Negociação com

Governo

CGTP - IN (Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses Intersindical Nacional), organização associada / influenciada actualmente
pelo Partido Comunista Português (PCP), constituída por federações, uniões
e vários Sindicatos:
a) SEP - Sindicato Enfermeiros Portugueses e
b) SERAM - Sindicato dos Enfermeiros da Região Autónoma da Madeira que formam a
c) CNESE - Comissão Negociadora dos Sindicatos de Enfermagem,
responsável pelas negociações com o governo)
UGT (Uniao Geral dos Trabalhadores) – Criada em 1978, devido a um corte
posterior histórico com a CGTP (na altura conhecida por Intersindical
Nacional) por divergências de opiniões, maioritariamente através do Partido
Socialista (PS) e Partido Social Democrático (PSD) conservador, constituída
por federações, uniões e vários Sindicatos:
a) SE (Sindicato dos Enfermeiros - antigo SEN (Sindicato dos
Enfermeiros do Norte), que em associação com
b) SIPE (Sindicato Independente Profissionais de Enfermagem, sem
associações políticas ou centrais sindicais – órgão independente),
formam juntos a
c) FENSE (federação nacional dos sindicatos dos enfermeiros),
responsável pelas negociações com o governo

CNESE – Caderno Reivindicativo de 16 Fevereiro 2016, assente em dois
pilares essenciais: Emprego e Carreira de Enfermagem, disponível em
http://www.sep.org.pt/index.php/sindicato/accao-sindical/6552-cnesecaderno-reivindicativo-enfermeiros-2016
FENSE - Celebrar o Acordo Coletivo de Trabalho (Carreira de Enfermagem);
implementação da Jornada Contínua; Reposição dos três níveis de Gestão;

Reconhecimento dos Enfermeiros especialistas; aplicação de Horários – de
acordo com a lei e Atualização da remuneração
Ver http://www.senfermeiros.pt/se/documentos/com19.pdf (19/01/2015)
Ver http://www.enfermeiros-sipe.com/documentos/pacote%20de%20negocia
%C3%A7%C3%A3o%20colectiva%20setembro%202015.pdf (setembro de
2015) – pacote de negociação coletiva em negociação no ministério – ver
Acordo coletivo de trabalho proposto – da pagina 43 à 50.
Ver
http://sersindicalista.blogspot.pt/2016/04/oficio-ao-m-s-alerando-paraas-demoras.html
(30/03/2016)
Ver
http://www.sindicatodosenfermeiros.pt/index.php/osindicato/noticias/155-processo-negocial-act-9-9-2016 (09/09/2016)
Ver ainda http://senfermeiros.pt/se/documentos/1001razoes.pdf

Passando a citar um colega que muito prezo na profissão, temos portanto
neste momento 4 sindicatos, com duas grandes centrais sindicais
negociadoras com o governo.
Numa
central,
o
recurso
à
greve
geral
é
constante
(ver
https://www.flipsnack.com/EduardoBernardino/10-anos-de-greves.html
),
noutra, o recurso aos tribunais são frequentes, e a greve é decretada como
ultima instancia de luta laboral…
Curiosamente, quando ambas as centrais negociais estão de acordo, e
lutam com um mesmo objectivo comum, resultados obtém-se…
tardiamente…
mas
obtém-se!
(ver
e
rever
https://www.publico.pt/2010/03/23/sociedade/noticia/federacao-nacional-deenfermeiros-avanca-para-greve-se-tutela-nao-alterar-tabela-remuneratoria1428919 )
Cada Enfermeiro tem o DEVER de participar ativamente nas reivindicações
da profissão. Se, porventura, não se revê em nenhum deles, pode formar
um novo, pode aderir / criar um movimento organizado de trabalhadores e
pode também mobilizar-se para apresentar alternativas às lideranças
existentes dentro dessa estrutura…
Se não fizer nada é que não está a ajudar a profissão…
Objetivamente, e após extensa revisão bibliográfica,a grande diferença
entre estas duas centrais sindicais e o porquê da existência (ou não) de
duas mesas negociais diferentes no governo… na FENSE em 2009 foi
assinado um Acordo Colectivo de trabalho que define a necessidade de
realização de acordos colectivos de trabalho para o nivelamento entre os

CTFP e CIT nas instituições publicas (ver acordo completo em
http://www.cite.gov.pt/asstscite/downloads/legislacao/Ac_colectiv_trabalho_1
_09.pdf )... E esta é a essência do SE e do SIPE… a realização de acordos
colectivos de trabalho nas instituições para corrigir várias assimetrias!
Esta não é de todo a essência do SEP e SERAM, pois a sua essência define
que deve haver igualdade de base, alterando a lei existente (o que me
parece difícil, pois existem contratos individuais de trabalho e contratos de
trabalho de funções publicas) – o típico exemplo é o da reversão dos
funcionários públicos para as 35 horas de trabalho semanal e os CIT
manterem-se a 40 horas semanais. Outro exemplo é o de actualmente
existirem recém licenciados com um ordenado base superior a alguns
funcionários públicos que trabalham há 10 anos. A visão SEP é uma visão, a
meu ver, redutora da classe profissional, sendo que para esta mesma
instituição existe a função pública (regida sob a lei geral do código de
trabalho da função publica) e o privado (regido pelo código de trabalho). Os
CIT existentes nas EPE não se encontram encaixados em nenhum patamar
(pelo que pude perceber o SEP defende que deverão ser encaixados – e
bem, na função publica, mas as soluções demoram a aparecer no que diz
respeito à sua execução), mas os CIT existentes no privado regem-se pelas
leis do privado…
Existem
de
facto
muitas
assimetrias
na
profissão…
(ver
https://www.facebook.com/photo.php?
fbid=10210183099322714&set=gm.1214295738589947&type=3&theater )
há que regulariza-las, e tal apenas é possível sendo-se sindicalizado,
participando ativamente na profissão…
Não será altura de fazer um exercício de consciência?...para mim, é tempo
de compreender que:
1) O sindicalismo só existe se a sua massa sindical também existir... mais
uma vez, se não gostam do Enfº Azevedo (SE), escolham outro sindicato, se
não gostam do Enfº José Carlos Martins (SEP), encontrem outras opções...
num extremo criem outro novo sindicato...mas ao menos SINDICALIZEMSE PARA PODEREM CRITICAR !
2) O maior inimigo da classe Enfermeira é a própria classe... tanta crítica,
tanto queixume e pouca ou nenhuma acção... se faz de uma maneira, é
porque devia ter feito de outra, se há possibilidade de negociação, tem que
ser para todos, se é azul, deveria ser verde... somos uma classe desunida,
descontente...
3) Se não queres fazer parte do problema... então torna-te parte da
solução... mas tanta crítica, tanta opinião negativa, tanto ataque... não

ajudam…
4) Somos sem dúvida uma classe fraturada... mas ainda acredito que nos
podemos reerguer... ainda acredito que nos podemos unir... ainda acredito
que podemos voltar a ser!

De qualquer forma, deixo o meu apelo… SINDICALIZA-TE!
SE – http://www.sindicatodosenfermeiros.pt/index.php/novo-socio
SIPE - http://www.enfermeiros-sipe.com/ser-socio/
SEP - https://www.sep.org.pt/sindicaliza-te/inscricao/
SERAM - http://www.seram.pt/inscricao-de-novo-socio/