You are on page 1of 20

O IDEAL ESPIRITUAL DAS ESCOLAS ADVENTISTAS E O PROCESSO DE

SECULARIZAÇÃO QUE LHE AFETA
Luiz Carlos Lisboa Gondim1
Dorgival montes de jesus2

RESUMO
O presente estudo, intitulado como: O ideal espiritual das Escolas Adventistas e o
processo de secularização que lhe afeta, teve como objetivo estudar os fatores seculares
que têm contribuído para o distanciamento do ideal educacional adventista,
investigando o ideal do processo de construção de escolas como uma barreira de
contenção frente à onda do secularismo dominante, refletindo sobre o ideal de
resistência aos modismos seculares referentes às abordagens metodológicas e no ensino,
e examinando os ideais de ênfase espiritual-curricular e o seu processo paulatino de
pulverização. Fundamentou-se principalmente nas ideias dos autores: White (1999),
Benne (2001), Timm (2001), Torres (2005) e Knight (2001). A investigação no campo
foi realizada através de exame documental e questionário. Os resultados apontaram
certo grau de secularização no ethos escolar, no currículo escolar e nas abordagens
administrativas quanto ao crescimento da rede de ensino. As propostas do estudo
propõem o resgate dos valores e filosofias educacionais primárias como forma de
revisão dos conceitos da instituição adventista de ensino.
Palavras-chave: Educação adventista. Secularização. Construção de escolas.
ABSTRACT
This study, titled as: The spiritual ideal of Adventist Schools in relation to the process of
secularization, aimed to study the secular factors that have contributed to the
estrangement of the Adventist educational ideal, the ideal of investigating the
construction of schools as a containment barrier against the tide of secularism, reflecting
on the ideal of resistance to secular trends related to the methodological approaches and
teaching, and examining the ideals of spiritual emphasis, curriculum and its gradual
process of spraying. Was based mainly on the ideas of authors: White (1999), Benne
(2001), Timm (2001), Torres (2005) and Knight (2001). Research in the field was
carried out through document review and questionnaire. The results showed some
degree of secularization in the school ethos in the school curriculum and administrative
approaches in terms of growth of the school. The proposed study proposes the
redemption values and educational philosophies as a primary review of the concepts of
Adventist institution of education.
Key Words: Adventist education. Secularization. Construction of schools.

1 Mestre em Família na sociedade contemporânea pela UCSAL.
2 Graduando do curso de Teologia no SALT-BA

2

INTRODUÇÃO
Este estudo tem como título, o ideal espiritual das Escolas Adventistas em relação ao
seu processo de secularização, cujo problema foi identificar como os fatores seculares
têm contribuído para o distanciamento do ideal filosófico-educacional adventista. O
atual contexto ideológico das escolas adventistas brasileiras demonstra certo
distanciamento do padrão conceitual original para as instituições educacionais,
estabelecidas pelos pioneiros da igreja. Seu objetivo principal é estudar os fatores
seculares que têm contribuído para o distanciamento do ideal para a educação adventista
em ao menos três vertentes: 1 – através do ideal do processo de construção de escolas
como uma barreira de contenção à onda de secularismo dominante; 2 – através da
reflexão sobre o ideal de resistência aos modismos seculares em suas abordagens
metodológicas de ensino; e, 3 – pelo exame dos ideais de ênfase espiritual-curricular e
seu processo paulatino de pulverização, no tocante às reuniões denominadas “capelas”,
quantidade de aulas de ensino religioso e o processo de integração fé-ensino.
A secularização nas instituições educacionais confessionais ao redor do mundo
tem sido um assunto bastante discutido ultimamente, não pelos “valorosos” frutos
obtidos no final de cada deliberação, mas pelos drásticos resultados que a secularização
tem causado nas escolas confessionais. Em países europeus, assim como nos Estados
Unidos, um número significativo de instituições educacionais perdeu seu foco primário
para se adequar aos novos padrões de ensino, pensando eles que isso lhes guiaria a um
patamar educacional mais elevado frente à sociedade.

1 A FRAGMENTAÇÃO DO IDEAL DE CONSTRUÇÃO DE ESCOLAS COMO
UMA

BARREIRA

DE

CONTENÇÃO

CONTRA

O

SECULARISMO

DOMINANTE.
“Minha ofertinha, dou de coração, ela vai pro norte, vai de avião; o meu
dinheirinho, não gastei à toa, dei para Jesus, oh! Que coisa boa; Dar para Jesus, oh!
Que privilégio, pra fazer igrejas, construir colégios”. Na letra desta canção cristã
infantil muito conhecida existe uma premissa inserida que nos move a perguntar até que
ponto ela é verídica, já que a impressão da realidade é bem diferente em relação à
construção de instituições escolares adventistas no Nordeste.

A construção de escolas cristãs é um ideal de Deus para humanidade em seu processo de santificação. bem como pelos registros dos pioneiros da instituição. p. o objetivo era de formar missionários com a finalidade de que deveriam espalhar a mensagem do advento. fariam melhor serviço ao mestre permanecendo onde estão. Só que o crescimento no número de matrículas. nos primórdios da educação adventista. Satanás a fará prazerosamente e treinará a criança a seu bel-prazer. onde a realidade transmite uma sensação de exclusão em relação aos dados citados por Todeschini (2007). de acordo com a visão de Ellen White (1999). bem equilibrada. e que não haverá durabilidade de qualquer organização caso ela esteja fora dos parâmetros de sua filosofia básica ou não estejam de acordo com seus objetivos. ” (WHITE. “Muitas famílias que. Devem animar a igreja de que são membros. Não podemos confiar em que nossos jovens vão a seminários e colégios estabelecidos por outras 3 União Central Brasileira e Associação Nacional das Mantenedoras das Escolas Católicas . 172). tinha a visão de que a escola era uma forma diligente e concreta de expansão da fé religiosa. mas também do processo divino de salvação da humanidade caída. um fundo para o estabelecimento de escolas destinadas ao desenvolvimento da obra educativa. e pela sua influência e meios procurar conseguir este tão desejado objetivo. O trabalho de instituir uma escola. tendo em vista sua historicidade. 1872). Que se crie. O Dr. 1999. tempos primórdios. Por este motivo. Alberto Timm (2001) corrobora com essa ideia de que a Igreja em seus. a menos que haja uma intervenção divina. com o intuito de educar seus filhos. “Deve a igreja compenetrar-se da situação. Ainda mais quando falamos da região nordeste do país. White (1999) declara que se os membros dessa instituição não fizerem a obra que Ele nos confiou. a estabelecer uma escola em que as crianças dos arredores recebam uma educação cristã prática. Prova disto é o artigo da Revista Veja de 2007 que mostra a saliência das instituições educacionais adventistas frente às outras de cunho denominacional. Um dos pioneiros mais proeminentes da Igreja Adventista declarava que a escola deveria ocupar um lugar importante entre as instituições em funcionamento para que ocorresse o avanço da verdade (SMITH.3 A escola adventista tem crescido de forma significativa no ambiente nacional nas últimas décadas. se mudam para lugares onde se acham situadas nossas grandes escolas. Ellen White (1999) declara que deve ser de interesse de toda igreja organizada ter como ideal verdadeiro a abertura de escolas. não representa necessariamente o tipo de crescimento citado no Manual da Igreja. não deve ser abandonado sob qualquer hipótese. por meio de generosas contribuições. No mesmo artigo a realidade é clara sobre a expansão de 37% no número de alunos entre os anos de 1997 a 2007 3. apesar de seu mérito.

As instituições adventistas no panorama nacional. são instrumentos de contenção às influências seculares na mente da sociedade. mais celestial. p. 5 e 6). 140). AB e MBS Gráfico 5 Gráfico 5 . Entretanto alguns dados não confirmam esses ideais estabelecidos (Ver gráficos 1 e 2). 4. por mais que tenham crescido em matrículas nas últimas décadas. Gráfico 1 Gráfico 2 Fonte: INEP/MEC Fonte: INEP/MEC Como se não bastasse. 1999. com isso. segundo as normas de Cristo. Isto é na verdade trabalho missionário da mais elevada ordem” (WHITE. ” (WHITE. o número de escolas por distritos pastorais ainda não atingem sequer 15 % em cada unidade federativa da região nordeste (Ver gráficos 3. assim como a Igreja. degradam a sociedade. que deturpam os princípios morais e. Com isso percebe-se nitidamente que a escola. de que os que devemos reunir em escolas em que não seja negligenciado seu preparo religioso. pois elas representam cerca de 1% do número de escolas particulares do cenário nacional. “Se ele trabalha paciente. fervorosa e perseverantemente. ABS.4 denominações. ainda não atingiu um número expressivo de unidades escolares para atender ao seu próprio ideal. e menos que isso na região nordeste. Gráfico 3 Gráfico 4 Fonte: APE Fonte: ABAC. p.1999. levando-lhes uma atmosfera mais pura. a obra de reforma feita na escola pode estender-se aos lares das crianças.44-45) O mais interessante é que a obra de construção de escolas é necessária como ponto de difusão à comunidade em derredor dela.

para que haja uma perfeita difusão religiosa eclesiástica através da educação. 80% das matrículas nos colégios particulares de nível médio estavam vinculadas a instituições de cunho religioso. mas seu crescimento não foi tão grande quanto o das outras denominações no período indicado. isso é um reflexo direto da falta de investimento na construção de unidades escolares adventistas que diminuiriam esse percentual. saindo de 95 mil para alcançar a marca de 130 mil alunos. Construir poucas escolas com maior capacidade de absorção de alunos não condiz com as afirmativas originais da Igreja. as instituições religiosas eram predominantes. já tinha como propósito a disseminação de sua fé através da construção de escolas. White (1999) já afirmava em seu tempo. a Igreja Adventista. e sim a oferta de bons serviços prestados por essas instituições. Todeschini (2007) fala que.5 Fonte: ACN Fonte: ASE Por mais que seja real a dificuldade das igrejas em promover a construção de uma escola. mas sim por que esses grupos privados de ensino se tornaram mais profissionais na gestão e tão. mostrando que a média de habitantes por escola na região nordeste é a maior do país. que é necessária uma administração sábia para que as crianças sejam . ou mais eficientes. Todas elas com o mesmo propósito: disseminar sua fé na sociedade através da educação. Como já foi citado. Somente nos últimos anos que a rede adventista obteve um levante em suas matrículas. através das palavras de Urias Smith. Interessante avaliar que no histórico educacional do nosso país. apesar de sua mensagem parecer cada vez mais atual. O economista Claudio de Moura Castro diz que a religião não é mais o polo fundamental na decisão de matricula dos filhos na mentalidade dos pais. Contudo. ou por que a escola conseguiu atingir seus objetivos. Os dados ainda promovem um olhar diferente do que foi proposto por Todeschini (2005). no início do século XX. Na região nordeste do país a média de escolas é a menor do país. isso ainda não finaliza o esforço para alcançar o ideal proposto. desde sua fundação. em resultados acadêmicos. Marcos Todeschini (2007) declara que esse crescimento não ocorreu por uma conscientização religiosa da sociedade. onde as matrículas nas Escolas Adventistas possuem destaque no âmbito geral.

Não há outra forma de ensino sem que este possua uma corrente filosófica educacional para lhe amparar. White (1999. Segundo George Knight (2001) as instituições escolares podem não ter significado..) prepara o estudante para a alegria do serviço neste mundo’’. por mais que a educação no Brasil tenha se estabelecido através de instituição católica. Contudo. há alguns anos atrás. Será que aprender sobre a língua materna é mais importante que aprender sobre as categorias da vida eterna expressas nas Sagradas Escrituras? A maioria das escolas adventistas hoje está contemplando o Ensino religioso em apenas dois dias da semana. Hoje. ou adaptação. contudo é pior se o currículo que possui é insignificante. em diversas escolas adventistas. a linha educacional confessional não tem mais tanta força e abrangência social que as de cunho laico. A educação para os adventistas se estabelece com o princípio básico exposto por Ellen G.. para assim identificar suas nuances diferenciadoras. no período colonial. caso falte um currículo. o mesmo autor revela que o reajuste. Expandindo para o campo espiritual a escritora afirma que “educação e redenção são uma só”. a redução de aulas de religião. A aparência é de que a sociedade ficou cansada de ouvir sobre uma realidade que não é vivida. recuperar a clientela “perdida”. Entretanto. eram realizadas invariavelmente uma vez por semana.6 educadas em suas próprias igrejas. tentando com isso. do currículo aos padrões seculares da sociedade não deve fazer parte de nossa realidade. Com receio da insignificância curricular as escolas começaram a se adaptar aos padrões seculares de educação. De muitas formas tenta-se estabelecer um padrão para o processo ensinoaprendizagem. principalmente quando se está num tempo em que existe abundância de facilidades para esse tipo de trabalho. Por isso a importância em resgatar a filosofia educacional adventista para assim. Todos eles baseados em parâmetros filosóficos que norteiam a educação daquela instituição. p. 2 A PULVERIZAÇÃO DO IDEAL DE RESISTÊNCIA AOS MODISMOS SECULARES REFERENTES ÀS ABORDAGENS FILOSÓFICAS E CULTURAIS DO ENSINO. . temos observado. O currículo escolar cristão deve ser diferente. 13): “a verdadeira educação (. que no passado não muito distante eram vivenciadas todos os dias da semana. Outra observação nesse aspecto refere-se as capelas que. Nesse sentido. a maioria das escolas adventistas está vivendo sérias dificuldades nessa questão. Se isso não ocorre há uma séria ofensa a Deus em ter promovido tão grande negligência. a exemplo da disciplina português. O parâmetro redentor da educação adventista é justamente esse diferencial.

raras capelas que se impressão no espaço educacional em reuniões quinzenais. a desconstrução do currículo escolar. contudo deve-se lembrar que ela não apenas se estabelece através da característica e diferenciação das dimensões espirituais de um aluno segundo Rafael Yus (2002). estéticos. sociais. assim como do significado e do sentido da vida. A consequência direta dessa atitude é a perda do cerne filosofal da instituição e.”(WHITE. as responsabilidades de vocação e cidadania. que Benne (2001). Assim sendo. Significa a emancipação de ideias. em seus currículos. Somos constrangidos a lembrar. 1999. deve-se ater ao fato de que qualquer modismo secular proveniente da sociedade e por isso afirme outras concepções sobre o educar. A alma deve se libertar de tudo aquilo que é oposto à lealdade para com Deus. sendo que em algumas instituições de graduação. Esse sentimento de harmonia e espiritualidade é considerado essencial para a construção da paz do planeta” (YUS. Todas as facetas da experiência humana devem ser consideradas: o intelecto racional. românticos e liberais que tem como ponto convergente a certeza de que a personalidade global de um aluno deve ser considerado no processo educativo. 2002. com isso. 330) É preocupante ver que a educação adventista tem possuído ultimamente um traço holístico como se essa fosse a corrente filosófico-pedagógica ideal para suas instituições. quando reduzidos ou alterados de forma negativa. de sentido de reverência e contemplação diante dos mistérios do universo. criativos. de diversão e esperança. mensais e até trimestrais. emocionais. Por mais que haja uma beleza nessa filosofia educacional e Knight (2001) afirme que o conhecimento fragmentado é a característica marcante dos dias atuais da educação. de experiência do ser. considera que estes dois fatores . em seu estudo sobre o porquê das faculdades cristãs dos EUA terem se desviado dos seus ideais. ponto de nossa investigação. neste. mas ela é fruto de um conjunto heterogêneo de humanistas. Por mais que essa última afirmação aparente dar margem ao holismo como solução plena. Todos esses devem ser trabalhados por serem inatos á natureza do ser humano. “é o processo pelo qual a alma é treinada para o céu. de sensibilidade e compaixão. hábitos e práticas que têm sido adquiridas na escola do príncipe da escuridão. 22). Esse treinamento significa o conhecimento de Cristo. não deve ser absorvida como se fosse o caminho correto a seguir. já não há lugar para as capelas. . “O holismo valoriza e desenvolve a espiritualidade como estado de conexão de toda a vida. constituem sérios indicadores de secularização da educação cristã. p. ele não deixa de ser parte de uma corrente secular sobre educação.capela e aulas de religião.7 pulverizando. os aspectos físicos. intuitivos e espirituais. p.

reconhecendo a capacidade do homem de se guiar pela razão. 62). Pouco depois Petrarca (13041374). do sentimento de aceitação e de segurança. Para Aranha (1998) as escolas seculares significam uma revolução na contestação do ensino formal religioso que é completamente contrário à proposta ativa de interesse da classe em atenção. a sábia escolha profissional e a formação familiar. partindo do seguinte pressuposto: “o ser humano necessita ser restaurado a seu estado original de perfeição. abordagens diversas têm tentado resolver da forma mais prática e conveniente aos desígnios humanos o problema da educação das crianças. escreve A monarquia. i) favorecer o desenvolvimento da autoestima positiva. a proteção e a conservação da natureza criada por Deus. Defende também a autoridade do rei independente do poder do papa e da Igreja. f) oportunizar o desenvolvimento do senso crítico. de forma que a avaliação que se faz das instituições religiosas hoje é que sua meta de formação moral está intrinsecamente ligada a disciplinas severas e castigos corporais. o serviço a Deus e à comunidade. afirma que um dos primeiros ensinamentos que a Bíblia nos dá é o de que. "A produção intelectual do Renascimento. tendo como ferramenta as diferentes fontes de informação e recursos tecnológicos. c) estimular o estudo. A pedagogia adventista se estabelece por um sistema reconhecido pela excelência. 49-52). Daí a transmissão de conhecimento veio em detrimento dos valores morais. h) promover a autonomia e a autenticidade ancoradas nos valores bíblico-cristãos. p. não há “outro caminho mais eficaz para corrigir as corrupções humanas que a reta educação da juventude”. e) promover a aquisição de hábitos saudáveis através do conhecimento do corpo das leis que o regem. autor de a Divina comédia. da criatividade. texto político em que elabora teses naturalistas. esse . p. demonstra o interesse em superar as contradições entre o pensamento religioso medieval e o anseio de secularização da burguesia. g) incentivar o desenvolvimento dos deveres práticos da vida diária. que é amar ao próximo como a si mesmo” (CONFEDERAÇÃO DAS UNIÕES BRASILEIRAS DA IGREJA ADVENTISTA DO SÉTIMO DIA. também poeta italiano. também a educação procura bases naturais. O maior problema é que as práticas pedagógicas medievais de educação eram completamente diferentes do que é hoje. a Educação Adventista se propõe a alcançar os seguintes objetivos: a) promover o reconhecimento de Deus como fonte de toda sabedoria. 2009) e. Maquiavel (1469-1527) investiga as bases de uma nova ciência política descomprometida com a moral cristã. A educação há muito tempo entrou num caminho de “mercantilização” (GONÇALVES.8 Comenios (2002. d) incentivar a utilização das faculdades mentais na aquisição e construção do conhecimento em favor do bem comum. seja na literatura ou filosofia. por isso. descreve o drama humano entremeado de paixões e desejos. Nem sempre alcançado nas escolas. b) reconhecer e aplicar a Bíblia como referencial de conduta. 2004. e portanto laica. j) resgatar a prática da regra áurea nos relacionamentos interpessoais. não-religiosas. No século XVI. contudo. a sociedade ainda se comporta como se ela fosse real. fundamentado em princípios ético-cristãos. da pesquisa e do pensamento reflexivo. debaixo do sol. Nesse contexto de crítica à tradição. a fim de se tornar instrumento adequado para difusão dos valores burgueses. Já no pré-renascimento o florentino Dante Alighieri (1265-1321). secularizada.

189). defendendo assim a liberdade do ponto de vista burguês. ainda dependem do cultivo e da prática de certas virtudes como honestidade. por mais desvirtuadas que sejam do panorama religioso. Gallo (1995) explana essa corrente como aquela que foi desenvolvida pela política que culminaria no Liberalismo. a incapacidade teológica da instituição para estabelecer sua identidade e missão. a substituição dos princípios do Cristianismo pelas virtudes ético-cívicas e a exclusão dos valores religiosos em favor dos ideais democráticos são as três principais causas do secularismo crescente em instituições confessionais. 1998. filósofos e pedagogos” (ARANHA. Logicamente fatores externos agravam mais a situação. apud Benne (2001). A instituição educacional adventista aparenta viver a problemática estabelecida por Carmen Souza (2004) ao fazer a pergunta: por que os adventistas do sétimo dia têm tanta dificuldade em definir qual a proposta da Educação Adventista quando conhecem tão bem sua própria filosofia? Knight (2010) explana a ideia de que os adventistas perderam de vista seus objetivos filosóficos. o treinamento secular do corpo docente por causa de uma metodologia ateísta e de pressões pós-modernas. afirma que nenhuma organização resistirá muito tempo a menos que seus líderes estejam em harmonia com sua filosofia básica e estejam comprometidos com a consecução de seus objetivos. A tendência liberal e laica surge no contexto do iluminismo onde o espírito renascentista será acentuado. e as escolas confessionais perderão sentido na sociedade. É preciso encontrar o “padrão que o mantém unido” (KNIGHT.9 ideal é defendido com vigor na obra de literatos. mais do que nunca. ou seja. a visão apocalíptica que define sua instituição. 88). Interessante perceber que dentro da própria instituição encontra-se dissenção em relação às abordagens metodológicas de educação. que é uma obra elaborada pela Comissão do Livro Didático da Divisão Sul . p. Benne (2001) expõe que o medo do rótulo de sectarismo. evidencia que as artes liberais. Não é de se estranhar que temos uma sociedade culturalmente formada para rejeitar os padrões confessionais de uma instituição dessa natureza. 1998). 2001. Mark Schwehn (1993). como as pressões do mercado educacional. White (1999). Enquanto o livro Pedagogia Adventista. p. Para eles a educação. Entretanto. A filosofia anarquista não é diferente desta linha burguesa de educação. e a educação está ameaçada se o “que” religioso fosse retirado dela. e um sistema deficiente de prestação de contas à denominação. deveria ser de caráter leigo e livre (ARANHA. já que a aristocracia também corroborava com a ideia burguesa de educação. humildade e diligência.

Torres (2005) discute a lacuna educacional proposta pelo livro Pedagogia Adventista. mesmo porque a definição de “aristocrata” não é inteiramente unívoca nos escritos da Antiguidade Clássica. Os autores têm uma concepção monolítica daquela educação como se fosse possível fazer compreender os séculos de educação grega sob rótulo único. detido apenas por algumas classes sociais privilegiadas” (p. 24) só pode ser considerada verdadeira se aplicada a um período bastante restrito da tradição grega. não contemplasse o conceito de abstrato (p. há um número considerável de professores não-adventistas trabalhando na rede. 2005) Para Torres (2005) uma pedagogia fundamentada na forma como a obra Pedagogia Adventista propõe. Evidência disso é que as características atribuídas à educação hebraico-oriental para provar sua suposta superioridade são. por exemplo.S. ao contrário da Educação Grega. já que para o autor da crítica. O número de alunos que professam a mesma . não é tão expressivo assim para sobrepor suas ideias a instituição de forma mais forte que os adventistas. Milton L. sempre destituída de qualificação precisa. por exemplo. a harmonização entre a prática e a teoria). Para ele a problemática consiste em não ser possível o sistema educacional adventista ter como objetivo o resgate daquela cultura em avaria à formação ideal de seus alunos. oriunda de seu desconhecimento acerca da história da Paidéia. Para Torres (2005) a educação deve respeitar as diferentes culturas. características também peculiares à Educação Grega (como. especializado. a Educação Grega não era aristocrática. O desfavor com que os autores referem-se à inferioridade da Educação Grega em relação à cultura hebraico-oriental parece ser. muitas vezes. amiúde. Sagradas instituições atenienses como a democracia e o ostracismo deixam claro que. de que “a pedagogia grega era caracterizada pelo ensino aristocrata. afirmando que a postura de admiração e respeito à cultura hebraica contrasta com a atitude desfavorável à Paidéia grega. a entrada de conceitos e filosofias seculares não ocorre apenas por parte do corpo discente de uma instituição. por exemplo.A. “A expressão Educação Grega é usada a revelia. Como é possível. que permeia praticamente toda e qualquer teoria educacional até hoje proposta. que os autores exaltem a superioridade da Educação Hebraica pelo motivo de que esta. Sua declaração. dificilmente representam uma posição de vantagem.10 Americana da I.D. E isso poderia criar distanciamento dos pedagogos de outras persuasões. E quando não o são. 25)?” (TORRES. (2003). Torres (2005) valoriza uma abordagem fundamentada na cultura greco-ocidental. de acordo com a teoria de Benne (2001). de acordo com um censo geral da União Nordeste Brasileira (UNeB). resulta numa ideia etnocêntrica e heterofóbica em seu tom geral. evidencia o resgate da cultura hebraica como base para toda filosofia educacional atual. mas transcendê-las e que seguir a linha que o livro propõe seria corresponder dificilmente à visão adventista de um Deus que sempre teve um remanescente que lhe foi fiel. Todavia. O número de profissionais de educação. na maior parte de sua história. Talvez um alívio fosse gerado se a base das informações for de uma forma generalizada. as que trabalham na rede atualmente. e isso diminuiria sua utilidade.

A obra da educação deve ser “um meio de preparar líderes e missionários para a divulgação da mensagem bíblica” (WHITE. Neste caso. há os dados sobre o número de alunos adventistas dá sinais do motivo pelo as escolas adventistas estão começando a sentir os efeitos do secularismo. de certa forma. O preparo e a conservação são tão importantes quanto as abordagens evangelísticas. não porque elas não tenham qualquer valor. p. 11. 9. ou que a Escola com isso está cumprindo com o seu propósito de evangelizar. 2005) ou de convenções educacionais das supostas necessidades dos alunos em detrimento da pregação da verdade. também reflete a ideia de que a Escola Adventista não está servindo a seu propósito básico de educar seus jovens. A educação adventista se propõe como aquela que tenta impedir o avanço das correntes educacionais seculares na mente dos seus educandos. Isso.11 filosofia da escola influencia bastante no formato pedagógico da instituição. Isso nos ascende uma luz sobre o aspecto de que não é dever da educação adventista agradar “pedagogos de outras persuasões” (TORRES. mas por simplesmente não estarem de acordo com o propósito divino para a sociedade: a redenção. Como clientes diretos dos serviços educacionais. 10. eles exercem pressão sobre as abordagens filosófico-curriculares do corpo docente e discente. 12 e 13) está bem acima do número de adventistas. ou de forma completa. O número de alunos não-adventistas nas instituições educacionais da UNeB nos últimos cinco anos (ver Gráfico 8. apesar de para alguns significar uma oportunidade evangelística. 1999. 14). Gráfico 8 Gráfico 9 Fonte: AB Fonte: ABAC Gráfico 10 Gráfico 11 Gráfico 9 Fonte: ABS Gráfico 12 . mas justamente o contrário.

se referindo aos funcionários das instituições educacionais adventistas. no sentido curricular e estrutural. pois para a sociedade elas se tornaram menos doutrinários. com isso. A aproximação das escolas ditas denominacionais das de cunho laico. acabou sendo o principal parâmetro para crescimento. Fica evidente a grande preocupação para com as instituições adventistas que por mais que não tenham modificado sua base filosófica. não a falta de conhecimento dela. 190) afirma que a aplicação do conhecimento pré-existente da doutrina e/ou filosofia educacional.12 Fonte: MSE Fonte: MPeC Fonte: MBS 3 A VIVÊNCIA CURRICULAR CONCEBIDA COMO UM MURO DE CONTENÇÃO CONTRA O SECULARISMO DOMINANTE. ao dizer que o abandono das normas traçadas por Deus nas escolas modernas. 2007). 2 . têm sido justamente a causa da falência moral da juventude e. O historiador George Knight (2001. O manual da Igreja promove um pensar sobre o ideal a ser seguido. pois “as escolas do mundo não nos podem preparar para darmos a mensagem que não conhecem”4. p. não existe dissociação entre uma e outra. na prática já começou a mudar seu comportamento para atender cada vez mais as exigências de uma sociedade secularizada em detrimento a sua missão principal que deveria ser de levar os princípios que regem seu denominacionalismo a essa sociedade. desobrigando assim. Daí entra-se numa grande problemática para as instituições adventistas. é justamente o foco da crise de identidade sofrido atualmente. da sociedade moderna (MANUAL DA IGREJA ADVENTISTA DO SÉTIMO DIA. ou seja. Ellen White (1999) afirma que a obra da educação é a mesma da redenção. p. onde seu foco está na formação profissional dos indivíduos. como ir à missa ou comungar (TODESCHINI. quanto ao fundamento filosófico das instituições educacionais. os estudantes de velhos hábitos. 4 Manual Pastorado da igreja-colégio. 2011). podendo até mesmo atingir às outras de cunho denominacional.

A maior parte possível do trabalho de cuidar da instituição deve ser feita pelos estudantes e todos devem ter algum trabalho de experiência. para se descobrir o quão longe estamos dessa realidade. 1949. 480481).A educação Cristã não justifica uma educação pobre. 1999). a educação adventista não possui base alguma para firmar sua mudança de postura frente ao secularismo. Cadwallader (1949). levá-lo a perfeição em que fora criado. 9 . extrai pontos chaves sobre a educação adventista estabelecida por Ellen White: “1 . espírito e alma para que se pudesse realizar o propósito divino da sua criação” (WHITE. espirituais. emocionais. 13 . tanto a escola como o aluno devem estar preocupados com os princípios de saúde. 1999). 14 .Os professores devem ser bem qualificados academicamente. 3 . devem ser cristãos praticantes imbuídos do espírito missionário. Os padrões devem ser mais altos do que a média.A Bíblia deve ser considerada o livro mais importante em todos os níveis de educação”(CADWALLADER. O objetivo da educação adventista é: “restaurar no homem a imagem de seu Autor.A saúde é um fator primordial no sucesso do aluno.É obrigação da Igreja educar todos os seus membros.A educação deve ser prática. 15 . Após todos esses princípios educacionais.13 White (1999) já afirmava que a perda tem sido enorme por causa da falta de atenção às necessidades espirituais. 8 . em sua tese de PhD na área de educação. que promovem formação básica. 14).O currículo deve ser suficientemente vocacional para assegurar que todo aluno deixe a escola com meios dignos para ganhar seu sustento. sejam adultos ou crianças.A única educação verdadeira é a cristã ou a educação que inclui o ensino religioso baseado na Bíblia.O processo educacional está preocupado com o indivíduo por completo durante todo o período de sua existência.A política educacional não deve ser limitada pela tradição. p. 10 .A educação deve preparar uma pessoa para ser útil e deve inspirá-la com o ideal de serviço. o ensino da Bíblia deve estar inserido no cotidiano das aulas desses alunos. p. Por isso é importante relembrar quais os pontos delineadores da filosofia educacional adventista.A educação cristã não deveria estar restringida pelas políticas da educação secular. Seu foco educacional sempre foi o de preparar líderes e missionários (WHITE. 1999. 2 . morais. O ensino em instituições. . como a adventista. bem como cultural e acadêmica. vocacionais. mentais. sociais e religiosos da natureza humana. logicamente com seus currículos parametrados pelo Departamento de Educação (WHITE.Uma localização rural e pitoresca é ideal para um internato. 12 .A verdadeira educação é o desenvolvimento harmônico dos aspectos físicos. mas acima de tudo. estéticos. 7 . 5 . 6 . promover o desenvolvimento do corpo. 4 . 11 .

2005). mas não além da esperança e da graça redentora de um Deus mantenedor”. não desenvolver um planejamento minucioso com alvos realistas. estão desviadas de seu propósito inicial. não adotar medidas estratégicas que convençam à . Em suma. Logicamente. “O desafio para o professor cristão é aproximar o estudo literário de modo que conduza os jovens a enxergar a realidade do ser humano e do mundo como realmente é . Knight (2001) afirma que não importa onde ela se encontre. onde esfera particular. No caso das adventistas. para alguns que entenderão essa declaração como uma declaração de abolição completa dos conformes pedagógicos e curriculares de cada disciplina. Para ele ocorreu um processo de setorização. O autor supracitado deixa clara a ideia de que se a liderança escolar não promover um serviço de capelania de qualidade. os quais foram desenvolvidos ao longo de todos esses anos. (KNIGHT. ela precisa ser a “base permeadora de todas as ações pedagógicas e educacionais de uma escola”.pecaminoso e sofredor. Não se trata mais a educação confessional dentro dos padrões holísticos. não são os conformes da sociedade que dirigem e definem a filosofia de uma instituição confessional. p.14 O que ocorre muitas vezes é que os princípios norteadores da filosofia adventista estão dando espaço à cultura educacional vigente no país. Há excessiva preocupação para que seu currículo disciplinar cause o menor desconforto possível para seus clientes laicos. 2005. já existe um “radier” pré-estabelecido em que nele seja assentado todo o restante do bloco estrutural educacional: a Bíblia. Isso exclui completamente o fator homem no estabelecimento de doutrinas norteadoras de educação. sagrada e subjetiva está distante e indiferente à esfera pública. É por isso que “a Bíblia se torna o documento fundamental e contextual para todos os itens curriculares na escola cristã” (KNIGHT. toda a verdade é proveniente de Deus. não tiver um corpo docente envolvido ativamente em um programa consolidado de fé e ensino. parâmetros curriculares que por mais coerentes que estejam com a maioria das ditas “boas escolas”. ou seja. 197) Benne (2001) explicita a ideia de que a divisão da instituição educacional em duas esferas foi um dos fatores de secularização dos ideais de ênfase espiritualcurricular. pode-se apenas esclarecer com a declaração do próprio autor a pouco citado ao dizer que “a Bíblia nunca buscou ser uma fonte exaustiva da verdade”. Não se tem mais interesse em permear componentes da tradição cristã de forma a torná-la relevante na esfera pública citada. contudo. secular e objetiva. porém em detrimento do seu público alvo.

isso fará com que ela perca de vista seu ideal filosófico de modo que não haja caminho de volta. 6 Deve-se ater para o fato de que essa diversidade corresponde basicamente ao número de escolas trabalhadas. De acordo com os gráficos apresentados anteriormente. tais como: o culto público.15 comunidade. ou modo de vida. a segunda traz as percepções do 5 O Ethos. justamente por causa da perda do seu ethos original. profissão e tempo de profissão). caracteriza-se pelas práticas da comunidade religiosa. Numa pesquisa qualitativa realizada com alguns profissionais da rede adventista de ensino comprovará as afirmativas aqui apresentadas no capítulo que se segue. 4 ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Este trabalho adotou uma abordagem majoritariamente qualitativa visando com isso obter com maior precisão os sentimentos sobre o processo paulatino de secularização em vista de seu ideal. das quais serão extraídos os dados para a validade de acordo com os critérios préestabelecidos para atender aos objetivos deste dispositivo (nome. . gênero. mas com certeza demonstram estar no início desse processo. oração. que de outra forma temeriam ser desaprovados. e essas locadas em diferentes regiões do país. Por isso três componentes são vitais para a tradição cristã: a sua visão. Timm (2005) ressalta a ideia de que a maior parte das instituições confessionais norteamericanas sofreu um gradativo processo de secularização. ou seja. Os dados foram coletados através de questionários com questões abertas. Talvez não tenha chegado ao estágio de secularização dessas instituições. o seu ethos5. Não se pode querer conduzir uma escola no caminho da confessionalidade cristã sem que esta possua esses três pólos em comprometimento integral com o foco da instituição. percebe-se que no Brasil a realidade não está tão diferente. naturalidade. e Professores da Rede Adventista de Ensino com experiência diversificada 6. religião. adventistas e não adventistas. ou que poderiam coloca-los em dificuldades perante as instituições a que estão vinculados. e as pessoas que dão consistência aos dois primeiros (BENNE. O questionário foi elaborado em duas partes: a primeira para informações pessoais. todos os atos realizados em resposta à ação de Deus registrados no relato bíblico. Essa abordagem visou a vantagem de ser menos dispendiosa. leitura da Bíblia. idade. além do fato do pesquisado se sentir mais livre para exprimir suas opiniões. 2001). O universo do estudo foi o de Pais de Alunos. da vantagem de se ouvir a perspectiva cristã na discussão dos mais variados temas.

de seu ethos em nome de uma especialização acadêmica. eu digo infelizmente. na vivência apocalíptica da igreja adventista e suas instituições educacionais. Terceiro ano. Isso se deve por haver uma conformidade com as linhas seculares de ensino. falar de Deus. A percepção de aproximação da filosofia educacional das escolas adventistas com as de cunho não confessionais que promovem a descaracterização da primeira em relação ao seu ideal. copiando algumas coisas das outras que não confessam a mesma fé. ou seja. aquilo que é o nosso diferencial. Conforme os três princípios fundamentais citados por Benne (2001). principalmente com as regras que tinham e hoje não tem mais. ou do melhoramento de sua imagem educacional perante a sociedade. que é ensinar.. As propostas filosóficas seculares por serem mais difundidas e mais coerentes com as métricas do governo. As métricas educacionais primárias da educação adventista têm sido negligenciadas por seus profissionais. C. O Sr. a sociedade ainda demonstra segurança nesse tipo de educação. de que é necessária a aceitação de profissionais que não professam das crenças da instituição para que esta possua uma visão mais ampla sobre o processo educativo. e aí. A matéria de religião é fundamental e faz toda a diferença na educação moral e espiritual do . é promover uma contradição com o pensamento dos próprios profissionais da rede. cuja religião é católica... C. concordar com a afirmativa de Benne (2001). que há 17 anos trabalha na área afirma que “Infelizmente está tendo. provocam impressão por parte daqueles que são diferentes. Apesar da visão pessimista dos profissionais da rede adventista de ensino. Não é cobrado”. em termos práticos. a professora G. com 25 anos de trabalho na rede adventista relatar que “infelizmente as instituições adventistas elas estão assim. Knight (2010) fala que há uma deficiência na prática. realmente tem ficado um pouquinho para trás”. F. os professores se preocupam só com isso. Então o terceiro ano começa a se preocupar só com isso. No cenário nordestino das instituições observa-se uma crescente perda da identidade. Dessa forma. não que no passado houve. A professora M. M. de 40 anos de idade. mas hoje o medo de ou a preocupação com alunos com o vestibular está nos aproximando e muito.16 entrevistado com relação ao processo de secularização das instituições educacionais adventistas. por exemplo: o aluno de terceiro ano ele tem que passar no vestibular. porque deixou-se de lado algumas coisas que não deveriam deixar. pensa que “o diferencial nas escolas adventista são os professores bem preparados e a didática usada para transmitir o conteúdo. fazendo-os almejar a igualdade para com isso conseguir os mesmos benefícios.

F. Timm (2001). o que se tem percebido é que as instituições perderam seu foco motriz de educação. demonstra sua insatisfação declarando de forma mais objetiva que “o foco nos últimos dias tem sido números”.. M. tanto na sua ação metodológica. ou pretendia atingir..) você acaba tendo que fazer algumas coisas que não são exatamente o aquilo que é o propósito principal”. Por mais que haja uma linha religiosa interligando cada uma dessas respostas. se não for esse pode fechar. outros profissionais citam que o foco “deve ser a bíblia” (E.) Mas infelizmente tá se perdendo. quanto em sua vida pessoal. Aliás. finaliza expressando que “o foco da Escola Adventista é salvar.17 aluno. O professor C. A mesma professora a pouco citado diz que na instituição adventista o foco deveria ser “preparar para a eternidade. valores morais.. percebe-se uma falta de conhecimento pleno do que a própria instituição propõe.. M. Os motivos que levam um pai a matricular o seu filho na instituição adventista muitas vezes não estão vinculados aos paradigmas curriculares seculares. (. Atualmente as aulas de religião nas escolas adventistas só ocorrem na quantidade semanal máxima permitida pelo Ministério da Educação. (. Para ele a educação adventista ainda é aquela que não visa apenas “o preparo acadêmico. por que tem escola que ensina melhor que a gente”. fala que um dos aspectos de maior peso no aumento do secularismo nas instituições adventistas é a espiritualidade de seus funcionários e obreiros. “levar a eles a mensagem do Evangelho” (K.. que antes eram chamadas de “Capela” tem sofrido gradativo processo de pulverização no conteúdo curricular. Em . A.. As declarações feitas acima já dão um vislumbre de que não há uma unicidade de pensamento na definição do objetivo da educação adventista. acredito que este é o diferencial desta instituição”. Entretanto. É mais provável que esteja abocada aos fundamentos filosóficos que a instituição prega. As aulas denominadas “Cultura Geral”. mas o conhecimento de Deus. (. – professor há 12 anos). sociais e espirituais”. seu foco filosófico. “Caráter” (G. assim como Benne (2001). O professor F. Os próprios funcionários sabem que o que se têm aplicado não é aquilo que os pais têm procurado. George Knight (2001) afirma que a crise da secularização nas instituições educacionais confessionais se estabelece pelo fato dessas não terem conhecimento pleno de seu objetivo. Além das respostas dadas. K. por mais que haja declarações positivas de pais em relação ao que se espera da escola. – professor há 7 anos). o próprio termo “Capela” sofreu alteração justamente na tentativa de aliviar o suposto desconforto causado no público secularizado o qual a escola comportava. – professora há 17 anos).) Pela cobrança de pais. Aliás.

o que se encontra é justamente um imperativo de expansão escolar.18 boa parte das instituições escolares adventistas da região nordeste. têm demonstrado que a perda da identidade confessional adventista é uma realidade. Dentro desse âmbito. às instituições escolares da União Nordeste Brasileira. Na verdade. em muitos casos. via telefone. . contudo a vivência por parte dos administradores funcionários e colaboradores tem contrastado com esse ideal. quanto em filosofia. O modelo filosófico educacional que a escola adventista possui ainda é o mesmo da época de sua fundação. e as “Capelas” variam de acordo com o calendário de atividades de cada unidade escolar. Na maior parte dos campos da região nordeste as aulas de religião não passam de três por semana. em alguns casos. como forma de atingir diversos cantos de uma mesma região. a negligência na construção de múltiplas unidades escolares numa mesma região. Independente da veracidade dessa informação. algo é certo: o ensino da Bíblia deve ser válido e real no contexto escolar adventista mediante aulas diárias (WHITE. e. quinzenais. A valorização da ideia de que grandes escolas já é o suficiente para expor a filosofia adventista e conter o secularismo vigente no sistema educacional. mensais e bimestrais. CONSIDERAÇÕES FINAIS Nas considerações finais é pra colocar apenas a s deduções e falar como autor. o ensino da Bíblia não é o carro-chefe dessa disciplina 7. 1999). imperceptível no cotidiano escolar. mesmo que de forma gradual. 7 Dado obtido em pesquisa oral. Timm (2001) afirma que a perda da dimensão corporativa da religião dentro da instituição de ensino tem servido como fator somatório à secularização. Por isso o vínculo direto com os distritos pastorais existentes. podendo ficar semanais. não possui qualquer amparo documental. Uma das justificativas mais comuns era a de que está “sendo utilizada uma abordagem característica de evangelismo público. ou até. onde os ensinamentos bíblicos estão escondidos nos temas abordados”. afinal a escola deve ser uma extensão da igreja tanto em objetivo. a permissividade de correntes pedagógicas seculares e o afrouxamento dos critérios curriculares espirituais das escolas da região Nordeste. sem se referir a nenhum teórico.

CADWALLADER. 2001). BENNE. 1949. com o objetivo de fazê-la perder de vista seu verdadeiro rumo. desenvolvendo com isso uma cultura adventista de ensino (TIMM. Grand Rapids. 1998. é a hora!. A necessidade das instituições adventistas de equiparar seu currículo escolar ao das grandes instituições. 2001. Afinal. 1976. Robert. Em suma. é a hora!”. segue-se uma declaração da Associação Geral da Igreja Adventista do Sétimo Dia através de um documento intitulado em português como “Evangelizemos.19 A afirmação de Alberto Timm (2001) de que o simples aumento no número de alunos indiferentes à filosofia educacional adventista. Tese de PhD em Educação. ou para obter grande número de matrículas. 2 ed. Evangelizemos. São Paulo: Associação Ministerial da USB. professores descomprometidos com modo de pensar adventista. Edward M. United States. Michigan: Wm. ASSOCIAÇÃO GERAL DA IGREJA ADVENTISTA DO SÉTIMO DIA. Maria Lúcia de Arruda. São Paulo: Moderna. B. A discussão aqui apresentada visa despertar às instituições ao fato de que elas devem seguir uma trilha fora dos parâmetros seculares. Lincoln. assim como a admissão. Didática Mágna. já lhe é motivo suficiente para preocupação. que diz: “Satanás atacará a Igreja de dentro e de fora. não representam a verdadeira missão da Igreja” (ASSOCIAÇÃO GERAL. COMENIOS. Quality With Soul: how six premier colleges and universities keep faith whit their religious traditions. 2002. . em seu corpo docente. p. White. História da educação. para melhor se colocar frente à sociedade. Os dados apresentados neste trabalho propõem chamar os dirigentes e componentes da área educativa adventista a um olhar mais sério sobre o objeto apresentado. a simples postura ambígua dos componentes da instituição citada já não tem fornecido um exemplo de vida digno de ser imitado pelos alunos (TIMM. contrastando com a tendência de que cada escola deveria demonstrar ao mundo que ainda é possível ter-se menos competitividade e mais cooperação. tem ocorrido com grande prejuízo ao firmamento de sua própria filosofia original. São Paulo: Martins Fontes. É necessário rever os parâmetros e objetivos da educação adventista nas suas unidades para que não fuja do seu objetivo primário: a salvação. Eerdmans Publishing Co. 2001). Consegui-lo-á se nos puder manter ocupados com coisas secundárias que. The University of Nebraska. REFERÊNCIAS ARANHA. 62. Educational principles in the writings of Ellen G. embora importantes. 1976).

Porto Alegre: Artmed. liberdade e serviço: os fundamentos da pedagogia de Ellen White. Conselhos aos professores. Acta Científica. James C. Carmen. SOUZA. SP: CPB. São Paulo: Casa Publicadora Brasileira. 9. Educação. 2001. v. 21 ed. SP: Papirus. 1999. 1999. Adolfo S. 2010. 42. ___________. 2006. Redenção. Engenheiro Coelho. Tatuí. SUÁREZ. 2002. Sérgio. 1999. Rafael. São Paulo: Casa Publicadora Brasileira. Trad. São Paulo: Casa Publicadora Brasileira. Conselhos sobre educação. 15. Espiritualidade das escolas adventistas. GALLO. GONÇALVES. p. Ellen G. Campinas. George. TIMM. 2011. Pedagogia do risco: experiência anarquistas em educação. SP. SP: Imprensa Universitária Adventista. Educação integral: uma educação holística para o século XXI. pais e estudantes. Filosofia e educação: uma introdução da perspectiva cristã. HUNTER. Desafios de uma instituição confessional. Milton L. Alberto R. 2009. SP: Centro Universitário Adventista – UNASP. 1995. Engenheiro Coelho. Tatuí. Tatuí. São Paulo: Sextante. ___________. Como se tornar um líder servidor. n. Torres em Escola Adventista. 2001. 2005. 2010. 1 ed. KNIGHT. SP: Casa Publicadora Brasileira. Revista da Escola Adventista. 2004. 2004. . Tatuí. A visão apocalíptica e a neutralização do adventismo. Uma proposta pedagógica para a Educação Adventista. Piracicaba. Pedagogia adventista. MANUAL DA IGREJA ADVENTISTA DO SÉTIMO DIA. Tatuí. YUS. São Paulo: Casa Publicadora Brasileira. Tatuí. ___________. Engenheiro Coelho. WHITE. Davidson Deana e Karina Carnassale Deana. São Paulo: Unaspress.20 CONFEDERAÇÃO DAS UNIÕES BRASILEIRAS DA IGREJA ADVENTISTA DO SÉTIMO DIA. n. 34-35. Sílvio. 1º semestre.