You are on page 1of 10

E n trev ista co m M iria m B id erm a n co n ced id a a R o sa n a S tefa n o n i em 1 1 /0 5 /2 0 1 4

R o sa n a : Q ual foi a su a tra jetó ria até so m e o fo ley? C om o você com eçou a fazer cin em a e se

in teresso u p o r so m ?

M iria m : N a v erd ad e fo i tu d o m u ito circu n stan cial, n ão fo i u m a co isa m u ito p en sad a. E u estav a fazen d o

um cu rso d e cin em a n o s E stad o s U n id o s, e era u m cu rso b ásico , n ão era facu ld ad e, era u m cu rso tip o

W o rk sh o p , q u e d u rav a 1 an o . V o cê ap ren d ia ab so lu tam en te tu d o . E u n ão sab ia n ad a, n ão tin h a a m en o r

id eia, eu sim p lesm en te g o stav a, ach av a cin em a leg al. N ão sab ia o q u e fazer d a m in h a v id a, eu tin h a 1 9 o u

2 0 an o s, reso lv i fazer esse cu rso d e cin em a e n ele ap ren d i m u ito p o u co , u m ap an h ad o d e tu d o , d esd e o

que era a m o v io la, 3 5 m m , p elícu la, co lad eira, co m o fazer p ra m o n tar, a g en te fazia u m film in h o em

16m m , en fim , essas co isas to d as, ap ren d i um pouco de tu d o . Q u an d o o cu rso estav a m ais ou m enos

acab an d o , eu reso lv i q u e eu q u eria ten tar trab alh ar co m isso , e eu co n seg u i u n s estág io s, co n seg u i arru m ar

uns trab alh in h o s com o assisten te de produção em alg u n s lo n g as, um as p u b licid ad es, era o que eles

cham am d e P .A ., P r o d u c t i o n a s s i s t e n t , q u e e r a f i c a r p a r a n d o o t r â n s i t o n a r u a , e n f i m , t u d o e r a d i v e r t i d o .

E u lem b ro q u e eu fiz u m film e q u e era co m a D arry l H an n a, m as eu n em lem b ro d ireito , eu tin h a q u e ficar

no trailer d ela, p ra n in g u ém e n t r a r . N ã o e r a n a d a m u i t o ... E u e n t e n d i a q u e a q u i l o n ã o e r a c i n e m a , e r a

en g raçad o só .

R o sa n a : E m q u e a n o isso ?

M iria m : A ch o q u e tu d o isso fo i em 1 9 8 5 , m a i s o u m e n o s , 8 3 o u 8 4 ... U m d o s estág io s q u e e u fiz n essa

ép o ca fo i n a U N IC E F . E u fu i atrás e , d e alg u m a fo rm a , eu co n seg u i q u e m e co n tratassem freelan cer p ra

sin cro n izar, que é um a co isa que não ex iste m a i s ... A té e x i s t e ... M as en fim , eu fui sin cr o n izar um

d o cu m en tário feito n a Á frica, n ão m e lem b ro ex atam en te o q u e era e n em im p o rta, p o rq u e eu n em v i. E u

chegava um as sete da n o ite e tin h a que en treg ar de m anhã cedo to d o o m aterial sin cro n izad o , co m

claq u ete e tal, o fato é o seg u in te, m in h a ex p eri ên cia era m in ú scu la, eu n ão sab ia co m o fazer, m al sab ia

m ex er n u m a m o v io la e tu d o m ais, aí eles falaram : v o cê sab e fazer? E eu falei: P o d e d eix ar. E les v iram

q u e eu n ão sab ia m u ito b em , m as: “até am an h a d e m an h ã!”. A í m e v i so zin h a e fu i co lo car a p izza d e

p o sitiv o , o co p ião na m o v io la, p ra sin cro n izar com o m ag n ético , e assim q u e eu co lo q u ei, o b ato q u e,

aq u ela p arte d e d en tro am arelin h a, saiu fo ra p o rq u e era m u ito g ran d e e eu era m u ito d esajeitad a, e eu sei

q u e eu fiq u ei p raticam en te a n o ite in teira ten tan d o co rrig ir isso .

F o i o cao s, m as fin alm en te co n seg u i, acertei, eles m e en sin aram e eu fiz alg u n s trab alh o s lá n a

U N IC E F . S em pre a n o ite, eram uns trab alh o s estran h o s, m as n aq u ela época era ó tim o , eu ad o rav a, e

g an h av a su p er b em , eu g an h av a m u ito b em , p ra q u ela id ad e era o m áx im o ! M as d e q u alq u er fo rm a, u m

cara d a U N IC E F co n h ecia u m o u tro su jeito q u e tin h a trab alh ad o n a U N IC E F h á m u ito s an o s e q u e tin h a

saíd o p ra fazer film e in d ep en d en te, ele tav a fazen d o u m film e e ele p recisav a d e u m a assisten te, aí ele m e

recom endou e eu fui lá e ele m e co n trato u , e eu fiq u ei n esse film e por um ano. E u com ecei com o

assisten te d o assisten te, e fo i to d o m u n d o m e io q u e in d o em b o ra e eu fican d o . O cara era um israelen se,
ele era m u ito ch ato , era tu d o m u ito co m p licad o , e eu fu i fican d o e fiq u ei até a p arte d e ed ição d e so m , e

eles co n trataram alg u m as o u tras p esso as, fiq u ei m u ito am ig a d essas p esso as d e ed ição d e so m . A cab an d o

isso fui assisten te de m o n tag em de im ag em de uns d o is ou três d o cu m en tário s. D ep o is, não sei

ex atam en te co m o , eu fu i reco m en d ad a, as eq u ip es d e so m eram sem p re m aio res q u e a eq u ip e d e im ag em ,

que é um ed ito r, u m assisten te e u m seg u n d o assisten te, o q u e eles ch am am d e ap p ren tice. E m so m , cad a

categ o ria tem o ed ito r p rin cip al, o su p erv iso r, e os v ário s ed ito res: ed ito r d e ru íd o d e sala, ed ito r d e

am b ien te, ed ito r d e d iálo g o , e cad a u m tem o seu assist en te e o seu seg u n d o assisten te. E n tão as eq u ip es

eram sem p re m u ito m aio res, era m u ito m ais fácil co n seg u ir em p reg o , e fo i aí q u e eu en trei n esse n ich o d e

m ercad o m ais atraen te, e p o r aí eu fu i en tran d o , fu i fazen d o . C o m ecei a fazer o s film es b acan as e co m ecei

a ach ar leg al, e fu i en tran d o n a v id a d o so m .

R o sa n a : N o cu rso q u e v o cê fez fa la v a -se d e so m ?

M iria m : P o u co , eles d av am u m ap an h ad o g eral d e tu d o .

R o sa n a : Q u a l era o n o m e d o cu rso ?

M iria m : C h am av a F ilm m ak in g w o rk sh o p , até h o je tem , p o rq u e u m am ig o m eu trab alh a lá, era u m cu rso

d a N Y U q u e n ão é a facu ld ad e, é u m cu rso liv re.

R o sa n a : D e fo ley n ã o se fa lo u n a d a ?

M iria m : N ão m e lem b ro . M as q u an d o eu co m ecei a trab alh ar co m so m eu com ecei com fo ley, p o rq u e

sem p re se co m eça co m fo ley. O p rim eiro assisten te, o p rim eiro trab alh o é n o fo ley, é a b ase. E é isso q u e

eu faço com to d o m u n d o q u e co m eça a trab alh ar aq u i, to d o m u n d o co m eça ed itan d o p asso , ru íd o d e sala,

tem q u e ap ren d e r a fazer ru íd o d e sala, p o r q u ê ? P o rq u e é a b ase. A b ase d a ed ição .

N a época que ain d a era m o v io la, q u e era m ag n ético , era m ais in teressan te ain d a, p o rq u e você

realm en te tin h a d e ter o co n tro le d e cad a co isa. N ão q u e seja o m ais sim p les, m as é o m ais ó b v io . V o cê

tem um p asso , v o cê tem q u e sin cro n izar o p asso , v o cê tem o farfalh ar, tem q u e sin cro n izar o farfalh ar, e

assim p o r d ian te, v o cê tem que fazer caber n o m o v im en to , e isso é a b ase d a ed ição , isso q u e eu ach o

su p erin teressan te, e lá no com eço eu era só assisten te e trab alh av a co m u m a m u lh er q u e trab alh av a a

m u ito s an o s, e ela fazia m u ito b em , m u ito ráp id o .

N em sem p re a g en te assistia as sessõ es d e fo ley, m as às v ezes eu ia, e era su p er leg al, p o rq u e

v o cê tin h a q u e p rep arar o s m ap as an tes, v o cê tin h a u m m apa enorm e com to d as as p istas, v o cê tin h a q u e

d eix ar tu d o e ficav a can tan d o p ro cara: ag o ra é isso , p ista tal , e ele já g rav av a n a p ista tal. P asso d o J o ão ,

d a M a r i a , f a r f a l h a r ... E a í v o c ê v a i a p r e n d e n d o , v a i o u v i n d o .

R o sa n a : V o cê ch eg o u a g ra v a r a lg u m a co isa ?

M iria m : E u aco m p an h ei alg u m as sessõ es.

R o sa n a : O s film es q u e v o cê fez lá era co m o ed içã o d e fo ley?
M iria m : C o m o ed ição d e fo ley.

R o sa n a : C o m o ch e g a v a o m a teria l p ra ed içã o ?

M iria m : E ra m u ito d iferen te d o q u e é ag o ra, p o rq u e era u m co p ião 3 5 . A g en te trab alh av a em ro lo s, e a

g en te trab alh av a em m ag n ético , en tão com o é que era: p rim eiro a g en te não trab alh av a em m o v io la

d eitad a, a g en te trab alh av a em m o v io la em p é, q u e n a v erd ad e é m u ito m elh o r, v o cê tem m u ito m ais

co n tro le d a ed ição , p o rq u e v o cê tem u m a m an iv ela, e v o cê tem aco p lad o , ao lad o d a m o v io la, u m a m esa

d e trab alh o , e n essa m esa d e trab alh o v o cê tem u m a en ro lad eira e u m a cab eça d e so m , en tão v o cê o u v ia e

co n seg u ia com m u ita p recisão sab er ex atam en te onde era a p rim eira m o d u lação de so m , que você

m arcav a ia lá e m o n tav a, e assim p o r d ian te. E ra u m p ro cesso co m p letam en te d iferen te d o q u e a g en te faz

ag o ra, era m u ito m ecân ico , e era m u ito m ais t rab alh o so , p o rem v o cê tin h a q u e en ten d er, o u v ir e sab er,

não só isso , tem um a co isa in teressan te de ter trab alh ad o nos E stad o s U n id o s , q u e é u m a q u estão d e

o rg an ização , porque eles tem um a o rg an ização in crív el de com o fazer, ain d a m ais n aq u ela época do

m ag n ético , u m a q u an tid ad e ab su rd a d e m aterial em q u e v o cê tin h a q u e realm en te ser m u i to o rg an izad o .

Se seu ed ito r p ed ia, você tin h a que en treg ar ex atam en te aq u ilo n aq u ela hora, d aq u ele jeito , é bem

d iferen te a relação h ierárq u ica lá d o q u e é aq u i, e eu n ão ach o ru im , eu ach o q u e aq u i a g en te p eca u m

p o u co p o r u m a n ão h ierarq u ia.

R o sa n a : Q u a n d o v o cê v o lto u p ra cá p ra tra b a lh a r tev e u m ch o q u e? E ra m u ito d iferen te?

M iria m : T o talm en te d iferen te. Q u an d o eu v o ltei p ra cá, lá ain d a se trab alh av a co m m ag n ético ,

R o sa n a : Q u a n d o v o cê v o lta ?

M iria m : C o m ecin h o d e 8 8 . E u já era ed ito ra. L á a g en te g rav av a em m u lti can al, v ário s m u lti can ais, a

g en te g rav av a em 1 6 , 1 8 can ais o ru íd o d e sala, eu ch eg u ei aq u i e eles g rav av am em 3 can ais, 2 can ais, 1

can al. E les achavam que eu era lo u ca, era tu d o m u ito d iferen te, co n ceitu alm en te e tecn icam en te, e a

q u alid ad e era m u ito ru im , era m u ito v azio , as p esso as n ão tin h am n o ção , q u er d izer, tin h am noção, m as

n ão sei se tin h am tem p o , n ão tin h am a técn ica, n ão tin h a d in h eiro , p o rq u e q u an t as p istas v o cê ab ria era

caro , p o rq u e m ag n ético era caro , silên cio s eram caro s, tu d o era caro . E u tro u x e d u rex d o s E stad o s U n id o s,

p o rq u e se u sav a d u rex n o rm al, n ão era sp licin g tap e.

R o sa n a : Q u a l o m o tiv o d a su a v o lta ?

M iria m : T am b ém n ã o é m u i t o c l a r o ... E u v i m m eio d e férias, aí ro lo u u m : Já q u e v o cê esta aq u i v o cê n ão

q u er? E eu d isse n ão . A í eu v o ltei p ro s E stad o s U n id o s e co m ecei a rep en sar, d e rep en te, lá é tão p o b re, d e

rep en te lá eu p o sso ter m u ito m ais ch an ce d e trab alh o . L á eu tin h a, m as era d ifer en te, era u m m undo

m u ito estab elecid o , e aq u i eu v i q u e n ão tin h a n ad a, era u m d eserto , tin h a p o u q u íssim as p esso as fazen d o

d e u m a fo rm a m u ito ru d im en tar, eu im ag in ei q u e talv ez eu p u d esse, fo i u m p o u co d e lo u cu ra, eu era n o v a

n aq u ela ép o ca.

R o sa n a : E a í v o cê a b re a E ffects?
M iria m : A E f f e c t s ... V o c ê a b r e p o r q u e v o c ê t e m q u e d ar n o ta, v o cê é o b rig ad a. O q u e aco n teceu fo i q u e

lo g o u m a am ig a m in h a, a L isa, ela v eio tam b ém d o s E stad o s U n id o s, aí n ó s d u as ju n tas m o n tam o s essa

firm a e a g en te se ju n to u ao M ark d e R o ssi, q u e é u m m o n tad o r am erican o tam b ém e já estav a m o ran d o

no B rasil há alg u n s an o s. E le tin h a m o n tad o um a sala de m o n tag em que era ba cana, que era to d a

fu n cio n al, ele tro u x e tu d o d o s E stad o s U n id o s, e ele tav a faz en d o o s film es d o U g o G io rg ette. A g en te

com eçou fazendo o “F esta” (1989) e foi su p er leg al, porque a g en te en tro u num m u n d o ... Q u ase

ex p lo rad o r, b an d eiran te.

R o sa n a : E q u a n d o o fo ley en tra n essa h isto ria ?

M iria m : E n tra lo g o , q u an d o v o cê co m eça a fazer so m v o cê p recisa fazer fo ley, e aí, q u em faz? O A n tô n io

C ésar. O A n tô n io C é sar v in h a p ra cá, p ra S ão P au lo , ele trazia u m a saco la d e sap ato s, era u m a lo u cu ra,

ele ficav a em um h o telzin h o em p in h eiro s e ia g rav ar lá n a Á lam o . E aí íam o s lá eu e a L isa, ele tin h a

m ais o u m en o s u m a sala o n d e ele sem p re g rav av a. A g en te v iu q u e era u m a co isa ab su rd a, q u e ele fazia

p asso s ju n to co m farfalh ar, e ele fazia ab so lu tam en te, o sin c d ele era ó tim o , a in ten ção era ó tim a, era

m eio m al g rav ad o , m as ele tin h a d e fazer ju n to p o rq u e n ão tin h a can al, en tão ele fazia u m m o n te d e co isa

ju n ta, to d o s os p asso s ju n to s, to d o s os farfalh ares. E aí so b rav a u m a p ista , e ele fazia alg u n s o b jeto s,

alg u m as co isas.

A g en te co m eço u a falar q u e q u eria q u e ele fizesse a lg u m as co isas sep arad as, e ele ficav a b rav o ,

a g en te b rig av a, b rig av a, a g en te b rig av a m u ito . Q u e a g en te era isso , q u e a g en te era ch ata, q u e a g en te

era lo u ca, m as en fim , fo i o co m eço , esse co n tato co m eça n o “F esta”. N o p rim eiro a g en te fico u m u ito

p erd id a, p o rq u e ele era m u ito m an d ão , ele era m u ito b rav o . S ó q u e a g en te é b rav a tam b ém , a g en te

b rig o u m as a g en te sem p re g o sto u m u ito d ele, ele era realm en te b o m , m as ele era m u ito d ifícil, a g en te

d izia: falto u isso , e ele d izia: n ão v o u fazer. Q u e era u m a q u estão d e h ierarq u ia, ele sem p re fo i “o ” cara. E

d ep o is, q u an d o eu m u d ei p ra cá, tin h a o estú d io , en tão em v ez d e ir n a Á lam o a g en te fazia aq u i, ach o q u e

em 2 0 0 0 . P o rq u e até en tão ele fazia n o s l u g ares d ele, eu n ão tin h a o p ção . E m g eral, eu p ed ia p ra ele v ir

pra cá, pra Á lam o, pra poder acom panhar. E u lem b ro d ele vir aq u i alg u m as v ezes já co m o R o g ério

(G o u lart), m as era m u ito co m p licad o , cad a v ez co m p lic av a m ais e n ão era satisfató rio . E ssa é q u e é a

verdade, eu o adoro, m as não era. E a g en te reso lv eu , p o r v árias razõ es, n ão só p o r isso , m as p o rq u e a

g en te q u eria ter n o n o sso tem p o , n ão ex atam en te n o tem p o d ele, a g en te q u eria o u v ir, refazer.

A qui já era P ro T o o ls, tev e to d o o tem p o em q u e a g en te g rav av a em H i8 e era u m in fern o ,

p o rq u e a g en te g rav av a em H i8 e a g en te q u eria ed itar, p o rq u e n ão tem jeito , v o cê sem p re tem q u e ed itar,

por m ais p recio so s que seja o sin c d ele, tem co isas, u m a b atid a, q u e tem q u e ed itar, en tão tin h a q u e

t r a n s c r e v e r p r a m a g n é t i c o , e r a t u d o m u i t o c o m p l i c a d o ... A í e m 9 0 e p o u co p aro u o cin em a, tev e isso , n é?

D e 9 0 até 9 5 n ão tin h a film e.

A í co m eço u a reto m ar o cin em a, an tes d isso eu co m ecei a ap ren d er o P ro T o o ls, q u e ch am av a

S o u n d T o o ls, eram o s p rim ó rd io s ain d a. E u co m ecei a trab alh ar co m o B eto F erraz, ele trab alh av a m u ito

com M ID I, en tão a g en te tin h a u m a co isa co m o S o u n d T o o ls. E u co m ecei a trab alh ar em 9 2 , fazia u m

p ro g ram a q u e ch am av a “G en te q u e faz”, d o B am erin d u s, eu fazia n u m estú d io d e m ú sica e eles tin h am lá.
E u n ão sab ia m ex er, e tin h a u m c a r a q u e o p e r a v a , e e u f i c a v a v e n d o , e é t ã o f á c i l m e x e r ... E u s e m p r e f a l o

q u e o P ro T o o ls é tão fácil q u e até eu sei m ex er. E u co m ecei a ap ren d er e a fazer so zin h a, m as eram 4

p istas, era su p er restrito , m as era m u ito m ais co n fo rtáv el q u e m o v io la, era m u ito m ais co n fo rtáv el q u e o

M ID I, d av a p ra v er q u e era ó tim o .

Em 95 eu peguei um film e q u e era “T o d o s o s co raçõ es d o m u n d o ”, d o M u rilo S alles, q u e era o

film e d a C o p a d e 9 4 , e era u m trab alh o g ig an tesco , era u m trab alh o su p er b acan a, e a g en te fo i ed itar n o s

E stad o s U n id o s, e m ix ar n o s E stad o s U n id o s. F o i m u ito leg al p o rq u e lá a g en te só trab alh o u co m Pro

T o o ls, e era u m P ro T o o ls m u ito m aio r, era m u ito m ais leg al, tin h a 1 6 can ais, era u m a co isa in crív el

(riso s), e o fo ley d esse film e fo i sen sacio n al, p o rq u e a p ro p o sta d o M u rilo era: eu q u ero o u v ir o q u e eu

o u v ia quando eu estav a lá no cam po gravando e film an d o . Eu quero o u v ir aq u ilo : os p asso s, as

r e s p i r a ç õ e s , a s b o l a s , a s t r a v e s ... E n t ã o a g e n t e r e f e z t u d o , a b s o l u t a m e n t e t o d o s o s m o v i m e n t o s d e t o d o s

o s jo g o s d o film e. N ó s ficam o s 3 m e ses ed itan d o co m a eq u ip e d e lá. E u , L isa e a eq u ip e d e lá. E era

m u ito lo u co , p o rq u e p recisav a d e g ram a e era in v ern o ! E n tão a g en te ia até n ão sei o n d e co m p rar to rrõ es

de gram a, e d ep o is que com eçava a p isar ficav a tu d o en l am ead o , tin h a que com prar o u tra. F o i um a

lo u cu ra, p o rq u e tin h a q u e ser g ram a, tin h a u n s p recio sism o s q u e a g en te sab e q u e n ão era n ecessário , m as

era im p o rtan te, e b o las n a trav e, b o las e b o las, ap ito s, m o v im en to s, q u ed as, resp iraçõ es, ab so lu ta m en te

tu d o fo i refeito . F o i u m trab alh o su p er b acan a d e fazer, d ifícil. E aí eu v o lto p ro B rasil e m e m u d o p ra cá,

aí essa salin h a ag o ra era u m a sala d e fo ley, q u e era m eio im p ro v isad a, sem p re fo i, n u n ca fo i u m a sala

ex atam en te co m o eu g o staria q u e fo sse,

R o sa n a : M a s sem p re co m o d esejo q u e fo sse o fo ley?

M iria m : É

R o sa n a : Q u a n d o v o cê a b re a q u i, v o cê a p lica q u a l técn ica ? V o cê tra z a técn ica d e lá ?

M i r i a m : N ã o ... N a v e r d a d e , o q u e v o c ê t e m q u e ter: n ão é tan to a técn ica, e sim a in ten ção certa, o q u e é

o fo ley b o m o u o fo ley ru im ? E le tem q u e estar b em g rav ad o , ele tem q u e ter o so m b o m , ele n ão p o d e ter

o so m d a sala, ele tem q u e ter g rav es m éd io s e ag u d o s, m as ele tem q u e ter a in ten ção co rreta, n ão é só

u m p asso , é o p asso certo e o so m certo . E isso é u m a co isa q u e a g en t e fo i d esen v o lv en d o .

R o sa n a : Q u a n d o v o cê co m eça a g ra v a r já é tu d o P ro T o o ls?

M iria m : A q u i já é tu d o P ro T o o ls. S em p re fo i, d esd e o d ia zero .

R o sa n a : M esm o q u a n d o o A n to n io v in h a ele g ra v a v a n o P ro T o o ls?

M iria m : P ra ele é in d iferen te, p o rq u e ele é o artista. E le faz o q u e ele faz, tan to faz se eles tão g rav an d o

em b lu -ray , em m ag n ético , tan to faz. O q u e p ra ele era m u ito d ifícil era sep arar o p asso d o farfalh ar,

p o r q u e e l e f e z a v i d a i n t e i r a e c o m o é q u e d e r e p e n t e e l e v a i s e p a r a r ? É m u i t o d i f í c i l ... É i m p o s s í v e l . V o c ê

f a z a v i d a i n t e i r a u m a c o i s a , e e l e e r a u m s e n h o r j á ...
R o sa n a : Q u em fa zia a técn ica p ra ele?

M iria m : N ó s, ele v in h a co m um a s s i s t e n t e . E s e m p r e t i n h a e s s e p r o b l e m a d e g r a n a ... P r a t r a z e r o A n t ô n i o

C ésar tam b ém com eçaram a en ch er m u ito o sa co : “m as tem q u e trazer d o R io p ra cá?” E o co itad o v in h a

d e ô n i b u s ... O s p r o d u t o r e s n u n c a a c h a v a m q u e e r a u m a c o i s a ... M u i t o t e m p o d e p o i s a l g u n s c o m e ç a r a m a

e n t e n d e r ...

R o sa n a : E q u a n d o ele p á ra q u em com eça a fazer?

M iria m : M eu s m en in o s! N ão lem b ro a cro n o lo g ia. E u co m ecei a p en sar assim : eu p reciso d e alg u ém que

q u e t e n h a u m ... E u p e n s e i m u i t o n o s m e n i n o s d o b a r b a t u q u e s , n o c o m e ç o , p o r q u e a c h e i q u e e l e s t e r i a m

um bom o u v id o . A í ch am ei alg u n s aq u i, e fo i d aí q u e eu ch eg u ei n o M arcelo . E o M arc elo tro u x e m ais

alg u m as p esso as. A g en te foi in d o , m as aco n tecia o seg u in te, eram m en in o s ex celen tes, to d o s m u ito

b acan as, m as faltav a a in ten ção d ram ática, eles tin h am sin cro , m as n ão tin h am o o u v id o p ra sab er q u e

esse p asso o u esse farfalh ar n ão está co m a in ten ção certa, e isso p ra fo ley é co m o u m a d u b lag em m al

feita. É u m a d u b lag em , se v o cê n ão d u b la ex atam e n te co m a m e s m a i n t e n s i d a d e ... O fo ley é ig u al, é u m a

d u b lag em co rp o ral. E n tão isso sem p re é m u ito p ro b lem ático , p o rq u e n ão ficav a co m aq u ela co isa q u e

p recisav a ter. A í o R icard o co m eço u a fazer, e o R icard o co m eço u a sacar: falta alg u m a co isa, n ão tá

b o m ... Eu sem p re so fria quando o u v ia aq u ele sala na m i x a g e m ... E tam b ém tin h a um a o u tra co isa

im p o rtan te, o sala n a m ix ag em . O sala sem p r e fo i u m a co isa feita m u ito p recariam en te, p o r m elh o r q u e

ten h a sid o e foi realm en te o A n tô n io C é sar, era u m a co isa m u ito sim p les, era u m a co isa só p ra fazer

p o rq u e n ão tin h a so m d ireto , era p ra co b rir b u raco . R u íd o d e sala era p ra co b rir b u raco s, n ão ex is tia essa

co isa d e b an d a in tern acio n al, isso v eio m u ito d ep o is.

E n tão , n a v erd ad e, co m o o ru íd o d e sala era g rav ad o d aq u ele jeito , o q u e eles faziam p ra m ix ar?

B o tav am um p u ta co m p resso r e m an d av am b ala, n ão tin h a eq u alização , n ão tin h a u m cu id ad o , e eu ac h o ,

atu alm en te o s m ix ad o res n o v o s tem o u tro ap p ro ach , eles o u v em d e fo rm a d iferen te, m as ain d a v o cê v ê

m u ito m ix ad o r p assan d o b atid o p elo ru íd o de sala. A b aix a 6dB , põe um co m p resso r e v ai em b o ra. E

quando você reclam a você vê b ico ! E sse p asso é im p o rtan te ! V am o s b o tar p eso n isso ! N ão co n seg u e?

E n tão eu vou gravar de novo, vou trazer o u tro aq u i p ra v o cê. V o cê tem q u e b rig ar p o r cad a co isa, o

m ix ad o r n ão q u er p erd er m u ito tem p o co m fo ley, n u n ca q u is, e ain d a h o je, se a g en te n ão lev ar m u ito b em

p rep arad in h o , p o rq u e tá g rav ad o e tá leg al, m as se a g en te n ão lev a m u ito p ré -m ix ad o , co m as in ten çõ es

certas, ele n ão v em , ele n ão ap arece, n ão ro la.

R o sa n a : Q u a l a fu n çã o d o fo ley p ra v o cê?

M iria m : F o ley é fu n d am en tal. E le é o m ais in v isív el d e to d o s, m as é o q u e d á v o lu m e, o q u e d a p eso , o

que dá trid im en sio n alid ad e pros p erso n ag en s, pra eles não flu tu arem p ela tela, pra eles terem os

m o v im en to s, p o rq u e tu d o é am p liad o , a p esso a n a tela, q u an d o v o cê tem um clo se u p , v o cê tem q u e ter o s

m o v im en to s, se v o cê n ão tiv er o s so n s d o tam an h o certo e d o jeito certo , ele v ai ficar fin in h o , ele v ai ficar

com p o u ca v id a, eu ach o . E u ach o q u e essa é a im p o rtân cia, e n ão só isso , isso são as co isas m ais o b v ias,

tam b ém tem aq u ela co isa d o : p o rq u e q u e o farfalh ar é tão im p o rtan te? P o r q u e o b o m farfalh ar é tão b o m ?
P o rq u e ju stam en te ele d á isso . T am b ém o farfalh ar é m u ito im p o rtan te p ra b an d a in tern acio n al, p ra essas

o u tras co isas q u e ag o ra a g en te tem q u e fazer d e q u alq u er fo rm a. O u tra co isa q u e o fo ley é leg al é essa

co isa não só dos p erso n g en s, m as quando você dá um a realçad a em alg u m o u tro so m . E n tao , por

ex em p lo , tem o so m d e u m a b o m b a ex p lo d in d o e v o cê aju d a co m as o u tras co isas cain d o , n ão a b o m b a

em si, m as o resto d as o u tras co isas. E le fu n cio n a co m o as fo lh as ao v en to , v o cê t em m u ito m ais co n tro le

d o s so n s am b ien tes o u so n s p o n tu ais q u e p o d em aju d ar m u ito .

R o sa n a : E ssa já era a v isã o q u e se tin h a lá n o s E sta d o s U n id o s?

M iria m : N ão , fo i d esen v o lv en d o ,

R o sa n a : E q u a n d o v o cê ch eg a n o B ra sl n ã o tin h a n a d a d isso ?

M iria m : N ão tin h a n ad a d isso , eu tam b ém tin h a b em p o u ca ex p eriên cia, en tão fu i ap ren d en d o tam b ém na

m arra.

R o sa n a : Q u a l é a im p o rtâ n cia q u e se d á a o fo ley n u m a trilh a b ra sileira h o je? O s p ro d u to res estã o

p ro cu ra n d o m a is?

M iria m : A h … P o rq u e eles o u v iram a p alav ra fo ley… S em p re fo i ru íd o d e sala e ag o ra é fo ley, en tão tem

um pouco o m o d ism o , um a co isa de o u v ir falar que é im p o rtan te, m as acho que ain d a n ão sab em

ex atam en te o q u e é. A ch o q u e n ão d ão im p o rtân cia p o rq u e p ag am p o u co , e n o lim ite te m a opção de fazer

n a A rg en tin a. P o rq u e é u m a co isa q u e p recisa ter p o r ter, p o rq u e se n ão tiv er p o d e d ar p ro b lem a d ep o is,

en tão o p ro d u to r q u er se co b rir, m as q u er p ag ar o m ín im o p o ssív el. T u d o b em que não é o carro chefe,

m as eu ach o q u e é a b ase, é co isa m u ito im p o rtan te

R o sa n a : N o s ú ltim o s film es q u e v o cê fez tem a lg u m ex em p lo b a ca n a d e fo ley?

M iria m : Todos o s film es. T o d o s o s film es são leg ais, a g en te cresce m u ito co m fo ley, n ão im p o rta o

tam an h o d o film e. E sse film e p eq u en in in h o q u e estam o s fazen d o ag o ra, o d ireto r v eio aq u i e ele q u ase

m o rreu d e v er e o u v ir o s p asso s, as p esso as, d e v er a co isa aco n tecer, ter v id a, to rn ar o film e d ele real.

R o sa n a : E a co n co rrên cia ? co m o v o cê v ê o m erca d o d e fo ley h o je?

M iria m : E u n ão ten h o m u ito esse p ro b lem a p o rq u e eu n ão faço o ru íd o d e sala co m ercialm en te p ra fo ra.

Eu não ten h o m u ito isso de co n co rrên cia porque eu faço o fo ley pros m eus film es. E u até ten tei n o

co m eço , eu fiz alg u n s. F iz u m m o n te p ro W ald ir X av ier, an tes d o K ik o F erraz. A ch o q u e o K ik o F erraz

nem fazia fo ley n aq u ela ép o ca, o u se fizesse tav a su p er co m eçan d o , faz m u ito s an o s… E u fiz o “C id ad e

B aix a” d o S erg io M ach ad o , eu fiz u n s d o B eto B ran d t. E u fiz v ário s film es em q u e co n tratav am a g en te

só p ra fazer o fo ley, m as eu d esisti p o rq u e a g en te m eio q u e d esco b riu q u e o id eal é m an d a r n ão só o film e

gravado e ed itad o , e sim p ré -m ix ad o . P o rq u e não ad ian ta m andar o film e se você não sab e o que o

m ix ad o r vai fazer. V ocê com eça a o u v ir críticas de co isas que você sab e que estão b o as, m as que

p o d eriam ter sid o tratad as d e o u tra fo rm a. Q u an d o eu esto u até o fim n a m ix ag em , eu ten h o m u ito m ais
co n tro le. E tam b ém porque é um trab alh o en o rm e e n ão p ag am b em . S e está d en tro d o m eu p a co te b eleza,

eu faço . E u p en so à s v ezes em v o ltar, m as…

R o sa n a : V ocê ch egou a o u v ir o tra b a lh o dos ou tros estú d io s p ra d a r u m a co m p a ra d a ? m a is em

rela çã o co m o q u e era an tes e agora?

M iria m : É m u ito m elh o r. Ju stam en te p o rq u e isso era u m a área to talm en te releg ad a a co b rir b u raco s e

h o je n ão , h o je é u m a categ o ria. A in d a ach o q u e tem m u ito ch ão p ela fren te, ain d a t em o s m u ito trab alh o a

fazer. E eu ain d a acho que não é bem m ix ad o , ain d a acho que com raras e h o n ro sas ex ceçõ es, o s

m ix ad o res co n tin u am releg an d o o fo ley ao q u e tem lá, só ab aix an d o o u au m en tan d o alg u m a co isa q u e tá

p u lan d o pra fora ou falto u , m as não é um trab alh o . M esm o p o rq u e, se v o cê fo r p en sar, o s tem p o d e

m ix ag em d im in u íram m u ito , en tão o m ix ad o r realm en te não tem tan to tem p o , e isso é um p o n to

v erd ad eiro . F ica m u ito m ais n o to tal, ten tan d o lev an tar u m a m ix ag em o m ais ráp id o p o ssív el.

R o sa n a : E x iste fu tu ro p ro fo ley n o B ra sil?

M iria m : E u so u u m a etern a o tim ista, en tão eu acred ito q u e sim .

R o sa n a : V o cê co n seg u e m a n ter o seu fo ley n o s seu s p ró x im o s p ro jeto s, co m o v a lo r q u e a s p esso a s

tem p ago?

M iria m : O que eu faço é um v alo r d e p aco te p ra tu d o , q u e in clu i tu d o , e q u e cu sta o cu sto q u e eu ten h o

aq u i.

R o sa n a : A in d a é v iá v el?

M iria m : A q u estão é u m p o u co m ais p ro fu n d a q u e essa, n ão é se o fo ley é v iáv el, ed ição d e so m é v iáv el?

E sssa q u e é a q u estão . E u sin to q u e n esses d o is o u três an o s tu d o q u e eu ach ei q u e estav a m elh o ran d o , e

realm en te m elh o ro u em term o s d e tem p o d e trab alh o , v alo res e tu d o , co n sid eração d o trab alh o , d e rep en te

deu um a caíd a v io len ta em term o s d e p reço , em term o s d e tem p o . É assim : se v o cê n ão fizer eu v o u

co n tratar esses m o leq u es q u e co m eç aram ag o ra, eles têm um p ro to o ls n a casa d eles, e eles v ã o fazer p o r

um terço do preço, e eu vou pra A rg en tin a e faço o fo ley lá e tá ó tim o pra m im . É isso que está

aco n tecen d o , se v o cê q u er se m an ter n o m ercad o v o cê tem q u e en ten d er até o n d e v o cê p o d e n e g o ciar e

co m o v o cê tem q u e n eg o ciar, e o fo ley está d en tro d isso . O fo ley v o cê tem a p o ssib ilid ad e d e fazer n a

A rg en tin a p o r u m terço d o v alo r, e o q u e eles m an d arem tá b o m . P o rq u e n ão fica b o m , m as tam b ém não

fica ru im , fica o k .

R o sa n a : P o d ia ser m elh o r, m as n in g u ém p erceb e p orq u e não tem a d im en sã o de quão m elh o r

p o d eria esta r…

M iria m : E x atam en te, as p esso as não tem a d im en são de tu d o o que o fo ley pode fazer. Isso tu d o é

v erd ad e aq u i n o B rasil, m as v o cê sab e q u e está aco n tecen d o n o m u n d o in teiro , n é… Só q u e ain d a assim ,

ain d a q u e n o s E stad o s U n id o s ten h a d im in u íd o m u ito , eles ain d a tem m u ito m ais co n d ição d e trab alh o d o
que a g en te. N ão o tem p o , m as as eq u ip es são m aio res e tem m ais d in h eiro , m u ito m ais estru tu ra d e

trab alh o d o q u e aq u i.

R o sa n a : Q u em est á g ra v a n d o a tu a lm en te? O R ica rd o é o a rtista , e a técn ica ?

M iria m : A Ju lian a L o p es, ela q u e g rav a, ela q u e ed ita,

R o sa n a : E la v eio d o S en a c. A s p esso a s q u e estã o en tra n d o estã o v in d o m elh o r p rep a ra d a s?

M iria m : M u ito m elh o r, já sab em m exer em P ro T o o ls. A Ju lian a ja tin h a feito IA V , se n ão m e en g an o ,

en tão já tin h a u m a b o a n o ção d e acú stica, d e g rav ação . M as ap ren d e m u ito , p o r m ais q u e já ten h a, a g en te

co n sid era q u e n ão , co m eç a d o co m eço e ap ren d e a técn ica. É bom q u e já saib a o in stru m en to , m ex er n o

in str u m en to q u e é o p ro to o ls, o resto a g en te v ai… P o rq u e tam b ém a g en te v ai sem p re ap ren d en d o , cad a

film e v o cê tem u m a d esco b erta. E q u ip am en to s q u e a g en te fo i tro can d o , d e co m p resso res, d e co n v erso res,

d e m icro fo n es, técn icas q u e o R icard o fo i d esen v o lv en d o , e é ten tativ a e erro tam b ém , o ed ito r d e so m é

um o b sessiv o , n é? E m g eral. Já o fo ley é m ais o b sessiv o ain d a, é u m a área lo u ca, se fo r p en sar q u e se está

su b stitu in d o to d o s o s p asso s, to d o s o s m o v im en to s, to d o s as co isas, é u m trab alh o h ercú leo e lo u co . E u

lem b ro u m d o s m eu s p rim eiro s trab alh o s lá n o s E stad o s U n id o s, eu tin h a q u e sin cro n izar o s p asso s, e eu

n ão lem b ro se era a cen a fin al o u a cen a in icial d o film e, q u e o m o leq u e an d av a n u m a estrad a e eram

cin co m in u to s do cara andand. E u fiq u ei d ias sin cro n izan d o os p asso s d aq u ele m en in o na m o v io la,

im ag in a só ! M as q u an d o acab o u aq u ilo , eu tin h a u m a o u tra v isão d o m u n d o .

U m a co isa en g raçad a, v o cê co n h ece o D an iel T u rin i? V o cê sab e o film e q u e ele fez, n é? E le fez

um cu rta d o s so n s d o s p asso s, q u e el e co m eço u a ficar lo u co . E le ach o u q u e era co isa d e lo u co aq u ilo , e

até o ed ito r com eçar, um a p esso a que tá com eçando até en ten d er p o rq u e isso tá certo , p o rq u e isso tá

errad o , o u v ir a cen a, en ten d er, e fazer o so m cab er d en tro d aq u ela co isa, n ão é u m so m q u a lq u er, o s so n s

são g rav ad o s, p arecem m u ito b o n s, n a h o ra q u e v o cê v ai ed itar sem p re tem u m aju ste.

R o sa n a : U m a ú ltim a p erg u n ta : q u a l a im p o rtâ n cia d o a rtista , d o ca ra q u e está p erfo rm a n d o ? V o cê

tem o R ica rd o a q u i, se o R ica rd o sa i, o q u e a co n tece?

M iria m : Eu vou pra A rg en tin a. (R iso s) É d ifícil, você tem que form ar um a p esso a do com eço. O

R icard o , realm en te, é u m cara q u e tem u m a sen sib ilid ad e ab su rd a, e p o r q u e ele reso lv eu fazer? P o rq u e

ele achava que n in g u ém co n seg u ia fazer. E ele co n seg u iu en ten d er e d e sen v o lv er a so n o rid ad e, a

m icro fo n ação . P o rq u e é tu d o u m a co m b in ação d e co isas, n ão é u m a co isa só . T em o tem p o d e g rav ação ,

ele g rav a u m a h o ra, d u as h o ras p o r d ia e é su ficien te, e tem b astan te trab alh o , aí se ed ita e n o d ia seg u in te

faz d e n o v o . D á p ra o u v ir, fazer, refazer. É ó tim o v o cê ter essa d isp o n ib ilid ad e, sem ter q u e ficar p ag an d o

p o r h o ra, é p elo trab alh o em si. E n ão é n em p elo p reço , m as sim p ela q u alid ad e, v o cê ter a seg u ran ça d e

que tem alg u ém in d o atrás. E n tão é su p er bom v o cê ter essa d isp o n ib ilid ad e, o s m en in o s lá d o C h ile

tam b ém faziam su p er b em , m as ag o ra já m u d o u , n ão é m ais, n ão sei… M as era um b arato p o rq u e eles

tin h am um p u ta estú d io , o M arcu s A g u irre fez u m p ro jeto m arav ilh o so . E o s m en in o s tam b ém , su p er

em p o lg ad o s e sério s, só q u e e u ach o estran h o isso d e a p esso a estar m u ito d esco n ectad a co m o trab alh o

em si, eu n ão sei se eu já aco stu m ei m u ito d essa co isa d o R icard o estar fazen d o , to d o o d esen h o d e so m é
d ele, en tão é m u ito lig ad o o sala no efeito de so m , aq u i n a E ffects é m u ito li g ad o , n ão é u m a co isa

releg ad a p ra seg u n d o , terceiro escalão , é p rim eiro escalão m esm o , é m u ito sério .

R o sa n a : D iv ersifica ra m o s p ro d u to s?

M iria m : T elev isão . E stam o s fazen d o telev isão

R o sa n a : T a m b ém p aga p ou co

M iria m : M as é q u e assim , telev isão tem o p ro jeto H B O e o u tras telev isõ es. P ra H B O v o cê realm en te tem

q u e fazer tu d o , d e u m a fo rm a b u rra até. D e q u alq u er fo rm a, p ra fazer telev isão v o cê tem q u e reso lv er d e

um a form a m u ito m ais ráp id a, e é leg al isso p o rq u e q u an d o a g en te v o lto u , sei lá, fez u m lo n g a, u m

p ro g ram a d e tv n o m e io , o u tro lo n g a, d eu u m a lev eza. P o rq u e o fo ley, co m o é u m a co isa m u ito o b sessiv a

e n eu ró tica, v o cê acab a en tran d o n u m a v iag em q u e n ão tem fim , en tão v o cê tem q u e ser m u ito esp erto :

" isso n ão tem o m en o r sen tid o fazer!" . P o rq u e n a d ra m atu rg ia d aq u ela cen a n ão é isso q u e é p ra fazer, são

o u tras co isas que estão im p o rtan d o , en tão você tem qu e ter essa d im en são do trab alh o . Q uand o é

telev isão , v o cê tem q u e ter m ais ain d a, p o rq u e v o cê tem q u e fazer m u ito ráp id o , e v o cê tem m u ito p o u co

tem p o , e v o cê tem m u ito p o u ca g ran a e tem q u e reso lv er isso . E n tão fo i in teressan te d e ap ren d er esse lad o

m ais lev e, m ais fu n cio n al.

Related Interests