necessário  o  acordo.  que  sejam  entendidas   pelas  partes  com  diferentes  significados.         129.   cessa  a  relação  de  negociação  entre  as  partes  e  os  correspondentes  deveres  de  boa  fé  pré-­‐negocial.  no  momento  em  que  as  partes  chegarem  a  acordo  acerca  de  cada  uma  das   questões  que  qualquer  uma  delas  tenha  suscitado  e  sobre  as  quais  tenha  considerado  necessário  o  consenso.  Não  é  lícito  prestar  informações  falsas.  A  boa  fé  traduz-­‐se  no  dever  de   actuação  honesta.  dissenso  que  vai  sendo  removido  pela  negociação  por  concessões  mútuas  ou  pelo  encontrar  de  alternativas  ou  novas   soluções  negociais.  sob  pena  de  responder  pelos  danos  que  culposamente  causar  à  outra  parte.   Concretização  do  mandamento  de  honestae  agere.  mas  ele  é  entendido  pelas  partes  como  provisório  e  como  destinado  a   ser  removido.  tanto  nos  preliminares   como  na  formação  do  contrato.     O  terceiro  resulta  do  desacerto  entre  as  declarações  das  partes  e  do  qual  elas  se  não  aperceberam.  O  mesmo  pode   suceder  sempre  que  uma  declaração  correctamente  expedida  seja  entendida  com  um  sentido  diferente.     Um  segundo  tipo  de  dissenso  oculto  pode  resultar  da  utilização  no  contrato  de  expressões  equívocas.  A  culpa  in  contrahendo     I.  segundo  o  artigo  232º.  existe  dissenso.     O  dissenso  oculto  resulta  de  três  circunstâncias:   Deficiente  entendimento  de  expressões  ditas  na  contratação  oral   Utilização  de  expressões  equívocas  no  contrato   Desconformidade  ou  não  correspondência  entre  as  declarações  das  partes   Nos  contratos  celebrados  oralmente.     O  contrato  conclui-­‐se.  O  dissenso   Se  as  partes  em  negociação  não  chegarem  a  acordo.  Enquanto  a  negociação  se  mantém.  Durante  a  fase  da  negociação  existe  um   dissenso.       O  dissenso  é  patente  ou  oculto.  Permite  que  o  contrato  se  tenha  como  fechado.  O  dissenso  é  patente  sempre  que  as  partes  têm  dele  consciência.  que  provoca  a  conclusão  do  contrato.  incorrectas   ou  incompletas  que  possam  conduzir  a  outra  parte  a  danos  ou  a  um  mau  contrato.  As  partes  em  negociação  devem  comportar-­‐se  honestamente.     b.  As  partes  sabem  que  não   estão  ainda  de  acordo.  Entre  as  partes  em  negociação  estabelecem-­‐ se  relações  de  confiança.  ou  tenha  ouvido  mal.  os  objectivos  que  as   movem.  Quando  assim  suceda.1) 2) 3) • • •     128.  O  dissenso  é  oculto  quando  as  partes  estão  falsamente  convencidas  de  terem  alcançado  o  acordo  sobre  o   contrato  sem  que  todavia  assim  tenha  sucedido.   .  como   pessoas  de  bem  -­‐  honestae  agere  -­‐  e  procurar  evitar  causar  danos  ao  seu  parceiro  negocial  -­‐  alterum  non  laedere.  Enquanto  as  partes  se  mantêm  em  negociação  com  vista  à  celebração  do  contrato  estabelece-­‐se  entre  elas  um  relacionamento   muito  particular.  O  sistema  alemão  de  aproveitamento  do  contrato   ainda  que  por  dissenso  pontual.     Artigo  227º  impõe  a  cada  uma  das  partes  em  negociação  que  proceda  segundo  as  regras  da  boa  fé.  O  consenso   O  momento  em  que  o  contrato  se  conclui.     A  doutrina  alemã  distingue  o  dissenso  total  do  dissenso  parcial.  Enquanto  subsistir  algum  dissenso  não  há  consenso  nem  se  dá  a  conclusão  do   contrato.  Os  deveres  de  boa  fé  na  negociação  têm  sido  tipificados  em:   deveres  de  protecção:  vinculam  as  partes  em  negociação  a  fazer  o  que  razoavelmente  estiver  ao  seu  alcance  para  evitar  ou  reduzir   danos  ou  custos  de  outra  parte   deveres  de  esclarecimento:  vinculam  as  partes  em  negociação  a  partilhar  os  dados  e  informações  com  relevância  para  a  apreciação   correcta  das  circunstâncias  do  contrato  e  das  qualidades  das  pessoas  envolvidas.  É  necessária  uma   referência  aos  padrões  de  comportamento  aceitável  e  exigível  vigentes  na  sociedade     II.  pode  suceder  que  uma  das  partes  não  tenha  ouvido.  o  contrato  não  se  conclui  -­‐  dissenso.  As  partes  em  negociação  colocam-­‐se  muitas  vezes  em  posições  de  fragilidade.  se  abstenha  de  a  informar  dessa  deficiência.     A  relação  jurídica  pré-­‐contratual  tem  como  conteúdo  as  vinculações  interpessoais  decorrentes  do  dever  de  boa  fé.  A  partir  do   momento  da  conclusão.  a  boa  fé  como  regra  de  conduta.  O  consenso  e  o  dissenso     a.  A  lei  não  põe  qualquer  limite  à  liberdade  que  as  partes  em  negociação  têm   para  colocar  sobre  a  mesa  outras  matérias.

 o  poder  de  rejeitar  decorre  da  autonomia  privada.  Assim.  A   unilateralidade  exige  que  seja  da  autoria  de  uma  parte  e  não  de  uma  pessoa.CC).   III-­‐  Neste  negocio  unilateral.  ou  até  sem  o  seu  conhecimento.  com  a  rejeição   renega  a  esse  direito.  sendo  sem  duvida  de  natureza  contratual  entre  as  partes.  Se  todavia  a  sua  actuação.  que  é  um  típico  negócio  jurídico   unilateral.  onde  cada  uma  das  partes  se  vincula.951º.  Noção     I-­‐  os  negócios  jurídicos  unilaterais  são  atos  de  autonomia  privada  que  são  da  autoria  de  uma  parte  apenas  e  que  a  vinculam  e  poem   em  vigor  uma  consequência  ou  uma  regulação  jurídicas.  distinguem-­‐se  dos  negócios  plurilaterais  ou  contratos   por  serem  de  autoria  singular.  o  que  constitui  uma  concessão  à  unilateralidade.  Exige  demonstração   convincente  de  que  a  parte  que  interrompeu  a  negociação  e  se  desinteressou  do  contrato  o  fez  de  um  modo  reprovável  e  com   violação  da  boa  fé.  por  força  do  princípio   da  Autonomia  Privada.  o  seu  autor  confere  unilateralmente   a  outra  pessoa  poderes  de  representação  voluntaria  para  a  prática  de  certos  atos  jurídicos  (art.  terá  a  parte  que  se  desinteressou  da  conclusão  do  contrato  de  indemnizar  a  outra  pelo   dano.  deve  essa  parte  indemnizar  o  interesse  contratual  negativo.  mas  não  fica  vinculado  a  faze-­‐lo.  o  beneficiário  possa  rejeitar  o  benefício  que  lhe  é  feito.  desde   que  ele  os  possa  rejeitar.  A   doação  pura  feita  a  incapaz  transfere  para  a  sua  esfera  jurídica  a  propriedade  da  coisa  doada  sem  o  consentimento  ou  conhecimento   deste  último.  No  entanto.  no  negócio  unilateral  a  parte   vincula-­‐se  e  a  regulação  negocial  é  posta  em  vigor  sem  o  concurso  de  uma  aceitação  ou  do  consenso  de  uma  outra  parte.  ou  outras  situações   jurídicas  ativas  indesejadas  que  por  força  do  negócio  jurídico  unilateral  forem  incluídas  na  sua  esfera  jurídica.  os   limites  estabelecidos  no  art.   .  deve   haver  lugar  a  responsabilidade  civil.   II-­‐Este  tipo  de  negocio  causa  dificuldades  teóricas  na  doutrina.  ao  romperem  as   negociações.  As  partes  em  negociação   mantém  sempre  a  liberdade  de  não  celebrar  o  contrato:  a  liberdade  contratual  negativa.  ainda  que  o  contrato  seja  plenamente  válido  e  eficaz.  salvo  se  for  estabelecido  na  lei.  A  violação  culposa  da  boa  fé  na  contratação  não  impede  a  conclusão  do  contrato  nem  prejudica  a  sua  validade  e  eficácia.       CAPITULO  IV     OS  NEGOCIOS  UNILATERAIS     130.262.  pode  ser  aceite  ou  rejeitada  pelo  beneficiário.  este  pode  r ejeitar  a   promessa.  do  contrato  celebrado  e  de  injustiça  interna  do  seu  conteúdo.  no  caso  da  instituição  de  herdeiro  ou  legatário  em  testamento.  essa  vinculação  funda-­‐se  no  dever  de  cumprir  o  prometido.  envolve  forçosamente  uma  stipulatio   alteri  que  constitui  na  esfera  de  um  terceiro-­‐  o  beneficiário-­‐  um  direito  sem  o  seu  consentimento.  a  faculdade  de  rejeitar  os  benefícios.  Se  a  invalidade   for  imputável  a  conduta  culposa  de  uma  das  partes.  Pelo  contrário.  estes  benefícios  feitos  a  terceiro  nada  repugnam  em  Direito.     VII.  exceto  preceito  especial  da  lei.  no  entanto  isto  é  redutor  pois  desconsidera  a  eficácia   não  obrigacional  dos  negócios  não  unilaterais.  quer  nos  restantes  negócios.  quer  sejam  unilaterais  ou  plurilaterais.  mas  será   possível  que  ele  possa  unilateralmente  constituir  situações  jurídicas  ativas  na  esfera  jurídica  de  outrem  sem  o  seu  consentimento?  O   contrato  em  beneficio  de  terceiro.  mas   não  pode  vincular  outrem  sem  o  seu  consentimento.447º.  de  uma  ou  ambas  as  partes.  contrária  à  boa  fé.  uma  vez  que  esta  está  habituada  a  encarar  o  negocio  jurídico  como   forma  de  contrato.  que  a  doação  pura  feita  a   incapaz  se  conclua  sem  aceitação.  A  ruptura  injustificada  das  negociações  constitui  um  acto  ilícito  quando  feita  com  violação  da  boa  fé.  não  vincula  terceiros  e  estes.  na  procuração  (negocio  unilateral).   total  ou  parcial.nº2.CC).  Mutatis  mutandis.  Os  limites   da  Lei.  direito.  Se  da  conduta   culposa  e  contrária  à  boa  fé  de  uma  das  partes  resultar  dano  para  a  outra.  O  contrato  é  um  ato  plural.  é  configurada  na  lei  como  um  contrato  para   cuja  conclusão  é  precisa  a  aceitação  do  donatário.   V-­‐  A  Autonomia  Privada  é  o  fundamento  da  vinculação  jurídica  quer  nos  negócios  unilaterais.  for  contrária  à  boa  fé  e  culposa.  A  contratação  defeituosa  abrange  os  casos  de  conclusão  meramente  aparente  do  contrato  por  dissenso  oculto.  prevê  que  no  contrato  a  favor  de  terceiro.  da  Moral  e  da  Natureza  são  os  que  se  impõem  ao  conteúdo  dos  negócios  jurídicos  unilaterais  (tal  como  nos  contratos).     O  negócio  jurídico  unilateral  vincula  o  seu  autor.  Por  ex.  o  autor  pode  vincular-­‐se  a  si  mesmo.  a  lei  não  deixa  de  admitir  (art.   III.   O  art.  têm  sempre.280ºss  aplicam-­‐se  a  todos  os  negócios.     V.  de  invalidade.   Um   contrato  plenamente  válido  e  eficaz  pode  ter  sido  negociado  e  concluído  com  violação  culposa  do  dever  da  boa  fé.   VI-­‐  Estes  negócios  costumam  ser  tratados  no  âmbito  do  Direito  das  Obrigações.  o  beneficiário  declara  que  não  rejeitará  o  direito  que  lhe  foi  atribuído.  Através  da  adesão.  ou  aderir  a  ela.       A  ruptura  injustificada  de  negociações  só  tem  como  consequência  a  responsabilidade  civil.     VI.   A  doação  por  exemplo  apesar  de  ser  tipicamente  uma  atribuição  patrimonial  unilateral.  pelo  menos  a  outra  de  tal  forma  que  essa  parte   não  se  pode  desvincular  do  contrato  sem  o  consentimento  da  outra  a  quem  se  vinculou.  o  procurador  fica  com   poderes  para  representar  o  principal.     O  dissenso  oculto  pode  ser  resultado  de  conduta  culposa  ou  contrária  à  boa  fé.  independentemente  da  concordância  ou  do  consenso  de  uma  outra  parte.   IV-­‐  o  autor  do  negócio  unilateral  pode  vincular-­‐se  unilateralmente  sem  prejudicar  a  autonomia  jurídica  de  terceiros.  o   dano  em  que  a  outra  tiver  incorrido  por  ter  celebrado  um  contrato  que  é  total  ou  parcialmente  inválido.  Os  deveres  de  boa  fé  na  negociação  e  na  conclusão  do  contrato  são  limitados  pela  razoabilidade.

457º  não  deve  ter  o  seu  âmbito  alargado  a  outros  negócios  jurídicos  unilaterais.  existem  ainda  aqueles  que  estão  contidos  em  títulos   impróprios.  no  entanto  deste  preceito  não  se  deve  concluir  sobre  a  tipicidade  de   todos  os  negócios  jurídicos  unilaterais.  mas  sim  sujeições.  não  são  originariamente  constituintes  das  obrigações  a  que  se  referem  e  que  têm   subjacente  uma  relação  fundamental  ou  relação  subjacente  que  lhes  constitui  a  respetiva  causa  civilis  obligandi.   Todas  as  promessas  de  prestações  unilaterais  presentes  em  títulos  de  crédito  têm  outras  relações  jurídicas  que  lhes  estão   subjacente-­‐relações  fundamentais-­‐  que  lhes  constituem  a  causa.  outras  apresentam  em  regime  de  causalidade  substancial  e  abstração   .  faz  referência  à  promessa  unilateral  de  cumprimento  e  ao  reconhecimento  de  divida  para  estabelecer  que. II.   Depois  daquelas  declarações  unilaterais  nuas  e  em  consequência  delas.CC  significa  que  as  declarações  e  promessas  unilaterais   a  que  se  refere  não  são  abstratas  mas  sim  causais.  tornaram-­‐se  usuais  os  documentos  confessórios  de  divida  em  que  o  devedor   suprimia  a  sua  causa.  unilaterais  e  nus.  consagrada  no  art.   As  promessas  de  cumprimento  e  de  reconhecimento  de  divida.   para  além  das  promessas  unilaterais  de  prestações.  inverte-­‐se  o  ónus  da  prova.  Mas  isto  não   significa  que  não  sejam  atos  de  autonomia  privada  com  eficácia  acrescida  em  relação  ao  regime  jurídico  das  obrigações  subjacentes.  ficando  o  devedor   onerado  com  o  encargo  de  demonstrar  o  contrário.   O  art.  este  artigo  impede  a  eficácia  jurídica  de  promessas  unilaterais   de  prestação  fora  dos  casos  previstos  na  lei.  presume-­‐se  a  causa.485º.  As  promessas  de  pagamento  e  os  reconhecimentos  de  divida.  Com  isto  pode  concluir-­‐se   que  não  são  a  promessa  de  cumprimento  ou  o  reconhecimento  de  divida.  quando  sejam   invocados  sem  indicação  da  respetiva  causa.  A  regra  do  art.  ou  seja  que  a  causa  não  existe.  No  que  toca  à   substancia.  com  frequência.457º.  podemos  questionar  a  natureza  negocial.  o  credor  fica  dispensado  de  provar  a  relação  fundamental  que  se  presumo  até  prova  em   contrario.457º.   Para  além  dos  negócios  unilaterais  que  estão  expressos  nos  títulos  de  crédito.  é  dispensada  a  invocação  e  aprova  pelo  credor  da  relação  subjacente  cuja  existência  e  licitude  se  presume  (o  obrigado   deve  avisar  sobre  a  sua  falta  ou  ilicitude.  Muitos  negócios  jurídicos  unilaterais  não  constituem  obrigações   mas  para  os  seus  autores.  que  constituem  a  fonte  ou  o  fundamento   jurídico.  As  que  não  estão  especialmente  previstas  na  lei   têm  regime  e  natureza  causal  jurídica  de  acordo  com  o  art.  O  negocio  declaratório  é  declarativo  na  parte   em  que  documenta  uma  divida  ou  uma  obrigação  emergente  de  ou  outro  titulo  constitutivo  que  lhe  é  subjacente.  são  mais  do  que  simples  instrumentos  de  documentação  ou  documentos  probatórios  das  obrigações  a  que  se   referem.  ou  cessou.  isto  é.  por  outro  não  são  os  seus  constituintes  originários.  e  aqueles  que  estão  inseridos  noutros  documentos  de  natureza  variada.457º  limita-­‐se  às  promessas  unilaterais  de  prestação.  são  entendidos  hoje  pelo  Direito  como  um  estatuto   ambíguo:  por  um  lado.  que  não  são  tipicamente  destinados  à  circulação.  do  qual  resulta  uma  obrigação.  Funda-­‐se  no  art.  A  adoção  desta  doutrina  não   parece  a  melhor.   O  alcance  do  art.   A  invocabilidade  de  exceções  ex  causa  pelo  devedor.  sem  ele.   Desde  o  ressurgimento  do  comércio  na  Idade  Média.  segundo  o  qual  a  promessa   unilateral  de  uma  prestação  só  obriga  nos  casos  previstos  na  lei.  pressupõem  e  exigem  a   existência  prévia  ou.  A   promessa  de  cumprimento  e  o  reconhecimento  de  divida.  a  constituição  ou  a  extinção  de  obrigações  não  são  os  únicos  efeitos  produzidos  pelos  negócios  unilaterais.  reconheça  uma  divida  ou  prometa   pagá-­‐la. A  modificação.    na  medida  em  que   não  são  invcocadas  as  relaçoes  jurídicas  fundamentais.     No  art.  mas  não  proíbe  o  intérprete  de  qualificar  como  tais  casos  de  promessas  unilaterais  de   prestações  que  estejam  previstas  na  lei.  O  resto  dos  negócios  jurídicos  que  não  sejam  promessas  unilaterais  de  prestações  não   são  abrangidos  pela  regra  deste  artigo.  até.I.  A  letra  do  art.  apenas  se  aplica  aqueles  negócios  que  correspondem  à  promessa   unilateral  de  uma  prestação  e  naquilo  em  que  lhe  correspondam.  é  ou  poderá  ser  incerto).  nem  de  qualificar  como  negócios  jurídicos  unilaterais  outros  negócios  que  não  constituam   promessas  unilaterais  de  prestações.  traduz-­‐se.   feitos  sem  a  informação  da  respetiva  causa.   Não  podemos  negar  que  as  promessas  unilaterais  de  uma  prestação  ou  do  cumprimento  e  os  reconhecimentos  unilaterais  de  divida.  Umas  apresentam  uma  abstração  substancial.  na  constituição  de  sujeições  e  de   direitos  potestativos.  Sempre  que  alguém  por  uma  declaração  unilateral  (sem  invocação  da  restiva  causa). III.458º)   Em  relação  à  forma.458º.  unilaterais  e  nus.  unilaterais  e  nus.       131-­‐  Promessas  unilaterais  nuas:  a  promessa  de  cumprimento  e  o  reconhecimento  de  divida     A  doutrina  predominante  atribui  uma  tipicidade  taxativa  a  estes  negócios.  estas  devem  apresentar  documento  escrito  e  obedecer  aos  restantes  requisitos  formais.  A   instituição  de  uma  fundação  (eficácia  constitutiva  de  uma  pessoa  coletiva)  e  a  procuração  (relação  de  representação)  produzem   efeitos  muito  mais  amplos.  ou  é  ilícita.  as  posições  jurídicas  do  credor  e  do  devedor  modificam-­‐se.  contemporânea  de  um  outro  negócio.  e  a  sua  negociabilidade  pode  ser  mais  ou   menos  intensa  conforme  a  declaração  unilateral  seja  mais  ou  menos  inovadora  em  relação  à  que  lhe  está  subjacente.  A  eficácia  dos  negócios  jurídicos  unilaterais.  não  são  apenas  uma  consequência  da  Lei.  a  causa  das  obrigações  a  que  se  referem.457º.  unilaterais  e  nua  que  tenham  natureza  abstrata.   reforçando-­‐se  a  posição  do  credor  que  passa  a  ter  um  título  executivo.  a  origem  da  pretensão  do  respetivo  credor  não  fica  prejudicada  pela  falta  de  demonstração  da  sua  causa. V.  através  do  argumento  de  que  nada  acrescentam  à  verdadeira  causa  da   obrigação  ou  que  não  contêm  uma  nova  estipulação  autónoma  da  que  constitui  a  relação  fundamental.   Com  este  regime.  os  negócios  cambiários).458º  encontram-­‐se  os  negócios  jurídicos  unilaterais  causais  que  têm  a  natureza  de  negocio  declaratório  e  de  negocio  de   acertamento  (tem  por  função  tornar  certo  algo  que.  é  constitutivo  na   medida  em  que  separa  e  autonomiza  um  débito  ou  um  credito  imergente  dessa  relação  subjacente  e  lhe  confere  um  diferente   regime  jurídico.   Estas  declarações  negociais  têm  algo  de  negocial.  encontram  o  seu   regime  jurídico  na  lei  que  especialmente  os  preveja  (por  ex.  recai  sobre  este  o  ónus  da  prova  das  exceções  causais  que  inferir  contra  o  credor).   No  art.  como  sucede  na  proposta  e  na  contraproposta  de  contrato.  estão  previstos  os  negócios  jurídicos  unilaterais  abstratos  que  estão  submetidos  a  varias  clausulas. IV.  que  pode  ser  um  contrato.

 Por  um  lado.  A  promessa  ao  público  (art.  CC.  não  tem  de  invocar  nem  de  provar  a  relação  subjacente.  em   principio.  ao  longo  dos  tempos.  dano  lugar  a  uma  flexibilidade  cada  vez  maior.  não  estão  submetidas  a  um  regime  de  numerus  clausus  e  apresentam  um  regime   causal.  pode  ser  um  negocio  jurídico  causal  ou  abstrato:   No  caso  dos  títulos  de  crédito  abstratos.  podemos  concluir  o  seguinte   em  relação  a  estes  artigos  (457  e  458):  o  457  aplica-­‐se  às  promessas  unilaterais  abstratas  e  a  relação  subjacente  não  é  invocável.  não  previstos  na  lei.  e  a  sua  natureza  e  regime  será  a  da  causalidade  substancial  com   abstração  processual.  No  caso  de  existirem  promessas  unilaterais  de  prestação  que  estejam  previstas  na  lei.  só  deve  ser  aplicado  a  promessas  unilaterais  abstratas.  Enquanto  o   458  se  aplica  às  promessas  unilaterais  causais  e  a  causa  é  presumida  mas  pode  ser  invocada  a  título  de  exceção  pelo  devedor.  CC  acautelam  os  limites  os  perigos  atinentes  ao  conteúdo  das  vinculações  atípicas  constituídas  em  negócios   jurídicos  unilaterais.  cabendo  ao  devedor  o  ónus  de  provar  as  exceções  emergentes.  em   que  alguém  subscreve  unilateralmente  uma  promessa  de  uma  prestação.  dos  direito  reais  (art.   No  caso  dos  títulos  de  credito  causais.   É  necessário  colocar  a  seguinte  questão:  qual  é  então  o  regime  jurídico  que  se  deve  atribuir  a  outros  casos.  a  perda  de  liberdade  para  as  pessoas  e  o  acréscimo  de  rigidez  que   traria  para  o  sistema.  previsto  no  art.     A  diferença  está  no  regime  de  invocação  da  relação  subjacente-­‐  das  exceções  ex  causa-­‐  que  nos  títulos  de  credito  abstratos  está.  no   entanto  o  devedor  pode  faze-­‐lo.280º  e  seguintes.  mas  permitem  a  sua  invocação  pelo  devedor.  no  qual   reconhece  a  divida  ou  jura  pagá-­‐la.  em  documento  escrito  que  entrega  ao  credor.   têm  a  natureza  e  regime  resultante  do  art.Ø Ø • • processual.     Estes  artigos  devem  ser  entendidos  no  sentido  de  que  as  promessas  unilaterais  abstratas  são  excecionais  e  só  obrigam  nos  casos   previstos  na  lei.  que  se  traduz  numa  mera  presunção  de  causa  que  inverte  o  ounus  da  respetiva  prova.  o  rigor  formal.  mas  que   esta  não  lhe  fixe  o  regime  jurídico.         132.  sem  nele   fazer  constar  a  respetiva  causa?  A  resposta  mais  razoável  parece  ser  aquela  em  que  as  promessas  unilaterais  de  prestação   especialmente  previstas  na  lei  têm  a  natureza  e  regime  jurídico  que  resulte  da  lei  que  as  prevê.  vedada.  sem  fazer  referencia  à  causa.  a   partir  da  relação  subjacente  e  com  fundamento  originário  nela.  importa  analisar  a  tipicidade  dos  negócios  jurídicos  unilaterais.  dos  contratos  (art.  da  relação  subjacente.  disto  conclui-­‐se  que  a  tipicidade  legal  taxativa  de  restringiria  às  promessas   unilaterais  de  prestação  abstratas.  ligados  pela   convenção  executiva.  confere  a  quem  vir  a  sua  esfera  jurídica  afetada  por  um  negócio  unilateral  alheio  o  poder  de  recusar  as   situações  ativas  ou  passivas  que  não  queira  e  que  dele  passem  para  a  sua  titularidade.  essas  promessas  e  declarações  unilaterais  são  negócios  declaratórios  e  de  acertamento  que.   Permitiria  a  constituição  de  vinculações  ocultas  e  de  regimes  jurídicos  pouco  claros.  as  declarações  e  as  promessas  cartulares  são  negócios  jurídicos  unilaterais  que  criam   direitos  distintos  e  separados  dos  que  advêm  da  relação  subjacente  mas  que  com  eles  mantêm  uma  relação  paralela.  ser-­‐lhes-­‐á  aplicado  o  art.  que  se  presume.405º).  que  se   presume.  Estabelecido  assim  o  irreversível  afastamento  da   tipicidade  taxativa  dos  contratos  privados.  onde  o  credor  que  invoca  a  promessa  está  dispensado  de  invocar  e  de  provar  a  relação  fundamental.  Nos  títulos  causais  o  credor.  a  tipicidade  taxativa  dos  negócios  jurídicos  unilaterais  é  um  anacronismo  residual  que  não  encontra  atualmente  um   fundamento  digno  de  justificar  a  agressão  da  Autonomia  Privada.   III-­‐  o  CC  contem  regras  quanto  à  tipicidade  das  promessas  unilaterais.1306º)  e  das   convenções  antenupciais  (1698º).  mas  não  inibe  o  respetivo  obrigado  de   poder  invocar  exceções  ex  causa  em  sua  defesa.  a  Autonomia  Privada  limita  o  poder  do  autor  do  negócio  jurídico  unilateral  de  perturbar  a  esfera  jurídica   alheia.  e  por  outro  lado.       133.457º.459º  a  462º)     .  As  regras  legais  injuntivas  em  relação  a  matéria  de  tipicidade  ou  de  atipicidade  devem  ser  interpretadas  de  modo  a  determinar  o   seu  conteúdo  e  os  regimes  e  critérios  jurídicos  que  delas  se  podem  retirar.   A  tipicidade  taxativa  dos  contratos  é  algo  que  faz  parte  dos  direitos  primitivos.   Existem  fundamentalmente  duas  ordens  de  argumentos  contra  o  numerus  apertus:     Permitiria  a  constituição  de  vinculações  com  um  conteúdo  injusto  ou  inadequação  sob  o  ponto  de  vista  económico-­‐social.  com  perigo  para  a  segurança  na  vida  jurídica  e  no   trafego  social.   II.  as  que  não  estiverem  previstas  na  lei.   O  art.  mas  autonomizam  a  conferem  um  diferente  regime  jurídico  a  direitos  que  têm  fundamento  (causa)  na  relação   subjacente.  não  criam  direito  completamente  novos  e  autónomos.   estas  promessas  que  estão  previstas  na  lei  só  obrigam  nos  casos  previstos  na  lei  e  as  promessas  unilaterais  nuas  que  não  estejam   especialmente  previstas  na  lei  dispensam  a  invocação  da  causa  pelo  credor.  portador  do  titulo.   Fazer  uma  referência  aos  títulos  de  credito  é  uma  forma  para  melhor  compreender  os  artigos  457º  e  458º:  o  ato  pelo  qual  o  devedor   de  uma  prestação  procede  à  subscrição  de  um  documento  escrito.  as  objeções  que  são  erguidas  contra  os  negócios  jurídicos  unilaterais  encontram  resposta  na  Autonomia  Privada  e  nas  suas   limitações.458º.  as  restantes  declarações  unilaterais  e  nuas  de  promessa  de  cumprimento  ou  de  reconhecimento  de  divida  não   especialmente  previstas  na  lei  como  abstratas.457º  estabelece  que  a  promessa  unilateral  de  uma  prestação  só  obriga  nos  casos  previstos  na   lei.  porque  não   são  abstratos.458º.  Assim.  a  solenidade  das  formas  e  a  tipicidade   taxativa  foi.  A   tipicidade  taxativa  e  o  regime  de  numerus  clausus.  que  entrega  ao  respetivo  credor  ou  à  sua  ordem.  O  art.  Os  regimes  de  tipicidade  taxativa  são  introduzidos  no  sistema  legal  por  razoes  de  cautela.  Atipicidade  dos  negócios  jurídicos  unilaterais     I.   Segundo  Heck.

 No  caso  de  não  ocorrer  nenhum  dos  dois   pontos  referenciados  anteriormente.  no  art.   VI-­‐  o  facto  de  o  autor  do  concurso  tal  como  os  concorrentes  estarem  vinculados  pelo  dever  da  boa-­‐fé.   A  decisão  sobre  a  admissão  dos  concorrentes  e  sobre  a  concessão  do  premio  cabe  exclusivamente  às  pessoas  que  para  isso  tenham   sido  designadas  no  anuncio  publico  do  concurso  ou.   IV-­‐  À  imagem  dos  concursos  administrativos  e  naqueles  que  apresentam  uma  maior  sofisticação  há  que  ter  em  conta  a  importância   de  3  elementos:   O  anuncio:  onde  o  autor  torna  publica  a  abertura  do  concurso  e  os  termos  em  que  nele  se  quer  vincular.230º).  Não  contem  um   tipo  de  negócio  jurídico.  estatui  duas  regras  injuntivas:   A  promessa  só  é  valida  qnd.463º  faz  referencia  a  concursos  públicos  para  estabelecer  que  a  oferta  da  prestação  como  prémio  de  um  concurso  só  é  valida   qnd  se  fixar  no  anuncio  publico  o  prazo  para  a  apresentação  dos  concorrentes  e  que  a  decisão  sobre  a  admissão  dos  concorrentes  ou   a  concessão  do  premio  a  qualquer  deles  pertence  exclusivamente  às  pessoas  designadas  no  anuncio  ou.  A  atribuição  do  premio  e  a  celebração  do  contrato  que  resultam  do  concurso  têm  uma  relevância  jurídica  própria  que  pode  ser   separada  e  autonomizada  da  que  é  especifica  do  concurso.   O  concurso  é  um  processo  onde  se  realiza  a  escolha  da  pessoa  com  quem  se  celebra  o  ato  e  a  determinação  final  do  conteúdo  do  ato   a  celebrar.  positivo  ou  negativo.  O  concurso  para  a  celebração  de  um  contrato  é  mais  importante  que  o  concurso  com  promessa  de  prémio  e  não  está  previsto  nem   regulado  na  lei.463º.  pois  constitui   apenas  um  dos  modos  de  contratar  em  leilão.  se  não  tiver  havido  essa  designação.  ao  dependendo  essa  vinculação  da  aceitação   ou  conhecimento  de  outrem.  No  entanto  o  regime  que  se  estatui   nele.  o  art.  O  concurso  para  a  celebração  de  um  contrato  corresponde  à  contratação  em  leilão  mas  não  o  esgota.  não  é  completo  e  não  tem  matéria  suficiente  para  possibilitar  a  celebração  do  negócio  por  referência.  da  imparcialidade  e  da  publicidade  devem  ser  respeitados  pelos  concursos.  o  art.     II.n2  estabelece  que  o  promitente  fica  vinculado  desde  que  emite  a  promessa.  A  imparcialidade  exigida  traduz-­‐se  assim  na  efetiva  não  interferência  nas  decisões   tomadas  no  concurso.  se  não  houver  designação.  se  da  interpretação  da   declaração  do  promitente  se  concluir  que  o  promitente  não  quer  fiar  desde  logo  vinculado.  tal  não  acontecerá.  este  art.  conhecíveis  de  todos  os  eventuais  interessados  e  de   todos  os  concorrentes.   Programa  do  concurso:  regras  em  relação  ao  procedimento  do  concurso  e  aos  critérios  de  decisão   Cadernos  de  encargos:  onde  são  afixadas  as  cláusulas  ou  parte  delas   V-­‐  Os  princípios  da  concorrência.  Por  um  lado  deve  ser  usada  para  conseguir  uma  maior  participação  de  todos  os  interessados  dentro  dos   limites  subjetivos  e  por  outro  lado  possibilita  uma  maior  transparência  que  constitui  um  meio  de  controlo  pelos  próprios  interessados   dos  procedimentos  concursais.  tem  a  natureza  de  um   negócio  jurídico  unilateral.  Esta  limitação  poderá  também  resultar  da  natureza  ou  do  fim  da  promessa.  pelo  que  o  seu  autor  fica  vinculado.  de  outros  fatores.   III.  pelo  menos.       134.  devendo  agir  de  acordo  com  os  padrões  de  comportamento  serio  e  honesto  vigentes  na   comunidade.  A  promessa  pública   tem  de  ser  feita  mediante  anúncio  público.  não  poe  haver   uma  verdadeira  concorrência  entre  eles.  de  esclarecimento  e  de  lealdade  que  são  exigíveis  tanto  na  preparação   .   A  igualdade  é  um  corolário  da  concorrencionalidade.  A  proposta  contratual  dirigida  ao  público  deve   satisfazer  os  seguintes  requisitos:  completa.  o  promitente  tem  a  possibilidade  de  a  revogar  a  todo  o  tempo.  com  ou  sem  justa  causa.  Refere-­‐se  apenas  a  concursos  públicos  para  a  atribuição  de  prémios.  Este  art.  são  determinados  livremente  pelo  autor  dentro  do  âmbito  da   autonomia  priva.  pois  sem  uma  igual  posição  de  partida  de  todos  os  concorrentes.459º.  Esta  regra  está  submetida  à  reserva  da  falta  de  declaração  em  contrario.  O  tempo  de  vinculação  poderá  ser  estabelecido  pelo  promitente  na   promessa.  demonstra  a  importância  do   princípio  da  boa-­‐fé  nos  concursos.  O  conteúdo  e  a  eficácia  da  promessa  são  determinados  pelo  promitente  dentro  do  âmbito  da   Autonomia  Privada.  Os   critérios  de  determinação  objetiva  e  subjetiva.  independentemente  de  um  consenso  ou  outro  ato  da  autoria  de   terceiras  pessoas.  o  CC.  Os  concursos     I.462º-­‐ineficacia  da  revogação).   ao  promitente.  Objetiva).460º  refere-­‐se  de   modo  erróneo  ao  prazo  de  validade  da  promessa.O   concurso  apela  à  concorrência  e  tem  como  objetivo  típico  promover  a  escolha  do  melhor  concorrente  com  a  melhor  proposta.   II.  O  critério  de  determinação  das   pessoas  admitidas  para  concorrer  deve  ser  objeto  de  publicidade  (aplicável  apenas  para  concursos  de  atribuição  de  prémios).  no  próprio  anúncio  público  do  concurso  for  fixado  um  prazo  para  a  apresentação  dos  concorrentes.  A  duração  da  vinculação  do  promitente  não  deve  ser  interminável.   A  imparcialidade  faz  a  seguinte  exigência:  não  devem  ser  tomadas  decisões  no  concurso  com  base  em  critérios  que  não  sejam   aqueles  que  foram  publicitados  como  tais.  A  promessa  pública  não  deve  ser  confundia  com  a  proposta  pública  (art.   A  publicidade  exige  que  os  atos  do  concurso  sejam  conhecidos  ou.  tem  como  destinatário  todas  e  quaisquer  pessoas  ou  uma   pluralidade  de  pessoas  determinadas  e  a  sua  eficácia  traduz-­‐se  numa  sujeição  do  proponente  à  aceitação  e  num  correspetivo  direito   potestativo  dos  destinatários  a  aceitar  a  proposta.  o  concurso  só  é  possível  quando  haja  uma  diversidade  de  pessoas  a  quem  a  atribuir  o  premio  (diversidade  subjetiva)  e   uma  diversidade  de  obras  ou  propostas  que  possam  ser  submetidas  a  concurso  (  div.  nos  concursos  privados.Ø Ø Ø Ø Ø I.   (art.  firme  e  ter  suficiência  formal.  são  negócios  jurídicos  unilaterais  através  dos  quais  os  seus  autores  prometem  publicamente  uma  prestação  a  quem  se  encontrar   numa  certa  situação  ou  praticar  certo  facto.  ao  promitente.    O  art.  Estes.   na  perspetiva  da  promessa  publica  de  um  premio.  da  igualdade.  devem  respeitar  os  deveres  de  proteção.  pois  o  que  está  em  causa  não  é  uma  questão  de  validade  mas  sim  do  limite   temporal  de  duração  da  vinculação  do  promitente  à  promessa.  para  alem  daqueles  que  tiverem  sido  estipulados  e  publicitados  perante  todos  os   concorrentes.  como  negocio  juridico  unilateral.

  A  construção  do  conceito  geral  e  abstrato  de  contrato  é  concluída  por  DOMAT  e  POTHIER.       135.  Importa  apenas  referir  que  são  negócios  jurídicos  unilaterais  e  têm  natureza  jurídica  de  propostas  ao  público.  A  doutrina  constitucionalista  reconhece  até   contratos  políticos.  do  Código  dos  Valores   Mobiliários.  abstratos  e  solenes  do  direito  Romano  clássico.   Teve  a  sua  origem  remota  nos  actos  formais.  Remissão     As  ofertas  públicas  de  distribuição  e  aquisição  de  valores  mobiliários  estão  previstas  nos  artigos  108º  ss.  na   medida  em  que  os  concorrentes  devem  intervir  no  concurso  em  posição  relativa  de  paridade  e  como  tal  devem  ser  tratados  pelo   autor  do  concurso.   Tipos  contratuais:   Compra  e  venda  –  874º  a  938º   Doação  –  940º  a  979º   Sociedade  –  980º  a  1021º   Locação  –  1022º  a  1036º   Parceria  pecuária  –  1121º  a  1128º   Comodato  –  1129º  a  1141º   Mútuo  –  1142º  a  1151º   Contrato  de  trabalho  –  1152º  a  1153º   Mandato  –  1157º  a  1184º   Depósito  –  1185º  a  1206º   Empreitada  -­‐  1207º  a  1230º   Renda  perpétua  –  1231º  a  1237º   Renda  vitalícia  –  1238º  a  1244º   Jogo  e  aposta  –  1245º   Transacção  –  1248º  a  1250º   “contrato  de  prestação  de  serviço”  –  art  1154º  a  1156  –  não  se  trata  de  um  contrato.  o  resto  está  na  pag  527)       137.  os  tipos  dos  contratos  de  mandato.  É  tradicional  na  Doutrina  incluir  no   conceito  de  contrato  uma  caraterística  segundo  a  qual  o  consenso  deve  corresponder  à  harmonização  de  interesses  contrários.  que  podem  ser  duas  ou  mais.  No  entanto.• • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • como  na  celebração  e  na  execução  dos  contratos  e  no  agir.  de  venda  e  de  troca.   com  necessárias  adaptações.  e  que  assim   regem  entre  si  os  seus  interesses  como  entendem  e  dentro  do  âmbito  da  autonomia  Privada.  As  ofertas  públicas  de  aquisição.   Estes  3  artigos  não  contém  um  modelo  regulativo  típico  e  limitam-­‐se  a  instituir  o  tipo  do  mandato  como  tipo-­‐padrão  paradigmático   da  disciplina  dos  contratos  atípicos  que  pertençam  à  classe  da  prestação  de  serviços.  e  que   inclui.  significava  o  conteúdo  da  vinculação  negocial.   Costumam  ser  tratados  como  matéria  do  Direito  das  Obrigações.  esta  categoria  não  corresponde  a  um  tipo.  não  são  apenas  fontes  de  obrigações.  Noção     Contratos:   são  negócios  jurídicos  bilaterais  ou  plurilaterais.  o  compromisso.  depósito  e  empreitada.  É  uma  classe  porque  não  contém  um  modelo   regulativo  típico.   Art  1165º  -­‐  estatui  que  os  contratos  de  prestação  de  serviço  que  a  lei  não  regule  especialmente  são  regidos  pelas  regras  do  mandato.  Tipos  de  contrato        O  contrato  como  conceito  geral  abstrato  não  consegue  exprimir  a  enorme  riqueza  regulativa  da  multidão  dos  contratos  que  são   celebrados  na  vida  jurídica  de  relação  e  que  têm  conteúdos  e  configurações  variadíssimos.  ou  acharem  importante.       CAPITULO  V     OS  CONTRATOS       136.     (se  quiserem  completar.  o  princípio  da  paridade  desempenha  também  um  papel  importante.   Originados  do  termo  latino  “contractus”.  entre  outros.   Têm  efeitos  reais  (compra  e  venda)   Têm  eficácia  constitutiva  de  novas  pessoas  colectivas  (ex:  a  sociedade  tem  efeitos  familiares  como  o  casamento)   Contratos  administrativos  de  direito  publico  –  têm  cada  vez  mais  relevância  no  direito.  como  os  acordos  de  revisão  constitucional.  mas   sim  a  uma  classe  de  contratos  que  se  caracteriza  por  ter  como  objecto  certo  resultado  do  seu  trabalho  intelectual  ou  manual.   .     Correspondem  a  acordos  ou  convenções  que  são  celebrados  entre  diferentes  partes.

 suscita  a  distinção  entre  os  tipos  contratuais  legais  e  os  tipos  contratuais  sociais.   Contratos  legalmente  típicos  mas  socialmente  atípicos.  como  tipo  legal  e  tipo  social.   Contratos  socialmente  típicos  –  correspondem  a  um  tipo  social.  Tipos  contratuais  –  são  modelos  de  contratos  que  se  celebram  reiteradamente  na  vida  de  relação  e  que  servem  para  referência  na   contratação  e  na  concretização  da  disciplina  contratual.   Contratos  típicos  –  correspondem  a  um  tipo  contratual.  introduzindo  modificações  com  vista  a  aperfeiçoar  a  justiça  contratual  ou  a  satisfazer  objectos  de  política   legislativa.       140.  permite  descortinar  as  influências  e  a  relacionação  entre  ambos.  pode  haver:   Contratos  que  sejam  legal  e  socialmente  típicos.  Os  tipos   contratuais  sociais  são  direito  consuetudinário.  Nesta  recolha.  Estes  modelos  permitam  que  se  contrate  por  referência.  os  tipos  sociais  que  lhes  estão  na  origem  e  que  constituem  o  seu  referente  substancial.  sem   necessidade  de  estipular  completamente  toda  aquela  regulação.   .     As  classificações  de  contratos  típicos  e  atípicos.     Os  tipos  normativos.     II.  A  partir  destes  (tipos  reais  normativos).  O  que  é  determinante  e  decisivo  para  concretização  e  o  exercício  jurídico  é  a  configuração  e  o  sentido.  A  existência  do  mesmo  tipo   contratual.  quando  correspondam  ambos  os  tipos  legal  e  social.  mas  que  são  também  portadores  de  critério  de  comportamento  e  de  decisão  que  têm  inerentes   critérios  de  dever-­‐ser  que.  Contratos  típicos  e  atípicos     Contratos  atípicos  –  não  correspondem  a  um  tipo  contratual.   As  regras  que  constituem  o  modelo  regulativo  do  tipo  foram  sedimentadas  progressiva  e  paulatinamente  pela  prática  das  partes  na   contratação  e  formaram  um  direito  contratual  consuetudinário  que  os  contratantes  conheciam  e  seguiam.  são  construídos  sem  o  recurso  à  modificação  ou  à   combinação  de  um  ou  mais  tipos  contratuais.  da  qual  são  recolhidos  e  com  a   qual  mantêm  sempre  uma  ligação.  vieram  a  ser  depois  recolhidos  pelo  Legislador  na  lei.       139.  mais  segura  e  mais   expedita  a  contratação.  usos  e   costumes  contratuais.  como  tipos  contratuais.  Quando  são  recolhidos  na  lei.   Tipos  legais  –  são  aqueles  que  constam  na  lei  e  que  aí  encontram  uma  disciplina.  têm  normatividade.  dispensando  as  partes  de   estipular  especificamente  uma  enorme  massa  de  regras  que  constam  no  modelo  regulativo  típico  torna  mais  fácil.   III.  Na  concretização  podem  ser  prescindidas  características  e  podem  também  ser   atendidas  outras.     Para  que  haja  um  tipo  contratual  social  é  necessário  que  a  pluralidade  de  caos  seja  reconhecida  no  meio  social  em  que  se  insere   como  uma  prática  estabilizada.  A  recolha  pelo  Legislador.  Nem  todos  os  tipos   sociais  são  recolhidos  pelo  Legislador  na  lei.  subjacentes   aos  tipos  legais.  na  vida  de  relação.  Contratos  mistos     a.   Contratos  que  não  correspondam  a  qualquer  tipo  social  ou  legal.  mas  não  exclusivamente  determinantes.   Uma  vez  que  os  tipos  legais  têm  subjacentes  os  tipos  sociais  que  lhes  estão  na  origem.       138.  nos  casos  raros  em  que  ao  tipo  legal  não  corresponda  um  tipo  social.  A  contratação  por  referência  ao  tipo.  vinculativa  e  suficientemente  completa  para  permitir  a  contratação  por  referência.  Contratos  puros  e  mistos   Os  contratos  atípicos  distinguem-­‐se  em:   Contratos  atípicos  puros  –  não  correspondem  a  qualquer  tipo  contratual.  tendencialmente  completa  e  suficiente  para  a   contratação  por  referência.   Tipos  sociais  –  são  os  modelos  de  contratos  que  existem  e  vigem  na  sociedade.  –  Estas  práticas.  quando  referem  na  lei  certos  tipos  de  relações  jurídicas.  mais  elástico  e  mais  próximo  da  vida)  fornece  critério  de  integração  e  de  concretização  ao  tipo  legal  na  decisão  de   casos  concretos.• • • • • • Muitos  outros  tipos  contratuais  estão  contidos  noutras  leis:  CC  e  CSC.   Conclusão:  as  características  que  compõem  os  tipos  jurídicos  estruturais  são  importantes.  redesenha  na  lei  os  correspondentes  tipos   legais.   para  o  juízo  de  correspondência  ou  de  concretização.  na  prática.  Os  tipos  de  contrato  são  tipos  normativos  –  são  tipos  que  nascem  da  realidade  e  da  prática  social.  o  Legislador  não  estava  obrigado  a   respeitá-­‐las  integralmente.  –  É   possível  quando  o  tipo  legal  é  integralmente  inventado  ou  importado  de  um  ordenamento  estrangeiro  pelo  Legislador.  não  deixam  de  continuar  a  existir  na  prática.  de  tal  modo  que  o  tipo   social  (mais  rico.  designam-­‐se  tipos  jurídicos   estruturais  –  são  construídos  pelo  Legislado  a  partir  da  realidade  (o  Legislador  recolhe  da  vidaos  tipos  de  comportamento  e  de   relação  que  estão  aí  imbuídos  de  dever-­‐ser).  O  tipo  contratual     I.   Contratos  legalmente  típicos  –  correspondem  a  um  tipo  legal.  com  consciência  geral  de   que  essas  regras  eram  próprias:  as  típicas  de  cada  contrato  e  com  a  convicção  da  sua  obrigatoriedade.  isto  é.  não  deve  ser  confundida  com  a  tradicional  classificação  dos  contratos  em  nominados   e  inominados.

 Aqui  não  existe  um  tipo  contratual  de  referência  que  forneça  ao  contrato  a  base  da  sua  disciplina.  nem  sempre  existe  um  tipo  claramente  dominante.  contêm  a  disciplina  de  referência  que  serve  de  padrão  na  contratação  e  que  fornece  critérios  de  comparação  e  de  decisão   de  casos  que  lhe  sejam  referíveis  directamente  (no  casos  dos  contratos  típicos).  assim.  contratos  de  tipo  duplo  e  contratos  mistos  em   sentido  estrito.   ANTUNES  VARELA  –  os  contratos  mistos  classificam-­‐se  em  contratos  combinados.  Assim.  o  caso  é  de  cumulação.     • .  deverá  o  contrato  ser  subsumido  às  normas  legais  concernentes  ao   tipo  dominante.  ainda  que  fora  do  âmbito  dos  tipos  contratuais  a  propósito  dos  quais  a  lei  os  regulamentos.  em  que  o  contrato  de  certo  tipo  é  o  instrumento   de  realização  de  um  outro.  ou  pela  modificação  de  um  tipo.  conforme  a  sua  construção  é  feita  pela   combinação  ou  mistura  de  dois  ou  mais  tipos.  sempre  que  num  outro  contrato  se  verifique  a  mesma  situação  de  facto  que   desencadeia  a  sua  vigência  no  tipo  de  origem.  também  legais.  como  a  doação  mista.  A  disciplina  concreta  desse  contrato  será  então  procurada  na  combinação  de   elementos  e  de  preceitos  legais  originários  de  diferentes  tipos  contratuais.  mas  não  são  frequentes.  existe  a   duplicidade  entre  a  estrutura  de  um  tipo  e  a  função  de  um  outro.   ação  tradicional:  contratos  mistos  combinados.   i.  consoante  o  número  de  tipos  de  referência.  são  contratos  que  são  formas   de  transição  entre  esses  tipos.  os  preceitos  legais  que  a  lei  aglomera  na  disciplina  dos  tipos   contratuais  legais  não  são  conjuntos  fechados.Contratos  atípicos  mistos  –  são  construídos  através  da  modificação  ou  mistura  de  tipos  contratuais.  Ex:  caso  em  que  uma  das  partes  cede  à  outra   uma  casa  para  habitação.   • Contratos  mistos  de  tipo  duplo  –  são  aqueles  em  que  uma  das  partes  se  obriga  a  uma  prestação  de  certo  tipo  contratual.  um  contrato  concreto  pode   encontrar  a  sua  disciplina  em  mais  do  que  um  tipo.  como  a  doutrina  tipológica.  Os  modelos  regulativos   típicos  podem  fornecer  critérios  de  decisão  também  a  aspectos  parcelares  de  contratos  e.  Ao  tipo  de  referência.  o  atomismo  e   a  transtipicidade  das  parcelas  do  regime  legal  dos  tipos  contratuais  são  postos  em  questão.  enquanto  a  outra  se  vincula  a  uma  prestação  unitária.  Sempre  que  num  único  contrato  se  concentrem  regimes  que  sejam  alheios  ao  tipo   legal.  Os  contratos  atípicos  são  geralmente  mistos.  triplo  ou  múltiplo.  mas  uma   pluralidade  de  tipo.  entende  os  contratos  mistos   como  atípicos  e  considera-­‐os  integrados  em  “organismos”.  Neste  caso.  A  absorção.  Como  formas  de  transição  que  são.     2) Teoria  da  combinação  –  proposta  por  HOENIGER.   Os  contratos  atípicos  puros  são  possíveis.  parte  da  constatação  de  que  nem  sempre  é  possível  determinar  o  elemento   principal  do  contrato.  na   qual  estipulam  o  necessário  para  modificar  a  disciplina  do  tipo  de  referência  de  modo  a  torna-­‐lo  apto  a  satisfazer  o  seu  interesse   contratual.  a  estrutura  própria  é   aperfeiçoada  de  modo  a  que  o  contrato  sirva  a  função  própria  de  um  outro  contrato  (no  caso  da  doação).  mas  da  conjunção  de   mais  de  um  tipo.  quando  as  diferentes  prestações  se  mantêm  independentes  e  com  um  peso   relativamente  equivalente.  repelem  a  aplicação  directa  da  lei.  Na  perspectiva  dos  mesmos.  Esses  preceitos  legais  e  “parcelas  de  regime”  são  transtípicos  e  podem  e  devem.   Ex:  a  doação  mista  –  é  um  contrato  que  se  situa  numa  posição  intermédia  entre  a  compra  e  venda  e  a  doação.  Ex:  contrato  entre  o   campista  e  parque  de  campismo.  de  mistura  de  parcelas  de  disciplinas  contratuais  previstas  na  lei  ou  de  tipos  contratuais  legais  com  parcelas  de  disciplina   legal  de  outros  tipos.  porque  tal  como  os  contratos  atípicos.  As  parcelas  de  regime  legal  de  cada  tipo  são  transtípicas   (podem  ser  aplicadas  para  além  das  fronteiras  do  tipo.  a  combinação.  mas  correspondem  à  regulamentação  legal  de  questões  diversas  que  frequentemente   surgem  a  propósito  daqueles  contratos.  como  modelos   que  são.  Os  tipos.  SCHREIBER  dá  um  passo  em  frente  e  construir  uma  nova   teoria:  a  aplicação  analógica.  sem  que  entre  si  se  possa  descortinar  uma  relação  de  acessoriedade.   • Contrato  misto  de  tipo  múltiplo  –  o  contrato  não  é  construído  a  partir  da  modificação  de  um  modelo  típico.  ser   aplicados  directamente  a  outras  relações  jurídicas  onde  surjam  situações  de  facto  ou  conflitos  de  interesses  típicos  que  preencham  a   sua  previsão.  acrescentam  uma  convenção:  pacto  de  adaptação.  O  contrato  serve  de  meio  ou  instrumento  conserva  a  sua  estrutura  própria.   Os  contratos  atípicos  geralmente  são  construídos  pelas  partes  através  de  modificações  e  combinações  de  tipos  contratuais.  O  contrato  pode  ser  de  tipo  duplo.  de  tipo  duplo  e  em  sentido  estrito:   A  classificação  tradicional  dos  contratos  mistos  assenta  o  seu  critério.   Nos  contratos  atípicos  puros.   • Contratos  mistos  em  sentido  estrito  –  são  aqueles.  isto  é.  Reage  contra  a  teoria  da  absorção  e  no  desenvolvimento  da  teoria  da  combinação.  SCHREIBER.       Tipos  contratuais  –  são  simplesmente  modelos  e  não  esgotam  de  modo  algum  a  matéria  contratual.  As  construções  de  RUMELIN  e  HOENIGER  assentam  na  análise  de  disciplinas  legais  de   contratos.  só  muito  remotamente  os  tipos  contratuais  podem  ter  alguma  utilidade.  ou  indirectamente  (nos  casos  dos  contratos  mistos).     • Contratos  mistos  –  são  contratos  atípicos  que  se  situam  numa  posição  intermédia  entre  tipos.  têm  semelhanças  e  diferenças  com  os  tipos  com  que  se   aparentam.     • Contratos  mistos  de  tipo  modificado  –  as  partes  elegem  um  tipo  contratual  que  desempenha  o  papel  de  instrumento  de  base  e  a  cuja   disciplina  típica  as  partes  se  referem  na  contratação.  de   pluralidade  de  contratos  e  não  de  contrato  misto.  integradoras  de  contratos  (típicos)  diferentes.  no  seu  conteúdo.   mas  a  contra  prestação  do  outro  contraente  pertence  a  um  tipo  contratual  diferente.  a  analogia  e  a  criação   Modos  de  concretização  da  disciplina  dos  contratos  mistos:   1) Teoria  da  absorção  –  atribuída  geralmente  a  LOTMAR.  sem  que  se  deva  estar  perante  uma  pluralidade  contratual. Classificação  tipológica:  contratos  mistos  de  tipo  múltiplo  e  de  tipo  modificado:   Doutrina  tipológica  -­‐  os  contratos  mistos  podem  ser  de  tipo  modificado  ou  de  tipo  múltiplo.     b.   • Contratos  mistos  combinados  –  são  aqueles  em  que  a  prestação  global  de  uma  das  partes  se  compõe  de  duas  ou  mais   prestações.  embora  não  correspondam  a   qualquer  deles.  em  troca  da  prestação  de  serviços  que  integram  como  o  contrato  de  trabalho.

 O  vínculo  de  ligação  entre  os  contratos  unidos  suscita  a  dúvida  sobre  a  pluralidade   contratual. A  união  extrema  e  alternativa.  será  necessário  recorrer  à  criação  de  uma  solução  concreta.  União  de  Contratos     I.         141.   • Absorção  –  é  a  mais  adequada  para  resolver  as  questões  emergentes  de  contratos  mistos  de  tipo  modificado  e  a  combinação  para  os   problemas  suscitados  pelos  contratos  mistos  de  tipo  múltiplo.  As  soluções  propostas  para  o  caso  pela  analogia  e  pela   criação  devem  depois  ser  comparadas  e  contrapostas.  Nestes  casos.  equidade.  Quando  não   seja  possível  descortinar  no  contrato  um  tipo  dominante.   .     3) Teoria  da  analogia  –     4) Teoria  da  criação  –            ESTÃO  A  CIMA  DESCRITAS     Conclusão:  para  que  haja  analogia  é  necessário  que  exista  caso  semelhante.   É  processo  de  concretização  que  protagoniza  a  fluidez  da  transição  entre  o  contrato  de  tipo  modificado  e  o  tipo  de  referência  que  vai   contribuir  numa  parte  para  a  disciplina  do  contrato.  Deverá  ser  ensaiada  uma  solução  criada  para  o   caso  do  modo  descrito.  A  estipulação   das  cláusulas  ao  tipo  não  transforma  um  contrato  típico  em  atípico.  são  úteis  para  estabelecer  os  limites  da  verdadeira  união  de  contratos.  quando  a  analogia  não  seja  possível.   A  absorção.  diligência  do  “bom  pai  de  família”).  a  absorção  é  impossível.   • Se  ainda  assim  não  se  conseguir  sanar  os  vícios  que  inquinem  a  solução  proposta  pelo  processo  analógico.   quando  excede  o  limite  de  elasticidade.  quando  não  existe.   .  –  Trata-­‐se  de  concretizar   princípios.  mas  não   deixa  de  ser  necessário  dar  solução  às  questões  suscitadas  e  impõe-­‐se  a  criação  para  o  caso  de  uma  solução  concreta  que  seja  justa  e   adequada.   Pode  ainda  distinguir-­‐se  em:     .     • Combinação  –  é  necessária  perante  os  contratos  de  tipo  múltiplo.  a  estipulação  adicional  transforma  o  contrato  atípico.  a  disciplina  contratual.  por  VAZ  SERRA  e  ANTUNES  VARELA.  Adapta-­‐se  bem  aos  contratos  de  tipo  modificado.  ou  reconstruir. Contratos  mistos  ≠  união  de  contratos   União  de  contratos  –  há  uma  pluralidade  de  contratos   Contratos  mistos  –  há  unidade  contratual     União  de  contratos  pode  ser:   • Interna  –  quando  entre  os  contratos  unidos  existe  um  vínculo  de  dependência  funcional.  mas  nunca   simultânea.  que  já  são  mais  atípicos  do  que  os  de  tipo  modificado.  Como  a  absorção  representa  a  vizinhança  dos  contratos  mistos  com  a   tipicidade.  União  com  dependência  unilateral  –  quando  o  vínculo  funcional  é  de  ordem  a  tornar  um  dos  contratos  dependentes  do  outro.  mas  é  raro  na  prática.  este  processo  de  criação  não  constitui  novidade  e  já  foi  proposto.  A  combinação  é  graduada  consoante  o  peso  específico  de  cada  tipo  de  referência  e  de  cada  parcela   desse  tipo  no  contrato.  será  necessário  construir   uma  solução  concreta  para  o  caso.       II.  É  rara  na  prática.  que  é  a  união  interna.  A  criação  fecha  o  círculo  iniciado  com  a  absorção.  de  modo  a  se  conseguir  o  aperfeiçoamento  da  analogia  até  que  a  solução  por   ela  proposta  deixe  de  sofrer  os  defeitos  de  injustiça.   Constitui  o  modo  natural  de  união  de  contratos.  cláusulas  gerais  e  “standards”  (boa  fé.  O  tipo  é  elástico  (tendo  limites)  e  suporta  a  estipulação  adicional.  como  se  nenhuma  possibilidade  de  analogia  houvesse.  ou  um  ou  o  outro.   Como  distinguir  os  casos  em  que  é  adequada  a  analogia  e  os  casos  em  que  esta  não  é  já  possível  e  há  que  recorrer  à  criação?   • Quando  a  solução  proposta  pela  analogia  for  intoleravelmente  injusta  ou  inadequada.  Este  tipo  de   união  é  concebível.   Contratos  de  tipo  modificado  –  são  os  mais  próximos  dos  contratos  típicos   Pacto  de  adaptação  –  é  uma  estipulação  como  qualquer  das  outras  que  as  partes  inserem  nos  contratos  que  celebram.   Para  a  Doutrina  portuguesa.  cláusulas  gerais  ou  standards  e  de  construir.  a  presença  dos   outros  obriga  à  combinação.  É  necessária  sempre  que  o  contrato  seja  efectivamente  atípico.  a  analogia  é  impossível.       • Alternativa  –  quando  a  relação  entre  os  contratos  é  tal  que  têm  vigência  alternativa.A  Doutrina  propõe  ainda  um  outro  processo  de  resolução  de  problemas  que  surjam  na  concretização  da  disciplina  dos  contratos   mistos:  a  “doutrina  da  criação”:  quando  falte  um  tipo  de  referência.   • Analogia  –  é  o  processo  próprio  se  o  contrato  for  realmente  atípico  e.  a  criação  é  o  modo  característico  de  concretização  da  disciplina  dos  actos  atípicos  puros.  dois  ou  mais  contratos  encontram-­‐se  titulados  no  mesmo   documento  ou  são  celebrados  simultaneamente.  União  com  dependência  bilateral  –  quando  o  vínculo  funcional  que  liga  os  contratos  é  de  molde  a  tornar  cada  contrato  dependente   do  outro.  a  analogia  e  a  criação  –  são  vários  processos  de  resolução  de  questões  problemáticas.  quando  há  um  tipo  preponderante.  embora  nenhum  vínculo  de  dependência  funcional  exista  entre  eles.  a  combinação.  a  conclusão  a  tirar  é  que  a   analogia  não  havia  e  que  a  solução  da  questão  terá  de  ser  aqueça  que  é  proposta  pelo  processo  de  criação.   • Externa  –  quando  esse  vínculo  não  existe.     União  extrema  –  chama  a  atenção  para  o  facto  de  a  contextualidade  e  contemporaneidade  não  acarretarem  necessariamente  a  união   interna.  mas   não  a  inversa.  com   base  nos  princípios.

 A  questão  nasce  sempre  de  uma  subsunção  falhada.  consoante  o  relacionamento  entre  ambos.  que  não  tenham  sido  previstas  e  estipuladas  nas  declarações  negociais.  O  que  conduziu  à  construção  de  uma  teoria  da  interpretação  e  da  integração  de  declarações  negociais.  foi  a   técnica  tradicional  de  decompor  o  NJ  nas  declarações  negociais  das  partes.     O  Legislador  plasmou  na  lei  um  sistema  no  qual  se  evidenciam  dois  traços  dominantes:   • A  interpretação  tem  como  objecto  as  declarações  negociais  e  não  os  NJ.  qual  o  pensamento.   A  superação  da  concepção  do  NJ  como  declaração  negocial  e  o  seu  entendimento  como  globalidade  complexa.  ou  como  contrato  misto.   A  integração  tem  assim  como  objecto  o  NJ  global.  como  modo  de  possibilitar  uma  teoria  que  possa  ser   comum  aos  NJ  unilaterais  e  aos  NJ  plurilaterais  (contratos).  no  processo  tendente  a  discernir.  a  tarefa  da  interpretação  consistia  numa  perspectiva  puramente  subjectiva.       III.   Assim  sendo.  sempre  integrar  o  conteúdo  e  o  sentido  do  negócio  como  globalidade.  acarretando  dificuldades.   As  posições  objectivas  surgiram  mais  tarde.  Isto  leva  a  que  se  trate  de  duas  tarefas   distintas.  a   classificação  é  de  união  de  contratos.  objectivas  e  subjectivas  correspondem  a  pólos  numa  série  de  posições  mais  subjectivistas  ou  mais  objectivistas   nas  quais  a  Doutrina  se  foi  situando.  Neste  sentido.  A  interpretação  das  declarações  negociais   Negócios  jurídicos  –  são  actos  de  autonomia  privada  através  dos  quais  as  pessoas  regem  entre  si  os  seus  interesses.     Pela  interpretação  deve  ser  discernido  o  sentido  juridicamente  relevante  do  agir  jurídico.  Esta  teoria  acaba  por  desconsiderar  o  facto  (nos  contratos)  de  ambas  as   partes  serem  simultaneamente  declarante  e  declaratário.  o  contrato  é  classificado  como  misto.  em  que  passem  a  ser  designadas  como:   • Interpretação  declarativa  –     • Interpretação  integrativa  –  representa  um  desenvolvimento  da  interpretação  declarativa  do  negócio  ou  do  contrato.  através  das   palavras  declaradas.     A  mera  interpretação  nunca  é  suficiente.  que  instituem  e  põem  em  vigor  regulações  queridas  pelos  seus  autores.  como  acção  de  autonomia  privada  e  como   globalidade  da  matéria  negociada. A  questão  de  classificação  de  um  acordo  contratual  como  contrato  misto  ou  como  união  de  contratos  surge  sempre  quando  a   estipulação  não  corresponde  bem  a  um  único  tipo  contratual  legal.  deveria   ser  interpretada  segundo  o  sentido  que  da  própria  declaração  se  depreendesse.  de  acordo  com  as  circunstâncias  do  caso.  impõe  que  se   conceba  a  interpretação  e  a  integração  numa  perspectiva  globalizante.  a  vontade  e  o  sentido  que  as  originou  e  que  lhe  está  subjacente.  na  hermenêutica  do  negócio.   A  interpretação  da  declaração  negocial  e  a  sua  integração  são  uma  tarefa  hermenêutica  unitária  e  devem  ser  feitas  em  relação  à   globalidade  do  NJ  ou  do  contrato  concreto  em  questão.   Estas  duas  posições.  Se  o  relacionamento  entre  os  tipos  não  permitir  a  separação.  já  não  existe  união  de  contratos  em  sentido  substancial.   Em  ambos  os  casos.  a  doutrina  tradicional  classifica-­‐a  como:  união   de  contratos.  Tem  lugar   quando  haja  dificuldades  de  compreensão  do  conteúdo  e  do  sentido  do  regulamento  negocial  global  quando  seja  necessário  discernir   critérios  de  solução  de  questões  dele  emergentes.   .  e  o  principal  representante  foi  DANZ.   .  A  integração  das  declarações  negociais   A  Doutrina  tradicional  distingue  em  interpretação  e  integração  a  tarefa  hermenêutica  de  compreensão  e  discernimento  do  sentido   dos  NJ.  a  união  de  contratos  só  existe   verdadeiramente  na  união  interna.  e  são  uma  união.  que  têm  uma  forte  unidade.  da  teoria  da  interpretação  e  da  interpretação  da  lei.  e  são  também  as  próprias   regulamentações  que  assim  foram  postas  em  vigor.  a  interpretação  tem  como  objecto  declarações  negociais  e  tem  como  função  a  fixação  do  seu  sentido   juridicamente  relevante.     b.  –  A  declaração  negocial  nesta  perspectiva.  a  determinação  do  conteúdo  negocial.  Interpretação  e  integração     a.  e  transcende  a  mera  fixação  do  sentido  juridicamente  relevante  das  declarações   negociais  dos  autores  do  NJ.   • Exprime  uma  tentativa  de  compromisso  razoável  entre  subjectivismo  e  objectivismo.  necessitam  de  interpretação.  Se  o  relacionamento  entre  os  tipos  for  tal  que  ambos  se  possam  subsistir  e  vigorar  como  contratos  completos  separados.  são  acções   humanas  com  sentido.   (ver  exemplos  pág  542  e  543)       CAPÍTULO  VI     INTERPRETAÇÃO  E  INTEGRAÇÃO  DOS  NEGÓCIOS  JURÍDICOS     142.     • Interpretação  –  tem  como  objectivo  a  declaração  negocial  e  como  finalidade  a  compreensão  do  seu  conteúdo  e  sentido   • Integração  –  tem  como  objecto  a  determinação  e  preenchimento  das  suas  lacunas.       Aqui  há  uma  transposição  para  o  NJ.   No  séc  XIX.   .   • Quando  a  matéria  contratada  se  subsuma  a  mais  de  um  tipo  contratual  legal.   Na  Doutrina  tradicional.União  alternativa  –  serve  para  enfatizar  que  nem  sempre  que  as  partes  acordem  em  dois  contratos  eles  virão  a  ter  vigência   simultânea.  sendo  preciso.  Nela  deve  ser  procurado  o  discernir  do   sentido  juridicamente  relevante  do  complexo  regulativo  que  é  o  NJ  como  um  todo.

 o  que  foram  os  negócios  durante  e  ao  longo  da  sua  duração  e  execução.       IV.   ANTUNES  VARELA  –  (PPV  concorda)  admite  que  a  gratuidade  são  duas  noções  extremas  que  não  bastam  para  “retratar  todas  as   categorias  de  situações  (típicas)  existentes  no  domínio  das  atribuições  patrimoniais.     Compra  e  venda  ou  troca  –  no  sentido  que  maior  equilíbrio  económico  consiga  entre  o  comprador  e  vendedor.  segundo  o  art  236º?   Ao  emitir  a  declaração.  em  termos  que  seja  lícito  afirmar  que  a  exclusão   .  a  atitude  negocial  que   perante  eles  foram  assumindo.  são  sim  dois  pólos  numa  serie  infinitamente  graduável.       Ex:  doação  –  a  dúvida  é  resolvida  no  sentido  que  for  menos  pesado  para  o  doador.  a  DN  deverá  ser  interpretada  de  acordo  com  a  vontade  do  declarante  sempre  que  mais  do  que  o   conhecimento.  sempre  que  haja   convergência  quanto  ao  sentido  subjectivo  e  quanto  ao  sentido  objectivo  das  DN.  (deve  haver  um  erro  na  numeração)   A  primeira  regra  de  interpretação  não  está  expressa  na  lei:  sempre  que  haja  consenso  das  partes.   Trata-­‐se  da  determinação  da  qual  foi  a  expectativa  que  o  mesmo  declarante.  Deve  formar  a  sua  declaração  de  modo  a   que  o  declaratário  real  a  compreenda  com  o  seu  verdadeiro  sentido.   O  preceito  do  art  deixa  por  resolver  os  casos  intermédios:  nem  todos  os  negócios  e  contratos  são  perfeitamente  gratuitos  ou   perfeitamente  onerosos.  O  critério  da  lei.  deverá  ser  resolvida  no  seu  sentido  objectivo  típico.  na  posição  do   declaratário  e  de  prever  como  é  que  este  último  irá  entender  a  declaração  que  lhe  vai  fazer.     III.  O  critério  primeiro  é  o  da  vontade  real   comum.   O  primeiro  critério  de  interpretação  é  a  vontade  subjectiva  comum  das  partes.  segundo  os  padrões  éticos  da  regra  de  ouro  e  do  imperativo  categórico.  agirá  culposamente  de  modo  a  que  o   declaratário  seja  induzido  em  erro  sobre  o  sentido  real  da  declaração.   Ao  proceder  à  interpretação  de  uma  declaração  negocial  controversa.  Critérios  legais     a.  deveria  ter  tido   razoavelmente  perante  aquela  declaração.  o  sentido  e  a  interpretação  que  surge  da  Natureza  das  coisas  é  aquele  que  constituir  a  expectativa  típica  que   decorreria  da  própria  declaração  do  declarante.   Art  236º/1  –  nele  contém  o  que  é  relevante  de  uma  declaração  negocial.  exista  consenso  nesse  sentido.  ou  de  declarante  e  declaratário.  art  10º  e  11º  DL  nº  446/85  de  25  de  Outubro.  O  sentido  objectivo  com  que  a  declaração  negocial  puder  ser  interpretada.  deve  ser  de  acordo  com  ele  que  esta  deve  ser  interpretada.   II.   posto  na  posição  de  um  declaratário.  Para  PPV  –  art  236º  -­‐  como  regra  geral  da  interpretação  das  DN  não  parece  concluir-­‐se  que  a  lei  portuguesa  tenha  tomado  partido   pela  doutrina  objectiva  da  interpretação.  Caso  não  o  faça.  com  essa  regra  pretendeu-­‐se  “oferecer  ao  juiz  um  critério   que  o  oriente  nessa  função  de  criar  normas  singulares  para  a  resolução  de  problemas  que  as  partes  não  conseguiram  elas  próprias   resolver”.   Regras  especiais  –  art  2188º  (interpretação  dos  testamentos).   II.  de   acordo  com  a  regra  do  236º/1.  O  juiz  terá  de  discernir  aquele  que  corresponder  à  expectativa  razoável  que  dele  teria  o  declarante.   A  segunda  regra  está  no  236º/2  CC.  como  o  modo  como  foram  executando  os  negócios  no  tempo.  A  relevância  do  carácter  gratuito  ou  oneroso  na  interpretação   Art  237º  CC  –  (contem  uma  regra  que  já  vem  do  art  685  do  CC  de  1867).  –  Aqui  a  declaração  será  interpretada  de  acordo  com  o  seu   sentido  objectivo.  o  declarante  tem  o  dever  de  boa  fé  (art  227ºCC)  de  se  pôr  na  posição  da  parte  contrária.  ao  atender  ao  sentido  objectivo  típico  com  respeito  pela  expectaviva  subjectiva  do  declarante.  com  respeito  pela  regra  de  ouro  e  pelo  imperativo  categórico.     b.  faz  prevalecer  o  sentido  subjectivo.  Essa  divergência.  mas  com  uma  limitação  subjectiva.  Regime  legal  da  interpretação  dos  NJ  –  art  236º  a  239º  -­‐  estabelecem  regras  gerais.       143.  estando  a  agir  em  culpa  in  contrahendo.  corresponde  a   uma  interpretação  de  acordo  com  a  Natureza  das  Coisas.  consoante  o  tipo  de   negócio  que  se  tratar.  está  assim  limitado  pela  razoável  expectativa  do  autor  da  declaração.  Como  é  determinado  o  sentido  objectivo  da  declaração.  O  critério  geral  do  art  236º  do  CC   I.   PPV  –  diz  que  o  critério  é  razoável  e  que  funciona  sem  dificuldades  sempre  que  se  trate  de  negócios  perfeitamente  gratuitos  ou   perfeitamente  onerosos.   A  gratuidade  a  onerosidade  não  são  qualidades  impermeáveis.   A  vontade  real  do  declarante  só  poderá  ser  desconsiderada  quando  o  sentido  objectivo  da  declaração  for  diferente  do  seu  sentido   subjectivo  e  o  declaratário  não  conhecer  o  seu  real  sentido  subjectivo.   sobre  o  sentido  da  declaração.  quando  seja  comum.     Art  236/2  –  exprime  o  princípio  “falsa  demonstrativo  non  nocet”.  como  acontece  muitas  vezes.  A  partir  de  uma  relação  entre  declarante  e  declaratário.  do  sentido  subjectivo  comum.  posto  na  posição  típica  do  declaratário.1) 2) 3) A  interpretação  integrativa  nos  NJ  que  não  sejam  instantâneos  (Nduradouros)  é  evolutiva  e  tem  de  levar  em  conta  não  só  o  que  as   partes  nele  estipularem  originariamente.  mesmo   que  o  sentido  objectivo  seja  divergente.   Por  maioria  da  razão.  o  tribunal  não  deverá  fixar  a  que  corresponder  à  impressão  do   juiz.  –  o  nº2  acrescenta.  ou  de  declarante  e  declaratário.  –  (relacionado  com  o  ponto  anterior)  Para  que  o  sentido  objectivo  prevaleça  sobre  o  sentido   subjectivo  da  declaração  é  necessário:   Que  sejam  divergentes   Que  o  declaratário  desconheça  a  vontade  real  do  declarante   Que  o  sentido  objectivo  não  contrarie  a  expectativa  razoável  do  autor  da  declaração.  Poderá  suscitar   divergência  mesmo  que  o  declarante  tenha  agido  sem  culpa.

 a   parciariedade.  para  o  que  será  muito   importante  a  consideração  dos  tipos  de  referência  e  das  cláusulas  atípicas  ou  de  adaptação  nos  contratos  atípicos  de  modo  a   encontrar  o  critério  que  resolva  o  conflito  de  interesses  das  partes.  no  entanto.   Quando  a  solenidade  da  forma  num  negócio  não  se  funde  em  exigências  de  publicidade.  A  interpretação  dos  negócios  formais   Art  238º  -­‐  contém  uma  regra  especial  para  a  interpretação  dos  negócios  formais.  as  pessoas  envolvidas  na  questão  da  interpretação.   Testamento  –  é  um  negócio  de  cariz  muito  peculiar:   Não  tem  por  função  vincular  o  seu  autor.  nem  perfeitamente  onerosos.  –  Aqui.  “Há  realmente.  na  ausência  de  circunstâncias  muito  especiais  (que  afectariam  o  carácter  perfeito  da  gratuidade)   que  o  sacrifício  viesse  a  cair  sobre  a  parte  beneficiada.     d.   .  o  terceiro  polo.     A  interpretação  do  testamento  deve  ser  subjectiva:  deve  haver  respeito  escrupuloso  pela  vontade  real  do  testador  em  tudo  aquilo   que  não  seja  contrário  à  Lei  imperativa  e  à  Moral.  ou  que  não  seja  impossível.     c.  numa  série  tripolar.  não  haverá  fundamento  para  a  objectivação  consagrado   no  238º/1.  aliviando  correspectivamente  a  parte  onerada.  de  modo  a  dar  solução  às  dúvidas  suscitadas.  a  determinadas  relações.     Art.  há  que  recorrer  à  interpretação  de   acordo  com  a  equidade.  dentro  da  zona  fronteiriça  das  duas  categorias.  existem  em  que  a  solenidade  da  forma  não  está  ligada  à  exigência  de  publicidade  e  não  tem  como  função  assegurar  a   cognoscibilidade  do  negócio  por  parte  de  terceiros.  na  publicidade.  A  razão  de  ser  deste  regime  especial  está  na  tutela   da  aparência  e  da  confiança  que  tenha  sido  ou  venha  a  ser  depositada  por  terceiros  no  sentido  objectivo  do  negócio.  mas  antes  dispor  sobre  o  destino  do  seu  espólio  para  depois  da  sua  morte.  exigem  uma  maior  objectivação  da   interpretação.   na  técnica  da  lei.  assentam  na  protecção  de  terceiros.   LEENEN  –  também  defende  a  polaridade  da  gratuidade  e  da  onerosidade.  2187º/1  e  2  CC.  nem  sempre  a  razão  de  ser  da  exigência  de  forma  está  ligada  à   protecção  da  aparência.  No  caso  de  contratos  atípicos  ou   menos  atípicos.  a  possibilidade  de.  embora  tal  possa  suceder  por  impulso  das  partes.  nem  afastada.  A  interpretação  dos  Testamentos   Art.   Conclusão:  os  critérios  deste  art  só  são  adequados  aos  casos  de  gratuidade  ou  onerosidade  perfeita.     As  exigências  legais  de  forma  dos  negócios  jurídicos  são  excepcionais  e  fundam-­‐se  na  necessidade  de  promover  a  ponderação  das   partes.  limitando  a  sua  aplicação  directa  aos  casos  de  onerosidade  e  gratuidade  perfeitas.  doação  puras).  de  certeza  de  segurança  do  tráfego  e  de  documentação.  A  interpretação  de  acordo  com  a  equidade   não  se  esgota  no  simples  critério  declarado  declarado  por  este  artigo.  a  solução  de  procurar  obter  o   equilíbrio  económico  das  prestações  é  uma  solução  caracteristicamente  equitativa.  desde  que  as  razões   determinantes  da  forma  do  negócio  a  isso  não  se  opuserem.     Ex:  Exigência  legal  de  escritura  pública  numa  compra  e  venda  de  um  imóvel  –  em  relação  à  qual  a  lei  pretende  que  qualquer  pessoa   esteja  em  condições  de  conhecer  o  conteúdo  do  contrato.  em  que  a  contrapartida  é  temperada  pelo  risco  do  negócio  e  pela  proporcionalidade.  exclusivos.  parece  apostada  em  desafiar  a  rigidez  do  pensamento  categorial  da  ciência  jurídica”.  Esta  intencionalidade  legal  de  publicidade  seria  frustrada  se  o  negócio  em   questão  pudesse  valer  com  um  sentido  e  um  conteúdo  que  fossem  inalcançáveis  pelos  terceiros  a  quem  se  pretende  assegurar  a   cognoscibilidade  do  contrato.  A  solenidade  do  negócio  está  ligada  à  tutela  de  terceiros  sempre  que  o  contrato  em  questão  seja  público.  por  conseguinte.  Assim.  acrescentando-­‐lhe  ainda.  também  neste  capítulo.  o  negócio  deverá  valer  com  o  sentido  subjectivo  decorrente  da  regra  geral.  Nos  negócios  onerosos.  de  acordo  com  a  equidade.  a  declarante  e  declaratário:  a  tutela  dos  terceiros  e  as  exigências  de  publicidade.  O  mesmo  critério  deve  informar  a  integração.  uma   solução  por  equidade  implicaria.  mesmo  pondo  de  lado  a   existência  das  chamadas  atribuições  neutras.   Deve  ter-­‐se  atenção  que  até  nos  casos  dos  negócios  jurídicos  formais.  que  não  sejam  nem  perfeitamente  gratuitos.  as  necessidades  de  certeza  e  segurança  do  tráfego  e  da  documentação.  alarga-­‐se  e  não  circunscreve  já  às  partes  ou.1) 2) • • de  uma  de  uma  delas  envolva  a  necessária  inclusão  da  outra  –  que  a  gratuidade  possa  ser  validamente  definida  através  do  puro   critério  negativo  da  ausência  da  onerosidade”.  237º  -­‐  não  levanta  problemas  na  interpretação  de  contratos  francamente  típicos  (compra  e  venda.  Nos  negócios  perfeitamente  gratuitos.     A  solenidade  da  forma  pode  não  ser  de  exigência  legal:   Pode  ter  sido  exigida  por  convenção  -­‐  forma  convencional   Pode  ter  sido  adoptada  espontaneamente  no  negócio  independentemente  de  uma  especial  exigência  da  lei  ou  de  convenção  –  forma   voluntária   Nestes  casos  a  solenidade  não  se  funda.  ou  a  interpretação   integrativa.  Para  além  da    ponderação  (fundada  no  interesse  dos  autores  do   negócio).  em  princípio.  serem  simultaneamente   aplicáveis  alguns  princípios  próprios  da  onerosidade  e  outros  específicos  da  gratuidade!”.     A  letra  deste  art  é  restrita  e  redutora.  e   esse  carácter  público  seja  fundado  na  necessidade  da  sua  publicidade  (os  terceiros  podem  consultá-­‐lo  e  conhecê-­‐lo).  “Não  está  demonstrado  que  a  gratuidade  e  a  onerosidade  sejam  conceitos   irredutíveis.   como  em  tantos  outros  do  Direito.   Art  237º  -­‐  pode  ser  desenvolvido  no  sentido  da  interpretação  de  acordo  com  a  equidade.  no  entanto  o   seu  espírito  é  rico  no  sentido.  para  dar  solução  directa  a  problemas  semelhantes  que  suscitem  na  interpretação  de  contratos   menos  típicos  e  atípicos.  é   insuficiente  na  singeleza  da  sua  letra.   Noutros  casos.  –  Quando  assim  é.  mas  antes  postula  uma  valoração  e  uma  ponderação   específicas  das  circunstâncias  especiais  que  acompanham  o  contrato  e  da  sua  equação  económica  concreta.  em  todos  os  casos  em  que  não  seja  posto   em  causa  o  conhecimento  ou  a  cognoscibilidade  por  terceiros  do  negócio.  será  a   álea  e  a  proporção.  uma  afloração  bastante  rica  de  figuras   com  laivos  aparentes  de  uma  e  de  outra”.   Espírito  do  237º  -­‐  o  sentido  que  lhe  é  imanente  é  o  de  recorrer  à  equidade.  “A  opulência  das  formas  criadas  espontaneamente  pela  vida  social.

 a   declaração  negocial  deve  ser  integrada  de  harmonia  com  a  vontade  que  as  partes  teriam  tido  se  houvessem  previsto  o  ponto  omisso.  de  ser  seguido  um  iter  rígico:   1º  Recorrer-­‐se-­‐ia  ao  direito  dispositivo.  para  ele.   Interpretada  esta  disposição  especial  como  disposição  especial  supletiva  da  lei.   As  circunstâncias  de  então  se  alteraram.   ou  de  acordo  com  os  ditames  da  boa  fé.  com  um  critério  fundado  simplesmente  na  lógica.  pela  qual  a  solução  imposta  pelos  ditames  da   boa  fé  seria  superior  à  da  vontade  que  as  partes  teriam  tido  se  houvessem  previsto  o  ponto  omisso.  que  terá  de  ser  cognoscível.  Aqui  é  determinante  a  protecção  da   parte  mais  fraca.• • • • • 1) 2) • • • • • • • • É  um  acto  destinado  a  valer  depois  da  morte  do  seu  autor.  teria  assim.     Leitura  simplesmente  literal  deste  art  –  parecia  haver  ainda  uma  segunda  hierarquia.  porque:   Ao  tempo  da  declaração  ela  não  se  lhes  afigurou  importante.  No  caso   de  não  aceitar.   No  art  10º  do  mesmo  DL  –  tem  uma  regra  que  impede  que  a  padronização  das  cláusulas  contratuais  gerais  se  traduza  na   padronização  também  da  sua  interpretação.  25  de  Outubro  –  o  critério  do  legislador  resulta  da  intencionalidade  legal  dominante  neste  DL.   DL  446/85.   Não  era  ainda  previsível.  podem  não  ter  estipulado  sobre  uma  questão.  exige  que  a  vontade  negocial  subjectiva  do  testador   seja  conforme  com  o  “contexto  do  testamento”  e  que  mesmo  sendo  admitido  o  recurso  a  prova  extrínseca  na  interpretação.   se  o  contrato  é  misto  ou  atípico   .  pareceria  que  as  incompletudes  das  disposições   negociais  deveriam  ser  supridas  pelos  preceitos  da  lei.  só  seria  de  integrar.   Na  contratação  padronizada.  a  parte  proponente  ou  oferente  impõe  aos  seus  clientes  estipulações  já  pré-­‐constituídas  e  sem   possibilidade  de  negociação  pela  outra  parte.  como  pela  integração.  segundo  a  qual.  na  falta  de  disposição  especial.  mas  sempre  dentro  do  contexto  de  cada  contrato  singular   em  que  se  incluam”   “As  cláusulas  contratuais  gerais  ambíguas  têm  o  sentido  que  lhes  daria  o  contraente  indeterminado  normal  que  se  limite  a  subcrevê-­‐ las  ou  aceitá-­‐las.   A  letra  deste  artigo  parece  apontar  para  uma  hierarquia.  não  pode  deixar  de  lhe  ser  aplicável  algo  do  que  é  característico  da  interpretação  dos   negócios  jurídicos  formais.  não  é  uma  questão  que  se  possa  resolver  de  princípio  com  uma  solução  de  aplicação  geral  e.  por  isso  mesmo.  de  protecção  do  cliente   (aderente)  tido  como  parte  mais  fraca.  quando  uma  outra  seja  a  solução  por  eles  imposta.  se  existissem.     e.  Segundo  este  preceito.  a  um  tempo  em  que  ele  não  poderá  já  dar  qualquer  contributo  ao   esclarecimento  do  seu  sentido   É  um  acto  que  terá  de  valer  perante  terceiros.  ela   tenha  de  ter  um  mínimo  de  suporte  textual.  –  É  nesta  perspectiva  que  o  preceito  do  art  2187º.   Em  qualquer  uma  das  razões.   A  deixaram  intencionalmente  em  aberto.  por  terceiros  e  que.   LARENZ  –  (…  -­‐  mt  resumido.  se  poderia  recorrer  à  vontade   presumida  ou  tendencial  das  partes.  na  falta  de  disposição  especial.  leva  a  uma  maior  objectivação  da  regulação  contratual.  recorrer-­‐se-­‐ia  à  vontade  conjectural  das  partes.   muito  menos.  não  negoceia:  impõe  à  contraparte  estas  cláusulas  que  podem  aceitar  ou  não.  A  interpretação  das  cláusulas  contratuais  gerais    Art  10º  e  11º  do  DL  446/85  –  lei  que  estatui  que  as  cláusulas  contratuais  gerais  são  interpretadas  e  integradas:   “de  harmonia  com  as  regras  relativas  à  interpretação  e  integração  dos  NJ.   Art  11º/2  do  mesmo  DL  –  traduz-­‐se  na  prevalência  do  “sentido  mais  favorável  ao  aderente”.   Os  declarantes  ou  as  partes.  segundo  este  preceito.  –  Daqui  surge  uma  maior  objetivação  que  se  vem  a  traduzir   em  duas  especialidades  de  regime:     Irrelevância  da  expectativa  do  declarante   Favorecimento  do  cliente   A  interpretação  objectiva  típica  é  imposta  ao  proponente  mesmo  que  este  não  possa  razoavelmente  contar  com  ela.  A  escolha  exige  um  juízo  concreto  e  uma  ponderação  individuada  em   que  se  tem  de  ter  em  atenção:   se  o  contrato  concreto  pertence  +/-­‐  a  um  tipo.   Massificação  da  contratação  padronizada  +  fixação  unilateral  do  texto  das  cláusulas  contratuais  gerais  pelo  proponente  =  vem   conferir-­‐lhes  características  muito  próximas  das  que  são  próprias  das  leis.   Se  este  não  houvesse.  o  negócio  não  é  concluído.  pág  561)  A  escolha  do  direito  dispositivo  ou  da  interpretação  integrativa  para  a  integração  das   incompletudes  da  estipulação.  Regras  sobre  a  integração  das  declarações  negociais   Art  239º  CC  –  fixa  critérios  para  a  integração  das  declarações  negociais.  pode  ser  necessário  integrar  a  regulação  que  as  partes  deixaram  incompleta.  quando  colocado  na  posição  do  aderente  real”   “Na  dúvida  prevalece  o  sentido  mais  favorável  ao  aderente”   A  natureza  própria  das  cláusulas  contratuais  gerais  como  estipulações  pré-­‐elaboradas  e  aplicadas  indiscriminadamente  na   contratação  em  massa.  especificamente  em  relação  a  cada  contrato  e  tendo  em  consideração  o  contexto  de  cada  contrato  singular     f.   A  incompletude  da  estipulação  negocial  pode  ser  reparada  tanto  pelo  direito  dispositivo.  -­‐  Na  integração  da  declaração   negocial.  mas  só  naquilo  em  que  esta  não  colidisse  com  a  solução   segundo  a  boa  fé.  deverá  ser  feita   caso  a  caso.  e  que  só  na  falta  de  lei  dispositiva.  O  legislador  não   se  preocupou  com  a  objecção  da  inimputabilidade  ao  declarante  de  uma  declaração  com  um  sentido  com  o  qual  ele  não  pudesse   razoavelmente  esperar.  é  um  acto  de   elevadíssima  solenidade  formal  –  Por  isso.  A  interpretação  das  cláusulas  contratuais  gerais.

  O  recurso  ao  modelo  regulativo  do  tipo  legal.  que  devem  reger  o  comportamento  das  pessoas  de  bem  no  agir  negocial.  –  Sempre  que  assim  seja.   Art  239º  -­‐  não  aponta  para  uma  hierarquia  de  três  critérios  de  integração  por  ordem  de  importância:  direito  dispositivo  do  tipo  legal.  As  definições  legais  dos  tipos  negociais     a.  As  estipulativas  são  constitutivas.   Definição  estipulativa  –  introduz-­‐se  um  símbolo  novo.  o    seu  plano  de   distribuição  de  risco.     b.   2º)  depois  deve-­‐se  partir  do  regulamento  negocial  efectivamente  posterior  em  vigor  e.  o  negócio  e  o  contrato  encontram  no  tipo  social  critério  de  integração.       CAPITULO  VII     A  QUALIFICAÇÃO  DE  NEGÓCIOS  JURÍDICOS       144.  O  direito  dispositivo  do  tipo  negocial  pode  deixar  de  contribuir  para  a   integração.  mas  sejam   socialmente  típicos.   O  direito  dispositivo  do  tipo  contém  as  estipulações  que  é  normal  serem  incluídas  no  negócio.   O  que  distingue:   Definições  lexicais  &  estipulativas  –  as  lexicais  são  simplesmente  declarativas:  limitam-­‐se  a  expor  o  significado  de  um  “quid”    sem   nada  lhe  modificar.  por  se  concluir  que  as  partes  não  teriam  querido  o  negócio  com  essa  disciplina.  sempre  convencionalmente.  salvo  se  se  concluir  que  as  partes  o  não  teriam  querido   celebrar  com  esse  conteúdo.  ao  desenvolvimento  do  regulamento  negocial.   que  com   ele  não  teriam  concluído  o  negócio.   “Ditames  da  boa  fé”  –  traduzem  uma  referência  ética  global  aos  padrões  de  honestidade  e  seriedade  exigíveis  para  o  agir  negocial  de   boa  fé.  nova  ou  não.  contidos  no  tipo  legal  e  no  tipo  social.  –  Seria  uma  violência  e  um  atentado  à  Autonomia  Privada  impor  contra  a  expectativa  das  partes   uma  regulação  a  que  estas  não  teriam  querido  vincular-­‐se.  mas  antes  a  vontade  que  todas  as  partes  no  negócio  teriam  concordante  e  consensualmente   tido.  a  equação  económica  do  negócio  que  nele  está  contido.   .  as  partes  podem  celebrar  o  negócio  por  simples  referência  ao  tipo.  O  tipo  social  pode  conter  regras  ou   critérios  que  sejam  hábeis  para  dar  a  solução  adequada  e  justa  à  questão  controvertida.   Este  é  o  modelo  de  negócio  que  o  legislador  escolheu  da  prática  e  que  construiu  na  lei.     Definições  explicativas  ou  redefinições  –  delimita-­‐se  e  precisa-­‐se.   –  Isto  justifica   que  na  falta  de  estipulação  especial  das  partes.   teria  tido  se  tivesse  previsto  a  questão.  Definições  lexicais.  O  problema  das  definições   O  valor  jurídico  das  definições  dos  tipos  legais  que  constam  na  lei.  restará  integrar  o  negócio  de  acordo  com  as  soluções   que  as  partes  teriam  negocialmente  construído  se  houvessem  previsto  o  ponto  omisso.  que  adoptaram  o  clausulado  típico  em  tudo  aquilo  que  não  modificaram.  a  partir  dele  proceder  ao  desenvolvimento  do   negócio.  o  significado  que  a  palavra  já  tem.   “Vontade  que  as  partes  teriam  tido  se  tivessem  previsto  o  ponto  omisso”  –  corresponde  por  uma  lado  ao  contributo  do  tipo  social   (usos  e  costumes  do  tráfego).• • • • • • • • e  de  qual  resulta  a  solução  mais  adequada  ou  mais  justa   Direito  dispositivo  do  tipo  –  é  o  complexo  regulativo  que  contém  ou  que  conforma  o  modelo  de  negócio  que  constitui  o  tipo  legal.  não  na  lei.  exprimem  o  modo  como  uma  palavra  é  usada  num  dado  grupo  social   e  numa  certa  época.  de  forma  a  tornar  mais  fácil  e  mais  segura  a   contratação.  –  É  normalmente  com   base  nesse  tipo  social  que  o  tipo  legal  é  construído  pelo  legislador.  que  pode  afastar  o  contributo  da  disciplina  do  tipo  legal  e  do  tipo  social  se  com  eles  colidir.  definições  estipulativas  e  redefinições   Definições  lexicais  –  enunciam  o  significado  de  um  certo  termo.  isoladamente  considerada.   a  boa  fé  e  a  vontade  hipotética.  e  por  outro  ao.  estipulando  diferentemente.  pois  criam  o  significado  que  atribuem  ao  definido.  As  partes  não  são  obrigadas  a   adoptar  aquelas  regras  e  podem  modifica-­‐las.  de  acordo  com  o  seu  sentido  e  a  sua   justiça  interna.  com  a  justiça  interna  do  negócio.  nos  usos  e  costumes  do  tráfego.  a  compatibilização  de  interesses  que  envolve.  para  o  honeste  agere.  não  deixam  na  maior  parte  das  vezes  de  ter  subjacente  à  regulamentação  legal  o  tipo  social   que  corresponde  ao  modelo  de  disciplina  que  têm.  pode  o  tipo  social   contribuir  para  a  integração  do  regulamento  do  negócio  e  do  contrato.  metendo  uma  palavra  nova  para  um  objecto  desconhecido  ou  empregando   uma  palavra  já  existente.     Referência  a:   “Disposição  especial”  –  corresponde  ao  contributo  do  direito  dispositivo  do  tipo  legal.   No  recurso  ao  tipo  para  a  integração  dos  negócios  jurídicos.  presume-­‐ se.  são  discutidos:  as  definições  legais  têm   sido  vistas  com  antipatia   pelos  jurísticas.  sempre  que  as  partes  contratam.  o  seu  conteúdo  típico.  e  a  maior  parte  da  Doutrina  desvaloriza  o  valor  jurídico  das  definições  legais.  Mesmo  quando  não  sejam  legalmente  típicos.  É  para  a  construção  deste  consenso  negocial  hipotético  que  é  necessário  fazer  apelo  à  boa  fé  (art  239º).  quem  boa  fé.  sem  terem  de  estipular   todas  as  cláusulas  que  a  lei  já  contém  formuladas  de  um  modo  considerado  adequado  e  equilibrado.  deixa  de  ser  justificado  quando  se  conclua  que  as  partes  o  não  teriam  querido.   mesmo  quando  são  legalmente  típicos.  de  um  modo  novo  para  indicar  uma  coisa  diversa.  é  necessário  fazer  ainda  uma  precisão.  A  interpretação  deste  preceito  suscita   algumas  considerações.   Faltando  as  regras  e  os  critérios  típicos.  Os  negócios  e  os  contratos.  quer  dizer.  No  entanto.  se  recorra  ao  modelo  regulativo  típico  assumindo  que  nele  se  mantém  o  conteúdo   que  as  partes  teriam  normalmente  estipulado.   Perante  o  modelo  negocial  típico  da  lei.   1º)  deve  atentar-­‐se  que  com  ele  se  não  pretende  investigar  a  vontade  negocial  que  cada  uma  das  partes.  mas  na  prática.

  A  qualificação  traduz-­‐se  assim  num  juízo  graduável  e  ponderado  de  maior  ou  menos  correspondência.  tratado  por  LARENZ)  –   normalmente  este  método  não  é  usado  na  qualificação:  a  cultura  e  a  experiência  do  autor  da  qualificação.  O  modelo  regulativo  do  tipo  dá  sempre  um  contributo   importantíssimo  para  a  disciplina  do  negócio  julgado  típico.   A  forma.  muito  dificilmente  as  definições  serão  totalmente  lexicais:  não  é  fácil  encontrar  uma  definição  jurídica  que  consiga   exprimir  totalmente  a  verdade  do  definido.  por  sua  vez.   Processo  de  qualificação  próprio  da  doutrina  dos  “elementos  do  negócio”:  a  verificação  da  existência  do  negócio  de  todos  os   elementos  essenciais  do  tipo  determina  a  qualificação  e  esta.   A  estipulação  do  tipo.   O  objecto.  o  Legislador  evita  a  fluidez  de  fronteiras.  e  têm  também  algo  de  constitutivo.   A  configuração.     Os  mais  comuns  são:   A  causa  (entendida  objectivamente  como  função).    Os  índices  do  tipo   A  comparação  necessária  à  qualificação  é  feita  com  recurso  a  índices  do  tipo.     São  plurais.   A  recondução  de  um  negócio  a  um  tipo  negocial  implica  a  sua  qualificação  como  negócio  desse  tipo.  como  efeito  jurídico  a  disciplina  negocial  completa.  O  juízo  predicativo  é   um  juízo  de  correspondência  que  opera  na  base  da  semelhança.  –  Esta  questão  tem  a  ver  com  o  modo  de  ser  do  juízo  predicativo  em   que  a  qualificação  se  encerra.  Na  metodologia  tradicional:  esta   qualificação  vai  possibilitar  a  subsunção  desse  negócio.   A  qualificação  de  um  certo  negócio  jurídico  como  desde  ou  daquele  tipo  tem  consequências  determinantes  no  que  respeita  à   vigência  da  disciplina  que  constitui  o  modelo  regulativo  do  tipo.  na  distinção  e  na  comparação.     c.     .  Não  existem  um  traço  distintivo  único  capaz  de  individualizar.  para   fazer  emergir.  nem  disciplinar  a  cultura  ou  aprisionar  o  pensamento  jurídico.  A  qualificação  como  juízo  predicativo   Qualificação  –  é  um  juízo  predicativo  que  tem  como  objeto  um  negócio  jurídico  concretamente  celebrado  e  que  tem  como  conteúdo   a  correspondência  de  um  negócio  a  um  ou  mais  tipos  negociais.  permitem-­‐lhe  dispensar  a   comparação  exaustiva  com  todos  os  tipos  de  negócio  previstos  na  lei.     Geralmente.  ao  tipo  legal.  –   Não  cabe  ao  Legislador  impor  doutrina  ou  legalizar  conceitos.  É  aos  casos   mais  frequentes  ou  médios  que  as  definições  são  construídas  pelo  Legislador  que  lhes  introduz  precisões  e  restrições  delimitando   com  maior  certeza  o  campo  de  aplicação  da  disciplina  do  tipo  legal.  pelo  menos  como  ponto  de  partida.   A  contrapartida.  distinguir  e  servir  de  critério  de  comparação  de  todos  os   tipos  negociais.  A  semelhança  permite  apenas  a  qualificação  como   correspondência  ao  tipo.  a  vigência  dos  elementos  naturais.   É  a  do  modo  de  ser  a  ligação  entre  o  caso  e  o  tipo  selecionado.  as  definições  jurídicas  são  explicativas  ou  redefinições:  porque  partindo  da  realidade  do  definido  lhe  introduzem  alguma   modificação  que  as  aproxima  mais  de  um  ou  de  outro  dos  pólos.  o  Legislador  não  está  a  emitir  um  juízo  cientifico  sobre  o   conceito  e  natureza  daquele  contrato.  restringirem  ou  alargarem  o  significado  do   definido.  bem  como  os  graus  e  o  modo  de  ser  dessa  correspondência.   As  qualidades  das  partes.  nem  a  fixar  legal  e  autoritariamente  doutrina  que  condicione  e  obrigue  a  ciência  jurídica.  ao  modificarem.  Síntese   As  definições  legais  dos  tipos  negociais  correspondem  à  conceptualização  e  ao  fecho  dos  tipos  sociais  correspondentes.  para  o  distinguir  dos  outros  tipos  e  para  o   comparar  na  qualificação  e  na  concretização.     São  características  que  dão  alguma  contribuição  útil  na  individualização.  Esta  comparação  suscita  2  questões:   É  a  da  escolha  dos  tipos  candidatos  à  qualificação  (tem  semelhanças  com  o  da  “escolha  da  norma  aplicada”.  assumindo  como  facto  jurídico.  naquilo  em  que  partem  da   realidade  do  “quid”  definido.     O  fim.• 1) 2) • • • • 1) 2) 3) 4) 5) 6) 7) 8) 9) Definições  explicativas  ou  redefinições  –  são  intermédias  entre  as  outras  porque  têm  algo  de  declarativo.  A  qualificação       a.  colocado  como  normal.     145.  E  muito  dificilmente  serão  estipulativas:  não  é  fácil  encontrar  definições  jurídicas  que  não   se  liguem  à  realidade  do  definido.   No  direito.     b.  A  correspondência  entre  o  caso  e  o  tipo  é  graduável  e  poderá  ser  maior  ou  menor.  (Semelhança  –  é  uma  qualidade  intermédia  entre  a  identidade  e  a   diferença  e  comporta  uma  zona  de  igualdade  e  uma  zona  de  desigualdade).   Índices  do  tipo:   São  aquelas  qualidades  ou  características  que  têm  capacidade  para  o  individualizar.   O  sentido.   (Ex:  art  980º  -­‐  pág  567  e  repetição  na  pág  568)   Ao  alargar  ou  ao  restringir  uma  definição  legal  de  um  tipo  contratual  legal.   A  qualificação  legal  traz  sempre  um  processo  de  relacionação  e  de  comparação  entre  a  regulação  negocial  subjectiva  estipulada  e  o   ordenamento  legal  objectivo  onde  o  catálogo  de  tipos  negociais  se  contém:  o  negócio  a  qualificar  tem  de  ser  comparado  com  o   modelo  regulativo  de  um  ou  mais  tipos  negociais  e  com  o  sentido  que  lhes  é  imanente.  Deste  modo.

 como  na  generalidade  dos  tipos  sociais.  vão  ser  influenciados  determinantemente  pela  sua  tipicidade  ou  atipicidade.     Só  no  que  concerne  aos  tipos  negociais  legais  é  que  é  possível  um  juízo  binário  de  tipicidade  em  termos  de  decisão  sobre  se  o   negócio  é  legalmente  típico  ou  atípico.   Negócios  atípicos  mistos  –  o  contributo  dos  modelos  regulativos  típicos  terá  de  ser  encontrado  nos  tipos  de  referência.  é  um  contrato  típico  ou  atípico.     Se  o  tipo  tiver  limites  imprecisos  ou  fluidos.   Se  for  legalmente  atípico.  de  acordo  com  o  seu  sentido  e  a  sua  justiça   interna.   é  necessário  compará-­‐los  e  aferir  qual  o  mais  justo  e  mais  adequado.  Pode  acontecer  que  os   resultados  não  sejam  diferentes.  A  importância  dos  tipos  de  referência  e  dos  tipos  padrão.  os  casos  menos  típicos.   Mesmo  quando  os  negócios  são  julgados  atípicos.     d.  o  tipo  social.  mas  limita-­‐se  a  responder  se.   Negócios  legalmente  atípicos  –  não  é  possível  um  juízo  binário  de  tipicidade  que  responda  à  pergunta  sobre  a  tipicidade  ou   atipicidade.  pode  fornecer  dados  preciosos  para  a  concretização  do  regime  do   negócio  concreto.  se  é  típico  ou  não.  porque  só  os  tipos  negociais  têm  limites  definidos.  embora  ainda   dentro  do  tipo.  qual  o  modo  da  sua  relevância.  etc.  as  semelhanças  e  dissemelhanças  entre  o  caso  e  o  tipo.  devem  ser  postos  frente  a  frente  e  comparados  os  respectivos  resultados.     I.   Juízo  secundário  de  qualificação  –  é  feito  numa  perspectiva  de  certeza  e  segurança.   .  mas  sim  sobre   se  é  +/-­‐  típico  ou  +/-­‐  atípico.  Não  é  possível  porque  os  tipos  extralegais.  Este  juízo   suporta  ou  afasta  a  operação  da  subjunção.  A  resposta  dada  por  este  juízo.1) 2) • • 1) 2) • • • • • • • • o o o c.     O  juízo  secundário  ao  informar  o  intérprete  e  o  aplicador  do  Direito  sobre  se  o  negócio  é  típico  ou  atípico.       Se  for  legalmente  típico  –  encontrarão  esse  modelo  regulativo  nos  preceitos  dispositivos  da  lei.  mas  socialmente  típico  –  encontrarão  o  seu  modelo  regulativo  nos  usos  e  costumes.  dentro  das  fronteiras  do  tipo.  O  juízo  primário  e  o  juízo  secundário   A  qualificação  desdobra-­‐se  nestes  dois  juízos.  Relevância  da  tipicidade  ou  atipicidade.  No  caso  de  serem  diferentes.  coloca-­‐se  em  termos  acentuadamente  diferentes  quanto  aos  tipos  negociais   legais  e  aos  tipos  negociais  extralegais  ou  sociais.  porque  só  em  relação  a  estes  é  que  se  coloca  a  questão   da  aplicabilidade  de  uma  disciplina  legal.  A  utilização  do  juízo  secundário  nestes  tipos.  mas  não  dispensa  o   juízo  primário:  porque  este  dá-­‐lhe  a  possibilidade  de  discernir.  injuntiva  ou  dispositivamente.  permite  ao  intérprete  ou  aplicador  do  Direito   discernir  as  diferenças  e  dissemelhanças  que  existam  entre  o  contrato  a  qualificar  e  o  tipo.   Juízo  secundário  –  permite  apenas  discernir  sobre  a  correspondência  ao  tipo.   Se  o  tipo  tiver  fronteiras  precisas.  É  um  juízo  de  semelhança  que  não  dá  uma  resposta  certa  sobre  se  o  contrato  é  típico  ou  atípico.  em  relação  aos  negócios  típicos.   Juízo  primário  –  permite  a  ordenação  no  tipo.  Não  é  necessário.  como  consequência  da  qualificação  e   que  exija  uma  decisão  binária  de  sim  ou  não.  se  são  francamente  típicos.  como  na  generalidade  dos  tipos  legais.  A  correspondência  ao  tipo  e  a  ordenação  no  tipo   Destes  dois  juízos.  o  juízo  secundário  torna-­‐se  possível.   Os  negócios  típicos  têm  um  modelo  regulativo  típico.  que  pode  ter  uma  disciplina  na  lei  (negócios  legalmente  típicos)  ou  não   (negócios  socialmente  típicos).  sim  ou  não.  resulta  a  dualidade  entre  a  correspondência  ao  tipo  e  a  ordenação  no  tipo.  subjacente  ao  tipo  legal.  Permite  ao   intérprete  e  aplicador  do  direito  discernir  se  o  contrato  a  qualificar  está  dentro  ou  fora  dos  limites  do  tipo.  A  concretização  e  o  desenvolvimento  do  regulamento  do  negócio  e  do  contrato.  O  critério  último  de  decisão  é  sinéptico  no  seu  êxito  na   concretização  da  solução  mais  justa  e  mais  adequada  ao  caso  concreto.   Quando  o  negócio  seja  típico  –  a  interpretação  e  a  integração  encontram  muito  do  seu  critério  no  modelo  regulativo  do  tipo.   A  principal  dificuldade  que  se  coloca  na  qualificação:  ajuizar  se  um  certo  negócio  é  típico  ou  atípico.   Negócios  atípicos  mistos  –  têm  ainda  na  sua  proximidade  os  tipos  legais  e  sociais  a  partir  dos  quais  foram  construídos.  os  tipos  sociais.       146.  não  lhe  fornece  toda  a   informação  que  necessita  para  a  concretização.   Na  qualificação  dos  contratos  devem  ser  utilizados  ambos  os  juízos.   É  o  juízo  primário  que  lhe  permite  discernir.  o  juízo  secundário  não  é  possível.   Só  em  relação  aos  tipos  negociais  legais  é  que  é  necessário  esse  juízo  binário.  porque   não  existe  um  modelo  regulativo  legal  que  lhes  seja  aplicável.  em  determinados  aspectos.  como  consequência  da  qualificação  do  negócio  como  legalmente   típico.  ainda.   Negócios  legalmente  típicos  –  têm.  naqueles   tipos  que  se  encontram  mais  próximos.  Dá-­‐lhe  o  critério  para  a  analogia.  na  maior  parte  dos  casos.  Ou  se   existem  diferenças  e  particularidades  que  exijam  a  adaptações  e  modificações  na  concretização.  Não   permite  discernir  semelhanças  e  diferenças.   A  questão  do  juízo  de  tipicidade  ou  da  qualificação.  se  corresponde  ou  não  ao  tipo  legal.   Após  utilizados  ambos  os  juízos.     Negócios  atípicos  puros  –  não  existem  qualquer  tipo  que  dê  modelo  à  sua  disciplina.  Estes  negócios  são  raros:  a  maior  parte  dos   negócios  atípicos  são  mistos.  mas  também   não  é  necessário:  porque  dele  não  resulta  a  aplicação  subsuntiva  de  um  regime  legal.   É  a  partir  desta  dificuldade  que  exige  a  distinção  entre  os  dois  juízos:   Juízo  primário  de  qualificação  –  é  um  juízo  de  natureza  tipológica.  injuntiva  ou  dispositiva.  fluida  e  gradativa  e  é  feito  numa  perspectiva  de  justiça  e  de   adequação  materiais.     Os  negócios  atípicos  podem  ser  puros  ou  mistos.  designadamente  na  integração  e  na  determinação  de  conceitos  indeterminados  e  de  cláusulas  gerais.  continua  a  ser  útil  discernir  se  a  sua  diferença  em  relação  ao  tipo  é  muito  ou  pouco   importante.  o  modo  como  o  são.  é  um  juízo  binário  de  sim  ou  não.  também.  não  têm  limites  definidos.  tendo  assim  uma  operação  de  qualificação  com  particular  segurança.

 indicam  o  tipo   contratual  legal  cuja  disciplina  ordenam  a  recepção  e  prevêem  a  adaptação  da  regulação  recebida.  O  seu  conteúdo  é  mais  amplo  nesta  perspetiva.   O  objeto  imediato  referia  a  disciplina  instituída  pelo  negócio  jurídico.  as  partes  não  precisam  de  clausular  mais  do  que  a  identificação  da  coisa  e  o  seu  preço.   É  importante  distinguir  o  objeto  do  conteúdo.  Distinção  entre  conteúdo  e  objeto       A  doutrina  mais  antiga  (anterior  ao  CC  de66)  defendia  uma  noção  ampla  de  objeto  do  negócio  jurídico  que  abrangia  a  de  objeto   propriamente  dito  e  o  seu  conteúdo.  Nas  limitações  que  neles  são  feitas.       148.  não   existirá  sequer  um  direito  dispositivo  típico  que  possa  contribuir  para  a  interpretação  e  para  a  integração.   consoante  ele  seja  mais  ou  menos  típico.  Nesta  perspetiva  é  possível  distinguir  entre  o  que  é  formalmente  clausulado  no  negócio  e  o   que  vem  resultar  dessa  estipulação  como  regulamento  negocial   A  diferença  entre  o  conteúdo  numa  perspetiva  formal  e  p.  coloca-­‐se  como  prévia  a  consideração  de  que  os  tipos-­‐ padrão  são  aplicáveis  por  remissão  legal  e  não  directamente.  não  significa.   Numa  perspetiva  substancial.  não  exista  no  modelo  regulativo  do  seu  tipo  legal  ou  social.  Identificam  a  classe  de  contratos  ou  de  regulação  a  que  se  referem.280º.  com  o  conteúdo  que  estes  lhes  quiserem  dar.  o  que  varia  são  as  perspetivas:   Numa  perspetiva  formal.  as   partes  precisam  de  clausular  relativamente  pouco  (por  ex:  na  compra  e  venda  de  uma  coisa  móvel  com  pagamento  da  totalidade  do   preço  e  entrega  da  coisa  no  ato  do  contrato.  As  remissões  destes  preceitos  são   modeladas  por  “cláusulas  de  adaptação”.  o  objeto  (objeto  mediato)  é  a  coisa  que  é   comprada  e  vendida.   Tem  como  consequência  que  o  contrato  em  questão  é  suficientemente  diferente  do  tipo-­‐padrão  para  não  ter  sido  qualificado  como   desse  tipo  e  que  essa  diferença  é  suficientemente  relevante  para  levar  a  lei  a  reconhecer  a  necessidade  de  adaptar  a  disciplina  do   tipo-­‐padrão.  ou  eu  entrar  em  vigor  com  a   sua  celebração  por  fazer  parte  do  respetivo  tipo  negocial.  O   seu  conteúdo  é  essa  regulação  que  os  seus  autores  puseram  em  vigor  e  nos  termos  do  qual  se  autovincularam.  uma  regulação   adequada  a  reger  a  questão.  No  caso  em   que  recebam  alguma  disciplina  dos  tipos-­‐padrão.  E  pode  também  acontecer  que  o  contrato  seja  atípico  quer  legal  ou  socialmente:  se  assim  suceder.  só  por  si.  em  alguns  negócios  o  clausulado  pode  ser   mais  completo  do  que  noutros.  Tal  facto  postula  uma  diferença  justificativa  da  sua  não  aplicação   directa.   II.     Para  Manuel  de  Andrade:  “podemos  distinguir  aqui  o  objeto  imediato  ou  conteúdo.   .  Poe  exemplo  numa  compra  e  venda.   Conclusão:  O  recurso  aos  tipos-­‐padrão  para  a  interpretação  e  integração  dos  negócios  jurídicos  não  pode  ser  feita  rigidamente  e  tem   de  levar  em  consideração  a  diferença  entre  o  caso  e  o  tipo.  exceto  apenas  aquilo   que  a  lei  regular  injuntiva  ou  dispositivamente  pata  todos  os  negócios  jurídicos.1) 2) 3) Ø Ø Ø Ø Pode  acontecer  que  mesmo  que  o  negócio  seja  típico.  o  conteúdo  dos  negócios  jurídicos  é  formado  pela  estipulação  das  partes.  O  conteúdo  dos  negócios  jurídicos     Os  negócios  jurídicos  numa  perspetiva  substantiva  material.  que  tem  a  ver  com  o  quid   sobre  que  recaem  aqueles  efeitos”  foi  esta  noção  ampla  que  inspirou  a  redação  do  art.   Nos  negócios  atípicos  puros.  é  esta  coisa  que  é  o  objeto  stricto  sensu  da  compra  e  venda.  os  efeitos  jurídicos  a  que  o  negocio  tende.  o  seu  conteúdo.  Os  tipos  padrão  podem  também  influenciar  a  interpretação  e  a  integração  dos  NJ.  legal  ou  social.     Capitulo  VIII     O  CONTEUDO  DOS  NEGOCIOS  JURIDICOS     147.  isto  é.  Esta  diferença  varia  também  conforme  o  negócio  seja  típico  ou  atípico  do  contrato.  essa  recepção  deve  ser  feita  com  escrupuloso  respeito  pelo  sentido  próprio  do   contrato  concreto.CC.  dentro  dos  limites  da  autonomia  privada.  através  de  uma  adaptação  que  tem  de  ser  feita  caso  a  caso.  principalmente  nos  francamente  típicos.  isto  é.  isto  é.   Remissões  imperativas  no  CC  para  tipos-­‐padrão:  (pág  575)   Art  588º     Art  939º     Art  1156º   Estes  três  preceitos  têm  estrutura  análoga.   Só  faz  parte  do  conteúdo  do  negocio  jurídico  a  regulação  ou  disciplina  que  for  estipulada  diretamente.   conforme  as  declarações  de  vontade  das  partes  e  a  lei  aplicável.   O  facto  de  um  regime  jurídico  constar  da  lei.  pelo  conjunto  de  cláusulas   que  nele  forem  inseridas.  ou  tenham  querido   regulamentar  diretamente  essas  matérias.  Nos  negócios  típicos.  as  partes  têm  a  necessidade  de  clausurar  praticamente  toda  a  disciplina  negocial.  são  atos  de  autonomia  privada  que  põem  em  vigor  uma  regulação   jurídica  vinculante  para  os  seus  autores.   deixando  o  resto  para  o  direito  dispositivo  da  lei).  que  não  faça  parte  do  conteúdo  do  negocio  jurídico.  Distinguindo  depois  esse  objeto  em:   Objeto  mediato:  seria  o  que  hoje  se  entendo  por  objeto.  é  a  disciplina  jurídica  instituída  e  posta  em  vigor  pelo  contrato.     O  conteúdo  do  negócio  é  apenas  um.  o  seu  conteúdo  corresponde  à  regulação  que  as  partes  criaram  através  do  negócio  e  puseram  em  vigor   como  direito  vigente  na  Ordem  Jurídica.  Conteúdo  (objeto  imediato)  dessa  mesma  compra   e  venda  é  a  auto-­‐regulação  estipulada  entre  comprador  e  vendedor.  o  quid  sobre  o  qual  incide  a  disciplina  negocial.  Esta  diferença  que  impediu  a  qualificação  do  negócio  como  do  tipo-­‐padrão  é  despicienda  e  não  pode  ser  desconsiderada.  consoante  as  partes  tenham  confiado  mais  a  sua  disciplina  ao  direito  dispositivo.substancial  é  o  reflexo  da  diferença  entre  o  clausulado  e  a  regulação   negocial.  e  o  objeto  mediato  ou  objeto  stricto  sensu.  atípico.  Normalmente  o  conteúdo  do  negócio  é  mais  amplo  do  que  o  seu  clausulado.  ou  seja.  ou  mais  ou  menos.

 assumido  e  aceite  atualmente  numa  sociedade  dada.  a  sua  derrogabilidade  ou  inderrogabilidade  pelo   negócio.   determina  que  o  negócio  que  for  celebrado.  não  deve.281.  da  sua  juricidade.  Em  caso  de  duvidas.  o  preceito  ou  o  regime  jurídico  em  questão  terá  natureza   legal  heterónoma  e  não  fará  parte  do  conteúdo  do  negocio.  são  vários  os  preceitos  legais  que   limitam  essa  liberdade  de  estipulação  como  por  ex.  (art.  será  o  negócio  a  ceder  (ex:  art.  ela  é  determinante  e  impositiva  ao  nível  da  criação  do  Direito.  Tem  por  finalidade  situar  dentro  ou  fora  da  área  do   permitido.  O  art.  sobre  a  regulação.  é  necessário  deduzir  da  natureza  injuntiva  ou  dispositiva  do  preceito  legal  em  questão.     a)  Não  contrariedade  à  Lei   A  não  contrariedade  à  lei  constitui  o  primeiro  critério  do  juízo  de  mérito.  “Os  bons  costumes”  referidos  no  art.  ou  seja.  dentro  da  sua  lógica  própria.  à  ordem  publica  e  aos  bons  costumes  será   nulo.  não  significa   que  a  lei  se  auto-­‐superiorize    em  relação  ao  negocio.  ela  condiciona  e   impõe-­‐se  simultaneamente  na  constelação  axiológica  própria  da  “Humanitas”    global  ou  de  cada  sociedade  concretamente   considerada.  o  juízo  de  mérito  não  incide  sobre  o  conteúdo  as  mas  sim  sobre  com  que  os  seus  autores  o  celebraram.  Pertencem  ao  conteúdo  do  negócio   jurídico  e  têm  natureza  negocial.  398.  é  um  juízo  de  licitude.  Não  deixam  de  ser  lícitos  se  forem   moralmente  indiferentes  ou  neutros.  este  juízo.  mas  antes  uma  exigência  da  Ideia  de   Direito.  na  interpretação  e  concretização  das  regulações  contratadas.  O  art.  Neste  caso.   Com  a  licitude  do  conteúdo.1307º.280º).  por  ambas  as  partes.  no   conflito  entre  ambos.CC  é  um  dos  vários  exemplos  onde  são  impostos   limites  à  contrariedade  da  lei.   Pode  ocorrer  que  seja  a  lei  a  determinar  a  sua  natureza  injuntiva  e  nestes  casos  é  claro  que  a  lei  se  superioriza  ao  negócio  e  que.  constituem  os  critérios  do  bem  e  do  mal.   Não  é  verdade  que  a  superioridade  da  lei  sobre  a  estipulação  negocial  ocorra  sempre.   de  um  modo  geral  pode-­‐se  dizer  que  tem  natureza  negocial  os  preceitos  cuja  disciplina  faz  parte  do  modelo  regulativo  do  tipo   negocial.  ou  seja.  como  ele  atua  ao  nível  da  interrogativa  “quid  jus”  já  antes  de  atuar  ao  nível  da  concretização  do  “quid  júris”.   Quando  a  lei  não  definir  expressamente  se  é  de  carater  injuntivo  ou  dispositivo.  é  na  Ordem  Publica  que  o  intérprete  deverá  procurar  o  critério  de  decisão.280º.nº2).   A  moral  condiciona  a  liberdade  de  fixação  negocial  de  conteúdos  vinculantes  mas  fá-­‐lo  de  um  modo  diferente  da  lei.  é  preciso  esgotar  todos  os  meios  de.  aos  níveis  interpretativo.  Tal  afirmação  é  confirmada  pelo  art.  ao  nível  de  cada  pessoa.  se  evitar  a   .  e  que  essa  disciplina  se  integra  harmónica  e   funcionalmente  no  modelo  regulativo  do  negocio.   A  moral  revela-­‐se  numa  dupla  dimensão:   Por  um    lado  é  um  conjunto  de  valores  que.  os  artigos  405º.  só  os  negócios   imorais  são  proscritos  não  sendo  necessária  para  a  sua  validade  que  sejam  normalmente  positivos.405º.CC  é   uma  expressão  que  deve  ser  entendida  como  referência  à  moral.  280.  como  fim  contrario  à  lei.  na  sua  modificação  por  usura  ou  por  alteração  de  circunstâncias.   A  exigência  moral  não  se  resume  apenas  a  fundar  o  juízo  de  validade  ou  invalidade  mas  também  se  coloca  ao  nível  das  negociações  e   atuações  pré-­‐contratuais.   Se  se  concluir  que  a  sua  razão  de  ser  não  é  de  ordem  publica  mas  de  ordem  privada.  A  ilicitude   (que  culmina  na  nulidade)  do  fim  só  afeta  a  validade  do  negócio  se  for  comum  a  todos  os  seus  autores.  294  que   admite  que  a  contrariedade  entre  a  lei  e  o  conteúdo  do  negócio  não  tenha  como  consequência  a  nulidade.  É  normal  que  a  lei  seja  clara  em  determinar  o  seu  carater   dispositivo.  e  nos  casos  em  que  isso  aconteça.  Nem  sempre  o  carater   injuntivo  ou  dispositivo  da  lei  rege  sobre  o  conteúdo  do  negócio  resulta  da  própria  lei.  há  que  questionar  a  ratiojuris  do  regime  ou  do  preceito  em  questão:   Se  se  concluir  que  a  sua  razão  de  ser  vem  de  imperativos  de  ordem  publica.  Devem-­‐se  considerar  injuntivos  os  preceitos   legais  de  ordem  pública.     A  existência  de  limites  jurídicos  à  liberdade  de  construir  o  conteúdo  dos  negócios  jurídicos  postula  um  juízo  de  mérito  em   relação  a  cada  negócio  que  se  celebra.  os  regimes  jurídicos  cuja  vigência  é  tributária  da  autonomia  privada  e  não  da  heteronomia  legal.  resulte  d  apropria  lei.   A  submissão  dos  negócios  jurídicos  e  do  seu  conteúdo  à  Moral  não  é  um  efeito  da  lei.  dentro  da  área  própria  da  autonomia  privada.  isto  é.  sobre  a  disciplina  posta  em  vigor  no  negócio  por  força  da  autonomia  privada.  ela  influencia  o  modo  como  se  entente  e  conhece  o   Direito  e.     b)Não  contrariedade  à  moral   O  segundo  critério  do  juízo  de  mérito  concretiza-­‐se  na  não  contrariedade  à  moral.  na  sua  execução  e  cumprimento.  diferente  da  nulidade.  o  juízo  de  mérito  incide  sobre  o  conteúdo   do  negócio  jurídico.   Os  preceitos  da  lei  que  estatuem  em  relação  ao  conteúdo  dos  negócios  jurídico  nem  sempre  são  normativamente  mais  fortes  que  as   cláusulas  que  com  eles  colidam  ou  sejam  incompatíveis.  Estes  preceitos  podem  ser  injuntivos-­‐  sobrevalem  às  cláusulas  negocias  que   os  contradigam-­‐  ou  dispositivos-­‐  não  sobrevalem  às  cláusulas.  A  validade  dos  negócios  jurídicos  só  é  posta  em  causa  pelo  juízo  de  moralidade  se  este  for  negativo.  através  de  expressões  como  “salvo  convenção  em  contrario”  ou  outras  semelhantes.  De  acordo  com  o  art.  e  bem   assim.  então  dever-­‐se-­‐á  concluir  que  essa  disciplina  faz   parte  integrante  do  conteúdo  negocial       149.  integrativo  e  de  concretização.  quando  a  lei  não  tenha   carater  imperativo  e  sempre  que  outra  solução.  Antes  de  se  julgar  um  negócio  jurídico  imoral  e  de  se  lhe   recusar  por  isso  a  licitude.280.   Por  outro  é  um  ambiente  axiológico  efetivamente  difundido.  A  licitude  do  conteúdo     A  autonomia  privada  não  significa  a  liberdade  de  estipulação  de  quaisquer  conteúdos  negocias.  todavia.  ser  confundida  a  licitude  do  fim  com  que  as  partes  celebram  o  negócio.  os  guiais  do  agir   correto.  Sempre  que  existir  uma  colisão  ou  incompatibilidade  entre  o  conteúdo   negocial  e  a  lei.  neste  caso  o  referido  artigo  restringe  a  liberdade  de  fixar  o  conteúdo  dos  contratos  aos  “limites  da  lei”.Ø Ø • • O  critério  de  distinção  encontra-­‐se  na    ratio  da  sua  força  ou  vigência  jurídica.

  Ao  contrario.  sempre  que   possível.  de  acordo  com  a  sua  finalidade  e  alcance   substancial.  o  conteúdo  negocial  não  atinge  diretamente  a  lei   defraudada.  mesmo  que  o  queiram.  Quando  a  Ordem  Publica  é  insanavelmente  contraria  à  Moral.  no  entanto  decidem  sobre  a  utilidade  e   conveniência  social  e  fundam-­‐se  na  política  ao  contrário  da  Moral  que  rege  o  bem  e  o  mal  e  funda-­‐se  na  ética.  a  natureza  limita  também  a  autonomia  privada.  económica  e  social  da  Sociedade  e   que  são  tidos  como  imanentes  ao  respetivo  ordenamento  jurídico.280º.   Esta  fraude  à  lei  pode  acontecer  sempre  que  o  legislador.  quer  dizer.   .     d)  Não  contrariedade  à  Ordem  Publica   A  Ordem  Publica  é  o  complexo  dos  princípios  e  dos  valores  que  informam  a  organização  politica.  Esta   intencionalidade  normativa  subjacente    à          imperatividade  da  lei  é  a  Ordem  Publica.  tal  como  os  grandes  princípios  de  Ordem   Publica  são  normalmente  morais.nº3  estabelece.   Manuel  de  Andrade  direciona  o  problema  à  exata  interpretação  da  norma  proibitiva.  em  vez  de  os  julgar  particularmente  graves  ou  perigosos.  uma  Ordem  Publica  pode  pretender  ser  superior  à   ordem  moral  e  reprimi-­‐la.  A  natureza  limita  tanto  o   negócio  como  a  lei  e  como.         150.   Restringe  o  campo  de  aplicação  da  lei.  só  quando  a  ação  humana  ordenada  pelo  negócio  for  impossível  é  que   se  poderá  falar  de  verdadeira  e  própria  impossibilidade.     c)Não  contrariedade  à  Natureza   A  referência  à  impossibilidade  física.  se  se  refere  ao  objeto   do  negócio.  ou  impulsionar  um  resultado  que  pensa  ser  desejável.  O  art.  o  juízo  de  mérito  pode  ser  negativo  ou  positivo.  na  construção  objetivista.  um  sentido  que  não  seja  imoral.  que  são  hierarquicamente  superiores  às  regulações  privadas   negociais.  não  sendo  verdadeiros  ordenamentos  jurídicos.   Se  a  impossibilidade  acorrer  logo  no  início.  só  é  relevante  a   impossibilidade  que  esteja  liga  ao  objeto.  como  portadora  dos  critérios  ordenantes  do   sistema.  de  tal  modo  que  para  existir  juízo  de  fraude  basta  que  a  atuação   do  agente  culmine  no  resultado  que  a  lei  que  evitar  ou  que  evite  o  resultado  que  a  lei  quer  originar.   Quando  existe  uma  intenção  de  fraude.401º.437º).P)  por  antijurídica  e  não  vinculante.  o  negócio  é  desde  logo  nulo  (art.  de  modo  a  fixar-­‐lhes.  se  se  refere  à  pessoa  da  parte  vinculada.  Os  negócios  jurídicos  devem  ser  interpretados  e  integrados  moralmente.21º)   Neste  modo.   Modo  objetivo:   Aqui  não  é  exigida  a  imputação  subjetiva  nem  a  prova  da  intenção.  ou   contraria  ou  não  aos  bons  costumes.  a  razão  da  inderrogabilidade  da  lei  injuntiva  está  precisamente  no  facto  de   ser  de  Ordem  Publica.  Só  em  sistemas   de  dominação  social  e  opressão.  ou  subjetiva.  pela  razão  de  que  o  Direito  só  rege  condutas  humanas  e  só  pode  o  que  as  pessoas   puderem.   Os  grandes  princípios  morais  são  geralmente  considerado  também  de  Ordem  Publica.  reger  sobre  matérias  de  interesse  publico.401º.   Pode  ser  vista  de  dois  modos:   Modo  subjetivo:  (art.  ao  redigir  o  texto  legal.  a  fraude  à  lei  transporta  a  questão  para  o  âmbito  da  interpretação  da  lei  e  do  negocio   jurídico.  Esta  impossibilidade  pode  ser  objetiva.  através  da  proibição  ou  da  imposição  das  condutas  tidas  como   causais  desses  resultados  desejáveis  ou  indesejáveis.   Ambos  os  modos  pressupõem  a  concretização  da  Ordem  Publica.  se  são  compatíveis  ou   não  com  os  bons  costumes.  aqui  existe  uma  necessidade  da  imputação  da  intenção  subjetiva  e  da  sua  prova.  trata-­‐se  de  fraude  à  lei.  o  negócio  pode   ser  modificado  ou  resolvido  por  alteração  de  circunstâncias  (art.  estão  de  acordo  ou  em  desacordo.  Deste  modo.  assim.  pois.  conforme  ação  do  agente  seja  ou  não  moralmente  inaceitável.  se  são  morais  ou  imorais.  No  caso  de  ser  indireta.  deseja  impedir  um  resultado  que  considera   indesejável.  quem  atua  de  modo  intencional.  O  juízo  de  fraude  está  assim  no  domínio  da  Ordem  Publica.  no  art.  Naturalmente  impossível  é  tudo  o  que  as  pessoas  não  consigam  fazer.  Se  ocorrer  depois  do  seu  início.  A  fraude  à  lei  e  os  negócios  fraudulentos     Colisão  do  conteúdo  contratual  com  a  lei  injuntiva  pode  ser  direta  ou  indireta.  Tem  em  comum  com  Moral  a  sua  configuração  como  constelação  de  valores.  que  em  princípio.  O  direito  só  rege  ações   humanas  e  não  interfere  com  o  domínio  da  natureza.CC).  o  Direito.   A  posição  da  fraude  à  lei  perante  a  Ordem  Pública  varia  conforme  a  sua  concretização  seja  objetiva  ou  subjetiva.  representa  o  reconhecimento  pela  lei  de  que  a  impossibilidade  natural  priva  de   validade  as  regulações  negociais.  Faz  de  certo  modo  a  ponte  entre  a  Lei  e  a  Moral.  Alarga  o  campo  de  aplicação  da   lei.Ø Ø imoralidade.  mas  antes  embate  com  a  intencionalidade  normativa  que  lhe  esta  subjacente  e  que  justifica  a  sua  imperatividade.   A  Ordem  Publica  deve.  A  pergunta  que  o  legislador  terá  de   responder  é  se  a  conduta  e  a  intenção  do  agente  entendidas  como  ação.  Na  fraude  à  lei.  colocar-­‐se  ao  lado  da  Moral  como  critério  do  juízo  de  mérito.  daqui  podemos  concluir  que  existem  grandes  áreas  de  coincidência  entre  a  Ordem  Publica  e  a   Moral.  não  pode  deixar  de   ver  a  sua  atuação  e  a  sua  intenção  serem  sujitas  a  um  juízo  de  mérito  de  fundamento  axiológico.  em  geral.   Do  mesmo  modo  que  limita  a  liberdade  das  pessoas.  tem  de  haver  um  juízo  de  reprovação.  Segundo  este  autor”  não  haverá  fraude  relevante  caso  se  averigue  que  a  lei  especificou  uns  tantos  negócios  por  só  ter   requerido  combater  certos  meios  de  atingir  um  dado  fim  ou  resultado.   As  leis  injuntivas  são  todas  de  Ordem  Publica  e  por  isso.  o  juízo  da  fraude  não  prescinde  da  imputação  ao  agente  de  uma  intenção  pessoal  de  iludir  o  mecanismo  criado  com  a   providência  legislativa  de  modo  a  defraudar  a  lei.  como  critério  do   juízo  de  mérito.  tem-­‐se  (O.  O  centro  da  questão  coloca-­‐se  em  saber  se  a  lei  cuja  defraudação  é  acusada  deve  ser  interpretada  de  modo  a  abarcar   também  aquela  situação  e  se  o  negócio  jurídico  em  concreto  celebrado  deve  ser  interpretado  de  modo  a  lhe  ser  aplicável  aquela  lei.

 segundo  a  doutrina  tradicional.  ou  para  individualizar  a  sua  identidade  concreta.  era  necessário  que  o  seu  conteúdo  fosse  concordante   com  a  utilidade  social  tal  como  definida  pelo  Estado.       151.  a  de  concluir  pela  não  existência  de  fraude  à  lei”.  mas  a  questão  que  se  coloca  é  a  de  saber  se  o  conteúdo  do  negócio   também  deve  corresponder  a  interesses  sérios  e  atendíveis  dos  seus  autores.nº2.  “os  efeitos  que  eles  produzem  sem  necessidade  de  estipulação   correspondente.  A  doutrina  dos  elementos  do  negócio  jurídico  e  processo  subsuntivo:  elementos  essenciais.  como  modelo  regulativo  do  tipo   negocial.  demonstra  que   existe  uma  ligação  funciona  entre  estes  dois  elementos.  que  não  sendo  indispensáveis  para  caracterizar  o  tipo  abstrato  do   negócio.  Os  el.   A  segunda  diz  respeito  ao  âmbito  da  Ordem  Publica.  são  por  um  lado.Ø Ø Ø Prossegue  ainda  dizendo  que  “em  caso  de  duvida  e  dado  que  as  normas  proibitivas  constituem  exceções  ao  principio  da  liberdade   negocial.  como  efeito  da  lei.  digno  de  proteção   legal”.  designam  tudo  o  que  estipulado  e  que  não  constitua  elemento  essencial  ou  natural.   O  facto  de  quando  se  verifica  a  existência  de  todos  os  elementos  essências.  os  autores  têm-­‐se  limitado  a  constatar  que  nem   tudo  tem  importância  suficiente  para  merecer  a  bênção  do  direito  e  a  correspondente  proteção  dos  órgãos  do  Estado.  designam  o  direito   dispositivo  do  tipo.  enquanto  os  elementos  essenciais  ao  tipo  respeitam  ao  seu  conteúdo  e   correspondem  à  listagem  das  notas  definitórias  indispensáveis  à  subsunção  do  negocio  a  um  tipo  contratual  legal.  Moral  e  a  Ordem  Publica  mas.  para  contornar  a   aplicação  de  preceitos  que  seriam  aplicáveis  a  negócios  típicos.  a  disciplina  integrada  nos  elementos  naturais.  a  graduação.  operando-­‐se  entre  a  vontade  negocial  das   partes-­‐  a  estipulação-­‐  e  os  efeitos  da  lei  –o  conteúdo  negocial.  O   termo.         152.  todas  as  características  que  são  inerentes  ao  tipo  e  que.  Incluem:  os  pressupostos  e  requisitos  do  negócio  jurídico.   Elementos  naturais  são.   Definem-­‐se  por  exclusão  de  partes.  a  capacidade  e  legitimidade  das   partes.  sendo  inútil  qualquer  cláusula  no  mesmo  sentido.  os  “que  se  produzem  por  força  das  disposições  legais   supletivas.  a  analogia  e  a  criação   .  são  os  elementos  essenciais  definitórios  daquele  tipo  de  negocio  e  distinguem-­‐nos  dos  outros  tipos  negociais.  não  é  desse  tipo).  Dignidade  de  proteção  legal     A  exigência  estabelecida  no  art.  coloca-­‐se  a  questão  de  saber  se  foram  ou  não  celebrados  em  fraude  à  lei.   Elementos  acidentais  são  as  “cláusulas  ou  estipulações  negociais.       153.  ou  seja.   O  facto  de  a  exigência  de  dignidade  de  proteção  legal  constar  no  CC  em  relação  á  prestação  e  não  ao  negocio  ou  ao  contrato  não   parece  ser  possível  concluir  a  contrários.  produzir-­‐se-­‐iam  os  elementos  naturais.  os   segundos  têm  a  ver  com  o  conteúdo  regulativo  do  negocio  e  a  consequência  da  sua  falta  é  uma  diferente  qualificação.  Fixam  os  limites  da   qualificação.  não  constitui  efeito  de  lei  porque  a  sua  vigência  decorre  da  escolha  que  as  partes  fizeram  daquele  tipo  negocial.   Quando  são  celebrados  negócios  atípicos.  são  as  cláusulas  acessórias  dos  negócios  jurídicos.  naturais  e  acidentais     I   Elementos  essenciais.  parece  aconselhável  preferir-­‐se  a  segunda  solução.   aqueles  que  determinam  qual  o  seu  tipo.  Vaz  Serra  não   adota  esta  posição.  o  interesse  do  credor  deve  ser  serio  e  atendível.  defendendo  que  aceita  qualquer  conteúdo  que  não  colida  com  a  Ordem  Publica  ou  os  Bons  Costumes.CC  de  que  a  prestação  tem  de  corresponder  “a  um  interesse  do  credor.  que  “constituem  direito  meramente  dispositivo”.  constituem   o  seu  tipo  jurídico  estrutural.     Nas  prestações.  restringe  o  direito  de  preferência  aos  casos  em  que  a  transmissão  de   propriedade  resulte  dos  tipos  compra  e  venda  ou  de  dação  em  pagamento.  só  se  aplica  literalmente  à  prestação  e  não  a  todo  o  conteúdo  do  negócio  jurídico.  Nestes  casos  deve  proceder-­‐se  à  interpretação  da  lei  e  do  negócio   para  concluir  se  a  ratio  legis.  todavia  não  se  limitam  a  reproduzir  disposições  legais  supletivas.  conjuntamente  com  os  elementos  essenciais.  Esta  questão   pode  ser  abordada  numa  perspetiva  da  irrelevância  jurídica  das  convenções  que  não  tenham  dignidade  jurídica  ou  que  insiram  em   ordens  não-­‐jurídicas  e  numa  perspetiva  da  Ordem  Publica.   A  primeira  é  a  que  tem  sido  adotada  em  Portugal  e  sem  grande  aprofundamento.  O  processo  tipológico:  a  comparação.     II  a  incorreção  e  equivocidade  desta  classificação  advém  desde  logo  do  facto  de  os  elementos  essenciais  a  todos  os  negócios  jurídicos   serem  requisitos  de  existência  e  validade  do  negocio.  a  interesse  dignos  de  proteção  social.  por  outro  lado.  entrarem  em  vigor  os  elementos  naturais.  mas  podem  ser  excluídos  por  cláusula  em  contrario”.  aqueles  sem  os  quais  o  negócio  jurídico  não  existe  ou  não  tem  validade  e.  que  o  conteúdo  dos  contratos  ou  dos  negócios  jurídicos  que  não  originem  prestações  fique   isento  desta  exigência.  o  mútuo  consenso  e  o  objeto  possível  (sem  os  quais  o  negocio  não  existe  ou  é  inválido).  e  se  há  razão  para  afastar  a  preferência  nos  casos  em  que   a  transmissão  seja  feita  de  outro  modo.  Deste  modo  é  possível  sustentar  um  dos  dogmas  do  positivismo  legalista:   estipulados  os  elementos  essenciais.  Assim  o  relacionamento  estabelecido   entre  elementos  essenciais  e  naturais  dá-­‐se  como  a  relação  entre  previsão  e  estatuição.  Os  primeiros  estão   relacionados  com  o  negocio  como  ato  negocial  e  a  sua  ausência  tem  como  consequência  a  inexistência  ou  invalidade  do  negocio.  os  elementos  que  determinam  a  sua   qualificação.  A  perspetiva  do  Código  Italiano  de  1942  defendia  que  não  chegava  que  as   convenções  privadas  não  fossem  contra  a  Lei.  embora  exista  e  seja  valido.  a  intencionalidade  legal.     Esta  cisão  entre  estipulação  e  lei  não  deve  ser  aceite.  antes  se   tornam  necessárias  para  que  tenham  lugar  os  efeitos  jurídicos  a  que  tendem”.  Atípicos  são  inseridos  no  negocio  por  estipulação   das  partes.  a  condição  e  o  modo  são  considerado  elementos  acidentais  típicos.398º.  os  índices  do  tipo  (sem  os  quais  o  negocio.

 deve-­‐se  ensaiar  uma  outra  solução  para  o  caso.801º.  por  exemplo.  na  analogia  e  na  criação.   .  ele  corresponderá  a  um  só  tipo  negocial.  Nas  condições  impossíveis  existe  a  certeza  de  que  se  não  verificarão.  mas  por  vontade  do  contraente  lesado  mediante  declaração  à  outra  parte.  não  há  incerteza  que  é  característica  das  condições  o  que  pode  haver  é  incerteza  em   relação  ao  momento  em  que  o  facto  se  verificará.  habitualmente.   O  quarto  momento  é  o  da  criação.   Num  primeiro  momento  deve  haver  uma  comparação  entre  a  estipulação  legal  e  os  tipos  negocias  (legais  e  extralegais).  no  caso  de  ser  certo  não  se  trata  de  uma  condição  mas  sim   de  um  termo.  a  equidade  ou  a  diligência  do  “bom  pai  de  família”.  nos  casos  que  não  sejam  francamente  típicos.  entre  o  caso  e  a   previsão  da  norma  nunca  há  perfeita  igualdade.270º  a  277º)     É  uma  cláusula  negocial  que  tem  como  conteúdo  típico  a  sujeição  da  eficácia  do  negócio  ou  de  parte  dele  a  um  facto  futuro  e   incerto.  como  se   nenhuma  possibilidade  de  analogia  houvesse.  de  modo  a  possibilitar  que  a  simples   subsunção  da  estipulação  negocial  àquela  definição  ponha  em  vigor.  é  feita  por  analogia.  as  condições  estão  submetidas  aos  limites  da  autonomia  privada  e  são  sujeitas  ao  juízo  de  mérito  da   licitude.  São  também  ilícitas  e  cominadas  com   nulidade  as  condições  presentes  nos  artigos  2231º  e  2232º.  A  doutrina  dos  elementos  do  negocio  jurídico  pressupõe  a  adoção  de  um  método  conceptual  para  a  determinação  do  conteúdo:   existe  uma  previa  construção  de  uma  definição  legal  do  tipo  negocial  (elementos  essenciais).  Embora  a  maioria  dos  negócios  seja  condicionável.  pois  não  têm  a  natureza  negocial.  com  os  quais   tenha  parecenças.   Se  a  solução  encontrada  for  intoleravelmente  injusta  ou  inadequada.   As  chamadas  condições  improprias  não  são  condições     b)  Condições  ilícitas   Como  estipulações  negociais.  Esta  comparação  permite  descobrir  as  semelhanças  e  diferenças  que  existam  entre  o  caso  e  os  tipos  semelhantes.CC).nº2  e   808.  A  determinação  do  conteúdo  do  negócio  jurídico  pode  ser  feita  através  da  comparação.  porque  tem  uma  finalidade  e  uma  eficácia  eticamente  positiva.  uma  vez  que  no  seu  conteúdo  podem  existir  estipulações  que  se  afastem  do  que  é  o  seu  regime  jurídico  típico.  um  facto  lícita  e  moralmente  valioso  pode  trazer  consigo  a  ilicitude  da  condição.  mas  é  certo  que  ele  vai  acontecer.  São  caracterizadas  por  lhes  faltarem  algumas  características  qualificantes  das   condições:  o  carácter  futuro  do  facto  condicionante.  mais  precisamente.  será  preciso  criar  a  solução.  de  forma  a  que  seja  conseguido  o  seu  aperfeiçoamento  e  a  afinação  da  analogia  até  que  a  solução  por  ela  proposta   deixe  de  ser  injusta  ou  inadequada.  de  diferentes  intensidades.  No  caso  de  não  existir  regime  semelhante  que  possa  ser  usado  por  o  caso  concreto.  entre  estas  está  a  condição  resolutiva  tácita  (art.  nunca  há  mais  do  que  semelhança.  Este  método  traz  uma  dificuldade  ao  exercício  jurídico  em  lidar  com  os  contratos  atípicos.  à  verificação  ou  não  de  um  facto   futuro  e  incerto.   Uma  vez  que  constitui  característica  da  condição  que  o  facto  seja  incerto.  reprovável  ou  ilícito  do  facto  condicionante  não  acarreta  necessariamente  a  ilicitude  da  condição.  Esta  solução   deve  ser  criada  tendo  em  conta  a  boa-­‐fé.  a  factos  certos.     As  chamadas  condições  legais  são  também  consideradas  improprias.   O  terceiro  momento  é  o  da  analogia-­‐  processo  de  concretização  do  direito  por  semelhanças  entre  o  caso  e  a  norma.  qnd  for  atípico  puro.  mas  antes  são  estatuídas  por  lei.  as  soluções  propostas  para  o  caso  pela  analogia  e  pela  criação  devem  ser  comparadas   e  contrapostas.  a  condições  impossíveis  e  a   condições  legais   A  incerteza  objetiva  da  verificação  do  facto  futuro  é  uma  característica  imprescindível  à  qualificação  da  condição.  O  conteúdo  da  condição  corresponde  à  sujeição  da  eficácia  do  negocio.       154.  A  condição  (art.  ou  de  parte  dele.   São  condições  improprias  aquelas  que  se  referem  aos  factos  presentes  ou  passados.  qnd  for  atípico  misto  é  porque  tem  semelhanças   com  mais  de  um  tipo.   A  ilicitude  da  condição  depende  do  seu  resultado.  ou  seja.  No  processo  analógico.   No  caso  de  o  negocio  ser  totalmente  típico.  o  regime  jurídico  é   adaptado  ao  caso  concreto  em  função  das  diferenças.  Este  regime  não  é  condição  pois  é  um  regime  legal  e  não  uma  estipulação  negocial  e  também  porque  a  resolução  não  se  dá   automaticamente.  não  terá  semelhanças  com  qualquer  tipo.  há  no  entanto  negócios  incondicionáveis.  Esta  comparação  é  necessária  mesmo  que  o   negocio  seja  típico.  de  acarretar  uma  excessiva  limitação  da  liberdade  ou  de  induzir  à   prática  de  ações  ilícitas.  da  relevância  das  diferenças.  Se  a  estipulação   de  uma  condição  resolutiva  segunda  a  qual  se  resolverá  uma  doação  se  o  donatário  utilizar  a  coisa  doada  para  práticas  imorais  não  é   ilícita.   I.  como  estatuição.     O  carácter  em  si.   Em  relação  aos  factos  futuros  mas  certos.   No  entanto.  A  determinação  do  conteúdo   do  negocio  jurídico.     a)  Condições  impróprias     Estas  condições  são  aquelas  que  estão  fora  do  seu  tipo.  graduação.  e  haja  a   necessidade  de  encontrar  uma  disciplina  para  uma  questão  que  não  tenha  sido  estipulada.  Para  averiguar  a  licitude  da  condição  é  necessário  apreciar  o  conteúdo  da  condição.  através  da  adaptação  do  regime  jurídico  típico   às  peculiaridades  do  caso  concreto.   No  segundo  momento  deve  realizar-­‐se  a  graduação  da  importância  de  semelhanças  e  diferenças  que  sejam  descobertas  na   comparação.     II.  o  seu  conteúdo  típico-­‐  elementos  naturais-­‐  ao   qual  poderão  as  partes  acrescentar  as  estipulações  que  lhe  convierem-­‐  elementos  acidentais-­‐  dentro  dos  limites  da  autonomia   privada.  o  carácter  incerto  da  sua  verificação  e  o  carácter  negocial  da  sua  estipulação.  não  são  estipuladas  pelas   partes  nos  negócios  que  celebram.  pois  são.  o  seu  modo  de  eficácia  e  da   condicionabilidade  do  negócio.

nº1.  por  exemplo.  É.   As  condições  potestativas  arbitrárias  podem  ser  suspensivas  ou  resolutivas.  sem  se   saber  se  virá  a  perder  a  sua  eficácia.   São  condições  causais  aquelas  em  que  o  facto  condicionante  é  um  facto  cuja  verificação  ou  não  verificação  está  fora  do  domínio  e  da   determinação  das  partes.  No   segundo  caso.  consoante  o  facto  condicionante  está  dependente  ou  pode  ser   determinado  pela  vontade.  o  negócio  ou  o  contrato.272º.   No  entanto.     A  condição  potestativa  arbitrária  tem  suscitado  dúvidas  na  doutrina.     d)  Condições  causais.nº2.   Se  essa  liberdade  de  acção  for  totalmente  livre  e  desvinculada.     Como  reconhecem  Larenz  e  Flume.  celebrado  em  dois  planos:  num  primeiro.  põem-­‐no  em   vigor.280.  O  negócio  ou  a  parte  condicionada  do  negócio  mantêm-­‐se  suspensos  enquanto  a  condição  não  se  verifica   (art.274º/2.     O  C.       Quer  a  condição  seja  suspensiva  quer  seja  resolutiva.  por  exemplo.  o  nº1  do  art.   No  primeiro  caso.  pode  resolver  ou  denunciar  o  negócio.  ou  de  uma  delas.  Neste  caso.1852º.  uma  doação  à  condição  de  o  donatário  casar  ou  não  casar.  que  sejam  física  ou  legalmente  impossíveis.CC   estabelece  que  a  ilicitude  da  condição  não  traz  só  a  nulidade  da  condição.  num  segundo.  Se  a  condição  for   suspensiva.  repúdio  da  herança-­‐ art.     O  critério  principal  está  na  boa  fé  -­‐  art.272º  e  seguintes.  ou  não.  em  principio.  nem  quando.  a  parte  pode  extinguir  a  sua  eficácia.  o  negócio  mantém-­‐se  precário.  não  se  sabe  se  o  negócio  virá  a  ganhar  eficácia.   As  condições  suspensivas  são  aquelas  em  que  a  verificação  do  facto  condicionante  desencadeia  a  eficácia  do  negócio  condicionado   ou  de  parte  do  seu  regime.   Importa  referir  que  este  regime  sofre  grades  desvios  no  sentido  de  redutibilidade  em  matéria  de  condições  testamentárias  (artigos   2230  e  seguintes).   São  condições  mistas  aquelas  em  que  se  sujeita.2054.  Todavia.  aceita  uma  exceção  para  o  caso  das  condições  resolutivas.  se  for  resolutiva.  nos  art.  nem  quando.   O  total  e  livre  domínio  do  facto  condicionante  parece  excluir  a  vinculação.  depende  apenas  parcialmente.  O  recurso  à  boa  fé  como  critério  de  justiça  ressalta  ainda  nos  art.292.   As  condições  suspensivas  determinam  o  início  da  eficácia  do  negócio  que.  só  ganham  eficácia  se  a  parte  o  quiser.  seria  reduzido.  as  partes  acertam  entre  si  o  conteúdo  negocial.   Da  regra  geral  do  art.  a  sua  verificação  implicará  o  início  ou  a  cessação  da  eficácia  de  certo   negócio  e  torna-­‐se  necessário  harmonizar  os  interesses  e  expectativas  do  actual  titular  da  situação  e  do  titular  da  expectativa.  ou  seja.  a  vinculação  só  surge  verdadeiramente  com  a  manifestação  da  vontade  posterior.1618.  a  verificação  da  condição.  a  condição  puramente   potestativa  diz-­‐se  arbitrária.negócios  cuja  eficácia  não  possa  ser  sujeita  a  condição  (por  ex:  casamento-­‐art.   As  condições  resolutivas  são  aquelas  em  que  a  verificação  do  facto  condicionante  determina  a  cessação  da  eficácia  do  negócio  ou  da   parte  do  negócio  condicionado  (art.  embora  tenham  o  seu  conteúdo  já  acordado.  se  depender  apenas  do  seu  livre  alvedrio.  É.     A  precariedade  da  situação  jurídica  condicionada  exige  a  tutela  da  expectativa  de  quem  virá  possivelmente  a  ser  afectado   pela  verificação  da  condição.  Todavia  o  nº2  do  mesmo   artigo.   275º/2  e  277º/3.  as  condições  potestativas  arbitrárias  resolutivas  como  cláusulas  de  resolução  ou  de  denúncia.  mas  sim  a  de  todo  o  negócio.  as  condições  resolutivas  determinam  a  sua  cessação.  O  donatário   tem  alguma  influência  na  verificação  do  facto  condicionante.   .  as  condições  distinguem-­‐se  em  suspensivas  e  resolutivas  -­‐271º.     e)  Pendência  da  condição   Enquanto  se  não  verifica  o  facto  condicionante.  à  Moral  ou  à  Natureza.  segundo  o  art.280  seriam  nulas  e.270º).  o  caso  de  uma  doação  sujeita  à  condição  resolutiva  de  o  donatário  fazer   certo  uso  da  coisa.   neste  caso.  o  caso  da  condição  de  haver  um  sismo.  que  permitem  discernir  o  critério  que  deve  presidir  ao  relacionamento  entre   o  direito  do  actual  titular  e  a  expectativa  do  beneficiário  da  condição.  se  assim  o  desejar.  etc).  a  nulidade  da  condição  que  fosse  contraria  à  Lei.  ou  seja   todas  as  condições  que  caíssem  na  previsão  do  art.       c)  Condições  suspensivas  e  resolutivas   Quanto  ao  seu  modo  de  eficácia.  a  arbitrariedade  da  condição  potestativa  não  é   incompatível  com  a  vinculação  jurídica  desde  que  seja  entendida  como  estipulação  negocial  pela  qual  é  conferida  a  uma  das  partes  a   faculdade  de  determinar  unilateral  e  potestativamente  o  início  ou  o  termo  da  eficácia  do  negócio  jurídico.C  contém  regras.  de   si  próprio.  nada  há  de  estranho  ou  inaceitável  na  condição  potestativa  arbitrária  suspensiva:  nada   impede  que  as  partes  fixem  de  antemão  o  conteúdo  do  negócio  e  reservem  para  mais  tarde  a  decisão  de  se  vincularem  ou  não.  potestativa  e  mista.  Seria.   Nem  sempre  é  da  mesma  intensidade  a  liberdade  e  o  poder  das  partes.  existe  um  estado  de  incerteza  quanto  ao  efeito  condicionado.  essa  não  foi  a  opção  legal.  sobre  a  verificação  do  facto  condicionante.  o  negocio  manter-­‐se-­‐ia  sem  a  condição   ilícita.  perfilhação-­‐art.       As  condições  potestativas  arbitrárias  suspensivas  são  melhor  qualificáveis  como  pactos  de  opção  ou  como  propostas   contratuais.  potestativas  e  mistas   A  condição  classifica-­‐se  ainda  em  causal.  se  mantém  suspensa  enquanto  se  não  verificar  o  facto   condicionante.  resultaria.  em  que  a  condição  se   tem  como  não  escrita.   São  condições  potestativas  aquelas  em  que  a  verificação  do  facto  condicionante  está  ao  alcance  da  vontade  de  uma  ou  de  ambas  as   partes  e  pode  ser  por  elas  determinada.  encontrando-­‐se  ao  alcance  do  donatário  desencadear.  Ao  invés.  mas  não  o  seu  domínio  total.271.  O  regime  geral  da  invalidade  da  condição  é  o  da  irredutibilidade.  por  exemplo.  a  não  ser  que  se  provasse  que  ele  não  teria  sido  concluído  sem  essa  condição.271º/2).

 por  sua  natureza  e  pela  natureza  das  coisas.     A  actuação  da  parte  interessada  sobre  a  ocorrência  ou  sobre  o  impedimento  do  facto  condicionante  pode  ser  lícita  ou   ilícita.  quando  cair  a  primeira  chuva  depois  das  vindimas.  O  art.277º  estabelece  limites  à  retroactividade  da  eficácia   da  condição.  ao  termo  aplicam-­‐se  mutatis  mutandis  os  art.  o  titular  precário  deve  colocar-­‐se  na  posição  do  titular  da  expectativa.276º.  o  art.     Prazo:  quando  o  termo  é  certo.       155.  e  agir  como  dele  seria  esperado  nessa  posição.  deve  agir  de  modo  a  não  prejudicar  a  legítima  expectativa  do   futuro  eventual  titular.  tal  nem  sempre  sucede.       O  critério  da  licitude  ou  ilicitude  da  intervenção  da  parte  na  verificação  da  condição  é  remetido  pelo  art.e.  a   um  facto  futuro  e  certo.  ou  de  parte  dele.     Termo  incerto:  O  termo  pode  ser  estipulado  de  tal  modo  que  se  não  saiba  antecipadamente  quando  termina.  Exemplos:   casamento  (1618º/2).  aceitação  da  herança  (2054º).  O  titular  precário  tem  título  e  legitimidade   limitadas.     b)  Termo  certo  e  termo  incerto   O  termo  é  tipicamente  certo.     f)  Verificação  da  condição   É  típico  da  condição  que  o  facto  condicionante  seja  incerto.     Além  da  conservação.  O  termo     É  uma  cláusula  negocial  que  tem  como  conteúdo  típico  a  sujeição  do  início  ou  da  cessação  da  eficácia  do  negócio.  em  princípio  retroactiva  à  data  da  celebração  do  negócio.272º  e  273º.  se   for  provocada  contrariamente  à  boa  fé  por  aquele  a  quem  beneficia.  alínea  b)  estatui  que  na  contagem  de  qualquer  prazo  não  se  inclui  o  dia.  devendo  agir  de  boa  fé.  dentro  das   circunstâncias  vigentes.  se  o  prazo   for  em  horas.275º/2  para  a  boa   fé.   Para  a  concretização  do  dever  de  boa  fé.272º.     É  com  este  sentido  que  deve  ser  interpretado  e  concretizado  o  art.278º.272º.  como  p.  séria  e  honesta.  Tal  sucede  quando  se   estipula  um  termo  certo  a  contar  de  data  incerta.  A  regra  da  retroactividade  pode  todavia  ser   afastada  por  convenção  das  partes  ou  “pela  natureza  do  acto”  –  art.   A  doutrina  distingue  os  casos  em  que  existe  certeza  do  evento  e  certeza  da  data  em  que  ocorrerá  –  certus  quando  -­‐.   Aquele  que  é  titular  de  uma  posição  jurídica  sob  condição  resolutiva  ou  dela  é  titular.  alíneas  c)  e  e).   Quanto  ao  fim  do  prazo  –  o  art.279º.   Há  alguns  tipos  de  negócios  que.     g)  Eficácia  da  condição   Consoante  a  condição  seja  suspensiva  ou  resolutiva.     Questão  diversa  é  a  da  verificação  do  facto  condicionante  ser  impedida  ou  provocada.  não  suportam  a  estipulação  de  condições.  o  seu  repúdio  (2064º).  em  que  ocorrer  o  evento  a  partir  do  qual  o  prazo  começa  a  correr.  a  sua  verificação  determina  o  início  ou  a  cessação  da  eficácia  do  negócio   A  verificação  tem  eficácia.     d)  Pendência  do  termo   Segundo  o  art.  O  facto  condicionante  é  tipicamente   um  evento  independente  da  vontade  das  partes  e  fora  do  seu  domínio.279º.   Enquanto  na  condição  o  facto  é  futuro  e  incerto.  enquanto  se  não  verifica  uma   condição  suspensiva  que  irá  determinar  a  sua  aquisição  por  outrem.  perfilhação  (1852º/1).  como  um  bom  e  zeloso  administrador.  tem-­‐se  por  verificada.  referido  no  art.  o  art.  contra  perigos   que  sofra.273º  e  274º  devem  ser  interpretados  e  concretizados  à  luz  do  princípio  da  boa  fé.  considera-­‐se  não  verificada.  275º/1  determina  que  tal  será  equivalente  à  sua  não   verificação.  nem  a  hora.  no  termo  é  futuro  e  certo.     Se  houver  a  certeza  de  que  ele  já  não  se  poderá  verificar  no  futuro.  mas  o  seu  grau  de  certeza  pode  variar.     Se  a  verificação  da  condição  for  impedida  contrariamente  à  boa  fé  por  aquele  a  quem  aproveita.  ou  em  que  existe   certeza  do  evento.     Os  preceitos  dos  art.  Todavia.  Nas  condições  potestativas  a  verificação  da  condição  é  determinada  total  ou  parcialmente  pela  parte.   .     c)  Modo  de  contagem  do  termo   Quanto  ao  início  do  prazo.     h)  Negócios  incondicionáveis   A  condição  é  uma  cláusula  estipulável  na  generalidade  dos  negócios  jurídicos.  Tem  o  poder  e  o  dever  de  defender  o  bem  contra  pretensões  e  agressões  de  terceiros.  mas  incerteza  quanto  à  data  em  que  virá  a  acontecer  –  incertus  quando.  como  pessoa  de  bem.  estipulado  de  tal  modo  que  se  pode  saber  de  antemão  qual  a  sua  duração  e  quando  terminará.     a)  Termo  inicial  e  termo  final   O  termo  pode  determinar  o  início  (termo  inicial  ou  dies  a  quo)  ou  a  cessação  da  eficácia  do  negócio  (termo  final  ou  dies  ad  quem).

  Na  doutrina  alemã.     b)  A  viragem  da  lesão  para  a  usura   O  C.       156.  mas  também  com  a  insuficiente  liberdade  e  discernimento  da  vontade  negocial  do  lesado  na  celebração  do  negócio  e   ainda  com  a  imoralidade  da  atitude  e  da  acção  do  usurário  na  exploração  dessa  inferioridade.   Art.     a)  Conteúdo  do  modo   O  modo  pode  ter  conteúdo  patrimonial  ou  não-­‐patrimonial.   .C  de  1966  abandonou  o  recurso  à  lesão  como  causa  de  invalidade  por  desequilíbrio  interno  do  contrato  e.     O  funcionamento  da  condição  resolutiva  está  de  acordo  com  o  plano  do  direito.  porque  isso  era  contrário  à  Justiça  e  nada  em  Direito  podia  valer  contra  a   Justiça.     c)  A  usura  como  vício  do  conteúdo  do  negócio  jurídico   O  Código  Civil  de  1966  deu  sede  à  usura  nos  art.  enquanto  a   atribuição  patrimonial  sob  condição  suspensiva  só  ganha  eficácia  com  a  verificação  do  facto  condicionante.  2247º  e  2248º/1/2).  típica  dos  negócios  gratuitos.  pois.  que  pode  ou  não  ser  exercida.   Funcionalmente.  quando  injustificadamente  desequilibrado.   Há  ainda  regras  importantes  contidas  nos  art.  por  lesão.  A  lesão  e  a  usura     a)  A  lesão   O  desequilíbrio  interno  do  contrato  dava  lugar  a  um  vício  autónomo:  a  lesão.  mas  simplesmente  obrigatório:  não  sendo  expressa  nem  implicitamente  estipulada.   Ao  alienar  bens  ou  direitos  de  que  é  titular  a  termo  final.  ou   seja.O  dever  de  agir  de  acordo  com  a  boa  fé  e  no  que  respeita  à  prática  de  actos  de  conservação  é.  a  usura  ainda  hoje  é  tida  como  um  caso  de  contrariedade  aos  bons  costumes  e  tem  um  tratamento  diferente  e   mais  aperfeiçoado  do  que  o  da  velha  lesão.  o  negócio  extingue-­‐se  automaticamente.  quando   excessivamente.   Do  seu  regime  jurídico  resulta  contudo  que  a  usura.  a   resolução  não  é  consequência  de  desrespeito  do  modo.  o  incumprimento  do  modo  só  dá  lugar  a  uma  faculdade  de  resolver.  pela  qual  o  beneficiário  da  liberalidade  é  onerado  com  uma  obrigação  que  não   constitui.  O  contrato  era  inválido.963º  e  seguintes  no  tipo  da  doação  e  Art.  isto  é  a  sua  verificação  é  um  facto  lícito  que   nada  tem  de  ética  ou  juridicamente  reprovável.963º/2.     157.  influenciado  pela   doutrina  alemã.  O  modo     É  uma  estipulação.  pode  ser  estabelecido  a  favor  do  seu  autor  ou  de  terceiro.  965º  966ª)  e  ao  modo  testamentário   (2246º.     Na  condição  resolutiva.  a  resolução  do  modo  envolve  um  facto  ilícito.  não  tem  a  ver  apenas  com  a  ilicitude  do   conteúdo.  o  modo  pode  ter  qualquer  conteúdo  lícito.282º  e  283º.     c)  Distinção  entre  o  modo  e  a  condição   O  modo  vincula.  964º.  exige-­‐ se  ainda  um  elemento  subjectivo  atinente  às  partes.  o  modo  constitui  um  pacto  anexo  a  uma  atribuição  patrimonial  gratuita.  o  modo  é  mais  do  que  simplesmente  obrigar  o  beneficiário.   Como  vício  do  negócio  jurídico.  pode  ser   activo  ou  omissivo  e  pode  ser  meramente  obrigacional  ou  resolutivo.  enquanto  vício  do  negócio  jurídico.     e)  Negócios  insusceptíveis  da  estipulação  de  termo   Os  negócios  incondicionáveis  são  normalmente  também  insusceptíveis  de  estipulação  de  termo.  o  alienante  não  pode  alienar  mais  do  que  tem  e  o  bem  ou  direito  será   adquirido  também  a  termo  pelo  seu  adquirente.  enquanto  a  resolução  por  incumprimento  do  modo  está  contra  o  plano  do  direito.  verificado  o  facto  condicionante.  modela  a  utilização  que  ele  deverá  fazer  do  bem.  O  bem   doado  ou  deixado  deverá  ser  utilizado  de  certo  modo.  o  modo  distingue-­‐se  porque  a  atribuição  patrimonial  sub  modo  é  imediatamente  eficaz.463º  e  405º.     b)  Regime  legal  do  modo   O  C.  No  caso  do  modo   resolutivo.  em  favor  do  autor  da  liberalidade  ou  de  terceiro.  enquanto  a  condição  resolutiva  não  vincula.2244º  e  seguintes  no  tipo  do  testamento   Estruturalmente.C  contém  preceitos  sobre  o  regime  do  modo  quanto  ao  modo  donatário  (art.  todavia.  ética  e  juridicamente  reprovável.  a  usura  traz  inovações  importantes  no  que  concerne  à  consequência  jurídica  da  ilicitude:  permite  a   opção  entre  a  anulação  e  a  modificação  do  negócio  segundo  a  equidade.     Dentro  dos  limites  da  autonomia  privada.  Esta  vinculação  é  geralmente  qualificada  como  obrigacional.  a  contrapartida  da  atribuição  patrimonial  gratuita.  comum  ao  termo  e  à  condição.   O  regime  normal  do  modo  não  é  resolutivo.  Esse  pacto  contém  tipicamente  uma   vinculação  do  beneficiário  da  atribuição  patrimonial.  adoptou  um  outro  operador:  a  usura.  Para  além  do  elemento  objectivo  do  desequilíbrio  das  prestações.  incluindo   obrigações  de  dare  ou  de  facere.   Da  condição  suspensiva.  próprio  da  lesão.

 no  sentido  de  que  pode  ser  o  fim  correspondente  à  função  característica  de  um  outro  tipo  negocial).   .  O   problema  das  cláusulas  contratuais  gerais  é  o  da  usura  em  massa.  282º  e  283º  estatuem  a  anulabilidade  ou  a  modificabilidade  do  negócio.  com  discernimento  ou  liberdade  diminuída.282º  e  283º).  o  requisito  objectivo  da  usura  quando  a  relação  valorativa  entre  as  prestações  revelar  um  desequilibro  que  exceda   os  limites  normais  dos  padrões  típicos  de  valor  vigentes  no  mercado  e  quando  não  haja  uma  causa  justificativa  atendível  para  esse   desequilíbrio.  Negócios  indirectos     São  negócios  indirectos  aqueles  em  que  as  partes  elegem  um  tipo  negocial  legal  para  com  ele  alcançar  um  fim  que  não  é  próprio   desse  tipo.  o  requisito  subjectivo  da  usura  prende-­‐se  com  o  que  o  art.  não  obstante.  As  cláusulas  contratuais  gerais     Ligada  com  usura  está  a  questão  do  controlo  do  conteúdo  dos  contratos  celebrados  em  massa  com  recurso  a  cláusulas  contratuais   gerais.  conforme  quiser.282º  exige.  ou  excessiva  ou  injustificada.  a   modificação  pode  ser  pedida  por  qualquer  das  partes  porque  se  traduz  na  correcção  da  injustiça  interna  do  negócio.   Há  dois  aspectos  importantes  nos  negócios  indirectos:  o  tipo  de  referência  (deve  ser  um  tipo  negocial  legal  por  referência  ao  qual  as   partes  celebraram  o  negócio)  e  o  fim  indirecto  (é  atípico.  O  limite  e  o  critério  há  de  ser  encontrado  nos  padrões   éticos  da  boa  fé.  nos  moldes  do  art.   O  excesso  do  benefício  implica  um  desequilíbrio  e  é  necessário  que  essa  quebra  seja.   São  negócios  mistos  de  tipo  modificado  em  que  a  modificação  relevante  consiste  na  diferença  do  fim.   que  ele  próprio  está  numa  correspondente  situação  de  superioridade.282º  refere  como  a  “exploração”  da  situação  de   inferioridade  do  lesado.   Esta  assimetria  tem  sentido:  a  anulação  só  pode  ser  pedida  pela  parte  em  protecção  de  quem  foi  estabelecida.   Esta  situação  de  aproveitamento  consciente  e  intencional  de  uma  desvantagem  pode  ser  aceitável  ou  reprovável.  mas  se  for  pedida  a  modificação.  diferentemente.  se  for  pedida  a  anulação.   O  usurário  só  pode  oferecer  a  modificação  em  resposta  ao  pedido  de  anulação  formulado  pelo  lesado.  que  lhe  permita  obter  à  custa  daquele  os   benefícios  excessivos  ou  injustificados  de  que  fala  a  lei.  o  intérprete  deve  discernir  a  ratio  legis  e  sindicar  se  o  lesado  da  usura  estava  numa  situação  de   inferioridade  negocial  tal  que  dessa  inferioridade  resultasse  para  ele  a  inabilidade  para  compreender  o  mau  negócio  que  fazia  ou   para  evitar  fazê-­‐lo.  ou  à  proscrição  da  imoralidade.  ele  permite  alcançar.282º.  O  usurário.     f)  Requisito  subjectivo  atinente  ao  usurário:  a  exploração  reprovável   Em  relação  ao  usurário.  no  sentido  de  que  não  é  característico  do  tipo  de  referência.  assim.227º).  o  benefício  excessivo  ou  injustificado.  mas  não  pode  tomar  a   iniciativa  de  a  pedir.   É  necessário  que  o  usurário  saiba  que  a  sua  vítima  está  numa  situação  de  inferioridade.   Verifica-­‐se.  A  sanção  da  iniquidade  das  cláusulas  contratuais   gerais  é  a  nulidade.   A  acção  inibitória  é  um  processo  especial  tendente  à  declaração  da  nulidade  e  da  proibição  das  cláusulas  contratuais  gerais  iníquas.227º.  não  lhe  assiste  a  faculdade  de  optar  pela  anulação.     c)  Acção  inibitória   A  massificação  da  usura  característica  das  cláusulas  contratuais  gerais  iníquas  acarreta  uma  relevância  social  que  ultrapassa  o   carácter  meramente  interprivado  do  regime  geral  da  usura  (nos  art.  para  deles  obter  “benefícios  excessivos  ou  injustificados”  –  art.       159.  esta  situação  de  inferioridade  será  irrelevante  se  não  tiver  sido  causal  da  prática  do  negócio  com  a  injustiça  interna  que  o   afecta.  e  que  o  queira  fazer.Mais  do  que  ao  princípio  da  autonomia.   A  contratação  em  massa  exige  o  recurso  a  cláusulas  contratuais  gerais  e  suscita  no  oferente  a  tentação  dificilmente  resistível  de   aproveitar  –  de  “explorar”  –  a  inferioridade  dos  seus  clientes.  ao  celebrar  o  negócio.  Será  inaceitável  a  exploração  que  colida  com  a  exigência  de  boa  fé  na  celebração  do   negócio.   Às  partes  é  exigido  que  actuem  de  boa  fé  na  celebração  do  negócio  (art.   O  lesado  pode  livremente  optar  pela  anulação  ou  pela  modificação.     158.  mas  pode  ser   típico.   Para  a  concretização  deste  requisito.  pode   oferecer  a  modificação.  Ainda  que  se   verifique.     g)  Consequência  jurídica:  a  anulação  ou  a  modificação   Como  consequência  jurídica  da  usura  os  art.  a  usura  surge  ligada  ao  princípio  da  equivalência  e  à   exigência  de  justiça  interna  do  contrato.     É  imprescindível  sindicar  ainda  a  causalidade  desta  inferioridade  em  relação  ao  negócio  e  ao  seu  desequilíbrio.  se  encontrasse  num  estado  de  inferioridade  negocial  caracterizado  da  maneira   descrita  no  art.282º.  como  requisito  objectivo  da  usura.     e)  Requisito  subjectivo  atinente  ao  lesado:  a  inferioridade   É  necessário  que  o  lesado.     d)  O  requisito  objectivo  da  usura:  o  desequilibro  excessivo  ou  injustificado   O  art.  de  vantagem.  mas  que.

 O  fiduciante  é  o  beneficiário  da  fidúcia.  em  que  se  alcança.  o  credor  ou  um  terceiro  são  investidos  na  titularidade  de  um  ou  mais  bens  ou  direitos  do  devedor.  o   negócio  indirecto  é  fraudulento  e.  vender  o  bem  fiduciado.  com  mais  eficácia  a  utilidade  prática  da   curatela.  Os  negócios  fiduciários  não  são    necessariamente  inválidos.  Só  poderá  ser  considerado  fraudulento  depois  de  demonstrado  que   se  verificam  os  requisitos  da  fraude  à  lei.  lícito.   Na  fidúcia  cum  creditore.  de  um  modo   formalmente  legal.  com   vista  a  assegurar  ou  facilitar  a  garantia  ou  pagamento  do  crédito.  A  sua   posição  jurídica  está  funcionalmente  vinculada  pela  fidúcia.     O  fiduciante  pode  usar  como  meio  de  defesa  o  regime  do  abuso  do  direito  e  da  tutela  da  boa  fé  e  dos  bons  costumes.  Ao   celebrar  o  negócio  fiduciário.  Constitui  um  único  negócio.   Nos  negócios  fiduciários  intervêm  tipicamente  o  fiduciante.  e  é  esta  a  liberdade  que  suporta  juridicamente  a  licitude   do  negócio  indirecto.  por  ser  celebrado  em  fraude  à  lei.       CAPÍTULO  IX     .  a  ilicitude  da  sua  actuação  não  pode  ser  oposta  ao  comprador  que  não   conheça.   O  risco  de  infidelidade  é  do  fiduciante.     Ao  contrário  do  que  foi  longamente  sustentado  na  Doutrina  os  negócios  fiduciários  não  são  inadmissíveis  no  direito   português.  resultados  práticos  contrários  ao  fim  de  ordem  pública  que  funda  a  injuntividade  da  lei.  pode  ser  executado  ou  falir.  Os   actos  de  alienação  ou  de  disposição  do  bem  fiduciado  que  o  fiduciário  pratique  com  violação  da  fidúcia  são  contrários  à  boa  fé  e  bons   costumes.  susceptível  de  ser  adaptado  a  uma  finalidade  diferente  da  sua  própria.     Os  negócios  fiduciários  são  celebrados  no  interesse  do  beneficiário.  É  um  caso  de  fidúcia  tutelar.  mas  podem  sê-­‐lo  se  circunstancialmente  estiverem  afectados   por  uma  causa  de  invalidade.     Na  fidúcia  cum  amico.  para  que  exerça  os   poderes  inerentes  a  essa  titularidade.  O  fiduciante  e  o  beneficiário  podem  invocar  a  sua  invalidade  com  esse  fundamento.   No  negócio  indirecto  as  partes  não  têm  a  intenção  de  esconder  o  que  quer  que  seja.  ou  deva  ter.  ou  deva  conhecer.     160.   São  complexos  os  negócios  indirectos  construídos  através  da  adjunção  de  cláusulas  ou  convenções.   É  tradicional  distinguir  a  fidúcia  cum  amico  da  fidúcia  cum  creditore.  para  que  os   mantenha  no  interesse  do  beneficiário.  mas  não   deve  exercer  sobre  ele  os  poderes  inerentes  a  essa  titularidade  fora  dos  fins  da  fidúcia.     A  característica  principal  dos  negócios  fiduciários  consiste  na  especial  confiança  depositada  pelo  fiduciante  no  fiduciário.     O  beneficiário  pode  ainda  ser  o  próprio  fiduciário.     O  fiduciário  é  titular  do  bem  ou  do  direito  ou  da  posição  jurídica  fiduciada.  como  tal.   Situação  análoga  é  aquela  em  que  alguém  deixa  ou  transmite  em  vida  a  uma  outra  pessoa  certos  bens.  para  alcançar.  violando  a  fidúcia.  o  fiduciário  e  o  beneficiário.  O  negócio  indirecto  é.  o  fiduciante  investe  o  fiduciário  na  titularidade  de  um  ou  mais  bens  ou  direitos.  Negócios  fiduciários     O  negócio  fiduciário  é  um  negócio  atípico  misto.   Nas  relações  externas  do  fiduciário  com  terceiros.  o  pacto  fiduciário.   As  partes  podem  livremente  escolher  o  tipo  negocial  que  mais  lhes  convém.  este  investe  o  fiduciário  na  titularidade  da  posição  jurídica  fiduciada.  O  fiduciário  é  titular  do  bem  fiduciário.  Querem   simplesmente  utilizar  o  modelo  regulativo  de  um  tipo  negocial  para  um  fim  que  não  corresponde  à  sua  função  típica.     Na  relação  interna  o  fiduciário  está  vinculado  a  agir  sobre  o  bem  fiduciado  do  modo  e  com  o  fim  próprio  da  fidúcia.  Pode  ser  muito   relevante  a  consideração  do  fim  indirecto  com  que  as  partes  celebraram  o  negócio  e  qual  a  utilidade  prática  que  com  ele  visaram   alcançar.  ilícito.     Se  o  fiduciário.  Quando  assim  for.  já  não  coincidem  o  fiduciante  e  o  beneficiário.  O  fiduciário  fiel  pode   ver-­‐lhe  subtraída  a  coisa.  a  vinculação  fiduciária  e  não  tenha.  sempre  que  ele  seja  investido  na  titularidade  da  posição  jurídica  no  seu   próprio  interesse.  nem  de  enganar  quem  quer  que  seja.   Mas  não  é  só  da  infidelidade  do  fiduciário  que  o  fiduciante  e  o  beneficiário  têm  a  temer  a  frustração  da  fidúcia.  Há  um  risco  de  abuso  que  não  pode  deixar  de  cair  sobre  o  fiduciante.  o  fiduciário  não  deixa  de  estar  vinculado  pela  fidúcia.   É  importante  ter  presente  que  a  infidelidade  representa  sempre  violação  da  boa  fé  e  que  o  exercício  fiduciário  desconforme  com  a   boa  fé  constitui  infidelidade.  A  protecção  do  fiduciante  e  do  beneficiário  contra  o  terceiro  que  se  aproprie   da  coisa  é  problemática.   A  reacção  mais  forte  do  Direito  contra  a  infidelidade  é  de  ordem  penal.   O  negócio  indirecto  é  frequentemente  usado  para  contornar  imposições  ou  proibições  legais.  através  de   uma  convenção  obrigacional  de  adaptação  (pacto  fiduciário).  o  fiduciante  não  sente  que  corra  um  risco  e.   São  simples  os  negócios  indirectos  em  que  as  partes  se  limitam  a  utilizar  um  tipo  negocial  com  um  fim  diverso  da  sua  função  própria.  Neste  caso  também  de  fidúcia   tutelar.   O  fiduciante  confia  ao  fiduciário  certo  bem  ou  direito.  consciência  da  infidelidade  do  fiduciário.  mas  que  esse   tipo  permite  alcançar.  nem  sequer  sente  a  necessidade  de  pôr  por  escrito  as   condições  e  os  termos  da  fidúcia.   Os  negócios  indirectos  podem  ser  simples  ou  complexos.No  negócio  indirecto  há  uma  divergência  entre  a  função  típica  e  o  fim  concreto  com  que  é  celebrado  (fim  indirecto).     Na  fidúcia  a  favor  do  fiduciante.  em  princípio.

 tal  como  projectada  e  decidida.   tendo  o  ónus  de  o  impugnar  com  fundamento  no  vício  e  de  demonstrar  os  fundamentos  da  anulação.     a)  A  coacção  absoluta   Artigo  246º   Corresponde  ao  caso  em  que  a  pessoa  é  absolutamente  forçada.  Não  existe  uma  declaração  negocial  que  possa  ser   verdadeiramente  imputável  à  autoria  do  coacto.  Vícios  da  vontade     A  vontade  negocial  pode  estar  viciada  na  sua  formação.  Existe  acção.  pode  mantê-­‐lo.  no  processo  de  volição  e  de  decisão.   Nada  existe  aqui.    A  aparência  que  assim  for  criada  pode  vir  a  causar  dano  a  alguém  que  a  interprete  como  uma  verdadeira  declaração  negocial.  por  erro.  A  liberdade  e  esclarecimento  como  pressupostos  da  validade  negocial     O  negócio  jurídico.  com  o  seu  carácter  criador  de  direito.  em  relação  às  quais  a  lei  duvida  de  que  tenham  sido  devidamente  conhecidas  e  compreendidas.  e  a  sua   exteriorização.   Para  além  destes  casos.  incorrerá  em  responsabilidade  civil  e   deverá  indemnizar  os  danos  que  assim  causar.   Se  a  declaração  não  séria  for  emitida  nestas  circunstâncias.  na  expectativa  de  que  isso  seja  conhecido  pelo  seu   interlocutor.  Se  não  quiser.  nada  mais  existe  do  que  uma  simples  aparência.  o  negócio  que  dele  padeça  poderá  ser  nulo.   O  fundamento  deste  regime  jurídico  especial  encontra-­‐se  na  falta  de  vontade  negocial.  são  tidas   como  excluídas  dos  contratos.  Se  o   autor  tiver  culpa  na  falta  de  consciência  e  na  criação  dessa  aparência  de  declaração  negocial.  contra  e  sem  a  sua  vontade.  A  consequência  jurídica  é  a  anulabilidade  do  negócio  assim  celebrado.  nem  sequer  viciada.  como  acto  de  autonomia  privada.   A  vontade  negocial  pode  existir  mas  estar  viciada  por  falta  ou  por  deficiência  de  esclarecimento  ou  de  liberdade.  o  declarante  incorre  em  responsabilidade  civil  e  terá  de  indemnizar  os   danos  que  causar  com  a  sua  prática.  A  falta  de  vontade  negocial     Três  casos  de  vontade  negocial  previstos  nos  art.   Na  coacção  absoluta  não  existe  qualquer  vontade  negocial.  pode  ocorrer  uma  divergência  entre  a  vontade  negocial.  caso  o  vício   seja  juridicamente  irrelevante.  mas  antes  no  sentido  da  inexistência.     c)  As  declarações  não  sérias   Artigo  245º   São  casos  em  que  o  autor  da  declaração  a  produz  sem  qualquer  intenção  negocial.     b)  A  falta  de  consciência  da  declaração   Artigo  246º   Trata-­‐se  de  casos  em  que  o  autor  do  comportamento  em  questão  não  tem  consciência  de  estar  a  emitir  uma  declaração  negocial.   Quem  emite  declarações  não  sérias  tem  de  ter  cautela  de  não  criar  noutras  pessoas  a  convicção  errónea  da  seriedade  da  declaração.       163.   Os  casos  de  falta  de  vontade  negocial  não  chegam  a  constituir  uma  acção.     162.  dolo  ou   coacção  moral.  o  caso  de  falta  de  consciência  da   declaração  e  o  caso  das  declarações  não  sérias.   Se  a  parte  cuja  vontade  negocial  tenha  sido  perturbada  no  seu  discernimento  e  liberdade  negociais  pode  libertar-­‐se  do  negócio.  anulável  ou  poderá  mesmo  ser  válido.  mais  do  que  uma  simples  aparência  de  acção  negocial  e  a  expressão  legal  “não  produz  qualquer  efeito”  não  deve   ser  interpretada  como  cominação  de  nulidade.A  VONTADE  E  A  DECLARAÇÃO  NEGOCIAIS     161.   Consoante  o  vício  de  que  se  tratar.  o   que  significa  que  não  está  efectivamente  a  fazê-­‐lo.  São  casos  de  inexistência.     d)  A  falta  de  vontade  em  cláusulas  contratuais  gerais   Consideram-­‐se  “excluídas  dos  contratos  singulares”  celebrados  com  recurso  a  cláusulas  contratuais  gerais:   -­‐  as  cláusulas  que  tenham  sido  deficientemente  comunicadas   -­‐  as  cláusulas  comunicadas  com  violação  do  dever  de  informação   -­‐  as  cláusulas  que  passem  despercebidas  a  um  contratante  normal   -­‐  as  cláusulas  inseridas  em  formulários.  por  deficiências  de  esclarecimento  ou   de  liberdade.   A  falta  de  consciência  da  declaração  importa  inexistência.  supõe  e  exige  de  parte  dos  seus  autores   liberdade  e  discernimento  de  pessoas  comuns.245º  e  246º:  o  caso  de  coacção  absoluta.  O  seu  regime  jurídico  é  o  da  inexistência.  Em  termos  muito  gerais.   Não  há  uma  acção  negocial  imputável  ao  seu  autor  como  negócio  jurídico.  mas  o  agir  negocial  é  defeituoso.  depois  da  assinatura  de  alguns  dos  contratantes   Todas  estas  cláusulas.  tal  como  declarada.   .  pelo  declaratário  ou  por  quem  receber  a  declaração.  o  seu  regime  geral  é  o  da  anulabilidade.

 por  remissão   do  art.  cuja  existência  ou  subsistência  tenha  influência  determinante  na  decisão   negocial.     É  necessário  ainda  que  o  declaratário  conhecesse  ou  não  devesse  ignorar  a  essencialidade.  A  aplicação  do  regime  do  art.     No  caso  do  nº1.  O  erro  consiste  numa  falsa   percepção  da  realidade.  a  realidade  em  que  se   insere.  de  modificação.  embora   possa  ser  mais  frequente.  remissão  para  o  regime  da  alteração  de  circunstâncias  previstos  nos  art.     Erro  sobre  a  base  do  negócio   Art.  251º  -­‐  erro  sobre  a  pessoa  ou  sobre  o  objecto  do  negócio  e  remete  para  o  art.     Síntese  do  sistema  legal  da  relevância  do  erro  espontâneo   Na  construção  do  sistema  legal  da  relevância  do  erro  espontâneo  na  formação  da  vontade  há  3  diferentes  áreas  regulativas:   O  erro  sobre  a  pessoa  da  contraparte  e  sobre  o  objecto  do  negócio   O  erro  sobre  a  pessoa  e  sobre  o  objecto  tem  o  regime  do  erro  na  declaração   O  erro  sobre  a  base  do  negócio     À  falsa  representação  que  as  partes  tenham  feito  das  circunstâncias  passadas  ou  presentes  ao  tempo  da  celebração  do  negócio  é   aplicável  o  regime  do  artigo  252º/2  e.  à  modificação  do  negócio  segundo  a   equidade.i.   O  erro  que  afecta  a  formação  da  vontade  negocial  é  designado  como  erro  na  formação  da  vontade  ou  erro-­‐vício.  a  frustração  do  seu  fim  chama  por  uma  solução  de  recomposição.     Como  pressupostos  da  relevância  do  erro  sobre  a  base  do  negócio  deve  retirar-­‐se  do  art-­‐437º  que  o  erro  tem  de  assumir   3características:   -­‐  traduzir-­‐se  num  desvio  “anormal”.  252º/2. 1. iv.  É  necessário  que  as  partes  tenham  previsto  e  que  tenham   consensualmente  assente  a  celebração  do  negócio  no  pressuposto  da  verificação  daquelas  circunstâncias.     A  parte  que  invoque  o  erro  sobre  os  motivos  tem  o  ónus  de  alegar  e  provar  a  essencialidade  do  erro  e  o  acordo  quanto  a   essa  essencialidade.  a  partir  dele.  a  lei  exige  neste  caso  o  acordo  das  partes  sobre  a  essencialidade.  para  o  declarante.  além  da  anulabilidade. ii.  A  distinção  ente  os  campos  de  aplicação  do  nº1  e  do  nº2  do  artigo  252º  é  delicada.     A  consequência  jurídica  do  erro  sobre  a  base  do  negócio  alarga-­‐se.252º/2  exige  uma  certa  adaptação.247º.     Erro  sobre  a  pessoa  ou  sobre  o  objecto  do  negócio   Art.  não  teria  celebrado  o   negócio  ou  não  o  teria  celebrado  desse  modo.  o  status  quo  existente  ao  tempo  da  sua  celebração.  a  respeitar  a  sua  justiça  interna. 2.       Erro  sobre  os  motivos   Art.     A  lei  adoptou  esta  solução  entre  a  anulação  e  a  modificação  segundo  a  equidade.251º:  a  essencialidade  e  a  cognoscibilidade.  437º  e  seguintes     Trata-­‐se  de  algo  de  exterior  ao  negócio  que  constitui  o  seu  ambiente  circunstancial  envolvente.   -­‐  que  o  desvio  e  a  perturbação  da  justiça  interna.  bem  como  a  frustração  do  fim  do  negócio  não  estejam  cobertos  pelos  riscos   próprios  do  contrato.  concernente  ao  erro  na  declaração     Para  que  o  negócio  seja  anulável  é  necessário  que  se  verifiquem  dois  pressupostos  que  constam  do  art.  a  falsa  representação  só  tem  relevância  anulatória  quando  haja  consenso  sobre  a  essencialidade  dessas   circunstâncias.252º/1   Os  requisitos  de  relevância  anulatória  do  erro  sobre  os  motivos  são  diferentes:  é  necessária  a  essencialidade  do  erro.       Mas  é  suficiente  que  uma  das  partes  apenas  tenha  incorrido  em  erro  –  erro  unilateral-­‐  ou  é  necessário  que  o  erro  tenha   afectado  todas  as  partes  no  contrato  –  erro  plurilateral?  A  bilateralidade  do  erro  não  parece  ser  rigorosamente  necessário.     O  negócio  só  é  anulável  por  erro  sobre  a  pessoa  ou  sobre  o  objecto  se  esse  erro  for  tal  que  sem  ele  a  parte  o  não  teria   celebrado  ou  não  o  teria  celebrado  com  aquele  conteúdo.  cuja  existência  é  essencial   .  de  adaptação  do  negócio  de  modo  a   manter  o  equilíbrio  inicialmente  querido  pelas  partes.   -­‐  que  este  desvio  perturbe  a  justiça  interna  do  negócio  ou  fruste  o  seu  fim.  e  que  a  outra  parte  sabia  ou  não  devia  desconhecer  que  assim  era. 3.  do  elemento   sobre  o  qual  o  erro  incidiu.     É  necessário  que  tenha  ocorrido  uma  falsa  representação  do  quadro  circunstancial  que  constitui  a  base  do  negócio.  mas  em  vez  da   simples  cognoscibilidade  pela  parte  contrária.     A  parte  que  errou  tem  o  ónus  de  demonstrar  este  duplo  requisito:  que  se  não  tivesse  ocorrido  o  erro.     III.  A  perturbação  do  equilíbrio  interno  do   negócio.     a)  O  erro   O  vício  da  vontade  negocial  que  se  traduza  em  deficiência  de  discernimento  do  autor  constitui  erro. A  parte  cuja  vontade  negocial  esteja  viciada  tem  legitimidade  para  a  anulação  pois  a  anulabilidade  é  estabelecida  no  seu  interesse  e   em  sua  protecção.  Para  que  haja  acordo  é  necessário  que  haja  consciência.247º. iii.  o  dos  artigos  437º  e  seguintes.  437º  por  remissão  do  art.     A  consequência  jurídica  do  erro  sobre  os  motivos  é  também  a  anulabilidade  do  negócio.  É  esse  o  sentido  da  essencialidade.

2.  a  contraparte  poderá  arguir  a  não  modificabilidade  do  negócio.  Ao  remeter  para  o  437º.  estavam  em  erro  quanto  às  circunstâncias.  se  pedir  a  modificação.  No  erro  sobre  a  base  do  negócio  trata-­‐se  da  pressuposição  de  passado  e  de  presente.     IV.  Se  pedir  a  anulação.  ao  tempo  da  celebração  do  negócio.  de   enganar  ou  manter  no  engano  o  autor  da  declaração.  deve  ser  finalisticamente  dirigido  a  induzir  ou   manter  em  erro  o  declarante.  no  sentido  em  que  se  não  tivesse  havido  uma  falsa  representação   da  realidade.       O  erro  de  propognose  não  corresponde  a  uma  falsa  percepção  da  realidade  e  não  constitui  sequer  um  erro.  na  alteração  de  circunstâncias  a  que  se  aplicam  directamente  os  artigos  437º  e  seguintes. 1.  seja  ele  consciente  ou  intencional.  como  vício  do  negócio  jurídico  envolve  três  elementos:   um  elemento  objectivo  (qualquer  sugestão  ou  aritifício)   um  elemento  subjectivo  (intenção  ou  consciência)   um  elemento  finalista  (de  induzi  ou  manter  em  erro)   O  dolo  pressupõe  um  embuste.  e  estão  de  acordo  nessa  matéria.  que  pode  traduzir-­‐se  na  intenção.     VII.  em  casos  dessa  índole.     Diferentemente.  Ambas  as  partes  têm  consciência  de  que  há  circunstâncias  sem  as  quais  não  teriam  celebrado  o  negócio.  das  circunstâncias  que  são  objectivamente  determinantes  do  ambiente  circunstancial  do  negócio.  não  têm  de  ter  sido  subjectivamente  objecto  de   consenso  entre  as  partes.       O  artigo  253º  define  o  dolo  como  "qualquer  sugestão  ou  artifício  que  alguém  empregue  com  a  intenção  ou  consciência  de   induzir  ou  manter  em  erro  o  autor  da  declaração.  e   impor  a  modificação  deste.  ao  negociar.  trata-­‐se  do  quadro   circunstancial  que.  O  negócio  viciado  por   dolo  é  anulável.  "Quando  o  declarante  pedir.  deve   colocar-­‐se  na  posição  da  contraparte  e  agir.  embora  previsto  e  representado  por  uma  ou  mais  partes.  quando  formaram   a  sua  vontade  negocial  e  tomaram  a  decisão  de  contratar.  segundo  juízos  de  equidade".  a   anulação  por  erro  nos  termos  do  artigo  251º. para  a  sua  decisão  negocial.  poderá  escolher  entre  pedir   a  anulação  ou  a  modificação.   ou  não  o  teriam  celebrado  com  aquele  conteúdo.  mas  sim  uma  posterior  e  superveniente  alteração  anormal  do  quadro   circunstancial  do  negócio.  constitua  a  base  do  negócio.  Neste  caso  será  possível  combinar  as  soluções  propostas  por  ambos  os  regimes  jurídicos.  No  segundo.  a  outra  parte  poderá  opor-­‐se  e  optar  pela  modificação  do  negócio  de  acordo  com  a   equidade.  enquanto  na   alteração  de  circunstâncias  o  caso  é  de  pressuposição  do  futuro.  ou  a  dissimular  esse  erro.   desde  que  a  circunstância  sobre  que  recaia.  como  o  simples  deixar  a  outra   parte  no  engano.  o  regime  do  artigo  252º/2  exige  que  se   verifiquem  os  requisitos  do  artigo  437º.  omita  informações  que  deva  prestar   ou  não  cumpra  o  dever  de  esclarecimento  com  violação  da  boa  fé  e  dos  usos  próprios  do  comércio.  Pode  haver  dolo  omissivo.1.  o  negócio  não  teria  sido  celebrado.   Só  haverá  cumulação  se  houver  essencialidade. 3.  mas  não  se  verificarem  os  requisitos  do  artigo   437º.     b.  aplicar-­‐se-­‐á  o  regime  do  252º/2.  só  lhe  será  aplicável  o  regime  do  artigo  251º   Se  for  essencial  e  se  verificarem  os  requisitos  do  artigo  437º  mas  a  essencialidade  não  for  conhecida  nem  cognoscível  pela  outra   parte.  Tanto  constitui  dolo  a  manobra  enganosa.  uma  das  partes  use  de  artifícios  enganosos.     Larenz  afirma  que  a  base  negocial  subjectiva  estaria  sediada  no  nº  1  e  a  base  negocial  objectiva  que  constituiria  o   substracto  do  nº2. 3.  A  parte.  não  há  erro  nem   falsa  representação  ao  tempo  da  celebração  do  negócio.     É  comum  a  ambos  os  regimes  que  o  erro  seja  essencial.  porque  esta  só  pode  ser  pedida  pela  parte  que  errou.  o  nº2  do  252º  dispensa  o  consenso  das  partes.     Há  dolo  ilícito  sempre  que.  Mas  o  consenso  não  é  exigido.  Oliveira  Ascensão  defende  a  aplicação  do  regime  do  252º/2  ao  erro  sobre  a  pessoa  da  contraparte  ou  sobre  o  objecto  do  negócio.  do  erro  do  declarante".     O  erro  sobre  a  base  do  negócio  ocorre  nos  casos  em  que  as  partes.     O  regime  do  nº2  pressupõe  a  consciência  da  essencialidade  mas  não  já  o  consenso  sobre  ela.  ou  na  simples  consciência.  se  esta  for  cognoscível  pela  outra  parte  e  se  se  verificarem  ainda  os  requisitos  do   437º.  bem  como  a  dissimulação.     O  embuste.     O  dolo  pressupõe  uma  atitude  subjectiva  do  agente.  é  tratado  nos  artigos  253º  e  254º  como  dolo.  Sem  consciência  não  há  falsa   representação  nem  erro.  não  só  como  ela  de  si  própria  razoavelmente  esperaria  de  acordo  com  a  regra  de  outo  e   .  pelo  declaratário  ou  terceiro.  mas  não  poderá  pedir  a  sua   anulação.  Menezes  Cordeiro  defende  que  "no  erro  há  que  aplicar  o  regime  comum  do  erro:  a  anulabilidade".       O  dolo.  do  status   quo  sem  o  qual  o  contrato  se  desequilibra  insuportavelmente  ou  se  frustra.  Há  que  distinguir  3  hipóteses:   Se  o  erro  sobre  a  pessoa  ou  o  objecto  for  essencial  e  cognoscível  pela  outra  parte.     Da  comparação  entre  os  regimes  do  nº1  e  do  nº2  do  252º  pode  concluir-­‐se  que  no  primeiro  se  trata  de  circunstâncias   subjectivas  e  consensualmente  previstas  pelas  partes  como  essenciais  à  decisão  de  contratar.     Havendo  cumulação  dos  pressupostos  de  aplicação  dos  artigos  251º  e  252º/2  a  parte  que  invoca  o  erro.  O  dolo   Sempre  que  o  erro  não  seja  espontâneo.  Mas  há  também  requisitos  específicos:  o  regime  do  artigo  251º  exige  a   cognoscibilidade  pela  outra  parte  da  essencialidade  do  elemento  sobre  que  recaiu  o  erro.     O  nº  2  do  artigo  253º  contém  uma  regra  que  traduz  a  distinção  entre  dolo  lícito  e  dolo  ilícito. 2.  seja  ele  activo  ou  omissivo.  o  declaratário  pode  demonstrar  que  se  trata  de  um  erro  sobre  a  base  do  negócio.  É  apenas  uma   propognose  falhada.  mas  sim  provocado.  na  negociação.

 a  coacção   absoluta  porque  no  caso  da  coacção  moral  existe  vontade  negocial.  O  requisito   da  ilicitude  da  ameaça  surge  no  artigo  255º/3  "não  constitui  coacção  a  ameaça  do  exercício  normal  de  um  direito".  ou  se  ele  conhecia  ou  devia  conhecer  o  dolo.  O  negócio  usurário.  embora  viciada  pelo  medo.  como  acção.  enquanto  na  coacção  absoluta   simplesmente  não  há  vontade  negocial.  Fala-­‐se   de  dupla  causalidade.  exteriorizar  a  sua  declaração  com  um  conteúdo  diferente  daquele  que  era  o  seu  projecto   negocial  e  fazê-­‐lo  intencionalmente.  Em  casos  como  esse.     Se  a  coacção  for  da  autoria  da  contraparte.  Vícios  da  declaração     O  negócio  jurídico.     A  ameaça  só  terá  relevância  anulatória  se  for  efectivamente  causal  do  acto  ou  do  comportamento  negocial  viciado.       A  ameaça  pode  ser  dirigida  contra  a  pessoa  do  declarante  ou  de  terceiro.     A  usura  afecta  o  negócio  numa  dupla  dimensão:   Enquanto  acto  que  põe  em  vigor  uma  relação  privada   Enquanto  regulação  posta  em  vigor  pelo  acto     É  necessário  que  haja  um  aproveitamento  consciente  e  reprovável  da  situação  de  inferioridade  da  vítima  e  ainda  que  o  negócio  assim   celebrado  esteja  desequilibrado  injustificadamente.     É  necessário  que  a  ameaça  seja  finalisticamente  dirigida  à  prática  do  acto  cuja  viciação  por  dolo  esteja  em  questão.       c.     A  ameaça  pode  provir  do  declaratário  ou  de  terceiro. com  o  imperativo  categórico  (boa  fé).   .  que  são:   A  ameaça   A  ilicitude  da  ameaça   A  causalidade  da  ameaça   A  finalidade  de  extorquir  a  declaração  negocial   Para  que  o  negócio  seja  viciado  por  coacção  moral  é  necessário  que  o  declarante  tenha  sido  ameaçado.  decisão  e  declaração  negocial.  Do  negócio  que  é  anulável  por  dolo  pode  ter  resultado  algum  benefício  para  um   terceiro.  quando  a  ameaça  seja   proferida  por  terceiro.  consciência.  é  uma  síntese  de  liberdade.     O  artigo  255º  do  CC  trata  da  coacção  moral  como  vício  do  negócio  jurídico  e  refere  os  requisitos  da  eficácia  anulatória  da   coacção  moral.  ambas  as  partes   têm  legitimidade  para  pedir  a  anulação  do  negócio. 2.  A  coacção  moral   O  negócio  pode  ser  afectado  por  um  vício  que  o  atinge  na  liberdade  negocial.  Esta  ameaça  pode  ter  sido  feita  pela  contraparte  ou  por  terceiro.  porque  é  necessário  que  a  ameaça  cause  medo  e  que  esse  medo  seja  determinante  do  negócio  ou  do  acto   viciado.  São  casos  de  divergências  intencional  entre  a  vontade  e  a  declaração  os  de  simulação  (240º  a   243º)  e  de  reserva  mental  (244º).  quando  haja   divergência  entre  a  vontade  e  a  declaração.  vontade.  Há  que  distinguir  as  ameaças  lícitas  das  ameaças  ilícitas.  é  necessário  que  tenha  sido  induzido  por  uma  ameaça.  A  anulação  do  negócio  por  dolo  só  lhe  é  oponível  se  tiver   sido  ele  o  autor  do  dolo.     Para  que  tenha  relevância  anulatória.  Não  é  suficiente  o  medo   espontâneo.     O  negócio  viciado  por  coacção  moral  é  anulável.  sofre  de  um   defeito  de  conteúdo  e  colide  ainda  com  os  bons  costumes.     A  bilateralidade  do  dolo  não  exclui  a  anulabilidade  do  negócio  celebrado  com  dolo.  Na  parte  final  do  nº  2  do  254º  o  CC  protege  o  terceiro  inocente.  este  não  ficará  viciado.     Não  é  qualquer  ameaça  que  constitui  a  coacção  moral.  ou  uma  delas.  O  acto  praticado  em  incapacidade  acidental  é  anulável.  a  exteriorização.• • • • 1.  A  divergência  entre  a  vontade  e  a  declaração   A  divergência  entre  a  vontade  e  a  declaração  pode  ser  intencional  ou  não  intencional.  Só  há  coacção  se   a  ameaça  for  feita  com  a  cominação  de  um  mal  ilícito.     d.     Podem  as  partes.       164.  Se  a  coacção  não  for  causal  do  acto.  é  necessário  que  o  dolo  cause  erro  e  que  esse  erro  seja  essencial.  Esta  síntese  pode   ser  perturbada  quando  a  declaração.  além  de  sofrer  de  um  defeito  de  formação.  e  com  os  padrões  de  decência  e  seriedade.  e  o  mal  com  que  se  ameaça  tanto  pode  incidir   sobre  a  pessoa  como  sobre  o  património.  de  acordo  com  o  passado  de   relacionamento  negocial  entre  as  partes.  A  incapacidade  acidental   O  declarante  pode  estar  "acidentalmente  incapacitado  de  entender  o  sentido"  da  declaração  ou  privado  "do  livre  exercício  da  sua   vontade"  -­‐  incapacidade  acidental.     e.  seja  desconforme  se  afaste  da  consciência  e  da  vontade  negocial.     É  necessário  que  a  coacção  seja  causal  do  acto  ou  do  negócio  praticado.  mas  também  como  dela  seria  razoavelmente  esperado  que  agisse.  A  coacção  moral  distingue-­‐se  assim  da  chamada  coacção  física.     a.  O  estado  de  necessidade  e  a  usura  (remissão)   O  estado  de  necessidade  não  tem  relevância  autónoma  em  matéria  de  vícios  da  vontade.  ela  merece  menor  protecção  do  que  se  for  inocente.

    ii.     São  três  os  elementos  estruturais  da  simulação:   Acordo  entre  as  partes  com  o  fim  de  criar  uma  falsa  aparência  de  negócio   A  divergência  entre  a  vontade  declarada  e  a  vontade  real  (entre  a  aparência  criada)  e  a  realidade  negocial)   Intuito  de  enganar  terceiros     Na  simulação  um  acordo  tem  como  conteúdo  a  estipulação  entre  as  partes  da  criação  de  uma  aparência  negocial  e  a  regulação  do   relacionamento  entre  o  negócio  aparente  assim  exteriorizado  e  o  negócio  real.       Antunes  Varela.  o  que  vale  é  o   negócio  real  (dissimulado).  no  caso  da  simulação  absoluta.     É  necessário  que  a  simulação  tenha  sido  feita  com  o  intuito  de  enganar  terceiros.  O  negócio  dissimulado  será  então  válido  "desde  que  para  os  quais   seja  determinante  a  exigência  da  forma  legal"   .       Rui  de  Alarcão.  A  simulação  de  preço  é  vulgar  na   compra  e  venda  de  imóveis  e  traduz-­‐se  muitas  vezes  na  declaração  de  um  preço  inferior  ao  real.  que  é  pactuada  entre  as  partes  com  a  intenção  de  enganar   terceiros.  Na  simulação  absoluta  há  apenas  um  negócio  -­‐  o  negócio   simulado  -­‐  enquanto  que  na  simulação  relativa  há  dois  negócios  -­‐  o  negócio  simulado  e  o  negócio  dissimulado.  um  verdadeiro  negócio  jurídico.  erro  de  cálculo  ou  de  escrita  (249º)  e  de  erro  na  transmissão  da  declaração  (250º).  Esta  intenção  de  enganar  não  envolve   necessariamente  a  intenção  de  prejudicar.  Na  simulação  existe   uma  aparência  negocial  criada  intencionalmente  pelas  partes  sob  a  qual  poderá  existir.  só  é  válido  se  tiver  sido  observada  a  forma  exigida.  Na  simulação  as  partes  acordam  entre  si  emitir  uma  declaração  negocial  que  não  corresponde  à  sua  real  vontade  e  fazem-­‐ no  com  o  intuito  de  enganar  terceiros.     Nos  artigos  242º  e  243º  a  posição  jurídica  dos  simuladores  é  desvalorizada  em  relação  à  dos  terceiros  de  boa  fé.     Há  que  distinguir  aparência  criada  e  a  realidade  negocial.  o  negócio  dissimulado.  exprimam  ou  exteriorizem   deficientemente  o  seu  projecto  negocial.     No  CC  de  1966  o  nº2  do  241º  consta:  "se  o  negócio  dissimulado  for  de  natureza  formal.  a  simulação  designa-­‐se  inocente.  ao  negócio  real  (dissimulado).  assim  criada  pode   corresponder  um  negócio  verdadeiro  que  as  partes  mantêm  oculto  ou  pode  também  não  corresponder  qualquer  negócio.  não  existe  um  negócio  real  que  possa  valer.  fala-­‐se  de  simulação  absoluta.  só  é  válido  se  tiver  sido  observada  a   forma  exigida  por  lei".     Carvalho  Fernandes  segue  a  posição  de  Castro  Mendes.  com  o  fim  de  ocultar  a  identidade  do  verdadeiro   interveniente  no  contrato.   na  doutrina  de  Beleza  dos  Santos.  seguiu  a  tese  de  Manuel  de  Andrade.  não  sendo  a  sua  validade  prejudicada  pela  nulidade  do  negócio  simulado".  Quando   sob  a  aparência  criada  com  a  simulação  existir  um  negócio  oculto.  é  designada  simulação  fraudulenta.     Segundo  o  artigo  240º/2.1.     Perante  esta  redacção  do  preceito  legal.  Quando  não  haja  intenção  de  prejudicar.  Realidade  e  aparência   A  simulação  é  uma  divergência  bilateral  entre  a  vontade  e  a  declaração.  simulação  de  tipo.     Os  casos  mais  frequentes  de  simulação  objectiva:  simulação  de  preço.  aproveitaria  ao  negócio  real  dissimulado.   porque  as  razões  da  exigência  legal  de  forma  estariam  já  satisfeitas  com  a  escritura  celebrada.  São  casos  de  divergência  não  intencional  entre  a  vontade  e  a  declaração:  o  erro  na   declaração  (247º  e  248º).  para  reduzir  ou  evitar  a  incidência  da   sisa.     Mota  Pinto  defendeu  que  se  a  forma  legalmente  exigida  só  tiver  sido  respeitada  no  negócio  aparente  e  não  no  negócio  real.  Na  construção  de  Andrade.  é  vulgar  fazer  intervir  uma  contraparte  falsa.   Pode  também  suceder  que  as  partes.  mas  o  negócio  dissimulado  pode  valer  como  se  "fosse  concluído  sem   dissimulação.     Na  simulação  subjectiva. 3.  Entre  a  tutela  do  interesse  dos  simuladores  e  a   protecção  dos  interesses  dos  terceiros.  ou  uma  delas.  na  simulação  absoluta  não  há  negócio  algum.  No  caso  da  simulação  relativa.  Quando  há   intuito  de  enganar  e  prejudicar.  A  simulação  e  a  forma   O  nº  2  do  artigo  241º  estatui  que  se  o  negócio  dissimulado  for  de  natureza  formal.  ou  não.  Na  simulação  de  tipo  é  frequente  a  declaração  de  uma  compra  e  venda  para  dissimular  uma  doação.  apenas  uma  aparência.  quando  sob  o  negócio  aparente   nenhum  negócio  verdadeiro  existir.  Na   simulação  relativa  há  um  negócio.  fala-­‐se  de  simulação  relativa.  o  negócio  simulado  é  nulo.     Castro  Mendes  separou  o  negócio  simulado  e  o  negócio  dissimulado.       Divergência  Doutrinária:   Orientação  mais  restritiva  -­‐  Beleza  dos  Santos   Orientação  mais  permissiva  -­‐  Manuel  de  Andrade     Tanto  na  simulação  de  tipo  como  na  simulação  de  pessoas.  a  Doutrina  dividiu-­‐se.  Tipos  de  simulação   A  simulação  pode  ser  subjectiva  e  objectiva.  A  esta  aparência  negocial.   o  negócio  simulado  é  nulo  por  simulação  e  o  negócio  dissimulado  é  nulo  por  vício  de  forma.  a  forma  adoptada  pelo  negócio  aparente  (simulado).  nunca  aproveitaria.  A  simulação   i.     iii.     b.       O  regime  jurídico  da  simulação  é  orientado  mais  para  a  justiça  do  que  pela  lógica. 2.  mais  favorável  à  validade  substancial  do  negócio  dissimulado.  sem  disso  ter  consciência  e  intenção.

 pelos  próprios  simuladores.  o  negócio  é  nulo  por  falta  de  forma".  quer  do  pacto  simulatório.  mas  não  contra  terceiros  de  boa  fé.  A  simulação  não   pode  ser  invocada  pelos  simuladores  contra  os  terceiros  de  boa  fé.  Só  os  terceiros  inocentes  são  protegidos.  A  arguição  da  simulação  tem  porém.  contrária  à  boa  fé.  discutida  na  Doutrina  a  solução  a  dar  ao  conflito  entre  dois  terceiros.  com  ela.       iv.       Os  tribunais  têm  admitido  o  recurso  a  testemunhas  para  prova  da  simulação  quando  haja  já  um  princípio  de  prova  da   simulação  que  não  seja  contudo.  salvo  se  as   razões  determinantes  da  forma  a  tanto  se  não  opuserem".  Prova  da  simulação   No  artigo  394º/3  do  CC.  ainda  que   a  simulação  seja  fraudulenta.  a  lei  veda  aos  simuladores  o  recurso  a  testemunhas  para  a  prova.  desde  que  a  forma  que  a  lei   exige  para  a  sua  validade  tenha  sido  observada  no  negócio  aparente.  "terá  de  haver  um  mínimo  de  correspondência  no  texto.  mas  em   concreto  tal  não  sucede.   consagrado  no  286º.  Na  reserva  mental.  sempre  que  é  emitida  uma  declaração  contrária  à  vontade  real  com  o   intuito  de  enganar  o  declaratário".  por  Beleza  dos  Santos   e  Hörster)   Fazer  prevalecer  a  validade  sobre  a  publicidade  (adoptada  por  Antunes  Varela  no  CC  anotado  e  maioritariamente  pelos  tribunais   portugueses)   A  opção  pela  invalidade  parece.  quando  o  negócio  aparente  esteja  titulado  em  documento  autêntico  ou  particular.       O  artigo  243º  do  CC  não  permite  a  arguição  da  simulação  pelo  simulador  contra  um  terceiro  de  boa  fé.     A  declaração  negocial.  na  lei  um  regime  especial.  não  é  suficiente  que  no  negócio  simulado  tenha  sido  adoptada  a  forma  exigida  por  lei  para  o   negócio  dissimulado.  segundo  o  artigo  242º  pelos  próprios  simuladores  entre  si.  Os  elementos  do  contrato  real  que  não  estejam  cobertos  pela   forma  do  negócio  aparente  (simulado)  ficam  inevitavelmente  expressos.  de  reconhecível  na  vida  de   relação.  que   invocam  em  conjunto  a  simulação.  em  detrimento  da   posição  de  quem  adquiriu  do  titular  aparente.  quando  for  invocada  por  terceiros.  a  posição  jurídica  dos  terceiros  de  boa  fé  prevalece  claramente  sobre  a  dos  simuladores  e  dos   terceiros  de  má  fé.   .   Para  Oliveira  Ascensão.  A  reserva  mental   A  reserva  mental  é  uma  divergência  intencional  e  unilateral  entre  a  vontade  e  a  declaração.       São  duas  as  soluções  extremas  que  podem  ser  adoptadas  nesta  questão:   Fazer  prevalecer  a  publicidade  emergente  da  forma  à  validade  (adoptada  pela  doutrina  Alemã  e.  em  Portugal.  contra  terceiros  interessados  não  deve  ser  admitida.  suficiente  para  constituir  por  si  só  prova  da  simulação.  quer  do  negócio   real.  tem  de  ser  algo  de  exteriorizado.  De  acordo  com  o  regime  geral  da  nulidade.       No  regime  da  simulação.  à  primeira  vista  assegurar  melhor  a  publicidade  e.     A  reserva  mental  é  irrelevante.  por  qualquer  interessado.       Nos  casos  de  reserva  mental  tem  de  haver  consciência  da  declaração  e  vontade  de  emitir  uma  declaração  negocial:  tem  de   existir  vontade  e  consciência  negocial.  feita  com  o  intuito  de  enganar  o   declaratário.  sem  as  quais  não  existe  acção  e  o  acto  é  juridicamente  inexistente.  segue  o  caminho  de  apreciar  a   relevância  da  falta  de  forma  em  relação  à  parte  oculta  do  negócio.     v.     O  verdadeiro  sentido  útil  do  nº3  é  permitir  o  recurso  a  testemunhas  para  a  prova  da  simulação  quando  não  for  arguida   pelos  simuladores.     A  simulação  é  um  acto  ilícito  e  os  simuladores  não  merece  protecção  do  Direito.     Parece  ser  preferível  a  solução  a  considerar  formalmente  válido  o  negócio  real  (dissimulado).     Oliveira  Ascensão  defende  a  prevalência  da  posição  jurídica  daquele  que  adquiriu  do  verdadeiro  titular.  um  a  partir  de  um  dos  simuladores  e  outro  a  partir  do  outro.  por  isso.  deve  ser  nenhuma.  todavia.  Na  definição  do  artigo  244º  "há  reserva  mental.  ambos  de  boa  fé  e  que  tenham   adquirido  o  mesmo  bem.  porque  constituiria   venire  contra  factum  proprium.  a  nulidade  emergente  da  simulação  poderia  ser  arguida  a  qualquer  tempo.       A  nulidade  emergente  da  simulação  pode  ser  arguida.  adoptada  por  parte  muito  importante  da  Doutrina  portuguesa.  o  declarante  mente  e  tenta  enganar:  declara  contratar  mas  tem  intenção  de   não  respeitar  o  negócio  que  celebra.  A  reserva  mental  não  constitui.1.  É.  ilícita  e  eticamente  reprovável. 2.  O  nº2  do  artigo  244º  estatui  que  "a  reserva  não  prejudica  a  validade  da  declaração".  e  poderia   ser  oficiosamente  declarada  pelo  tribunal.     Carvalho  Fernandes  sustenta  uma  posição  diferente.       c.  Se  o  terceiro  adquiriu  o   bem  conhecedor  da  simulação.       Uma  solução  intermédia.  como  acção  e  como  negócio  jurídico.       Menezes  Cordeiro  recorre  à  analogia  com  o  artigo  238º.       A  invocação  da  simulação.  declaração  negocial.       A  boa  fé  segundo  o  artigo  243º/2  º  é  relevante  em  moldes  subjectivos:  consiste  na  ignorância  da  simulação  ao  tempo  em   que  foram  constituídos  os  direitos  que  o  terceiro  invoca  e  que  são  prejudicados  pela  arguição  da  simulação.  os  interesses  dos  terceiros.  não  merece  já  a  protecção  legal.     Não  há  acção  sem  exteriorização.     Parece  mais  adequado  e  mais  justo  dar  prevalência  à  posição  jurídica  daquele  que  adquiriu  do  verdadeiro  titular  em   detrimento  daquele  que  adquiriu  do  falso  titular.  Acabando  por  dar  prevalência  ao  acto  ou  registo  que  primeiro  ocorrer.       Hörster  tal  como  Beleza  dos  Santos:  "se  as  partes  reais  ou  o  conteúdo  efectivo  não  constam  do  documento  legalmente   prescrito.  Porque  a  credibilidade  dos  simuladores.  Arguição  da  simulação   O  artigo  240º/2  do  CC  comina  a  simulação  com  a  nulidade  do  negócio  simulado.

 Erro  na  transmissão  da  declaração   O  artigo  250º  prevê  ainda  o  caso  em  que  o  declarante  tenha  incumbido  uma  outra  pessoa  de  transmitir  a  sua  declaração.     A  correcção  do  erro  de  cálculo  ou  de  escrita  só  pode  ser  efectuada  salvo  acordo  das  partes.     A  forma  é  o  modo  como  o  acto  e  o  negócio  se  manifestam  ou  exteriorizam.  Trata-­‐se  da   figura  do  núncio.  O  erro  na  declaração   A  divergência  não  intencional  entre  a  vontade  e  a  declaração  decorre  sempre  que  o  declarante  inadvertidamente  faz  constar  da  sua   declaração  algo  que  não  coincide  com  aquilo  que  queria  declarar:  é  o  erro  na  declaração.  o  erro-­‐obstáculo  prejudica  a  expressão  da   formação  da  vontade  e  causa  uma  divergência  não  intencional  entre  o  que  a  pessoa  exprime  e  quilo  que  ela  queria  exprimir.  não  pode  assumir  relevância  como  negócio   jurídico.  A  regra  hoje  é  a  da  liberdade  de  forma.  e  esse  negócio  entra  efectivamente  em  vigor. 2.  A   declaração  é  anulável  mesmo  que  se  não  verifiquem  os  requisitos  de  essencialidade  e  de  cognoscibilidade  exigidos  pelo  247º  do  CC.   .  Erro  de  cálculo  ou  de  escrita   No  artigo  249º  o  CC  prevê  erro  de  cálculo  ou  de  escrita.   Se  existe  vontade  e  consciência  negocial.  A  divergência  entre  a  vontade  real  e  a  vontade  declarada  pode  resultar  de  uma  desconformidade  ocorrida  na  sua   comunicação  quando  seja  "inexactamente  transmitida  por  quem  seja  incumbido  da  transmissão".         166.  No  erro-­‐ vício  a  pessoa  erra  ao  decidir.  embora  ele  mantenha  in  pectore  o  intuito  de  não  se  vincular.  segundo  o  artigo  247º  é  anulável.  Sem  um  mínimo  de  forma.  Não  houve  pois  erro-­‐vício  nem  erro-­‐ obstáculo.  Forma  e  formalidades     A  forma  deve  distinguir-­‐se  das  formalidades.    No  erro-­‐obstáculo  a  pessoa  erra  ao  declarar.  a  reserva  mental.     Pode  dizer-­‐se  que  não  há  negócios  jurídicos  sem  forma.  O  artigo  248º  permite  que  o  negócio  valha  com  o  conteúdo  e  o  sentido  que  o  declarante  lhe  querida  dar.       Verificada  a  ocorrência  do  erro  na  declaração.  que  incide  no  processo  de  formação  da  vontade  negocial.       d.  a  declaração  é  sempre  anulável".  AS  formalidades  são  actos  acessórios.       A  declaração  afectada  por  erro-­‐obstáculo.  O  vício  na  declaração  ocorre   no  momento  em  que  o  núncio  comunica  ao  declaratário  incorrectamente  aquilo  que  o  declarante  o  incumbiu  de  dizer.  A  forma  é  o  modo  como  o  negócio  jurídico  se  insere  neste  âmbito  social  de  relação  interpessoal.  A  forma     Os  negócios  jurídicos  são  acções  juridicamente  relevantes  que  assumem  uma  exterioridade  que  vai  para  além  de  uma  mera  vontade   ou  intenção  interior.   Diferentemente  do  erro  vício.  Segundo  o   nº2  do  artigo  244º.     O  declarante  formou  bem  a  sua  vontade  e  exprimiu-­‐a  correctamente  ao  núncio.     O  nº2  do  artigo  250º  estatui  que  "se  a  inexactidão  for  devida  a  dolo  do  intermediário.  que  estão   ligados  ao  negócio  mas  que  dele  não  fazem  parte.     A  anulabilidade  do  negócio  viciado  por  erro  na  declaração  depende  da  verificação  de  2  pressupostos:   a  essencialidade   a  cognoscibilidade   A  essencialidade  verifica-­‐se  sempre  que  se  conclua  que  o  erro  incida  sobre  um  elemento  do  negócio  que  seja  determinante  da  sua   celebração.  são  actos  ou  factos  complementares  cuja  satisfação  ou  verificação  são  exigidas   para  a  prática  do  acto  ou  para  a  celebração  do  negócio.  o  declarante  quer  criar  e  pôr  em  vigor  um  negócio   jurídico.  de  ser  exteriorizado  de   modo  a  tornar-­‐se  reconhecível.  quando  conhecida  pelo  declaratário.  O  meio  de  expressão  da  vontade  negocial  ao  declaratário  é  a  sua  comunicação  pelo  núncio.  este  comunga  da  reserva  e  deixa  de  haver  razão  para  o  proteger.     f.  Estas.     É  importante  distinguir  bem  o  erro  na  declaração  (erro-­‐obstáculo)  do  erro  na  formação  da  vontade  (erro-­‐vício).  O  declarante  faz  constar  algo  de  errado  na  sua  declaração.  É  ainda  necessário  que  a  mesma  essencialidade  seja  reconhecida.         Capítulo  X     A  forma  dos  negócios  jurídicos     165.  A  mera  formação  de  uma  intenção  subjectiva  não  exteriorizada.     Se  a  reserva  for  conhecida  pelo  declaratário.  o   modo  como  surge  e  se  exterioriza  no  mundo  e  na  vida.1.  porque  se   enganou  nas  contas.  O  mesmo  sucede  também  com  frequência  quando  o  declarante  erra  ao   escrever.  porque  errou  uma  operação  de  cálculo.  ou  seja.  segue  o  regime  da  simulação.  e   ele  não  seria  reconhecido.  o  negócio  mantém-­‐se  válido  "se  o  declaratário  aceitar  o  negócio  como  o   declarante  o  queria".  Estas  formalidades  podem  ser  anteriores.     e.  não  haveria  exteriorização  do  negócio.  Um  negócio  jurídico  carece  de  ser  manifestado.  também  designado  erro-­‐obstáculo.  se  não  for  reconhecível  para  além  do  seu  autor.  concomitantes  ou  posteriores  à   celebração  do  negócio.  ou  não  deva  ser  ignorada  da  outra  parte.     A  demonstração  dos  pressupostos  da  essencialidade  e  da  cognoscibilidade  constitui  ónus  de  quem  invoca  o  erro:  da  parte   que  errou.  É  intencional  e   conscientemente  que  o  declarante  põe  em  vigor  o  negócio  e  a  sua  reserva  oculta  é  irrelevante.  o  negócio  existe.

 É  inegável  que  existem  exigências  legais  de  forma  que  são  contraproducentes.  insusceptível  de  redução  teleológica"     Oliveira  Ascensão  admite  como  fundamento  das  exigências  legais  de  forma  a  necessidade  de  levar  as  partes  a  reflectir   antes  de  praticarem  actos  consideravelmente  graves.  A  forma  contribui  para  tornar  certo  o  conteúdo  do  acto.  Por  vezes  são  estatuídas  a  propósito  de  tipos  contratuais   concretos  -­‐  168º  185º  981º.  é  uma   forma  finalisticamente  determinada.  Nesse  caso  a  sua  falta  não  é   causa  de  nulidade.  quer  ainda  quanto  à  distinção  entre  o  que  é  pré-­‐contratual  e  preparatório  do  contrato  e  o   que  constitui  a  sua  versão  final.  O  escrito  particular  facilita  a  prova.  ou  é  mesmo  juridicamente  inexistente.  mas  não  pode  suprir  a  sua  forma  interna.  é  algo  que  lhe  acresce.   da  licitude  do  conteúdo  e  até  da  liberdade  de  celebração  e  da  consciência  e  compreensão  do  acto  e  do  seu  conteúdo.  segundo  o  artigo  219º  é  a  da  liberdade  de  forma.  Encara  com   cepticismo  a  coerência  destas  razões  de  ser  da  forma  legal  que  acusa.  A  forma  externa  é  funcional.       A  forma  interna  é  uma  forma  absoluta.  É  o  interesse  negocial  interprivado   que  a  justifica  e  a  autonomia  privada  que  a  fundamenta.  Forma  interna  e  forma  externa     A  forma  pode  distinguir-­‐se  em  forma  interna  e  forma  externa.  o  acto  é  válido  mas  não  pode  ser  provado.  O  regime  geral  da  forma  nos  artigos  219º  e  seguintes   está  construído  na  perspectiva  da  forma  externa.     A  forma  escrita  simples  documenta  o  acto.  e  ainda  a  fiscalização  preventiva  pelo  notário  da  legalidade  do  conteúdo  do  acto.     É  muito  frequente  as  partes  convencionarem  certas  formas  especiais  para  certos  actos.  Forma  legal   Chama-­‐se  forma  legal  àquela  que  é  exigida  por  lei.   .  Forma  convencional   A  forma  convencional  é  aquele  que  é  exigida  pelas  partes  ou  por  uma  delas.     A  forma  mais  solene  da  escritura  pública  permite  o  controlo  prévio  pelo  notário  da  capacidade  e  da  legitimidade  das  partes.  Forma  "ad  substantiam"  e  forma  "ad  probationem"     A  falta  da  forma  ad  substantiam  acarrecta  a  nulidade  do  acto.  As  partes  podem  estipular  uma  forma  convencional  Esta   forma  não  poderá.  de  ponderação  e  de  prova.  quer  da  existência.  É  vulgar  que  as  partes  acertem  previamente  entre  si  a   forma  que  revestirá  o  contrato.  uma  vez  que  a  convenção  das  partes  não  poderá  valer  contra   preceito  da  lei.       168.  Fundam-­‐se   principalmente  em  razões  de  publicidade.  a   documentação  e  a  prova.  contudo.  Permite  ainda   o  aconselhamento  técnico-­‐jurídico  das  partes  pelo  notário.  Todavia.  de  "juncar  de  burocracia  o  mundo  do   Direito".  quer  quanto  à  efectiva  ocorrência  do  acordo   negocial.  A  forma  escrita  permite  distinguir  com  alguma  segurança  as  negociações  do  contrato  propriamente   dito.  É  algo  que  faz   parte  dele  e  sem  ela  o  acto  ou  não  é  qualificável  como  tal.     As  exigências  legais  de  forma  estão  dispersas  por  várias  leis.       A  distinção  entre  forma  interna  e  forma  externa  é  relevante.  pertence  ao  próprio  tipo  do  acto  ou  do  negócio.  A  regra.  para  o  separar  das  negociações  e  preliminares  e  fixar  qual  o  conteúdo   com  que  a  final  veio  a  ser  celebrado.       169.     A  forma  externa  é  a  forma  de  que  o  acto  se  reveste.  da  capacidade  e   legitimidade  das  partes  e  da  liberdade  e  esclarecimento  dos  contratantes.  A  forma  oral  é  acentuadamente  arriscada  e  perigosa.  A  escritura  pública.  a  preterição  de  formalidades  exigidas  por  lei  pode  ter  como  consequência  a  nulidade.  o  reforço  da  segurança  do  negócio.  A  forma  convencional  situa-­‐se  no  âmbito  da  autonomia  negocial.  A  forma  convencional  não  assenta  em  razões  de  ordem  pública.   Tal  como  a  falta  de  forma.  evita  a  maior  parte  dos  equívocos  quanto  ao  seu  conteúdo  e  facilita  a  sua  prova.  a  lei  exige  com   alguma  frequência  que  os  actos  e  negócios  jurídicos  adoptem  uma  forma  especial.  ser  de  solenidade  inferior  à  forma  legal.  Esta  conclusão  retira-­‐se  do  artigo  220º  que   comina  em  princípio.  A  falta  da  forma  ad  probationem  acarreta  como  consequência  a   impossibilidade  de  prova.     Do  artigo  364º  resulta  que  a  forma  pode  ser  exigida  por  lei  "apenas  para  prova  da  declaração".  A  publicidade  permite  a  consulta  e  conhecimento  de  qualquer   interessado.  que  é  exigida  com  uma  finalidade  concreta.  com  inegável  razão.   quer  do  conteúdo  da  convenção.       167.  Sem  a  forma  ad  probationem.  forma  mais  solene  e  também  mais  completa.  mas  apenas  de  dificuldade  de  prova.  A  forma  interna  participa  do  ser  e  da  existência  do  acto.  Em  regra  as  exigências  legais  de  forma  são  ad  substantiam.  a  facilitação  da  prova  dos  actos.     As  exigências  legais  de  forma  são  de  ordem  pública  e  têm  por  função  acautelar  interesses  relevantes.  forma  convencional  e  forma  voluntária     a.       É  discutido  o  sentido  das  exigências  legais  de  forma  dos  actos  e  negócios  jurídicos.  A  forma  do  acto  aparente  (simulado)  pode  suprir    forma   externa  do  acto  real  (dissimulado).       Menezes  Cordeiro  considera  que  as  normas  sobre  a  forma  "têm  natureza  plena.  Forma  legal.  Só  deverão  manter-­‐se  aquelas  que  uma   necessidade  insuperável  de  ordem  pública  não  permite  dispensar.  com  nulidade  o  desrepeito  pela  forma  exigida  por  lei.  permite  a  maior  ponderação  das  partes.     b.  quer  quanto  ao  seu  conteúdo.  A  falta  de  forma  externa  pode  afectar  a   validade  mas  não  afasta  a  sua  qualificação  nem  a  sua  existência.     O  regime  legal  da  forma  convencional  consta  do  artigo  223º  do  CC.

 As  estipulações  e  pactos  acessórios  posteriores   O  regime  jurídico  das  estipulações  e  pactos  acessórios  posteriores  ao  negócio  principal  é  diferente.  O  princípio  da  liberdade  de  forma  rege  tanto  nos   negócios  típicos  como  nos  atípicos  e  não  existem  na  lei  exigências  específicas  de  forma  para  os  negócios  atípicos.  são  em  princípio  válidos.  o  negócio  foi  substituído  ou  renovado.     Sendo  posteriores  ao  negócio  principal.  as  convenções  e  pactos  que  lhe  são  acessórios  só  ficam  sujeitos  à  mesma   forma.  As  estipulações  e  pactos  acessórios  anteriores  e  contemporâneos   No  que  concerne  às  convenções  e  pactos  anteriores.  se  as  razões  da  exigência  especial  da  lei  lhes  forem  aplicáveis.  no  segundo  caso.  anteriores  ou  contemporâneos.  assumindo  assim  o  estatuto  de  pactos  ou  convenções  pré-­‐negociais  preparatórios.  também  é  de  esperar  que  tenham  sido  incluídos  no  negócio   principal.  o  da  liberdade  de  forma.  o  inverso.     a.  usar  de  formas  mais  solenes.  As  convenções  e  os  pactos  que  lhe  são  acessórios.  as  convenções  ou  pactos  acessórios.  a  regra  é  a  nulidade  e  a   validade  a  excepção.  podem   segundo  os  artigos  221º  e  222º  do  CC  valer  sem  a  forma  do  negócio  principal.       É  necessário  demonstrar  que.  que   revistam  uma  forma  de  solenidade  inferior  são.  consoante  a  forma  do  negócio  seja  uma  forma  legal  ou  uma  forma  voluntária.  a  sua  renovação  ou  mesmo  a  sua  modificação.     b.     A  lei  nada  diz  quanto  à  forma  das  convenções  e  pactos  acessórios.  em  princípio  nulos.  anteriores  ou  contemporâneos.  ou  que  venham  a  ser   celebrados  posteriormente   Distingue  conforme  a  forma  legal  ou  a  forma  voluntária  do  negócio  principal   Os  artigos  221º  e  222º  são  mais  restritos  na  sua  letra  do  que  no  seu  sentido.  A  forma  das  estipulações  e  pactos  acessórios     A  forma  do  negócio  jurídico  não  abrange  necessariamente  a  sua  totalidade.  as  partes  podem  ter  pretendido  o  reforço  da  prova.  deve  ser  entendido  que  com  a  nova  convenção   sobre  a  forma.     Se  o  negócio  principal  revestir  uma  forma  legal.     Nos  artigos  221º  e  222º  o  CC  procede  a  duas  distinções:   Distingue  consoante  os  pactos  acessórios  sejam  celebrados  antes  ou  simultaneamente  com  o  negócio.     O  recurso  pelas  partes  a  uma  forma  escrita  não  exigida  por  lei  é  vulgar  e  corresponde  normalmente  a  preocupações  de   certeza  e  segurança  de  conteúdo  do  negócio  e  de  titulação  do  mesmo.  No  primeiro  caso.   A  forma  convencional  não  é  de  ordem  pública  e  está.  há  que  distinguir:  se  houver  fundamento  para   concluir  que  as  partes  se  quiseram  vincular  desde  o  momento  em  que  celebraram  o  acto. 2.         171.     Com  a  estipulação  posterior  de  uma  forma  convencional.1.  Trata-­‐se  de  um  desvio  à  plenitude  da  forma  negocial  e   que  põe  em  causa  a  certeza  e  segurança  quanto  ao  âmbito  material  do  negócio.  Forma  voluntária   A  forma  voluntária  é  aquela  que  as  partes  usaram  na  prática  do  acto  com  solenidade  que  excede  a  exigida  por  lei.  foi  a  intenção   negocial  das  partes  manter  a  sua  vigência.  não  obstante  serem  anteriores  ou  contemporâneos  ao  negócio  principal.  mas  poderão  não  o  ser  quando  a  lei  as  sujeite  a  uma  forma   de  maior  solenidade  (222º/1).     Se  o  negócio  principal  revestir  uma  forma  voluntária.     Normalmente  a  estipulação  da  forma  convencional  precede  a  celebração  do  acto  ou  do  negócio.  não  há  razão  para  presumir  que  foram  por  ele  substituídos.   que  revistam  uma  forma  de  solenidade  inferior.  O  nº  2  do  artigo  221º  e   o  nº  2  do  artigo  222º  nada  exigem  quanto  à  demonstração  de  que  essas  convenções  e  pactos  correspondem  à  vontade  negocial  das   partes.  em  caso  contrário.  é  natural  que  tenham  sido  revogados.  presume-­‐se  que  a  convenção  teve  em  vista   apenas  a  consolidação  do  negócio.  Em  relação  às   convenções  e  pactos  acessórios  contemporâneos  do  negócio  principal.  mas  não  a  sua  substituição.  A  estipulação  da  forma   convencional  constitui  uma  convenção  cujo  regime  de  forma  é  o  geral.  tem  o  ónus  da  demonstração  de  que  as  partes  quiseram  manter  a  sua  vigência.  no  domínio  da  autonomia  privada.  as  convenções  ou  pactos  acessórios.     A  regra  da  liberdade  de  forma  contida  no  artigo  209º  do  CC  aplica-­‐se  igualmente  a  negócios  típicos  e  atípicos.         170.       Se  o  negócios  principal  revestir  uma  forma  legal.  A  forma  dos  negócios  atípicos     Os  contratos  atípicos  suscitam  questões  particulares  no  que  respeita  à  forma.  mas  poderão  ser  válidos  "quando  a  razão  determinante  da  forma   lhes  não  seja  aplicável"  (artigo  221º/1).  As  partes  podem  livremente.  o   reconhecimento  ou  certificação  do  negócio.  substituídos  ou  integrados  pela  posterior   celebração  do  negócio  principal.  O  nº2  do  artigo  223º  prevê   o  caso  em  que  a  estipulação  da  forma  convencional  seja  posterior  ao  acto.  Quem  invocar  uma  convenção  ou  um  pacto  acessório  anterior  ou  contemporâneo  ao   negócio  principal.     A  diferença  de  forma  entre  o  negócio  principal  e  as  estipulações  ou  actos  acessórios  acarreta  regimes  semelhantes  mas   diferentes.  de  modo  a  abranger  convenções  e  pactos  acessórios   celebrados  por  forma  menos  solene  do  que  a  que  a  lei  exige  (artigo  221º)  ou  que  as  partes  usaram  (222º)  no  negócio  principal.  O  regime  dos  artigos  221º  e  222º  do  CC  deve  ser   interpretado  e  concretizado  com  maior  amplitude  do  que  a  da  sua  simples  letra.  Em  tal  caso.     c.  A  liberdade   de  forma  dos  negócios  atípicos  conhece  restrições  oriundas:   .  por  isso.

 cooperem  entre  si  para  que  o  negocio  passe  a  revestir  a  forma  necessária  e  que  não   invoquem  a  sua  falta  para  dele  se  desvincularem.  uma  vez  que  as  exigências  da  forma  legal  são  excepcionais.  Porem.  tenham  o  conteúdo  ou   desencadeiem  os  efeitos  previstos  na  lei.     IV.  ~     .  Ainda  casos.  as  partes.  contrário  à   boa  fé  e  bons  costumes.  menos  esclarecida  ou  mais  carecida  de  proteção.     A  nulidade  decorrente  da  falta  de  forma  é  de  ordem  publica  e  de  conhecimento  oficioso.   dão  inicio  a  sua  execução.  a  sua   obrigatoriedade  depende  do  conteúdo  e  efeitos  do  negócio.  os  bons  costumes  exigem  que  as  partes  assumam  a  vinculação  do  negocio  e  façam  o   necessário  para  sanar  a  falta  de  forma.  devem  respeitar  as  respectivas  exigências  de  forma.  A  consequência  legal  na  falta  de  forma  e  o  dever  de  formalização     I.       172.  a  boa  fé.  estes  regimes  específicos  não  podem  ser  considerados  exceções  à   exceção.  Desde  que.  e  bem   assim  a  ausência  de  outros  vícios  que  o  passam  inquinar.  por  uma   das  partes.  a  recusa  por  uma  das  partes  em  dar  ao  negocio  a  forma  devida  e  a  invocação  da  invalidade  decorrente  da  falta  da  forma  legal   podem  colidir  com  a  boa  fé  e  os  bons  costumes.  lugar  a  regimes  jurídicos  que  são  desequilibrados  a  favor  de  uma  das  partes.  tida  tipicamente   mais  fraca.       VI.       No  segundo  caso  (atuação  confiante).  É  um  comportamento  abusivo  e  desonesto.  resolve  aproveita-­‐la.  segundo  o  artigo  220º  CC  tem  como  consequência  a  nulidade  do  acto.  Uma  das  partes  induz  a  outra  a  dispensar  a  formalização  do  negocio   com  o  argumente  de  que  entre  pessoas  de  bem  não  é  necessária  a  forma.       I.  podem  violar  a  ética  dos  negócios  e  constituir  mesmo  uma  desonestidade   dificilmente  suportável  pelo  direito.  a   mesma  parte  vem  depois  a  invoca-­‐la.  em  que  as  exigências  de  forma  legal  surgem  estatuídas  a  propósito  de  tipos  contratuais.     As  pessoas  de  bem  cumprem  espontaneamente  aquilo  que  combinaram.  isto  é.  há  vários  tipos  de  problemas  com  diferentes  graus  de  densidade  ética  e  jurídica:   -­‐  o  contrato  carece  da  forma  legal  por  ignorância  ou  inadvertência  das  partes(atuação  ingénua)   -­‐  o  contrato  começou  a  ser  executado  antes  da  sua  formalização  e  na  expectativa  de  que  viria    a  sê-­‐lo  de  acordo  com    a  lei  (atuação   confiante)   -­‐  a  parte  aproveita  a  falta  de  forma  para  se  livrar  da  vinculação  contratual  (atuação  oportunista)   -­‐  a  parte  contribui  relevantemente  para  a  falta  de  forma  e  vem  depois  invoca-­‐la  (atuação  contraditória)   -­‐  a  parte  provoca  intencionalmente  a  falta  de  forma  para  vir  depois  aproveitar-­‐se  dela  (atuação  dolosa)     O  primeiro  caso(atuação  ingénua)  não  sucede  normalmente  em  contratos  com  elevada  complexidade  e  relevância  económica.       No  terceiro  caso(atuação  oportunista).  depois  de  iniciada  a  sua  execução  por  ambas  as  partes.       O  quinto  caso  (atuação  dolosa)  é    mais  grave  e  reprovável  e  merece  censura  severa  do  Direito.     O  principio  da  autonomia  privada.  mais  adequadas  a  necessidades  da  vida  e   materialmente  mais  justas.  A  promessa  e  o  consenso  livres  e  esclarecidos  tem  uma  poderosa  forca  vinculativa.  mas  assumem  tal  circunstância  como  provisória.  contrariando  a  expectativa  que  criou.     Substancialmente  a  atuação  da  parte  é  reprovável  e  contraria  ao  plano  ético  do  direito.  e  a  confiança  na  promessa  e  no  acordo  são  imprescindíveis   à  vida  de  relação.     A  lei  formula  exigências  de  forma  negocial  a  propósito  do  conteúdo  e  efeitos  dos  negócios  jurídicos  e  que  se  aplicam  para  além  dos   tipos  negociais  legais.• • das  exigências  legais  de  forma  estatuídas  genericamente  a  propósito  do  conteúdo  e  dos  efeitos  dos  negócios  jurídicos   das  exigências  legais  de  forma  estatuídas  a  propósito  dos  tipos  negociais.   Contra  o  plano  contratual.  uma  das  partes  apercebe-­‐se  de  que  a  falta  da  forma  legal  lhe  pode  servir  para  se  desvincular.  ambas  confiantes  de  que  ele  viria  a  sê-­‐lo.  Sabem  que  e  formalmente  deficiente.  na  formalização  do  negocio  e  a  invocação  da  falta  de  forma.  A  falta  de  cooperação.       No  quarto  caso(atuação  contraditória)  há  um  abuso  do  direito.  antes  mesmo  de  formalizarem  o  contrato.  o  sentido  da  questão  relativamente  a  forma  é  que  esteja  garantida  a  liberdade  e  discernimento  da  celebração  do  negocio.  qualquer  das  partes  pode  exigir  da  outra  a  cooperação  necessária  para  a   formalização  do  negocio      III.  mas  antes  como  limitações  do  âmbito  da  exceção.  a  falta  da  forma  legal.  assim   como  a  invocação  da  invalidade  dai  decorrente.  no  sentido  da  regra  geral  da  desnecessidade  de  forma  e  da  procura  da   validade  negocial(favor  negotii)     Deve  haver  um  critério  para  o  regime  legal  da  forma  com  soluções  mais  maleáveis.  não  obstante  a  sua  atipicidade.  depois  de  ter  contribuído  para  a  falta  de  forma.  quando  outra  não  seja  a  sanção   prevista  na  lei”   A  falta  da  forma  legal  dá  por  vezes.

 como  consequência  de   vícios  particularmente  graves.  Nesta  relação  jurídica  pré-­‐negocial  avultam  os  deveres  de   cooperação  e  lealdade  entre  as  partes.  O  declaratario  tem  direito  a  ser  indemnizado  dos  danos  que.       IV.  que  é  desvalioso.     A  inexistência  qualificativa  ocorre  quando  o  acto  ou  negocio  existem  como  algo.  Se  a  inexistência  envolver  a  pratica  de  acto  culposo  de  que  resultem  danos  para  o   declaratario  ou  terceiros.  seria  duma  injustica   imputar  a  autoria  do  acto  inexistente  a  quem  o  não  praticou.  com  vontade  e  consciência  da  vinculação  negocial.  mas  a  Lei  ignora-­‐o  como   se  o  fosse  e  descondera-­‐o  a  um  nada.     Nos  casos  de  falta  de  consciência  da  declaração.       III.  o  negocio  fica  concluído.       CAPITULO  XI     173.  a  inexistência  assume  3  modos  de  ser:  inexistência  ôntica.     A  inexistência  por  mera  imposição  da  lei  é  um  acto  de  autoridade  e  de  hostilidade  do  Direito  que  impõe.  são  estes  protegidos  pelo  refime  geral  da  responsabilidade  civil.  não  gera   direito  interprivado.     Seja  válido  ou  inválido.   A  ilegalidade.  eficaz  ou  ineficaz.  é  tido  como  simples  facto  jurídico.    O  acto  não  é  onticamente  inexistente.  não  existe  enquanto  letra.  que  é  valioso.  de  um  juízo  valorativo.  um  alter.  formalizar  o  contrato(por  livre  execução  pelas  partes).  ele  é  algo  que  sucedeu.  acontecem.  imoralidade  e  a  impossibilidade  acarreta  a  invalidade.       Interesse  publico  e  privado  na  invalidade   .     174.  deve  distinguir-­‐se  o  não-­‐acto.  revelam  apetência  e  projectos  negociais  e  expõem-­‐se  a  riscos.  é  uma  outra  coisa.  invalidade:  nulidade  e  anulabilidade       Invalidade  e  desvalor  do  acto   A  validade  ou  invalidade  dos  actos  e  negócios  jurídicos  resulta    de  uma  apreciação  de  valor.  o  bloqueio  da  invocação  do  vício  formal  pela  parte  que  lhe  deu  causa  ou  que  se  recusa  a  cooperar   na  formalização  e  o  suprimento  judicial  da  deficiência  de  formal  legal.  o  simples  consenso  não  e  suficiente  para  a  sua  conclusão.  no  segundo  caso  é  um  juízo  de  valor.  em   consequência.  No  primeiro  caso  é  um   é  juízo  de  realidade.  uma  sancao  equivalente  à  inexistência.  O  negocio  de  que  se  trata  não  foi  de  todo  celebrado.  inválido  é  aquele  que  não  vale.  tiver  sofrido(245/2  e  246º).  mas  não  enquanto  tal.  apenas  falta  a  forma  legal  –  negocio  esta   concluído   2º  a  omissão  da  forma  ou  de  uma  formalidade  legal  decorre  de  não  haver  ainda  o  fecho  do  negocio  –  negocio  não  esta  concluído.  não  aconteceu.  de  dever-­‐ser.     Para  além  das  consequências  jurídicas  que  a  lei  lhes  atribua.  Os  actos  jurídicos  ao  serem  praticados  ou  celebrados.  do  acto  inválido.a.  que  foi  feito.  se  a  forma  legal  for  apenas   externa.  As  consequências  de  um  acto  invalido  são  as  que  a  lei  determina.    No  primeiro  caso  a   existência  ou  inexistência  e  domínio  do  ser.       II. VII.  Estão  sujeitas    a  um  juízo  de  mérito  em  que  é   sindicada  a  sua  possivel  desconformidade  ou  mesmo  incompatibilidade  com  a  Lei. b.  Moral  e  a  Natureza.  no  segundo  caso  a  validade  ou  invalidade  é  domínio  do  dever  ser.  os  actos  ou  negócios  jurídicos  inexistentes  não  produzem  quaisquer  efeitos  jurídicos  enquanto  tais  e  a  inexistência  pode  ser   invocada  por  qualquer  pessoa.     Não  se  devem  confundir  2  casos:     1º  houve  consenso  negocial  completo.       Só  a  forma  interna  condiciona  a  existência  do  negocio.  a  inexistência  qualificativa  e  a  inexistência  por  mera  imposição  da  lei.  de  declarações  não  serias  e  de  coaccao  absoluta.   não  ocorreu.  são  concebíveis  3  vias  possíveis  de  solução:  o  reconhecimento  de  um  dever  de  formalização  emergente  da  relação  jurídica   existente  e  vigente  entre  as  partes.  a  inexistência  do  negocio  jurídico  só  pode  ser  confundida  com  a  nulidade  num  modo  de  pensar  que  não  leve  em  consideração  a   dimensão  ontológica    da  ação  negocial.o  negocio  jurídico  invalido  não  alcanca  criar  direito.  Inexistência     I.  e  falta  apenas  formalizar(se  necessário).  as  partes  confiam  uma  na   outra.       A  inexistência    ôntica  ocorre  quando  não  existe  onticamente  qualquer  negocio.  O  acto  embora  onticamente   existente  .  a  todo  o  tempo  e  independentemente  de  declaração  negocial.  Se  o  negocio   estiver  sujeito  por  lei  a  uma  forma  interna.   Válido  é  um  negócio  que  vale.       A  existência  deste  dever  de  formalização  pressupõe  que  seja  alcançado  o  consenso  negocial.  a  forma  externa  tem  influencia  apenas  sobre  a  sua  validade.     Os  actos  e  negócios  juridocos  são  accoes  humanas  no  âmbito  da  autonomia  privada.       Ao  assentirem  no  inicio  e  no  estabelecimento    de  negociações  tendentes  à  celebração  de  um  contracto.  Concluída  com  êxito  a  negociação  e  alcançado  o  consenso  negocial.  existem.  muitas  vezes  é   necessário  cumprir  formalidades.  Só  há  dever  de  formalização  se  for   alcançado  o  consenso  negocial  –  232º  CC.

 o  direito  permite  as  pessoas  cujo  interesse  esteja  em  jogo   que  escolham  e  decidam  livremente  entre  manter.  Deve  ser  aferido  se  aquela  pessoa  obtém  alguma  utilidade  ou  remove  alguma  desvantagem  com  a   declaração  de  nulidade.     Na  nulidade  é  a  própria  ordem  jurídica  que  não  tolera  o  vício.  e  determina  o  seu  conhecimento  ofícioso.  mas  só  na  medida  do  seu  enriquecimento  -­‐  298/2   Se  sobre  a  coisa  tiver  sido  constituída  posse.  a  ação  de  anulação  é  constitutiva.       A  ação  de  nulidade  é  declarativa.  o  juiz  tem  de  se  pronunciar  sobre  ela.  Se  aquele  que  tiver  adquirido  uma  coisa  através  de  um   negocio  nulo  ou  anulado  a  tiver  seguidamente  retransmitido  a  um  terceiro.       Já  são  só  anuláveis  os  negócios  celebrados  com  falta  de  capacidade  de  exercício  por  menores.       Carácter  originário  ou  superveniente   A  nulidade  tem  ineficácia  originaria.       A  anulabilidade  estão  postos  em  causa  interesses  interprivados.  há  também  nulidade  se  os  negócios  jurídicos  forem  incompatíveis  com  a  Lei.  o  negocio  consigo  mesmo  e  o  negocio  usurário.  logo  “qualquer  interessado”  quer  dizer  “qualquer  pessoa  que  esteja  interessada  na   declaração  da  nulidade”.  devem  ser  cumpridas  simultaneamente.  Retroatividade   A  retroatividade  da  declaração  de  nulidade  e  da  anulação  esta  prevista  no  artigo  289/1  do  CC.  Oponibilidade   A  nulidade  ou  anulação  podem  suscitar  dificuldades  quando  confrontadas  com  os  interesses  de  terceiros.  a  anulabilidade  acarreta   uma  ineficácia  superveniente.  não  permite  a  arguição  do  vício  por  qualquer   interessado  nem  o  seu  conhecimento  oficioso.  e  estabelece  prazos.       A  ineficácia  originaria  doo  negocio  nulo  significa  que  ele  não  chega  verdadeiramente  a  vigorar.  na  anulabilidade  estão  em  jogo  interesses  interprivados.  permite  a  sua  arguição  por  qualquer  interessado  sem  limite  de  tempo.  deverá  ser  então  restituído  o  valor  correspondente-­‐   298/1.  sem  dependência  de  prazo  e  é  insanável.   Segundo  os  artigos  280º  e  281º.     Uma  vez  suscitada  a  questão  da  nulidade.  Moral  e  Natureza.       A  nulidade  é  originária.     A  nulidade  é  de  conhecimento  oficioso  e  o  tribunal  deve  declara-­‐la  logo  que  dela  se  aperceba. d.   287º-­‐  so  as  pessoas  em  cujo  interesse  a  lei  a  estabelece  e  que  pode  requerer  a  anulabilidade     O  artigo  286º  não  quer  ser  demasiado  amplo.  relativamente  curtos  para  a  anulação.  coação  moral.   Se  da  nulidade  ou  da  anulação  resultarem  obrigações  de  restituição  que  sejam  reciprocas.  a  legitimidade  activa  é  restrita  as  pessoas  que  são  especialmente  protegidas  pelo  regime  de  cada  caso  de   anulabilidade.  enquanto  a  outra  não  cumprir  -­‐  290  CC.  dolo.  seja  por  analogia-­‐298/3.  e  o  negocio  nulo  não  chega  a  alcançar  eficácia  jurídica.         e.  incapacidade  acidental.  na  anulabilidade.   .  294º  a  falta  de  forma  imposta  por  lei  e  a  contrariedade  a  preceito  de  lei  imperativa  do  conteúdo  do  negocio   jurídico  acarretam  nulidade  do  negocio.  incapazes.     No  que  respeita  a  anulação.  o  dever  de  restituir  passa  a   recair  sobre  o  adquirente.       Na  nulidade  estão  em  jogo  interesses  de  ordem  publica.  os  viciados  por   erro.  confere  a  certas  pessoas  especialmente  protegidas  a  faculdade  de  se   libertarem  do  negocio  pedindo  ao  tribunal  que  o  anule.  A  anulabilidade  é  um  regime  de  proteção.  Neste  caso  a  ineficácia  é   superveniente.  Se  assim  for.  este  nada  terá  em  principio  adquirido.  confirmar  ou  anular  o  acto.c.  A  ineficácia  superveniente  significa   que  esta  ineficácia  é  emergente  da  anulação  do  negocio.  se  já  não  for  possível.  sem  que  seja  necessário  o   requerimento  da  parte  nesse  sentido.       f.       286º-­‐  qualquer  interessado  por  requerer  a  nulidade.  seja  directamente.  aplicam-­‐se  as  respectivas  regras.       Na  nulidade  o  direito  recusa  a  validade. Segundo  os  artigos  220º.   A  nulidade  ou  anulação  do  negocio  e  em  principio  oponível  a  terceiros.   podendo  cada  ma  das  partes  sustar  a  restituição  que  lhe  incumbe.  ninguém  pode  transmitir  aquilo  que  nao  tem.  o  negocio  anulável  nasce  válido  e  ganha  uma   eficácia  originaria  que  pode  ser  destruída  por  uma  anulação  superveniente  que  lhe  destrói  os  efeitos.  não  aceita  que  o  vício   seja  sanado.  só  é  invocável  pelas  pessoas  cuja  proteção  seja  estabelecida  e  é  sanável  pelo  decurso  do  prazo  ou  por   quem  tiver  legitimidade  para  arguir.       Legitimidade   É  muito  mais  amplo  o  circulo  de  pessoas  a  quem  a  lei  reconhece  a  legitimidade  para  invocar  a  nulidade  do  que  para  requerer  a   anulação.  e  parte  legitima.  usura.  ainda  que  essa  inciativa  tenha  sido  tomada  por  parte   que  venha  ser  julgada  ilegítima.  Sendo  uma   aquisição  derivada(transmissão  de  coisa  alheia).   Se  a  coisa  tiver  sido  alienada  gratuitamente  e  não  for  possível  obter  do  alienante  a  restituição  do  valor.    ainda  for  possível  a  restituição  deve  ser  feita  em  espécie.  invocável  por  qualquer  um.     O  artigo  291  tem  um  regime  especial  de  tutela  de  terceiros  de  boa  fé  que  tenham  adquirido  onerosamente  uma  coisa  imóvel   confiando  no  facto  de  esta  estar  registada  em  nome  do  alienante  e  desde  que  sobre  a  conclusao  do  negocio  pelo  qual  adquiriram  a   coisa  tiverem  passado  mais  de  3  anos.  não  permite  que  o  negocio  chegue  a  ter  eficácia.

      i.   A  eficácia  sanante  da  confirmação  só  tem  sentido  se  não  se  mantiver  a  causa  da  anulabilidade  e  se  a  parte  tiver  conhecimento  e   consciência  dessa  anulabilidade  -­‐  288/2.  enquanto  o  negocio  nao  estiver  cumprido(artigo287).  embora  a  utilidade  da  certeza  conduza  muitas  vezes  a   apreciação  judicial.  O  acto  de  renovação  não  pode  estar  inquinado  pelo  mesmo  vício  do   acto  renovado  e  não  tem  eficácia  retroactiva.     A  confirmação  pode  ser  expressa  ou  tácita.  Ineficácia  simples     A  ineficácia  não  e  um  vício  do  negocio.     Pode  ser  geral  ou  especial.  Invalidades  atípicas   Quando  se  protege  uma  das  partes  tida  como  tipicamente  mais  fraca  ou  mais  carecida  de  protecção.     CAPITULO  XII   O  FAVOR  NEGOTII     .       h.  por  uma  outra  razão.  especial  quando  produz  em  relação  a  certas  pessoas  ou  classes  de  pessoas  e  não  a  outras.  Confirmação  e  renovação   Sendo  a  anulabilidade  de  ordem  interprivada.  Caducidade   A  nulidade  pode  ser  invocada  a  qualquer  tempo  (artigo  286).   A  boa  fé  do  terceiro  adquirente.  parcial  quando  se  reduz  o  negocio(por  exemplo)  e  se  mantém   apenas  parte  da  sua  eficácia.  Não  obstante  a  circunstância  que  constituiu  causa  da  anulabilidade.  Simples  irregularidades   Nem  todas  as  desconformidades  com  a  lei  acarretam  a  invalidade.  ou  aqueles  que  com  ele  o  seu   autor  pretendia  alcançar.  como  simples   irregularidades  alguns  casos  de  desrespeito  pela  lei  na  pratica  de  actos  ou  negócios  jurídicos  quando.   Pode  ser  inicial  ou  subsequente.       k.a  anulação  so  pode  ser  requerida  dentro  de  um  ano  subsequente  a   cessação  do  vicio  que  origina  ou.  ela  e  disponível.       J.  mas  antes  reitera  o  acto  já   praticado.  segundo  o  artigo  291/3  consiste  no  desconhecimento  sem  culpa.  quando  cessa  a  coacção  ou  a  inferioridade  característica  da  usura.   Geral  quando  o  acto  ou  negocio  nao  produz  quaisquer  dos  efeitos  que  lhe  são  próprios  ou  típicos.   A  anulação  pode  resultar  de  decisão  judicial  ou  de  acordo  entre  as  partes.  Modo  de  arguição   A  nulidade  de  um  negocio  não  carece  de  ser  declarada  judicialmente.   A  invalidade  exprime  um  juízo  negativo  de  valor  .  sempre  que  a  incompatibilidade  valorativa  entre   o  acto  e  a  ordem  jurídica  e  de  tal  ordem  que  esta  lhe  recusa  a  produção  dos  efeitos  jurídicos  próprios.  Na  confirmação  a  parte  não   pratica  um  novo  acto  que  venha  a  substituir  aquele  que  estava  viciado  por  uma  causa  de  anulabilidade.  E  simplesmente  a  sua  falta  de  efeitos  próprios.     A  contagem  do  prazo  de  anulação  começa  qualidade  cessa  o  vicio.  não  lhe  interessar  a  anulação.  Se  assim  suceder   por  limitar-­‐se  A  deixar  esgotar  prazo  de  caducidade.   A  invalidade  e  um  desvalor  do  acto.     A  renovação  e  um  novo  acto  que  revoga  o  anterior  e  o  substitui.     Na  confirmação  -­‐  artigo  288  -­‐  a  parte  reafirma  o  acto.  insiste  no  mesmo  acto.  do  vicio  do  negocio  nulo  ou   anulável.       g.  Inicial  se  estiver  submetido  a  termo  inicial    ou  a  condição  suspensiva.  quando  o  declarante  se  apercebe  do  erro  ou  do  dolo  em   que    incorreu.  de  desconformidade  entre  o  negocio.  a  sua  não-­‐eficácia.     Este  carácter  de  reafirmação  do  acto.     A  ineficácia  simples  não  precisa  de  ser  invocada.  atentara  respectiva  ratio  leges.     Pode  ser  total  ou  parcial   Total  quando  o  acto  ou  negocio  não  produzem  quaisquer  efeitos.  em  detrimento  da  outra.  o   negocio  pode  ser  conveniente  para  a  parte  protegida  ou  pode.    O  simples  bom  senso  conduz  a  desconsiderar.  Mas  tem  que  ser  demonstrado  que  esse  desconhecimento  nao  e  culposo.  subsequente  quando  o  acto  ou   negocio  jurídico  tenham  sido  sujeitos  a  termo  final  ou  condição  resolutiva.  implica  a  eficácia  retroactiva  da  confirmação  (288/3).  sem  limite  de  tempo.   seja  excessivo  ou  desrazoável  -­‐  e  portanto  injusto  -­‐  afeta-­‐los  na  sua  validade.  Da  invalidade  resulta  normalmente  a  ineficácia.       175.

 a  conversão     293  “  o  negocio  nulo  ou  anulado  pode  converter-­‐se  num  negocio  de  tipo  ou  conteúdo  diferente.     É  legal  quando  resulta  da  imposição  legal  independentemente  da  vontade  das  partes.  Ou  seja.  sendo  declarada  nula   ou  anulada  apenas  a  parte  viciada.  de  conhecimento  oficioso.     O  agir  autónomo  não  e  neutro  nem  no  conteúdo.  a  conversão  so  pode  ocorrer  quando  se  prove  que  é  consentânea  com   essa  vontade.     A  vontade  negocial  como  fundamento  da  conversão.  não  sendo  a  anulação  de  conhecimento  oficioso.  o  relacionamento  entre  a  redução  e  a  conversão     .     Para  que  haja  redução.  num  caso  de  invalidade  parcial.  sempre  que.  sempre  que  esta  for  possível.       É  etic-­‐juridicamente  bom  que  as  pessoas.  pelo  compromisso  tem  um  suporto  e  um  valor  ético  elevadíssimos.  se  mantenha  como  valida  a  parte  sã  do  negocio.         177.  do  qual  constitui  um  subprincípio.  quando  o  fim  prosseguido  pelas  partes  permita  supor  que  elas  o  teriam  querido.   176.  o  tribunal  não  pode  deixar  de   reconhecer  a  nulidade  e  segundo  o  artigo  292º  só  deve  deixar  de  reduzir  quando  se  convença  de  que  as  partes  não  teriam  celebrado   o  negocio  sem  a  parte  viciada.     O  critério  de  divisibilidade  está  na  vontade  das  partes.     O  principio  do  favor  negotii  é  impulsionado  pelo  valor  ético-­‐jurídico  intrínseco  do  agir  negocial  privado  e  orienta  o  exercício  jurídico   no  sentido  da  limitação  da  invalidade.  no  Direito.    A  invalidade  é  pois  o  ultimo   recurso.  nem  na  forma  (219  e  223).  Esta  é  uma  orientação  fundada  no  principio  do  favor  negotii.     A  conversão  aproxima-­‐se  da  qualificação.  no  caso  de  nulidade  parcial.  o  favor  negotii     Um  dos  princípios  reitores  do  Direito  Civil  é  o  favor  negotii.  e  necessário  que  o  negocio  seja  divisível.     As  principais  limitações  encontram-­‐se  nos  regimes  de  redução.  e  voluntaria  quando  depende  da  vontade  das  parte.  da  concretização  e  da  decisão  jurídica  no  sentido  da  validade  do  agir   negocial.         178.  quando  não  acarrete  a  invalidade  total  do  negocio.     Este  principio  tem  por  conteúdo  a  orientação  da  interpretação.       Dá-­‐se  a  redução.       179.  Enquanto  a  redução  opera  em  regra.  pode  resultar  da  interpretação  ou  de  integração  do  negocio.  possam  agir  pessoal  e  livremente  possam  reger  entre  si  os  seus   assuntos  e  os  seus  interesses  como  cidadãos  livres.  de  conhecimento   oficioso.  No  caso  da  anulabilidade  parcia.  A   convertibilidade  pressuporia  que  o  negocio  fosse  a  partida  susceptivel  de  mais  de  uma  qualificação.  conversão  e  limitação  das  invalidades.  ou  seja.  que  seja  possivel  dividi-­‐lo  numa  parte  que  é  invalida  e   noutra  que  se  mantem  valida.  ou  não.  se  tivessem   previsto  a  invalidade”.  Só  vigora  quando  especialmente  prevista  na   lei.  salvo  quando  se  mostre  que  este  não   teria  sido  concluído  sem  a  parte  viciada”.       O  princípio  do  favor  negotii  é  tributário  do  principio  da  autonomia  privada.  redução       Artigo  292º  “  a  nulidade  ou  anulação  parcial  não  determina  a  invalidade  de  todo  o  negocio.     O  favor  negotii  orienta  e  interpreta  a  concretização  no  sentido  de  evitar  a  invalidade.     Na  voluntaria  há  dois  planos:  o  desencadear  e  o  limitar  da  redução.  Da  redução  não  pode   resultar  um  negocio  tal  que  as  partes  não  teriam  querido  celebrar.       Devem  em  geral  ser  preferidas  a  interpretação.  Só  e  possível  converter  um  negocio  se  ele  poder  ser  qualificado  de  outro  modo.   O  respeito  pela  palavra.  este  manter-­‐se-­‐à  valido  na   parte  não  afectada  pla  causa  de  invalidade  e  fica  reduzido  a  parte  valida.  fim  e  valor  do  agir  negocial(art  280  e  281).  do  qual  contenha  os  requisitos   essenciais  de  substância  e  de  forma.   A    invalidade  do  negocio  pode  ser  parcial.  a  integração  e  a  concretização  da  disciplina  do  negocio  que  o  não  privem  de  validade   e  eficácia.       A  redução  pode  ser  legal  ou  voluntaria.  Aponta  caminhos  ao  exercício  jurídico  em  direção  a  validade.  o  Tribunal  só  pode  decidir  sobre  a  redução   no  âmbito  quando  que  lhe  for  pedido.  A  redução  não  pode  contrariar  a  autonomia  privada.     Na  conversão  o  papel  da  vontade  negocial  é  diferente  daquele  que  desempenha  na  redução.  a   não  ser  que  se  demonstre  que  é  contraria  à  vontade  negocial.  há  que  distinguir  consoante  o  vicio  que  gera  a  invalidade  é.     No  que  concerne  ao  desencadear  da  redução.

 o  tribunal  devera.  as  partes.  destruindo-­‐se  assim  a  relação  contratual.  é  o  do  “favor  negotii”.   .       Os  limites  da  conversão  (artigo  293º)  “  o  negocio  a  converter  tem  de  ter  os  requisitos  essenciais  de  substância  e  de  forma  do  negocio   convertido  e  que  o  fim  prosseguido  pelas  partes  permita  supor  que  elas  o  teriam  querido  se  tivessem  previsto  a  invalidade.  no  contrato.  ser  extintos  do  mesmo  modo  por  que  são  celebrados.     A  eficácia  da  revogação  não  é  retroativa:  opera  x  nunc.  A  lei  quer  assegurar-­‐se  que  o  negocio.  dirigindo-­‐se  à  outra.  com   apenas  esse  fundamento.  a  não  ser  que  se  conclua  que  as  partes  não  teriam  celebrado  o  negocio  tal  como  reduzido(artigo  292º).  A  parte  que  esta  na  origem  da  falta  de  forma  e  que  vem  invocar  de  má  fé.  nem  para  pedir  o  seu  conhecimento   oficioso  pelo  tribunal.  em  principio.  poe  termo  ao   negocio  retroativamente.  segundo  o  artigo  286º.  em  principio.  a  revogação   O  negocio  e  o  contrato  pode.  O  sentido  da  lei.  mas  há   conversão  quando  o  fim  prosseguido  pelas  partes  permita  supor  que  elas  o  teriam  querido.       A  modificação  do  negocio  por  conversão  pode  transforma-­‐lo  de  um  tipo  para  outro.  em  homenagem  ao  princípio  da  favor  negotii.  u ma   vez  concluída  com  êxito  a  negociação.  com  justa  causa.  a  nulidade.   A  má  fé  e  o  abuso  da  parte  que  vem  a  invocar  a  nulidade  formal  poderão  bloquear  a  invocação  da  nulidade  por  essa  mesma  parte.  a  resolução  dá  lugar  à  restituição  do  que  houver  sido  prestado.  as  exigências  legais  de  forma  são  excepcionais  e  contrarias  ao  sistema.  Mantem-­‐se  os  efeitos  já  produzidos  pelo  negocio.  Esta  nulidade.  averiguar  se.  Se  for.  a  qualquer  tempo.  ao  permitir  a  conversão.  Por  isso  o  432/2  diz  que  não  pode  resolver  o  contrato  a   parte  que  não  estiver  em  condições  de  restituir  o  que  houver  recebido.     A  resolução  é  vinculada  e  so  admitida  se  fundada  na  lei  ou  em  convenção(432/1).  como  abusiva(artigo  334).  o  declarante  estipule  os  moldes  em  que  pode  revogar  o  negocio.  esta  estipulação  é  licita  e   eficaz  e  constitui  um  modo  de  o  declarante  modelar  a  sua  vinculação  no  âmbito  da  autonomia  privada.  é  ilícita.  a  data  em  que  foi   celebrado  e  o  respectivo  clausulado.  a  superação  judicial  das  invalidades  formais     Segundo  o  artigo  220º  a  falta  de  forma  imposta  por  lei  determina.     O  negocio  unilateral  é  revogado  por  declaração  unilateral.  a  revogação  deixa  de  ser  livre    carece  de  anuência  desse  outro  interessado.  depois  de  convertido.  tem  condições  de  validade   substancial  e  formal.    a  resolução       Artigo  432   A  resolução  é  uma  declaração  unilateral  recipienda  ou  recepticia  peo  qual  uma  das  pasrtes.  deve  indemnizar  outra  por   responsabilidade  pre-­‐contratual(artigo  227)  e  poderá  ate  ser  bloqueada.     É  licita  se  preencher  os  requitiso  legais  ou  contratuais.     O  anuncio  de  concurso  não  pode  ser  livremente  revogável  depois  de  publicado.       CAPITULO  XIII      A  EXTINCAO  DOS  NEGOCIOS  JURIDICOS     181.     No  negocio  unilateral  em  que  a  declaração  tenha  já  chegado  ao  seu  destinatário  e  tenha  já  constituído  na  sua  esfera  jurídica  um   direito.  a  liberdade  e  o  esclarecimento  das  partes  na  negociação.     Pode  suceder  que  no  negocio  unilateral.       O  artigo  433  remete  para  os  efeitos  de  resolução  entre  as  partes  para  as  regras  da  nulidade  e  da  anulabilidade.       182.         180.     O  problema  é  quando  uma  das  partes  de  recusa  injustificadamente  a  cooperar  para  a  satisfação  da  exigências  legais  de  forma.  mas  o  juízo  não  pode.  Destruindo  a   relação   contratual.   mas  não  existe  fundamento  para  bloquear  a  alegação  da  nulidade  por  um  terceiro  interessado.       Perante  a  invocação  da  nulidade  formal.  deixar  de  declaração  oficiosamente  a  nulidade  formal.  a  perfeição  do  consenso  na  conclusão.  mas  se  tiver  prazo  so  pode  ser  revogada  antes   do  seu  termo.  e  é  de  conhecimento  oficioso.Em  regra  há  redução.       A  resolução  pode  ser  licita  ou  ilícita.     Tem  legitimidade  para  revogar  as  pessoas  que  estão  vinculadas:  no  negocio  unilateral  a  pessoa  vinculada.       A  regra  geral  é  a  da  liberdade  de  forma.  sindicar  a  licitude  do  seu   conteúdo.  devera  verificar  os  pressupostos  do  negocio.  se  não  preencher.  é  o  de   salvar  o  negocio.  o  contrato.  A  promessa  publica   que  não  tenha  prazo  de  validade  por  ser  revogada  unilateralmente  a  qualquer  tempo.  sem  a  anuência  dos  interessados.  por  acordo  das  partes.  a  deficiência   formal  é  de  molde  a  poder  ser  suprida  pela  sentença.  se  tivessem  previsto  a  invalidade(artigo   293º).é   invocável  por  qualquer  interessado.

 mas  não  tem  eficácia  retroativa.  decorre  de  estipulação  negocial  principalmente  nos  casos  de  termo  final  e  de  condição  resolutiva.         184.  E  deve  avisar  o  outro  com  antecedência.  Os  direitos  temporários  caducam.  é  um  efeito  automático  de  extinção  do  negocio  jurídico.  a  parte  que  denuncia  deve  faze-­‐lo   com  a  antecedência  necessária  para  evitar  o  dano.     A  denuncia  distingue-­‐se  da  revogação  pois  não  exige  o  acordo  das  partes.         183.                                       .  O  artigo  298/2  refere  a  caducidade  a  direitos  que  devam  ser  exercidos  dentro  de  um   certo  prazo.  por  ex.   A  principal  causa  de  caducidade  é  o  tempo.  pode  decorrer  da  lei  ou  de  estipulação.  .A  ilicitude  não  a  priva.  É  própria  das  relações  contratuais  duradouras  e  sem  termo  estipulado.  no  artigo   1716(convenção  antenupcial).  deve  entender-­‐se  que  a  parte  que  pretende  denunciar  deve  faze-­‐lo  de  modo  a  provocar  na  outra  o  menor  dano   possível.  a  denuncia     1100  e  segs.       Como  regra  geral.  Em  boa  fé.  Decorre  da  lei.  distingue-­‐se  da  resolução  porque  não  pressupõe  um  fundamento  legal  ou  contratual  e  porque  não  tem  eficácia   retroativa.  É  o  principio  da  boa  fé(artigo762/2).  É  unilateral  e  pode  ser  feita  mesmo  contra  a  vontade  da   outra  parte.  o  negocio  extingue-­‐se  com  o  decurso  desse  prazo.  a  caducidade     A  caducidade  não  é  um  acto  jurídico.  por  decurso  do  prazo.  um  termo  final  para  a  sua  vigência.  da  sua  eficácia  típica  de  destruir  retroativamente  a  relação  contratual.     A  caducidade  do  negocio.  mas  é  um  caso  de   incumprimento  definitivo  do  contrato.   Sempre  que  se  estabelece  um  prazo.     A  denuncia  é  ima  declaração  unilateral  e  que  uma  das  partes  faz  a  outra  e  pela  qual  poe  termo  a  uma  relação  contratual  duradoura   para  a  qual  não  fora  estipulado  um  termo.   A  denuncia  opera  mediante  declaração  a  parte  contraria.  em  principio.