AULA 5 – ROCHAS IGNEAS

Prof. Mário de Lima Filho

As rochas magmáticas são formadas a partir do magma (mistura silicatada,
proveniente da astenosfera, provida de mobilidade (estado "pastoso", nem sólido
nem líquido. Tem na sua constituição gases e está a altas temperaturas (rondam os
800 a 1500ºC). É formado à custa da fusão dos materiais do manto superior e da
crosta.
O magma é menos denso que as rochas e se encontrar uma abertura pelas rochas
envolventes, ascende. Ao deslocar-se para a superfície encontra temperaturas mais
baixas e vai arrefecer, ao longo do tempo, acaba por consolidar.

Consoante o local na litosfera onde consolidam as rochas magmáticas vão
apresentar texturas diferentes e classificam-se em:
-vulcânicas ou rochas extrusivas, formadas à superfície, tem textura vítrea
(vidros vulcânicos), ou afanítica,quando os minerais não são visíveis à vista
desarmada ou ainda, hemicristalina, quando a rocha apresenta alguns cristais num
meio de uma pasta afanítica ou vítrea.

Basalto
Vidro Vulcânico

Lâmina de Diabásio

As Rochas que se formam em maiores profundidades, as rochas
plutónicas ou intrusivas, com textura holocristalina (também se diz
textura fanerítica).
Granito

Lâmina de um Granito

As que se formam em profundidade menores que as intrusivas mas
próximo destas, as Hipabissais ou sub-vulcânicas, com
textura holocristalina. As hipabissais têm textura intermédia entre
fanerítica e afanítica e por isso diz-se que a textura
é microfanerítica ou microgranular.

Diabásio

Lâmina de um Dolerito

Quando se observa uma rocha magmática é frequente encontrar cristais maiores
que se destacam dos outros e a estes dizemos e designam-se por fenocristais e a
textura de uma rocha com fenocristais diz-se porfírica se tivermos na presença de
uma rocha plutónica e porfiróide se for uma rocha vulcânica. A existência dos
fenocristais indicam-nos que houve vários tempos de cristalização, um lento em
que os cristais tiveram tempo de se desenvolver e outro, quando o magma ascende,
os restantes minerais cristalizam, praticamente ao menos tempo, indicando-nos
que a cristalização foi fracionada.

A quantidade de sílica permite classificar os magmas em pobres de sílica, intermédios e ricos
em sílica, que correspondem ao magma basáltico, o magma andesítico e o magma riolítico,
respetivamente.

TONALIDADE

As rochas básicas (basalto) e as ultrabásicas (peridotitos), têm maior quantidade de minerais
ferromagnesianos (minerais máficos - magnésio +ferro) que são escuros e por isso conferem
à rocha uma tonalidade escura, designando-se por rocha melanocrata. As rochas ácidas
(granito) têm maior quantidade de sílica, os minerais são claros (félsicos - feldspato + sílica) e
a tonalidade da rocha é leucocrata. As rochas de composição intermédia, têm
aproximadamente a mesma quantidade de minerais félsico e máficos e diz-se que têm
tonalidade mesocrata.

A assimilação magmática contribui também para a diferenciação magmática o magma
ao instalar-se funde as rochas encaixantes se se encontrar a temperaturas superiores do
ponto de fusão dos cristais que constituem essas rochas alterando a composição
original do magma. Se a fusão for parcial, partes sólidas podem ficar retidas no magma,
originados os encraves ou xenólitos, importantes para o conhecimento da história
geológica da região.
A mistura de magmas também contribui para a diferenciação magmática. Quando duas
câmaras magmáticas se fundem origina a mistura de magmas e o resultado produzirá
uma rocha diferentes dos magmas originais.

VISCOSIDADE

SÉRIES DE BOWEN
Bowen, em 1928 criou duas séries, séries de Bowen, em que ordena os principais minerais
das rochas magmáticas segundo o seu arrefecimento em que ocorrem reações entre as
substâncias já cristalizadas e as que se encontram ainda em solução.
-Uma das séries é contínua, o que significa que a reação entre o material cristalizado e a
solução não origina minerais diferentes (minerais isomorfos) diferindo apenas nos teores
relativos dos elementos químicos (por serem semelhantes na dimensão e em carga) que
entram na sua composição. A série contínua é a família das plagióclases que varia entre a
anortite (plagióclase cálcica) à albite (plagióclase sódica), passando pela Bitaunite ,
Labradorite , Andesina, Oligóclase.
-e outra das séries é descontínua quando a reação dos materiais cristalizados e as
substâncias em solução, originam minerais diferentes.

Fonte: Nascimento, Souza & Lima Filho, inédito

(Compilado de P.B. Correia)

Fm Suape.

Basalto

Riolito