ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Profª. MSc. Marta C. Wachowicz marta@facinter.com.br

PÓS GRADUAÇÃO EM

Mestre em Engenharia de Produção/Ergonomia pela UFRGS. - Pós-Graduada em Metodologia do Ensino Superior (IBPEX) e Psicologia do Trabalho (UFPR). - Bacharel em Psicologia pela UTP. - Professora de Ensino Superior da FACINTER, IFPR, ESIC e FATEC INTERNACIONAL nas modalidades presencial e EaD. - Em Pós-Graduação atuou em Cursos da UFPR, PUC-PR, CBES-PR e Cursos de MBA na OPET, PM21 Bosch e Governo de Cuiabá. - Consultora de empresas nas áreas de RH, ergonomia e saúde ocupacional em diferentes empresas. - Autora do livro: Higiene e Segurança no Trabalho (Editora IBPEX, 2007).

Plano de Encontros
1º 2º 3º 4º 5º 6º Histórico e NR 17 Aspectos Físicos Ambientais Organização do Trabalho Ergonomia Cognitiva Ergonomia & Prevenção Avaliação Ergonômica

Referências

AYRES, D. de O.; CORREA, J. A. P. Manual de prevenção de acidentes do trabalho: aspectos técnicos e legais. São Paulo: Atlas, 2001.

CARDELLA, B. Segurança no trabalho e prevenção de acidentes: uma abordagem holística. São Paulo: Atlas, 1999.

CHIAVENATO, I. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Campus, 1999. CODO, W. Indivíduo, trabalho e sofrimento. Petrópolis: Vozes, 1993.

COUTO, H. de A. Ergonomia aplicada ao trabalho: o manual técnico da máquina humana. Belo Horizonte: Ergo Editora, 1996. (vol I e II)

DEJOURS, C. A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez-Oboré, 1992. EDUARDO, M. B. de P.; MIRANDA, I. C. S. de M. Saúde & cidadania: vigilância sanitária. São Paulo: NAMH/FSP, 1998. FIALHO, F.; SANTOS, N. dos. Manual de análise ergonômica no trabalho. Curitiba: Gênesis, 1997.

FRANÇA, A. C. L.; RODRIGUES, A. L. Stress e trabalho: uma abordagem psicossomática. São Paulo: Atlas, 1999.

GAIGHER FILHO, G.; MELLO, S. I.L. LER/DORT: a psicossomatização no processo de surgimento e agravamento. São Paulo: LTr, 2001. IIDA, I. Ergonomia: projeto e produção. São Paulo: Edgar Blücher, 2005. JACQUES, M. das G.; CODO, W. Saúde mental e trabalho: leituras. Petrópolis: Vozes, 2002. KROEMER, K. H. E.; GRANDJEAN, E. Manual de ergonomia: adaptando o trabalho ao homem. Porto Alegre: Artes Médicas, 2005.

GLINA, D. M. R.; ROCHA, L. E. (Orgs.) Saúde mental no trabalho: desafios e soluções. São Paulo: VK, 2000.

RAMAZZINI, B. As doenças dos trabalhadores. São Paulo: FUNDACENTRO, 2000. RODRIGUES, M. V. C. Qualidade de vida no trabalho. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

RIO, R. P. do. Ergonomia: fundamentos da prática ergonômica. Belo Horizonte: Editora Health, 1999.

SALIBA, T. M.; CORRÊA, M. A. C.; AMARAL, L. S. Higiene do trabalho e programa de prevenção de riscos ambientais. São Paulo: LTr, 2002. SANTOS, N. dos (Org.). Antropotecnologia: a ergonomia dos sistemas de produção. Curitiba: Gênesis, 1997.

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. São Paulo: IOB, 1996. (inclui as Portarias MTb n.3.214, de 08.06.78).

SOUNIS, E. Manual de higiene e medicina do trabalho. São Paulo: Ícone, 1991.

WACHOWICZ, M. C. Segurança, saúde & ergonomia. Curitiba: IBPEX, 2007.

WISNER, A. A inteligência no trabalho: textos selecionados de ergonomia. São Paulo: FUNDACENTRO, 1994. _______ . Por dentro do trabalho. São Paulo: FTD, Oboré, 1987. ZOCCHIO, A. Prática de prevenção de acidentes: ABC da segurança do trabalho. São Paulo: Atlas, 1996.

Sites para Pesquisa
www.protecao.com.br www.anamt.com.br www.anvisa.gov.br www.mtb.gov.br ou www.trabalho.gov.br www.previdenciasocial.gov.br ou www.mpas.gov.br www.fundacentro.gov.br www.ergonomia.com.br www.abergo.org.br www.saude.gov.br www.fiocruz.br

www.saudeetrabalho.com.br

Histórico da Ergonomia Norma Regulamentadora 17
(1º. Encontro)

ERGONOMIA

Ferramenta eficaz para a Engenharia de Produção na promoção de ações preventivas na Saúde Ocupacional.

O que é ERGONOMIA?

Etimologia: ERGO = Trabalho NOMOS = Lei ou Regra Ergonomia é o estudo do relacionamento entre homem e seu trabalho, equipamento e ambiente, e particularmente, a aplicação dos conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos deste relacionamento.(IIDA, 2005)

As relações do homem durante o trabalho com o seu ambiente natural. O polonês W. Jastrzebowski, em 1857 nomeou como título de uma de suas obras o “Esboço da Ergonomia ou Ciência do Trabalho baseada sobre as Verdadeiras Avaliações das Ciências da Natureza”.

Ergonomia é o conjunto dos conhecimentos científicos relativos ao homem e necessários para a concepção de ferramentas, máquinas e dispositivos que possam ser utilizados com o máximo de conforto, de segurança e de eficácia. (WISNER, 1987)

Ergonomia é o estudo do comportamento do homem no seu trabalho, convertendo-se o mesmo homem no sujeito-objeto, ou ainda, como o estudo das relações entre o homem no trabalho e seu ambiente.
(GRANDJEAN, 2005)

Estudo multidisciplinar do trabalho humano que tenta descobrir as leis para melhor poder formular as regras. A ergonomia é conhecimento e ação; o conhecimento é científico e se esforça para chegar a modelos explicativos gerais; a ação visa melhor adaptar o trabalho aos trabalhadores. (Cazamian)

OBJETO DA ERGONOMIA Estudo do complexo formado pelo operador humano e seu trabalho. OBJETIVO DA ERGONOMIA Adaptar o trabalho ao homem e não o contrário.

O termo Ergonomia foi oficialmente adotado na Inglaterra em 1949, ano da fundação da Ergonomic Research Society. A Ergonomia teve impulso em função do desenvolvimento tecnológico do século XX, principalmente, após a 2ª. Guerra Mundial.

Enfoque da Ergonomia

» O homem no processo de trabalho » Eliminação de riscos e esforços » Maximização do conforto e eficiência do sistema
A Ergonomia como ciência não é autônoma, mas interdisciplinar: medicina do trabalho (biomecânica, antropometria, fisiologia); engenharia de produção (EPI, CIPA); ciências humanas (psicologia, sociologia, antropologia); economia (administração, relações sindicais).

A ERGONOMIA considera: As capacidade humanas e seus limites: » Capacidade física e a força muscular » Dimensões corporais » Possibilidades de interpretação das informações pelo aparelho sensorial (visão, audição, temperatura...) » Capacidade de tratamento das informações em termos de rapidez e de complexidade

Contribuições ERGONÔMICAS
Melhorar as condições ambientais » Aumentar a motivação, seguranças, conforto, satisfação e autonomia do trabalhador » Enriquecer as tarefas para reduzir o estresse » Reduzir o retrabalho e o absenteísmo » Evitar riscos de acidentes de trabalho » Reduzir as doenças ocupacionais
»

A Ergonomia analisa as exigências das tarefas e os diferentes fatores que influenciam as relações Homem X Trabalho. As características materiais do trabalho como peso dos instrumentos, forças a exercer, disposição dos comandos e as dimensões dos diferentes elementos constituintes do posto de trabalho.

Intervenções Ergonômicas

Produto: otimização de máquinas e ferramentas; design Postos de Trabalho: sistema homemmáquina no ambiente físico Movimentos: biomecânica – posturas, cadeira, uso da coluna e do computador Correção: replanejamento de situações que apresentam problemas ou disfunções

Concepção ou Preventiva: propostas no planejamento de máquinas, mobiliário, produtos Produção: oferecer o mínimo de riscos, esforço e repetitividade com eficiência Cognitiva ou Informacional: organização do trabalho

A Ergonomia objetiva através de sua ação, resolver os problemas da relação homem, máquina, equipamentos, ferramentas, programação do trabalho, instruções e informações, solucionando os conflitos entre o humano e o tecnológico, entre a inteligência natural e a artificial nos sistemas homens-máquinas.

Com base no enfoque sistêmico e informacional, a Ergonomia com tecnologia operativa trata de definir para projetos de produtos, estações de trabalho, sistemas de controle e de informação, diálogos computadorizados, organização do trabalho, operacionalização da tarefa e programas instrucionais os seguintes parâmetros:

Interfaciais: configuração, morfologia,
arranjo físico, dimensões, alcances de máquinas, equipamentos, consoles, bancadas, painéis e mobiliário. compatibilização e consistência.

Instrumentais: padronização,

Informacionais: visibilidade, legibilidade,
compreensão e quantidade de informação, padronização, componentes sígnicos (caracteres alfanuméricos e símbolos iconográficos), sistemas de sinalização de segurança ou de orientação (painéis, telas e monitores). apreensibilidade, dimensões, movimentação e resistência de comandos manuais e pediosos.

Acionais: configuração, conformação,

Comunicacionais: articulação e

padronização de mensagens verbais por alto-falantes, microfones e telefonia; qualidade de equipamentos de comunicação oral. processamento de informações, coerência dos estímulos, das instruções e das ações e decisões evolvidas na tarefa, compatibilidade entre a quantidade de informações, complexidade e/ou riscos envolvidos na tarefa.

Cognitivos: significação das mensagens,

Movimentacionais: limites de peso para

levantamento e transporte manual de cargas segundo a distância horizontal da carga em relação à região lombar da coluna vertebral; o curso vertical ao levantar ou abaixar cargas conformação e freqüência de manipulação da carga. insolação e iluminação do ambiente; isolamento acústico e térmico; layout e áreas de circulação das estações de trabalho; cores do ambiente e do mobiliário.

Espaciais/Arquiteturais: aeração,

Físico-ambientais: iluminação, ruído,

temperatura, vibração, radiação, pressão, dentro dos limites da higiene e segurança do trabalho, e considerando as especificidades da tarefa. aerodispersóides, agentes bioquímicos (bactérias, fungos, vírus), respeitando padrões de assepsia, higiene e saúde.

Químico-ambientais: toxidade, vapores,

Securitários: controle de riscos e

acidentes, pela manutenção de máquinas e equipamentos, utilização de EPI adequados e EPC, através da supervisão constante da instalação de dutos, alarmes e da planta industrial. interações formais e informais, ritmo, repetitividade, autonomia, pausas, supervisão, precisão e tolerância das atividades da tarefa, controles de qualidade, dimensionamento de equipes.

Operacionais: programação da tarefa,

Organizacionais: parcelamento,

isolamento, participação, gestão, avaliação, jornada, horário, turnos e escala de trabalho, seleção e treinamento de pessoal. procedimentos de execução da tarefa, reciclagens e avaliações.

Instrucionais: programas de treinamento,

Urbanos: planejamento e projeto do

espaço, sinalização e transporte; áreas de circulação, de integração, de repouso e de lazer. grupos sociais, dificuldades de comunicação e interações interpessoais; falta de opções de descontração e lazer.

Psicossociais: conflitos entre indivíduos e

A objetivo maior da Ergonomia é recuperar o sentido antropológico do trabalho, gerar o conhecimento atuante e reformador que impede a alienação do trabalhador, valorizar o trabalho como agir humano através do qual o homem se transforma e transforma a sociedade, como livre expressão da atividade criadora, como superação dos limites da natureza pela espécie humana.

NR 17 – Ergonomia

Visa estabelecer parâmetro que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente. Inclui o levantamento, transporte e descarga de materiais, mobiliário, ambiente, equipamentos e a organização do trabalho.