You are on page 1of 293

Auditoria e Controle

Analista - Área 1 – ANAC
Intensivão
Prof. Osmar Rezende de Abreu Pastore

Analista - Área 1 – ANAC
Intensivão

Auditoria E Controle

AULA 01

Auditoria E Controle

2

Decreto Lei 200/1967
• Dispõe sobre a estrutura da Administração
Federal, que cabe ao Poder Executivo.
• Administração direta:
– Presidente da República
– Ministros de Estado

• Contrapartidas:

– Estados: Governador e Secretarias
– Municípios: Prefeitos e Secretarias

Auditoria E Controle

3

Decreto Lei 200/1967
• Administração indireta ou descentralizada:
– Autarquias
– Empresas públicas
– Sociedades de Economia Mista
– Fundações Públicas

Auditoria E Controle

4

Decreto Lei 200/1967
• Autarquias:
– o serviço autônomo, criado por lei, com
personalidade jurídica, patrimônio e receita
próprios, para executar atividades típicas da
Administração Pública, que requeiram, para seu
melhor funcionamento, gestão administrativa e
financeira descentralizada.

Auditoria E Controle

5

Decreto Lei 200/1967 • Empresas públicas: – a entidade dotada de personalidade jurídica de direito privado. Auditoria E Controle 6 . com patrimônio próprio e capital exclusivo da União. criado por lei para a exploração de atividade econômica que o Governo seja levado a exercer por força de contingência ou de conveniência administrativa podendo revestirse de qualquer das formas admitidas em direito.

à União ou a entidade da Administração Indireta.Decreto Lei 200/1967 • Sociedades de Economia Mista: – a entidade dotada de personalidade jurídica de direito privado. sob a forma de sociedade anônima. cujas ações com direito a voto pertençam em sua maioria. Auditoria E Controle 7 . criada por lei para a exploração de atividade econômica.

para o desenvolvimento de atividades que não exijam execução por órgãos ou entidades de direito público.Decreto Lei 200/1967 • Fundações Públicas: – a entidade dotada de personalidade jurídica de direito privado. sem fins lucrativos. com autonomia administrativa. criada em virtude de autorização legislativa. e funcionamento custeado por recursos da União e de outras fontes. patrimônio próprio gerido pelos respectivos órgãos de direção. Auditoria E Controle 8 .

Decreto Lei 200/1967 Presidência da República Assessoramento Gabinete Civil Gabinete Militar Auditoria E Controle 9 .

III. O conselho de desenvolvimento econômico. O estado-maior das forças armadas. IX. IV. O serviço nacional de informações. A consultoria-geral da república. A secretaria de planejamento. VII. Auditoria E Controle 10 . O alto comando das forças armadas. VIII. O conselho Nacional de Informática e Automação. X. VI. II. O conselho de segurança nacional. O conselho de desenvolvimento social.Decreto Lei 200/1967 • Assessoramento: I. V. O departamento administrativo do serviço público.

III.Decreto Lei 200/1967 • Art. Coordenação. Descentralização. Auditoria E Controle 11 . Planejamento. Delegação de Competência. V. II. Controle. IV. 6º As atividades da Administração Federal obedecerão aos seguintes princípios fundamentais: I.

Auditoria E Controle 12 . a fim de tornar a máquina pública mais eficiente e capaz de cumprir tarefas mais abrangentes.Decreto Lei 200/1967 • Prevê a possibilidade de parcerias com entidades privadas.

no âmbito da administração pública federal direta. b) Previu a possibilidade de a administração desobrigar-se da execução de tarefas executivas mediante a execução indireta. ou seja. autárquica e fundacional. c) Permitiu que. instrumentais ou complementares aos assuntos que constituíssem área de competência legal do órgão ou entidade em questão poderiam ser objeto de execução indireta. o Decreto Lei nº 200 de 1967 a) Propôs a venda das empresas estatais como a Vale do Rio Doce e a Petrobrás. e) Definiu que as atividades inerentes às categorias funcionais abrangidas pelo plano de cargos do órgão ou entidade poderiam ser objeto de execução indireta. as atividades materiais acessórias. Auditoria E Controle 13 . por meio de contrato celebrado com terceiros. d) Determinou que a administração indireta iria a substituir gradualmente a administração direta onde esta fosse menos eficiente.Questão de Concurso (2012) Para evitar o crescimento descontrolado das atividades governamentais e concentrar os recursos do estado nas suas tarefas essenciais.

visando transferir o poder para os escalões inferiores da administração pública federal. d) A descentralização das atividades-meio. objetivando reduzir o viés autoritário da administração pública federal. b) A indicação de profissionais do mercado para melhorar o padrão gerencial da administração pública estadual. c) A redução dos níveis hierárquicos.Questão de Concurso (2011) O Decreto-Lei no 200/1967 estabelece como principal medida a) O aumento da formalização na tramitação dos processos governamentais. visando a maior impessoalidade na administração pública federal. Auditoria E Controle 14 . distinguindo as atividades de direção das de execução. e) A desconcentração administrativa.

Auditoria E Controle 15 . d) Por funcionar de modo excessivamente autoritário. na época. c) Por excesso de focalização nas atividades-fim.Questão de Concurso (2011) O Decreto-Lei n° 200/1967 baseou-se no diagnóstico de que a administração federal. caracterizava-se a) Pela informalidade na tramitação dos processos governamentais. b) Pelo excesso de nepotismo nos níveis operacionais. e) Por excessiva concentração de atribuições nos órgãos de cúpula.

d) A entidade dotada de personalidade jurídica de direito privado. e) A entidade dotada de personalidade jurídica de direito privado. cujas ações com direito a voto pertençam em sua maioria à união ou a entidade da administração indireta. para executar atividades típicas da administração pública. que requeiram. gestão administrativa e financeira descentralizada. para o desenvolvimento de atividades que não exijam execução por órgãos ou entidades de direito público. com fins lucrativos. para seu melhor funcionamento. com autonomia administrativa. criada por lei. b) A entidade dotada de personalidade jurídica de direito privado. patrimônio e receita próprios. com patrimônio próprio e capital exclusivo da união. c) O serviço autônomo. sem fins lucrativos. com personalidade jurídica. com patrimônio próprio gerido pelos respectivos órgãos de direção. criado por lei. criada por lei para a exploração de atividade econômica que o governo seja levado a exercer por força de contingência ou de conveniência administrativa. autarquia é a) A entidade dotada de personalidade jurídica de direito privado. para o desenvolvimento de atividades que não exijam execução por órgãos ou entidades de direito público. criada em virtude de autorização legislativa. sob a forma de sociedade anônima. criada por lei para a exploração de atividade econômica. Auditoria E Controle 16 .Questão de Concurso (2011) Para os fins do Decreto-Lei nº 200/67.

Auditoria E Controle 17 .

Área 1 – ANAC Intensivão Auditoria E Controle AULA 02 Auditoria E Controle 18 .Analista .

Adotada em pleno período ditatorial.º 200/1967 é associada à primeira experiência de implementação da administração gerencial no país.Questão de Concurso (2010) A reforma administrativa materializada pelo Decreto-lei n. reforçou a centralização funcional e promoveu a criação das carreiras da administração pública de alto nível. Certo ou Errado Auditoria E Controle 19 .

Questão de Concurso (2008) A Reforma Administrativa de 1967.º 200 do mesmo ano. mas. mediante contratos com a iniciativa privada. materializada no Decreto-lei n. promoveu a descentralização de tarefas executivas. Certo ou Errado Auditoria E Controle 20 . visando impedir o crescimento desmesurado da máquina administrativa. transferiu vários tipos de atividades para as entidades da administração indireta.

nos termos do Decreto-Lei 200/67.Questão de Concurso (2012) A administração pública brasileira se estrutura. estadual e municipal d) Federalista e unitária e) Direta e indireta Auditoria E Controle 21 . em: a) Direta. indireta e semidireta b) Burocrática e gerencialista c) Federal.

a Administração Federal compreende: a) As Autarquias. a Administração Indireta. as Empresas Públicas. b) A Administração Direta. que compreende as Autarquias. que se constitui dos serviços integrados na estrutura administrativa da Presidência da República e dos Ministérios e. Auditoria E Controle 22 . as Sociedades de Economia Mista e as Fundações Públicas.Questão de Concurso (2014) De acordo com o Decreto-Lei N° 200/67. as Empresas Públicas. c) A Administração Direta. d) A Administração Direta. também. que compreende as Autarquias. as Sociedades de Economia Mista e as Fundações Públicas. que se constitui dos serviços integrados na estrutura administrativa da Presidência da República e dos Ministérios. as Empresas Públicas. as Sociedades de Economia Mista e as Fundações Públicas.

b) Da expansão das empresas estatais e de órgãos da administração direta (secretarias). c) Do fortalecimento e expansão do sistema de mérito por meio de concursos públicos. divisões e serviços.Questão de Concurso (2012) Um dos princípios norteadores da reforma do Decreto-lei nº 200 que continuou orientando o processo de modernização do estado brasileiro nas últimas décadas é o a) Da centralização dos processos de planejamento. coordenação e implementação das ações governamentais. visando a redução do número de ministérios. Auditoria E Controle 23 . e) De reagrupamento de departamentos. d) Da formulação de diretrizes gerais para um plano de carreiras para cargos de nível operacional.

as primeiras. Auditoria E Controle 24 . as primeiras.Questão de Concurso (2002) Integram a Administração Indireta Federal. d) As empresas públicas e as organizações da sociedade civil de interesse público. com personalidade jurídica de direito público. com personalidade jurídica de direito privado. as primeiras e as segundas podendo possuir tanto personalidade jurídica de direito público. c) As fundações públicas e as organizações sociais. b) Os ministérios e as autarquias. as segundas. as segundas. com personalidade jurídica de direito público. os segundos. os primeiros e as segundas com personalidade jurídica de direito público. com personalidade jurídica de direito privado e. com personalidade jurídica de direito privado e. como de direito privado. as primeiras. e) As autarquias e as sociedades de economia mista. nos termos do Decreto-Lei no 200/67: a) As fundações públicas e os ministérios. com personalidade jurídica de direito público e.

c) Descentralização. Auditoria E Controle 25 . exceto: a) Planejamento. as atividades da Administração Federal obedecerão aos seguintes princípios fundamentais.Questão de Concurso (2014) Segundo o disposto no Decreto-Lei nº 200/67. d) Delegação de Competência. b) Fiscalização.

e) Gerenciamento estratégico.Questão de Concurso (2011) De acordo com o Decreto-Lei nº 200/67. d) Assessoramento. c) Apoio. do Exército e da Aeronáutica. o Gabinete do Ministro é um órgão de a) Direção Geral. no Ministério da Marinha. b) Direção Setorial. Auditoria E Controle 26 .

empresas públicas. mediante a distinção dos níveis de direção dos de execução.Questão de Concurso (2012) O Decreto-Lei 200/67 constituiu um marco na reforma administrativa e estabeleceu como premissa para o exercício das atividades da Administração Pública federal a descentralização. e) Por intermédio. mediante contratos ou concessões. c) Com a criação de sociedades de economia mista. da Administração federal para as unidades federadas. a transferência de competências executivas e legislativas aos Estados e Municípios para o exercício de atividades de interesse comum e criação de sociedades de economia mista para exploração de atividade econômica. que deveria ser posta em prática a) Dentro da Administração federal. principalmente. da criação de entidades de direito privado para a prestação de serviços públicos e exercício de atividade econômica. autarquias e fundações. principalmente. ligadas à União por contrato de concessão. afastando a anterior descentralização feita por meio de concessão de serviços à iniciativa privada. e para a órbita privada. b) Mediante delegação ampla de competências. na forma prevista em regulamento e desvinculada da supervisão ministerial. Auditoria E Controle 27 . mediante convênio. d) Mediante.

para seu melhor funcionamento. para exercitar atividades típicas da administração pública que requeiram. b) Seus funcionários devem observar a vedação constitucional de acumulação de cargos públicos. a gestão administrativa e financeira descentralizada. sendo pessoa jurídica de direito privado. d) Somente por lei específica poderá ser autorizada sua instituição. patrimônio e receita próprios. cabendo à lei complementar definir as áreas de sua atuação. A respeito da autarquia. c) Não exige a realização de concurso público para contratação de pessoal. Auditoria E Controle 28 . e) Não está sujeita à lei de licitações.Questão de Concurso (2014) O Decreto-Lei 200/67 estabelece que a autarquia tem personalidade jurídica. é correto afirmar que a) Integra a administração indireta.

exceto as universidades federais. o controle hierárquico. servidores e empregados que trabalham nessas instituições por improbidade administrativa. c) Os principais mecanismos de controle interno da Administração Indireta são os recursos administrativos do autocontrole. A Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) é exemplo de entidade autárquica. não admite controle externo de qualquer órgão. realizada pela Corregedoria Geral da União (CGU) e Tribunal de Contas da União (TCU). assegurada constitucionalmente a todas autarquias. a inspeção. político e judicial e respondem os dirigentes. as sociedades de economia mista e as fundações públicas. as empresas públicas. Auditoria E Controle 29 . o controle de gestão. segundo o Decreto-Lei nº 200/67 compreende: as autarquias. exceto o de supervisão ministerial do Ministério da Educação.Questão de Concurso (2015) A Administração Indireta. assim podemos afirmar: a) Todas entidades da Administração Indireta sujeitam-se ao controle administrativo. vinculada ao Ministério da Educação que submete-se a devida supervisão ministerial. a auditoria. b) A autonomia universitária da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).

inclusive a Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) estão também sujeitas ao controle administrativo. orçamentária e patrimonial. para realizar a fiscalização financeira. O controle externo da Administração Indireta é exercido por órgão da própria Administração.Questão de Concurso d) e) As entidades da Administração Indireta. comprovar a legalidade e avaliar resultados quanto à eficácia da gestão orçamentária. financeira e patrimonial. contábil. Auditoria E Controle 30 . centrado nos objetivos de avaliar o cumprimento das metas previstas e na execução dos programas e do orçamento. político e judicial e também pelo Tribunal de Contas da União (TCU). inclusive a Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).

c) Independe de autorização legislativa a participação de sociedade de economia mista. em empresa privada. Acerca da criação das empresas públicas no plano constitucional de 1988. Auditoria E Controle 31 . com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei nº 900/69. As subsidiárias não dependem de lei para sua criação.Questão de Concurso (2007) O conceito de empresa estatal foi elaborado durante anos pela doutrina. b) Somente por lei específica poderá ser autorizada a instituição de sociedade de economia mista. d) Somente por lei específica poderá ser criada sociedade de economia mista. a edição do Decreto-Lei nº 200/67. Contudo. é correto afirmar que: a) Independe de autorização legislativa a criação de subsidiárias das sociedades de economia mista. trouxe o conceito legal de sociedade de economia mista. e suas subsidiárias. e) Somente por lei específica poderá ser criada sociedade de economia mista.

c) Uma empresa pública. d) A exigência constitucional de haver prévia dotação orçamentária para atender às projeções de despesa de pessoal. não se aplica à sociedade de economia mista. o que autoriza a sua constituição como sociedade civil ou comercial. unipessoal ou pluripessoal. em caso de aumento de remuneração.Questão de Concurso (2010) Observado o regime jurídico da administração pública federal indireta. e externo. pelo Poder Executivo. Auditoria E Controle 32 . pelo Poder Legislativo. e) A administração pública indireta está sujeita a duplo controle estatal: interno. pode desempenhar serviço essencialmente público e ter os respectivos bens protegidos pela impenhorabilidade. é incorreto afirmar que: a) A empresa pública pode ser estruturada sob qualquer das formas admitidas em direito. mesmo sendo uma entidade com personalidade jurídica de direito privado. b) O Decreto-lei 200/67 determina que a sociedade de economia mista seja constituída unicamente sob a forma de sociedade anônima. com auxílio do Tribunal de Contas.

Auditoria E Controle 33 .

Analista .Área 1 – ANAC Intensivão Auditoria E Controle AULA 03 Auditoria E Controle 34 .

distinguindo-se claramente o nível de direção do de execução. mediante contratos ou concessões. Auditoria E Controle 35 .Descentralização • Artigo 10: A execução das atividades da Administração Federal deverá ser amplamente descentralizada. – § 1º A descentralização será posta em prática em três planos principais: a) dentro dos quadros da Administração Federal. b) da Administração Federal para a das unidades federadas. c) da Administração Federal para a órbita privada. quando estejam devidamente aparelhadas e mediante convênio.

Controle • Art. O controle das atividades da Administração Federal deverá exercer-se em todos os níveis e em todos os órgãos. 13. particularmente: – Pela chefia competente: execução dos programas e observância das normas que governam a atividade específica do órgão controlado. – Órgãos próprios do sistema de contabilidade e auditoria: aplicação dos dinheiros públicos e da guarda dos bens da União. compreendendo. Auditoria E Controle 36 . – Pelos órgãos próprios de cada sistema: normas gerais que regulam o exercício das atividades auxiliares.

elaborados através dos órgãos de planejamento. setoriais e regionais de duração plurianual. Auditoria E Controle 37 .Orçamento • Artigo 15: A ação administrativa do Poder Executivo obedecerá a programas gerais. sob a orientação e a coordenação superiores do Presidente da República.

além dos recursos consignados no Orçamento da União. os recursos extra-orçamentários vinculados à execução do programa do Governo. Na elaboração do orçamentoprograma serão considerados. Auditoria E Controle 38 .Orçamento • Artigo 16: Em cada ano será elaborado um orçamento-programa. – Parágrafo único. que pormenorizará a etapa do programa plurianual a ser realizada no exercício seguinte e que servirá de roteiro à execução coordenada do programa anual.

em conjunto. a programação financeira de desembolso.Orçamento • Artigo 17: Para ajustar o ritmo de execução do orçamentoprograma ao fluxo provável de recursos. o Ministério do Planejamento e Coordenação Geral e o Ministério da Fazenda elaborarão. de modo a assegurar a liberação automática e oportuna dos recursos necessários à execução dos programas anuais de trabalho. • Artigo 18: Toda atividade deverá ajustar-se à programação governamental e ao orçamento-programa e os compromissos financeiros só poderão ser assumidos em consonância com a programação financeira de desembolso. Auditoria E Controle 39 .

Valorização e dignificação da função pública e do servidor público. Auditoria E Controle 40 . Aumento da produtividade. II. III. fortalecimento do Sistema do Mérito. Profissionalização e aperfeiçoamento do servidor público. Conduta funcional pautada por normas éticas.Disposições Referentes ao Pessoal Civil • Artigo 94: I. IV.

Retribuição baseada na classificação das funções a desempenhar. levando-se em conta os interesses de recrutamento nacional para certas funções e a necessidade de relacionar ao mercado de trabalho. Constituição de quadros dirigentes. Auditoria E Controle 41 . Organização dos quadros funcionais. VII. mediante formação e aperfeiçoamento de administradores.Disposições Referentes ao Pessoal Civil V. VI.

Disposições Referentes ao Pessoal Civil VIII. XI. Instituição. planos e projetos não elaborados em decorrência do exercício de suas funções. X. de reconhecimento do mérito aos servidores que contribuam com sugestões. Concessão de maior autonomia aos dirigentes e chefes. de acordo com as reais necessidades de funcionamento de cada órgão. Eliminação ou reabsorção do pessoal ocioso. Auditoria E Controle 42 . Fixação da quantidade de servidores. IX. pelo Poder Executivo.

XIII.Disposições Referentes ao Pessoal Civil XII. nos vários níveis organizacionais. Estabelecimento de mecanismos adequados à apresentação por parte dos servidores.Estímulo ao associativismo dos servidores para fins sociais e culturais. de suas reclamações e reivindicações. Auditoria E Controle 43 .

b) Expansão das empresas estatais. com amplos poderes. delegação de autoridade. exceto: a) Reagrupamento de departamentos. Auditoria E Controle 44 . que inclui todos os princípios norteadores abaixo. c) Fortalecimento e expansão do sistema de mérito. de 25/02/1967.Questão de Concurso (2008) A partir de 1964. d) Planejamento. de órgãos independentes (fundações) e semi-independentes (autarquias). descentralização. coordenação e controle. Uma das peças centrais nas iniciativas de reforma administrativa brasileira foi o Decreto-Lei 200. divisões e serviços de planejamento na secretaria de planejamento da presidência da república. e) Diretrizes gerais para um novo plano de classificação de cargos. a reforma administrativa fez parte da agenda governamental do regime militar com grande recorrência. superiores aos de qualquer outro ministério.

a) De acordo com o Decreto Lei n.º 200/67. mediante contratos ou concessões Auditoria E Controle 45 . da Administração Federal para a das unidades federadas. quando estejam devidamente aparelhadas e mediante convênio. definida pelo Decreto Lei n. a atividade da Administração Federal será descentralizada a partir de planos a serem definidos em regulamento específico. b) De acordo com o Decreto Lei n.se claramente o nível de direção de execução.º 200/67. assinale a afirmativa correta. e da Administração Federal para a órbita privada. distinguindo. a atividade da Administração poderá ser descentralizada a partir de três planos. dentro dos quadros da Administração Federal. c) De acordo com o Decreto Lei n.º 200/67. a atividade da Administração Federal poderá ser descentralizada a partir de quatro planos principais.º 200/67.Questão de Concurso (2009) Em relação à organização administrativa da União Federal.

dentro dos quadros da Administração Federal. distinguindo. e da Administração Federal para a órbita privada. Auditoria E Controle 46 . quando estejam devidamente aparelhadas e mediante convênio.º 200/67. da Administração Federal para a órbita privada. mediante contratos ou concessões e participação das OSCIPS. da Administração Federal para a das unidades federadas.º 200/67. dentro dos quadros da Administração Federal. mediante contratos ou concessões. no mínimo.se claramente o nível de direção de execução. quando estejam devidamente I aparelhadas e mediante convênio. distinguindo-se claramente o nível de direção de execução. a atividade da Administração será descentralizada a partir de. quatro planos. da Administração Federal para a das unidades federadas. a atividade da Administração será descentralizada a partir de três planos.Questão de Concurso d) e) De acordo com o Decreto Lei n. De acordo com o Decreto Lei n.

O controle da execução dos programas e da observância das normas que governam as atividades específicas e auxiliares do órgão controlado deve ser exercido pela chefia competente. I. O controle da observância das normas gerais que regulam o exercício das atividades específicas deve ser exercido pelos órgãos próprios de cada sistema. e) II. 200.Questão de Concurso (2015) O Decreto-Lei n. O controle da arrecadação dos dinheiros públicos e da guarda dos bens da União deve ser exercido pelos órgãos próprios do sistema de contabilidade e auditoria. Após a análise. estão contidos os princípios fundamentais a serem seguidos pela Administração Pública Federal. analise as proposições a seguir sobre como deve ser exercido. o controle das atividades da Administração Federal. V e VI 47 . Nele. sendo eles. é possível afirmar que estão CORRETAS as proposições: a) I. O controle da observância das normas gerais que regulam o exercício das atividades auxiliares deve ser exercido pelos órgãos próprios de cada sistema. III. o planejamento. estabelece diretrizes para a Reforma Administrativa e dá outras providências. em todos os níveis e em todos os órgãos. a descentralização. Considerando o Decreto-Lei supra. a coordenação. II e V apenas. IV. II. III e IV apenas. apenas. a delegação de competência e o controle. dispõe sobre a organização da Administração Federal. O controle da execução dos programas e da observância das normas que governam a atividade específica do órgão controlado deve ser exercido pela chefia competente. O controle da aplicação dos dinheiros públicos e da guarda dos bens da União deve ser exercido pelos órgãos próprios do sistema de contabilidade e auditoria. de 25 de fevereiro de 1967. V. III e VI apenas c) III. b) II. VI. Auditoria E Controle d) I. IV e VI apenas.

º 200/67. fauna e solo. d) De créditos adicionais e seus atos complementares e) Extra-orçamentários vinculados à execução do programa do governo. b) Renováveis: flora. serão considerados. além dos recursos consignados no Orçamento da União. os recursos: a) Necessários à execução dos programas anuais de trabalho.Questão de Concurso (2013) Na elaboração do orçamento-programa. de acordo com Parágrafo único do Art. c) Minerais e energéticos. Auditoria E Controle 48 . 16 do Decreto-lei n.

mediante lei ordinária.Questão de Concurso (2002) Ao definir a organização da Administração Federal. e) A descentralização de atividades da Administração para a órbita privada mediante contratos. d) A transferência. NÃO é exemplo desse princípio de descentralização a) A concessão de atividades da Administração para entes privados. o Decreto-Lei no 200/67 determina que a execução das atividades da Administração deverá ser amplamente descentralizada e que tal descentralização ocorra em alguns planos. Difícil Auditoria E Controle 49 . dentro dos quadros da Administração. c) A descentralização mediante convênio das atividades da Administração Federal para a Administração das entidades federadas. Distrito Federal e Municípios. b) A distinção entre o nível de execução e o nível de direção. de competências constitucionais da União para os Estados.

setoriais e regionais de duração plurianual.Questão de Concurso (2014) O DL 200/67 dispõe no art. e. planejamento institucional. orçamento-programa anual. e. planejamento institucional. na forma do Título III. plano geral de governo. planejamento institucional. 7º que “a ação governamental obedecerá a planejamento que vise a promover o desenvolvimento econômico-social do País e a segurança nacional. e. plano geral de governo. orçamento-programa anual. norteando-se segundo planos e programas elaborados. e. Auditoria E Controle 50 . programa nacional de desburocratização. b) Programação financeira de desembolso. orçamento-programa anual d) Programa nacional de desburocratização.” e compreenderá a elaboração e atualização dos seguintes instrumentos básicos: a) Plano geral de governo. orçamento-programa anual. c) Programa nacional de desburocratização. e. e) Programas gerais.

entre as quais estão incluídas: I. Auditoria E Controle 51 . c) Somente I e II estão corretas. a responsabilidade dos órgãos de contabilização pelo acompanhamento da execução orçamentária. a apuração dos custos dos serviços sociais. b) Somente III e IV estão corretas. IV. 68 a 93. de forma a evidenciar os resultados da sua gestão. e) Somente I e IV estão corretas. nos Arts. II. normas de administração financeira e de contabilidade. a adoção de escrituração e consolidação de contas públicas. d) Somente I e III estão corretas. SENAI. SESI. tais como. a adoção de um plano de contas único e de normas gerais de contabilidade pelos órgãos da administração direta. SENAC. III. Assinale se: a) Somente IV está correta.Questão de Concurso (2014) O Decreto-Lei nº 200/67 contempla.

Delegação de Competência e Controle”. pessoas ou problemas a atender. Auditoria E Controle d) I e III. conforme se dispuser em regulamento. e) I. apenas. de 25 de fevereiro de 1967. aos Ministros de Estado e. II e III. Administração geral e pública. 2008. I. III. situando-as na proximidade dos fatos. A delegação de competência será utilizada como instrumento de descentralização administrativa. com o objetivo de assegurar maior rapidez e objetividade às decisões. apenas. às autoridades da Administração Federal delegar competência para a prática de atos administrativos. Dadas as afirmativas quanto à citação acima. b) III.Questão de Concurso (2014) “O Decreto-Lei nº 200. destacou que as atividades da Administração Federal obedecerão aos seguintes princípios fundamentais: Planejamento. O controle é atividade em que a ação governamental obedecerá a planejamento que vise a promover o desenvolvimento econômico-social do País e a segurança nacional. c) I e II. Idalberto. CHIAVENATO. norteando-se segundo planos e programas elaborados. 52 . 2º ed. Rio de Janeiro: Elsevier. O planejamento das atividades da Administração Federal não deverá ser exercido em todos os níveis e em todos os órgãos. II. Verifica-se que está(ão) correta(s) a) II. em geral. É facultado ao Presidente da República. Coordenação. Descentralização. apenas. apenas.

Auditoria E Controle 53 .

Área 1 – ANAC Intensivão Auditoria E Controle AULA 04 Auditoria E Controle 54 .Analista .

financeira.Fiscalização • Art. Auditoria E Controle 55 . operacional e patrimonial da União e das entidades da administração direta e indireta. quanto à legalidade. economicidade. legitimidade. será exercida pelo Congresso Nacional. orçamentária. mediante controle externo. 70. aplicação das subvenções e renúncia de receitas. e pelo sistema de controle interno de cada Poder. A fiscalização contábil.

arrecade. pública ou privada. ou que. bens e valores públicos ou pelos quais a União responda. assuma obrigações de natureza pecuniária. Auditoria E Controle 56 . gerencie ou administre dinheiros.Fiscalização • Parágrafo único: Prestará contas qualquer pessoa física ou jurídica. em nome desta. guarde. que utilize.

ao qual compete: I . O controle externo..Julgar as contas dos administradores e demais responsáveis por dinheiros.. mediante parecer prévio.Fiscalização • Art. bens e valores públicos da administração direta e indireta.. . 71. será exercido com o auxílio do Tribunal de Contas da União. II . a cargo do Congresso Nacional.. Auditoria E Controle 57 .Apreciar as contas prestadas anualmente pelo Presidente da República.

Fiscalização
IV. Realizar, por iniciativa própria, da Câmara dos
Deputados, do Senado Federal, de comissão
técnica ou de inquérito, inspeções e auditorias...
V. Fiscalizar as contas nacionais das empresas
supranacionais de cujo capital social a União
participe, de forma direta ou indireta, nos
termos do tratado constitutivo;

Auditoria E Controle

58

Fiscalização
• § 1º - No caso de contrato, o ato de sustação
será adotado diretamente pelo Congresso
Nacional, que solicitará, de imediato, ao Poder
Executivo as medidas cabíveis.
• § 4º - O Tribunal encaminhará ao Congresso
Nacional, trimestral e anualmente, relatório
de suas atividades.

Auditoria E Controle

59

Fiscalização
• Art. 72. A comissão mista permanente a que
se refere o art. 166, § 1º, diante de indícios de
despesas não autorizadas, ainda que sob a
forma de investimentos não programados ou
de subsídios não aprovados, poderá solicitar à
autoridade governamental responsável que,
no prazo de cinco dias, preste os
esclarecimentos necessários.
Auditoria E Controle

60

Fiscalização
• § 1º - Não prestados os esclarecimentos, ou
considerados estes insuficientes, a comissão
solicitará ao Tribunal pronunciamento conclusivo
sobre a matéria, no prazo de trinta dias.
• § 2º - Entendendo o Tribunal irregular a despesa,
a comissão, se julgar que o gasto possa causar
dano irreparável ou grave lesão à economia
pública, proporá ao Congresso Nacional sua
sustação.

Auditoria E Controle

61

Fiscalização
• Art. 73. O Tribunal de Contas da União,
integrado por nove Ministros, tem sede no
Distrito Federal, quadro próprio de pessoal e
jurisdição em todo o território nacional,
exercendo, no que couber, as atribuições
previstas no art. 96.

Auditoria E Controle

62

Fiscalização • § 1º .notórios conhecimentos jurídicos.mais de dez anos de exercício de função ou de efetiva atividade profissional que exija os conhecimentos mencionados no inciso anterior.idoneidade moral e reputação ilibada. – III .Os Ministros do Tribunal de Contas da União serão nomeados dentre brasileiros que satisfaçam os seguintes requisitos: – I .mais de trinta e cinco e menos de sessenta e cinco anos de idade. contábeis. econômicos e financeiros ou de administração pública. – II . Auditoria E Controle 63 . – IV .

Fiscalização • § 2º .um terço pelo Presidente da República. com aprovação do Senado Federal. segundo os critérios de antiguidade e merecimento.Os Ministros do Tribunal de Contas da União serão escolhidos: – I .dois terços pelo Congresso Nacional. – II . indicados em lista tríplice pelo Tribunal. Auditoria E Controle 64 . sendo dois alternadamente dentre auditores e membros do Ministério Público junto ao Tribunal.

impedimentos.Fiscalização • § 3° . vencimentos e vantagens dos Ministros do Superior Tribunal de Justiça. quanto à aposentadoria e pensão. Auditoria E Controle 65 .Os Ministros do Tribunal de Contas da União terão as mesmas garantias. quando em substituição a Ministro. aplicando-se-lhes. prerrogativas. quando no exercício das demais atribuições da judicatura. as normas constantes do art. • § 4º .O auditor. 40. terá as mesmas garantias e impedimentos do titular e. as de juiz de Tribunal Regional Federal.

sistema de controle interno com a finalidade de: I . IV . bem como da aplicação de recursos públicos por entidades de direito privado. quanto à eficácia e eficiência. bem como dos direitos e haveres da União. a execução dos programas de governo e dos orçamentos da União. de forma integrada.Fiscalização • Art. financeira e patrimonial nos órgãos e entidades da administração federal.avaliar o cumprimento das metas previstas no plano plurianual.exercer o controle das operações de crédito.apoiar o controle externo no exercício de sua missão institucional. Executivo e Judiciário manterão. Auditoria E Controle 66 . II . da gestão orçamentária. 74.comprovar a legalidade e avaliar os resultados. Os Poderes Legislativo. III . avais e garantias.

ao tomarem conhecimento de qualquer irregularidade ou ilegalidade.Fiscalização • § 1º . sob pena de responsabilidade solidária. partido político. na forma da lei.Qualquer cidadão.Os responsáveis pelo controle interno. associação ou sindicato é parte legítima para. • § 2º . denunciar irregularidades ou ilegalidades perante o Tribunal de Contas da União. dela darão ciência ao Tribunal de Contas da União. Auditoria E Controle 67 .

a fiscalização externa da execução dos orçamentos. d) Dos Tribunais de Contas. b) Do Poder Judiciário. inclusive do Ministério Público. Auditoria E Controle 68 .Questão de Concurso (2015) Nos termos da Constituição Federal de 1988. e) Da Procuradoria Geral do Estado. c) Do Conselho Nacional de Justiça. deve ser feita pelo Poder Legislativo com o auxílio a) Do Poder Executivo.

Questão de Concurso (2015) O artigo 71 da Constituição Federal de 1988 atribui as competências do Tribunal de Contas da União. Analise os itens seguintes e assinale a alternativa que apresenta a descrição correta destas competências: Auditoria E Controle 69 .

ajuste ou outros instrumentos congêneres.Questão de Concurso I. Julgar as contas dos administradores e demais responsáveis por dinheiros. extravio ou outra irregularidade de que resulte prejuízo ao erário público. IV. II. Aprovar as contas prestadas anualmente pelo presidente da república. ao Distrito Federal ou a Municípios. e as contas daqueles que derem causa a perda. Fiscalizar a aplicação de quaisquer recursos repassados pela união mediante convênio. Assinar prazo para que o órgão ou entidade adote as providências necessárias ao exato cumprimento da lei. bens e valores públicos da administração direta e indireta. acordo. incluídas as fundações e sociedades instituídas e mantidas pelo poder público federal. Auditoria E Controle 70 . mediante parecer prévio que deverá ser elaborado em sessenta dias a contar de seu recebimento. se verificada ilegalidade. a Estados. III.

Questão de Concurso A alternativa correta é: a) Apenas os itens II e IV estão corretos b) Apenas os itens I e III estão corretos. II e III estão corretos. Auditoria E Controle 71 . III e IV estão corretos. d) Apenas os itens II. e) Todos os itens estão corretos. c) Apenas os itens I.

Auditoria E Controle 72 .

Área 1 – ANAC Intensivão Auditoria E Controle AULA 05 Auditoria E Controle 73 .Analista .

Auditoria E Controle 74 .Finanças Públicas Atividades Meio • Mão de obra • Bens permanentes • Materiais de consumo Atividades fim • Segurança • Educação • Saúde • Justiça etc.

Sistema de Planejamento Orçamentário PPA LOA LDO LRF Auditoria E Controle 75 .

Plano Plurianual (PPA) • Finalidade: definir os objetivos e as metas para a elaboração da proposta orçamentária • Elaborado pelo Poder Executivo • Encaminhado ao Congresso Nacional até 4 meses antes do término do 1º ano do mandato do presidente eleito • Vigência: 4 anos Auditoria E Controle 76 .

5º. Auditoria E Controle 77 . 167. §1º: – A lei que instituir o Plano Plurianual estabelecerá as diretrizes. §1º c/c o Art. I. • CF Art. bem como os programas de duração continuada.Plano Plurianual (PPA) • Conteúdo conforme a CF/88. sob pena de crime de responsabilidade. Art. objetivos e metas da administração pública para as despesas de capital e outras despesas decorrentes. §5º da LRF – A lei orçamentária não consignará dotação para investimento com duração superior a um exercício financeiro que não esteja previsto no plano plurianual ou em lei que autorize a sua inclusão. 65.

Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) • Finalidade: priorizar as metas do PPA e orientar a elaboração do Orçamento • Elaborado pelo Poder Executivo • Encaminhada ao Congresso até 15 de abril de cada ano que deve apreciá-lo até 17/07 • Vigência: normalmente de 1 ano Auditoria E Controle 78 .

orçamento das estatais e orçamento da seguridade social Auditoria E Controle 79 .Lei do Orçamento Anual (LOA) • Finalidade: programar as ações a serem realizadas • Elaborada pelo Poder Executivo • Encaminhada ao Congresso até 31/08 de cada ano • Vigência: anual • Compreende: orçamento fiscal.

por meio de indicadores relativos aos três exercícios seguintes. – Objetivo: combater resultados fiscais deficitários.Lei do Orçamento Anual (LOA) • A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) passou a exigir que a LDO sinalizasse. as metas fiscais anuais. • Anexos importantes: – Anexo de Metas Fiscais – Anexo de Riscos Fiscais Auditoria E Controle 80 . à disposição dos governos.

Lei do Orçamento Anual (LOA)
• Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF):
– Um código de conduta para os administradores
públicos que passam a obedecer normas e limites
para administrar as finanças, prestando contas de
quanto e como gastam os recursos da sociedade.
– Art. 1º, § 1º: A responsabilidade na gestão fiscal
pressupõe a ação planejada e transparente, em
que se previnem riscos e corrigem desvios capazes
de afetar o equilíbrio das contas públicas (...)
Auditoria E Controle

81

Lei do Orçamento Anual (LOA)
• A LOA discriminará os recursos orçamentários
e financeiros para o atingimento das metas e
prioridades estabelecidas pela LDO e
compreenderá (conforme Art. 165, §5º da
Constituição Federal):
– O orçamento fiscal;
– O orçamento de investimento; e
– O orçamento da seguridade social.
Auditoria E Controle

82

Questão de Concurso
(2011) A Constituição Federal estabelece que: “O controle externo, a cargo do
Congresso Nacional, será exercido com o auxílio do Tribunal de Contas da
União (TCU)”. Estabelece ainda expressamente que o TCU:
a) É formado por nove ministros, sendo seis escolhidos pelo presidente e
três pelo congresso nacional
b) É formado por cidadãos que, entre outros requisitos, tenham formação
em grau superior de direito
c) É formado por nove ministros, que terão os mesmos impedimentos dos
Ministros do Superior Tribunal De Justiça
d) É impedido de exercer o controle fiscal de sociedades de economia
mista, sendo imperioso o controle das empresas públicas
e) É autorizado a decretar a quebra de sigilo bancário e fiscal de
administradores públicos

Auditoria E Controle

83

Questão de Concurso
(2015) Nos termos do art. 74 da Constituição Federal de 1988, os Poderes
Legislativo, Executivo e Judiciário deverão manter, de forma integrada, um
sistema de controle interno com algumas finalidades. Marque a opção que
não é finalidade do controle interno:
a) Fiscalizar as contas nacionais das empresas supranacionais de cujo
capital votante a União participe.
b) Avaliar o cumprimento das metas previstas no plano plurianual, a
execução dos programas de governo e dos orçamentos da União.
c) Comprovar a legalidade e avaliar os resultados, quanto à eficácia e
eficiência, da gestão orçamentária, financeira e patrimonial nos órgãos e
entidades da administração federal, bem como da aplicação de recursos
públicos por entidades de direito privado.
d) Exercer o controle das operações de crédito, avais e garantias, bem
como dos direitos e haveres da União.
e) Apoiar o controle externo no exercício de sua missão institucional.

Auditoria E Controle

84

Questão de Concurso
(2015) Qual a periodicidade que o Tribunal de
Contas da União deverá encaminhar ao Congresso
Nacional relatórios sobre suas atividades?
a) Mensal e Trimestral.
b) Trimestral e Semestral.
c) Trimestral e Anual.
d) Mensal e Semestral.
e) Bimestral e Semestral.
Auditoria E Controle

85

Questão de Concurso
(2015) De acordo com o art. 71, inciso V da Constituição Federal de
1988, compete ao Tribunal de Contas da União fiscalizar as contas
nacionais das empresas supranacionais de cujo capital social a União
participe, de forma direta ou indireta, nos termos do tratado
constitutivo. De acordo com a Carta Magna, pode-se afirmar que:
a) Empresas supranacionais não são controladas por entes públicos
b) Serão fiscalizadas todas as contas que se encontram no território
brasileiro
c) Petrobras International Braspetro B.V. é um exemplo de empresa
supranacional
d) Caso o tratado não mencione o assunto, o TCU não terá como
realizar a fiscalização

Auditoria E Controle

86

Questão de Concurso
(2012) O artigo 7o do Decreto Lei no 200/67 cita que a ação governamental
obedecerá a planejamento que vise a promover o desenvolvimento
econômico-social do País e a segurança nacional, norteando-se segundo
planos e programas elaborados, e compreenderá a elaboração e atualização
dos seguintes instrumentos básicos: a) plano geral de governo; b) programas
gerais, setoriais e regionais, de duração plurianual; c) orçamento-programa
anual; d) programação financeira de desembolso. A institucionalização
tornou-se compulsória na Constituição Federal de 1988 no artigo 165, em que
a integração entre o planejamento e o orçamento se dá por meio da Lei
a) do Plano Plurianual.
b) da Responsabilidade Fiscal.
c) do Orçamento Anual.
d) de Diretrizes Orçamentárias.
e) da Ficha Limpa.

Auditoria E Controle

87

Auditoria E Controle 88 .

Analista .Área 1 – ANAC Intensivão Auditoria E Controle AULA 06 Auditoria E Controle 89 .

TCU: Natureza. Competência E Jurisdição • Capítulos I e II do REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO: – 5 artigos Auditoria E Controle 90 .

– Mas detalha sua atuação como entidade de auditoria independente. Auditoria E Controle 91 .Natureza E Competência • Artigo 1º: – Inclui o que é previsto na Constituição (naturalmente).

incluídas as fundações e sociedades instituídas e mantidas pelo poder público federal. e das demais instituições sob sua jurisdição. ou por meio de demonstrativos próprios. Auditoria E Controle 92 . mediante fiscalizações. das entidades da administração indireta.Natureza E Competência • VII – acompanhar a arrecadação da receita a cargo da União.

fiscalizando a entrega dos respectivos recursos. Auditoria E Controle 93 .Natureza E Competência • IX – efetuar. o cálculo das quotas referentes aos fundos de participação a que alude o parágrafo único do art. observada a legislação pertinente. 161 da Constituição Federal.

de que tratam o inciso II do art.Natureza E Competência • XI – efetuar. o cálculo das quotas dos recursos provenientes do produto da arrecadação do Imposto sobre Produtos Industrializados destinadas aos estados e ao Distrito Federal. Auditoria E Controle 94 . observada a legislação pertinente. proporcionalmente ao valor das respectivas exportações de produtos industrializados. 161 da Constituição Federal. 159 e o parágrafo único do art.

parecer prévio sobre as contas do governo de território federal. das normas da Lei Complementar n° 101. a contar de seu recebimento. 33 da Constituição Federal. no âmbito de suas atribuições. nos termos do § 2º do art. por parte dos órgãos e entidades da União. o cumprimento.Natureza E Competência • XII – emitir. no prazo de sessenta dias. • XIII – fiscalizar. Auditoria E Controle 95 . de 4 de maio de 2000 – Lei de Responsabilidade Fiscal.

Natureza E Competência • XIV – processar e julgar as infrações administrativas contra as finanças públicas e a responsabilidade fiscal tipificadas na legislação vigente. fiscalizar e avaliar os processos de desestatização realizados pela administração pública federal. e as concessões. nos termos do art. com vistas à aplicação de penalidades. compreendendo as privatizações de empresas. incluindo instituições financeiras. 175 da Constituição Federal e das normas legais pertinentes. permissões e autorizações de serviço público. • XV – acompanhar. Auditoria E Controle 96 .

pública ou privada. e a qualquer outra pessoa. a município. indicando o ato inquinado e definindo responsabilidades. acordo. a estado.Natureza E Competência • XVI – representar ao Poder competente sobre irregularidades ou abusos apurados. ao Distrito Federal. ajuste ou outros instrumentos congêneres. física ou jurídica. • XIX – fiscalizar a aplicação de quaisquer recursos repassados pela União. Auditoria E Controle 97 . mesmo as de ministro de Estado ou de autoridade de nível hierárquico equivalente. mediante convênio.

conforme o caso. • XXIV – decidir sobre denúncia que lhe seja encaminhada por qualquer cidadão. por determinação legal. partido político. • XXIII – fiscalizar as declarações de bens e rendas apresentadas pelas autoridades e servidores públicos. o cálculo. a entrega e a aplicação de recursos repassados pela União.Natureza E Competência • XX – acompanhar e fiscalizar. conforme dispuser a legislação específica e os respectivos normativos internos. bem como sobre representações em geral. a estado. ao Distrito Federal ou a município. associação ou sindicato. Auditoria E Controle 98 .

os partidos políticos. Auditoria E Controle 99 .Natureza E Competência • XXV – decidir sobre consulta que lhe seja formulada por autoridade competente. os sindicatos de trabalhadores e as entidades empresariais sejam notificados da liberação de recursos federais para os respectivos municípios. a respeito de dúvida suscitada na aplicação de dispositivos legais e regulamentares concernentes a matéria de sua competência. nos termos da legislação vigente. • XXVI – decidir sobre representações relativas a licitações e contratos administrativos e ao descumprimento da obrigatoriedade de que as câmaras municipais.

Auditoria E Controle 100 . na forma definida em ato normativo. • XXIX – realizar outras fiscalizações ou exercer outras atribuições previstas em lei. • XXVIII – implementar e manter na Internet a página Contas Públicas.Natureza E Competência • XXVII – fiscalizar a aplicação dos recursos repassados ao Comitê Olímpico Brasileiro e ao Comitê Paraolímpico Brasileiro por força da legislação vigente.

ministros-substitutos e membros do Ministério Público junto ao Tribunal. dependendo de inspeção por junta médica a licença para tratamento de saúde por prazo superior a seis meses. transformação e extinção de cargos e funções do quadro de pessoal de sua Secretaria. • XXXIV – propor ao Congresso Nacional a criação. • XXXIII – organizar sua Secretaria e prover-lhe os cargos. Auditoria E Controle 101 Aspectos Operacionais Natureza E Competência . • XXXI – eleger seu Presidente e seu Vice-Presidente. bem como a fixação da respectiva remuneração. férias e outros afastamentos aos ministros. • XXXII – conceder licença. observada a legislação pertinente.• XXX – alterar este Regimento. e dar-lhes posse.

da Constituição Federal.443/1992. 78. • § 2º. No julgamento de contas e na fiscalização que lhe compete. Auditoria E Controle 102 . nos termos do texto constitucional.Natureza E Competência • § 1º. segundo o que dispõe o art. Todas as menções a ministro-substituto constantes deste Regimento Interno referem-se ao cargo de que trata o art. § 4º. cujos titulares. parágrafo único. presidindo processos e relatando-os com proposta de decisão. 73. bem como sobre a aplicação de subvenções e a renúncia de receitas. substituem os ministros e exercem as demais atribuições da judicatura. o Tribunal decidirá sobre a legalidade. da Lei nº 8. a legitimidade e a economicidade dos atos de gestão e das despesas deles decorrentes.

3º da Lei nº 8. em consequência. podendo. 2º Ao Tribunal de Contas da União assiste o poder regulamentar.443. de 1992.Natureza E Competência • Art. Auditoria E Controle 103 . nos termos do art. expedir atos normativos sobre matérias de sua competência e sobre a organização dos processos que lhe devam ser submetidos. sob pena de responsabilidade. obrigando ao seu cumprimento aqueles que lhe estão jurisdicionados.

3º No exercício de sua competência. o Tribunal terá irrestrito acesso a todas as fontes de informações disponíveis em órgãos e entidades jurisdicionados.Natureza E Competência • Art. inclusive às armazenadas em meio eletrônico. bem como àquelas que tratem de despesas de caráter sigiloso. Auditoria E Controle 104 .

d) É de competência própria do TCU. propriamente. e) É de competência própria do TCU. com possibilidade de reforma pelo Congresso Nacional. com o auxílio do Tribunal de Contas da União . o órgão de controle externo não tem o poder de julgar.TCU. nos termos da Constituição Federal. o julgamento das contas dos administradores e demais responsáveis por dinheiros. que sobre elas emitirá parecer. mas apenas de apreciar tais contas. Auditoria E Controle 105 . titular do controle externo. bens e valores públicos: a) Compete exclusivamente ao Poder Judiciário. b) É de competência própria do Poder Legislativo (Congresso Nacional).Questão de Concurso (2010) Na esfera federal. tendo em vista que. c) É de competência privativa do TCU. que sobre elas emitirá parecer.

TRF b) O TCU tem competência para fiscalizar procedimentos licitatórios e para expedir medidas cautelares para prevenir lesão ao erário. SOLIDÁRIA e) A CF assegura aos ministros do TCU as mesmas garantias e prerrogativas conferidas aos ministros do STF. a) Os auditores do TCU. possuem as mesmas garantias e impedimentos do titular e. devem comunicá-la ao tribunal de contas. STJ Auditoria E Controle 106 . quando em substituição a ministro. c) O TCU tem competência para executar suas próprias decisões.Questão de Concurso (2011) Assinale a opção correta a respeito da fiscalização contábil. quando estiverem no exercício das demais atribuições da judicatura. os responsáveis pelo controle interno. ao tomarem conhecimento de qualquer irregularidade ou ilegalidade. NÃO d) De acordo com a CF. terão as prerrogativas conferidas aos ministros do STJ. financeira e orçamentária e dos tribunais de contas. sob pena de responsabilidade subsidiária.

Auditoria E Controle 107 .

Área 1 – ANAC Intensivão Auditoria E Controle AULA 07 Auditoria E Controle 108 .Analista .

o TCU tem jurisdição própria e privativa. aqueles que derem causa a perda. Auditoria E Controle 109 . extravio ou outra irregularidade de que resulte dano ao Erário e os responsáveis por entidades dotadas de personalidade jurídica de direito privado que recebam contribuições parafiscais e prestem serviço de interesse público ou social. em todo o território nacional. abrangendo entre outras.Jurisdição do TCU • Em decorrência do poder judicante. sobre as pessoas e matérias sujeitas à sua competência.

Jurisdição do TCU • Artigo 4: O Tribunal de Contas da União tem jurisdição própria e privativa. sobre as pessoas e matérias sujeitas à sua competência. em todo o território nacional. Auditoria E Controle 110 .

extravio ou outra irregularidade de que resulte dano ao erário. aqueles que derem causa a perda. qualquer pessoa física ou jurídica. ou que.Jurisdição do TCU • Artigo 5: A jurisdição do Tribunal abrange: I. que utilize. pública ou privada. bens e valores públicos ou pelos quais a União responda. assuma obrigações de natureza pecuniária. arrecade. em nome desta. guarde. Auditoria E Controle 111 . II. gerencie ou administre dinheiros.

venham a integrar. os dirigentes de empresas públicas e sociedades de economia mista constituídas com recursos da União. os dirigentes ou liquidantes das empresas encampadas ou sob intervenção ou que. o patrimônio da União ou de outra entidade federal. Auditoria E Controle 112 . IV. de qualquer modo.Jurisdição do TCU III. provisória ou permanentemente.

Auditoria E Controle 113 . os responsáveis pelas contas nacionais das empresas supranacionais de cujo capital social a União participe. os responsáveis por entidades dotadas de personalidade jurídica de direito privado que recebam contribuições parafiscais e prestem serviço de interesse público ou social. nos termos do tratado constitutivo. de forma direta ou indireta. VI.Jurisdição do TCU V.

os responsáveis pela aplicação de quaisquer recursos repassados pela União. Auditoria E Controle 114 . a município. acordo. ajuste ou outros instrumentos congêneres.Jurisdição do TCU VII. VIII. a estado. todos aqueles que lhe devam prestar contas ou cujos atos estejam sujeitos à sua fiscalização por expressa disposição de lei. mediante convênio. e a qualquer outra pessoa. física ou jurídica. ao Distrito Federal. pública ou privada.

até o limite do valor do patrimônio transferido. X. 5º da Constituição Federal. Auditoria E Controle 115 . solidariamente com os membros dos conselhos fiscal e de administração. pela prática de atos de gestão ruinosa ou liberalidade à custa das respectivas sociedades.Jurisdição do TCU IX. nos termos do inciso XLV do art. os representantes da União ou do poder público federal na assembleia geral das empresas estatais e sociedades anônimas de cujo capital as referidas pessoas jurídicas participem. os sucessores dos administradores e responsáveis a que se refere este artigo.

sendo considerado órgão independente.Questão de Concurso (2008) Apesar de auxiliar o Poder Legislativo. o Tribunal de Contas da União (TCU) não integra este poder. Certo ou Errado Auditoria E Controle 116 .

Questão de Concurso (2012) O controle da administração pública realizado pelo TCU é um controle pertencente ao(s): a) Legislativo b) Executivo c) Judiciário d) Três Poderes e) Ministério Público Auditoria E Controle 117 .

Nesse sentido. a legalidade dos atos de admissão de pessoal na administração direta e indireta.Questão de Concurso (2012) A legislação vigente estabelece o órgão responsável por apreciar. As exceções são as nomeações para cargos de provimento em comissão. o órgão responsável é o(a) a) Departamento Federal de Recursos Humanos b) Tribunal de Contas da União c) Ministério do Trabalho e Emprego d) Ministério da Previdência Social e) Controladoria Geral da União Auditoria E Controle 118 . para fins de registro. incluídas as fundações instituídas e mantidas pelo poder público.

Questão de Concurso (2014) Assinale a alternativa que apresenta a hierarquia dos controles externos na administração pública federal. a) Auditorias independentes b) Auditorias internas c) Congresso Nacional d) Tribunal de Contas da União (TCU) e) Controladoria Geral da União (CGU) Auditoria E Controle 119 .

mas não serão submetidos à tomada de contas pelo TCU. pois suas receitas são vinculadas a determinados objetivos e serviços.Questão de Concurso (2012) Os fundos especiais da União terão normas particulares de controle. Certo ou Errado Auditoria E Controle 120 .

Questão de Concurso (2011) O TCU está impedido de executar a função orçamentária previdência social. pois não é entidade ou órgão vinculado à seguridade social. Certo ou Errado Auditoria E Controle 121 .

inclusive seus sucessores. de forma ilimitada.Questão de Concurso (2015) A jurisdição do TCU engloba todo o território nacional e abrange qualquer pessoa responsável por haveres públicos. até o limite do valor do patrimônio transferido Certo ou Errado Auditoria E Controle 122 .

Auditoria E Controle 123 .

Analista .Área 1 – ANAC Intensivão Auditoria E Controle AULA 08 Auditoria E Controle 124 .

Auditoria E Controle 125 . – Promover a eficiência operacional com observância das leis.Auditoria • Conjunto de Sistemas de Controle que compreende um plano de organização. – Obter informações oportunas e confiáveis. juntamente com todos os métodos e procedimentos que. normas e políticas vigentes. ao serem aplicados sobre uma entidade se propõem a: – Proteger seus recursos. de forma ordenada.

a exemplo de investidores e acionistas.Auditoria Externa (Independente) • É a atividade executada por auditor independente que certifica o grau de conformidade das informações apresentadas nas demonstrações contábeis e a adequação dos procedimentos internos da entidade. – É voltada para o usuário externo da informação contábil. tendo por base as NBCs. Auditoria E Controle 126 .

Auditoria Interna • Características em relação à Auditoria Externa: – Auditor vínculo empregatício com a organização auditada – Há menor grau de independência – Desdobra-se em auditoria contábil e operacional – O objetivo principal é verificar se as normas internas vêm sendo seguidas Auditoria E Controle 127 .

Auditoria Governamental • Conjunto de técnicas e procedimentos desenvolvidos com vistas a avaliar a aplicação e gestão dos recursos públicos por parte das entidades integrantes da administração pública direta e indireta. Auditoria E Controle 128 . assim como das entidades de direito privado que administrem recursos públicos.

Estados.Abrangência da Auditoria Governamental • Administração Pública Direta: – Poderes da União. SESC. • Entidades de direito privado que administram recursos públicos: – SESI. empresas públicas. Distrito Federal e Municípios • Administração Pública Indireta: – Fundações. SEBRAE etc. organismos privados etc. SENAI. Auditoria E Controle 129 .

Auditoria Governamental • Segundo a IN 1/2001: – A auditoria governamental consiste no conjunto de técnicas que visa avaliar a gestão pública. operacional ou legal. mediante a confrontação entre uma situação encontrada com um determinado critério técnico. Auditoria E Controle 130 . e a aplicação de recursos por entidade de direito público e privado. pelos processos e resultados gerenciais.

– É exercido pela entidade ou órgão que é o responsável pela atividade controlada. de forma eficiente. Auditoria E Controle 131 . planos. no âmbito de sua própria estrutura. rotinas. eficaz e efetiva.Controles Públicos • Controle Interno: – Conjunto de atividades. métodos e procedimentos integrados com vistas a assegurar que os objetivos da administração pública sejam alcançados.

parâmetros e diretrizes de auditoria. – Classificar e caracterizar tipos de auditoria.Normas de Auditoria Governamental (NAGs) • Objetivos: – Estabelecer princípios. – Garantir padrão mínimo de qualidade e comparabilidade. Auditoria E Controle 132 . estabelecer seus objetivos e orientar sua metodologia. – Oferecer subsídios para a avaliação dos profissionais de auditoria. – Fomentar a melhoria dos processos de auditoria. – Orientar o profissional de auditoria.

do próprio Poder Legislativo e do Ministério Público. e de suas entidades de administração direta e indireta. financeira. econômica. eficiência. Judiciário. incluídas as fundações e sociedades instituídas e mantidas pelo Poder Público. quanto à legalidade. operacional e patrimonial dos Poderes Executivo. legitimidade. contábil. eficácia. bens e valores públicos. economicidade. efetividade e equidade dos atos praticados pelos administradores e demais responsáveis por dinheiros.Controles Públicos • Controle Externo NAG 1000: – É o controle exercido pelo Poder Legislativo com o auxílio técnico dos Tribunais de Contas (TC). sobre as atividades orçamentária. Auditoria E Controle 133 .

NAGs Aplicáveis Ao Controle Externo • Estão convergentes com as normas emanadas pela Organização Internacional de Instituições Superiores de Auditoria (INTOSAI – International Organization of Supreme Audit Institutions). Auditoria E Controle 134 . em seu terceiro nível (Princípios Fundamentais de Auditoria).

Aspectos Relevantes nas NAGs • Conceitos básicos • Competência • Independência e autonomia • Zelo e responsabilidade • Sigilo profissional • Educação continuada Processo de auditoria Supervisão Controle de qualidade Comunicação dos resultados • Monitoramento • • • • Auditoria E Controle 135 .

NAGs Aplicáveis Ao Controle Externo • NAG 1000: – Normas Gerais • NAG 2000: – Normas Relativas Às Entidades Fiscalizadoras (EFs) • NAG 3000: – Normas Relativas Aos Profissionais de Auditoria Governamental • NAG 4000: – Normas Relativas Aos Trabalhos de Auditoria Governamental Auditoria E Controle 136 .

Etapas do Trabalho Supervisão E Revisão Controle de Qualidade Planejamento Execução Relatório Auditoria E Controle Monitoramento das Recomendações 137 .

Auditoria E Controle 138 . • Testes de controle: – Verificação e comprovação da regularidade na aplicação das normas e certificação da confiabilidade e adequação dos procedimentos de sistema de controles internos (SCI).Execução dos Trabalhos • Testes substantivos: – O exame praticado com a preocupação de obter competente e razoável evidência comprobatória da validade e propriedade material do tratamento de eventos e transações.

que os problemas sejam detectados e analisados com antecedência. e a comunicação seja imediata. no fornecimento das instruções adequadas aos profissionais menos experientes. de forma que o processo de avaliação seja contínuo.Questão de Concurso (2015) Segundo as Normas de Auditoria Governamental (NAG) aplicáveis ao controle externo. corresponde à etapa designada como: Auditoria E Controle 139 . assegurando que os exames foram realizados em conformidade com as NAG. na motivação da equipe. o envolvimento dos profissionais de auditoria governamental mais experientes no direcionamento dos trabalhos.

Execução. Comunicação dos Resultados e Relatório.Questão de Concurso a) b) c) d) e) Supervisão e Revisão. Auditoria E Controle 140 . Controle de Qualidade. Planejamento.

legitimidade. e que envolve o exame de registros e documentos.SCI. moralidade e publicidade dos atos. com vistas a informar sobre a confiabilidade do Sistema de Controles Internos . patrimoniais e operacionais. a fase do processo de auditoria governamental na qual as evidências são coletadas e examinadas. a avaliação de processos e sistemas orçamentários. o desempenho da gestão e os resultados das políticas. aplicáveis ao controle externo. programas e projetos públicos. de modo a fundamentar os comentários e opiniões. regularidade das contas. impessoalidade. corresponde à etapa de: Auditoria E Controle 141 .Questão de Concurso (2015) Segundo as Normas de Auditoria Governamental NAG. a legalidade. financeiros.

Planejamento.Questão de Concurso a) b) c) d) e) Estabelecimento do escopo. Execução. Seleção da metodologia. Acompanhamento das recomendações. Auditoria E Controle 142 .

é conhecido como: Auditoria E Controle 143 .Questão de Concurso (2013) Conforme as Normas de Auditoria Governamental NAG. emitidas pelo Instituto Rui Barbosa. A ênfase é na obtenção de evidências detalhadas. que visam a identificar operações ou saldos anormais por meio de comparação de saldos ou da evolução dos dados ao longo do tempo. Tal procedimento. em 2010. para o controle externo brasileiro. planejado para detectar distorções relevantes. o exame praticado pelo profissional de auditoria governamental com a preocupação de obter competente e razoável evidência comprobatória da validade e propriedade material do tratamento de eventos e transações pelo ente público.

Auditoria E Controle 144 . b) Revisão analítica. e) Recálculo ou conferência de cálculo. d) Inspeção física ou visual.Questão de Concurso a) Teste de controle ou de cumprimento. c) Teste analítico substantivo ou de comprovação.

Auditoria E Controle 145 .

Analista .Área 1 – ANAC Intensivão Auditoria E Controle AULA 09 Auditoria E Controle 146 .

Auditoria E Controle 147 . financeiro. orçamentário e patrimonial. quanto aos aspectos contábil.Classificação das Auditorias • Quanto à natureza: – De regularidade: examinam a legalidade e a legitimidade dos atos de gestão dos responsáveis sujeitos à jurisdição do Tribunal. Compõem as auditorias de regularidade as auditorias de conformidade e as auditorias contábeis.

eficiência. eficácia e efetividade de organizações. com a finalidade de avaliar o seu desempenho e de promover o aperfeiçoamento da gestão pública.Classificação das Auditorias • Quanto à natureza: – Auditorias operacionais: objetivam examinar a economicidade. programas e atividades governamentais. Auditoria E Controle 148 .

Objetivo E Finalidades das NATs • Objetivo: – A obtenção de qualidade e a garantia de atuação suficiente e tecnicamente consistente do auditor na condução dos trabalhos de auditoria. – Promover o aprimoramento profissional e auxiliar os auditores em diversos aspectos. – Manter consistência metodológica no exercício da atividade. – Fornecer à sociedade e aos diferentes públicos com os quais o Tribunal interage uma visão clara dos princípios e das normas que formam a base para o desenvolvimento das atividades de auditoria do TCU Auditoria E Controle 149 . • Finalidades: – Estabelecer padrões técnicos e de comportamento.

Auditoria E Controle 150 . – tanto a real como a percebida – conservando sua independência em relação a quaisquer influências que possam afetar – ou parecer afetar – a capacidade de desempenhar suas responsabilidades profissionais com imparcialidade.Conflito de Interesses • Auditores devem evitar que interesses pessoais ou quaisquer situações afetem a sua objetividade.

Integridade • No cumprimento de suas responsabilidades profissionais. os auditores podem se deparar com interesses conflitantes de gestores de entidades. do programa ou da atividade auditada é uma parte importante do princípio da integridade. • Agindo com integridade. em virtude disso. de forma inadequada. os auditores conseguirão lidar com as pressões. sofrer pressões para violar princípios éticos e. conseguir ganho pessoal ou organizacional. • Tomar decisões consistentes com o interesse público da entidade. Auditoria E Controle 151 . priorizando suas responsabilidades para com o interesse público. de autoridades governamentais e de outros possíveis interessados e.

o desempenho de suas funções com independência e imparcialidade.Impedimento do Auditor • O auditor deverá declarar impedimento ou suspeição nas situações que possam afetar. Auditoria E Controle 152 . ou parecer afetar.

para a elaboração de pareceres e relatórios. • Auditores não devem revelar a terceiros dados e informações obtidos no processo de auditoria. utilizando-os. seja oralmente ou por escrito. exclusivamente. Auditoria E Controle 153 .Sigilo Profissional • O auditor deve guardar sigilo sobre dados e informações obtidos em decorrência do exercício de suas funções. exceto para cumprir as responsabilidades legais ou de outra natureza que correspondam a atribuições legais do Tribunal.

O escopo envolve a definição das questões de auditoria. a configuração da amostra (extensão) e a oportunidade dos exames. Auditoria E Controle 154 . a delimitação do universo auditável (abrangência).Escopo da Auditoria • O escopo da auditoria deve ser estabelecido de modo suficiente a satisfazer os objetivos do trabalho. a profundidade e o detalhamento dos procedimentos.

• A responsabilidade dos auditores não é reduzida pela utilização desses trabalhos. tipicamente os da auditoria interna de entidades governamentais ou de outras entidades de fiscalização e controle.Utilização do Trabalho de Terceiros • Na realização de auditorias é possível que a equipe utilize trabalhos de outros auditores. Auditoria E Controle 155 .

digno de relato pelo auditor. • Decorre da comparação da situação encontrada com o critério e deve ser devidamente comprovado por evidências. critério.Achados da Auditoria • Achado de auditoria é qualquer fato significativo. quando revela impropriedade ou irregularidade. causa e efeito. quando aponta boas práticas de gestão. constituído de quatro atributos essenciais: situação encontrada (ou condição). Auditoria E Controle 156 . ou positivo. • O achado pode ser negativo.

do auditor na condução dos trabalhos de auditoria. Sobre o assunto. Auditoria E Controle 157 .Questão de Concurso (2011) As Normas de Auditoria do Tribunal de Contas da União (NAT) têm por objetivo a obtenção de qualidade e a garantia de atuação suficiente e tecnicamente consistente. assinale a afirmativa correta.

evidências e responsabilidade do auditado. no mínimo. causa. b) O desenvolvimento dos achados de auditoria deve contemplar. Auditoria E Controle 158 . os seguintes aspectos: situação encontrada. tipicamente os da auditoria interna de entidades governamentais ou de outras entidades de fiscalização e controle. efeitos reais e potenciais. critério de auditoria. não é possível a utilização do trabalho de outros auditores.Questão de Concurso a) De acordo com as NAT do TCU. tendo em vista a natureza constitucional de corte julgadora administrativa conferida ao TCU.

Questão de Concurso c) O termo “auxílio” da expressão “o controle externo. disposto no art. à medida que este último ou suas comissões podem solicitar a realização de auditorias ou inspeções. a cargo do Congresso Nacional. 71 da CF/88. representa subordinação hierárquica do TCU em relação ao Congresso Nacional. será exercido com auxílio do Tribunal de Contas da União. Auditoria E Controle 159 .

– tanto a real como a percebida – conservando sua independência em relação a quaisquer influências que possam afetar – ou parecer afetar – a sua capacidade de desempenhar suas responsabilidades profissionais com imparcialidade. Do controle externo!! Auditoria E Controle 160 .Questão de Concurso d) A independência como norma geral relativa à pessoa do auditor evidencia que os auditores devem evitar que interesses pessoais ou quaisquer situações afetem a sua objetividade.

sobre as pessoas e matérias sujeitas à sua competência. abrangendo entre outras. em todo o território nacional. extravio ou outra irregularidade de que resulte dano ao Erário e os responsáveis por entidades dotadas de personalidade jurídica de direito privado que recebam contribuições parafiscais e prestem serviço de interesse público ou social. aqueles que derem causa a perda. Auditoria E Controle 161 . o TCU tem jurisdição própria e privativa.Questão de Concurso e) Em decorrência do poder judicante.

não deverá deixar-se influenciar pelas demandas sociais. que tem a responsabilidade de manter sua independência e objetividade em todas as fases do trabalho de auditoria governamental. Certo ou Errado Auditoria E Controle 162 .Questão de Concurso (2013) O Tribunal de Contas.

e) Supremo Tribunal Federal. Auditoria E Controle 163 . c) Tribunal de Contas da União. Exceção relevante! d) Senado Federal.Questão de Concurso (2012) As contas de gestão do TCU são julgadas pela(o) a) Congresso Nacional. b) Câmara dos Deputados.

Auditoria E Controle 164 .

Analista .Área 1 – ANAC Intensivão Auditoria E Controle AULA 10 Auditoria E Controle 165 .

visando certificar se as mesmas refletem adequadamente a situação patrimonial. envolvendo todos os critérios adotados para sua elaboração.Auditoria Sobre Demonstrações Contábeis • Função e objetivo: – Manifestar uma opinião crítica e técnica sobre as Demonstrações Contábeis de uma entidade. Auditoria E Controle 166 . bem como todos os processos de registro e controle desenvolvidos para essa finalidade. financeira e econômica das entidades.

como a natureza. Auditoria E Controle 167 .Planejamento do Trabalho • Definirá seu escopo e nível de abrangência. • Deve levar em consideração também outros fatores relevantes envolvidos. oportunidade e extensão dos procedimentos a serem aplicados. com a estipulação de metas que possam tornar o trabalho o mais eficiente possível.

durante a fase de levantamento dos dados e análise das situações encontradas.Programas de Auditoria • Em decorrência do planejamento serão elaborados os Programas de Auditoria. • Os Programas de Auditoria deverão estar devidamente documentados e detalhados. Auditoria E Controle 168 . subsidiando as observações a serem feitas. pois servirão como um guia orientador. que definirão especificamente todos os pontos observados na fase anterior.

ligado ao patrimônio das entidades físicas ou jurídicas. através do laudo pericial. • PERÍCIA – opera sobre um determinado ato. dentro de um processo de litígio.Auditoria Versus Perícia • AUDITORIA .opera através de um processo de amostragem. Auditoria E Controle 169 . buscando a apresentação de uma opinião.

5. do Exercício (DRE) Demonstrativo do Fluxo de Caixa (DFC) Demonstrativo do Valor Adicionado (DVA) Demonstrativo de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) Auditoria E Controle 170 . as Demonstrações Contábeis-Financeiras sujeitas às observações da Auditoria são as seguintes: 1. 4.Objetos da Auditoria Contábil • Segundo a Lei 11. 3. 2. Balanço Patrimonial (BP) Demonstrativo do Result.638/2007.

o plano de organização e conjunto integrado de métodos e procedimentos adotados pela entidade na proteção do seu patrimônio. Auditoria E Controle 171 . e da sua eficácia operacional.Controle Interno • Entende-se por sistema contábil e de controles internos (SCCI). promoção da confiabilidade e tempestividade dos seus registros e Demonstrações Contábeis.

Processo de Auditoria Entendimento dos trabalhos Execução • Teste de observância • Teste substantivo Planejamento estratégico Avaliação do Controle interno Parecer do Auditor Auditoria E Controle 172 .

• O Auditor precisa documentar em detalhes o sistema contábil e controles contábeis internos sobre os quais é possível confiar. na avaliação do Controle Interno.Considerações Sobre A Extensão do Trabalho • Pressupõe-se. Auditoria E Controle 173 . que a estratégia adotada está baseada na confiança sobre o controle.

antes da execução de testes de controles. por uma técnica como walk-through (rastreio). determina que seja confirmado entendimentos por intermédio do seguimento de transações pelo sistema.Avaliação do Controle Interno • A preocupação do Auditor com o entendimento do sistema contábil e controles a eles relacionados. Auditoria E Controle 174 .

• As atividades do pessoal da empresa podem ser observadas e. baseado em certas circunstâncias observadas pelo Auditor. ele pode chegar. cada componente do controle deve ser avaliado como base preliminar para determinar os pontos fortes e fracos do sistema. razoavelmente. como por exemplo as condições do controle interno.Avaliação do Controle Interno • Após essa etapa documentada. a conclusões no que respeita a validade das várias situações contidas nas demonstrações contábeis. Auditoria E Controle 175 .

protegendo as empresas e as pessoas que nela trabalham. Auditoria E Controle 176 .Características Desejáveis dos Controles Internos • Úteis – quando salvaguardam os ativos da empresa e promovem o bom desenvolvimento dos negócios. • Práticos – quando apropriados ao tamanho da empresa e ao porte das operações. objetividade ao que controlar e simples na sua aplicação. • Econômicos – quando os benefícios de mantê-los são maiores do que os seus custos (custo/benefício).

– Comprometimento com a competência e a eficiência. e – Sistemas adequados. – Estilo e atitude exemplar dos administradores. Auditoria E Controle 177 .Ambiente Favorável A Bons Controles Internos • Existência de: – Princípios éticos. – Políticas e práticas adequadas de RH. – Cultura organizacional adequada. retidão e integridade dos funcionários e da empresa. – Estrutura organizacional adequada.

• Segregação de funções (quem faz não verifica).Repercussão dos Controles Internos • Segurança e proteção dos ativos e arquivos de informação. e • Verificações independentes Auditoria E Controle 178 . • Procedimentos adequados de autorizações para o processamento das transações. • Documentação e registros adequados.

Repercussão dos Controles Internos • Como os trabalhos de Auditoria Externa são onerosos para a maioria das empresas. – Quanto mais confiança os Auditores Independentes tiverem nos Auditores Internos. Auditoria E Controle 179 . menos horas de trabalhos serão dispendidas para a consecução de sua missão porque – Os trabalhos desenvolvidos pelas Auditorias Internas podem ser aproveitados pelos Auditores Independentes. os contratos são negociados levando-se em consideração a qualidade da atividade de Auditoria Interna exercida.

Repercussão dos Controles Internos • A existência do Controle Interno garantirá acompanhamento constante dos controles internos. Auditoria E Controle 180 . se beneficiará com a redução monetária do trabalho de Auditoria Externa. • Além de garantir a segurança e confiabilidade das operações no dia-a-dia. mediante o desenvolvimento de trabalhos específicos e até com a presença dos Auditores Internos nas fases de desenvolvimento de novos sistemas de informações.

e) Avaliação e melhoria da eficácia dos processos de gerenciamento de riscos. c) Emissão do parecer sobre as demonstrações contábeis e publicação em jornal de grande circulação. tornou-se um setor obrigatório por força de lei. A auditoria interna auxilia a organização a alcançar seus objetivos. que. d) Revisão das contas contábeis para elaboração do balanço. b) Elaboração do mapeamento organizacional por meio de entrevistas com todos os funcionários.Questão de Concurso (2011) Com a crescente expansão dos negócios. Auditoria E Controle 181 . em muitos ramos. as administrações das empresas instituíram o órgão de auditoria interna. adotando uma abordagem sistemática para a a) Avaliação dos índices de liquidez e financeiros a fim de assegurar a boa saúde financeira da empresa. de controle e governança corporativa.

Auditoria E Controle 182 .

Analista .Área 1 – ANAC Intensivão Auditoria E Controle AULA 11 Auditoria E Controle 183 .

Auditoria E Controle 184 . – Expressar uma opinião sobre a propriedade das demonstrações contábeis e assegurar que elas representem adequadamente a entidade auditada (inclui o exame dos controles internos).Objetivo da Auditoria • Objetivo da auditoria: – Aumentar o grau de confiança nas demonstrações contábeis por parte dos usuários (NBC TA 200).

Finalidade da Auditoria • Finalidade da auditoria: – Combater a fraudes e prevenir irregularidades dentro de uma empresa (direto da definição de auditoria). Auditoria E Controle 185 . • Indagações e determinações sobre o estado financeiro. – Se alcança através de atividades como: • Indagações e determinações sobre o estado patrimonial e a gestão pública ou privada. • Descoberta de erros e fraudes.

Atividades de Início da Auditoria • Determinação da existência das condições prévias a um trabalho de auditoria. NBC TA 210 – Concordância com os Termos do Trabalho de Auditoria Auditoria E Controle 186 . e • Estabelecimento do entendimento dos termos do trabalho.

quando apropriado. dos responsáveis pela governança em relação ao pressuposto em que a auditoria é conduzida Auditoria E Controle 187 .Condições Prévias • Uso pela administração de uma estrutura de relatório financeiro aceitável na elaboração das demonstrações contábeis e • A concordância da administração e.

quando apropriado. Auditoria E Controle 188 . de que eles têm responsabilidades. dos responsáveis pela governança.Concordância com os Termos do Trabalho de Auditoria • A concordância da administração e.

que o auditor determine ser necessário. Auditoria E Controle 189 .Concordância com os Termos do Trabalho de Auditoria • Premissa de que a administração e. – Pelo controle interno. quando apropriado. – Por fornecer ao auditor: • Acesso a todas as informações que sejam relevantes. • Informações adicionais que o auditor possa solicitar. os responsáveis pela governança reconhecem e entendem que eles têm essa responsabilidade: – Pela elaboração das demonstrações contábeis. • Acesso irrestrito às pessoas da entidade.

Controle de Qualidade na Auditoria • Os sistemas. Auditoria E Controle 190 . as políticas e os procedimentos de controle de qualidade são de responsabilidade da firma de auditoria: – A firma e seu pessoal cumprem com as normas profissionais e técnicas e as exigências legais e regulatórias aplicáveis. e – Os relatórios emitidos pela firma ou pelos sócios do trabalho são apropriados nas circunstâncias.

dos julgamentos relevantes feitos pela equipe de trabalho e das conclusões atingidas ao elaborar o relatório.Revisão de Controle de Qualidade do Trabalho • Processo estabelecido para fornecer uma avaliação objetiva. – Aplicável somente para auditoria de demonstrações contábeis de companhias abertas e de outros trabalhos de auditoria para os quais a firma determinou esta. na data ou antes da data do relatório. Auditoria E Controle 191 .

• Revisão das demonstrações contábeis e do relatório proposto. • Revisão da documentação selecionada de auditoria relativa aos julgamentos significativos feitos e das conclusões obtidas. e • Avaliação das conclusões atingidas ao elaborar o relatório e consideração se o relatório é apropriado.Revisor de Controle de Qualidade • Discussão de assuntos significativos com o sócio encarregado do trabalho. Auditoria E Controle 192 .

Diferenças de Opinião Dentro da Equipe de Trabalho • No caso de surgirem diferenças de opinião. Auditoria E Controle 193 . devem existir e ser seguidos políticas e procedimentos da firma de auditoria para tratar e resolver as diferenças de opinião.

quando a retirada é possível de acordo com lei ou regulamento aplicável.Ameaças À Independência • Quando houver e nos casos em que a aplicação de salvaguardas pode não ser capaz de eliminá-las ou reduzi-las a um nível aceitável: – Eliminação da atividade ou do interesse que cria a ameaça. Auditoria E Controle 194 . ou – Retirada do trabalho de auditoria.

segundo as normas do CFC).Documentação da Auditoria • Papéis de trabalho são os registros dos procedimentos de auditoria executados. da evidência de auditoria relevante obtida e das conclusões alcançadas pelo auditor (usualmente também é utilizada a expressão “Documentação de Auditoria”. em forma física ou eletrônica que contêm os registros que constituem a documentação de trabalho específico. • Arquivo de auditoria compreende uma ou mais pastas ou outras formas de armazenamento. Auditoria E Controle 195 .

Papeis de Trabalho (NBC TA 230) • Dão evidência de que: – A auditoria foi planejada e executada em conformidade com as normas de auditoria e exigências legais e regulamentares aplicáveis. • Dão apoio à equipe de trabalho. Auditoria E Controle 196 . – Há base para o auditor concluir quanto ao cumprimento do objetivo global do auditor.

– Devem ter abrangência e grau de detalhe suficientes para propiciar o entendimento e o suporte da atividade de controle executada. o auditor deve documentar todos os elementos significativos dos exames realizados e evidenciar ter sido a atividade de controle executada de acordo com as normas aplicáveis. Auditoria E Controle 197 .Papeis de Trabalho • Nos papéis de trabalho.

regulamentares e outras exigências aplicáveis. Auditoria E Controle 198 .Documentação Como Apoio À Equipe • Assistir aos membros da equipe no cumprimento de suas responsabilidades. • Permitir que a equipe de trabalho possa ser responsabilizada por seu trabalho. • Manter um registro de assuntos de importância recorrente para auditorias futuras. • Permitir a condução de revisões e inspeções de controle de qualidade • Permitir a condução de inspeções externas em conformidade com as exigências legais.

consiga entender o que foi feito.Documentação Adequada • O auditor deve preparar documentação de auditoria que seja suficiente para permitir que um profissional experiente. sem nenhum envolvimento anterior com a auditoria. NBC TA 230 Auditoria E Controle 199 .

e – Assuntos significativos identificados durante a auditoria. época e extensão dos procedimentos de auditoria executados para cumprir com as normas de auditoria e exigências legais e regulamentares aplicáveis. – Os resultados dos procedimentos de auditoria executados e a evidência de auditoria obtida. Auditoria E Controle 200 . as conclusões obtidas a respeito deles e os julgamentos profissionais significativos exercidos para chegar a essas conclusões.Documentação Adequada • Permite entender: – A natureza.

II. Auditoria E Controle 201 . III. Devem conter o registro dos procedimentos de auditoria executados. servir de suporte aos relatórios e como prova em questões judiciais. da evidência de auditoria relevante obtida e das conclusões alcançadas pelo auditor.Questão de Concurso (2014) Os papéis de trabalho I. Devem ser preparados de forma suficiente para que sejam compreendidos por qualquer usuário da informação contábil. Têm como objetivo auxiliar a execução dos exames.

Auditoria E Controle 202 . d) I e II.Questão de Concurso Está correto o que se afirma APENAS em a) I. e) II e III. c) I e III. b) II.

Auditoria E Controle 203 .

Área 1 – ANAC Intensivão Auditoria E Controle AULA 12 Auditoria E Controle 204 .Analista .

a apresentação ou a divulgação de uma demonstração contábil relatada e o valor. • O fator distintivo entre fraude e erro está no fato de ser intencional ou não a ação.Distorções Nas Demonstrações • Distorção: – É a diferença entre o valor. Auditoria E Controle 205 . a classificação. a apresentação ou a divulgação que é exigida para que o item esteja de acordo com a estrutura de relatório financeiro aplicável. a classificação. • Distorções podem originar-se de fraude ou erro: – Irregularidade: distorção voluntária.

– Apropriação indébita de ativos. • Focos: – Informações contábeis fraudulentas.Postura do Auditor • A fraude que causa distorção relevante nas demonstrações contábeis (NBC TA 240) deve ser o objeto da preocupação do auditor. O auditor não estabelece juridicamente se realmente ocorreu fraude! Auditoria E Controle 206 .

causadas por fraude ou erro. • O auditor que realiza auditoria de acordo com as normas de auditoria é responsável por obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis. Auditoria E Controle 207 . como um todo.Responsabilidade • A principal responsabilidade pela prevenção e detecção da fraude é dos responsáveis pela governança da entidade e da sua administração. não contém distorções relevantes.

Auditoria E Controle 208 . • O risco de não ser detectada uma distorção relevante decorrente de fraude é mais alto do que o risco de não ser detectada uma distorção decorrente de erro.Risco • Há um risco inevitável de que algumas distorções relevantes das demonstrações contábeis podem não ser detectadas.

resultados insatisfatórios etc.). Auditoria E Controle 209 . • Transações anormais ou atípicas.Fontes de Risco de Fraude • Estrutura inadequada da administração. • Problemas na realização dos trabalhos de auditoria. • Pressões internas e externas (declínio do mercado. • Sistemas de informatização (ausência ou complexidade).

Detecção de Fraudes • Depende de: – A habilidade do perpetrador – A frequência e a extensão da manipulação – O grau de conluio – A dimensão relativa dos valores individuais manipulados – A posição dos indivíduos envolvidos. Auditoria E Controle 210 .

Auditoria E Controle 211 .Detecção de Fraudes • O risco do auditor não detectar uma distorção relevante decorrente de fraude da administração é maior do que no caso de fraude cometida por empregados: – Associado ao seu poder e conhecimento.

– A terceiros.Comunicação de Fraude Ou Erro • Deve ser feita: – À alta administração. Auditoria E Controle 212 . mediante orientação de normas e legislações pertinentes.

Riscos de Auditoria • Risco de auditoria é a possibilidade de o Auditor vir a emitir uma opinião tecnicamente inadequada sobre demonstrações contábeis (e outros itens auditáveis) significativamente incorretas. Auditoria E Controle 213 .

Risco de controle Risco inerente • Riscos sobre a informação: Auditoria E Controle É o risco de que uma distorção relevante possa ocorrer e não ser evitada. pressupondo que não haja controles relacionados. ou detectada e corrigida. 214 . em tempo hábil por controles internos relacionados.Riscos de Auditoria É a suscetibilidade da informação sobre o objeto a uma distorção relevante.

Auditoria E Controle 215 .Riscos de Auditoria • Risco de detecção: – É o risco de que o auditor independente não detecte uma distorção relevante existente.

Riscos de Auditoria • Geral: considera a situação econômica e financeira da empresa. natureza e volume das operações. Auditoria E Controle 216 . • Específico: abrange os saldos das contas.

a fraude é considerada o ato intencional de um ou mais indivíduos da administração. d) Dolo para obtenção de vantagem injusta ou ilegal.Questão de Concurso Dolo vs culpa: INTENÇÃO (2011) De acordo com a NBC TA 240 – Responsabilidade do Auditor em Relação à Fraude no Contexto da Auditoria de Demonstrações Contábeis. empregados ou terceiros que envolva: a) A obtenção de vantagem justa ou legal. dos responsáveis pela governança. Auditoria E Controle 217 . b) Culpa para obtenção de vantagens. c) Dolo ou culpa para obtenção de vantagem injusta ou ilegal.

b) Consultar os responsáveis pela entidade auditada sobre a conveniência de tornar públicos os resultados da auditoria. afetarem as demonstrações contábeis de forma relevante. por fraude ou erro. Auditoria E Controle 218 . cabe ao auditor independente: a) Informar imediatamente aos meios de comunicação sobre os resultados da auditoria independente.Questão de Concurso (2010) Quando eventuais distorções.

Auditoria E Controle 219 .Questão de Concurso c) Denunciar os responsáveis pela entidade auditada aos órgãos competentes para evitar a acusação de omissão. d) Solicitar uma segunda auditoria independente aos contratantes para confirmar os resultados apontados na primeira auditoria. e) Demonstrar que seus exames foram conduzidos de forma a atender as normas de auditoria independente das demonstrações contábeis.

e) Podem ser eficazes na detecção de fraudes se o auditor usar seu poder de busca. b) São eficazes para a detecção de fraudes que geram distorção relevante. no que se refere à fraude. c) Não são capazes de detectar fraudes. Auditoria E Controle 220 . d) Não são capazes de detectar fraudes que envolvam conluio.Questão de Concurso (2011) De acordo com a Norma de Auditoria aprovada pela Resolução CFC nº 1. os procedimentos aplicados para coletar evidências de auditoria: a) Podem ser ineficazes para a detecção de distorção relevante.203/09.

Auditoria E Controle 221 .

Analista .Área 1 – ANAC Intensivão Auditoria E Controle AULA 13 Auditoria E Controle 222 .

saldos contábeis e divulgações. excedam a materialidade para as demonstrações contábeis como um todo. – Pode ser estabelecida por classes de transações. inferiores ao considerado relevante para as demonstrações contábeis como um todo.Materialidade (NBC TA 320) • Materialidade para execução da auditoria: – É o valor ou valores fixados pelo auditor. para adequadamente reduzir a um nível baixo a probabilidade de que as distorções não corrigidas e não detectadas em conjunto. Auditoria E Controle 223 .

Materialidade (NBC TA 320) • Materialidade para as demonstrações contábeis: • É a magnitude relativa. Auditoria E Controle 224 . a natureza e a extensão dos efeitos desses fatores na avaliação ou na mensuração do objeto e os interesses dos usuários previstos. – É um aspecto de relevância específico baseado na natureza ou na magnitude dos itens para os quais a informação está relacionada no contexto do relatório contábil-financeiro de uma entidade em particular.

Materialidade (NBC TA 320) Não altera as decisões econômicas Altera as decisões econômicas Não impacta o risco de detecção de distorções Impacta o risco de detecção de distorções Critério Não tem materialidade Tem materialidade Auditoria E Controle 225 .

CUIDADO • A materialidade não estabelece necessariamente um valor abaixo do qual as distorções não corrigidas. individualmente ou em conjunto. NBC TA 450 Auditoria E Controle 226 . serão sempre avaliadas como não relevantes. – As circunstâncias relacionadas a algumas distorções podem levar o auditor a avaliá-las como relevantes mesmo que estejam abaixo do limite de materialidade.

Evidências de Auditoria • Objetivo do auditor: – Definir e executar procedimentos de auditoria que permitam ao auditor conseguir evidência de auditoria apropriada e suficiente que lhe possibilitem obter conclusões razoáveis para fundamentar a sua opinião (NBC TA 500). Auditoria E Controle 227 .

• As evidências de auditoria incluem as informações contidas nos registros contábeis que suportam as demonstrações contábeis e outras informações. Auditoria E Controle 228 .Evidências de Auditoria • São as informações utilizadas pelo auditor para chegar às conclusões em que se fundamentam a sua opinião.

isto é. a sua relevância e confiabilidade para suportar as conclusões em que se fundamenta a opinião do auditor. Auditoria E Controle 229 . • Depende: – Da fonte e da natureza – Das circunstâncias em que é obtida.Adequação da Evidência • É a medida da qualidade da evidência de auditoria.

Suficiência da Evidência • É a medida da quantidade da evidência de auditoria. Auditoria E Controle 230 . • A quantidade necessária da evidência de auditoria é afetada pela avaliação do auditor dos riscos de distorção relevante e também pela qualidade da evidência de auditoria.

Adequação E Suficiência • Estão inter-relacionadas: Menor qualidade da evidência Maior risco É preciso mais evidência Auditoria E Controle 231 .

porém.Adequação E Suficiência • A obtenção de mais evidência de auditoria. Auditoria E Controle 232 . não compensa a sua má qualidade.

– Reexecução dos procedimentos seguidos no processo de elaboração das demonstrações contábeis.Obtenção de Evidências • É feita através da execução de procedimentos de auditoria. e – Conciliação de tipos e aplicações relacionadas das mesmas informações. • Exemplo: testar os registros contábeis. – Análise e revisão. Auditoria E Controle 233 .

auditores.) Auditoria E Controle 234 . dados sobre a concorrência etc.Para Obter Mais Segurança • Uso de fontes diferentes: – Registros contábeis – Minutas de reuniões – Representação da administração (pessoa que fala por...) – Outras fontes independentes da entidade (terceiros.

é conhecida como: Auditoria E Controle 235 .Questão de Concurso (2010) De acordo com as normas de auditoria em vigor. a relevância e confiabilidade para suportar as conclusões em que se fundamenta o auditor. isto é. a medida da qualidade da evidência de auditoria.

d) Evidência de auditoria. Auditoria E Controle 236 . e) Adequação da evidência de auditoria. b) Avaliação dos papéis de trabalho dos especialistas.Questão de Concurso a) Avaliação dos procedimentos de auditoria. c) Suficiência da evidência de auditoria.

A suficiência é uma medida da quantidade de evidência necessária para sustentar a opinião e o relatório do auditor.Questão de Concurso (2015) A suficiência e a adequação são características essenciais da evidência de auditoria. ao passo que a adequação está relacionada à qualidade da evidência de auditoria e considera a relevância e a confiabilidade da evidência para dar suporte às conclusões do auditor. Certo ou Errado Auditoria E Controle 237 .

Questão de Concurso (2015) Entre as formas de obtenção de evidência de auditoria inclui-se a execução de procedimentos analíticos. os quais podem ser utilizados para indicar os elementos patrimoniais relevantes e as variações significativas observadas nos saldos desses elementos ao longo do tempo. Certo ou Errado Auditoria E Controle 238 .

Auditoria E Controle 239 .

Analista .Área 1 – ANAC Intensivão Auditoria E Controle AULA 14 Auditoria E Controle 240 .

Auditoria Governamental 241 .Objetivos da Auditoria Interna • Os objetivos da função de auditoria interna são determinados pela administração e. os meios utilizados pela auditoria interna e pelo auditor independente para alcançar seus respectivos objetivos podem ser semelhantes. quando aplicável. pelos responsáveis pela governança. • Embora os objetivos da função de auditoria interna e o do auditor independente sejam diferentes.

Objetivos da Auditoria Interna • Monitoramento do controle interno • Exame das informações contábeis e operacionais • Revisão das atividades operacionais • Revisão da conformidade com leis e regulamentos • Gestão de risco • Avaliação do processo de Governança Auditoria Governamental 242 .

Auditoria Governamental 243 .Independência da Auditoria Interna • Independentemente do grau de autonomia e de objetividade da função de auditoria interna. tal função não é independente da entidade. como é exigido do auditor independente quando ele expressa uma opinião sobre as demonstrações contábeis.

Responsabilidade Pela Opinião • O auditor independente assume integral responsabilidade pela opinião de auditoria expressa e essa responsabilidade do auditor independente não é reduzida pela utilização do trabalho feito pelos auditores internos. Auditoria Governamental 244 .

quando a entidade tiver a função de auditoria interna que o auditor independente determinou como tendo a probabilidade de ser relevante para a auditoria. determinar se aquele trabalho é adequado para os fins da auditoria.Objetivos • Os objetivos do auditor independente. são: – Determinar se e em que extensão utilizar um trabalho específico dos auditores internos. Auditoria Governamental 245 . e – Se utilizar um trabalho específico da auditoria interna.

– A competência técnica dos auditores internos.Avaliação da Auditoria Interna • O auditor independente deve avaliar: – A objetividade da função de auditoria interna. Auditoria Governamental 246 . e – Se é provável que haja comunicação eficaz entre os auditores internos e o auditor independente. – Se é provável que o trabalho dos auditores internos seja realizado com o devido zelo profissional.

Auditoria Governamental 247 . – Os riscos avaliados de distorção relevante no nível de afirmações para classes específicas de transações.Efeito do Uso da AI • O auditor independente deve considerar: – A natureza e o alcance do trabalho específico executado. e – O grau de subjetividade envolvido na avaliação da evidência de auditoria coletada pelos auditores internos como suporte para as afirmações relevantes. pelos auditores internos. ou a ser executado. saldos contábeis e divulgações.

Avaliação dos Trabalhos da AI • O auditor independente. este deve avaliar se: – O trabalho foi adequadamente supervisionado. – Foi obtida evidência de auditoria apropriada para permitir que os auditores internos atinjam conclusões razoáveis. e – Quaisquer exceções ou assuntos não usuais divulgados pelos auditores internos estão resolvidos adequadamente. revisado e documentado. – As conclusões são apropriadas nas circunstâncias e quaisquer relatórios da AI são consistentes com os resultados do trabalho executado. Auditoria Governamental 248 .

ele deve incluir na documentação de auditoria: – As conclusões atingidas relacionadas com a avaliação da adequação do trabalho da AI. Auditoria Governamental 249 .Documentação • Se o auditor independente usa um trabalho específico dos auditores internos. e – Os procedimentos de auditoria executados pelo auditor independente sobre aquele trabalho em conformidade com a NBC TA 230 – Documentação de Auditoria.

– No entanto. tendo utilizado o trabalho desse especialista e seguido esta Norma.Responsabilidade Quando do Uso de Especialistas • O auditor é o único responsável por expressar opinião de auditoria e essa responsabilidade não é reduzida pela utilização do trabalho de especialista contratado pelo auditor. Auditoria Governamental 250 . o auditor pode aceitar que as constatações ou conclusões desse especialista em sua área de especialização constituem evidência de auditoria apropriada. se o auditor. concluir que o trabalho desse especialista é adequado para fins da auditoria.

cujo trabalho nessa área é utilizado pelo auditor para ajudá-lo a obter evidência de auditoria suficiente e apropriada.Especialista do Auditor • Uma pessoa ou organização com especialização em área que não contabilidade ou auditoria. ou uma pessoa que faz parte da equipe. Auditoria Governamental 251 . contratado pelo auditor. ou equivalente no setor público. ou externo. • O especialista do auditor pode ser interno (um sócio. incluindo equipe temporária).

Especialista da Administração
• Uma pessoa ou organização com
especialização em área que não contabilidade
ou auditoria, contratado pela administração,
em que o trabalho nessa área é usado pela
entidade para ajudá-la na elaboração das
demonstrações contábeis.
– Exemplo: um atuário usado pela administração de
uma seguradora ou de um fundo de pensão para
estimar certas provisões.

Auditoria Governamental

252

Objetivo do Auditor Independente
• Os objetivos do auditor são:
– Determinar a necessidade de utilizar o trabalho de
especialista; e
– No caso de utilizar o trabalho de especialista do
auditor, determinar se o trabalho é adequado para
fins da auditoria.

Auditoria Governamental

253

Considerações da Auditor
Independente
• A natureza do assunto a que se refere o trabalho do
especialista;
• Os riscos de distorção relevante no assunto a que se
refere o trabalho desse especialista;
• A importância do trabalho do especialista no contexto
da auditoria;
• O conhecimento e a experiência do auditor em relação
a trabalho anterior executado pelo especialista; e
• Se esse especialista está sujeito às políticas e
procedimentos de controle de qualidade da firma de
auditoria.
Auditoria Governamental

254

Avaliação do Especialista
• O auditor deve avaliar se o especialista por ele
contratado possui competência, habilidades e
objetividade necessárias para fins da
auditoria.
• No caso de especialista externo, a avaliação da
objetividade deve incluir a indagação sobre
interesses e relações que podem criar uma
ameaça à objetividade desse especialista.
Auditoria Governamental

255

Acordo Com O Especialista do Auditor
• O auditor deve estabelecer acordo, por escrito, com o
especialista por ele contratado, quando apropriado,
sobre os seguintes assuntos:

– A natureza, o alcance e os objetivos do trabalho desse
especialista;
– As respectivas atribuições e responsabilidade do auditor e
desse especialista;
– A natureza, a época e a extensão da comunicação entre o
auditor e esse especialista, incluindo o formato de
qualquer relatório a ser fornecido por esse especialista; e
– A necessidade do especialista observar requisitos de
confidencialidade.

Auditoria Governamental

256

integridade e precisão desses dados-fonte Auditoria Governamental 257 . – Se o trabalho do especialista envolve o uso de premissas e métodos significativos.Avaliação do Trabalho do Especialista • O auditor deve avaliar a adequação do trabalho do especialista do auditor para fins da auditoria. e – Se o trabalho do especialista envolve o uso de dados-fonte significativos para o seu trabalho. a relevância. e sua consistência com outras evidências de auditoria. incluindo: – A relevância e razoabilidade das constatações ou conclusões desse especialista. a relevância e a razoabilidade dessas premissas e desses métodos nas circunstâncias.

o auditor deve: – Estabelecer acordo com esse especialista sobre a natureza e a extensão do trabalho adicional a ser executado pelo especialista. ou – Executar procedimentos adicionais de auditoria apropriados nas circunstâncias Auditoria Governamental 258 .Avaliação do Trabalho do Especialista • Se o auditor determina que o trabalho do especialista do auditor não é adequado para fins da auditoria.

o auditor deve indicar no relatório que essa referência não reduz a sua responsabilidade por essa opinião.Referência Ao Trabalho do Especialista • O auditor não deve fazer referência ao trabalho do especialista do auditor em seu relatório que contenha opinião não modificada. Auditoria Governamental 259 . • Se o auditor fizer referência ao trabalho de especialista do auditor em seu relatório porque essa referência é relevante para o entendimento de ressalva ou outra modificação na sua opinião.

Questão de Concurso (2012) Em auditoria executada em uma entidade cuja atividadefim seja específica e com características muito peculiares. é correto afirmar que: a) O auditor deve incluir em seu relatório a limitação de sua análise decorrente das especificidades da entidade. compartilhando a responsabilidade de seu trabalho de auditoria comesse especialista. não se podendo utilizar de trabalhos complementares de especialistas. b) O auditor pode utilizar-se do trabalho de um especialista contratado. Auditoria Governamental 260 .

d) O auditor somente poderá aceitar trabalhos se possuir um nível de especialização que lhe permita realizar auditoria. o único responsável por expressar opinião de auditoria. sem a necessidade de contratação de terceiros e) O auditor pode utilizar-se do trabalho de um especialista. sendo o primeiro. Auditoria Governamental 261 . e sua responsabilidade não é reduzida pela contratação do especialista.Questão de Concurso c) O auditor deve declarar-se incapaz de realizar os trabalhos diante das especificidades técnicas apresentadas que inviabilizam a execução de uma auditoria. de tal maneira que possa ser o único responsável por expressar opiniões. entretanto.

Auditoria E Controle 262 .

Área 1 – ANAC Intensivão Auditoria E Controle AULA 15 Auditoria E Controle 263 .Analista .

– Certificado: exatidão. conclusiva e íntegra. – Parecer: avaliação compulsória. regularidade e adequação – Nota: dar ciência Auditoria Governamental 264 . parecer. certificado ou nota: – Relatório: resultado dos trabalhos.Normas Relativas À Opinião • A opinião deve ser expressa por meio de relatório.

para correção de erros. com vistas ao atendimento das recomendações sobre as operações de sua responsabilidade. – Aos responsáveis pela execução das tarefas. Auditoria Governamental 265 .Normas Relativas À Opinião • Relatórios dirigidos: – Às gerências executivas. – A outras partes interessadas. a depender do tipo e forma da auditoria realizada.

• Na prática. Destinada ao Destinada à público administração externo da entidade Auditoria Governamental 266 . o mesmo se aplica ao auditor interno.NBC TA 700 Auditoria interna Auditoria independente (externa) • Define que a opinião do auditor independente deve ser expressa em um documento denominado Relatório de Auditoria.

Atributos da Opinião Atributo Concisão Objetividade Convicção Clareza Integridade Explicação Linguagem concisa. mas sem necessidades de explicações adicionais Mensagem direta informando o que se pretende transmitir Evidências apresentadas conduzem às conclusões apresentadas Fácil entendimento mesmo por leigos Visão objetiva das fatos observados sem omissões Auditoria Governamental 267 .

Atributos da Opinião Atributo Coerência Oportunidade Apresentação Conclusão Explicação Resultado apresentado corresponde aos objetivos traçados Emissão com tempestividade. permitam que providências sejam tomadas em tempo Sequência lógica. isto é. com linguagem isenta de erros que prejudiquem o entendimento Permite a formação de opinião sobre o que foi auditado Auditoria Governamental 268 .

• Níveis: – Geral: considera a situação econômica e financeira da empresa. natureza e volume das operações. – Específico: abrange os saldos das contas.Opinião Versus Riscos • Risco de Auditoria: – É a possibilidade de o Auditor vir a emitir uma opinião tecnicamente inadequada sobre demonstrações contábeis (e outros itens auditáveis) significativamente incorretas. Auditoria Governamental 269 .

– É condicionada: • Ao grau de eficácia dos controles internos. Auditoria Governamental 270 . • Ao volume e complexidade das transações observadas.Opinião Versus Riscos • Avaliação do Risco de Auditoria: – Feita na fase de planejamento.

Auditoria Governamental 271 .Opinião do Auditor Independente NBC TA 700 • O auditor deve formar sua opinião sobre se as demonstrações contábeis são elaboradas. • Para formar essa opinião. o auditor deve concluir se obteve segurança razoável sobre se as demonstrações contábeis tomadas em conjunto não apresentam distorções relevantes. em todos os aspectos relevantes. de acordo com a estrutura de relatório financeiro aplicável. independentemente se causadas por fraude ou erro.

Opinião do Auditor Independente NBC TA 700 • Conclusão do auditor: – Baseada em evidências apropriadas e suficientes – Responsabiliza técnica e profissionalmente o auditor – Dirigida a acionistas. sócios. cotistas. – Identifica as demonstrações contábeis sobre as quais os trabalhos foram realizados. Auditoria Governamental 272 . ou outro órgão equivalente. ao conselho de administração ou à diretoria da entidade.

. • Com ressalvas: – ..exceto por .. • Parecer adverso: – Em virtude...... • Negativa (abstenção) de opinião: – Tendo em vista... Auditoria Governamental 273 . as demonstrações financeiras não refletem fidedignamente. não temos condições de expressar uma opinião.....Tipos de Pareceres • Sem ressalvas: – .. refletem fidedignamente......refletem fidedignamente..

Opinião do Auditor Independente NBC TA 700 • Parágrafo introdutório: – Identifica a entidade – Afirma que as demonstrações contábeis foram auditadas – Identifica cada demonstração que compõe as demonstrações contábeis – Faz referência ao resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas – Identifica data/período das demonstrações Auditoria Governamental 274 .

em todos os aspectos relevantes. de acordo com a estrutura de relatório financeiro aplicável.Opinião do Auditor Independente NBC TA 700 • Opinião não modificada ou sem modificações: – É a opinião expressa pelo auditor quando ele conclui que as demonstrações contábeis são elaboradas. Auditoria Governamental 275 .

mas não generalizadas. se existentes. as distorções poderiam ser relevantes. mas há a suposição de que. – Sem evidência apropriada e suficiente para suportar a opinião.Opinião do Auditor Independente NBC TA 705 • Com ressalva: – Distorções relevantes. Auditoria Governamental 276 . mas não generalizadas.

• Com abstenção de opinião: – Sem comprovação suficiente para fundamentar sua opinião. Auditoria Governamental 277 . – Mesmo com evidências. existe uma possível interação de incertezas com eventual efeito cumulativo e adverso sobre as demonstrações.Opinião do Auditor Independente NBC TA 705 • Adversa: – Distorções relevantes e generalizadas.

deve abster-se de expressar opinião. – Pode incluir um parágrafo de “outros assuntos” para esclarecer a situação. • Pode não ser possível por força de lei: – Neste caso.Renúncia Aos Trabalhos NBC TA 705 • Pode ser feita no caso de se identificar limitações existentes na execução dos trabalhos que a entidade se recusa ou mostra não poder retirar. Auditoria Governamental 278 .

que é fundamental para o entendimento pelos usuários das demonstrações contábeis. de acordo com o julgamento do auditor. é de tal importância. Auditoria Governamental 279 .Parágrafo de Ênfase • Parágrafo incluído no relatório de auditoria referente a um assunto apropriadamente apresentado ou divulgado nas demonstrações contábeis que.

• Incluir no parágrafo uma referência clara ao assunto enfatizado e à nota explicativa que descreva de forma completa o assunto nas demonstrações contábeis. Auditoria Governamental 280 . e • Indicar que a opinião do auditor não se modifica no que diz respeito ao assunto enfatizado. • Usar o título “Ênfase” ou outro título apropriado.Parágrafo de Ênfase • Incluí-lo imediatamente após o parágrafo de opinião no relatório do auditor.

a responsabilidade do auditor ou o relatório de auditoria. é relevante para os usuários entenderem a auditoria. Auditoria Governamental 281 . de acordo com o julgamento do auditor.Parágrafos de Outros Assuntos • Parágrafo incluído no relatório de auditoria que se refere a um assunto não apresentado ou não divulgado nas demonstrações contábeis e que.

Parágrafos de Outros Assuntos • Incluir esses parágrafos imediatamente após o parágrafo de opinião e de qualquer parágrafo de ênfase. se o conteúdo do parágrafo de outros assuntos for relevante para a seção “Outras Responsabilidades de Relatório”. ou em outra parte do relatório. Auditoria Governamental 282 .

regulamento ou prática geralmente aceita. mas diferentes entre si (CFC e normas norteamericanas. Auditoria Governamental 283 . • Detalham a eventual produção de conjuntos de demonstrações contábeis de uso geral. por exemplo).Parágrafos de Outros Assuntos • Explicam porque não foi possível renunciar ao trabalho. • Detalham exigência de cobertura de assuntos por parte de lei.

Portanto. a opinião do auditor poderá ser expressa mediante um: Auditoria Governamental 284 .Questão de Concurso (2014) O relatório do auditor independente deverá ser classificado segundo a natureza da opinião que esse auditor está expressando sobre as demonstrações financeiras da entidade.

parecer limitado e parecer parcial. parecer inadverso. b) Parecer sem ressalva. parecer parcial e parecer com ressalva. d) Parecer com ênfase. c) Parecer sem ressalva. parecer com ressalva. e) Parecer negativo. Auditoria Governamental 285 . parecer com ressalva. parecer adverso e parecer com abstenção de opinião. parecer sem ressalva e parecer com ressalva. parecer com ênfase.Questão de Concurso a) Parecer sem ressalva. parecer limitado e parecer adverso. parecer sem ressalva. parecer parcial.

de acordo com a estrutura de relatório financeiro aplicável. Modificada. Favorável. Idônea. Auditoria Governamental 286 . deverá expressar uma opinião a) b) c) d) e) Conclusiva. Não modificada. em todos os aspectos relevantes.Questão de Concurso (2014) Quando o auditor conclui que as demonstrações contábeis são elaboradas.

como instituição de controle das ações governamentais. financeira e patrimonial nas unidades da Administração federal. apresentar subsídios para o aperfeiçoamento dos procedimentos administrativos e controles internos das unidades da administração direta e entidades supervisionadas. por meio de comprovar a legalidade e legitimidade e avaliar os resultados.Questão de Concurso (2013) Um elemento primordial para assegurar e promover o cumprimento do dever de accountability que os administradores públicos têm para com a sociedade e o Parlamento. examinar a regularidade e avaliar a eficiência da gestão administrativa e dos resultados alcançados. constituem : Auditoria E Controle 287 . bem como a aplicação de recursos públicos por entidades de direito privado. quanto à economicidade. eficiência e eficácia da gestão orçamentária. e ainda. conferido pela Constituição.

Questão de Concurso a) As competências da auditoria governamental do TCU b) As finalidades e objetivos operacionais da auditoria governamental do TCU. d) Os tipos de auditoria governamental municipal e) Os objetivos gerais do sistema de controle interno do poder executivo federal. Auditoria E Controle 288 . c) As formas de auditoria governamental federal.

c) A constituição determina que o TCU seja integrado por onze ministros. b) Os ministros do TCU são nomeados pelo presidente da república com aprovação do senado federal. impedimentos. a partir de uma lista com cinco nomes elaborada pelo tribunal. devem dar ciência ao TCU. garantias.Questão de Concurso (2012) Sobre o Tribunal de Contas da União. com quadro próprio de pessoal e jurisdição em todo território nacional. vencimentos e vantagens dos ministros do supremo tribunal federal. ao tomarem conhecimento de qualquer irregularidade ou ilegalidade. órgão auxiliar do Congresso Nacional no exercício do controle e fiscalização externos. sob pena de responsabilidade solidária. Auditoria E Controle 289 . é correto afirmar que a) Os ministros do TCU têm as mesmas prerrogativas. tenha sede no distrito federal. d) Os responsáveis pelo controle interno.

d) Existe um impacto efetivo das ações do governo nas áreas de educação. que objetiva aferir se a) Existe uma relação de causalidade entre a política realizada e os efeitos observados na sociedade. b) Os objetivos pretendidos pelo órgão são coerentes com as necessidades previamente identificadas na sociedade. c) O planejamento do órgão está condizente com os princípios legais e as prioridades do governo. Auditoria E Controle 290 .Questão de Concurso (2015) A avaliação de desempenho das organizações públicas vem sendo desenvolvida pelo TCU e compreende duas linhas de trabalho. Uma delas é a avaliação de desempenho operacional. segurança e bem-estar social. saúde.

Certo ou Errado Auditoria E Controle 291 .Questão de Concurso (2009) O vínculo de emprego do auditor interno lhe retira a independência profissional desejável para atuar nos termos das normas vigentes.

quando da realização de auditorias e inspeções é feito de modo a priori e concomitante. Certo ou Errado Auditoria E Controle 292 .Questão de Concurso (2008) O controle do TCU sobre os atos ou contratos da administração pública.

Auditoria E Controle 293 .