You are on page 1of 11

7.

VENTILADORES
INTRODUÇÃO

Ventiladores são máquinas de fluxo geradoras que transmitem a energia mecânica recebida do eixo para o
fluido (gás). Seu funcionamento é similar às bombas, sendo a principal diferença a de que o fluido que recebe
energia é um gás.
São usados em sistemas de ventilação e têm a função de conduzir os gases entre dois ambientes,
reservatórios, equipamentos, dispositivos, etc. Além dos sistemas de ventilação, podem ser aplicados na
movimentação de ar ambiente (ventiladores de coluna, de teto, etc), no controle de temperatura e umidade para
conforto, no controle de contaminantes, entre outros.
Sistemas de ventilação aplicados no condicionamento de ar (refrigeração, aquecimento, exaustão, filtragem,
renovação, diluição de poluentes, etc) em ambientes residenciais, comerciais e industriais constituem grande parte
das unidades em uso. Os ventiladores usados nessas instalações são, geralmente, de baixa pressão, isto é, não
transferem energia suficiente para impor uma variação apreciável de densidade do fluido de trabalho (gás). Além
disso, o escoamento nestes sistemas tem velocidade relativamente baixa. Sob essas condições o escoamento do ar
(e outros gases) pode ser tratado como escoamento de um fluido incompressível, o que facilita bastante a análise e a
torna similar à do escoamento de líquidos em tubulações.

CAMPOS DE APLICAÇÃO

Existe uma ampla gama de ventiladores que podem ser usados em um espectro grande de aplicações, o que
torna difícil definir as melhores máquinas para cada caso, sendo que em alguns desses vários tipos podem ser
usados. Pode-se ver na Figura 7.1 a faixa de utilização de cada um deles.

Figura 7.1 – Campo de aplicação de ventiladores e compressores (HENN, 2006, p.30)

Para efeito de nomenclatura, será denominado ventilador (fan) a máquina que trabalha com gás onde a
alteração da densidade entre a admissão e descarga é tão pequena que o gás pode ser considerado um fluido
incompressível (diferenças de pressão até 10kPa ou 1000 mmca). O compressor (compressor) também trabalha com
gás, porém a alteração da densidade é significativa e não pode ser desprezada. Pode-se denominar ainda de
soprador (blower) a máquina que trabalhe numa faixa de diferença de pressão entre admissão e descarga da ordem
de 10 a 300 kPa (1000 a 30000 mmca).

7-1

2 – Ventiladores axiais Figura 7.mspc. O motor é ligado diretamente ao rotor ou ligado a este por meio de polias/correias. No caso “b” o ventilador está no duto.012[mca]  1.3 – Ventiladores radiais 1 http://www. 1 2 Figura 7. São os mais comuns para uso residencial. nesse caso o ventilador é chamado de “vane axial”.  Axiais: a trajetória da partícula é paralela ao eixo do rotor (Figura 7. k Diferenciando a equação acima: dp  cte.1. A ASME (American Society of Mechanical Engineers) limita o campo correspondente aos ventiladores aos equipamentos que gerem um acréscimo máximo de 7% na massa específica do ar em sua saída.br/fldetc/topdiv_vent_10.4 e uma variação de massa específica (dρ/ρ) de 7%: p   k  p  pk  101300. ventilação em computadores.eng.2).br/fldetc/topdiv_vent_10. entre outros. Classificação dos Ventiladores As formas de classificação dos ventiladores variam bastante.0. a razão de calores específicos (k) para o ar de 1. formas das pás.07  9927. o que melhora o rendimento. entre outros. Quanto à forma do rotor  Centrífugos (radiais): a partícula gasosa tem trajetória sobre um plano praticamente normal ao eixo ( Figura 7.000[mmca] p   Confirmando que a classificação inicial dos ventiladores está de acordo com o que preconiza a ASME.k.shtml 2 http://www. k 1d Dividindo a segunda equação pela primeira dp d k p  Supondo a pressão atmosférica de 101. No caso “a” não há duto de ventilação.shtml 7-2 . podem ser classificados de acordo com a forma do rotor. e no caso “c” além do duto há aletas (fixas) para direcionar o movimento após o rotor.  Hélico-centrífugos: partícula tem trajetória em superfície de revolução cônica cuja geratriz é uma linha curva. e o ventilador é dito do tipo tubo axial.mspc. Considerando o processo isentrópico: pv k  cte  p  cte. número de rotores.300 [Pa].4[ Pa ]  1.eng. A seguir são exemplificadas algumas classificações. O fluxo de gases é direcionado para uma única saída.4.2).

trabalho pesado.Forma de pás de rotores radiais Segundo o número de entradas de aspiração do rotor  Simples aspiração  Dupla aspiração Segundo o número de rotores  Simples estágio (1 rotor)  Duplo estágio (2 rotores no mesmo eixo) Quanto à pressão  Baixa: até 200 mmH2O  Média: 200 a 800 mmH2O  Alta: 800 a 2.000 mmH2O Obs. Quanto à forma das pás em ventiladores centrífugos As formas de pás utilizadas em ventiladores centrífugos são mostradas na Figura 7. 3 Figura 7. silencioso. Usado para ar limpo.  Pás perfil de asa: mostrado na Figura 7.4(b) é usado para gases limpos. baixo nível de ruído.500 mmH2O  Muito Alta: 2.4 (e).4. item “a”.4 e suas características são descritas a seguir:  Pás radiais retas: ventilador robusto. 3 http://www.br/fldetc/topdiv_vent_10.  Pás curvas de saída radial: Mostrado na Figura 7.  Pás inclinadas para trás (curvas): apresentado na Figura 7. movimenta grandes cargas de partículas (em suspensão). tem bom rendimento. o aumento de pressão provocado pelos ventiladores na maioria dos sistemas de refrigeração e ar condicionado é geralmente inferior a 300 mmH2O. Bom rendimento. usado para alta pressão. Usado para alta pressão e grandes vazões.mspc. potência auto limitada. bom rendimento. É apresentado na Figura 7.500 a 10. Permite vazões mais altas com menores diâmetros.eng.4(d). e alta pressão.4 . Não é adequado para gases com partículas abrasivas ou material pegajoso. bom rendimento.shtml 7-3 . e rendimento baixo.  Pás curvadas para frente: mostrado na Figura 7.4(c).

3)  3    massa específica [ kg  m ] Condições padrão do ar A temperatura de 20ºC a pressão atmosférica ao nível do mar é de 101. 7-4 . até 12 rotores em série. vent.6 a 2.300 [Pa].3 a 1.10-5 [m2/s].8 Δp até 100mca. a massa específica do ar é de 1.Viscosidad e absoluta [kg  m 1  s 1 ]  2 1    . R5/R4 até 4.2)   3 RT    Massa específica [kg / m ]  Rar  287[ J / kg .3 Média pressão: ~ 250 mmH2O Centrífugo Radial Centrífugo 1 R5/R4≈1.K ] . bem abaixo das pressões críticas.1 T ) 10 6  (7. nome e características de alguns ventiladores Tipo Nome Nr. a viscosidade pode ser considerada como independente das variações de pressão.5.Constante do gás (ar) Viscosidade absoluta (μ)  . sendo função somente da temperatura.1)   viscosida de cinemática [m 2  s 1 ] Massa específica (ρ) T  Temperatur a absoluta do ar [ K ]  p  Pressão absoluta do ar [ Pa ] p  (7. Tubo-axial Axial Axial >1 Δp até 30 mmH2O Turbocompressor PROPRIEDADES DO AR Viscosidade cinemática (ν) Como a maioria das aplicações são a pressões próximas à atmosférica. Axial Axial 1 carcaça tubular envolve rotor único. Compressor ou Radial Centrífugo >1 turbocompressor hélice simples p/ movimentação de ar ambiente. de Características Conhecido por estágios Baixa pressão: ~ 150 mmH2O Centrífugo Radial Centrífugo 1 R5/R4≈1. Helicoidal Axial Axial 1 ventilador de teto.2 [kg/m3] e a viscosidade cinemática de 1.Temperatura do ar [o C ]   (13  0.1 mostra alguns ventiladores e suas características.   viscosida de cinemática [m  s ] (7. Nesta tabela os sub índices dos raios indicam o raio de entrada (4) e o raio de saída (5). T . Tabela 7. de coluna.1 – Tipo. A Tabela 7.6 Alta pressão: 250 ~ 750 mmH2O Soprador (Blower) Radial Centrífugo 1 R5/R4≈1.1 a 1.

pela coluna “h” de fluido. em ”2” será dita pressão de estagnação e será obtida utilizando Bernoulli.5 indica um ponto de estagnação. chega-se à equação de Bernoulli. fluido incompressível e sem ganho ou perda de energia. em escoamento invíscido. Figura 7.5 – representação da pressão estática e pressão de estagnação O ponto “2” da Figura 7. A equação de Bernoulli pode ser obtida a partir da aplicação da 2ª lei de Newton a uma partícula se movendo ao longo de uma linha de corrente. Considera-se que o fluido que passar pelo ponto “1” será levado à velocidade zero no ponto “2”. a pressão estática no ponto “1” é dada por “p1=patm+γh”. dada por: 1 pT  p  V 2  z 2 Ou seja. para dar as bases para usar tal equação na forma mais apropriada a gases. Supondo o fluido seguindo uma linha de corrente entre “1” e “2” e sendo desacelerado até V=0 no ponto “2” (V2=0). Representado na Figura 7.5. se a pressão em “1” é denominada pressão estática. dada por.CONSIDERAÇÕES SOBRE A ENERGIA Equação de Bernoulli Antes de quantificar as trocas energéticas que ocorrem neste equipamento. Comparando o manômetro em “1” ao manômetro em “2” pode-se ver que há diferença de pressões. regime permanente. será feita uma rápida revisão da equação de Bernoulli. então: 1 1 1 p1  1V12  z 1 p2   2V22  z 2  p2  p1  1V12 2 2 2 7-5 . A soma de todas estas pressões é chamada de pressão total. O segundo termo da equação é a pressão dinâmica. considerando:  Fluido invíscido: μ=0  Condutividade térmica (k) : k=0 → Q=0  Forças que agem sobre o fluido: gravidade e pressão  Regime permanente  Fluido incompressível  Avaliado sobre uma linha de corrente Aplicando a 2ª lei de Newton a uma partícula de fluido se deslocando sobre uma linha de corrente. 1 p  V 2  z  constante 2 O primeiro termo da equação é a pressão estática (p). E finalmente o terceiro termo está relacionado à pressão hidrostática. sujeito a forças de pressão e do campo gravitacional. a equação de Bernoulli indica que a pressão total é constante para a partícula fluida que se desloca sobre uma linha de corrente. tal pressão tem este nome por ser considerada como se fosse medida por um observador que se move com o escoamento.

ou pressão total do ventilador(PTV) A altura de elevação (H) é a diferença entre as energias do ar na saída e a na entrada do ventilador.4)  2   2  Ou seja. 1 1  1 1  H  2 2  p3  V3  z3    p2  V2  z 2   H  PT saída  PT entrada (7. a altura de elevação é a variação da pressão total. A Figura 7. Altura de elevação (H). câmaras frigoríficas. tendo assim uma determinada pressão absoluta. Δ(PT).7. total (ou estagnação) e dinâmica. total e dinâmica Instalação de referência As equações obtidas para os ventiladores terão como referência a Figura 7. Figura 7.6 – Medição das pressões estática.7 – Esquema de uma instalação com ventilador Vazão (Q) A vazão de um ventilador é o volume de ar deslocado na unidade de tempo. então neste ponto a pressão total é igual à pressão de estagnação. 7-6 .6 mostra como podem ser medidas as pressões estática. ou variação de pressão total (ΔPT). onde as câmaras podem representar salas. Figura 7. ou a própria atmosfera. entre a entrada e a saída do ventilador. Usando o trinômio de Bernoulli. E a pressão de estagnação é dada em sua forma mais geral por: 1 pestagnação  pestática  V 2  pressão dinâmica Se em determinado ponto do escoamento a parcela relativa à pressão hidrostática é zero.

8 – Leitura da variação de pressão total do ventilador (Fonte: Clezar e Nogueira. p. também nula (manométrica). Figura 7. considerando a velocidade de admissão nula e a pressão atmosférica. então:  1   PT    p3   3V32   0  0    PT   PT saída (7.  1   1   PT    p3  V32  z 3    p2  V22  z 2   2   2  As pressões usadas são as pressões absolutas:  1   1  PT    p3  patm3  V32  z3    p2  patm 2  V22  z 2  (7.6) A Figura 7. mmH 2O ou mH2O) se 1  1  PT   p3   ar V32  (7. A pressão total. 2009.7) 2    PT saída Designada pressão total do ventilador.188) Para o caso específico da admissão do ventilador estar aberta para a atmosfera.5)  2   2   1   1   PT    p3  V32    p2  V22    patm 3  patm 2     z3  z 2   2   2  A relação entre as pressões atmosféricas em dois pontos é dada pela hidrostática por: patm3  patm2    z 2  z3   patm3  patm 2    z 2  z3   patm3  patm2   z3  z 2  Resultando para a equação e variação da pressão total:  1   1   PT    p3  V32    p2  V22   2   2  (7.8 mostra como medir a variação de pressão total do ventilador. Pode ser expressa em comprimento de coluna de água (milímetro ou metro. por definição.8)  água  2 ( CNTP )  7-7 . é a soma da pressão estática na saída do ventilador com a pressão dinâmica também na seção de descarga do ventilador.

que tem a densidade de 1.300 N/m2. na seção inicial do sistema de ventilação. ao impor uma energia cinética nula na entrada do ventilador. obtida a partir da equação da energia. Os fatores que influenciam nesta variação são: a temperatura e a velocidade. Essa quantidade de energia.2 kg/m3). Dada por: 1 PVV  V32 (7. quando o ventilador opera em rotação constante. é denominada curva característica do ventilador. sob certas condições de referência. à pressão de 101. É importante observar que devido a compressibilidade dos fluidos com os quais os ventiladores trabalham. a massa específica pode variar de uma seção para outra. Note que. A pressão total.9) 2 4 Fonte: França. O fluido de trabalho padrão é o ar. mais a energia dissipada como perda de carga ao longo do duto de insuflamento.(7. 'Fan-coil' Água fria (ventilador + serpentina) Duto de (entrada) insuflamento Ar frio p/ Ar externo ambiente (saída) Figura 7. A energia do fluido escoando é a soma das energias cinética e de pressão. onde o ventilador é instalado na extremidade inicial do sistema de ventilação (Figura 7. considerada no formato da Eq. isto é. 2004 7-8 .9 – Esquema de insuflamento em um sistema de ar condicionado centralizado4 Conclui-se então que:  a pressão total é a energia específica.9). e massa específica do ar de 1. A condição de instalação impõe que a energia cinética na entrada no ventilador seja nula (V2 = 0). à temperatura de 20ºC. se as condições de referência são atendidas (energia cinética na entrada nula. evidentemente. e se a compressão do ar no ventilador ocorre para um fluido de trabalho que pode ser modelado como incompressível. considerando sua velocidade média. Imediatamente após a descarga do ventilador (antes da serpentina). Tais condições de referência aplicam- se ao fluido de trabalho e à instalação do ventilador.2 kg/m3. e  a curva que representa a relação entre a pressão total e a vazão descarregada. Pressão de velocidade do ventilador (PVV) É a pressão dinâmica na saída do ventilador. a pressão total define a máxima energia possível que o ventilador transfere ao fluido de trabalho.300 N/m2 (1 atm).8) representa a quantidade de energia específica que o ventilador transfere ao fluido de trabalho. pressão absoluta na entrada p2 = 101. é igual à variação das energias cinética e de pressão entre a entrada e a saída (o ambiente onde o ar é insuflado) do sistema de ventilação. Essa definição da pressão total do ventilador como a máxima energia transferida pelo ventilador pode ter sido motivada pela forma das montagens de sistemas de ventilação para aquecimento e resfriamento de ar.

ou ainda pressão manométrica total. É dada por. p3 p2 H PE     (7. Jh  Ht  H (7. É dada por V32 V22 HV   (7.10 Pressão estática do ventilador (Fonte: Clezar e Nogueira. 2009. Representa o ganho de energia cinética do fluido desde a entrada até a saída do ventilador. ou pressão dinâmica. pressão estática.188) Altura de carga estática (HPE) Também chamada de carga estática.10 mostra como medir a pressão estática do ventilador.12) 2g 2g Perda hidráulica (Jh) São as perdas que ocorre dentro do ventilador por atrito e turbilhonamento. É dada por PEV  PTV  PVV (7. Pressão estática do ventilador (PEV) É a diferença entre a pressão total do ventilador e a pressão de velocidade do ventilador.10) A Figura 7. Representa o ganho de energia de pressão do fluido desde a entrada até a saída do ventilador.11) Altura de carga dinâmica (HV) Também chamada de carga dinâmica.13) 7-9 . Figura 7. p.

de pás pode ser relacionadas pelo rendimento hidráulico H h  (7. A altura motriz de elevação (Hm) é dada por Hm  Ht  J m (7. Ph Pef  t (7.20)  t   m   h  V (7. Essa perda é denominada perda mecânica (Jm).18) Potência Hidráulica Ph  QH  Q. ou ainda.19) Potência Efetiva Também chamada de potência motriz. para número finito de pás.PV  (7.21) 7-10 . brake horse-power (BHP).17) Rendimento volumétrico O rendimento volumétrico é dado por Q V  Q  qi (7. nos mancais. As alturas de elevação (H) e teórica (Ht). mecânica. mecanicamente. podem ser relacionadas pelo rendimento mecânico. Uma parte dela é perdida. Se relaciona com a potência hidráulica através do rendimento total (ηt). para número finito. e outras. é a potência fornecida pelo motor ao eixo do rotor do ventilador. Ht m  Hm (7.15) g Altura motriz de elevação (Hm) Nem toda energia fornecida pelo motor ao eixo do rotor é transferida para o fluido (altura teórica de elevação).14) Ht Para ventiladores 1 H t  H t  u5  Cu 5  u 4  Cu 4  (7. transmissão por correias.16) As alturas motriz de elevação (Hm) e a teórica (Ht).

Está liberando 19. Máquinas de fluido. Florianópolis: Ed. Campinas: Unicamp. Pef= 1.L.. Considerando que a velocidade na saída do ventilador é igual a 10 m/s. Ventilação Industrial. Um ventilador aspira ar de um forno entregando uma vazão de 18620 m /h a 116ºC contra uma pressão estática de 250 Pa. 6 e também sua potência efetiva.417. NOGUEIRA. Ventilação industrial e controle da poluição. E.br/~em712/sisflu01. da UFSC. A pressão estática na saída da boca de insuflamento é medida sendo igual a 10 mmH20. MACINTYRE. Rio de Janeiro: LTC.9 kW. 2ª Ed. Determine a altura de elevação em mcar e mmH20 e a pressão total do ventilador. Nestas condições opera com 796 rpm e requer 9. Determine nestas condições de operação a pressão estática e potência absorvida pelo ventilador. C. Considere ar a 20º C.html 7-11 .62CV Figura 6 3 2. Resposta: Ph = 2. Determinar a pressão total do ventilador. 2004.fem. HENN. Um ventilador de ar condicionado está operando a uma velocidade de 600 rpm com variação de pressão total de 500 Pa e exigindo 3 potência de 6.A.5 m2 c. Porto Alegre: UFSM. A pressão dinâmica na entrada do ventilador é igual a 25 mmH20 e a pressão dinâmica na boca de saída do ventilador é igual a 25 mmH2 0. Determinar as novas condições de operação do ventilador. Calcule a diferença de pressão estática (Δp). Resposta: n=679 rpm PT=640 Pa P= 9.42 kW REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CLEZAR. Um sistema de ventilação apresenta uma perda de carga equivalente a 100 mmH20. Resposta: Δ(PT)=137 mmH2O 5. 2ª Ed. 2009.J. D1=2 m d. Apostila: Sistemas fluidomecânicos5. 5 http://www.EXERCÍCIOS 1. 3 3.29 mmH2O PT=1.A. Δp=122.000 m /h de ar nas condições padrão. FRANÇA.000 m /h. Resposta: H=88. Um ventilador trabalha com ar a 20º C com uma vazão de 20. L2 xb2 =2 x1. fornecida por um ventilador da Fig.C. sabendo que: 3 a. Q=50 m /s b. Rendimento total de 80% Resp. Determine a potência hidráulica sabendo que a altura de elevação é igual a 50 mmH20. 2ª ed.A. A. Para trabalhar com uma carga térmica de ar 3 condicionado maior que a planejada originalmente é necessário que o sistema trabalhe com 21.5kW. A. 1990. Considerando que o forno sofre uma perda de calor e começa a operar a 20º C.unicamp. 2006. em mmHg.725 kW 4.86 mmHg. F.44 mcar H=106.041 Pa 6. Num ventilador centrífugo é medida a pressão estática na entrada da boca de aspiração registrando-se uma pressão igual a -127 mmH20 (negativo).500 m /h.