You are on page 1of 2

ARAÚJO, Maria Paula Nascimento. A utopia fragmentada. Rio de Janeiro, FGV, 2001.

BERG, Creuza. Mecanismos do silêncio: expressões artísticas e censura no Regime
Militar (1964-1984). São Carlos, UFSCar, 2002.
FICO, Carlos. Reinventando o otimismo: propaganda, ditadura e imaginário no Brasil.
Rio de Janeiro, FGV, 1999.
RIDENTI, Marcelo. Em busca do povo brasileiro: artistas da revolução, do CPC à era
da TV. São Paulo, Record, 2000.
SCHWARZ, Roberto. “Cultura e Política, 1964-69”. In.: O Pai de Família e Outros
Estudos. Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra, 1992.
JACOBY, Russel. Imagem Imperfeita: pensamento utópico para uma época
antiutópica. Tradução de Carolina Araújo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.
______. O fim da utopia: política e cultura na época da apatia. Tradução de Clóvis
Marques. Rio de Janeiro: Record, 2001.
______. Os últimos intelectuais. A cultura americana na era da Academia. Tradução de
Magda Lopes. São Paulo: Trajetória Cultural: Edusp, 1990.
SAID, Edward W. Representações do intelectual: as conferências Reith de 1993.
Tradução de Milton Hatoum. São Paulo: Cia. das Letras, 2005.
SARTRE, Jean-Paul. Em defesa dos intelectuais. Tradução de Sergio Góes de Paula.
São Paulo: Ática, 1994.
______. Que é a literatura? Tradução de Carlos Felipe Moisés. 2. ed. São Paulo: Ática,
1993.
BASTOS, Elide Rugai, RIDENTI, Marcelo (Orgs.). Intelectuais e Estado...

Dissertação (Mestrado em Comunicação Social) – PUC Rio Grande do Sul. Henfil – Como se faz humor político? Daniel Aarão Reis Filho – A revolução faltou ao encontro. Henri. Umberto Eco – Apocalípticos e Integrados. Porto Alegre. Vi esse livro. talvez ele te sirva. De Heloisa Buarque de Holanda e Marcos Gonçalves: Cultura e participação nos anos 60. 2009. Pirandello. olhe com cuidado. Georges Minois – História do rio e do escárnio.Do Marcelo Ridenti ver: Em busca do povo brasileiro e O fantasma da Revolução Brasileira. Verena Alberti – O Riso e o Risível na História do Pensamento. Elias Thomé Saliba – Raízes do riso: a representação humorística na história brasileira. O riso: ensaio sobre a significação do cômico. História da Vida Provada no Brasil – volume 4. 2009. O Humorismo Osvaldo Pellettieri (Org.) De Totó a Sandrini: del cômico italiano al “actor nacional” argentino. Marcos Silva – Humor e Política na Imprensa: Zé povo e o Brasil e Rir das Ditaduras: os dentes de Henfil BERGSON. De uma olhada nessa dissertação: O riso é coisa séria: o humor na publicidade institucional como alternativa persuasiva. .