TCM - Administração

1) Conceitos iniciais
Surgimento da administração enquanto ciência → Revolução Industrial

Produção artesanal → Era da industrialização clássica (produção em massa)

→ Surgimento das primeiras grandes organizações e consolidação da administração enquanto ciência - início do
século XX (1903).
Evolução da administração → eras administrativas:

Era da industrialização clássica;

Era da industrialização neoclássica;

Era da Informação.

→ Era da industrialização clássica: trata-se do período compreendido entre a Revolução Industrial, no início do
Século XX, e meados da década de 1950. Durante este período a industrialização foi intensificada, o que gerou o surgimento e a
consolidação da administração enquanto ciência. A estrutura organizacional era composta por muitos níveis hierárquicos e ela
era bastante centralizada. O desenho organizacional mecanicista era o típico para esta época. É uma época marcada pela
estabilidade do ambiente.
→ Era da industrialização neoclássica: nesse período, o mundo começou a mudar e houve um forte desenvolvimento
industrial. Os negócios tomaram amplitude cada vez maior, chegando ao nível de atuação mundial, típico do fenômeno da
globalização. Com isso, as organizações buscaram novos modelos estruturais para fazer face ao aumento da complexidade no
ambiente, sendo a estrutura matricial a típica estrutura organizacional dessa era. As antigas teorias administrativas são
questionadas e novas teorias tomam o seu lugar, dando prioridade ao enfoque sistêmico e à relativização das coisas na
organização.
→ Era da Informação: trata-se de uma época que começou na década de 1990, sendo a que vivemos atualmente. A
tecnologia da informação e comunicação evoluiu rapidamente e trouxe diversos desdobramentos para o mundo organizacional.
As mudanças se tornaram ainda mais rápidas, imprevistas, turbulentas e radicais. A complexidade do ambiente se tornou muito
maior, demandando maior agilidade da organização na resposta aos imperativos ambientais. O desenho orgânico da estrutura é
tido como símbolo dessa era, pois este possibilita maior flexibilidade estrutural, melhores comunicação e interação interna e
externa, e maior capacidade de adaptação, entre outros.
Obs: Conceito importante → stakeholders = termo em inglês que representa os detentores de interesses no sucesso da
organização. É uma palavra moderna cunhada para se sobrepor ao conceito de que os acionistas (shareholders) deveriam ser as
únicas pessoas a ser satisfeitas pela organização. Sob esta visão, a organização deve satisfazer as várias partes interessadas,
como: clientes, fornecedores, acionistas, parceiros, funcionários, sociedade, comunidade e governo.

2) Escolas administrativas
Administração Científica
Abordagem Clássica
Teoria Clássica
Abordagem Humanística
Abordagem Neoclássica

Teoria das Relações Humanas
Teoria Neoclássica
Teoria da Burocracia

Abordagem Estruturalista
Teoria Estruturalista
Abordagem Comportamental

Teoria Comportamental da Administração

(ou behaviorista)

Teoria do Desenvolvimento Organizacional
Perspectiva Sociotécnica

Abordagem Sistêmica
Sistemas autopoiéticos
Abordagem Contingencial
Modelo Japonês

Teoria Contingencial

Teoria Z de William Ouchi

2.1) Abordagem Clássica
→ Pioneiros dos estudos da administração = Frederick Winslow Taylor e Henry Fayol; Administração Científica e
Teoria Clássica da Administração;
→ A ideia central de ambos os autores era desenvolver uma visão científica da administração, com princípios e
normas que deveriam ser seguidos para que ela pudesse ser eficiente.
2.1.1) A Administração Científica
→ Frederick Winslow Taylor - início do século XX;
→ Objetivo: maximizar o desempenho das organizações através do atingimento do melhor desempenho possível no
exercício das tarefas, reduzindo as perdas e os desperdícios de qualquer natureza, gerando lucro para empresa e para o
trabalhador.
→ Estudo dos tempos e movimentos - melhor forma de realizar as tarefas e tempo-padrão; Taylor defendia a
uniformidade das técnicas e métodos de trabalho com o objetivo de melhorar o desempenho; os funcionários deveriam ser bem
remunerados de acordo com sua produtividade, para que o desempenho melhorasse e o custo unitário fosse reduzido. Com a
remuneração melhor e os tempos e movimentos padronizados, o funcionário se dedicaria mais ao trabalho e menos à
“vadiagem”, fazendo com que a produtividade subisse e o custo de cada peça caísse, mesmo com remunerações superiores!
→ A tentativa de Taylor de substituir métodos elementares de produção por métodos científicos ficou conhecida
como Organização Racional do Trabalho (ORT).
Fundamentos da ORT:


Análise do trabalho em si (das tarefas) e estudo dos tempos e movimentos;

Estudo da fadiga humana (entender como o cansaço corporal influencia no exercício das tarefas de
cada trabalhador, visando diminuir a perda de eficiência decorrente do cansaço dos trabalhadores);

Divisão do trabalho e especialização do trabalhador;

além da maior agilidade na colocação do produto no mercado para consumo. mas observada microscopicamente. apesar de seu desenvolvimento com uma suposta base científica. • Princípio da economicidade: nada mais é do que reduzir o estoque de matéria prima ao mínimo para que enquanto os produtos finais sejam vendidos (carros). • Ambiente de trabalho (a administração científica atribuía grande importância à características como arranjo físico. assim como o trabalhador. buscava-se utilizar o trabalhador da melhor forma.2) Teoria Clássica → Henry Fayol . reduzindo o tempo de trabalho e os custos em geral. sua venda seja suficiente para pagar o custo das materiais primas e dos salários dos empregados. a Teoria Clássica de Fayol dava ênfase ao papel da estrutura organizacional como um todo na obtenção de elevados graus de eficiência. trabalha apenas em troca de recompensas financeiras para que possa viver a sua vida). • Princípio da produtividade: trata-se de aumentar a capacidade de produção de cada trabalhador em um tempo determinado por meio do uso da especialização do trabalho na linha de montagem. como um apêndice da máquina.1.1) Fordismo → Em linha com o pensamento da administração científica de Taylor surge o Fordismo.1. não há comprovação científica de aumento da eficiência organizacional. e não como um ser humano e social. Assim. • Preparo: os trabalhadores devem ser cientificamente selecionados com base em suas aptidões e treinados para as tarefas planejadas. Com isso. Trata-se do sistema de produção em massa baseado na linha de montagem desenvolvido por Henry Ford. → Críticas à Administração Científica: homem visto como máquina foi pouco considerado por esta Teoria. 2. ou seja. mecanização do processo. jornada de trabalho de 8 horas e aumento de salários. A ideia básica de Ford era a de que seria possível aumentar a produtividade da linha de produção com a implementação de uma linha de montagem móvel. → Objetivo central: assim como a Administração Científica. a organização era vista como um sistema fechado. o foco também estava sobre o papel do executivo de alto nível da organização realizar . • Incentivos e prêmios salariais por produção. Princípios da Administração Científica: ✗ • Planejamento: o trabalho deve ser planejado pela organização com base em métodos científicos. e não operado conforme o critério individual do trabalhador. Essa estrutura seria possuidora de funções e princípios que deveriam ser respeitados para o sucesso organizacional. fazendo ainda com que os funcionários virem consumidores potenciais dos produtos da empresa. a organização não era vista como um todo. • Visão de homem = homo economicus (esse conceito estabelece que o homem é um animal “econômico”.• Desenho de cargos e tarefas (definir quem faz o que e como as tarefas devem ser executadas). • Padronização nos processos de trabalho. Entretanto. com foco nas tarefas a serem realizadas. para que seja possível verificar se o que foi previsto está sendo cumprido em termos de metodologia e metas. o objetivo principal é maximizar a eficiência organizacional. • Execução: as atribuições e responsabilidades de execução devem ser distribuídas de forma planejada. minimização do esforço do trabalhador e um certo nível de conforto para melhorar a eficiência). • Controle: o trabalho deve ser controlado. Princípios do Fordismo: ✗ • Princípio da intensificação: trata-se da redução do tempo de produção através da maximização do uso dos equipamentos e matérias-primas.1. homem como instrumento de trabalho. limitação do seu campo de atuação ao chão de fábrica industrial. 2.1916.

• Unidade de comando (princípio da autoridade única .por meio da departamentalização). Funções do administrador: ✗ • Prever / planejar. • Disciplina. • Iniciativa. • Coordenar.cada empregado deve receber ordens de apenas um superior). • Subordinação dos interesses individuais aos gerais. → Fayol definiu a administração como um conjunto de diferentes atividades que representam a função do administrador em uma empresa. • Funções financeiras. • Controlar. • Funções comerciais. pode ser vertical . • Funções contábeis. • Autoridade e responsabilidade (autoridade é o direito de dar ordens e o poder de esperar obediência. → A Teoria Clássica previa a existência de diferentes funções para que as organizações pudessem se estruturar adequadamente. Fayol apresentava a necessidade de uma estrutura do tipo linear (aquela baseada nas ordens que são dadas do chefe para o subordinado. unidade de direção. • Cadeia escalar (princípio do comando). • Ordem. • Comandar.criando a hierarquia . • Estabilidade do pessoal (a rotatividade do pessoal é prejudicial para a eficiência da organização). • Funções de segurança. Funções básicas da organização: ✗ • Funções técnicas (relativas à produção). → Com a sua clara preocupação com a estrutura organizacional. • Remuneração do pessoal (justa e garantida satisfação para os empregados).toda a estruturação de forma correta para garantir os bons resultados. • Unidade de direção (uma cabeça e um plano para cada conjunto de atividades que tenham o mesmo objetivo). • Organizar. Esse tipo de estrutura se baseia nos princípios da unidade de comando. É com base nessa teoria que foram criadas as estruturas organizacionais que hoje são representadas por meio de um organograma (gráfico que representa as estruturas das organizações). • Funções administrativas. A responsabilidade é uma consequência natural da autoridade e significa o dever de prestar contas). considerando . → Críticas à Teoria Clássica: abordagem bastante simplificada quanto à estrutura organizacional.ou horizontal . de cima para baixo na estrutura organizacional). • Espírito de equipe (harmonia e união entre as pessoas são grandes forças para a organização). Princípios Gerais da Administração de Fayol: ✗ • Divisão do trabalho (especialização das tarefas e das pessoas. centralização da autoridade e cadeia escalar. • Centralização (concentração da autoridade no topo da hierarquia da organização). • Equidade.

2) Abordagem Humanística → Ênfase às pessoas e em suas relações na organização. • A ênfase nos aspectos emocionais (os aspectos emocionais dos funcionários deveriam ser a ênfase da administração para melhor compreender o comportamento humano e possibilitar um melhor desempenho no trabalho). 2. incluindo-se intervalos de descanso na rotina dos funcionários. considerando sua estrutura como uma máquina que. Como consequência.1) Teoria das Relações Humanas → Meados de 1920 . Concluiu-se que não havia relação direta entre os fatores fisiológicos e a produtividade. a concepção do operário era ingênua e romântica. a experiência de Hawthorne possibilitou o delineamento dos princípios básicos da abordagem humanística. executada em várias fases. • A importância das relações humanas (é importante que o administrador crie um ambiente de boas relações humanas para que os funcionários deem os melhores resultados). redução da carga horária e modificação da supervisão. o campo experimental utilizado foi muito limitado.conduziu uma experiência para estudar a correlação entre as condições de trabalho e a produtividade dos trabalhadores .Experiência de Hawthorne. e que a simples atitude de mediar conflitos seria suficiente para resolvê-los. já foi provado que boas relações dos grupos informais não geram necessariamente boa produtividade. • A relevância do conteúdo do cargo (ao contrário do que previa a Administração Científica. a Teoria das Relações Humanas deixava de considerar muitos aspectos importantes que haviam sido considerados pela Abordagem anterior. e não da simples capacidade física do empregado). e não apenas como indivíduos isolados). concepção extremamente racional da administração. o grande foco da Teoria estava na manipulação das relações humanas. e não apenas com a estrutura formal da organização . visão excessivamente mecanicista da organização. pode gerar problemas de relacionamento entre . lanches. pois essas se tornavam monótonas e cansativas. → Concepção de ser humano = homem social (ser humano reage a incentivos sociais e simbólicos que podem fazer com que a sua produtividade seja superior). as conclusões desta Teoria são muito parciais. Conclusões da experiência de Hawthorne: ✗ • A importância da integração social (o nível de produção dos empregados é uma resultante de como eles são integrados socialmente. que passava a atuar como orientadora. → Críticas à Teoria das Relações Humanas: por surgir em oposição à Abordagem Clássica. o que. é porque tem defeitos que precisam ser corrigidos em sua estrutura.2. mas um fator inesperado chamou a atenção: havia um fator psicológico indesejado que interferia sobre a produtividade dos funcionários. organização vista como um sistema fechado. quando percebido. os funcionários tendiam a não dar o máximo de si com base na execução de tarefas superespecializadas e repetitivas. acreditavam que os interesses da organização e dos funcionários poderiam ser os mesmos em todos os casos. Verificou-se que trabalhos com melhor conteúdo e menos repetitivos são capazes de melhorar o ânimo do trabalhador e fazê-lo atingir melhores resultados). • O comportamento social dos funcionários (os empregados se comportam com base no grupo social do qual participam. 2.como propunham os autores clássicos).apenas a organização formal. a excessiva ênfase nos grupos informais e na necessidade de coesão das relações humanas para melhoria da produtividade traz o problema de que.Elton Mayo . Ao final de alguns anos desde o seu início. • Existência de grupos informais (a administração deveria se preocupar também com a existência natural de grupos informais. • A importância das recompensas e sanções sociais. foi iniciada com o objetivo de associar a melhoria da iluminação com a melhoria da produtividade dos funcionários. outras fases dessa experiência foram executadas. → Essa experiência. não há comprovação científica. quando não funciona bem. em estudos posteriores. quais as normas e expectativas vigentes.

o ser humano é racional mas também é social. → Visão do ser humano = homem organizacional e administrativo (aceita incentivos mistos. • A ênfase nos princípios gerais (a administração necessitava ser estudada em seus princípios gerais para que os administradores pudessem usar o conhecimento na prática). administração por objetivos (APO). nível intermediário (gerentes) e nível operacional (supervisores dos funcionários que executam as tarefas). de modo que cada funcionário seja responsável pela realização de uma pequena parte. mas sim sobre os objetivos e resultados que ela deve alcançar).).outra consequência da divisão do trabalho. • A administração deve ser fundamentada em princípios básicos que tenham valor preditivo (gerar previsões testáveis). planejamento estratégico. surge a Abordagem Neoclássica. como a Medicina ou a Engenharia.os empregados e a organização. • A reafirmação de alguns pressupostos da Teoria Clássica (como a existência de princípios gerais da administração. pode-se dividir o trabalho do aparato administrativo da organização em níveis.consequência da divisão do trabalho. direção e controle). tipos de organização. • Os princípios da administração são verdadeiros.decompor o processo de trabalho em uma série de pequenas tarefas que o constituem. o ambiente começava a passar por mudanças e a organização precisava se adaptar. ✗ Princípios básicos da organização: • Divisão do trabalho . • A ênfase nos resultados e nos objetivos (o foco da organização não deve ser sobre si mesma. • Hierarquia . sem desconsiderar aspectos de outras escolas da administração. com a Teoria Neoclássica.3) Abordagem Neoclássica → Década de 1950 . • A administração é uma arte que deve se apoiar em princípios universais. Neste contexto. assim como os princípios de outras ciências.1) Teoria Neoclássica ✗ Características da Teoria Neoclássica: • A ênfase na prática administrativa (é uma Teoria bastante pragmática e que busca resposta para problemas reais da organização).forte retomada na produção industrial mundial no pós-guerra. a departamentalização etc. • Existência de conceitos ecléticos. de diferentes teorias administrativas. tático e operacional. sendo um desdobramento da função de comando para que cada pessoa responda a um chefe específico. → É na Teoria Neoclássica que se discutem os princípios básicos da organização e que se discutem profundamente questões como eficiência e eficácia. • Especialização . sendo voltado para o alcance de seus próprios objetivos e também dos objetivos da organização). criando uma cadeia de relações . foco nos objetivos etc.. organização. apesar de considerar a importância dos Clássicos. retomando vários dos preceitos da Teoria Clássica da administração com uma visão mais moderna e aplicada à crescente complexidade organizacional. tanto econômicos quanto sociais e simbólicos para o alcance de uma melhor produtividade. a consequência da especialização é a divisão da estrutura organizacional em departamentos. Como consequência de sua implementação. funções do administrador. ao mesmo tempo em que deveria enfocar os resultados.3. vantagens e desvantagens da centralização e da descentralização. que são: nível institucional (composto pelos diretores). 2. 2. ✗ Fundamentos da Abordagem Neoclássica: • A administração é um processo operacional composto por funções (planejamento.

→ A grande diferença da Abordagem Estruturalista sobre as anteriores é que ela não se preocupa só com a visão interna da organização. formando uma organização "alta". as mesmas envolvem as funções de planejar.processo administrativo: • Planejamento. decisões consistentes com os objetivos e estratégia.. ✗ Desvantagens da descentralização: • As decisões deixam de ser tomadas de maneira coerente entre si. além de economizar tempo e dinheiro. mas também com uma visão mais ampla. organizar. melhorando a qualidade no processo decisório. o que implicará uma cadeia de comando menor.chefe-subordinado (cadeia escalar) que vai da base da organização até o seu nível mais elevado. a perda de informações. • Controle. Quanto menor a amplitude de controle. permite uma visão de longo prazo da organização. com o aumento da autonomia há uma redução dos custos de supervisão e um incentivo para que os gerentes e supervisores se tornem mais generalistas. ✗ Funções do administrador . ✗ Vantagens da descentralização: • As decisões são tomadas mais próximas de onde os problemas ocorrem. mesmo incorporando novas ideias sobre administração. . há necessidade de investimento em capacitação de vários decisores da organização. formando uma organização "achatada" na sua estrutura. mantido o número de funcionários. em relação às funções do administrador através do processo administrativo neoclássico. podendo haver grande variabilidade das decisões tomadas por diferentes gerentes e supervisores. há uma redução dos gastos com comunicação. melhor capacitação dos administradores do topo. o que aumenta os custos. → Principal crítica: esta Teoria se mostra bastante conservadora por propor a existência de princípios universais da administração. mais níveis hierárquicos a organização terá. • Direção. favorece as distorções. 2. a comunicação deve ir e voltar do topo para a base. → Para a Teoria Neoclássica.principais vantagens e desvantagens ✗ Vantagens da centralização: • Decisões tomadas por quem conhece a organização de forma global. os administradores exercem diferentes funções. prejudica a agilidade e a flexibilidade da organização. mais funcionários cada chefe terá. quanto maior a amplitude de controle. os especialistas que se encontram nas assessorias superiores da organização são menos aproveitados nos processos decisórios. as pessoas ficam mais motivadas para o trabalho e interessadas nas decisões. como já havia sido feito por Fayol. • Amplitude administrativa (ou amplitude de comando ou de controle) . ✗ Desvantagens da centralização: • A distância do dia-a-dia cria decisões que podem não ser adequadas. dirigir e controlar. que abrange tanto a organização e sua relação com outras organizações dentro da sociedade. evita decisões tomadas de maneira incoerente por diferentes gestores. burocracia. papéis etc. elimina custos de várias tomadas de decisões. → Centralização X Descentralização .4) Abordagem Estruturalista → Teoria da Burocracia e Teoria Estruturalista → Foco na estrutura organizacional (para a Teoria Estruturalista há também a ênfase ao ambiente no qual a organização se insere e à interação dos grupos sociais).número de funcionários que um administrador pode supervisionar. favorecendo a flexibilidade e agilidade e eficiência. os diretores do topo da hierarquia tendem a ficar com mais foco nas decisões mais relevantes. • Organização.

pela necessidade de documentar tudo. já que elas estão previstas. A ideia básica da burocracia é que é necessário utilizar uma autoridade racional-legal para influenciar o comportamento das pessoas na organização e conseguir que normas e regras sejam seguidas para a máxima eficiência (autoridade racional-legal como crítica à dominação / autoridade tradicional . treinamento e meritocracia. • Diminuição dos atritos entre os indivíduos.4. • As comunicações são formalizadas e oficiais. → Visão de ser humano = homem organizacional (ocupante de um cargo na organização e possuidor de atribuições específicas. ✗ Disfunções da burocracia: • Internalização das regras e apego aos regulamentos (deixam de ser meios e passam a ser o próprio objetivo da organização). • Manutenção da continuidade da organização. • Os relacionamentos são impessoais. • A autoridade segue a hierarquia organizacional.e à carismática). divisão clara do trabalho.1) Teoria da Burocracia → Criada em 1909 por Max Weber → aplicada à administração nas décadas de 1930-1940. → Busca criar uma organização eficiente. • A competência técnica é valorizada através da meritocracia. de forma impessoal e racional. • A administração é especializada (não há patrimonialismo). • Categorização como base do processo decisório (as decisões são categorizadas para serem definidas com base em determinado nível hierárquico ou com base em regulamentos. já que a Teoria Clássica era excessivamente mecanicista e a Teoria das Relações Humanas era excessivamente romântica. • Estabilidade das decisões (constância). deixando pouco espaço . já que cada um sabe claramente o seu papel. • Excesso de formalismo e de papelório. consistindo no atingimento dos resultados organizacionais com o uso racional dos recursos. • Uniformidade dos procedimentos e rotinas de trabalho. • As rotinas e procedimentos são padronizados. racionalidade. • Benefícios para as pessoas na organização. que reage a incentivos materiais e salariais por parte da administração). ✗ Principais características da burocracia: • Normas e regulamentos possuem caráter legal. planejado e executado conforme regras e regulamentos. ✗ Vantagens da burocracia: • Racionalidade dos objetivos. • O trabalho é dividido de forma racional. • Despersonalização dos relacionamentos. • Alta confiabilidade das decisões. → Foi difundida como modelo de estrutura organizacional como consequência da dificuldade em se definir uma teoria das organizações que de fato servisse para a orientação do trabalho do administrador. • Interpretação única e clara dos regulamentos e normas.2. que se perpetua profissionalmente. Na burocracia tudo é previsto. • Resistência às mudanças. • O funcionamento da organização é completamente previsível. • Cargos e tarefas bem definidas. • Os membros da organização são profissionais. • Rapidez nas decisões. já que há hierarquia formal.patrimonialista .

para que as decisões sejam tomadas por quem mais entende do assunto ou com base em processos decisórios mais criativos em busca de uma solução real para o problema). na verdade. → As ciências comportamentais trouxeram às ciências administrativas várias conclusões sobre a natureza e a característica dos seres humanos: o homem é um animal social dotado de necessidades.1) Teoria Comportamental → Marco inicial . o comportamento humano é orientado por objetivos. 2. É um desdobramento da Teoria das Relações Humanas. competências. comunicação e cultura organizacional. Critica fortemente a Teoria Clássica e o modelo mecanicista da Teoria da Burocracia. considerando. a Teoria dos Dois Fatores de Herzberg.). mas absorve seus aspectos sociológicos em uma nova concepção da organização. liderança. que o indivíduo reage tanto aos incentivos materiais. → Organização = sistema aberto que interage com o seu ambiente. é um animal dotado de um sistema psíquico. passando por pontos das Relações Humanas e buscando inspiração até nas visões de Max Weber e nos trabalhos de Karl Marx. → Traz à tona ainda diversas novas perspectivas sobre a motivação humana. Os principais traços de personalidade do homem organizacional são a flexibilidade. título dos cargos etc. • Superconformidade às rotinas e procedimentos (limitando as pessoas no seu poder de agir livremente para a busca de melhores caminhos para a organização).1) Teoria Estruturalista → Concepção de ser humano: a Teoria Estruturalista também se baseia na abordagem de Homem Organizacional. o homem caracteriza-se por um padrão dual de comportamento: pode tanto cooperar quanto competir com os outros.5. A Teoria Estruturalista é uma visão do conjunto da organização. e que possui variáveis internas e externas que a influenciam no que diz respeito a sua estrutura. as recompensas salariais. . de Herbert Simon (1947). as Teorias X e Y de McGregor etc. • Exibição de sinais de autoridade (uniformes. os diferentes tipos de organização. que possui partes integradas.foco = consideração do comportamento humano nas organizações. dotado de aptidão para aprender.livro "O comportamento administrativo". → Surge como uma resposta dura entre a Abordagem Clássica e das Relações Humanas. as análises intra e interorganizações. • Dificuldade no atendimento a clientes e conflitos com o público. → A Teoria Estruturalista é. apesar de não constituir uma teoria propriamente dita e sim uma perspectiva sobre a administração. 2. 2. mesas. sob diferentes pontos de vista. e não ótimas. → Críticas à burocracia: racionalidade excessiva. a capacidade de adiar as recompensas e o permanente desejo de realização. conservadorismo teórico etc. uma teoria “integracionista”. materiais. É com base nessas reflexões que surgem os estudos sobre motivação. pois integra diversos aspectos da Administração Clássica. → Visão de ser humano = homem administrativo (ser racional que toma decisões quanto a sua participação ou não nas organizações. passando a considerar a síntese da teoria da organização formal com ênfase nas relações humanas. mas apresenta severas críticas às suas concepções ingênuas e românticas do ser humano. aos diferentes cargos nos vários níveis hierárquicos. salas. como a Hierarquia das Necessidades de Maslow.4.5) Abordagem Comportamental (ou behaviorista) → Desdobramento dos trabalhos da Teoria das Relações Humanas . nesse caso. Também surgem novas ideias sobre liderança. a tolerância às frustrações. tem capacidade de articular a linguagem com o raciocínio abstrato. os vários níveis hierárquicos de uma organização. sendo um ser social que vive dentro de organizações e interage com elas. visão mecanicista da organização em um sistema fechado. A abordagem múltipla que a Teoria Estruturalista traz engloba a organização formal e a organização informal. reagindo a incentivos mistos e tomando decisões satisfatórias. já que na visão do homem administrativo o ser humano não possui capacidade de lidar com muitas informações ao mesmo tempo e processá-las com eficácia). como aos sociais. sociais e simbólicas.

✗ Componentes dos sistemas: • Insumos ou entradas (inputs). ao se fazer alguma coisa agora. que recebe insumos (inputs). nessa análise não se sabe ao certo o que é executado dentro do processamento.será possível criar uma teoria geral para proporcionar princípios básicos para todas as ciências? Para essa abordagem. no sentido de melhorar os processos de resolução de problemas de renovação organizacional. sendo esta a primeira teoria que observa a organização como aberta ao ambiente.2) Teoria do Desenvolvimento Organizacional → É uma perspectiva desenvolvida a partir da Teoria Comportamental para abordar o desenvolvimento da organização como um todo. buscando entender o funcionamento da mudança e fazer com que a organização possa se desenvolver através da mudança. são abandonadas. pois o que se sabe é que os efeitos terão causas.2. o próprio ambiente realimenta o sistema por meio de novos insumos. na qual os indivíduos desempenham suas partes). incluindo ação e pesquisa. que gerarão novos processamentos e saídas. com foco na sinergia entre os conhecimentos científicos. ou seja. → Conceito de black box = a parte do processamento é vista como uma "caixa-preta". Percebe-se. O foco deveria estar não mais dentro da própria organização. A TGS foi bastante influenciada pelo desenvolvimento da cibernética. desse modo. a organização é um grande sistema de papéis. teleologia (a causa é uma condição necessária. sim. a existência de 5 componentes dos sistemas como um todo (inclusive o sistema organizacional). ✗ Premissas que fundamentam a TGS: • Os sistemas estão dentro de sistemas maiores. → Interdisciplinariedade . A partir daí é que se desenvolve a TGS. → Concepção de ser humano = homem funcional (o ser humano desempenha papéis no sistema em que se insere.6) Abordagem Sistêmica → Inaugurada a partir da Teoria Geral dos Sistemas (TGS) de Ludwig von Bertalanffy. → A ideia central dessa abordagem aplicada à administração leva à conclusão de que a organização pode ser vista como um sistema que interage com o seu ambiente. O ideário deveria ser substituído pelo: expansionismo (olhar o "todo". apoiado pela alta direção. realiza o processamento desses insumos.com a assistência de um consultor facilitador e a utilização da teoria e da tecnologia das ciências comportamentais. mas nem sempre levará a uma dada consequência). as ideias clássicas de reducionismo (decomposição do todo em cada detalhe). reforçando ou modificando os papéis dos indivíduos . 2. as relações do tipo “uma causa gera um efeito”. • Os sistemas são abertos e interagem com o ambiente. e apresenta saídas (outputs) para o ambiente.nesse sentido. pensamento sintético (sintetizar as coisas pelo papel que exercem no todo). • Saídas (outputs). mas nunca se sabe o que acontecerá depois. que buscava ser uma ciência interdisciplinar. → Trata-se de uma verdadeira revolução na forma de pensar as coisas. ou seja. no qual a parte se insere). Além disso. • Retroação.com ênfase especial nas equipes formais de trabalho. • Processamento.5. → Desenvolvimento organizacional = esforço de longo prazo. Ela está diretamente relacionada ao conceito de mudança organizacional. Além disso. equipes temporárias e cultura intergrupal . particularmente por meio de um eficaz e colaborativo diagnóstico e administração da cultura organizacional . não constituindo uma teoria propriamente dita. • Ambiente que envolve o sistema. O homem funcional tem expectativas sobre os papéis das outras pessoas no sistema e busca deixar claras essas expectativas. Segundo a TGS. pensamento analítico (análise de cada detalhe) e mecanicismo não serviriam para a análise das ciências. sendo guiado por incentivos mistos. . • As funções exercidas pelo sistema dependem da sua estruturação. mas na relação que as partes da organização tinham entre si e com o ambiente externo.

por exemplo. A entropia negativa é a força que o sistema usa para combater a entropia.as organizações importam e exportam constantemente para o ambiente.6.o sistema organizacional tende a se diferenciar internamente em funções especializadas. • Exportação (saída de produtos / serviços). operações. Elas definem até onde o sistema pode atuar e qual o nível de abertura do sistema em relação ao ambiente. em uma atividade cíclica de entrada-processamento-saída-retroação-entrada. os sistemas podem até ter relação com o ambiente. diferenciadas e estruturadas em hierarquia. mesmo partindo de diferentes pontos de partida e passando por diferentes caminhos. mas esse tipo de relação é determinado internamente e apenas explicado por meio de um observador externo. ele faz com que seus processos internos sejam modificados e melhorados. → A organização é um sistema sociotécnico composto por dois subsistemas: o subsistema técnico (tecnologia utilizada. 2.→ A visão organizacional a partir dos sistemas é que a empresa (ou a organização) é um sistema aberto que interage com o ambiente para receber insumos de todas as naturezas e fornecer produtos ou serviços como resultado do seu processamento interno. • Diferenciação . em qualquer de suas formas. como informações. • Retroação negativa (ou feedback negativo) e informação como insumo . Quando retorna à organização. • Entropia negativa (ou negentropia) .1) Perspectiva sociotécnica: → Proposta por pesquisadores do Instituto de Relações Humanas de Tavistok.a organização enquanto sistema aberto pode atingir o fim que deseja. possibilitando o seu ajuste estrutural. A própria estabilidade do sistema organizacional pode ser atingida por mais de um meio diferente. Reabastecimento de energias que a organização usa para manter sua estrutura organizacional com vigor.as organizações transformam os seus insumos em saídas para o ambiente no qual se insere. equipamentos.2) Sistemas autopoiéticos: → Visão diferente sobre sistemas . presente na visão de Morgan sobre as organizações. envolve aspectos como tarefas. • Ciclo de eventos .. A homeostase é uma propriedade dos sistemas abertos de manter seu ambiente interno regulado para se ajustar dinamicamente aos acontecimentos do ambiente externo (buscar certa estabilidade interna apesar das constantes interações com o meio ambiente). com base na teoria dos sistemas. Este equilíbrio é mantido por meio do processo de homeostase dinâmica. Transforma a eficiência potencial em real). 2.. território e tempo. Responsável pela eficiência potencial da organização) e o subsistema social (são as pessoas e seus relacionamentos formais e informais no trabalho.não segue a teoria dos sistemas! → Para a autopoiese.a entropia é um processo de desorganização natural das coisas até a sua morte.os sistemas abertos recebem informações não só sobre o ambiente externo. instalações.. • Fronteiras ou limites do sistema . ✗ Características das organizações enquanto sistemas abertos: • Importação de insumos (entradas) . • Estado firme e homeostase dinâmica .6. • Transformações (processamento interno) . → Frase que sintetiza bem o pensamento sistêmico: "o todo é maior do que a soma das partes" (se o sistema estiver em bom funcionamento).os sistemas mantêm o seu funcionamento estável a partir do que recebem e do que fornecem para o meio ambiente. arranjo físico etc. mas também sobre si mesmos.depende de entradas de energias vindas do ambiente. • Equifinalidade . que .as fronteiras da organização enquanto sistema aberto separam o que é interno ao sistema daquilo que é de fora. O feedback negativo é a informação sobre a própria organização que mostra a inadequação de seu sistema interno ao ambiente. materiais ou pessoal.

Essas contingências é que seriam responsáveis pela estruturação da organização. áreas e departamentos específicos. cujo foco estaria em responder aos estímulos do ambiente.7. mas as tarefas. por sua vez. 2. valores. o homem é. São as contingências ambientais influenciando na organização. é a sua própria autorreprodução. Nessa concepção. talvez.tenta fazer com que o sistema tenha sentido para o ambiente. É como se o homem fosse uma organização). acontecer a depender das circunstâncias do ambiente. um sistema aberto que realiza constantes transações com o ambiente. através da especialização de funções e tarefas em cargos. ✗ Conclusões de Lawrence e Lorch: • Todas as organizações possuem diferenciação e integração internas . O objetido dos sistemas. trabalho etc. mas sim de um padrão de interações entre os diferentes elementos do próprio sistema que se relacionam entre si independetemente da existência de eventuais causas. 2.1) Teoria Contingencial → Grande foco = ambiente e tecnologia. por si só. as pessoas e estruturas organizacionais não são desprezadas. que pode. Tipicamente. → Autores Lawrence e Lorch .família. as partes da organização responderão apenas às partes do .7) Abordagem Contingencial → É pela abordagem contingencial que o foco de análise deixa de estar dentro da organização e passa para fora contingência é algo incerto ou eventual. → Organização é um sistema aberto ao ambiente. criando produtos e serviços que. As mudanças do sistema não decorrem do ambiente. em última instância.quais as características que as empresas devem ter para enfrentar a variedade de condições externas possíveis. → A autopoiese de um sistema é justamente as características de que os sistemas seriam fechados. autocentrados e autorreprodutores. Esses modelos apresentam as seguintes características: → As organizações atuantes em ambientes estáveis devem preferir uma estruturação mecanicista enquanto organizações em ambientes dinâmicos devem buscar um arranjo orgânico. percepções e necessidades e estaria sempre em busca de solucionar questões relativas aos vários ambientes no qual se insere .a diferenciação representa as divisões internas da organização. → Dois dos conceitos mais importantes associados a essa Teoria são as definições de organizações mecanicistas e orgânicas. → Concepção de ser humano = homem complexo (as pessoas seriam um sistema complexo que englobaria características pessoais. possui comportamento voltado para os objetivos e se ajusta internamente ao longo do tempo. também modificariam o ambiente.

• Carreira generalista. as características da organização podem. mas precisam estar integrados para atender às demandas do mercado. mediante a coordenação de esforços. . por sua vez. elas devem ser controladas para se ajustar às características do ambiente. Assim. é aqui que surgem as teorias situacionais (ou contingenciais). • Responsabilidade coletiva. • Enquanto as características do ambiente não podem ser controladas. ✗ Principais características: • Emprego vitalício. Assim. A integração. → Em relação à gestão de pessoas. • Decisão por consenso. e não de acordo com seus próprios desejos.Teoria Z de William Ouchi → Representa uma perspectiva diferente das visões tradicionais ocidentais. ✗ Pressupostos da Teoria da Contingência: • As organizações possuem características de sistemas abertos. • Controle implícito (disciplina interior). A organização de sucesso consegue coordenar diferenciação e integração de acordo com a necessidade do ambiente. é o processo oposto à diferenciação. • Carreira lenta.ambiente que são importantes para suas tarefas. consistindo em demandas do ambiente que unem as várias partes especializadas da organização. • Os departamentos precisam estar diferenciados para funcionarem bem. as características da própria organização estão relacionadas com as características do sistema na qual ela se insere.8) Modelo Japonês . que afirmam que para cada situação específica deverá haver um comportamento adequado do líder para obter um desempenho positivo de sua equipe. • Orientação sistêmica. • O ambiente interage com a organização e vice-versa. 2.

preocupam-se mais em entender as situações. interpretando as organizações e o processo administrativo e dando explicações e descrições sobre as organizações e os administradores.As abordagens prescritivas e normativas são aquelas que tentam oferecer respostas e soluções para os problemas – indicando que decisões devem ser tomadas em cada caso. . As abordagens explicativas e descritivas. por sua vez.

3. eficaz e efetivo.1) Planejamento → Conceito = planejamento pode ser definido como um processo desenvolvido para o alcance de uma situação futura desejada. de um modo mais eficiente. Serve de base para a literatura neoclássica da administração. • Direção. que busca explicar como as funções administrativas são desenvolvidas pelas organizações. constituindo algo maior do que o ciclo administrativo. → Ciclo administrativo = ciclo contínuo de atividades que a função administrativa desenvolve nas organizações. enfrentar as situações futuras que possam ser previstas. → O planejamento é importante para que se possa: interferir no próprio futuro. Obs: Para Chiavenato. . essas quatro funções estão inter-relacionadas. Podemos pensar o planejamento como o processo que faz o plano para que se possa sair da situação atual paa a situação futura desejada.3) Processo Administrativo → Processo administrativo = conjunto das funções administrativas consideradas como um todo integrado. prever e articular os recursos a serem utilizados para atingir os objetivos. determinando o caminho a ser seguido. • Organização. Para ele. todas as funções se relacionam uma com a outra. determinar a melhor forma de. coordenando suas forças e fraquezas. • Controle. com a melhor concentração de esforços e recursos pela empresa ou organização. ✗ Funções do processo administrativo: • Planejamento.

apesar de ter múltiplas facetas.todos os aspectos envolvidos devem atuar de maneira interdependente. • Planejamento Operacional. planejando a utilização eficiente dos recursos disponíveis para a consolidação dos objetivos previamente fixados.✗ Princípios gerais do planejamento: • Princípio da contribuição aos objetivos . mas o processo desenvolvido.poder de decisão envolvido em um planejamento.deve-se estabelecer prazos e cronogramas claros para a execução das tarefas. → Planejamento Tático . é voltado para o atendimento do cliente.está mais ligado à formalização de metodologias e procedimentos.sistema de trabalho estruturado através do planejamento. estejam eles ou não ligados à área principal do negócio. • Princípio da universalidade .avaliação de valor sobre os benefícios e prejuízos que aquilo que está sendo planejado pode trazer. ✗ Princípios específicos do planejamento: • Planejamento participativo .o planejamento é uma função indispensável à organização. ✗ Dimensões para realização do planejamento: • Racional .ele pode provocar uma série de modificações na organização. • Princípio da unidade . gerando . ✗ Tipos de planejamento: • Planejamento Estratégico.voltado para uma área da organização específica. sendo parte integrante de todos os seus setores.o planejamento busca antecipar as variáveis e consequências que influenciarão a organização sob todos os pontos de vista e levando em conta diferentes opiniões para evitar uma visão unilateral. é necessário que o planejamento também seja permanentemente realizado. → Planejamento Operacional . envolve a empresa como um todo. • Planejamento Tático.como o ambiente é mutável. • Planejamento coordenado . → Planejamento Estratégico . • Princípio da flexibilidade . • Princípio das maiores eficiência. é projetado para o médio prazo. • Princípio da precedência do planejamento . o planejamento deve ser integrado em um conjunto coerente com base em critérios que contemplem mais de uma área ao mesmo tempo. • Política . • Planejamento integrado . é voltado para a eficácia. • Princípio da maior influência e abrangência . • Princípio da previsão .o planejamento deve ser adaptável às diferentes situações.sempre vem antes das outras funções administrativas.racionalidade. é definido pela cúpula organizacional.os planejamentos dos vários escalões das organizações devem ser integrados. • Princípio da inerência . • Planejamento permanente .o seu principal resultado não é o plano final. conduzido pelos níveis organizacionais intermediários. voltado para a coordenação e integração das atividades.é projetado para o longo prazo. eficácia e efetividade . fixa as metas e os objetivos da organização. • Valorativa .ele procura maximizar os resultados e minimizar as dificuldades. criatividade e reflexão necessárias para sua realização.o planejamento deve visar ao objetivo máximo da organização. • Técnico-administrativa . pois assim fica mais fácil fazer os ajustes necessários. inclusive considerando correções de rumo.

basicamente os planos de ação ou planos operacionais. departamentos ou unidades da organização). abrangendo cada departamento ou unidade da empresa. Deve-se perceber que as pessoas são o principal recurso da organização. conduzidos pelos níveis organizacionais mais baixos. tratando de realizar o desenho organizacional.é quando esta função organizacional é tratada pela gerência intermediária. suas atividades e operações. é possível dizer que ela está centrada nas relações humanas. Neste sentido. materiais. Está relacionada à estrutura de órgãos de uma organização. • Pessoas (cada pessoa é designada para ocupar um cargo. estruturar e integrar os recursos disponíveis para que as ações a serem realizadas possam atingir o sucesso. • Motivação: no exercício da função de direção. É tratada pela cúpula organizacional no nível institucional. é voltado para o curto prazo.divisão do trabalho especialização). são três as principais atividades desempenhadas pelo administrador: ✗ Atividades de direção: • Comunicação: os administradores precisam se comunicar com os seus subordinados para indicar-lhes os caminhos a serem seguidos e receberem feedback. Posteriormente. A preocupação inicial focalizou as relações entre os órgãos componentes da organização e entre as pessoas com relação aos seus trabalhos. a divisão interna do trabalho. devendo ser dirigidas no exercício de suas funções para a consecução dos objetivos organizacionais.é o caso da organização que focaliza as tarefas do empreendimento. • Órgãos (as tarefas e as pessoas são agrupadas em órgãos. para que os objetivos da organização possam ser atingidos. por isso. a determinação sobre as pessoas que devem realizar as tarefas. Esta função é responsável por acionar e dinamizar a empresa para que ela possa funcionar adequadamente. • Relações (os relacionamentos constituem o conceito talvez mais importante da função de organização. a coordenação de esforços etc. . como divisões. como relacionamentos com clientes e com fornecedores). tratado no nível mais baixo da organização.tipos de organização. é voltado para a eficiência. Trata-se do desenho departamental ou departamentalização. ✗ Componentes da função de organização: • Tarefas (as funções organizacionais são subdivididas em tarefas .2) Organização → Conceito = é a função que busca organizar. que é uma parte específica do trabalho global). ✗ Tipos de organização: • Organização no nível global . Na função de direção. 3. essa preocupação estendeu-se a outros aspectos fora da organização.3) Direção → A função de dirigir está relacionada com a direção dos trabalhos executados. o operacional.Envolve a empresa como um todo. Ela é a função administrativa que trata do relacionamento entre os administradores e os seus subordinados. É aqui que se insere o desenho de cargos ou tarefas. 3. → A função organizacional também se desdobra nos três níveis organizacionais . tecnológicos. • Organização no nível das tarefas e operações . Representa os meios para que se possa por em prática as outras funções administrativas. etc. A direção se relaciona com as pessoas da empresa. • Organização no nível departamental . as pessoas utilizam os demais recursos disponíveis (financeiros.) para concretizarem suas ações. • Liderança: o exercício da liderança também utiliza da comunicação para influenciar o comportamento dos subordinados para que eles desejem realizar as atividades relevantes para a organização. a alocação de recursos. os administradores buscam utilizar-se da comunicação para estimular a motivação dos subordinados. envolve cada tarefa ou atividade isoladamente.

o controle requer um objetivo. • Comparação .exercida pelas várias posições ou pelos níveis organizacionais. • Supervisores e encarregados (nível operacional).um procedimento para comparar tal atividade com o critério definido. o foco da administração como um todo estava sobre o controle. • Correção . um fim predeterminado. ele pressupõe a existência de um plano a ser seguido e de atividades e resultados a serem controlados. o controle passou a ser considerado como uma etapa tão importante quanto as outras etapas do processo administrativo. o controle busca atender duas finalidades principais: a correção de falhas ou erros existentes e a prevenção de novas falhas e erros. controle estatístico de qualidade e sistemas de incentivo. o controle dos funcionários. Em outras palavras. uma regra decisória. • Limitar a quantidade de autoridade . organização e direção. inspeções. • Proteger os bens organizacionais .algum mecanismo que corrija a atividade em curso para permitir-lhe alcançar os resultados desejados. diretrizes e políticas. pois os objetivos ajudam a definir o escopo apropriado e a direção do comportamento das pessoas para o alcance dos resultados desejados. organização e direção do processo administrativo. O que não pode se medir não pode se administrar. roubos e abusos. uma norma. ✗ Aspectos essenciais do controle: • Objetivo . • Medir e dirigir o desempenho das pessoas .o controle requer um meio de medir a atividade desenvolvida. • Medição . incluindo informações sobre produção por empregado ou perdas por refugos por empregados etc. procedimentos escritos ou programas de produção. ✗ Objetivos do controle: • Padronizar o desempenho . supervisão direta. ✗ Principais finalidades do controle: .por meio de treinamento de pessoal. • Como meios preventivos para o alcance dos objetivos organizacionais . Deste modo. por meio de descrições de cargos.por meio de sistemas de avaliação do desempenho do pessoal.o controle passou a dar mais espaço às outras funções organizacionais. mas como um meio para que os resultados organizacionais possam ser atingidos. supervisão. altos executivos (nível institucional). Diretores. um critério ou uma unidade de medida. uma linha de atuação.4) Controle → Conceito = função do processo administrativo que proporciona a mensuração e a avaliação das ações empreendidas pela organização a partir dos processos de planejamento. Era necessário realizar o controle da produção.. vigilância e registros. o papel do controle na administração é diferente do que se tinha há algumas décadas. Obs: Mudança de foco sobre o controle = Hoje em dia. → Para Chiavenato. → O controle busca verificar como as atividades realizadas na organização estão se comportando em relação ao que estava previsto no planejamento. etc – o que fazia com que as outras funções organizacionais fossem tidas como menos importantes. No passado. procedimentos de auditoria e divisão de responsabilidades.por meio de inspeções. Assim. é possível dizer que o controle é a atividade que realiza a correção de rumos com base no planejamento. regras e regulamentos e sistemas de controle. um padrão. Com o aumento da velocidade das mudanças – característico da era da informação .✗ Direção nos três níveis da organização: • Presidente. por meio de exigência de registros escritos.de desperdícios. 3. passando a ser visto não como a atividade-fim da administração. • Padronizar a qualidade de produtos e serviços oferecidos pela empresa . um plano. • Gerentes e pessoal intermediário (nível intermediário).pela articulação de objetivos em um planejamento.

analisando cada tarefa ou operação isoladamente. Trata-se de um mecanismo de controle mais implícito do que os demais. Está relacionado ao planejamento operacional.proporcionam um momento para verificar a aprovação de determinado procedimento ou do atendimento de condições específicas antes que a execução possa continuar.) controla as atividades dos trabalhadores. Ex: orçamentos financeiros. Apesar disso. o que constitui uma grande desvantagem. • Controle de terceira ordem: controle por premissas e cultura . Garantem a existência de checkpoints para que as atividades sejam controladas. é genérico e sintético.acontece no nível institucional. mas possui a desvantagem de não propor soluções reais para os problemas enfrentados.garantem que os insumos estejam disponíveis antes de as ações serem executadas. Apesar disso. Mais comum em organizações pequenas e familiares.acontece no nível intermediário da organização. mas isso só acontecerá se as informações necessárias puderem ser coletada de maneira precisa e em tempo oportuno. • Controle operacional . ✗ Tipos de controles: • Controles pré-ação .mede o resultado da ação que já foi executada . • Controle tático . Não há mais tempo hábil para a correção de rumos da atividade.a coordenação dos trabalhos é obtida através de um sistema de partilha de pressupostos. ✗ Tipos de controles (conforme os níveis organizacionais): • Controle estratégico . apresentam a vantagem de possibilitar que as novas ações a serem realizadas no futuro levem em consideração os erros anteriores para que não se incoram em problemas idênticos aos já verificados no passado. é fundamental que seus processos sejam padronizados para que haja controle sobre sua execução. durante as operações e após as operações. ✗ Tipologia de controle de Perrow: • Controle de primeira ordem: supervisão direta . cronogramas. • Controles de direção . → A tipologia acima pode ser resumida em outros três tipos: controles antes das operações. de modo que eventuais correções possam ser feitas a tempo. direcionado para o médio prazo e aborda a unidade da empresa ou cada conjunto de recursos. crenças e valores que orientam o comportamento dos indivíduos em nível mais profundo.é um feedback. donos. • Prevenção de novas falhas e erros. gerentes etc.forma de controle mais simples. . Está relacionado com o planejamento tático. Possuem a vantagem de facilitar o controle desde o início das tarefas. Possuem a vantagem principal de possibilitar a correção de rumos. na qual a supervisão direta (chefes. • Controles de sim / não (ou de triagem) .buscam detectar os desvios durante a execução. • Controles pós-ação . não possibilitam um controle constante de direção.é mais detalhado e analítico.• Correção de falhas ou erros existentes. Está relacionado com o planejamento estratégico. Este nível de controle baseia-se em dois pilares: burocracia e tecnologia.com o crescimento da organização. com foco no curto prazo e sendo conduzido no nível operacional da organização. direcionado para o longo prazo e orientado para o todo organizacional. • Controle de segunda ordem: padronização de processos . sendo um pouco menos genérico e mais detalhado do que o estratégico.

4) Comunicação Resumir após sair o edital! .

5) Processo Decisório → → → → → → → → → → → → → .