You are on page 1of 27

Óptoca geométrica

  • A óptica

geométrica é a

parte da

física

que

estuda

os

fenômenos

relacionados com a luz.

  • A partir

de agora vamos começar

com algumas definições, para que

possamos

compreender

mais

profundamente

seus

comportamentos.

FONTE DE LUZ

FONTE DE LUZ PRIMÁRIA SECUNDÁRIA Possui luz Própria Reflete apenas a luz

PRIMÁRIA

SECUNDÁRIA

Possui luz Própria

FONTE DE LUZ PRIMÁRIA SECUNDÁRIA Possui luz Própria Reflete apenas a luz
FONTE DE LUZ PRIMÁRIA SECUNDÁRIA Possui luz Própria Reflete apenas a luz
FONTE DE LUZ PRIMÁRIA SECUNDÁRIA Possui luz Própria Reflete apenas a luz

Reflete apenas a luz

FONTE DE LUZ PRIMÁRIA SECUNDÁRIA Possui luz Própria Reflete apenas a luz
FONTE DE LUZ PRIMÁRIA SECUNDÁRIA Possui luz Própria Reflete apenas a luz

Óptica Geométrica

  • Raio de luz, pincel de luz

Óptica Geométrica  Raio de luz, pincel de luz  O raio de luz é uma
  • O raio de luz é uma representação geométrica apenas da luz.

  • Pincel de Luz é um conjunto de raio de luz, que também pode ser chamado de feixe de luz

FEIXE DE LUZ É um conjunto de raio de luz e

pode ser

FEIXE DE LUZ É um conjunto de raio de luz e pode ser Pincel Divergente Pincel

Pincel

Divergente

FEIXE DE LUZ É um conjunto de raio de luz e pode ser Pincel Divergente Pincel

Pincel

Convergente

FEIXE DE LUZ É um conjunto de raio de luz e pode ser Pincel Divergente Pincel
FEIXE DE LUZ É um conjunto de raio de luz e pode ser Pincel Divergente Pincel
FEIXE DE LUZ É um conjunto de raio de luz e pode ser Pincel Divergente Pincel
FEIXE DE LUZ É um conjunto de raio de luz e pode ser Pincel Divergente Pincel

Pincel

Paralelo

MEIOS ÓPTICOS

os meios onde a luz se propaga

podem ser classificados em três tipos:

MEIOS ÓPTICOS os meios onde a luz se propaga podem ser classificados em três tipos:
MEIOS ÓPTICOS os meios onde a luz se propaga podem ser classificados em três tipos:
MEIOS ÓPTICOS os meios onde a luz se propaga podem ser classificados em três tipos:

Princípios da optica geométrica

  • Princípio da prooagação retilínea da luz em um meio homogênio e isotropico, a luz se propaga em linha reta;

  • Princípio da independência da propagação Quando temos dois raios de luz se propagando em direções concorrentes, no ponto de encontro eles se interferem, mas depois do encontro continuam se propagando como se nada houvesse acontecido;

  • Princípio da reversibilidade do raio de luz se a luz parte de um ponto A e chega um um ponte B, o caminho inverso também é verdadeira, ou seja se ele sair do ponto B, chegará em A.

  • Princípio da reflexão da luz quando a luz incide sobre uma determinada supoerfície e retorna, temos uma reflexão, o ângulo de incidência medido em relação à normal é igual al ângulo de reflexão

Princípios da óptica geométrica

  • Princípio da refração da luz quando a luz incide sobre uma superfície de separação de dois meios e penetra neste meio, dizemos que ocorreu refração, a frente de onda obedece a lei de Snell-Decartes.

sen   sen

1

i

2

r

  • Onde o índice de refração é definido como a relação entre a velocidade da luz no vácuo, dividido pela velocidade da luz no meio.

 

c

 

v

PROPRIEDADES DA LUZ

A luz possui comportamento ora corpuscular ora ondulatório, que chamamos de comportamento dual

ONDA LUMINOSA

   
PROPRIEDADES DA LUZ • A luz possui comportamento ora corpuscular ora ondulatório, que chamamos de comportamento
ONDA ELET ROMAGNET ICA
ONDA ELET ROMAGNET ICA

ONDA ELET ROMAGNET ICA

ONDA ELET ROMAGNET ICA
ONDA ELET ROMAGNET ICA

VELOCIDADE

C=300.000 km /s

ANO LUZ: É a distância que a luz percorre durante 1 ano viajando a c=300.000 km/s
ANO LUZ: É a distância que
a luz percorre durante 1 ano
viajando a c=300.000 km/s

Ano_Luz

c x 365 dias

Ano_Luz

c x 365

24h

Ano_Luz c x 365243600s

1 ANO-LUZ (AL) = 9,5 .10 12 km

REFLEXÃO

LEIS DA REFLEXÃO

ESPELHOS PLANOS

LEIS DA REFLEXÃO

  • 1ª LEI DA REFLEXÃO : O raio

de incidência a reta normal e o raio refletido estão no

LEIS DA REFLEXÃO  1ª LEI DA REFLEXÃO : O raio de incidência a reta normal

mesmo plano

LEIS DA REFLEXÃO  1ª LEI DA REFLEXÃO : O raio de incidência a reta normal
LEIS DA REFLEXÃO  1ª LEI DA REFLEXÃO : O raio de incidência a reta normal

2ª LEI DA REFLEXÃO

  • O ângulo de incidência ângulo refletido

( r ) são

(

equivalentes
equivalentes
i ) e o
i
) e o

ESPELHOS PLANOS

ESPELHOS PLANOS
ESPELHOS PLANOS

ROTAÇÃO DE UM ESPELHO

ROTAÇÃO DE UM ESPELHO

Translação de Espelho Plano

Se o objeto se afastar (ou aproximar uma distância x, sua imagem se aproxima (ou se
Se o objeto se afastar (ou aproximar uma distância x, sua
imagem se aproxima (ou se afasta) a mesma distância x.

ASSOCIAÇÃO DE ESPELHOS

ASSOCIAÇÃO DE ESPELHOS NI  360  1 
ASSOCIAÇÃO DE ESPELHOS NI  360  1 
ASSOCIAÇÃO DE ESPELHOS NI  360  1 

NI

  • 360 1

REFRAÇÃO ÍNDICE DE REFRAÇÃO PRINCÍPIO DE FERMAT LEI DE SNELL-DESCARTES DIOPTRO PLANO REFLEXÃO TOTAL LÂMINA DE

REFRAÇÃO

ÍNDICE DE REFRAÇÃO

PRINCÍPIO DE FERMAT

LEI DE SNELL-DESCARTES DIOPTRO PLANO REFLEXÃO TOTAL LÂMINA DE FACES PARALELAS PRISMA

ÍNDICE DE REFRAÇÃO  VELOCIDADE DA LUZ  VÁCUO c = 300.000 km/s  AR 300.000

ÍNDICE DE REFRAÇÃO

  • VELOCIDADE DA LUZ

  • VÁCUO c = 300.000 km/s

  • AR 300.000 km/s

  • ÁGUA 200.000 km/s

  • ÍNDICE DE REFRAÇÃO ABSOLUTO: Relação entre a velocidade da luz no vácuo e a velocidade da luz no vácuo.

  • ÍNDICE DE REFRAÇÃO RELATIVO: Relação entre a velocidade da luz em dois meios

 

v

n

 

c

v n  1, 2 v
v
n
1, 2
v
 
  • 1 n

I   

  • 2 n

 

2

n

  • 1 .I

2

  • 1

n

2

0

PRINCÍPIO DE FERMAT

  • A TRAJETÓRIA DA LUZ PARA VIAJAR DE UM PONTO A OUTRO É TAL QUE O TEMPO DE PERCURSO É MÍNIMO

A P MIN B
A
P MIN
B
d A L 1 1 d-x a L 2 b 2 B x
d
A
L 1
1
d-x
a
L 2
b
2
B
x
A
A
A a
a
a
a
A a
d
d
d d-x 1
d-x 1
d-x
1
TEMPO TOTAL 2 c n c n 1 t  L 1 L   2
TEMPO TOTAL 2 c n c n 1 t  L 1 L   2

TEMPO TOTAL

TEMPO TOTAL 2 c n c n 1 t  L 1 L   2
2 c n c n 1 t  L 1 L   2
2
c n
c n
1
t 
L 1
L
2
t  L L  2 1 1 v v 2 n L 1  
t  L L  2 1
t 
L
L
2
1
1 v v 2
1 v
v
2
n L 1   c 2 1 1 . . .
n L
1 
c
2
1
1
.
.
.
(1.a) (1.b)  2
(1.a)
(1.a)
(1.a) (1.b)  2
(1.b)  2
(1.b)
2
L 1
L 1
L 1
A a d d-x 1 TEMPO TOTAL 2 c n c n 1 t  L
L 2
L 2
L 2 2 x B b
L 2 2 x B b
2 x B b
2
x
B
b
n L
n L
A a d d-x 1 TEMPO TOTAL 2 c n c n 1 t  L

LEI DE SNELL-DESCARTES

RELAÇÕES GEOMÉTRICAS

A a d d-x 1 TEMPO TOTAL 2 c n c n 1 t  L

2

L

1

a

2

2

x

2.

L

1

.

dL

1

dx

 

2.

x

dL

1

x

  sen

1

dx L

1

 

(2)

  • 2

b

2

L

d

  • 2 x

2

2.

L

2

.

dL

2

dx

 

 

2.

d

 

x

dL

dx

2

 

d x

L

2

  sen

2

 
 

dt

dx

0

 

1

c

n

1

.sen

1

n

.

2

n

1

.

dL

1

dx

.sen

2

n

2

.

dL

dx

0

 

n

2

1

.sen

0

1

n

2

.sen

2

 

(3)

REFRINGÊNCIA

  • É a capacidade de desviar a luz, quanto maior o índice de refração mais refringente é o meio

i
i
i

N

MEIO 1

r
r

MEIO 2

r MEIO 2

MEIO 2 MAIS REFRINGENTE

i
i

N

MEIO 1

MEIO 1 r MEIO 2
r
r

MEIO 2

MEIO 1 r MEIO 2

MEIO 1 MAIS REFRINGENTE

DIOPTRO PLANO

  • O OLHO HUMANO NÃO CONSEGUE DISTINGUIR O DESVIO DA LUZ

DIOPTRO PLANO  O OLHO HUMANO NÃO CONSEGUE DISTINGUIR O DESVIO DA LUZ n . x
n . x  n . x` INCID EMERG
n
. x
n
. x`
INCID
EMERG

REFLEXÃO TOTAL

  • Quando a luz passa de um meio menos refringente para um mais refringente a refração ocorre normalmente, porém no sentido contrário pode ocorre a reflexão total num determinado ângulo limite

REFLEXÃO TOTAL  Quando a luz passa de um meio menos refringente para um mais refringente
REFLEXÃO TOTAL  Quando a luz passa de um meio menos refringente para um mais refringente

sen L

n

menor

n

maior

APLICAÇÃO DA REFLEXÃO TOTAL

  • FIBRA ÓTICA

APLICAÇÃO DA REFLEXÃO TOTAL  FIBRA ÓTICA
APLICAÇÃO DA REFLEXÃO TOTAL  FIBRA ÓTICA
APLICAÇÃO DA REFLEXÃO TOTAL  FIBRA ÓTICA

LÂMINAS DE FACES

PARALELAS

N

i
i
N i d e r
N i d e r
d e r
d
e
r
e cos r  x
e
cos r 
x
d sen(i  r)  x
d
sen(i  r) 
x
 sen( cos r i  r ) d e .
sen(
cos r
i
r
)
d
e .

PRISMA

N 2 n .sen i  n .sen e AR 1 PRISMA 1 n .sen i
N 2
n
.sen i
n
.sen e
AR
1
PRISMA
1
n
.sen i
n
.sen e
PRISMA
2
AR
2
d
d
 d  d
1
2
i
 d  e
1
1
1
d 1
d 2
i 1
e 2
e 1
i 2
e  d  i
2
2
2
N 1