You are on page 1of 47

Transmissão de informação entre

neurónios


Fundamentos de Neurociências

Aula Teórica #4


Rita Teodoro
rita.teodoro@nms.unl.pt

Comunicação entre neurónios

Propósito?

Transmissão de informação

Como é que se transmite
informação?

Como é que se transmite
informação?
ü  Sinapses

Como é que se transmite informação? ü  Sinapses ü  Gap Junctions ou junções comunicantes também podem contribuir para comunicação entre neurónios .

Sinapse ou sinapse química botão sináptico membrana pré-sinaptica fenda sináptica espaço entre a membrana pré.e pós-sinaptica espinha dendrítica membrana pós-sinaptica .

Transmissão de informação entre neurónios: Direcional? .

Transmissão de informação entre neurónios: Direcional? Sim. Pré > pós-sináptico .

  Interpretar .  Escolher uma sinapse modelo 2.  Recolher dados 4.Como estudar transmissão sináptica? 1.  Desenvolver um “setup” 3.

  Facilidade em fazer recordings 3.Utilização da junção neuromuscular (NMJ) de sapo como modelo 1.  Pre e pós-sinapse de grandes dimensões 2. .  Anatomia e fisiologia homologas as de mamífero.

Como interpretar os resultados? ? Neurotransmissor identificado ~1930 .

A hipótese quantal da neurotransmissão NTs têm uma amplitude com tamanho unitário ou um múltiplo Neurotransmissores desse número .

Pode-se inferir função através da anatomia? Sinapses cheias de vesículas: é daqui que vêm os NTs? Neurotransmissores .

“Apanhar” as vesículas em acção: O conteúdo das vesículas é responsável pela transmissão sináptica .

Como é que o potencial de acção causa fusão de vesículas no terminal pré-sináptico? Ø  Processo dependente do Ca2+ Ø  Há canais de Ca2+ e proteínas com locais de ligação ao Ca2+ no terminal pré-sináptico Ø  Os sensores de Ca2+ são proteínas chamadas sinaptotagminas (a mais importante é Syt1) .

Do potencial de acção a libertação de neurotransmissores Potencial de Acção Entrada de Ca2+ nos terminais pré-sinápticos Despolarização do terminal pré-sináptico Fusão das vesículas com a membrana pré-sináptica Abertura dos voltage-gated Ca2+ channels Libertação dos neurotransmissores .

Como é que o processo de fusão é regulado? .

Como é que o processo de fusão é regulado? E para que serve saber isto tudo? .

.

tetrodotoxin Toxinas bungarotoxin tetanus toxin Botulinum toxin Picrotoxin conotoxin muscimol .

Ø  Botulinum toxin é injectável no olho para tratar estrabismo e na plástica para reduzir rugas .Toxinas e Medicina Ø  TTX: bloqueia voltage-gated Na+ channels Ø  Tetanus ou botulinim toxin: bloqueio da clivagem de SNAREs Ø  Conotoxin: bloqueio voltage-gated Ca2+ channels Ø  Bungarotoxin: inibição de receptores de acetilcolina Ø  Picrotoxin: inibidor de receptores de GABA Ø  Muscimol: activador de receptores de GABA Ø  Muitas destas toxinas são utilizadas para tratar epilépsia e dor crónica intratável.

Organização molecular da pré-sinapse Ø  Maquinaria molecular organizada de forma a optimizar a libertação de NT e comunicação entre pré e pós-sinapse .

  Ca2+ entra e há fusão .  Algumas SV ficam no estado “docked”.  4.  Fusão das vesículas Acidificação Re-enchimento com NT Vesículas vão para a “pool” de reserva 5.  3. 2.O ciclo das vesículas sinápticas 1. na “ready-releasable pool” 6.

Os neurotransmissores têm que ser removidos da fenda sináptica .

Neurotransmissores Excitatórios Ø  Glutamato Ø  Acetilcolina Inibitórios Ø  GABA Ø  Glicina .

Neurotransmissores Excitatórios Ø  Glutamato Ø  Acetilcolina Inibitórios Ø  GABA Ø  Glicina Neuromoduladores Ø  Serotonina Ø  Dopamina Ø  Norepinefrina Ø  Histamina Ø  Neuropeptidos .

Como é que os neurotransmissores actuam na pós-sinapse? Receptores .

O que são receptores de neurotransmissor? Ø  Proteinas transmembranares Ø  Activados por neurotransmissores Ø  2 tipos: ionotrópicos e metabotrópicos .

. o receptor fecha e a passagem de iões pára.Receptores Ionotrópicos Ø  Ø  Ø  Ø  Ø  Ø  Ø  Ø  São canais iónicos Neurotransmissor liga-se ao receptor Há indução de mudanças conformacionais O receptor passa de “fechado” a “aberto” Permite iões passarem através da membrana Efeito rápido no potencial de membrana Efeito breve e localizado Quando o neurotransmissor se dissocia.

Receptores Metabotrópicos Ø  Não são canais iónicos Ø  Quando activados. mudar a actividade de proteínas neuronais ou modular a expressão de genes Ø  Efeito mais lento na célula pós-sináptica Ø  Efeito maior e mais generalizado. induzem sistemas com 2os mensageiros Ø  Os 2os mensageiros podem modular canais iónicos. pois pode haver amplificação através dos sistemas de 2os mensageiros Ø  Pode dar origem a mudanças de longa duração .

Organização da pós-sinapse .

Organização da pós-sinapse Ø  Proteínas de adesão trans-sináptica Ø  Proteínas que participam em cascatas de sinalização Ø  Proteínas de suporte (scaffolds) Ø  Regulação de citoesqueleto Ø  Receptores de NT .

expressão de genes. estructura/movimento .Vias de sinalização Ø  Activação de receptores metabotrópicos leva `a produção de 2os mensageiros Ø  Há activação de vias de sinalização Ø  Vários aspectos pós-sinápticos podem ser alterados: potencial de membrana. metabolismo.

Sinalização via receptores ionotrópicos e metabotrópicos .

Activação pós-sináptica Mudanças de potencial membrana e excitabilidade Indução de expressão genética Alterações de longo-termo .

Sinalização da sinapse para o núcleo .

cada neurónio tem muitos inputs....Mas.. Cada CNS neuron recebe uma média de milhares de inputs excitatórios ao longo da árvore dendrítica .

Estructura de uma dendrite neuronal Ø  Espinhas dendríticas são o local de transmissão excitatória Ø  A maioria das espinhas recebe input de apenas um botão sináptico Ø  A estructura das espinhas permite compartimentalização do sinal químico e eléctrico Ø  Cada neurónio tem milhares de sinapses .

 Cell  2015   ..Kasthuri  et  al.

.

Distribuição subcelular dos inputs sinápticos Ø  Inputs excitatórios recebidos maioritariamente nas espinhas dendritícas Ø  Inputs inibitórios recebidos nas espinhas. eixo dendrítico. corpo celular e terminais pré-sinápticos . corpo celular. segmento inicial do axónio e terminais pré-sinápticos Ø  Inputs modulatórios são recebidos nas dendrites.

Dendrites como aparelhos sofisticados de integração de informação Integração Espacial Integração Temporal .

GAP junctions ou Junções Comunicantes “sinapse eléctrica” .

GAP junctions ou Junções Comunicantes “sinapse eléctrica” Ø  Aproximam 2 membranas de células adjacentes Ø  Permite a passagem de iões e de pequenas moleculas Ø  Normalmente ocorrem no compartimento somato-dendrítico Ø  Conexinas são os principais componentes .

na retina para processar sinais de movimento. ex. e em comportamentos de “fuga” Ø  Facilitam firing sincronizado de neurónios que estejam electricamente “coupled”. como p. .Mais funções das GAP junctions Ø  Transmissão imediata (sem “delay”) Ø  Muito utilizadas em circuitos em que a velocidade seja crítica.

inibitórios e modulatórios pelas dendrites. determinam o “firing pattern” do seu potencial de acção Ø  Estes mecanismos são usados para produzir funções desde sensação até acção .Sumário Ø  Os neurónios comunicam entre si usando sinapses químicas e eléctricas Ø  A transmissão sináptica é estereotipada e conservada: as mesmas moléculas/vias são utilizadas em espécies diferentes Ø  Os receptores de neurotransmissores podem ser ionotrópicos ou metabotrópicos Ø  As sinapses químicas são altamente organizadas estructuralmente Ø  A integração de inputs excitatórios. corpo celular e segmento inicial.