6/23/2010

O que tira o sono do Google?

Home

Eventos

Revista

ManagemenTV

Solutions

Blog

Multimídia

HSM no Mundo

Digital

Patrocinado por:

O que tira o sono do Google?
Para Salvador, da E-commerce School, a dinâmica dos microblogs pode ser preocupante pelo fato das pessoas passarem a buscar informações somente em suas redes sociais

Imprimir Enviar por e-mail

Aqui na Bay Area, onde tenho estudado de perto os bastidores das maiores empresas de redes sociais do mundo, comenta-se cada vez mais nos corredores sobre algo que vem tirando o sono de muitos executivos do Google: o Facebook. No início de março o Facebook bateu novo recorde, com mais de 400 milhões de usuários cadastrados, sendo que, de acordo com fontes da própria empresa, 50% desses usuários, ou seja, mais de 200 milhões de pessoas, entram no site todos os dias! Além disso, mais de 1,5 milhão de empresas já criaram suas páginas dentro do Facebook. É um número bem modesto se comparado aos trilhões de megabytes da internet, mas que vem aumentando significativamente a cada minuto. Uma das causas da dor de cabeça do Google é que seus spiders, ansiosamente aguardados e recepcionados com tapete vermelho pelos profissionais de SEO, não conseguem “enxergar” todo esse conteúdo comercial disponível no Facebook. É como se tivesse nascido uma nova internet dentro do Facebook, muito mais organizada e que vem crescendo em progressões geométricas. Só que o nosso onipresente buscador de páginas ficou de fora da festa, olhando pela janela o pessoal comendo, bebendo e conversando alegremente. Especula-se que tentativas de negociações para compra do Facebook já foram feitas por gigantes como Google e Microsoft, todas sem sucesso. O próprio Twitter vem sendo paquerado pelo Google há alguns meses e até a Apple mostrou interesse público na aquisição do microblog, que resiste bravamente às tentativas de aquisições. Mas a cada dia que passa o sonho de aquisição do Facebook vai ficando mais distante e muito mais caro, visto o impressionante aumento no número de usuários e acessos, que consequentemente trazem mais receitas com publicidade e lhe dão mais fôlego financeiro para resistir às investidas de compra. O lançamento do Google Buzz decepcionou não só seus executivos, pois não teve a adesão que era esperada, mas também os usuários, que esperavam mais de uma nova ferramenta criada pela maior empresa de internet do mundo. Duas coisas apontam certo desespero do Google em querer participar logo dessas festas que acontecem dentro das redes sociais. A primeira é que o Google Buzz entrou no ar com gravíssima falha de segurança, que permitiu que os contatos do Gmail pudessem ser acessados por terceiros. A segunda é que o próprio Google Buzz, numa ansiedade incontrolável de rapidamente aumentar seu market share no mercado de microblogs, fez com que os usuários de seus serviços (Gmail, Blogger, Orkut etc) seguissem automaticamente uns aos outros, sem darem permissão. Eu mesmo, quando acessei o Google Buzz pela primeira vez, me assustei ao perceber que estava seguindo e sendo seguido por pessoas que não conhecia. Após alguns dias esses problemas foram resolvidos e alguns meses depois de seu lançamento, o Google Buzz não conseguiu o buzz que queria. Mas porque os microblogs são tão importantes para o Google ao ponto dele dar um tropeço desse tipo? O maior pesadelo dos executivos de Montain View é: como as perguntas que fazemos atualmente no campo de buscas do Google, serão feitas num futuro bem próximo? Já há tendência de que boa parte dessas buscas deixe de ser feita para os bancos de dados viciados em SEO e passem a ser feitas para nossos amigos através das redes sociais. Isso significa perda significativa de receita com a venda de links patrocinados, sua maior fonte de renda. Por exemplo, ao invés de eu entrar no Google e digitar “loja de flores rio de janeiro”, vou entrar no Facebook ou no Twitter e postar em meu perfil: “Ei, alguém poderia me indicar uma loja de flores no Rio de Janeiro?” Pense nisso. A resposta para minha pergunta pode até não ser dada em 0,29 segundos, como acontece no buscador, mas provavelmente será dada por alguém de minha rede de contatos, ou seja, com uma confiabilidade muito maior. Você deve estar se perguntando: alguém vai esperar por minutos ou horas por uma resposta se pode obtê-la em alguns segundos? Quando analisamos do ponto de vista de alguém que queira comprar um produto ou serviço, a resposta é sim. Está mais que comprovado o quanto nos influencia as opiniões de outras pessoas antes de comprarmos algo. Somado a isso, eis que o uso das redes sociais no mundo inteiro vem mostrando, ainda que timidamente, essas espirais de relacionamento logo irão se fundir. Aos poucos, os sites de
ExpoManagement 2009

C lique no icone e veja a galeria completa

A difícil arte de tomar decisões e as escolhas de Dunga Por: Sandro Magaldi

Vocês querem bacalhau? Por: C arlos Alberto Júlio As 11 características de um time campeão Por: C esar Souza C omo usar a Inteligência para vencer a C opa ... da sua Vida Por: Robert Wong

…hsmglobal.com/…/57139-o-que-tira-…

1/3

6/23/2010 timidamente, essas espirais de relacionamento logo irão se o sono do Google? de O que tira fundir. Aos poucos, os sites ainda que
relacionamentos sociais vão abrindo janelas uns para os outros. Por exemplo, no perfil do Linkedin é possível mostrar as postagens feitas no Twitter, automaticamente, ou seja, mesmo sem fazer login em sites diferentes é possível transmitir a mensagem em ambos. O mesmo acontece entre o próprio Facebook e o YouTube, onde consigo mostrar vídeos em minhas postagens. Esses são apenas alguns exemplos de aderências entre sites sociais. Sendo assim, com a integração cada vez maior entre os ambientes, é possível que daqui a pouco nossos perfis e postagens de conteúdos colaborativos estejam convertidos numa única grande rede social. E será nessa grande rede que obteremos respostas às nossas perguntas. Com ainda mais clareza e objetividade e também com o maior diferencial: confiança no interlocutor. Mauricio Salvador (Mestre em Comunicação e Administração, MBA em Gestão e Estratégias. É fundador, coordenador e sócio da E-commerce School em São Paulo. Atualmente leciona na Universidade da Califórnia - Berkeley e estrutura as áreas de E-commerce e Online Marketing de uma Start-up em São Francisco, Califórnia). HSM Online 16/04/2010
Abaixo a Direção, Longa Vida a C onexão Geral Treine agora e levante a taça depois Por: Julio Sergio C ardozo A seleção canarinho e as marcas corporativas Por: Jaime Troiano

Espaço do leitor: 4 Comentários Comentários: João Campos disse: Abril 20 de 2010 às 11:58 hs. Este serviço recem comprado pelo google confirma a teoria do M auricio Salvador: Aardvark Já testei e é fantastico ! Rui Botelho disse: Abril 19 de 2010 às 09:41 hs. Caros Leitores e Prezado Colunista,Acredito que a preocupação do google é uma nova edição do que ela vem tentando enfrentar, com relativo sucesso, nos últimos anos: O equilíbrio entre entre o trinômio VELOCIDADE DE BUSCA x VARIEDADE DE FONTES x RELEVÂNCIA E CONFIABILIDADE da informação. Como no mundo real, onde procuramos anúncios em jornais ou folhetos publicitários, ou perguntamos a um amigo se ele conhece determinado produto, ou simplesmente entramos na primeira loja e, por impulso, compramos um produto ou contratamos um serviço que nem conhecemos diretio, o mesmo ocorre no mundo virtual. Contudo, as palavras que devem ser as chaves para essa tomada de decisão são: NECESSIDADE e URGÊNCIA. Como as pessoas (consumidores) estão cada dia mais seletivos e mais analíticos em relação às suas aquisições ou na simples busca de informações, creio que o elemento VELOCIDADE DE BUSCA, tenha um menor peso nessa ação e que as preocupações da Google são de tirar o sono (deles) mesmo, pois o velho boca a boca ainda é mais forte que qualquer direcionamento de link patrocinado. Saudaç ões. Marcos disse: Abril 16 de 2010 às 16:05 hs. Agora pouco comprei um notebook pela internet e a indicação veio da minha rede de influências, amigos, etc. Porém, abri minha intenção durante o almoço e voltando deste procurei o menor preço dentro da configuração que eu gostaria utilizando o Google e efetuei a compra. Com certeza a rede de influência é muito importante na decisão do que comprar porém aguardar alguém responder a uma pergunta na postada na internet... concordo com o colega Romero e adicionaria que talvez não seja o perfil do Brasileiro esperar para comprar. Sem falar que opiniões e experiências de uso do produto já estão disponíveis nos principais sites de bens de consumo, adicionando-se por exemplo sites como o Reclame Aqui, que é um bom termômetro do pósvenda de muitas marcas. Pra que esperar???Abraços,M arcos Romero Bittar disse: Abril 16 de 2010 às 13:15 hs. Caro M aurício, há um exagero neste seu vaticínio, talvez como o que dizia que o papel ia deixar de ser usado, acredito muito mais que a rede social seja utilizada como confirmadora de uma indicação da busca no google, eu por exemplo pedi uma indicação no twitter em dezembro e até agora não houve sequer comentário sobre ela.As pessoas não abrem mão da praticidade da busca rápida. E com certeza gostam de confirmar o que encontraram. Vias de mão dupla, rapidez e qualidade andando juntas, são coisas que sempre conviverão em harmonia e não sendo excludentes.Aguardemos para conferir Um grande abraço.

Tyrannybook - Anistia Internacional C amisa do C orinthians vale aula de Marketing Vai pedir aumento? C uidado para o tiro não sair pela culatra C ustomer C are Networks: C lientes Atendendo a C lientes C opa do Mundo 2010 - A Importância do Atendimento

HSM Inspiring ideas

hsmonline
O que motiva as empresas a serem verdes? http://migre.me/RAEq
7 hour s ago

A HP publicou um estudo que identifica a viabilidade econômica e ambiental do uso de esterco bovino. Leia mais. http://migre.me/RARM
7 hour s ago

O valor estratégico do selo “M ade in Brazil” http://migre.me/RACR
7 hour s ago

Join the conversation

<< 1 de 1 >>

Envie seu comentário Nome Código

Comentários

>>ENVIAR HSM não tem responsabilidade alguma sobre comentários de terceiros, os mesmos são de responsabilidade exclusiva de quem os escreveu. HSM reserva o direito de eliminar os comentários ofensivos, discriminantes ou contrários às leis vigentes.

Seminário HSM Kevin Roberts Fórum HSM: Gestão de empresas familiares

Fórum HSM: Estratégia Fórum HSM: Negociação Seminário HSM Kevin Roberts

Última edição Anuncie

Publicidade - Portal HSM Atendimento - Revista HSM Management Atendimento - Eventos HSM

…hsmglobal.com/…/57139-o-que-tira-…

2/3

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful