ORIGEM DO UNIVERSO, DOS

MINERAIS E ROCHAS
Prof. Mário de Lima Filho

Linha Cósmica do Tempo

Até o momento, a explicação mais aceita sobre a origem do universo entre a comunidade
cientifica é baseada na teoria da Grande Explosão, em inglês, Big Bang. Ela apoia-se, em
parte, na Teoria da Relatividade do físico Albert Einstein e nos estudos dos astrônomos
Edwin Hubble e Milton Humason, os quais demonstraram que o universo não é estático e
se encontra em constante expansão - ou seja, as galáxias estão se afastando umas das
outras. Com isso, podemos concluir que no passado elas deveriam estar mais próximas
do que estão hoje, e, até mesmo, estariam formando um único ponto.

Mas como foi que isso aconteceu, exatamente?

A teoria do Big Bang foi anunciada em 1948 pelo cientista russo naturalizado estadunidense,
George Gamow e o padre e astrônomo belga Georges Lemaître. Segundo eles, o universo
teria surgido após uma grande explosão cósmica, entre 10 e 20 bilhões de anos atrás. O
termo explosão refere-se a uma grande liberação de energia, criando o espaço-tempo.
Até então, havia uma mistura de partículas subatômicas (quarks, elétrons, neutrinos e suas
partículas) que se moviam em todos os sentidos com velocidades próximas à da luz. As
primeiras partículas pesadas, prótons e nêutrons, associaram-se para formarem os núcleos
de átomos leves, como hidrogênio, hélio e lítio, que estão entre os principais elementos
químicos do universo.
Ao expandir-se, o universo também se resfriou, passando da cor violeta à amarela, depois
laranja e vermelha. Cerca de 1 milhão de anos após o instante inicial, a matéria e a radiação
luminosa se separaram e o Universo tornou-se transparente: com a união dos elétrons aos
núcleos atômicos, a luz pode caminhar livremente. Cerca de 1 bilhão de anos depois do Big
Bang, os elementos químicos começaram a se unir, dando origem às galáxias.

A busca pela compreensão sobre como foi desencadeado o processo que
originou o universo que temos hoje, proporcionou – e ainda proporciona –
vários debates, pesquisas e teorias que possam ser capazes de explicar tal
fenômeno. É um tema que desperta grande curiosidade dos humanos desde
os tempos mais remotos e gera grandes polêmicas, envolvendo conceitos
religiosos, filosóficos e científicos.

Origem do Sistema Solar - Teoria da Nebulosa
1.Nuvem gasosa (H-He) +
outros elementos > peso

2.Contração de fragmentos
de rochas e gases por
gravidade
3.Rotação, concentra
material mais quente no
centro (Protosol)
4. T °C, solidifica Fe e
Ni ... rochas
5.Fragmentos condensados
7.Sol vaporiza H, He, NH3, CH4 e H2O de planetas
colidem, juntam-se 
próximos
Protoplanetas

6.Acúmulo sucessivo de
mais fragmentos 
Planetas

8.Radioatividade + colisão de partículas  fusão
interna  elementos densos 
, leves  
diferenciação da Terra  Atmosfera (vida)

PARA LEMBRAR
Litosfera – Parte Sólida da Terra Elementos mais comuns na crosta terrestre
(porcentagem em massa) O > Si > Al > Fe> Ca Elementos mais comuns na
crosta terrestre (porcentagem em massa) O > Si > Al > Fe> Ca
Minerais: são substâncias de origem inorgânica e natural que ocorrem na
natureza no estado sólido, com uma composição química definida e uma
estrutura interna de átomos na forma de arranjo geométrico. Apresentam-se
geralmente na forma de cristais.
Rochas: São agregados de minerais que formam toda a crosta terrestre e as
partes mais profundas do planeta (com exceção do núcleo externo, que é a
única parte líquida existente no interior da Terra). Rochas: São agregados de
minerais que formam toda a crosta terrestre e as partes mais profundas do
planeta (com exceção do núcleo externo, que é a única parte líquida existente
no interior da Terra).

A primeira atmosfera

As plantas fotossintetizadoras
evoluíram e converteram mais
dióxido de carbono em
oxigênio. Ao longo do tempo
o excesso de carbono ficou
aprisionado nos combustíveis
fósseis, rochas sedimentares
(rochas calcárias) e nas
conchas dos animais.

BIF

Evidências fósseis indicam que as cianobactérias existiram há
aproximadamente 3,3 bilhões de anos e foram os primeiros organismos
fototrópicos evoluídos que produziram oxigênio. Essas bactérias seriam
responsáveis pela conversão inicial da atmosfera da Terra de um estado
anóxico (com baixo teor de oxigênio) para um estado com muito
oxigênio. Sendo as primeiras a realizar a fotossíntese, essas bactérias
foram capazes de converter o dióxido de carbono em oxigênio,
desempenhando o papel principal na oxigenação da nossa atmosfera

M i n e r a i s e R o c h a s
 Definição de Mineral, Mineralóide e Rocha
 Mineral:
1.Sólido

2.Substância homogênea (uniformidade e constância nas propriedades
químicas, físicas e óticas

características possibilitam
identificação)
3.Composição química bem definida
(pode ser representada por fórmula química)
4.Arranjo de átomos geometricamente ordenado
(estrutura cristalina)
5.Produzido por processos inorgânicos naturais

 Mineralóide:
Qualquer sólido ou líquido, natural, sem arranjo sistemático de
átomos (estrutura cristalina)

 Rocha:
Agregado natural e multigranular, com um ou mais minerais
mineralóides

e/ou

Propriedades Físicas (Morfológicas) dos Minerais

Função da estrutura cristalina e composição química

 Hábito Cristalino:
Forma geométrica externa habitual
(reflete estrutura cristalina, mas ...)
Tipos:
Tabular, Prismático, Fibroso, Acicular, Placoso, Equidimensional,
Botroidal, Esferoidal, Pulverulento

 Transparência:
Transparentes não absorvem, ou pouco a luz
Translúcidos
absorvem significatimente a luz
Opacos
absorvem totalmente a luz
 Brilho:
Quantidade de luz refletida pela superfície do mineral
Metálico:

reflete > 75 % da luz incidente

Não-metálico: reflete < 75 % ...
Vítreo
fratura fresca do vidro
Gorduroso azeite, gordura
Sedoso
seda
Terroso
solo (pulverulento)

 Cor:
Resultante da absorção seletiva da luz
Fatores que colaboram para absorção:
Elementos de transição (Fe, Cu, Cr, Ni, V)
Defeitos na estrutura atômica
Pequenas inclusões de minerais
IDIOCROMÁTICOS:
cor característica ... Exemplo: Enxofre
ALOCROMÁTICOS:
cor variada ...
Exemplos: Turmalina, Quartzo

 Traço:
Cor pó do mineral
Branco (incolor)
Translúcidos e Transparentes (Maioria)
Coloridos: vermelho, marron, amarelo)
Opacos (Exemplo: Ferrosos)
Minerais de D > 7 (  porcelana)
Obter pó por moagem / pulverização

 Dureza (D):
Resistência que possui ao ser riscado

 Escala de Mohs

Friedrich Mohs (1773 - 1839), Mineralogista Alemão
dureza de minerais comuns

 Fratura:
Superfície irregular e curva, após quebra
Tipos:
Irregular, Conchoidal

 Clivagem:
Planos regulares, contínuos, espaçamento
superfície de quebra
Controlada por estrutura atômica
Tipos:
Ausente, Perfeita, Boa, Imperfeita
Denominadas TAMBÉM por sólidos geométricos:
cúbica, romboédrica

regular,

naturais

...

 Densidade Relativa (d):
Quantas vezes volume do mineral é mais pesado que igual volume de
H2O a 4 oC
Comum: 2,5 < d < 3,3 g/cm3
Maioria dos minerais formadores de rocha
Elevada:
d > 4 g/cm3
Minerais com elementos  peso atômico ...
Ba, Pb, Sr
 Geminação:
Cristais mesma espécie intercrescem regularmente
Tipos:
Simples e Múltipla
(« Em Cruz », Carlsbad, Polissintética)

 Tenacidade:
Frágil
quebra ou pulveriza sob choque
mecânico
Séctil
cortado com canivete
Maleável
moldado entre placas
Flexível
Elástico comumente não observável a olho nu

 Estrutura:
Modo como grupos de cristais (ou grãos) se agregam, ou intercrescem
Tipos:
Granular, Compacto, Terroso

 Propriedades magnéticas:
Magnetita (Fe3O4) e Pirrotita (Fe1-XS):
únicos visivelmetne atraídos por campo
eletro-magnético ?????

Magnético, Paramagnético e Diamagnético

magnético

ou

 Propriedades elétricas:
Não-condutores (ligações iônicas e covalentes)

Maioria

Condutores (ligações metálicas):
Metais – Elementos Nativos (Au, Ag, Cu,

EXCETO « C »)

Semi-condutores (ligações parcialmente metálicas)
Sulfetos
PIEZOELETRICIDADE:
Transforma pressão mecânica em carga elétrica Exemplo: Quartzo
PIROELETRICIDADE
calor em eletricidade
Exemplo: Turmalinas

 Propriedades Químicas dos Minerais
 Ligações Químicas:

 Propriedades Químicas dos Minerais

Compostos químicos:
maioria dos minerais (quartzo, SiO2)
Elemento químico:
metal (Au, Ag, Cu), não-metal (C, S)
Solubilidade:
carbonatos extremamente solúveis em ácido, silicatos nem
tanto

 Isomorfismo e Polimorfismo

 Isomorfismo:
Mesma estrutura cristalina, diferente composição química (ou
variável dentro de intervalo)
Calcita (CaCO3) – Magnesita (MgCO3) – Siderita (FeCO3)
Solução sólida
intercâmbio de elementos na estrutura, gerando composição
intermediária em intervalo
Olivina
Forsterita (Mg2SiO4) – Faialita (Fe2SiO4)
Plagioclásio
Albita (NaAlSi3O8) - Anortita (CaAl2Si2O8)

 Isomorfismo e Polimorfismo

 Polimorfismo:
Diferente estrutura cristalina (diferentes propriedades físicas e
morfológicas), mesma composição química
Grafita e Diamante
Calcita e Aragonita
Quartzo  e b, coesita

 Minerais Formadores de Rocha

Constituintes essenciais de rocha comuns, dentre ca. 4.000
 Silicatos:

 Minerais Formadores de Rocha
 Não-Silicatos:

Sabe-se que, ao explodirem, as estrelas moribundas lançam toda a
matéria nela existente – principalmente os elementos químicos
mais complexos pelo espaço. Para alguns cientistas, esses
elementos reuniram-se ocasionalmente na Terra e permitiram a
formação do DNA e, depois, da própria vida. Lawrence Krauss, por
exemplo, escreveu um livro cujo título é: Forget Jesus – The stars
died so you could be here today (Esqueça Jesus – As estrelas
morreram para que você estivesse hoje aqui).

Para melhor compreensão da aula leia:

O Capítulo 1 e 2 do Decifrando a Terra