You are on page 1of 5

ESCOLA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL

ESPAÇO CRIANÇA
Rua Flores da Cunha, 236 – B. Florestal – Lajeado/RS
E-mail: emei.ecrianca@lajeado.gov.br
Fone: (51) 39821198

PROJETO: Brincando com os números !
TURMA: D/E
PROFESSORAS/EDUCADORAS: Ana Paula Ariotti, Ana Júlia S. Lottermann,
Simone Raquel de Andrade.
INÍCIO DO PROJETO: 01/09/2016

JUSTIFICATIVA E EMBASAMENTO TEÓRICO
Os números fazem parte do nosso dia-a-dia e na nossa vida (na nossa idade,
nos dias do mês, nas casas...), e representam muito mais do que uma forma de se
medir ou quantificar o que existe ao nosso redor.
Pretende-se fazer com que o trabalho a ser realizado com a matemática,
ultrapasse a memorização dos fatos e conceitos. Aprender números é mais que contar.
“... o trabalho com a matemática na escola infantil, não pode ser esporádico,
espontaneísta e casual. Para termos os meios, as mensagens, a forma e o conteúdo,
é necessário que as crianças estejam diariamente cercadas de propostas e
oportunidades que evoquem o uso da competência lógico-matemática. “(Smole, 2000,
pág: 63)
O objetivo de ensinar matemática na educação infantil é justamente que a
criança desenvolva uma linguagem matemática, que aumente e conserve com prazer
uma curiosidade acerca da mesma, adquirindo diferentes formas de perceber a
realidade, onde aos poucos, através da interação com o meio, com as outras pessoas
e com o próprio brincar, ela sinta a necessidade de resolver problemas de seu tempo,
agrupar objetos por sua semelhança, fazer classificações simples, comparar
tamanhos, etc.
Segundo Bassedas, 1999, pág: 81:
“A atuação das crianças sobre os objetos e, mais concretamente, o
estabelecimento de relações que possibilitem sua atuação e interação com as outras
pessoas apresenta-se na base do conhecimento lógico-matemático”.

Missão difícil. Por exemplo: guardar brinquedos em caixas diferentes. demonstrados antes de seu ingresso na escola. Exemplo: se perguntarmos para uma criança diante da figura de cinco gatos. que a curiosidade e o interesse que caracterizam a relação inicial da criança com o conhecimento lógico-matemático. eis a missão do professor da pré-escola. etc. colocando do mais fino ao mais grosso ou vice-versa. a seriação e a classificação. pois quando o aluno vivencia diferentes situações e participa de maneira lúdica. muitas vezes. ela dirá que há mais vacas. Aprende-se participando. conhecê-la o melhor possível em toda a sua plenitude e profundidade e. ainda que este tenha a aparência transformada.A matemática deve ser construída pelo aluno no seu dia-a-dia. tomando atitudes diante dos fatos. também poderíamos seriar pelo peso. dar-se-á tarefa educativa. não é tão simples como parece. pela espessura. Exemplo de seriação: podemos seriar objetos de uma coleção em função do atributo tamanho colocando-os em ordem menor para maior ou vice-versa. escolhendo procedimentos para atingir-se determinados objetivos e fazer com que o aluno nessa faixa etária. Classificação seria o processo de agrupamento de elementos obedecendo a uma determinada classe ou espécie. O processo de seriação é o modelo de agrupamento que consiste em ordenar segundo as grandezas crescentes e decrescentes. pois na classificação. evitando. O papel do docente em relação ao ensino da matemática é: “Penetrar no mundo da criança. Para uma criança de quatro a seis anos. sua aprendizagem é automaticamente voluntária. . pois ainda não formulou em sua mente o princípio de inclusão de classe. mas gratificante”. dividir a turma em meninos e meninas. pela velocidade. 1993) reconheceu três conceitos básicos: a conservação. em aversão à matemática. Conservação: invariância do número. contribuindo assim para seu processo de ensino-aprendizagem. a criança também precisa construir a inclusão de classes. (Dante. oito vacas e três bonecas: Há mais vacas ou animais? Provavelmente. assim. desapareçam nos primeiros anos de escolarização. transformando-se. 1996 pág:14) Piaget (KAMII. vivenciando sentimentos. organizar o material escolar em potes diferentes. As relações assimétricas são as que constituirão a lógica da seriação. tenha uma aprendizagem espontânea e não obrigatória em relação ao conceito de número. a partir daí. Capacidade de compreender que certos atributos de um objeto são constantes.

“Cachinhos Dourados” (noções de tamanho).  Identificar e nomear os numerais de 1 a 9. “A casa sonolenta” e “A cesta da Dona Maricota” (quantificação). 10 degraus. .  Trabalhar matemática através de situações de aprendizagem que envolvam o corpo.  Brincadeira da amarelinha. 5 patinhos. o __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ ATIVIDADES/ SITUAÇÕES SIGNIFICATIVAS  Contação de histórias diversas.  Contagem dos diversos materiais nos ambientes . entre outras .. auditivas e sensóriomotoras. Guto bate com o martelo.  Desenvolver noções de classificação e seriação.  Possibilitar o desenvolvimento das percepções visuais.  Estabelecer a relação/correspondência do número e a quantidade  Desenvolver noção de número e quantidade promovendo assim o aprimoramento destas noções. 10 Galinhas.  Modelagem de objetos de diferentes tamanhos. que trabalhem temas matemáticos.  Construir e ampliar o conhecimento matemático para resolver problemas do seu cotidiano ou nas situações de aprendizagem relacionadas à quantificação. dominó e memória.  Ampliar vocabulário.  Músicas como Indiozinho.OBJETIVOS  Estimular a formação do conceito de número.  Participação em jogos de bingo.

palitos. Teresa & SOLÉ. cartolina. . Isabel. lápis de cor. BASSEDAS. HUGHET. garrafas pet. massa de modelar REFERÊNCIAS: SMOLE. Aprender e Ensinar na Educação Infantil. Didática da Matemática na Pré–Escola. Kátia C. 1999. A matemática na educação infantil: ateoria das inteligências múltiplas na prática escolar”. DANTE. EVA. rádio. giz de cera. giz de quadro. S. folhas de desenho e ofício A4. 1996. dvd.. histórias infantis. Eulália. lápis. Porto Alegre: Artmed. cd de músicas.2000. POA: Artes Médicas. o __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ RECURSOS UTILIZADOS Jogos. Luiz Roberto.

.KAMII. 17 ed. A criança e o número: implicações educacionais da teoria de PIAGET para a atuação junto a escolares de 4 a 6 anos. Constance.