You are on page 1of 2

Karl Marx, o filósofo da revolução

Na base do pensamento de Marx está a ideia de que tudo se encontra em constante processo de mudança. O motor da
mudança são os conflitos resultantes das contradições de uma mesma realidade. Para Marx, o conflito que explica a
história é a luta de classes. Segundo o filósofo, as sociedades se estruturam de modo a promover os interesses da
classe economicamente dominante. No capitalismo, a classe dominante é a burguesia; e aquela que vende sua força de
trabalho e recebe apenas parte do valor que produz é o proletariado.
Segundo Marx, o conflito de classes já havia sido responsável pelo surgimento do capitalismo, cujas raízes estariam
nas contradições internas do feudalismo medieval. Em ambos os regimes (feudalismo e capitalismo), as forças
econômicas tiveram papel central. "O moinho de vento nos dá uma sociedade com senhor feudal; o motor a vapor,
uma sociedade com o capitalista industrial", escreveu Marx.
Em O Capital, Marx realiza uma investigação profunda sobre o modo de produção capitalista e as condições de
superá-lo, rumo a uma sociedade sem classes e na qual a propriedade privada seja extinta. Para Marx, as estruturas
sociais e a própria organização do Estado estão diretamente ligadas ao funcionamento do capitalismo. Por isso, para o
pensador, a ideia de revolução deve implicar mudanças radicais e globais, que rompam com todos os instrumentos de
dominação da burguesia. Marx abordou as relações capitalistas como fenômeno histórico, mutável e contraditório,
trazendo em si impulsos de ruptura. Um desses impulsos resulta do processo de alienação a que o trabalhador é
submetido, segundo o pensador. Por causa da divisão do trabalho - característica do industrialismo, em que cabe a
cada um apenas uma pequena etapa da produção, o empregado se aliena do processo total.
Além disso, o retorno da produção de cada homem é uma quantia de dinheiro, que, por sua vez, será trocada por
produtos. O comércio seria uma engrenagem de trocas em que tudo - do trabalho ao dinheiro, das máquinas ao salário
- tem valor de mercadoria, multiplicando o aspecto alienante.
Por outro lado, esse processo se dá à custa da concentração da propriedade por aqueles que empregam a mão-de-obra
em troca de salário. As necessidades dos trabalhadores os levarão a buscar produtos fora de seu alcance. Isso os
pressiona a querer romper com a própria alienação.
A alienação de que fala Marx é consequência do afastamento entre os interesses do trabalhador e aquilo que ele
produz. De modo mais amplo, trata-se também do abismo entre o que se aprende apenas para cumprir uma função no
sistema de produção e uma formação que realmente ajude o ser humano a exercer suas potencialidades. Neste conceito
exposto por Marx, nosso atual modelo de educação seria alienante, uma vez que, raramente oferece meios para um
desenvolvimento por inteiro. Antes, respondendo apenas a objetivos limitados pelas circunstâncias.
MATERIALSMO HISTÓRICO
Para Marx as mudanças históricas acontecem por causas puramente materiais. Desta forma, para Marx a “História”
não é:
- Uma coleção de feitos, como pareciam conceber os empiristas;
- Uma sucessão de categorias como concebiam os idealistas;
- Muito menos o resultado da ação isolada dos considerados personagens históricos.
Para Marx a “História” é:
- Resultado do modo em que os seres humanos organizam a produção social de sua existência;
- “Antes de mais nada, o homem deve procurar satisfazer suas necessidades. Esta é a principal causa das mudanças da
história”.
A primeira metade do século XIX foi transcendental na história da humanidade: o feudalismo foi substituído pelo
capitalismo.
- A aparição do sistema capitalista, arruinou os camponeses e artesãos até convertê-los em operários assalariados,
privados dos meios de produção e explorados.
- O capitalismo se desenvolveu de forma desigual: Inglaterra foi o primeiro país a adotar o caminho do
desenvolvimento capitalista.
- O novo sistema econômico capitalista ia apresentando grandes contradições: os burgueses eram donos de quase tudo
e os proletários sofriam a exploração.
O que leva Marx a desenvolver suas concepções sobre a história, é justamente o desenvolvimento do capitalismo. O
materialismo histórico atual, dialética refere-se à luta dos contrários em que o progresso da história emerge. A
característica essencial do método dialético é que considera que os fenômenos históricos e sociais estão em contínuo
movimento.
Ao longo da história tem havido diferentes modos de produção e as relações sociais, que, como o desenvolvimento das
forças produtivas evoluíram. Os principais modos de produção seriam conceitualmente comunismo primitivo,
escravidão, feudalismo, capitalismo e socialismo.

Para eles. Não é a consciência dos homens que determina o seu ser. que são os seguintes: a. produzem mais mercadorias e mais valor. é naturalmente escravo aquele que tem tão pouca alma e poucos meios que resolve depender de outrem. A Política). através de uma série de controles impostos aos operários. Numa palavra. A reconquista da autonomia se daria por meio da “práxis” = ação política consciente e transformadora. Consiste na intensificação do ritmo de trabalho. “Só são escravos os que foram destinados à servidão pela natureza”. são produzidos 4 pares de calçados. conclui-se que ele trabalha 6 horas de graça. mas que não fazem por si mesmos uso dela” (Aristóteles. segundo as normas da economia capitalista. determina a sua consciência. inversamente. . CAPITALISMO E SOCIALISMO O prognóstico de Marx é que a situação insustentável da luta de classes no sistema capitalista causaria uma revolução que substituiria o capitalismo pelo modo de produção socialista. ele produz o suficiente para pagar todo o seu trabalho. o salário é o que permite manter e reproduzir a força de trabalho. d. o modo de produção da vida material condiciona o desenvolvimento da vida social. Tais são os que só tem instinto. esta situação instável no interior das sociedades causada pelo confronto entre opressores e oprimidos acaba culminando em revoluções. Mas ele permanece mais tempo na fábrica. reduzindo o custo do produto e aumentando os lucros do patrão. a política. no trabalho assalariado. por exemplo. na propriedade privada. A insatisfação das classes oprimidas com sua condição acaba impulsionando convulsões sociais e revoltas.) O homem está alienado dos outros homens).Ainda para Marx. b. No exercício da revolução os indivíduos se sobrepõe as determinações impostas pelo modo de produção. Efetivamente. A IDEOLOGIA A ideologia para Marx seria o conjunto de ideias que buscam justificar as desigualdades e está presa à uma “superestrutura”.. ALIENAÇAO O conceito de alienação em Marx tem 4 aspectos principais. MAIS-VALIA ABSOLUTA 1) Aumento no tempo da jornada de trabalho. política e intelectual em geral.] todos os que não têm nada melhor para nos oferecer do que o uso de seus corpos e de seus membros são condenados pela natureza à escravidão. Em uma jornada de 8 horas. O custo de cada par continua o mesmo.. é melhor servirem do que serem entregues a si mesmos. na divisão de classes e na economia de mercado (oferta e procura). a imprensa. que incluem da mais severa vigilância a todos os seus atos na unidade produtiva até a cronometragem e a determinação dos movimentos necessários à realização das suas tarefas. é o seu ser social que. CLASSE SOCIAL – define-se como conjunto de agentes sociais nas mesmas condições no processo de produção e que têm afinidades políticas e ideológicas. produzindo mais de um par de calçados e recebendo o equivalente à confecção de apenas um. AS DETERMINAÇÕES SÃO IMUTÁVEIS? “Tudo o que era sólido se desmancha no ar”. Esta força de trabalho é paga “pelo seu valor”. representada nos valores da classe social dominante. Com isso. mas a “força de trabalho’ ou a capacidade de trabalho do operário. logo é a expressão monetária do seu custo em trabalho ou da quantidade de trabalho que a sociedade deve consagrar à manutenção e à reprodução da força de trabalho.) De seu ‘ser genérico’ ( de seu ser como membro da espécie humana). a arte e até a filosofia para impor suas ideias a classe dominada tornando a desigualdade social algo natural. sem alterar a duração da jornada. 2) Produção de mais-valia absoluta é um modo de incrementar a produção do excedente a ser apropriado pelo capitalista. E isto ocorre justamente no momento em que a classe oprimida toma consciência da sua condição de classe oprimida. c. a escola. Obviamente. Nesse período. a classe dominante utiliza a religião.) Está alienado de si mesmo (de sua própria atividade). vale dizer. Capitalismo: sistema econômico baseado no lucro. CONCEITO DE MAIS-VALIA A teoria marxista da mais-valia pode ser compreendida da seguinte forma: suponhamos que um funcionário leve duas horas para fabricar um par de calçados. “[. No interior dos modos de produção as desigualdades se tornam cada verz maiores. FORÇA DE TRABALHO – o trabalho não é comprado pelo capitalista.) O homem está alienado da natureza. assim também como o salário do proletário. O capitalista obriga o trabalhador a trabalhar em um ritmo tal que. que percebem muito bem a razão nos outros. Desta forma.