TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SEDIMENTOS EM

RELAÇÃO AOS CONTAMINANTES INORGÂNICOS
Projeto de Pesquisa: Avaliação da qualidade de sedimentos do reservatório
Billings, braço Rio Grande, em relação aos contaminantes inorgânicos
Autores: Déborah I.T. Fávaro, Eleine Bostelmann, Sandra R. Damatto, Fernando
Campagnoli, Bárbara P. Mazzilli
Área FAPESP: 1.06.99.00-7 - Química , sub-área: 1.06.04.00-6 - Química Analítica
RESUMO
O presente estudo consistiu em caracterizar quimicamente amostras de sedimentos da represa
Billings, braço Rio Grande, na região Metropolitana de São Paulo, por meio da determinação da
concentração de As e dos metais (Al, Ba, Cd, Cu, Cr, Fe, Hg, Mn, Ni, Pb,Se e Zn. As
determinações foram efetuadas pelas técnicas analíticas de espectrometria de absorção atômica
(FAAS, GFAAS e CVAAS) e espectrometria de emissão ótica (ICP OES). Essas metodologias
analíticas foram analisadas quanto à precisão, exatidão e limite de detecção e/ou quantificação para
esses elementos. Foram discutidas também as vantagens e desvantagens de cada técnica utilizada,
para cada elemento, dependendo de sua concentração. A partir dessa análise, selecionou-se a
técnica mais apropriada para a determinação de cada elemento, para a implementação em análise
de rotina de amostras de sedimento.Verificou-se que a digestão efetuada com auxílio de microondas
em sistema fechado com ácido nítrico é eficiente para a quantificação do teor de metais extraíveis,
de interesse ambiental. Verificou-se também que as técnicas escolhidas para as determinações dos
metais eram igualmente eficientes. No caso dos metais Cd e Pb, a técnica de FAAS apresentou
resultados melhores do que a técnica de ICP OES, por não apresentar interferência de matriz. Os
valores de concentração para os metais As, Cd, Cu, Cr, Hg, Ni, Pb e Zn nas amostras de sedimento
foram comparados com os valores orientadores (TEL e PEL) do Canadian Council of Ministers of
the Environment (CCME). Esse estudo definiu as técnicas analíticas e parâmetros, para um melhor
monitoramento dos níveis de contaminação de sedimentos por metais, fornecendo dados que
possam ser utilizados para direcionar atitudes e manejos de sistemas aquáticos.
1. INTRODUÇÃO
Para realizar o controle da poluição das águas dos rios e reservatórios, utilizam-se os padrões
de qualidade, que definem os limites de concentração a que cada substância presente na água deve
obedecer. Esses padrões dependem da classificação das Águas Interiores, que é estabelecida
segundo seus usos preponderantes, por legislação específica, variando da Classe Especial, a mais
nobre, até a Classe 4, a menos nobre (CETESB – ÁGUAS, 2006).
1.1. ÍNDICES DE QUALIDADE DE ÁGUA
Em 13 de agosto de 1998, a Resolução SMA-65, criou o Índice de Qualidade de Águas
Brutas para Fins de Abastecimento Público (IAP) e o Índice de Preservação da Vida Aquática
(IVA). Em função dessa Resolução, criou-se um grupo de trabalho multi-institucional, que contou
com a participação de técnicos da CETESB (indicados através do Ofício 0652/98/P de 25/8/98), da
Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo (SMA), da Companhia de Saneamento

Básico do Estado de São Paulo (SABESP) e da Universidade de São Paulo (USP), para a revisão
dos índices de qualidade da água.(CETESB, 2004)
O Índice de Qualidade das Águas, de que trata o artigo 4º da Resolução SMA-65, deve
refletir a qualidade das águas para seus múltiplos usos, de forma que o Grupo de Trabalho incluiu o
índice de Balneabilidade, por avaliar as condições da água para fins de recreação de contato
primário. Entretanto, o uso de um índice numérico global foi considerado inadequado devido à
possibilidade de perda de importantes informações, tendo sido proposta a representação conjunta
dos três índices.(CETESB, 2004)
Assim, o Índice de Qualidade das Águas é composto pelo:

Índice de Qualidade de Águas Brutas para Fins de Abastecimento Público (IAP);

Índice de Preservação da Vida Aquática (IVA) e

Índice de Balneabilidade(IB)

O IAP é o produto da ponderação dos resultados atuais do IQA (Índice de Qualidade de
Águas) e do ISTO (Índice de Substâncias Tóxicas e Organolépticas), que é composto pelo grupo de
substâncias que afetam a qualidade organoléptica da água, bem como de substâncias tóxicas,
incluindo metais, além de resultados do teste de Ames (Genotoxicidade) e do Potencial de
Formação de Trihalometanos (THMPF).(CETESB, 2004)

IQA: Temperatura da água, pH, oxigênio dissolvido, demanda bioquímica de oxigênio,
coliformes termotolerantes, nitrogênio total, fósforo total, resíduo total e turbidez;

ISTO: Parâmetros que indicam a presença de substâncias tóxicas (teste de
mutagenicidade, potencial de formação de trihalometanos, cádmio, chumbo, cromo total,
mercúrio e níquel) e parâmetros que afetam a qualidade organoléptica (fenóis, ferro,
manganês, alumínio, cobre e zinco).

O IVA tem o objetivo de avaliar a qualidade das águas para fins de proteção da fauna e flora.
O IVA leva em consideração a presença e concentração de contaminantes químicos tóxicos, seu
efeito sobre os organismos aquáticos (toxicidade) e dois dos parâmetros considerados essenciais
para a biota (pH e oxigênio dissolvido), parâmetros esses agrupados no IPMCA – Índice de
Parâmetros Mínimos para a Preservação da Vida Aquática, bem como o IET – Índice do Estado
Trófico de Carlson modificado por Toledo. Desta forma, o IVA fornece informações não só sobre a
qualidade da água em termos ecotoxicológicos, como também sobre o seu grau de trofia.
(CETESB, 2004)

IPMCA: Grupo de substâncias tóxicas (cobre, zinco, chumbo, cromo, mercúrio, níquel,
cádmio, surfactantes e fenóis) e grupo de parâmetros essenciais (oxigênio dissolvido, pH
e toxicidade).
IET: Transparência (disco de Secchi), clorofila a e fósforo total.

O IB – Índice de Balneabilidade é baseado no monitoramento bacteriológico, visando avaliar
a qualidade da água para fins de recreação de contato primário, sendo aplicado em praias de águas
interiores, localizadas em rios e reservatórios. Com o intuito de determinar de uma maneira mais
clara a tendência da qualidade das praias, a CETESB desenvolveu, com base nos dados obtidos do
monitoramento semanal, uma Qualificação Anual que se constitui na síntese da distribuição das
classificações obtidas pelas praias ao longo das 52 semanas do ano. Baseada em critérios
estatísticos simplificados, a Qualificação Anual expressa não apenas a qualidade mais recente
apresentada pelas praias, mas aquela que a praia apresenta com mais constância ao longo do
tempo.(CETESB, 2004)

2

Processos biogeoquímicos controlam o acumulo e a redistribuição das espécies químicas. • Material orgânico que ocupa pequeno volume. proveniente de animais e vegetais.2. distribuído ao longo dos vales do sistema de drenagem e orientado a partir da interação constante e contínua dos processos de intemperismo e erosão (MUDROCH & MACKNIGHT. De acordo com a classificação granulométrica. Eles refletem a qualidade corrente do sistema aquático e podem ser usados para detectar a presença de contaminantes que não permanecem solúveis após seu lançamento em águas superficiais. todo material não consolidado.(MOREIRA & BOAVENTURA.1. • Material inorgânico. lagos e águas oceânicas. 1999) Eles constituem uma fase mineralógica com partículas de tamanhos.(CONAMA. pois os metais pesados não são permanentemente fixados por eles. transportadas por água. por conta da característica de sorção e biodisponibilidade de muitos contaminantes. gelo e água da superfície da terra. os sedimentos agem como carreadores e possíveis fontes de poluição. reprocessamento e transferência dos constituintes do sedimento se dão por precipitação através dos processos químicos e biológicos nos rios. DEFINIÇÃO E FORMAÇÃO O sedimento de fundo. Também se originam pela deposição de material orgânico.(BEVILACQUA. SEDIMENTOS 1. formas e composição química. por metais pesados. Mais do que isso. Esta tendência primaria é devido ao fato das pequenas partículas terem grandes áreas de superfície para a adsorção por contaminantes. 2003) Os processos de acumulação. mas é um componente importante.2. e podem ser ressolubilizados para a água por mudanças nas condições ambientais. as concentrações de nutrientes e contaminantes aumentam. pois são formados por material sólido carregado pelo vento.1.2. na fração total (partículas < 2mm). fragmentos de conchas e grãos resultantes da erosão natural do material da crosta terrestre. constituído por partículas de diferentes tamanhos. os grãos podem ser classificados conforme Tabela 1. atuam sobre diversos tipos de rochas e/ou seus produtos de intemperização. é por definição. rochas. que vivem no local. desempenham um papel importante no esquema de poluição dos rios.(CAMPAGNOLI et al. 1991). ar ou gelo. 1996) Outro fator que influencia a adsorção e a retenção de contaminantes na superfície das partículas é o tamanho da partícula. por sua vez. formas e composição química distintas. lagos e reservatórios.(BEVILACQUA. 2003) 3 . em sua maioria.2. durante muitos anos. PAPEL DOS SEDIMENTOS NO DIAGNOSTICO AMBIENTAL Os sedimentos de fundo. são depositados nos rios. A tendência observada é que quando o grão diminui. que preenchem os espaços entre as partículas e equivale à cerca de 50% do sedimento. Esses materiais. 1996) Os sedimentos dos sistemas aquosos representam uma grande fonte de estudo.(MUDROCH & MACKNIGHT 1991) O sedimento é constituído basicamente por: • Águas intersticiais. • Material de origem antrópica 1. A caracterização química deve determinar as concentrações de poluentes no sedimento. Esses processos.

endrin. que agem negativamente sobre a biota aquática e prejudicam muitos dos usos potenciais do recurso hídrico.00394 a 0. os sedimentos e/ou biota aquática poderão ser investigados quanto à presença eventual dessas substâncias”. • Variáveis Químicas: resíduos.(FAVARO et al. contaminantes e nutrientes acumulados nos sedimentos podem ser redisponibilizados para a coluna d’água. influenciando diretamente a qualidade desse compartimento.062 a 0. arsênio. pois registram em caráter mais permanente os efeitos de contaminação. considerando-se aqueles mais representativos (CETESB. cádmio. 4 . 2005. ferro. 2004). chumbo. hidrobiológicos e toxicológicos).2. manganês.3. • Variáveis Hidrobiológicas: bentos.5 Areia média 1a2 0. referindo-se às Condições e Padrões de Qualidade da Água (Resolução Nº 357. clordano.Classificação granulométrica dos sedimentos (CONAMA. endosulfan. metoxiclor. alumínio. São eles: • Variáveis Físicas: granulometria. BHC. pH e umidade.125 Areia muito fina 3a4 0. TDE e toxafeno) e bifenilas policloradas. heptacloro epóxido. §2°) “Nos casos onde a metodologia analítica disponível for insuficiente para quantificar as concentrações dessas substâncias nas águas. 1. 2001) Segundo o CONAMA. dieldrin.(BEVILACQUA. Capítulo III. a análise de perfis de metais pesados permite o levantamento histórico da ação antrópica do local de estudo.062 Silte 4a8 0. pesticidas organoclorados (aldrin. DDT. Artigo 9°.25 a 0. Além disso. níquel e zinco. cromo. 1996) Tabela 1 . Dependendo das características físicas e químicas do ambiente. ÍNDICES DE QUALIDADE DE SEDIMENTOS (VALORES ORIENTADORES) Conforme visto anteriormente.0002 Os sedimentos de ambientes aquáticos podem ser utilizados no estudo de poluição. lindano. A CETESB faz uso de 34 indicadores (variáveis) de qualidade de sedimento (físicos. heptaclor. • Variáveis Toxicológicas: ensaio de toxicidade aguda/sub-letal com o anfípodo Hyalella azteca e ensaio de mutação reversa (conhecido como teste de Ames). químicos. como indicadores da presença e dos níveis de metais pesados.25 Areia fina 2a3 0.00394 Argila 8 a 12 0. Seção 1.125 a 0. mercúrio. cobre.5 a 0. os sedimentos são depósito e fonte de contaminantes antrópicos. mirex.As propriedades de acúmulo e de redisposição de espécies nos sedimentos os qualificam como de extrema importância em estudos de impacto ambiental. 2003) CLASSIFICAÇÃO Phi (Φ) (mm) Areia muito grossa -1 a 0 2a1 Areia grossa 0a1 1 a 0. DDE.

2004) As águas do Reservatório do Rio Grande compõem parte do sistema de abastecimento e são críticas em se considerando não somente os riscos que podem acarretar à saúde da população. localizado na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP). o menor limite TEL (Threshold Effect Level) . sobretudo com relação à toxicidade para a biota.6 milhões de habitantes. mas também por poluição de cargas difusas. devido à ocupação caótica com uso irregular do solo. quando necessária a sua investigação.3 Cobre 35.0* 123 PEL (mg kg-1) 90 0.3. ÁREA DE ESTUDO O alvo deste estudo é o reservatório do Rio Grande. A adoção desses valores teve caráter meramente orientador na busca de evidências da presença de contaminantes em concentrações capazes de causar efeitos deletérios. é uma das bacias que constituem a Bacia Hidrográfica do Paraná.(SABESP.9* 315 Baseados na probabilidade de ocorrência de efeito deletério sobre a biota. Atualmente o Reservatório do Rio Grande é responsável pelo abastecimento de 4.17 18.representa a concentração abaixo da qual raramente são esperados efeitos adversos para os organismos. devido ao recebimento contínuo de cargas poluentes dos lançamentos residenciais e industriais. 2001). O maior limite .9 17 Cádmio 0. com vistas à proteção da vida aquática. Essa região apresenta extensas áreas degradadas causadas não somente pela erosão.7 197 *Critério do Environment Canada (1995) Variáveis Variáveis Cromo Mercúrio Níquel* Zinco TEL (mg kg-1) 37. 2004) Segundo o CONAMA. como também os riscos ambientais. tais como depósitos sedimentares 5 . Na faixa entre TEL e PEL situam-se os valores onde ocasionalmente esperam-se tais efeitos. sempre que se apresentarem mais elevados. conforme apresentado na a Tabela 2 (CCME. no Estado de São Paulo.6 3. O Reservatório do Rio Grande faz parte da Sub-Bacia Billings-Tamanduateí. Tabela 2 .PEL (Probable Effect Level) representa a concentração acima da qual é freqüentemente esperado o citado efeito adverso para os organismos. terão seus valores orientadores previamente estabelecidos pelo órgão ambiental competente. estes deverão prevalecer sobre os valores da Tabela 2. cerca de 1. 2006) Esse reservatório tem sido seriamente afetado pela expansão urbana. São Bernardo do Campo. Existindo dados sobre valores basais (valores naturais reconhecidos pelo órgão ambiental competente) de uma determinada região. parte de Santo André.O grau de contaminação química do sedimento. as substâncias não listadas na Tabela 2.(CETESB. é classificado segundo os valores guias estabelecidos pelo Canadian Council of Ministers of the Environment (CCME) para arsênio e metais pesados.486 35. (CETESB. que por sua vez. UGRHI 6 – Alto Tietê (Figura 1). 2003) 1.Valores-guias estabelecidos pelo Canadian Council of Ministers of the Environment TEL PEL (mg kg-1) (mg kg-1) Arsênio 5. pertencente à Bacia Hidrográfica do Alto Tietê.7 m3 s-1 de água para os municípios Diadema.5 Chumbo 35 91.(CONAMA.3 0.

CETESB.(CETESB. o reservatório foi separado da represa Billings. de pontos ao longo do reservatório. conforme Figura 2 e Tabela 3. Uma expressiva quantidade de sedimentos tem sido carreada para o reservatório desde o início de sua operação em 1935 (CAMPAGNOLI. Desde o final da década de 80.recentes. As principais fontes de poluição provêm dos rios Grande e Ribeirão Pires. 2002). A qualidade das águas do reservatório é verificada através de programa de monitoramento efetuado pela CETESB. 2004 . 2005) Figura 1: Bacia Hidrográfica do Alto Tietê 6 .

Grande A 1500 m do Clube Tahiti. no bairro Estância Noblesse. na Av. 2005) Código do Ponto Latitude Longitud e Projetos Descrição Local PIRE02900 23 42 52 46 25 45 RB Ribeirão Pires Ponte da Eletropaulo. Grande Clube de Campo Metalúrgicos do ABC Sindicato dos 7 . do R. Grande Clube Prainha Tahiti Camping Náutica. Rotary. do R. a jusante de Ribeirão Pires RGDE02301 23 44 15 46 26 47 AL Res. na altura do Km 42 da rodovia SP-31 RGDE02300 23 44 29 46 27 49 SED Res. do R. 2004) Tabela 3 – Descrição dos Pontos de Monitoramento do Reservatório do Rio Grande.(CETESB.Figura 2: Pontos de amostragem dos índices de qualidade de água da Sub-Bacia Billings/Tamanduateí – Reservatório Billings/Rio Grande (CETESB. do R. quase às margens da Represa Billings RGDE02200 23 44 23 46 26 44 RB Res. Grande Clube Tahiti RGDE02701 23 46 07 46 29 49 BAL Res.

a partir de 1927. (também denominado Rio Jurubatuba). começou a mostrar suas grandes conseqüências ambientais poucos anos depois. no entanto. Grande No corpo central. com a construção das Usinas Elevatórias de Pedreira e Traição. com o intuito de aproveitar as águas da Bacia do Alto Tietê para gerar energia elétrica na Usina Hidrelétrica de Henry Borden. junto à captação da SABESP RGDE02900 23 46 40 46 30 42 SED Res. Grande Praia do Parque Municipal do Estoril BAL : Balneabilidade MR : Monitoramento Regional RB : Rede Básica de Monitoramento SED : Rede de Sedimento 1. ambas em seu leito. O projeto foi implementado pela antiga Light – “The São Paulo Tramway. 2002) Ano Obra / Ação Alterações no espaço 8 . aproveitando o desnível da Serra do Mar. através da construção da Barragem Anchieta (Figura 8). No início dos anos 40. do R. surge a necessidade de interceptação total do Braço do Rio Grande. a fim de aumentar a vazão da represa e. conseqüentemente. algumas potencialmente tóxicas. Grande Próximo à rodovia Anchieta. no curso do Rio Grande.Alterações no espaço do Reservatório Billings (FRACALANZA. 2006) A Tabela 4 resume as alterações realizadas no espaço do Reservatório Billings ao longo do tempo. devido à grande quantidade de esgotos. Grande Prainha do Parque Municipal Estoril. do R. iniciado em 1958 (INSTITUTO SOCIO AMBIENTAL. também se mostrou útil para as ações de controle das enchentes e de afastamento dos efluentes industriais e do esgoto gerado pela cidade em crescimento. do R. para garantir o abastecimento de água do ABC.RGDE02851 23 46 18 46 30 50 BAL Res. ampliar a capacidade de geração de energia elétrica na usina hidrelétrica Henry Borden. passaram a comprometer a qualidade da água da Billings. Esta operação que objetivava o aumento da produção de energia elétrica. O bombeamento das águas do Tietê para a Billings. HISTÓRICO DO RESERVATÓRIO RIO GRANDE A área ocupada atualmente pela Represa Billings foi inundada. Este processo foi viabilizado graças à reversão do curso do Rio Pinheiros. O crescimento da cidade de São Paulo e a falta de coleta e tratamento de esgotos levaram à intensificação da poluição do Tiete e seus afluentes que. à 2 Km da barragem em frente ao clube Banespa RGDE02901 23 46 11 46 31 11 BAL Res. que resultaram em sérios problemas de contaminação por algas cianofíceas. em Cubatão.4. iniciou-se o desvio de parte da água do Rio Tiete e seus afluentes para o Reservatório Billings. por sua vez. Nos primeiros anos da década de 70 a CETESB foi obrigada a iniciar as operações de remoção da mancha anaeróbica presente na Represa. do R. na construção da Barragem de Pedreira. Em 1982. Tabela 4 . Light and Power Company Limited”. próximo ao Zoo RGDE02900 23 46 16 46 32 03 RB Res.

na desembocadura dos rios Grande e Ribeirão Pires (descarga de contaminantes) e testemunho 3 (57 cm). em média. Ce. Sb. Fe. SRHSO) Pinheiros. testemunho 4 (80. principalmente para os testemunhos 03 9 . rio Tietê. no meio do reservatório. Limitação das possibilidades de reversão do rio Pinheiros. HISTÓRICO E OBJETIVOS DO PROJETO Com o objetivo de avaliar se os sedimentos continham um registro histórico de atividade antrópica. Co. Sm. 1981 O compartimento do Rio Grande foi separado do Utilização das águas para abastecimento compartimento de Pedreira público. com desnível de 25m. perto do ponto de captação de água (SABESP).5 cm). 1975 Convênio Operativo entre Light. com Redução do bombeamento das águas do rio interveniência do DNAEE. totalizando cerca de 70 amostras. Nd. quando necessário. La. 1. Elevatória de Pedreira 1957 Conclusão da retificação do rio Pinheiros. Br. 1942 Construção da Estrutura do Retiro. Furnas e CESP. 2001 Resolução conjunta SEE SMA SRHSO 1. Cr. 1994 Nova Regra de Operação para o Reservatório Billings Ampliação da limitação da reversão do rio (SMA. Eletrobrás e Secret. Esses testemunhos foram fatiados a cada 2 ou 3 cm. Represamento do rio Grande e desvio das A partir construção da estrutura de controle (Summit Control) águas para o Reservatório do Rio das de 1927 neste reservatório e de canal que conduz as águas Pedras. Tb. testemunho 02 (128 cm). Os resultados obtidos mostraram que.5cm de profundidade).5. Pinheiros. com desnível de 5 m. Yb e Zn) por AAN (análise por ativação neutrônica). 1939 Construção da Usina Elevatória de Pedreira junto à Permissão da reversão do curso do rio Barragem do Rio Grande. Hf.46 a partir do Reservatório Billings em direção ao Pinheiros. no Km Permissão da reversão do curso do rio 15. com aterro Permissão da ocupação das várzeas do rio de suas várzeas. Ba. As taxas de sedimentação e idade dos sedimentos foram determinadas pelo método de datação utilizando-se o 210Pb. deste reservatório ao reservatório do Rio das Pedras. Formação do Reservatório do Rio Grande (Billings). próxima à Separação das águas dos rios Tietê e confluência do rio Pinheiros com o rio Tietê. De Tietê para o rio Pinheiros. 1940 Construção da Usina Elevatória de Traição. 1992 Operação Resolução Conjunta SMA – SES 03/92.1926 Formação do Reservatório do Rio das Pedras e Represamento do rio das Pedras e início da inauguração de uma casa de máquina externa na Usina geração de energia elétrica em Henry Henry Borden. SES. de Permissão da volta da reversão regular do 31/01/2001 rio Pinheiros. 1949 à 1950 Término das obras que permitem a reversão do rio Pinheiros e início do bombeamento na Usina Reversão do rio Pinheiros. Ta. após tratamento adequado. Na. Cs. Pinheiros. um pouco mais à frente. Th. Rb. U.063mm). Borden. Foi analisada somente a fração fina dos sedimentos (<0. com melhoria da Obras e Meio Ambiente de São Paulo qualidade das águas na Represa Billings. Sc. alguns metais e elementos traço (As. Nessas amostras foram determinadas as concentrações de Hg total por CV AAS (espectrometria de absorção atômica com geração de vapor frio). 4 testemunhos de sedimentos foram coletados nesse reservatório em 1997 em 4 pontos distintos: testemunho 01 (52. Pinheiros. Lu.

as concentrações dos elementos analisados decresceram com a profundidade. Ni. já que suas águas compõem parte do sistema de abastecimento da cidade e são críticas em se considerando não somente os riscos que podem acarretar à saúde da população. Essa contaminação variava com a profundidade. geomorfologia. tipos e uso do solo. que vem a ser a principal fonte de assoreamento dos rios e reservatórios. nova coleta de sedimento de fundo e testemunhos foi amostrada no reservatório rio Grande. Esse projeto de pesquisa foi desenvolvido em parceria entre o IPT-SP. iniciando um projeto de mestrado da aluna Eleine Bostelmann. pela realização das análises químicas. As. criando uma base de dados que pudesse ser empregada para uma confrontação histórica das mudanças que ocorrem nas águas interiores de um ponto aqüífero e também fornecer um parâmetro que possibilitasse uma melhor avaliação ou diagnóstico da situação ambiental no que diz respeito às contaminações e poluição das águas. Ba. em parceria com a CETESB. através do acompanhamento das concentrações dos elementos Al. Mn. em parceria entre o IPEN e a CETESB (Avaliação da concentração de metais em amostras de sedimentos do reservatório Billings. principalmente por metais. Continuando essa linha de pesquisa em 2004. Hg. A monitoração dos níveis de contaminação foi estudada em seus sedimentos. Cd. que se apresentam sazonalmente em sua composição e que são também utilizados na determinação do Índice de Qualidade das Águas (com exceção do Selênio). Com relação à contaminação inorgânica. São Paulo). indicando uma contaminação recente. Estado de São Paulo. Essas taxas mostraram a tolerância do processo erosivo na bacia e que são características do substrato geológico. braço Rio Grande. o reservatório era afetado pela expansão urbana. lagos e reservatórios. os resultados mostraram que os níveis de Hg no reservatório são muito maiores do que o esperado.e 04. Maiores detalhes dessa pesquisa se encontram apresentados na tese de doutorado de Campagnoli (2002) e os resultados aqui descritos foram publicados por Fávaro e colaboradores (2001. 2007).OBJETIVOS O presente trabalho iniciou um estudo da implementação de metodologias analíticas que permitissem caracterizar os sedimentos de rios.5 . para um melhor monitoramento dos níveis de contaminação de sedimentos por metais. As determinações 10 . mostrando uma forte contribuição antrópica. Como tendência geral. Pb. O alvo deste estudo foi o reservatório Rio Grande. Cr e Zn. os resultados de concentração obtidos foram comparados com os valores de TEL e PEL do Canadian Environmental Quality Guidelines (CCME). desenvolvendo e validando uma metodologia para a especiação de Hg em sedimentos. estão sendo iniciados estudos relacionados à presença de Hg nesse reservatório. uma vez que se encontrava próximo ao ponto de captação de água da SABESP. Em continuação a esse projeto. essas taxas podem ser tomadas como geoindicadores ambientais confiáveis para medir a efetividade de medidas de prevenção e correção adotadas nas bacias hidrológicas para minimizar a degradação do solo. Os resultados encontrados para as amostras de sedimentos do ponto 01 foram preocupantes. a primeira descarga sendo observada no início da década de 50 e a mais severa. fornecendo dados que pudessem ser utilizados para direcionar atitudes e manejos de sistemas aquáticos. 1. Se e Zn. Esse projeto teve por objetivo definir as técnicas analíticas e parâmetros. durante as décadas de 80 e 90. Para os elementos As. como também os riscos ambientais devido ao recebimento contínuo de cargas poluentes dos lançamentos residenciais e industriais. na pessoa do pesquisador Fernando Campagnoli responsável pela coleta das amostras e o IPEN (Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares/CNEN-SP). Cr. Cu. Além disso. apresentando vários pontos com concentrações acima dos valores de TEL. A evolução do depósito sedimentar está geralmente relacionada à evolução histórica de uso do solo. sob minha orientação. Fe.

P2. 10-20 cm e 20-30cm de profundidade na coluna de sedimento. situada junto à desembocadura do Rio Grande e Ribeirão Pires • P2 (S 23º 45’ 16. Desse modo. uma amostragem de testemunho (piston corer). direcionando para ações corretivas que antecipem o acontecimento de quaisquer danos maiores aos existentes hoje. 2. contribuindo para fornecer – mais que um novo indicador – dados evidenciais e hipóteses mais próximas à realidade. MATERIAIS E MÉTODOS 2.8” e O 46º 28’ 34. que foram homogeneizadas. e três amostragens com busca fundo.1”): área de aporte de contaminantes.3”): porção central do reservatório • P1 (S 23º 46’ 11. 5-10 cm. previamente descontaminados e mantidos sob refrigeração. que associado a outros já normalizados para a qualidade das águas. gerando ações que também conduzam para a implementação de atitudes e formas de manejo desses sistemas.6 L). Para cada ponto. proporcionarão um novo parâmetro. por amostragem direta do sedimento de fundo utilizando-se amostradores piston corer e van Veen (capacidade para cerca de 1. diagnósticos ambientais de melhor qualidade serão conseguidos.7’’’ e O 46º 31’ 95. ao longo da área do reservatório: • P4 (S 23º 43’ 92. mais apropriados no quesito ambiental e em todos os seus aspectos. no período de estiagem (maio a agosto 2004). (van Veen). em cada um dos vértices da área triangular distantes do ponto central 50m.4” e O 46º 25’ 61. P3 e P4).1” e O 46º 26’ 08. recolhidos estrategicamente em pontos importantes selecionados do reservatório. Na Figura 3 estão apresentados os pontos de amostragem de sedimentos (P1.2”) e P3 ( S 23º 43’ 99. formando uma amostra composta. O conjunto de dados obtidos pela avaliação da concentração desses elementos nas amostras dos sedimentos (superficial e testemunho). Reservatório Billings. no ponto central de uma área triangular de aproximadamente 3200 m2. isto é.9’’’): junto à captação de água para abastecimento público. no braço Rio Grande. GFAAS e CVAAS) e espectrometria de emissão ótica (ICP OES). 11 .1. possibilitará uma avaliação mais completa dos problemas e ocorrências extraordinárias que processam na região. Os pontos de amostragem foram definidos. As amostras coletadas com o piston corer foram divididas em seções de 0-5 cm. As amostras foram acondicionadas em frascos de polipropileno. utilizando aparelho GPS (incerteza de medição 30 metros). AMOSTRAGEM As amostras de sedimentos do reservatório Rio Grande foram coletadas.desses elementos foram efetuadas utilizando-se as técnicas analíticas de espectrometria de absorção atômica (FAAS. foram efetuadas quatro amostragens.

obtém-se a fração extraível dos metais na amostra. cerca de 0.3. as amostras foram acondicionadas em frascos de vidro com tampa de Teflon®. pulverização em almofariz e pistilo de ágata e estocagem em frascos de vidro (CARTER. e ICP OES. CVAAS. 1992. pelas técnicas de FAAS. foi peneirado em malha 2mm..a. em sistema fechado. ASSISTIDA POR MICROONDAS A determinação da concentração de metais em amostras sólidas. Após o preparo. foi peneirado em malha de nylon 0. Os vasos foram fechados e levados à digestão assistida por microondas. Para a determinação dos metais na fração fina. por sua eficiência.Johnson) em estufa a 40°C até peso constante.4. 2. utilizando ácido nítrico. 1991)). MUDROCH & MACKNIGHT. necessitam de digestão prévia. 1993.062 mm. Adicionou-se 10 mL de ácido nítrico concentrado p. Para a determinação dos metais na fração “total”.50 g.Figura 3: Localização dos pontos de amostragem propostos (imagem: EMBRAPA) 2. Ao término da programação. A digestão foi efetuada em frascos de Teflon®. ANÁLISE DOS SEDIMENTOS 12 . DIGESTÃO DAS AMOSTRAS DE SEDIMENTOS. A amostra preparada (após secagem. com monitoramento de pressão. Optou-se pela digestão assistida por microondas. GFAAS.2. O método selecionado para a digestão das amostras. após resfriamento. rapidez e baixa contaminação. assistida por microondas foi o método SW-846-3051 – US EPA (US EPA. maceração e peneiramento). PREPARO DAS AMOSTRAS DE SEDIMENTO O preparo das amostras de sedimentos envolveu as seguintes etapas: homogeneização. o sedimento previamente seco e pulverizado em almofariz de ágata. a amostra digerida foi filtrada e transferida para balão volumétrico de 50 mL e completado o volume com água desionizada. secagem (efetuada em frascos de polipropileno injetado (Ziploc . foi transferida para vaso de digestão de Teflon. Com esse procedimento. 2. o sedimento previamente seco e pulverizado em almofariz de ágata. 1994).

3. Ni. Fe Uso de linhas de emissão com menor interferência EPA 3051 EPA 3051 das e Ajuste no fluxo de Argônio e ajuste da pressão na bomba peristáltica.1.2 . Mn. pelas técnicas de Espectrometria de Absorção Atômica (BEATY & KERBER. Cd.1. Perkin Elmer. Cr. Cr. BACCAN. Cr. utilizadas no presente trabalho.2.1. Digestão ácida Digestão ácida Ajuste Temperaturas modificadores químicos 2. ajuste da temperatura da chama. 2. Mn. Mn. COM GERAÇÃO DE VAPOR FRIO (CVAAS) 13 . foram determinados os teores de Ba.4. 1994. Pb e Zn.1. Cu. para a determinação da concentração de metais. modelo SIMAA 2000. Cd. 1993. modelo AAnalyst 300. Cu. 2. Pb. ajuste de nebulização Digestão ácida As e Se EPA 3051 Hg Al.ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA.4. Ni. uso de lâmpada especifica até Curva analítica Necessário % até Necessário -1 g kg mg kg-1 até Necessário -1 g kg mg kgICP OES Plasma de argônio até % Necessário Tratamento da amostra Digestão ácida EPA 3051 Parâmetros Controle de interferências Ba. Cd. (SPECTRO. Ni. uso de lâmpadas especificas mg kg- GFAAS CVAAS Redução com cloreto estanoso. COM ATOMIZAÇÃO POR CHAMA (FAAS) Por meio dessa técnica.4. Zn Corretores de background. ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA (AAS) E ESPECTROMETRIA DE EMISSÃO ÓTICA (ICP OES) A Tabela 5 apresenta um resumo das condições de análise de sedimentos. Zn. COM ATOMIZAÇÃO POR AQUECIMENTO EM FORNO DE GRAFITE (GFAAS) Por meio dessa técnica foram determinados os teores de As e Se. ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA. Cu. Ba. Pb. 1999) Tabela 5 – Resumo das condições experimentais utilizadas para a determinação dos metais em sedimentos por AAS e ICP OES Técnica Determinação Faixa mg kg-1 FAAS Atomização por chama (ar / acetileno) uso de lâmpadas específicas Atomização por aquecimento elétrico.1 . PERKIN ELMER. A determinação foi efetuada no Espectrômetro de Absorção Atômica. A determinação foi efetuada no Espectrômetro de Absorção Atômica.4. 1996) e Emissão Ótica. Perkin Elmer.ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA.

Ba. --n.1 14. n.4.7 66.1.d.42 0.3 15.3 --6.9 30.d.Environmental Canada) e BEN (Basalt-IWG-GIT).0 12.O teor de Hg das amostras foi determinado por meio dessa técnica. n. exatidão e recuperação. 2.1 11. 2. Cd.9 18. fração total (partículas < 2mm) Ponto P1 P2 Amostra As(b) Ba(a) Cd(a) Cr(a) Cu(a) Hg(c) Mn(a) Ni(a) Pb(a) Se(b) Zn(a) P1.36 9.3 17. Para verificação da exatidão e recuperação dos métodos analíticos foram analisados os materiais de referência certificados.1 42. GFAAS e CVAAS). n. faixas de trabalho. WQB-3 (Lake Ontario Blended Sediment for Trace Elements .5 0. Cu.7 90.6 75.22 0.d.73 --0.4 13.4 104 14 .4 29.10 P1.d.22 0.4 n. Mn. Espectrometria de Absorção Atômica (AAS) Os resultados das determinações por meio das técnicas de AAS (FAAS. quantificação. Perkin Elmer.05 P2.62 0.8 63.20 P1.0 12.d.1. ESPECTROMETRIA DE EMISSÃO ÓTICA. Os resultados obtidos para Cd (Tabela 6).79 89. Fe.7 14. Para o Pb. RESULTADOS E DISCUSSÃO 3.9 68.d. utilizando Cloreto Estanoso como agente redutor.9 --11.43 5852 5796 6349 2171 2822 2853 --3874 1801 1801 0.20 P2.7 --17.0 12. 3.9 30.9 44. Ni. NIST SRM 2782 (Industrial Sludge).30 P2-C 27. em sua maioria.79 0.03 0. Geração de Vapor à Frio. n. com a verificação dos limites de detecção.8 65.4.10 P2. COM PLASMA DE ARGÔNIO INDUCTIVAMENTE ACOPLADO (ICP OES) Os teores de Al.53 0. estão apresentados na Tabela 6.1 112 --110 86. n.4 14. modelo FIMS (FIAS-100). com exceção da amostra composta P-3.2 32.84 0.0 35. SPECTRO.2 --30.4. foram obtidos teores superiores ao limite de quantificação de 20 mg kg-1.9 4. n.2 60.6 12. A determinação foi efetuada no Espectrômetro de Emissão Ótica. Pb e Zn foram determinados por meio da Espectrometria de Emissão Ótica.d.37 0.5 17. que possuem valores certificados para quase todos os elementos analisados.24 10.05 P1.25 554 568 540 259 433 358 --269 188 5. linearidades analíticas.9 33.6 --68.8 9. VALIDAÇÃO DAS METODOLOGIAS ANALÍTICAS Efetuou-se a validação das metodologias de AAS e ICP OES.4 75.6 38.1 n.9 44.7 mg kg-1.4 31.2.30 P1-C P2.4 61.d. Cr.7 47. utilizando plasma de argônio. NIST SRM 2711 (Montana Soil).5 89. apresentaram. n.41 1. teores inferiores ao limite de quantificação do método de 0.34 0. 47.d. 21.90 12.d. A determinação foi efetuada no Espectrômetro de Absorção Atômica.7 40.2 68. modelo Spectroflame ModulaS. Tabela 6 – Resultados obtidos (mg kg-1) na análise das amostras de sedimentos por AAS.13 --13.2 31.

5 79.486 --- 35.5 90 197 0.3 64. Todos os valores de concentração de Cu das amostras dos pontos 1 e 2.07 0.59 --- 237 243 240 136 155 388 439 338 319 375 123 PEL 17 --- 3.94 11.84 0.0 33. não existem valores orientadores. na validação do método.7 30.15 n.0 44.9 35. Z e R.d.3 mg kg-1.17 229 211 247 166 173 185 180 167 213 147 --- 14.00 mg kg-1. 3. 37. observou-se uma tendência de aumento de concentração do ponto 1 para o ponto 4.7 70.0 5.78 7.6 72. mas abaixo de PEL (315 mg kg1 ).C TEL 6.6 52. Em geral. nos 4 pontos amostrados.30 P3-C P4.20 P4. todos os valores de concentração encontrados estiveram acima dos valores de PEL (3.74 0.1 17. com atomização por chama (FAAS) (b) Determinação por Espectrometria de Absorção Atômica.85 5.34 1.5 30. Na investigação desse fato.43 4.5 11.1 45. pois foi perdida durante procedimento analítico. porém inferiores aos valores de PEL. todos os valores de concentração das amostras foram superiores ao valor de TEL (35.9 12.7 mg kg -1).2 85.7 12. o ponto 2 e 3.92 0.1 15.3 164 137 138 104 101 77.5 26.07 4.6 --- 1. estão apresentados na Tabela 7. Para os elementos Cr. atualizado em 2002 (comparação com fração total.3 72.9 13. finalmente. Ba.3 72.8 14.10 P4.3 77. comportamento esse oposto ao apresentado pelo Zn.2.8 18. Pb = 20 mg kg-1 As e Se : determinação efetuada na amostra bruta e cálculo na base seca (a) Determinação por Espectrometria de Absorção Atômica. apresentaram valores acima de TEL. : Valores abaixo dos limites de quantificação do método.d.3 mg kg-1).9 80.d.91 0.42 0. n.9 79.3 33.09 4. Para esses elementos.9 26. verificou-se uma interferência da matriz sedimento demonstrada através do valor de ruído de fundo 15 .6 10. Canadian Sediment Quality Guidelines for the Protection of Aquatic Life. observou-se uma tendência de decréscimo de concentração do ponto 1 para o ponto 4.0 mg kg-1).0 20.3 11. os valores de concentração para esses elementos se encontraram acima dos valores de TEL (Cr: 37. verificou-se que todos os teores se encontraram abaixo dos valores orientadores de PEL (Cr: 90 mg kg-1.0 38. Para o Cu.84 0.d. Com relação ao Cd.9 48.30 P4.7 mg kg-1 Cr = 7. Ni e Pb verificaram-se pequena variação de concentração entre os pontos de coleta de sedimentos. Fe e Mn apresentaram pequenas variações nos pontos de coleta.4 27. todos os valores de concentração se encontraram abaixo do valor de TEL (123 mg kg-1).0 mg kg-1 e Pb: 35.5 45.9 91. Nos pontos 3 e 4.9 mg kg-1 e Pb: 91.5 26. exceto para o Mn. Espectrometria de Emissão Ótica (ICP OES) Os resultados da análise de sedimentos por meio da técnica de ICP OES em ambas as frações (fina e total). |Z| < 3 e R entre 75 e 125%).0 52.0 38.30 0.66 7. 3.P3 P4 Valore s Orient P3.7 16.4 83.Summary Tables.0 31. com geração de vapor frio (CVAAS) A amostra P2-10 não pode ser analisada. com atomização por forno de grafite (GFAAS) (c) Determinação por Espectrometria de Absorção Atômica. sendo em geral menores no ponto de captação (ponto 1).7 58. Para o elemento Zn.3 67.71 0.d. Ni: 18.5 47. Vale salientar que os valores de ER.50 mg kg-1).5 31. No ponto 1. Os resultados de concentração dos elementos Al.5 24. Ni: 35. para todas as amostras.05 P4. n.47 0.0 0.1 35 0.3 13. Cd = 0.8 70. Comparando-se os valores obtidos no presente trabalho com os valores orientadores. o ponto 4 apresentou valores acima de PEL.5 127.9 79. partículas < 2mm) n.7 37.38 4.7 n. n.3 --- 315 Valores Orient.2 29.3 32.9 66.d. estiveram acima do valor de PEL (197 mg kg-1).6 76.1 58.7 35. com a análise dos materiais de referência WQB-3 e NIST 2782 não atenderam os critérios de aceitabilidade (ER < 25% . : ENVIRONMENTAL CANADA.05 P3. Canadian Environmental Quality Guidelines .20 P3.1 18.10 P3.

As. Para a comparação dos resultados obtidos na determinação dos metais. na determinação das amostras de sedimentos. Cu. concluiu-se que os valores obtidos para Pb em sedimentos por meio da técnica de ICP OES (Tabela 7). Esse alto valor de concentração encontrado para Cu foi devida. O Relatório de Qualidade das Águas Interiores do Estado de São Paulo 2004 (CETESB. Fe. Ba. A partir dessas considerações. a técnica de CVAAS. a técnica de ICP OES se apresentou igualmente adequada. por ICP OES apresentaram interferências. causando aumento de sinal analítico e conseqüentemente. Z e R na validação do método. Pb. concluiu-se que os valores obtidos para Cd em sedimentos por meio da técnica de ICP OES (Tabela 7). Para a determinação dos elementos As e Se. CONCLUSÕES No presente estudo. aumento no teor do metal. muito superior àquele apresentado para as soluções padrão. Com relação ao valor de PEL (91. pode-se verificar que somente os pontos 1 e 4 excederam o valor de TEL (35 mg kg-1). A partir dessas considerações. Para os demais elementos. EPA 3051.S. Comparando-se os resultados da Tabela 6 (AAS) para Cd com os valores orientadores. 4. presentes em amostras de solos e sedimentos. Se e Zn. as técnicas se apresentaram adequadas para a análise de amostras de sedimentos. Mn. As técnicas de AAS e OES foram utilizadas na determinação dos elementos Al. Cr. cerca de 25 16 . 2005). foram desenvolvidas e validadas quanto à precisão e exatidão. Comparando-se os resultados da Tabela 6 (AAS) para Pb com os valores orientadores. numa única análise. Cd. Analisando-se os resultados obtidos pelas duas técnicas analíticas FAAS e ICP OES para Cd e Pb. A seguir. uma vez que as determinações de Cd e Pb.6 mg kg-1) e apenas algumas amostras do ponto 4 excederam o valor de PEL (3. permitindo a determinação de 8 elementos de interesse ambiental. embora os valores de ER. As. que é o método apropriado para solubilizar os elementos potencialmente disponíveis.5 mg kg-1). devido ao melhor resultado obtido na análise dos materiais de referência e ao fato da determinação de Pb. o método U. Essas interferências foram verificadas. Fe. Ponto 1: de um modo geral.(background). nas amostras de sedimentos. Ba. com exceção de Hg e Cu. verificou-se o mesmo problema apresentado pelo elemento Cd (alto valor de ruído de fundo). a aplicação de algicidas próximo à área de captação de água para abastecimento público. apresentar interferências semelhantes às verificadas para o Cd por ICP OES. provavelmente. para os elementos Al. na análise dos materiais de referência tenham atendido aos critérios de aceitabilidade. Pb. na determinação de Cd nos materiais de referência. apresentou valores mais baixos. utilizando como método de digestão. Ni. Em ambos os casos. não eram confiáveis. pode-se verificar que alguns pontos excederam o valor de TEL (0. relata a aplicação de cerca de 50 toneladas de algicidas no mês de abril. encontraram-se na seção 10-20 cm do testemunho. não eram confiáveis. A seção 5-10 cm. 2 técnicas analíticas para análise de metais de interesse ambiental em sedimentos. Hg. Ni. Para o elemento Pb. Hg. utilizou-se a mesma amostra digerida. também se optou por FAAS. Para o Pb.3 mg kg-1). Cr. Cd. utilizou-se a técnica de GFAAS e para o Hg. por ambas as técnicas ICP OES e FAAS. Cu. de um modo geral. Mn. Se e Zn. nenhuma amostra excedeu esse valor. optou-se pelos resultados obtidos por FAAS. são discutidos os níveis de concentração das amostras de sedimento (testemunho) em cada ponto de coleta. os valores mais altos de concentração. principalmente.

sedimentação ocorrida na década de 1980. ocorrendo o inverso para os teores de As. esses altos valores se devem. Verificou-se. Ponto 3: apresentou valores mais altos de concentração na seção 0-5 cm do testemunho. foram analisados em cada ponto de coleta. os altos teores de metais na porção superficial. sedimentos de 5 – 10 cm. Ponto 4: os valores mais altos de concentração.toneladas no mês de maio (período que antecede a data da amostragem para este estudo. indicando a possibilidade da utilização dessa técnica (mais simples e de menor custo) para o monitoramento da qualidade dos sedimentos. como processos de sedimentação recentes ocorridos a partir da década de 1990. os teores elevados de Cu. A taxa de sedimentação atual é de cerca de 10 mm/ano. encontraram-se na seção 5-10 cm do testemunho. Cu e Mn. provavelmente. apresentados nos pontos 3 e 4 (0 – 10 cm). devem-se provavelmente a influência de efluentes industriais despejados nos rios formadores da represa. junho de 2004) e cerca de 10 toneladas no mês de junho. em comparação com os resultados apresentados para as amostras coletadas por piston core. diminuem do ponto 4 para o ponto 1. para o abastecimento da SABESP. provavelmente. processos de sedimentação ocorridos na década de 1950. apresentou valores mais baixos de concentração. a amostragem com busca fundo. nas proximidades dos pontos 3 e 4. com a análise dos resultados. uma vez que existe a possibilidade de separação de seções com diferentes profundidades ao longo da coluna de sedimento. 17 . encontraram-se na seção 20-30 cm do testemunho. 1999. de um modo geral. parecem indicar enriquecimentos recentes. ou a revolvimento do leito do reservatório proporcionando uma ressuspenção de camadas mais profundas (e portanto mais antigas). não apresentaram diferenças significativas nos teores. busca fundo van Veen e testemunhador a pistão (piston core). Com relação ao Hg. Através da análise dos resultados das amostras coletadas pelo amostrador van Veen. Os teores de Ba. sedimentos de 10 – 20 cm de profundidade. à influência de efluentes industriais despejados nos rios formadores da represa. Hg e Zn encontrados nesse ponto. sedimentação ocorrida nas décadas de 1960 até 1980 e sedimentos encontrados na profundidade de 20 a 30 cm. também apresentou altos níveis de concentração. Os valores de Ba. ocorridos entre 1980 e a época atual. A seção 20-30 cm de profundidade. As seções 0-5 e 1020 cm. exceto para Zn. Os níveis de concentração das amostras compostas. muito acima dos valores encontrados nos pontos 3 e 4. teores de P2 > P3 e teores de P3 < P4). 2007). pela proximidade da descarga de efluentes industriais e domésticos dos rios que deságuam na represa. os valores mais altos de concentração para os elementos analisados. O Cu no ponto 2. Cr. As amostras foram coletadas por dois tipos de amostradores. Ponto 2: de um modo geral. FAVARO et al. Os teores elevados de Hg e Zn nos pontos 3 e 4. Desta forma. Isso se explica. Hg e Zn. relacionando a profundidade no sedimento com a época de sedimentação classificou os sedimentos na profundidade 0 – 5 cm. 2001. que representam as porções superficiais do sedimento. parecem ter relação com a aplicação de algicidas próximos a área de captação de água. Ni e Se apresentam semelhança de comportamento nos diferentes pontos amostrados (teores de P1 < P2. O ensaio de datação do sedimento do Rio Grande (CAMPAGNOLI et al. Fe. Novamente. para o Reservatório do Rio Grande foi representativa. que a amostragem de testemunho foi adequada para a investigação mais detalhada da concentração dos elementos. nos pontos 1 e 2. de um modo geral. foram os mais altos dos pontos amostrados. verificou-se que de um modo geral. apresentando o seguinte panorama dos processos de sedimentação recentes: Os elementos Al.

aonde se obtém somente a fração extraível dos metais na amostra. principalmente Hg. Vale lembrar que a presença de uma quantidade significativa de matéria orgânica em sua composição desfavorece a disponibilidade de metais e de outras espécies químicas à biota aquática. que classifica esses sedimentos como sendo praticamente constituídos por silte e argila. nos sedimentos do Reservatório Rio Grande. confirmou os dados de análise granulométrica. que os resultados de concentração obtidos para os metais pelas técnicas analíticas de AAS e ICP OES. 18 . não correspondem à concentração total dos mesmos nas amostras de sedimentos. 2005). Deve-se ressaltar também. uma vez que as amostras foram digeridas conforme protocolo da US EPA.063mm) e total (partículas < 2mm). 2005). Em função dos altos teores de metais nos sedimentos. com desenvolvimento e validação de metodologia para a especiação de Hg em sedimentos. que possam promover a re-mobilização dos metais. (CETESB. desaconselha-se quaisquer ações que venham a causar alterações nas condições redox desses sedimentos. os Índices de Qualidade de Água (IAP – Índice de qualidade das águas para fins de abastecimento público e do IQA – Índice de qualidade das águas). também em parceria com a CETESB. estão sendo iniciados estudos relacionados à presença de Hg nesse reservatório. 2005). Dando continuidade a esse projeto. Os valores orientadores são estabelecidos para a concentração total desses metais em sedimentos. apresentados no Relatório de Qualidade das Águas Interiores do Estado de São Paulo 2004 (CETESB. por vezes muito acima dos valores orientadores. Embora os sedimentos analisados tenham apresentado teores. classificam as águas da represa como sendo de qualidade boa e ótima (CETESB.A análise das amostras nas frações fina (partículas < 0.

56 5.4 115 50.5 19.5 46.7 17.9 82.37 7. fração total e P2-10.3 35.54 4.9 58.5 14.9 43.5 49.8 8. Orient .3 107 124 115 122 116 --- Cd Total Fina 12.20 P2.3 11.82 7.3 7.10 P3.5 17.1 107 98.3 58.1 12.7 60.30 P4.33 7.10 P4.6 88.7 43.9* 91.47 6.1 58.86 5.4 14.6 24.0 --47 49.6 16.7 59.7 58.79 2.3 43.9 12.82 --4.8 13.41 7.49 1. fração fina.0 78.20 P1.69 3.4 11.5 14.26 3.9 77.10 P1.5 89.Tabela 7 – Resultados obtidos (mg kg-1) na análise das amostras de sedimentos por ICP OES.74 6.1 43.6 16.4 66.46 5.2 95.0 37.83 10 12.10 P2.67 3.4 12.7 50.5 61.30 P2-C P3-5 P3.51 3.70 2.02 4.68 5.6 11.8 15.2 13.8 56.52 2.50 3.28 8.21 --- Ba Total Fina 66.0 53.1 76. pois foram perdidas durante o procedimento analítico.6 106 95.84 5.20 4.97 6.2 63.9 49.02 6.83 8.1 18.43 5.0 23.6 16.8 71.09 3.8 21.24 4.5 --52.9 63.2 54.8 29.8 39. nas frações fina (partículas < 0.0* Pb Total Fina 58. : ENVIRONMENTAL CANADA.67 4.44 2.0 105 69.5 86.7 23.8 11.1 68.7 50.6 94.5 --10.063mm) e total (partículas < 2mm) Ponto P1 P2 P3 P4 Val.8 24.5 15.3 72.7 11.01 5.4 0.3 41.5 49. atualizado em 2002 (comparação com a fração total.2 103 63.9 12.0 --97.4 61. partículas < 2mm) As amostras P1-30.0 93.04 7.3 80.06 4.2 110 102 --88.30 6.7 --9.4 59.9 58.5 54.7 11.9 7.86 2.6 41.2 10.10 2.2 26.82 6.2 12.19 3.6 20.1 58.7 59.75 6.0 63.8 44.6 14.32 3.26 4.1 74.7 19.3 315 Amostra Valores Orient.0 16.01 --7.8 50.2 31.3 13.3 73.9 18.4 61.62 3.6 69.3 76.0 73.7 72.8 64.3 75.6 --23.2 19.3 Cu Total Fina 4403 4510 4654 4650 5389 6040 --3200 2500 2740 2251 2260 --2100 2260 2440 3336 3490 1388 1600 133 140 110 103 109 105 75.4 10.20 P4.2 69.0 16.0 --62.3 78.3 17. 19 .59 5.1 47.3 47.1 95.5 18.0 21.8 26.6 22 15.81 4.3 56. P1-5 P1.98 2.4 60.0 40.0 87.4 68.6 88.0 102 149 132 95.9 --19.51 3.9 67.1 90.86 3.3 121 112 113 224 226 244 211 239 216 140 142 155 225 372 344 421 362 325 328 309 300 366 398 123 PEL --- --- 3.69 8.71 2.63 4.5 95.9 124 128 --126 119 124 99.4 45.0 54.2 45.1 57.2 66.13 4.4 46.30 P3-C P4-5 P4.09 6. não puderam ser analisadas.50 7.8 77.26 4.1 47.4 18.8 77.2 60.87 3.52 --2.8 60.6 18.9 20.3 35 Zn Total Fina 105 98.9 71.2 --77.29 --6.2 44.92 7. Canadian Environmental Quality Guidelines Summary Tables.4 19.77 6.08 2.9 44.62 --- Mn Total Fina 629 591 649 765 639 731 --421 486 535 391 436 --360 274 313 187 237 349 406 232 263 223 232 258 274 173 194 172 294 187 245 180 189 167 195 236 174 158 197 --- Ni Total Fina 16.C TEL Al (%) Total Fina 2.7 Fe (%) Total Fina 5.6 14.6 49.8 --71.17 2.0 13.1 15.4 65.60 11.10 2.6 Cr Total Fina 42.9 69.77 4.30 P1-C P2-5 P2.2 18.39 13.1 12.20 6.20 P3. Canadian Sediment Quality Guidelines for the Protection of Aquatic Life.73 2.3 63.7 47.9 61.3 74.20 8.44 4.4 21.9 77.8 25.00 2.2 66.8 56.7 12.1 46.7 10.5 90 197 --- --- 35.5 10.9 85.91 5.7 18.3 82.5 49.98 3.00 7.5 46.

Datação de sedimentos aplicada ao monitoramento ambiental de bacias hidrográficas: exemplo da bacia do Rio Grande .anppas.P.org. CETESB . V. USA. 2001. S.- http://www.R. J. Tese de Doutorado. CAMPAGNOLI.I. D. http://www. 812-820. CAMPAGNOLI.. São Paulo –. EPA – Microwave Assisted Acid Digestion of Sediment. CAMPOS. BEATY.Manual do usuário.socioambiental.gov/epaosver/hazwaste/test/3051. 192p. – Determinação Multielementar por Ativação Neutrônica de Sedimentos do Reservatório Billings.R. São Paulo.R. acessado em janeiro 2006. 1994 – http://www. & BOAVENTURA. SP.Canadian Environmental Quality rcqe/English/ceqg/sediment/default. 451-463. MOREIRA. D. MAZZILLI.ec. A.gc.Billings. P. FRACALANZA.gov. A. C. S. F. 1996 CARTER. Química Nova. Rios e Reservatórios – Informações . MOREIRA.Indaiatuba . D.gov.T. R. CETESB – ÁGUAS . n. A & MACKNIGHT. EPA – Behavior of Metal in Soil – United States Environmental Protection Agency. Reunião da Câmara Técnica Permanente de Controle Ambiental. S. KERBER.Relatório de Qualidade das Águas Interiores do Estado de São Paulo 2003 – São Paulo. Chemical characterization and recent sedimentation rates in sediment cores from Rio Grande reservoir.cetesb. São Paulo. . Instituto de Química. 1993.cetesb.epa. 1992.Reservatório Billings: Apropriação da Água. 26. – Tese de Doutorado.pdf INSTITUTO SÓCIO AMBIENTAL . – A aplicação do assoreamento na definição de geoindicadores ambientais em áreas urbanas exemplo na Bacia do Alto Tietê. FAVARO.cfm Guidelines - Summary Tables . N. R.. Brazil.Relatório de Qualidade das Águas Interiores do Estado de São Paulo 2004 – São Paulo.br/Agua/rios_informacoes. .P.Relatório de Qualidade das Águas Interiores do Estado De São Paulo 2003 – São Paulo. 2004 BEVILACQUA. Canadian society of soil science. XIII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BACCAN. SP.Sistemas de Captação e Tratamento Região Metropolitana de São Paulo acessado em janeiro de 2006 http://www.User’s Guide of SPECTRO-ICP-AES .ABRH. p.htm . F.. Rio de Janeiro: ABEN. Instrumentation and Techniques in Atomic Absorption Spectrophotometry – Perkin Elmer.. Journal of Radioanalytical and Nuclear Chemistry.br/Agua/ugrhis/u06. 1993 CETESB . 2005. In: ENCONTRO NACIONAL DE APLICAÇÕES NUCLEARES.html . G.org/prg/man. Anais .001361/2002-79 . U. Visando o Gerenciamento de Sua Disposição . 2003 MUDROCH. Oklahoma.3a. SP. EPUSP.Diretrizes Gerais para a Avaliação do Material a Ser Dragado em Águas Jurisdicionais Brasileiras. U. .S. R. Rios e Reservatórios – Rede de Monitoramento – UGRHI 6 . D.cetesb..ca/ceqg- CONAMA .sp. – Concepts. E. Livro de resumos . E. Rio de Janeiro.5. B.br/gt/recursos_hidricos/ANA%20PAULA%20FRACALANZA. S. F. 1994.Processo no 02000. D. 28 e 29 de julho de 2003 FAVARO. S.br/o_que_fazemos/captacao_e_distribuicao_de_agua/sistemas_metropolitano2. Conflitos e Gestão . 155 CAMPAGNOLI. v.SP http://www. 5.sp. CAMPAGNOLI. M.G. – Soil Sampling and methods of analysis. http://www. A. MOREIRA. acessado em maio de 2006. 2002. S.S. P . . R. acessado em maio de 2006 MOREIRA. Referência Geoquímica Regional para a Interpretação das Concentrações de Elementos Químicos nos Sedimentos do Lago Paranoá-DF. Braço Rio Grande.gov. p. 1996 SABESP .CRC. 1999 U.sp. 1999. 1991 PERKIN ELMER – Analytical Methods – Atomic Absorption Spectroscopy – U. CCME .I. 2004. Soils and Oils – Method 3051 – SW846. – Estudos Sobre a Caracterização e a Estabilidade de amostras de Sedimento do Rio Tietê. S.CETESB . – Handbook of Techniques for Aquatic Sediments Sampling .T.http://www. F.com. http://www. D.D. B.br/Agua/rios_monitoramento. 2007.. B. J. DAMATTO. – Introdução à Espectrometria de Absorção Atômica – UNICAMP – Campinas.Rios e Reservatórios – Informações .sabesp. MAZZILLI. 273(2).I Encontro Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade .6 a 9 de Novembro de 2002 . 2000.htm SPECTRO .asp . MAZZILLI.pdf 20 . 6.shtm. Sludges. CD Rom.