You are on page 1of 8

Uso de destiladores solares para fornecer água potável no semiárido paraibano

Use of solar distillers to provide drinking water in semiarid paraibano

José Adailton Lima Silva1, Vera Lucia Antunes de Lima2, Francisco José Loureiro Marinho3

Resumo
A escassez de água advinda das condições climáticas do semiárido paraibano tem forçado inúmeras famílias rurais a consumirem
água de má qualidade, o que tem contribuído para o aumento de casos de doenças transmitidas pela água. Tendo em vista esta
problemática, objetivou-se analisar como o uso de destiladores solares pode proporcionar a obtenção de água potável, e avaliar os
benefícios socioeconômicos e ambientais advindos do uso desta tecnologia. Após os estudos, observou-se que os destiladores
solares são uma tecnologia de baixo custo econômico, de fácil disseminação social, utilizam energia solar (limpa e renovável), e
são capazes de fornecer água potável para atender as demandas hídricas de famílias que convivem com a escassez hídrica em
regiões semiáridas.
Palavras-chaves: Energia Solar, Destiladores Solares, Água potável, Semiárido.

Abstract
The scarcity of water arising from climatic conditions of semi-arid Paraiba has forced many rural families to consume poor quality
water, which has contributed to the increase in cases of waterborne diseases. In view of this problem, the objective was to examine
how the use of solar distillers can provide the production of drinking water, and assess the socio-economic and environmental
benefits from the use of this technology. After the studies, it was observed that solar distillers are a low economic cost technology,
easy social diffusion, uses solar energy (clean, renewable), and are able to provide drinking water to meet the water demands of
families living with the shortage of water in semi-arid regions
Keywords: Solar energy, Distillers Solar, Drinking Water, Semiarid.

1 INTRODUÇÃO

Atualmente, em algumas regiões semiáridas, a carência extrema de água de boa qualidade força as populações a consumirem
águas com elevados níveis de contaminação biológica e química (sais), com consequentes danos a saúde (AMARAL et al., 2003).
Tal realidade pode ser encontrada em várias comunidades rurais do semiárido paraibano, como é o caso do Assentamento Olho
D’Água, município de Seridó-PB.
No município de Seridó-PB, escopo espacial desta pesquisa, a população local convive com a escassez de água periódica, e
cerca de 90% da população rural (5.126 habitantes) sobrevivem com condições inadequadas de saneamento básico: água e esgoto
(IBGE, 2010). Além disso, tem-se o fato de que grande parte da população rural consume águas de poços, açudes ou de cisternas
sem nenhum tratamento, o que tem contribuído para o aumento dos casos de doenças de veiculação hídrica. Logo, torna-se urgente
fornecer água de boa qualidade.
Num caminho de solução para obter água potável no semiárido brasileiro, tem-se a dessalinização das águas a partir de
destiladores solares. Em síntese, o destilador solar utiliza a radiação solar para aquecer a água, a qual irá evaporar e condensar
dentro do destilador. Com isso, a água torna-se potável em virtude das altas temperaturas, no interior do destilador, eliminar os
microrganismos patógenos, e possibilitar a retirada dos sais dissolvidos na água (MARINHO et al., 2015).
Um destilador solar pode produzir água para beber sem custos com eletricidade, sem uso de produtos químicos ou elementos
filtrantes. Atualmente, a dessalinização e desinfecção de águas através do destilador solar já são aplicadas em diversos países, com
boa aceitação familiar para produção de água potável, tendo como estímulo: não detém custos com energia elétrica e é considerada
uma tecnologia limpa e sustentável (BOUKAR & HARMIN, 2001).
Em suma, os destiladores solares possibilitam inúmeros benefícios: capta as águas das chuvas; produz água potável suficiente
para melhorar as condições de segurança hídrica; tem baixo custo de implantação e manutenção; facilita o acesso à água devido à
proximidade dos destiladores junto às residências; pode ser de uso individual ou coletivo; e é uma tecnologia social de fácil
aprendizagem (MARINHO et al., 2015, p. 80).
Diante do contexto, o presente estudo objetiva avaliar o potencial de dessalinização e desinfecção de águas através da energia
solar disponível no semiárido paraibano. Para tanto, foram analisados destiladores solares instalados no Assentamento Olho
D’Água, município de Seridó-PB, no semiárido paraibano, onde muitas famílias rurais têm convivido com a escassez de água
potável.
Sabendo-se que a energia solar disponível em regiões semiáridas pode proporcionar benefícios socioambientais através de
destiladores solares (SOARES, 2004), o presente estudo buscará responder: qual é o potencial máximo e mínimo diários de
obtenção de água potável alcançada a partir da energia solar disponível localmente? De que forma os destiladores solares podem

U. (2012. o potencial de destilação das águas a partir do uso de destiladores solares (Figura 2). Figura 1. município de Seridó (6°55’58” S e 36°23’ 8” W).com água potável aumenta à medida que cresce a população.013). Diante do cenário descrito. Ainda segundo o IBGE (2010). dos serviços (R$ 30. se deu em virtude deste apresentar alguns critérios imprescindíveis a esta pesquisa. 2010). Dra. dessalinizaçãoUnidade e Acadêmica desinfeção das de Eng. tais como: 1) a população local convive com a escassez de água periódica em virtude das condições climáticas locais. o gradiente da temperatura e o gradiente associado à pressão do vapor dentro do dessalinizador provocam a condensação do . o referente município detém um IDH de 0. 2010). E-mail: chicohare@yahoo. Marinho et al. que passa através da cobertura transparente. sobrevivem com condições inadequadas de saneamento básico: água e esgoto (IBGE. visitas técnicas e observações in loco. assim como 90% da população rural (5. E-mail: que o consumo de adailton_limasilva@hotmail. O vapor de água entra em contato com a superfície de vidro e condensa. no município de Seridó-PB. Com isso. e 3) a população local consome água de um poço artesiano sem nenhum tratamento da água. aquece a água (salgada e/ou infectada) numa temperatura superior à da cobertura. econômicos ou ambientais advindos do uso dos destiladores solares? Esses questionamentos foram respondidos através de uma pesquisa experimental. levantamento de dados e realização de cálculos estatísticos. e uma população de 10. avaliando-se os benefícios socioambientais e como esta tecnologia tem atendido as necessidades hídricas de famílias que convivem com a escassez de água potável. totalizando uma área de 20m². 2) as famílias locais. Com isso. no Assentamento Olho D’Água. como espaço de pesquisa. torna-se eminente a 2 Profa. De forma simples. Localização do sítio Olho D’água. mas inibe a saída das ondas longas para fora do destilador solar. e apresenta uma área territorial de 276 km². Cabe ressaltar que as águas das chuvas são captadas pelos destiladores e armazenadas em outra caixa de PVC de 300 litros. objetiva-se analisar o potencial de obtenção de água potável 3 Prof.126 habitantes). 55) explicam que o processo de dessalinização ocorre quando a radiação solar.1 Espaço de pesquisa O presente trabalho foi realizado no Assentamento Olho D’Água. o qual possibilita a passagem da radiação solar (ondas curtas).emsabendo-se Recursos Naturais. e dos impostos (R$ 674 reais). da indústria (R$ 5.547 reais. A cobertura é composta de vidro.com. UEPB. município de Seridó-PB. descritiva e qualiquantitativa tomando por base: fundamentos teóricos e documentais. Centro de Ciências Agrárias e Ambientais. o que pode colaborar para o aumento dos casos de doenças de veiculação hídrica. o qual é advindo da agropecuária (R$ 2.br através dos destiladores solares.230 habitantes (IBGE. aumenta-se a temperatura dentro do dessalinizador. fazendo com que ocorra a evaporação da água armazenada numa lona Encerado (“lona de caminhão”) no interior do destilador solar.778 reais).com e poços. 2 MATERIAL E MÉTODOS 2. O referido município está a cerca de 192 km da capital paraibana. buscou-se avaliar. Eles consistem em cinco caixas (cada uma com 4m²) construída com placas pré-moldadas de concreto.081 reais). Doutorando Por fim. Fonte: Arquivo pessoal A escolha do Assentamento Olho D’água. dos açudes. UFCG. produzindo assim água potável que é conduzida a uma caixa de PVC de 300 litros. águas Agrícola. situado na microrregião do Seridó Oriental do estado da Paraíba (Figura 1). p.ser considerados uma tecnologia social de fácil construção e de baixo custo? Quais são os benefícios sociais. cisternasE-mail: antuneslima@gmail. Dr. 1 além da realização de análises laboratoriais das amostras de águas coletadas antes e depois do processo de destilação. João Pessoa.555 e um PIB de R$ 38.

sulfatos. Destiladores Solares no Assentamento Olho D’água. Logo. com o uso dos destiladores solares no Assentamento Olho D’Água. Com isso. Figura 2. puderam-se estimar o potencial de produção de água destilada em litros/m²/dia-¹. ainda. foram realizados alguns procedimentos metodológicos. conforme Amorim et al. o qual é referência em análise e tratamento de águas. direcionando as águas condensadas até o depósito da água destilada (Figura 3). 27 de maio de 2016). utilizando como meios técnicos: o levantamento bibliográfico e documental que disponibilizaram conhecimentos e dados sobre a temática abordada nesta pesquisa. potássio. Durante os estudos. Tais medições ocorreram num período experimental de 7 dias consecutivos (21. onde: i) as temperaturas médias diárias foram fornecidas pelo Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). Fonte: Arquivo pessoal Figura 3. análises físico-químicas e microbiológicas de amostras de águas coletadas antes e depois do processo de dessalinização. A película delgada do condensador (vidro) escorre a água condensada até as canaletas (escape de destilado). às 9hs de cada um dos 7 dias estudados. e ii) a contabilização da produção de água foi realizada diariamente. Ressalva-se que os níveis de salinidade foram. além da observação in loco e visitas técnicas. 23. e as quantidades diárias de água destilada. 22. 24. (2010). os quais serão detalhados a seguir. o registro icnográfico para diagnosticar. Todas as análises foram realizadas no Laboratório de Dessalinização – LABDES. entre outros elementos) existentes nas águas coletadas antes e depois do processo de destilação. foram medidas as temperaturas médias diárias do ar. magnésio. 2013 Por fim.. Seridó-PB. 25. Fonte: Marinho et al.2 Procedimentos metodológicos Esta é uma pesquisa experimental. 2. 26. cloretos. cálcio. determinados através da análise de 24 parâmetros (condutividade elétrica. através de imagens. o uso dos destiladores solares. . Realizaram-se. sódio.vapor de água sobre a superfície da cobertura transparente (vidro). Desenho esquemático do funcionamento do destilador solar. descritiva e qualiquantitativa. as amostras de águas coletadas em poços foram comparadas com as amostras destas águas após o processo de destilação.

1 POTENCIAL DE OBTENÇÃO DE ÁGUA POTÁVEL Durante os dias pesquisados levantou-se junto ao INMET. as análises laboratoriais de amostras de águas foram realizadas de forma comparativa. Isso se deu em virtude das variações dos elementos climáticos (temperatura e nebulosidade). (2012). obteve-se uma produção muito significativa e de suma importância para atender as necessidades hídricas das famílias locais. com o aumento dos sais dentro dos destiladores solares. as temperaturas médias diárias do ar atmosférico.. Fonte: Arquivo Pessoal Diante dos dados expostos nas Figuras 4. Sabendo-se que cada destilador solar detém uma área de 4m 2. além de possuir diversos recursos de funções e fórmulas (PEREIRA et al. Por fim. houve menores temperaturas diárias. tendo como média diária 27. pois nos dias de menor nebulosidade e maior temperatura houve uma maior produção de água destilada. provocando a diminuição do potencial osmótico/hídrico e.. Tal iniciativa foi valida para analisar a qualidade das águas antes e depois do uso dos destiladores solares. Resultado das análises físico-químicas das águas in natura e dessalinizadas. 2014). (2012). a redução da evaporação da água (SCHOSSLER et al.8 litros/m 2/dia-¹. e 1. 2013). nos dias em que a nebulosidade foi intensa. houve uma diminuição do processo de evaporação da água e. 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO 3. Em suma. Na Figura 4. . Com isso. o que diminuiu a produção de água potável. 0. Todavia. A escolha do Microsoft Excel 2010 se deu em virtude deste constituir-se em uma ferramenta que agiliza os processos de cálculo e a elaboração de tabelas e gráficos. que obtiveram. Figura 4. pois a presença de sais muda a tensão superficial/interfacial da água (LIMA et al. onde as temperaturas diárias variaram entre 17. menor condensação e obtenção de água destilada.. o que propicia menores temperaturas e maiores nebulosidades quando em comparação com outras estações do ano (primavera e verão). consequentemente. Este potencial de obtenção de água destilada é um resultado superior aos encontrados nos estudos com destiladores solares de Vargas et al. 2012).2°C. apresentam-se os valores correspondentes a obtenção de água diária dos destiladores solares. observa-se uma oscilação na produção de água ao longo dos sete dias. Por fim. foi analisada a qualidade da água in natura em comparação com a mesma água após o processo de destilação solar.65 litros/m²/dia-1. respectivamente. mesmo sobre condições climáticas (temperaturas e nebulosidade) adversas para a destilação por energia solar. Em contrapartida. pôde-se estimar a produção média diária de água obtida. Produção diária de água potável.74 litros/m²/dia-1. conclui-se que a maior ou menor nebulosidade e/ou temperatura influenciam diretamente na produção de água potável. Os destiladores solares produziram. o processamento de dados se deu através das análises estatísticas utilizando o aplicativo Microsoft Excel 2010 para tratamento de dados quantitativos. consequentemente. Com isso. 37 litros por dia. e Marinho et al. 3. houve o levantamento da produtividade de água destilada durante o período experimental.1°C.2°C a 30. Cabe ressaltar que o acúmulo de sais no interior do destilador solar também diminui a produção de água potável. em média. obteve-se uma produção média de 1. teve-se o fato do período de estudo (de 21 a 27 de maio de 2016) compreender o outono (Hemisfério Sul). Assim. Quadro1. Em síntese.2 Análises da qualidade das águas Nas Tabelas 1 e 2 são apresentados os resultados das análises físico-químicas e microbiológicas das águas que foram coletadas antes (água in natura de um poço artesiano) e depois (água destilada). Após analisar as temperaturas médias diárias do ar.

pneumonia. basta . foram identificados valores expressivos. um valor 2 vezes maior que o recomendável pelo MS. 2011).5 Condutividade Elétrica. Neste sentido. sódios. Todavia. dentre eles pode-se citar: i) cloreto (1370. no Quadro 1 estão descritos os parâmetros que apontaram valores não recomendáveis pela Legislação Brasileira. mg/L 1370.914/11.18 1. um valor 5 vezes maior que o permitido pela Portaria 2914/11 do Ministério da Saúde (BRASIL.3 8. Resultado das análises microbiológicas das águas in natura e dessalinizadas. basta verificar que os valores de cloretos. diarreias etc. artrite. Permitido (Portaria BIOLÓGICOS Água in natura (poço Água Dessalinizada 2914/11 do MS) artesiano) Coliformes totais 2. estão dentro dos valores máximos permitidos pela Portaria 2. Valor Máximo Permitido (Portaria PARÂMETROS Água in natura (poço Água Dessalinizada 2914/11 do MS) artesiano) (valores não admissíveis encontrados) Dureza Total (CaCO3). um valor 3 vezes maior que o permitido pela Legislação Brasileira. pois a presença Escherichia Coli pode causar infecção urinária.024x10³) para coliformes totais e E. 1390 10 500 mg/L Cloreto (Cl-). Todavia.9 mg/L. 5140 23.3 mg/L). o que confirma a eficiência dos destiladores solares para a promoção de água potável. esta água não deve ser ingerida.04 1. Assim. 2011) que é de 250 mg/L. analisando as amostras de águas in natura retiradas de um poço artesiano.5 250 Sódio (Na+).2 1000 Fonte: Arquivo pessoal Quadro 2. Coli. Cabe ressaltar que: em se tratando da análise microbiológica.024x10³ 0 0 em 100 mL Fonte: Arquivo pessoal No tocante às análises físico-químicas.9 200 Amônia (NH3) 3. meningite. PARÂMETROS Valor Máximo MICRO. logo: a) Na água in natura do poço artesiano. observaram-se níveis de salinidade altíssimos. além dos iii) STD alcançarem 3141 mg/L. obtiveram-se resultados físico-químicos compatíveis com os parâmetros de potabilidade estabelecidos pelo Ministério da Saúde (Brasil.9 2..02x10³ 0 em 100 mL Escherichia Coli 2.024x10³ 0. mg/L 3141 22. Coli.1 ___ μmho/cm a 25°C STD (Sólidos Totais Dissolvidos a 180°C). Para se ter uma noção da gravidade da presença da E. tanto para coliformes totais como para Escherichia Coli. abscesso no fígado. amônia etc. ao analisar a mesma água após o processo de destilação solar. foram encontrados altos níveis de contaminação biológica (2. as mesmas analisaram 24 parâmetros. ii) o sódio obteve 541. Logo. mg/L 541.

observou-se que: com o uso do destilador solar. e gerar benefícios socioeconômicos. convivem com a escassez de água potável e consumem águas contaminadas de poços e cisternas. para a obtenção de água potável suficiente para atender as necessidades hídricas de inúmeras famílias que convivem com a escassez de água.. percebe-se que o destilador solar pode ser considerado uma Tecnologia Social à medida que tem atendido alguns pré-requisitos importantes. os quais totalizaram 20m². sabendo-se que a escassez hídrica e a ingestão de águas de má qualidade que estão armazenadas em açudes. além de não causar impacto ambiental. observou-se a ausência de E. valor menor que 1 Salário Mínimo atual no Brasil (R$ 880. É importante lembrar que um dessalinizador solar. tem contribuído para aumentar a oferta de água para o consumo humano. algicida. o que torna a água livre de bactérias causadoras de doenças.00) será compensado em 2 anos.. Em síntese.lembra que em 2009. além de combater outras formas vegetativas de bactérias (RUI et al. .4 litros/dia) de água potável. no Brasil. há um grande potencial de energia solar. 2. Isto representa centenas de mortes. especialmente a de boa qualidade. têm-se transformado num problema de saúde pública (MARINHO et al. não é permitido o uso para o consumo humano. b) No tocante a água destilada. pelas próprias famílias. verificou-se a obtenção de. o fato dos destiladores solares não causarem impactos ambientais. município de Seridó-PB.. 2003). 2010. p. p. 2011. utilizar sem comprometer os recursos naturais.11). a saber: baixo custo econômico. promovendo a transformação social. além de fácil aprendizagem. em média.Com os destiladores solares. tem-se que o valor do investimento (R$ 800. Logo. Por fim. o qual é justificado pela pequena presença de baterias heterotróficas. a Portaria 2. fungicida. com consequentes danos a saúde (AMARAL et al. 2015). Tendo em vista que as famílias rurais do Assentamento Olho D’Água. torna-se imprescindível a disseminação de outras unidades de destiladores solares para atender as necessidades hídricas de inúmeras outras famílias que convivem com a escassez de água potável. 174). observou-se a presença de alguns coliformes totais (0. Diante do exposto.02x10³). independentemente da quantidade. qualquer presença de E. tudo isto faz com que os destiladores solares se configurem como uma Tecnologia Sustentável. obteve-se água de boa qualidade para atender as necessidades hídricas de 18 pessoas distribuídas em cinco famílias. com a aplicação de cloro. viricida. pode ser de uso individual ou coletivo. pois possibilita inúmeros benefícios socioeconômicos. Tendo em vista que uma Tecnologia Social é concebida como um projeto. o qual pode e deve ser utilizado na promoção de melhorias para atender as necessidades hídricas da população local. Assim. Além disso.914/11 exige que a presença de coliformes totais. 119). a qual é gratuita e de grande potencial no Semiárido Brasileiro. e que pode possibilitar benefícios socioeconômicos e ambientais. os resultados das análises físico-químicas e microbiológicas confirmaram que: a água do poço artesiano. Todavia. 37 litros/dia de água para o consumo humano. pois: os custos que envolvem a construção de um destilador solar é na ordem de R$ 800. a exemplo do espaço de pesquisa investigado. Logo. haja vista que esta se configura em tecnologias que satisfazem as necessidades sociais e ambientais de forma que não compromete os recursos naturais existentes para as gerações futuras (MENEZES et al. não causa impactos ambientais. É importante lembrar que além de deter características comuns às de uma Tecnologia Social. tornou-se potável após o processo de destilação utilizando os destiladores solares. o que foi suficiente para atender as necessidades de água potável de 18 pessoas de 5 famílias. está no fato desta tecnologia obter água de boa qualidade através do uso da energia solar. Assim. a carência extrema de água de boa qualidade força as populações a consumirem águas com elevados níveis de contaminação biológica e química (sais). p. 3. possibilita o uso individual ou coletivo.00 reais.Observou-se que os destiladores solares são uma tecnologia simples. que não apenas resolve pontualmente um problema da sociedade. as águas após a destilação solar são tratadas. pôde-se concluir que: 1. isso em virtude da produção média (38. totalizando um consumo médio de 2 litros/por pessoa/dia.00 reais.Em regiões semiáridas. deve passar por um tratamento. o qual tem ação germicida. pois: é de baixo custo de implantação e manutenção. ele é economicamente viável para pequenos agricultores. e é uma tecnologia limpa e sustentável. coli (0 em 100mL). contribui para melhorar as condições de segurança hídrica. com altos níveis de contaminação química e bacteriológica. em média. além de contribuir para a transformação social frente à gestão dos recursos hídricos disponíveis localmente. Os destiladores solares são uma tecnologia imprescindível. e o concentrado/rejeito (sais) é fornecido aos animais como ração mineral. torna-se imprescindível o uso de tecnologias. um dos maiores benefícios atribuídos ao uso de destiladores solares. Todavia. a saber: é uma tecnologia de baixo custo de implantação e manutenção. R$ 5. 3. Sabendo-se que o valor médio de um garrafão de água potável de 20 litros é. Coli. protozoocida. como ocorreu nas amostras das águas in natura do poço artesiano. torna-se imprescindível fornecer água de boa qualidade para as famílias rurais que convivem com a escassez de água potável. mas que possibilita levar cada indivíduo beneficiado a sua própria emancipação. os destiladores solares podem ser considerados uma Tecnologia Sustentável. é de fácil construção e disseminação social.00).3 Benefícios socioeconômicos e ambientais Atualmente. poços e cisternas. a exemplo dos destiladores solares. Assim. não detém custos com energia elétrica. 2012. as doenças diarreicas agudas ocasionaram 3. 2001).. as quais não causam doenças e estão sempre presentes em qualquer tipo de água. não causa impactos ambientais. facilita o acesso à água devido à proximidade dos destiladores junto às residências. 4 CONCLUSÕES Diante dos resultados das pesquisas.1% das mortes de crianças menores de cinco anos (MOURA et al. não detém custos com energia elétrica e é considerada uma tecnologia limpa e sustentável (BOUKAR & HARMIN.

Dados de temperatura. Adrar. S.. utiliza energia limpa. O. especialmente no tocante a análise de variáveis. Effect of climate conditions on the performance of a simple basin solar still: a comparative study. PAREDES. L. 109f. são características climáticas que projeta derivadas radicais para o mundo das águas. R. A. M. ou quais melhorias precisam ser realizadas para que se possa aumentar a produção de água potável e com isso atender as necessidades hídricas das famílias que convivem com a escassez hídrica. 2004. Revista Saúde Pública. S. N. M. o governo que fortalecer a pesquisa científica e tecnológica estará fadado a ser sempre lembrado (MATTOSO.br>. 68-82. FERREIRA.br/. Qualidade da água subterrânea para irrigação na bacia hidrográfica do Rio Piauí. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. p. 2009.gov. 2003..20. p. a pesquisa tecnológica desempenhará um grande papel no fortalecimento da economia regional e. antes de mais nada.. Algérie. Universidade Estadual de Campinas.. Em síntese. Vol. R.br/portal/. de Eng. R. 2013. n. 15-22.... Campina Grande. p. M. A. Portaria N° 2. Specific ion effects on the interfacial tension of water/hydrocarbon systems. S. em Sergipe. 01. B.. INMET. A. É importante lembrar que este estudo objetiva. Agrícola e Ambiental.. CRUZ. A. A.) influenciam no processo de destilação solar. F. Ressalva-se.asp. temperatura etc. vol. Disponível em: http://www.S.March. pp. Acesso em: 06 de out. LOPES. v. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. FILHO. 2004.L. para o mundo orgânico das caatingas e para o mundo socioeconômico dos viventes dos sertões e regiões semiáridas (AB’SÁBER. AMARAL. L. como dos demais recursos naturais. Dimensionamento e análise térmica de um dessalinizador solar híbrido. p. Dessalinizador Solar associado a coletor de águas de chuvas para fornecer água potável. Disponível em: htt: http://www. M.Goiânia. F. v. L. 55 . 2015. Acessado em: 16 de marco de 2016. S. Dessa forma. Acesso em: 09 de junho de 2016. J. AMORIM. 2010. T. AGUIAR. UCHOA. tais como: 1) Até que ponto as condições climáticas locais (cobertura de nuvens. é de simples construção e de baixo custo. LIMA. n° 4. A.804–811. 5 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AB’SÁBER. e ambientalmente correta.. socialmente disseminável. de 22 de Setembro de 2005.notadez.R. T. n. cumpri a legislação vigente através da redução de desperdícios dos insumos.saude.gov. de 2015.137.. BRASIL. por isso. BOUKAR. Disponível em http://bvsms. Água de consumo humano como fator de risco à saúde em propriedades rurais. Revista Bras. Revista Enciclopédia Biosfera. 2003. a temperatura elevada.. 2004. Cabe lembrar que há necessidade de novos estudos sobre o uso de destiladores solares. L. v. sabendo-se que a insuficiência e irregularidade na distribuição de chuvas. ANVISA.A.120). January . p. L. E. R. LEITE. 2015. os destiladores solares são uma tecnologia social e sustentável à medida que se configuram como economicamente viável. Agência Nacional de Vigilância Sanitária.gov.11. Acesso em: 13 de maio de 2016. J. Instituto Nacional de Meteorologia. A. 64).914/2011. IBGE. BAPTISTA. ainda. A. 2001. RESENDE. observou-se que os destiladores solares podem ser considerados mais um meio para um fim: promover a gestão das águas disponíveis para suprir as necessidades hídricas das famílias que convivem com a escassez de água potável. J.8. 2015. p. R. torna-se imprescindível conceber tecnologias sociais que fomentem a segurança hídrica de inúmeras famílias que convivem com a escassez de água em regiões semiáridas. & HARMIM. . T. 37. L. radiação solar. Finalmente. Resolução nº 274. Dissertação (Mestrado em Engenharia Mecânica). NASCIMENTO. 2013. BARROS. D. 2010.br/content/normas. Desalination. 85). Censo Demográfico 2010. 2001. e 3) Qual o melhor modelo de destilador solar. MARINHO. Centro Científico Conhecer .inmet. e a forte taxa de evaporação. que os dessalinizadores solares podem ser considerados uma Tecnologia Social. 2) Quais os potenciais máximo e mínimo de produção de água potável alcançados com a concentração salina no interior do destilador solar. e possibilita uma gestão dos recursos naturais de forma eficiente (MENEZES et al. pois: tanto no caso dos recursos hídricos. S. JUNIOR. Ministério da Saúde.. MELO. Disponível em: <http://www.ibge. São Paulo: Ateliê Editorial. contribuir para que novas pesquisas possam ser realizadas. 2003. São Paulo. Brazilian Journal of Chemical Engineering.62. L. No. pois eles cumprem alguns pré-requisitos: reduz os impactos ambientais. assim como também uma Tecnologia Sustentável..com.14. F. 2003. agosto de 2003. 30.

Fortaleza. PIAUILINO. D. M. B. 2006. TAVARES.. Risco Ambiental e Sociedade. J. 204-217.A.. A.. YOSHIDA.. R. Revista Enciclopédia Biosfera. A. Entre o Combate à Seca e a Convivência com o Semiárido: políticas públicas e transição paradigmática . VIANELLO. Viçosa: UFV. C. 3. 048-055.A. L. MACHADO. S. RUI. nº 3. M. T. ZUFFO. V. 2012. S. 2012. p. Ensinando a distribuição de probabilidade normal utilizando os recursos do Microsoft Excel. DIAS.. MENEZES. C. vol.F.1.. V. R.. n. 2007. Vol. 2012. M. 6.. p. SILVEIRA.W. & ALVES. M. VARGAS. ed. 114-139. Bras.MARINHO. Jaboticabal.. A. M. 2012. F. v. CORREIA.15. T. 2012.. GERMANO.8. V. Ruben Rolando Schindler MAGGI.. ROCHA. S.C. n. JUCÁ..A. 2010. J.M. L. Recife. Revista académica de economia: En Observatorio de la Economía Latinoamericana. v.T. Revista Intertox de Toxicologia. 2012. On-Line. 2011. Centro Científico Conhecer. J. R. ARAÚJO JUNIOR. W. K. Frequência de Escherichia coli e sua sensibilidade aos antimicrobianos em menores de cinco anos hospitalizados por diarreia aguda.A. A inovação tecnológica sustentável e a geração de valor sustentável na indústria química. 2004. B. 58 a 72. Revista Brasileira de Agroecologia. F. jul-set. jul. ANDRADE. F. LOPES. L.. 2012. C. L.E. Revista Ambi-Água. aplicações da energia solar para dessalinização. 2011. MARCOVICZ. SATAKE. Jaboticabal-SP. . SCHIMIGUEL. L. SOUTO. L. COSSA. B. ASSUNÇÃO.. J. 1. 2007. CALÁBRIA. SCHOSSLER. A. G. 12 (2): 173-182 abr. H. p. G.F. SP.M. 2006. WINCK. Meteorologia Básica e Aplicações. Versão digital 2. M. nº2. Número 1. Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária. N. Rev. Tratamento do lixiviado de aterro sanitário usando destilador solar. SILVA. A. R.. 2012. Ano IX.. p. S.R. S.. F./2010. MACHADO. L. Taubaté. N° 16. Mário Adelmo..R. Qualidade da água em propriedades rurais situadas na Bacia Hidrográfica do Córrego Rico. Saúde Materno Infantil. F. MELLO. Recife. D. 2004. U. A.. 1. C.. 2012.M. SANTOS. 7. D. Meteorologia e Climatologia.-set. E.C. E. A. B. 2012. P. Revista Econômica do Nordeste. M. 1563- 1578. CRUZ. A. Março. jun. 2014.28. 2012. R. Revista Ciências do Ambiente. L. Salinidade: efeitos na fisiologia e na nutrição mineral de plantas..2. Número 193.. R.. v. n.. E. SÁ. Destilador solar de baixo custo. 2012. ANGRIMANI. Goiânia. Revista ARS Veterinária. MOURA. R. 2014. Principais métodos de desinfecção e desinfectantes utilizados na avicultura: revisão de literatura. Destilador solar destinado a fornecer água potável para as famílias de agricultores de base familiar. 38. A.I.. G. Revista eletrônica de Gestão de Negócios.. 2009. n.... LOPES. CRUZ. PEREIRA. A. AMARAL. v. 8.. MOTTA SOBRINHO. v. L. J. M. R. MATTOSO.. 7(3): 53-60.G. VAREJÃO-SILVA. / jun. C. Q.