1

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 11/2016
PROCESSO SELETIVO DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL E EM ÁREA PROFISSIONAL
DO HU-UFJF/2017
O HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA torna público,
conforme dispõe a legislação vigente, que estarão abertas as inscrições para seleção dos candidatos ao
preenchimento de vagas no Programa de Residência Multiprofissional e em Área Profissional do HUUFJF/2017.
Endereço: Secretaria da Comissão de Residências do Hospital Universitário da UFJF
Av. Eugênio do Nascimento, s/no, 3o andar, Bairro Dom Bosco - CEP 36038-330
Juiz de Fora – MG - Tel.: (32) 4009-5378
E-mail: residenciahu_cas@hotmail.com
1. CRONOGRAMA DO PROCESSO SELETIVO
ETAPAS
Publicação do Edital

DATAS
18/10/2016

Prazo para eventual questionamento do Edital

19/10/2016 e 20/10/2016

Período de inscrições

24/10/2016 a 24/11/2016

Solicitação de isenção da taxa de inscrição

24/10/2016 a 07/11/2016

Resultado da isenção da taxa de inscrição

10/11/2016

Solicitação de condição adequada para realização da prova por candidato com
necessidade especial

21/11/2016 a 24/11/2016

Confirmação da inscrição e realização da prova

14/12/2016

Data de realização da prova escrita (1ª etapa)

08/01/2017

Divulgação do gabarito

No local de realização da prova e
site do HU, dia 09/01/2017

Prazo para pedidos de reconsideração quanto a questões da prova objetiva

09/01/2017
Secretaria da COREMU de 8h às
12h e 13h às 16h

Divulgação do resultado preliminar da 1ª Etapa
Prazo para recurso contra o resultado preliminar da1ª Etapa
Divulgação do resultado oficial da 1ªetapa
Período para entrega de currículo*

17/01/2017
18/01/2017
Secretaria da COREMU, de 8h às
12h e 13h às 16h
20/01/2017
23/01/2017 a 27/01/2017

Prova específica teórico-prática (Gestão Hospitalar)**

25/01/2017

Prova específica teórico-prática (Área de Análises Clínicas)**

26/01/2017

Período para a realização da avaliação de currículo (2ª etapa)

30/01/2017 e 31/01/2017

Divulgação do resultado preliminar da 2ª etapa
Prazo para recursos contra o resultado preliminar da 2ª etapa

02/02/2017
03/02/2017
Secretaria da COREMU, de 8h às
12h e 13h às 16h

Divulgação do resultado oficial da 2ªetapa

09/02/2017

Divulgação do resultado final

09/02/2017

Período de matrícula dos aprovados no processo seletivo - 1ª Chamada

13/02/2017 a 22/02/2017

Convocação de excedentes

23/02/2017

Período de matrícula dos aprovados no processo seletivo - 2ª Chamada

24/02/2017

Início do ano letivo

06/03/2017

2
ETAPAS

DATAS

Publicação do Edital

18/10/2016

Prazo para eventual questionamento do Edital

19/10/2016 e 20/10/2016

Período de inscrições

24/10/2016 a 24/11/2016

Solicitação de isenção da taxa de inscrição

24/10/2016 a 07/11/2016

Resultado da isenção da taxa de inscrição

10/11/2016

Prazo final para entrega do Registro Profissional pelos aprovados

31/03/2017

Prazo final de convocação de excedentes
Os resultados serão publicados na página eletrônica: www.ufjf.br/huresidencias.

31/03/2017

Os candidatos que não entregarem os currículos na Secretaria da Comissão de Residências, respeitando o
prazo estabelecido acima, terão até o dia 27/01/2017 para realizar as postagens via Sedex.
Em hipótese alguma serão aceitos currículos fora do prazo estabelecido.


*ENTREGA DE CURRÍCULO
Programa de Residência

Farmácia

Data de entrega dos currículos
23/01/2017

Gestão Hospitalar - Administração
Gestão Hospitalar - Economia
Multiprofissional em Saúde da Família – Serviço Social
Multiprofissional em Saúde da Família - Odontologia
Multiprofissional em Saúde da Família - Enfermagem
Multiprofissional em Saúde Mental – Serviço Social

24/01/2017

Multiprofissional em Saúde Mental – Enfermagem
Multiprofissional em Saúde Mental – Psicologia
Multiprofissional em Saúde do Adulto – Análises Clínicas
Multiprofissional em Saúde do Adulto – Educação Física

25/01/2017

Multiprofissional em Saúde do Adulto - Enfermagem
Multiprofissional em Saúde do Adulto – Farmácia
Multiprofissional em Saúde do Adulto - Fisioterapia
Multiprofissional em Saúde do Adulto - Nutrição
Multiprofissional em Saúde do Adulto - Psicologia
Multiprofissional em Saúde do Adulto – Serviço Social
Integrada Multiprofissional em Atenção Hospitalar – Análises
Clínicas

26/01/2017

Integrada Multiprofissional em Atenção Hospitalar - Enfermagem
Integrada Multiprofissional em Atenção Hospitalar - Farmácia
Integrada Multiprofissional em Atenção Hospitalar - Fisioterapia
Integrada Multiprofissional em Atenção Hospitalar - Nutrição
Integrada Multiprofissional em Atenção Hospitalar - Psicologia
Integrada Multiprofissional em Atenção Hospitalar – Serviço Social
2. DOS PROGRAMAS OFERTADOS:
2.1 Do número de vagas

27/01/2016

3
PROGRAMAS EM ÁREA PROFISSIONAL

NÚMERO DE VAGAS POR ÁREA

Farmácia

2

Gestão Hospitalar – Administração

2

Gestão Hospitalar – Economia

2

MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DO ADULTO COM ÊNFASE
EM DOENÇAS CRÔNICO-DEGENERATIVAS

NÚMERO DE VAGAS POR ÁREA

Análises Clínicas

2

Educação Física

2

Enfermagem

2

Farmácia

2

Fisioterapia

2

Nutrição

2

Psicologia

2

Serviço Social

2

INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO
HOSPITALAR

NÚMERO DE VAGAS POR ÁREA

Análises Clínicas

4

Enfermagem

2

Farmácia

3

Fisioterapia

2

Nutrição

2

Psicologia

2

Serviço Social

2

MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA

NÚMERO DE VAGAS POR ÁREA

Enfermagem

4

Odontologia

2

Serviço Social

4

MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE MENTAL

NÚMERO DE VAGAS POR ÁREA

Enfermagem

3

Psicologia

3

Serviço Social

3

2.2 Modalidade de Formação: especialização lato sensu, modalidade formação em serviço.
2.3 Duração dos Programas: 2 (dois) anos.
2.4 Carga Horária: 60 (sessenta) horas semanais, carga horária total de 5.760 (cinco mil setecentos e sessenta)
horas. O residente deverá ter dedicação exclusiva à residência, não podendo desenvolver outras atividades
profissionais no período de realização da mesma (Lei no. 11.129/2005 artigo 13, parágrafo segundo).
2.5 Situação dos Programas: autorizados pelo Ministério da Educação.

4
2.6 Cenários de Prática: Pontos de atenção à saúde, de acordo com as especifidades de cada programa que
compõe a rede de atenção à saúde de Juiz de Fora (Convênio PJF), as três unidades do Hospital Universitário da
UFJF e Farmácia universitária (para área de Farmácia).
2.7 Processo de Certificação: certificado pela UFJF.
2.8 Coordenação dos Programas: Universidade Federal de Juiz de Fora (Unidades Acadêmicas: Administração,
Farmácia, Economia, Educação Física, Fisioterapia, Nutrição, Odontologia, Psicologia e Serviço Social) e Hospital
Universitário.
2.9 Remuneração: bolsa de R$ 3.330,43 (três mil, trezentos e trinta reais e quarenta e três centavos), de acordo
com o estabelecido pelo Ministério da Educação.
2.9.1 A bolsa está sujeita aos descontos e retenções tributárias e previdenciárias nos termos da lei.
2.9.2 Não há vínculo empregatício entre o HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ
DE FORA com o residente que assinará o contrato como bolsista e se filiará ao INSS na qualidade de autônomo,
como previsto na Lei 6932 de 07/07/1981.
2.10 Os direitos e deveres do residente constam no Regimento Interno dos Programas de Residência
Multiprofissional e em Área Profissional da Saúde do HU/UFJF, sendo que o ato de inscrição subentende o
compromisso de cumpri-los.
2.11 Mais informações sobre os programas de residência ofertados podem ser obtidas na página eletrônica
www.ufjf.br/huresidencias.
3. CONDIÇÕES PARA INSCRIÇÕES:
Poderão se inscrever:
3.1 Profissionais que possuam registro no Conselho Regional Profissional, de acordo com a área/profissão de
cada programa.
3.2 Formandos do último ano ou último período do curso de graduação, de acordo com a área/profissão de cada
programa (www.ufjf.br/huresidencias), que concluam o curso até o início do Programa deste edital. O documento
comprobatório deverá ser emitido pela autoridade legal da instituição formadora. No caso da Universidade Federal
de Juiz de Fora, só serão aceitos documentos emitidos pela Coordenadoria de Assuntos e Registros Acadêmicos
(CDARA).
4. DAS INSCRIÇÕES:
4.1 As inscrições serão realizadas a partir de 12h do dia 24/10/2016 até 16h do dia 24/11/2016, exclusivamente
pela Internet, na página eletrônica www.ufjf.br/huresidencias.
4.2 A taxa de inscrição é de R$180,00 (cento e oitenta) reais. O boleto bancário será emitido logo após o
preenchimento do Requerimento de Inscrição e deverá ser pago até o último dia de inscrições, conforme descrito
no item 4.1.
4.3 Pagamentos efetuados após o término do período de inscrições serão desconsiderados, o que implicará na
não efetivação da inscrição.
4.4 Em nenhuma hipótese a taxa de inscrição será devolvida.
4.5 O candidato que tiver o agendamento bancário não efetivado por insuficiência de fundos, ou por qualquer
outro motivo, terá sua inscrição não efetivada.
4.6 Em caso de dois ou mais Requerimentos de Inscrição de um mesmo candidato para a participação no
processo seletivo será considerado apenas o requerimento efetivado por último.
4.7 A UFJF não se responsabiliza por solicitação de inscrição não recebida, devido a falhas de comunicação,
congestionamento das linhas de comunicação, bem como a outros fatores de ordem técnica que impossibilitem a
transferência de dados.
4.8 São de inteira responsabilidade do candidato, as informações prestadas no formulário de inscrição bem como
o pagamento da taxa de inscrição respeitando o prazo indicado nos itens 4.1 e 4.2.
4.9 Após a efetivação da inscrição não serão permitidas alterações das informações descritas no formulário de
inscrição.
4.10 As inscrições implicam o reconhecimento e a aceitação, pelo candidato, das condições totais previstas neste
edital.
4.11 Haverá isenção total da taxa de inscrição para os candidatos amparados pelo Decreto nº 6.593, de 2 de
outubro de 2008, publicado no Diário Oficial da União de 3 de outubro de 2008.
4.11.1 Estará isento do pagamento da taxa de inscrição o candidato que apresente uma das seguintes condições:
a) estiver inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico), de que trata o
Decreto nº 6.135, de 26 de junho de 2007, devendo indicar o Número de Identificação Social – NIS, atribuído pelo
CadÚnico;
b) comprovar ser membro de família de baixa renda, nos termos do Decreto nº 6.135, de 26 de junho de 2007;
4.11.2 A isenção da taxa de inscrição neste processo de seleção é solicitada pelo candidato, tão somente no ato
do cadastramento on-line da inscrição, do dia 24/10/2016 a 07/11/2016, exclusivamente pela Internet, na página
eletrônica www.ufjf.br/huresidencias, devendo digitar o número do NIS (Número de Inscrição Social) na Ficha de
solicitação de Inscrição on-line.

5
4.11.3 O candidato, no ato do cadastramento de sua inscrição, deverá prestar informações exatas e fidedignas.
Constatada a concessão indevida da isenção da taxa de inscrição por informação falsa ou inexata, o candidato
será eliminado do processo de seleção, passando a responder por crime contra a fé pública e devendo ressarcir
ao erário os custos referentes à taxa de inscrição, sem prejuízo das demais penalidades previstas em lei.
4.11.4 O deferimento dos pedidos de isenção de taxa estarão disponíveis na página eletrônica
www.ufjf.br/huresidencias, no dia 10/11/2016, a partir de 18h.
4.11.5 O candidato cujo pedido de isenção tiver sido indeferido deverá efetuar o pagamento da taxa de inscrição
até o dia 24/11/2016. Pagamentos após esta data não serão aceitos para fins de validação da inscrição.
4.11.6 As informações prestadas, bem como a documentação apresentada, serão de inteira responsabilidade do
candidato, podendo responder, a qualquer momento, por crime contra fé pública, o que acarretará em sua
eliminação do processo seletivo.
5. NORMAS GERAIS SOBRE AS INSCRIÇÕES:
5.1 As inscrições encerrar-se-ão, impreterivelmente, no dia e horário fixados neste edital (item 4.1).
5.2 A declaração falsa ou inexata dos dados constantes no Requerimento de Inscrição, bem como apresentação
de documentos falsos ou inexatos, determinarão o cancelamento da inscrição ou anulação de todos os atos
decorrentes, em qualquer época. O Hospital Universitário/UFJF não se responsabilizará por quaisquer atos ou
fatos decorrentes de informações e/ou endereços incorretos ou incompletos fornecidos pelo candidato.
5.3 As comunicações do HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA serão
feitas por meio de ligações telefônicas e/ou e-mail: residenciahu_cas@hotmail.com e/ou por intermédio da
Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos e serão expedidas para o endereço que o candidato especificar no
FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO.
5.4 O simples preenchimento do Requerimento de Inscrição, sem o pagamento da taxa de inscrição, não significa
que o candidato esteja inscrito. Não será válida a inscrição cujo pagamento e os dados do Requerimento de
Inscrição sejam realizados em desobediência às condições previstas nos itens 4.1 e 4.2.
5.5 O candidato com necessidades educacionais especiais, que utilize prótese metálica, prótese auditiva, marcapasso, ou ainda o candidato que, por intercorrência grave de saúde, necessitar de condições especiais para fazer
a prova, deverá, obrigatoriamente, entrar em contato com a Comissão de Residências do Hospital Universitário da
UFJF no período de 21/11/2016 a 24/11/2016, pessoalmente ou via e-mail: residenciahu_cas@hotmail.com.
Deverá ainda entregar ou enviar, por SEDEX ou correspondência registrada, até a data referida, laudo médico
comprovando a necessidade especial.
5.6 O não cumprimento das exigências dispostas neste edital implicará no indeferimento da inscrição.
6. ETAPAS E PROVAS
O processo seletivo, para todas as áreas que integram o Programa, será efetuado em duas etapas:
PRIMEIRA ETAPA
PROVA OBJETIVA: 08/01/2017, domingo, de 9h às 12h. O local de realização da prova será informado no sítio
www.ufjf.br/huresidencias, a partir de 14/12/2016.
SEGUNDA ETAPA
Análises Clínicas (Multiprofissional em Saúde do Adulto e Integrada Multiprofissional em Atenção Hospitalar)
Prova Teórico Prática: 26/01/2017
Gestão Hospitalar
Prova Teórico Prática: 25/01/2017
Análise de memorial: 30/01/2017
ANÁLISE CURRICULAR (para todos os programas): 30/01/2017 e 31/01/2017
Atenção para as seguintes instruções:
6.1 O candidato deverá comparecer ao local da prova portando documento de identidade e a confirmação de
inscrição.
6.1.1 Na impossibilidade de apresentar o documento de identidade especificado na confirmação da inscrição, por
motivo de roubo ou extravio, o candidato deverá dirigir-se à Coordenação do Processo Seletivo com antecedência
mínima de uma hora, com o boletim de ocorrência, ou assinar termo de compromisso da apresentação do boletim
de ocorrência em até 48 (quarenta e oito) horas, assinando ainda termo de ciência de que o não cumprimento
dessa apresentação resultará na sua exclusão do Processo Seletivo.
6.2 Em nenhuma hipótese haverá segunda chamada para realização da prova. O candidato que não comparecer
no horário previsto estará automaticamente excluído do processo de seleção.

de qualquer outro tipo de aparelho eletrônico.14 A lista preliminar dos classificados na 1ª Etapa. de livros. 6. a porta da sala onde será realizada a prova será fechada. deverão apresentar diploma devidamente revalidado nos termos da Lei 9. 6. 60 (sessenta) minutos após o início das provas. a partir de 16h.8 O número de candidatos classificados para a segunda etapa em cada área/profissões. Terminado esse prazo. 6. se aprovado.10 ou derem entrada fora dos prazos estipulados ou sem cópia da bibliografia.17 Após a primeira etapa. 6. Caberá recurso contra questões das provas. liminarmente. 6.9 Não serão concedidas revisões de provas.3 Após o início das provas. 6. todos os candidatos cujas notas estejam empatadas.22 O resultado preliminar da AVALIAÇÃO CURRICULAR será divulgado a partir de 16h do dia 02/02/2017 no . a partir da maior nota. 6.20 A avaliação do currículo será realizada conforme pontuação descrita no modelo disponibilizado no ANEXO 1 deste edital.ufjf. nos prazos estabelecidos no cronograma deste edital. de relógios com calculadora. de Bipe. constando nome. será divulgada a partir de 16h do dia 17/01/2017. haverá 15 (quinze) minutos de tolerância para entrada de candidatos. 6. graduados no exterior. nos dias 30/01/2017 e 31/01/2017. de 8h às 12h e 13h às 16h. 6.12 Se houver alteração do gabarito oficial. Os gabaritos poderão ser anotados em local apropriado no rodapé da capa da prova.7 Não será permitido ao candidato levar os cadernos de provas. à Secretaria da Comissão de Residências do Hospital Universitário da UFJF. 6. com os seguintes documentos que devem ser anexados na ordem de preenchimento da ficha e acompanhados dos originais. b) Fotocópia do Comprovante de Inscrição no Conselho Regional Profissional ou Diploma de Graduação ou Declaração da Instituição de Ensino Superior que o candidato cursou a última série ou último período do Curso de Graduação.8 e havendo empate de notas. Parágrafo Único: Aplicado o critério de classificação previsto no item 6. 6. para conferência no ato da entrega: a) Fotocópia da Cédula de Identidade. 6. número da questão. mesmo que desligados. 6. de 08h às 12h e 13h às 16h. 6.br/huresidencias.18 O currículo e seus anexos deverão ser encaminhados somente pelos aprovados na primeira etapa. o candidato. serão de 3 (três) candidatos por vaga. serão classificados. c) Histórico escolar e fotocópia de todos os certificados/comprovantes das informações descritas no currículo.11 Não serão aceitos recursos coletivos e/ou encaminhados por meio eletrônico.16 O resultado oficial da 1ª etapa será divulgado dia 20/01/2017. NÃO SERÃO COMPUTADAS QUESTÕES NÃO ASSINALADAS NO CARTÃO DE RESPOSTAS E AS QUE CONTENHAM MAIS DE UMA RESPOSTA ASSINALADA PARA A MESMA QUESTÃO. na página eletrônica: www. de máquinas calculadoras ou similares. EMENDAS OU QUALQUER TIPO DE RASURA QUE IMPEÇA E OU DIFICULTE A CORREÇÃO. de anotações. 6. o porte e utilização. de controle remoto. 6. bem como a anexação de cópia da bibliografia e entregue pessoalmente ou por procuração à Secretaria da Comissão de Residências do Hospital Universitário da UFJF no dia 09/01/2017. No caso de questão anulada será atribuída a pontuação referente à questão a todos os candidatos que tenham realizado o mesmo tipo de prova. de Pager. número de inscrição do candidato e a nota.ufjf. que será destacado somente pelo fiscal de sala.21 Não serão aceitos para análise currículos redigidos em outra forma que não o modelo padronizado no ANEXO 1 deste edital.15 Caberá recurso contra o resultado preliminar da 1ª etapa no dia 18/01/2017. (Somente serão aceitos e submetidos à avaliação pela banca os documentos. deverá preencher com letra legível o modelo de currículo disponibilizado no ANEXO 1 deste edital e entregá-lo na Secretaria da Comissão de Residências do Hospital Universitário da UFJF em um envelope. Todo este material deve ser apresentado em 2 (duas) vias. com indicação do nome do programa.br/huresidencias. que estejam impressos em papel timbrado da instituição e contenham a assinatura da autoridade competente).6 Os candidatos deverão permanecer no local de realização das provas durante. da resposta marcada pelo candidato e da resposta divulgada no gabarito. 6. d) Candidatos brasileiros. com argumentação lógica e consistente. área profissional. no mínimo. O candidato que chegar após o fechamento da porta terá proibida sua entrada na sala e será automaticamente excluído do Processo Seletivo. na Secretaria da COREMU. Serão rejeitados. declarações e certificados oficiais.19 Em nenhuma hipótese poderá ser acrescido qualquer documento ao currículo após o prazo final para entrega do mesmo. a utilização de chapéus ou bonés.13 Não serão fornecidos “atestados” ou declarações de aprovação parcial. durante a realização das provas. de impressos ou de qualquer outro material de consulta. 6. o gabarito será alterado e as provas serão corrigidas de acordo com o novo gabarito. os recursos que não estiverem devidamente fundamentados ou que não forem entregues conforme item 6. 6. de 8h às 12h e 13h às 16h. e) Fotocópia do comprovante de situação regular com o Serviço Militar (para os candidatos do sexo masculino). de aparelhos celulares ou similares.4 A RESPOSTA A CADA UMA DAS QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA DEVERÁ SER ASSINALADA NO CARTÃO DE RESPOSTAS.6 6. na página eletrônica: www.394/96 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação) e registro no Conselho Regional Profissional.10 O recurso deverá ser apresentado em folhas separadas para cada questão recorrida. para segunda etapa. no período de 23/01/2017 a 27/01/2017. ou seja.5 Não serão permitidas. por força de provimento de algum recurso. a comunicação entre candidatos.

valendo 100 (cem) pontos.24 O recurso deverá ser apresentado. de 9h às 12h. receberá Certificado de Conclusão do Programa de Residência expedido pela Coordenação de Assuntos e Registros Acadêmicos (CDARA/UFJF). em local a ser informado no sítio: www. domingo.br/huresidencias. 6.1.1.28 Se houver alteração da Classificação Geral dos candidatos por força de provimento de algum recurso.br/huresidencias.1.ufjf. com duração de 02 anos. é reconhecido pela UFJF e autorizado pelo Ministério da Educação e tem como cenário de prática principal a Farmácia Universitária da UFJF.2.9 O prazo para recursos para o resultado da 2ª etapa deverão ser entregues à Secretaria da COREMU no dia 03/02/2017.1. composta de 50 (cinquenta) questões relacionadas aos conhecimentos de saúde .ufjf.1.2. na Secretaria da COREMU. valendo 100 (cem) pontos. 7.6 A SEGUNDA ETAPA terá peso 2 (dois) e constará de Avaliação do Currículo.1 O programa.2 Processo de Certificação: o residente que tiver sido aprovado e apresentado monografia.1.ufjf.1 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM FARMÁCIA 7. valendo 100 (cem) pontos. deverá preencher com letra legível o modelo de currículo disponibilizado no ANEXO 1 deste edital. de 8h às 12h e 13h às 16h. de caráter classificatório. baseado exclusivamente nas instruções do modelo da avaliação curricular padronizada (Anexo 1 deste edital) e entregue pessoalmente ou por procuração à Secretaria da Comissão de Residências do Hospital Universitário da UFJF. 6.2. receberá Certificado de Conclusão do Programa de Residência expedido pela Coordenação de Assuntos e Registros Acadêmicos (CDARA/UFJF). 7. 7. se aprovado. etapa: prova objetiva.17 do presente edital.1.1 O programa. com argumentação lógica e consistente dos itens que o candidato julgar obter pontuação. de 8h às 12h e 13h às 16h. análise de memorial e avaliação de currículo.8 A SEGUNDA ETAPA será realizada nos dias 30/01/2017 e 31/01/2017. 7. 7. Todas as questões têm somente uma resposta certa e cada uma delas vale 2. 6. Constará de uma prova objetiva. Serão rejeitados. o candidato. a nota do candidato será alterada e realizada publicação da nota definitiva.23 Não serão concedidas revisões da avaliação curricular.11 ou derem entrada fora dos prazos estipulados. etapa: prova teórico prática. em local a ser informado no sítio: www. 7. 7. liminarmente.br/huresidencias. de caráter classificatório.4 A Seleção dos candidatos ao Programa de Residência em Gestão Hospitalar do HU-UFJF para o ano de 2017. 7. 7. ocorrerá uma reclassificação e será considerada válida a classificação retificada. seguindo as orientações contidas no item 6.5 A PRIMEIRA ETAPA terá peso 2 (dois) e será realizada no dia 08/01/2017.3 Poderão se inscrever economistas e administradores que possuam registro no Conselho Regional da sua profissão e formandos do último ano ou último período do curso de graduação em Economia e Administração que concluam o curso até o início do Programa deste edital. Constará de uma prova objetiva. 6. 6. será realizada em 02 (duas) etapas. Caberá recurso contra o resultado da avaliação curricular no prazo de até 24 (vinte e quatro) horas após a divulgação da nota da segunda etapa. 6. com duração de 02 anos.2. composta de 50 (cinquenta) questões relacionadas aos conhecimentos de saúde coletiva e aos conhecimentos específicos da área profissional do candidato.1. que dará decisão motivada sobre os mesmos.0 (dois) pontos.2 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM GESTÃO HOSPITALAR 7.5 A PRIMEIRA ETAPA terá peso 8 (oito) e será realizada no dia 08/01/2017.7 Após a primeira etapa. respectivamente. além de outro cenário como a Farmácia do Hospital Universitário – Unidade Dom Bosco / Santa Catarina. 2ª. os recursos sem argumentação lógica ou não baseados nas instruções do modelo da avaliação curricular padronizada ou que não forem protocolados conforme item 6. constituindo-se em única e última instância administrativa (divulgação dos membros da banca examinadora). 7.25 Não serão aceitos recursos coletivos e/ou encaminhados por meio eletrônico. domingo. ESPECIFICIDADES DE CADA PROGRAMA 7.1. 7. 7. no dia 03/02/2017.7 sítio: www. baseadas nas referências bibliográficas relacionadas no ANEXO 2. de 9h às 12h. 7.26 Os recursos serão analisados pela Comissão de Elaboração de Provas ou Comissão de Avaliação Curricular. será realizada em 02 (duas) etapas: 1ª.3 Poderão se inscrever farmacêuticos que possuam registro no Conselho Regional de Farmácia e formandos do último ano ou último período do curso de graduação em Farmácia que concluam o curso até o início do Programa deste edital.2. 7.2 Processo de Certificação: o residente que tiver sido aprovado e apresentado monografia.4 A Seleção dos candidatos ao Programa de Residência em Farmácia do HU-UFJF para o ano de 2017. é reconhecido pela UFJF e tem como cenário de prática o Hospital Universitário da UFJF – Unidade Dom Bosco e Santa Catarina.27 Se houver alteração da avaliação curricular por força de provimento de algum recurso. de caráter classificatório.

baseadas nas referências bibliográficas relacionadas no ANEXO 2.1 O programa. o candidato. 7. 7. Citologia.ufjf. Todas as questões têm somente uma resposta certa e cada uma delas vale 2. com duração de 02 anos. Constará de uma prova objetiva.0 (dois) pontos. se aprovado.3 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DO ADULTO COM ÊNFASE EM DOENÇAS CRÔNICO-DEGENERATIVAS 7.2. baseadas nas referências bibliográficas relacionadas no ANEXO 2.9 Após a primeira etapa. 7. receberá Certificado de Conclusão do Programa de Residência expedido pela Coordenação de Assuntos e Registros Acadêmicos (CDARA/UFJF). Urianálise e Bioquímica.17 do presente edital.3. em local a ser informado no sítio: www. deverá preencher com letra legível o modelo de currículo disponibilizado no ANEXO 1 deste edital.3.ufjf. O local e horário de realização da segunda etapa serão divulgados quando da publicação do resultado da primeira etapa no sítio: www. de caráter classificatório. 7.0 (dois) pontos. que será realizada nos dias 30/01/2017 e 31/01/2017. Constará de uma prova objetiva.2. Hospital Universitário da UFJF e Farmácia universitária (para área de Farmácia). Todas as questões têm somente uma resposta certa e cada uma delas vale 2.3. As questões serão baseadas nas referências descritas no ANEXO 2 deste Edital. será realizada em 02 (duas) etapas. 7.3. interpretação e validação de técnicas laboratoriais. de 8h às 12h e 13h às 16h. Imunologia.br/huresidencias. 7. composta de 50 (cinquenta) questões relacionadas aos conhecimentos de saúde coletiva e aos conhecimentos específicos da área profissional do candidato. 7.ufjf.7 A seleção dos candidatos ao Programa de Residência Multiprofissional em Saúde do Adulto com ênfase nas doenças crônico-degenerativas do HU/UFJF para a área de Análises Clínicas** ocorrerá da seguinte forma: a PRIMEIRA ETAPA terá peso 4 (quatro) e será realizada no dia 08/01/2017.br/huresidencias.br/huresidencias. Microbiologia. deverá preencher com letra legível o modelo de currículo disponibilizado no ANEXO 1 deste edital. é reconhecido pela UFJF e autorizado pelo Ministério da Educação e tem como cenários de prática a Rede de Atenção à Saúde local.10 O prazo para recursos para o resultado da 2ª etapa deverão ser entregues à Secretaria da COREMU no dia 03/02/2017.7 A análise do Memorial terá peso 2 (dois) e a avaliação do currículo terá peso 1 (um). em local a ser informado no sítio: www.2. 7. valendo 100 (cem) pontos. abrangendo temas das áreas de Parasitologia. no valor total de 100 (cem) pontos. com peso 4 (quatro). o candidato.3.10 A SEGUNDA ETAPA será realizada nos dias 30/01/2017 e 31/01/2017. que será realizada dia 25/01/2017.2.8 A SEGUNDA ETAPA constará de Prova Teórico Prática.2.6 A SEGUNDA ETAPA terá peso 2 (dois) e constará de Avaliação do Currículo.5 A PRIMEIRA ETAPA terá peso 8 (oito) e será realizada no dia 08/01/2017.3.br/huresidencias. Hematologia.3. 7. de caráter classificatório.3.6 A SEGUNDA ETAPA constará de uma prova teórico prática com questões dissertativas específica para os economistas e outra para os administradores.ufjf. que será realizada dia 26/01/2017 e Avaliação do Currículo.3.3. valendo 100 (cem) pontos cada um.2 Processo de Certificação: o residente que tiver sido aprovado e apresentado monografia. de 9h às 12h. valendo 100 (cem) pontos. 7.3. As questões serão baseadas nas referências constantes no ANEXO 2 deste Edital. 7. 7. de caráter classificatório. 7. valendo 100 (cem) pontos. A Prova Teórico Prática avaliará as habilidades do candidato na análise. de caráter classificatório. 7. 7.4 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO HOSPITALAR . Todas as questões têm somente uma resposta certa e cada uma delas vale 2. 7.9 A SEGUNDA ETAPA será realizada nos dias 30/01/2017 e 31/01/2017. O local e horário de realização da segunda etapa serão divulgados quando da publicação do resultado da primeira etapa no sítio: www. ambas de caráter classificatório. com peso 2 (dois). domingo.0 (dois) pontos.4 A Seleção dos candidatos ao Programa de Residência Multiprofissional em Saúde do Adulto com ênfase em doenças crônico-degenerativas do HU-UFJF para o ano de 2017. de 8h às 12h e 13h às 16h. baseadas nas referências bibliográficas relacionadas no ANEXO 2.11 O prazo para recursos para o resultado da 2ª etapa deverão ser entregues à Secretaria da COREMU no dia 03/02/2017. com peso 5 (cinco). composta de 50 (cinquenta) questões relacionadas aos conhecimentos de saúde coletiva e aos conhecimentos específicos da área profissional do candidato.3 Poderão se inscrever todos aqueles que possuem as profissões ofertadas pelos programas e que possuam registro no Conselho Regional da sua profissão e formandos do último ano ou último período dos cursos de graduação citados anteriormente que concluam o curso até o início do Programa deste edital.8 Após a primeira etapa. 7. seguindo as orientações contidas no item 6. seguindo as orientações contidas no item 6. se aprovado.17 do presente edital. domingo.8 coletiva e aos conhecimentos específicos da área profissional do candidato. de 9h às 12h.

ambas de caráter classificatório. Constará de uma prova objetiva. interpretação e validação de técnicas laboratoriais. de caráter classificatório. seguindo as orientações contidas no item 6. 7. 7.9 7. . de caráter classificatório. Imunologia. 7.4.2 Processo de Certificação: o residente que tiver sido aprovado e apresentado monografia. valendo 100 (cem) pontos. será realizada em 02 (duas) etapas. As questões de conhecimentos específicos serão baseadas nas referências descritas no ANEXO 2 deste edital.7 A seleção dos candidatos ao Programa de Residência Integrada Multiprofissional em Atenção Hospitalar do HU/UFJF para a área de Análises Clínicas** ocorrerá da seguinte forma: a PRIMEIRA ETAPA terá peso 4 (quatro) e será realizada no dia 08/01/2017. 7.4. Constará de uma prova objetiva. de caráter classificatório.7 Após a primeira etapa. 7. A Prova Teórico Prática avaliará as habilidades do candidato na análise.17 do presente edital. de caráter classificatório.9 Após a primeira etapa.1 O programa.4. Todas as questões têm somente uma resposta certa e cada uma delas vale 2. Urianálise e Bioquímica.4.6 A SEGUNDA ETAPA terá peso 2 (dois) e constará de Avaliação do Currículo.4 A Seleção dos candidatos ao Programa de Residência Integrada Multiprofissional em Atenção Hospitalar do HU-UFJF para o ano de 2017.6 A SEGUNDA ETAPA terá peso 2 (dois) e constará de Avaliação do Currículo. deverá preencher com letra legível o modelo de currículo disponibilizado no ANEXO 1 deste edital.5.3 Poderão se inscrever todos aqueles que possuem as profissões ofertadas pelos programas e que possuam registro no Conselho Regional da sua profissão e formandos do último ano ou último período dos cursos de graduação citados anteriormente que concluam o curso até o início do Programa deste edital. valendo 100 (cem) pontos. em local a ser informado no sítio: www. baseadas nas referências bibliográficas relacionadas no ANEXO 2. 7. 7.5. abrangendo temas das áreas de Parasitologia. Microbiologia. que será realizada nos dias 30/01/2017 e 31/01/2017.ufjf. com peso 2 (dois). o candidato.4. As questões serão baseadas nas referências descritas no ANEXO 2 deste Edital. 7. receberá Certificado de Conclusão do Programa de Residência expedido pela Coordenação de Assuntos e Registros Acadêmicos (CDARA/UFJF).4.4.5. domingo.17 do presente edital. 7.5. em local a ser informado no sítio: www.8 A SEGUNDA ETAPA constará de Prova Teórico Prática. de 8h às 12h e 13h às 16h.5. de 9h às 12h. de 9h às 12h.3 Poderão se inscrever todos aqueles que possuem as profissões ofertadas pelos programas e que possuam registro no Conselho Regional da sua profissão e formandos do último ano ou último período dos cursos de graduação citados anteriormente que concluam o curso até o início do Programa deste edital.2 Processo de Certificação: o residente que tiver sido aprovado e apresentado monografia.5 A PRIMEIRA ETAPA terá peso 8 (oito) e será realizada no dia 08/01/2017.10 A SEGUNDA ETAPA será realizada nos dias 30/01/2017 e 31/01/2017. seguindo as orientações contidas no item 6. O local e horário de realização da segunda etapa serão divulgados quando da publicação do resultado da primeira etapa no sítio: www. Todas as questões têm somente uma resposta certa e cada uma delas vale 2. domingo. 7.4 A Seleção dos candidatos ao Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família do HU-UFJF para o ano de 2017.br/huresidencias. composta de 50 (cinquenta) questões de múltipla escolha relacionadas aos conhecimentos específicos da área profissional do candidato. 7.8 A SEGUNDA ETAPA será realizada nos dias 30/01/2017 e 31/01/2017. deverá preencher com letra legível o modelo de currículo disponibilizado no ANEXO 1 deste edital. 7. receberá Certificado de Conclusão do Programa de Residência expedido pela Coordenação de Assuntos e Registros Acadêmicos (CDARA/UFJF).0 (dois) pontos. baseadas nas referências bibliográficas relacionadas no ANEXO 2.4. o candidato.5 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA 7.0 (dois) pontos. com duração de 02 anos. domingo. 7.5. de 8h às 12h e 13h às 16h.ufjf.0 (dois) pontos. se aprovado. 7. valendo 100 (cem) pontos.5. com duração de 02 anos. com peso 4 (quatro).br/huresidencias. será realizada em 02 (duas) etapas. é reconhecido pela UFJF e autorizado pelo Ministério da Educação e tem como cenários de prática a Rede de Atenção à Saúde local com ênfase no Hospital Universitário da UFJF e Farmácia universitária (para área de Farmácia). composta de 50 (cinquenta) questões relacionadas aos conhecimentos de saúde coletiva e aos conhecimentos específicos da área profissional do candidato.4. Todas as questões têm somente uma resposta certa e cada uma delas vale 2. 7. se aprovado. é reconhecido pela UFJF e autorizado pelo Ministério da Educação e tem como cenários de prática as UAPS de Parque Guarani. Citologia. em local a ser informado no sítio: www. de 9h às 12h.4.5 A PRIMEIRA ETAPA terá peso 8 (oito) e será realizada no dia 08/01/2017. 7.ufjf. 7. que será realizada dia 26/01/2017 e Avaliação do Currículo. 7.5.ufjf.5.4.9 O prazo para recursos para o resultado da 2ª etapa deverão ser entregues à Secretaria da COREMU no dia 03/02/2017. valendo 100 (cem) pontos. valendo 100 (cem) pontos. Hematologia. 7. composta de 50 (cinquenta) questões relacionadas aos conhecimentos de saúde coletiva e aos conhecimentos específicos da área profissional do candidato.11 O prazo para recursos contra o resultado da 2ª etapa deverão ser entregues à Secretaria da COREMU no dia 03/02/2017. Bairro Industrial e Hospital Universitário da UFJF.1 O programa. Constará de uma prova objetiva de caráter classificatório.br/huresidencias.br/huresidencias.

com a ordem de classificação e respectivas notas dos participantes. 7.10 7. Será obedecida a ordem decrescente de classificação pelas notas finais (nota da 1ª etapa + 2 ª etapa). para benefício próprio ou de outrem.3 Poderão se inscrever todos aqueles que possuem as profissões ofertadas pelos programas e que possuam registro no Conselho Regional da sua profissão e formandos do último ano ou último período dos cursos de graduação citados anteriormente que concluam o curso até o início do Programa deste edital. de 8h às 12h e 13h às 16h. seguido da listagem dos excedentes.6. de caráter classificatório.1 Não é permitido ao candidato aprovado a realização de matrícula em mais de um programa de Residência oferecido pela instituição.0 (dois) pontos.2 Em casos de desistência.br/huresidencias. MATRÍCULA: 1ª CHAMADA: Os aprovados deverão comparecer à Secretaria da Comissão de Residências do Hospital Universitário da UFJF.6. no site www. composta de 50 (cinquenta) questões relacionadas aos conhecimentos de saúde coletiva.ufjf. terão o prazo máximo de 01 (um) dia útil para a realização da matrícula. No caso de empate na classificação final.17 do presente edital. é reconhecido pela UFJF e autorizado pelo Ministério da Educação e tem como cenários de prática o Centro de Atenção Psicossocial e Hospital Universitário da UFJF. no período de 13/02/2017 a 22/02/2017. RESULTADO OFICIAL O resultado final do processo seletivo será divulgado no dia 09/02/2017. 7. baseadas nas referências bibliográficas relacionadas no ANEXO 2. 7. b) não apresentar currículo com seus anexos no prazo estipulado. Se ainda assim houver empate.br/huresidencias. serão divulgadas listas de convocação de excedentes. 7. deverá preencher com letra legível o modelo de currículo disponibilizado no ANEXO 1 deste edital. 3º andar sala 437 – Dom Bosco) para a realização da matrícula. 10. Constará de uma prova objetiva. seguindo as orientações contidas no item 6.6. 9. valendo 100 (cem) pontos. o desempate se fará em favor do candidato que obtiver maior nota na primeira etapa. em local a ser informado no sítio: www. se aprovado. via internet. a partir de 16h no sítio: www.6 A SEGUNDA ETAPA terá peso 2 (dois) e constará de Avaliação do Currículo.2 Os candidatos deverão comparecer à Secretaria da Comissão de Residências do Hospital Universitário da UFJF – (Avenida Eugênio do Nascimento. à prova da primeira etapa. Todas as questões têm somente uma resposta certa e cada uma delas vale 2. 8. c) usar de quaisquer meios fraudulentos ou prestar declaração falsa. 7. será realizada em 02 (duas) etapas.4 A Seleção dos candidatos ao Programa de Residência Multiprofissional em Saúde Mental do HU-UFJF para o ano de 2017. s/nº. o desempate se fará em favor do candidato com maior idade. O não comparecimento no período indicado implicará em perda da vaga.9 O prazo para recursos para o resultado da 2ª etapa deverão ser entregues à Secretaria da COREMU no dia 03/02/2017. 7.br/huresidencias. mesmo que já tenha iniciado o Programa.1 O programa.6. no período indicado. seguindo a ordem decrescente de classificação conforme o seguinte cronograma: 2ª CHAMADA Data da divulgação Data da Matrícula 23/02/2017 24/02/2017 .ufjf. 8. domingo.7 Após a primeira etapa. de 9h às 12h. 8. 7.5 A PRIMEIRA ETAPA terá peso 8 (oito) e será realizada no dia 08/01/2017. no período máximo de 30 (trinta) dias após o início do Programa. 10.2 Processo de Certificação: o residente que tiver sido aprovado e apresentado monografia. saúde mental e conhecimentos específicos da área profissional do candidato.6.3 Será imediatamente excluído do processo seletivo o candidato que: a) não comparecer. valendo 100 (cem) pontos.6 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE MENTAL 7.6. No caso de candidatos excedentes que forem convocados. de 8h às 12h e 13h às 16h para realização da matrícula e tomar ciência das providências necessárias à contratação. até o preenchimento das vagas de cada área profissional. será convocado o próximo candidato aprovado. VAGAS 8. o candidato. receberá Certificado de Conclusão do Programa de Residência expedido pela Coordenação de Assuntos e Registros Acadêmicos (CDARA/UFJF). dentro do horário previsto. desde que tenha sido classificado na primeira etapa e não tenha obtido NOTA ZERO nas avaliações que compõem a segunda etapa do processo seletivo.1 Caso haja desistência de algum candidato. 10.6. 7.8 A SEGUNDA ETAPA será realizada nos dias 30/01/2017 e 31/01/2017.ufjf. de caráter classificatório.6. em suas respectivas áreas. Os resultados serão divulgados através de relação nominal dos candidatos em cada etapa.6. com duração de 02 anos.

Comissão de Residência Multiprofissional e em Área Profissional do HU/UFJF Gerência de Ensino e Pesquisa do HU/UFJF/EBSERH Superintendência do HU/UFJF/EBSERH Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa da UFJF . em casos de desistência. as convocações serão feitas pelo site. 10. quaisquer retificações. Os contatos serão dirigidos ao endereço e telefone informados pelo candidato no preenchimento do formulário de inscrição. adendos ou editais complementares do processo seletivo para ingresso no Programa de Residência Multiprofissional e em Área Profissional da Saúde que vierem a ser publicados pela COREMU do Hospital Universitário da UFJF.  2 (duas) cópias do CPF.  1 (uma) cópia do Título de eleitor e comprovante de votação na última eleição.  2 (duas) cópias do Diploma de conclusão do Curso de Graduação (frente e verso).  2 (duas) cópias da Certidão de Nascimento ou Casamento. Para iniciarem as atividades nos programas constantes deste edital. até o dia 31 de março de 2017. autorizado pelo Conselho para o exercício profissional. após o qual os que não se manifestarem ou não forem localizados serão considerados desistentes. mesmo que já tenha se iniciado o Programa. confere direito ao candidato a efetuar a assinatura do contrato bolsa. sendo de responsabilidade exclusiva do candidato a exatidão desses dados assim como possível atualização dos mesmos junto à comissão organizadora após as inscrições.  1 (uma) cópia da Carteira de vacinação atualizada.3 Caso haja desistência de algum candidato. 13.5 Serão exigidos os originais e cópias dos seguintes documentos para assinatura do contrato bolsa:  2 (duas) fotos 3 x 4 recentes.1 Incorporar-se-ão a este Edital. 11. para apresentação imediata. divulgado no dia 09 de fevereiro de 2017.  1 (uma) cópia do PIS/PASEP.  1 (uma) cópia do Comprovante de Inscrição no Conselho Regional de sua profissão.  1 (uma) cópia do Comprovante de estar em dia com o Serviço Militar (candidatos do sexo masculino). no período máximo de 30 (trinta) dias após o início do programa. 12. CASOS OMISSOS Os casos omissos serão resolvidos pela Comissão de Residências Multiprofissionais e em Áreas Profissionais (COREMU) do Hospital Universitário da UFJF. será considerada nula a classificação do aprovado e será convocado o candidato subsequente para a vaga.  1 (uma) cópia da Carteira de trabalho.  1 (uma) cópia do Comprovante de endereço. ou seja. 10.  2 (duas) cópias da Cédula de Identidade. INÍCIO DO PROGRAMA Os Programas de Residência Multiprofissional e em Área Profissional da Saúde terão início no dia 06/03/2017. de acordo com a ordem de classificação. 10. Juiz de Fora. Caso não esteja de posse do mesmo nessa data.6 O foro de eleição competente para dirimir questões relativas ao presente edital será a Justiça Federal de Juiz de Fora.4 Só o RESULTADO OFICIAL. para todos os fins e efeitos. na Secretaria da Comissão de Residências do Hospital Universitário da UFJF. DAS DISPOSIÇÕES FINAIS 13.11 Após 24/02/2016. poderá ser convocado o próximo candidato obedecendo à ordem de classificação. 18 de outubro de 2016. 10. os aprovados deverão entregar o registro do Conselho Regional Profissional.

O Formulário de Avaliação do Currículo deverá ser entregue acompanhado de documentação comprobatória. empresa júnior. No caso de envio via sedex as folhas deverão ser numeradas em ordem crescente. após a conclusão do preenchimento. o número e letra do item correspondente para o qual pleiteia pontuação. 25 .12 ANEXO 1 FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO CURRÍCULO Orientações gerais: 1. o candidato deverá imprimir o resumo do currículo. 2. Caso opte pelo envio por sedex. estágio curricular não obrigatório. programa de educação tutorial. Especificar no canto superior direito do documento. e enviar via SEDEX nos prazos definidos em cronograma. conforme orientações abaixo. Em todos os documentos comprobatórios e/ou cópias enviadas. ligas acadêmicas. anexar os comprovantes. organizada na ordem dos itens deste modelo de currículo com as pontuações já preenchidas pelos candidatos. 3. 6. ou cópia. Todas as páginas constantes desse currículo e documentos comprobatórios e/ou cópias deverão conter assinatura/rubrica do candidato no canto inferior direito. anexar as cópias dos comprovantes e entregar diretamente na Secretaria da Comissão de Residência Multiprofissional (COREMU). Todos os candidatos selecionados para segunda etapa deverão preencher o currículo. projetos de extensão. 2 representação estudantil e em campanhas públicas. Nome do (a) candidato (a): ________________________________________________________________ Quadro geral de pontuação de acordo com os critérios a serem avaliados: Critérios 1 Aproveitamento curricular Pontuação máxima 25 Participação em: programa de monitoria. o candidato deverá destacar com caneta marca texto seu nome.

por equivalência. Aproveitamento curricular O aproveitamento curricular global é entendido como um indicador que resume o perfil do candidato durante sua graduação. Caso contrário. . b) Documento emitido pela instituição de origem com IDENTIFICAÇÃO E ASSINATURA DO RESPONSÁVEL DO ORGÃO COMPETENTE (CDARA . este deverá ser VALIDADO NA INSTITUIÇÃO DE ORIGEM COM ASSINATURA E IDENTIFICAÇÃO DO FUNCIONÁRIO RESPONSÁVEL PELA VALIDAÇÃO.EXIGÊNCIAS PARA OS DOCUMENTOS COMPROBATÓRIOS DO HISTÓRICO ESCOLAR: a) Constar o nome do candidato em todas as páginas. sendo o candidato excluído do processo seletivo. será atribuída nota zero ao currículo. Em caso de transferência no andamento do curso. de 0 a 10. 1. para que seu currículo seja validado. participação em congressos e cursos. 15 5 Experiência profissional na área profissional envolvida. b) Disciplinas sem notas especificadas não serão consideradas.2 – CRITÉRIOS PARA PONTUAÇÃO: a) A pontuação será correspondente as faixas de notas nas escalas de 0 a 100 ou. autenticados. f) DESTACAR NO DOCUMENTO COM CANETA MARCA TEXTO:  Nome do candidato em todas as páginas. e) O candidato que não apresentar histórico escolar válido deverá anexar cópia do diploma de graduação ou do registro no Conselho Regional da profissão. 10 Total 100 1.13 3 Atividades de pesquisa.  Notas iguais ou maiores que o valor da faixa selecionada. c) No caso de histórico emitido pela internet ou com assinatura digital. 20 4 Aprovação em concursos. d) Em caso de transferência. 5 6 Certificados de língua estrangeira. iniciação científica.  Validação da Instituição de origem.1 . é exigido anexar o histórico da faculdade de origem com as notas obtidas nas disciplinas lá cursadas. que englobem metade ou mais do total de disciplinas cursadas (ver instruções abaixo). Serão consideradas faixas de aproveitamento que englobem pelo menos 50% das disciplinas cursadas. 1. caso não estejam discriminadas no histórico atual.UFJF). a nota deve constar do histórico atual ou em documento da instituição de origem.

A comissão de avaliadores analisará esta equivalência com as escalas especificadas para pontuação.INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO: a) Conte o número de disciplinas do seu histórico escolar. No exemplo citado. Ex: 65 disciplinas. A seguir. b) Comece marcando as notas iguais ou acima de 85. Se o número total das disciplinas for ímpar. considere o total das disciplinas cursadas até o momento (ex: 64 disciplinas).a 25 B .3 . com a nota informada. 20 notas na faixa <B> e 30 notas na faixa <C>.0 .14 c) Nos casos de notas por conceitos.00 1.99 e anote na linha correspondente. a seção de ensino da instituição de origem deverá informar a equivalência das notas com a escala de 0 a 100.g>.d 7. e assim por diante. 1. o candidato deverá apresentar cópia do diploma de graduação ou registro profissional para pontuação nas demais seções. e) Quando não for apresentado um histórico válido.00 1.c 10 D .00 e anote o número na linha correspondente. Neste caso.Pelo menos 50% das notas iguais ou superiores a 85. 64 disciplinas com 15 notas na faixa <A> e 20 notas na faixa <B> temos 35 notas acima de 80. podendo ou não aceitá-la.5 pontos. 15 notas na faixa <A>. APROVEITAMENTO CURRICULAR MÁXIMO: 10 pontos No seu Histórico Escolar você obteve: Item Valor A . d) Selecione um dos itens de <1. Na segunda linha. seria o item <1.b 20 C . e) Casos que não se enquadrem nos critérios acima.Pelo menos 50% das notas iguais ou superiores a 80. Se ainda não tiver concluído o curso. arredonde para baixo. será considerado o valor do item <1.00 o que corresponde ao item <1. escreva o número correspondente à metade dessas disciplinas. conte as notas entre 80. na mesma linha na folha do resumo.: aprovado/não aprovado ou suficiente/insuficiente). metade= 32. d) Quando se tratar de somente dois conceitos (ex.e> que corresponda ao seu aproveitamento (no caso do exemplo anterior.f> ou <1. conforme o caso.00 1. Preencher conforme notas constantes do Histórico Escolar Total de disciplinas cursadas Metade do total das disciplinas cursadas Número de disciplinas na faixa de aproveitamento selecionada 1. fazer a soma para verificar onde se situa a metade das notas. por exemplo. c) Após anotar todos os números de notas correspondentes às faixas.00 1.b>) e escreva a numeração da(s) folha(s) com o histórico escolar.Pelo menos 50% das notas iguais ou superiores a 75.00 e 84.a> até <1. incluindo disciplinas optativas ou dispensadas por transferência.b> com valor de 2.Pelo menos 50% das notas iguais ou superiores a 70. não será atribuída pontuação nesta seção. deverão assinalar o item <1.f >.

representação discente e afins – 2.0 pontos PONTUAÇÃO DO CANDIDATO = __________ pontos 2.a = 5.0 ponto.0 G . Observação: I – Duração mínima de um ano ou dois semestres letivos (3.0 pontos (a cada 8h de campanha) c) Para os estágios curriculares não obrigatórios será considerada carga horária mínima de 80 horas. de empresa júnior. Máximo de pontos permitidos neste item = 25.0 pontos (por estágio). b) Atuação em Campanhas Públicas: mínimo de 08 horas = 2.2) acima de 80 horas – 4. em estágio curricular não obrigatório**. ** De acordo com a LEI N .0 pontos. incluindo bolsas de iniciação científica. Máximo de pontos permitidos neste item = 20. simpósios ou seminários como apresentador oral ou pôster = 1. DE 25 DE SETEMBRO DE 2008.15 E .c. em programa de educação tutorial e em representação estudantil e campanhas públicas. * Através de aprovação em processo de seleção e exercício efetivo. 1.a apresentar declaração de orientador ou coordenador. d) Participação em congressos. em empresa júnior.0 ponto.f 1. em projetos de extensão. de programa de educação tutorial (PET) = 5.11.Apenas cópia de diploma de graduação ou registro no conselho 1. pontuando da seguinte maneira: 1.00 1. II – Apresentar comprovação ou certificado de exercício nas atividades de todos os itens e no item 3.e 5. de projeto de extensão.1) 80 horas – 2.g 0. b) Publicação de artigo completo em periódicos = 10. Atividades de pesquisa e iniciação científica: a) Participação em projetos/grupos de pesquisa devidamente registrados da Instituição de Ensino.c. em ligas acadêmicas. de ligas acadêmicas. com os seguintes critérios .0 pontos PONTUAÇÃO DO CANDIDATO = __________ pontos 3.0 pontos.a).0 pontos.0 pontos.Pelo menos 50% das notas iguais ou superiores a 65. c) Publicações em anais de congresso ou publicação em periódicos = 1.0 pontos. d) Para a representação estudantil será considerada a comprovação de participação em diretórios acadêmicos.788.Notas ou conceitos que não se enquadram nos critérios acima 1. Participação em programa de monitoria*.0 pontos PONTUAÇÃO DO CANDIDATO = __________ pontos .0 profissional Máximo de pontos permitidos neste item = 25.Pontuação única para o item 3. a) Para cada semestre letivo de efetivo exercício de monitoria.0 F .

. obrigatoriamente.0 pontos b. 6.0 pontos c) Participações em congressos na área: 0..2) Curso de Aperfeiçoamento (mínimo de 180 horas para cada curso) = 5... O nível declarado deverá ser comprovado por documentos definidos abaixo: a) Língua Inglesa / outro idioma: Fluência oral e escrita comprovada com testes reconhecidos = 10.1.. não podendo haver somatório de diferentes línguas para a pontuação.0 pontos b) Experiência profissional acima de 06 meses = 5..3) Certificados de instituições de ensino em países estrangeiros..1) Cursos de Atualização Profissional.. .0 pontos PONTUAÇÃO DO CANDIDATO = __________ pontos *** Registrada e comprovada em carteira de trabalho ou profissional..0 pontos Máximo de pontos permitidos neste item = 5..0 pontos (por concurso) b) Participações em cursos na área profissional envolvida: b.2) Certificados de instituições de ensino que comprovem nível AVANÇADO de inglês ou outras línguas..1) Certificados de aprovação em teste de fluência na língua estrangeira de reconhecimento internacional....3) Curso de Especialização (mínimo de 360 horas para cada curso) = 10. endereço e telefone. especificando o período no qual realizou estudos com duração total mínima de 360 horas e no mínimo 6 semestres e cópia do passaporte com o visto de estudante. .Número do certificado emitido..0 ponto (por curso) Acima de 40 horas .0 pontos a.. Certificados de língua estrangeira: ***Será considerada somente uma opção para língua estrangeira. CNPJ.. os seguintes dados da instituição: nome..Nota ou conceito obtido no teste.....16 4.5 pontos (por curso) b... obrigatoriamente. participação em congressos e cursos: a) Aprovações em concursos na área profissional envolvida = 3... Até 20 horas .5 ponto (por congresso) Máximo de pontos permitidos neste item = 15 pontos PONTUAÇÃO DO CANDIDATO = __________ pontos 5. Aprovação em concursos.... contendo. Experiência profissional na área envolvida***: a) Experiência profissional de até 06 meses = 2. a.. as seguintes informações: .. a....0..1.5 ponto (por curso) Acima de 20 horas até 40 horas . contendo..

Disponível em: http://www.htm BRASIL. v.0 pontos Máximo de pontos permitidos neste item = 10.gov.scielo. n.17 b) Língua estrangeira / outro idioma: Certificados de instituições de ensino que comprovem nível intermediário de inglês ou outras línguas.br/pdf/sdeb/v39nspe/0103-1104-sdeb-39-spe-00028. Decreto nº 7. 28-38. endereço e telefone. Ana Luiza d’Ávila.br/CCIVIL/LEIS/l8080. Senado Federal. [online]. os seguintes dados da instituição: nome.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902004000300003&lng=pt&nrm=iso BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: Texto promulgado em 05 de outubro de 1988. Da Seguridade Social Seção II. = 5. Pontuação final = _____________ pontos ____________________________________________________________________ Assinatura do (a) candidato (a) ANEXO 2 REFERÊNCIAS DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL E EM ÁREA PROFISSIONAL DA SAÚDE 1) PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM FARMÁCIA 1.br/CCIVIL/LEIS/l8142. Saúde soc.br/scielo. Disponível em: Lei 8080: http://www. Regulamenta a Lei no 8. Da Saúde. especial. de 19 de Setembro de 1990.1) SAÚDE COLETIVA (conhecimentos gerais) ALBUQUERQUE. Brasília. Perspectivas de região e redes na política de saúde brasileira. n.pdf BRASIL.0 pontos c) Língua Inglesa / outro idioma: estudos em nível básico (certificados de conclusão de curso) = 2. dez 2015.htm BRASIL. Lei nº 8. Rio de Janeiro. p. Brasília. obrigatoriamente. 16-29.10.gov.scielo.080.planalto.13. José Ricardo de Carvalho Mesquita.142. de 28 de dezembro de 1990 (Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde – SUS e sobre as transferências de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências). 2004.senado. CNPJ. Disponível em: http://www. vol. Lei nº 8. os modos de ser (do) humano e as práticas de saúde. de 19 de setembro de 1990. 39. Disponível em http://www.gov. O cuidado. ou inglês instrumental do programa de popularização de língua estrangeira da Universidade Federal de Juiz de Fora e semelhantes. pp.pdf AYRES.3.0 pontos PONTUAÇÃO DO CANDIDATO = __________ pontos 7.br/sf/legislacao/const/con1988/CON1988_05.508. de 28 de junho de 2011. VIANA. contendo. Título VIII Da ordem Social – Capítulo II.080. Congresso Federal. . Mariana Vercesi. Disponível em: http://www. Saúde Debate.planalto.1988/CON1988.

Saúde. M. 6. F.18 para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde .G. 677p. Diário Oficial da União. Diário Oficial da União. 2003. Ministério da Saúde. F. 2011. Lei Federal n. DE 29 DE ABRIL DE 2014. H. ALLEN. fortalecimento e aprimoramento das ações e serviços de farmácia no âmbito dos hospitais. Seção 1. CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA. Página 136). de 17 de agosto de 2009. 2009. de 8 de agosto de 2014. Artmed: Porto Alegre. BRUNTON.Comunic.. Regula a prescrição farmacêutica e dá outras providências.RDC Nº 22. 2012.13. Lei Federal n.2) FARMÁCIA AMARAL. Resolução da Diretoria Colegiada – RDC nº 44. W.E. H. M. ed. 775p. 12ª ed. 2ª ed. Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde. BARROS. J. de 30 de março de 2007. Interface . 2ª Ed. processos e casos práticos. Ansel. RESOLUÇÃO nº 586 de 29 de agosto de 2013. Seção 1.991. BRASIL. 2007. Atenção Farmacêutica. p. FERRACINI. M. Organização Jurídica da Profissão Farmacêutica. DF.. o planejamento da saúde. DF. BRASIL. A.pdf 1..360. 5. Seção 1. a assistência à saúde e a articulação interfederativa. VILELA. 13. MARTÍNEZ-MARTÍNEZ. 2008. P. A Política Nacional de Humanização como política que se faz no processo de trabalho em saúde. Portaria Nº 4. 94. Disponível em: http://www. AULTON. Resolução da Diretoria Colegiada/ANVISA Resolução RDC nº 87. BRASIL. Educ. v. Lei Federal n. 2008. MUNOZ. de 23 de setembro de 1976.br/pdf/icse/v13s1/a12v13s1. Popovich. (Publicada no DOU de 26/09/2013. supl. Maria Elizabeth Barros. F. N. Goodman & Gilman: As bases farmacológicas da terapêutica. São Paulo: RCN. e dá outras providências. Resolução da Diretoria Colegiada/ANVISA Resolução RDC nº 67. de 30 de dezembro de 2010. CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA. Brasilia. L. São Paulo: McGraw Hill. 73.planalto.603-13.021. C. Serafim Barbosa. A. BRASIL. M..htm SANTOS FILHO. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. de 17 de dezembro de 1973.gov.. p. revoga a Resolução de Diretoria Colegiada nº 27. 6ª. L. et al. RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA . BRASIL.V. Brasilia. L.1. BRASIL.. Juiz de Fora: UFJF. de 21 de novembro de 2008. BRASIL.scielo. Controle de qualidade em farmácia de manipulação. Portaria n. P. Aprova as diretrizes e estratégias para organização. CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA. Prática farmacêutica no ambiente hospitalar: do planejamento à . 29 de abril de 2014. 8ª ed.. Disponível em: http://www. Brasília: CFF. p. Artmed: Porto Alegre. M. Formas Farmacêuticas e Sistemas de Liberação de Fármacos. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RESOLUÇÃO nº 585 de 29 de agosto de 2013.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/D7508. Delineamento de Formas Farmacêuticas. Regulamenta as atribuições clínicas do farmacêutico e dá outras providências.SUS. BRASIL. GOMES. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados – SNGPC. DADER. Conceitos..31 de dezembro de 2010b. e dá outras providências. de 08 de outubro de 2007. 344/1998 da Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde. T. BRASIL. (Publicada no DOU de 25/09/2013. Página 186). BORGES FILHO. Rafael da Silveira. Seção 1.. P.283. Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

T. S. N. MORGADO.. Da Seguridade Social Seção II. 1992. MIRANDA. N. para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde . Editora Atheneu.. C. MORGADO. Rio de Janeiro: OPAS/OMS. J.SUS. T. o planejamento da saúde. ALVES. set. Mariana Vercesi.scielo. Abrasco. GOMES. n... R.S. KOROLKOVAS. Técnica Farmacêutica e Farmácia Galênica. T. de 28 de junho de 2011. Kaneko. Disponível em: http://bibliotecadigital. M. 2010. São Paulo: Atheneu.080. vol. M. M.1988/CON1988. Regulamenta a Lei no 8..M. J. GRABOIS. Constituição da República Federativa do Brasil: Texto promulgado em 05 de outubro de 1988.planalto. 2010. Disponível em: http://www. 2. F. A. MORGADO.1.br/dspace/bitstream/handle/10438/1053/1431. Assistência farmacêutica para gerentes municipais. O cuidado. dez 2015. NELLY. Porto: Fundação Calouste Gulbenkian. Saúde Debate. M. I SÁ.br/CCIVIL/LEIS/l8142. Correlatos e Cosméticos. v. os modos de ser (do) humano e as práticas de saúde. 2013. R. São Paulo: Atheneu. v.. A. 2ed.. CAMARGO. especial. C. A. M. [online]. Planejamento e Gestão. BATISTUZZO. N. Atheneu: São Paulo.ensp. A. Técnica Farmacêutica e Farmácia Galénica. PINTO. Lei nº 8.br/sf/legislacao/const/con1988/CON1988_05. M.508. Rio de Janeiro.gov. pp. ANSEL. 39. M. Caminhos da organização e gestão do cuidado em saúde no âmbito hospitalar brasileiro. Disponível em: http://www.C.10. 4ª Ed. A. L. 2003. 28-38. 2014. 2004. Perspectivas de região e redes na política de saúde brasileira. a assistência à saúde e a articulação interfederativa. Ensaios em economia da saúde. Senado Federal. Disponível em: . A. e dá outras providências. Congresso Federal. A. PRISTA. 2000. POPOVICH.gov.php?script=sci_arttext&pid=S0104 12902004000300003&lng=pt&nrm=iso BRASIL.Uma abordagem em farmácia hospitalar. M. 2ª ed. ALVES. M.. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. Controle Biológico de Qualidade de Produtos Farmacêuticos. LOYD V.080. São Paulo. R.fiocruz. ALLEN JR. Ana Luiza d’Ávila.13. 804p.senado. de 19 de Setembro de 1990. Formas Farmacêuticas & Sistemas de Liberação de Fármacos. M. v. Disponível em: http://www.142.htm BRASIL. R. L. Controle Biológico de Qualidade de Produtos Farmacêuticos. M. 1991. R. n. Título VIII Da ordem Social – Capítulo II. Decreto nº 7.V. R. OHARA. Disponível em: http://www. v. Da Saúde. 3. V. A. V. ALVES. 3ª ed.. de 19 de setembro de 1990. C. José Ricardo de Carvalho Mesquita. T. Editora Atheneu.1. PRISTA. Disponível em: http://www..pdf ANDRADE. M. Brasília. .F. REIS. HOWARD C.scielo.. NICHOLAS G..br/repositorio/resource/354463 AYRES.pdf BRASIL. 4ª ed. p.br/CCIVIL/LEIS/l8080. 1.gov. 2003. 9ª ed. Pinto. Fundamentos de Toxicologia. 3ª ed. Rio de Janeiro: EPGE-FGV.br/scielo. PINTO.. F. 1990. 2000. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.1-34..planalto. São Paulo: Editora Artmed.19 realização.. L. Saude soc. de 28 de dezembro de 1990 (Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde – SUS e sobre as transferências de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências). p.J.. 12ª ed. Porto: Fundação Calouste Gulbenkian. A. Lei nº 8. OGA.pdf?sequence=1 AZEVEDO.fgv. T. v. 2010.A.. 16-29. M. FRANÇA. São Paulo. Política. KANEKO. Dicionário Terapêutico Guanabara 2005-2006. Brasília.3. 2005.. Técnica Farmacêutica e Farmácia Galénica. Et al.O. 2) PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM GESTÃO HOSPITALAR ALBUQUERQUE. C. VIANA. C. PRISTA. A. Correlatos e Cosméticos.htm BRASIL. L.br/pdf/sdeb/v39nspe/0103-1104-sdeb-39-spe-00028. Disponível em: www6. M.. n.. 4ª ed. Ciências Farmacêuticas . J.

doi.B.ipea. Disponível em: http://www. n. Gestão Pública e a relação público privada na saúde. 2007. AMARANTE. em LIMA. Comunic.idisa.abc.S. Disponível em: http://dx. Educ. Saúde Pública. As redes de atenção à saúde: revisão bibliográfica.19.A. Caracterização gerencial dos hospitais filantrópicos no Brasil. VIEIRA. Disponível em: www. v. Disponível em: www.1590/S141381232002000200012.D.org.. Saúde Pública.W..L. R. Disponível em: http://dx. J. Gestão Pública e a relação público privada na saúde.S.org/10.1590/S1676-56482002000200002.pdf SANTOS. Rio de Janeiro. J.10. 549p. CARVALHO.pdf SANTOS. 2011. Rio de Janeiro. Saúde. 20.pdf PAIM. F. Brasília. Ciênc. VIANNA. 2010. org. 2013. V. H. JOUVAL JR. Rio de Janeiro.603-13.. C.. 2011.Comunic. Disponível em: http://dx. 4. BARROS. 11. C.F. Ciênc.E. SANTOS. A regulação pública da saúde no Estado brasileiro – uma revisão. Mais saúde (PAC Saúde) e as políticas sistêmicas de investimentos setoriais. Adm. L. 6. Saúde soc. conceitos e elementos constitutivos. E.n. Rio de Janeiro: CEPESC: IMS/UERJ: ABRASCO.1. Interface . Rio de Janeiro: CEBES. Disponível em: http://dx. fundamentos. E.7.. 12. n. GOMES. Oct.M.C.R. T.1590/S1678-69712010000600004. Disponível https://www. The Lancet. Disponível em: http://dx.S. G.C. In. Novos modelos da administração pública da Saúde.org.scielo.pdf. Saúde Coletiva.1590/0102-311X00099513 PIOLA.C. As redes de atenção à saúde.org/10. P. ALMEIDA.pdf FERREIRA. p. 2010. p. org. 2009.. 2004.org/10.D.6. LOPES. RAE electron. RAM. A Constituição Cidadã e os 25 anos do Sistema Único de Saúde (SUS).n.. R. E. AMARANTE.M..1590/S0102-311X2004000500019.M. M.22 jan/mar.doi.br/IMG/pdf/doc574.doi. Disponível em: http://www. Estudo e parecer sobre a PEC 241/2016. 2010.scielo.idisa.. jan/jun 2006. P. vol. 29(10):1927-1953. MENDES. MENDES.24 no. M. n. Cad. Disponível em: http://dx. Interface Comunic..conass.gov. técnica e formação: as razões do cuidado como direito à saúde.org/10. v.br/img/File/GC-2010-RL-LIVRO%20CEBES-2011.V.25-41.F.org. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde.br/pdf/Redes_de_Atencao. K. Saúde no Brasil.br/pdf/icse/v10n19/a03v1019. Romeu. Avaliação do atual modelo da gestão pública do SUS quanto ao financiamento público na saúde. F. 5. maio.cqh.planalto. Disponível em: www. 2. v. C. A organização do abastecimento do hospital público a partir da cadeia produtiva: uma abordagem logística para a área de saúde. out.. conhecimento: o complexo médico-industrial. S. Ética. São Paulo.. Educ.. 2.D. org.doi.2 São Paulo Apr. M.php?option=com_content&view=article&id=5329:economia-da-saude-conceitose-contribuicao-para-a-gestao-da-saude&catid=291:1995&directory=1 SANTOS FILHO.B. saúde coletiva.M. v. supl. L.br/img/File/GC-2010-RL-LIVRO%20CEBES-2011. n. Mackenzie (Online). M. A Política Nacional de Humanização como política que se faz no processo de trabalho em saúde.php?Ndoc=233 LIMA. E. et al . In SANTOS..doi. CAMPOS.gov.org.20 http://www. Saúde. Disponível em: http://www.C. GURGEL JR. TRAVASSOS. Aug. Dec. v.C.. L.V. Disponível em: http://dx. (organizadores). Saúde. MERHY. N. O sistema de saúde brasileiro: história. GARCIA... RIBEIRO. outubro de 1995. INFANTE. S. 2002.org/10.org/10. VIEIRA.br/pdf/icse/v13s1/a12v13s1. Disponível em: www.1590/S0104-12902015000200004 . S. J. São Paulo.. avanços e desafios. Rio de Janeiro: CEBES. Medicalização.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/D7508. 1.org/10. LIMA-GONÇALVES. Condicionantes internos e externos da atividade do hospital . S. E. MACINKO.pdf KARNIKOWSKI. BAHIA.13.B. P. Disponível em: www. Rev. São Paulo. Economia da Saúde: Conceitos e Contribuição para a Gestão da Saúde./June 2015. 2004. 256p. Qualidade total e administração hospitalar: explorando disjunções conceituais. A. In PINHEIRO. R.com/wp content/uploads/2016/08/RomeuKarnikowskiPEC241Desigualdade. v.br/portal/pag/doc. v.htm CAMARGO JR.. Cad. E.pdf PAIM. Relações de poder e decisão: conflitos entre médicos e administradores hospitalares.S. 2010.. R.. RAS.org. In SANTOS.doi.Dec. G.C. SUS Brasil: a região de saúde como caminho. Educ.doi.empresa.S.br/portal/index. G. 2002.E.1590/S1413-81232007000400016.leitequente.

br/IMG/pdf/doc-574. In SANTOS.080. B.1) SAÚDE COLETIVA (conhecimentos gerais) ALBUQUERQUE.gov. maio. M. C.planalto.. Título VIII Da ordem Social – Capítulo II. Disponível em: www6. Planejamento e Gestão. Disponivel em http://www. Política.pdf AZEVEDO. a assistência à saúde e a articulação interfederativa. 2004. MONTEIRO.SUS. 2010. Congresso Federal. A.idisa. 256p.pdf 3) PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DO ADULTO COM ÊNFASE EM DOENÇAS CRÔNICO DEGENERATIVAS 3.pdf SCHMIDT.D. BASTOS.C.1. G.gov. C.br/IMG/pdf/doc-574. AMARANTE. org. L. O cuidado. REICHENHEIN. L.1988/CON1988. p. R. José Ricardo de Carvalho Mesquita.htm BRASIL. n.html 2014. Decreto nº 7. P..ensp. p.M.. Da Seguridade Social Seção II. Determinantes Sociais na Saúde na Doença e na Intervenção. de 11 de novembro de http://bvsms. Da Saúde. Disponível em: www. Rio de Janeiro: CEBES..idisa. Condições de saúde e inovações nas políticas de saúde no Brasil: o caminho a percorrer.A. Gestão Pública e a relação público privada na saúde. o planejamento da saúde.C.S. 39.13. SILVA. Perspectivas de região e redes na política de saúde brasileira.br/pdf/sdeb/v39nspe/0103-1104-sdeb-39-spe-00028. Disponível em: http://www. C.br/CCIVIL/LEIS/l8080.. P. LOPES. DUNCAN.I. P. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ/CEBES.C.org.br/scielo. BARROS. n. & the Lancet Brazil Series Working Group. MENEZES.br/img/File/GC-2010-RL-LIVRO%20CEBES-2011. R.G. K. C.N. MENEZES.. set.gov.L. BAHIA.htm CAMARGO JR.planalto. Disponível em: http://www.. M. 2011. 2010. v.pdf .A.R. 2010. Caminhos da organização e gestão do cuidado em saúde no âmbito hospitalar brasileiro. Disponível em: www. P.C.141-166. LEAL. Brasília.pdf BRASIL. org. Ética.. CARVALHO. GRABOIS.. 2010. org.. Saúde soc. I. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: carga e desafios atuais. In: GIOVANELLA.. Saúde no Brasil.446. Gestão Pública e a relação público privada na saúde. Abrasco. BARRETO. os modos de ser (do) humano e as práticas de saúde.org. p. de 28 de dezembro de 1990 (Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde – SUS e sobre as transferências de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências).senado. Rio de Janeiro. http://www. SCHMIDT.B.142. Lei nº 8. Rio de Janeiro: CEBES. T. C. BUSS. M.scielo. 28-38...1-34. M.. maio. Saúde Debate. A.S. Políticas e Sistemas de Saúde no Brasil.10.C. VIANA.080. dez 2015.3.I. In SANTOS. I. MONTEIRO.. Saúde no Brasil. 2011. D. Mariana Vercesi.br/repositorio/resource/354463 AYRES. de 19 de setembro de 1990.. para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde . V.saude. The Lancet.abc. Brasília. 16-29. In PINHEIRO. Senado Federal.. v.S.. Ana Luiza d’Ávila.htm BRASIL. [online].scielo. L.508. AMARANTE. Disponível em: BRASIL. Portaria nº 2. especial.php?script=sci_arttext&pid=S0104 12902004000300003&lng=pt&nrm=iso BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: Texto promulgado em 05 de outubro de 1988. Regulamenta a Lei no 8. TRAVASSOS. conhecimento: o complexo médico-industrial. e dá outras providências. The Lancet. Disponível em: www.br/CCIVIL/LEIS/l8142.21 SANTOS. Disponível em: http://www.gov. et al.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/D7508. R.D.. técnica e formação: as razões do cuidado como direito à saúde. M.A.org. C.1.fiocruz. Rio de Janeiro: CEPESC: IMS/UERJ: ABRASCO. PAIM.. 2008.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt2446_11_11_2014. ALMEIDA. Lei nº 8. MIRANDA. CHOR. M.org.I.pdf VICTORA. M. vol. R. de 19 de Setembro de 1990. Avaliação do atual modelo da gestão pública do SUS quanto ao financiamento público na saúde. F.planalto. pp. CARVALHO. n. BARRETO.br/sf/legislacao/const/con1988/CON1988_05. Disponível em: Lei 8080: http://www. Administração pública e a gestão da saúde. J.abc. S. Disponível em: www.br/img/File/GC-2010-RL-LIVRO%20CEBES-2011. SÁ. G. Medicalização. de 28 de junho de 2011. F.gov. I.C.

G. F. A. 14 out. In SANTOS.. SCHMIDT. Disponível em: www. LOPES. 3ª edição. Ética. F. Rio de Janeiro: CEPESC: IMS/UERJ: ABRASCO.D. maio. S. Disponível em: www. de 07 de dezembro de 2004. 2013 BRASIL. DE CARLI.D. Disponível em: http://dx. Ministério da Saúde. A.N. LEAL. M. Educ.A. PAIM.scielo. J.C. R. MONTEIRO. Brasília. 2013.pdf 3.L. TRAVASSOS. M. FERNADEZ. D. Rio de Janeiro: CEBES.. A regulação pública da saúde no Estado brasileiro – uma revisão. Gestão Pública e a relação público privada na saúde. C. E..br/pdf/icse/v13s1/a12v13s1. Interface . C. Brasília. L.br/pdf/Redes_de_Atencao. 2010. MACINKO.doi.. H.. FERREIRA. SUS Brasil: a região de saúde como caminho. L. MENDES. S.scielo. R.. M. L. . Educ. P. 2010..org. Hematologia Laboratorial: Teoria e Procedimentos.I. G.. Rio de Janeiro.1590/0102-311X00099513 SANTOS FILHO. Ministério da Saúde.. 2011. M. BAHIA.br/img/File/GC-2010-RL-LIVRO%20CEBES-2011.. Disponível em: http://www. G.. avanços e desafios. Bioquímica Clínica.V. org.pdf PAIM. A.B. H. 2005. ÁVILA. técnica e formação: as razões do cuidado como direito à saúde. A.A. org. Rio de Janeiro. Disponível em: www. no. v. MENEZES.. p. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde.br/IMG/pdf/doc-574.. Dispõe sobre Regulamento Técnico para Funcionamento de Laboratórios Clínicos.W. conceitos e elementos constitutivos..doi. Diagnóstico Laboratorial das Principais Doenças Infecciosas e AutoImunes. A construção do ato de cuidar no espaço da formação em saúde.C. BASTOS.H. B. S.pdf KOIFMAN. Rio de Janeiro: Guanabara. CAMPOS. 2001. Saúde. Condições de saúde e inovações nas políticas de saúde no Brasil: o caminho a percorrer. J. 10 dez. The Lancet.S.. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: carga e desafios atuais. MERHY. M.. p.G. TRAVASSOS. M. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde. Artmed Editora. SILVA.. Elsevier. RDC nº 306. BAHIA. AMARANTE. E. Apr.A. 2011. maio. MENEZES. R. Poder Executivo.. B. MONTEIRO. Mais saúde (PAC Saúde) e as políticas sistêmicas de investimentos setoriais. D.2. Disponível em: www.S.. As redes de atenção à saúde: revisão bibliográfica. A Política Nacional de Humanização como política que se faz no processo de trabalho em saúde.. Saúde. In. CHOR.conass. 2008. ALMEIDA. fundamentos..abc.V. A.abc. maio. C.1.C. LICHTMAN.10. 2011. 2013.idisa. 2009. 256p.24. e PILLAI. C.C. MENDES.pdf PAIM. E.C.S. out. Disponível em: www.. GOMES.13. & the Lancet Brazil Series Working Group. A Constituição Cidadã e os 25 anos do Sistema Único de Saúde (SUS) Cad. P.. supl.. R. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil... Administração pública e a gestão da saúde. In SANTOS.. L.org. O sistema de saúde brasileiro: história. E..br/pdf/icse/v10n19/a03v1019./June 2015.br/IMG/pdf/doc-574.19.pdf VICTORA.org. P. Seleção de Métodos e Técnicas de Laboratórios para o Diagnóstico das Parasitoses Humanas. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Imunologia Básica. Interface Comunic.abc. C. et al. 549p. In PINHEIRO. P. BRASIL. J. 2ª edição. J. E.org. São Paulo. REICHENHEIN.. 2004. BARRETO. 2010. Saúde no Brasil. DUNCAN. Disponível em: http://dx. Parasitologia Clínica. C. ALMEIDA.22 JOUVAL JR.pdf SANTOS. W. S. Educ. BARROS. P. Rio de Janeiro: Guanabara. n. Gestão Pública e a relação público privada na saúde. Rio de Janeiro: CEBES.. M.br/img/File/GC-2010-RL-LIVRO%20CEBES-2011. BARRETO. Saúde. S. org. São Paulo: Atheneu. Disponível em: www. Saúde soc. 4ª edição. Saúde Pública.org.M.R. B.603-13. GAW.I. Saúde no Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. C... AMARANTE.br/IMG/pdf/doc574.idisa. Disponível em: http://www.. vol. Comunic.1590/S0104-12902015000200004 SANTOS.pdf SCHMIDT. The Lancet.org. BARROS. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. L. T.A. 2011.25-41. 2ª edição.. RIBEIRO.I.. v. 29(10):1927-1953. As redes de atenção à saúde.. Saúde no Brasil.pdf SANTOS. et al. Poder Executivo.org/10. L. The Lancet. M.Comunic. F. C. RDC nº 302 de 13 de outubro de 2005. E. 2016. DA SILVA. S. V. jan/jun 2006.2) ANÁLISES CLÍNICAS ABBAS. E.org/10.K.

1. v. W. 12ª edição. E. ZAGO..2v.1) Gestão da fase analítica do laboratório: como assegurar a qualidade na prática / organizadoras. v. A. 3ª edição. São Paulo: Atheneu. Diagnósticos Clínicos e Tratamento por Métodos Laboratoriais. LIMA. RODRÍGUEZ-ESCUDERO JP. C. Maria Elizabete Mendes. – Barueri.1. Rio de Janeiro: ControlLab. et al.ed. FALCÃO. 19 cm. Parasitos e Doenças Parasitárias do Homem nos Trópicos Ocidentais. 2009. et al. SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. Hematologia. OLIVEIRA.3) HENRY. 19 cm. São Paulo: Livraria Médica Paulista Editora. p.e DI LORENZO. 148p. SERRA S.23 Gestão da fase analítica do laboratório: como assegurar a qualidade na prática / organizadoras. NEGRÃO C. Manole. (Como assegurar a qualidade na prática. ed.R. p. São Paulo. 2010.ed. 1ª edição. Cardiologia do Exercício: do Atleta ao Cardiopata. BERG J. 3. Recomendações da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial para coleta de sangue venoso. n. 2008. São Paulo: Manole. 2010.ed. 2. ARAUJO CG. ZEBALLOS PC. STRASINGER. SP. 2014. 2011. P. NEVES. A. 2011. (Como assegurar a qualidade na prática. Procedimentos Básicos em Microbiologia Clínica.. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. J.. A. S. Nutrição e Desempenho Humano. Consenso Sul-americano de prevenção e reabilitação cardiovascular.B. O. 2010. Rio de Janeiro: Medsi. PASQUINI. 5ª edição. Carla Albuquerque de Oliveira. São Paulo: Atheneu. 6º ed. Rio de Janeiro: Guanabara. 1ª reimpressão.3) EDUCAÇÃO FÍSICA McARDLE W. 1ª. 3º ed.. Carla Albuquerque de Oliveira. L. BARRETTO A. Fundamentos e Prática.S. R. STRYER L. 2011. Parasitologia Humana. 1-31. . 1-64. C. Uroanálise & Fluidos Corporais. (Como assegurar a qualidade na prática. D. 144p. Barueri. 17.. 2004. São Paulo: Sarvier. D. 2008. São Paulo: Premier Ltda. v.. BURDIAT G.2) Gestão da fase analítica do laboratório: como assegurar a qualidade na prática / organizadoras. v. I. et al. Rio de Janeiro: Guanabara. 8ª edição. FERNÁNDEZ R. R. M. P. 2013. Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial. STEIN R. 2007. 6ª edição. ANCHIQUE CV. SP . 2010..184p. Carla Albuquerque de Oliveira. et al. KONEMAN. Rio de Janeiro: ControlLab. 2001. Hemograma: como fazer e interpretar. et al. 2014. 2012.. A.. Maria Elizabete Mendes. LÓPEZ-JIMÉNEZ F. R. 103. 1. Recomendações da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML):coleta e preparo da amostra biológica.: il. L. GONZÁLEZ K. Rio de Janeiro. E. v. Métodos de laboratório Aplicados à Clínica: Técnicas e Interpretação. KATCH V. Fisiologia do Exercício: Energia. MILANI M. HERDY AH. P. P. 2011. 2010. Guanabara Koogan. Maria Elizabete Mendes 1. Departamento de Hipertensão Arterial. MARTINS.: il. GONZÁLEZ G. 4ª edição. G. OPLUSTIL. KATCH F.. ILARRAZA-LOMELÍ H. 21ª edição.. Arquivos Brasileiros de Cardiologia.. TYMOCZKO J. TERZIC CP.Rio de Janeiro: ControlLab. n. Rio de Janeiro: Guanabara. L. M. Revista Brasileira de Hipertensão. K. Diagnóstico Microbiológico: texto e atlas colorido. REY. Bioquímica Fundamental. M. CARVALHO T. SANTIBÁÑEZ C.

2006. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas de Utilização das Soluções Parenterais (SP) em Serviços de Saúde. 1a ed. p. 2014.O. L. Secretaria de Atenção à Saúde. – 2. M.Brasília . Departamento de Atenção Básica. Protocolos de Complexidade Diferenciada). Ministério da Saúde. A. HIV/Aids. Normas e Manuais Técnicos). conforme o disposto no Regulamento Sanitário Internacional 2005 (RSI 2005). BRASIL. BRASIL. 46-51 . – (Cadernos de Atenção Básica. Política Nacional de Humanização. Departamento de Atenção Básica. (Cadernos de Atenção Básica.. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. 2014. Diretrizes brasileiras de obesidade 2009/2010/ABESO: secondary title: São Paulo: AC Farmacêutica.. OLIVEIRA. de 12 de março de 2003. Ministério da Saúde. Define as terminologias adotadas em legislação nacional. Brasília. DF.. E. Ministério da Saúde. Poder Executivo. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde. Institui a Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Disponível em: BRASIL. 2012. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde. 64 p. agravos e eventos em saúde pública de notificação compulsória em todo o território nacional e estabelece fluxo. N. Textos Básicos de Saúde. D. Atualização da Diretriz brasileira de insuficiência cardíaca crônica-2012. GODOY-MATOS. Portaria GM nº 485. D. BRASIL. Secretaria de Atenção à Saúde. GUEDES. Departamento de Atenção Básica. 98. Ministério da Saúde. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. 1. 2. Série B. OLIVEIRA FILHO.. n. ed. Secretaria de Atenção à Saúde. 1ª edição. (Cadernos de Atenção Básica..823. A. 84. 2006. Ministério da Saúde. n. Secretaria de Atenção à Saúde. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. BRASIL. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica. Secretaria de Atenção à Saúde. Seção I. p..Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília: Ministério da Saúde.. n.. 2004. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. D. 2011. 76 p. F. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD). A. Departamento de Atenção Básica. . Secretaria de Atenção à Saúde. Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. 35) – 2014. 3. Secretaria de Vigilância em Saúde.DF. 2015.128 p. 1. DAHER. sexta-feira.. de 23 de agosto de 2012. DF. Brasília. p. Ministério da Saúde. 2003. J. responsabilidades e atribuições aos profissionais. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. n. – Brasília: Ministério da Saúde. BRASIL. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: diabetes mellitus. 1-41. 2005. São Paulo: AC Farmacêutica. 2013.. MARCONDES-BRAGA. Diretriz em Cardiologia do Esporte e do Exercício da Sociedade Brasileira de Cardiologia e da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte.:il.. v. 1-33. 3.Ano CXLIX Nº 165. BRASIL. Portaria GM nº 104. I. a relação de doenças. RDC nº 45. págs. R. hepatites e outras DST. Ministério da Saúde. 2013. 2009. GHORAYEB. Ed. ALBUQUERQUE.160 p.. F. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Portaria nº 1. BRASIL. J. . I Diretriz Brasileira de Diagnóstico e Tratamento da Síndrome Metabólica. BACAL. Brasília: Ministério da Saúde. Ministério da Saúde. OLIVEIRA. 2013. M.. E. 2013. Disponível em: BRASIL. Exposição a materiais biológicos. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. Secretaria de Atenção à Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde. (Cadernos de Atenção Básica. Dengue: manual de enfermagem. 100. Brasil. Ministério da Saúde. 320p. de 11 de novembro de 2005 – Norma regulamentadora 32. 36). 18) (Série A. 13 mar.: il. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. CASTRO. 3-28. 37). Ministério da Saúde. COSTA. critérios. : il. v. RODRIGUES.: il Brasil. 2005. Normas e Manuais Técnicos) (Saúde do Trabalhador. n. LOPES.. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes: 2013-2014. – (Série A. de 25 de Janeiro de 2011..24 BOCCHI. Ministério do Trabalho. A.162 p. Brasília. Rio de Janeiro: Diagraphic. Ministério da Saúde. MANCINI. BRASIL. Manual de cuidados paliativos. D. FERRAZ.: il. v. CARRARO.U. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica.4) ENFERMAGEM Academia Nacional de Cuidados Paliativos (ANCP). Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. 24 de agosto de 2012.

Abordagem interdisciplinar no tratamento de feridas. 677p. 2003. BORGES. Porto Alegre: Artmed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.E. Atheneu. Departamento de Vigilância Epidemiológica. São Paulo (SP): Edições Loyola. Delineamento de Formas Farmacêuticas. Fensterseifer LM. Rev. OLIVEIRA.)2011 jul-set. – Brasília. 2007. 6. Ministério da Saúde. D. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. H. il. L. Tradução de Regina Machado Garcez. 15 (3):629-632. AULTON. P. Enfermagem [online].360. USP. 2012. 12ªed. Diagnósticos de Enfermagem – Aplicação à Prática Clínica. BRASIL. 1986. Brunner. 236 p. A. de 08 de outubro de 2007. Popovich. RF. Latino-Am. 4 vol. Ed.V. WALDOW. Esc. Departamento de Vigilância Epidemiológica.C. WALDOW VR.S. Capítulo 6: O processo de limpeza de feridas.16. Ministério da Saúde. H. VILELA. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de Imunizações (PNI): 40 anos / Ministério da Saúde. Resolução da Diretoria Colegiada – RDC nº 44.G. Saberes da enfermagem – a solidariedade como uma categoria essencial do cuidado.4. JORGE. BRASIL. B. Esc Anna Nery (impr. A. O processo de cuidar sob a perspectiva da vulnerabilidade. Brasília: Ministério da Saúde..DF Julho de 2011.25 BRASIL.P. Lynda Juall. CARPENITO-MOYET. 2002. M.498. BRASIL. p. Alves Yamada. Secretaria de Vigilância em Saúde. 2011. 2008. Conselho Federal de Enfermagem (COFEn). (org). Conselho Federal de Enfermagem (COFEn). . Enf. 2ª Ed. 2007. Ansel. S. BRASIL. 2011. de 23 de setembro de 1976. de 24 de março de 2011 In: D. 765-771. Artmed: Porto Alegre. MJP. BRASIL. Infecção de sítio cirúrgico em hospital universitário: vigilância pós-alta e fatores de risco.São Paulo. 2011. 5ª ed. S. CIOSAK. – Brasília: Ministério da Saúde.991. n. 91. 8ª ed. Conselho Federal de Enfermagem (COFEn). SILVA. Beatriz F. Comunicação tem remédio: a comunicação nas relações interpessoais em saúde. 5. Planos de Cuidados de Enfermagem e Documentação – Diagnósticos de Enfermagem e Problemas Colaborativos. 41(2) p. de 25 de junho de 1986. Resolução da Diretoria Colegiada/ANVISA Resolução RDC nº 87. P. SUDDARTH.E. 2008. Formas Farmacêuticas e Sistemas de Liberação de Fármacos. Manual de recomendações para o controle da tuberculose no Brasil. Secretaria de Vigilância em Saúde. de 17 de dezembro de 1973. Ministério da Saúde. Resolução 358/2009. 2ª ed. Dispõe sobre a Regulamentação do Exercício da Enfermagem e dá outras providências. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Normas e Manuais Técnicos Brasília .G. Tratado de Enfermagem Médico Cirúrgica. Ministério da Saúde. N. Ver. Brasil. VR. 2003 BARE. BRASIL. de 17 de agosto de 2009. 775p. Resolução Nº 375. 2013. de 21 de novembro de 2008. 3.U Nº 64 – 04/04/11 – Seção 1 p. Juiz de Fora: UFJF.R. BRASIL. Controle de qualidade em farmácia de manipulação. Resolução da Diretoria Colegiada/ANVISA Resolução RDC nº 67. Departamento de Vigilância Epidemiológica. A. Lynda Juall. Lei Federal n. S. Lei 7. Secretaria de Vigilância em Saúde. 255-63. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para hepatite viral C e coinfecções Série A. Porto Alegre: Artmed. 13ª ed. Artmed: Porto Alegre.. CARPENITO-MOYET. BRASIL. pp. M. O código de ética dos profissionais de enfermagem. DANTAS.. BRASIL. M. Lei Federal n. Rev. Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem. vol. BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária.I.O. Tradução de Regina Machado Garcez. C.5) FARMÁCIA AMARAL.45. ALLEN.

3. A... de 30 de dezembro de 2010. Seção 1. R. MORGADO. 3. Fundamentos de Toxicologia. M. R. BORGES FILHO. Ciências Farmacêuticas . PRISTA. p. F. São Paulo: Atheneu. T. T. Atheneu: São Paulo. São Paulo: McGraw Hill. e dá outras providências. BRASIL. S. M. CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA. R. 2008.A.. São Paulo. Et al.6) FISIOTERAPIA . 29 de abril de 2014. PRISTA. Portaria Nº 4. Controle Biológico de Qualidade de Produtos Farmacêuticos... A... 2ª ed.. A. Regula a prescrição farmacêutica e dá outras providências. ALLEN JR. R. F. 344/1998 da Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde. 2012. p. 3ª ed. KANEKO. M. Porto: Fundação Calouste Gulbenkian. L.283. Atenção Farmacêutica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. V. C. BATISTUZZO.26 BRASIL. 1992. Controle Biológico de Qualidade de Produtos Farmacêuticos.RDC Nº 22. 12ª ed. M. 2005. F. et al. T. Conceitos. F. N. L. W. N. J. 2003. T. Técnica Farmacêutica e Farmácia Galénica. A. C. C. 2014. DADER. L. OGA. DF. P. F. PINTO. revoga a Resolução de Diretoria Colegiada nº 27.. de 8 de agosto de 2014. M.. BRUNTON. A. 2003. MARTÍNEZ-MARTÍNEZ. 1. Brasilia.021. São Paulo. ALVES. CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA. M... 1991. A.F. POPOVICH. 2. Página 186). 4ª ed. 2ed. DF. Diário Oficial da União. C. Aprova as diretrizes e estratégias para organização.. RESOLUÇÃO nº 586 de 29 de agosto de 2013. J. Brasilia. DE 29 DE ABRIL DE 2014. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados – SNGPC. 12ª ed. J. 2010. v. Técnica Farmacêutica e Farmácia Galênica. CAMARGO. T.. Formas Farmacêuticas & Sistemas de Liberação de Fármacos. Página 136). FRANÇA. São Paulo: Editora Artmed. Goodman & Gilman: As bases farmacológicas da terapêutica. MUNOZ. Diário Oficial da União. Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde. (Publicada no DOU de 25/09/2013. BRASIL. HOWARD C.. Pinto. ALVES. LOYD V. A. Dicionário Terapêutico Guanabara 2005-2006. M. Técnica Farmacêutica e Farmácia Galénica. REIS.. Editora Atheneu. Portaria n. v. J. Editora Atheneu. NELLY. Brasília: CFF. M.. São Paulo: Atheneu. 2013. 4ª Ed. L. MORGADO. M. Seção 1. v. Regulamenta as atribuições clínicas do farmacêutico e dá outras providências. Correlatos e Cosméticos. M. 4ª ed. OHARA. fortalecimento e aprimoramento das ações e serviços de farmácia no âmbito dos hospitais. KOROLKOVAS.. A. 94.. T. de 30 de março de 2007. Seção 1. A. Correlatos e Cosméticos. . ed. Assistência farmacêutica para gerentes municipais... M. 73. São Paulo: RCN.O. M. M. 13. PRISTA. ANSEL. Seção 1. 804p.M. L. MORGADO. (Publicada no DOU de 26/09/2013.Uma abordagem em farmácia hospitalar. N. 2011. RESOLUÇÃO nº 585 de 29 de agosto de 2013. NICHOLAS G. R. PINTO. 6ª. A. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. BRASIL. processos e casos práticos.31 de dezembro de 2010b. Rio de Janeiro: OPAS/OMS. 3ª ed. Kaneko.J. Organização Jurídica da Profissão Farmacêutica. Ministério da Saúde. CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA.. Porto: Fundação Calouste Gulbenkian. RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA . 1990. GOMES. Prática farmacêutica no ambiente hospitalar: do planejamento à realização. R. 9ª ed. ALVES. A. 2000. 2010. Lei Federal n. FERRACINI.. M.

Disponível em: http://www.br/pdf/csc/v21n5/1413-8123-csc-21-051553.P. Manual de adesão ao tratamento para pessoas vivendo com HIV e AIDS. Ministério da Saúde. A integralidade na Visão dos Fisioterapeutas de um Município de Médio Porte. A. – (Cadernos de Atenção Básica. Doi: 10. C.INCA. Disponível em: http://bvsms. Ministério da Saúde. D. Secretaria de Atenção à Saúde. DUARTE. C.P. 64 p..E.. OLIVEIRA. Petrópolis: Editora Vozes. cerebrovasculares e renais / Ministério da Saúde.assobrafir.com. 110 p.br/bvs/publicacoes/manual_prevencao_incapacidades.br/images/pdf/2016/fevereiro/04/diretrizes-eliminacao-hanseniase-4fev16-web. Departamento de Vigilância Epidemiológica. 2006.. E. C. Brasília DF. Diabetes Mellitus / Ministério da Saúde. FERRARI. n. n. BRASIL. L.br/pdf/ape/v28n5/1982-0194-ape-28-05-0488. M.R. 199-216. Departamento de Atenção Básica.. T.pdf e Metabólica: Aspectos Práticos e 86(1): 74-82.ET. Ministério da Saúde.pdf GOSSELINK R.. 2008. http://publicacoes. Disponível em: http://www. Rio de Janeiro: INCA.V. DAMASCENO.C. A Residência Multiprofissional no Projeto de Extensão “Atenção Interdisciplinar aos Pacientes em Controle da Hanseníase” (capítulo 1 – 4ª parte). Physiotherapy for adult patients with critical illness: recommendations. Brasília DF.br/bvs/publicacoes/manual_adesao_tratamento_hiv. 56 p. Secretaria de Atenção à Saúde. FERNANDES.org/10. – Brasília: Ministério da Saúde.br/imagens_up/Forca_Tarefa_sobre_Fisioterapia_em_Pacientes_Criticos_Adultos. il. A. 2013. Instituto Nacional de Câncer . Normas e Manuais Técnicos) BRASIL.R. 15) (Série A. JOHNSON M. A.pdf FRANÇA. RAMOS. Força tarefa sobre a fisioterapia em pacientes críticos adultos: diretrizes da associação brasileira de fisioterapia respiratória e terapia intensiva (ASSOBRAFIR) e associação de medicina intensiva brasileira (AMIB). L. 34:1188–1199. Disponível em: http://portalsaude.93-101 (Série A. VINCENT JL. Prevenção clínica de doenças cardiovasculares. BRASIL.cardiol. AQUIM. . GRECO. Departamento de Atenção Básica.1590/1413-81232015215. Departamento de Atenção Básica. 16) (Série A.. Departamento de Atenção Básica. NAVA S. Ministério da Saúde. – (Cadernos de Atenção Básica. Secretaria de Vigilância em Saúde. 2006. Secretaria de Atenção à Saúde. p. Secretaria de Atenção à Saúde. Disponível em: http://bvsms.P.pdf CARVALHO. NORRENBERG M. 2016. Secretaria de Atenção à Saúde. MÁRMORA. Diretrizes para vigilância.doi. 2008. 84). 2006. Trinta anos de enfrentamento à epidemia da Aids no Brasil. 2001. Departamento de Atenção Básica. D. Brasília: Ministério da Saúde.scielo. Limitações funcionais e incapacidades de idosos com síndrome de imunodeficiência adquirida.scielo. Disponível em: http://www. Normas e Manuais Técnicos) (Série Manuais. Disponível em CRUZ. Santa Catarina: Interface. 28(5):488-93. C. Brasília: Ministério da Saúde.saude. BOTT J.pdf. VAN DE LEUR H. Departamento de Atenção Básica. T.saude.E. Legislação em Saúde). R. Secretaria de Atenção à Saúde. Ministério da Saúde. In: Residência em Psicologia – Novos contextos e desafios para a formação em saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. G. 2015. Política Nacional de Atenção Básica / Ministério da Saúde. Ciência & Saúde Coletiva. A. Saúde e Educação. STILLER K.0440201. 21(5):1553-1564. Intensive Care Med 2008. Comunicação. – (Série E. Secretaria de Atenção à Saúde. 2012. Departamento de Atenção Básica.pdf GHIZONI.H.C. 2008. Brasília: Ministério da Saúde.gov. Manual Técnico-Operacional. Ministério da Saúde. P. Arq Bras Cardiol 2006. CAVALCANTI.. Coordenação de Prevenção e Vigilância (CONPREV).br/pdf/icse/2010nahead/aop2410.. 14) (Série A. M. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. p. http://dx. Normas e Manuais Técnicos) BRASIL.br/consenso/2006/8601012. Hipertensão arterial sistêmica para o Sistema Único de Saúde / Ministério da Saúde.C.R. Programa Nacional de DST e Aids. R. ARRUDA.pdf BRASIL. 58 p. Brasília: Ministério da Saúde.pdf BRASIL.scielo. BRASIL. Acta Paul Enferm.gov. TESSER. C. Abordagem e Tratamento do Fumante . F.27 ALVES.(Cadernos de Atenção Básica. SCHÖNHOFER B. Secretaria de Atenção à Saúde. 1985-2015. Disponível em: http://www. Ministério da Saúde. CAMPOS. DEAN M. Diretriz de Reabilitação Cardiopulmonar Responsabilidades.Consenso 2001. B. . Normas e Manuais Técnicos) BRASIL. 2016. Manual de prevenção de incapacidades. atenção e eliminação da hanseníase como problema de saúde pública.saude. E.gov.1590/1982019420150008.

ANCHIQUE.P. C. Stroke. SP.R. 41. Arq Bras Cardiol 2014.Review. 38.pucpr. 36:8. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2013-2014. FERNÁNDEZ. Atheneu 2012.7) NUTRIÇÃO I Diretriz Brasileira de Diagnóstico e Tratamento da Síndrome Metabólica.cardiol. K. LUQUE A. . A Fisioterapia no contexto do HIV/AIDS. TAYLOR K. LEACH S.pdf SPRUIT M. 2013. 3.. 13.. I.php/RFM/pdf/?dd1=2452. E. 47.. V Diretriz Brasileira Sobre Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose. P. Parte 1. 95(1 supl.N.diabetes.br/consenso/2013/V_Diretriz_Brasileira_de_Dislipidemias. 39. RODRÍGUEZ-ESCUDERO.. M.ahajournals. Disponível em: http://www.28 HERDY. SUASSUNA.. Bras Pneumol 2014. HITE RD. ZUWALLACK R. ROSS A. Parte 2. S. T. COSTA. et al. 50) WINSTEIN et al. P. Barueri. ICU-Acquired Weakness and Recovery from Critical Illness. HARRY B. Mov.pdf VEGA J. CARVALHO. 9º edição.V. SINGH S. Manole. BURDIAT.. K.. 45.1): 151. Disponível em: http://publicacoes.P. LÓPEZ-JIMÉNEZ. TERZIC. 40(4):327-363.. BARRETTO.370:1626-35. PASSMORE L.br/images/pdf/diretrizes-sbd. C. MENEZES.P. GARVEY C.. Disponível em: http://www. HAPONIK E.erseducation. 10 e 11). THOMPSON C. São Paulo. GONZÁLEZ. SERRA.J.. 34(2): 33-39.A. H.M.org/content/early/2016/05/04/STR. WILKINS R. 101(4 supl.G. 2008 out/dez. BERNARDES. GONÇALVES A.cardiol. C. 33. 21(4):11-18. Tratado de Fisioterapia Hospitalar: Assistência Integral ao Paciente.J.. 2009. PENLEY L. SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA / SOCIEDADE BRASILEIRA DE HIPERTENSÃO / SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA. Iss. Disponível em http://publicacoes.. Fisioter. 2005. 2a ed. Guidelines for Adult Stroke Rehabilitation and Recovery.. ILARRAZA-LOMELÍ. NOBRE. (capítulos 4. p. 40(5):458-486. 8. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. 43. An Official American Thoracic Society/European Respiratory Society Statement: Key Concepts and Advances in Pulmonary Rehabilitation. C. F. C. K. v 84... C. C. SANCHEZ M. 15. 18. Arq Bras Cardiol 2013. A.. Elsevier... MAKHABAH DN.1): 431-440.8:4. Available in: http://stroke. KACMAREK R. ANDERSON L. Disponível em: www2. 46. R. PADOVANI CR.cardiol. R. J.V.K. J. Peri-operative physiotherapy. Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia.. STEIN. Early intensive care unit mobility therapy in the treatment of acute respiratory failure. G.0000000000000098. ROCHA. SANTIBÁÑEZ. 40. J Bras Nefrol 2010.br/consenso/2010/Diretriz_hipertensao_associados. MARTINO F AND AMBROSINO N... DIXON L.br/consenso/2005/sindromemetabolica.L....pdf SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. Diretriz Sul-Americana de Prevenção e Reabilitação Cardiovascular. ROCHESTER C. N Engl J Med 2014. june 2016. ARAÚJO..cardiol.br/2014/diretrizes/2014/Diretriz_de_Consenso%20Sul-Americano. J. 44..org. MANTELLINI GG. ZEBALLOS.32(2):201-21. SMALL R. Fundamentos da Terapia Respiratória de EGAN. Cardiologia do Exercício: do Atleta ao Cardiopata. Crit Care Med 2008.. MILANI.M. (capítulos 8.pdf KRESS JP AND HALL JB. pp 13–64. STOLLER J. NEGRÃO.. 42. A.. MODERNO LFO.A. 9.1): 1-20. Avaliação hemodinâmica em paciente criticamente enfermo. A. Multidisciplinary Respiratory Medicine 2013.C.org/lrMedia/2013/pdf/234079. Incapacidades Físicas em Hanseníase: Coisa do Passado ou Prioridade na Prevenção? Hansen Int 2009. T.. HOWARD A. Disponível em: http://publicacoes.H. Arq Bras Cardiol 2010. S. 49. 2006.br/reol/index. Recomendações brasileiras de ventilação mecânica 2013. Disponível em http://publicacoes. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. MORRIS PE. J.C. GOAD A. Bras Pneumol 2014.asp.171 – 183. J. 2014.H. BAKER S. Diagnóstico precoce do pré diabético. NICI L.V. O.pdf SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. SARMENTO G. G. Recomendações brasileiras de ventilação mecânica 2013. GONZÁLEZ. 103(2 supl.. São Paulo: AC Farmacêutica. Am J Respir Crit Care Med Vol 188. Ed. Oct 15.

Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Alimentação e Nutrição / Ministério da Saúde. E. (org. 36).pdf Brasil.pdf BRASIL. Recomendações aos médicos que exercem a psicanálise (1912). LUSTOSA MA. São Paulo: Roca. III). As neuropsicoses de defesa. volume II.bvsalud. O caso de Schreber. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica.C.). Psicologia Ciência e Profissão 24(3): 48-57. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: Hipertensão Arterial Sistêmica / Ministério da Saúde.. A.29 BRASIL. Ministério da Saúde.pdf BRASIL. Secretaria de Atenção à Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.gov. São Paulo: Pioneira.. 2013. L. V. Psicologia da saúde x psicologia hospitalar: definições e possibilidades de inserção profissional.Básica.inca. Secretaria de Atenção à Saúde. Barueri. p.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_38. BORNHOLDT.br ANGERAMI-CAMON. Editora Atheneu. Brasília: Ministério da Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde. Ministério da Saúde.28. 2011. FREUD. Departamento de Atenção Básica.br/bvs/publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileira_2ed. Revista da Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar 11 (1): 2008. 2004.pdf Brasil. – 1. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: Diabetes Mellitus / Ministério da Saúde. Psicologia da saúde – um novo significado para a prática clínica. Departamento de Atenção Básica. Secretaria de Atenção à Saúde. Psicologia Ciência e Profissão 20 (3): 24-27. 3ª edição.gov. ed.M. v. Departamento de Atenção Básica. Consenso Nacional de Nutrição Oncológica/ Instituto Nacional de Câncer.org/scielo. 1.: il.br/inca/Arquivos/consenso_nutricao_vol2. (org. Ministério da Saúde. In:___.D. J. Nutrição e Dietoterapia. Brasília : Ministério da Saúde. 2009.28.8) PSICOLOGIA ALMEIDA.]. Disponível em: http://pepsic. Disponível em: http://www. 55-100.. Secretaria de Atenção à Saúde.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_37.28.inca. Departamento de Atenção Básica. CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA – 4ª região. – (Cadernos de Atenção Básica. MURA. MR. : il. 2 Volumes . n. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: Obesidade / Ministério da Saúde. 160 p. Código de Ética Profissional do ano de 2005. 2000.br/inca/Arquivos/publicacoes/Consenso_Nutricao_internet.) Tendências em psicologia hospitalar.pdf BRASIL.128.P. -CASTRO. Rio de Janeiro: INCA.. São Paulo: Manole. 2013.gov. – Brasília : Ministério da Saúde. Disponível em: http://bvsms.saude. (Cadernos de Atenção Básica.clínica no adulto. Rio de Janeiro: INCA. 2004. Nutrição Oral. Interconsulta Psicológica. Departamento de Atenção Básica.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_36. São Paulo: Pioneira Psicologia. Guia alimentar para a população brasileira. 2013. Disponível em: http://www1. (Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud.saude. (Cadernos de Atenção Básica. Departamento de Atenção Básica. 38). Ministério da Saúde. Disponível em: http://189. reimpr. n. 1.C. : il. Departamento de Atenção Básica. 128 p.scielo. 2014. artigos . 2009. [Reimpr. Departamento de Atenção Básica. Disponível em: http://www1. D. S. 212 p. Guia de Nutrição . 2011. Ministério da Saúde. Margarida Salomão. ed. Brasília: Ministério da Saúde. ______.128. Secretaria de Atenção à Saúde. In: ___. reimpr. Enteral e Parenteral na Prática Clínica. WAITZBERG.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_alimentacao_nutricao. Rio de Janeiro: Imago. E. 3. 84 p. Disponível em: http://189. ______. 1976.156 p. S. 37). Trad. Consenso Nacional de Nutrição Oncológica/Instituto Nacional de Câncer. 2.pdf CUPPARI.S. 2014. 2014. Secretaria de Atenção à Saúde.. E.4ª Ed. Disponível em: http://189. L. 2014. 2ª ed.gov. n.128. O psicólogo no hospital geral. Disponível em: http://bvsms. SILVA. Ministério da Saúde. Ministério da Saúde. CARVALHO. Tratado de Alimentação. Primeiras publicações psicanalíticas.pdf BRASIL. K.

Edmond. J. O (org).. 8142. Análise Psicológica 18 (1): 3-14. BRAVO. S.S. KNOBEL. B. proteção e recuperação da saúde. A Saúde nos Governos do Partido dos Trabalhadores e as Lutas Sociais Contra a Privatização.]. M. BOSCHETTI. J. 2007.A. M. Rio de Janeiro: Wak Editora. p. p. CARVALHO. Saúde e Serviço Social no capitalismo – fundamentos sócio-históricos. I.M. ERLICHMAN. ______.43. 2011. BRASIL. São Paulo: Cortez. Disponível em: http://www. (Edição Standard Brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund (Freud. BEHRING. Serviço Social e política social: 80 anos de uma relação visceral.gpeari. 2013. M. O (org). Lei n. E. L..S. 2013. de 19 de setembro de 1990. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais (DSM-5). M. Cadernos de Saúde. 5. Introdução às psicoterapias breves. 10ª ed. Disponível em: http://conselho. 2004. Disponível em: http://www. E MENEZES. 1. SILVA. Trabalho em saúde: desafios contemporâneos para o Serviço Social.mctes. Série: trabalho e projeto .2011. G.br/web_confmundial/docs/l8080./jul. B. J. (org) Saúde na atualidade: por um sistema único de saúde estatal. Participação popular e controle social na saúde.S. [S. CASTRO. BRAVO. Disponível em: http://www. 8080.I. MENEZES. de 28 de junho de 2011. Porto Alegre: Artmed. São Paulo: Cortez. T.B.S. 2014.SUS e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências.B. E MENEZES. TRINDADE. J. A prática do psicólogo hospitalar em equipe multidisciplinar.história de resistências e de ruptura com o conservadorismo. Aconselhamento psicológico em contextos de saúde e doença Intervenção prIvilegiada em psicologia da saúde. de 28 de dezembro de 1990. p. MENEZES. São Paulo: Martins Fontes. BATISTA. Disponível em: https://drive. A. M. T. J. jan. 3ªed.planalto. 147-159. gratuito e de qualidade. SILVA..I. Rio de Janeiro: Imago. BRASIL. Rede Sirius.I. M. CFESS.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/D7508.pt/scielo 3.br/web_confmundial/docs/l8142. MOURA. I. Parâmetros para a Atuação de Assistentes Sociais na Política de Saúde.30 sobre técnica e outros trabalhos. Porto Alegre. Rio de Janeiro: UERJ. 2016.R.pdf.gov. M. P. E. 2000.cfess.080. p. Ed.S.B. Regulamenta a Lei no 8. Estudos de Psicologia (Campinas) 24 (1): 89-98. S.C. 10.A.google. TEIXEIRA.saude. GOMES. Código de Ética do Serviço Social..M. D. S. de 19 de setembro de 1990. para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde. 2012. n.org. In: BRAVO. Psicanálise e Hospital: a responsabilidade da psicanálise diante da ciência médica. P.. 2010.história de resistências e de ruptura com o conservadorismo. Lei n. São Paulo: Atheneu. GILIÉRON. ANDREOLI.saude. TONETTO.gov.gov. R. 2008. Serviço Social no Brasil . I. Jayme Salomão.B.9) SERVIÇO SOCIAL NETTO. Rio de Janeiro: UERJ. Os Governos do Partido dos Trabalhadores e as Políticas Sociais: “Nada de novo no front”. Decreto 7508. Trad.br/arquivos/CEP_CFESS-SITE.pdf . Textos & Contextos. M. J. Disponível em: http://conselho.119-140. Para uma história nova do Serviço Social no Brasil. M. W. v. Rede Sirius.D.com/file/d/0B3SRQLv1tEAVeGhNeEE2MEc5SlU/view CLOSS. L. 26 . São Paulo: Cortez. 2014. OLIVEIRA.49-76. L.C.htm BRAVO. M. Psicologia e humanização: assistência aos pacientes graves. universal. Serviço Social no Brasil . v. a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências.scielo. O Serviço Social nas Residências Multiprofissionais: formação para a integralidade? Curitiba: APPRIS. XXII).pdf BRASIL. B (orgs). 2016. Revisada e atualizada. Capítulo 1 e Capítulo 2. Dispõe sobre as condições para a promoção. Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde .L.

Graziela. de 11 de novembro de http://bvsms. RAMOS. Soc. Campinas. n° 82: Trabalho e Saúde. (org). (Org. Saúde e democracia: história e perspectiva do SUS.php?script=sci_arttext&pid=S0104 12902004000300003&lng=pt&nrm=iso BRASIL. M. ESCOREL.scielo. Abrasco. (org). M.S. Serviço Social.br/pdf/sdeb/v39nspe/0103-1104-sdeb-39-spe-00028. I. Título VIII Da ordem Social – Capítulo II. v. Disponível em: www6. MATOS.scielo.O.1988/CON1988.O.T.br/sf/legislacao/const/con1988/CON1988_05. SOARES. C. p. n. Serv. 2014. p. EDLER.C. GRABOIS. M. 2014. C. Tania Maria Ferreira. L. et. F. F. Uma análise da prática do Serviço Social em Saúde Mental. 4) PROGRAMA DE RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO HOSPITALAR 4. Salvador: EDUFBA. Fiocruz.1. Revista Serviço Social & Saúde. especial. Brasília. Conceição Maria Vaz. Serviço Social e Sociedade. 2010. D.59-81.fiocruz. TEIXEIRA. M. 2006. 16-29. N. 2005.pdf . Disponível em: http://www. v. M. Serviço Social. n. ______.. M. 118. al. Campinas. São Paulo. vigilância e saúde da família. 28-38. 75-106. C. Rio de Janeiro: Ed. al.br/repositorio/resource/354463 AYRES. In: DUARTE. (org).br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt2446_11_11_2014.J. Ética e Saúde . In: LIMA. Caminhos da organização e gestão do cuidado em saúde no âmbito hospitalar brasileiro. Brasília. O trabalho do serviço social nos serviços de saúde mental. 2014. ROBAINA. In: DUARTE.J. Disponível em: http://www.html 2014. As Origens da reforma sanitária e do SUS. n. Saúde mental. p. São Paulo: Cortez.31 profissional nas políticas sociais.1) SAÚDE COLETIVA (conhecimentos gerais) ALBUQUERQUE. Saúde Debate.10. 2004.saude. 2010. VIANA. Lahana Gomes. Modelo de atenção à saúde: promoção. NASCIMENTO. p. p. n. Instrumentos e técnicas de trabalho do assistente social: notas para uma reflexão crítica.gov.pdf AZEVEDO. M..O.. V. Disponivel em http://www. S. Disponível em: BRASIL. M. SP: Papel Social. pp. 102.B. Campinas. Da Saúde. SP: Papel Social. Política de saúde hoje: interfaces & desafios no trabalho de assistentes sociais. R.O.ensp. Perspectivas de região e redes na política de saúde brasileira. 366-393. v. 2014. Mariana Vercesi. Processo de trabalho em saúde e serviço social: notas sobre o trabalho profissional no campo da saúde.J. A racionalidade da contrarreforma na política de saúde e o Serviço Social. SILVA. Inserções do assistente social em saúde mental: em foco o trabalho com famílias. set. 2009.3.C.senado. São Paulo: Cortez. [online]. saúde e questões contemporâneas: reflexões críticas sobre a prática profissional. al. BRAVO. Ana Luiza d’Ávila.br/scielo. Soc. intersetorialidade e questão social: um estudo na ótica dos sujeitos. MENEZES. J. vol. O cuidado. São Paulo: Editora Cortez.1-34. Saúde. J.P. SP: Papel Social. 2014. Política de saúde hoje: interfaces & desafios no trabalho de assistentes sociais. A. n. SCHEFFER. In: Revista Serviço Social e Sociedade.J. et.. p. n.446. ROSA. Campinas. Movimentos Sociais e Conselhos. et. Saúde soc. 7/8. 2010. Da Seguridade Social Seção II. 39. os modos de ser (do) humano e as práticas de saúde.13. MELO. São Paulo. Constituição da República Federativa do Brasil: Texto promulgado em 05 de outubro de 1988. Lúcia Cristina dos Santos.C. BISNETO.) et al. José Ricardo de Carvalho Mesquita. SÁ. 2012. dez 2015. DUARTE. 339-351. Política. A mudança do modelo de atenção à saúde no SUS: desatando nós. criando laços. MIRANDA. Portaria nº 2. A.Reflexões Para o Exercício Profissional. No rastro dos acontecimentos: políticas de saúde no Brasil. 2005. 7/8. J.85-108. Senado Federal.1. Serviço Social. C.R.gov. F. DUARTE. SOLLA. Planejamento e Gestão.S. p. In: TEIXEIRA. Rio de Janeiro. I.

As redes de atenção à saúde: revisão bibliográfica. E. p. J. para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde . C. C. org. PAIM. B. org. Educ.htm BRASIL.org/10. avanços e desafios. S. Determinantes Sociais na Saúde na Doença e na Intervenção.. v. o planejamento da saúde. LOPES. de 19 de Setembro de 1990. supl. MERHY.planalto. P.V.C. In SANTOS. técnica e formação: as razões do cuidado como direito à saúde. R. M.32 BRASIL.. In SANTOS. G. Administração pública e a gestão da saúde. org. 2010. G. Lei nº 8.080. 256p. Interface Comunic... & the Lancet Brazil Series Working . E.. Apr. BUSS.br/IMG/pdf/doc574.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/D7508.. BAHIA. Disponível em: www. SCHMIDT. Saúde soc. Rio de Janeiro: CEBES. P.. B.org/10. TRAVASSOS. S. jan/jun 2006. p.planalto.G. Educ. V.D.conass. K.. M.C. L. Disponível em: www.idisa.. conceitos e elementos constitutivos. org. FERNADEZ. MENEZES.scielo..1.. L.508. AMARANTE. E.R. Disponível em: www.pdf PAIM. Disponível em: http://www. Avaliação do atual modelo da gestão pública do SUS quanto ao financiamento público na saúde. J. Rio de Janeiro.I. no.org. R. T. BARRETO. CARVALHO. D. A Política Nacional de Humanização como política que se faz no processo de trabalho em saúde. Disponível em: www.org.. The Lancet.W. E.org.C. P. Saúde no Brasil.pdf JOUVAL JR. M.SUS. C. J. Gestão Pública e a relação público privada na saúde.S.. C. M. p.141-166.C.2.gov. CAMPOS.gov. Saúde. S.pdf SCHMIDT. Rio de Janeiro: CEBES.N. 2010. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: carga e desafios atuais. ALMEIDA.C. Brasília. Disponível em: http://dx. MONTEIRO. Disponível em: http://www.. Saúde.D./June 2015. O sistema de saúde brasileiro: história.org. CARVALHO. I. MENEZES. Saúde Pública. S.C. 256p.doi. 2010. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ/CEBES.htm BRASIL.pdf VICTORA. M. Medicalização. SILVA. 2010..scielo.br/img/File/GC-2010-RL-LIVRO%20CEBES-2011. R.gov.. Disponível em: www. A construção do ato de cuidar no espaço da formação em saúde. Decreto nº 7. maio. E.br/IMG/pdf/doc-574. Saúde. de 28 de dezembro de 1990 (Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde – SUS e sobre as transferências de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências). 549p.. GOMES. Ética. The Lancet. D... Gestão Pública e a relação público privada na saúde. Comunic. In: GIOVANELLA.V. Rio de Janeiro: CEPESC: IMS/UERJ: ABRASCO. F.603-13. a assistência à saúde e a articulação interfederativa. F. T.. 2011. BARROS. BARROS.S.br/pdf/Redes_de_Atencao.idisa.planalto.25-41. C. A. 2009. 29(10):1927-1953.A.htm CAMARGO JR. A. R. LOPES. REICHENHEIN.S. M. MENDES.br/CCIVIL/LEIS/l8080.idisa.1590/S0104-12902015000200004 SANTOS.13. org. et al.. Rio de Janeiro: CEBES.142. A Constituição Cidadã e os 25 anos do Sistema Único de Saúde (SUS) Cad.080. de 28 de junho de 2011. In PINHEIRO. In PINHEIRO. AMARANTE. P. Saúde no Brasil. TRAVASSOS.br/img/File/GC-2010-RL-LIVRO%20CEBES-2011. CHOR. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde. conhecimento: o complexo médico-industrial. R.abc.br/pdf/icse/v10n19/a03v1019...pdf PAIM.. L. de 19 de setembro de 1990. E. BARRETO.br/CCIVIL/LEIS/l8142. Disponível em: www.I.abc. BAHIA.C. LEAL. e dá outras providências. Disponível em: Lei 8080: http://www.. B.. v. In SANTOS. Políticas e Sistemas de Saúde no Brasil. M. P. http://www.pdf KOIFMAN.pdf SANTOS. A regulação pública da saúde no Estado brasileiro – uma revisão...Comunic. out..10. Disponível em: http://dx.org. L. Rio de Janeiro: CEPESC: IMS/UERJ: ABRASCO. 2013. ALMEIDA.. L. Lei nº 8. MONTEIRO. SUS Brasil: a região de saúde como caminho. fundamentos. I.. F.. Congresso Federal. Disponível em: http://www. P. G. 2011. C. In.I.br/img/File/GC-2010-RL-LIVRO%20CEBES-2011. R. RIBEIRO.B. J..24.A. MENDES.pdf SANTOS. Interface .S.M. 2010. vol.br/pdf/icse/v13s1/a12v13s1.org. n. 2011. Ética. MACINKO. BASTOS. H. DUNCAN.L. C. As redes de atenção à saúde.A. Educ. AMARANTE. técnica e formação: as razões do cuidado como direito à saúde.doi... M. C.. R. Regulamenta a Lei no 8. Mais saúde (PAC Saúde) e as políticas sistêmicas de investimentos setoriais. 2008. maio. Gestão Pública e a relação público privada na saúde.D.19. São Paulo..1590/0102-311X00099513 SANTOS FILHO.

Carla Albuquerque de Oliveira. BRASIL. J. A.br/IMG/pdf/doc-574. OPLUSTIL. Dispõe sobre Regulamento Técnico para Funcionamento de Laboratórios Clínicos. REY. Maria Elizabete Mendes. 2004. 8ª edição. O. maio. 1. W. A..3) HENRY. Condições de saúde e inovações nas políticas de saúde no Brasil: o caminho a percorrer. Brasília.1) Gestão da fase analítica do laboratório: como assegurar a qualidade na prática / organizadoras. Ministério da Saúde. D. Rio de Janeiro. Poder Executivo. Métodos de laboratório Aplicados à Clínica: Técnicas e Interpretação. 2001. Artmed Editora. Hemograma: como fazer e interpretar. DA SILVA. São Paulo. 2005.. São Paulo: Sarvier.ed. 2013. 2008. 2008. 2012. v. 1ª reimpressão. et al. RDC nº 306. Saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Guanabara. et al. São Paulo: Manole.. A. 148p. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde. OLIVEIRA.184p. Elsevier. 2007. São Paulo: Atheneu. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. e PILLAI. Bioquímica Clínica. 2010. L. Rio de Janeiro: Medsi. 144p. 2014. Hematologia Laboratorial: Teoria e Procedimentos. Brasília. S. C. 4ª edição. v. Parasitologia Clínica. 2ª edição. 2011. DE CARLI. 2011. P. v. A. M. NEVES. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. 3ª edição. Carla Albuquerque de Oliveira. 2011. Diagnósticos Clínicos e Tratamento por Métodos Laboratoriais. 19 cm. GAW. A. G. A. E. 6ª edição. São Paulo: Livraria Médica Paulista Editora. Imunologia Básica. SP . et al. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Procedimentos Básicos em Microbiologia Clínica. 21ª edição. RDC nº 302 de 13 de outubro de 2005. 4ª edição.H. 10 dez.2) Gestão da fase analítica do laboratório: como assegurar a qualidade na prática / organizadoras. (Como assegurar a qualidade na prática. KONEMAN. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (Como assegurar a qualidade na prática. 12ª edição. FERREIRA.1. Rio de Janeiro: Guanabara. Poder Executivo.pdf 4. 2010.: il. Gestão da fase analítica do laboratório: como assegurar a qualidade na prática / organizadoras. Parasitologia Humana. R. 2010.ed. LICHTMAN. 3ª edição. 2013.org. Parasitos e Doenças Parasitárias do Homem nos Trópicos Ocidentais. P.2v. A. H. Rio de Janeiro: Guanabara.2) ANÁLISES CLÍNICAS ABBAS. Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial. et al. 2001. 2013 BRASIL. Rio de Janeiro: ControlLab. L. – Barueri.A. Ministério da Saúde. (Como assegurar a qualidade na prática. de 07 de dezembro de 2004. Recomendações da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML):coleta e preparo da amostra biológica. Recomendações da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial para coleta de sangue venoso. 19 cm.abc. S. 2008. Rio de Janeiro: Guanabara.B. Seleção de Métodos e Técnicas de Laboratórios para o Diagnóstico das Parasitoses Humanas. P.Rio de Janeiro: ControlLab. Carla Albuquerque de Oliveira. W. The Lancet.K. Rio de Janeiro: ControlLab. MARTINS.ed. G.. .. Diagnóstico Laboratorial das Principais Doenças Infecciosas e AutoImunes. Diagnóstico Microbiológico: texto e atlas colorido. LIMA. et al. Disponível em: www. 14 out.: il. Maria Elizabete Mendes. E.33 Group. 2016. et al. São Paulo: Atheneu. et al. ÁVILA.R. Maria Elizabete Mendes 1. 2ª edição.

Brasília. K. n.. Departamento de Vigilância Epidemiológica.: il. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. A. L. 2009. Política Nacional de Humanização. : il. Disponível em: BRASIL. 236 p.823. responsabilidades e atribuições aos profissionais. DF. 2015. n.O. 1986. 76 p. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. – Brasília: Ministério da Saúde. agravos e eventos em saúde pública de notificação compulsória em todo o território nacional e estabelece fluxo. 1ª. 1a ed. Brasília. Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem.:il. 2.128 p. – Brasília: Ministério da Saúde. Rio de Janeiro: Diagraphic. BRASIL. Protocolos de Complexidade Diferenciada). – (Cadernos de Atenção Básica.e DI LORENZO. BRASIL. 2013. 2006. ed. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: diabetes mellitus.Ano CXLIX Nº 165. 2011. BRASIL. . Bioquímica Fundamental.Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília: Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Atenção Básica. Secretaria de Vigilância em Saúde. 2003. M. Ministério da Saúde. ed. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica.. S. Secretaria de Atenção à Saúde. 35) – 2014. Manual de cuidados paliativos. 46-51 . HIV/Aids. Institui a Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. n. RDC nº 45. São Paulo: Premier Ltda. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Departamento de Atenção Básica. BRASIL. – (Série A. Ministério da Saúde. sexta-feira. 24 de agosto de 2012. 37). D.3) ENFERMAGEM Academia Nacional de Cuidados Paliativos (ANCP). R. – Brasília: Ministério da Saúde.Brasília . Secretaria de Atenção à Saúde. 2011. Série B. Secretaria de Atenção à Saúde. critérios. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde. Normas e Manuais Técnicos) (Saúde do Trabalhador. Disponível em: BRASIL. Ministério da Saúde.34 STRASINGER. Departamento de Atenção Básica. Resolução 358/2009. São Paulo: Atheneu. BRASIL. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde. 4. BERG J. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica. Secretaria de Atenção à Saúde. 1ª edição. Brasil. 3. 36). Fundamentos e Prática. Portaria nº 1. DF. Hematologia. de 25 de junho de 1986. 2005. Normas e Manuais Técnicos). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. TYMOCZKO J. Departamento de Atenção Básica. Ministério da Saúde. Ministério do Trabalho. 2013.162 p.498. de 12 de março de 2003. 13 mar. Ministério da Saúde. Ministério da Saúde. Portaria GM nº 104. Departamento de Vigilância Epidemiológica. 2014. (Cadernos de Atenção Básica. Define as terminologias adotadas em legislação nacional. (Cadernos de Atenção Básica. Seção I. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas de Utilização das Soluções Parenterais (SP) em Serviços de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde. Ministério da Saúde.: il Brasil.. ZAGO. – 2. BRASIL. 2006.S. Ministério da Saúde.160 p. a relação de doenças. de 25 de Janeiro de 2011. Exposição a materiais biológicos. PASQUINI. FALCÃO. 320p. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Textos Básicos de Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Lei 7. M. R. Secretaria de Atenção à Saúde. 2004. 2013. Brasil. . BRASIL. Dengue: manual de enfermagem. M. Secretaria de Vigilância em Saúde. 2004. Uroanálise & Fluidos Corporais. Brasília. Departamento de Atenção Básica. BRASIL. P. (Cadernos de Atenção Básica. Poder Executivo. de 11 de novembro de 2005 – Norma regulamentadora 32.. de 23 de agosto de 2012. 2013. Brasília: Ministério da Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. conforme o disposto no Regulamento Sanitário Internacional 2005 (RSI 2005). págs. il. STRYER L. 1ª edição.DF. Rio de Janeiro: Guanabara. Ministério da Saúde. Ed. Conselho Federal de Enfermagem (COFEn). BRASIL.U. Ministério da Saúde.: il. Ministério da Saúde. 5ª edição. Portaria GM nº 485. 18) (Série A. hepatites e outras DST. Ministério da Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde. Dispõe sobre a Regulamentação do Exercício da Enfermagem e dá outras providências. BRASIL. Secretaria de Atenção à Saúde. Programa Nacional de Imunizações (PNI): 40 anos / Ministério da Saúde. Ministério da Saúde. 64 p.

94. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasilia. Lei Federal n.31 de dezembro de 2010b. JORGE. Aprova as diretrizes e estratégias para organização. . BRASIL. de 30 de dezembro de 2010. Normas e Manuais Técnicos Brasília . H. WALDOW. de 21 de novembro de 2008. Ministério da Saúde. Tradução de Regina Machado Garcez. 13ª ed. Portaria n. 15 (3):629-632. Secretaria de Vigilância em Saúde. O processo de cuidar sob a perspectiva da vulnerabilidade. 12ªed.16.R. 344/1998 da Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde. BRASIL. 2007. A. Ansel. P. S. Juiz de Fora: UFJF. Ministério da Saúde. Esc. Diário Oficial da União.991. BORGES. RF. 2008. Resolução da Diretoria Colegiada – RDC nº 44. 2002. 4.4. Brunner. 5ª ed. P. Abordagem interdisciplinar no tratamento de feridas. DF. BRASIL. M. Comunicação tem remédio: a comunicação nas relações interpessoais em saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.U Nº 64 – 04/04/11 – Seção 1 p. Manual de recomendações para o controle da tuberculose no Brasil. M.O. Formas Farmacêuticas e Sistemas de Liberação de Fármacos. 677p. Enf.021. MJP. DANTAS. CIOSAK. de 17 de agosto de 2009.4) FARMÁCIA AMARAL.DF Julho de 2011.. Resolução Nº 375. H. 2008. S. 765-771. Beatriz F. vol. p.V. p. de 8 de agosto de 2014. Alves Yamada. Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. 2007. N. B.São Paulo. 13. Resolução da Diretoria Colegiada/ANVISA Resolução RDC nº 87. 2012. 775p. – Brasília. Lei Federal n. USP. BRASIL. WALDOW VR. Resolução da Diretoria Colegiada/ANVISA Resolução RDC nº 67. Conselho Federal de Enfermagem (COFEn).360. Ver. de 23 de setembro de 1976. Artmed: Porto Alegre. Ministério da Saúde. Planos de Cuidados de Enfermagem e Documentação – Diagnósticos de Enfermagem e Problemas Colaborativos. Ministério da Saúde. de 08 de outubro de 2007.. Infecção de sítio cirúrgico em hospital universitário: vigilância pós-alta e fatores de risco. Porto Alegre: Artmed. 8ª ed.35 BRASIL.G. BRASIL.283. 41(2) p. Ed.I. 2ª Ed. 2003. BRASIL. São Paulo (SP): Edições Loyola. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para hepatite viral C e coinfecções Série A. BRASIL. SILVA. Latino-Am. A. 255-63. 4 vol. BRASIL. Conselho Federal de Enfermagem (COFEn). VR. O código de ética dos profissionais de enfermagem. 2ª ed. Saberes da enfermagem – a solidariedade como uma categoria essencial do cuidado. Fensterseifer LM. 5. Controle de qualidade em farmácia de manipulação. fortalecimento e aprimoramento das ações e serviços de farmácia no âmbito dos hospitais. ALLEN. Tratado de Enfermagem Médico Cirúrgica.E. Enfermagem [online]. de 24 de março de 2011 In: D. VILELA. L. Portaria Nº 4. pp. de 17 de dezembro de 1973. BRASIL. Diagnósticos de Enfermagem – Aplicação à Prática Clínica.S. Popovich. C.C. Atheneu.G. 91. Departamento de Vigilância Epidemiológica. M. Artmed: Porto Alegre.E. D. CARPENITO-MOYET. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Secretaria de Vigilância em Saúde. AULTON. Lynda Juall. CARPENITO-MOYET. 2011. 2011. Capítulo 6: O processo de limpeza de feridas. Porto Alegre: Artmed. Tradução de Regina Machado Garcez.45. 6. Lei Federal n.. S.)2011 jul-set. Delineamento de Formas Farmacêuticas. n. OLIVEIRA. BRASIL.P. Rev. A. Lynda Juall. 2003 BARE. Seção 1. SUDDARTH. (org). 2011. BRASIL. Rev. Esc Anna Nery (impr.

BRUNTON. A. A. revoga a Resolução de Diretoria Colegiada nº 27. Atheneu: São Paulo.. PRISTA. Página 186). Ministério da Saúde.. ALVES. – . ALVES. Prática farmacêutica no ambiente hospitalar: do planejamento à realização. R. 4ª ed. Goodman & Gilman: As bases farmacológicas da terapêutica. REIS. OLIVEIRA. 1990.. A. 2011. PINTO. 3. C. M... Técnica Farmacêutica e Farmácia Galénica. 73. São Paulo. Diário Oficial da União. (Publicada no DOU de 25/09/2013. 4ª ed.. São Paulo: Atheneu.36 BRASIL.. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados – SNGPC. et al. FRANÇA. NELLY. A. Seção 1. Rio de Janeiro: OPAS/OMS. T.. 2010. N. L. T. A Residência Multiprofissional no Projeto de Extensão “Atenção Interdisciplinar aos Pacientes em Controle da Hanseníase” (capítulo 1 – 4ª parte). Seção 1.H. Departamento de Atenção Básica. A.O. 4ª Ed. A. Editora Atheneu. Seção 1. 2000. C. R.. p. R. 9ª ed. BATISTUZZO. ANSEL... 2013. A. 12ª ed. Organização Jurídica da Profissão Farmacêutica. Assistência farmacêutica para gerentes municipais. 804p. T. DE 29 DE ABRIL DE 2014. 2010. 2ª ed... FERRACINI. MORGADO. A. São Paulo: McGraw Hill. A. Secretaria de Atenção à Saúde... MORGADO.. Regulamenta as atribuições clínicas do farmacêutico e dá outras providências. R. 2008. 2ed. F. DADER. T. v... 2. KANEKO. 2012. OGA. W. NICHOLAS G. Brasilia. M. R. MARTÍNEZ-MARTÍNEZ. BORGES FILHO. . M. RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA . C. Correlatos e Cosméticos. A.. CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA. São Paulo: Atheneu.. Porto: Fundação Calouste Gulbenkian. 3ª ed. ALLEN JR. Secretaria de Atenção à Saúde. N.. F. CAMARGO. M. 12ª ed... PRISTA. F.. V. M. L. 1992. L. 2003. (Publicada no DOU de 26/09/2013. T.5) FISIOTERAPIA ALVES. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. 2003. 2013. POPOVICH.C. ALVES. Dicionário Terapêutico Guanabara 2005-2006. MORGADO. In: Residência em Psicologia – Novos contextos e desafios para a formação em saúde. São Paulo. e dá outras providências. Kaneko. A. GOMES. P. Conceitos. M. L. M. Controle Biológico de Qualidade de Produtos Farmacêuticos. Brasília: CFF. ed. v. PRISTA. C. 29 de abril de 2014. Formas Farmacêuticas & Sistemas de Liberação de Fármacos. M. CAMPOS. C. F. Porto: Fundação Calouste Gulbenkian. Política Nacional de Atenção Básica / Ministério da Saúde. 2014. L. Et al. 1. T. M. DF. 199-216. Técnica Farmacêutica e Farmácia Galênica.A. HOWARD C. CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA. N.Uma abordagem em farmácia hospitalar. M. São Paulo: Editora Artmed. M. 6ª. M. Petrópolis: Editora Vozes. J. OHARA. Correlatos e Cosméticos. R. CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA. Regula a prescrição farmacêutica e dá outras providências. 2005.. 3ª ed.RDC Nº 22. Departamento de Atenção Básica. KOROLKOVAS. de 30 de março de 2007. Técnica Farmacêutica e Farmácia Galénica. RESOLUÇÃO nº 586 de 29 de agosto de 2013. São Paulo: RCN. J. MUNOZ. Ciências Farmacêuticas . 4.F. R.M. M. RESOLUÇÃO nº 585 de 29 de agosto de 2013. LOYD V. Editora Atheneu. J. T. A. BRASIL. S. C. Atenção Farmacêutica. PINTO. v. p. F. 1991.J.. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. Página 136). C. Pinto. J. M. MÁRMORA. processos e casos práticos. Fundamentos de Toxicologia. L. Controle Biológico de Qualidade de Produtos Farmacêuticos. A.

37 Brasília: Ministério da Saúde. Arq Bras Cardiol 2014. Brasília: Ministério da Saúde. 16) (Série A.E. Secretaria de Atenção à Saúde. Normas e Manuais Técnicos) (Série Manuais. TERZIC. 2006. Disponível em: http://bvsms. 2006. DUARTE. ILARRAZA-LOMELÍ. G. ANCHIQUE. 84). NORRENBERG M. Força tarefa sobre a fisioterapia em pacientes críticos adultos: diretrizes da associação brasileira de fisioterapia respiratória e terapia intensiva (ASSOBRAFIR) e associação de medicina intensiva brasileira (AMIB).. FERRARI. M. F. Brasília: Ministério da Saúde.. A. Disponível em: http://www. CAVALCANTI. RODRÍGUEZ-ESCUDERO.br/images/pdf/2016/fevereiro/04/diretrizes-eliminacao-hanseniase-4fev16-web.93-101 (Série A. A.pdf GOSSELINK R. Prevenção clínica de doenças cardiovasculares.cardiol. K.. D. S.. G. R. Disponível em: http://www.V. Ministério da Saúde.V. Manual de adesão ao tratamento para pessoas vivendo com HIV e AIDS. STEIN.gov. ARRUDA.pdf FRANÇA. DEAN M. VAN DE LEUR H.C.. Disponível em http://publicacoes. M..br/pdf/csc/v21n5/1413-8123-csc-21-051553. Doi: 10. M. Saúde e Educação. Ministério da Saúde.br/2014/diretrizes/2014/Diretriz_de_Consenso%20Sul-Americano. Instituto Nacional de Câncer .pdf e Metabólica: Aspectos Práticos e 86(1): 74-82. Disponível em: http://portalsaude. BOTT J. Legislação em Saúde).cardiol.br/pdf/ape/v28n5/1982-0194-ape-28-05-0488. 21(5):1553-1564.. 2012. Departamento de Atenção Básica. Departamento de Atenção Básica. Departamento de Atenção Básica. Acta Paul Enferm. Secretaria de Atenção à Saúde.pdf BRASIL. G. Arq Bras Cardiol 2006. – (Cadernos de Atenção Básica. L. p. 2016.. R. D.pdf . HERDY. 15) (Série A. Secretaria de Atenção à Saúde. Comunicação. 2006. P.. CARVALHO. Hipertensão arterial sistêmica para o Sistema Único de Saúde / Ministério da Saúde.pdf CARVALHO. C.G.C. n. . 64 p.br/bvs/publicacoes/manual_prevencao_incapacidades. Brasília DF. 2008.0440201. C. http://publicacoes. http://dx. FERNÁNDEZ.Consenso 2001.. Ministério da Saúde. Disponível em: http://www.org/10. NAVA S. Manual de prevenção de incapacidades. GRECO. P.saude. 28(5):488-93.pdf. 58 p.. Brasília: Ministério da Saúde. B. Brasília: Ministério da Saúde.gov.com. 2015. Secretaria de Atenção à Saúde..P.R. FERNANDES.1): 431-440.saude..gov. H. C.P. E.doi. Disponível em: http://bvsms. Disponível em: http://www.br/consenso/2006/8601012.. Ministério da Saúde. RAMOS. JOHNSON M. 2016.scielo. n. Departamento de Vigilância Epidemiológica.assobrafir. 56 p.P.1590/1982019420150008. 34:1188–1199. Intensive Care Med 2008.1590/1413-81232015215.R.E.P. T.R. ZEBALLOS.scielo. GONZÁLEZ. F.. BRASIL. BRASIL. Physiotherapy for adult patients with critical illness: recommendations. BURDIAT.H. STILLER K. SERRA. 103(2 supl.. R. Rio de Janeiro: INCA.br/bvs/publicacoes/manual_adesao_tratamento_hiv. Diretriz Sul-Americana de Prevenção e Reabilitação Cardiovascular. Departamento de Atenção Básica.. – (Cadernos de Atenção Básica. Limitações funcionais e incapacidades de idosos com síndrome de imunodeficiência adquirida. 14) (Série A.pdf BRASIL. il. T. Coordenação de Prevenção e Vigilância (CONPREV). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. atenção e eliminação da hanseníase como problema de saúde pública. 2008. DAMASCENO.. Ciência & Saúde Coletiva. Normas e Manuais Técnicos) BRASIL. Programa Nacional de DST e Aids. Trinta anos de enfrentamento à epidemia da Aids no Brasil. Ministério da Saúde.pdf GHIZONI. C.(Cadernos de Atenção Básica. Departamento de Atenção Básica. 2001.P. SCHÖNHOFER B. cerebrovasculares e renais / Ministério da Saúde. Diretriz de Reabilitação Cardiopulmonar Responsabilidades.INCA. MILANI. Departamento de Atenção Básica.. Diabetes Mellitus / Ministério da Saúde. Abordagem e Tratamento do Fumante . TESSER. Secretaria de Atenção à Saúde. 2008. GONZÁLEZ.br/imagens_up/Forca_Tarefa_sobre_Fisioterapia_em_Pacientes_Criticos_Adultos. Ministério da Saúde.C. E. Normas e Manuais Técnicos) BRASIL. C.. A. C. Secretaria de Vigilância em Saúde. A integralidade na Visão dos Fisioterapeutas de um Município de Médio Porte. VINCENT JL.saude. Brasília DF. Manual Técnico-Operacional. Disponível em CRUZ. J. Secretaria de Vigilância em Saúde. LÓPEZ-JIMÉNEZ.scielo. Santa Catarina: Interface.. Diretrizes para vigilância. AQUIM. – (Série E. ARAÚJO. 110 p. SANTIBÁÑEZ.br/pdf/icse/2010nahead/aop2410. Normas e Manuais Técnicos) BRASIL.ET. 1985-2015.

0000000000000098. Bras Pneumol 2014. 18. Disponível em: http://publicacoes.1): 1-20. Disponível em: www2. Disponível em: . 101(4 supl. 49. Elsevier.php/RFM/pdf/?dd1=2452. A. Multidisciplinary Respiratory Medicine 2013. SUASSUNA. NEGRÃO. A.gov.L.J. 40. PENLEY L. 10 e 11).. 43.M.asp. An Official American Thoracic Society/European Respiratory Society Statement: Key Concepts and Advances in Pulmonary Rehabilitation.V. Fisioter. (capítulos 8. STOLLER J. MARTINO F AND AMBROSINO N.br/inca/Arquivos/publicacoes/Consenso_Nutricao_internet.R. DIXON L. C.. Barueri. Stroke. SP. J Bras Nefrol 2010. Recomendações brasileiras de ventilação mecânica 2013. 42. E.P. Arq Bras Cardiol 2013.inca.pdf BRASIL.pdf SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. C. Parte 1.. 39. Ministério da Saúde.1): 151. BARRETTO. 2014.cardiol. ZUWALLACK R. 9.pdf SPRUIT M. LEACH S. São Paulo: AC Farmacêutica. PADOVANI CR. Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia.. MENEZES.org. ROCHA. 41. p. HOWARD A.br/reol/index. SMALL R.Review. HITE RD. Consenso Nacional de Nutrição Oncológica/ Instituto Nacional de Câncer. Bras Pneumol 2014. NOBRE. J. THOMPSON C. 2a ed. 50) WINSTEIN et al. 2013. Ministério da Saúde. Disponível em: http://www1. Disponível em http://publicacoes. V Diretriz Brasileira Sobre Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose.V.. Arq Bras Cardiol 2010. TAYLOR K.. A Fisioterapia no contexto do HIV/AIDS. J. 15.cardiol.. june 2016. v 84.171 – 183. COSTA. Crit Care Med 2008. Manole. MORRIS PE. Fundamentos da Terapia Respiratória de EGAN. Diagnóstico precoce do pré diabético. ANDERSON L.br/images/pdf/diretrizes-sbd. 46. 44.ahajournals.. Disponível em: http://publicacoes. Consenso Nacional de Nutrição Oncológica/Instituto Nacional de Câncer. 2006. Ed. O.N. LUQUE A. MODERNO LFO.6) NUTRIÇÃO I Diretriz Brasileira de Diagnóstico e Tratamento da Síndrome Metabólica. 9º edição.org/lrMedia/2013/pdf/234079.C. Recomendações brasileiras de ventilação mecânica 2013. GONÇALVES A. 2009. 38. 95(1 supl. Disponível em: http://www.br/consenso/2013/V_Diretriz_Brasileira_de_Dislipidemias. 8.. BAKER S. volume II.pdf VEGA J. C. pp 13–64. Am J Respir Crit Care Med Vol 188. Rio de Janeiro: INCA. Disponível em: http://www. Incapacidades Físicas em Hanseníase: Coisa do Passado ou Prioridade na Prevenção? Hansen Int 2009. P. Cardiologia do Exercício: do Atleta ao Cardiopata. S. K. Available in: http://stroke. 2008 out/dez. ICU-Acquired Weakness and Recovery from Critical Illness.. 2005.diabetes. HAPONIK E.pdf SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. I. GARVEY C. 33. BRASIL. MANTELLINI GG. SARMENTO G. Peri-operative physiotherapy. N Engl J Med 2014. São Paulo.. 2009. 47.8:4. 34(2): 33-39. Guidelines for Adult Stroke Rehabilitation and Recovery. SANCHEZ M. Mov. et al. Atheneu 2012.org/content/early/2016/05/04/STR. 36:8.A. 13.erseducation. GOAD A. 40(4):327-363. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2013-2014... Iss. 45. Rio de Janeiro: INCA. 21(4):11-18. Oct 15.cardiol.H. Arquivos Brasileiros de Cardiologia.K. HARRY B. Parte 2.. KACMAREK R.A. Tratado de Fisioterapia Hospitalar: Assistência Integral ao Paciente.pucpr. MAKHABAH DN. 40(5):458-486. SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA / SOCIEDADE BRASILEIRA DE HIPERTENSÃO / SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA. WILKINS R. Avaliação hemodinâmica em paciente criticamente enfermo. ROCHESTER C. 2011. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. J.32(2):201-21. BERNARDES. 4.br/consenso/2010/Diretriz_hipertensao_associados.J. Early intensive care unit mobility therapy in the treatment of acute respiratory failure.br/consenso/2005/sindromemetabolica. NICI L..M. SINGH S. K.38 KRESS JP AND HALL JB. J. ROSS A. T. (capítulos 4.370:1626-35. PASSMORE L.

E. Código de Ética Profissional do ano de 2005. São Paulo: Martins Fontes. S.Básica. Disponível em: http://189.br ANGERAMI-CAMON. Barueri. 4. 2ª ed. 2014. reimpr.28. Política Nacional de Alimentação e Nutrição / Ministério da Saúde. p. 2014. Margarida Salomão. Psicologia da saúde – um novo significado para a prática clínica. Recomendações aos médicos que exercem a psicanálise (1912). 55-100.7) PSICOLOGIA ALMEIDA. 128 p. ______. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: Diabetes Mellitus / Ministério da Saúde. n. Jayme Salomão. v. Trad. . O psicólogo no hospital geral. Disponível em: http://189. Tratado de Alimentação. p. MR. 160 p. Ministério da Saúde.M. As neuropsicoses de defesa. Rio de Janeiro: Imago. 38).pdf BRASIL. – 1. 84 p. Departamento de Atenção Básica. 3ª edição. 1. Guia de Nutrição . 2 Volumes . [S. In:___.br/inca/Arquivos/consenso_nutricao_vol2.pdf CUPPARI.C. Secretaria de Atenção à Saúde. Rio de Janeiro: Imago. Disponível em: http://bvsms. Departamento de Atenção Básica. Trad.. 2013. (org. (Cadernos de Atenção Básica. Secretaria de Atenção à Saúde. Ministério da Saúde.].pdf Brasil.org/scielo. – (Cadernos de Atenção Básica. v. V. Departamento de Atenção Básica. L. K. Secretaria de Atenção à Saúde.39 http://www1. (Cadernos de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira.gov.].S. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: Hipertensão Arterial Sistêmica / Ministério da Saúde.inca. [Reimpr.) Tendências em psicologia hospitalar. 2013. Departamento de Atenção Básica. E. O caso de Schreber. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_36.pdf Brasil.. D.pdf BRASIL. Ministério da Saúde. 2004. Brasília: Ministério da Saúde. artigos sobre técnica e outros trabalhos. Secretaria de Atenção à Saúde.saude. Disponível em: http://www. Ministério da Saúde. Editora Atheneu. Psicologia da saúde x psicologia hospitalar: definições e possibilidades de inserção profissional. (Edição Standard Brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund (Freud. – Brasília : Ministério da Saúde. 36). n.gov. XXII). CARVALHO. 2000. reimpr. Nutrição Oral.D. III).scielo. J. A. In: ___. ed. SILVA.. Porto Alegre: Artmed. Psicologia Ciência e Profissão 20 (3): 24-27.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_38. Departamento de Atenção Básica. 212 p. Enteral e Parenteral na Prática Clínica.pdf BRASIL. Revista da Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar 11 (1): 2008.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_37. (org. (Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud.clínica no adulto. Secretaria de Atenção à Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde. WAITZBERG.br/bvs/publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileira_2ed. 1976. 3ªed.128. Brasília: Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. GILIÉRON.D.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_alimentacao_nutricao. E.: il. São Paulo: Pioneira Psicologia. 5. 1. : il. BORNHOLDT. S. 2004. -CASTRO. MURA. Nutrição e Dietoterapia. 2013. Secretaria de Atenção à Saúde. Disponível em: http://pepsic.128. Secretaria de Atenção à Saúde. 2014. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais (DSM-5). ______. Departamento de Atenção Básica. : il.bvsalud. 2009. Primeiras publicações psicanalíticas. Disponível em: http://bvsms. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: Obesidade / Ministério da Saúde. 2014. 37). Introdução às psicoterapias breves. LUSTOSA MA. 2.gov. Ed. Disponível em: http://189.. Interconsulta Psicológica. 2014. Ministério da Saúde. ed. Brasília : Ministério da Saúde.). Secretaria de Atenção à Saúde. L. 147-159.C.128.28. 2004. 2011.. Departamento de Atenção Básica.4ª Ed. São Paulo: Manole.P. FREUD. n. CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA – 4ª região.156 p. São Paulo: Pioneira. Psicologia Ciência e Profissão 24(3): 48-57.saude.28. Edmond. São Paulo: Roca.

(org). ______.pdf.43.história de resistências e de ruptura com o conservadorismo. Rio de Janeiro: UERJ. gratuito e de qualidade. E MENEZES. J. L. Lei n. Campinas. N.J.saude. 2016. Serviço Social no Brasil . 10. S. S. EDLER. BRASIL. CFESS. Capítulo 1 e Capítulo 2. 26 . 2008. 2007. Código de Ética do Serviço Social.C. M. BOSCHETTI. 2016. CASTRO. P.B. Revisada e atualizada. Cadernos de Saúde.gov.. M. SP: Papel Social. n. ERLICHMAN. M. Decreto 7508.br/web_confmundial/docs/l8080. 2014. Textos & Contextos. Rede Sirius. Rede Sirius. F. ESCOREL.A.org. M. MENEZES. Disponível em: http://www. T. NASCIMENTO.119-140. M. Rio de Janeiro: Wak Editora. A prática do psicólogo hospitalar em equipe multidisciplinar. Psicanálise e Hospital: a responsabilidade da psicanálise diante da ciência médica.B. J. S. O (org).história de resistências e de ruptura com o conservadorismo. 2011.S. Serviço Social e política social: 80 anos de uma relação visceral..br/web_confmundial/docs/l8142. GOMES. O (org). de 28 de dezembro de 1990.cfess.L. J. TRINDADE.I.T..M. A Saúde nos Governos do Partido dos Trabalhadores e as Lutas Sociais Contra a Privatização. B./jul. al. M. In: LIMA. B (orgs).gov. SILVA. 8142. Brasília. Parâmetros para a Atuação de Assistentes Sociais na Política de Saúde.I. Disponível em: http://conselho. G. ANDREOLI.planalto. p. Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde . A. TEIXEIRA. a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. de 19 de setembro de 1990. Estudos de Psicologia (Campinas) 24 (1): 89-98.O. I. In: BRAVO. E. p.pt/scielo 4. BRAVO. W.2011.google.. São Paulo: Atheneu. SILVA. Disponível em: http://conselho. As Origens da reforma sanitária e do SUS.J. Aconselhamento psicológico em contextos de saúde e doença Intervenção prIvilegiada em psicologia da saúde. OLIVEIRA. M. M. 1. 2013. Série: trabalho e projeto profissional nas políticas sociais. O Serviço Social nas Residências Multiprofissionais: formação para a integralidade? Curitiba: APPRIS.saude. 2012.8) SERVIÇO SOCIAL NETTO.40 KNOBEL. Rio de Janeiro: UERJ. de 28 de junho de 2011.B.C.R. BEHRING.gpeari. E. Regulamenta a Lei no 8. São Paulo: Cortez. B. Política de saúde hoje: interfaces & desafios no trabalho de assistentes sociais. de 19 de setembro de 1990.M.pdf . M. Lei n. BRAVO. p.mctes. MENEZES. CARVALHO.I. DUARTE. J. BATISTA. 2013. E MENEZES. 8080.S. I.S.080. J. BRASIL.B.. R. 10ª ed. para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde.O. MOURA. 2010. Trabalho em saúde: desafios contemporâneos para o Serviço Social.R. Porto Alegre. São Paulo: Cortez.br/arquivos/CEP_CFESS-SITE. universal.49-76. L.gov. Psicologia e humanização: assistência aos pacientes graves.SUS e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências.scielo. jan. Para uma história nova do Serviço Social no Brasil. S.C. Disponível em: http://www. P. (org) Saúde na atualidade: por um sistema único de saúde estatal. Serviço Social no Brasil .br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/D7508.htm BRAVO. . M.pdf BRASIL.S. São Paulo: Cortez. Os Governos do Partido dos Trabalhadores e as Políticas Sociais: “Nada de novo no front”.com/file/d/0B3SRQLv1tEAVeGhNeEE2MEc5SlU/view CLOSS. Processo de trabalho em saúde e serviço social: notas sobre o trabalho profissional no campo da saúde.. Participação popular e controle social na saúde. Disponível em: https://drive. Saúde e Serviço Social no capitalismo – fundamentos sócio-históricos. M.S. 2014. I. proteção e recuperação da saúde. Dispõe sobre as condições para a promoção. D. 2010. TONETTO. Análise Psicológica 18 (1): 3-14. D. M. L. J. DUARTE. 2000. T.A. et. v. Disponível em: http://www.

intersetorialidade e questão social: um estudo na ótica dos sujeitos. Ministério da Saúde.gov. BRASIL. Soc. Serviço Social. 2009. Cap 1 e 2.) et al. Soc. Salvador: EDUFBA. 111. C. A. 339-351.. Normas e Manuais Técnicos. SCHEFFER. 118.php/o-ministerio/principal/leia-mais-o- . No rastro dos acontecimentos: políticas de saúde no Brasil. A Atenção Primária e as Redes de Atenção à Saúde / Conselho Nacional de Secretários de Saúde.saude. Modelo de atenção à saúde: promoção. n. Ministério da Saúde. Saúde mental. et. Tania Maria Ferreira. Controle da Hanseníase na Atenção Básica Guia Prático Para Profissionais da Equipe de Saúde da Família.2014.O. p. n° 82: Trabalho e Saúde. 1991. e dá outras providências. BRASIL. BISNETO. Disponível em: http://portalsaude. 2014. Ministério da Saúde. Ministério da Saúde. C. 2010. Disponível em: http://www. 102. Brasília: Assessoria de Comunicação. 2014. Política de saúde hoje: interfaces & desafios no trabalho de assistentes sociais.85-108. SOARES. M. ______. R. A. 2006. Campinas. São Paulo: Editora Cortez. Serviço Social. O trabalho do serviço social nos serviços de saúde mental. BRAVO. Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças. Serviço Social e Sociedade.Reflexões Para o Exercício Profissional. In: Revista Serviço Social e Sociedade. Serv. 2014. p. In: DUARTE. J. TEIXEIRA. al. Série A.1) ENFERMAGEM ALFRADIQUE M. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. BRASIL. ROSA.41 (Org.J.br/biblioteca/a-atencao-primaria-e-as-redes-de-atencao-a-saude/ BRASIL. (org). Brasília: Assessoria de Comunicação Social. A racionalidade da contrarreforma na política de saúde e o Serviço Social. 75-106. – Brasília: CONASS. MENEZES. Rio de Janeiro: Ed. Ética e Saúde . Revista Serviço Social & Saúde.. J.saude. 2014.saude. 7/8. vigilância e saúde da família. 366-393.gov. 5) PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA 5. 2015. al. Disponível em: http://bvsms. 2012. ROBAINA. I. In: DUARTE.P. Saúde. p. M. São Paulo: Cortez. nos termos do anexo.conass. p. RAMOS.O.pdf BRASIL. Saude Pública.S. Calendário Nacional de Vacinação .php/o-ministerio/principal/leia-mais-o-ministerio/197-secretaria-svs/13600calendario-nacional-de-vacinacao BRASIL. n. Lahana Gomes. agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território nacional. J. Fiocruz. de 17 de fevereiro de 2016.br/index. 2005. Graziela. Portaria Nº 204. M. M. São Paulo. Disponível em: http://portalsaude. Campinas.gov.org. v. Uma análise da prática do Serviço Social em Saúde Mental. SP: Papel Social. Instrumentos e técnicas de trabalho do assistente social: notas para uma reflexão crítica. 7/8. São Paulo.J. de 28 de dezembro de 1990. MELO. M. Serviço Social. n.br/index. n. C. Lista de internações por condições sensíveis à Atenção Primária. criando laços. Saúde e democracia: história e perspectiva do SUS. de 19 de setembro de 1990. E et al. (org). SOLLA. SP: Papel Social.59-81. jun 2009. RJ25(6):1337-1349. Lei Federal 8080. Inserções do assistente social em saúde mental: em foco o trabalho com famílias. F. SILVA. 2005. MATOS. A mudança do modelo de atenção à saúde no SUS: desatando nós. São Paulo: Cortez. saúde e questões contemporâneas: reflexões críticas sobre a prática profissional. Campinas. Cad. BRASIL.br/bvs/publicacoes/hanseniase_atencao. Movimentos Sociais e Conselhos. F. Lúcia Cristina dos Santos. Lei Federal 8142. et. In: TEIXEIRA. Procedimentos a serem adotados para a vigilância da Febre do Zika vírus no BRASIL. Conceição Maria Vaz.C.B. p.

BRASIL.gov.org/10. (2010).16(6).br/bvs/publicacoes/politica_nacional_humanizacao_pnh_folheto. Organização de redes regionalizadas e integradas de atenção à saúde: desafios do Sistema Único de Saúde (Brasil).br/resoluo-cofen-3582009_4384. Tuberculose na Atenção Primária à Saúde. http://bvsms. Disponível em http://conselho. Manual de vigilância epidemiológica de eventos adversos pós-vacinação.doi. 2009. Departamento de Atenção Básica.pdf Disponível em: BRASIL. Diretoria Técnica de Gestão. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Atheneu.119-140. Luiz Rr. Disponível em: http://189.28. SILVA. 2014. 10 11. Departamento de Atenção Básica. 2012. 2012. Secretaria de Vigilância em Saúde. BRASIL. OLIVEIRA. – Brasília: Ministério da Saúde.história de resistências e de ruptura com o conservadorismo. Ministério da Saúde. Manual de Normas e Procedimentos para Vacinação. Secretaria de Vigilância em Saúde. Ministério da Saúde.html Comunicação Social. p. Epidemiologia.pdf BRASIL. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Werneck Gl (Eds. O. Secretaria de Atenção à Saúde. Ministério da Saúde. Ministério da Saúde. BRASIL. Revista da Escola de Enfermagem da USP. Política Nacional de Atenção Básica / Ministério da Saúde. Ministério da Saúde. 35).pdf BRASIL. & Tavares.128. R. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. 2ª Ed. Disponível em: http://www. Diretoria Técnica de Gestão. Secretaria de Atenção à Saúde.498. Brasília: Ministério da Saúde. 2753-2762. São Paulo: Cortez. 774-781. de 25 de junho de 1986 (Lei do exercício profissional de enfermagem). BOSCHETTI.saude. Darlene Mara dos Santos. 9. Resolução COFEN-358/2009. Coordenação Nacional de Saúde Bucal.doi. Juliana Costa Assis de. BRASIL. Silvio Fernandes da. 2016. 2008. Disponível em: https://dx. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Atenção Básica. Secretaria de Atenção Básica. Ciência & Saúde Coletiva. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica / Ministério da Saúde. I. Diretrizes da Política Nacional de Saúde Bucal.2013 SILVA. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Política Nacional de Humanização. L. (2011).1590/S0080-62342010000300032 POTTER .42 ministerio/1139-secretaria-svs/vigilancia-de-a-a-z/zika/17875-publicacoes-zika. Departamento de Atenção à Básica.cofen. 2013. São Paulo.org/10. BRASIL.gov. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde. BRASIL. ed. 2004. Departamento de Atenção Básica. Secretaria de Vigilância em Saúde. Ministério da Saúde. Capítulos 8. MEDRONHO R. 3. Departamento de Atenção Básica. Brasília. 2014. Dengue: diagnóstico e manejo clínico: adulto e criança. Bloch Kv. DF. Serviço Social e política social: 80 anos de uma relação visceral.). 8 ed.: il. 1991. 2013. Atenção ao idoso na estratégia de Saúde da Família: atuação do enfermeiro. Saúde da Criança: Crescimento e Desenvolvimento/ Ministério da Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde. 44(3). Ministério da Saúde. (Cadernos de Atenção Básica. E.1590/S1413-81232011000600014 5. Departamento de Vigilância Epidemiológica. n. Editora Elsevier. Secretaria de Atenção à Saúde. Brasília – DF 2011. Fundamentos de Enfermagem. Brasília. Ministério da Saúde. Cap. Saúde Bucal / . Departamento de Atenção Básica. Serviço Social no Brasil. BRASIL. BRASIL. Ministério da Saúde. 162 p.2) ODONTOLOGIA BEHRING. – 4. M. P. Secretaria de Vigilância em Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde.gov.100/dab/docs/publicacoes/geral/livro_tuberculose11. Disponível em: https://dx.saude. Secretaria de Atenção à Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde.br/web_comissoes/cisb/doc/politica_nacional. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Lei nº 7. Secretaria de Atenção à Saúde.

Participação popular e controle social na saúde. Fiocruz. J. Saúde e Serviço Social no capitalismo – fundamentos sócio-históricos. a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. – (Série A.B. M. Rede Sirius. 8080. Rede Sirius. 5. M.I. Nova Odessa: Napoleão. de 28 de dezembro de 1990. EDLER. In: DUARTE. 2014. M. São Paulo: Cortez. In: PINTO.G. 2008. J. O (org). Rio de Janeiro: UERJ.C.I. Serviço Social no Brasil . SILVA. 133-178. M.I.080. J. R. Rede Sirius. N. MENEZES. 2011. S. pag.br/web_confmundial/docs/l8142. S. Serviço Social e política social: 80 anos de uma relação visceral. – Brasília: Ministério da Saúde. Programação em Saúde Bucal p. pag.história de resistências e de ruptura com o conservadorismo.T. ESCOREL. BRASIL.gov. Política de saúde hoje: interfaces & desafios no trabalho de assistentes sociais.I. In: GIOVANELLA. Rio de Janeiro: Ed. Saúde e democracia: história e perspectiva do SUS. et. BRAVO. J. 2016. 2008. Rio de Janeiro: UERJ. Rede Sirius. E MENEZES.gov. Políticas e Sistema de Saúde no Brasil.com/file/d/0B3SRQLv1tEAVeGhNeEE2MEc5SlU/view MOYSES. I. Saúde Bucal Coletiva. 2005. (org) Saúde na atualidade: por um sistema único de saúde estatal.pdf . M. Disponível em: http://conselho. gratuito e de qualidade. Dispõe sobre as condições para a promoção.S. O (org). São Paulo: Artes Médicas. L.B.S. Serviço Social no Brasil . 2013. MENEZES. 2016. Regulamenta a Lei no 8. Disponível em: https://drive. M. B (orgs). et al. 431-704. D. SP: Papel Social. S.br/web_confmundial/docs/l8080. p.I. M.O. B. KRIGER. MENEZES. A Saúde nos Governos do Partido dos Trabalhadores e as Lutas Sociais Contra a Privatização. J. M.T. para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde. de 19 de setembro de 1990. E. J. V.J. MOYSES. BRAVO. Campinas..São Paulo: Editora Santos.htm BRAVO. Os Governos do Partido dos Trabalhadores e as Políticas Sociais: “Nada de novo no front”. Rio de Janeiro: UERJ. A. universal. P. Rio de Janeiro: UERJ.saude. São Paulo: Cortez. M. Decreto 7508. S. Para uma história nova do Serviço Social no Brasil. Saúde Bucal das Famílias –trabalhando com evidências.J. 92 p. p.119-140. Saúde Bucal.I. 6 ed . L.S. E MENEZES. BOSCHETTI. p. al. 2008. 8142. São Paulo: Napoleão.C.43 Ministério da Saúde. J. Cadernos de Saúde. BRAVO.planalto. Normas e Manuais Técnicos) (Cadernos de Atenção Básica.S. Disponível em: .S.B. V. S. PINTO. (Org. MENEZES.gov. A Saúde nos Governos do Partido dos Trabalhadores e as Lutas Sociais Contra a Privatização.161199. In: LIMA.C. Secretaria de Atenção à Saúde. E MENEZES. de 19 de setembro de 1990.S. BRAVO. I. J.59-81.3) SERVIÇO SOCIAL NETTO. Participação popular e controle social na saúde. BRASIL. M. In: BRAVO. E MENEZES. ABRASCO: FIOCRUZ. MOYSES. proteção e recuperação da saúde. MATOS.S. p 705-734.49-76. As Origens da reforma sanitária e do SUS.saude. S. PEREIRA. BEHRING.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/D7508. F.pdf BRASIL. Disponível em: http://www. (org) Saúde na atualidade: por um sistema único de saúde estatal. Lei n. 2009. Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde . universal. No rastro dos acontecimentos: políticas de saúde no Brasil. 2014. In: BRAVO. Disponível em: http://conselho. gratuito e de qualidade. pag 17-110. (org). 2011. SILVA. Departamento de Atenção Básica. 2014. Os Governos do Partido dos Trabalhadores e as Políticas Sociais: “Nada de novo no front”.B.google. de 28 de junho de 2011.R. Cadernos de Saúde.) et al. NASCIMENTO. M. L. S. e cols.S.. S.história de resistências e de ruptura com o conservadorismo. B (orgs).G. 17). 2013.J. Lei n. São Paulo: Cortez. Tratado de Saúde Coletiva em Odontologia. J.S. L.SUS e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. B.

São Paulo: Cortez. 2009.pdf.2011./jul. Rio de Janeiro. Serv. 118. SCHEFFER.fiocruz. Serviço Social. 2014.44 https://drive. L. (org). I. SP: Papel Social. M. O trabalho do serviço social nos serviços de saúde mental. 2014. C. SOARES.O. Saúde.cfess. Soc. al. MELO. Planejamento e Gestão. Brasília. n° 82: Trabalho e Saúde. In: DUARTE. Modelo de atenção à saúde: promoção.Reflexões Para o Exercício Profissional. O Serviço Social nas Residências Multiprofissionais: formação para a integralidade? Curitiba: APPRIS.org. Porto Alegre. Caminhos da organização e gestão do cuidado em saúde no âmbito hospitalar brasileiro. n. 2012. Série: trabalho e projeto profissional nas políticas sociais. BRAVO. 28-38. A. Ana Luiza d’Ávila.43. Trabalho em saúde: desafios contemporâneos para o Serviço Social. Disponível em: www6. 2006. 1. Campinas. CFESS. Soc. p. EDLER.. J. Saúde Debate. S. 2014. p. C.J. RAMOS. vigilância e saúde da família. NASCIMENTO. M. Revisada e atualizada. p.C. São Paulo: Cortez. 26 .J. Serviço Social. p. Saúde e democracia: história e perspectiva do SUS. Perspectivas de região e redes na política de saúde brasileira. ROSA. DUARTE. v.google. SP: Papel Social. C. F. A racionalidade da contrarreforma na política de saúde e o Serviço Social. Ética e Saúde .T.1. n. MIRANDA. (org). Disponível em: http://www. (Org.. 366-393. 2005. Uma análise da prática do Serviço Social em Saúde Mental. v. 2014. CASTRO. ESCOREL. Salvador: EDUFBA. p.S. 10ª ed.br/arquivos/CEP_CFESS-SITE. GRABOIS. 10. set. SOLLA. Rio de Janeiro: Ed.M. J. ______. Lúcia Cristina dos Santos. VIANA.br/repositorio/resource/354463 . MENEZES. 102. OLIVEIRA. Serviço Social. n. Disponivel em http://www. No rastro dos acontecimentos: políticas de saúde no Brasil. n. In: DUARTE. Campinas.pdf AZEVEDO. jan. Política. Instrumentos e técnicas de trabalho do assistente social: notas para uma reflexão crítica. Graziela.scielo. 2010. R.ensp. et. I. 7/8. M. especial. saúde e questões contemporâneas: reflexões críticas sobre a prática profissional.O.J. M. C. J.B. F. 2013. Lahana Gomes. p. D.O. SP: Papel Social. Textos & Contextos. v. M. M. 75-106. DUARTE. al.O.br/pdf/sdeb/v39nspe/0103-1104-sdeb-39-spe-00028. BISNETO. Capítulo 1 e Capítulo 2.J.P. Revista Serviço Social & Saúde. São Paulo. ROBAINA. 2014. Movimentos Sociais e Conselhos. MATOS. Fiocruz.C. SILVA.C. F. SÁ. et. al. criando laços. L. 339-351. 6) PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE MENTAL 6. dez 2015. 7/8.M. Abrasco. V. Parâmetros para a Atuação de Assistentes Sociais na Política de Saúde. T. As Origens da reforma sanitária e do SUS. M. M.S. In: LIMA.L. 2010.1) SAÚDE COLETIVA (conhecimentos gerais) ALBUQUERQUE. Mariana Vercesi.com/file/d/0B3SRQLv1tEAVeGhNeEE2MEc5SlU/view CLOSS. 2005.. v. 2012.1.59-81. Conceição Maria Vaz. Campinas.C.. A mudança do modelo de atenção à saúde no SUS: desatando nós. Inserções do assistente social em saúde mental: em foco o trabalho com famílias. A. Serviço Social e Sociedade. p. Política de saúde hoje: interfaces & desafios no trabalho de assistentes sociais. n. In: Revista Serviço Social e Sociedade. Código de Ética do Serviço Social. et. Saúde mental. Tania Maria Ferreira.85-108. Processo de trabalho em saúde e serviço social: notas sobre o trabalho profissional no campo da saúde. T.1-34. 2010. In: TEIXEIRA. n. N. São Paulo. intersetorialidade e questão social: um estudo na ótica dos sujeitos.) et al. p. São Paulo: Editora Cortez. ______. Política de saúde hoje: interfaces & desafios no trabalho de assistentes sociais. TEIXEIRA.R. 39. M. Campinas. (org).

256p. A regulação pública da saúde no Estado brasileiro – uma revisão.V. técnica e formação: as razões do cuidado como direito à saúde. vol. BUSS. P.scielo. R. Saúde soc. P. et al. T. TRAVASSOS. Disponível em: www. 2004.idisa. 29(10):1927-1953. C. A Constituição Cidadã e os 25 anos do Sistema Único de Saúde (SUS) Cad. Interface . H.V. I.pdf PAIM. In PINHEIRO. Senado Federal.C. .19.10.W. In...br/pdf/icse/v13s1/a12v13s1. pp. Rio de Janeiro. AMARANTE. Disponível em: http://www. The Lancet. In PINHEIRO. de 11 de novembro de http://bvsms. org.1. ALMEIDA. Brasília..pdf SANTOS.1590/0102-311X00099513 SANTOS FILHO. V.pdf KOIFMAN.conass. 2010. o planejamento da saúde.htm CAMARGO JR. Lei nº 8.html 2014. R. Medicalização.. São .508. R. 2009.abc. no.planalto.org.. Determinantes Sociais na Saúde na Doença e na Intervenção. os modos de ser (do) humano e as práticas de saúde.142. Comunic.org/10. Disponível em: www.br/pdf/Redes_de_Atencao.S. AMARANTE. A construção do ato de cuidar no espaço da formação em saúde. MENDES. e dá outras providências. Saúde Pública.. 2010. supl. Constituição da República Federativa do Brasil: Texto promulgado em 05 de outubro de 1988. 549p. CAMPOS. Título VIII Da ordem Social – Capítulo II... T. CARVALHO. Portaria nº 2. S. vol. Disponível em: BRASIL.D.gov.br/pdf/icse/v10n19/a03v1019. [online].br/sf/legislacao/const/con1988/CON1988_05.3. E. jan/jun 2006. B. org. Disponível em: http://www. org.Comunic. Lei nº 8.php?script=sci_arttext&pid=S0104 12902004000300003&lng=pt&nrm=iso BRASIL. GOMES.pdf JOUVAL JR. de 19 de Setembro de 1990.planalto. Disponível em: http://www. R.10. Disponível em: www. conceitos e elementos constitutivos. Ética. de 28 de junho de 2011. p.. C.pdf BRASIL. Políticas e Sistemas de Saúde no Brasil. MENDES. Disponível em: www. F. Regulamenta a Lei no 8. L. RIBEIRO. v. Educ. Rio de Janeiro: CEBES. P. Saúde soc. p. L. M. Gestão Pública e a relação público privada na saúde.. de 28 de dezembro de 1990 (Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde – SUS e sobre as transferências de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências). Ética. Brasília. S. J. Educ.C. 2013. O sistema de saúde brasileiro: história. José Ricardo de Carvalho Mesquita. 2011. A Política Nacional de Humanização como política que se faz no processo de trabalho em saúde.S.idisa. Educ. As redes de atenção à saúde: revisão bibliográfica. E. Disponível em: http://dx.SUS.24..senado. 2008. Rio de Janeiro: CEPESC: IMS/UERJ: ABRASCO. maio.. Disponível em: http://www. out. M. Saúde. 2011. a assistência à saúde e a articulação interfederativa.gov. R. 16-29. J.080. fundamentos. LOPES. 2010. E. Rio de Janeiro: CEBES. avanços e desafios.2. conhecimento: o complexo médico-industrial.br/CCIVIL/LEIS/l8080.gov. Gestão Pública e a relação público privada na saúde.pdf PAIM. Disponível em: http://www. n. MACINKO.org.htm BRASIL. D. J. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde.gov.htm BRASIL. Da Seguridade Social Seção II. P.141-166. n. E.planalto.org.br/CCIVIL/LEIS/l8142.25-41..scielo. v.doi.45 AYRES. CARVALHO. B. As redes de atenção à saúde.603-13. L.13. BARROS.13. técnica e formação: as razões do cuidado como direito à saúde. MERHY. I.br/scielo. M.. FERNADEZ.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt2446_11_11_2014. In SANTOS.1988/CON1988. Da Saúde. 2010.. Interface Comunic.org. O cuidado.br/img/File/GC-2010-RL-LIVRO%20CEBES-2011.C..080. org. R. Saúde. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ/CEBES. S. A.gov. Mais saúde (PAC Saúde) e as políticas sistêmicas de investimentos setoriais.C.br/img/File/GC-2010-RL-LIVRO%20CEBES-2011. G. 256p. C. In: GIOVANELLA. BAHIA.pdf SANTOS.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/D7508. http://www. Saúde no Brasil... para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde . E. Rio de Janeiro: CEPESC: IMS/UERJ: ABRASCO.D. p.scielo.saude. Congresso Federal.446.. Saúde. Avaliação do atual modelo da gestão pública do SUS quanto ao financiamento público na saúde.. Decreto nº 7. K. E. SUS Brasil: a região de saúde como caminho. G.br/IMG/pdf/doc574. In SANTOS. Disponível em: Lei 8080: http://www. de 19 de setembro de 1990. LOPES.S.

Condições de saúde e inovações nas políticas de saúde no Brasil: o caminho a percorrer.. P.216 de 06 de abril de 2001.1590/S0104-12902015000200004 SANTOS. 2011. 2011.pdf COSTA-ROSA. 2015. Diário Oficial da União. Institui a rede de atenção psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack. Rio de Janeiro. Disponível em: www. O projeto terapêutico singular como estratégia de organização do cuidado nos serviços de saúde mental.A. C. J. Disponível em: http://cebes. R. Ed.). 06 de abril de 2001. BOCCARDO. __________________.. p. maio. _______.88-113. Rio de Janeiro: CEBES.B.46 Paulo.org. Saúde no Brasil.C.I. São Paulo. AMARANTE. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. C. M. DF. Revista Divulgação em Saúde para Debate.I. Rio de Janeiro.Portaria 3088 de 23 de dezembro de 2011. REICHENHEIN. Atenção Psicossocial além da Reforma Psiquiátrica: contribuições a uma clínica crítica dos processos de subjetivação na saúde coletiva. _______. Pedro Gabriel Godinho. M.2) SAÚDE MENTAL (conhecimentos gerais) AMARANTE. MENEZES. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas.br/img/File/GC-2010-RL-LIVRO%20CEBES-2011.edu. Clínica. Lei 10. 2007. p. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: carga e desafios atuais.. BASTOS. São Paulo. 85-92. Disponível em: http://bvsms. The Lancet. Ministério da Saúde..I. DF. Saúde Mental: formação e crítica. In SANTOS. BARRETO. Ministério da Saúde: Centro de Estudo e Pesquisa em Saúde Coletiva.. C. CHIAVERINI. Paulo. Unesp.G.. MENEZES. Abilio da. BARROS.br/portal/PDF/livros_eletronicos/enfermagem/manual_matriciamento.C. Univ.C..1. Saúde mental no SUS: os centros de atenção psicossocial. M. CAMPOS. p. Número 52 . M.. F. Andreia Cristina.. D. SCHMIDT. _______. P.. vol.abc. 399-407. Ministério da Saúde. C. Psic. C. MONTEIRO.. et al.saude.L. Jaqueline Tavares. Disponível em: http://dx. desafios atuais. Saúde mental e atenção psicossocial. DF. Secretaria de Atenção à Saúde. Ter. LEAL.abc. S. Gastão Wagner de Souza. 2015. Secretaria de Atenção a Saúde. 27.S. 2014. 2010. Rev. M. Ana Carla. Atenção psicossocial a crianças e adolescentes no SUS : tecendo redes para garantir direitos / Ministério da Saúde. Ocup. org. n.org/10. 22. PAIM. ALMEIDA. Dulce Helena (org. no âmbito do Sistema Único de Saúde. 2011.Guia prático de matriciamento em saúde mental.. TRAVASSOS. Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. L. A. BAHIA. Guia estratégico para o cuidado de pessoas com necessidades relacionadas ao consumo de álcool e outras drogas: Guia AD / Ministério da Saúde. BARREIROS. p.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_psicossocial_criancas_adolescentes_sus.doi. MONTEIRO. Disponível em: www.br/publicacao/revista-divulgacao-em-saude-para-debate-no52-redes-de-atencao-a-saudeconstruindo-o-cuidado-integral/ BRASIL. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. Disponível em: http://faa.pdf 6.br/IMG/pdf/doc-574. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília. The Lancet.br/IMG/pdf/doc-574. G. B. Maria Cristina Ventura.Rio de Janeiro.org.D. álcool e outras drogas. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. 2004. Saúde no Brasil.pdf VICTORA.N.pdf. Secretaria de Atenção à Saúde. Caderno de Saúde Pública.org. Crianças e adolescentes na agenda política da saúde mental brasileira: inclusão tardia. 2011. Gestão Pública e a relação público privada na saúde. – Brasília: Ministério da Saúde.M.. v. COUTO. Diário Oficial da União. . Rio de Janeiro: LAPS. In: Redes de Atenção à Saúde: construindo o cuidado integral. Brasília. n. ASSIS. Ministério da Saúde.idisa. DOMITTI.org.R./June 2015. outubro 2014. & the Lancet Brazil Series Working Group. 2013.A. 1.pdf SCHMIDT. 2007.A. Política de saúde mental no novo contexto do Sistema Único de Saúde: regiões e redes. DUNCAN. Administração pública e a gestão da saúde. – Brasília : Ministério da Saúde. Claudio Antônio. BARRETO.. et al. Brasília. Conselho Nacional do Ministério Público. maio. CHOR. _______.. SILVA. F. L.. Apr. 23 de dezembro de 2011. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em: www. DELGADO.

Marco José de Oliveira. Porto Alegre: Artes Médicas. 6. São Paulo: Perspectiva. In: SILVEIRA.Problemas de saúde mental).47 17-40.2003. 1994. A história de uma marginalização: a política oficial de saúde mental – ontem. FILHO. p. 9. Fernando. (Orgs). 1995. SCARCELLI. BOFF. Volume 3 Guanabara koogan. p. Ed. álcool e outras drogas: intersetorialidade e direitos humanos. . 25-59. A reforma psiquiátrica brasileira. 2003. 2011. In: Cadernos IPUB nº22. Papel Social. FOUCAULT. Paulo (org). Psicoterapia de Grupo com pacientes Somáticos. Ciência. Rio de Janeiro:2003. 2011. Trad. Ianni Regia. 1993. 2015. Rio de Janeiro.(cap. Giselle Lavinas. (Org. Por Sandra M. Teorias de Enfermagem. GEORGE. Juarez Ferreira. Rio de Janeiro: Forense . Rio de Janeiro. EDUEPB. Rio de Janeiro. Leonardo. GOFFMAN. 2011.71-82. v.MG 2007. Ribeirão Preto: PAI_PAD. A intersetorialidade na agenda das politicas públicas. da década de 1980 aos dias atuais: história e conceitos. 2010. Maria de Fatima de Araújo. Nettina. alternativas e possibilidades. Rio de Janeiro: Vozes. In: MONNERAT. p. 97-112. Prática de Enfermagem. Petrópolis. compaixão pela Terra. Fiocruz. Os sentidos do morar e a cidade: um olhar sobre os serviços residenciais terapêuticos. Michel. Maria Thereza Redig de Carvalho Barrocas. Brasil.DF 2015. Rio de Janeiro: FIOCRUZ. BABOR. O Normal e o Patológico.) Loucos Pela Vida: A Trajetória da Reforma Psiquiátrica no Brasil. FURTADO. Paulo. História da Loucura na idade Clássica. Brasil. Prisões e Conventos. CANGUILHEM. Problemas de uma casa chamada serviço: buscando novas perspectivas de moradia para portadores de transtorno mental grave. 1978. Campina Grande. In: AMARANTE. 49-64. BRASIL. Política do Ministério da Saúde para atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. Erving. Julio de Mello. Psicopatologia e Semiologia dos Transtornos Mentais. George. 2015. Campinas. Ministério da Saúde. Paulo(Org. Saber Cuidar: Ética do Humano. Porto Alegre: Artes Médicas. Daniela. Hudson Pires de O Santos.Universitária. São Paulo: Geração Editorial. Casa do Psicólogo. Rio de Janeiro: Forense Universitária. CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM – COREN . crack. p. Florianita. JUNIOR. 185-202. Holocausto Brasileiro. Thomas F. TENORIO. Fernando. Centros de Atenção Psicossocial e Unidades de Acolhimento como lugares da Atenção Psicossocial nos Territórios. BRUNNER. 2002. História. Madel.2000. hoje.3) ENFERMAGEM AMARANTE. ARBEX. 2014. Psiquiatria Social e Reforma Psiquiátrica. Paulo. Brasília .) Grupo e Corpo. p. Ministério da Saúde. DUARTE. Brasília – DF. Rio de Janeiro. Medicalização em Psiquiatria. et al. 2010. Manicômios. AMARANTE. BRAGA-CAMPOS. Guia Prático de Matriciamento em Saúde Mental. Construindo redes de cuidados na atenção à saúde mental. Manual para uso em atenção primária. 57. FREITAS. Fiocruz. LUZ. Ministério da Saúde. DALGALARROND. 2013. Ed. Sul. 2001. Júlia B. 2006. Residências Terapêuticas: pesquisa e prática nos processos de desinstitucionalização. Saúde. Intervenções breves: Para uso de risco e uso nocivo de álcool.

Reflexões sobre a clínica ampliada em equipes de saúde da família. S. Rio de Janeiro: Civilização Braseira. Ministério da Saúde.br/scielo. Exame Clínico.pdf BRASIL. W. P. Jonathan O. MARCOLIN. Manual de psicofarmacologia clínica. Artes Médicas. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. 2005. Rio de Janeiro. Manual de Psicofarmacologia Clínica. Celmo Celeno. vol.saude.. A (clínica) e a Reforma Psiquiátrica. Sena. Ministério da Saúde. Disponível em: http://bvsms.gov.21-25. NARDI. Quarta Edição. Saúde mental. BIRMAN. Departamento de Atenção Básica. Bases Biológicas dos Transtornos Psiquiátricos. EPU. Secretaria de Atenção à Saúde.2 São Paulo. PORTO. 2011. SCHATZBERG. Psiquiatr. Emergências Psiquiátricas. João. Flávio. A psicologia e o Sistema Único de Saúde: quais interfaces? Psicologia & Sociedade.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_34_saude_mental. Serviços de emergência psiquiátrica e suas relações com a rede de saúde mental brasileira. Marcos Tomanik.4) PSICOLOGIA AMARANTE. RODRIGUES.Et. CAMPOS. 1992. et. Porto Alegre: Art med. William (Org. Secretaria de Atenção à Saúde. RTM LTDA. 6. Mal-estar na atualidade: A psicanálise e as novas formas de subjetivação. Porto Alegre: Artmed. . 13-26. p. 2003. BARROS. S.).al. Meire Chucre. Guanabara Koogan. p. 34). CAMPOS. 2007. O Parentesco imaginário: história e representação social da loucura nas relações do espaço asilar. G. 68-77. Disponível em: http://www. G. Rio de Janeiro: Ed. 176 p. 1996. MEDSI. TAYLOR. Silvério Almeida e COSTA. QUEVEDO. Jair de Jesus.Prevenção e Intervenção. BRASIL.al. 2013. Antõnia Regina Furegato. SOARES. TUNDIS. 13 ed. Charles. . São Paulo: Cortez.php?script=sci_arttext&pid=S1516BENEVIDES. 2008. Joel. S. RTM LTDA. W. Rubio. Depressão na criança e na Adolescência. SOUZA. Et. Teng Chei e MARI. Sônia Maria Vilela. Marcos Hirata e BUENO. Ed. Rio de Janeiro. n. 2010. Cristina Loyola. Editora Guanabara Koogan. Eduardo Pondé de. Cidadania e Loucura: Políticas de Saúde Mental no Brasil. 1996. Régis Eric Maia. Rev. In: ___________Archivos de saúde mental e atenção Psicossocial 1. Debattista. 1994.Novas Perspectivas. P. MALAGUTTI.scielo. T. Nilson do Rosário (Org. OLIVEIRA. Sistematização da Assistência da Enfermagem: Guia Prático. Saúde Mental . Coleção Archivos. Ed. 1992. SAE. Irismar Reis de. Antônio Egídio. 2003. Bioética e Enfermagem: Controvérsias. 2000. (Cadernos de Atenção Básica. Ed. Petrópolis: Ed.32 supl. Desafios e Conquistas. 1999. Enfermagem Psiquiátrica .48 KAPEZINSKI. Rio de Janeiro: Ed. Brasília: Ministério da Saúde. MIRANDA. Rio de Janeiro: Nau Editora. Bras. Marco A. TUNG. e CARVALHO. 2009. R.Saúde Mental . Reduzindo danos e ampliando a clínica: desafios para a garantia do acesso universal . Transtorno de Pânico: Aspectos Diagnósticos e Terapêuticas. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Rio de Janeiro: 1992. 2006. São Paulo: Hucitec. 2006.: il. 2 Edição.). Fundamentos de Enfermagem Psiquiátrica. Cecília Monat. Oct. Vozes. yendis. Um método para análise e co-gestão de coletivos. . TANNURE. Editora Guanabara Koogan. In: _____________Saúde Paidéia.al. Princípios e Prática da Psicofarmacoterapia. Alan F. São Paulo: Hucitec. da UFRJ. Ed. 2001. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 17(2). Cole. MERCADANTE. 2007.

Disponível em: <http://www2. 2009.S. F. de 19 de setembro de 1990. 1. de 28 de dezembro de 1990. 4851. L. refletir e construir práticas educativas e processos de trabalhos. Projetos de intervenções ou de projetos terapêuticos individuais. Gastão Wagner de Souza. Participação popular e controle social na saúde. & DIMENSTEIN. Dispõe sobre as condições para a promoção. CUNHA. 5-11. Disponível em: http://conselho. YASUI.php/orgdemo/article/view/468/364>. (orgs. Saúde Paidéia. São Paulo. LUZIO. I. n.S. Disponível em: http://www. a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. ORG & DEMO. & JUNQUEIRA. São Paulo: Hucitec. S.. 2012. I. 2013. Método Paidéia para cogestão de coletivos organizados para o trabalho. SALAZAR.L. 31(2). para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde./jun. p. Saúde em Debate.5) SERVIÇO SOCIAL NETTO. Rio de Janeiro.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/D7508.marilia. p.Mestrado . M.php?script= sci_arttext&pid=S0104. J. de 28 de junho de 2011.I.saude. 29. Rosana Onocko. jan. São Paulo. 232-245. Serviço Social no Brasil . p.P.história de resistências e de ruptura com o conservadorismo. Desinstitucionalização em saúde mental: considerações sobre o paradigma emergente. P. Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde . São Paulo: Cortez. 2003.49 CAMPOS. & MACEDO.080. maio/ago./mar. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Nau. R. Psicologia: Ciência e Profissão (Impresso). Atenção Psicossocial . G. CAROTTA. Formação em Psicologia: requisitos para atuação na Atenção Primária e Psicossocial. In: AMARANTE. 58. BEHRING.SUS e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. P. (coord) Archivos de Saúde Mental e Atenção Psicossocial.gov. 1997. Psicologia e modos de trabalho no contexto da Reforma Psiquiátrica. V. 8142.gov. Janine. v. R. Análise dialética das práticas alternativas. 25. DIMENSTEIN. A. proteção e recuperação da saúde. 2016. J. 812-827. In: BRAVO. São Paulo: HUCITEC.planalto.pdf . Disponível em: <http://www. W. (Dissertação .B. E MENEZES. 2001. Disponível em: http://conselho.B. BOSCHETTI. & HENRIQUES. Saúde e Sociedade.scielo. M. A. 11. Saúde em Debate.46. 8080.unesp.gov. E . 2010. de 19 de setembro de 1990. In CAMPOS. COSTA-ROSA. O SUS como desafio para a formação em psicologia. M. C. n. BRASIL. CAMPOS. SILVA. C. M.br/web_confmundial/docs/l8080. 2003. 201 6.saude. 2001. v. 25. Educação permanente em saúde: uma estratégia de gestão para pensar.br/scielo. v. n. J. CAMPOS. BRAVO.M. 2009. Decreto 7508. 2016.) Contra a maré à beira mar. supl. v. jan. E. R..história de resistências e de ruptura com o conservadorismo.htm BRAVO. Lei n. L. COSTA-ROSA.49-76. Jacileide et al.T. São Paulo: Cortez. Gustavo Tenório. Para uma história nova do Serviço Social no Brasil. M. O (org). I. Saúde e Serviço Social no capitalismo – fundamentos sócio-históricos. 58. p. BRASIL.S. Serviço Social e política social: 80 anos de uma relação visceral.12902009000500008&lng=pt&nrm=iso>. GUIMARÃES. Débora. SALES. KAWAMURA. v. A. 1. 31. p. Serviço Social no Brasil ..I.119-140.S. Em busca da cidadania. Marília. Regulamenta a Lei no 8. 1987. A.C.br/revistas/index. p. p. S. 340-357. SCARCELLI. M.Universidade São Paulo).P. 18. Lei n. O (org). p. KINOSHITA. M. Saúde Mental comunitária. Clínica: a palavra negada – sobre as práticas clínicas nos serviços substitutivos de saúde mental. SILVA.br/web_confmundial/docs/l8142.pdf BRASIL.rumo a um novo paradigma na Saúde Mental Coletiva. v. Psicologia: Ciência e Profissão. Psicologia: Ciência e Profissão (Impresso). São Paulo: Cortez. Flávia. 31. maio/ago. 13-44.

v. 2005. F. 2014. v. et. I. 7/8. jan. Brasília. et. A.google. Rio de Janeiro: Ed. (org). A Saúde nos Governos do Partido dos Trabalhadores e as Lutas Sociais Contra a Privatização. saúde e questões contemporâneas: reflexões críticas sobre a prática profissional.M. MENEZES. Política de saúde hoje: interfaces & desafios no trabalho de assistentes sociais.O. (org) Saúde na atualidade: por um sistema único de saúde estatal. In: DUARTE. 75-106. BRAVO. Salvador: EDUFBA. F. 2009. Lúcia Cristina dos Santos. al.br/arquivos/CEP_CFESS-SITE. 2014.B. Disponível em: http://www. 10. Serviço Social e Sociedade. Ética e Saúde . A. São Paulo: Editora Cortez. In: TEIXEIRA. In: Revista Serviço Social e Sociedade. 2006. Tania Maria Ferreira. p. Rio de Janeiro: UERJ. p. criando laços. M. 2014.85-108. SOLLA.org. M. J. Capítulo 1 e Capítulo 2. p.I. Campinas. Rede Sirius.S.com/file/d/0B3SRQLv1tEAVeGhNeEE2MEc5SlU/view CLOSS.S. BISNETO. Rio de Janeiro: UERJ.P. As Origens da reforma sanitária e do SUS. Serviço Social. M. Serviço Social. 2012. J. J. B. ______./jul. MENEZES. SOARES. Saúde mental. São Paulo. 2014.R. 2012.C.J. 2014. universal. BRAVO. J. (org). São Paulo. Saúde. S. Processo de trabalho em saúde e serviço social: notas sobre o trabalho profissional no campo da saúde. EDLER.M. Inserções do assistente social em saúde mental: em foco o trabalho com famílias. MENEZES. (org). S. Serviço Social. 2010. J. Campinas. Soc.50 MENEZES. 2005.J.B. C. A mudança do modelo de atenção à saúde no SUS: desatando nós. 26 . p. Textos & Contextos. 2014. 102. p.C.59-81. al.. São Paulo: Cortez. DUARTE. n..T. al. SCHEFFER.) et al. Revista Serviço Social & Saúde. Política de saúde hoje: interfaces & desafios no trabalho de assistentes sociais.C.O. CASTRO. Os Governos do Partido dos Trabalhadores e as Políticas Sociais: “Nada de novo no front”. M. 10ª ed. Serv.2011. n. C. Saúde e democracia: história e perspectiva do SUS.O. S. São Paulo: Cortez. M.43. Lahana Gomes. N. 7/8. SILVA. ______. 366-393. Disponível em: https://drive. Rede Sirius. Campinas. n. B (orgs). (Org. T. intersetorialidade e questão social: um estudo na ótica dos sujeitos. Código de Ética do Serviço Social. 1. O Serviço Social nas Residências Multiprofissionais: formação para a integralidade? Curitiba: APPRIS.L. gratuito e de qualidade. L. DUARTE. M. In: DUARTE. Movimentos Sociais e Conselhos. Trabalho em saúde: desafios contemporâneos para o Serviço Social.. 2011.cfess. MELO. Modelo de atenção à saúde: promoção. Uma análise da prática do Serviço Social em Saúde Mental. Parâmetros para a Atuação de Assistentes Sociais na Política de Saúde. 2013. n. J. vigilância e saúde da família. M. TEIXEIRA. O trabalho do serviço social nos serviços de saúde mental. MATOS. Soc. Conceição Maria Vaz. A racionalidade da contrarreforma na política de saúde e o Serviço Social. Revisada e atualizada. RAMOS.J. OLIVEIRA. R. ROBAINA. Instrumentos e técnicas de trabalho do assistente social: notas para uma reflexão crítica. F. M.pdf. SP: Papel Social. ROSA. In: LIMA. NASCIMENTO. Porto Alegre. CFESS. Série: trabalho e projeto profissional nas políticas sociais. 339-351. T. Graziela. . SP: Papel Social. Cadernos de Saúde. et. M. Fiocruz. C. p. 118.Reflexões Para o Exercício Profissional. n° 82: Trabalho e Saúde.J. 2010. ESCOREL. No rastro dos acontecimentos: políticas de saúde no Brasil. Campinas.O. SP: Papel Social. D.