You are on page 1of 74

Módulo B2

A Internet

07/2012

RNG - Módulo B2

1

A Internet
Conteúdo
B2.1 – O que é a Internet?
B2.2 – Periferia da Internet
B2.3 – Núcleo da Internet
B2.4 – Meios de Acesso à Internet
B2.5 – A Estrutura da Internet e ISPs
B2.6 – Perdas e Atrasos em Redes de Pacotes
B2.7 – Modelos de Camadas
B2.8 – História da Internet
07/2012

RNG - Módulo B2

2

Módulo B2.1
O que é a Internet?

07/2012

RNG - Módulo B2

3

Componentes • Milhões de sistemas computacionais interligados: – PCs. telefones router servidor executam aplicações de rede laptop ISP local • Canais de comunicação ISP regional – fibra. servidores – Laptops. cobre. rádio. smartphones.Módulo B2 4 . satélite – ritmo de transmissão proporcional à largura de banda • Nós de encaminhamento (routers): transmitem pacotes (blocos de dados) 07/2012 PC rede empresarial RNG .

FTP. recepção de mensagens router PC servidor – e. IP. TCP.Módulo B2 rede empresarial 5 . PPP portátil ISP local • Internet: “rede de redes” – hierarquicamente fraca – Internet pública versus intranet privada (Intranet) ISP regional • Normas da Internet – RFC: Request For Comments – IETF: Internet Engineering Task Force 07/2012 RNG . HTTP.Componentes • Protocolos controlam o envio..g.

jogos. bases de dados. e-mail. comércio electrónico. votações. partilha de ficheiros (mp3) • Serviços de comunicação oferecidos às aplicações: – sem ligação (connectionless) – com ligação (connectionoriented) 07/2012 RNG .Módulo B2 6 .Serviços • A infra-estrutura de comunicação permite aplicações distribuídas: – WWW.

Módulo B2 7 . ou outros eventos 07/2012 Os protocolos definem o formato. e as acções na transmissão e recepção de mensagens RNG .Protocolos Protocolos humanos: • “que horas são?” • “Eu tenho uma pergunta” • apresentações Protocolos de rede: máquinas em vez de humanos. toda a actividade de comunicação na Internet é governada por protocolos … mensagens específicas enviadas … acções específicas realizadas quando são recebidas mensagens. ordem das mensagens enviadas e recebidas entre as entidades de rede.

Módulo B2 8 .Protocolos Um protocolo humano e um protocolo de redes Olá! Pedido de ligação TCP Olá! Aceitação de ligação TCP Tens horas? 2:00 <ficheiro> tempo 07/2012 RNG .

Estrutura da Rede • Periferia da rede: aplicações e máquinas • Núcleo da rede: – routers – redes de redes • Redes de acesso: linhas de comunicação 07/2012 RNG .Módulo B2 9 .

Módulo B2 10 .Módulo B2.2 Periferia da Internet 07/2012 RNG .

Periferia da Internet • Sistemas terminais (hosts): – executam aplicações – e.g.g. e-mail – na “periferia da rede” • Modelo cliente/servidor – o cliente faz pedidos.Módulo B2 11 . cliente WWW/servidor. VoIP. interacção simétrica – e. recebe respostas de um servidor sempre ligado – e.g. BitTorrent 07/2012 RNG . WWW. cliente email/servidor • Modelo par-par (peer to peer): – pouco (ou nenhum) uso de servidores dedicados.

Periferia: serviço com ligação Objectivo: transferência de Serviço TCP [RFC 793] dados entre sistemas terminais • handshaking: preparar para a futura transferência de dados • fiável.Módulo B2 12 . transferência de dados como fluxo de bytes por ordem – protocolo humano “Olá”.Transmission Control Protocol – Serviço com ligação da Internet 07/2012 – perdas: confirmações (acknowledgements) e retransmissões • controlo de fluxo: – o emissor não ultrapassa a capacidade do receptor • controlo de congestionamento: – emissores “reduzem o ritmo de transmissão” quando a rede está sobrecarregada RNG . “Olá” de resposta – inicializa “estado” nos dois sistemas em comunicação • TCP .

Periferia: serviço sem ligação Objectivo: transferência de Aplicações que usam TCP: dados entre sistemas terminais • HTTP (WWW). informação videoconferência.User Datagram Protocol mail) [RFC 768]: Serviço sem ligação da Internet Aplicações que usam UDP: – transferência não fiável de • Fluxos de som/vídeo. SMTP (e• UDP . telefone – sem controlo de fluxo via Internet – sem controlo de congestionamento 07/2012 RNG . – tal como antes! Telnet (login remoto).Módulo B2 13 . DNS. FTP (transferência de ficheiros).

Módulo B2.3 Núcleo da Internet 07/2012 RNG .Módulo B2 14 .

Módulo B2 15 .O Núcleo da Rede • Malha de nós de encaminhamento (routers) interligados • A questão fundamental: como são transferidos os dados através da rede? – comutação de circuitos: circuito dedicado por chamada: rede telefónica – comutação de pacotes: dados enviados através da rede em “blocos” distintos 07/2012 RNG .

Módulo B2 16 .Comutação de Circuitos Reserva de recursos extremo a extremo para cada “chamada” • largura de banda. capacidade de comutação • recursos dedicados: não há partilha • desempenho tipo circuito (garantido) • necessário estabelecimento de ligação 07/2012 RNG .

g..Comutação de Circuitos Recursos da rede (e.Módulo B2 17 . largura de banda) dividida em “partes” • partes atribuídas a chamadas • parte dos recursos parada se não for utilizada pela chamada (sem partilha) 07/2012 dividindo a largura de banda das linhas em “partes”: ❍ multiplexagem por divisão na frequência (FDM) ❍ multiplexagem síncrona por divisão no tempo (STDM) RNG .

Módulo B2 18 .Comutação de Circuitos: FDM e STDM Exemplo: FDM 4 utilizadores frequência tempo STDM frequência tempo 07/2012 RNG .

B partilham os recursos da rede • cada pacote usa toda a largura de banda da linha • os recursos são utilizados à medida do necessário Divisão da banda em “partes” Recursos Dedicados Reserva de recursos 07/2012 RNG .Comutação de Pacotes Cada fluxo de dados extremo a extremo é dividido em pacotes • os pacotes dos utilizadores A.Módulo B2 Contenção na utilização dos recursos: a procura agregada de recursos pode exceder a quantidade disponível congestionamento: pacotes esperam para usar a linha “store and forward”: pacotes percorrem um salto de cada vez ❍ transmitir numa linha ❍ esperar a vez na próxima linha 19 .

07/2012 RNG .Multiplexagem Estatística Ethernet 10 Mbps A B C multiplexagem estatística 1.Módulo B2 20 . Em STDM cada utilizador obtém o mesmo slot numa trama TDM em constante rotação.5 Mbps fila de espera de pacotes à espera de transmissão na linha D E A sequência de pacotes de A & B não tem um padrão fixo multiplexagem estatística (ATDM).

Módulo B2 21 .Comutação de pacotes versus Comutação de circuitos A comutação de pacotes permite que mais utilizadores usem a rede! • Linha de 1 Mbps • cada utilizador: – 100 kbps quando “activo” – activo 10% do tempo N utilizadores Linha de 1 Mbps • comutação de circuitos: – 10 utilizadores • comutação de pacotes: – com 35 utilizadores.0004 07/2012 RNG . a probabilidade de > 10 activos é inferior a 0.

não há necessidade de estabelecimento de ligação Congestionamento excessivo: atraso e perda de pacotes – são necessários protocolos para transferência fiável de dados e controlo de congestionamento • Q: Como oferecer comportamento do tipo circuito? – aplicações de áudio/vídeo precisam de garantias de largura de banda – problema ainda por resolver satisfatoriamente. 07/2012 RNG .Comutação de pacotes versus Comutação de circuitos A comutação de pacotes é necessariamente melhor? ☺ Óptimo para dados com rajadas – partilha de recursos – mais simples.Módulo B2 22 .

5 Mbits • R = 1.Módulo B2 23 .5 Mbps • atraso total= 15 seg RNG .Comutação de pacotes: store-and-forward L R R • Demora L/R segundos a transmitir um pacote de L bits numa linha de R bps • O pacote deve chegar inteiro ao router antes de poder ser transmitido na próxima linha: store and forward • atraso total= 3L/R 07/2012 R Exemplo: • L = 7.

Módulo B2 24 . mantém-se fixo ao longo da ligação – routers mantêm estado por ligação 07/2012 RNG . que determina o próximo nó – caminho fixo determinado no estabelecimento de ligação. encaminhamento) • Rede por datagramas: – endereço de destino num pacote determina o próximo nó – os caminhos podem mudar durante uma sessão – analogia: conduzir um carro. perguntar o caminho • Rede com circuitos virtuais: – cada pacote leva um identificador (ID de circuito virtual).Redes de comutação de pacotes: Encaminhamento • Objectivo: transmitir pacotes pelos nós (routers) da origem até ao destino – Existem vários algoritmos de selecção de caminho (i.e.

07/2012 RNG .Módulo B2 25 .Taxonomia de Redes Redes de Telecomunicações Redes de Comutação de Pacotes Redes de Comutação de Circuitos FDM Redes com VCs TDM Redes de Datagramas • Uma rede de datagramas não é nem com ligação nem sem ligação: • A Internet oferece às aplicações serviços tanto com ligação (TCP) como sem ligação (UDP).

Módulo B2 26 .4 Meios de Acesso à Internet 07/2012 RNG .Módulo B2.

Módulo B2 27 .Redes de acesso e meios físicos Q: Como ligar um sistema terminal a um router da periferia da rede? • redes de acesso residenciais • redes de acesso institucionais (escolas. empresas) • redes de acesso móveis Importante: • ritmo (bits por segundo) da rede de acesso? • partilhado ou dedicado? 07/2012 RNG .

Módulo B2 28 .26 V.90 2400 4800 9600 9600 14400 33600 56000/ 33000 1200 1600 2400 2400 2400 4800 8000 1968 1972 1976 1984 1988 1996 1998 V.33 V.32 V. Norma Débito (bps) (Down/Up) Baud rate Data V.34 V.27 V.92 56000/ 48000 8000 2000 07/2012 RNG .Acesso residencial: modem • Ligação telefónica via modem – até 56kbps dedicados para o router no lacete local – Não é possível surfar e telefonar ao mesmo tempo: não se pode estar “sempre ligado” – Acesso de banda estreita.29 V.

Acesso residencial: ADSL ADSL: Asymmetric Digital Subscriber Line – Transmissão efectuada sobre o lacete local com ritmos de banda larga. 07/2012 RNG .4 KHz para o telefone – O ritmo atingido é uma função do comprimento (até cerca de 5 kms) do lacete e da qualidade do par entrançado. – Ritmos de acesso mais elevados (até 100 Mbps downstream são atingidos com as mais recentes tecnologias de ADSL 2+ e VDSL).6 a 20 Mbps ascendente – FDM: 50 KHz .1 MHz descendente (downstream) 4 KHz . – 12 a 55 Mbps descendente – 1.Módulo B2 29 .50 KHz ascendente (upstream) 0 KHz .

Acesso residencial: ADSL Internet MPEG Central Pública Telefónica ADSL Fio cobre 4 Km ADSL TV PC Head-End CATV 07/2012 RNG .Módulo B2 30 .

07/2012 RNG . que especifica camada física e camada de ligação de dados.Acesso residencial: Cable Modems • HFC: Hybrid Fiber Coax – Transmissão efectuada sobre a rede de acesso HFC com ritmos de banda larga.Módulo B2 31 .2 MHz (up). – O cliente tem um cable modem instalado para acesso à rede. – Assimétrico: até 50Mbps descendente. – Instalação: disponível através das empresas de TV por cabo. sobre o cabo. 4 Mbps ascendente – Redes de cabo e fibra óptica ligam as casas ao router do ISP • acesso ao router partilhado entre as casas – Normalmente utilizado o standard DOCSYS (Data Over Cable Service Interface Specification). Utiliza canais de 6 MHz (down) e entre 200 kHz e 3.

cabledatacomnews.Acesso residencial: Cable Modems Diagrama: http://www.com/cmic/diagram.Módulo B2 32 .html 07/2012 RNG .

FTTN (Fiber to the Node) FTTC (Fiber to the Curb/ Cabinet) FTTB (Fiber to the Building) FTTH (Fiber to the Home) Ritmos de acesso podem atingir centenas de Mbps. Acesso parcial ou total por fibra.Módulo B2 33 . 07/2012 RNG . Configuração genérica é designada por FTTx.Acesso residencial: Fibra Óptica Acesso com ritmos de banda larga. dependendo do acesso por fibra ser total ou parcial.

Acesso por Fibra Óptica

07/2012

RNG - Módulo B2

34

Acesso empresarial: LAN
• Redes locais (LAN - Local Area Network)
ligam os sistemas terminais a routers de
periferia
• Ethernet:
– linha partilhada ou dedicada interliga os
sistemas terminais e os routers
– 10 Mbps, 100Mbps, 1 Gbps, 10 Gbps
• A ligação à Internet será feita por um dos
métodos atrás indicados.

07/2012

RNG - Módulo B2

35

Acesso sem fios
• Rede de acesso sem fios interliga
sistemas terminais ao router
– via estação base chamada ponto de
acesso (access point)

• LANs sem fios:
– 802.11b/g (Wi-Fi): 11/54 Mbps
partilhados na banda de 2,4 GHz.
– 802.11n: 65 a 300 Mbps partilhados na
banda de 2,4 e/ou 5 GHz.

• Acesso sem fios de área alargada
– oferecido por operador de
telecomunicações
– 3G ~ 14 Mbps (down); 2 Mbps (up)
– 4G ~ 100 Mbps (down); 8 Mbps (up)
07/2012

RNG - Módulo B2

router
estação
base

portáteis

36

Módulo B2 37 . • WiMAX foi originalmente especificado para utilizar as frequências 10 a 66 GHz.16m) prevê-se acesso até 1 Gbps.Acesso por WiMAX • WiMAX (Worldwide Interoperability for Microwave Access) é um protocolo de comunicações para acesso fixo e móvel à Internet. • A versão actual permite acesso a 40 Mbps até algumas dezenas de kms.16. Novas versões usam também as frequências 2 a 11 GHz.. • Normalizado pelo IEEE com a designação IEEE 802. • No futuro (IEEE 802. É uma alternativa a ADSL e HFC. 07/2012 RNG . • WiMAX atribui slots temporais aos utilizadores pelo que o controlo de qualidade de serviço é mais fácil.

Redes Residenciais Componentes típicos de uma rede residencial (exemplo): • ADSL ou cable modem • router/firewall/NAT • Ethernet • ponto de acesso sem fios para/de raiz do cabo cable modem router/ firewall Ethernet (comutada) 07/2012 portáteis sem fios RNG .Módulo B2 ponto de acesso sem fios 38 .

Módulo B2.5 A Estrutura da Internet e ISPs 07/2012 RNG .Módulo B2 39 .

cobertura nacional/internacional – Directamente ligado a cada um dos outros tier-1 Os fornecedores de 1ª linha (Tier-1) interligam-se (peer) privadamente Tier 1 ISP NAP Tier 1 ISP Tier 1 ISP 07/2012 RNG . Cable & Wireless). Verizon.Módulo B2 Os fornecedores de 1ª linha também se interligam em pontos de acesso públicos (NAP - network access points) 40 .g. AT&T. Sprint. NTT..Estrutura da Internet • Hierarquicamente fraca • No centro: ISPs de primeira linha (tier-1) (e.

ISP de primeira linha Rede Americana de backbone da Sprint 07/2012 RNG .Módulo B2 41 .

ou no NAP Tier-2 ISP tier-1 07/2012 RNG .Módulo B2 42 .ISPs de segunda linha • ISPs de segunda linha (tier-2): ISPs mais pequenos (frequentemente regionais) – Ligam-se a um ou mais ISPs de primeira linha. possivelmente outros ISPs de segunda linha – Cobertura regional ou nacional. Tier-2 ISP Os ISP de segunda Tier-2 ISP linha pagam a ISPs Tier 1 ISP de primeira linha NAP pela conectividade ao resto da Internet Um ISP tier-2 é Tier 1 ISP Tier 1 ISP cliente de um fornecedor Tier-2 ISP Tier-2 ISP ISPs de segunda linha também se interligam privadamente.

ISPs de terceira linha • ISPs de terceira linha (tier-3) e ISPs locais – redes de acesso mais próximas dos sistemas terminais local ISP Os ISPs locais e de terceiro nível são clientes de ISPs de nível mais elevado que os ligam ao resto da Internet 07/2012 Tier 3 ISP local ISP Tier-2 ISP local ISP local ISP Tier-2 ISP Tier 1 ISP NAP Tier 1 ISP Tier-2 ISP local local ISP ISP Tier 1 ISP Tier-2 ISP local ISP RNG .Módulo B2 Tier-2 ISP local ISP 43 .

Estrutura da Internet • Um pacote passa por muitas redes! local ISP Tier 3 ISP local ISP Tier-2 ISP local ISP local ISP Tier-2 ISP Tier 1 ISP NAP Tier 1 ISP 07/2012 Tier-2 ISP local local ISP ISP Tier 1 ISP Tier-2 ISP local ISP RNG .Módulo B2 Tier-2 ISP local ISP 44 .

net/ http://www.net/ 07/2012 RNG .Módulo B2 45 .dante.Na Europa: Rede GEANT http://www.geant.

Módulo B2 46 .Módulo B2.6 Perdas e Atrasos em Redes de Pacotes 07/2012 RNG .

Módulo B2 47 . 07/2012 Descartados (perdas) se não houver buffers livres RNG .Como ocorrem perdas e atrasos? Os pacotes esperam em filas nos buffers do router • Ritmo de chegada de pacotes excede a capacidade da linha de saída • Pacotes esperam em fila pela vez de serem transmitidos pacote sendo transmitido (atraso) A B pacotes na fila de espera (atraso) Buffers livres (disponíveis): para pacotes que chegam.

Processamento nos nós: • verificar bits errados • determinar linha de saída 2. Espera na fila • tempo de espera na linha de saída pela transmissão • depende do nível de congestionamento no router transmissão A propagação B processamento espera na fila no nó 07/2012 RNG .Módulo B2 48 .Quatro fontes de atraso dos pacotes 1.

Atraso de propagação: • d = comprimento da linha (m) • v = velocidade de propagação do meio (~2x108 m/s) • atraso de propagação = d/v Nota: v e R são quantidades muito diferentes! propagação B processamento espera na fila no nó 07/2012 RNG . Atraso de Transmissão: • R=ritmo da linha (bps) • L=tamanho do pacote (bits) • tempo para enviar os bits para a linha = L/R transmissão A 4.Módulo B2 49 .Quatro fontes de atraso dos pacotes 3.

significativo para linha de baixo ritmo • Tprop = atraso de propagação – alguns microssegundos a centenas de milisegundos 07/2012 RNG .Módulo B2 50 .Atraso nos nós Tatraso nó = Tproc + Tfila + Ttransm + Tprop • Tproc = atraso de processamento – tipicamente alguns microssegundos ou menos • Tfila = atraso na fila de espera – depende do congestionamento • Ttransm = atraso de transmissão – = L/R.

atraso médio infinito! 07/2012 RNG .Módulo B2 ρ L Tfila = 1− ρ R 51 .Atraso nas filas • R=ritmo da linha (bps) • L=comprimento do pacote (bits) • a=taxa média de chegada de pacotes intensidade de tráfego: ρ= La/R La/R ~ 0: atraso médio na fila pequeno La/R -> 1: atraso torna-se grande La/R > 1: chega mais “trabalho” do que pode ser servido.

Atrasos e caminhos “reais” na Internet • Como são os atrasos e perdas na Internet “real”? • Programa traceroute: mostra medidas de atrasos da fonte para routers ao longo do caminho para o destino final na Internet. 3 sondas 3 sondas 3 sondas 07/2012 RNG . Para cada i: – envia três pacotes até ao router i no caminho para o destino – router i retorna os pacotes para o emissor – o emissor mede o tempo entre a emissão e a resposta.Módulo B2 52 .

net (193.98.96.wae.145) 1 ms 1 ms 2 ms 3 cht-vbns.102) 123 ms 125 ms 124 ms 14 r3t2-nice.50) 113 ms 121 ms 114 ms 11 renater-gw.119.abilene.103.8. router não responde) 18 * * * 19 fantasia.edu 1 cs-gw (128.147.132.cs.net (204.25 (194.de.142) 132 ms 128 ms 136 ms 07/2012 RNG .umass.edu para cs-gw.25) 126 ms 128 ms 126 ms 17 * * * * significa sem reposta (pacote perdido.geant.fr (193.220.cssi.net (62.11.fr (193.129) 109 ms 102 ms 104 ms 10 de.46) 22 ms 22 ms 22 ms linha 8 62.fr1.129) 16 ms 11 ms 13 ms 5 jn1-so7-0-0-0.ucaid.cssi.umass.55.136.eurecom.vbns.umass.40.119.9) 22 ms 18 ms 22 ms 7 nycm-wash.40.renater.253) 104 ms 109 ms 106 ms transoceânica 9 de2-1.Atrasos e caminhos “reais” na Internet traceroute: gaia.edu (198.edu (128.de1.geant.ucaid.Módulo B2 53 .54) 112 ms 114 ms 112 ms 12 nio-n2.130) 6 ms 5 ms 5 ms 4 jn1-at1-0-0-19.96.fr1.eurecom.211.51.net (62.umass.wor.211.206.fr (195.gw.3.98.214.cs.254) 1 ms 1 ms 2 ms 2 border1-rt-fa5-1-0.gw.cs.renater.103.edu para www.fr.13) 111 ms 114 ms 116 ms 13 nice.220.net (62.fr (195.edu (128.214.net (204.fr três medidas de atraso de gaia.32.32.fr.40.119.geant.113.r3t2.abilene.240.ft.vbns.50.110) 126 ms 126 ms 124 ms 15 eurecom-valbonne.147.48.103.3.136) 21 ms 18 ms 18 ms 6 abilene-vbns.253 (62.edu (198.40.54) 135 ms 128 ms 133 ms 16 194.40.umass.renater.cssi.

o pacote é descartado (perda) • Os pacotes perdidos podem ser retransmitidos pelo nó anterior. 07/2012 RNG . ou nem sequer serem retransmitidos.Módulo B2 54 . pela fonte.Perda de pacotes • A fila de espera (buffer) antes da linha tem capacidade finita • Quando chega um pacote e a fila está cheia.

Módulo B2.7 Modelos de Camadas 07/2012 RNG .Módulo B2 55 .

Módulo B2 56 . software 07/2012 Pergunta: Há alguma esperança de organizar a estrutura da rede? Ou pelo menos a nossa discussão de redes? RNG .Camadas de Protocolos As redes são complexas! • muitas “partes”: – máquinas – routers – ligações por vários meios – aplicações – protocolos – hardware.

actualização do sistema – mudança da implementação do serviço de uma camada é transparente para o resto do sistema.Porquê dividir em camadas? Tratar de sistemas complexos: • uma estrutura explícita permite a identificação. 07/2012 RNG . relacionamento de partes de sistemas complexos – modelo de referência de camadas para discussão • modularização facilita a manutenção.Módulo B2 57 .

Módulo B2 58 . UDP Aplicação Transporte • Rede: encaminhamento de datagramas (pacotes) da fonte para o destino – IP.Pilha de protocolos da Internet • Aplicação: suporta as aplicações de redes – FTP. HTTP • Transporte: transferência de dados extremo a extremo – TCP. protocolos de encaminhamento • Ligação de dados: transferência de dados entre elementos de rede vizinhos Rede Ligação de dados Físico – PPP. SMTP. Ethernet • Físico: transferência de bits no canal 07/2012 RNG .

Divisão em camadas: comunicação lógica Cada camada: • “entidades” distribuídas implementam funções da camada em cada nó • as entidades realizam acções. dados físico aplicação transporte rede lig. dados físico 59 .Módulo B2 rede lig. trocam mensagens com entidades pares 07/2012 aplicação transporte rede lig. dados físico aplicação transporte rede lig. dados físico aplicação transporte rede lig. dados físico RNG .

dados físico 60 .: transporte • recebe dados da aplicação • junta endereço.g. dados físico ack aplicação transporte rede lig. informação de verificação de erros para formar um datagrama • envia o datagrama ao seu par • espera que o seu par lhe envie a confirmação 07/2012 dados aplicação transporte transporte rede lig.Divisão em camadas: comunicação lógica E.Módulo B2 dados rede lig. dados físico RNG . dados físico dados aplicação transporte transporte rede lig. dados físico aplicação transporte rede lig.

dados físico RNG . dados físico aplicação transporte rede lig. dados físico 07/2012 rede lig.Módulo B2 dados aplicação transporte rede lig. dados físico 61 . dados físico aplicação transporte rede lig.Divisão em camadas: comunicação física dados aplicação transporte rede lig.

Camadas de Protocolos e Dados Cada camada recebe dados de cima • junta informação no cabeçalho para criar nova unidade de dados • envia a nova unidade de dados para a camada abaixo M Ht M Hn Ht M Hl Hn Ht M 07/2012 fonte destino aplicação Aplicação transporte rede lig. dados físico físico RNG . Dados Transporte rede lig.Módulo B2 M mensagem Ht M Hn Ht M Hl Hn Ht M segmento datagrama trama 62 .

dados físico Hn Ht Hl Hn Ht M M router RNG .fonte mensagem segmento Ht M datagrama Hn Ht M trama Hl Hn Ht M M Encapsulamento aplicação transporte rede lig. dados físico Hn Ht Hl Hn Ht M M rede lig. dados físico Hl Hn Ht M lig.Módulo B2 63 . dados físico Hl Hn Ht M comutador (switch) destino M Ht M Hn Ht Hl Hn Ht M 07/2012 M aplicação transporte rede lig.

Módulo B2 64 . dados Trama Físico 07/2012 RNG .Modelo de referência OSI Camada Aplicação Protocol Data Unit Apresentação Sessão Transporte Rede Pacote Lig.

Camada de apresentação – representação dos dados. codificação dos símbolos. Camada de transporte – transporte fiável de dados extremo a extremo • 3. Camada de ligação de dados – controlo de fluxo e de erros troço a troço • 1. Camada física – envio e recepção de bits. sintaxe e semântica. Camada de aplicação – aspectos específicos da aplicação • 6. Camada de rede – encaminhamento da informação da fonte para o destino • 2.Modelo de referência OSI • 7. pinos nas fichas. cifra e compressão • 5. Camada de sessão – controlo do diálogo e sincronização • 4.Módulo B2 65 . 07/2012 RNG .

Módulo B2 66 .Conceitos importantes no modelo OSI • Serviços – cada camada oferece serviços à camada acima – define o que a camada faz. – define parâmetros e resultados. • Protocolos – regras governando o formato e significado das mensagens trocadas entre entidades pares da mesma camada. 07/2012 RNG . semântica da camada • Interfaces – como aceder aos serviços da camada.

Módulo B2 67 .8 História da Internet 07/2012 RNG .Módulo B2.

comutação de pacotes nas redes militares • 1967: ARPAnet concebida pela Advanced Research Projects Agency • 1969: primeiro nó da ARPAnet operacional 07/2012 • 1972: – ARPAnet demonstrada publicamente – NCP (Network Control Protocol) primeiro protocolo máquina a máquina – primeiro programa de correio electrónico (e-mail) – ARPAnet tem 15 nós RNG .teoria das filas de espera mostra a eficácia da comutação de pacotes • 1964: Baran .História da Internet 1961-1972: Primeiros princípios da comutação de pacotes • 1961: Kleinrock .Módulo B2 68 .

SNA. redes novas e proprietárias • 1970: rede de satélite ALOHAnet no Hawai • 1973: tese de doutoramento de Metcalfe propõe a Ethernet • 1974: Cerf e Kahn arquitectura para interligar redes • fim anos 70: arquitecturas proprietárias: DECnet. XNA • fim anos 70: comutação de pacotes de tamanho fixo (precursor do ATM) • 1979: ARPAnet tem 200 nós 07/2012 princípios de interligação de redes de Cerf e Kahn: – minimalismo.História da Internet 1973-1980: Interligação de redes. autonomia não são necessárias modificações internas para interligar redes – modelo de serviço de melhor esforço – routers sem estado – controlo descentralizado definem a arquitectura da Internet de hoje RNG .Módulo B2 69 .

BITnet. proliferação das redes • 1982: definido protocolo de correio electrónico SMTP • 1983: instalação do TCP/IP • 1983: definido o DNS para tradução de nomes para endereços IP • 1985: definido o protocolo FTP • 1988: controlo de congestão de TCP 07/2012 • novas redes nacionais: Csnet. Minitel • 100 000 máquinas ligadas à confederação de redes RNG .Módulo B2 70 . NSFnet.História da Internet 1980-1990: novos protocolos.

HTTP: Berners-Lee – 1994: Mosaic. +100 milhões de utilizadores • linhas do núcleo funcionam a Gbps. partilha de ficheiros par-par (e. 1995) • Início dos anos 90: WWW – hipertexto [Bush 1945. novas aplicações • Início dos anos 90: fim da ARPAnet • 1991: NSF levanta restrições ao uso comercial da NSFnet (fim.g. Nelson 1960’s] – HTML. depois Netscape – fim dos anos 90: comercialização da Web 07/2012 Fim dos anos 90 – 2000: • mais aplicações na moda: mensagens instantâneas. WWW..Módulo B2 71 . Napster) • segurança nas redes como prioridade • estimativa de 50 milhões de máquinas. RNG . 2000’s: comercialização.História da Internet 1990.

07/2012 • Integração de dados. • Crescente influência social. Facebook. e. • Uso predominante do peerto-peer. • Evolução para IPv6 a decorrer devido a exaustão de endereços IPv4. • Cerca de 1 bilião de pesquisas Google.g. RNG . blogs. 300 milhões de utilizadores a ler blogs e 2 biliões de videos vistos no Youtube por dia. • Mais do que 90% da informação telecomunicada corre na Internet.Módulo B2 72 . ecommerce.. voz e vídeo na maioria das aplicações.História da Internet • Situação em 2012 • Utilizadores da Internet acima de 2 biliões de pessoas. • Tendência para aumento do número de acessos móveis.

Referências [1] James Kurose & Keith Ross. “Computer Networks” (5th edition). 2009. 5th edition. Prentice Hall. Computer Networks. 2010. Addison Wesley. [2] Andrew Tanenbaum. 07/2012 RNG .Módulo B2 73 .

Quais as vantagens que uma rede de comutação de circuitos tem em relação a uma rede de comutação de pacotes? Quais as diferenças entre STDM e FDM no ponto de vista do utilizador? 2.000 bits entre os hosts A e B ligados por uma rede de comutação de circuitos? Admita que todos os circuitos na rede usam STDM com 24 slots e com um ritmo de 1.536 Mbps. O circuito tem um tempo de estabelecimento igual a 500 ms. 3.Módulo B2 74 . Quais as diferenças fundamentais entre um ISP tier-1 e um ISP tier-2? 07/2012 RNG . Quanto tempo demora a enviar um ficheiro de 640.Exercícios B2 1.