1) AO INVÉS

Ao invés de ajudá-los, ela os prejudica;
O custo de vida, ao invés de baixar, está subindo dia a dia.
2) CERCA DE , EM TORNO DE , POR VOLTA DE
(Expressões aproximadas levam o verbo para o plural)
Cerca de vinte alunos não compareceram às aulas hoje.
Em torno de quatorze propostas não chegaram a ser analisadas.
3) VERBOS TER E HAVER
O verbo “ter” é usado no sentido de haver um possuidor.
O carro tem; a casa tinha; mas...
No carro Há; na casa havia. Assim,
“NESTA CASA HÁ SADIA” OU “ESTA CASA TEM SADIA”
4) HÃO DE EXISTIR OS SAUDOSISTAS;
HÁ DE HAVER OS SAUDOSISTAS.
5) O jantar será servido exatamente AOS DEZ PARA AS DUAS;
O jantar será servido exatamente AOS DEZ (MINUTOS) PARA AS DUAS.
6) Os verbos SATISFAZER , NECESSITAR , PRECISAR podem ser transitivos diretos e
indiretos:
Ele satisfazia OS (AOS) seus desejos;
Ele satisfez A (À) exigência;
Necessito (DE) mais tempo;
Preciso (DE) mais atenção;
Precisa-se DE colaboradores;
Precisa-se colaboradores.
7) (F) Ninguém lhe chamou para essa reunião;
(V) Ninguém o chamou para essa reunião.
8) A lei a que obedeço é injusta. (sem crase);
A lei à qual obedeço é injusta. (com crase).
Fui para àquela (erro!!!) praça, mas não a encontrei. (sem crase);
9) VERBOS PROVIR E PROVER
Eles provêm do Ceará (provir);
Eles provêem a casa de comida (prover).
10) VERBO MAQUIAR (MAQUILAR)
O cabeleireiro também maquia muito bem.
(Eu maquio, maquias, maquia, maquiamos, maquiais, maquiam).
11) PROEMINENTE x PREEMINENTE

Proeminente: que forma relevo: nariz proeminente;
Preeminente: que ocupa lugar de destaque : função preeminente.
12) (F) Trazer-te-ei todas as encomendas solicitadas;
(V) Trar-te-ei todas as encomendas solicitadas.
13) VERBO PLAGIAR
O escritor, sempre que pode, plagia o amigo.
(Eu plagio, tu plagias, plagia, plagiamos, plagiais, plagiam).
14) HINO NACIONAL
“Ouviram do Ipiranga as margens plácidas de um povo heróico brado retumbante...”
ORDEM CORRETA:
As margens plácidas do Ipiranga Ouviram Brado retumbante De um povo heróico.
15) SUJEITO
a) “O fundo, serra e céu, faz bom efeito.”
Sujeito: SIMPLES (o fundo)
Aposto : (serra e céu).
b) “Quem bateu a campainha?”
Sujeito: SIMPLES (Quem).
16) ORAÇÃO COORDENADA SINDÉTICA EXPLICATIVA
Estando o verbo da primeira oração no IMPERATIVO ou no SUBJUNTIVO, a segunda
oração será Coord. Sind. EXPLICATIVA. Ex.:
“Corram, amigos, que é curto o caminho.”
17) ORAÇÃO : “ Ainda não se soube se ele participou do vergonhoso esquema”.
A oração sublinhada é : Or. Sub. Substantiva Subjetiva.
18) PLURAL:
CORRIMÃO : CORRIMÃOS OU CORRIMÕES
ESCRIVÃO : ESCRIVÃES E ESCRIVÃOS
19) TV EM CORES = TELEVISOR QUE TRANSMITE EM CORES
20) AUTO-ESCOLA - Plural - AUTOS-ESCOLAS (porque o elemento auto é abreviação
do substantivo “automóvel”),
MAS...
AUTO-ANÁLISE - Plural - AUTO-ANÁLISES ;
AUTO-SUGESTÃO - Plural - AUTO-SUGESTÕES.
21) TODO-PODEROSA
Ela se julga todo-poderosa (e não “toda-poderosa”; nos adjetivos compostos, somente o
segundo elemento varia );

. Já “profetiza” é verbo (profetizar). 27) OMELETE (Substantivo feminino . escondido.. (V) TÊM-se abordado bastante as conseqüências do crime.. A casa dele é MAIS GRANDE do que CONFORTÁVEL.: Ambas.. 32) ESTAR À VOLTA COM Ela está à volta com o casamento do filho (e não “às voltas com. 34) Jantarei amanhã com os meus AVÔS (= com o pai de sua mãe e o pai do seu pai) .. Sínico : (vem de Sino-) Relativo à China 30) (F) Tem-se abordado bastante as conseqüências do crime. como sinônimo de provar.”) 33) GOSTAR PODE SER VTD!!! Gostar. Enviamos o pedido a domicílio. 24) MAIS BOM E MAIS GRANDE Quando se confrontam duas qualidades do mesmo ser: Ele sempre foi MAIS BOM do que RUIM. 29) CÍNICO E SÍNICO Cínico: desavergonhado (CINISMO).. Exotérico: antônimo de Esotérico. aquilo que é compreensível apenas por poucos.UMA OMELETE) 28) ESOTÉRICO x EXOTÉRICO Esotérico: recôndito. Entrega em domicílio. 25) PRONÚNCIA: “QUESTÃO” ou “QÜESTÃO” “LIQUIDEZ” ou “LIQÜIDEZ” 26) A DOMICÍLIO Levamos as compras a domicílio.22) Existem PROFETISA ou PROFETIZA? Resp.. em sentido figurado. MAS. 31) DAR-SE O (AO) TRABALHO DE Eles nunca se deram AO (O) trabalho de. experimentar. Profetisa é feminino de profeta. 23) OBESO (pronúncia -BÉ ).

AQUELA ESTA é a seção que EU trabalho. PONTE LEVADIÇA ( e não ponte “elevadiça”). Agindo de afogadilho. perderá o cargo. DE MOTO PRÓPRIO : espontaneamente. ESSA é a seção que VOCÊ trabalha. AO DEUS-DARÁ (com hífen).: Estava a cavaleiro da platéia. 36) (F) Conquanto não percebesse exatamente porque. CARANGUEJO. Ex.: Faziam seus trabalhos de per si. CÊ-CEDILHA E CÊ CEDILHADO (A palavra caça é cê cedilhada. A CAVALEIRO (= em lugar superior) Ex. ela se levantou possuída de uma intensa sensação de medo. (V) Estavam ali esperando o trem desde AS 12h30min. e não “queijo minas”). À SOCAPA = À SORRELFA = furtivamente (Os hóspedes saíram à socapa). PROVA DOS NOVES ( e não “dos nove”)... 41) Escreve-se : . QUEIJO-DE-MINAS (com hífen.: Faziam as coisas de afogadilho. (V) Conquanto não percebesse exatamente POR QUÊ. ESSA. ZUNZUNZUM (idem). EM MÉDIO PRAZO ( e não “a médio prazo”). 39) ESCREVE-SE: ZUNZUM (sem hífen).”) Ex. DE AFOGADILHO: precipitadamente. Ex. 40) EXPRESSÕES IDIOMÁTICAS: SAIR À FRANCESA : sair de fininho.35) GRAFIA: PRETEN S IOSO ENCAPUZADO (capuz) (e não “encapuçado”). ela se levantou possuída de uma intensa sensação de medo. DE PER SI: cada um por sua vez.. EM LONGO PRAZO ( e não “a longo prazo”). ZERO-QUILÔMETRO (com hífen) Ex. VEREDICTO (e não veredito). LANÇO DE ESCADA (e não “lance”). isoladamente.). QUEIJO PRATA (sem hífen e não “prato”). ALTO E BOM SOM ( e não “em alto e .: Carro zero-quilômetro. 38) (F) Estavam ali esperando o trem desde às 12h30min.: Pronunciou o nome alto e bom som. 37) ESTA. AQUELA é a seção que ELE trabalha.: Procurou a Polícia de moto próprio. Ex. ATENAZAR ( e não “atanazar”).

Veja o erro: “. não por causa dos ursos do Pólo Norte. Ficou registrado na folha 8. Não pode ser usada. Observe a crase. a supremacia do sistema Windows (janelas. que vem de fenestra.Absolutamente.” OBS. diretores e até técnicos de nossa Seleção passaram a ser defenestrados (metaforicamente. o vocábulo não teve dificuldade de abrir caminho na Grande Imprensa devido a seu caráter decididamente curioso e divertido. é claro). assumiu um toque irônico (que não estava ausente.“Nem tanto ao mar nem tanto à terra”. Ficou registrado à folha 8. “Não há de quê / Não há por quê “. “inteiramente”. Antunes. Renato Aquino (Livro “Curso de Redação e Gramática” – Série Provas e Concursos) Ex. em Francês) vinha sendo usado exclusivamente para designar aqueles fatos ocorridos em Praga. 44) DEFENESTRAR: O termo. todavia.: Ficou registrado a folhas 8. a Antártica. do vocábulo: defenestrar poderia significar remover o sistema Windows do computador. e Adolfo A. sejamos francos. trocando-o por outro sistema operacional.Absolutamente não (ou apenas “não”). a constelação do Norte. O nome Ártico vem do Grego arktos . 45) ANTÁRTICA OU ANTÁRTIDA? Numa mesma semana. e fenêtre. assessores. em Inglês) deu ensejo a outro uso. em Italiano. Significa “completamente”. como advérbio de negação. contudo.: É erro substituí-la pela expressão “em absoluto”. 42) A FOLHAS / A FOLHA / NA FOLHA As três formas estão corretas para o Prof. como o Linux. No mundo da informática. Ministros.urso . R. de Santo Ângelo) vieram com a mesma pergunta: o nome do continente onde fica o Pólo Sul é Antártica ou Antártida? Tudo indica que a forma mais indicada é a primeira. “Em branca nuvem” ( e não “em brancas nuvens”). vocábulo latino para janela (compare com finestra. quanto para eventual negação. A locução significa “sem exageros”. No início deste século.Você estudará à noite? .” Corrigindo: “. ainda mais irônico. “Fazer gato-sapato de” (e não “de gato e sapato”). foi convenientemente batizada como "oposta ao Ártico" (anti + . nos incidentes originais) e passou a designar a dispensa ou demissão brusca do ocupante de um determinado posto ou cargo. O continente gelado do Sul.Você estudará à noite? . mas sim por causa da Grande Ursa. de Iraí. nunca empregada sozinha) algo já dito. tanto para afirmação. dois leitores (José Antônio Stangler. 43) ABSOLUTAMENTE Palavra que deve ser usada para confirmar (elemento de reforço. Apesar de seu tom erudito.

e no sítio de Amyr Klink.filantropo . onde tudo poderia acontecer. por duas razões. o primeiro a atravessar o Círculo Antártico foi James Cook. ou. A segunda. como concorrente principal.pudico .aziago .com direito aos dois pingüins no rótulo. Quem alega que Antártica é o nome da cerveja.br/antartica). num exemplo ainda mais adequado. Enquanto os noruegueses de Amundsen e os ingleses de Scott. É a forma utilizada. ora Antarctide. no sítio da Universidade Federal de Santa Maria (www.chávena . e não do continente.maquinaria .. a própria Espanha)? A melhor explicação que encontrei foi de uma enciclopédia chilena na Internet ("Icarito"). se é cerveja Ártico ou cerveja Ártica). 47) Você deve acentuar graficamente as seguintes palavras ( por serem proparoxítonas): zênite . na sua viagem de 1772-5. De onde teria vindo a variante Antártida (com "D"). associada ao Ártico).avaro .lídimo .ufsm. a Cervejaria Brahma.. sem interrupção. pelo lugar que ambas. que Poe situa nas imediações do Pólo Sul em seu inigualável "As Aventuras de Arthur Gordon Pym" . cujo nome vem do famoso deus Brahma (que estava presente nos rótulos primitivos). aliás.batavo .ibero . Só não sei se aqui Antártica é substantivo ou adjetivo (comparando: se é cerveja Brasil ou cerveja Brasileira.) .arctico). com o "c" antes do "t") em homenagem às terras geladas do Sul .azáfama .br). ao que parece. usada principalmente pelos países de língua espanhola (a Argentina. Nos mapas-múndi do século dos Descobrimentos figurava um "continente Austral".com. Muitos navegadores dos séculos XVI e XVII chegaram bem perto. mas. A primeira. ignotas. ocuparam no imaginário do Ocidente por centenas de anos: terras misteriosas. a Literatura se aproveitou deste último rincão desconhecido de nosso planeta para imaginar paisagens fantásticas. por exemplo.crisântemo . Faz sentido. O Francês ora usa Antarctique. em que o adjetivo atlântico está para o substantivo Atlântida assim como o adjetivo antártico estaria para Antártida. sua adoração (do deus. não desbravaram o Continente Branco.arquétipo . Todas essas palavras são paroxítonas (a penúltima sílaba é tônica). P. Atlântida e Antártica. misterioso e aterrorizante. Basta lembrar ao leitor o mundo tropical. Lovecraft ("As Montanhas da Loucura"). que justifica a alteração por uma associação equivocada com o continente perdido da Atlântida. ao passar do Pacífico ao Atlântico. que tem. comandando o Resolution e o Adventure (nomes perfeitos para um navio se tornar lendário . No Brasil.erudito . não da bebida) é conhecida por "bramanismo". está tomando o efeito pela causa: a cerveja é que foi batizada de Antárctica (assim mesmo.aerolítico . pode-se construir uma simples proporcional. o Chile. Júlio Verne ("A Esfinge dos Gelos") e H.ágape .misantropo. como vimos.pegada .aeródromo . que se estenderia da Austrália (que só era conhecida em parte) até a Terra do Fogo. Antártica 360° (www.360graus.vermífugo plêiade . na virada deste século.sânscrito . que desenvolve pesquisas na região.decano . a hesitação vai pouco a pouco se resolvendo em favor da forma internacional Antártica. que mereceu a continuação de pelo menos dois famosos escritores. Isso se resolve com uma pesquisa na história da Cervejaria Antárctica. 46)Estas palavras não têm acento: rubrica . de base lingüística: desconsiderando a etimologia do nome (que está.

ua. super-resistente : DERIVADAS 53) Observe a grafia das seguintes palavras: com “x”: taxa (valor em dinheiro). inseparáveis. abrupto (ab-rup-to). se tirarmos o prefixo ou sufixo (“tardecer”. atarraxar. coxo (manco). ie. sublinhar (sub-li-nhar). “entarde”). dormitório (dor-mi-tó-rio). doentio (do-en-ti-o). bexiga. .infelizmente (infeliz. serão hiatos: portanto. vácuo (vá-cuo). xá (soberano da persa). continua (con-ti-nu-a). devem ser analisados com cuidado: . lixa. sublocação (sub-lo-ca-ção).entardecer (parassíntese) . serão ditongos: portanto. Assim:secretaria (se-cre-ta-ri-a). io.Sociologia (Sócio(latim)+logia(grego)). carie (verbo) (ca-ri-e). separáveis. ue. xingar. 51) Não confunda Parassíntese com Derivação Prefixal e Sufixal.goiabeira (goiaba(tupi)+eira(português). xará. buxo (arbusto). (Derivação) 50) Parassíntese é o processo formador de palavras. xampu. enxame. .Derivação prefixal e sufixal 52) Observe que as palavras compostas podem ser grafadas sem hífen e as derivadas podem usar hífen: Passatempo (passa+tempo). simultaneamente: A palavra não permanece. xácara (poesia). rixa. xale.Se vierem depois de sílaba fraca (sem acento gráfico). que utiliza prefixo e sufixo. uo (finais). . (Composição) . vexame. cárie (cá-rie).Observe a divisão silábica das seguintes palavras:subentender (su-ben-ten-der). felizmente. recuo (re-cu-o) . recue (re-cu-e).não podemos retirar o prefixo ou sufixo.Se vierem depois de sílaba forte (acentuada graficamente). mexer. tênue (tê-nue).sem sufixo. Assim:secretária (se-cre-tá-ria). xarope.48) Os encontros: ia. inoperante (i-no-pe-ran-te) 49) Lembre-se de que “hibridismo” pode ocorrer tanto na Composição como na Derivação: . enxuto. Planalto (plano+alto) : COMPOSTAS super-homem.sem prefixo) . bruxa. laxante. Assim temos: .

relógio. civilizar. 58) Atente para o plural dos adjetivos compostos. alforje. o moral (o ânimo). pusera. alfanje. baliza. piche. 54) Atente também para a grafia das seguintes palavras: pesquisas. assaz. omoplata. Com “j”: pajé. vestígio. eclipse. sentinela. monja. princesa. prancha. jiló. a Moral (ética). chuchu. úgio. ógio. Com “g”: tigela.).guardas-florestais. cochilo. querosene. gengiva. gasoso. ugem. 55) São substantivos femininos: cataplasma. ígio. rezar. ferrugem. realizar. proeza. tocha. comichão.: apanágio. bazar. telefonema. seguida de: substantivo: o verbo não varia: guarda-sol. faringe. pretensão. formados de: adjetivo + adjetivo: varia apenas o último elemento. cal. refúgio. vertigem. viajem (verbo viajar). 57) Nos substantivos compostos. análise (analisar). guardaflorestal . pajem. agem. radiovitrola. talvez. majestade. tachar (cognominar). alface. verde-claro=verdes-claros adjetivo + substantivo: ficam invariáveis. organizar. guarda-sóis. quisera. colégio. a palavra “guarda”.Com “ch”: chumaço. igem. adjetivo: variam o verbo e o adjetivo: guarda-noturno . comichão. atrás (atrasado). canjica. bucho (estômago). flecha. baronesa. ultraje. viagem(subst. verde-oliva: farda verde-oliva = fardas verde-oliva verde-mar: tapete verde-mar = tapetes verde-mar . vaso. agasalho. berinjela. vizinho. guerra sino-nipo-americana = guerras sino-nipo-americanas exceção: surdo-mudo = surdos-mudos. égio. grama (peso). gengibre. ficha. garagem. chinês (chinesa). ogiva. e mais as que têm terminação: ágio.guardas-noturnos. gozar (gozo). lança-perfume. buzina. através. prezado. tacha (prego). lambujem. 56) São masculinos: saca-rolhas. Ex. champanha.

melhor. “o qual” (e variações) é pronome relativo: O homem que estuda. pouco dinheiro. que é inútil.maior.é conjunção coordenativa explicativa: Não insistas. e de que “menor” é comparativo de superioridade de “pequeno” e não comparativo de inferioridade de grande. 62) Quando você tiver dúvidas quanto ao pronome de tratamento. são pronomes indefinidos: Mais dinheiro. Muitos.menor.. .59) Ficam invariáveis os adjetivos: azul-marinho. mau. (o qual) b. lembre-se de que “pior” é comparativo de superioridade de “mau” e não comparativo de inferioridade de bom. roupas azul-celeste 60) Os adjetivos: bom.Que com valor de: a. Menos. vence. menos pão Muito dinheiro. faça o seguinte: substitua esse pronome de tratamento pela palavra “você” ( que também é pronome de tratamento) e resolverá a questão. referindo-se a substantivo. vejamos: “Você é”. 61) Lembre-se de que o pronome de tratamento pede o verbo na terceira pessoa (do singular ou plural): Ex. não se esqueça: “pior” e “menor” representam Comparativo de Superioridade Sintético. Poucos: pronome indefinido 64) Preste atenção aos valores das seguintes palavras: I. “pois” . azul-celeste: ternos azul-marinho. grande e pequeno. possuem comparativo de superioridade sintético: bom .... (pois) . . grande . pequeno . Muito. Assim. portanto. Pouco. Vossas Majestades são inteligentes.. “Vossa Alteza é” Vossa Alteza sois (?) 63) “Mais. Vejamos: Vossa Alteza é (?) Vossa Alteza és (?) .. Portanto.: Vossa Majestade é inteligente.

é pronome indefinido Que dinheiro! (quanto) II.x Havemos-Reavemos Haveis-Reaveis Hão.) ver-vir vires-vieres vir-vier virmos-viermos .c...Como com valor de “de” é preposição: Apresentou suas credenciais como embaixador.x Há.. Pus . O verbo reaver só se conjuga nas formas em que o verbo haver tem “V”. “quanto” .: Assim: “A polícia interveio” e não “A polícia interviu” b. conjuga-se pelo verbo ver Assim: Ele previu (e não “ele preveu”) d.Quisesse . assumem as formas de vir e vier: (utilize a forma “quando você vir” ..Como com valor de “pelo qual” é pronome relativo Desconheço o modo como ela agiu. O verbo prever.Pusesse c. (de) 65) Você deve saber que: a. no futuro do subjuntivo. Os verbos pôr e querer não têm “Z” em nenhuma de suas formas: Quis . O verbo intervir é formado pelo verbo vir e por ele se conjuga.x Hás..x 66) Atenção ao Imperativo afirmativo do verbo “ser”: Sê (tu) Seja (você) Sejamos (nós) Sede (vós) Sejam (vocês) 67) Lembre-se de que os verbos ver e vir. (pelo qual) III. Haver-Reaver Hei. “quando você vier” .

Para você obter o futuro do subjuntivo de um verbo. nevar. flexione o verbo pedido na 1ª pessoa do plural (nós) do Pretérito Perfeito do Indicativo. etc. . Choveu muito ontem. darei o recado”.São impessoais e essenciais os verbos que indicam fenômenos da natureza: chover. c. aquela cujo predicado expressa fato sem atribuí-lo a nenhum sujeito. r. Futuro do Subjuntivo do verbo Pôr: Nós pusemos (retire mos) = puse (r. no pretérito perfeito pelo verbo vender: requeri requereste requereu requeremos requerestes requereram 70) Chama-se oração sem sujeito. gear. res. res. rem) 68) O verbo prover conjuga-se no pretérito perfeito.Ocorre oração sem sujeito. rdes. acrescente as desinências do Futuro do Subjuntivo (r.virdes-vierdes virem-vierem Ex. ventar. mos.r.Esses verbos por serem impessoais. “Quando eu vier a São Paulo. faça o seguinte: a. rem). b. quando o verbo da oração é impessoal (essencial) ou acidental. .: “Quando eu vir Paulo. . trovejar. . rdes. retire a desinência mos. pelo verbo “vender”: provi proveste proveu provemos provestes proveram 69) O verbo requerer. trarei mais dinheiro” . rmos. devem ficar na 3ª pessoa do singular.

. (sujeito) Existem discos voadores. Embora ambos os verbos sirvam para indicar o fenômeno existencial. Deve haver muitas soluções para o caso.Estar (construções do tipo): Está tarde. transmitem a impessoalidade ao seu auxiliar. 71) Os verbos sem sujeito quando em forma de locução.O verbo Existir é sempre pessoal. Faz frio nesta época. (sujeito) São impessoais acidentais. É uma hora. É tarde! .concordando com o número de horas): Era verão. Devem haver muitas soluções para o caso. são incorretas construções como: Devem fazer dez anos que ela partiu. Devem existir discos voadores. São dez horas. sempre é Verbo Intransitivo (nunca tem objeto). Assim: Deve fazer dez anos que ela partiu.Ser (indicando tempo ou indicando horas . a língua dispõe de dois verbos: Existir e Haver. . Está frio. passam a ter sujeito e concordam com ele.Contudo. Havia plantas no jardim. quando tais verbos são usados em sentido figurado. para indicar existência. . possuem comportamento sintático diverso: . sempre tem sujeito. Existe disco voador. Era uma vez. Portanto. sempre concorda com esse sujeito..Fazer (indicando tempo decorrido ou condições de tempo): Faz dez anos que ela se foi. os verbos: . (sujeito) Observe: Deve existir disco voador.Haver (indicando tempo decorrido ou existência): Estudei aqui há dez anos. 72) É muito importante lembrar que. Choveram palavrões no campo.

: “Assistimos em São Paulo” b.: “Assistimos aos jogos olímpicos” (= ajudar) V. 73) É importante também que você lembre de que a oração subordinada adverbial comparativa costuma vir com verbo oculto.” (ob.D. Custou-me acreditar nela.clássico: “Esqueceu-me/Lembrou-me o endereço” .T. fica sempre na 3ª pessoa do singular. (= morar) V. Deve haver muitas soluções. direto) Pronominais . Custei acreditar nela.V.D.: “Esqueci/Lembrei o endereço. Observe: E cada cicatriz brilha como um brasão. Havia uma solução para o caso..O verbo Haver (existencial) é sempre impessoal (não tem sujeito).: “A moça aspirou os perfumes da primavera. Aspirar (= almejar) V. Não se diz: Custo acreditar nela. Mas: Custa-me acreditar nela.V.” (= ser de direito) V. (como brasão brilha) 74) Observe a regência dos seguintes verbos: a.T.: “Esqueci-me/Lembrei-me do endereço. Assistir (= presenciar. Deve haver uma solução. é sempre Verbo Transitivo Direto e tem sempre objeto direto.I.T.T.” (ob. d.I.T.: “Este direito não lhe assiste”.: “Aspiramos ao sucesso” (= respirar.T.I. Havia muitas soluções para o caso.T.I. Esquecer/Lembrar Não pronominais .” c. indireto) Em cruzamento sintático .D.I. testemunhar) V. Custar (= ser difícil) não admite sujeito representado por pronome pessoal (reto). sorver) V.: “O médico assistiu os doentes.

.....I......pessoa ...V. Prefiro o vinho ao licor. do que .D.I. os regulamentos são obedecidos.....D..D.D..... Informar O guarda informou aos motoristas / que haveria neblina.T.....................V..T......... Preferir ... Visar (= almejar) .. O. Prefiro a paz à guerra. Prefiro cinema a teatro. admite voz passiva: “Aqui..I...V.. .I. Obedecer ....coisa . que . * Perdoar admite voz passiva: “Os homens forma perdoados por Cristo”.” * Embora V..T.. Paguei o carro.. h... que ..I.. JAMAIS DIGA: Prefiro mais .: “Obedecemos aos regulamentos...T..I...V. Perdoarei os teus pecados.....T.: “Visamos ao sucesso... Prefiro antes ..T.....” f.e. Prefiro . O..” (= pôr visto) ...... Paguei ao dentista Perdoei aos meus inimigos ...... Prefiro primeiro ...V..V..... Pagar/Perdoar: .... O guarda informou os motoristas / de que haveria neblina. g.....: “O cônsul visou os documentos” (= apontar arma) ....D.V..T..T......: “Os atiradores visaram o alvo” i. Prefiro ...

A tua atitude implica punição E não: A tua atitude implica em punição. A maioria dos cientistas compareceu/compareceram. 75) Observe.O. “causar” não pede preposição “em”. * O mesmo para Antipatizar l. Implicar .I. O.Vossa Alteza é generosa (falando com a princesa) 77) Observe os seguintes casos de Concordância Verbal: a. outro indireto. c.mais de um substantivo (adjetivo anteposto): . Quais de nós farão/faremos o trabalho? b.mais de um substantivo (adjetivo anteposto): Paletó e gravata escura/escuros b. o seguinte: a. E não: Simpatizei-me com ela. lembre-se de que deverá usar dois objetos: um direto. Um adjetivo . ou vice-versa. Simpatizar . Um adjetivo . Assim: . ainda.Tranqüilas montanhas e bosques.D. Portanto.com sentido de “denotar”.Tranqüilos bosques e montanhas. importante lembrar que o Adjetivo que se refere a pronome de tratamento deve concordar com a pessoa a quem o pronome se refere. 76) Quanto á Concordância Nominal é. quanto à Concordância nominal. Nunca use dois objetos do mesmo tipo. .Tudo é/são flores.não é pronominal Diga sempre: Simpatizei com ela. quando você usar o verbo informar. .Vossa Alteza é generoso (falando com príncipe) . j.

(bem) Ele foi mau aluno. Quite . “por quê” . menos confiança. Aqui reina/reinam a paz e a harmonia.no final da frase: Choraste por quê? Ela se demitiu. “porquê” .. Pseudo . o porquê dessa atitude.. Monstro (adjetivo) .Trabalhos monstro.quando se puder substituir por “por qual motivo / por qual razão: Quero saber por que foi ocorrer isso comigo.nos seguintes casos: . mas não disse por quê? c.Mais amor. nos demais casos Não compareci porque estava doente. (pelo qual). “Mau” quando puder usar “Bom” Assim: Ele foi mal na prova.no sentido de pelo qual Eis o motivo por que não vim. 78) Lembre-se de que você deve usar: a.(= motivo) Diga-me.d. “porque” .Os soldados estavam alerta. 80) Lembre-se de que as seguintes palavras devem sempre permanecer invariáveis: Menos . ao menos. “Mal” quando puder usar “Bem” b. 81) Devem concordar com o substantivo a que se referem: a. . b.. Alerta . “por que” . (bom) 79) Lembre-se de que você usará: a.Pseudo-sócios. d.nas interrogações (direta ou indireta) Por que choraste? (direta) Ele perguntou: por que choraste? (indireta) .(= conjunção).

84) Os encontros: ea. substantivo: Tens um quê misterioso. Anexo: Enviei anexos os documentos. Obrigado Paulo disse: “obrigado”. c. io. Mesmo Maria mesma trouxe o dinheiro. c. podem ser pronunciados quer como ditongos quer como hiatos. b. As formas corretas são: Isto é para eu fazer. estão incorretas construções como estas: Isto é para mim fazer. Enviei em anexo os documentos/as fotografias. Maria disse: “obrigada”. ia. ue. Comprei um livro para mim ler no trem. eo. interjeição: Quê! Você se casou? * neste último caso”quê” virá sempre seguido de ponto de exclamação. pronome (em final da frase): Ela disse não sei quê. Comprei um livro para eu ler no trem. 83) Lembre-se de que você usará “Quê” no caso de: a. Paulo mesmo trouxe o dinheiro. d. b. * A construção: “É difícil para mim ler à noite” está correta. Assim. Enviei anexas as fotografias.O aluno está quite. pois para mim funciona como complemento nominal de difícil”. ie. uo. ua. . ATENÇÃO: A locução “EM ANEXO” é invariável. quando finais átonos. 82) Lembre-se de que o pronome oblíquo tônico não pode funcionar como sujeito de um verbo no infinitivo. Os alunos estão quites.

te. 87) A oração introduzida por conjunção integrante (geralmente.Contudo. subs. 85) O termo regido da preposição que se refere a um adjetivo ou advérbio é sempre complemento nominal. quando temos infinitivos regidos de preposição “A” em relação aos pronomes: me. Daí o motivo por que são errôneas construções como: “Está na hora do trem partir” A forma correta é: “Está na hora de o trem partir”. sub. advérbio complemento nominal 86) O termo regido de preposição que se refere a um substantivo concreto é sempre adjunto adnominal. nom. são considerados ditongos (portanto. comp. Fui o primeiro a dar-lhe a notícia. nome or. lhe(s). vos. Entrei e saí da sala. Mas: Vi o livro e gostei dele. “que”) que vem após um nome substantivo é sempre oração subordinada substantiva completivo-nominal: Temos certeza de que venceremos. Comprei um vaso de cristal adjunto adnominal. 88) Lembre-se de que o mesmo termo não pode completar verbos de regências diferentes: Vi e gostei do livro. Como tais encontros podem ser pronunciados como ditongos ou hiatos. fúria como proparoxítonas acidentais. adjetivo complemento nominal Ela agiu favoravelmente a nós. inseparáveis). 90) É facultativo o uso de próclise ou ênclise. 89) Lembre-se de que o sujeito não pode ser regido de preposição. no que tange à divisão silábica. . se: Fui o primeiro a lhe dar a notícia. nos. se. A decisão foi favorável a todos. alguns gramáticos consideram palavras como estratégia. Entrei na sala e saí dela.

Convém notar que as orações subordinadas adverbiais consecutivas aparecem normalmente me estruturas correlativas do tipo: “Insistiu tanto que acabou conseguindo o que queria”. “Ou estuda. Ocorre. em que a enunciação da primeira parte (prótase) prepara a enunciação da segunda (apódose). ou não passa no vestibular”. um forte vínculo sintático entre ambas. Veja: “Embora ainda estivesse magoado. É interessante confrontar duas versões de um mesmo período. embora ainda estivesse magoado”. telefone-me”. assim. A palavra “tanto” ou sua forma reduzida “tão” antecipam a conseqüência (“Estava tão cansado que adormeceu no sofá da sala”) A correlação também aparece no processo de coordenação. Nos pares alternativos. Esse tipo de construção sintática. ora chora”. O mesmo se dá com o par: “Telefone-me se tiver tempo” e “Se tiver tempo. aceitou seu pedido de desculpas” e “Aceitou seu pedido de desculpas. estabelecendo-se. A correlação contribui para a coesão do período. Devo calar-me. o leitor é obrigado a passar pelo condicionante (no caso.91) São corretas as seguintes construções: Deve-me calar. é chamada correlação.este um circuito de palavras encadeadas de tal modo que o sentido só se completa quando ele se fecha. Quando a oração principal está no início do período. A anteposição da oração subordinada à principal reforça a coesão do período . A prótase (introdução) cria uma expectativa que só se resolve quando a apódose (desfecho) é enunciada. a subordinada adverbial concessiva) antes de chegar a ela. 92. Uma dessas normas de expressividade aconselha a colocação dos termos ou da oração a que se pretenda conferir mais ênfase nas extremidades do período. . quando se diz: “Não só estuda mas também trabalha” no lugar de “Estuda e trabalha”. isso é bastante comum: “Ora ri. a subordinada tende a ser lida com menos atenção. por exemplo. Não me devo calar. Não devo calar-me. A estrutura correlativa proporciona um ganho em ênfase. nas quais apenas se altere a ordem das orações. Quando a informação principal (aceitou seu pedido de desculpas) é contada depois. * O infinitivo pode anular a força atrativa da palavra “não”. Por isso o período fica mais tenso. Correlação pode aumentar coesão do texto – Dica Importante A organização dos períodos segue certas normas ou tendências inspiradas pela lógica do raciocínio. “Correu em busca de ajuda quando percebeu o que tinha ocorrido” é menos enfático que “Quando percebeu o que tinha ocorrido. correu em busca de ajuda”.

”. O pronome relactvo que.. provoca a ambiguidade.. dê notícias ao seu pai. porto não serem as macas que acusavam o local... é um recurso explorado nos textos poéticos. jogos de palavras envolvendo duplo sentido caracterizam-se pela criatividade. Nos textos publicitários. Mecanismos da língua asseguram expressão de idéias – Dica Importante Para bem formular um pensamento. pacientes:”. não viu pacientes atendidos em macas. principalmente. Daí a freqüência desse assunto na maioria dos vestibulares.: A prefeita Marta Suplicy. portanto defeito de frase que apresenta duplo sentido.não viu serem atendidos. ao estabelecer relação de subordinação.. cujo antecendente é macas. também relativo referindo-se a pacientes: “. Para desfazer a ambiguidade. em 15/08/02.”. mas sim os pacientes. basta trocar o pronome relativo que por os quais. que acusavam o local. os quais acusavam o local. em macas. em visita ao hospital municipal de Campo Limpo (zona Sul de SP).Dessa escola todo mundo sai falando bem... onde estava para entrega de mamógrafo doado por empresa. Ambigüidade é. o diretor nega a acusação. Comparemos os dois trechos a seguir: (1) Ontem houve uma reunião do partido da qual participaram vários senadores. (propaganda de escola de idiomas) . .Conheça o patrimônio da Xuxa que nunca saiu na Playboy. (propaganda de anéis e brincos “solitários”) . Analise alguns exemplos: . nada como dominar certas estruturas da língua. que acusavam o local de “maquiar” a realidade. A passagem ambígua é “.. (propaganda para assinatura de jornal) ...” Outra forma de desfazer o duplo sentido seria aproximar do pronome relativo que a palavra a que ele se refere. que acusavam o local de “maquiar” a realidade para o ato e reclamaram do tratamento. O seguinte texto informativo publicado na primeira página da Folha de São Paulo.mas não viu pacientes atendidos em macas. apresenta uma passagem ambígua. uma idéia ganha mais relevo que outra. no caso. Não basta aplicar regras de ortografia ou de concordância para escrever com eficácia. os solitários nunca mais vão ficar sozinhos.O maior investidor privado no setor elétrico brasileiro tem energia de sobra para superar qualquer desafio. a ambigüidade designa “os equívocos de sentido.. pacientes. Indesejável (ou não-apropriada) em textos científicos e informativos. (propaganda de empresa de energia elétrica) 94. Ao organizar o período segundo o princípio de coordenação...Peça ao seu professor para passar. (propaganda de pergunte) . Ambigüidade – Dica Importante Segundo Massaud Moisés.93.No dia dos pais. Também é importante que se conheçam mecanismos de hierarquização de idéias.. humorísticos e. (propaganda de revista “masculina”) . (2) Ontem houve uma reunião do partido. provenientes de construção defeituosa da frase ou do uso de termos impróprios”.não viu pacientes atendidos em macas. dá-se o mesmo valor a cada uma das orações. publicitários.A partir de agora.

o período é composto por subordinação e. Entre eles. entretanto. a substituição do pronome relativo pelo pronome pessoal elimina relação de subordinação .Dela participaram vários senadores. entre eles o ministro X”. pois. trata-se de uma subordinada adjetiva (“Houve muitos participantes. Assim. em (2). estava o ministro X”. Em (2).sobretudo quando se trata da preposição “entre” . Observemos que não se constrói uma frase como: “Houve uma reunião. construção que parece hesitar entre a intenção de enfatizar uma das idéias e a de anular a ênfase. Temos. Outra solução: mudar a pontuação e realçar a segunda oração. É comum encontrar frases como: “Houve muitos participantes. Assim: “Houve muitos participantes. da qual não mais se omitiria o verbo. conforme o exemplo anterior. a ocorrência da reunião é um fato mais relevante que a participação dos senadores. então. Caso curioso. em (1). dela participaram vários senadores”. Melhor seria o uso de “entre os quais” em vez de “entre eles”.é a retomada do antecedente pelo pronome pessoal precedido de vírgula (e não pelo pronome relativo). Ou se substitui “dela” por “da qual”. embora não haja um verbo explícito na segunda oração. em (1). é dada maior importância à primeira oração. à qual se subordina a segunda.e as informações passaram a equiparar-se. Embora exista em ambos um conteúdo comum. é o que se dá quando a preposição em questão é “entre”. uma diferença de ênfase entre os fragmentos (1) e (2). . entre os quais estava o ministro X”). O que se tem visto . há dois períodos simples justapostos. Ora. ou se troca a vírgula por um ponto.