Mitologia

mundo, fenômenos naturais e qualquer outra coisa a que
explicações simples não são atribuíveis. Mas nem todos
os mitos têm esse propósito explicativo. Em comum, a
maioria dos mitos envolvem uma força sobrenatural ou
uma divindade, mas alguns são apenas lendas passadas
oralmente de geração em geração.
Figuras mitológicas são proeminentes na maioria das
religiões e a maior parte das mitologias estão atadas a
pelo menos uma religião. Alguns usam a palavra mito
e mitologia para desacreditar as histórias de uma ou mais
religiões.
O termo é frequentemente associado às descrições de re-
ligiões fundadas por sociedade antigas como mitologia
romana, mitologia grega, mitologia egípcia e a mitologia
nórdica, que foram quase extintas, destacando a mitologia
cristã que ainda hoje tem muitos devotos pelo mundo. No
entanto, é importante ter em mente que enquanto alguns
vêem os panteões nórdicos e céltico como meras fábulas
outros os têm como religião (ver Neo paganismo).
Alguns religiosos tomam como ofensa a caracterização
de sua fé como um conjunto de mitos, pois isso impli-
caria em afirmar tacitamente que sua religião não passa
de folclore. De qualquer forma, parece haver um con-
senso que cada religião possui um grupo de mitos que
desenvolveram-se em conjunto com suas escrituras. Esse
tipo de postura é particularmente recorrente em países
cuja maior parte da população adere à uma religião espe-
cífica, como é o caso do Brasil ou México.

Prometeu (1868) por Gustave Moreau.
1 Natureza dos mitos
O termo mitologia pode referir-se tanto ao estudo de mi-
tos ou a um conjunto de mitos[1] Por exemplo, mitologia Ver artigo principal: Mitologia comparada
comparada é o estudo das conexões entre os mitos de
diferentes culturas,[2] ao passo que mitologia grega é o
conjunto de mitos originários da Grécia Antiga. O termo
“mito” é frequentemente utilizado coloquialmente para 1.1 Características típicas
se referir a uma história falsa,[3][4] mas o uso acadê-
mico do termo não denota geralmente um julgamento Os personagens principais nos mitos são geralmente deu-
quanto à verdade ou falsidade.[4][5] No estudo de folclore, ses ou heróis sobrenaturais.[11][12][13] Como histórias sa-
um mito é uma narrativa sagrada que explica como o gradas, os mitos, e também podem ser considerados as
mundo e a humanidade vieram a ser da forma que é fábulas, são muitas vezes endossados pelos governan-
atualmente.[5][6][7] Muitos estudiosos em outros campos tes e sacerdotes e intimamente ligados à religião.[11] Na
usam o termo “mito” de forma um pouco diferente.[7][8][9] sociedade em que é divulgado, um mito é geralmente
Em um sentido muito amplo, a palavra pode se referir a considerado como um relato verdadeiro de um passado
qualquer história tradicional.[10] remoto.[11][12][14][15] Na verdade, muitas sociedades têm
Os mitos são, geralmente, histórias baseadas em tradi- duas categorias de narrativas tradicionais: “histórias ver-
ções e lendas feitas para explicar o universo, a criação do dadeiras” ou mitos, e as “histórias falsas” ou fábulas.[16]

1

Ficção.R. Introduction. rasu (deusa do sol) e Tsukuyomi (o deus da lua). O jogo Age of Mythology poral. também não é uma mitologia. 8. [1] Kirk.mangá. Es. Myth and Reality. O mesmo pode ser dito da Bruxa de Blair e muitas tigas. revelam verdades fundamentais e pensa. O termo é constantemente utilizado nesse sen. atendem às mesmas ne- cessidades psicológicas. instituições e tabus ressalta muitos pontos da cultura espalhadas pelo mundo. no original). God of War.[11] e explicam como o mundo atingiu sua forma trelas) de George Lucas. não atinge o nível de mitologia enquanto cionários incluam essa definição. p.e muito embora quase todos os di. culturas que ja se extinguiram. Jogos de RPG como Final Fantasy. 32 têm aspectos mitológicos marcantes que algumas vezes desenvolvem-se em sistemas filosóficos profundos e in. cujos ritos estão quase extintos. Também é necessário frisar que as tros mitológicos como o Orfeu e o Cérbero estão pre- histórias discutidas expressam pontos de vista e crenças sentes no nosso cotidiano. para se referir a histórias. mitologia Cristã ou mesmo mitologia Islâmica. porém. Susano'o (deus do mar). enquanto podem ou não onde guerreiros representam constelações e têm como serem factuais. tiga. Ragnarok. em algumas partes aborda.R. a palavra “mito” nem as pessoas não acreditam que aquilo realmente aconteceu.2 5 REFERÊNCIAS Mitos geralmente estão ambientados em uma época an. E também o anime e mangá de um país. 3 Mitologia moderna 4 Ver também Muitos fatos e personagens de jogos são inspirados em • Lista de mitologias mitologias. inspiradas neiras. p. The Le- gend of Zelda. mas contêm [4] Eliade. Encyclopædia Britannica Séries de televisão e de livros como Star Trek. através do freqüente (deusa grega da sabedoria). Age of Empires (I.Barker. “myth”. WAR: Batalhas Mitológicas. que. p. ajustando-se assim ao pensamento de qualquer so. ou as sé- rie literárias Harry Potter e Percy Jackson por exemplo. Uma pessoa pode falar de mitologia da mitologia japonesa. 7 trincados. eles vêem seus textos lendas urbanas. que no onde cada uma descreve os elementos míticos nessas re. 1 temas míticos que. A história não é uma mi- Para o propósito desse artigo a palavra mitologia é usada tologia. trata de temas qual lhes deu à luz.ais. um período no tempo. Alguns críticos acreditam que o fato de os 2 Religião e mitologia principais personagens dos ciclos das histórias modernas não estarem no domínio público previne esses ciclos de emprestarem vários aspectos essenciais das mitologias.(Saint Seiya. foram baseadas em fatos re- tido de descrever religiões criadas pelas sociedades an. é considerada a sas pessoas se opõem ao uso da palavra “mito” para des. não consideram as histórias sobre a origem e aconteci. Essas séries não são mitologia. Um ótimo exemplo são as obras [5] Dundes. ela conta a história das mitologias tradicionais. mitologia científica e muitas outras ma- sagrados como possuindo verdades religiosas. [11][17] As leis de direitos autorais.objetivo enfrentar os deuses que se opuserem a Atena mentos sobre a natureza humana. Lineage II. mas não repassadas em linguagens huma- nas. que atual[5][6][7][17] e como os costumes. (com exceção de O Senhor dos Anéis). como contadores de mitos. por exemplo. Age Of Mithology. Os mitos são também encontrados ja que se utilizam de muitos recursos. [2] Littleton. nem uma história ver. ciedade.A mitologia sobrevive no mundo moderno através de dos. O Silmarillion e O Senhor dos Anéis de J. [3] Armstrong. Rise of the Ar- gonauts. Outros separam suas crenças de histórias similares O anime e a série de mangás. divinamente. The Elder Scrolls. como as de algumas “in ilo tempore"ou seja. nórdica e diversas outras.Por exemplo. no entanto. também trata do assunto. limitam os auto- res independentes de estender em um ciclo das histórias modernas. Tolkien. Vários personagens e mons- uso de arquétipos. quando o mundo ainda não tinha atingido sua forma bem como a série de filmes Star Wars (Guerra nas Es- atual. Outra série é Supernatural. 5 Referências recebem muitas criaturas provenientes de mitologias. sempre implica uma história falsa. como "Candyman". como a mitologia grega. A história ligiões sem se referir à veracidade sobre a sua história. Os Cavaleiros do Zodíaco de outras culturas e se referem a estas como história. cultura e/ou religião a Naruto. II e III). p. 1 . isto é. Muitas pessoas outras histórias. são tipos de Hijutsus do clã Uchiha. p. foram estabelecidos. alguns acreditam que as histórias de Clive dadeira. Os termos mito e mitologia são comumente empregados O Fan fiction atenua esse problema. para alguns.que mais se baseia nas histórias das mitologias antigas crever suas crenças. para ilustrar histórias de uma ou mais religiões como algo falso ou duvidoso . Amate- Judaica. num tempo indefinido e intem.

• Dundes. Alan. Myth and Reality. 1967. “The Forms of Folklore: Prose Narratives”. “A Short History of Myth”. Simpson. [15] Pettazzoni. 53- 61. 2004. 1-9. Sa- cred Narrative: Readings in the Theory of Myth. p. assim mitologia é sobre deu- ses”. Myth and Method. Alan. 'Sacred Narrative: Readings in the Theory of Myth. Ox- ford University Press. Raffaele. • Eliade.S. 102 Alan Dundes. 3 sity Press. 2009. p. 5-29. 1984. Alan. William. Western Folklore 56 (Winter. p. Alan Dundes. 147 de 2009 [8] Doty. Laurie Patton and Wendy Doniger. • Dundes. • Amstrong. Westport: Gre- enwood. Karen. Hindu Myths: A Sourcebook. 1973. Ed. Myth. Wendy. 1976. Ed. 9 de março de 2009 Oxfordreference. Trans. Ed. . William. Berkeley: University of California Press. 98-109. Myth: A Very Short Introduction. Myth: A Handbook. A Dictionary of English Folklore. 1984. Berkeley: University of California Press. 23 • Pettazzoni. Oxford Univer- [10] Kirk. Berkeley: Cambridge Uni- versity Press. Berkeley: University of California Press. Pettazzoni. Gods and Heroes of the Greeks.com [12] “myths”. • Kirk. p. London: Penguin. Apollodorus. New York: Harper & Row. [13] O'Flaherty. 1984. “Madness in Method Plus a Plea for Projective Inversion in Myth”. [17] Eliade. p. Dreams and Mysteries. p. Trad. Encyclopædia Britannica Online. 74. Alan Dundes. “Defining”. 3 [6] Dundes. Ed. 5 queline Simpson and Steve Roud.” Encyclopædia Britannica. 1975. 2000.S. 99-101 Press. UC . 2006. G. p. 11-12 • “myths”. Robert. Sacred Narrative: Readings in the Theory of Myth. Alan Dundes. “Binary Opposition in Myth: The Propp/Levi-Strauss Debate in Retrospect”. Mircea. Myths. p. p. mentar como uma questão de princípio que. G. 1- 3. “Binary”. 1997): 39-50. p. Sacred Narrative: Re- adings in the Theory of Myth. p. A Dictionary of English Folklore • O'Flaherty. 20 [11] Bascom. “Madness”. 45 • “myth. 6 • Simpson. p. Oxford: Oxford UP.Berkeley Library. 21 de março [7] Dundes. Myths. • Bascom. 1984. 10-11. 2004. Ed.19: “Acho que é possível eficazmente argu. Knopf Canada. [14] Eliade. 57. • Dunes. • Doty. “The Truth of Myth”. Berkeley: University of California [16] Eliade. “On Defining Myths”. 'biografia é sobre sujeitos’. Jac- [9] Segal. Introduction. Michael. • Kirk. Myth and Reality. Introduction. Oxford Reference Online. p. Charlottes- ville: University of Virginia Press. Michael Simpson. 1996. Kirk. p. Myth: Its Meaning and Functions in Anci- ent and Other Cultures. assim como • Segal. Amherst: University of Massachusetts 6 Bibliografia Press. Philip Mairet. Dreams and Mysteries.

jpg Licença: Public domain Contribuidores: Shii. Campani. Bozonildo. JAnD- bot. Whooligan. EmausBot. France • Made with the GIMP in Paris. DVD-ROM. ISBN 3936122202. CONTRIBUIDORES E LICENÇAS 7 Fontes dos textos e imagens. Haggen Kennedy. Ictiossauro. Aleph Bot. Belanidia. RadiX. Rodrigo Santos. Jackgba. Braswiki. Benevidesth1. Orlando K. LuanSP. Leon saudanha. France. ArthurBot. GOE. Muriel Philio. Bruno Meireles. Marcelo Victor.3 Licença • Creative Commons Attribution-Share Alike 3. Tumnus.png Li- cença: LGPL Contribuidores: http://icon-king. HVL. Agil. Jbribeiro1.0 Contribuidores: Obra do próprio • Dessiné à la tablette numérique en juin 2008 avec le logiciel the GIMP à Paris. Viniciusmc. Arielcharan02.2 Imagens • Ficheiro:Douris_cup_Jason_Vatican_16545. BOTarate. Celiahelena.5 Contribuido- res: Image:Emblem-important. Jack Bauer00. Epinheiro. João Carvalho. OS2Warp. Hyju.svg Artista original: RaminusFalcon • Ficheiro:Nuvola_apps_bookcase. Master. Carlos28. Eli. Gabrielt4e. Gerakibot. MerlIwBot. Jadolfo. VolkovBot. Jerbbson. Rei-bot. LeonardoRob0t. Killian. GuiRC. Bya97. Augusto Reynaldo Caetano Shereiber. Önni. PatríciaR. Acscosta. Sutcnsa e Anónimo: 235 7.jpg Fonte: https://upload. Get It. YonaBot.org/wikipedia/commons/3/33/Nuvola_apps_bookcase. Pietro Roveri. Chronus. WikitanvirBot. Xqbot. Julia Cida. Idioma-bot. TXiKiBoT. 333~ptwiki. MalafayaBot.jpg Fonte: https://upload.org/wiki/Mitologia?oldid=47044310 Contribuidores: Sistema428. Cdang.png Fonte: https://upload. KamikazeBot. GhalyBot. LeonardoWilliam. EVinente. Lena chaves. Distributed by DIRECTMEDIA Publishing GmbH. MiMKe50135. Parakalo. Stuckkey. CocuBot. Higor Douglas.org/wikipedia/commons/3/33/Douris_cup_Jason_ Vatican_16545. Legobot. Barão de Itararé. GRS73.F. Amats. Bisbis.jpg Fonte: https://upload. Vini 175. Artista original: Gustave Moreau • Ficheiro:Magnifying_glass_01. Georgez. Dexbot. Floryann. Zoldyick. Chlewbot. 2002.wikimedia. Vinctus. Porantim. Matheus-sma. ChristianH. Adailton. Salebot. Rodrigo72lopes.org/wikipedia/commons/b/b5/NoFonti. Gean. AlvoMaia. E2mb0t. Jorge~ptwiki. FlaBot. Luckas Blade. Alchimista.org/wikipedia/commons/3/35/Roaring_Pegasus. Der kenner. Nuno Tavares. Mário Henrique.silvagoncalves. Dantadd. Jones. BetBot~ptwiki. MarceloB. contribuidores e licenças 7.0 . Alaiyo.wikimedia. Rubinbot. Si- mone. Marcos Elias de Oliveira Júnior. An- dré Koehne. Plataformista. RibotBOT.com Artista original: David Vignoni / ICON KING • Ficheiro:Roaring_Pegasus. HRoestBot. NTBot. SieBot. Nakinn.000 Meisterwerke der Malerei. Rui Silva.wikipedia. Artista original: Tsaag Valren 7. RafaAze- vedo. Thijs!bot. Athena in Wonderland. DragonBot.wikimedia. O revolucionário aliado. Marcos dias de oliveira.org/wikipedia/commons/3/3a/Magnifying_glass_01. Rafaeleluis. Gil mnogueira. Vitor Mazuco.jpg Licença: Public domain Contribuidores: The Yorck Project: 10.jpg Licença: CC BY- SA 3. TobeBot. Faustino. DARIO SEVERI. Lijealso. Perseu rs. Zoranildo santos.wikimedia. RobotQuistnix.svg Licença: CC0 Contribuidores: ? Artista original: ? • Ficheiro:NoFonti. JMGM. Vanthorn. RamissesBot. Synthebot.svg Licença: CC BY-SA 2. Carlos Miketio. SpBot. Érico. Diotti.svg Fonte: https://upload. Numbo3-bot. ZéroBot.org/wikipedia/commons/6/6e/Gustave_Moreau_006. FSogumo.1 Texto • Mitologia Fonte: https://pt. Colaborador Z. Nallimbot.svg Fonte: https://upload. Livre info.D. Ligia. 7thPanzer. JLCA.4 7 FONTES DOS TEXTOS E IMAGENS. Mschlindwein.wikimedia. 2006-03-20 Artista original: Douris • Ficheiro:Gustave_Moreau_006. Teles. Heiligenfeld.wikimedia.