A TORAH DE KOH

Uma lição de Chanukah por Gershon Winkler
Traduzido por Holean Costa

A palavra hebraica “Chanukah” [‫ ]חנוכה‬divide-se em outras duas: chanu [‫]חנו‬
e koh [‫]כה‬. Chanu significa “acampar” (Números 31:19 e Jeremias 50:29). Koh
significa “assim”, “desse modo” ou “desse jeito”. Portanto, no total, a palavra
chanukah conta-nos para “acampar assim”, que nos leva à pergunta: “Acampar
assim como, exatamente?".

Durante um daqueles momentos, quando Abraão questionou a promessa de
D‟us de que ele teria muitos descendentes que levariam seus ideais e sua linhagem,
D‟us pediu-lhe que olhasse para o céu noturno cravejado de estrelas: “Ele [D‟us] o
conduziu [Abraão] para fora e disse: „Ergue os olhos para o céu e conta as estrelas,
se as pode contar‟, e acrescentou: „Assim [koh] será a tua posteridade” (Gênesis
15:5). Anos depois, quando Abraão estava prestes a subir o monte Moriá com seu
filho Isaque para o sacrificar, Abraão disse a seus servos: “Permanecei aqui com o
jumento. Eu e o menino iremos até koh, adoraremos e voltaremos a vós” (Gênesis
22:5). A maioria dos tradutores usa “o lugar” para koh, quando não significa isso
realmente. Novamente, significa “assim” ou “desse modo”. Sempre que tradutores do
texto sagrado não conseguem achar o sentido de uma palavra, eles, simplesmente,
alteram o significado para encaixá-lo melhor no contexto. Portanto, em todas as
outras ocasiões onde koh é mencionado no texto hebraico, você encontrará koh
corretamente traduzido como “assim”, “desse modo”, menos aqui.

Assim, outra vez, Abraão disse a seus servos: “Permanecei aqui com o
jumento. Eu e o menino iremos koh, adoraremos e voltaremos a vós”. Os rabinos
antigos comentam: “Eu e o menino iremos até koh – como em “Iremos e veremos o
resultado de koh” – da promessa que D‟us tinha feito previamente a Abraão, que
seus descendentes tornariam-se koh – “assim” – significando como as estrelas no
céu (presumivelmente incontáveis). Por isso, por um lado, parece que D‟us
realmente promete a Abraão uma descendência através de Isaque, e por outro, D‟us
agora diz a Abraão que sacrifique Isaque, que mate a pessoa através da qual viria

Se ele sacrificar mesmo Isaque. uma vez tendo feito isso. Até onde você vai antes que alcance o momento que quebra e ultrapassa a vontade de D‟us em seu próprio benefício? Ou. pensando o seguinte: “Se realmente tenho que sacrificar meu filho. Mas. se as pode contar‟. meus amigos. Abraão sobe a montanha com Isaque. mesmo que tenha que matar seu filho para conseguir isso. Muitos presumem que koh. Esse é o teste. como em “conta as estrelas. na promessa de Deus. “não muito clara” ou ainda “duvidosa”. E. pois não podemos saber a verdade por trás dessa jornada se não formos até o fim. não terá netos. signifique algo bem mais sublime. subindo o monte Moriá. E assim. como prometido. tudo se tornará claro e poderemos nos assegurar que nós dois voltaremos a vós”. tal conclusão. o que será da promessa relacionada a koh?!". É por isso que Abraão diz a seus servos: “Iremos até alcançarmos [o difícil entendimento desta aparente ambígua promessa de] koh”. que significa “obscura”.sua linhagem. sem gastar tanto tempo buscando o sentido de tudo isso como ele fez. você consegue ir até a beira do abismo e saltar. Somos. Mas. e acrescentou: „Assim [koh] – tão numerosa – será a tua posteridade”. os descendentes de Abraão via Isaque . A palavra ‫ כה‬é associada também à palavra ‫[ כהה‬kahah]. como Abraão fez quando ele levantou a faca e a lançou a poucos centímetros da garganta de seu filho antes de D‟us bradar para que ele parasse. Abraão está determinado a ir até onde tiver que ir e confia que a promessa é real e que ele e Isaque retornarão e descerão o monte. é um resultado previsível em seu modo de pensar finito e mortal sobre como são as coisas. podemos ler as palavras de Abraão da seguinte maneira: “Eu e o menino iremos koh – como obscuro. Abandonaremos todas as nossas suposições. rápidos demais para julgar e criticar Abraão por esse episódio. muito frequentemente. No entanto. Retraduzindo de modo diferente. Por milhares de anos. Não haveria como ter um encontro com uma garota judia e nem se casar com ela e ter filhos. talvez. não muito claro. está se referindo a números. bisnetos e trinetos através dele. Abraão acredita na promessa tão inquestionavelmente que ele desafia a lógica. ele percebe agora. se você está morto. iremos além dos limites da razão e cruzaremos o abismo da incerteza.

ido até último limite do Grande Vazio e pulado. vinte. Moisés estava atônito e maravilhado. Estava prestes a comprar um guia sobre judaísmo quando D‟us trouxe-o de volta ao passado. perguntou D‟us. mesmo sem saber como a promessa do koh se realizaria se os filhos daquela promessa particular seguem sendo exterminados. escutando espantado a profunda sabedoria que saía dos lábios de Akiva. Moisés ficou impaciente e perguntou a D‟us por que estava demorando tanto. Seu nome é Akiva. no segundo século. desculpe por mantê-lo esperando. Em vez de “Por que nos abandonaste?”. seria algo como: “Adonay nosso D‟us ouve. ele encontrou D‟us ocupado. quando Moisés chegou ao topo do monte Sinai para receber a Torah.. Passaram-se dias: dez. Estava ocupado acrescentando todos estes códigos e simbolismos ao texto como descrito por um grande professor de Torah. respondeu o aluno.e Jacó. para o qual uma tradução alternativa. “Sério? Posso vê-lo?”. Ele não reconhecia nada daquilo. Moisés abriu bem os olhos. Finalmente. com nossas últimas palavras sem questionamentos e cheias. Um”. .. trinta. nosso lema foi “A aparente morte da Promessa é o próprio nascimento dela”. Passamos diversas vezes pela morte. Moisés. do insondável significado de koh. “O que pensa sobre Akiva agora?”. D‟us então disse a Moisés para virar de costas e. ó Israel. percebeu que estava no futuro. sentado no meio de um mar de discípulos que estava sentado aos pés do rabino Akiva. têm feito exatamente isso. “Sobre o que ele está ensinando?”. Ele andará na terra mais de mil anos depois de agora e trará interpretações da Torah que deixarão até mesmo você perplexo”. perguntou a um dos discípulos. Nossas últimas palavras foram o Shemá. [pois em] Adonay [tudo que para nós parece fragmentado] é. “Oh!”. quando ele se virou. em tempos de dúvida e apreensão. “Oh. Moisés pensou. aproximando-se do quadragésimo dia. “Que mestre!”. “Por quê? Ele está a explicar sobre a Torah de Moises!”. Os sábios antigos dizem-nos que. adicionando algum acabamento às letras do texto. em vez disso. ao topo do monte sagrado. na verdade.

Como. amar. A palavra na história do Talmud é. na verdade. Moisés deu como resposta. está a aparentemente inútil monotonia diária de comer. sofrer. trabalhar. rir.. “Eu estou curioso para saber que maravilhosa recompensa o aguarda”. significa escutar a resposta de D‟us para o tumulto de nossas mentes extremamente ativas como segue: “Silêncio! Koh [assim] veio em [meu] Pensamento”. sem presumir. é isso. Menachot 29b).131). mas significa a mesma coisa que ‫[ כה‬koh]. Estamos todos em uma jornada.. como dizem. ao longo de caminhos ilusórios para lugares imaginários. “Certo. em iídiche: “azoy!” – para estar à vontade sem saber. E. Garantias. E Moisés protestou: “O quê? Essa é a Torah dele e essa a sua recompensa?!”. Acampar no koh significa abraçar o desconhecido do “desse modo” – ou. olhar.. Por que não por meio dele?”. precisamos acampar e nos sentarmos em volta da fogueira do koh. então. “Que sábio incrível!”. e enfrentar o fato inescapável de que nada é certo e que a vida não nos oferece garantias além da que não há garantia alguma. sem considerar quanto de significado damos. quando tudo está calmo. disse o rabino Abraham Joshua Heschel: “Não está em nosso poder forçar o além para se tornar o aqui. Por trás de nossa jornada. certamente”. que é traduzido do hebraico como “D‟us te dará uma pista. disse Moisés. Mas. Às vezes. acreditar. “Você não estava brincando. à noite. viver. morrer. “D‟us te fará ver”. ler. festejar. E D‟us mostrou a Moisés o fim da ilustre e inspiradora vida de Akiva: crucificado vivo enquanto dois soldados romanos vagarosamente o esfolavam com rastelos de ferro. uma jornada sem destino certo. chorar..”. sem mensurar. ‫[ כך‬kach]. Disse D‟us: “Silêncio! Koh [assim] veio em [meu] Pensamento”. então não dificulte para mim. Às vezes. os clamores de Dúvida emergem dos recantos de nossas consciências nos quais os prendemos para que continuemos com o mínimo de incômodo. eu não entendo o porquê de dar a Torah a mim. escrever. certa vez. como em qualquer viagem. . precisamos tomar fôlego da aparente ascensão ao monte de Moriá. sem entender. mas podemos transportar o aqui para o além” (Man is Not Alone. p. odiar. dormir. E respondeu Deus: “Silêncio! Koh [assim] veio em [meu] Pensamento” (Talmud Bavli. duvidar. sem palpar.

pois não podemos compreender nossas vidas sem primeiro estudar as vidas de nossos ancestrais. surgirão e desaparecerão?”. a partir do Midrash Tanchuma. “Exatamente. mas porque elas vêm e vão. Ao contar seu primeiro milhão de estrelas. No. riu Abraão. “Bem. Lech Lechá. Há demais para que sejam possíveis de serem contadas em um único tempo de vida”. Esqueceu-se já de sua inocência de anos atrás. Muitas delas estão morrendo e muitas outras nascendo. “Claro que não posso. meus descendentes serão koh? Assim? Como as estrelas? Serão incontáveis porque virão e irão. disse D‟us. Voltemos a Abraão de novo. assim que levaria a eternidade para dar conta de todas. Abraão”. sobre Gênesis 12:6. “Se eu posso contar as estrelas?”.” “E eu alguma vez mostrei?”. quando eu apareci a você pela primeira vez? Lembra-se do que eu disse naquele momento?”. “Não. “Você não pode contar o número de estrelas no céu não porque há muitas. rabino do século XIII. Se tudo isso soa deprimente para você. então conforte-se por saber que você está além da metade do caminho para compreender o mais profundo significado de Chanukah. 9). “Disse-me para deixar tudo e ir (Gênesis 12:1)”. Meus pensamentos não são vossos pensamentos e vossos caminhos não são meus caminhos (Isaías 55:8).” “Então. Este é um princípio fundamental no judaísmo: “A história dos ancestrais é um sinal para os descendentes” (Moshe ben Nachman. o que está fazendo aqui em Canaã?”. não é assim. “A alguma terra que me mostraria. E você não tem uma eternidade no mundo da contagem”. sete mil delas já teriam desaparecido. “Então. Elas brilham e apagam-se. . “E aonde eu disse que você fosse?”.

eles continuarão a me seguir “à terra que eu os mostrarei”. quando celebrarão uma festa à maneira deles. originalmente. Era o sonho do seu pai (Gênesis 11:31) e sua escolha (Gênesis 12:5). eles entenderão e viverão isso. como . “Sirva de exemplo. E virá um tempo. a jornada do koh. uma sobre a qual não está escrito. que é onde eu habito. você começou me seguindo em direção a lugar nenhum. isso será sua sabedoria particular entre as outras nações (Deuteronômio 4:6). “Eu disse tudo isso porque eu respeitei sua escolha de ir a Canaã”. cantarão sobre Jerusalém mesmo sem a terem visto uma única vez. disse-me que concederia a mim e à minha descendência toda a terra em minha volta. morrerão espontaneamente pela Torah que os implora a viver. “Como posso eu ensinar isso aos meus descendentes?”. Eles. Certamente. aprenderão o real sentido do koh que você me ouviu prometer. você se estabeleceu em algum lugar”. Eles irão chanu koh. gradualmente. Vê isso. cantarão orações de esperança mesmo com o passar de milhares de anos de absoluta desesperança. pensei que este deveria ser o lugar que tinha em mente”. Viverão com certeza na jornada da incerteza. mesmo apesar de não saberem que estão chegando a algum lugar próximo de onde quer que essa terra seja. no reino do que não é certo. estabeler-se-ão no desconhecível. em todas as direções. Eles acamparão no lugar do “assim”. Alegrar-se-ão no D‟us Vivo com seu Último Suspiro. De fato. então. pois não sou conhecível e meus caminhos são imprevisíveis. eles me agradecerão pelo produto da Terra Santa mesmo sofrendo bastante distante de suas costas. Então. Disse-me ainda para caminhar pela largura e comprimento da terra! Essas são suas palavras. “Quer dizer que Canaã não é o lugar que iria me mostrar?”. uma não instruída ou inspirada por mim ou por qualquer profeta dos quais eu os enviarei. Caminhamos e caminhamos por meses e nunca disse „Pare! É aqui!‟ e estava se tornando tudo mais escasso e esparso. não gravada em tábuas de pedra. mas. Eles a chamarão de Chanukah. “Cansei-me. então pensamos que seria melhor parar enquanto ainda havia um pouco de grama à vista e um árvore distante. “Correto. Como? Como qualquer coisa. tudo que eu podia ver. Aí. e talvez um poço ou dois. pois terão aprendido a se estabelecerem na terra da incerteza e da dúvida. num futuro muito distante. discutirão prolificamente sobre os ritos do altar mesmo após o Templo ter sido destruído há muito.

tendo ele mesmo tomado nas mãos o fogo e o cutelo. mas que no final não. “viu de longe o lugar” (Gênesis 22:4). Eu darei a você uma oportunidade de experienciar isso um dia”. E Sara deu à luz Isaque. um dia. Ambos: os portadores da promessa (Abraão e Isaque) e todas as forças que por todos os intentos e propósitos apareceram no momento para servirem para a conclusão da promessa (a lenha. “Eu posso experimentar como é viver assim?”. o fogo e o cutelo). Assim então. e Abraão estava feliz. “Que montanha?”. a promessa de progênie seria realizada. pôr-do-sol no hebraico bíblico é ‫[ באמ השמש‬mevo hashemesh]. O que quer dizer “foram”? Foram a promessa e a dissolução. Eu e o menino iremos até koh – até o fim. e ele cresceu e tornou-se um jovem saudável. E Abraão foi. Ele não questionou e caminhou por horas.qualquer lugar. por isso. Por certo. de algum modo. “Sim. E aí. pois essa foi a promessa. então dias. O amanhã acontecerá a despeito de hoje. até o fim. por meio de Isaque. O sol nunca se põe. completamente fora de alcance. D‟us pediu a Abraão para ir à terra de Moriá e levar Isaque ao alto de uma das montanhas e oferecê-lo como sacrifício. de maneira inesperada. ao difícil de compreensão e desconhecido. E ele disse a seus assistentes: “Permanecei aqui com o jumento. D‟us tinha assegurado que. “Uma montanha que eu te indicarei” (Gênesis 22:2). muitos anos se passaram. literalmente “A vinda do sol”. no coração do que está oculto e que D‟us escolheu revelar. o lugar que D‟us disse que mostraria a ele. na “distância” indefinível e imensurável. para a miragem do destino. E assim. e foram-se os dois juntos” (Gênesis 22:6). Viu à distância. Então. apenas vindo e. Estabelecerão sua morada de maneira que os possibilitará competir por uma certeza que não exista”. Após três dias. Afinal. em vez disso. Abraão continuou: “e voltaremos para vós”. ele está sempre vindo. e. contornaram os portadores da promessa e foram direto para o cordeiro . Porque os eventos de hoje não tem conexão com a promessa de amanhã. “Abraão tomou a lenha do holocausto e a colocou sobre seu filho Isaque.

Por isso. incerto. o brilho das luzes seria kahah. até que esteja realmente escuro. podemos começar a conhecê-Lo. não muito claro. isto é. Pense nisto: O que exatamente fazemos durante o rito de Chanukah? Como acampamos e habitamos nesta vida? Chanu koh – “acampamos assim” – pois. cravado na conhecida existência Terrestre enquanto buscando o desconhecido Pensamento Celeste. à escada do koh que ascende até o fim do “Pensamento”. acrescentamos mais uma. preso. finalmente. E esse é o real milagre de Chanu koh. permitimos a Escuridão aumentar a Luz. sobre como os obstáculos que surgem no nosso caminho podem se tornar os meios para a superação. em virtude de quão longe ele iria na proverbial subida ao monte Moriá. mas sempre seriam. como no sonho do filho de Isaque. Somente quando estamos dispostos a sacrificar nossos vínculos. Não é do nosso feitio permitir que a Escuridão suplante a Luz. Jacó (Gênesis 28:12) e representada na longa e dramática história de seus descendentes. da “terra que eu te mostrarei”. podemos começar a compreender a fundo o mistério da promessa. as leis de Chanukah ditam que as luzes não podem ser acesas até que o sol tenha se posto por completo. agarrou a promessa quando abandonou sua ligação com ela. a cada noite de crescente escuridão que passa e por causa da própria escuridão! Se não estivesse tão escuro. A Torah de Akiva reluziu tão brilhante em virtude do que ele estava disposto a sofrer por ela. viriam e iriam. duvidoso. É mais profunda que isso. a escada para lugar nenhum. Só quando estamos dispostos a abandonar nossas suposições sobre D‟us. . subitamente. Abraão. apareceu do nada. Por mais escuro que fique. que viriam e iriam. Chanukah é. pouco definido. para cada luz que se extingue. mais luzes acendemos e essas brilham mais forte com cada uma brilhando. lugar nenhum que possamos compreender – nomeado “para a terra que eu te mostrarei”.que. Em vez disso. então. A lição de Chanukah não é somente sobre como uma pequena luz pode durar muito.