36.a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO – 36.

ª RAPv
CURITIBA/PR - BRASIL - 24 a 26 de agosto de 2005

Local: Auditório I da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP)

“A IMPORTÂNCIA DA DRENAGEM DE PAVIMENTO NA RODOVIA”

Eng. Marcos Augusto Jabôr - Consultor Técnico

Departamento de Estradas e Rodagem DER-MG - Minas Gerais/Brasil
Av. dos Andradas 1120/804 – Belo Horizonte – MG- CEP: 30120-010
e-mail: mjabor@terra.com.br

drenagem e geometria). Pavement and geometry. Pavimentação e Geometria. os principais critérios a serem adotados. A grande maioria dos projetistas de pavimentação continuam a executar seus projetos baseados somente no que prescreve as metodologias de dimensionamento de pavimento. in way to obtain and guarantee the effectiveness wanted in the project of pavement’s drainage devices. ABSTRACT “THE IMPORTANCE OF THE PAVEMENT DRAINAGE IN THE HIGHWAY” The pavement drainage or sub superficial drainage is still a part of road engineering where the decisions are sometimes made without clear and defined technical approaches. de forma a obter e garantir a eficácia desejada nos projetos de drenagem de pavimento. This work has the intention to identify and to show the importance of devices of the sub superficial drainage for the estimated life of the pavement structure. is essential to obtain a good paving project. é fundamental para que se consiga um bom projeto de pavimentação. Trabalho nº71 – seção 6 36a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO . construtores e supervisores de obras.36a RAPv Curitiba . não envolvendo em seus projetos outras variáveis que poderiam afetar a sua vida útil estimada. as much for the conception as for the construction. PALAVRAS CHAVES: Drenagem. identificar e mostrar a importância dos dispositivos de drenagem sub superficial para a vida útil da estrutura do pavimento. KEY WORDS: Drainage. other variables that could affect the pavement’s estimated life. tanto para a concepção quanto para a construção. principalmente drenagem e geometria.RESUMO “A IMPORTÂNCIA DA DRENAGEM DE PAVIMENTO NA RODOVIA” A drenagem de pavimento ou drenagem subsuperficial é ainda uma parte da engenharia rodoviária em que as decisões são tomadas algumas vezes. constructors and constructions supervisors. Pretende-se com este trabalho. drainage and geometry). Pouco se tem feito para inverter esta situação. bem como apresentar para os projetistas (pavimentação. They not involve in their projects. the main rules to be adopted. specially drainage and geometry. Not much has been done to invert this situation. The interaction among the several areas of road engineering.BRASIL . We also have the intension to present for the designers (paving.24 a 26 de agosto de 2005 . A interação entre as diversas áreas da engenharia rodoviária. sem critérios técnicos claros e bem definidos. The majority of paving designers continue to execute their projects based only on what methodologies of pavement mensuration prescribe.

A permeabilidade de um material é medida pelo seu coeficiente de permeabilidade (K) que é expresso em cm/s. acarretando um maior custo de construção e/ou maiores custos na conservação.drenos laterais de base . atravessam as camadas do pavimento e escoam no sentido longitudinal. Hoje. abaixo da face superior da camada de maior permeabilidade. Os resultados desta forma isolada de trabalhar. O Brasil possui uma malha viária extensa que está. PERMEABILIDADE Podemos definir permeabilidade como sendo a propriedade que os solos apresentam de permitir a passagem da água em maior ou menor quantidade.36a RAPv Curitiba . com o aparecimento de trincas localizadas e buracos. (Cedergren 1974 (1)).INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objetivo apresentar para os profissionais da área rodoviária os pontos mais importantes a serem considerados na drenagem de pavimento de forma a garantir que a água que penetre no pavimento não interfira na sua vida útil estimada. DRENOS DE PAVIMENTO OU DRENOS SUB-SUPERFICIAIS São dispositivos que tem como função receber as águas drenadas pela camada do pavimento de maior permeabilidade conduzindo-as até o local de deságüe.BRASIL . inexeqüíveis ou com um alto grau de dificuldade construtiva. captar e conduzir as águas que. São dois os tipos de Drenos de pavimento: . “Nas últimas décadas a principal ênfase no projeto de pavimentos tem sido dada à densidade e à estabilidade. Muitos erros são cometidos nos projetos e na construção das rodovias por não haver interação entre as diversas áreas. Uma observação feita à 31 anos atrás nos Estados Unidos continua sendo ainda uma verdade no Brasil. também serão abordados os itens mais importantes a serem considerados num projeto de restauração. com a vida útil vencida necessitando de serviços de restauração.24 a 26 de agosto de 2005 . devendo ser posicionados no bordo do pavimento (para dentro da sarjeta). relegando-se a drenagem”. mais do que nunca. Em vista desta situação. em sua maioria. os efeitos e as conseqüências de cada solução adotada. K Q onde: iA Q = vazão Trabalho nº71 – seção 6 36a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO . tem como conseqüência dispositivos de drenagem inadequados (super ou sub dimensionadas). em função da conservação precária das rodovias é fácil observar os efeitos danosos da água na estrutura do pavimento. não discutindo entre si as causas. drenos transversais São drenos que tem como função interceptar.drenos transversais drenos laterais de base São drenos longitudinais.

0 a 7. não no início de sua vida útil onde ele se apresenta praticamente impermeável (CBUQ na faixa C possuiu uma permeabilidade K= 10-7 cm/s equivalente a de um solo argiloso). Trabalho nº71 – seção 6 36a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO .5 0. deverá procurar como solução fazer uma mistura no material selecionado de forma a melhorar a sua permeabilidade.0 5. o estudo da permeabilidade das camadas do pavimento é tão importante quanto o ensaio de CBR.005 a 0. pois a sua permeabilidade deverá ser considerada.2 a 0. mas sim após o início do aparecimento de fissuras e trincas.04 0. largura de plataforma de pavimento acabado até 10.BRASIL . Para rodovias com baixo volume de trafego.5 a 5. o tráfego estará solicitando o pavimento com o excesso de umidade provocando alterações na sua condição inicial de estabilidade. quando então passa ocorrer uma penetração d’água significativa. Para o revestimento. pois a quantidade de água que irá penetrar no pavimento não provocará danos a sua estrutura Para a camada de base de um pavimento rodoviário não deverá ser utilizado materiais cujo ensaio de permeabilidade esteja dentro do intervalo de 10 -3 cm/s < K < 10 -6 cm/s pois neste caso a água consegue penetrar.0005 100 80 45 25 15 5 1 x 10 –1 1 x 10 -3 1 x 10 -5 1 x 10 –7 CONSIDERAÇÕES PARA CONCEPÇÃO CONSTRUÇÃO DE DRENOS DE PAVIMENTO Permeabilidade das camadas de pavimento Em rodovias com tráfego alto e percentual significativo de veículos pesados.0 0.00 m e revestimento em TSD. ou torna-lo praticamente impermeável.0 0.0005 a 0. estando o pavimento confinado. não há necessidade de estudos de permeabilidade das camadas de pavimento nem de dispositivos de drenagem de pavimento.Porém quando todas as camadas do pavimento tiverem a permeabilidade K≤ 10 -6 cm/s ( praticamente impermeáveis) não haverá necessidade de dreno de pavimento.5 1.0 2. haverá necessidade de se projetar um sistema drenante eficiente . No caso de uma ou mais camadas do pavimento possuírem uma boa permeabilidade (K≥10 -3cm/s) e abaixo um solo com a permeabilidade mais baixa. pois não são solicitados nos editais de Projeto.5 a 1.24 a 26 de agosto de 2005 . quando CBUQ.36a RAPv Curitiba . com pista simples.5 2.005 menor que 0. porém escoa lentamente tornando com isto ineficiente qualquer tipo de dreno de pavimento. não se faz necessário tal ensaio. Nesta situação antes que a água que seja interceptada pelo dispositivo de drenagem.30m). Formato da vala e materiais utilizados A vala do dreno de pavimento deverá ter a forma retangular (0.Granulometria E Tipo de material Granulometria ( cm) K (cm/s) Brita 5 Brita 4 Brita 3 Brita 2 Brita 1 Brita 0 Areia grossa Areia fina Silte Argila 7.30m x 0.20m) ou quadrada (0.0 a 2.30m x 0.5 a 10. pois facilita o processo executivo com a utilização de retro-escavadeira na abertura das valas. Portanto quando o projetista encontrar esta situação. Porém não é comum os projetistas fazerem.A = área i = gradiente hidráulico A permeabilidade é função direta da granulometria como pode ser observado no quadro a seguir: Tabela 1 .0 a 2.

pois sempre que for preciso descarregar o dreno de pavimento e este estiver em corte. Localização Drenos laterais de base Para diminuir o efeito do tráfego. são comuns tanto para os drenos laterais de base como para os drenos transversais. Os materiais a serem utilizados no enchimento das valas deverão ser Brita-1 (K=15. é conveniente executar o dreno no bordo da pista para dentro da sarjeta. pois passa a ser um ponto fraco. 1) Figura 1. A inconveniência de se adotar esta forma é que o processo executivo tem que se manual.Muitas vezes nos deparamos com projetos onde os drenos de pavimento são projetados com forma triangular. suas dimensões. que poderá provocar afundamento na vala do dreno pela impossibilidade de se obter uma compactação do material de enchimento compatível com as camadas do pavimento. poderá ser encaminhado para o dreno profundo longitudinal.0 cm/s). podendo causar a sua colmatação. O formato da vala.24 a 26 de agosto de 2005 .0 cm/s) ou Brita-2 (K=25. Dreno de Bordo de Pista Drenos transversais Trabalho nº71 – seção 6 36a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO . os materiais empregados no seu enchimento. (fig. principalmente dos veículos pesados. Raramente há necessidade da utilização de tubos. Deve-se evitar a utilização de tubo na vala. O envolvimento da vala com manta geotextil não tecida se faz necessário quando a camada permeável possui agregado fino com possibilidade de ser carreada para o dreno. conforme a necessidade do volume a ser escoado.BRASIL . o que vem atrasar a etapa seguinte da execução do revestimento.36a RAPv Curitiba .

PERFIL LONGITUDINAL Trabalho nº71 – seção 6 36a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO .24 a 26 de agosto de 2005 . 2) Em locais onde existem águas acumuladas nas bases permeáveis( sangrias). 3) PERFIL LONGITUDINAL Ponto Baixo Dreno Transversal 30 m 30m 30cm 30m PLANTA TANGENTE Ponto Baixo Figura 2. (fig. Próximo às Pontes.BRASIL .Os locais indicados para sua utilização são: - Pontos baixos de curvas verticais côncavas. Situações encontradas nas restaurações de pavimento. Drenos Transversais em Ponto Baixo de Curvas Obs: o espaçamento é em função da declividade longitudinal. (fig.36a RAPv Curitiba .

BRASIL . Deverão ser feitos terminais de dreno em concreto. fazer a limpeza e compactar o fundo de forma a garantir a declividade projetada. Manutenção A manutenção dos drenos de pavimento deverá ser feita anualmente limpando. de forma a facilitar as futuras manutenções do dreno.24 a 26 de agosto de 2005 . espessura das camadas e a própria solução executiva. No enchimento da vala com os agregados. Quando ocorrer a necessidade de descarregar o dreno de pavimento num dreno longitudinal profundo de areia. é necessário no local da descarga envolver a brita c/ manta geotextil não tecida formando um tubo. em seguida rolar com rolo liso de forma a promover um melhor adensamento do material de enchimento evitando afundamentos futuros.Dreno Transversal 20m 20m PLANTA Dreno Transversal Figura 3 – Drenos Transversal próximo a pontes Processo executivo É de fundamental importância tomar alguns cuidados para garantir o funcionamento desejado do dreno de pavimento: - Após a abertura da vala. Drenagem de pavimento em Projetos de restauração Os projetos de drenagem profunda e de pavimento são tão importantes no projeto de restauração quanto a solução adotada para o pavimento em termos de material a ser utilizado. Trabalho nº71 – seção 6 36a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO . desobstruindo os terminais para garantir o perfeito escoamento d’água coletada pelo dispositivo.36a RAPv Curitiba . fazer um coroamento (excesso de volume).

diminui o tempo de vida útil da rodovia. identificando os locais onde a drenagem profunda deverá ser implantada e/ou complementada. sob os quais poderá embasar seu projeto. são os mesmos já descritos anteriormente.24 a 26 de agosto de 2005 . Simpósios e Reuniões de Pavimentação fosse aberto um espaço com destaque para o assunto: Drenagem de Pavimento. Trabalho nº71 – seção 6 36a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO . Portanto podemos concluir. a permeabilidade dos materiais a serem empregados na sua estrutura e os dispositivos de drenagem projetados.Esta importância deve-se ao fato de que. para que através das apresentações de trabalhos e discussões este assunto passasse a ser melhor entendido pelos profissionais da área rodoviária. Na mesma visita será verificado e cadastrado os locais onde a água costuma penetrar pelo revestimento assim como os locais em que há dificuldades de escoamento da mesma.36a RAPv Curitiba . O único livro que trata de forma mais profunda o assunto em questão é : “Drenagem dos Pavimentos de Rodovias e Aeródromos” do autor Harry R. É importante lembrar que não deveremos adotar soluções de pavimento em que uma ou mais camadas tenham permeabilidade situada no intervalo 10-3 cm/s < K < 10-6 cm/s. ou seja todas as áreas conversando e desenvolvendo o projeto conjuntamente. Deverão ser feitos ainda. havendo também uma grande deficiência quanto à bibliografia . sendo um deles a deficiência ou inexistência da drenagem de pavimento. São nestes locais onde o projeto deverá prever Drenos Transversais do tipo Sangrias (drenos transversais que tem como objetivo remover as águas das camadas do pavimento ) pois sem este dispositivo as águas se acumulam pontualmente provocando danos ao pavimento. Nos locais onde houver dúvida deverá ser solicitada uma sondagem para pesquisar a umidade existente. Pode-se afirmar que a responsabilidade é dos dois profissionais. A falta de dispositivos de drenagem de pavimento. pois o sistema de drenagem profunda servirá como dispositivo para captar e conduzir as águas provenientes dos dispositivos de drenagem de pavimento. ensaios de permeabilidade.BRASIL . se o projetista de pavimentação ou o projetista de drenagem. Inclusive chega-se as vezes discutir de quem seria a responsabilidade para elaboração do projeto de pavimento. aumenta o numero de intervenções de conservação elevando significativamente os seus custos. Os tipos. Uma vez adotada. poderia vir a corrigir vários defeitos muito comuns hoje em dia. dimensões e o posicionamento dos drenos a serem projetados em um projeto de restauração com solução de reciclagem. a solução de reciclagem será muito importante para o projeto de drenagem do pavimento e para o estudo da permeabilidade da(s) camada(s) do pavimento em que haverá incorporação de material. Após a reciclagem novos ensaios de permeabilidade deverão ser feitos com os materiais. Este primeiro passo é muito importante na drenagem de pavimento. quando se faz necessário. Seria muito importante para o desenvolvimento da Engenharia Rodoviária que nos Congressos. a vida útil da rodovia será reduzida de forma significativa e não atingirá a que foi estimada pelo projeto. Dessa forma o projetista obterá dados técnicos consistentes. primeiramente com os materiais existentes nas camadas do pavimento antes da reciclagem. É de suma importância para o projetista fazer uma primeira visita ao trecho para elaborar o diagnóstico. CONCLUSÃO A elaboração do projeto de forma interativa. pois independente de quem fizer o projeto haverá a necessidade das opiniões e participações de ambos nas definições. Cedergren de 1974. se não houver compatibilidade entre a solução adotada para a restauração do pavimento. No momento atual existe uma carência muito grande de profissionais que entendam de drenagem de pavimento .

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS - DNER.com. Livros técnicos e científicos. A O .. Sondotécnica-engos de solo.que pelo seu baixo custo de implantação. deverá ser implantado sempre nos casos onde se faz necessário e mesmo nos casos onde houver duvida. Introdução à Mecânica dos Solos Consórcio Cab – Engesolo. Consultor na área de Hidrologia e Drenagem de Rodovias e Drenagem Urbana. Pavimentação e Geometria key-words: Drainage. ARQUIVO DE IDENTIFICAÇÃO título: A IMPORTÂNCIA DA DRENAGEM DE PAVIMENTO NA RODOVIA autor: Marcos Augusto Jabor end-(1): Departamento de Estradas e Rodagem DER-MG .Rio de janeiro 1980 Vargas. de Andrade C. Relatório de Analise de Alternativas para Drenagem de Pavimentos na rodovia de Duplicação da BR-381. Exemplo de Dimensionamento de Sistema de drenagem do Pavimento.Minas Gerais/Brasil Av.36a RAPv Curitiba . Princípios Básicos e Sistemas Drenantes. C.Cedergren. Y.CEP: 30120-010 e-mail: mjabor@terra. Consultor Independente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).1998 Rhodia. na modalidade Parcerias Público-Privada e Responsável pela coordenação dos Estudos de Engenharia do Valor que precederam a referida modelagem Trabalho nº71 – seção 6 36a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO . M. H.Instituto de pesquisa.BRASIL .24 a 26 de agosto de 2005 . 1990 R. Manual de Drenagem de Rodovias. Gerente Adjunto do Projeto Estruturador da Plataforma Logística da Região Metropolitana de Belo Horizonte.(Belo Horizonte – São Paulo). 1978 Pereira Suzuki. Especialista em Engenharia Rodoviária pela PUC-MG. Assessor de Planejamento do Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de Minas Gerais .br Tema: Drenagem de Pavimento palavras-chave: Drenagem. Luiz Carlos. dos Andradas 1120/804 – Belo Horizonte – MG.A. Rio de janeiro. Pavement and Geometry Breve Biografia: Engenheiro Civil pela Escola Engenharia Kennedy-1978. Drenagem dos Pavimentos de Rodovias e Aeródromos. Membro do Grupo de Estudos para Modelagem Econômica e Financeira da Concessão da Rodovia MG-050.DER/MG. Especialista em Engenharia e Análise do Valor. 1981.