You are on page 1of 126

CAPÍTULO #10

MOEDA, JUROS E RENDA

McGraw-Hill/Irwin Copyright © 2011 by The McGraw-Hill Companies, Inc. All Rights Reserved.

INTRODUÇÃO
A moeda tem um papel central na determinação do emprego e da
renda na economia.

As taxas de juros são um importante determinante dos gastos
agregados no Brasil o Bacen (Banco Central do Brasil)
controla a oferta de moeda (M).

O estoque de moeda, a taxa de juros estavam ausentes do
modelo keynesiano básico visto no cap. 9.

10-2

INTRODUÇÃO
Neste capítulo:

 Será introduzido a oferta de moeda e a política monetária;
 Será construida uma estrutura teórica explícita dentro da
qual será estudada a interação entre os mercados de bens e
de ativos.

 O que determina a taxa de juros no mercado monetário?
 Qual é a importância da taxa de juros no ciclo econômico (business
cycle)?
 Como são determinados os niveis de equilíbrio conjunto do produto
e juros quando são levandos em conta tanto o mercado de bens
como o mercado monetário?

10-3

10-4 . Assim.1 mostra a forte ligação entre a moeda e produto no curto prazo. neste capítulo nós exploramos a relação entre taxa de juros e produto. INTRODUÇÃO A figura 10.

O modelo IS-LM inclui também o mercado de bens e o mercado monetário. . e sua ligação através da taxa de juros (i) e renda (Y). mas adiciona a taxa de juros (i) como um determinante adional da demanda agregada (DA) e sua influência sobre o investimento (I). Ele mantêm os detalhes do modelo keynesiano básico de demanda agregada. MODELO IS-LM O modelo IS-LM é o “core” da macroeconomia de curto prazo.

ESTRUTURA DO MODELO IS-LM 10-6 .

O investimento agregado. representado pela oferta e demanda por moeda determina a taxa de juros. o nível de produto da economia. A interligação entre o lado real e o lado monetário da economia é feita através da taxa de juros. a taxa de juros. Assim. afetará a demanda agregada por meio dos investimentos. A renda. por sua vez. a política fiscal (impostos e gastos públicos) e o nível de preços. o mercado de ativos. e portanto. é agora afetado pela taxa de juros. . que é considerado constante. tomando-se com variáveis exógenas no modelo a política monetária (oferta de moeda). vemos que se trata de um sistema de terminação simultânea da renda e da taxa de juros. por meio da demanda por moeda que afeta a taxa de juros. suposto constante no modelo básico.ESTRUTURA DO MODELO IS-LM De acordo com esta estrutura. determinada no mercado de ativos. Assim. também influi no mercado de ativos.

A extensão do modelo IS/LM para uma economia aberta é conhecida por IS/LM/BP ou Modelo Mundell-Fleming. MODELO IS-LM O modelo IS-LM é uma formalização matemática desenvolvida e criada inicialmente por John Richard Hicks baseada largamente na teoria de John Maynard Keynes. A sigla IS/LM do modelo provém do inglês InvestmentSaving / Liquidity Preference Money supply. .

onde Roy Harrod.br/Professores/54/Art_Hicks_1937. http://www.ufpr. e não LM) na revista Econometrica em 1937.economia.pdf . Depois de ver um ensaio do Harrod. nascendo assim o modelo. John Hicks e James Meade apresentaram as suas propostas de modelização. o Hicks publicou o modelo IS/LM (originalmente LL. MODELO IS-LM Os primeiros passos para a sua modelização aconteceram na Conferência de Econometria realizada em Oxford de Setembro de 1936.

com esta passando a influir na determinação da renda através do investimento. Neste modelo. Os pressupostos básicos do modelo keynesiano básico são mantidos. MODELO IS-LM O modelo IS/LM origina-se do trabalho de Hicks (1937). portanto. Mr. No modelo IS/LM. tais como a demanda determina o produto e o nível de preços se mantêm constante. no qual o autor tentou sintetizar as contribuições de Keynes (1936). Constitui-se. . Keynes and the Classics. num modelo de equações simultâneas. temos a determinação simultânea da taxa de juros e da renda que equilibram o mercado de bens e de ativos. é incorporado o mercado de ativos e a determinação da taxa de juros à análise.

pdf • http://www.pdf • http://web.anpec.it/bagliano/macro3/hicks_econ37.unito.pdf .rep.org. MODELO IS-LM • http://www.br/pdf/96-5.econ.org.br/revista/vol8/vol8n3p401_436.

O MERCADO DE BENS E A CURVA IS 10-12 .

10-13 . de modo que o mercado de bens esteja em equilíbrio.O MERCADO DE BENS E A CURVA IS A curva IS mostra as combinações de taxa de juros (i) e produto (Y). ou alternativamente. onde o produto seja igual ao gasto planejado Y = DA.

10-14 . mas depende da taxa de juros (i) (que é uma variável endógena no modelo).bi As taxa de juros (i) são os custos de tomar emprestado do sistema financeiro – um aumento da taxa de juros aumenta o preço que as firmas pagam para comprar capital – ou seja para investir. A demanda por investimento é baixa quanto maior for a taxa de juros: I = Io .O MERCADO DE BENS E A CURVA IS O investimento (I) não é mais tratado com sendo uma variável exógena no modelo. Ela reduz a quantidade de investimento demando.

INVESTIMENTO E TAXA DE JUROS • A função investimento pode ser especificada como: I= Io .bi (1) onde: b>0  i = taxa de juros. 10-15 .  Io = gasto em investimento autonômo  A figura ao lado ilustra a curva de investimento da equação (1)  A inclinação negativa reflete o pressuposto de que uma redução na taxa de juros (i) aumenta a quantidade de gastos em investimento pelas empresas.  b = sensibilidade dos gastos em investimento as variações na taxa de juros.

INVESTIMENTO E TAXA DE JUROS 10-16 .

b. INVESTIMENTO E TAXA DE JUROS I = Io-bi (1) • A posição da curva I é determinada por dois fatores:  A inclinação. ou seja quando b for grande.  Se I investimento for altamente sensível a I. a curva é quase vertical. ou seja se b for pequeno. descolca a curva para dentro.  Se o investimento pouco reponder ao investimento. 10-17 .  Uma diminuição em I . a curva de investimento é quase plana.  Nível de investimento autonômo  Um aumento em I descola da curva para fora. dada por.

10-18 .  Para um dado nível de taxa de juros i. nós podemos determinar o nível de equilibrio da renda e do produto (Y*) tal como no capítulo 9. TAXA DE JUROS E A CURVA DA: A CURVA IS Agora é necessário modificarmos a função de demanda agregada (DA) do último capítulo para que ela reflita a nova curva de investimento planejado. AD C I G NX (2) C cT R c(1 t )Y (I bi ) G NX A c(1 t )Y bi  Um aumento na taxa de juros (i) reduz a DA para um dado nível de renda (Y).

O nível de equilíbrio da renda é Y1 no ponto E1.temos um ponto sobre a curva IS.Y1) na parte de baixo do painel como o ponto E1 . TAXA DE JUROS E A CURVA DA: A CURVA IS Para uma dada taxa de juros i1.  As combinações de I e Y são as que equilibram o mercado de bens.  Plotando o par (i1. o último termo na equação (2) é uma constante. 10-19 .

TAXA DE JUROS E A CURVA DA: A CURVA IS • Derivando a curva IS usando a Figura 10-5. i2  Isto gera um deslocamento da curva DA para DA’  Dado o aumento em DA. com um nível de renda associado Y2. o novo equilíbrio ocorrem em E2. 10-20 .  Plotando o par (i2. Y2) no painel (b) temos um outro par sobre a curva IS.  Considere uma taxa de juros mais baixa.

10-21 .

10-22 . A curva IS mostra todas as combinações de taxa de juros e nível de renda onde o mercado de bens está em equilíbrio. TAXA DE JUROS E A CURVA DA: A CURVA IS Todos os pontos sobre a curva IS representam combinações de taxa de juros (i) e nível de renda (Y) no qual temos um equilíbrio no mercado de bens.

.

função da renda disponível (Yd). TAXA DE JUROS E A CURVA DA: A CURVA IS Para deduzir a curva IS. a igualdade entre poupança e investimento. também. podemos recorrer. Isso pode ser visto recorrendo-se aos gráficos abaixo . A poupança como resultado do consumo é. Assim. reduções nas taxa de juros (i) que levem à ampliação do investimento (I) devem ser acompanhadas por um crescimento da renda que provoque o aumento necessário na poupança(S) para manter o equilíbrio. no modelo keynesiano.

TAXA DE JUROS E A CURVA DA: A CURVA IS i i I(i) IS 0 0 Y I S I=S S S(Y) 0 I 0 Y .

TAXA DE JUROS E A CURVA DA: A CURVA IS Nós também podemos derivar a curva IS usando a condição de equilíbrio no mercado de bens: Y AD A c(1 t )Y bi Y c(1 t )Y A bi (4) Y (1 c(1 t )) A bi Y G ( A bi) 1 onde G (1 c(1 t ))(5). 10-26 . é o multiplicador do capítulo 9.

A INCLINAÇÃO DA CURVA IS • A inclinação da curva IS depende de dois parâmetros do modelo:  Da sensibilidade dos gastos de investimento (b). 1  Do valor do multiplicador . que geram mudanças em I. G (1 c(1 t )) 10-27 .

• Dada uma mudança em i temos uma grande mudança em DA (grande deslocamento).  Um grande deslocamento na DA produz uma grande mudança em Y. a curva IS é relativamente horizontal.  Se os gastos de investimento não forem muito sensíveis (b pequeno) a I.  Uma grande mudança em Y resultante de uma dada mudança em i a curva IS é relativamente plana. 10-28 . A INCLINAÇÃO DA CURVA IS • Suponha que os gastos de investimento I sejam muito sensíveis a taxa de juros (i) a inclinação de b é grande.

Dada uma redução nas taxas de juros de i1 para i2. 10-29 . O coificiente (c) sobre a curva sólida DA é menor do que a curva vazada DA o multiplicador é maior na curva vazada DA. temos que há um aumento no intercepto da curva DA pela mesma distância vertical.O PAPEL DO MULTIPLICADOR A figura 10-6 mostra que a curva DA corresponde a diferentes multiplicadores.

O PAPEL DO MULTIPLICADOR 10-30 .

Isto poderá ser visto na eq. Resolvendo a eq. the associated change in i willYbe G A G bi larger in size as b is smaller Y A G i and as the multiplier is smaller. (5). Gb A Y b G b 10-31 .O PAPEL DO MULTIPLICADOR Quanto menor for a sensibilidade do gastos do investimento a taxa de juros e menor for o multiplicador. (5) para a taxa de juros (i). obtemos: Y G (A bi ) For a given change in Y. menos inclinada será a curva IS.

EFEITO DE UMA POLÍTICA FISCAL EXPANSIONISTA (AUMENTO EM G) i IS1 ISO 0 Y .

EFEITO DE UMA POLÍTICA FISCAL EXPANSIONISTA (AUMENTO EM G) 10-33 .

PONTOS NA CURVA IS E PONTOS FORA DA CURVA IS .

Neste ponto também temos um equilíbrio no mercado de bens. E2 .Neste ponto temos um equilíbrio no mercado de bens. 10-35 . um ponto onde a demanda agregada (DA) é igual ao produto (Y). PONTOS NA CURVA IS E PONTOS FORA DA CURVA IS E1 . um ponto onde a demanda agregada é igual ao produto.

porém o nível de consumo é mais alto. o ponto correspondente no gráfico.o ponto E3 é um ponto de excesso de demanda por bens. Neste ponto a demanda por bens excede a produção. uma vez que a produção é maior do que a demanda agregada. isto é – a demanda agregada. 10-36 . dada a taxa de juros i1 e o nível de renda Y2. E4 . pois a taxa de juros está baixa demais para permitir o equilíbrio do mercado de bens. temos uma excesso de oferta de bens.no ponto E4 temos que a mesma taxa de juros i1. PONTOS NA CURVA IS E PONTOS FORA DA CURVA IS E3 . Dada a taxa de juros I1.

EOB E1 E4 E3 E2 EDB .

Isto é indicado como EDB.Assim vemos que: (i) os pontos acima e a direita da curva IS – os pontos como E4 – são pontos de excesso de oferta de bens. PONTOS NA CURVA IS E PONTOS FORA DA CURVA IS . (ii) Os pontos abaixo e à esquerda da curva IS são pontos de excesso de demanda por bens . Isso é indicado por EOB. 10-38 .os pontos como E3 a taxa de juros é baixa demais e a demanda agregada é excessivamente alta em relação à produção.

ocorrerá acumulo de estoques. o ajuste se dará via quantidades. alterando o nível de produto (renda). fazendo com que as empresas diminuam a produção. PONTOS NA CURVA IS E PONTOS FORA DA CURVA IS Segundo a lógica keynesiana. havendo excesso de oferta. . Essa é a primeira regra de ajustamento: sempre que houver desequilíbrios no mercado de bens. com preços constantes. como descrito no gráfico acima.

A razão para que isto ocorra se encontra na relação existente entre taxa de juros e as decisões de realizar um gasto em um investimento.UM CASO ESPECIAL DA CURVA IS A configuração-padrão da curva IS mostra que existe uma relação inversa entre a taxa de juros e o nível de renda no mercado de bens. .

UM CASO ESPECIAL DA CURVA IS O caso no qual a curva IS é vertical. portanto. é igualmente inexistente a relação entre a taxa de juros e a renda no mercado de bens. Este caso corresponde ao caso onde b (a sensibilidade do investimento a taxa de juros) é igual a zero. Em última instância isto significa que o equilíbrio no mercado de bens independe do comportamento da taxa de juros. . Isto significa que as variações na taxa de juros não afetam o investimento e a renda do sistema. mostra que inexiste a relação entre taxa de juros e investimento e.

UM CASO ESPECIAL DA CURVA IS IS i 0 Y* Y .

resultando numa redução do nível de equilíbrio da renda (Y*). (3) quanto menor o multiplicador. RESUMO DA CURVA IS (1) A curva IS mostra as combinações de taxa de juros (i) e nível de renda (Y). de forma que o mercado de bens esteja em equilíbrio. isto é. (2) A curva IS é negativamente inclinada porque um aumento na taxa de juros reduz os gastos de investimento planejados e consequentemente também a demanda agregada. . quando Y = DA. menos sensível será a despesa de investimento a variações da taxa de juros e mais inclinada será a curva IS.

nos pontos a esquerda da curva IS há excesso de demanda por bens. Um aumento dos gastos autonômos. RESUMO DA CURVA IS (4) A curva IS é deslocada por variações nos gastos autônomos. . incluindo o aumento nos gastos governamentais. (6) Os pontos a direita da curva IS há excesso de oferta no mercado de bens. desloca a curva IS para fora e para o alto. (5) Os pontos sobre a curva IS mostram todas as combinações entre taxa de juros e nível de renda no qual o mercado de bens está em equilíbrio.

O MERCADO MONETÁRIO E A CURVA LM 10-45 .

Um título é uma promessa de pagamento ao portador. ações. a cada dia. realizados nos mercados de valores. O MERCADO DE VALORES Os mercados de valores são aqueles em que moedas. de certas quantias em datas futuras especificadas. títulos. . casas e outras formas de riqueza são transacionados. conforme estabelecido previamente. porem vamos simplificar as coisas pelo agrupamento de todos os valores financeiros em dois grupos: moeda e ativos que rendem juros. Uma enorme variedade de valores e um tremendo volume de transações são.

Denominamos as decisões sobre como manter ativos de decisões de portfólio. Quanto mais títulos tiver. mais juros receberá sobre sua riqueza financeira total. um indivíduo tem de decidir como empregar sua riqueza entre ativos alternativos. Quanto mais moeda tiver. menor a possibilidade que ele terá de não dispor de moeda para efetuar alguma compra. .A RESTRIÇÃO DA RIQUEZA A todo o momento.

por exemplo $500 em títulos e $500 em moeda ou $900 em títulos e $100 em moeda. digamos $1.000 em riqueza financeira terá que decidir se emprega. cuja implicação é que a soma da demanda individual por moeda e por títulos deve ser igual a riqueza financeira global do individuo.A RESTRIÇÃO DA RIQUEZA A pessoa que tiver. . Dado o nível de riqueza financeira o indivíduo que decidiu quanto manter em títulos implicitamente também decidiu quanto manter em moeda. Assim. há uma restrição orçamentária da riqueza.

os títulos reais são a quantidade nominal de títulos dividida pelo nível de preços. e a demanda real por moeda é frequentemente denominada de demanda por encaixes reais. Os encaixes de liquidez real – encaixes reais – são a quantidade de moeda nominal dividida pelo nível de preços. a demanda nominal por títulos é a demanda por títulos de certo valor em dólares. Ao contrário. dólares ou euros e. Similarmente. a demanda real por moeda é a demanda expressa em termos de unidades de bens e serviços que a moeda poderá comprar: é igual a demanda nominal dividida pelo nível de preços. . similarmente.A RESTRIÇÃO DA RIQUEZA A demanda nominal por moeda é a demanda individual por certo numero de reais.

que simbolizaremos por V. que simbolizaremos por L. devem somar a riqueza financeira real dos indivíduos (W/P).A RESTRIÇÃO DA RIQUEZA A restrição orçamentária da riqueza no mercado de ativos enuncia que a demanda por encaixes reais. (W/P) = L + V (1) . mais a demanda por títulos reais.

o fato de que a decisão de demandar mais encaixes reais também é uma decisão de manter menos riqueza real sob a forma de títulos. dada a riqueza real.A RESTRIÇÃO DA RIQUEZA Observe-se mais uma vez que a restrição orçamentária da riqueza real implica. quando o mercado monetário está em equilíbrio. essa implicação nos permitirá examinar o mercado de ativos inteiramente em termos do mercado monetário. o mercado de títulos também o estará. pois. dada a riqueza real do indivíduo. . Assim.

. a riqueza financeira real agregada é igual a: (W/P) = (M/P) + Vs (2) em que: M . Assim.A RESTRIÇÃO DA RIQUEZA A riqueza financeira real agregada da economia consiste em encaixes reais em títulos reais existentes.é o estoque nominal de moeda. Vs – é o valor real da oferta de títulos.

.A RESTRIÇÃO DA RIQUEZA (W/P) = L + V (1) (W/P) = (M/P) + Vs (2) A distinção entre as duas equações (1) e (2). enquanto a equação (2) é meramente uma relação contábil que nos diz de quanto é a riqueza financeira da economia. é que a equação (1) sobre a quantidade de ativos que os indivíduos desejam manter.

Assim. obtemos a equação (3): [L – (M/P)] + (V – Vs) = 0 (3) Se L for igual a (M/P). a demanda por títulos reais (V) será necessariamente igual à oferta de títulos reais (Vs). se a demanda por encaixes reais L for igual à oferta de encaixes reais (M/P).A RESTRIÇÃO DA RIQUEZA Substituindo a equação (1) na equação (2) e rearranjando os termos. portanto. . então temos que o primeiro termo da equação (3) é igual a zero e. o segundo termo entre parênteses será necessariamente também zero.

o segundo termo entre parênteses será necessariamente também zero. Assim. obtemos a equação (3): [L – (M/P)] + (V – Vs) = 0 (3) Se L for igual a (M/P). portanto. então temos que o primeiro termo da equação (3) é igual a zero e. se a demanda por encaixes reais L for igual à oferta de encaixes reais (M/P). . a demanda por títulos reais (V) será necessariamente igual à oferta de títulos reais (Vs).A RESTRIÇÃO DA RIQUEZA Substituindo a equação (1) na equação (2) e rearranjando os termos.

V = Vs. temos que V > Vs. concentrando nossa atenção apenas no mercado monetário. temos que V < Vs e quando L < (M/P). portanto. podemos examinar o mercado de ativos. de forma que L=(M/P). Assim. quando L > (M/P).A RESTRIÇÃO DA RIQUEZA [L – (M/P)] + (V – Vs) = 0 (3) Enunciando a mesma proposição em termos de “mercados”. de forma completa. podemos dizer que a restrição orçamentária da riqueza implica o fato de que. . o mercado de títulos também o estará e. Similarmente. quando o mercado monetário estiver em equilíbrio.

O MERCADO MONETÁRIO E A CURVA LM .

O MERCADO MONETÁRIO E A CURVA LM A curva LM mostra as combinações entre taxa de juros (i) e nível de renda (Y) de modo que o mercado monetário esteja em equilíbrio. isto é. isto é: (M/P) = L. quando a oferta real de moeda (M/P) for igual a demanda real por moeda (L). 10-58 .

A DEMANDA POR MOEDA A demanda por moeda (Ld) é a demanda por saldos reais (M/P). 10-59 . ao invés do número de reais que elas tem em seus bolsos. Os indivíduos estão preocupados com quanto a sua moeda pode comprar em termos de bens.

Quanto mais alta a taxa de juros. por sua vez depende de sua renda (motivos transação e preucação). a qual. Taxa de juros (i) : que é o custo de oportunidade de manter moeda (motivo especulação). A DEMANDA POR MOEDA A demanda por saldos reais (moeda) depende de dois fatores:  Renda real (Y): os indivíduos mantêm moeda para pagar por suas compras. 10-60 . mais caro será manter moeda e menos moeda as pessoas irão manter para cada nível de renda.

A DEMANDA POR MOEDA • A demanda por moeda é definida pela equação: (6): L = kY .hi 10-61 .

respectivamente. 10-62 . a quantidade demandada de moeda é uma função decrescente da taxa de juros (i). A DEMANDA POR MOEDA L kY hi (6) Os parâmetros k e h refletem a sensibilidade da demanda real por moeda com relação ao nível de renda (Y) e a taxa de juros (i). A demanda real por moeda (M/P) implica que. para um dado nível de renda (Y).

A DEMANDA POR MOEDA 10-63 .

10-64 .A OFERTA DE MOEDA. O EQUILÍBRIO NO MERCADO MONETÁRIO E A CURVA LM A quantidade nominal de moeda (M) é assumida ser controlada pelo Banco Central (BACEN). onde M e P são assumidos serem fixos. A oferta real de moeda é dada por (M/P).

O EQUILÍBRIO NO MERCADO MONETÁRIO E A CURVA LM 10-65 .A OFERTA DE MOEDA.

O EQUILÍBRIO NO MERCADO MONETÁRIO E A CURVA LM 10-66 .A OFERTA DE MOEDA.

A OFERTA DE MOEDA.o mercado monetário está em equilíbrio. Money market equilibrium implies that an increase in the interest rate is accompanied by an increase in the level of income. 10-67 . O EQUILÍBRIO NO MERCADO MONETÁRIO E A CURVA LM A curva LM mostra todas as combinações de taxa de juros e renda. de tal modo que da demanda real por moeda (L) seja igual a oferta .

o nível de renda tem que subir.A OFERTA DE MOEDA. Para manter a demanda real por moeda igual a oferta fixa de moeda. 10-68 . O EQUILÍBRIO NO MERCADO MONETÁRIO E A CURVA LM A curva LM é positivamente inclinada porque: Um aumento na taxa de juros reduz a demanda real por moeda (L).

A OFERTA DE MOEDA. O EQUILÍBRIO NO MERCADO MONETÁRIO E A CURVA LM A curva LM pode ser obtida diretamente combinando a curva de demanda real por moeda (L) com a oferta fixa de moeda (M/P). a demanda real por de moeda deve ser igual a oferta: M (7) kY hi P 1 M  Resolvendo para i obtemos: i kY (7a) h P 10-69 .  Para que o mercado monetário esteja em equilíbrio.

Estes pontos podem ser confirmados fazendo um experimento com a Figura 10-9 ou examinando a equação (7a): 1 M i kY h P efeito sobre i. quanto maior for k e menoUma dada mudança na renda tem um grande r for h. 10-70 . A INCLINAÇÃO DA CURVA LM A curva de LM será mais inclinada quanto: Maior for a sensibilidade da demanda por moeda a renda. tal como medida por k. Quanto menor for a sensibilidade da demanda por moeda a taxa de juros (h).

10-71 . A Figura 10-10 mostra o efeito de um aumento na oferta de moeda (política monetária expansionista)  O painel (a) mostra a demanda por saldos reais para o nível de renda Y1.uma mudança na oferta real de moeda (M/P) irá deslocar a curva LM. A POSIÇÃO DA CURVA LM A oferta real de moeda é assumida ser constante ao longo da curva LM .  O equilíbrio ocorre no ponto E1 com a taxa de juros i1 - correpondendo ao ponto E1 sobre a curva LM.

A POSIÇÃO DA CURVA LM 10-72 .

PONTOS NA CURVA LM E PONTOS FORA DA CURVA LM .

. no qual a demanda por moeda é igual a oferta de moeda. no qual a demanda por moeda é igual a oferta de moeda (Ld= M/P). E2 .aqui temos um equilíbrio no mercado monetário.aqui também temos um equilíbrio no mercado monetário. PONTOS NA CURVA LM E PONTOS FORA DA CURVA LM E1 .

PONTOS NA CURVA LM E PONTOS FORA DA CURVA LM E3 – aqui temos que o nível inicial de renda Y1. porém uma taxa de juros que é por demais elevada para resultar no equilíbrio do mercado monetário. E4 – aqui temos um excesso de demanda por moeda – um excesso de demanda sobre a oferta igual a distância E1E4. . O ponto E4 é um ponto de excesso de demanda por moeda pois a taxa de juros está por demais baixa e/ou o nível de renda por demais elevado para eu haja equilíbrio no mercado monetário. por conseguinte temos um excesso de oferta de moeda iguala a distância E3E2.

A OFERTA DE MOEDA. O EQUILÍBRIO NO MERCADO MONETÁRIO E A CURVA LM E3 E2 E3 E2 EOM E1 E1 EDM E4 E4 10-76 .

.qualquer ponto à direita e abaixo da curva LM é um ponto de excesso de demanda por moeda (EDM) e qualquer ponto à esquerda e acima da curva LM é um ponto de excesso de oferta (EOM). PONTOS NA CURVA LM E PONTOS FORA DA CURVA LM Generalizando: .

PONTOS NA CURVA LM E
PONTOS FORA DA CURVA LM
Os desequilíbrios no mercado monetário são
corrigidos com variações nas taxa de juros.

Quando há excesso de oferta a taxa de juros diminui e
quando há excesso de demanda a taxa de juros se
eleva.

CASOS ESPECIAIS
DA CURVA LM

CASOS ESPECIAIS DA CURVA LM
(i) O caso da “armadilha da liquidez” – a situação da armadilha da
liquidez é uma caso particular do modelo IS-LM onde a curva LM é
vertical. Trata-se de uma situação limite na qual os agentes estão dispostos
a demandar toda a oferta de moeda a uma data taxa de juros constante.
Neste caso, um aumento na oferta de moeda gera uma ampliação na mesma
proporção na demanda por moeda. Uma situação como esta é compatível e
justificável apenas em momentos de profunda incerteza dos agentes em
relação ao comportamento futuro do sistema econômico.

A liquidez é desejada porque a moeda, sob o aspecto de reserva de valor,
permite que os agentes econômicos posterguem suas decisões quanto a
alocação de sua riqueza.

Alterações na oferta de moeda que tenderiam a reduzir a taxa de juros são incapazes de modificá-la. a principal implicação de uma situação de armadilha de liquidez é que o Banco Central (BACEN) é incapaz de definir. .CASOS ESPECIAIS DA CURVA LM Do ponto de vista do modelo IS-LM. o patamar da taxa de juros de equilíbrio. através de alterações na liquidez. em função do crescimento da demanda por moeda que ocorre nessa situação.

UM CASO ESPECIAL DA CURVA LM: ARMADILHA DA LIQUIDEZ i LM i* 0 Y .

.

ARMADILHA DA LIQUIDEZ 11-84 .

não cabendo à taxa de juros nenhum papel na definição dessa demanda. . Aqui a moeda não se constitui um ativo dos agentes econômicos e portanto não faria sentido a manutenção da riqueza na forma monetária. mas não como um ativo do sistema. então pode-se afirmar que. ou seja. Se a demanda por moeda não for um ativo do sistema.CASOS ESPECIAIS DA CURVA LM: O CASO “CLÁSSICO” (ii) o caso da LM “clássica” – na versão “clássica” a moeda exerce apenas a função de unidade de conta e meio de pagamento. na construção clássica. Aqui a moeda seria apenas desejada para realizar transações. a demanda por moeda é uma função apenas do nível de renda dos agentes. não faz sentido o entesouramento.

UM CASO ESPECIAL DA CURVA LM LM i 0 Y* Y .

o mercado de títulos também o está. quando a demanda por moeda (L) for igual a oferta de moeda (M/P). (2) Quando o mercado monetário está em equilíbrio. é também a curva de combinações de nível de renda e taxa de juros. tais que o mercado de títulos esteja em equilíbrio. . portanto. a curva LM. RESUMO DA CURVA LM (1) A curva LM mostra as combinações de taxa de juros e nível de renda quando o mercado monetário está em equilíbrio. ou seja.

reduzindo assim a demanda por moeda e deste modo mantendo a demanda por moeda igual à oferta de moeda. há excesso de oferta de moeda. há excesso de demanda por moeda. RESUMO DA CURVA LM (3) A curva LM tem inclinação positiva. . para pontos à esquerda. Um aumento da oferta de moeda desloca a curva LM para fora e para a direita. pois dada uma oferta de moeda fixa. um aumento no nível de renda (Y) que aumente a demanda por moeda (L) é necessariamente acompanhado por um aumento da taxa de juros. (4) A curva LM desloca-se quando há variações da oferta de moeda. (5) Para pontos à direita da curva LM.

O EQUILíBRIO NO MERCADO DE BENS E MONETÁRIO .

 As firmas estão dispostas a ofertar qualquer montante de produto que é demando aquele nível de preços. • O ponto E na Figura 10-11. O EQUILIBRIO NO MERCADO DE BENS E MONETÁRIO • As curvas IS e LM resumem as condições que tem que ser satisfeitas para os mercados de bens e monetário estejam em equilíbrio simultaneamente. 10-90 . corresponde ao par (io. Yo). • Pressupostos:  O nível de preços (P) é assumido ser constante.

O EQUILIBRIO NO MERCADO DE BENS E MONETÁRIO 10-91 .

AJUSTAMENTOS NO SENTIDO DO EQUILÍBRIO .

AJUSTAMENTOS NO SENTIDO DO EQUILÍBRIO I II IV III 10-93 .

AJUSTAMENTOS NO SENTIDO DO EQUILÍBRIO REGIÃO MERCADO DE BENS MERCADO MONETÁRIO I EOB (Y > A) EOM (L < M/P) II EDB (Y < A) EOM (L < M/P) III EDB (Y < A) EDM (L > M/P) IV EOB (Y > A) EDM (L > M/P) .

AJUSTAMENTOS NO SENTIDO DO EQUILÍBRIO Os níveis de equilíbrio da renda e da taxa de juros mudam quando tanto as curvas IS como LM se deslocam. 10-95 .

A POLÍTICA ECONÔMICA NO MODELO IS-LM .

A política fiscal é aquela realizada pelo Tesouro Nacional e que determina o comportamento dos gastos do governo (G). das transferências (TR) e dos impostos (TA). . A política monetária refere-se as ações do Banco Central na definição da liquidez do sistema econômico. A POLÍTICA ECONÔMICA NO MODELO IS-LM O modelo IS\LM para uma economia fechada permite analisar o papel exercido pela política econômica sobre o nível de renda e a taxa de juros de equilíbrio.

POLÍTICA FISCAL LM i IS2 IS1 IS0 0 Y .

POLÍTICA MONETÁRIA LM2 i LM0 LM1 IS 0 Y .

sendo. a curva LM horizontal. com o efeito multiplicador funcionando plenamente. pois a taxa de juros não se altera em resposta ao deslocamento da curva IS. temos que a demanda por moeda é infinitamente elástica em relação a taxa de juros. semelhante ao discutido no modelo básico. . portanto. redução no nível de investimento. assim. Neste caso o efeito da política fiscal será máximo.POLÍTICA MONETÁRIA: O CASO DA ARMADILHA DE LIQUIDEZ No caso da armadilha da liquidez. temos a máxima eficiência da política fiscal. não havendo. Neste caso.

POLÍTICA FISCAL NO CASO ARMADILHA DA LIQUIDEZ i io LM IS2 IS1 0 Y1* Y2* Y .

Temos apenas a substituição de gasto privados por gastos públicos.POLÍTICA FISCAL NO CASO CLÁSSICO No chamado “caso clássico”. O maior gasto público não leva a qualquer alteração da renda. . o chamado efeito crowding-out ou efeito deslocamento. que provoca uma redução no investimento privado de magnitude semelhante à variação do gasto público. a política fiscal será totalmente ineficaz. a curva LM é vertical. apenas gerando uma variação na taxa de juros. e neste caso.

POLÍTICA FISCAL NO CASO CLÁSSICO LM i IS2 IS1 0 Y* Y .

POLÍTICA MONETÁRIA NUM CASO ESPECIAL DA CURVA IS IS LM1 i LM0 0 Y* Y .

eurmacro. Site de Simulação http://www.eu/tutor/islm.html .

O CONTROLE DA TAXA DE JUROS
E DA OFERTA DE MOEDA –
O MODELO DE POOLE (1970)

O CONTROLE DA TAXA DE JUROS E DA OFERTA
DE MOEDA – O MODELO DE POOLE (1970)

O Banco Central não pode definir simultaneamente a taxa de juros e o estoque de
moeda em quaisquer metas dadas que ele possa escolher.

Se o BACEN desejar fixar a taxa de juros em i* e o estoque de moeda for M*,
com a demanda por moeda igual a LL, temos que o BACEN pode mover a oferta
de moeda (M/P), mas não LL. Ele somente pode fixar as combinações de i e M
que se situem ao longo de LL.

A uma taxa de juros i*, nós temos M0/P, se meta de oferta de moeda for M*/P, a
taxa de juros deve ser i0. Nós não podemos ambas as metas simultaneamente.

O CONTROLE DA TAXA DE JUROS E DA OFERTA DE
MOEDA – O MODELO DE POOLE (1970)

Assuma que o Bacen deseje que a economia atinja um determinado nível de produto tal como (Y*) .O CONTROLE DA TAXA DE JUROS E DA OFERTA DE MOEDA – O MODELO DE POOLE (1970) Poole (1970) discutiu a questão envolvendo a escolha entre as metas de taxas de juros ou oferta de moeda pelas autoridades moentárias.

.O CONTROLE DA TAXA DE JUROS E DA OFERTA DE MOEDA – O MODELO DE POOLE (1970) LM(M) = a curva LM que existe quando o BACEN fixa o estoque de moeda com meta intermediária. LM(i) = curva LM que existe quando o BACEN fixa a taxa de juros em (i*).

o produto iria se desviar do nível desejado pelo BACEN (Y*). O produto está mais próximo de Y* quando LM for LM(M) – a curva LM quando o Bacen controla da oferta de moeda. antecipadamente. A Figura 16-5(a) mostra duas possíveis curvas IS se o BACEN não sabe. A meta do BACEN é alcançar Y*. .O CONTROLE DA TAXA DE JUROS E DA OFERTA DE MOEDA – O MODELO DE POOLE (1970) Problema: as curvas IS e LM podem se deslocar de forma imprevisível e neste caso. qual das curvas é a verdadeira curva IS.

.O CONTROLE DA TAXA DE JUROS E DA OFERTA DE MOEDA – O MODELO DE POOLE (1970) Se o produto se desvia de seu nível de equilíbrio. o BACEN deve. principalmente porque a curva IS se desloca em torno de sua meta. neste caso. ele é estabilizado ao manter o estoque de moeda contante. ter uma meta para o estoque de moeda com política monetária. Assim.

O CONTROLE DA TAXA DE JUROS E DA OFERTA DE MOEDA – O MODELO DE POOLE (1970) Se o produto se desvia de seu nível de equilíbrio. o BACEN dever operar a política monetária por meio da fixação da taxa de juros. . principalmente porque a demanda por moeda se desloca.

O CONTROLE DA TAXA DE JUROS E DA OFERTA DE MOEDA – O MODELO DE POOLE (1970) .

DERIVANDO A CURVA DE
DEMANDA AGREGADA (DA)

DERIVANDO A CURVA DA
A função de demanda agregada mostra a relação entre o nível
planejado dos gastos reais ou a demanda por bens, e o nível de
preços, dados os volume de moeda e a política fiscal. Ela
resume o equilíbrio tanto no mercado de bens quanto do de
ativos.

A função de demanda agregada descreve a relação de
equilíbrio entre os gastos globais e o nível de preços. O
equilíbrio em questão é o equilíbrio simultâneo do mercado de
ativos e de bens.

DERIVANDO A CURVA DA
A curva de demanda agregada é descendente porque
um aumento do nível de preços reduz os saldos reais,
aumenta a taxa de juros e assim, reduz os gastos
globais.

A um dado nível de produto a curva da procura se desloca para o alto. exatamente na mesma proporção do aumento da oferta nominal de moeda. pelo aumento do estoque de moeda ou de uma política fiscal expansionista. . DERIVANDO A CURVA DA A curva de demanda agregada desloca-se para o alto e para a direita.

DERIVANDO A CURVA DA 10-119 .

DERIVANDO A CURVA DA Derivando a equação para a curva de demanda agregada usando as equações das curvas IS/LM: IS : Y G (A bi ) 1 M LM : i kY h P Substituindo a equação LM na equação IS temos que: b M Y G A kY h P (8) h G b G M A h kb G h kb G P (8a) bM A h P 10-120 .

Estoque real de moeda (M/P).DERIVANDO A CURVA DA A equação (8) mostra que a demanda agredada (DA) depende de: . h G b G M O equilíbrio da renda (Y*) é: Y A h kb G h kb G P Mais alto. Quanto mais alto for a oferta de moeda (M). . quanto mais alto forem os gastos autonômos. 10-121 .Gastos autonomos (A).

Visto que P está no denominador da equação (8).DERIVANDO A CURVA DA A equação (8) é a curva DA: h G b G M Y A h kb G h kb G P Ela resume a relação IS-LM relacionado Y e P para dados níveis de gastos autonômos e saldos nominais de moeda (M). . a curva DA é negativamente inclinada.

DERIVANDO A CURVA DA 10-123 .

reduz os gastos globais. . 2) A curva de demanda agregada é decrescente porque um aumento do nível de preços reduz os saldos reais. O equilíbrio em questão é o equilíbrio simultâneo do mercado de ativos e de bens. RESUMO DA CURVA DE DEMANDA AGREGADA 1) A curva de demanda agregada (DA) descreve a relação de equilíbrio entre os gastos globais e o nível de preços. aumenta a taxa de juros e assim.

exatamente na mesma proporção do aumento da oferta nominal de moeda. . RESUMO DA CURVA DE DEMANDA AGREGADA 3) A curva de demanda agregada desloca-se para o alto e para a direita. A dado nível de produto a curva de demanda se desloca para o alto. pelo aumento do estoque de moeda ou de uma política fiscal expansionista.

NOTAS DE AULA – O MODELO IS-LM Giácomo Balbinotto Neto FCE/UFRGS 10-126 .