You are on page 1of 9

E n trev ista co m R o g er H a n d s co n ced id a à R o sa n a S tefa n o n i em 0 3 /0 6 /2 0 1 4

R o sa n a : C o m o v o cê en tro u n o fo ley? Q u a l a su a h istó ria a té v ira r a rtista d e fo ley?

R o g er: E u tin h a u m a b an d a, e g rav av a n u m estú d io o n d e o A lessan d ro L aro ca co m eço u a fazer g rav ação

d e b an d as. E le tav a estu d an d o ain d a n esse m o m en to . D aí eu o co n h eci e ele p ro d u ziu u m cd , e eu fiq u ei

um tem p o sem o v er, ach o q u e ele fo i p ra fo ra, fo i estu d ar m ais, e eu fu i p ra o u tro cam in h o . D aí q u an d o

ele v o lto u e estav a m o n tan d o o estú d io , ele m o n to u u m estú d io d e p ó s p ro d u ção d e cin em a, ach o q u e u n s

q u atro an o s d ep o is, eles estav am p recisan d o d e u m a g alera, e d aí ele m e ch am o u .

R o sa n a : J á era o 1 9 2 7 ?

R o g er: A in d a n ão . D aí ele m e ch am o u e eu en trei lá. E le m e lev o u em to d as as salas, m as q u an d o eu

e n t r e i n a s a l a d e f o l e y e v i a q u i l o , p e l o a m o r d e D e u s ... M e e n c a n t e i c o m o n eg ó cio . O lh ei a sala d e fo ley e

f a l e i : e u q u e r o i s s o a q u i p r a m i m ! A í q u e e u e n t r e i n o n e g ó c i o , e a í d e z a n i n h o s ...

R o sa n a : Q u a n d o fo i isso ? E sta m o s em 2 0 1 4 , 2 0 0 4 o u fo i a n tes?

R oger: E u o conheci acho que em 1 9 9 8 , p o r aí.

R o sa n a : E v o cê já co m eço u g ra v a n d o fo ley? C o m o fo i essa en tra d a ?

R o g er: Q u an d o eu ch eg u ei, fo i o A n d erso n T ieta, n ão sei se v o cê já o u v iu falar, ele trab alh a lá. A g en te

era am ig o , era d a m esm a b an d a, e q u an d o o A lessan d ro co m en to u , eu ach o q u e fo i ele q u em falo u : v am o s

ch am ar o R o g er! F o i ele q u e m e ch am o u , e ele tav a n o fo ley, e co m eço u a ro lar, eu co m ecei a aju d á -lo ,

com o assisten te, e era um o u tro m undo que eu estav a v iv en d o . F iq u ei assistin d o b astan te, p eg an d o as

co isas, até a h o ra q u e ch eg o u o m o m en to d e assu m ir lá co m o fo ley a rtist, m as n a v erd ad e fo ley a rtist, p ra

ser m esm o , v o cê v ai ficar a v id a in teira, cad a cen a é u m a h istó ria, é u m a co isa, en tão v o cê tem que pegar

as m an h as d as co isas, se aco stu m ar co m o sin c, co m o d e s e n h o ...

R o sa n a : O T ieta g ra v a v a ?

R o g er: E le g rav av a. A p ertav a o 3 e saía co rren d o , ele fazia isso . M as ele n ão q u is m u ito , talv ez ag o ra

co m ig o sain d o ele v o lte a ser fo ley, m as ele é u m cara m u ito b o m , tan to co m o fo ley co m o co m ed ição .

R o sa n a : Q u e ca ra cterística s su a s te lev a ra m a té o fo ley? P o r q u e ele te ch a m o u ?

R o g er: P o r cau sa d e m ú sica, ach o q u e fo i m ais p ra esse lad o . P o rq u e tem u m a sem elh an ça, m ex e co m

so m , n é?

R o sa n a : F o i seu p rim eiro co n ta to co m p ós-p rod u ção? A n tes era só a m ú sica ?
R o g er: N a v erd ad e eu ten h o u m estú d io d e en saio s aq u i d e m u ito s an o s, en tão eu já m ex ia co m m u sica,

banda en saia n d o , gravando ao v iv o , eu já v in h a d esse lad o . E stu d ei m ú sica, estu d ei can to , estu d ei

g u itarra.

R o sa n a : V o cê tin h a u m técn ico d e g ra v a çã o fix o ?

R oger: E m d ez an o s, eu ach o q u e eu p assei p o r u m m o n te lá, ach o q u e u n s 5 . M as n a v erd ad e, d o s 5 , 7

foram b o n s, p o rq u e eu ap ren d i m u ita co isa. A p ren d i q u e cad a u m tem um jeito , e v o cê tem que pegar o

jeito d a g alera.

R o sa n a : V o cê n ã o ch eg o u a ter u m a d u p la d e fo ley?

R oger: C om o A n d erso n T ieta. A g en te ch eg o u a ficar so zin h o lá n o fo ley. C ad a u m ia p ra u m lad o , o u

ele gravava, ou eu gravava, ap ertav a o 3 e a g en te co rria, era um a co isa que eu acho que foi bem

p ro d u tiv a. E u ach o q u e é b em im p o rtan te p ra fo ley, o artista tem q u e v er to d o s o s lad o s, n ão p o d e só v er o

lad o d a p erfo rm an ce.

R o sa n a : E v o cê co m eço u a fa zer só p erfo rm a n ce?

R oger: Isso , com ecei a ver film e, a ver as co isas com o elas são , até o A lessan d ro e o E duardo

co m en tan d o co isa, p o rq u e eles são bem in fo rm ad o s em relação a isso , eles p assam m u ita in fo rm ação

d iariam en te, e co m en tam isso . Q u an d o eu ch eg u ei lá, n o p rim eiro d ia, eu v i o A lessan d ro m ix an d o u m

film e, p o rq u e h o je eu sei q u e é m ix an d o , e ele d eu u m p la y e tav a to can d o b g , tav a to d o b o n ito o so m , e

d aí ele m u to u o d iálo g o e cara! C o m o eles fazem p ra sep arar esse so m ! ? E u n ão acred itei n aq u ilo ! D aí

d ep o is ele co m eço u a m o strar o fo ley, as o u tras co isas, e eu o u v i e p en sei : cara, q u e m u n d o é esse, são

v ário s so n s, é m u ita in fo rm ação d e so m .

R o sa n a : N o s ú ltim o s tem p o s, q u a l era a su a fu n çã o lá d en tro ?

R o g er: E u ed itei b astan te co isa já, p o r alg u n s p ro b lem as q u e eu tiv e lá, eu tiv e q u e p arar d e ed itar, m as eu

g o s t a v a d e e d i t a r ...

R o sa n a : V o cê ed ita v a o sei p ró p rio fo ley?

R o g er: S im , e tam b ém o d o T ieta, p o rq u e q u an d o a g en te rev ezav a, d ep en d en d o d o ro lo , cad a u m pegava

u m a co isa e ia em b o ra. E d itav a o d ele tam b ém , en tão era leg al p ra m im . M as d ev id o a alg u n s p ro b lem as,

o E d u ard o falo u co m ig o e d isse q u e eu tav a b em n o fo ley, p ra ir fazer fo ley. T an to é q u e em alg u n s film es

eu q u eria q u e fo sse o n o m e co m o ed ito r, n é? M as q u al q u er co isa d e fo ley p ra m im é ó tim o .

R o sa n a : P a sso u a ter u m a eq u ip e d e ed içã o ?

R oger: A g en te já tev e u n s q u atro o u cin co ed itan d o lá, à s v ezes era m u ita co isa, e tam b ém u m as co isas

de gravação, por co stu m e achar que arrum a na ed ição , e aí com eçaram a p in tar u m as co isas assim , e

m u ita g en te ed itan d o . M as d ep o is a g en te co m eço u a acertar, e q u an d o fico u eu e o T ieta lá, em d o is a
g en te d av a co n ta d o s film es, d ep o is q u e eu saí, ch eg o u a ter u m s q u atro o u cin co , e ag o ra, n o fin al, tev e

um a co n v ersa de que as co isas tin h am que sair q u ase p ro n tas da gravação, com preocupação de sin c,

in terp retação , p ra na ed ição já não ter m u ita co isa. E aco n tec eu q u e a g en te estav a em três, e o cara

m esm o q u e estav a g rav an d o , o S ch u ltz, ele g rav av a e já m eio q u e co lo cav a n o lu g ar, co m fad es, e d eix av a

p ro n to p ra ed ição n ão ter m u ito o q u e fazer. E v o lu iu m u ito o estú d io , m u ito tem p o g rav an d o , v o cê rep ete

m u ita co isa e ch eg a u m a h o ra q u e faz d e p rim eira, co m a in terp retação v o cê co n seg u e en trar n o film e, d aí

acho que é bem m ais fácil.

R o sa n a : C o m q u em você ap ren d eu a fa zer fo ley? Q u em fo i im p o rta n te?

R o g er: A p ren d er m esm o , eu v ia o A n d erso n T ieta, p o rq u e fo i o p rim eiro co n tato q u e eu tiv e co m o fo ley.

Eu acho que foi ele, o A lessan d ro e o E d u ard o . A lém dos v íd eo s que eles sem p re m andaram , e eu

procurei no y o u tu b e tam b ém , eu co m ecei a v er co m o fazia, m as m u ita co isa fo i d en tro d a sala. V o cê

co m eça a v er o film e e à s v ezes n ão tem tem p o , en tão o lh a p ro q u e tem lá d en tro e v ê o q u e sai.

R o sa n a : Q u a l v o cê a ch a q u e é a fu n çã o d o fo ley d en tro d a trilh a ?

R o g er: A ch o q u e o fo ley traz a realid ad e d o ato r.

R o sa n a : V o cê a ch a q u e ele p o d e ser n a rra tiv o ?

R o g er: S im , ló g ico , em v ário s film es, em v árias cen as v o cê in terp reta o m o m en to . T em ato res q u e v o cê

v ê o jeito q u e ele an d a e tem q u e an d ar ig u al, in terp retar, e trazer esse so m pra quem v ai assistir, é a

p resen ça q u e o A lessan d ro sem p re fala, d a p resen ça d o ato r.

R o sa n a : Q u a l a su a estru tu ra d e g ra v a çã o , d e eq u ip a m en to s?

R o g er: A g o ra até a sala m u d o u , eles v ão co lo car u m as fo to s n o site, o estú d io está m u ito b o n ito , tá b em

d iferen te do que eu trab alh ei há m u ito tem p o . E u tô aju d an d o a m udar tu d o . M as en tão , tem v ário s

m icro fo n es, e cad a u m serv e p ra alg u m a co isa, o s caras sem p re falav am p ra u sar v ário s m icro fo n es, m as

chegava na m ix ag em tin h a m ix ad o r q u e d izia q u e co m um m icro fo n e só tirav a q u alq u er tip o d e so m .

E n tão eu ficav a v en d id o , porque não ad ian tav a. E n tão eu ia gravar e m andavam eu por o 416 e o

N eum ann, e eu m icro fo n av a, m as não tin h a com o sab er o que eles iam u sar, en tão fico u um a co isa

trav ad a d e m icro fo n e. D aí d ep o is q u e eles co m eçaram a q u erer u sar , a ir ju n to lá, co m eçaram a estu d ar

c a d a t i m b r e d e m i c r o f o n e , e a i n d a e s t ã o n e s s a . Q u e e u m e l e m b r e l á t e m o N e u m a n n ...

R o sa n a : P ra g ra v a r ro u p a ?

R o g er: E les ten taram p ra g rav ar ro u p a, ele tem m ais b rilh o , m as o A lessan d ro já n ão g o sto u m u ito , ele

p r e f e r e o 4 1 6 , p o r q u e t e m u m a s c o i s a s d e g o s t o d o m i x a d o r , t e m l á o D E 5 7 , d a S h u r e ...

R o sa n a : Q u a l o q u e v o cê m a is u sa v a ?

R o g er: o S en n h eiser 4 1 6 .
R o sa n a : C o m o era a sa la ? Q u a l o ta m a n h o e seu s p its?

R oger: A sala eu sem p re g o stei, é g ran d o n a. É u m a casa q u ase p erto d o cen tro d e C u ritib a, en tre u m

b airro n o b re e o cen tro , en tão a sala d essa casa, q u e em b o ra eu ach e q u e ten h a sid o feita n o s an o s 7 0 , é

bem grandona e bem alta, tem q u ase três m etro s d e altu ra, en tão tem rev erb , d á p ra v o cê u sar b ast an te o

so m , e tan to ab afar. A g o ra está m ais ab afad a ela, m ais fech ad o o so m , tá m ais fácil d e tirar tim b re b o m ,

fo i o q u e eu n o tei d ep o is d e 9 an o s e 1 1 m eses, ag o ra o so m tá fican d o b o m .

R o sa n a : C o m o v o cê d iv id e o fo ley p ra g ra v a çã o ? Q u a is a s ca teg o ria s q u e v o cê u sa ?

R oger: Eu vou p rim eiro pro step , d ep o is ro u p as, d ep o is p ro p s. O s to q u es ficam na p arte d e o b jeto s,

quando en tra p ro p s, a g en te cham a aqui de TQ , a g en te com eça fazendo eles, porque daí m uda o

m icro fo n e.

R o sa n a : A lg u ém lista o q u e v o cê v a i g ra v a r?

R o g er: E u fiz m u ito sp o tin g , ag o ra q u em tav a fazen d o era o ed ito r. A ssiste, faz o sp o ttin g e m an d a p ra

g en te.

R o sa n a : C o m o é o sp o ttin g ?

R oger: Tá lig ad a o P ro T o o ls? É nos m a rkers, cad a com eço de m o v im en to , u ltim am en te a g en te tá

fazen d o assim o s sp o ttin g s d e step s, tem q u e assistir an tes d e fazer, cad a m ex id a d e alg u ém andando, põe

u m m a rker, já “sp o ta” o step assistin d o .

R o sa n a : E m q u an to tem p o vocês ap ron tam u m lo n g a d e 1 0 0 m in u to s?

R o g er: M eio d ifícil falar, p o rq u e d ep en d e d a cen a, m as o q u e a g en te tá fazen d o ali, ach o q u e são 5 0

m in u to s em 3 m an h ãs.

R o sa n a : V o cês g ra v a m em p erío d o s d e q u a n ta s h o ra s?

R o g er: A g en te ch eg o u a fazer g rav ação em 8 horas.

R o sa n a : U m ro lo lev a v a q u a n to tem p o ? 1 d ia ? 2 d ia s?

R o g e r : P o r a í , m e n o s a t é , d e p e n d e ...P o d e c h u t a r d o i s d i a s p o r r o l o , t o m a n d o b a s t a n t e c a f é e c o n v e r s a n d o ,

n a v erd ad e é m u ito im p o rtan te se falar so b re a cen a e o film e.

R o sa n a : V o cê g ra v a tu d o o q u e v o cê v ê n a cen a o u v o cê a ssiste e d ecid e o q u e v a i o u n ã o g ra v a r? O

q u e v o cês co n v ersa m n o s ca fés?

R oger: É isso aí, so b re isso m esm o , o q u e é im p o rtan te n a cen a? P o rq u e fazer, a g en te p o d e fazer tu d o .

N o co m eço , q u an d o eu en trei lá, era assim . E u já en trei n essa esco la, n essa h istó ria d e o q u e v ê , tem que

fazer, d ep o is a g alera co m eço u a falar em enxugar. A í chegaram o s seriad o s, as co isas q u e n ão tem m u ito
tem p o , en tão v o cê tem q u e fazer o fo ley o lh an d o p ro ro sto d e q u em está n a tela. S ab e co m o ? V o cê tem

q u e en x u g ar m u ito m ais, n ão co m eçar a v er co isas, v o cê v ai assistir o film e e o lh a p ro ro sto d o ato r, en tão

v o cê co m eça a tirar co isas, p o rq u e o esp ectad o r ele m eio q u e v ê isso , n ó s é q u e p en sam o s em so m . M u ita

g en te v ai v er o film e e v ai ficar o lh an d o p ro cara, ele m ex e a b o ca, v o cê está n essa ex p ressão , e o so m ali

v ai co m en d o so lto , en tão v o cê co m eça a tirar u m as co isas.

R o sa n a : C o m o é o seu tra b a lh o d e fo ley co m o Som d ireto ?

R oger: T em g en te que não g o sta, m as o u v ir o so m d ireto e ten tar rep ro d u zir pra m im é u m a co isa

m ag n ifica.

R o sa n a : V o cê receb e o so m d ireto ?

R oger: A g en te recebe a O M F, que m andam , e tem ta ke só de fo ley que eles gravam . C ara, eu

p articu larm en te g o sto m u ito d e o u v ir o so m d ireto e rep ro d u zir co m q u alid ad e, co m co isas d iferen tes. E

tem film e tam b ém que você com eça do zero. T em so n zin h o q u e n ão é aq u ilo , v o cê tem q u e co n stru ir alg o

m u ito m aio r.

R o sa n a : Q u a n d o a cen a é d u b la d a tem d iferen ça ?

R o g er: S im , isso o m ix ad o r à s v ezes já av isa q u e v ai ser d u b lad o e q u e q u er co m p leto , q u er n ão sei o q u e,

p recisa d e tal co isa, e isso v ai m ais d e q u em está lá n a fren te, o q u e p recisa p ra co m p letar aq u ilo .

R o sa n a : O q u e v o cê lev a em co n ta n a h o ra d e esco lh er o s m a teria is?

R o g er: N a v erd ad e, o so n h o d e q u em faz fo ley é ter u m ferro v elh o , ter u m a casa d as fech ad u ras, ter u m a

co zin h a, tu d o p ro n to , m as co m o n ão tem v o cê tem q u e o lh ar o q u e tem n a sala e ten tar rep ro d u zir aq u ilo .

C o m o eu já co n h eço o q u e tem n a sala, eu assito o film e e v ejo o q u e n ão tem , d aí a g en te co rre p ra v er

quem tem e em p resta, p ra n ão acu m u lar m u ita co isa, p o rq u e a g en te n ão tem estru tu ra p ra i sso lá,

R o sa n a : O n d e fica m o s o b jeto s d e v o cês? F ica m n u m lu g a r sep a ra d o ? F ica tu d o n a sa la ?

R o g er: T u d o n a m e sm a sala, é co m p licad o , p o rq u e à s v ezes v o cê d á u m a p o rrad a fo rte lá e já co m eça a

g a l e r a a m a n i f e s t a r , o u s e j a , o v i d r o , o c a p ô , é m u i t a c o i s a . ..

R o sa n a : Q u a n d o v o cê o lh a p ra cen a e o a to r está m ex en d o n o o b jeto , q u a l o ca m in h o d a su a m en te

p ra ch eg a r n o o b jeto q u e v o cê v a i u sa r p ra fa zer o so m ?

R o g er: P rim eiro a g en te tem q u e ... C o m o e u j á t o l á h á a l g u m tem p o , o certo p ra q u em n ão tem m u ito

co n h ecim en to é co m eçar d o zero , p o r ex em p lo , o cara tá co m u m a lu v a d e co u ro , v o cê p eg a a lu v a d e

co u ro , v o cê tem u m a lu v a d e co u ro , m as tu a lu v a tem m u ito b ril h o , aí m u d a o m icro fo n e, ten ta u sar u m a

o u tra co isa, u sa u m p an o p ra ab afar, en tão m u d a m u ita co isa, d ep en d e d e cen a, d e trilh a, d e d istân cia.

R o sa n a : V o cê tra b a lh a o p o sicio n a m en to d o m icro fo n e co m p ersp ectiv a ?
R o g er: Isso , h á alg u n s film es já, q u e é o q u e a g en te ch am a d e S C , S o u n d sca p es. P o r ex em p lo : tem um a

cen a n o restau ran te, já b o ta u m m icro fo n e lo n g e e u m n a m esa, aí co m eça a d esen h ar o q u e tem n a m esa,

d esen h o u , v o lta e faz u m ta ke n o co n tra, cap tan d o co m um o u tro m ic, a g en te já tá fazen d o isso h á u m

lo n g o tem p o , já d esen h an d o co m p ersp ectiv a. S tep a g en te co m eço u ag o ra, p o rq u e u m m ix ad o r co m eço u

a ir n a g rav ação , e co m o o u v id o d ele d e m ix ad o r, co m as co isas n o lu g ar n a cab eça, ele ch eg o u e d isse:

“afasta m ais, p õ e ali”, e isso p ra m im fo i m u ito m assa, d aí v o cê o u v e e v ê q u e co m eça a co lar p o rq u e

v o cê o u v e q u e tem so m d e sala.

R o g er: C o m o é o seu rela cio n a m en to co m o S u p erv iso r e co m o D ireto r d o film e?

R o g e r : N ã o t e m m u i t o ...S u p e r v i s o r n a v e r d a d e n ã o t e m ...

R o sa n a : C o m o a co n tece q u a n d o v o cê receb e o film e? N in g u ém te d iz n a d a ?

R oger: Já aco n teceu de não falar m esm o , p eg a o film e e v ai. M as d ep o is com eçou a ter reu n ião . O

A lessan d ro faz a reu n ião co m o d ireto r e ch eg a aq u i e faz u m a reu n ião co m a g en te. Q u an d o ele co m eço u

a ter tem p o p ra fazer isso , p o rq u e era m u ito co rrid o , d aí as co isas co m eçaram a en caix ar m elh o r. M as já

aco n teceu d e fazer em um film e, e n o s p ró x im o s três n ão fazer n ad a, sab e? M as a g en te tam b ém já tá

aco stu m ad o co m as co isas.

R o sa n a : J á sa b e co m o ele g o sta ?

R o g e r : M a i s o u m e n o s ... P o r q u e v a i d e d i r e t o r t a m b é m , t e m d ire to r q u e q u er ex ag erar, tem d ireto r q u e

q u er so m d ireto , en tão v o cê tem q u e estar m eio lig ad o n isso .

R o g er: E d u ra n te o p ro cesso ? V o cê a p resen ta ro lo s?

R oger: O q u e aco n tece é assim : ch eg a o film e, assistim o s, an alisam o s o film e, esco lh em o s o sap ato p ra

ele, en fim , aí a g en te co m eça a g rav ar. G rav am o s step s, ro u p a e p ro p s d o p rim eiro ro lo , term in am o s?

T em que fazer um bounce com tu d o isso , m an d a n o tra n sit p ra g alera e av isa n o S kyp e, e q u em estiv er

ed itan d o d iálo g o e efeito já puxa e vê o que a g en te tá fazendo. E eles tam b ém fazem isso , d iálo g o

p rim eiro b o u n ce e tal, e v o cê co m eça a se lig ar co m o q u e o o u tro está fazen d o .

R o sa n a : O q u e v o cê b u sca d u ra n te a g ra v a çã o ? Q u a l a ca ra cterística d e u m b o m fo ley?

R o g er: E u sei q u e q u an to m elh o r a cap tação , a p o sição d o m icro fo n e, é im p o rtan te p ro m ix ad o r, p o rq u e

ele q u er assistir já o u v in d o u m tim b re b o m , en tão v o cê tem q u e p en sar n isso , já co m eça aí. A í m ais a

in terp retação . A g en te tem u m as ro u p o n as p esad as, p ra co isa p esad a, u sa o m icro fo n e d iferen te p ra d a r o s

tap as e o s so co s, tem co isas d e b an co q u e a g en te fez n a sala d e fo ley, m as h o je em d ia u sa em banco.

T em essa in terp retação , o cara d eu u m tap ão m esm o , fo i fo rte, o u fo i d ev ag ar, m ão a b erta, m ão fech ad a,

o u é n a p ele? T em to d o esse d esen h o .

R o sa n a : V o cê se o u v e n a g ra v a çã o ?
R oger: Eu escu to um pouco do so m d ireto , q u e eles m an d am sem p re, aí eu v o u o u v in d o . E sse f ilm e

seg u e o so m d ireto ? E sse film e co m eça d o zero ? M as eu sem p re ten h o q u e o u v ir p ra ir in terp retan d o

tam b ém .

R o sa n a : V o cê tem a lg u m p ro jeto fa v o rito ?

R o g er: T en h o v ário s. T ev e u m aqui em C u ritib a, q u e é o C u ritib a Z ero G rau , q u e fo i feito aq u i e a g alera

ten to u fazer, sem recu rso fica u m p o u c o d i f í c i l , m a s e u g o s t e i m u i t o d e f a z e r . E s s e s f i l m e s c o n h e c i d o s ...

S e eu falar p ra v o cê q u e tem um fa v o rito , eu v o u estar m en tin d o , p o rq u e eu co m ecei a falar e v eio u m

m o n t e d e f i l m e ... C a d a f i l m e q u e v o c ê v ê , o step , o so m q u e v o c ê c o n s e g u i u i n t e r p r e t a r , m a s n ã o s e i ...

Ju n ta tu d o n u m a co isa só .

R o sa n a : V o cê tem a lg u m ca u so d e b a stid o r?

R o g er: N a cen a tin h a u m cara carregando um saco d e cim en to , e o cara q u eria q u e eu carreg asse u m saco

d e cim en to , e eu tiran d o sarro , p o rq u e co in cid iu n a sala ter, e eu d isse: b eleza , en tão ! P eg u ei o saco e fiz

com ele m esm o . A g en te sab e q u e g eralm en te é o so m , s e v o cê v ai so ltar n o ch ão v o cê p recisa d o p eso ,

m as se v o cê v ai carreg ar v o cê n ão p recisa, p o rq u e esse p eso n ão v ai ter so m .

R o sa n a : O q u e v o cê já tev e q u e u sa r d e m a téria estra n h o p ra co n stru ir u m so m ?

R o g er: T ev e u m a v ez q u e p arece u q u e o E d u ard o estav a m e tiran d o n a ép o ca, p o rq u e fo i b em no com eço,

tin h a q u e g rav ar u n s b eijin h o s, u n s to q u ezin h o s, e ele falo u : v ai lá, R o g er, p eg a u m a laran ja, v am o s b eijar

u m a l a r a n j a ! E f i c o u u m t r o ç o m u i t o n o j e n t o ... J á a c o n t e c e u b a s t a n t e c o i s a s a s s i m .

R o g er: T ev e ex p eriên cia s co m á g u a ?

R oger: Já aco n teceu de p isar na água, e eu esq u eci e b o tei a m ão n o m icro fo n e. C ara, eu g ru d ei n o

m icro fo n e. A g en te fo i g rav ar estilin g u e, a g en te tev e q u e g rav ar o so m n a sala d e fo ley, e a g en te tin h a

que gravar tam b ém a pedrada nas co isas, en tão tev e um a v ez, tem um v id rão n a sala, e eu cu id ei n o

m á x i m o , m a s q u e e u q u e b r e i m u i t a c o i s a e u q u e b r e i ...

R o sa n a : T em m a is so n s in teressa n tes q u e v o cê lem b ra ?

R oger: T eria que l e m b r a r ... P o r q u e a g en te é aco stu m ad o a fazer alg u m as co isas m istu rad as com os

efeito s, n ão é só fo ley. E n tão às v ezes tem u m a q u ed a d e av ião , carro to m b an d o , m o to , en tão tem um as

m istu ras.

R o sa n a : C o m o é a su a rela çã o co m a s eta p a s p o sterio res? D e e d içã o , p ré m ix e m ix fin a l?

R oger: C om o a g en te já trab alh o u m u ito tem p o ju n to , tem co isa q u e n ão p recisa falar. M as tem que

aco m p an h ar, p o rq u e à s v ezes tem o d esen h o d a cen a, o u m u d a a trilh a, sab e? Q u an d o m u d a alg u m a co isa ,

tem q u e co n v ersar so b re isso .
R o sa n a : V o cê já m u d o u o seu jeito d e g ra v a r d ep o is d e o u v ir p ré m ix e m ix fin a l?

R oger: T em m u ita co isa d e g o sto . L á tem d o is m ix ad o res, e u m já é m ais ex p erien te, q u e é o A lessan d ro ,

e o R enan, que é um bom m ix ad o r, m as ain d a falta u m tem p o p ra ele p eg ar u m as co isas. D e step s, eu

ch eg u ei a o u v ir step s e v er q u e a in terp reta ção n ão era essa, o so m n ão era esse, m as aí já tav a n o film e.

T em co isas n o film e q u e n ã o tem so m , q u e o ed ito r co lo ca à s v ezes p ra m en tir a cen a, e d e rep en te p asso u

l o n g e d o f o l e y ... E s s e e s q u e m a d e f o l e y é m u i t o d i f í c i l , m e s m o q u e v o c ê a c o m p a n h e , o e d i t o r j á t e m um

p en sam en to , v o cê p en sa d e u m jeito g rav an d o , o ed ito r já tem lib erd ad e d e p en sar d e o u tro , se ele q u iser

m u d ar m u ito , v o cê tem às v ezes até q u e v o ltar e fazer o u tro . O u até o m ix ad o r.

R o sa n a : V o cê d á m u ita o p çã o o u já m a n d a m a is fech a d o p ra ten ta r d irecio n a r essa ed içã o ?

R o g er: Já d eix ei m u ita o p ção , três assim de step s, h o je em d ia n ão , h o je em d ia é u m step q u e a g en te

d esen h a e escu ta. F u n cio n o u ? A cab o u . N ão tem m u ito o q u e m ex er n ão . P ra g en te p o d er fazer isso em

três m an h ãs o u em d o is d ias o s 5 0 m in u to s, n ão tem jeito , as co isas tem q u e estar b em n o lu g ar.

R o sa n a : Q u a n d o v o cê fa z ca m a d a s, v o cê já m a n d a a certa n d o v o lu m es?

R oger: T em c o i s a q u e p r e c i s a ... A g en te m an d a fla t. A g en te p ro cu ra fazer tu d o n u m ta ke só . H o je tev e

b astan te cen a co m g arrafa, co p o , “b eb e” e m esa, a g en te p ro cu ra fazer tu d o n u m ta ke só , ela p eg o u eu

p eg o tam b ém , q u an d o n ão d á, faz o q u e falto u e ten ta red u zir ta kes.

T em m u ita p iad a lá so b re cav alo , eu fiz b astan te so m d e cav alo , co m v á rias p esso as g rav an d o ,

m as tem essas cam ad as, se lá é p ed ras, tem q u e ter o so m d o cô co , o so m d a p ed ra, o so m da boca, os

p en d u ricalh o s, são v árias cam ad as.

R o sa n a : Q u a n d o v ira 1 9 2 7 ?

R o g er: A ch o q u e faz u n s 5 o u 6 an o s. E ssa casa , q u an d o eu ch eg u ei eles já estav am há um tem p o , o n d e

eu gravei com a m in h a b an d a, esse estú d io fo i p ra u m o u tro lu g ar e o A lessan d ro al u g o u p ra fazer p ó s

p ro d u ção lá.

R o sa n a : M u d o u só o n o m e?

R o g er: Isso . N ão sei se era D N A rt, q u e era d o E d u ard o , n ão sei se ele e o A lessan d ro fizeram um film e

an tes, fizeram l á o “ C i d a d e d e D e u s ” j u n t o s , e u n ã o l e m b r o ... E d e p o i s q u e v e i o a v o n t a d e d e t e r u m nom e

d o estú d io .

R o sa n a : Q u em fo i o resp o n sá v el p o r estru tu ra r o fo ley n o estú d io ?

R o g er: A ch o q u e o A lessan d ro , n é?

R o sa n a : Q u em d efin iu q u a is seria m a s ca teg o ria s e o q u e seria g ra v a d o ?
R o g er: E ssas co isas eles já tin h am d e esco la q u e eles fo ram pra fora, e foram p assan d o p ro T ieta e d aí p ra

m im . E les iam d an d o u m as d icas, e a g en te tam b ém , co m o tem p o , fo i p eg an d o o esq u em a.

R o sa n a : Q u a l fo i o seu p rim eiro lo n g a ?

R o g er: O m eu p rim eiro lo n g a reg istrad o é o “ D o is F ilh o s d e F ran cisco ”. E u fu i assisten te, ch eg u ei a fazer

alg u n s step s, alg u m as co isa s, q u e é d o “C afundó” e do “Jo g o S u b terrân eo ”. M as tev e o u tro s, u n s cu rtas

an tes, q u e eu n ão lem b ro .

R o sa n a : V o cê tem feit o o u tro s p ro jeto s a lém d e lo n g a s e cu rta s?

R o g er: C u rta n a v erd ad e eles n ão pegaram m ais faz u m lo n g o tem p o , o q u e está ro lan d o ag o ra são o s

seriad o s, m as ach o q u e eles tão q u eren d o v o ltar só p ra lo n g a.

R o g er: V o cê v ê fu tu ro n a p ro fissã o ?

R o g er: E u ten h o u n s am ig o s aq u i tam b ém q u e fazem , n a m in h a salin h a p eq u en a, v o u v er se co n sig o fazer

alg u m a co isa aq u i já.

R o sa n a : É p o ssív el v iv er d e fo ley?

R o g e r : A c h o q u e t a l v e z ... E u a c h o q u e d á , p o r q u e t e m m u ita co isa, d as p esso as co m quem eu co n v erso

q u e e s t ã o n e s s e m e i o ... T á c e r t o q u e n o e s t ú d i o e l e s p e g a m film e co m o rçam en to m elh o r, m as p ra m im ,

eu n u n ca m e im p o rtei m u ito co m essas co isas, in d ep en d en te d isso eu fiz m u ito cu rta aq u i d e C u ritib a co m

u m a g alera m u ito m assa.

R o sa n a : Q u a l a su a rela çã o d e tra b a lh o co m o estú d io ?

R o g er: E u era reg istrad o até esse m ês, m as eles estão co m o p en sam en to d e m an d ar a g alera em b o ra e

terceirizar, e eu , p o r co n ta d e u n s p ro b lem as aí, esto u ap ro v eitan d o e in d o d e v ez.