You are on page 1of 10

 

A  distopia  pós-­‐apocalíptica  em  Wall-­‐E  
Massas,  Consumo  e  Emoções  
Beatriz  Vasconcelos  Pereira  nº  37903  
 
 

 

Teoria  da  Cultura  -­‐  Ciências  da  Comunicação  
Faculdade  de  Ciências  Sociais  e  Humanas  –  Universidade  Nova  de  Lisboa  
Junho  2014  
 

 

 Começa  a  aqui  a  aventura   dos  pequenos  heróis  que  revolucionam  tudo  o  que  passa  na  nave.   Apesar   de   se   tratar  de  um  filme  infantil.   juntamente   com   a   falta   de   gravidade   e   a   alimentação     unicamente   à   base   de   fast   food  liquidificado.   Exemplificando   uma   distopia.   mas   corresponde   ao   perfil   de   filme   de   ficção   científica.   após   a   avaria   dos   robots   de   limpeza.  uma  sonda   enviada   à   Terra   em   busca   de   sinais   de   vegetação   que   permitissem   a   fotossíntese.   tendo   apenas   uma   barata   por   companhia.   Em   Wall-­‐E   foi   feito   exatamente   o   contrário.  causaram  uma  perda  de  massa  óssea  e  levaram  o  Homem  a  um  estado   de   obesidade   mórbida.   Quando   Wall-­‐E   lhe   mostra   as   sua   pequena   planta.  mas  medroso.Wall-­‐E   é   um   filme   de   animação   da   Disney   Pixar   lançado   em   2008.  Wall-­‐E  foi  nomeado  para  vários  prémios  devido  às  camadas   de  significação  que  possui  e  à  originalidade  da  sua  história.  com  referências  mais  do  que  óbvias  ao  modo  de     2   .   passando   a   viver   numa   nave.   Nessa   nave.  Este  pequeno  robot  curioso.   afirma   que   os   filmes   têm   muita   importância.  mas  também  à  razão.  apelando  a  sentimentos  como  o  amor.  Wall-­‐E   parte  atrás  dela  para  a  nave  onde  os  Humanos  se  encontram.   em   Mass   Civilisation  and  Minority  Culture.   411).  apaixona-­‐se  por  Eve.   controlada   por   máquinas.  Umberto  Eco  diz  que  se  verifica  um  fenómeno  que  a   cultura   moderna   não   via   desde   a   Idade   Média   e   o   Renascimento:   a   existência   de   um   repertório   figurativo   institucionalizado   onde   qualquer   situação.   personagem   ou   caraterística  permite  que  o  leitor  reconheça  uma  referência  alegórica  e  moral.   1991   [1964].  Com  este  tipo  de  filmes.   o   que   levou   à   construção   de   vários  robots  para  limpar  a  Terra  enquanto  o  Homem  se  refugiou  num  cruzeiro  espacial.  O    mesmo  acontece  com  as   roupas  ou  até  mesmo  com  a  alimentação.  que  têm  tendência  a  ser  copiadas  daquilo  que   o   cinema   de   Hollywood   oferece.   Na   Terra.   A   um   nível   mais   superficial.  mas  um  olhar  mais  atento  vê  neste  filme  uma  ideologia   da   afeção   pós-­‐apocalíptica.   Hollywood   é   uma   empresa   extremamente   comercial   que   opera   à   base   de   patrocínios   e   da   publicidade   e.   as   tecnologias   governam   de   tal   modo   a   vida   dos   Homens   que   a   comunicação   é   sempre   mediada   através   de   ecrãs   que   se   encontram   a   poucos   centímetros   das   suas   caras.   Wall-­‐E   conta   a   história   de   um   robot   que   faz   tudo   para  estar  ao  lado  da  sua  amada.   Apesar  de  ser  um  filme  ‘hollywoodesco’.  alterando  o  percurso   da  Humanidade.   Leavis.  O  facto  de  no  filme  ser   usada  uma  banda  sonora  mais   erudita  ou  as  personagens  lerem  um  certo  livro  vai  levar   a  que  o  público  passe  a  gostar  daquilo  que  é  usado  no  filme.   p.  deixando  de  reagir.   por   isso.   A   locomoção   é   feita   através   de   cadeiras   flutuantes   que.   com   uma   severa   crítica   aos   hábitos   consumistas   da   sociedade  atual  que  não  possuem  qualquer  consciência  das  consequências  negativas  que   as  sua  atitudes  individualistas  trarão  à  Humanidade.   o   realizador   Andrew  Stanton  mostra  quais  as  atitudes  que  não  devem  ser  tomadas  de  forma  a  que  a   raça   humana   não   destrua   o   planeta   e   acabe   a   viver   no   espaço.   uma   vez   que  exemplificam  e  representam  como  a  vida  deve  ser  pautada.  Quando  uma  nave  robotizada  vai  buscar  Eve.   apenas   Wall-­‐E   sobrevive   e   trabalha   como   se   nada   tivesse   acontecido.   Wall-­‐E   é   um   filme   de   animação.   Eve   transforma-­‐se   num   casulo   de   proteção  desta.   tenta   expor   ao   máximo   marcas  e  produtos  de  determinado  tipo  ou  companhia  para  que  possa  lucrar  com  isso.    levando  a   que  “cada  história  adquira  imediatamente  o  valor  de  uma  mensagem  que  vai  para  além   da   sequencia   aparente   dos   factos”   (Eco.   Num   cenário   pós-­‐apocalíptico   o   consumo   exacerbado   da   raça   humana   levou   ao   esgotamento   dos   recursos   naturais   e   à   poluição   do   planeta.

    Atualmente   a   preservação   da   cultura   está   a   cargo   de   uma   minoria   cultural..   os  gostos  .  fazem  surgir  um  grande  número  de  preocupações  com  o  futuro  e  com   a   vida   atual.   1943.  com  família  e   casa   para   tratar?   Esta   grande   massa   da   população   não   se   preocupa   com   a   cultura?   Na   verdade.  e  por  isso  o  poeta  sente  inveja  e  pede-­‐lhe  para  “poder  ser  tu.  como   também  de  reconhecer  as  influências  deles  e  das  suas  obras  na  atualidade.   “Temos   de   insistir  numa  ideia  de  cultura-­‐em-­‐ação.vida   americano   e   à   tendência   atual   de   americanização   como   nova   tendência   de   ‘culturalização’.  e  em  que  .   para   contrariar   a   anomia   e   a   inércia   da   população   a   nível   cultural.   10)   Continua.  vivendo  simplesmente  o  presente  e  o  agora.   sendo  que  desse  pequeno  número  a  maioria  são  artistas  que  tentam  fazer  com  que  a  sua   obra  perpetue  no  tempo.   Mas  e  a  grande  massa  de  população?  Os  grandes  grupos  de  indivíduos  que  se   afastam  destes  círculos  lobistas  e  seletivos.   a   indústria   cultural.  O  quotidiano.  canta  sem  razão!/  (.   Artaud   afirma   que   a   visão   europeia   é   apenas   de   assistir   e   de   exaltar   a   cultura   através   da   inatividade   que..  /E  a  consciência  disso!”..   A   distinção   entre   cultura   e   civilização   é   artificial   e   designa   duas   palavras   para   significar   uma   função   idêntica.”   (Artaud.  leva  à  morte  iminente.  Esta  minoria  é  capaz  não  só  de  apreciar  grandes  autores.   algo   que   lhes   dê   satisfação   e   divertimento.   como   não   têm   sentimento   crítico.  todavia   por   exigências   económicas   se   efetua   um   direcionamento   ‘oculto’   da   opinião   a   fim   de   orientar   no   âmbito   do   sistema.  bem  como  as  formas  de  agir  e  de  pensar  são  de  alguma  forma  influenciados   pelos  grandes  pensadores  e  artistas  do  passado.   sem   o   mínimo   proveito.   uma   espécie   de   segundo   hálito.  impedindo-­‐se  a  si  mesma  de  avançar.  uma  força  de   vontade  de  criar  cultura  e  de  agir  em  busca  do  progresso.  cultura  a  desenvolver-­‐se  dentro  de  nós  como  um   novo   órgão   .   a   controlar   até   as   nossas   ações   mais   subtis..   dizendo   que   o   facto   da   cultura   ocidental  ter  estancado.   Já   dizia   Fernando   Pessoa   que   o   pensamento   corrói   o   sentimento.)  Canta.  assumindo  como  verdadeiro  e  dogmático  aquilo  que  veem   na     televisão.)  como  se  tivesse/Mais  razões  para  cantar  que  a   vida”.  como  qualquer  outro  erudito.)   o   respeito   pela   autonomia   individual   é   um   princípio  declarado  e  a  multiplicidade  das  opiniões  um  artigo  de  fé.   conseguem   ser   alegres   devido   à   sua   inconsciência   sobre   o   real.   automaticamente   a   essência   desse   sentir   altera-­‐se   e   desvirtua-­‐se.   Questões   filosóficas   e   apreciações   de   obra   de   arte   além   de   maçadoras   e   por   vezes  aborrecidas.  Optam  que  alguém  lhes  dite  o  que   pensar  e  achar  da  realidade.   Antonin   Artaud   no   século   XV   já   falava   de   uma   necessidade   de   imposição   e   de   ação.   Preferem   estar   despreocupados   com   o   que   se   passa   no   mundo.   e   na   de   civilização   como   uma   cultura   aplicada.   p.   ao   propor   ao   público   a   sua   visão     3   .  sendo  eu!/Ter  a  tua   alegre  inconsciência..  o  seu  sentimento  crítico  leva  a  que  sofra  com  aquilo  que   racionaliza  e  retira  do  real.  Na  verdade  deveria  haver  uma  imposição.   pois   atribuindo   razão   a   algo   que   se   está   a   viver.   esta   massa   de   indivíduos   quer   entretenimento.   As   massas.   uma   presença   de   espírito.  relaciona-­‐se  com  a  forma   de   encarar   a   arte   como   algo   distinto   de   cultura.   Assim   Pessoa   escreve   à   pobre   ceifeira   que   “julgando-­‐se   feliz   talvez/  (..   “Numa   sociedade   em   que   (.  é  evidente  que  o  que  se  apresenta  é  um  exemplo  a  não  seguir.  com  um  trabalho  das  8h  às  8h.  que  não  os  faça  exercer  grande  esforço  mental  depois  de  um  dia  cansativo   de   trabalho.  não   abdica  da  razão  -­‐  no  entanto.  Pessoa.

  1985  [1969].  ”Os  mass  media  apresentam-­‐se  pois  como  o  instrumento  educativo   típico   de   uma   sociedade   de   inspiração   paternalista.   “A   indústria   cultural   realizou   maldosamente  o  homem  como  ser  genérico.   um   mero   exemplo.   sendo   que   os   comunicados   à   população   mundial   eram   realizados  pelo  próprio  dono  na  empresa.   as   naves   cruzeiro.  “Como  há  muita  gente  a   participar   na   indústria   cultural.  114).  sendo  que  a  humanidade  está  a  cair  numa  massa  de  indivíduos  envoltos   em  anomia  e  ignorância  sem  capacidade  mental  para  se  impor.   A   indústria   cultural   resultou   na   padronização   e   na   produção   em   série   de   objetos   culturais..   1991   [1964].   O   sentimento   crítico   e   de   exploração   individual   está  a  expirar.   entre   sujeitos   e   instituições   e   ainda   entre   de   instituições   semelhantes.   Esta   corporação   além   das   suas   grandes   lojas   detinha   bancos.   1985   [1969].   à   superfície   individualista   e   democrática.   a   não   ser   servirem   para   que   haja   uma   noção   das   vendas.   sugere-­‐lhe   aquilo   que   deve   querer   ou   que   deve   acreditar   que   quer”   (Eco.   sustentando-­‐se   na   publicidade   que   sugere   ao   publico   aquilo   que   ele   deseja.  116)   Os   meios   de   comunicação   em   massa   regem-­‐se   pelas   leis   da   oferta   e   da   procura.   p.   sacrificando   o   que   fazia   a   diferença   e   marcava   as   especificidades  de  cada  sistema  social.   é   o   absolutamente   substituível.  A  ideia  é  olhar  a  comunicação  em  massa  como  uma   forma  de  dizer  alguma  coisa  sobre  algo.   parecem   uma   típica   superestrutura   de   um   regime     4   .   substancialmente   tendente   a   produzir   modelos   humanos   heterodirigidos.  Cada  um  é  tão-­‐somente  aquilo  mediante  o   que   pode   substituir   todos   os   outros:   ele   é   fungível.  1985  [1969].   havendo   sempre   uma   estrutura   de   dominador   sobre  dominado.   Ele   próprio.  religiosas  ou  culturais.   esta  ideia  de  comunicação  em  massa  começou  a  perder-­‐se  e  os  indivíduos  esqueceram   as  suas  caraterísticas  e  opiniões.   enquanto   indivíduo.   da   procura   e   da   saída   de   certo   produto.   bombas   de   gasolina..implícita  e  fácil  do  mundo.   114).   leva   a   que   se   imponham   métodos   de   reprodução   que   tornam   inevitável   a   disseminação   de   bens   padronizados   para   a   satisfação   de   necessidades  iguais  (.   376).   difundindo   desta   forma   uma   cultura  homogénea  que  destrói  as  características  de  cada  grupo  social  específico.  No  entanto.  p.   mas   sim   uma   corporação   chamada   Buy   n’   Large   que   possuía   o   monopólio   político.   p.   sejam   elas   económicas.   Ela  é  o  carácter  compulsivo  da  sociedade  alienada  de  si  mesma”  (Adorno  &  Horkheimer.   o   puro   nada”   (Adorno   &   Horkheimer.  mas  em  vez  de  dar   ao   público   aquilo   que   ele   quer.  adopta  os  meios  da  persuasão  comercial.  Os  meios   de   comunicação   falam   para   um   público   heterogéneo.  Os  consumidores  foram  transformados  em  meros   números   sem   qualquer   importância.  “A  racionalidade  técnica  hoje  é  a  racionalidade  da  própria  dominação.  deixando-­‐se  levar  pelo  que  ouvem  nos  media.  Aqueles  indivíduos  economicamente  mais  fortes  conseguem  ditar   sobre   a   sociedade   a   técnica   a   seguir.   económico   e   cultural.  Como   afirma  Umberto  Eco.  A  comunicação  em  massa  é  por  isso  um  espaço   privilegiado  de  produção  de  discursos  sociais  que  permitem  as  relações   entre  sujeitos.  p.  de  se  fazer  ouvir  e  de  ser  alguém.     Observados   mais   profundamente.   Tal   é   evidente   no   filme   Wall-­‐E  quando   logo   nas   imagens   iniciais   é   apresentado   ao   público   a   ideia   de   que   quem   tinha   poder   de   decisão   não   era   o   Governo   Estatal.)  Os  padrões  teriam  resultado  originariamente  das  necessidades   dos   consumidores:   eis   por   que   são   aceites   sem   resistência.   Existe   uma   perspetiva   de   que   os   meios   de   comunicação   e   a   sociedade   não   podem   ser   entendidos   como   áreas   autónomas   e   independentes   entre   si:   a   sociedade   moderna  é  uma  sociedade  mediatizada.”   (Adorno   &   Horkheimer.

 O  capitalismo  explora  tão  bem  o   desejo   que   mantém   qualquer   consumidor   preso   à   sua   ideologia.   Limitam-­‐se   a   existir   sentados   em   cadeiras   flutuantes.  1991  [1964].   fazendo-­‐os   sucumbir   sem  resistência  ao  que  lhes  é  oferecido  sem  que  haja  consciência  disso.   132)   Com   a   publicidade   e   o   marketing   apresenta-­‐se   um   produto   à   população   geral   que   rapidamente   cai   na   teia   do   desejo   de   possuir.  Estas  verdadeiras   operações   de   lavagem   cerebral   eram   pensadas   ao   pormenor   não   podendo   falhar   nada.  60.  sendo  apoiadas  por  gigantes  outdoors  animados  e  coloridos.   sem   raciocinarem   um   pouco   sobre   o   porquê   dessa   mudança   ou   os   custos.)   Mascaram   esta   sua   função   de   classe   manifestando-­‐se.   de   questionar   e   de   criticar.  Tal  é  visível  no   filme  Wall-­‐E  quando  os  habitantes  da  Axiom  ouvem  uma  voz  dizer  que  o  azul  é  o  novo   vermelho   e   automaticamente   todos   alteram   a   sua   roupa.capitalista   usada   para   fins   de   controlo   e   de   planificação   forçada   das   consciências.   incapazes   de   comunicar   uns   com   os   outros   senão   por   meio   de   ecrãs   que  não  lhes  permitem  ver  nada  em  seu  redor.  1991   [1964].   O   capitalismo   passou   a   funcionar   como   uma   religião   causadora   de   fanatismo   e   obsessão.  cuja   única  intenção  é  a  de  organizar  espetáculos  que  possam  atrair  as  multidões”  (Eco.   Para   que   as   regras   da   nave   não   soem   de   forma  opressiva  são  transmitidas  aos  seus  tripulantes  através  de  altifalantes  com  vozes   animadas  e  descontraídas.   384)   Com   esta   afirmação   Umberto  Eco  previu  aquilo  que  anos  mais  tarde  aconteceria  em  Wall-­‐E.   a   raça   humana   entrega   o   ensino   das   crianças   a   robots   que   ensinam   aos   bebés   e   futuros   adultos   o   consumismo   como   religião   e   os   tornam   desde   cedo  totalmente  dependentes  da  tecnologia.  Depois  de  vários   anos   afastados   da   Terra.  p.  Esquecendo-­‐se  da  necessidade  de  educar.   1985   [1969].   nos   sentimentos.   pelo   contrário.”   (Adorno   &   Horkheimer.   nas   afeções.  mas  em  vez  de  crescerem  espontaneamente    a  partir  e  baixo.  criando  assim  uma  falsa  ideia  de  necessidade.   uma   vez   que   os   regimes   fascistas   apoiavam   nos   meios   de   comunicação   para   persuadir   e   enganar   as   populações  para  que  estas  seguissem  o  regime  sem  qualquer  desvio.  pp.   no   espaço   de   poucas   décadas   uniformizarem-­‐se   os   seus   próprios   padrões   de   cultura   e   de   gosto.     A   este   processo.   incorporando-­‐se   no   conhecimento.   colocam   aparentemente   à   disposição   os   produtos   da   cultura   superior   mas   esvaziados  da  ideologia  e  da  critica  que  os  animava.  o  capitalismo  começou  a  entranhar-­‐se  também  na  esfera   cultural.   Ugo   Rossi   afirma   que   o   capitalismo   afeta   os   processos   de   produção   e   de   sociabilização.  61)   “Esta   massa   de   observadores   passivos   verá..   segundo   um   limite   de   promiscuidade   afetiva   e   mental”   (Eco.   sob   o   aspeto   positivo   de   uma   cultura   típica   de   uma   sociedade   de   bem-­‐estar   onde   todos   têm   as   mesmas   oportunidades   de   cultura   em   condições   de   perfeita   igualdade”    (Eco.  388)   “Cada  espetáculo  da  indústria  cultural  vem  mais  uma  vez  aplicar  e  demonstrar   de   maneira   inequívoca   a   renúncia   permanente   que   a   civilização   impõe   às   pessoas.   1991   [1964].   Esta   caraterística   foi   muito   estudada   na   altura   da   segunda   guerra   mundial.   p.  são   impostos   de   cima   (.   p.   os   filósofos   da   escola   de   Frankfurt   chamaram   de   indústria     5   .   além   da   política   e   económica.   Segundo  Adorno  e  Horkheimer..  privada  de  escrúpulos  morais  e  culturais.  Assumem  os  aspetos  exteriores  de   uma  cultura  popular.  Este  tipo  de  ensino  e  de  educação  resultou   na   criação   de   um   “vasto   grupo   de   consumidores   que   permanecem   naturalmente   nas   mãos  de  uma  tecnocracia  do  ‘mass  media’.   os   humanos   deixam   de   ter   noção   de   tudo   o   que   existe   no   mundo   e   os   define   como   animais   racionais   e   emotivos.   sendo   também   gerador   da   massa   amorfa   de   população   inerte   e   inativa.   Com   efeito.

cultural.   económica   e   cultural.   No   filme  Wall-­‐E   há   um   robot   que   é   o   símbolo   deste   pensamento:   Auto  é   apresentado   como   o   vilão   da   história.   cujo   aspeto   se   assemelha   a   Hal   900   o   sofisticado   computador   do   filme   2001.   mas   sim   do   conformismo   e   da   inércia   em   que   o   Homem   se   foi   deixando   cair.   em   que   é   necessário   investir   para   que   se   produza.   Até   mesmo   nas   relações   inter   pessoais   o   poder   monetário   tem   uma   grande   influência.   ao   ponto   da   vida   humana   e   do   tempo   passarem   a   possuir   um   certo   preço   e   a   funcionar   como   moeda   de   troca.   Auto   desempenhava   as   funções   dos   comandantes.  uma  vez  que  a  ordem  de   impedir  o  regresso  dos  Homens  lhe  foi  dada  há  muitos  anos  atrás  e.   é   o   controlador   da   nave.   analisando   e   adaptando   todas   as   situações   para   que   nunca   fuja   do   seu   controlo.  Os   desdobramentos  do  impacto  das  tecnologias  da  informação  e  da  comunicação  na  era  da   globalização   são   indefinidos   e   múltiplos   tendo   implicações   na   vida   política.  O  esforço  que  o  capitão  faz  para  se  pôr  a  pé  e  desligar   o   controlo   automático   da   nave   é   o   sinal   de   que   algo   vai   mudar   drasticamente:   o   Homem   entendeu   que   pode   ser   independente   das   máquinas.  Quando  a  missão  de  despoluir  a  Terra  falhou.   a   oposição   homem   versus   máquina   atinge  finalmente  a  sua  conclusão.  como  se  fosse  um  Deus.   Com   esta   visão   apocalíptica.   Para   se   compreender   é   necessário   analisar   este   fenómeno     6   .  muito  pode   ter  mudado.  utilizando  o  capitão  como   um   mero   fantoche   que   cumpria   as   suas   ordens.  que   neste   caso   foram   sendo   substituídas   e   facilitadas   pelas   máquinas.   exercendo   a   chefia   da   nave   através   do   controlo   da   rede   de   todos   os   computadores.   As   tecnologias  da  informação  são  denominadas  por  ele  como  “tecnologias  do  espírito”  que   acabam   por   se   tornar   em   “tecnologias   de   visão   totalitária”.  desde  aí.  coube  sempre   a   este   robot   determinar   e   decidir   a   vida   dos   humanos.   Atualmente.   Auto   é   a   prova   de   que   as   máquinas  não  possuem  qualquer  tipo  de  consciência  e  reflexão.  O  capitalismo  tornou-­‐ se  numa  organização  utópica  e  desastrosa  que  molda  a  vida  das  pessoas  em  função  do   capital.   a   vida   funciona   segundo   a   visão   do   capitalismo.   Ele   acredita   que   o   Big   Brother   da   sociologia   funciona   também   nesta   área.  Auto  foi  programado  para   impedir  qualquer  tentativa  de  regresso  à  Terra.   Enquanto   que   os   comandantes   durante   os   vários  anos  descansavam  e  deixavam  a  vida  correr  em  modo  automático.   Com   o   passar   dos   anos.   Auto   tornou-­‐se  num  autêntico  manipulador  e  controlador  da  nave.   Odisseia  no  espaço.   a   despeito   de   nossas   vontades.   procurando   sempre   o   lucro.   Este   robot.   Assim   Wall-­‐E   é   um   filme  que  apela  à  reação  e  à  crença  de  que  o  Homem  é  o  único  autor  do  seu  destino.  Quando  Eve  traz  a  planta.  Ele  afirma  que  começou  a   surgir   uma   nova   razão   que   “se   introduz   nos   fundamentos   constitutivos   do   espírito   e   exerce.   O   filósofo   apocalíptico   Sfez   vê   as   mudanças   causadas   pelas   tecnologias   de   informação  e  de  comunicação  como  uma  ameaça  ao  mundo.   sábias   manipulações”.   A   cultura   tem   vindo   a   redefinir-­‐se.   Tudo   se   opera   em   volta   da   materialização   e   do   consumismo.   O   excesso   de   lixo   produzido  e  a  baixa  capacidade  mental  são  apenas  o  resultado  das  ações  humanas.   continuando  a  persistir  a  uma  espécie  de  hierarquização  arcaica.   assumindo   nas   suas   estruturas   processos   de   produção   e   de   massificação.  Auto  sabota  e   rouba   o   espécime   e   tenta   destruí-­‐lo   para   que   nada   se   altere.   Nesta   altura   do   filme   concluímos   que   a   causa   do   apocalipse   não   origina   do   uso   extremo   de   tecnologias.   Sfez   vê   as   tecnologias   da   comunicação   e   da   informação   com   um   “olhar   totalizante   ou   até   mesmo   totalitário”.   social.   exercendo   um     controlo   apertado   sobre   tudo   o   que   o   Homem   faz.     Na   luta   entre   Auto   e   o   Capitão   McCrea.

 enquanto  que  os  humanos  estão  de  tal  forma  apagados  da  sua  condição  que  nem   sabem  como  agir  nem  o  que  estão  a  sentir.   Quando  Wall-­‐E  é  apresentado  vemos  que  o  pequeno  robot  velho.   alegria.   Encontramos   nesta   longa   metragem   de   animação   um   paradoxo.  O  que  o  Homem  possui  de  natural  são  as  pulsões  e   paixões.  a  personagem  principal  do   filme  de  Steven  Spielberg  dos  anos  90.   e   uma   das   cenas   finais   em   que   Wall-­‐E   já   sem     7   .  no  entanto  há  que  refletir  sobre  até   que  ponto  essa  artificialização  não  nos  afasta  da  Terra-­‐Mãe  e  dos  propósitos  da  condição   humana   de   existência   de   que   Hannah   Arendt   falava.   Em   Wall.   Tendo   apenas   uma   barata   por   companhia.   emoções   e   pensamentos   idênticos   aos   humanos   enquanto   que   a   raça   humana   evoluiu   para   um   estado   de   inércia   e   de   sedentarismo   semelhante   ao   de   uma   máquina   insensível   e   programada   para   um   certo   tipo  o  de  tarefas  sem  nunca  fugir  à  rotina.  é  fácil  associá-­‐lo  ao  ET.   uma   espécie   que   a   raça   humana   considera  repugnante  e  tenta  a  todo  o  custo  afastá-­‐la  do  seu  mundo.  mas  não  conduzem  necessariamente  ao  apocalipse.   medo   ou   saudade   são   afeções   que   foram   ensinadas   ao   Homem   e   que   estão   presentes   na   sociedade.  Apesar  de  ser  um  robot.   O   protagonista   desta   história   trabalha   incansavelmente   no   planeta   abandonado.E   quem   possui   afeções   são   os   robots.  No  fundo  o  Homem  afastou-­‐se  das  afeções  que   o   caraterizam   nesta   sociedade   pós-­‐apocalíptica.   determinando   toda   a   dinâmica   da   vida.   sendo   que   compete   ao   Homem   aplicá-­‐las   consoante   a   esteticização   e   o   mecanismo   que   já   está   pré-­‐definido   no   indivíduo   aquando   do   seu   nascimento.   Não  é  explicado  como  tal  aconteceu.  Este  robot  é  persistente  e  extremamente  emotivo.   podemos   considerar   que  as  tecnologias  não  salvam.   Wall-­‐E   é   a   sigla   de   Waste   Allocation   Load   Lifter   –   Earth   Class   que   é   o   nome   dados   aos   robots   construídos   para   limpar   a   Terra   do   lixo   produzido   pelos   humanos.   Posto   assim.  Tristeza.   no   entanto   ao   longo   da   história   da   humanidade   o   Homem   foi-­‐se   desenvolvendo   através   da   racionalidade   as   afeções.   algo   que   supostamente  não  deveria  ser  possível  uma  vez  que  as  máquinas  não  têm  consciência.   É   verdade   que   a   cultura   e   a   civilização   foram   formas   que   o   Homem   encontrou   para   domar  as  suas  caraterísticas  animalescas  e  bárbaras.  sendo  apenas  fruto  daquilo  que  está  instaurado  na  sociedade    que  de  uma  forma   ou  outra  influencia  toda  a  população.contemporâneo   como   uma   evolução   histórico-­‐social   que   aos   poucos   foi   tornando   o   Homem   um   ser   dependente   da   tecnologia   e   afastado   da   pureza   da   sua   condição   natural.  cheio  de   amolgadelas  pertence  a  uma  geração  de  robots  antiga  com  mecanismos  muito  rústicos  e   desajeitados.   o   pequeno   robot   continua   a   todo   o   custo   tentar   recuperá-­‐la   e   conquistá-­‐la.   Os   robots   principais   da   história   apresentam   atitudes.   mas   que   facilmente   criam   empatia   no   espetador.  Wall-­‐E  continua  o   seu  trabalho  de  empilhar  o  lixo  como  se  todos  os  outros  robots  continuassem  a  fazer  o   mesmo.  enferrujado.  mas  o  filme  é  infantil  e  se  Wall-­‐E  não  possuísse  essa   capacidade  nada  no  filme  faria  sentido.  havendo  duas  cenas  do  filme   a   salientar:   quando   Eve   se   transforma   em   casulo.  Espinosa  diz  que  são  as  afeções  que  aumentam  ou  diminuem  a  potência  do   agir.   Wall-­‐E   é   um   robot   com   sentimentos   e   competência   cognitiva.  Os    grandes  olhos  de  ambas  as  personagens  são  o   que   dão   expressão   a   estes   dois   sujeitos   estranhos.   As   afeções   não   possuem   nada   de   natural.   As   afeções   são   por   isso   a   forma   como   o   Homem   é   afetado  a  nível  mental  e  físico  segundo  as  regras  da  sociedade  em  que  se  insere.

  é   apetite   consciencializado.   para   Espinosa   “O   desejo   é   inicialmente   uma   força   não   trabalhada.   cubos   de   Rubik.  Estas  pessoas  são  por  isso  vistas  como  vedetas  que  com  as  suas  propriedades   carismáticas   tornam   os   seus   comportamentos   exemplos   corretos   de   saber   ser   e   estar.   A   sua   amiga   barata   é   apenas   um   animal   de   estimação   que   Wall-­‐E   possui.   Este   robot   criou   a   sua   própria   realidade.  1991  [1964].   que   nos   obriga   a   agir.   encontrando   no   meio   do   caos   um   sistema   de   valores   próprio.  mas  leva  os  sujeitos  a  pensarem  sobre  ele  e   tentarem   explicar   o   apetite   de   fazer   algo.”  (Tendeiro.   A   cassete  que  guarda  de  Hello  Dolly!  é  aquilo  que  mais  marca  esta  pequena  máquina  que   vive   isolada   e   sente   falta   de   companhia.   Quando   surge  Eve  a  vida  de  Wall-­‐E  muda  e  este  encontra  finalmente  aquilo  que  tanto  procura  e   deseja:   companhia.   Eve   é   a   sonda   por   quem  Wall-­‐E   se   apaixona   e   quando   entra   em   cena.   luzes   de   natal   e   uma   cassete   do   musical   Hello  Dolly!   são   os   tesouros   de   Wall-­‐E   que   ele   guarda   com   todo   o   cuidado   e   estima.   desvalorizando   a   pedra   preciosa   e   apenas   se   interessando   pelo   mecanismo   da   caixa.   A   raça   humana   ao   ver   o   esforço   que   o   pequeno   herói   faz   para   agradar   à   sua   amada   percebe   que   é   necessário   agir   para   que   haja   progresso   e   se   afastem   da   monotomia  de  vida  que  levam.   lâmpadas.     Wall-­‐E  é  um  robot  que  se  assemelha  muito  a  um  humano.  tal  como  afirmam  Helal  e  Murad.   O   facto   de   Wall-­‐E   possuir   desejos   e   racionalidade  são  mais  uma  prova  da  sua  humanidade.  386).   podendo   até   modificar   os   valores   e   as   decisões   éticas.energia   aguenta   sozinho   o   dispositivo   que   permitirá   os   humanos   voltarem   a   casa.     Eco   diz   que   “em   cada   tipo   de   sociedade   existem   categorias   de   personagens   quase   sempre   detentoras   de   algum   poder.  Em  todas  as  sociedades   existe  um  grupo  de  pessoas  que  correspondem  a  uma  elite  que  são  vistos  como  modelos   a  seguir.   A   autora   continua   dizendo   que   a   racionalidade  não  suprime  nunca  o  desejo.  No  entanto.   No   cenário   apocalíptico   que   é   apresentado   a   sujidade  e  o  pó  estão  de  tal  forma  embutidos  na  cidade  que  tudo  tem  um  tom  pastel  e   cinzento.   não   orientado.   enquanto  que  Auto  e  o  capitão  estão  em  luta  e  Eve  salva  todos  os  cidadãos  da  nave.   colheres.     evidencia   um   grande   contraste   com   o   resto   filme.   sentindo   necessidade   de   amar   e   ser   amado.  p.   que   o   conhecimento   do   bem   e  do  mal  não  lhe  são  obstáculo.  p.  o  herói  só   consegue   a   redenção   e   glória   do   povo   se   as   pessoas   acreditarem   na   verdade   das   suas   ações.   impondo-­‐se   de   tal   forma   sobre   o   homem.  2006.   sendo   que   é   este  último  que  ultrapassando  limites  e  avançando  contra  todas  as  adversidades  da  vida   consegue  triunfar.   não   conseguindo   equiparar-­‐se   a   ela.  Na  sua  casa  existem   todo  o  tipo  de  objetos  que  os  humanos  deixaram  para  trás  e  que  o  fascinam.  Eve  é  um  robot  de  uma  geração  atual  e  distante  de  Wall-­‐E  e  portanto  bem  mais   desenvolvida   não   só   a   nível   programático   como   também   a   nível   estético.   Tal   também   acontece   no   filme   em   análise.   Num   branco     8   .   Segundo   Maria   da   Graça   Tendeiro.   Wall-­‐E   não   valoriza   os   objetos   que   recolhe   pelo   seu   valor   monetário.  39)  O  desejo  é  algo  caraterístico  da   raça   humana   que   permaneceu   desde   os   seus   primórdios   animalescos.   cujas   decisões   e   cujo   comportamento   influenciam  a  vida  da  comunidade”  (Eco.   A   prova   disso   é   quando   encontra   uma   caixa   com   um   anel   e   apenas   fica   com   a   caixa.   É   por   isso   necessário   criar   uma   empatia   entre   o   público   e   o   herói.   orientando   o   indivíduo   e   determinando   certos   comportamentos.  Isqueiros.  desde  que  tenha  sempre  um  intenção  pura  e  verdadeira  por  trás  da   sua  demanda.   procurando   conforto   e   apoio   noutro   ser   semelhante.

  isto   é.  constituindo  o  seu  princípio  real  de  explicação.   A   sociedade  atual  ainda  possuiu  uma  hierarquização.  a  racionalidade.  O   homem  enquanto  modo.”  (Tendeiro.   Nesta  cena  os  robots  dançam   no   espaço   à   volta  da  nave.  Mary  está  fascinada  com  as  estrelas  e  choca  com  John  que  reage  igualmente  com   espanto.   cujo   nome   associamos   à   primeira   mulher  do  paraíso  bíblico.imaculado.  ao  mesmo  tempo   que   o  capitão   pede   ao   computador   a   definição   de   dança.   Eve   é   uma   personagem   feminina   forte.  com  o  avançar  dos  tempos   o  Homem  foi  sendo  dominado  por  uma   tecnocracia   que   o   foi   afastando   da   Terra   Mãe   e   das     suas   capacidades   racionais   e   intelectuais.   Ela   é   encarada  como  um  determinado  modo  de  conhecer  e  de  agir.  corroborando  toda  a  essência  do  ensaio.   É   a   razão   que   justifica   o   modo   de   ser  das  coisas.  41)   No  fundo  é  o  amor  de  Wall-­‐E  que  desencadeia  o  regresso  dos  Homens  à  Terra  e   à  sua  condição  racional  e  emotiva.  que  lhe  determina  o  ser.   despreocupados   com   a   realidade   e   o   futuro.     9   .   Na   sociedade   pós-­‐apocalíptica   que   Wall-­‐E   retrata.   Wall-­‐E   tenta   a   todo   o   custo   agradar-­‐lhe.   fazendo   com   que   estes   últimos   se   deixem   influenciar  por  estes  sujeitos.   os   robots   começam   a   assumir   uma   posição   idêntica   à   do   Homem   com   sentimentos.  É  neste  ponto  que  se  dá   uma  mudança  significativa  na  posição  do  Homem:  ao  despertar  a  curiosidade  e  o  sentido   de   exploração.   tendo   como   base   a   racionalidade   própria   da   sua   espécie.   sempre   que   atingimos   as   ideias   adequadas   ou   um   determinado   grau   de   consciência.   “A   razão   humana   não   é   algo   de   autónomo   que   atua   no   homem.  fazendo-­‐a  sair   daquelas   espécie   de   coma   e   explorar   o   mundo   por   si.   conseguindo   finalmente   um   beijo   quando   recupera   a   planta   que   Auto  tenta   a   todo   o   custo   eliminar.   ágil   e   determinada   e   por   isso   fascina   tanto   Wall-­‐E.   Wall-­‐E  necessita  de  um  amigo  e  de  amor  por  isso  corre  atrás  de  Eve  até  à  nave   dos   humanos   no   espaço.   estas   duas   personagens   vão   saindo  da  sua  bolha  e  vão  aprendendo  a  ser  humanos  de  novo.   O   filme   de   animação   de     Andrew   Staton   é   assim   um   dos   exemplos   máximos   desta   teoria.   aquela   robot   de   formato   oval   apresenta   uma   fluidez   de   movimentos   que   contrasta   com   a     rigidez   de   Wall-­‐E.  Agir  pela  razão   é  agir  consoante  a  natureza  de  cada  um.  consegue  ter  um  lado  terno  e  carinhoso  que  mostra  através     dos   seus   olhos   em   luz   LED.   Concluindo.   estes  humanos  descobrem  o  contacto  físico  e  qual   a   sensação   de   comunicar   um   com   o   outro.  política  e  até  na  cultura.  Ela  tem  força  suficiente  para  definir  o  homem   naquilo  que  ele  tem  de  específico.  tem  uma  ratio  própria.  2006.   desejos   e   razão.  permitindo-­‐lhe  que  esta  desfrutasse  da  realidade.   Quando   Wall-­‐E   e   Eve   passam   a   dançar.   deixando-­‐se   dominar   pelas   tecnologias.   Aos   poucos.  Com  o  toque  das  suas  mãos.  p.  o  logos  do  próprio  ser.  Quando  agimos  de  forma   adequada   inserimo-­‐nos   e   participamos   nela.  O  capitalismo  e  o  consumo  exacerbado  tornaram-­‐se  num   imperativo  que  atua  em  todos  os  níveis  da  sociedade:  economia.  um  humano  que  Wall-­‐E  ajudou   a   levantar-­‐se   quando   caiu   da   cadeira   e   Mary   a   quem   Wall-­‐E   desligou   sem   intenção   os   ecrãs  de  comunicação.   Eve.     Os   indivíduos   têm   vindo   a   sofrer   uma   maquinização   que   os   tornou   em   seres   sedentários   e   conformados.   os   humanos   perderam   a   sua   capacidade   crítica.   como   é   capaz   de   se   tornar   numa   guerreira   destemida   e   empenhada  em  concluir  o  seu  projeto.  em  que  os  sujeitos  economicamente   mais   fortes   dominam   os   mais   francos.   os   homens   começam   a   reagir.   Neste   cenário.   Há   também   dois   humanos   envolvidos   nesta   cena  que  já  tinham  estado  em  contacto  com  Wall-­‐E:  John.

com/2010/10/cultura-­‐e-­‐ idolatria1.pdf   Leavis.  On  the  varying  ontologies  of  capitalism:  Embeddedness.  U.  Elementos  para  pensar  as  tecnologias  da  informação  na  era  da   globalização.unesp.  R.  (1985  [1969]).unb.  (2011).files.pdf   Steiner.  Apocalípticos  e  Integrados.  &  Horkheimer.  R.  Prentice  Hall.centrodefilosofia.  (2006).  Rio  de  Janeiro.  Sociedade  Brasileira  de  Estudos  Interdisciplinares  da  comunicação   (INTERCOM).wordpress.  No  castelo  do  Barba  Azul:  Algumas  notas  para  a  redefinição  da  Cultura.  U.  N.   Artaud.  A  discusivização  em  Wall.  C.  (1991  [1964]).  Turim:  Sage.  M.br/exlibris/bd/tcc/bba/3199/2011/medina_ c_tcc_bauru.  (1943).  O  teatro  e  o  seu  duplo.   Medina.  Lisboa:  Difel.br/bitstream/10482/12173/1/ARTIGO_ElementosPensarT ecnologias.  Mass  Civilisation  and  Minority  Culture.   Antropos.  Bauru.com/uploads/pdfs/philosophica/28/4.  Dialética  do  esclarecimento:   Fragmentos  Filosóficos.  Lisboa.athena.  tecnologia  e  poder.   Bianco.   Dispossession.  consumo  e  fantasia.  T.  M.pdf             10   .  A.  (2012).E:  sociedade.   http://comunicacaoeesporte.  Subsumption  .  Edição  Fenda.pdf   Eco.   Helal.  O  desejo  na  ética  de  Espinosa.   Rossi.   http://www.  F.  (2001).   http://www.   Tendeiro.  Rio  de  Janeiro:  Jorge  Zahar  Ediotr  Ltda.   Bibliografia   • • • • • • • • • • Adorno.  d.   http://repositorio..  G.  R.  Cultura  e  Idolatria:  Ilusão.biblioteca.