You are on page 1of 4

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA

Antropologia Jurídica
Profa. Vânia Fialho

Ementa:
Estudo da relação entre a Antropologia e o Direito, enfatizando a discussão clássica
sobre a “Antropologia do Direito”, também sobre a “Antropologia Jurídica”, como
vertente mais recente, e a construção de um campo dialógico entre as duas disciplinas a
partir da atuação do antropólogo diante das demandas judiciais, bem como do
profissional do direito em relação às demandas antropológicas.
Justificativa:
A aproximação entre a Antropologia e o Direito tem se dado desde a
consolidação da Ciência Antropológica com a discussão sobre a diversidade dos
sistemas jurídicos e a relação entre leis e costumes.
Na atualidade, essa discussão vem sendo revitalizada diante das necessidades
que vêm sendo postas pela contemporaneidade ao tentar enfrentar os desafios das
sociedades e dos Estados que se afirmam como pluriétnicos ou multiculturais.
O reconhecimento de direitos diferenciados, como aqueles correlatos às
populações indígenas e quilombolas, tem exigido a participação efetiva de antropólogos
em processos administrativos e judiciais com o intuito de articular os argumentos
próprios da sua disciplina na garantia dos direitos desses segmentos sociais
culturalmente diversificados. Atualmente, um dos grandes desafios da Antropologia é a
construção desse diálogo interdisciplinar no trato da emergência dos povos indígenas, o
reconhecimento de direitos ancestrais, o pluralismo jurídico, a emergência de espaços
de “governança” em meios urbanos e rurais, direito das minorias sexuais, entre outros.
Nesse contexto, tem sido freqüente a produção de “laudos antropológicos” e
passa a ser cada vez mais a importante o trato da temática nos cursos de formação de
antropólogos.
Desta forma, o curso de propõe:
• Discutir o campo de conhecimento para o qual a Antropologia e o Direito
convergem;
• Analisar o conceito de Antropologia do Direito, de Antropologia Jurídica, seus
marcos teóricos e conceituais;
• Aprofundar a leitura dos teóricos clássicos da Antropologia que tratam da
temática do Direito e dos sistemas jurídicos;
• Delimitar os campos de ação: Antropologia e Direito, Antropologia Jurídica;
• Analisar processos de resolução de disputas e de situações de conflito em
diferentes sociedades e/ou contextos culturais específicos;
• Discutir a produção de laudos antropológicos, enfatizando os desafios que vêm
sendo postos no contexto brasileiro.

45-76. 2004. Brasília: Editora da UNB. Jane F. D. pp 195-233.Lisboa: Difel/ Riode Janeiro: Bertrand Brasil. New York: Palgrave. FAJARDO. E. Paul. 25-56. R. Marcel. pp. In: DAVIS. (parte do “Ensaio sobre a Dádiva”). M. In: DAVIS. Santiago: Programa Internacional de Inteculturalidad. pp. São Paulo: Cosac & Naify. BOHANNAN. In: ______. Rio de Janeiro: Zahar. Vicerrectoría de Investigación y Desarrolo. 1973. MAUSS. 1995. Utilidades de la antropologia jurídica en el campo de los derechos humanos: experiencias recientes.). 1973. Rio de Janeiro: Zahar. Universidad de Chile. 2003. A antropologia e a lei. Shelton. Paul. M. In: DAVIS. UNIDADE II – Novos desafios: as discussões contemporâneas COLLIER. Milka. pp. SIERRA. 101-124 BOURDIEU. Max. Vislumbrando um horizonte pluralista: rupturas y retos epistemológicos y políticos.CIESAS.228. 2003. Shelton. BOHANNAN. 2002.2005 (formato digital) NADER. Rio de Janeiro: Zahar. A. Raquel Y. São Paulo: Cosac & Naify. Etnografia e comparação em Antropologia do Direito. Los desafíos de la interculturalidad: identidad. 57-69. pp 209-254. Brasil/Portugal: Fundo de Cultura. In: DAVIS. 2003. MALINOWSKI. Pueblos indígenas ante el derecho. Pierre. Antropologia do Direito. A categoria HKA na sociedade Kachin. Moving On – Comprehending Anthropologies of Law. Bronislaw. Shelton. A categoria INJÔ na sociedade TIV.. J. A força do direito. 1989. Practcing ethnography in law. V. CLASTRES. LEACH. 1973. T. In: CHENAUT. Crime e castigo na sociedade selvagem. 1973. Obrigação e dívida. 190-201.Conteúdo e Referências UNIDADE I – Desafios preliminares: conceitos e abordagens clássicas BOHANNAN. 70-85. In: CASTRO-LUCIC. O poder simbólico. ITURRALDE. PP. In: Panorama da Antropologia. Antropologia do Direito. (coords. Da tortura nas sociedades primitivas e A sociedade contra o Estado. Antropologia do Direito. pp 265-313. Shelton. Pp. . Rio de Janeiro: Zahar. Sobrevivência desses princípios nos direitos antigos. política y derecho. 165-173. Pierre.elementos para uma sociologia do campo jurídico. Problemas teórico-metodologicos em la antropologia jurídica. In: GOODALE. Antropologia do Direito. pp. In: ______Sociologia e Antropologia. pp. Laura. Paul. STARR. GLUCKMAN. pp 191.

BELTRÃO. HEILBORN. C. M. Antropologia e direitos humanos. Florianópolis: Co-edição NUER/ABA/2005. Niterói: EdUFF. n..61-82. In: CASTRO-LUCIC. In: GROSSI. R. Leon. M. Relaciones interculturales y justicia social: uma fundamentación pluralista.Blumenau: Nova Letra. R. Justiça privada e tribunal: camponeses no banco dos réus? São Luís: Mestrado de Políticas Públicas. Horizontes Antropológicos. Paulo José Brando. 121-186. In: NOVAES. pp. pp 17-46. L. ECKERT. ZANOTTA. M. pp. UNIDADE III – Temas e problemáticas emergentes ABREU. 1997. 2001. Linchamentos: atos de justiça camponesa entre a humanização da penalidade e a desumanização do indígena.83-121. pp. Direitos dos mais ou menos humanos. In: GROSSI. R. mai/1999. ALMEIDA. L. Vicerrectoría de Investigación y Desarrolo. Cambridge/MA: Transcript Printing Company: 1988. n.Blumenau: Nova Letra. KUSHER. “Não é do jeito que eles quer. R. The dilemma of cultural diversity and equivalency in Universal Human Rights standards. Human Rights and Anthropology. PRICE. Antropologia e Direitos Humanos 4. (eds). I. In: ANDRADE. Thiago A. CARDARELLO. K. FONSECA.203-242. pp. n. 2001. BIONDI. Antropologia e Direitos Humanos 4. LIMA. R.). fusos da lei: o caso makuxi. é do jeito que nós quer”: biotecnologia e o acesso aos conhecimentos tradicionais dos Khraô. 24. E. Ano 5. mai/1999.. LIMA. Niterói: EdUFF.OLIVÉ. pp. L. Santiago: Programa Internacional de Inteculturalidad. K. ZANOTTA. de P. E. Patrimônio cultural: tensões e disputas no contexto de uma nova ordem discursiva. M. 2004.132. Los desafíos de la interculturalidad: identidad. A. O’DWYER. pp. Tecendo as tramas do significado: as facções prisionais enquanto organizações fundantes de padrões sociais. Num espelho de mulher: cegueira normativa e questões de direitos humanos não resolvidas. In: NOVAES. Horizontes Antropológicos. NADER.. W. pp 55-81. Universidad de Chile. J. Antropologia e direitos humanos. Horizontes Antropológicos. Karina. pp.10. 2007. M. B. L. 303-350. Ano 5. mai/1999. Laudos periciais antropológicos em debate.10. n. . A. J. R. Usos da terras. Ano 5. L. 2006.Cultural Survival Report. D. In: LIMA Fº. G. 2006.263286. pp. Blumenau: Nova Letra. Antropologia e patrimônio cultural: diálogos e desafios contemporâneos. In: DOWNING. pp 81-136 SCHIRMER. Milka. Antropologia e direitos humanos: o dilema moral de Tashi. R. M. ÁVILA. política y derecho. R. HEILBORN.. DINIZ. C. (org. 215-238. SANTILLI.10. 85.. Quilombolas e direitos humanos no Suriname. Laudos antropológicos: pesquisa aplicada ou exercício profissional da disciplina? In: LEITE.

Direitos e sensibilidades: uma etnografia das práticas de justiça da infância e juventude. EDUFF SOUZA. R. SILVA. Rio de Janeiro: Relume Dumará: Núcleo de Antropologia Política/UFRJ. B. 2002. Cidade e práticas urbanas: nas fronteiras incertas entre o ilegal. 2006. R./dez. 10 (1). In: LIMA. Mana. LIMA.Blumenau: Nova Letra. Armadilhas da honra e do perdão: usos sociais do direito na mata pernambucana. Antônio Carlos de S. M. ZANOTTA..61. pp. Patrice. SIGAUD. pp. In: GROSSI. L. In: NOVAES.br/scielo. no. Estud. (http://www. Gestar e gerir: estudos para uma antropologia da administração pública no Brasil. Niterói: EdUFF. Quem deve guardar as crianças? Dimensões tutelares da gestão contemporânea da infância.php?script=sci_arttext&pid=S010340142007000300012&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt) VIANNA. Niterói. R. S. 2001. HEILBORN.173-191. vol. av. 57-120. Antropologia e direitos humanos. Adriana de R. Direitos humanos através da história recente em uma perspectiva antropológica. . Vera da Silva e HIRATA. Daniel veloso. 2007. Lygia. K. set. abr/2004.21. Antropologia e Direitos Humanos 4.SCHUCH. 271-312. p.scielo.Violência e Racismo. o informal e o ilícito. Jorge. M.. pp 47-80 TELLES. pp.131-163. L. R.