Caderno de Estágio

Acadêmico: Vilmar Armando Konageski Junior

Caracterização da Escola

A escola municipal de ensino fundamental Dr Ruy Ramos é uma escola de médio porte que funciona nos três períodos diários atendendo a comunidade do bairro São José e suas proximidades, sendo que na modalidade EJA participam alunos também de outros municípios, os materiais didáticos são de boa qualidade, embora a manutenção dos prédios e demais equipamentos seja um pouco insuficiente ainda há condições para desempenhar um bom trabalho na escola, o laboratório de ciências não é de uso exclusivo e serve também para as aulas de educação artística, sendo mais aproveitado para esta função, o que é um fato lastimável uma vez que é necessário utilizar o laboratório nas aulas de ciências por vários motivos. Por ser no turno noturno, a circulação de pessoas na escola é restrita, os portões são fechados e um funcionário controla quem entra e quem sai da escola, a escola não possui placa, nem letreiro de identificação externa o que num primeiro instante torna difícil sua identificação em meio as casas que existem nas proximidades. Pois a escola é toda murada e os portões são com chapas de ferro o que não possibilita ver muito do seu interior.

2

Caracterização da turma de estágio Esta é uma turma de EJA, Educação de Jovens e Adultos, por isso estão em busca do resgate de sua formação cultural uma vez que muitos desistiram do processo normal de educação por motivos diversos, como a necessidade de trabalhar ou mesmo por desmotivação quando eram mais jovens. Neste momento a turma é composta por jovens de vinte e três anos e tem alunas mais velhas com média maior de trinta anos e uma aluna com quase sessenta anos, no questionário aplicado sobre a escola e o que poderia ser mudado para que os alunos aprendessem melhor, alguns escreveram que há muita diferença de idade e isto faz com que o ritmo da aula mude, outros escreveram que mudariam os banheiros (que estão em má condições realmente), outros as luzes (que são fracas e ficam piscando), etc... estas opiniões são um reflexo da conservação do prédio. A turma é muito faltosa, ou seja, o planejamento fica prejudicado pois o ritmo das aulas é quebrado várias vezes, o ambiente não têm muitos conflitos dentro da sala de aula, já na rua os alunos encontram algumas companhias e geralmente a policia acaba chegando na escola, dentro da sala de aula o máximo que ocorre são algumas risadinhas e conversas paralelas durante a realização de uma atividade escrita, pois neste momento alguns se dispersam bem como há momentos em que todos se concentram na aula.

3

Plano de Ensino 1- Dados de Identificação: 1.11.21.31.41.51.61.7Período de realização do estágio: Maio e Junho de 2007. Escola: Municipal de Ensino Fundamental Dr. Ruy Ramos. Carga horária: 20 horas. Turma: Terceira Etapa. Número de Alunos: Aproximadamente 15. Professora Regente: Lenir B. dos Santos. Estagiário: Vilmar Armando Konageski Junior.

2- Ementa: O estudo do ser humano na terceira etapa é uma forma de auxiliar no auto conhecimento e a formação de um cidadão capaz de compreender as diversas inter-relações entre sua vida e o ambiente em que realiza suas atividades diárias, com o objetivo de harmonizar estas atividades para que possamos diminuir os impactos ambientais e ao mesmo tempo propiciar uma vida digna a nós e nossos descendentes. 3- Objetivos Gerais: 3.1Para a construção pessoal:

 Socializar os conceitos científicos que os alunos já possuem de modo a promover a construção e reconstrução do conhecimento de ambos.  Criar as condições para que haja diálogo e troca de experiências entre os educandos e o educador para que ambos possam desenvolver-se num contexto multi-cultural da sala de aula.

4

3.2-

Para mediar as aprendizagens:

 Conhecer a realidade sócio cultural dos educandos, de modo à adequar a linguagem científica, sem, no entanto, prejudicar sua aprendizagem conceitual de fenômenos.  Propor atividades que mobilizem interesse no educando, baseando-a, nas vivências de cada um.  Discutir os assuntos propostos pelos educandos e encaminhar suas “aflições”, “dúvidas” para a abordagem dos conceitos que serão trabalhados em sala de aula.  Apresentar os conceitos com a utilização de materiais que possam auxiliar a formação do conhecimento aos educandos.

3.3-

Objetivos específicos:

 Na Situação de Estudo “Ser humano e Ambiente” o principal enfoque está na abordagem que se faz aos sentidos humanos, desta forma, pode-se trabalhar mais detalhadamente os cinco sentidos, de forma a introduzir conceitos de física, química e biologia que são aplicáveis dentro de cada interação que o corpo faz com o ambiente. 4- Metodologia: Acreditando que conhecimento é uma elaboração histórica que se estabiliza no tempo e que é constantemente recriado junto as pessoas nas interações sociais e que ensinar é mediar a produção de novos significados possibilitando ao aluno a apropriação do conhecimento, acreditando nisso proponho realizar as aulas de ciências buscando confrontar os saberes prévios dos estudantes em relação aos conceitos a serem desenvolvidos, bem como elaborar atividades que contemplem diversas metodologias como resolução de problemas com pesquisa bibliográfica em livros e materiais de circulação como revistas e jornais, bem como realizar um questionário para ser respondido com os conhecimentos que já possui e depois pesquisar sobre o assunto e rever suas idéias.

5

5- Avaliação: Entendo por avaliação, como acompanhamento dos processos de apropriação do conhecimento cientifico intermediado em sala de aula pelo professor, bem como o registro da elaboração do pensamento científico em discussões realizadas sobre o conteúdo abordado. 5.1Critérios: (parâmetros que me permitem julgar)

Relaciona as informações, fatos; Participa das discussões, demonstra envolvimento; Utiliza adequadamente os conceitos em estudo expressando-os em linguagem científica; Revela pensamento crítico em sala de aula; Mantêm-se interessado ao desenvolvimento das aulas; Observa demonstrando curiosidade no conhecimento; Relaciona-se com os colegas e professor respeitando as diferenças. 5.2Instrumentos:

Questionário; Conversas Formais / Informais; Produção de textos; Atividades práticas; Sistematização.

6

6- Cronograma: Abril 13 – Observação de uma aula e conversa com a direção sobre a realização do estágio. Maio 4 - Apresentação do conteúdo, Atividades de sensibilização. Discussão dos conhecimentos que já possuem sobre os temas a serem abordados. 11 – Sistema Nervoso. 18 – Sentido da Visão. 25 – Primeira Prova. Junho 1 – Sentido da Audição.

2 –Sentido do Olfato. 15 – Exercícios de Revisão. 22 – Prova final.

7- Bibliografia: 7.1Situação de estudo:

Ser Humano e Ambiente: percepção e interação / Orgs. Milton Antonio Auth, Cléria Bitencorte Meller. – Ijuí: Ed. Unijuí, 2005. – 152 p. 7.2Livro didático:

VALLE, Cecília. Ser Humano e Saúde 7ª Série. 1ª edição, Curitiba: Positivo 2004.

8- Sobre as aulas: O primeiro contato com a escola foi no dia em que me dirigi para conversar com a professora de ciências, Lenir, eu cheguei na escola e procurei a secretaria, e não tinha ninguém, procurei então a sala dos professores e também não tinha ninguém, desci algumas escadas e vi uma sala de aula aberta fui até lá e no caminho encontrei a coordenadora pedagógica da escola, então eu falei para ela que queria combinar com a professora os dias

7

em que faria estágio na escola, ela se assustou e me disse que não era bem assim, que eu não podia chegar e fazer estágio na hora que eu quisesse, percebi logo que ela não estava tão bem informada, pois algumas semanas antes minha mãe já tinha ido até a escola e conversado com a professora e com ela, após este breve relato os ânimos se alteraram e já era possível eu conhecer a professora Lenir para então combinar os dias para realizar o estágio. Dizem que a primeira impressão é a que fica, neste caso não pude conferir, pois a coordenadora não veio mais no turno da noite e eu não pude mais conversar com ela, foi realmente um acaso no dia em que eu cheguei na escola de encontrá-la e se eu fosse de me impressionar com pessoas alteradas provavelmente não teria mais ido à escola. Neste dia não pude ter certeza de que dias eu realizaria o estágio, pois a professora não tinha dado nem um dia de aula, e queria iniciar o conteúdo com a turma e desta forma ela poderia até me dizer como era o ritmo dessa turma para que eu pudesse planejar melhor as minhas aulas. Fiquei um tanto frustrado, pois o estágio de muitos de meus colegas já havia iniciado, e no meu caso estava em uma turma estranha do curso de biologia, as meninas mais brigavam com a professora na aula do que a professora falava, fui percebendo que não poderia contar em terminar junto com as colegas e desta forma teria que buscar uma alternativa, tudo isso antes mesmo de começar... Me encontrei pela segunda vez com a professora e nada, na terceira vez consegui as datas que estão no cronograma, não coloquei o segundo e o terceiro encontro no cronograma porque fiquei pouco tempo na escola, com as datas então pude pensar em como iniciaria, a professora Lenir me disse que eu tinha total liberdade para escolher os conteúdos que eu gostaria de trabalhar, tinha que ser apenas sobre o corpo humano, a reprodução e os órgãos reprodutivos e DSTs foram os conteúdos que ela escolheu para trabalhar antes que eu começasse, desta forma escolhi trabalhar com os sentidos e o sistema nervoso, utilizei a situação de estudo do Gipec, por ser uma indicação da professora Eva Boff que é a professora do regular, as alunas de biologia utilizaram suas situações de estudo, a minha que eu havia desenvolvido no semestre passado é sobre a biosfera terrestre (nada a ver, relativamente, com o corpo humano, pelo menos naquilo que se refere diretamente sobre os órgãos e suas funções).

8

Para iniciar o estágio decidi realizar uma atividade de sensibilização, para que os alunos percebessem que existem diversas formas de energia a nossa volta e que algumas podemos perceber enquanto que outras podemos apenas sentir. Após iniciei a introdução com o sistema nervoso, uma vez que é ele que coordena através do cérebro, todas as funções vitais do corpo. Com o decorrer da primeira aula, percebi que os alunos desta turma não gostam muito de aula expositiva, ou seja, creio que falar sobre o sistema nervoso tentando explicar seus fundamentos e fazendo perguntas para que eles interagissem seja “expositivo”, no entanto minha expositividade não surtou o efeito que eu esperava e no final da aula as 22:23, decidi olhar o caderno de um aluno que ia indo embora e não vi nada... e isto com certeza não é o que eu esperava pois tudo o que eu falei, tudo que eu desenhei no quadro, aquele aluno não achou importante e não escreveu nada. Na seqüência trabalhei com a visão, os alunos tem um livro didático que a professora utiliza com eles, perguntei como era a aula deles quando tinham um conteúdo novo e eles disseram que liam e copiavam para o caderno o que havia no livro, decidi então ceder e já que minha aula estava “meia boca”, e a professora me disse que os alunos disseram para ela que eu falava demais na aula, decidi calar-me e os primeiros 40 minutos foram de cópia do livro, não me contive e o restante da aula foi a meu modo, já que não tinham “copiado” a aula anterior fiz um xerox e entreguei a cada um, se não iam dizer, não tenho nada no caderno. Parece que as coisas não mudam de vez, tem que haver uma certa sutileza e o modo que os alunos do EJA estão nas aulas também é muito sutil, muitas vezes querem escutar e outras já não suportam ouvir nem uma palavra, desta forma o planejamento rígido não dava certo, pois se era dia de prova e eu percebesse que os alunos queriam ouvir? O que faria. Optaria claro em ir adiante ou revisar, como eram poucos os dias, optei por uma revisão que antes da prova sempre cai bem! Existiam muitos problemas na escola, drogas, violência,... No último dia em que fui pegar o atestado fui envolvido por uma atmosfera de terror na escola, um aluno eu vem no ônibus de Coronel Barros, imagine Coronel Barros uma cidade pacata, pois bem era para mim pelo menos, houve uma briga no portão da escola e os alunos que vem da cidade brigaram e um foi esfaqueado, foi muito difícil ver os professores e a secretária

9

aterrorizados com algo que infelizmente está tomando conta de todo o país, pelo menos os alunos ainda respeitam os professores, pelo menos no turno da noite de EJA. Outro fato é certas “birras” entre os alunos e certos professores, pois o professor de história é uma espécie de supervisor, ele cuida a disciplina dos alunos no recreio, nas aulas, etc. ele já está aposentado mas voltou a trabalhar, ele tem os seus motivos não o culpo disso, mas no decorrer das aulas fui descobrindo que ele fica cuidando da vida de todos os alunos e se um aluno faz alguma coisa que ele considera imprópria ele é quem vai até o diretor para delatar o aluno, pode ser aluno ou aluna, não quis me meter nisso, mas um dia enquanto eu estava intermediando a aprendizagem dos alunos fiz uma pequena pausa para que copiassem um desenho que eu fiz no quadro e fui até a porta quando descobri o professor ao pé da porta, com alguns papéis perfeitamente instalado no banco do lado de fora, totalmente discreto. Neste momento eu era o alvo, não me preocupei muito, mas admito que pensei, o que será que ele vai falar da minha aula na sala dos professores? Mas logo esqueci o caso, não totalmente, pois sempre fazia alguns desenhos ou passava algumas questões no quadro e ia até a porta nos dias que seguiram este fato e não o vi mais, acho que ele já descobriu o que queria de mim, o que é? É uma das questões que ficarão sem resposta após a realização deste estágio na Escola Dr. Ruy Ramos, fiquei muito satisfeito e creio que foi possível aprender mais do que ensinar aos jovens de quarenta anos.

10