Minerais e suas propriedades

Prof. Renê Macêdo

• Material de apoio:

Apêndice no final do Decifrando a Terra

Acervo de Minerais on line da Unesp

http://www.rc.unesp.br/museudpm/banco/grm.html
www.webmineral.com

CTG - Dept. de Geologia

Sumário
• Minerais e suas origens;
• Propriedades físicas e morfológicas dos
minerais;
• Propriedades elétricas;
• Propriedades magnéticas;
• Propriedades químicas;

CTG - Dept. de Geologia

• Como se formam os minerais?

• Qual a importância dos minerais ao homem?

CTG - Dept. de Geologia

Classificação Sistemática dos Minerais
Agrupados com base no ânion ou radical
aniônico dominante na fórmula química (James
Dana); •Elementos Nativos
•Tungstatos e molibdatos
•Sulfetos
•Silicatos:
•Sulfossais
•Piroxênios
•Óxidos
•Anfibólios
•Halóides
•Argilominerais
•Carbonatos
•Micas e Talco
•Nitratos
•Feldspatos
•Boratos
•Plagioclásios
•Sulfatos e cromatos
•Feldspatóides
•Fosfatos, arseniatos e
•Quartzo
vanadatos
CTG - Dept. de Geologia

• Substância homogênea, inorgânica, de ocorrência
natural com propriedades químicas e físicas definidas
em estado sólido;

Ilmenita

Tirolita

http://www.rc.unesp.br/museudpm/banco/grm.html
CTG - Dept. de Geologia

Ouro
associado a
quartzo

• Composição química bem definida: pode ser
representado por uma fórmula química;
Dolomita:
CaMg(Co3)2

Pirita: FeS2

CTG - Dept. de Geologia

• Outros minerais podem apresentar uma série, onde um
elemento pode ser total ou parcialmente substituído por outro;
• Um exemplo seria os piroxênios que não apresentam
composição química definida podendo variar com os elementos
Mg e Fe se substituindo mutuamente em várias proporções na
composição do mineral (solução sólida) - (Mg,Fe)SiO2;
Enstatita (Piroxênio)

(Mg, Fe)SiO2

CTG - Dept. de Geologia

• Os minerais podem ser constituídos por um único elemento

químico, tais como o ouro nativo (Au), o antimônio (Sb) e o
diamante (C);

Cristal de Diamante

Cristal de Bismuto

Cristais de Antimônio
CTG - Dept. de Geologia

Cristais de Enxofre

• Entretanto, devido à tendência natural que os elementos químicos
mais abundantes no universo tem de se combinarem entre si, a
maioria dos minerais são compostos formados por dois ou mais
elementos;

• Pirita – FeS2
• Ortoclásio – KAlSi3O8
• Alguns possuem uma composição mais complexa:
Pumpellyita – (Fe2+)(Ca2(Fe2+Fe3+)(Al,Fe3+)2Si3(O,OH)14)

CTG - Dept. de Geologia

• Isomorfismo – Minerais com diferentes composições
químicas que apresentam mesma estrutura
cristalina.
Ex: Halita (NaCl) e Silvita (KCl).

CTG - Dept. de Geologia

• Solução Sólida - propriedade comum em vários minerais e é
controlada pelo intercâmbio de determinados elementos na
estrutura cristalina; (íons com valência diferente, mas com
raio iônico semelhante; também ocorre pelo controle da
temperatura).

• Substâncias de composição intermediária, comum em
olivinas.
Ex: Forsterita (Mg2SiO4) e Faialita (Fe2SiO4)

CTG - Dept. de Geologia

• Polimorfismo - propriedade de uma substância química se
cristalizar em diferentes tipos de arranjos atômicos, ou seja,
minerais com mesma composição química mas com estrutura
diferente;
• Pressão e temperatura são os principais fatores que
possibilitam o polimorfismo;
Ex: Diamante (C) e Grafita (C).

• O diamante (+denso) forma-se no manto a em condições de
alta T e P, enquanto que a grafita (-densa) no interior da
crosta;
CTG - Dept. de Geologia

Origem dos Minerais
• Se formam pela cristalização a partir do
resfriamento de magmas;
• Rearranjo de íons em temperaturas
intermediárias (metamorfismo);
• Precipitação de sais pela evaporação de uma
solução;

CTG - Dept. de Geologia

• Estrutura cristalina: possui arranjo atômico
geometricamente ordenado;
Arranjo atômico

Na+

Halita: NaCl

Cl-

• Cristal: sólido homogêneo com ordem interna
regular limitado por faces planas;
Cristal de
Topázio
CTG - Dept. de Geologia

• Sempre que sua cristalização se der em condições
ideais, a organização atômica interna do mineral se
manifestará em uma forma geométrica externa com a
consequente formação de vértices, arestas e faces
naturais;
Topázio

Tremolita

CTG - Dept. de Geologia

Forma
Cristalográfica

• Mineralóide: Qualquer sólido ou líquido que ocorre
naturalmente, sem arranjo sistemático de átomos
(estrutura cristalina);

Âmbar

Mercúrio
Obsidiana

• São minerais ou mineralóides - Cálculo renal, rochas
fosfáticas (guano)?
CTG - Dept. de Geologia

• O gelo formado nas regiões polares é considerado um
mineral, no entanto, a água em estado líquido, não;

Imagens de microscópio de varredura eletrônica
(MVE) mostrando cristais de gelo.
CTG - Dept. de Geologia

• Rocha: Agregado natural e multigranular
formado de um ou mais minerais e/ou
mineralóides;
Granito
(Rocha composta
por minerais)

Quartzo
(Mineral)

Biotita
(Mineral)
CTG - Dept. de Geologia

Feldspato
(Mineral)

• Minério – é um termo usado quando a rocha ou
mineral apresenta importância econômica;

Pechblenda (Uraninita) – rocha rica em
Óxido de Urânio

Bauxita – rocha rica em oxi-hidróxido de
alumínio

CTG - Dept. de Geologia

Propriedades Físicas e Morfológicas
dos Minerais
Identificando os minerais

CTG - Dept. de Geologia

Hábito Cristalino
• É a forma geométrica habitual externa do mineral que reflete
o arranjo atômico interno (estrutura cristalina);
• Tipos:
1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.
8.
9.

Prismático (colunar);
Fibroso;
Acicular (agulhas);
Tabular (lâminas);
Equidimensional;
Botroidal (glóbulos em grupo);
Esferoidal;
Pulverulento;
Dendrítico (arborescente);
CTG - Dept. de Geologia

Magnesita

• Alguns minerais tem hábitos cristalinos tão distintos que os
tornam facilmente reconhecíveis;
Magnetita (Fe3O4) Octaedro

Micas - Tabular

Limonita Fe(OH)3- Botroidal
Calcita (CaCO3) - Romboedro

CTG - Dept. de Geologia

Galena (FeS2)- Cúbico

CTG - Dept. de Geologia

Transparência
• É a capacidade de permitir a passagem de luz;
• Tipos:
1. Transparentes – não absorvem ou pouco absorvem luz;
2. Translúcidos – absorvem consideravelmente a luz;
3. Opacos – absorvem totalmente a luz;

CTG - Dept. de Geologia

• A transparência pode depender da espessura do mineral.
Alguns se tornam transparentes em camadas delgadas;
CTG - Dept. de Geologia

Brilho
• Quantidade de luz refletida pela superfície do
mineral;
• Tipo:
1. Metálico – reflete > 75% da luz incidente;
2. Não-metálico – reflete < 75% e divide-se em:
- Vítreo (brilho da fratura fresca do vidro);
- Gorduroso (brilho do azeite);
- Sedoso
- Terroso
CTG - Dept. de Geologia

Brilho terroso da Caulinita
Brilho metálico da Hematita

Brilho vítreo do Quartzo

Brilho gorduroso da Esfalerita
CTG - Dept. de Geologia

Cor
• Resulta da absorção seletiva de parte do espectro que
compõe a luz. Existem alguns fatores que colaboram para
absorção como:
• 1) elementos de transição (Fe, Cu, Ni, Cr, V) na composição
química do mineral;
• 2) defeitos na estrutura atômica e;
• 3) pequenas inclusões de minerais;
• Tipos:
1) Idiocromáticos: Cor característica (enxofre);
2) Alocromáticos: Cor variada (turmalina, quartzo);

CTG - Dept. de Geologia

Quartzo - Alocromático

Quartzo rosado
Quartzo esfumaçado

Quartzo leitoso

Enxofre (Idiocromático)

CTG - Dept. de Geologia

Traço
• Traço, ou a cor do traço, representa a cor do pó mineral.
Obtêm-se a cor do pó mineral riscando-o sobre uma
superfície branca de porcelana;
• Muito útil para identificar tipos de minerais ferrosos e opacos
que apresentam traços de variadas cores (vermelho, marrom,
amarelo, etc.);

CTG - Dept. de Geologia

Traço da Hematita – Vermelho acastanhado

Dureza
• Resistência que o mineral apresenta ao ser riscado;
• Depende do tipo de ligação química;
• A escala de dureza foi proposta pelo mineralogista
australiano F. Mohs: Dureza de minerais comuns;

CTG - Dept. de Geologia

CTG - Dept. de Geologia

Fratura
• Superfície irregular e curva, após quebra do mineral que é
controlada pela estrutura atômica (maneira como o mineral se
quebra quando a clivagem é ausente);
• Tipo:
1. Irregular: superfícies rugosas e irregulares;
2. Conchoidal: superfícies lisas e curvas (forma de concha);

CTG - Dept. de Geologia

Fratura Conchoidal em quartzo

Fratura Conchoidal em vidro vulcânico

Fraturas Irregulares em Enxofre

Fraturas Irregulares em Limonita
CTG - Dept. de Geologia

Clivagem
• Tendência do mineral se partir em planos regulares
relacionados com a estrutura cristalina;
• Quando o mineral é submetido a esforços externos este pode
romper-se em planos preferenciais;
• Todo plano de clivagem é paralelo a uma face cristalina;
• Um mesmo mineral pode apresentar mais de um plano de
clivagem;
• Nem todos os minerais apresentam clivagem, neste caso, dizse clivagem ausente ou não observável;

CTG - Dept. de Geologia

• Tipos de clivagem:
Perfeita, boa ou imperfeita;
Podem variar em até 3 direções;
Calcita – perfeita em 3 direções

• A clivagem geralmente atua nos
planos de fraqueza da estrutura
cristalina;

CTG - Dept. de Geologia

• Direção dos planos de clivagens:

Perfeita em 1 direção

Perfeita em 2 direções

Perfeita em 3 direções

CTG - Dept. de Geologia

• Muscovita – clivagem perfeita em uma
direção;

CTG - Dept. de Geologia

• Feldspato – clivagem boa e imperfeita (2
direções);

CTG - Dept. de Geologia

• Halita – clivagem perfeita em 3 direções;

CTG - Dept. de Geologia

• Clivagem ausente em quartzo;

CTG - Dept. de Geologia

Densidade Relativa
• É defini-se através da razão entre quantas vezes o volume
do mineral é mais pesado que o volume da água (H2O)
expressa em g/cm³;

• Maioria dos minerais formadores de rocha:
2.5 < d < 3.3 g/cm³
• Alguns minerais com elementos de maior peso atômico
(Ba, Pb, Sr):
d > 4 g/cm³
CTG - Dept. de Geologia

Geminação
• Propriedade dos minerais
intercrescimento regular;
• Tipos:
1. Simples: dois indivíduos

Geminação simples da Estaurolita

CTG - Dept. de Geologia

apresentarem

2. Múltipla: vários indivíduos – polissintética;

Geminação múltipla em Pirita

Geminação múltipla em Cerussita
CTG - Dept. de Geologia

Tenacidade
• Medida de coesão de um mineral, ou seja, sua resistência à
quebra, esmagamento, dobragem, etc..
• Tipos:
1.
2.
3.
4.
5.
6.

Frágil: quebra ou pulveriza facilmente; Ex: maioria dos
minerais.
Séctil: pode ser cortado por uma faca; Ex: Bismuto.
Maleável: pode ser transformado em lâminas ao se aplicar
uma força entre placas; Ex: Chumbo, Ouro.
Dúctil: pode ser transformado em fios; Ex: Alumínio, Platina.
Flexível: pode ser curvado não retornando à sua forma
original, típico de minerais com estrutura em folha; Ex: Talco e
Clorita – ligações de Van der Waals ou pontes de hidrogênio;
Elástico: pode ser curvado retornando à sua forma original;
Ex: Micas – Ligações iônicas de K++
CTG - Dept. de Geologia

Propriedades Elétricas
• É a capacidade de alguns minerais serem condutores
de corrente elétrica;
• Não condutores (ligações iônicas e covalentes):
– Maioria dos minerais; Bons isolantes;

• Condutores (ligações metálicas):
– Metais – elementos nativos (Au, Ag, Cu);

• Semi-condutores (ligações parcialmente metálicas):
– Sulfetos – (Pirita, FeS2)
CTG - Dept. de Geologia

• Piezoeletricidade:
– Transforma pressão mecânica em carga elétrica.
Ex: Quartzo – Relógio de quartzo, Computadores,
etc..

• Piroeletricidade:
– Eletricidade é gerada pelo aumento da
temperatura. O mineral quando aquecido gera
corrente elétrica.
Ex: Turmalina – Sensores de temperatura.

CTG - Dept. de Geologia

Propriedades Magnéticas
• Capacidade de um mineral atrair ferro, metais e
imãs;
Ex: Magnetita (Fe3O4) e Pirrotita (Fe1-xS)

Únicos minerais que podem ser atraídos por um campo
eletromagnético.

Geralmente estão contidos em rochas ígneas e metamórficas importante para estudos de paleomagnetismo terrestre.
CTG - Dept. de Geologia

Propriedades Químicas
Ligações
Químicas

Forma /Observações

Exemplos

Iônicas

União de Cátions e Halita (NaCl) – Na
1+ Cl 1Ânions

Covalentes

Compartilhamento de Átomos de C no
elétrons entre átomos diamante

Metálicas

Compartilhamento
(elétrons livres de
átomo para átomo nuvens)

Van der
Waals

Mais
fraca,
une
moléculas e unidades
estruturais
neutras.
Rara.

Metais
ou
elementos
nativos (Au, Ag,
Cu, Al)

Grafita: camadas
de átomos de C
(covalente),
unidas entre si
(Van der Waals)
CTG - Dept. de Geologia

Recapitulando
• Como se formam os minerais?

• Qual a importância dos minerais ao homem?

CTG - Dept. de Geologia

Próxima Aula

Aula 7 - Rochas

CTG - Dept. de Geologia