AULA III – ESTUDOS DE TRÁFEGO

Prof Carlos Filho, M.Sc

(Ref: Armando Martins Pereira - Análise crítica dos fatores de equivalência adotados
pelo DNER e sua adequação às rodovias de tráfego pesado - Boletim nº 11 ABPV - 1986)

CONSIDERAÇÃO
DO TRÁFEGO

TRANSFORMAÇÃO EM

TRANSFORMAÇÃO EM

RODA SIMPLES EQUIVALENTE - ESWL

Nº OPERAÇÕES DO EIXO PADRÃO

ALTERNATIVAS

- mesma deflexão elástica (do subleito)
- mesma tensão vertical (no subleito)
- mesma tensão horizontal (no revestimento)

Z

Z

=

subleito

- mesma deformação plástica (USACE  FC)
- mesma perda de serventia (AASHTO  EALF)

subleito

Deficiências
• tensão = f(z)
 carga equivalente = f(z)
• deformação = f(z)  carga equivalente = f(z)

P = 8,2 tf (18.000 lb)

Pista Experimental da AASHTO
AASHTO ROAD TEST
(Ottawa, Illinois, 1958 - 1960)
 13 km de extensão
 6 circuitos

Pista Experimental da AASHTO

um tipo de CA .um tipo de CCP concreto  4 circuitos grandes e 2 pequenos (836 seções com trechos retos de 30 a 36 m)  aplicações de 106 cargas de eixo (desde eixo simples de 900 kg até tandem 22.3º C . 1993.1960) asfalto  características do local . 1981. Illinois.subleito A-6. 1986. CBR = 2 a 4 . 2002) www.números de ciclos de gelo .profundidade de congelamento 70 cm .762 mm precipitação/ano .trb.Pista Experimental da AASHTO AASHTO ROAD TEST (Ottawa.org/mepdg .degelo = 12 .temperatura média do ar + 24 < t < . 1958 .1972.000 kg)  tráfego contínuo e uniforme  custo estimado US$ 27 milhões  AASHTO GUIDE (1962.

ESWL ESWL Carga numa roda simples que produz a Equivalent Single Wheel Load mesma deflexão máxima do subleito (USACE 1961) produzida por um conjunto de rodas múltiplas (Cálculo teórico admitindo raios R iguais e pavimento em camada única com E = constante e  = 0.CARGA DE RODA SIMPLES EQUIVALENTES .5 max subleito max max subleito (OBS: o mesmo raciocínio é usado para cálculo da carga equivalente às rodas de um eixos tandem) .5) W W ESWL p1 p2 > p1 p1 R R pavimento E = cnste  = 0.

000 lb TRÁFEGO E VEÍCULO VARIÁVEIS Cargas reais Tráfego real h = f(Pi.ESWL h = f(Pmax) APLICAÇÃO • aeroportos • Rv p/ carga pesada e pouco tráfego ESWL CONSIDERAÇÃO DO TRÁFEGO VEÍCULO DETERMINADO Transformação do tráfego em nº de repetições do eixo padrão h = f(N ou ESAL) APLICAÇÃO AASHTO 93  EALF DNER  FC P = 18.CRITÉRIOS DE PROJETO DE h h subleito TRÁFEGO DETERMINADO MAIOR roda simples equivalente .Ni) APLICAÇÃO • Método PCA (pavimentos rígidos) .

FC (DNER) EIXO TANDEM DUPLO EIXO SIMPLES .FATOR DE EQUIVALÊNCIA DE OPERAÇÕES .

FATOR DE EQUIVALÊNCIA DE OPERAÇÕES – FC (DNER) .

FATOR DE EQUIVALÊNCIA DE OPERAÇÕES (DNER) (valores aproximados) FC FC FC FC FC FC (Ref: Manual de Reabilitação de Pavimentos – DNER. 1998) .

1982 .Brasília) P/PL  P F    PLEGAL 2     4 1.EFEITO DANOSO DE CARGAS EXCESSIVAS (Ref: QUEIROZ. A. 17ª RAPv . Uma avaliação das conseqüências econômicas da restrição aos excessos de carga por eixo. C. V.0 1 2 4 6 8 10 12 14 16 N nº de operações da carga máxima legal que provoca o mesmo efeito destrutivo no pavimento (Fator de Equivalência) .5 1.

FATORES DE EQUIVALÊNCIA DE CARGA POR EIXO Fator de equivalência em função da perda de serventia EALF Equivalent Axle Load Factor N0 aplicações da carga padrão de 8.2 ton para causar uma determinada perda de serventia EALF = N0 aplicações de uma carga qualquer (simples ou tandem) que causam a mesma perda de serventia ESAL = NAASHTO Equivalent Single Axle Load Conclusão 1 ESAL   EALFi ni m ESAL = N AASHTO  N DNER m  nº de grupos de eixos n  nº de passagens do eixo .AASHTO .

triplo = 3) SN = número estrutural do pavimento pt = índice de serventia final 18 = valor de x quando Lx = 18 e L2 = 1 TABELAS EALF → Manual AASHTO 93 – Anexo D Wt 18 EALF  Wtx .DETERMINAÇÃO DE EALF  Wtx log  Wt 18     4.23  x  0.19 L32.2  1.23 Wtx = número de repetições do eixo de x (kip) no tempo t Wt18 = número equivalente de repetições do eixo de 18 kip (8.33 log L2  Gt  Gt   x 18   4.79 log(Lx  L2 )  4.2  pt  Gt  log   4. duplo = 2.5  0.081(Lx  L2 )3.2 tf) no tempo t Lx = carga do eixo (kip) L2 = código do eixo ( simples = 1.79 log19  4.40  (SN  1)5.

DETERMINAÇÃO DE EALF .23 Exemplo 1 .19 13 .( 1)3 .081( 30  1)3 .5  Gt  log    0.19 .23  0.79 log19  4.5 .8995 W  4 .201 log  tx   4.LIVRO HUANG)  4.19 L32.201 0.4 .33 log L2  Gt  Gt   x 18  0.índice serventia final do pavimento pt = 2.40   1.23  0.081( 18  1)3 .23 W  0.3 t)  4.2  2.201  4.1260 Wt 18 EALF  Wt 18  7.eixo simples 30.388 ( 3  1)5 .000 lb (13.23  x  0.Exemplo W log tx  Wt 18     4.93 Wtx (VER TABELA 6.081(Lx  L2 )3.79 log( 30  1)  4.número estrutural SN = 3 .2204 ( 3  1)5 .5   30 0.388 1.40   4.79 log(Lx  L2 )  4.40  (SN  1)5.23 18 0.2  pt  Gt  log   4.2  1.33 log 1    0.79 log 19  4.2204  t 18  Wtx  0.2  1.5  .

08  4.14  P  FC     22.FATOR DE EQUIVALÊNCIA DE OPERAÇÕES DA AASHTO (Valores aproximados de EALF) TIPO DE EIXO Simples (roda simples) Simples (roda dupla) Tandem duplo Tandem triplo EQUAÇÕES (P em tf)  P  FC     7.17  4.32  P  FC     8.77  4.95  4.32  P  FC     15.22 .

ESTUDOS DE TRÁFEGO .

br .eb.Referência alvaro@ime.

N  Volume médio diário anual – VMD  Fator Horário de Pico .PARÂMETROS DE TRÁFEGO  Número equivalente de operações de um eixo-padrão .FHP  Capacidade (no veículos/h)  Densidade (no veículos/km)  Nível de Serviço  Velocidade     diretriz média de operação pontual .

250 kg 47.850 kg • eixo tandem triplo 25.5 % por eixo • suspende a multa por excesso de peso por eixo • multa apenas por excesso no PBTC ou PBT • tolerância de 5% no PBT/PBTC e por eixo • multa por excesso de peso por eixo • além da multa.300 kg • eixo simples roda dupla 10 t 10.280 kg 17.PBT 45 t 47.450 kg 6. remanejamento ou transbordo • eixo simples roda simples 6t 6.5 t 27.500 kg • eixo tandem duplo 17 t 18.775 kg • peso bruto total .750 kg 10.250 kg .420 kg 26.CARGAS RODOVIÁRIAS Limites Legais Resolução CONTRAN 12/98 Resolução CONTRAN Nº 104/98 Resolução CONTRAN Nº 258 (Dez 2007) • tolerância de 5% no PBT/PBTC • tolerância de 7.

Limites de Carga (kN) País Eixo simples Eixo simples Tandem (roda simples) (roda dupla) (duplo ou triplo) PBT 200 210 203 200 160 400 400 352 400 514 151 151 294 189 187 189 356 356 356 356 356 356 EUROPA Alemanha França Inglaterra Itália Suécia 100 130 92 120 100 100 130 105 120 100 EUA FHWA California Florida New York Texas Geogia 89 89 98 89 89 99 151 151 196 151 151 151 .

CARGAS RODOVIÁRIAS MÁXIMAS (EUA) 450 kN 170 kN 100 kN .

CVC Resolução CONTRAN Nº 68 de 23 de setembro de 1998  PBTC ≤ 74 ton  comprimento máx 30 m  unidade tratora 3C Resolução CONTRAN Nº 184 de 21 de outubro de 2005  Caso 57 ≤ PBTC ≤ 74 ton (min 25m) Resolução CONTRAN Nº 189 de 25 de janeiro de 2006  Permite 57 ≤ PBTC ≤ 74 ton (menor 25m se fabricado antes Fev 06) .COMBINAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA .

BI – TREM 7 eixos .57 ton .

BI – TREM Experimental (9 eixos – 74 ton) .

74 ton .RODOTREM 9 eixos .

CATEGORIAS DE VEÍCULOS (DNIT) 2S1 3Q4 2S2 2C2 2S3 2C3 3S1 3C2 2C 3S2 3C3 3C 3S3 3C4 4C 2C 3T4 3D4 3CB 3T6 4CB 3T6 .

CATEGORIAS DE VEÍCULOS (DNIT) 2S1 2S1 2S2 Passeio Van SEMI-REBOQUES 2S2 2S3 2S3 3S1 3S1 3S2 3S2 Camioneta 3S3 2C 3CB 3CB 4CB REBOQUES 2C 4CB 3T4 3D4 3D4 3T4 3T6 3T6 3T6 3T6 2C 2C 3C 3C 4C 4C Motocicleta VEÍCULOS COMBINADOS VEÍCULOS SIMPLES 3S3 3Q4 3Q4 2C2 2C2 2C3 2C3 3C2 3C2 3C3 3C3 3D4 3D4 .

5 t 6t 10 t 25.15 m 18.Dimensões e pesos (até 45 t) 14 m 14 m 2 C PBT 16 t 3C PBT 23 t 6t 10 t 6t 17 t 18.5 t 6t 10 t 17 t .15 m PBTC 33 t 2S3 2S2 PBTC 41.

5 t 17 t 24 m 3D4 3T4 PBTC 57 t 6t 17 t 17 t 17 t 30 m 3T6 PBTC 74 t 6t 17 t 17 t 17 t 17 t .Dimensões e pesos (até 74 t) 18.15 m 3S3 PBTC 45 t 6t 25.

5.FVi  onde: – Nn = solicitação do eixo padrão no ano n (unidirecional) – k = fator que representa a incidência do tráfego na faixa de projeto (em geral 0.CÁLCULO DO NÚMERO N Nn  365. para uma rodovia em pista simples com duas faixas de tráfego) – FVi = fator de veículo da classe i (soma dos FCi dos eixos) – VDMi = volume diário médio (bidirecional) da classe de veículos i no ano n – Tráfego total no ano p: Np = Σ Nn .  VMD i .k .

CÁLCULO DO NÚMERO N CRESCIMENTO DO TRÁFEGO LINEAR t.P   VP  V1 1    100  VMD  V1  VP 2 GEOMÉTRICO t   VP  V1 1  100    P t P   (1  )  1   100 VMD  V1   t   100   .

Pesquisas de Tráfego Contagens Volumétricas Loop magnético Global Automatizadas Sensor de eixo Classificatória .

Pesquisas de Tráfego Contagens volumétricas manuais .

Formulários .

.

Exercício 1 Dada a contagem bidirecional anual de veículos comerciais abaixo.000 2S3 104.000 2S2 36.000 TOTAL 400.o Fator de Veículos representativo da frota.000 . segundo os critérios da AASHTO .000 3S3 24. calcular: . Veículo Quantidade 2C 88.o número N (ESAL) para um período de 10 anos Considerar que todos os veículos trafegam com a carga máxima legal e que a taxa de crescimento anual do tráfego é de 2%.000 3C 112.000 2C2 4.000 3C3 32.

Solução Veículo 2C 3C Quantidade de eixos por veículo Croquis 2C 3C SRS SRD TD TT 1 1 - - 1 - 1 - 2S2 2S2 1 1 1 - 2S3 2S3 1 1 - 1 3S3 3S3 1 - 1 1 1 3 - - 1 1 2 - 2C2 3C3 2C2 3C3 .

Fator de equivalência (EALF) por eixo .6424 4.5599 .77  4.22 1.95   0.3273 2.3944 4.32 10  P  FC     8.17  17  P  FC     15.08  25.FCi Eixo SRS SRD TD TT Carga Max Legal (t) Equação EALFi 4.32 6  P  FC     7.14 1.5  P  FC    22.

3273 ----- 1.EALF Croquis 2C 3C SRS SRD TD TT FVi 0.5599 3.3273 2.3944 ----- 1.3273 2.6424 ----- 1.3944 ----- ----- 2.3944 1.FVi Veículo 2C 3C Fator de Equivalência .0065 2C2 3C3 .5599 4.5105 3C3 0.2816 3S3 3S3 0.3273 2.6424 ----- 4.Fator de Veículo .7217 0.9697 2S2 2S2 0.2848 ----- 6.5296 2C2 0.3273 2.6424 1.3641 2S3 2S3 0.3944 3.3273 ----- 1.3273 7.1832 ----- ----- 7.

000 9 0.000 28 0.000 26 1.4805 TOTAL 400.3928 2S3 104.0751 3C3 32.1132 3S3 24.Fator de Veículo representativo da frota .4237 .000 8 0.FV Veículo Quantidade % FV’ 2C 88.000 100 3.5515 2S2 36.5988 3C 112.000 1 0.2118 2C2 4.000 6 0.000 22 0.

71 x 105 4.14 x 106 4 1186 7.56 x 105 3.19 x 106 8 1284 8.81 x 106 10 1336 8.98 x 105 2 1140 7.02 x 105 5.12 x 105 1.98 x 105 6.88 x 106 5 1210 7.35 x 105 7.  VMD i .63 x 106 6 1234 7.18 x 105 6.41 x 106 3 1163 7.FVi  .k .65 x 106 Nn  365.41 x 105 2.Cálculo do N Ano VMD Nano Nacumulado Base (0) 1096 6.99 x 106 9 1310 8.85 x 105 ------------ 1 1118 6.87 x 105 5.41 x 106 7 1259 7.27 x 105 2.

000 2S3 104.Exercício 2 Repetir o exercício anterior. Veículo Quantidade 2C 88. empregando a metodologia do USACE.000 3C 112.000 3C3 32.000 TOTAL 400.000 2S2 36.000 3S3 24.000 .000 2C2 4.

2542 3.5789 9.0175 0.4840 8.2895 TD 17 FC  1.8320 x 106 x P6.5 FC  1.3229 x 107 x P5.FCi Eixo Carga Max Legal (t) Equação FCi SRS 6 FC  2.5488 TT 25.2998 .5280 x 106 x P5.Fator de equivalência (USACE) por eixo .2779 SRD 10 FC  1.0782 x 104 x P4.

5488 9.1265 2C2 0.6650 2C2 3C3 .2895 17.FVi Veículo 2C 3C Croquis 2C 3C SRS SRD TD TT FVi 0.0976 ----- 20.2779 ----- 8.2779 3.2779 ----- 8.2779 9.5488 ----- 8.5674 0.2779 3.8267 ----- 12.2998 12.2779 3.Fator de Veículo .2779 3.2998 18.5488 2S3 2S3 0.1162 2S2 2S2 0.8685 ----- ----- 10.8672 3S3 3S3 0.2895 ----- 9.2895 ----- ----- 3.2895 8.1464 3C3 0.

6532 TOTAL 400.000 100 10.000 26 3.5345 .000 28 2.1015 3C3 32.000 1 0.7848 3C 112.000 9 1.FV Veículo Quantidade % FV’ 2C 88.000 22 0.0905 2S3 104.000 8 1.0876 2C2 4.3455 3S3 24.Fator de Veículo representativo da frota .4715 2S2 36.000 6 1.

42 x 106 1.52 x 106 2.FVi  .28 x 106 8.47 x 106 1.24 x 106 6.37 x 106 1.57 x 106 2.  VMD i .35 x 107 Nn  365.15 x 106 2.33 x 106 1.19 x 106 4.12 x 107 6 1234 2.86 x 106 5 1210 2.Cálculo do N Ano VMD Nano Nacumulado Base (0) 1096 2.84 x 107 9 1310 2.60 x 107 8 1284 2.58 x 106 4 1186 2.11 x 106 ------------ 1 1118 2.10 x 107 10 1336 2.36 x 107 7 1259 2.34 x 106 3 1163 2.15 x 105 2 1140 2.k .

3 P A K.3 p PRESSÃO DE CONTATO real adotada .p (pneus novos) real (pneus usados) FORMA DA ÁREA adotada  1.0 a 1.CONTATO PNEU-PAVIMENTO ÁREA DE CONTATO A = área de contato entre pneu e pavimento P = carga atuando sobre o pneumático p = pressão de enchimento do pneu K = fator f(rigidez do pneu) variando de 1.

USACE P R A R R A  R 2 P A 2p P  R 2 2p  R R A R Cálculo de R P = 4.100 kg p = 80 psi (5.8 cm P 2 p .2 t .6 kg/cm2) R = 10.EIXO PADRÃO 8.