gesProf

© César Neves

Manual do Utilizador
v.1.0

Página

(manual elaborado com base na versão 5.33 da aplicação)

1

(19-10-2011)

Conteúdo
gesProf © César Neves ..................................................................................................................................................... 1
CONFIGURAÇÃO GERAL ................................................................................................................................................... 3
CONFIG. GERAL ............................................................................................................................................................. 3
CONFIG. DOMINIOS...................................................................................................................................................... 4
ALUNOS: Configuração da constituição da turma em avaliação, devendo indicar-se, para cada um dos alunos, pelo
menos, o 1.º e o último nome. O preenchimento do campo relativo à data de nascimento possibilitará o cálculo
automático da idade dos alunos, mas não é, assim como o campo relativo aos outros nomes, fundamental. .......... 6
DISCIPLINAS: Configuração dos dados relativos á designação das disciplinas que constituem o Conselho de Turma
e á identificação dos respetivos docentes. O preenchimento destes dados apenas servirá para o preenchimento,
em cada uma das folhas de registo relativas a cada um dos alunos dos níveis obtidos às várias disciplinas que
frequenta. ..................................................................................................................................................................... 7
MATRIZ DE AVALIAÇÃO GLOBAL ..................................................................................................................................... 7
Relatórios de avaliação ................................................................................................................................................ 9
MATRIZ GLOBAL DE AVALIAÇÃO DO DOMÍNIO A (COMPONENTE TEÓRICA - FICHAS DE AVALIAÇÃO) ..................... 10
MATRIZ DE CORREÇÃO DAS FICHAS DE AVALIAÇÃO SUMATIVAS ............................................................................... 11
MATRIZ DE AVALIAÇÃO DO DOMÍNIO B (COMPONENTE PRÁTICA – TRABALHOS PRÁTICOS) ................................... 14
Formulário de configuração da matriz de avaliação da componente B ................................................................... 15
Matriz de avaliação de trabalho / Aula Prática / Relatório … .................................................................................. 16
Formulário de configuração da matriz de avaliação do trabalho / Aula Prática / Relatório … ............................... 17
MATRIZ DE AVALIAÇÃO DOS DOMÍNIOS C & D (DOMÍNIO OPERACIONAL E ATIDIONAL) .......................................... 17

Página

2

PLANIFICADOR DE AULAS (CALENDÁRIO) ..................................................................................................................... 19

Escala de Avaliação e Menções Qualitativas: nestes campos deverão ser especificadas as menções qualitativas correspondentes a cada intervalo da escala de avaliação assim como as respetivas abreviaturas (limitada a 3 caracteres). DOMINIOS. Ainda no caso no ensino básico os níveis de classificação final inferiores a 3 serão apresentados a vermelho enquanto os restantes a verde. A alteração efetuada neste campo propagarse-á a todos os registos e é reversível. neste caso. Logótipo: acionando este comando poderá aceder ao formulário de configuração do logótipo a ser utilizado nas impressões realizadas. Dados De Identificação: Nestes campos poderá discriminar-se a designação do Estabelecimento de Ensino. Além do ajustamento das ponderações à respetiva escala também as formatações condicionais serão ajustadas ao ciclo especificado. A definição do ciclo de ensino irá ajustar todas as ponderações à respetiva escala de avaliação (0 a 100 para o ensino básico e de 0 a 20 para o ensino secundário). o valor 10 como referência. 2. As menções especificadas serão utilizadas em todos os registos para em função da sua correspondência aos valores da escala quantitativa em uso. GERAL 1. a designação da disciplina lecionada e a turma a que é lecionada. Ciclo de ensino: permite definir o ciclo de ensino a que os dados a registar se reportarão: ensino básico ou ao ensino secundário. 3 3. não provocando perda de dados. todos os valores inferiores a 50 (%) serão apresentados a vermelho enquanto os valores iguais ou superiores serão apresentados a verde. No caso do Ensino secundário o princípio mantem-se usando. Deve ser referido que a escala de avaliação é ajustada automaticamente em função da opção para o ensino básico ou secundário de acordo com os intervalos determinados pelos normativos legais em vigor. GERAL. Assim. para o caso do ensino básico. . CONFIG. Página 4. CONFIG. pelo que pode ser processada em qualquer momento. Os campos relativos ao ano letivo e ao nome do docente são preenchidos por defeito com o ano letivo em curso e com o nome do utilizador para o qual a cópia da aplicação se encontre registada e não poderão ser alterados. ALUNOS e DISCIPLINAS.CONFIGURAÇÃO GERAL O formulário de configuração geral é constituído por 4 separadores: CONFIG.

60%. Mesmo no ensino secundário em que. Domínio B: orientado para a avaliação de competências práticas (úteis sobretudo em disciplinas com vertente prática). igual a 100 (%) independentemente do ciclo de ensino em causa. pode adaptar-se a diferentes contextos de avaliação dependendo da configuração definida pelo utilizador. assim como das ponderações a atribuir. Saber Fazer e Saber Ser. 20% e 20%. Atendendo ao que foi expresso anteriormente. Neste caso usará os 4 domínios atribuindo-lhes o peso de (40%+20%)+20%+20% sem por em causa os critérios gerais de avaliação. dos registos relativos a esse mesmo domínio (concretamente na matriz de avaliação global) sem que. Ex: num contexto de avaliação cujos critérios de avaliação gerais contemplem 3 domínios de avaliação: Saber. trabalhos escritos ou outro tipo de produtos suscetíveis de avaliação (até um máximo de 10 por período) Domínio C: orientado para a avaliação de competências transversais de caracter operacional e atitudinal (muitas vezes referidas como “capacidades” e “atitudes” ou “saber fazer” e “saber ser”). No caso dos critérios em uso se encontrarem expressos em termos absolutos (x pontos em 20 para um determinado domínio) ter-se-á de proceder ao ajustamento dos valores especificados para cada domínio o seu peso relativo assumindo-se. avaliar trabalhos como uma parte integrante do domínio do “Saber” poderá fazê-lo desdobrando esta componente em duas (digamos “Saber . em qualquer circunstância. se verifica a existência de critérios mais sobrepostos e interligados as configurações Página Configuração dos dados relativos à ponderação das fichas de avaliação (vulgarmente designadas por testes) e as competências operacionais e a avaliar para os domínios C e D e as respetivas ponderações. apesar de tudo. obviamente. ser. a sua designação e as respetivas ponderações de acordo com os critérios gerais de avaliação em vigor no estabelecimento de ensino. Domínio D: idêntico ao domínio anterior O somatório do peso relativo a atribuir a cada um dos domínios deve. Os registos associados a este domínio reportar-se-ão aos testes realizados pelos alunos. Mesmo neste contexto. Existem 4 tipos de domínios que poderão ser utilizados para efeito de avaliação: Domínio A: orientado para a avaliação de competências cognitivas de índole teórica (muitas vezes referidas como “saber”). a nota máxima possível da escala em uso como correspondente a 100%. pode ser facilmente ajustável desativandose o domínio B (cujo tipo de registos não se enquadra neste contexto) e atribuindo ao domínio A a designação de “Saber” ao domínio C a designação de “Saber Fazer” e ao domínio C de “Saber Ser”. por reconfiguração das páginas. A conjugação das opções dos domínios a ter em conta. Domínios de Avaliação. Competências a avaliar e respetivas ponderações: nestes campos poderão ser especificados quais os domínios de avaliação a serem utilizados para efeitos de avaliação.5. cada vez que se efetue uma alteração do número de domínios a avaliar será necessário reajustar o peso atribuído às restantes. A (des)ativação de determinado domínio de avaliação implicará a ocultação. com ponderações de respetivamente. nalguns casos. pelo que que é uma alteração reversível que pode ser efetuada a qualquer altura sem perda de dados. neste caso. Os registos relacionados reportar-se-ão a testes que poderão assumir o carácter teórico prático (neste caso até ao máximo de dois por período) e a trabalhos. caso o utilizador pretenda. DOMÍNIOS .trabalhos”) e atribuindo-lhes uma parte do peso total do domínio original (por exemplo 40% para os testes e 20% para os trabalhos). sejam eles trabalhos práticos (com vertente de observação de aula e relatório). já que estes valores não se referem a cotações mas sim ao peso relativo que cada domínio terá na avaliação final. 4 CONFIG.testes)” e “Saber . apesar de tudo se verifique a perda ou alteração dos registos em causa.

se a média final da avaliação das competências será calculada de forma aritmética ou ponderada (3). A utilização do modo de cálculo ponderado e / o aritmético da média dos testes funciona de maneira autónoma para cada um dos períodos. 1 2 Estas opções estarão desativadas se o domínio A estiver desativado para efeitos de avaliação Estas opções estarão desativadas se os domínios C ou D estiverem desativados para efeitos de avaliação Página Se optar por registo do tipo simplificado a avaliação das competências será feita. No caso de optar pelo registo aula a será apresentada uma matriz de observações aula a aula para cada competência (permitindo um máximo de 40 observações por período para cada competência). respetivamente) e indicar que cada um dos dois restantes (para os quais não existem registos de avaliação) valerá 0%.Testes e respetivas ponderações1: nesta matriz poderá ser especificada se a média a calcular para os testes a realizar em cada período será calculada de forma aritmética ou de forma ponderada (1). implicando a atribuição de um peso específico a cada um deles. .º caso os testes realizados. assumirão o mesmo peso para o cálculo da média final. Este modo de ponderação será particularmente útil se se pretender valorizar de forma diferente os testes realizados. revelar (R). O somatório do peso atribuído ao conjunto dos 4 testes por período deve ser igual a 100%. No 1. com base em indicadores de nível qualitativos especificados para cada uma das competências em função do aluno não revelar (NR). No 2. no caso de ter especificado o cálculo da média de modo ponderado. Ex: Supondo que realizou apenas dois testes num determinado período.º caso a média final será calculada em função do peso específico atribuído pelo utilizador a cada teste. Neste caso a média ser calculada a partir do conjunto das observações realizadas refletindo a realidade do aluno de forma tanto mais apurada quanto maior for o número de observações efetuadas para cada competência (o funcionamento e especificidades dos 5 Competências operacionais (ou altitudinais) e respetiva ponderação2: Nestes campos poderá configurar se o tipo de registo para avaliação das competências operacionais ou altitudinais será do tipo simplificado ou aula a aula (2). independentemente do seu número. deverá selecionar esta opção para o período em causa atribuir o peso desejado a cada um dos dois testes realizados (digamos 40% e 60%. e que pretende valorizar um deles para efeitos de avaliação em relação ao outro. revelar pouco (RP). sendo que a média final (qualitativa) será calculada a partir destes indicadores. A atribuição de 0% a um dos testes significa que esse teste não será tido em conta para efeitos de avaliação. de uma ponderação inicial de 25% a cada um dos testes a realizar no respetivo período. por defeito. num único momento. Nota: a ativação do modo de ponderação ponderado conduz à atribuição. revelar bastante (RB) ou revelar claramente (RC) ter atingido ou dominar as competências em causa. especificar a designação das competências a avaliar (4) e. dispensando configurações adicionais. o peso relativo de cada uma das competências em avaliação (5).

Em qualquer dos caso. independentemente do seu número.registos de avaliação de competências simplificado e aula a aula será abordado com mais profundidade mais à frente neste manual). Página 6 ALUNOS: Configuração da constituição da turma em avaliação. e assim sucessivamente…) Nota: a ativação do modo cálculo ponderado da média das competências para o domínio C e D conduz à atribuição. No caso de optar pelo cálculo ponderado os campos relativos ao peso de cada competência ficará desbloqueado devendo especificar o peso relativo de cada delas para o cálculo da média final (5). etc. cada uma delas. professores e funcionares. de uma ponderação inicial de 10% a cada uma das 10 competências passíveis de ser avaliadas. a capacidade de aplicação de conhecimentos a novas situações. No caso das competências operacionais poderão considerar-se. por defeito. a título de exemplo. O preenchimento do campo relativo à data de nascimento possibilitará o cálculo automático da idade dos alunos. o 1. pelo menos. se não pretender avaliar algumas das competências deverá especificar para estas o valor 0%. respeito pelos colegas. Neste caso o somatório dos pesos a atribuir ao conjunto das competências deverá ser igual a 100%. No caso do peso atribuído a cada uma destas competências não se encontrar expresso em termos relativos mais sim em termos absolutos para o total do peso do domínio em causa. mas não é. a capacidade de autonomia… nas competências altitudinais poderá considerar-se o comportamento. assim como o campo relativo aos outros nomes. deverá indicar a designação das competências em avaliação. . devendo indicar-se. para cada um dos alunos. Neste caso. assumirá o mesmo peso no cálculo da média final. 2% para o relacionamento com o colegas… até ao total de 20%) então será necessário converter estes valores para pesos relativos (neste caso o comportamento terá o peso relativo de 2*100/20=10%. quer opte pela avaliação simplificada (mais expedita) ou pela avaliação aula a aula. fundamental. Para cada um dos casos poderão ser indicadas até dez competências.º e o último nome. Ex: se nos critérios gerais de avaliação em causa se considerar que o domínio das atitudes ou saber ser vale 20 % do total das avaliação e se o peso das competências a avaliar dentro deste domínio estiver expresso em parcelas deste total (2% para o comportamento. Se tiver optado pela avaliação aritmética destas competências. os valores a atribuir deverão ser convertidos para valores relativos assumindo-se o total considerado para o domínio como correspondente a 100%.

É nesta folha que os dados de avaliação trabalhados nos diferentes registos são compilados de forma a fornecer um panorama geral da avaliação dos alunos nos diferentes domínios. exceto os relativos à autoavaliação e á avaliação final procederão de outras páginas e não são editáveis a este nível. MATRIZ DE AVALIAÇÃO GLOBAL Página 7 A matriz de avaliação global deve ser assumida como a página principal da aplicação. em termos práticos todos os valores aqui apresentados. em cada uma das folhas de registo relativas a cada um dos alunos dos níveis obtidos às várias disciplinas que frequenta.DISCIPLINAS: Configuração dos dados relativos á designação das disciplinas que constituem o Conselho de Turma e á identificação dos respetivos docentes. O preenchimento destes dados apenas servirá para o preenchimento. pelo que. .

consequentemente. assumindo 1P = 1. 13. 5. 9. Home: permite retroceder para a página principal da aplicação ou para a página anterior (dependendo da página em que o utilizador se encontre). Reduzir: reduz o zoom da página. Aluno: permite aceder á folha de registo dos alunos. sempre que possível num destino diferente daquele em que a aplicação é executada (se possível num disco distinto). Se pretender alterar a impressora para a qual o trabalho de impressão é enviado dever alterar a impressora predefinida nas configurações do computador. avaliação de trabalhos. As médias finais relativas a cada um dos domínios de avaliação apresentados na matriz de avaliação global procedem dos respetivos registos de avaliação. 4 Se os quatro domínios estiverem ativos. etc.º Período e 2P = 2. 15. 2. 3. Por defeito Página Se os quatro domínios estiverem ativos a fórmula de cálculo será: Média Global Período = Média A X Ponderação A + Média B x Ponderação B + Média C x Ponderação C + Média D x Ponderação D. Internet: permite aceder á página na Internet da aplicação 12. Na secção relativa ao segundo e terceiros períodos além da coluna da média final do período (em que apenas os registos relativos ao período em causa são levados em conta) é ainda apresentada uma coluna (20 . serão idênticos na maioria das páginas e desempenharão. Avaliação diagnóstica: permite aceder á matriz de correção da ficha de avaliação diagnóstica. as mesmas funções independentemente da página em que se encontrem: 1. sendo que na ausência desses valores não serão apresentados dados. 8 3 . Calendário: permite aceder ao planificador de aulas.bak.. Guardar: Guarda os dados registados até ao momento. O ficheiro criado é identificado pelo data e hora da sua criação e é-lhe atribuído a extensão *. Importar: permite efetuar a importação de dados de outro livro do gesProf. Ampliar: amplia o zoom da página. Cópia: permite criar uma cópia de segurança da aplicação (nota: as cópias de segurança são guardadas na mesma pasta em que se encontra a ser executada a aplicação. Pasta de Registos: permite aceder ao conjunto de registos específico para os domínios de avaliação ativos. então a a fórmula de cálculo da média acumulada para o segundo período será: Média Acumulada (2P) = [(Média A (1P) X Ponderação A (1P) + Média B (1P) x Ponderação B (1P) + Média C (1P) x Ponderação C (1P) + Média D (1P) x Ponderação D (1P)) + (Média A (2P) X Ponderação A (2P) + Média B (2P) x Ponderação B (2P) + Média C (2P) x Ponderação C (2P) + Média D (2P) x Ponderação D (2P))] / 2. Devem ser criadas cópias de segurança frequentes da aplicação e guardar as mesmas.º Período. Calculadora: permite aceder á calculadora. 4. Imprimir: Imprimir a página em causa (nota: a impressão é enviada por defeito para a impressora predefinida do computador.xlsm) 11. Configuração: permite aceder ao formulário de configuração geral da aplicação. Sair O acesso a outras folhas de registo é efetuado clicando nos ícones correspondentes: 14. As cópias de segurança poderão ser revertidas a ficheiros funcionais mediante a alteração da sua extensão para *. da escala em uso (também especificadas no formulário de configuração geral).Média acumulada) que consiste na média acumulada ou avaliação contínua. Uma vez que vão sendo introduzidos noutras folhas (correção de testes. Neste caso todos os registos de avaliação desde o início do ano são tidos em conta no cálculo da média em função das respetivas ponderações4. 10. A atribuição do nível /classificação final é automática em função da média global do aluno para o período em função do nível de ensino e. 8. 16. esses valores vão sendo apresentados e serão utilizados para calcular as médias finais por aluno em cada período (17 Média do período) em função das ponderações atribuídas a cada domínio no formulário de configuração geral3.Os comandos apresentados do lado esquerdo da página são os comandos principais da aplicação. competências. 6. 7. Exportar: permite exportar a página visualizada como imagem. consequentemente.

º período é feito a partir desta média. que a média dos testes do 1. Assim na base de cada coluna (23) será apresentada a média global da turma para a variável em causa (ex. da média por aluno para cada período. Clicado no ícone do relatório de cada período terá acesso a um formulário onde poderá configurar o tipo de dados a apresentar: . Elementos a incluir no relatório de avaliação: permite especificar quais os domínios (mostrar / ocultar determinados domínios) e a profundidade dos dados a apresentar a incluir no relatório (se. pelo que. por exemplo. neste caso. valores que poderão ser úteis na comparação entre turmas ou na definição do seu panorama de desempenho global. a uma avaliação por módulos sendo que. para o domínio cognitivo se pretende ou não exibir as notas dos testes realizados). De salientar que o cálculo do nível a atribuir no final do 2. Contínua Ponderada). B. C ou D. No entanto. o peso relativo de cada período para o cálculo desta média acumulada poderá ser ponderado através da atribuição de pesos relativos distintos a cada período o que permitirá fazer uma avaliação sumativa ponderada (19 – Av. Na base da matriz de avaliação global serão apresentados dados estatísticos globais para a turma. 3. se se pretender que cada período funcione como uma unidade autónoma dever-se-á concretizar uma avaliação contínua ponderada especificando. da classificação automática determinada pela aplicação ou da classificação final efetivamente atribuída. etc. média global da turma para o domínio A. Paralelamente serão ainda apresentados dados estatísticos relativos ao aproveitamento geral em termos de tabela (25) e gráfico (26). dos níveis ou classificações obtidas.). por opção do utilizador (24). No extremo inferior direito da janela (22) será exibida a legendas relativa aos domínios de avaliação A.º e 3. no extremo. Este conceito poderá ser utilizado para proceder. no caso dos cursos profissionais. um peso relativo de 0% para cada um dos períodos precedentes ao momento de avaliação em causa. B. Os dados utilizados para efetuar esta análise podem proceder. C e/ ou D em função das designações especificadas pelo utilizador no formulário de configuração geral. por exemplo.º período terá o mesmo peso da média dos testes no segundo ou terceiro períodos..este valor é calculado de forma aritmética. Relatórios de avaliação Página 1. neste caso cada período passará a funcionar como uma unidade de avaliação isolada. Resultados (Menções): neste campo poderá especificar se pretende que sejam apresentados dados quantitativos ou apenas qualitativos (neste último caso apenas serão exibidas as menções correspondentes a cada uma das classificações) 2. Registo de aulas previstas e dadas: permite especificar o número de aulas previstas e dadas num determinado período 9 Em cada período de avaliação será possível proceder a elaboração de um relatório de avaliação (21) cujos campos a exibir poderão ser configurados pelo utilizador. o que significa.

Nenhum dos campos desta matriz é editável sendo que os dados apresentados provêm das respetivas matrizes de avaliação das fichas de avaliação. como o de relatório de avaliação intercalar (neste caso omitindo a avaliação final e exibindo. Média global de todos os testes realizados pelo alunos até ao momento (independentemente do período) 10 A matriz global das fichas de avaliação é acedida clicando no ícone (pasta) no topo da coluna identificada pela letra A na matriz de avaliação global. os testes que não contenham dados serão omitidos do cálculo da média) ou ponderado (permite atribuir pesos diferentes a cada um dos testes). A designação apresentada na barra superior à matriz irá variar em função da designação atribuída pelo utilizador ao domínio A no formulário de configuração geral. apenas dados qualitativos) ou de relatório de avaliação final e de comunicação de notas ao Diretor de Turma. 6. Nota: esta opção também pode ser controlada a partir do formulário de configuração geral. Médias globais por turma para cada teste.FICHAS DE AVALIAÇÃO) Página 1. por exemplo. 5. Peso relativo de cada um dos testes realizados para o cálculo da média por período (nota: no caso da opção de cálculo ser por média aritmética este peso será omitido. Nesta matriz serão exibidas as classificações finais obtidas pelos alunos em cada um dos testes realizados em cada período.A conjugação das opões especificadas pelo utilizador permite diferentes tipos de relatórios que poderão servir vários fins. Média dos testes realizados por período por cada aluno: esta média pode ser aritmética ou ponderada em função das configurações especificadas pelo utilizador. 2. Cálculo aritmético ou ponderado da média dos testes por período: permite alternar entre o modo de cálculo aritmético (todos os testes realizados têm um peso equivalente. Ícones de navegação que permitem aceder às matrizes de correção dos testes. sendo este os valores que serão apresentados na matriz de avaliação global. 3. 4. . MATRIZ GLOBAL DE AVALIAÇÃO DO DOMÍNIO A (COMPONENTE TEÓRICA .

º máximo de 40 questões) em função do número de questões da ficha de avaliação. Página 5 11 1. 3 1 7 A 4 2 6 B 5 MATRIZ DE CORREÇÃO DAS FICHAS DE AVALIAÇÃO SUMATIVAS Se forem utilizados números decimais nos valores de cotação o separador das décimas utilizado deve ser a vírgula (ex. as décimas indicadas sejam consideradas. Número da questão: valor alfanumérico que identificará a questão. A especificação do tipo de questão não é relevante para o cálculo da classificação do teste.0 serão. Poderão ser indicadas tantas questões quantas as disponíveis (n. 3. 2. caso o utilizador assim o entenda. Tipo de questão: campo de preenchimento facultativo! O seu preenchimento é feito em função do tipo de questões que seja especificado pelo utilizador em (16). Valores decimais superiores a 10.5)! Valores introduzidos usando como marcador decimal o ponto serão tratados como caracteres numéricos e serão ignorados para efeitos de cálculo. verde = superior ao ponto médio da escala) e barras de desempenho global por alunos (o tamanho destas barras reporta-se á média global dos testes por aluno em função do máximo da escala de avaliação em utilização (básico ou secundário). Cotação a atribuir a cada questão: valor numérico que corresponderá à cotação máxima de cada questão da ficha de avaliação5. O somatório das cotações atribuídas poderá ser visualizado no topo da coluna relativa à . aparentemente arredondados para o número inteiro mais próximo. Estatística adicional: permite aceder à tabela de aproveitamento global da turma em todos os testes realizados (A) assim como aos marcadores de desempenho (B) (a cor do círculo indica: vermelho = valor inferior ao ponto médio da escala.7. 2. para proceder a uma análise do aproveitamento do aluno por tipo de questão.5) e não o ponto (ex. apenas servirá. por uma questão de limitação de espaço da célula. amarelo = valor igual ao ponto médio da escala. 2. ainda que para efeito de cálculo. A indicação do tipo de questão poderá ser feita a qualquer altura do preenchimento da matriz.

24%. 5.5) e não o ponto (ex. uma vez que as classificações serão calculadas por ponderação em função do somatório das mesmas e ajustadas á escala em utilização. Menção quantitativa: abreviatura da menção qualitativa (especificada na formulário de configuração geral) correspondente à classificação final obtida pelos alunos no teste. 8. Não é necessário. 6. 7. sem necessidade de proceder à indicação de quaisquer valores na matriz de correção. Pontos atribuídos a cada questão corrigida: os valores introduzidos6 serão assinalados a verde se forem maiores ou iguais a metade do valor da cotação atribuído para a questão e a vermelho se forem menores que esse valor. ou não. Aproveitamento por questão (níveis): aproveitamento por questão expresso em termos do número absoluto de pontuações atribuídas para cada nível de aproveitamento (expressos em função das menções especificadas).: se num teste do ensino básico o somatório das cotações atribuídas for 89 pontos e o aluno obtiver a pontuação de 75 pontos então a sua classificação será calculada da seguinte forma: Classificação = (75 x 100) / 85 = 88.5)! Página 4. Dito de uma forma mais simples. Faltas: permite assinalar os alunos que faltaram ao teste. o separador das décimas utilizado deve ser a vírgula (ex: 2. 2. corresponder ao máximo da escala de avaliação em utilização. 18 1 12 13 2 5 6 3 7 4 14 8 9 15 17 10 11 16 6 Quando necessário. para efeitos de cálculo. 12 Ex. Noutro contexto. A marcação de falta determina a atribuição de 0 na classificação final do teste ao aluno em causa.classificação final da ficha de avaliação (6). Este somatório poderá. se num teste do ensino cotado para 120 pontos o aluno obtiver 60 então a sua classificação será calculada da seguinte forma: Classificação = (60x20) / 120 = 10 pontos . não se verifica a necessidade que o somatório das questões corresponda a 100 ou 20 pontos respetivamente. independentemente do utilizador estar a usar a escala do ensino básico ou secundário. Classificação final da ficha de avaliação: classificação final da ficha de avaliação por aluno calculada em função doo somatório das cotações atribuídas ás questões e ajustada à escala de avaliação utilizada. assinalar as presenças.

máxima e mínima atribuída para cada questão. 17. A apresentação de valores depende da especificação. 12. Pode referir-se ao aproveitamento de tantas quantas as questões que forem indicadas.Aproveitamento por questão (média. mínimo e máximo): pontuação média. 15.Página 13 9. para cada questão.Grelha de aproveitamento por tipo de questão: apresenta o aproveitamento de cada aluno por tipo de questão especificada (16).Média. Aproveitamento global da turma no teste: aproveitamento global da turma expresso em termos do número relativo de classificações por níveis de desempenho (expressos em termos das menções especificadas) e do número relativo de níveis inferiores e superiores ao valor médio da escala de avaliação. 13. Cinco opções a considerar. do tipo de questão em causa (2).Relatório estatístico: comando que permite aceder ao relatório de análise estatística relativo à ficha de avaliação. .Tipos de questão: designação dos tipos de questão a considerar para efeitos de análise estatística (podem variar de teste para teste). 11.Estatística adicional: comando que exibe / oculta a estatística relativa à ficha de avaliação.Média. 14. Este valor pode aproximar-se mas raramente corresponderá à classificação final do teste. mínimo e máximo de aproveitamento por tipo de questão: matriz que devolve a média. 16. 18. mínimo e máximo de aproveitamento por tipo de questão.Observações: campo destinado ao apontamento de observações relativas à ficha de avaliação.Média de aproveitamento por tipo de questão: devolve a média do aproveitamento nos tipos de questões consideradas. mínima e máximo da turma: classificação média obtida pelos alunos da turma na ficha de avaliação e classificação mínima e máximas obtidas. 10.

MATRIZ DE AVALIAÇÃO DO DOMÍNIO B (COMPONENTE PRÁTICA – TRABALHOS PRÁTICOS) A matriz de avaliação destinada à avaliação do domínio B encontra-se estruturada de forma a recolher dados relativos à avaliação de dois tipos de instrumentos de avaliação: fichas de avaliação (testes) e trabalhos de natureza variada (trabalhos escritos. relatórios…). Esta matriz pode ser configurada (1) de modo a considerar apenas uma fonte de dados ou as duas (a sua estrutura será reorganizada em função das opções especificadas). 3 4 1 2 6 8 10 9 5 7 Configuração da matriz de avaliação Estatística adicional Peso relativo atribuído ao conjunto das fichas de avaliação (configurável em 1) Peso relativo atribuído ao conjunto dos trabalhos (configurável em 1) Página 1. Quando ambas as fontes de dados estão ativas é ainda possível especificar o peso relativo a atribuir a cada uma delas. 4. A designação a atribuir a cada conjunto de instrumentos de avaliação é ainda outra opção que pode ser configurada. 3. 14 11 . trabalhos práticos. 2.

A desativação de uma componente determina a atribuição automática de um peso relativo de 100 % à outra componente de avaliação. 2. 7. 10. 4. 8. 6. A ativação simultânea de ambas as componentes determina a atribuição inicial de um peso de 50% a cada uma delas. Peso relativo (%) a atribuir a cada uma das fichas de avaliação: o somatório deve ser igual a 100%. 15 5 . A desativação de uma componente de avaliação não elimina os dados relativos a esses instrumentos de avaliação. Peso relativo (%) a atribuir a cada uma das componentes de avaliação: o somatório do peso a atribuir a cada componente tem de ser igual a 100%. Formulário de configuração da matriz de avaliação da componente B 2 1 3 4 Página 1. Média de classificações obtidas pelos alunos a cada um dos testes / trabalhos e média global. Ativar / desativar componente de avaliação: mostra ou oculta os dados relativos a um determinado conjunto de instrumentos de avaliação. 9. apenas faz com que sejam ocultos e deixem de ser considerados para efeitos de cálculo. indicar 0% para um dos trabalhos faz com que o mesmo não seja considerado para efeitos de cálculo. indicar 0% para um dos testes faz com que o mesmo não seja considerado para efeitos de cálculo. Peso relativo (%) a atribuir a cada um dos trabalhos: o somatório deve ser igual a 100%. A desativação de uma componente determina a atribuição de 100% à componente que permanece ativa. a ponderação de um determinado testes só deve ser especificada quando de facto existirem dados a ser avaliados pois a atribuição de ponderação a um teste para o qual não existem valores irá afetar a média final calculada para os testes. Peso relativo atribuído a cada uma das fichas de avaliação (configurável em 1) Ícones de navegação que permitem aceder às matrizes de correção das fichas de avaliação Peso relativo atribuído a cada um dos trabalhos (configurável em 1) Ícones de navegação que permitem aceder às matrizes de correção dos trabalhos Grelha de aproveitamento global da turma nos testes / trabalhos realizados até ao momento Estatística adicional: permite aceder aos marcadores de desempenho (a cor do círculo indica: vermelho = valor inferior ao ponto médio da escala. amarelo = valor igual ao ponto médio da escala. a ponderação de um determinado trabalho só deve ser especificada quando de facto existirem dados a ser avaliados pois a atribuição de ponderação a um trabalho para o qual não existem valores irá afetar a média final calculada para os testes. 5.5. verde = superior ao ponto médio da escala) e barras de desempenho global por alunos (o tamanho destas barras reporta-se á média global dos testes por aluno em função do máximo da escala de avaliação em utilização (básico ou secundário). Designação a atribuir à componente de avaliação: designação que será apresentada na matriz de avaliação para referir o conjunto de instrumentos de avaliação em causa. 3. 8.

. Um exemplo da utilização destas matrizes será a avaliação de um trabalho prático na avaliação do qual serão ponderados dados de avaliação relativos à aula prática propriamente dita (componente 1) e ao relatório subsequente (componente 2). 7 5 3 10 11 8 9 1 13 12 14 16 6 4 Página 2 . em peso absoluto e sem a necessidade de ser ajustado a qualquer escala. Outro exemplo será a realização de um trabalho escrito em que a componente 1 se reportará ao trabalho de pesquisa ou de grupo realizado e a outra componente à avaliação do produto final propriamente dito… etc. A média de cada componente (8 e 9) será ajustada em função do somatório das cotações atribuídas (10 e 11) em função da escala de avaliação em utilização. Na matriz de avaliação podem ainda ser exibidos os dados estatísticos por aluno (12). relativos ao aproveitamento geral da turma (13) e ao aproveitamento por item de avaliação considerado (14) em função dos níveis de desempenho.Especificar quais os itens a avaliar para cada componente (6) e a respetiva cotação (7). .Matriz de avaliação de trabalho / Aula Prática / Relatório … A matriz de avaliação em causa é composta por duas componentes que podem ser ativadas ou desativadas em função das necessidades do utilizador.Ativar / Desativar as componentes de avaliação a ter em conta (2 e 3) na determinação da classificação final. Nota: o somatório das duas competentes deve ser igual a 100%! .Especificar a designação de cada componente.Atribuir um peso relativo (%) específico a cada componente (4 e 5). Através do comando de configuração (1) poderão ser ajustadas as seguintes opções: . As duas componentes poderão ser utilizadas em conjunto reportando-se a dados de natureza diferentes que poderão ser ponderados de acordo com as necessidades do utilizador.

RP = 25% do Página Se optar por registo do tipo simplificado a avaliação das competências será feita. Nestas condições podemos referir como exemplo as competências de caracter operacional e as competências de caracter atitudinal (também vulgarmente designadas por capacidades e atitudes). 4.Formulário de configuração da matriz de avaliação do trabalho / Aula Prática / Relatório … 1 2 4 1. num único momento. consequentemente. Pesos relativos (%) das componentes de avaliação. Nota: o somatório componente 1 + componente 2 = 100%! Designação dos itens a avaliar Cotação a atribuir a cada um dos itens a avaliar (se não forem utilizados todos os itens os campos que nãos erão utilizados deverão ser preenchidos com o valor 0) MATRIZ DE AVALIAÇÃO DOS DOMÍNIOS C & D (DOMÍNIO OPERACIONAL E ATIDIONAL) Estas matrizes (idênticas na sua estrutura) são apropriadas para a avaliação de competências transversais para as quais não existem instrumentos de avaliação específicos e que são. 3 5 Ativar / Desativar componente de avaliação. 17 Quer num caso quer noutro o princípio do processo de avaliação baseia-se na recolha de dados por observação e a atribuição de um nível de desempenho quantitativo que depois será traduzido para um valor numérico. 3. revelar (R). Existem duas opções de avaliação que podem ser especificadas no formulário de configuração geral que determinam a utilização de tipos de registos distintos: os registos simplificados e os registos aula a aula. com base em indicadores de nível qualitativos (1) especificados para cada uma das competências em função do aluno não revelar (NR). sendo que a média final por aluno (qualitativa) será calculada a partir destes indicadores. Para efeitos do cálculo da média por aluno (2) cada um dos níveis de desempenho anteriormente enunciados corresponderá a um determinado valor numérico (3) (NR = 0% do máximo da escala de avaliação. 5. 2. revelar pouco (RP). Designação da componente de avaliação. . de difícil avaliação quantitativa. revelar bastante (RB) ou revelar claramente (RC) ter atingido ou dominar as competências em causa.

50% e 100% da escola de avaliação que está irá ser utilizada. cada item terá o mesmo peso no cálculo da média. Neste caso a média ser calculada a partir do conjunto das observações realizadas refletindo a realidade do aluno de forma tanto mais apurada quanto maior for o número de observações efetuadas para cada competência.máximo da escala de avaliação. Se na configuração geral se tiver optado por calcular a média em modo aritmético então. respetivamente. sendo que esta vai sendo calculada à medida que os valores vão sendo introduzidos sem que haja necessidade de especificar valores para todos os itens (os campos em branco serão ignorados). neutra (+/-) e positiva (+) que corresponderão. a 0%. RB = 75 % do máximo da escala de avaliação e RC = 100% do máximo da escala de avaliação). então cada item terá um peso relativo específico (4). 4 3 1 3 Página Nestes registos as observações efetuadas serão anotadas com recurso a três símbolos (3) que correspondem respetivamente a uma observação negativa (-). Desta forma as observações efetuadas serão 18 No caso de optar pelo registo aula a será apresentada uma matriz semelhante à anterior sendo que desta feita cada competência remeterá para um registo específico de observações aula a aula (1) (permitindo um máximo de 40 observações por período para cada competência). sendo que neste caso todos os itens com ponderação atribuída deverão ser preenchidos pois as células em branco serão assumidas como correspondentes a 0. Se se optar pelo cálculo ponderado. R = 50% do máximo da escala de avaliação. .

O utilizador poderá ainda agendar os testes (11) e tomar nota de outros eventos (12) ou acontecimentos relacionado. Estas aulas serão numeradas em função do número de aulas especificadas para cada dia da semana.º de observações realizadas aumenta (quanto maior o numero de observações mais representativo será este valor) as pontuações médias obtidas para cada competência (3) serão então compiladas na matriz de avaliação do domínio onde será calculada a média de todas as competências á semelhança do que acontecia na matriz simplificada. proceder-se-á ao acerto da numeração das lições. Noutro contexto.convertidas num valor numérico que irá sendo ajustado à medida que o n. 1 2 3 PLANIFICADOR DE AULAS (CALENDÁRIO) Página 19 O planificador de aulas. sendo que os sumários em falta serão assinalados por uma cruz vermelha e os realizados por um visto verde. com a turma em questão. período de ausência (7) ou tempos letivos (8). ou não. especificação das interrupções letivas (2) e feriados móveis (3) serão calculas as aulas previstas para cada período letivo (4) e será elaborado um cronograma com a listagem das aulas a lecionar em função das respetivas datas (5). Nesta página com base na indicação do momento de início e fim do ano letivo (1). sendo que em caso de falta. agenda e calendário é uma página onde poderá organizar o calendário letivo da turma. Paralelamente o utilizador poderá proceder á anotação dos sumários (9) correspondentes a cada aula ou conjunto de aulas. com base em todas as informações que vãos sendo introduzidas vai sendo elaborado um calendário (10) em que os eventos registados vão sendo apresentados em função do seu tipo com base na cor correspondente ao tipo de evento. seja por um dia completo (6). .

4 1 9 10 3 6 7 11 12 20 8 2 Página 5 .