You are on page 1of 378

Universidade Estadual de Campinas

Faculdade de Engenharia Mecânica
Departamento de Projeto Mecânico

EM406 D - Resistência dos Materiais I

Seg: 19:10/20:50 - Sex: 21:00/22:50

Professores:

Msc.Rosley Anholon - DEF
rosley@fem.unicamp.br
Dr. Auteliano dos Santos - DPM
aute@fem.unicamp.br

Autor: Dr. Marco Lúcio Bittencourt - DPM
mlb@fem.unicamp.br

´
PREFACIO

Esta ´e a segunda vers˜ ao do texto que foi preparado para o ensino das disciplinas de Resistˆencia dos
Materiais I e II da Faculdade de Engenharia Mecˆ anica da UNICAMP. O texto tamb´em tem sido usado
em cursos de p´ os-gradua¸ca˜o.
A principal proposta ´e abordar problemas de mecˆ anica dos s´ olidos utilizando conceitos de mecˆ anica
do cont´ınuo e formula¸ca ˜o variacional. A forma tradicional de ensinar Resistˆencia dos Materiais est´ a
baseada em modelos unidimensionais de barra e viga. Apesar do relativo sucesso desta abordagem para o
tratamento destes tipos espec´ıficos de problemas, a mesma n˜ ao ´e suficiente para o tratamento de problemas
muito comuns de engenharia tais como estado plano, estruturas axissim´etricas, placas e s´ olidos.
Um outro ponto est´ a relacionado ao fato que os estudantes de engenharia atendem cursos de Mecˆ anica
dos S´olidos e dos Fluidos como se fossem assuntos completamente dissociados. Este n˜ ao ´e o caso e o
elemento de liga¸ca˜o entres estas disciplinas est´ a dado pela formula¸ca ˜o usada no presente texto.
Esta vers˜ao pretende endere¸car uma nova proposta de ensino problemas de mecˆ anica utilizando uma
abordagem baseada em mecˆ anica do cont´ınuo e formula¸ca ˜o variacional. Para isso, s˜ ao necess´arios v´arios
conceitos de an´ alise tensorial (i.e., vetores, tensores, diferencia¸c˜ ao, autovalores, etc). Deve-se observar
que a maioria destes conceitos s˜ ao tratados nos cursos de c´ alculo e a ´lgebra linear presentes nos curr´ıculos
de gradua¸ca˜o em engenharia. Com estes conceitos b´ asicos, pode-se apresentar defini¸c˜ oes gerais de de-
forma¸ca˜o e tens˜ao v´
alidos para qualquer meio cont´ınuo (i.e, s´ olidos, fluidos, gases). As equa¸co ˜es consti-
tutivas relacionam tens˜ ao e deforma¸ca ˜o para v´arios tipos de materiais. Apenas neste ponto, definem-se
as hip´oteses para o comportamento de materiais tais como o s´ olido el´astico linear e o fluido newtoniano.
Utilizando conceitos como potˆencia e o Princ´ıpio das Potˆencias Virtuais (PPV), a formula¸ca ˜o variacio-
nal pode ser empregada para deduzir as equa¸c˜ oes diferenciais de equil´ıbrio de problemas tais como barras,
vigas, estado plano e s´ olidos.
A formula¸ca ˜o variacional ´e a maneira mais formal e natural para tratar problemas de mecˆ anica.
Al´em disso, esta formula¸ca ˜o induz naturalmente os m´etodos variacionais de solu¸c˜ ao tais como o M´etodo
de Elementos Finitos. Observa-se que a formula¸ca ˜o variacional n˜ ao parte do conceito de for¸ca como a
Mecˆ anica Newtoniana.
A organiza¸ca˜o do texto procurou seguir a ementa do curso de Resistˆencia dos Materiais I. O Cap´ıtulo
1 apresenta uma breve introdu¸ca ˜o sobre a formula¸ca ˜o de problemas de mecˆ anica. O Cap´ıtulo 2 trata do
problema de equil´ıbrio de part´ıculas e corpos r´ıgidos utilizando as abordagens newtoniana e variacional. O
Cap´ıtulo 3 apresenta de forma bem geral os principais aspectos da formula¸c˜ ao variacional e est´ a baseado
no texto R.A. Feij´oo, N.Z. Pereira, E. Taroco, Principios Variacionales en Mecanica. Os Cap´ıtulos 4 a
6 apresentam, respectivamente, as formula¸co ˜es dos problemas de barra em tra¸ca ˜o/compress˜ ao, tor¸c ao
em se¸co˜es circulares e gen´ericas e flex˜ ao pura e com cisalhamento em vigas. O Cap´ıtulo 7 apresenta o
conceito de nota¸ca˜o em fun¸ca ˜o de singularidade para representar o carregamento e foi desenvolvido em
conjunto com o Prof. Euclides Mesquita Neto (DMC/FEM/UNICAMP). O Cap´ıtulo trata da formula¸ca ˜o
geral de um s´ olido el´
astico linear sem a utiliza¸ca˜o de tensores. Posteriormente, refaz-se a formula¸ca ˜o do

olido introduzindo o conceito de tensor. Finalmente, o Cap´ıtulo 9 discute alguns problemas de mecˆ anica
como casos particulares de corpos s´ olidos.
Os Apˆendices A a F apresentam defini¸c˜ oes gerais cl´assicas de Mecˆ anica do Cont´ınuo, tais como
nota¸ca
˜o indicial, vetores, fun¸co˜es, an´
alise tensorial, deforma¸ca˜o e equa¸co ˜es constitutivas. Foram baseados
nos livros M.C. Gurtin, An Introduction to Continuum Mechanics e W.M. Lai, D. Rubin, E. Krempl,
Introduction to Continuum Mechanics. Devem ser usados como material de aux´ılio. O Apˆendice G
apresenta uma revis˜ ao de propriedades geom´etricas de figuras planas.

0-ii

O autor agradece o interesse neste material e gostaria de receber opini˜oes e sugest˜
oes dos leitores.
O autor gostaria de agradecer as seguintes pessoas pela colabora¸c˜
ao efetiva na prepera¸ca
˜o desta notas:
Cl´
audio A. C. Silva, Alberto Costa Nogueira Jr., Luciano Santos Driemeier e Wallace Gusm˜ ao Ferreira.
Em especial fica o agradecimento ao Prof. R´ aul Feij´
oo pelo incentivo e inestim´
avel colabora¸c˜
ao.

Atenciosamente,

Prof. Marco L´
ucio Bittencourt (mlb@fem.unicamp.br)
DPM/FEM/UNICAMP

Conte´
udo 0-iii

Conte´
udo

1 INTRODUC ˜
¸ AO 1
1.1 Barras em Tra¸c˜ao e Compress˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.2 Tor¸c˜ao em Eixos Circulares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
1.3 Vigas em Flex˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1.4 Problemas Bidimensionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
1.5 Placas e Cascas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
1.6 S´olidos Tridimensionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.7 Fluidos Newtonianos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
1.8 Exemplos de Aplica¸c˜oes Atuais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

2 EQUIL´ IBRIO 1
2.1 Introdu¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
2.2 Objetivos da Mecˆanica do Cont´ınuo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
2.3 Defini¸c˜ao de Corpos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
2.4 Abordagens Newtoniana e Anal´ıtica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
2.5 Conven¸c˜oes Diagram´aticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
2.5.1 Suportes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
2.5.2 Carregamentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
2.6 Equil´ıbrio de Part´ıculas e Corpos R´ıgidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2.6.1 Mecˆanica anal´ıtica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2.6.2 Princ´ıpio das potˆenciais virtuais (PPV) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
2.6.3 Mecˆanica Newtoniana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
2.7 Exerc´ıcios Resolvidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
2.8 Exerc´ıcios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29

3 FORMULAC ˜ VARIACIONAL DE
¸ AO PROBLEMAS DE MECANICA ˆ 1
3.1 Introdu¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
3.2 Potˆencia Externa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
3.3 Potˆencia Interna . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
3.4 Princ´ıpio da Potˆencia Virtual (PPV) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

4 BARRA 1
4.1 Formula¸c˜ao Variacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
4.1.1 Defini¸ca˜o da Cinem´atica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
4.1.2 Deforma¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
4.1.3 Movimentos R´ıgidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
4.1.4 Potˆencia Interna . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
4.1.5 Aplica¸c˜ao do PPV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5

Conte´
udo 0-iv

4.1.6 Caracteriza¸c˜ao dos Esfor¸cos Externos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
4.1.7 Diagramas de Ensaio de Tra¸c˜ao e Compress˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
4.1.8 Coeficiente de Poisson . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
4.1.9 Lei de Hooke para Barras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
4.1.10 Aplica¸c˜ao da Equa¸c˜ao Constitutiva ao Problema de Barra . . . . . . . . . . . . . . 19
4.1.11 Verifica¸c˜ao e Dimensionamento de Barras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
4.1.12 Barras Submetida a Varia¸c˜ao de Temperatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
4.2 Exerc´ıcios Resolvidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
4.3 Exerc´ıcios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30

5 TORC ˜
¸ AO 1
5.1 Se¸c˜oes Circulares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
5.1.1 Defini¸c˜ao da Cinem´atica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
5.1.2 Deforma¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
5.1.3 Movimentos R´ıgidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
5.1.4 Potˆencia Interna . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
5.1.5 Aplica¸c˜ao do PPV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
5.1.6 Caracteriza¸c˜ao dos Esfor¸cos Externos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
5.1.7 Ensaio de Tor¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
5.1.8 Aplica¸c˜ao da Equa¸c˜ao Constitutiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
5.1.9 Verifica¸ca˜o e Dimensionamento de Eixos Circulares . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
5.1.10 Exerc´ıcio Resolvido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
5.2 Tor¸c˜ao de Se¸c˜oes Gen´ericas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
5.2.1 Defini¸c˜ao da Cinem´atica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
5.2.2 Deforma¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
5.2.3 Movimentos R´ıgidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
5.2.4 Potˆencia Interna . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
5.2.5 Aplica¸c˜ao do PPV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
5.2.6 Caracteriza¸c˜ao dos Esfor¸cos Externos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
5.2.7 Aplica¸c˜ao da Equa¸c˜ao Constitutiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
5.2.8 Distribui¸c˜ao da Tens˜ao de Cisalhamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
5.2.9 Verifica¸ca˜o e Dimensionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

6 VIGA 1
6.1 Introdu¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
6.2 Modelo de Euler-Bernoulli . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
6.2.1 Defini¸c˜ao da Cinem´atica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
6.2.2 Deforma¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
6.2.3 Movimentos R´ıgidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
6.2.4 Potˆencia Interna . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
6.2.5 Aplica¸c˜ao do PPV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
6.2.6 Caracteriza¸c˜ao dos Esfor¸cos Externos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
6.2.7 Aplica¸c˜ao da Equa¸c˜ao Constitutiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
6.2.8 Dimensionamento e Verifica¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
6.2.9 Exerc´ıcios resolvidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
6.3 Modelo de Timoshenko . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
6.3.1 Defini¸c˜ao da Cinem´atica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
6.3.2 Deforma¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

Conte´
udo 0-v

6.3.3 Movimentos R´ıgidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
6.3.4 Potˆencia Interna . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
6.3.5 Aplica¸c˜ao do PPV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
6.3.6 Caracteriza¸ca˜o dos Esfor¸cos Externos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
6.3.7 Aplica¸ca˜o da Equa¸c˜ao Constitutiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
6.3.8 Distribui¸c˜ao da Tens˜ao de Cisalhamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
6.4 Perfis Padronizados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
6.4.1 Exerc´ıcios resolvidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59

7 FUNC ˜
¸ OES DE SINGULARIDADE 1
7.0.2 Exemplos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
7.0.3 Exerc´ıcios Resolvidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
´
8 SOLIDOS 1
8.1 Introdu¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
8.2 Defini¸ca˜o da Cinem´atica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
8.3 Deforma¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
8.4 Movimento de Corpo R´ıgido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
8.5 Trabalho Interno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
8.6 Princ´ıpio dos Trabalhos Virtuais (PTV) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
8.7 Lei de Hooke Generalizada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
8.8 Aplica¸c˜ao da Equa¸c˜ao Constitutiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
8.9 Formula¸c˜ao Empregando Tensores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
8.9.1 Corpo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
8.9.2 Vetores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
8.9.3 Cinem´atica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
8.9.4 Deforma¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
8.9.5 Movimentos de Corpo R´ıgido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
8.9.6 Trabalho Interno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
8.9.7 Aplica¸c˜ao do PTV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
8.9.8 Aplica¸c˜ao da Equa¸c˜ao Constitutiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30

9 CASOS PARTICULARES DE UM SOLIDO ´ 36
9.1 Barra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
9.1.1 Cinem´atica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
9.1.2 Deforma¸ca˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
9.1.3 Trabalho Interno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
9.1.4 PTV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
9.1.5 Aplica¸c˜ao da Equa¸c˜ao Constitutiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
9.2 Flex˜ao Pura em Vigas Prism´aticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
9.2.1 Cinem´atica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
9.2.2 Deforma¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
9.2.3 Trabalho Interno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
9.2.4 PTV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
9.2.5 Aplica¸c˜ao da Equa¸c˜ao Constitutiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
9.3 Tor¸c˜ao de Eixos Circulares Prism´aticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
9.3.1 Cinem´atica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
9.3.2 Deforma¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42

Conte´
udo 0-vi

9.3.3 Trabalho Interno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
9.3.4 PTV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
9.3.5 Aplica¸c˜ao da Equa¸c˜ao Constitutiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
9.4 Estado Plano de Tens˜oes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
9.5 Estado Plano de Deforma¸c˜oes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46

A NOTAC ˜ INDICIAL
¸ AO 1
A.1 Defini¸c˜ao de Nota¸c˜ao Indicial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
A.2 Conven¸c˜ao de Somat´ orio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
A.3 Delta de Kronecker . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
A.4 S´ımbolo de Permuta¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
A.5 Opera¸c˜oes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
A.5.1 Substitui¸ca˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
A.5.2 Multiplica¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
A.5.3 Fatora¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
A.5.4 Contra¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
A.6 Nota¸c˜oes de diferencia¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
A.7 Exerc´ıcios Resolvidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
A.8 Exerc´ıcios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

B VETORES 1
B.1 Espa¸cos Pontuais e Vetoriais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
B.2 Exerc´ıcios Resolvidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
B.3 Exerc´ıcios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10

C FUNC ˜
¸ OES 1
C.1 Defini¸c˜ao de Fun¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
C.2 Fun¸c˜oes Compostas e Fun¸c˜oes Inversas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
C.3 Limite e Continuidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
C.4 Diferencia¸c˜ao e Integra¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
C.4.1 Caso Unidimensional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
C.4.2 Caso Multidimensional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
C.5 Gradiente, Divergente e Rotacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
C.6 Teoremas de Integra¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
´
D ANALISE TENSORIAL 1
D.1 Tensores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
D.1.1 Componentes de um tensor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
D.1.2 Tensor nulo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
D.1.3 Tensor identidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
D.1.4 Soma de tensores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
D.1.5 Produto de tensores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
D.1.6 Tensor transposto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
D.1.7 Tensores sim´etrico e antissim´etrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
D.1.8 Produto tensorial de dois vetores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
D.1.9 Tra¸co . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
D.1.10 Determinante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
D.1.11 Tensor ortogonal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
D.1.12 Tensor positivo-definido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . 7 G. . . . . . . . . . . . . .3 Momento de In´ercia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Fluidos compress´ıveis e incompress´ıveis . . . . . 20 E. .2 S´olido El´astico Linear . . 10 E. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Centro de Gravidade . . . . . . .3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1.11 Exerc´ıcio Resolvido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Teorema dos Eixos Paralelos . . . .1 Introdu¸c˜ao . . . . . .1. . .3. . . . . . 7 E. . . . . . . . . . . . . .6 Fluido newtoniano incompress´ıvel . . . . . . . . 6 F. . . . . . . . .1 Momento Est´atico . . . . . 9 G Propriedades Geom´ etricas de Se¸ c˜oes Transversais 1 G. . . . . . . . . 24 F EQUAC ˜ ¸ OES CONSTITUTIVAS 1 F. . . . . . . . . . . . . . . . . . .9 Dilata¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . .6 Deforma¸c˜ao Infinitesimal . . . .1 Fluidos . . . . . 17 E. . . . . . . . . . .3 Fluido Newtoniano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .8 Deforma¸c˜oes Principais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .12 Exerc´ıcios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . 7 F. . . . . . . . . . . . . .2 Caracteriza¸c˜ao da Deforma¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . .5 Fluido newtoniano . . . . . . . . . . . . 4 E. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 F. . . . . .10 Taxa de Deforma¸c˜ao . . . . . . 18 E DEFORMAC ˜ ¸ AO 1 E. . . . . . . . . . 3 F. .15 Autovetores e autovalores . . . . 12 D. . . . . . . . 6 F. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7 Interpreta¸c˜ao das Componentes de Deforma¸c˜ao . . . . . . . 9 E. . . . . . . .3. . . . .14 Leis de transforma¸c˜ao para vetores e tensores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 F. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Conte´ udo 0-vii D. . . . . . . . . . 16 E. . . . . . . . 7 F. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. . . . 1 E. . . . . . . . . . . .4 Descri¸c˜ao Material da Deforma¸c˜ao . .3. . . . . . .13 Vetor axial . . . . . . . . . . .3. .1 S´olido El´astico Linear Isotr´opico . . . 6 E. . . . . . . . . .16 Valores e dire¸c˜oes principais de tensores sim´etricos . . . . . . . . . . . . . . . .3 Descri¸c˜oes Material e Espacial . .1 Introdu¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . 15 D.5 Descri¸c˜ao Espacial da Deforma¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 . . . . . . . . . . 16 E. . . . . . . 1 F. . . . . . . . . .4 Fluido em movimento . . . . . . . . . . 13 D. . . . . .3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 G. . . . .3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 E. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 G. . . . .2. . . . . 6 F. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Equa¸c˜ao da hidrost´atica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . .13 Movimentos de um corpo r´ıgido. . . . . . . . . . . .24 Exerc´ıcios resolvidos 2. . . . . . . . . . . . . . . . .25 Exerc´ıcio resolvido 2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3. .1 Configura¸ca˜o de referˆencia B e seu contorno ∂B.3 Estrutura treli¸cada. . . . . . . . . . . . . 10 2. . . . .21 Exerc´ıcios resolvidos 2. . . . . .17 Deslocamento virtual para o c´alculo de RBx . 9 1. . . . . . . .4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Cinem´atica do modelo de barra. 19 2. . . . . . 11 2. . . . . . . . . . . . . . . . . 10 1. . . . . . . . . . . .1 Barra de comprimento L juntamente com sistema de coordenadas. .1: deslocamento virtual na dire¸c˜ao de RAx .20 Movimentos de corpo r´ıgido num plano. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6 1. . . . . . .7 Exemplo de problema modelado como estado plano de tens˜ao. . . . . 2 1. . . . .11 Exemplos de problemas multidisciplinares. . .8 Exemplo de uma malha de elementos finitos para um s´olido el´astico tridimensional. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 e 2. . . . . . . . . 6 2. . . . .19 For¸cas sobre um ponto material. . . . . . . . . . . .4 Cinem´atica de tro¸c˜ao circular. . . . . . . . . . . . . . . . . .9 Momento concentrado numa viga. . . . . . .6 Passarela de pedestres. . . . . . . . . 14 2. . . . . . . . . . . . . . 13 2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 2.15 Potˆencia das for¸cas internas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 1. .10 Otimiza¸c˜ao de forma. 25 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .16 Alavanca articulada com for¸ca F. . . . . . . . . . 14 2. . . . . . . . 9 2. . . . . . . . .5 Esfor¸cos externos compat´ıveis com a viga de Euler-Bernouilli. . . . . . . . . . 7 2. . . . . . .Lista de Figuras 0-viii Lista de Figuras 1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 2. . . . . . . 21 2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 2. . .3 Avalia¸c˜ao da tens˜ao na correia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 1. . . . 10 2. . . . . .1: deslocamentos virtuais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 2. . . . . . 18 2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4 2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Avalia¸c˜ao do peso de um objeto. . . . . . . . . . . . . . . . . . 6 2. .6 Restri¸c˜ao unilateral.18 Deslocamento virtual para o c´alculo de rea¸c˜ao de apoio RBy . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .23 Exerc´ıcio resolvido 2. . . . . . 22 2. . . . 22 2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4 Suportes. . . . . . . .5 Restri¸c˜oes cinem´aticas e rea¸c˜oes. . . . . . . . . . . . . . . . 19 2. . . . . . . . . . . . . . . . .3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 2. . . . . . . . . 23 2. . . . . . . . . . . . .12 A¸c˜ao de movimento de um corpo r´ıgido. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .11 Rela¸c˜ao de dualidade entre a¸c˜oes de movimento e for¸cas numa part´ıcula. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 1. . . 15 2. . 7 1. . . . . . .22 Exerc´ıcio resolvido 2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .26 Exerc´ıcio resolvido 2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .14 Corpo sujeito `a a¸c˜ao de um conjunto de for¸cas. . . . . . . 2 2. .9 Problema de escoamento num duto. . 4 1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .8 For¸cas distribu´ıdas constante e linear. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7 Carregamento concentrado numa viga. . . . . . . . . .10 Part´ıcula livre de restri¸c˜ao com a¸c˜ao de movimento v. . . . . . . . . . . . . .2. . . . . . . . . . 5 2.1 e 2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . .3. . . 8 5. . . . . . . . . . . . . . . . . .5 Componentes de deforma¸c˜ao γxy . . . . . . . . . . . . . . .5 e 2. . . . 13 4. . . . . . 9 5. . . . . . . . . . . 29 3. . . . . 5 4. . . . . . . W e W  e as potˆencias externa e interna associadas. . . . . . . . . . . . .6. . .18 Deforma¸c˜ao transversal numa barra. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22 4. 4 5. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .19 Comportamento do coeficiente de Poisson no ensaio de tra¸ca˜o. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .6 Movimento r´ıgido na tor¸c˜ao circular. . . . . . . .4 Movimento de corpo r´ıgido na barra: transla¸c˜ao u ao longo do eixo x. . . . . . .2 Espa¸cos V. . . . . . .23 Exerc´ıcio resolvido 4. . . 28 2. . . . .2 (barra submetida a uma carga distribu´ıda constante p0 . . . . 26 2.12 Barra submetida a uma for¸ca axial P na extremidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 2. . . . 6 3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .13 Corpo de prova e m´aquina de teste para ensaio de tra¸c˜ao/compress˜ao. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4 An´alise da deforma¸c˜ao na tor¸c˜ao circular. . . . . 12 4. . . . 1 4. . . . . . . 10 4. . 24 4. . . .17 Comportamento do ensaio de tra¸c˜ao para diferente a¸cos. . . . . . . . . . . . . . . .6 Distribui¸c˜ao de tens˜ao na se¸c˜ao transversal da barra. . . . . . . . .5 Modelo tridimensional de viga. . . . . . . . . . . . . . 14 4. . . . . . . . . .24 Exerc´ıcio resolvido 4.Lista de Figuras 0-ix 2. . . . . . . . . . 12 5. . . .5: deslocamentos virtuais. . . . . . 5 5. . . . . . . . . . . . . .1 Cinem´atica de tor¸c˜ao circular. . . . . . . . . . . .9 Exemplo 4. . . . . . . . . . . . . . . . .8 Formula¸c˜ao variacional do problema de barra. . . . . . .3 Estiramento na barra.2. .29 Exerc´ıcio 2. . . 27 2. 11 4.2 Componentes tranversais de deslocamento na tor¸c˜ao circular.28 Exerc´ıcios resolvidos 2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14 5. . .1 Barra de comprimento L juntamente com sistema de coordenadas. . . . . . . 9 4. . .3 Modelo unidimensional de viga. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 4. . . . . . . . . . . . . . . . . 2 4. . . . . . . . . .3: esfor¸cos nas se¸c˜oes. . . . . . . . . . . . . . 4 4. . . . . . . . . . .5: deslocamento virtual na dire¸c˜ao de RAx . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 5. . .1. . . .8 Esfor¸cos internos e externos e conven¸ca˜o de sinais na tor¸ca˜o circular. . 19 4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5 Rela¸ca˜o entre os espa¸cos de a¸c˜oes de movimento V e das taxas de deforma¸c˜ao W. . . . . 4 4. .9 Formula¸c˜ao variacional do problema de tor¸c˜ao circular. . .22 Exerc´ıcio resolvido 4. . . .3 Comportamento do deslocamento tangencial na se¸c˜ao transversal do eixo. . . . . . .27 Exerc´ıcio resolvido 2. . . . . . . . . . 8 4. . . . . . . . . . . . . . . .3 (barra submetida a uma carga distribu´ıda variando linearmente). . . .20 Condi¸co˜es de contorno em termos de deslocamento numa barra. . . . .. . . .11 Exemplo 4. . . . . . .30 Exerc´ıcio resolvido 2. . . 14 4. . . . . .2 Cinem´atica do modelo de barra: se¸co˜es transversais perpendiculares ao eixo x antes e depois dadeforma¸c˜ao. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 4. . . . . . . . . . . . . . . . . .16 Diagrama de ensaio t´ıpico para material fr´agil. . . . . . . . . . . . . 3 4. . . . . . . . . . . . . . . .6 Γ A¸c˜ao de movimento virtual ”705Ev(x) na viga. . . . . . . . . . . 7 4. . . . . . . . .7 Resultante em termos de momento tor¸cor na se¸c˜ao transversal do eixo. . 26 5. . . . . .7 Esfor¸cos externos e conven¸c˜ao de sinais na barra. . . . . . . . . . . . . .21 Exerc´ıcio resolvido 4. . . . 10 5. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 3. . . . . 14 . 4 3. . . . . . . . 20 4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V  . . .3: deslocamento virtual na dire¸c˜ao de RAx . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4 Modelo bidimensional de viga.14 Diagramas de ensaio de tra¸c˜ao/compress˜ao. . . . . . . . 25 4. . . . . . . . . . . . 5 3. . . . γxz e γt num eixo circular. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .10 Exemplo 4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 3. . . . . . . . . . . . . . .31 Exerc´ıcios propostos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6 5.10 Corpo de prova submetido a ensaio de tor¸c˜ao. . . .1 Formula¸c˜ao variacional de problemas de mecˆanica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .15 Fases num diagrama de ensaio de tra¸c˜ao e compress˜ao. . . . . . . . . . . . . 15 4. . . .1 (barra submetida a uma carga distribu´ıda constante p0 ). 18 4. . .

. . . 2 6. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 6. . . . 20 5. . . . . . . . . . . .19 Vigas a) sem r´otula. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 5. . . . . . . . .7 Momento fletor na se¸c˜ao transversal da viga de Euler-Bernouilli. . . . . . . . . . . . . .16 Viga bi-engastada. . . . . . . . . . . . . . .9 Formula¸c˜ao do modelo de viga de Euler-Bernouilli. . . . . . . . 27 6. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . d) apoio na rampa. . . . . . . . .17 Efeito do ˆangulo de tor¸ca˜o. .20 Rota¸c˜oes θ1 e θ2 .6 Movimento de corpo r´ıgido na viga: rota¸ca˜o em torno do eixo z. . . . . . . . . . . . . . .20 Elemento de ´area em torno do ponto P . . . 7 6. . . . . . .10 Condi¸c˜oes de contorno na viga. . . . . . . . . . . . . . . . . 23 5. . . . . . . . . . . . . . . rota¸c˜ao e deflex˜ao. . . . . . . . . . . a = 2. . 29 6. . . . 39 5. . . . .26 Cinem´atica da viga de Timoshenko. . . . . . . . . .13 Distribui¸c˜ao da tens˜ ao de cisalhamento na se¸c˜ao de um eixo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .17 Viga constitu´ıda de dois trechos distintos . . . . . . .1 Sistema de coordenadas da viga. . . . . . . b) equil´ıbrio entre os dois trechos. . . . . . . . . . . 5 6. . . 17 6. . . . . . . . . . . . . . . .8 Esfor¸cos internos e externos na viga de Euler-Bernouilli. . . . . . . . c) detalhe da r´otula. . . . 15 5. . . . . . . . . . . . . . . . . . .19 Exemplo de movimento r´ıgido na tor¸c˜ao gen´erica (rota¸c˜ao de 90 graus e transla¸c˜ao em x). . . . . rota¸c˜ao e deflex˜ao. . . . . 31 6. . . 38 5. . 20 6. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .24 Fun¸c˜ao de empenamento em se¸c˜oes el´ıpticas (Mx = 1000. . 10 6. . . .Lista de Figuras 0-x 5. . b = 1). . . . . . . . . . . . . . . . . . . rota¸ca˜o e deflex˜ao. . . . . . . . . . . . . 37 5. . . . . . .27 Analogia da membrana com se¸c˜oes retangulares. . . . . 23 5. . . . . . . . . . . . . . . .15 Empenamento da se¸c˜ao num eixo de se¸c˜ao quadrada. . . .25 Passarela com r´otula nos pontos de m´ aximo momento: gr´ aficos da cortante. . . . . . .21 Passarela de pedestres: a) e b) vista geral. . . . . . . . . . . . . . .2 Exemplo de viga em flex˜ ao. . 14 6.21 Formula¸c˜ao variacional do problema de tor¸c˜ao de se¸c˜oes gen´ericas. . . . . . . . . . . . . 27 6. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 6. . .29 Elemento de viga distorcido no plano xy. . . . . . . . . . .14 Equa¸c˜ao diferencial: carga distribu´ıda linear. . . . .22 Modelos para a passarela: a) sem r´otula. . . 4 6. . . . . . . . .11 Diagrama de ensaio de tor¸c˜ao. . . . . . . . . . . .18 Deforma¸c˜ao angular na tor¸c˜ao em se¸c˜oes gen´ericas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .13 Equa¸c˜ao diferencial: viga submetida a carga distribu´ıda. . . .22 Se¸c˜ao transversal el´ıptica. . . G = 1. . . . . . . . . . . 35 . . . . . . . . . . . . . .12 Linha e superf´ıcie neutras na viga. . . 22 6. . . . . . . . . . . . . momento fletor. . . . . . . . . . . . . . . b) com r´otula. . . . . . . . . . . .14 Eixo com se¸c˜oes circulares cheia e vazada. . . . . . . . . . .3 Cinem´atica da viga de Euler-Bernouilli.23 Passarela sem r´otula: gr´aficos da cortante. . . . . . . . . . . . . . . . momento fletor. . 40 6. . momento fletor. . . . . .5 Deforma¸c˜ao na viga de Euler-Bernouilli. . . . . . . . . . .4 Deslocamento longitudinal u(x) variando linearmente na se¸c˜ao transversal AB da viga. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 6. . . . . . . . . . . . . . . 24 6. . . . . . . . . . . .11 Tens˜oes de tra¸c˜ao e compress˜ao na se¸c˜ao transversal da viga. . . . . . . . . . 34 5. . . . . . . . . . c) trecho BC. . . . . . . 30 6. 28 5. 34 6. . . . . . . . . . 16 6. . 25 5. . . . . . 22 6. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 5. . . .18 Viga da quest˜ao 2: a) trecho AB. . . . . . . . .23 Distribui¸c˜ao de tens˜ao em se¸c˜ao transversal el´ıptica. . . . . . . . 8 6. . 32 6. . . . . . . . . 26 6. . . .24 Passarela com r´otula: gr´aficos da cortante. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . b) com r´otula. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .15 Equa¸c˜ao diferencial: viga com r´otula. 32 5. . . . .16 Cinem´atica da tor¸c˜ao em se¸c˜oes gen´ericas. . . . . . 36 5. . .26 Eixo de se¸c˜ao retangular . . . . . . . . . . . . . . . . 2 6. . . . . . . . . . . . . . . .12 Condi¸c˜oes de contorno em termos do aˆngulo de tor¸c˜ao. . . . . . . . . . . . . . . . . . descontinuidade ∆θ. . . . . . . . . . . . . . . .27 Empenamento de se¸c˜ao na viga de Timoshenko. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12 6. . . . . . . . . . . . . . . . . . 26 5. . 33 6. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .25 Analogia da membrana. . . . . . . . . 15 6. . . . . . . . . . 30 5.28 An´alise do empenamento na extremidade da viga. . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .9 Fun¸co˜es de singularidade: viga do exerc´ıcio 2. 52 6. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . b) se¸c˜ao transversal da viga central. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 6. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7 Defini¸c˜ao de Corpo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 .6 Carregmentos atuando sobre um corpo tridimensional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 6. . . . . . . . . . . . . . . . 3 7. 59 6. . . . . . . . 20. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63 6. . . . . . . . . . 64 6. . . . . 11 7. . 60 6. . . . . . . .52 Esquema da solda. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . b) distribui¸c˜ao das tens˜oes de cisalhamento. . . . . . . . . . . . . 20. . . . . . . .37 Momento est´atico na se¸c˜ao retangular. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .8 Defini¸c˜ao de Vetores e Sistemas de Referˆencia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5. . . . . . 10 8. . . . . . . . . . . . . . .38 Tens˜ao de cisalhamento numa se¸c˜ao circular. 58 6. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55 6. . . . . . . . . . . . . . . 53 6. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .14 Fun¸c˜oes de singularidade: barra do exerc´ıcio 7. . . . . . . . . . . . . . .41 Distribui¸c˜ao de tens˜ao no perfil I. . . . . . . . . 5 8. 66 7. . . . . . . . . 6 7. . . . . . . . . . . . . . b) momento est´atico. 47 6. .42 Perfis laminados. . . . . . . 62 6. . . . . . .1 Cinem´atica de um Corpo S´olido . . . . . .46 a) ponte rolante. . . . . .48 Se¸c˜oes transversais: a) estimativa inicial. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .44 Quest˜ao 2: a) se¸c˜ao transversal. . . . . . . . . . . . . . . . . .45 a) se¸c˜ao transversal. . . . . . . . . . . . . . . . . .39 Perfil I. . . . . . . . . . . . 10.50 For¸ca cortante m´axima na viga. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .31 Formula¸c˜ao variacional da viga de Timoshenko. . . 12 7. .13 Fun¸c˜oes de singularidade: viga do exerc´ıcio 6.30 Esfor¸cos internos e externos no modelo de Timoshenko. 43 6. . . . . . .47 Aplica¸c˜ao do carregamento em v´arios pontos e respectivos esfor¸cos. . . . . . .12 Fun¸c˜oes de singularidade: viga do exerc´ıcio 5. . 40 6. . 1 7. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 8. .5 Delta de Dirac: a) δ(x). c) perfil refor¸cado. . . . . . . . . . . b) perfil completo. . . . . . 6 8. . . . . . . . . . . . . . . .10 Fun¸c˜oes de singularidade: viga do exerc´ıcio 3. . .40 Cortes no perfil I. . . 10. . . 2 8. . . . 18 7. . . . . . . . . . . .34 Viga com carregamento distribu´ıdo do Exemplo 2. . .51 a) c´alculo dos momentos est´aticos. . . 55 6. . . . . 66 6. 4 7. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .43 Efeito do peso pr´oprio devido ao peso da viga. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5 Integra¸c˜ao por partes tridimensional . . . . .36 Tens˜ao parab´olica na se¸c˜ao retangular.2 Deforma¸c˜ao de um Corpo S´olido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4 Deforma¸c˜oes no plano xy . . . . 60 6. 65 6. . . . . . . . . . 13 7. . . . . . 50 6.6 Derivadas de hn (x) para v´ arios valores de n. b) viga. . . . . . . . . 57 6. . . . . . . . . . . .15 Fun¸co˜es de singularidade: viga do exerc´ıcio 8. . . . 50 6. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14 7. . . .1 Viga submetida a for¸cas e momentos concentrados. . . .32 Comportamento constante da tens˜ao de cisalhamento na viga de Timoshenko. . .8 Fun¸c˜oes de singularidade: viga do exerc´ıcio 1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Gr´aficos de hn (x) para n = 1. . . . .33 Viga com carregemento distribu´ıdo do Exemplo 1. . . . . . . . . . . .49 Carregamento original e efeito do peso pr´oprio da viga. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .35 Distribui¸c˜ao da tens˜ao de cisalhamento na se¸c˜ao retangular. . . . . . . . . . .11 Fun¸c˜oes de singularidade: viga do exerc´ıcio 4. . . . . . . . . . . . . . . . . 3 7. .4 Fun¸c˜ao de Heaviside: a) H(x). . . .7 Gr´aficos de dx2 hn (x) para n = 1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 7. . . . . . . . . . . . 61 6. . . . . . . . . b) H(x − a) . . . . . 5. . . 5 d2 7. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32 8. . . . . . . . . . . . . . 33 8. . . . . . . . .Lista de Figuras 0-xi 6. . . . . . 2 7. . . 15 7. . . b) δ(x − xo ).2 Nota¸c˜ao simb´olica para < x − a >n . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4 8. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Elementos Diferenciais .

. . . . . . . . . . . respectivamente. . . .11 Deforma¸c˜ao de um Corpo S´olido . . . . . . . . . . .3 Sistemas cartesianos retangulares. .1 ´Indices livre e repetido. . . . . . . . . . . . . . .1 Estado Plano de Tens˜oes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Fun¸c˜ao do exemplo C. . . . . . . . .5 Conceitos de limite e continuidade. . . . . . . . . . . . b) 90o¯ em torno de e1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Estado Plano de Deforma¸co˜es . . . . . . . . .2 S´ımbolo de permuta¸c˜ao. . 3 A. . . . . . . . . . . .8 Interpreta¸c˜ao da deforma¸c˜ao de cisalhamento γxy . . .7 Interpreta¸c˜ao geom´etrica de ∇ϕ. . 5 G. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .10 Interpreta¸c˜ao da rota¸c˜ao r´ıgida de uma viga. 11 ∂X1 ∂X1 E. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6 C. . . . 3 D. . . . . . . . . . . . . .4 C´alculo do momento est´atico a partir da defini¸c˜ao do centor de gravidade. . . . . .Lista de Figuras 0-xii 8. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14 E. 5 G. . . . . 1 G. . . . . 2 C. . . . . 3 E.3 Centro de gravidade de uma ´area plana.4 Fun¸c˜ao inversa. . . . . . . . . . . . . b) < 0. . a deforma¸c˜ao ft (X) e sua inversa ft−1 (X). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4 G. . . . . . . 7 C. . . . . 7 G. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 E. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Elemento de ´area dA numa a´rea plana A. . . . . . . . . . . . . . . .1 Pontos e vetores numa regi˜ao B do espa¸co euclidiano. . . 12 C. . . . . . 1 B. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5 Descri¸c˜oes material (ut (X)) e espacial (ut (x)) da deforma¸c˜ao. . . . . . . . . 4 C. . . . . . . . . . . .3 Produtos entre vetores. . . . . . . . .1. . . . c) e d) eixo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34 8. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2. . . . . . . . . . . . . . . 14 D. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Configura¸ca˜o de referˆencia B e seu contorno ∂B. . . . . . .2 Elementos de ´area numa se¸c˜ao retangular. . . . . . . . 3 G. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .10 Deforma¸c˜ao da diagonal AB. . . . . . . 2 G. . . 35 8. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 ∂u1 ∂u1 E. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4 E. .3 Classifica¸c˜ao de fun¸c˜oes. . . . . . . . . . . . .9 Rota¸c˜oes de Corpo R´ıgido . . . . . . . .1 Espelhamento de vetores em torno de e1 atrav´es de T. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . b) viga. . . . . . . . . . . . . . .7 Interpreta¸c˜ao da componente de deforma¸c˜ao εxx : a) > 0. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 E. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .12 Rota¸c˜ao R´ıgida Local . . . .9 Deforma¸c˜ao dos elementos dX1 e dX2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5 Centro de gravidade de uma ´area plana. . . . 34 8. . . . . . . .11 Alongamentos nas dire¸co˜es principais. . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 G. . . . . . . . .7 Perfil L. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 9.4 Barra alongada de um comprimento L0 para L. . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Rela¸c˜ao do exemplo C. . . . . . . . . . . . 47 A. . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 C. . .8 Perfil U. . . . . 6 E. . . . 2 C. . . . .6 Corpo r´ıgido e os sistemas de referˆencia inercial e m´ovel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Sistema de coordenadas cartesiano associado a B. 2 E. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Deforma¸co˜es numa a) barra. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .6 Quadrado unit´ario OABC deformado para OAB’C’. . . . . . . . . .9 Teorema dos eixos paralelos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Campos vetoriais ut (X) e ut (x) caracterizando. . .6 Perfil T. . . . . . . . . 6 B. . . . . . . . . . 14 E. . 6 G. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 D. . . . . . . . . . . . 6 B. . . . . . . . . . . . . . . . . 12 E. .2 Rota¸c˜oes no sentido anti-hor´ario: a) 90o¯ em torno de e3 . . . . . . . . . . . . . 35 9. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. 9 . . . . . . . . . . . . . . . . .Lista de Figuras 0-xiii G. .10 C´alculo de momento de in´ercia. . . . . . . . . . . . . . . .

assume-se que toda solicita¸ca˜o aplicada ao corpo causa apenas deforma¸c˜ao. Ao se considerar apenas modelos unidimensionais. Desta forma. uma s´erie de express˜oes ´e deduzida para o c´alculo das deforma¸c˜oes e tens˜oes em estruturas compostas por barras e vigas. s˜ao apresentados de forma espec´ifica sem nenhuma rela¸c˜ao com o caso geral de um corpo s´olido. os problemas de engenharia tˆem apresentado um car´ater multidisciplinar. V´arios cientistas famosos ao longo dos u ´ltimos s´eculos estudaram o movimento e a deforma¸c˜ao dos corpos. Atualmente. conceitos gerais de mecˆanica. Tal fato constitui- se no ponto de partida para a aplica¸c˜ao do computador na solu¸c˜ao de problemas reais de engenharia. os textos cl´assicos de resistˆencia tratam apenas modelos unidimensionais com a hip´otese de material el´astico. O desconhecimento da formula¸c˜ao de um problema resulta na impossibilidade de se compreender. Assim. sendo capaz de lidar com v´arios tipos diferentes de problemas. este fato demonstra a necessidade de se adotar uma abordagem que enfatize estes conceitos b´asicos e fundamentais de mecˆanica. Neste u ´ltimo caso. o que torna altamente prov´avel a obten¸c˜ao de solu¸co˜es computacionais que n˜ao representem o comportamento real do problema. sendo capaz de tratar problemas de s´olidos e fluidos atrav´es de uma mesma base conceitual. Desta forma. a qual considera basicamente o estudo de problemas unidimensionais com mate- riais el´asticos. na resistˆencia dos materiais estudam-se os esfor¸cos internos e a deforma¸c˜ao em elementos estruturais como barras. de forma clara. Do ponto de vista do ensino de engenharia. determinando-se os esfor¸cos internos e os estados de deforma¸c˜ao e tens˜ao. o aluno naturalmente espera aprender o comportamento de estruturas constitu´idas por diferentes tipos de materiais. o objetivo principal ´e o estudo do comportamento de corpos submetidos a solicita¸c˜oes quaisquer. conhecer o modelo mecˆanico ´e o ponto fundamental para a aplica¸c˜ao de t´ecnicas de simula¸c˜ao computacional. Tal abordagem dever´a oferecer ao engenheiro uma vis˜ao ampla dos problemas de mecˆanica no que se refere `as formula¸c˜oes. Para isso. De forma geral. Isto pode ser justificado em parte pela pr´opria evolu¸c˜ao do conhecimento humano e pela disponibilidade de recursos computacionais eficientes para a simula¸c˜ao de problemas. Atrav´es de simplifica¸c˜oes sobre o caso geral de um corpo s´olido. desenvolveu-se a disciplina de re- sistˆencia dos materiais. tais como deforma¸c˜ao e tens˜ao. torna-se essencial ao engenheiro dominar os conceitos fundamentais de mecˆanica. Assim. 1-1 Cap´ıtulo 1 INTRODUC ˜ ¸ AO A descri¸c˜ao e a an´alise de fenˆomenos f´ısicos da natureza sempre foram de interesse da humanidade. Observa-se que ao se deparar com a denomina¸c˜ao resistˆencia dos materiais. Este enfoque mais abrangente de se estudar a formula¸c˜ao de problemas de mecˆ anica toma por base os . considera-se a resistˆencia dos materiais como uma descri¸ca˜o t´ecnica unidimensional de conceitos gerais de mecˆanica. tem-se apenas um tipo espec´ifico de material ao inv´es de v´arios modelos constitutivos de materiais. vigas e eixos. as hip´oteses fundamentais e as limita¸c˜oes do modelo mecˆanico considerado. Neste contexto. No entan- to. n˜ao ocorrendo nenhuma a¸c˜ao de movimento (deve ser observado que o estado de repouso de um corpo ´e um caso particular de uma a¸ca˜o de movimento geral).

suas hip´oteses e algumas de suas aplica¸c˜oes. No entanto. Nesse sentido. n˜ao ser´a capaz de identificar em que pontos as hip´oteses que resultaram nas teorias simplificadas dos cursos tradicionais de engenharia devem ser alteradas para tratar os problemas reais. outros tipos de modelos mecˆanicos ser˜ao introduzidos tais como placas. analisando-se o seu comportamento ao longo da dire¸c˜ao paralela `a dimens˜ao longitudinal. E ´ exatamente por este motivo que os cursos de engenharia em geral possuem nos seus curr´iculos disciplinas de c´alculo diferencial.1. Os modelos aqui considerados ser˜ao tratados em detalhes posteriormente ao longo deste texto. A ferramenta b´asica para a formula¸c˜ao dos problemas ´e o c´alculo diferencial complementado com outros conceitos matem´aticos tal como tensores. este texto procura se reestruturar o ensino de mecˆanica partindo-se essencialmente de suas bases conceituais. Os esfor¸cos internos e externos compat´ıveis com a cinem´atica adotada s˜ao for¸cas axiais. s´ olidos. Em geral.1: Barra de comprimento L juntamente com sistema de coordenadas. considera-se uma barra como um elemento unidi- mensional. Isto cria uma lacuna na forma¸c˜ao do engenheiro pois o mesmo. tais como resistˆencia dos materiais e mecˆanica dos fluidos.2. Assim como na teoria cl´ assica de resistˆencia dos materiais. cascas. Barras em Tra¸ c˜ ao e Compress˜ ao 1-2 conceitos desenvolvidos na disciplina de Mecˆanica do Cont´inuo. Posteriormente. Observa-se que este m´etodo tradicional de ensino est´a totalmente desvinculada dos problemas de engenharia contemporˆaneos e do uso da simula¸c˜ao computacional. A cinem´atica do modelo de barra consiste de a¸c˜oes de movimento axiais. pretende-se introduzir os rudimentos de mecˆanica atrav´es de modelos unidimensionais. a qual est´a fundamentada na no¸ca˜o de meios cont´inuos e consequentemente no conceito de infinitesimal. A presente introdu¸c˜ao pretende motivar o estudo desta disciplina pela apresenta¸c˜ao de alguns modelos mecˆanicos. As a¸c˜oes de movimento r´ıgido correspondem `a transla¸c˜oes na dire¸c˜ao do eixo x. apresentam-se conceitos particulares obtidos a partir dos princ´ipios fundamentais da mecˆanica do cont´inuo com aplica¸c˜oes a problemas relativamente simples. ou seja.1. n˜ao costuma fazer a devida liga¸c˜ao entre o c´alculo diferencial e a mecˆanica do cont´inuo. ou seja. estado plano e problemas axissim´etricos. Atrav´es destes elementos.1 Barras em Tra¸c˜ ao e Compress˜ ao Barra ´e um elemento estrutural cuja principal caracter´ıstica geom´etrica ´e possuir o comprimento bem maior que as dimens˜oes da se¸c˜ao transversal. o eixo x do sistema de referˆencia mostrado na Figura 1. 1. Desta forma. os aspectos simplificadores que resultaram nas suas formula¸c˜oes. as se¸co˜es transversais permanecem perpendiculares ao eixo da barra como ilustrado na Figura 1. a forma usual de se ministrar os cursos espec´ificos de engenharia. Figura 1. Os exemplos s˜ao colocados em ordem crescente de complexidade com o intuito de estimular a no¸c˜ao de aplicabilidade dos modelos mecˆanicos considerados. . Assim. ao se deparar com problemas complexos de engenharia. o estudante ser´a capaz de tratar outros tipos de problemas n˜ao considerados pela resistˆencia dos materiais cl´assica.1. enfatizando-se no entanto. no caso de deforma¸c˜ao tem-se apenas a¸c˜oes de estiramento e encurtamento da barra.

ou seja.4) E sendo #xx a componente de deforma¸c˜ao normal.3) em (1. tem-se um estado uniaxial de tens˜ao dado pela tens˜ao normal σxx . a lei de Hooke no caso de barra em tra¸c˜ao e compress˜ao se reduz a σxx = E# = E(#xx − #0 ). E e ν s˜ao. o carregamento axial distribu´ıdo ao longo da mesma. manecem perpendiculares ao eixo da barra). (1. a partir da integra¸c˜ao da equa¸c˜ao diferencial. Assim. Para material el´astico linear isotr´opico. devido a cinem´atica adotada no modelo de barra. A equa¸ca˜o b´asica para o caso da barra pode ser escrita da seguinte forma dNx = −p(x). 0 sendo x uma se¸ca˜o arbitr´aria e C1 uma constante de integra¸c˜ao arbitr´aria determinada a partir das condi¸c˜oes de contorno. tem-se a express˜ao da for¸ca normal em termos da deforma¸c˜ao ε. Nx (x) = E(x)A(x)(#xx − #0 ). a qual ´e constante para todos os pontos de uma se¸c˜ao transversal.1.2) A A sendo σxx a componente de tens˜ao normal na dire¸c˜ao do eixo x.5) . #0 representa a deforma¸c˜ao inicial da barra existente em casos em que se tem um gradiente de temperatura ou quando a barra ´e montada com interferˆencia. Figura 1. (b) Configura¸c˜ ao deformada ( se¸c˜ oes transversais per- pendiculares ao eixo da barra).1.3) ν #yy = #zz = − σxx . Integrando-se esta equa¸c˜ao vem  x Nx (x) = − p(x)dx + C1 . respectivamente. as componentes de deforma¸c˜ao transversais nas dire¸c˜oes y e z. (1. As equa¸c˜oes 1. o m´odulo de elasticidade longitudinal e o coeficiente de Poisson do material. (1. obt´em-se uma fun¸c˜ao Nx (x) descrevendo o comportamento da for¸ca normal ao longo de toda a barra.2: Cinem´atica do modelo de barra. Logo. #yy e #zz . Substituindo (1. (1.2). Barras em Tra¸ c˜ ao e Compress˜ ao 1-3 (a) Configura¸c˜ ao inicial (se¸c˜ oes transversais per.1) dx sendo Nx a for¸ca normal ao longo da barra e p(x).3 s˜ao conhecidas como as equa¸c˜oes constitutivas de material el´astico linear isotr´opico para o problema de barra. (1. A for¸ca normal Nx (x) numa se¸ca˜o transversal x ´e dada de forma geral como uma integral ao longo da ´area A da barra   Nx (x) = σxx (x) dydz = σxx (x) dydz = σxx (x)A(x).

em x ∈ (0. Tor¸ c˜ ao em Eixos Circulares 1-4 A componente de deforma¸c˜ao normal #xx ´e dada em fun¸c˜ao do deslocamento axial da barra u = u(x) como du εxx = .4. pode-se obter a seguinte equa¸c˜ao de equil´ıbrio para eixos circulares dMx = −t(x). obt´em-se d2 u EA + p(x) = 0. L) . (1. tem-se a forma forte do problema ou equa¸ca˜o diferencial de barra em termos do deslocamento axial u = u(x)   d du E(x)A(x) + p(x) = 0. A cinem´ atica do modelo de eixo circular consiste apenas de a¸c˜oes de movimento que originam tor¸c˜ao nas se¸c˜oes perpendiculares `a dimens˜ao longitudinal como mostrado na Figura 1. 1. (1.3.3: Estrutura treli¸cada.6) vem que   du Nx (x) = E(x)A(x) − #0 . (1.7) dx Supondo #0 = 0 para efeitos de simplifica¸c˜ao e substituindo rela¸c˜ao anterior em (1. L) .6) dx A partir de (1.2 Tor¸c˜ ao em Eixos Circulares Como no caso das barras.9) dx2 Figura 1. Como exemplo de aplica¸c˜ao de barras. o eixo tamb´em ´e um elemento estrutural com dimens˜ao longitudinal predo- minante. tem-se estruturas treli¸cadas constitu´ıdas por barras unidas por articula¸c˜oes perfeitas como ilustrado na Figura 1.8) dx dx Para o caso em que o m´odulo de elasticidade e a ´area da se¸c˜ao s˜ao constantes (E(x) = E e A(x) = A).1. De forma completamente an´aloga ao caso de barras. (1. (1. para x ∈ (0.10) dx .5) e de (1. A transmiss˜ao das cargas aplicadas da estrutura at´e os apoios ´e realizada exclusivamente pela resistˆencia das barras a tra¸c˜ao e compress˜ao.2.1).

um dos coeficientes de Lam´e e Ip . Para um eixo de se¸ca˜o transversal constante e constitu´ıdo de um u´nico material (µ = cte.3 Vigas em Flex˜ ao O modelo que representa vigas em flex˜ao pura consiste em supor que as a¸co˜es de movimento poss´ıveis devam ser tais que as se¸c˜oes transversais permane¸cam planas. (1. Logo. Empregando-se as equa¸c˜oes constitutivas desse modelo. ´e poss´ıvel estabelecer uma rela¸c˜ao de equil´ıbrio para for¸cas e momentos em vigas resultando na seguintes equa¸c˜oes diferenciais: dVy = q(x).5. Vigas em Flex˜ ao 1-5 (a) Rota¸c˜ ao da se¸c˜ ao transversal.3. (1.13) dx2 1. as for¸cas transversais e os momentos puros s˜ao os esfor¸cos compat´ıveis com a cinem´atica adotada para esse modelo como ilustrado na Figura 1. n˜ao-deformadas e ortogonais ao eixo da viga. (1. (b) Efeito da tor¸c˜ ao no plano longitu- dinal imagin´ario DO1 O2 C. sendo M (x) o momento tor¸cor ao longo do eixo e t(x) o torque distribu´ıdo aplicado ao mesmo. Assim como no caso de barras.15) dx . o momento de in´ercia polar da se¸c˜ao transversal do eixo. (1.1.14) dx dMz = Vy .4: Cinem´atica de tro¸c˜ao circular.11) dx Substituindo-se esta u ´ltima equa¸c˜ao na anterior obt´em-se   d dθ(x) µIp + t(x) = 0.12) dx dx sendo θ(x) o aˆngulo de rota¸c˜ao do eixo submetido ao torque t(x). Ip (x) = Ip ) tem-se d2 θ(x) µIp + t(x) = 0. chega-se a dθ Mx = µIp . µ. (1. Figura 1.

16) dx2 sendo Vy (x) e Mz (x) a for¸ca cortante e o momento fletor ao longo da viga. os problemas bidimensionais em . (b) Conven¸c˜ ao de sinais. tem-se d4 v(x) EIz − q(x) = 0. a abordagem tradicional de resistˆencia deduz um conjunto de ex- press˜oes espec´ıficas para o problema considerado. chega-se a d2 v Mz = EIz (1. quais s˜ao as hip´oteses cinem´aticas destes problemas assim como as suas limita¸c˜oes. (1. por exemplo. Figura 1. ou ainda d2 Mz = q(x). considere o problema de estado plano de tens˜ao. (1.4 Problemas Bidimensionais Para ilustrar um caso de grande importˆancia pr´atica n˜ao tratado pela abordagem cl´assica de resistˆencia dos materiais. a Figura 1. o momento de in´ercia de ´area da se¸c˜ao transversal x em rela¸c˜ao ao eixo z. eixo e viga s˜ao usualmente abordados na teoria cl´assica de re- sistˆencia dos materiais. E.5: Esfor¸cos externos compat´ıveis com a viga de Euler-Bernouilli. Problemas Bidimensionais 1-6 (a) Esfor¸cos externos. Para um eixo de se¸c˜ao transversal constante e constitu´ıdo de um u ´nico material (E(x) = E.4.18) dx2 dx2 sendo v(x) a deflex˜ao ao longo da viga submetida ao carregamento transversal q(x). e q(x) o carregamento distribu´ıdo transversal sobre a mesma. (1. respectivamente. Em geral.17) dx2 e substituindo-se esta u ´ltima equa¸c˜ao na anterior obt´em-se   d2 d2 v(x) E(x)Iz (x) − q(x) = 0.6 ilustra uma passarela de pedestres. Iz (x) = Iz ). o modulo de elasticidade longitudinal e Iz .1. No entanto. Os elementos estruturais de barra. Mais uma vez.19) dx4 Como exemplo de uma aplica¸c˜ao de viga. 1. Muitas vezes n˜ao se deixa claro. empregando-se as equa¸c˜oes constitutivas desse modelo.

6: Passarela de pedestres. o vetor das for¸cas de corpo.1.y) + bx (x.y) + by (x. As hip´oteses b´asicas e as equa¸c˜oes de equil´ıbrio para o caso de estado plano de tens˜ao ser˜ao descritas a seguir. • todas as for¸cas agindo no corpo s˜ao planas e independentes de z. As equa¸c˜oes de equil´ıbrio est´atico para o estado plano s˜ao escritas como   ∂T11 (x.5. estado plano de deforma¸c˜ao e s´olidos axisim´etricos.y) + ∂T22 (x. • as componentes das for¸cas de volume agem somente no plano xy e s˜ao independentes do eixo z. Para um material el´astico isotr´opico linear. elasticidade linear s˜ao situa¸c˜oes simplificadas de problemas originalmente tridimensionais.20 a .y) + ∂T12 (x. y) = 0 ∂x ∂y divT + b = 0 =⇒ (1. • n˜ao h´a for¸cas agindo nas faces normais ao eixo z. Placas e Cascas 1-7 Figura 1. Para o caso de estado plano de tens˜ao tem-se • a espessura do corpo ´e pequena se comparada `as suas dimens˜oes nas dire¸c˜oes x e y. A formula¸c˜ao de tais problemas ´e comumente organizada em trˆes categorias: estado plano de tens˜ao.20)  ∂T12 (x. chega-se a partir de 1. y) = 0 ∂x ∂y sendo T o tensor de tens˜oes e b.

.

∂2u ∂2u ∂2u ∂2v µ + ∂y 2 .

+ (µ + λ) 2 + ∂x∂y + bx (x. y) = 0 ∂x2 2 2 ∂x .

21) ∂ v ∂2v ∂ u 2 µ ∂x 2 + ∂y 2 + (µ + λ) ∂x∂y + ∂∂yv2 + by (x. v os deslocamentos nas dire¸c˜oes x e y.λ os coeficientes de Lam´e. respectivamente. y) = 0 sendo u. . Essa caracter´ıstica b´asica permite tratar . as componentes da for¸ca de corpo e µ . como por exemplo estruturas em chapa. by . bx . 1. (1.5 Placas e Cascas As placas e as cascas s˜ao componentes estruturais respectivamente planos e curvos que apresentam sua espessura muito menor que qualquer outra de suas dimens˜oes. Existem in´umeras aplica¸c˜oes em mecˆanica que podem ser reduzidas ao caso bidimensional. A Figura 1.7 ilustra um gancho tratado como um modelo de estado plano de tens˜ao.

Quando o compor- tamento do material que constitui um corpo ´e tal que a deforma¸c˜ao desaparece totalmente ao se remover o carregamento sobre ele. .22) ∂x ∂x ∂y ∂y D sendo w a deflex˜ao normal ao plano m´edio da placa. tais elementos a partir de sua superf´ıcie m´edia reduzindo assim um problema originalmente tridimensional ao caso bidimensional. a espessura da placa. este material ´e denominado el´ astico.7: Exemplo de problema modelado como estado plano de tens˜ao.1.6 S´ olidos Tridimensionais Todos os corpos est˜ao sujeitos a deforma¸c˜oes quando submetidos a esfor¸cos externos. este material ´e denominado isotr´opico. A seguir s˜ao apresentadas as hip´oteses b´asicas para o tratamento do modelo placa de Kirchhoff bem como a equa¸ca˜o resultante dessa formula¸ca˜o. a carga distribu´ıda normal a esse mesmo plano e D. A equa¸c˜ao de equil´ıbrio de uma placa retangular submetida a pequenas deflex˜ oes para o caso de material el´astico isotr´opoico linear ´e dada por ∂4w ∂4w ∂4w q 4 + 2 2 2 + 4 = . quando os valores das propriedades mecˆanicas do material que constitui um corpo s˜ao independentes da dire¸c˜ao em que estas s˜ao analisadas. De forma equivalente. esta considera¸c˜ao pode ser reescrita da seguinte maneira: Linhas retas normais a ` superficie m´edia da placa antes da deforma¸ca ˜o permanecem retas e normais a esta superf´ıcie ap´ os a deforma¸ca ˜o da placa.23) 12(1 − ν 2 ) sendo E o m´odulo de elasticidade longitudinal.6. (1. q. 1. uma constante dada pela seguinte equa¸c˜ao: Ed3 D= . S´ olidos Tridimensionais 1-8 Figura 1. o coeficiente de Poisson e d. A seguir s˜ao apresentadas as hip´oteses b´asicas e as equa¸c˜oes de equil´ıbrio inerentes ao tratamento de problemas tridimensionais envolvendo uma tal classe de materiais. Os modelos cl´assicos que descrevem problemas de placa e casca compreendem frequentemente as formula¸c˜oes de Kirchhoff ou Reissner-Mindlin. (1. ν. A hip´otese simplificadora na formula¸ca˜o de Kirchhoff para o modelo de placa consiste em negligenciar as deforma¸c˜oes espec´ıficas na dire¸c˜ao perpendicular `a superf´ıcie m´edia da placa. Da mesma forma.

z)   com v1 .25) E = 12 (∇u + ∇uT ) sendo T o tensor de tens˜oes. As equa¸c˜oes gerais que descrevem a deforma¸c˜ao de um s´olido tridimensional. (1.8: Exemplo de uma malha de elementos finitos para um s´olido el´astico tridimensional. µ e λ. (1. y. b o vetor das for¸cas de corpo. para o tratamento de um problema s´olido tridimensional. z) . os coeficientes de Lam´e e E. y e z. Assim. S´ olidos Tridimensionais 1-9 No caso da deforma¸ca˜o de s´olidos n˜ao se faz nenhuma hip´otese simplificadora sobre a forma funcional das a¸c˜oes cinematicamente poss´ıveis al´em da sua suavidade (existˆencia de derivadas parciais cont´ınuas). z)   u= v(x.24)   w(x. ´e a seguinte:     u(x. o tensor de deforma¸c˜oes de Green dado por  . no caso de material el´astico isotr´opico linear.6. v2 e v3 sendo fun¸c˜oes escalares suaves de x. s˜ ao dadas por divT + b = 0 T = 2µE + λ(trE)I .1. Figura 1. y. uma a¸c˜ao de movimento poss´ıvel v. y.

.

 ∂u 1 ∂u ∂v 1 ∂u ∂w  ∂x .

2 ∂y + ∂x 2 ∂z + ∂x .

26)  ∂x . (1.   1 ∂u ∂v ∂v 1 ∂v ∂w  E= 2 ∂y + ∂z + .

∂y .

caracteriza o comportamento particular de um corpo s´olido relativamente ao tipo de material que o constitui. . denominada equa¸c˜ao constitutiva.25 descreve formalmente o equil´ıbrio para qualquer meio cont´ınuo e a segunda. 2 ∂y  1 ∂u ∂w 1 ∂v ∂w ∂w 2 ∂z + ∂x 2 ∂z + ∂y ∂z A primeira das equa¸c˜oes em 1.

respectivamente. (b) Escoamento turbulento.9: Problema de escoamento num duto. a menos da equa¸c˜ao constitutiva que descreve o tensor de tens˜oes para essa classe de fluidos e do termo de acelera¸c˜ao na equa¸c˜ao de equil´ıbrio para meios cont´ınuos. Quando a densidade de um fluido permanece constante inde- pendentemente do estado de tens˜ao a que este est´a submetido. a a aceler¸ca˜o do fluido. a sua densidade. Quando um fluido ´e isotr´opico em qualquer configura¸c˜ao e sua resposta a aplica¸ca˜o de um estado de tens˜ao depende linearmente das taxas de deforma¸ca˜o e somente destas. A Figura 1. respectivamente.27) D = 12 (∇v + ∇vT ). As equa¸c˜oes que descrevem o comportamento desse tipo de fluido s˜ao basicamente as mesmas que descrevem o comportamento de s´olidos el´asticos lineares. Figura 1. ´e comum definir um fluido como uma classe de materias idealizados os quais n˜ao resistem a qualquer esfor¸co cisalhante.1.9 ilustra dois problemas de escoamento resolvidos pela t´ecnica de elementos finitos. µ. I e D. denomina-se este fluido de incompress´ıvel. os tensores identidade e taxa de deforma¸c˜ao. (1. ρ. a press˜ao hidrost´atica . p.25) pode ser obtida apenas em alguns casos muito particulares. Nestes casos. Dessa forma. T = −pI + 2µD.9(a)) e o segundo um escoamento turbulento . (a) Escoamento laminar. As hip´oteses b´asicas que caracterizam os fluidos do tipo newtoniano (ou fluidos viscosos lineares) s˜ao descritas a seguir.8 ilustra uma malha de elementos finitos para uma bomba. sendo T e b o tensor de tens˜oes e a for¸ca de corpo agindo no fluido. a velocidade do fluido. empregam-se t´ecnicas num´ericas tais como o M´etodo de Elementos Finitos.7 Fluidos Newtonianos A principal caracter´ıstica de um fluido ´e apresentar uma deforma¸c˜ao cont´ınua quando submetido a tens˜oes cisalhantes. O primeiro deles considera um escoamento laminar (Figura 1. um dos coeficientes de Lam´e e v. Fluidos Newtonianos 1-10 Observa-se que a solu¸c˜ao anal´ıtica do sistema de equa¸c˜oes em (1.7. A Figura 1. 1. Dessa forma tem-se divT + ρb = ρa. estabelece-se as hip´oteses b´asicas que regem o comportamento dos fluidos denominados newtonianos.

(a) Projeto inicial.10 ilustra um problema t´ıpico de engenharia moderna envolvendo o projeto ´otimo de uma ferramenta tridimensional. A Figura 1. As doen¸cas card´ıacas .11(a) ilustra a geometria recuperada da car´otida e a malha de elementos finitos. Observa-se que o primeiro caso pode ser tratado integralmente pelas equa¸co˜es descritas em 1. (b) Dispers˜ ao de contaminantes. economia de material.11: Exemplos de problemas multidisciplinares. Este problema ´e conhecido como um problema de otimiza¸ca˜o o qual consiste na minimiza¸ca˜o de um funcional (energia de deforma¸c˜ao. Figura 1. tens˜oes. etc. Figura 1. (a) Carotida.9(b)).11(b) ilustra o resultado da simula¸c˜ao da dispers˜ao de contaminantes no solo.). 1.etc. tens˜ao de Von Mises. A Figura 1. Estes dois problemas s˜ao de extrema relevˆ ancia social.8. (b) Projeto ´ otimo. j´a o segundo n˜ao poderia ser descrito pelo mesmo conjunto de equa¸co˜es necessitando de algumas mudan¸cas na sua parte constitutiva.10: Otimiza¸ca˜o de forma. Exemplos de Aplica¸ c˜ oes Atuais 1-11 (Figura 1.) submetido a um conjunto de restri¸c˜oes (deslocamentos. A partir de uma tomografia computadorizada.8 Exemplos de Aplica¸c˜ oes Atuais A Figura 1. Um outro exemplo interessante se refere a simula¸c˜ao do sistema cardiovascular humano.27. identifica-se por exemplo a geometria da car´otida e gera-se uma malha de elementos finitos para simular o fluxo sangu´ıneo.1.

8. .1. Exemplos de Aplica¸ c˜ oes Atuais 1-12 s˜ao as que mais causam v´ıtimas fatais atualmente no mundo. Boa parte da ´agua consumida no Brasil vem de aqu´ıferos e n˜ao h´a o menor controle sobre a qualidade da ´agua.

A teoria do cont´ınuo considera a mat´eria como indefinidamente divis´ıvel. aplica-se a teoria dos meios cont´ınuos. consideram-se conven¸c˜oes diagram´aticas para suportes e car- regamentos. faz-se uma apresenta¸c˜ao das abordagens newtoniana e anal´ıtica para o tratamento de problemas de mecˆanica. como. Os princ´ıpios gerais s˜ao axiomas obtidos a partir da observa¸c˜ao dos fenˆomenos f´ısicos. tem-se as equa¸c˜oes constitutivas. Na segunda parte da teoria. os problemas que ser˜ao analisados neste texto. Esta teoria pode ser dividida em duas partes principais [?. No entanto. assim como os princ´ıpios da quantidade de momento linear e angular. o qual ´e denominado part´ıcula. 2-1 Cap´ıtulo 2 EQUIL´IBRIO 2. as quais s˜ao empregadas para definir o comportamento de materiais idealizados. ?]: • princ´ıpios gerais comuns aos v´arios meios. a qual trata da descri¸ca˜o dos fenˆomenos f´ısicos como um todo. podendo-se citar a conserva¸c˜ao de massa e energia. respectivamente. existe sempre material presente. No entanto. por exemplo. sendo aceita a id´eia de um volume infinitesimal de material. torna-se essencial estudar nota¸c˜ao inidicial e revisar o conceito de vetor abordados. nos Apˆendices A e B. v´arios fenˆomenos f´ısicos podem ser analisados sem se preocupar com a estrutura molecular dos materiais. tais como os casos de um s´olido el´astico linear e de fluidos. estuda-se o equil´ıbrio de part´ıculas e corpos segundo o Princ´ıpio da Potˆencia Virtual (PPV). • equa¸c˜oes constitutivas para materiais idealizados.2 Objetivos da Mecˆ anica do Cont´ınuo Como se sabe a mat´eria n˜ao ´e cont´ınua. . A validade desta hip´otese depende da situa¸c˜ao con- siderada e deve ser comprovada atrav´es de testes e ensaios. Desta maneira. Finalmente. a aplica¸ca˜o dos conceitos de mecˆanica do cont´ınuo ´e plenamente justific´avel para v´arios casos. Antes de ini- ciar o conte´ udo deste cap´ıtulo. sendo formada de mol´eculas as quais s˜ao constitu´ıdas de part´ıculas. em qualquer vizinhan¸ca de uma part´ıcula. 2. Basicamente. negligenciando o comportamento do material em menor escala. a mecˆanica do cont´ınuo estuda a resposta de materiais para diferentes condi¸c˜oes de carregamento.1 Introdu¸c˜ ao Neste cap´ıtulo. comparando-se com as condi¸c˜oes de equil´ıbrio dadas pelas lei de Newton. Posteriormente. Para isso.

torna-se necess´ario a introdu¸c˜ao de um parˆametro t ∈ [t0 . Qualquer subregi˜ao regular limitada de B ´e chamada parte. Essa abordagem ´e aplicada no desenvolvimento da f´ısica newtoniana. definido de forma totalmente desvinculada da cinem´atica adotada para modelar o problema. A primeira. por ∂B e ∂P. um corpo qualquer pode ocupar diferentes regi˜oes em tempos distintos. Assim.1: Configura¸c˜ao de referˆencia B e seu contorno ∂B. designando uma certa configura¸ca˜o Bt do corpo. ao contr´ario do que possa parecer. Desta maneira.1. t˜ ao antiga quanto a pr´opria Mecˆanica. Leibniz. Como um corpo pode ocupar diferentes regi˜oes ao longo de um movimento. Embora nenhuma destas regi˜oes possa ser associada ao corpo. respectivamente. 2.4 Abordagens Newtoniana e Anal´ıtica Uma das maiores dificuldades ao longo da hist´oria da Mecˆanica tem sido encontrar uma representa¸c˜ao f´ısico-matem´ atica satisfat´oria para o conceito de a¸c˜ao de um determinado corpo sobre a configura¸c˜ao (estado) de outro. tf ].2. sendo os pontos X ∈ B denominados pontos materiais. Figura 2. denominada mecˆanica vetorial. Esta segunda descri¸ca˜o ´e. a qual ´e indicada por P. o movimento e a potˆencia (trabalho) dispendida para efetu´ a-lo. sendo a an´alise e s´ıntese de for¸cas e momentos a sua principal preocupa¸ca˜o.3 Defini¸c˜ ao de Corpos Todo corpo tem como caracter´ıstica f´ısica o fato de ocupar regi˜oes do espa¸co euclidiano pontual. destacam-se os trabalhos de . n˜ao como uma defini¸c˜ao abstrata a-priori. Os contornos co corpo B e da parte P s˜ao indicados. mas como um elemento de liga¸ca˜o entre a a¸c˜ao de movimento do corpo e a potˆencia dispendida para realiz´a-la. o conceito de for¸ca surge como um ente abstrato. identificando pontos do corpo com as suas posi¸c˜oes em B. A partir dos postulados de movimento estabelecidos por Newton. desde os primeiros passos no sentido de dar uma estrutura matem´atica formal `a Mecˆanica. dadas por vetores segundo um certo sistema de referˆencia. a qual baseia o estudo do equil´ıbrio e do movimento em duas grandezas escalares b´asicas.3. o conceito de potˆencia surgiu como algo b´asico e fundamental. torna-se conveniente selecionar uma delas. Defini¸ ca ˜o de Corpos 2-2 2. denominada configura¸ca ˜o de referˆencia B. as energias cin´etica e potencial. Estes conceitos est˜ao ilustrados na Figura 2. Aparentemente mais abstrato. Neste sentido. o conceito de for¸ca surge naturalmente. Desta forma. parte diretamente das leis de Newton e representa a a¸c˜ao atrav´es de for¸cas. a mecˆanica desenvolveu-se ao longo de duas linhas principais. Adotam-se como elementos principais da caracteriza¸ca˜o de a¸c˜ao entre corpos. A partir da´ı. introduziu uma segunda linha de abordagem denominada mecˆanica ana´ıtica. De fato. Observa-se que em v´arios problemas t n˜ao representa necessariamente o tempo. um corpo B passa a ser uma regi˜ ao regular de E. ou seja. este tratamento traduz a experiˆencia concreta di´aria. o qual ´e denotado por E. um contemporˆaneo de Newton.

Deve-se isolar uma part´ıcula das demais e determinar as for¸cas exercidas pelas part´ıculas vizinhas. n˜ao determina o n´ıvel de tens˜ao na correia. (a) Objeto em repouso. cada part´ıcula ´e uma unidade independente seguindo a lei de movimento. pois representa.2). avaliando-se o seu peso pela potˆencia (ou trabalho) para efetuar tal movimento. Esta lei foi deduzida para o movimento de uma part´ıcula no campo gravitacional da Terra e aplicada ao movimento de planetas sob a a¸c˜ao do sol. para se conhecer a tens˜ao numa correia. ´e v´alida em primeira instˆancia apenas para uma u ´ nica part´ıcula. efetua-se uma a¸c˜ao de movimento virtual e atrav´es da potˆencia dispendida para realiz´a-la. A lei de Newton fornece uma equa¸ca˜o diferencial de movimento e atrav´es da sua integra¸c˜ao ´e poss´ıvel resolver o problema dinˆamico. Entretanto.3(c).2. avalia-se a tens˜ao da correia (ver Figura 2. Um movimento horizontal n˜ao permite determinar o peso do objeto. Por exemplo.4. Uma a¸c˜ao virtual adequada ´e introduzida apenas para avaliar o estado de for¸cas internas ou externas do objeto. Figura 2.2: Avalia¸c˜ao do peso de um objeto. a a¸c˜ao de movimento adequada para avaliar o peso do objeto deve ser na dire¸c˜ao vertical. nem todos os problemas . A denomina¸c˜ao virtual significa qua a a¸c˜ao de movimento n˜ao ´e uma a¸ca˜o de movimento natural do corpo em estudo.2(b). massa vezes acelera¸c˜ao ´e igual a for¸ca. Nestes dois problemas. levanta-se o mesmo ligeiramente. Como ilustrado na Figura 2. o corpo em movimento pode ser idealizado como uma part´ıcula. • quando se deseja conhecer o peso de um objeto. Essa descri¸c˜ao ´e tamb´em mais natural.3). Verifica-se que esta u ´ltima abordagem difere consideravelmente na sua metodologia em rela¸c˜ao `a mecˆanica vetorial. Desta forma. o enunciado matem´atico de uma experiˆencia f´ısica bastante comum. No caso da correia. definitivamente consagrados por D’Alembert (1743). Baseado na potˆencia ou trabalho dispendidos para realizar a respectiva a¸ca˜o de movimento ´e poss´ıvel avaliar o peso do objeto ou a tens˜ ao na correia. J´a uma a¸ca˜o tangencial. desloca-se a mesma de sua configura¸c˜ao natural introduzindo um pequeno movimento com os dedos. Newton introduziu o princ´ıpio da a¸c˜ao e rea¸c˜ao como a terceira lei de movimento. A lei fundamental de movimento estabelecida por Newton. Logo. Abordagens Newtoniana e Anal´ Itica 2-3 pioneiros como J. introduz-se um movimento virtual tirando o objeto do movimento natural (repouso) em que se encontrava (ver Figura 2. Esta an´alise em termos de for¸cas torna-se trabalhosa. devendo- se tomar algumas precau¸c˜oes para aplicar a lei de Newton. pois n˜ao se conhece em geral a natureza das for¸cas de intera¸c˜ao. Para resolver esta limita¸c˜ao. • de uma maneira similar. no caso de um corpo s´olido ou fluido. ou seja. (c) A¸c˜ ao de movimento hori- cal (permite avaliar o peso do zontal (n˜ ao permite avaliar o objeto). ou seja. Em outras palavras. peso do objeto). O peso do objeto ou a tens˜ao na correia s˜ao determinados introduzindo uma a¸c˜ao de movimento apropriada para cada caso. Bernoulli (1717). uma a¸c˜ao de movimento normal `a correia permite avaliar a tens˜ ao como mostrado na Figura 2. Entretanto. as part´ıculas est˜ao associadas entre si. (b) A¸c˜ ao de movimento verti. na verdade. um ponto simples no qual associa-se uma massa.

ou seja. Verifica-se ainda que a abordagem newtoniana falha em fornecer uma u´nica resposta para problemas mais complexos. Logo. Dado o conceito fundamental de a¸c˜ao. Al´em disso. o n´ umero de equa¸c˜oes de movimento pode ser bastante grande. tens˜ ao na correia). a mecˆanica vetorial constr´oi uma resultante de for¸cas para cada part´ıcula. n˜ao havendo a necessidade de desmembrar o sistema em partes. Ao contr´ ario do tratamento vetorial. Logo. despreza-se a natureza das for¸cas entre as part´ıculas. Os princ´ıpios variacionais da mecˆanica anal´ıtica permitem uma base u ´nica a partir da qual derivam-se todas as equa¸co˜es. o tratamento anal´ıtico .3: Avalia¸c˜ao da tens˜ ao na correia. Figura 2.2. como no caso de rela¸c˜oes cinem´aticas conhecidas para o sistema em estudo. a distˆancia entre dois pontos quaisquer permanece fixa. tais que durante uma a¸c˜ao de movimento. No entanto. A part´ıcula n˜ao ´e mais isolada.4. Analogamente. 2. Para um sistema complexo. h´a a necessidade de for¸cas para manter esta condi¸c˜ao. as quatro principais diferen¸cas entre os tratamentos vetorial e anal´ıtico podem ser resumidas como [?]: 1. a principal diferen¸ca entre as duas abordagens est´a no fato de um princ´ıpio u ´nico sobre o qual est´a fundamentada a mecˆanica anal´ıtica. enquanto tem-se uma resistˆencia menor `a a¸c˜oes que alterem a forma e n˜ao o volume do fluido. podem ser resolvidos atrav´es deste postulado. No caso da mecˆ anica newtoniana. Desta maneira. esta formula¸c˜ao ´e invariante com respeito a qualquer transforma¸c˜ao de coordenadas. Por exemplo. (c) A¸c˜ ao de movimento tan- mal a correia (permite avaliar gencial (n˜ ao permite avaliar a a tens˜ ao na correia). a mecˆanica vetorial isola a part´ıcula. o volume de qualquer parte do fluido deve ser preservada. A mecˆanica anal´ıtica trata os problemas de uma forma diferente. Um sistema mecˆanico ´e uma montagem de part´ıculas. sendo levada em conta apenas a condi¸c˜ao cinem´atica estabelecida. Abordagens Newtoniana e Anal´ Itica 2-4 (a) Correia tensionada. onde cada part´ıcula deve ser considerada de forma especial e a for¸ca atuante determinada independentemente das outras part´ıculas. mas sim o sistema como um todo. as quais interagem entre si. Leva-se em conta apenas o fato emp´ırico de que um fluido resiste consideravelmente a qualquer tentativa de alterar o seu volume. tratando-a de forma individual. como por exemplo no caso do estudo de corpos r´ıgidos. j´a o caso anal´ıtico considera o sistema como um todo. fazendo parte de um sistema como todo. Uma outra diferen¸ca fundamental refere-se ao tratamento de condi¸c˜oes auxiliares. na abordagem anal´ıtica tem-se uma u ´nica fun¸c˜ao descrevendo as for¸cas atuantes nas part´ıculas do sistema. sendo necess´arias novas hip´oteses. (b) A¸c˜ ao de movimento nor. uma part´ıcula simples n˜ao tem importˆancia. J´a na abordagem anal´ıtica n˜ao ´e necess´ario o conhecimento destas for¸cas. o princ´ıpio de estacionariedade desta a¸c˜ao resulta no conjunto de equa¸c˜oes diferenciais do sistema. estabelecendo-se condi¸c˜oes cinem´aticas. para o caso de fluidos n˜ao ´e necess´ario conhecer o tipo de for¸cas presentes entre as part´ıculas. as part´ıculas de um s´olido podem se mover como se o corpo fosse r´ıgido.

as quais devem ser satisfeitas para qualquer a¸c˜ao desenvolvida pela estrutura. pretende-se mostrar estas duas abordagens para o caso de equil´ıbrio de corpos r´ıgidos. todo carregamento aplicado causa apenas deforma¸c˜ao na estrutura. 4. (e) Engaste. (a) Articula¸c˜ ao. o qual toma a forma de minimizar uma certa a¸c˜ao. (c) Rolete. todo o conjunto de equa¸c˜oes pode ser desenvolvido a partir de um u ´ nico princ´ıpio. . eixo e viga.5. considera-se a caracteriza¸ca˜o da deforma¸c˜ao em modelos de barra. 3. na mecˆanica anal´ıtica qualquer condi¸ca˜o cinem´atica representa mais um parˆametro conhecido do sistema. deve existir um n´ umero suficiente de restri¸c˜oes ou suportes para evitar movimentos de corpo r´ıgido.5 Conven¸c˜ oes Diagram´ aticas Como mencionado anteriormente. tem-se um conjunto de restri¸c˜oes cinem´aticas. Figura 2. (b) Pino. Para isso. (d) Pino fixo. sendo poss´ıvel escolher aquele mais natural a cada problema analisado.2. 2. na abordagem anal´ıtica. Desta maneira. Ao longo deste cap´ıtulo. Conven¸ c˜ oes Diagram´ aticas 2-5 considera uma u ´nica fun¸c˜ao (energia potencial) contendo todas as for¸cas necess´arias. o objetivo b´asico da resistˆencia dos materiais ´e determinar o n´ıvel de solicita¸c˜ao de uma estrutura mecˆanica e estabelecer crit´erios para a valida¸c˜ao de seu projeto atual. o caso vetorial deve considerar o conjunto de for¸cas necess´arias para manter qualquer rela¸c˜ao esta- belecida entre as coordenadas de um sistema.4: Suportes. Este princ´ıpio ´e independente de qualquer sistema de coordenadas empregado. Nos cap´ıtulo seguintes. Assim. procurando ressaltar as vantagens do tratamento anal´ıtico ou variacional.

4a). verifica-se uma u ´nica rea¸c˜ao ou inc´ognita para as equa¸c˜oes de equil´ıbrio. Num primeiro caso. na Figura 2.1 Suportes Torna-se essencial estabelecer algumas conven¸c˜oes para representar os suportes respons´aveis por manter uma estrutura em repouso quando submetida a carregamentos externos. tem-se um deslocamento nulo. os suportes s˜ao identificados pelo tipo de restri¸c˜ao cinem´atica presente ou de forma equivalente pelas rea¸c˜oes que oferecem a`s for¸cas externas. Visto pelo lado da mecˆanica vetorial. a articula¸c˜ao resiste apenas a` for¸cas na dire¸ca˜o AB. • caso b). O pino ilustrado na Figura . Figura 2. (a) Pino. (c) Engaste.4 • caso a). Em todos estes casos. Nos problemas planos.5. b). tem-se um rolete ou uma articula¸c˜ao como exemplificado nas Figuras 2. Basicamente.6: Restri¸ca˜o unilateral. Conven¸ c˜ oes Diagram´ aticas 2-6 2. (b) Rolete. a rela¸c˜ao entre as duas componentes de rea¸ca˜o ´e fixa. Portanto.5. • caso c). originando uma for¸ca resistente na dire¸ca˜o perpendicular ao plano CD.2. Figura 2. verifica-se um deslocamento nulo ou uma for¸ca resistiva em uma linha de a¸c˜ao espec´ıfica.5: Restri¸co˜es cinem´ aticas e rea¸c˜oes. o deslocamento ´e nulo na dire¸c˜ao vertical e o rolete resiste apenas a uma for¸ca vertical. qualquer a¸c˜ao de movimento deve respeitar a restri¸c˜ao cinem´atica de deslocamento nulo ao longo da linha AB. Neste caso. c).

(d) Idealizado (carrega- mento constante). onde al´em dos deslocamentos.2 Carregamentos Os carregamentos aplicados sobre uma estrutura podem ser idealizados como for¸cas concentradas. (b) Idealizado. No caso de uma viga. assim como as rea¸co˜es impostas.4e).5.7: Carregamento concentrado numa viga. tamb´em a rota¸c˜ao ´e nula. enfatizando as restri¸c˜oes cinem´ aticas presentes. mento linear). 2. sendo caracterizada pelo fato de que se a a¸c˜ao de movimento estiver impedida numa dire¸ca˜o. Observa-se que os deslocamentos nas dire¸co˜es horizontal e vertical s˜ao nulos. este suporte resiste a uma for¸ca em qualquer dire¸c˜ao. n˜ao estar´a na dire¸c˜ao oposta. os carregamentos concentrados podem ser aplicados por exemplo atrav´es de um pilar. fazendo surgir duas for¸cas de rea¸c˜ao. Da mesma forma. (b) Idealizado (carrega.2.5 resume as diferen¸cas entre os suportes discutidos. Figura 2. Este caso induz uma n˜ao-linearidade ao problema estando fora do escopo desse texto. ilustra-se um suporte fixo ou engastamento.6.8: For¸cas distribu´ıdas constante e linear. Observa-se que estes arranjos aplicam a for¸ca numa parcela limitada da viga e s˜ao idealizados . Conven¸ c˜ oes Diagram´ aticas 2-7 2. Por sua vez na Figura 2. Um outro tipo de v´ınculo encontrado frequentemente em v´arios problemas de mecˆanica. uma alavanca ou um componente rebitado como mostrado na Figura 2. (a) Real. tais como contato e conforma¸c˜ao. (c) Real. distribu´ıdas e de volume. (a) Real. al´em de um momento puro. tem-se um engastamento de uma viga num bloco de concreto. Esta restri¸ca˜o ´e denominada unilateral. A Figura 2. est´a ilustrado na Figura 2. Como exemplo t´ıpico.5.4d) ´e outro tipo de suporte. Figura 2.7(a).

6 Equil´ıbrio de Part´ıculas e Corpos R´ıgidos 2. v = F · v. ou seja. os esfor¸cos externos compat´ıveis com a cinem´atica da part´ıcula s˜ao vetores for¸ca descritos aqui pela resultante de for¸cas F. conforme mostrado na Figura 2. associado `a potˆencia Pe e a a¸c˜ao de movimento v.9. Como a cinem´atica de P ´e descrita por um vetor v.6. potˆencia Pe ´e uma fun¸c˜ao f que opera sobre um vetor v de 3 e fornece um escalar. (b) Idealizado. conforme o diagrama da Figura 2.9: Momento concentrado numa viga. pode-se carregar uma viga com um momento concentrado num ponto. recupera-se a id´eia cl´assica de for¸ca. na potˆencia. Isso mostra que a partir do conceito de potˆencia. sendo denomina- dos carregamentos distribu´ıdos. Logo. A Figura 2. conforme ilustrado na da Figura 2.6. Figura 2. qualquer a¸c˜ao de movimento de P ´e dada por um vetor v de 3 .1 Mecˆ anica anal´ıtica Part´ıcula Uma part´ıcula ´e um ponto material com uma certa massa associada e cujas dimens˜oes n˜ao s˜ao relevan- tes. .1) O vetor F ´e denominado resultante das for¸cas externas na part´ıcula P. v → f (v) = Pe ou seja. a u´nica opera¸c˜ao sobre v resultando num escalar. 2.10. (c) Sistema equivalente. ´e um produto escalar de vetores. Considere a part´ıcula P livre de qualquer restri¸c˜ao cinem´atica. A potˆencia externa Pe associada a uma a¸c˜ao de movimento v ´e dada de forma geral por f : 3 → . Como u ´ltimo caso. (2.8 ilustra for¸cas distribu´ıdas uniformes e vari´aveis juntamente com as suas idealiza¸co˜es.2. (a) Real. Dessa forma. existe um vetor F de 3 de tal forma que a potˆencia Pe pode ser escrita como Pe = f (v) = F. Logo. Em outros casos. Equil´ Ibrio de Part´ Iculas e Corpos R´ Igidos 2-8 como for¸cas concentradas. localizada no espa¸co tridimensional cartesiano 3 .7(b). as for¸cas s˜ao aplicadas ao longo de uma por¸c˜ao maior da estrutura.

Da mesma maneira. se o m´odulo de v diminuir. tal como a potˆencia externa Pe . Corpos R´ıgidos Considere agora o caso de um corpo r´ıgido B.1) ´e um funcional linear de v. quanto maior o m´odulo do vetor velocidade v. sendo Pe1 = F · v1 e Pe2 = F · v2 os valores das potˆencias associadas `as a¸c˜oes de movimento v1 e v2 .1) vem do fato que o produto escalar de vetores ´e linear como discutido no Apˆendice B. ao se multiplicar v por um escalar α.2. De forma geral. a partir da potˆencia associada ao movimento. maior ser´a o valor da potˆencia Pe . O espa¸co cartesiano 3 ´e um exemplo do conceito mais geral de espa¸cos vetorias (ver Apˆendice B). observa-se que a propriedade de linearidade de (2.6.2) Pe = f (v1 + v2 ) = F · (v1 + v2 ) = (F · v1 ) + (F · v2 ) = Pe1 + Pe2 .11 ilustra a rela¸c˜ao entre a¸c˜oes de movimento v e for¸cas F sobre a part´ıcula em 3 .10: Part´ıcula livre de restri¸c˜ao com a¸c˜ao de movimento v. A Figura 2. Equil´ Ibrio de Part´ Iculas e Corpos R´ Igidos 2-9 Figura 2. a potˆencia Pe associada `a soma de duas a¸co˜es de movimento v1 e v2 ´e igual a soma das potˆencias individuais Pe1 e Pe2 . Observa-se que a potˆencia Pe dada em (2. Finalmente. (2. Al´em disso. As propriedades anteriores podem ser escritas em uma u ´nica express˜ao para α e β escalares e v1 e v2 vetores de velocidade Pe = f (αv1 + βv2 ) = F · (αv1 + βv2 ) = F · (αv1 ) + F · (βv2 ) = α(F · v1 ) + β(F · v2 ) =αPe1 + βPe2 . pois para cada v associa-se um valor real da potˆencia Pe . As u´nicas a¸c˜oes de movimento admiss´ıveis devem preservar a hip´otese inicial de que o .ou seja. livre de qualquer restri¸c˜ao ao seu movimento. diz-se que a potˆencia Pe ´e um funcional linear das a¸co˜es de movimento v. as seguintes rela¸c˜oes s˜ao v´alidas Pe = f (αv) = F · (αv) = α(F · v) = αPe . Al´em disso.12.1) ´e um funcional do vetor velocidade v. a express˜ao (2. O conceito de dualidade ser´a constantemente empregado ao longo deste texto. Dado um n´umero real α e duas a¸c˜oes de movimento v1 e v2 . Alguns Aspectos sobre a Defini¸ c˜ ao de Potˆ encia Uma fun¸c˜ao. mostrado na Figura 2. a potˆencia tamb´em ´e multiplicada por α. As duas propriedades anteriores mostram a linearidade da potˆencia pois. A potˆencia ´e linear em v. a potˆencia Pe diminui na mesma propor¸c˜ao. que associa a cada elemento de um espa¸co vetorial um escalar ´e chamada funcional. Observa-se que este conceito ´e introduzidao a partir da defini¸ca˜o de potˆencia. Esta rela¸c˜ao ´e denominada rela¸ca˜o de dualidade entre as a¸c˜oes de movimento v e a resultante das for¸cas F na part´ıcula.

2.6. Equil´
Ibrio de Part´
Iculas e Corpos R´
Igidos 2-10

Figura 2.11: Rela¸c˜ao de dualidade entre a¸c˜oes de movimento e for¸cas numa part´ıcula.

(a) Ponto o como referˆencia. (b) Ponto q como referˆencia. (c) Rela¸c˜
ao entre os pontos o e q.

Figura 2.12: A¸c˜ao de movimento de um corpo r´ıgido.

corpo ´e r´ıgido, ou seja, quaisquer deslocamentos e rota¸c˜oes r´ıgidas devem manter as dimens˜oes do corpo
inalteradas.
Para descrever o movimento do corpo, adota-se um sistema de coordenadas e seleciona-se um ponto
arbitr´ario do corpo. A Figura 2.12(a) ilustra o sistema de referˆencia cartesiano xyz e o ponto o adotado
para descrever o movimento do corpo. A partir da´ı, o vetor posi¸c˜ao de qualquer ponto p ´e dado por

rp = ro + rpo . (2.3)

Quando o corpo se movimenta, os vetores posi¸ca˜o rp , ro e rpo variam ao longo do tempo. A taxa de
varia¸c˜ao destes vetores representa a velocidade instantˆanea. Derivando a express˜ao anterior em rela¸c˜ao
ao tempo, obt´em-se a velocidade vp do ponto p (a rela¸c˜ao seguinte ser´a mostrada posteriormente)
vp = vo + ω × rpo ,

sendo vo a velocidade do ponto o representando a transla¸c˜ao de B; ω ´e o vetor velocidade angular
descrevendo a rota¸c˜ao instantˆanea do corpo e × representa o produto vetorial (ver Apˆendice B).
Decompondo os vetores vo e ω, segundo o sistema cartesiano ilustrado na Figura 2.12, tem-se no
total seis componentes para representar uma a¸ca˜o de movimento de um corpo r´ıgido. Trˆes delas est˜ao
associadas a transla¸c˜oes dadas pelas componentes vox , voy e voz de vo . As demais 3 componentes s˜ao
dadas pelas proje¸c˜oes , ωx , ωy e ωz da rota¸c˜ao ω. A Figura 2.13 ilustra as 3 componentes de transla¸c˜ao
e as 3 componentes de rota¸c˜ao de um corpo r´ıgido.
A express˜ao da potˆencia associada a a¸c˜ao de movimento de corpo r´ıgido ´e dada a partir de (2.1) por

Pe = f (v) = f (vo + ω × rpo ) . (2.4)

Logo, como a velocidade de cada ponto do corpo r´ıgido ´e descrita por um vetor velocidade v e a
potˆencia Pe associada a v ´e escalar, tem-se, de forma an´aloga ao caso da part´ıcula, um vetor Fo , de tal
forma que a potˆencia Pe ´e dada pelo seguinte produto escalar dos vetores v e Fo , ou seja,

Pe = f (v) = Fo , v = Fo · v = Fo · [vo + ω × rpo ]. (2.5)

2.6. Equil´
Ibrio de Part´
Iculas e Corpos R´
Igidos 2-11

(a) Transla¸c˜
oes em x, y e z. (b) Rota¸c˜
oes em x, y e z.

Figura 2.13: Movimentos de um corpo r´ıgido.

Como o produto escalar de vetores ´e distributivo (ver Apˆendice B), a express˜ao anterior pode ser
reescrita como

Pe = (Fo · vo ) + Fo · [ω × rpo ] . (2.6)

Pode-se comutar a ordem dos produtos escalar e vetorial de 3 vetores (ver Apˆendice B). De forma
geral, dados 3 vetores a, b e c a seguinte rela¸ca˜o ´e v´alida

a · (b × c) = (c × a) · b = (b × c) · a.

Aplicando a propriedade anterior `a equa¸c˜ao (2.3) vem que

Pe = (Fo · vo ) + [rpo × Fo ] · ω
= (Fo · vo ) + (mo · ω). (2.7)

Os vetores Fo e mo representam, respectivamente, a resultante de for¸cas e a resultante de momentos
em rela¸c˜ao ao ponto o gerados pela resultante Fo .
Observa-se que a escolha do ponto o para representar a a¸c˜ao de movimento de B foi inteiramente
arbitr´aria. Tomando-se um ponto q distinto de o, tem-se a seguinte rela¸c˜ao para o vetor de posi¸ca˜o do
ponto p (ver Figura 2.12(b))

rp = rq + rpq ,

e consequentemente a velocidade instan˜taˆnea p passa a ser dada por

vp = vq + ω × rpq .

Seguindo o mesmo procedimento anterior, a potˆencia Pe associada `a a¸c˜ao de movimento tomando-se
o ponto q como referˆencia ser´a

Pe = (Fq · vq ) + (mq · ω) =(Fq · vq ) + Fq · (ω × rpq ). (2.8)

2.6. Equil´
Ibrio de Part´
Iculas e Corpos R´
Igidos 2-12

Pode-se reescrever a velocidade do ponto q tomando-se o ponto o como referˆencia (ver Figura 2.12(c)).
Logo, tem-se as seguintes rela¸co˜es para os vetores posi¸c˜ao e velocidade do ponto q
rq = ro + rqo ,

vq = vo + ω × rqo . (2.9)

Como a a¸c˜ao de movimento ´e a mesma, mudando-se apenas a sua representa¸c˜ao, a potˆencia envolvida
´e igual tomando-se os dois pontos o e q como referˆencia. Logo, igualando (2.7) e (2.8), obtem-se

Fo · vo + mo · ω = Fp · vp + mp · ω,

ou ainda
(Fo · vo − Fp · vp ) + (mo − mp ) · ω = 0.
Substituindo (2.9) vem que

0 = (Fo − Fp ) · vo + [mo − mp − (rqo × Fp ) · ω] .

Para que a rela¸c˜ao anterior seja satisfeita para qualquer a¸c˜ao r´ıgida descrita pelos vetores vo e ω,
tem-se que
Fo − Fp = 0 e mo − mp − (rqo × Fp ) = 0 ,
ou seja,

Fo = Fp = F e mo − mp = (rqo × Fp ) .

Assim, recuperam-se os resultados cl´ assicos da mecˆanica de corpos r´ıgidos. As for¸cas est˜ao carac-
terizadas por um vetor F chamado de resultante das for¸cas, o qual ´e independente do ponto do corpo
escolhido para descrever a a¸c˜ao cinem´atica. Al´em disso, tem-se mais um vetor mo , dependente da escolha
do ponto de referˆencia, denominado resultante dos momentos.

2.6.2 Princ´ıpio das potˆ
enciais virtuais (PPV)
Como pode ser observado a partir da se¸c˜ao anterior, a condi¸c˜ao de equil´ıbrio de uma part´ıcula ou
de um corpo r´ıgido ´e obtida impondo-se que a potˆencia das for¸cas externas seja nula para qualquer a¸c˜ao
de movimento, compat´ıvel cinematicamente, a partir da posi¸c˜ao de equil´ıbrio. Desta maneira, ´e poss´ıvel
recuperar as condi¸co˜es de equil´ıbrio da mecˆanica de Newton. O enunciado acima constitui-se no princ´ıpio
das potˆencias virtuais (PPV) para o caso de equil´ıbrio de corpos, sendo um dos princ´ıpios variacionais
da mecˆanica anal´ıtica. Observa-se que uma a¸c˜ao cinematicamente admiss´ıvel ´e aquela que respeita as
condi¸c˜oes de v´ınculo ou apoios da estrutura.
Estas a¸c˜oes de movimento, a partir da posi¸c˜ao de equil´ıbrio, n˜ao s˜ao fisicamente realizadas, sendo por
isso denominadas a¸co ˜es virtuais. Portanto, estas a¸c˜oes s˜ao introduzidas apenas para avaliar o estado de
equil´ıbrio. O princ´ıpio estabelece que para qualquer a¸c˜ao ou varia¸c˜ao a partir da posi¸c˜ao de equil´ıbrio, a
potˆencia ´e nula, ou seja, o sistema mecˆanico permanece em equil´ıbrio.
Considere o ponto material A da Figura 2.14 submetido a` a¸c˜ao de v´arias for¸cas. Suponha que
esse ponto sofra uma a¸c˜ao de movimento, compat´ıvel com a sua cinem´atica, do ponto A para A’. As
for¸cas podem estar equilibradas e o corpo permanecer em repouso ou se mover na dire¸c˜ao AA’. A a¸c˜ao de
movimento considerada ´e portanto imagin´aria, sendo denominada a¸c˜ao de movimento virtual e designada
por δv. Supondo que o ponto A esteja em equil´ıbrio, a a¸c˜ao δv representa uma varia¸ca˜o da posi¸ca˜o da

2.6. Equil´
Ibrio de Part´
Iculas e Corpos R´
Igidos 2-13

Figura 2.14: Corpo sujeito `a a¸c˜ao de um conjunto de for¸cas.

part´ıcula em rela¸c˜ao ao seu estado de equil´ıbrio. Logo, pelo PPV a potˆencia Pe associada a δv ´e nula,
ou seja,

Pe = F · δv = 0. (2.10)

Logo, a resultante das for¸cas F sobre a part´ıcula deve ser nula pois a varia¸ca˜o δv ´e arbitr´aria. Recupera-se
assim a condi¸c˜ao de equil´ıbrio dada pelas leis de Newton, ou seja, a resultante das for¸cas externas F deve
ser nula para uma part´ıcula em equil´ıbrio.
Observa-se que a condi¸ca˜o anterior ´e necess´aria e suficiente. Se a potˆencia ´e nula para qualquer a¸ca˜o
virtual δv, ent˜ao o produto escalar F · δv ´e nulo, implicando que a resultante das for¸cas F deve ser zero,
pois δv ´e arbitr´ario . Da mesma maneira, se o ponto est´ a em equil´ıbrio, a resultante das for¸cas ´e nula e
portanto a potˆencia virtual tamb´em ´e nula.
No caso da an´ alise de corpos em equil´ıbrio est´atico, como n˜ao est˜ao envolvidas velocidades, o princ´ıpio
das potˆencias virtuais ´e aplicado em termos de deslocamentos virtuais, sendo ent˜ao chamado de princ´ıpio
dos trabalhos virtuais (PTV). O PTV para um ponto material estabelece que, se o ponto est´a em equil´ıbrio,
o trabalho virtual total das for¸cas aplicadas ´e zero, para qualquer deslocamento virtual.
Tomando-se o exemplo ilustrado na Figura 2.2 para avaliar o peso do objeto, verifica-se que n˜ ao ´e
necess´ario impor um grande deslocamento ao objeto para ter uma id´eia do seu peso. Observa-se que na
iminˆencia de se deslocar o objeto, pode-se avaliar o seu peso. Isto implica que as a¸c˜oes de movimento
podem ser arbitrariamente pequenas ou diferenciis visando avaliar o estado de equilibrio de uma part´ıcula
ou corpo r´ıgido.
Para o caso de um corpo r´ıgido, tomando-se uma a¸c˜ao virtual de movimento r´ıgida δv = δvo + δω × r,
tem-se que no equil´ıbrio a potˆencia ´e nula. Logo, a partir da se¸ca˜o anterior, a potˆencia ´e dada por

Pe = Fo · δvo + mo · δω = 0, (2.11)

implicando que as resultantes em termos de for¸cas e momentos devem ser nulas para qualquer a¸c˜ao
virtual.
Observa-se que a potˆencia das for¸cas internas num corpo r´ıgido ´e nula, como ilustrado na Figura 2.15.
Tomando-se os pontos A e B, as for¸cas exercidas entre si s˜ao F e −F. Mesmo considerando a¸c˜oes virtuais
distintas δv e δv , as componentes destas a¸c˜oes ao longo de AB devem ser iguais, pois como o corpo ´e
r´ıgido, a distˆancia entre os pontos deve ser constante. Logo, a potˆencia associada `as for¸cas internas ser´a
nula. Da mesma maneira, como as a¸c˜oes virtuais s˜ ao compat´ıveis com a cinem´atica do corpo, as rea¸co˜es
de apoio n˜ao realizam trabalho.

2.6. Equil´
Ibrio de Part´
Iculas e Corpos R´
Igidos 2-14

Figura 2.15: Potˆencia das for¸cas internas.

Torna-se interessante interpretar fisicamente o princ´ıpio dos trabalhos virtuais, tomando-se o caso do
equil´ıbrio de uma part´ıcula. De acordo com a mecˆanica de Newton, no estado de equil´ıbrio, a resultante
das for¸cas, expressa como a soma das for¸cas externas e de rea¸c˜ao, agindo sobre qualquer part´ıcula do
sistema ´e nula. Como no equil´ıbrio, o princ´ıpio requer que o trabalho destas for¸cas seja nulo, verifica-se
que o trabalho virtual das for¸cas externas pode ser substitu´ıdo pelo trabalho virtual das for¸cas de rea¸c˜ao.
Logo, o PTV pode ser reformulado como o seguinte postulado: o trabalho virtual das for¸cas de rea¸ca ˜o ´e
sempre nulo para qualquer deslocamento virtual compat´ıvel com as restri¸c˜ oes cinem´ aticas.
Este postulado n˜ao ´e restrito a` est´atica, mas aplica-se igualmente a` dinˆamica, onde o PTV ´e ge-
neralizado por meio do princ´ıpio de d’Alembert. Como todos os outros princ´ıpios variacionais (Euler,
Lagrange, Jacobi, Hamilton) da mecˆanica anal´ıtica s˜ao formula¸c˜oes matem´aticas alternativas do princ´ıpio
de d’Alembert, o enunciado acima ´e o u ´nico postulado na mecˆanica anal´ıtica, sendo portanto de funda-
mental importˆancia.

Exemplo 2.1 Considere a alavanca articulada mostrada na Figura 2.16(a). Deseja-se determinar a
for¸ca exercida pela alavanca no bloco quando um certa for¸ca F ´e aplicada em C (supondo que n˜
ao h´
a
atrito) usando o conceito de trabalho virtual.

(a) Alavanca. (b) Diagrama de corpo livre.

Figura 2.16: Alavanca articulada com for¸ca F.

Objetivo:

2.6. Equil´
Ibrio de Part´
Iculas e Corpos R´
Igidos 2-15

1. Ilustrar a constru¸c˜ao do diagrama de corpo livre
2. An´alise das condi¸c˜oes de equil´ıbrio atrav´es da abordagem anal´ıtica.
Etapas:
1. Constru¸c˜ao do diagrama de corpo livre do sistema.
2. Assumir um deslocamento virtual (conveniente) compat´ıvel com os v´ınculos do sistema.
3. Escrever a express˜ao do trabalho virtual para o deslocamento assumido para o sistema.
4. Solu¸c˜ao das equa¸c˜oes.

Figura 2.17: Deslocamento virtual para o c´alculo de RBx .

Solu¸

ao:
1. Constru¸c˜ao do diagrama de corpo livre do sistema.
Neste diagrama, apresentam-se de forma idealizada as for¸cas externas e de rea¸ca
˜o presentes na
estrutura. O diagrama de corpo livre est´
a ilustrado na Figura 2.16(b).
2. Assumir um deslocamento virtual conveniente compat´ıvel com os v´ınculos do sistema
Considera-se, em primeiro lugar, um incremento δθ positivo do ˆ angulo θ, pois desta forma a ala-
vanca aplicar´
a uma for¸ca horizontal sobre o bloco (ver Figura 2.17). Em seguida, adotando um
sistema de coordenadas com origem em A, observam-se as varia¸co ˜es δxB e δyC respectivamente
nas dimens˜oes xB e yC . As rea¸co
˜es RAx , RAy e RBy n˜ ao realizar˜
ao trabalho durante o desloca-
mento virtual considerado, necessitando-se calcular somente o trabalho de F e RBx . Exprimindo
as coordenadas xB e yC em termos do a ˆngulo θ obt´em-se

xB = 2l sin θ, (2.12)
yC = l cos θ.

Ao se impor uma varia¸ca
˜o virtual δθ a partir da posi¸ca
˜o de equil´ıbrio inicial em θ, o ˆ
angulo final ser´
a
θ+δθ como indicado na Figura 2.17. Logo, as novas posi¸c˜ oes dos pontos B e C ser˜ ao respectivamente
(ver Figura 2.17)

xB + δxB = xB (θ + δθ) = 2l sin(θ + δθ), (2.13)
yC − δyC = yC (θ + δθ) = l cos(θ + δθ).

2.6. Equil´
Ibrio de Part´
Iculas e Corpos R´
Igidos 2-16

Expandindo sin(θ + δθ) e cos(θ + δθ) vem que

xB + δxB = 2l [sin θ cos δθ + cos θ sin δθ] ,
yC − δyC = l [cos θ cos δθ − sin θ sin δθ] .

Supondo que o incremento δθ ´e pequeno, tem-se que cos δθ ≈ 1 e sin δθ ≈ δθ. Logo

xB + δxB = 2l sin θ + 2l cos θ(δθ),
yC − δyC = l cos θ − l sin θ(δθ).

Substituindo (2.12), obt´em-se as express˜
oes finais para os incrementos virtuais δxB e δyC , ou seja,

δxB = 2l cos θ(δθ),
δyC = l sin θ(δθ).

Uma outra forma de se obter express˜ oes para δxB e δyC ´e empregando a s´erie de Taylor. Observa-
˜es xB e yC dos pontos B e C s˜
se que as posi¸co ao fun¸co
˜es do aˆngulo θ. Esta dependˆencia pode ser
indicada de forma expl´ıcita reescrevendo as rela¸co
˜es anteriores como

xB = xB (θ) = 2l sin θ,
yC = yC (θ) = l cos θ.

Dada uma fun¸ca
˜o f (y), lembre-se que a expans˜
ao em s´erie de Taylor em torno de x ´e dada por

f (y) = f (x) + f  (x) + (y − x) + f ”(x)(y − x) + · · · .

Expandindo sin(θ + δθ) e cos(θ + δθ) dados em (1.13) em s´erie de Taylor e desprezando os termos
a partir da derivada segunda vem que

sin(θ + δθ) = sin θ + cos θ(θ + δθ − θ) = sin θ + cos θ(δθ),
cos(θ + δθ) = cos θ − sin(θ + δθ − θ) = cos θ − sin θ(δθ).

Substituindo estas rela¸co
˜es em (2.13) vem que

xB + δxB = 2l sin θ + 2l cos θ(δθ) = xB + 2l cos θ(δθ) → δxB = 2l cos θ(δθ),
yC − δyC = l cos θ − l sin θ(δθ) = yC − l sin θ(δθ) → δyC = l sin θ(δθ).

Assim, observa-se que calcular as varia¸co
˜es virtuais δxB e δyC ´e an´
alogo ao c´
alculo dos diferenciais
de xB e yC . Por este motivo, muito autores definem um deslocamento virtual como um diferencial
de primeira ordem da posi¸ca
˜o. Mas um deslocamento virtual n˜ ao ´e necessariamente pequeno ou um
diferencial da posi¸ca
˜o.

2.6. Equil´
Ibrio de Part´
Iculas e Corpos R´
Igidos 2-17

3. Escrever a express˜ao do trabalho virtual para o deslocamento do sistema
Como RBx e δxB tˆem sentidos opostos, o trabalho virtual ´e negativo, ou seja, δTRBx = − (RBx ) δxB .
Como F e o incremento δyC tˆem mesmo sentido, seu trabalho virtual ´e δTF = F δyC . O trabalho
virtual total das for¸cas do sistema ´e ent˜
ao

δTe = δTRBx + δTF = −RBx δxB + F δyC = −2RBx l cos θδθ + F l sin θδθ.

Da Figura (1.18), ogtem-se as seguintes rela¸co
˜es

xB + δxB = 2l sin(θ + δθ),
yC + δyC = l cos(θ + δθ).

Expandindo sin(θ + δθ) e cos(θ + δθ) vem que

xB + δxB = 2l[sin θ cos δθ − cos θ sin δθ,
yC − δyC = l[cos θ cos δθ − sin θ sin δθ.

Supondo que o incremento δθ ´e pequeno tem-se que cos δθ ≈ 1 e sin δθ ≈ δθ. Logo, as express˜
oes
anteriores se simplificam como:

xB + δxB = 2l sin θ + 2l cos θδθ,
yC + δyC = l cos θ − l sin θδθ.

oes finais para os incrementos virtuais δxB e δyC , ou seja
Substituindo(1.12), obt´em-se as express˜

δxB = 2l cos θδθ,
δyC = l sin θδθ.

4. Solu¸c˜ao das equa¸c˜oes
Fazendo δTe = 0 (corpo em equil´ıbrio), obtem-se
1
2RBx l cos θδθ = F l sin θ → RBx = F tan θ.
2
Para calcular a rea¸ca
˜o de apoio RBy , basta impor um deslocamento virtual δyB na dire¸c˜ ao de
RBy , mantendo o ponto A fixo. O resultado deste deslocamento est´ a mostrado na Figura 2.18,
observando-se que o ponto C sofre um deslocamento δyC . Como as duas u´nicas for¸cas realizando
ao F e RBy , pelo PTV vem que
trabalho s˜

δTe = RBy δyB − F δyC = 0.

Assumindo que δyB e δyC s˜ ao pequenos, tem-se a partir da Figura 2.18, por semelhan¸ca de
δyC 1
angulos, que δyB = 2 . Portanto
triˆ

F
RBx = .
2
Logo, para calcular uma rea¸ca
˜o de apoio, imp˜
oe-se um deslocamento virtual na dire¸c˜
ao da rea¸ca
˜o.
O mesmo procedimento pode ser aplicado para a determina¸ca ˜o de RAx e RBx .


Como visto na se¸c˜ao anterior. uma part´ıcula est´a em equil´ıbrio se a resultante das for¸cas externas atuantes sobre a part´ıcula ´e zero.18: Deslocamento virtual para o c´alculo de rea¸ca˜o de apoio RBy . My = 0. Na formula¸c˜ao anal´ıtica. As condi¸c˜oes de equil´ıbrio de uma part´ıcula s˜ao usadas extensivamente na an´alise de treli¸cas pelo m´etodo dos n´os. Adotando um sistema de referˆencia cartesiano. F2 e F3 as for¸cas nos elementos de barra compartilhando o n´o A. Fy = 0 → P2 + F1 + F2 sin θ = 0. recuperando-se a partir da´ı a defini¸ca˜o cl´assica de for¸ca. y e z. F = 0. Fy = 0.15) Mx = 0. Corpos R´ıgidos Como j´a mencionado. considera-se a a¸c˜ao ou a cinem´atica que a part´ıcula pode estar submetida. Para um sistema cartesiano.3 Mecˆ anica Newtoniana Part´ıcula Na abordagem newtoniana. Fx = 0 → P1 + F2 cos θ + F3 = 0.  2. Equil´ Ibrio de Part´ Iculas e Corpos R´ Igidos 2-18 Figura 2. sendo constante a distˆancia entre as mesmas para qualquer a¸c˜ao de movimento. F = 0. as condi¸c˜oes de equil´ıbrio s˜ao obtidas impondo-se o equil´ıbrio de for¸cas e momentos nas dire¸c˜oes x. ou seja. .19 ilustra uma treli¸ca com cargas externas P1 e P2 sobre o n´o A sendo F1 . Segundo a abordagem vetorial. parte-se do conceito de for¸ca j´a definido a-priori. (2.2. Nesta forma.6. y e z s˜ao nulas. respectivamente.  x  y  z (2. Observa-se que esta mesma condi¸c˜ao foi obtida na mecˆanica anal´ıtica a partir da a¸c˜ao de movimento de uma part´ıcula e do conceito de potˆencia.6. tem-se que a condi¸c˜ao de equil´ıbrio F = 0 implica que a resultante das for¸cas externas nas dire¸c˜oes x. F = 0. Fz = 0. isola-se a part´ıcula e substitui-se todas as restri¸c˜oes por for¸cas. isto ´e F = 0 e M = 0. Mz = 0. as condi¸co˜es de equil´ıbrio de corpos r´ıgidos s˜ ao tais que as resultantes em termos de for¸cas externas F e momentos M sejam nulos. Logo. ou seja. a condi¸ca˜o de equil´ıbrio de uma part´ıcula ´e que a resultante F das for¸cas externas atuantes seja nula.14) A Figura 2. os corpos r´ıgidos s˜ao constitu´ıdos de infinitas part´ıculas. As condi¸c˜oes de equil´ıbrio desta part´ıcula s˜ao dadas por  1. Logo    Fx = 0.    F = 0. 2.

considera-se como defini¸ca˜o b´asica o conceito de for¸ca. Mz = 0. o que se observa ´e a a¸c˜ao de movimento e n˜ao for¸cas e momentos atuantes no ve´ıculo. J´a na mecˆanica newtoniana. ou seja.16) Figura 2. Neste sentido. Exemplo 2. . Exemplificar an´alise das condi¸c˜oes de equil´ıbrio pela abordagem newtoniana. Fy = 0. transla¸c˜oes em x e y e rota¸c˜ao segundo o eixo z. determinam-se os esfor¸cos externos compat´ıveis com a cinem´atica da part´ıcula e de corpo r´ıgido. a Figura 2.19: For¸cas sobre um ponto material. (2. as condi¸c˜oes de equil´ıbrio resumem-se em    Fx = 0.1 empregando a abordagem newtoniana.2. Objetivos: 1. supondo um ve´ıculo em movimento.2 Resolver o Exemplo 2. os conceitos de cinem´atica e de potˆencia s˜ao mais naturais (lembre-se dos exemplos do peso do objeto e da tens˜ao na correia). parte-se da a¸c˜ao de movimento e atrav´es do conceito de potˆencia. podendo serem observados nos sistemas mecˆanicos em geral. Assim. Observa-se novamente que estas condi¸co˜es de equil´ıbrio foram as mesmas obtidas atrav´es do PPV. A diferen¸ca b´asica ´e que na mecˆ anica anal´ıtica. (b) Equil´ıbrio de um n´ o.6.20: Movimentos de corpo r´ıgido num plano. Tomando-se um corpo plano. Equil´ Ibrio de Part´ Iculas e Corpos R´ Igidos 2-19 (a) Treli¸ca.20 apresenta os movimentos de corpo r´ıgido poss´ıveis. Neste caso. Figura 2.

Considerando a alavanca articulada como constitu´ıda de dois elementos de barra AC e BC. o n´umero de inc´ ognitas (RAx . deve-se ter uma condi¸ca ˜o auxiliar (em geral em termos da geometria ou deforma¸ca ˜o do componente) para se resolver o problema. obt´em-se. Solu¸ c˜ ao: 1. o fato do sistema ser hiperest´ atico n˜ ao constituiu uma dificuldade. ou seja. Constru¸c˜ao do diagrama de corpo livre do sistema. 2.  y iii) MzA = 0 → 2l sin θRBy − l sin θF = 0. Determina¸c˜ao das equa¸co˜es de equil´ıbrio do sistema.  x ii) F = 0 → RAy + RBy − F = 0. No caso da abordagem newtoniana.  i) F = 0 → RAx − RBx = 0.2. Ao se empregar a mecˆ anica anal´ıtica no exemplo 2. RAy . Observa-se que a alavanca constitui um sistema hiperest´ atico. RBx . respectivamente .16(b)).6. 3. RBy 3. Solu¸c˜ao das equa¸c˜oes e determina¸c˜ao das inc´ognitas Das equa¸co ˜es iii) e iv).1. ou seja. pode-se escrever as condi¸c˜ oes de equil´ıbrio da alavanca. Constru¸c˜ao do diagrama de corpo livre O diagrama de corpo livre foi constru´ıdo no exemplo anterior (ver Figura 2. 2. Equil´ Ibrio de Part´ Iculas e Corpos R´ Igidos 2-20 Etapas: 1. RBy ) ´e maior que o n´ umero de condi¸co ˜es de equilibrio. Solu¸c˜ao das equa¸c˜oes e determina¸c˜ao das inc´ognitas do problema. A partir da geometria do problema tem-se a rela¸ca ˜o RBx iv) tan θ = . Determina¸c˜ao das equa¸c˜oes de equil´ıbrio do sistema A partir do diagrama de corpo livre. tem-se apenas for¸cas axiais resultantes ao longo de AC e BC.

sendo RBx a inc´ ognita procurada. F F RBy = 2 e RBx = 2 tan θ . As demais rea¸co ˜es s˜ ao determinadas. a partir de RBy e RBx dados acima. Logo . empregando i) e ii).

F F RAx = 2 tan θ e RAy = 2 .  .

3) sin δθ − RBy (0. (a) Viga com carregamento.7. δTe = 0 → 200δθ + 100(0. 4)δθ = 0 → RBy = 670N. Figura 2. Desprezar o peso pr´ oprio da viga. 4) sin δθ. 2) sin δθ + 160(0. o PTV estabelece que o trabalho exercido pelas for¸cas externas ao sistema ´e zero. 2)δθ + 160(0. . Etapas: 1. entretanto.2.1 e 2. Escrever as express˜oes do trabalho para cada deslocamento virtual assumido. pode agir apenas na dire¸c˜ ao vertical porque a extremidade est´ a sobre um rolete.21: Exerc´ıcios resolvidos 2. 2. Para uma varia¸ca ˜o sin δθ ∼ ˜o pequena δθ. Construir o diagrama de corpo livre do sistema (ver Figura 2. tem-se a seguinte express˜ inc´ ao do trabalho na viga δTe = 200δθ + 100(0. Dessa forma.22(a). pode-se assumir a aproxima¸ca = δθ. 3)δθ − RBy (0. Determinar os deslocamentos virtuais convenientes.1 Calcular as rea¸co ˜es nos apoios da viga da Figura 2. Como a viga est´ a em equil´ıbrio.7 Exerc´ıcios Resolvidos Exerc´ıcio 2. obt´em-se um deslocamento virtual do ponto B na dire¸ca ˜o da ognita RBy .2. (b) Diagrama de corpo livre. 3) sin δθ − RBy (0. Considerando a varia¸c˜ ao angular δθ na posi¸c˜ ao original da viga em torno do ponto A. Exerc´ Icios Resolvidos 2-21 2. 2) sin δθ + 160(0.21(b)). ou seja. como mostrado na Figura 2. Solu¸ c˜ ao: • Determina¸ca ˜o de RBy Em A. A rea¸ca ˜o em B. 3. tem-se duas componentes de rea¸c˜ ao desconhecidas. j´a que a extremidade ´e articulada num pino. 4) sin δθ = 0.21(a) usando o princ´ıpio dos trabalhos virtuais. Objetivo: 1. Exemplificar a aplica¸c˜ao do princ´ıpio dos trabalhos virtuais na determina¸ca˜o das rea¸c˜oes nos apoios de uma viga. Portanto 200δθ + 100(0.

Figura 2. 1)δθ = 0 → RAy = −410N. . 2) sin δθ + 160(0. como mostrado na Figura 2. (b) Na dire¸c˜ ao de RAy .  Exerc´ıcio 2. Exerc´ Icios Resolvidos 2-22 (a) Na dire¸c˜ ao de RBy . 2)δθ + 160(0. Novamente. obt´em-se um deslo- camento do ponto A na dire¸ca ˜o da inc´ognita RAy .7.1: deslocamentos virtuais. Dessa forma.22: Exerc´ıcio resolvido 2. 1) sin δθ. assume-se um deslocamento horizontal δx na dire¸c˜ao x. Neste caso. 4)δθ − 200δθ + 100(0. a express˜ ao do trabalho sobre a viga ´e a seguinte δTe = RAx δx = 0 → RAx = 0. • Determina¸ca ˜o de RAx Figura 2. Logo −RAy (0. • Determina¸ca ˜o de RAy De maneira an´ aloga. 4) sin δθ − 200δθ + 100(0. Ilustrar a constru¸c˜ao do diagrama de corpo livre.1: deslocamento virtual na dire¸c˜ao de RAx .23: Exerc´ıcio resolvido 2. para uma varia¸ca ˜o sin δθ ∼ ˜o δθ pequena pode-se assumir a aproxima¸ca = δθ. considerando um deslocamento angular em torno de B.23.2. Escrevendo a express˜ ao do trabalho das for¸cas externas sobre a viga tem-se δTe = −RAy (0.22(b). de acordo com a Figura 2. Objetivos: 1.2 Resolver o exerc´ıcio anterior empregando a mecˆ anica newtoniana.

4.21(b). Exemplificar an´alise das condi¸co˜es de equil´ıbrio pela abordagem newtoniana. Pode-se verificar se as rea¸co ˜es anteriores. 4) = 0 → RBy = 670N. est˜ ao corretas tomando-se por exemplo a somat´ oria das for¸cas em y. Figura 2.3 Determinar as rea¸c˜ oes da viga mostrada na Figura 2. 2. Etapas: 1. 4) − 200 + 100(0. Solu¸c˜ ao: O diagrama de corpo livre ´e mostrado na Figura 2.  x M =0: −200 − 100(0. (b) Diagrama de corpo livre. Exemplificar a aplica¸c˜ao do princ´ıpio dos trabalhos virtuais na determina¸ca˜o das rea¸c˜oes nos apoios de uma viga. 2) + 160(0. Objetivo: 1. 3) + RBy (0. Determina¸c˜ao das equa¸c˜oes de equil´ıbrio do sistema. Exerc´ Icios Resolvidos 2-23 2. 1) = 0 → RAy = −410N.  zA MzB = 0 : −RAy (0. Etapas: . Solu¸c˜ao das equa¸co˜es e determina¸c˜ao das inc´ognitas do problema. 2) − 160(0. ou seja  Fy = 0 : 670 − 410 − 100 − 160 = 0.3 e 2. Constru¸c˜ao do diagrama de corpo livre do sistema.2.7.24: Exerc´ıcios resolvidos 2. 3.24(a) atrav´es do princ´ıpio dos tra- balhos virtuais.  Exerc´ıcio 2. A partir do diagrama de corpo livre . pode-se escrever as condi¸co ˜es de equil´ıbrio do sistema  F =0: RAx = 0. (a) Viga com carregamento.

sendo δα pequeno.3.7. Escrever as express˜oes do trabalho para cada deslocamento virtual assumido. Construir o diagrama de corpo livre do sistema (Figura 2. Por sua vez. yC = 2 sin α. A partir da Figura 2. (c) Rela¸c˜ ao entre os deslocamentos dos pontos B e C. Exerc´ Icios Resolvidos 2-24 1. As coordenadas yB e yC dos pontos B e C s˜ao expressas por yB = 5 sin α. tem-se as seguintes rela¸co sin δα ≈ δα) yB + δyB = 5 sin(α + δα) = 5[sin α cos δα + cos α sin δα] = 5 sin α + 5 cos αδα → δyB = 5 cos αδα. Solu¸ c˜ ao: • Determina¸ca ˜o de RBy Considere o diagrama de corpo livre mostrado na Figura 2. 3.24(b)). os deslocamentos virtuais δyB e δyC ser˜ ao tamb´em pequenos. Figura 2.24(b) e o deslocamento virtual ilustrado na Figura 2. ˆ (b) Angulo α e sua varia¸c˜ ao δα. observa-se que os deslocamentos dos pontos B e C tˆem a seguinte rela¸ca ˜o δyC 2 = . Determinar os deslocamentos virtuais convenientes. 2.25(a).25(c).2. yC + δyC = 2 sin(α + δα) = 2[sin α cos δα + cos α sin δα] = 2 sin α + 2 cos αδα → δyC = 2 cos αδα.25(b). (a) Deslocamento na dire¸c˜ ao de RBy . ˜es. assumindo δα pequeno (cos δα ≈ 1 e A partir da Figura 2. δyB 5 .25: Exerc´ıcio resolvido 2.

(a) Deslocamento na dire¸c˜ ao de RAy . .2.26: Exerc´ıcio resolvido 2. de acordo com a Figura 2. obt´em-se as varia¸co δyA = 5δα.3. Figura 2. a rela¸c˜ ao entre os deslocamentos virtuais dos pontos A e C s˜ ao dados por 3 3 δyC = δyA = (5δα) = 3δα. yB = 3 sin α De forma an´ ˜es δyA e δyB . 5 5 A express˜ ao do trabalho sobre o corpo para o deslocamento virtual dado ´e calculado como δTe = 15δyC − RAy δyA = 15(3δα) − RAy (5δα) = 0 → RAy = 9KN. ou seja aloga ao ´ıtem anterior. Logo δyC δTe = 15δyC − RBy δyB = 0 → RBy = 15 = 6KN. (c) Rela¸c˜ ao entre os deslocamentos dos pontos A e C. Como mostrado na Figura 2.26(b). ser˜ao dadas por yA = 5 sin α.7. (b) Rota¸c˜ ao em torno de B. O princ´ıpio dos trabalhos virtuais estabelece que δTe ´e nulo.26(c). adota-se o deslocamento virtual mostrado na Figura 2. δyB = 3δα.26(a). Exerc´ Icios Resolvidos 2-25 O trabalho exercido sobre a viga no deslocamento virtual assumido ´e dado por δTe = 15δyC − RBy δyB . As coordenadas yA e yB dos pontos A e B. δyB • Determina¸ca ˜o de RAy Para determinar RAy . se o corpo est´ a em equil´ıbrio.

2. tem-se a seguinte express˜ ao do trabalho virtual Te = RAx δxA = 0 → RAx = 0. Constru¸ca˜o do diagrama de corpo livre do sistema. Determina¸ca˜o das equa¸c˜oes de equil´ıbrio do sistema.  zA MzB = 0 : −RAy (5) + 15 (3) = 0 → RAy = 9KN.7. Solu¸ c˜ ao:  F =0: RAx = 0. 3. n˜ ao sendo poss´ıvel obter os valores das inc´ ognitas apenas com esta condi¸ca ˜o de equil´ıbrio. Objetivos: 1. Empregam-se duas condi¸c˜ oes de equilibrio em termo de momentos. Solu¸ca˜o das equa¸c˜oes e determina¸c˜ao das inc´ognitas do problema. 2.27: Exerc´ıcio resolvido 2.  x M =0: 15 (2) − RBy (5) = 0 → RBy = 6KN. Figura 2. para possibilitar o c´ alculo direto  ˜es RAy e RBy . Etapas: 1.3: deslocamento virtual na dire¸c˜ao de RAx .  Verifica¸c˜ao: Fy = 0 : −6 − 9 + 15 = 0  .  Exerc´ıcio 2. Exemplificar a an´alise das condi¸c˜oes de equil´ıbrio pela abordagem newtoniana.27.Caso se empregasse a condi¸ca das rea¸co ˜o Fy = 0 teria sido obtido −RAy − RBy + 15 = 0.24(a) usando as equa¸co ˜es de equil´ıbrio de Newton.4 Determinar as rea¸co ˜es da viga da Figura 2. Exerc´ Icios Resolvidos 2-26 • Determina¸ca ˜o de RAx Para o deslocamento δx na dire¸ca ˜o x. mostrado na Figura 2.

Determinar os deslocamentos virtuais convenientes.7.5 e 2. 3. Exerc´ Icios Resolvidos 2-27 Exerc´ıcio 2.. Escrever as express˜oes do trabalho para cada deslocamento virtual assumido. (a) Na dire¸c˜ ao RBy . Construir o diagrama de corpo livre do sistema. 2.29: Exerc´ıcio 2.6.2.5: deslocamentos virtuais. Exemplificar a aplica¸c˜ao do princ´ıpio dos trabalhos virtuais na determina¸ca˜o das rea¸co˜es nos apoios de uma viga. Solu¸ c˜ ao: . (b) Na dire¸c˜ ao RAy .28(a) usando o princ´ıpio dos trabalhos virtuais. Figura 2.5 Determinar as rea¸co ˜es nos apoios da viga mostrada na Figura 2. (a) Viga com carregamento.28: Exerc´ıcios resolvidos 2. (b) Diagrama de corpo livre. Figura 2. Etapas: 1. Objetivo: 1.

tem-se os seguintes deslocamentos virtuais dos pontos A e C δyA = 12 sin δθ ≈ 12δθ. J´ a em B. δTe = RAx (δx) − 3(δx) − RBx (δx) = 0 → RAx = 4t. Exerc´ Icios Resolvidos 2-28 Figura 2. Portanto.29(b). • Determina¸ca ˜o de RAx De acordo com o deslocamento mostrada na Figura 2. tem-se a seguinte express˜ ao do trabalho virtual. Como o deslizante em B est´ • Determina¸ca ˜o de RAy De acordo com a Figura 2. substitui-se a for¸ca inclinada de 5t pelas duas componentes mostradas. a rea¸ca˜o RB ´e normal ao pla- no do suporte e constitui uma inc´ ´ ognita.5: deslocamento virtual na dire¸c˜ao de RAx . s˜ ao numericamente iguais.28 usando as equa¸co ˜es de equil´ıbrio de Newton. Objetivos: .30: Exerc´ıcio resolvido 2. E conveniente substituir essa for¸ca pelas duas componen- tes RBy e RBx . em particular. Analogamente. Os deslocamentos dos pontos B e C para um deslocamento virtual angular pequeno δθ s˜ ao respecti- vamente (ver Figura 1.2.  Exerc´ıcio 2.7. δyC = 9 sin δθ ≈ 9δθ. RBx = 1t. δyC = 3 sin δθ ≈ 3δθ. δTe = −4(3δθ) + RBy (12δθ) = 0 → RBy = 1t a inclinado a 45o . δyB = 12 sin δθ ≈ 12δθ. tem-se que |RBx | = |RBy |. A express˜ ao do trabalho virual ´e ent˜ ao dada por. Escrevendo a express˜ ao do trabalho virtual δTe = −4(9δθ) + RAy (12δθ) = 0 → RAy = 3t.30.30(a)). • Determina¸ca ˜o de RBx e RBy Em A existem duas componentes desconhecidas RAx e RAy . as quais nesse problema.6 Determinar as rea¸co ˜es da viga da Figura 2.

empregando as condi¸co˜es de equil´ıbrio de Newton e o princ´ıpio dos trabalhos virtuais. .  zA M =0: −RAy (12) + 4(9) = 0 → RAy = 3t.   1 1 √ RA = 42 + 32 2 = 5t RB = (12 + 12 ) 2 = 2t. Exemplificar an´alise das condi¸co˜es de equil´ıbrio pela abordagem newtoniana. Os m´ ˜es RA e RB s˜ odulos das rea¸co ao determinados.  Verifica¸ c˜ ao: Fy = 0 :→ 3 − 4 + 1 = 0.31: Exerc´ıcios propostos.  zB Fx = 0 : RAx − RBy − 3 = 0 → RAx = 4t. Determina¸c˜ao das equa¸c˜oes de equil´ıbrio do sistema. 3. 2. Constru¸c˜ao do diagrama de corpo livre do sistema. Etapas: 1. centrados. Solu¸c˜ao das equa¸co˜es e determina¸c˜ao das inc´ognitas do problema. (d) Viga com carga distribu´ıda. respectivamente.  (a) Viga com momento (b) Viga com carregamen. Figura 2. 2.2.31. (c) Viga com carregamentos con- concentrado.8 Exerc´ıcios Propostos Determinar as rea¸co˜es de apoio para as vigas ilustradas na Figura 2.8. como. to concentrado. Solu¸ c˜ ao: As condi¸co ˜es de equil´ıbrio s˜ ao as seguintes:  M =0: 4(3) − RBy (12) = 0 → RBy = 1t → RBx = 1t. Exerc´ Icios Propostos 2-29 1.

as a¸c˜oes que n˜ao causam deforma¸c˜oes. obt´em-se o subconjunto das a¸c˜oes r´ıgidas de movimento. Componentes de deforma¸ c˜ ao: a partir da cinem´atica. dentre outros. Define-se ent˜ao o operador D. Al´em disso. o qual ´e aplicado sobre as a¸c˜oes de movimento para determinar as componentes de deforma¸ca˜o. as a¸c˜oes de movimento devem satisfazer certas res- tri¸c˜oes cinem´ aticas representadas pelas condi¸c˜oes de contorno impostas ao problema. Este modelo cinem´atico constitui o espa¸co V das a¸co˜es de movimento poss´ıveis. 3. rela¸c˜oes constitutivas. Em geral. condi¸c˜oes de contorno e iniciais.1 e 3. Caracteriza¸ c˜ ao dos movimentos r´ıgidos: conhecidas as a¸c˜oes de movimento e as componentes de deforma¸c˜ao. ou seja. 2. permitindo obter solu¸co˜es aproximadas muitas vezes de f´acil implementa¸ca˜o computacional. determina-se o subconjunto Kinv de V das a¸co˜es de movimento cinematicamente admiss´ıveis. esta abordagem induz. Defini¸ c˜ ao das hip´ oteses cinem´ aticas: neste caso. O uso de uma formula¸c˜ao variacional permite representar numa u ´nica express˜ao integral todos os elementos relevantes ao problema em estudo tais como equa¸c˜oes de equil´ıbrio. para se formular os problemas de mecˆanica a partir da abordagem variacional. De maneira geral. as condi¸c˜oes poss´ıveis que respeitam os v´ınculos f´ısicos do problema. obt´em-se a deforma¸c˜ao compat´ıvel com o modelo cinem´atico adotado. . As a¸c˜oes de movimen- to s˜ao descritas por campos escalares de deslocamento u ou velocidade v ou campos vetoriais de deslocamento u ou de velocidade v. Isto se deve ao fato que a formula¸c˜ao variacional ´e a maneira mais natural e rigorosa de denotar as leis que governam o comportamento dos meios cont´ınuos. ou seja. Estas componentes de deforma¸c˜ao constituem o espa¸co W das componentes de deforma¸c˜ao. geralmente expressas como equa¸c˜oes diferenciais.2.1 Introdu¸c˜ ao Os m´etodos e os princ´ıpios variacionais s˜ao importantes tanto na mecˆanica te´orica como aplicada. tamb´em de maneira natural. Observa-se ainda que as formas locais dos problemas. adotam-se as seguintes etapas ilustradas esquematicamente nas Figuras 3. podem ser obtidas diretamente a partir da pr´opria formula¸c˜ao variacional. 1. Dessa forma. Este subconjunto de V ser´a denotado por N (D). define-se o conjunto de a¸c˜oes de movimento poss´ıveis a`s quais o corpo pode estar submetido. 3-1 Cap´ıtulo 3 FORMULAC ˜ VARIACIONAL DE ¸ AO ˆ PROBLEMAS DE MECANICA 3. o m´etodo de solu¸ca˜o e sua aproxima¸c˜ao.

5. ´e poss´ıvel caracterizar os esfor¸cos externos presentes no problema considerado. no caso de um material el´ astico.1. dentre outros. Caracteriza¸ ca˜o dos esfor¸ cos externos: a partir do PPV e do conceito de potˆencia externa. al´em do Princ´ıpio das Potˆencias Virtuais. . Aplica¸ ca ˜o do Princ´ıpio da Potˆ encia Virtual (PPV): com este pr´ıncipio. A potˆencia interna relaciona os espa¸cos de taxas de deforma¸ca˜o W e de esfor¸cos internos W  . relacionada principalmente com problemas estruturais. Transferˆencia de Calor. etc. Desta forma.3. ser˜ao definidos posteriormente ao longo deste texto. Express˜ ao para a potˆ encia interna: no caso de corpos deform´aveis. 4. utiliza-se o conceito de potˆencia interna para se conhecer o estado dos esfor¸cos internos.1: Formula¸c˜ao variacional de problemas de mecˆanica. Dinˆamica. permitindo obter. tais como deforma¸ca˜o. tensores. relacionam-se as potˆencias interna e externa para uma a¸c˜ao de movimento virtual determinando uma express˜ao integral para o problema. V´arios dos conceitos abordados a seguir. relacionam-se os espa¸cos das a¸c˜oes de movimento V e dos esfor¸cos externos V  . 7. Antes de aplicar os passos anteriores para a formula¸c˜ao do problema de barra. as quais constituem a solu¸c˜ao do enunciado integral do problema. apresentam-se as defini¸c˜oes dos conceitos de potˆencia externa e interna. Aplica¸ c˜ ao das equa¸ c˜ oes constitutivas: tomando-se as equa¸co˜es constitutivas. Determinam-se ainda as equa¸co˜es locais. tem-se uma re- la¸ca˜o entre tens˜oes e deforma¸c˜oes. caracterizando o operador D∗ e as condi¸co˜es de equil´ıbrio para as a¸c˜oes r´ıgidas. Introdu¸ c˜ ao 3-2 Figura 3. Deve-se observar que com exce¸c˜ao da terminologia usada acima. tais como Mecˆanica de Fluidos. tens˜ao. 6. a mesma abordagem variacional pode ser utilizada em diferentes campos da mecˆanica. as equa¸co˜es do problema em termos de deslocamentos.

compat´ıveis com a cinem´atica descrita por v. uma das maiores dificuldades encontradas ao longo da hist´oria da mecˆanica foi definir um modelo mecˆanico-matem´atico adequado para representar as a¸c˜oes entre corpos. o conceito de for¸ca surge como um conceito pr´e-definido. 3. Atrav´es do conceito de potˆencia externa Pe . s˜ao vetores de for¸cas resultantes F (ver Se¸c˜ao ??).2). para se conhecer o peso de um objeto. Desta maneira. definitivamente consagrados por D ’Alembert. o efeito ´e introduzir um movimento virtual. Logo. levanta-se o mesmo ligeiramente e determina-se o seu peso pela potˆencia ou trabalho realizado para executar esta a¸c˜ao de movimento (ver Figura 2.2: Espa¸cos V. Uma maneira empregada com ˆexito ´e representar a a¸c˜ao atrav´es de vetores de for¸ca ou campos vetoriais de for¸cas.2).2 Potˆ encia Externa Como mencinado anteriormente. a potˆencia externa ´e dada pelo produto escalar de . Esta forma de esquematizar as for¸cas atuando sobre um corpo ´e mais natural expressando uma experiˆencia f´ısica muito comum. Nos casos de part´ıcula e de corpo r´ıgido. Conforme visto no Cap´ıtulo 2. W e W  e as potˆencias externa e interna associadas. ´e t˜ao antiga como a pr´opria mecˆanica. Por exemplo. V  . existe uma outra maneira de representar o conceito de a¸c˜ao entre corpos. Neste caso. apesar do ineg´avel ˆexito desta esquematiza¸c˜ao. Os esfor¸cos externos s˜ao resultantes em termos de for¸ca F e momento M (ver Se¸c˜ao ??). Esta dualidade ´e colocada partindo-se do conceito de potˆencia ou trabalho virtual externos.3. Esta segunda abordagem. Observa-se que a partir dos primeiros passos objetivando alcan¸car uma estrutura matem´ atica precisa para a mecˆanica. Potˆ encia Externa 3-3 Figura 3. denominada anal´ıtica ou variacional. o conceito de potˆencia surgiu como algo b´asico e fundamental. aparentemente mais abstrata. determinou-se que os esfor¸cos externos. como ilustrado no Cap´ıtulo 2. as a¸c˜oes de movimento de uma part´ıcula s˜ao descritas por um vetor velocidade v (ver Figura 2. mas atrav´es de um elemento em dualidade a uma determinada a¸c˜ao de movimento. retirando o objeto do seu estado de movimento natural em que se encontrava. mas que traduz a experiˆencia concreta di´aria. as a¸c˜oes de movimento de corpo r´ıgido s˜ ao tamb´em dadas por vetores velocidade v segundo a equa¸c˜ao (??). No entanto.2. no caso o repouso. sendo este esquema denominado abordagem vetorial ou newtoniana. Bernoulli (1717). Analogamente. destacam-se os trabalhos pioneiros de J. Neste sentido. a a¸c˜ao ou for¸ca que um sistema exerce sobre outro n˜ao surge como conceito inicial. sendo totalmente independente da cinem´atica adotada para modelar o problema.

3: Modelo unidimensional de viga. Considere agora a viga da Figura 3. Assim. L). Potˆ encia Externa 3-4 vetores.3(a). a a¸ca˜o de movimento ´e descrita por uma fun¸c˜ao escalar cont´ınua v(x). (3. como a potˆencia externa associa `a cinem´atica adotada com os esfor¸cos externos compat´ıveis. Logo. Portanto. representando o carregamento externo compat´ıvel com v(x). O fato de ser escalar implica que v(x) fornece um n´ umero real para cada valor de x. A Figura 3. o produto escalar de vetores ´e um caso particular do conceito mais geral de produto interno aplicado a vetores cartesianos. Entretanto. Logo.3. q(x) = qo para todo x ∈ (0. Como discutido no Cap´ıtulo 2 para os casos de part´ıculas e corpos r´ıgidos.1) ´e o produto interno da fun¸c˜ao v(x). como por exemplo a viga ilustrada na Figura 3. no caso da viga. devido ao engaste na extremidade x = 0.3(a) submetida ao carregamento distribu´ıdo uniforme qo . para qualquer se¸ca˜o x ao longo do comprimento L da viga. ´e totalmente natural falar do produto interno de fun¸co˜es cont´ınuas como q(x) e v(x). 0 . a potˆencia externa no caso da viga ´e dada por  L Pe = q(x)v(x)dx. neste exemplo. Portanto. Como a potˆencia ´e um funcional linear das a¸c˜oes de movimento (neste caso a fun¸ca˜o v(x)). Em particular para a viga da Figura 3. transla¸co˜es em x e y e rota¸c˜ao em z) est˜ao impedidos. Figura 3. Al´em disso.3.1) ´e um n´ umero escalar correspondente `a potˆencia externa Pe associada `a a¸ca˜o de movimento v(x). a express˜ao (3. ou seja.3(b) ilustra a viga na sua configura¸c˜ao deformada. pela fun¸c˜ao q(x). a qual fornece a velocidade (taxa de varia¸c˜ao do deslocamento) vertical para cada se¸ca˜o transversal x da viga.1) 0 Como mencionado no Apˆendice B. o carregamento aplicado ´e uma carga distribu´ıda constante qo . (a) Viga unidimensional com carregamento (b) A¸c˜ao de movimento descrita pela distribui´ıdo.2. estes esfor¸cos devem tamb´em ser dados por uma fun¸ca˜o cont´ınua q(x). As mesmas propriedades da potˆencia externa j´a apresentadas no Cap´ıtulo 2 s˜ao v´alidas para o caso de corpos deform´aveis. a viga ir´a se deformar. O resultado da integral em (3. descrevendo a cinem´atica de deforma¸c˜ao da viga. fun¸c˜ ao escalar v(x). Como todos os movimentos de corpo r´ıgido da viga (neste caso. pode-se dizer que a potˆencia externa Pe dada em (3. o conceito de potˆencia externa permite associar os esfor¸cos externos compat´ıveis com a cinem´atica adotada para descrever as a¸co˜es de movimento. uma opera¸c˜ao linear que aplicada ao produto de duas fun¸c˜oes q(x) e v(x) resulta num escalar ´e uma integral ao longo do comprimento L da viga. Tomando-se este conceito geral. Logo. Esta configura¸c˜ao ´e descrita por uma fun¸c˜ao v(x). a a¸ca˜o de movimento ´e descrita por uma fun¸c˜ao cont´ınua v(x).1) se reduz a  L Pe = qo v(x)dx. a potˆencia externa varia linearmente com a¸c˜ao de movimento (ver Se¸c˜ao ??).

4: Modelo bidimensional de viga. Ap´os a integral ao longo do comprimento L da viga. tem-se um problema de estado plano de tens˜ao para a viga. indicando um resultado em termos de potˆencia. (3. y) = . denota-se b(x. Observa-se que a integral em (3. y) v(x.3. pois tem-se um modelo unidimensional de viga. a posi¸c˜ao de cada ponto P da viga ´e descrita pelo par de coordenadas cartesianas (x. fornecendo como N resultado um escalar representando a potˆencia externa. (a) Viga bidimensional com carrega. a potˆencia Pe estar´a dada em W atts = N . m m s m Logo. y)v2 (x.3) b2 (x.2) v2 (x. q(x) dado em s (3. obt´em-se m como unidades N = W atts. Diz-se que v(x. y) e v(x. (b) A¸c˜ao de movimento descrita pe- mento distribui´ıdo. y)] dA. y) b(x. y) s˜ao for¸cas distribu´ıdas ao longo da superf´ıcie da viga e denotadas pela fun¸c˜ao vetorial b(x. y). potˆencia por unidade de comprimento da viga. Neste caso. Portanto. y)v1 (x. (3.2. y)v(x. Empregando-se a hip´otese que a varia¸c˜ao dos esfor¸cos internos ao longo da se¸c˜ao transversal da viga ´e desprez´ıvel.1) ´e dada ao longo do comprimento. y) Neste modelo bidimensional. ou seja. pois a viga ´e formulada atrav´es de um modelo unidimensional. y). y) vetorialmente como   b1 (x. conforme ilustrado na Figura 3. Logo. Figura 3. Da mesma forma. y)dA = [b1 (x. v(x.3 como um problema plano. y) ´e uma fun¸c˜ao vetorial. y) e velocidade por uma fun¸c˜ao vetorial de duas vari´aveis v(x. y) + b2 (x. y) ao longo das dire¸co˜es de x e y. y) s˜ao do tipo 2 . Da mesma maneira. y).1) representa na verdade uma densidade de for¸ca por unidade de comprimento. (3. y) Logo. o integrando q(x)v(x) representa na verdade uma densidade de potˆencia externa. la fun¸c˜ ao vetorial v(x.1). y) = . fazendo com que o integrando q(x)v(x) tenha como unidades = . a a¸c˜ao de movimento ´e dada por uma fun¸c˜ao v(x) dependente apenas de x. Pode-se modelar a viga da Figura 3. Logo. Assim. q(x) ter´a que ser expresso s s N 1 Nm W atts necessariamente em . a potˆencia externa ser´a dada pela seguinte integral ao longo da ´area A da superf´ıcie da viga   Pe = bT (x. suponha que a unidade da velocidade v(x) m m seja . conforme ser´a visto ao se formular o problema de viga em flex˜ao. Esta densidade indica exatamente a carga distribu´ıda na viga.4. Potˆ encia Externa 3-5 Fazendo-se uma an´alise dimensional da express˜ao (3.4) A A A express˜ ao anterior representa o produto internos entre as fun¸c˜oes b(x. y) pode ser denotado vetorialmente como   v1 (x. y). pois para cada ponto P com coordenadas (x. isto ´e. y). As unidades de b(x. como ser´a visto posteriormente. y) e v2 (x. tem-se um vetor v com as componentes de velocidade v1 (x. os esfor¸cos externos compat´ıveis com a cinem´atica v(x. m .

z). ap´os a integra¸c˜ao na a´rea A.4(a) ´e tratada como uma condi¸c˜ao de contorno. y. z). y. z). y. Assim. Logo. z) e v3 (x. Figura 3. tem-se uma fun¸ca˜o vetorial v = v(x. y e z s˜ao denotadas. v(x. y. (3. y.2. y. y. y. ou seja. respectivamente. y. Em termos de componentes. z)v1 (x. (3. Estas for¸cas de volume ou de corpo s˜ao indicadas por uma fun¸ca˜o vetorial b(x.7) V V . y.5: Modelo tridimensional de viga. y.5(a).(3. y. y. z). z) como     v1 (x. z) ´e dado por     b1 (x. y.4. y. ou seja. z).3. z) = v (x. no qual a cinem´atica era descrita por uma fun¸c˜ao escalar v(x). y. pois a viga agora ´e considerada como um corpo s´olido . por v1 (x. as for¸cas externas compat´ıveis com a cinem´atica dada por v(x. cada ponto P ´e descrito por suas coordenadas cartesianas (x. y. tem-se um vetor v descrevendo a velocidade do ponto durante a a¸c˜ao de movimen- to da viga. mas tratada como um corpo s´olido tridimensio- nal. Considere agora a mesma viga das Figuras 3. (a) Viga tridimensional com carregamento distri. y) ilustrada na Figura 3. z). z) . conforme ilustrado na Figura 3. y. y. z) + b3 (x. y. v2 (x. y. y. y. z) de um ponto. Potˆ encia Externa 3-6 representa uma densidade de for¸ca por unidade de ´area.3 e 3. o m s m2 integrando fornece a potˆencia externa Pe . ou seja. ou seja. z) s˜ao for¸cas distribu´ıdas. o integrando bT (x.5)   v (x. a a¸c˜ao de movimento de cada ponto ´e dada por um vetor velo- cidade v(x. mas sim ao longo de seu volume. y. y. Em termos de componente b(x. z)v2 (x. z)   3 De forma an´aloga ao modelo bidimensional de viga. z) = b2 (x.   T Pe = b (x. z) e possui unidades como N/m3 . y)v(x. potˆencia por unidade de ´area. no modelo tridimensional a a¸c˜ao de movimento ´e dada por uma fun¸ca˜o vetorial v(x. z)] dV. denota-se v(x. y. z)v3 (x. z)   b(x. Consequentemente. z)   3 A potˆencia externa Pe ser´a ent˜ao dada por uma integral ao longo do volume V do corpo. (b) A¸c˜ao de movimento descrita pela fun¸ca ˜o vetorial bui´ıdo. y) ter´a unidades N m W atts como 2 = . z)dV = [b1 (x.6)   b (x. z) + b2 (x. z) 2 . Neste modelo. z)v(x. n˜ao mais ao longo da a´rea ou comprimento da viga. Logo. indicam uma densidade de for¸cas por unidade de volume. Observa-se que a carga distribu´ıda q(x. y. As componentes de v nas dire¸c˜oes x. ao substituir as coordenadas (x. z). O problema de estado plano de tens˜ao ser´a estudado em detalhes posteriormente. Ao contr´ ario do modelo unidimensional. y. y. z)   v(x.

6. Portanto. Um exemplo deste fato ´e a correia de um motor dado na Figura 2. denotado por V  . fun¸c˜oes escalares (carga distribu´ıda q(x)) e fun¸c˜oes vetoriais (cargas de corpo b(x.3. Logo.3. Assim. Como a natureza dos elementos em V e V  depende do problema em estudo. denota-se a potˆencia externa Pe da seguinte forma geral Pe = f. respectivamente.9) sendo f ∈ V  o sistema de for¸cas atuando sobre o corpo Bt no instante de tempo t e v ∈ V ´e a a¸ca˜o de movimento. fun¸co˜es escalares v(x) e vetoriais v(x. corpo r´ıgido e os modelos uni. a potˆencia externa Pe pode ser denotada como uma integral de uma densidade de potˆencia externa pe ao longo do corpo Bt no instante de tempo t  Pe = pe dBt . tem-se uma potˆencia externa associada. y) e b(x. v . Para o caso da viga. (3. 3. a potˆencia ´e um funcional linear dos elementos de V. devido `as a¸co˜es de movimento de um corpo. y. observa-se que os esfor¸cos externos q(x). Os espa¸cos V e V  e o subconjunto Kinv est˜ao ilustrados na parte superior da Figura 3. (3. Estas a¸c˜oes de movimento pertencem a V e s˜ao dx denominadas a¸c˜oes de movimentos cinematicamente admiss´ıveis. O conjunto dos esfor¸cos externos compat´ıveis cinematicamente para um dado problema ´e o espa¸co vetorial de esfor¸cos externos. .8) Bt Os elementos do espa¸co V  devem ser compat´ıveis com as a¸co˜es de movimento em V. z). b(x. V  ´e definido como o conjunto de todos os funcionais lineares e cont´ınuos em V. Formalmente. y. z) representam. y) e v(x. diz-se que V  ´e o espa¸co dual de V. Potˆ encia Interna 3-7 Tomando-se os exemplos de part´ıcula.3 Potˆ encia Interna Como apresentado na se¸c˜ao anterior. y. de ´area e de volume. O conjunto de todas as a¸c˜oes de movimento de um certo problema constitui-se num es- pa¸co vetorial (ver defini¸c˜ao no Apˆendice B) denotado por V e denominado espa¸co vetorial das a¸c˜oes de movimento poss´ıveis. Deve-se realizar uma a¸ca˜o que deforma a correia para avaliar se a mesma est´a ou n˜ao tensionada.1. z)). Novamente. observa-se que as a¸c˜oes de movimento podem ser descritas por vetores alg´ebricos v. O conjuntos de todas estas a¸c˜oes define o subconjunto Kinv de V. bi e tridimensional de viga. Observa-se que f ´e caracterizado pela potˆencia externa Pe para cada a¸ca˜o de movimento v ∈ V. Uma a¸c˜ao de deslocamento r´ıgido n˜ao permite avaliar a tens˜ao na correia. tem-se que o deslocamento na dire¸c˜ao y e a rota¸c˜ao dv(0) em z devem ser nulos. Como explicado na Se¸c˜ao 2. densidades de for¸ca por unidade de comprimento. a natureza dos esfor¸cos externos depende do problema considerado ou mais especificamen- te da cinem´atica adotada para o problema em estudo. nenhuma resposta ser´a obtida sobre o estado interno dado pelas for¸cas de liga¸co˜es entre as part´ıculas do corpo. ou seja. uma a¸c˜ao n˜ao produzindo deforma¸c˜ao no corpo em an´alise. Por exemplo. Al´em disso. a natureza das a¸c˜oes de movimento depende do problema considerado. se for realizada uma a¸ca˜o r´ıgida. a qual depende apenas destas a¸co˜es e n˜ao da deforma¸c˜ao presente no corpo. ou seja. na viga da Figura 3.2. Finalmente. De forma an´aloga. os esfor¸cos externos compat´ıveis com a cinem´atica de part´ıcula. y) e b(x. deve-se mencionar que as a¸c˜oes de movimento satisfazem certas restri¸c˜oes cinem´aticas do problema. por vetores (for¸cas F e momentos M). Desta maneira. estes elementos s˜ao caracterizados a partir do conceito de potˆencia externa Pe . corpo r´ıgido e os modelos uni.3. res- pectivamente.3. v(0) = 0 e = 0. bi e tridimensionais de viga s˜ ao dados.

10). Desta maneira. de forma an´ aloga `a potˆencia externa Pe .10) V onde o sinal − foi introduzido apenas por conveniˆencia ao se aplicar o Princ´ıpio das Potˆencias Virtuais (ver a pr´oxima se¸c˜ao). a viga se deforma continuamente at´e atingir uma nova configura¸c˜ao de equil´ıbrio. Logo. a viga n˜ao se deforma indefinidamente. d2 v(x) tem-se que ε˙xx (x) = −y . a deforma¸c˜ao da viga ´e finita. Emprega-se a taxa de deforma¸c˜ao. ou seja. pelo produto da deforma¸ca˜o ε˙xx (x) por uma fun¸c˜ao cont´ınua σxx (x) representando os esfor¸cos internos. Associada a ε˙xx (x). Pe = Pi . Apesar disto. Neste caso em particular. Em particular. Logo. observa-se que a cinem´atica v(x) e a taxa de deforma¸c˜ao ε˙xx (x) da viga est˜ao relacionadas. de tal forma que no equil´ıbrio tem-se a igualdade das potˆencias externa e interna. mas ser´a introduzido posteriormente a medida que os v´arios problemas abordados neste texto forem apresentados. Tomando-se o exemplo da viga. a potˆencia interna Pi ´e dada como uma integral ao longo do volume V da viga. pois tem-se considerado o conceito de potˆencia associado `a a¸co˜es de movimento descritas por velocidades. estes esfor¸cos internos s˜ao compat´ıveis com a cinem´atica do problema. a magnitude da potˆencia externa ´e dada pelo produto das normas dos vetores de for¸ca resultante F e de velocidade v. De forma an´aloga. associada a carga distribu´ıda q0 e a a¸c˜ao de movimento v(x). Para o caso da viga.3. Fazendo uma an´ alise dimensional da express˜ao (3. a fun¸ca˜o σxx (x). tem-se uma opera¸c˜ao de integra¸c˜ao. a unidade da potˆencia interna Pi ´e por exemplo d2 v(x) W atts = N m/s. Isto ´e indicado atrav´es do operador de deforma¸c˜ao. ou seja. pois a deforma¸ca˜o ´e obtida a partir da deriva¸c˜ao da a¸c˜ao de movimento. tem-se uma deforma¸c˜ao da viga. ´e na verdade uma densidade de for¸ca por unidade de comprimento.3. tem-se ε˙xx (x) = −y em 1/s. deve existir uma fun¸c˜ao cont´ınua σxx (x) representando o estado das for¸cas internas em cada se¸c˜ao x da viga. ao se aplicar a carga q0 . existe uma potˆencia interna Pi no interior da viga. Pode-se imaginar que a potˆencia externa Pe . associando esfor¸cos internos compat´ıveis com a deforma¸c˜ao. isto ´e. denotada por ε˙xx (x). representando o estado de esfor¸cos internos em cada se¸c˜ao x da viga. Lembre-se que no caso da part´ıcula. sendo este produto somado para cada ponto da viga. observa-se que para a integral anterior resultar em W atts. as componentes de deforma¸c˜ao s˜ao obtidas derivando-se as componentes da cinem´atica do problema. Al´em disso. dx O ponto central ´e observar que atrav´es do conceito de potˆencia externa. D = − y 2 . tem-se esfor¸cos externos compat´ıveis com a cinem´atica adotada. Potˆ encia Interna 3-8 Considerado o modelo unidimensional de viga ilustrado na Figura 3.  Pi = − σxx (x)ε˙xx (x)dV. denotado genericamente por D. dx2 Em geral. De forma an´aloga a potˆencia externa. J´a a taxa de deforma¸c˜ao da viga. Assim. (3. a deforma¸c˜ao ´e dada por uma fun¸c˜ao cont´ınua ε˙xx (x). indica a cinem´atica interna da viga. tem-se infinitos pontos e a potˆencia interna em cada ponto ser´a dada. tem-se uma tens˜ao normal . ou seja. foi totalmente consumida para deformar a viga. O conceito de deforma¸c˜ao ainda n˜ao foi definido. No caso d2 particular da viga. No entanto.3. dx2 se o volume V da viga est´a dado em m3 . como ser´a posteriormente. a potˆencia interna associa a` deforma¸c˜ao um conjunto de esfor¸cos internos compat´ıveis com a deforma¸c˜ao presente no problema em estudo. a potˆencia interna ´e um funcional linear da deforma¸c˜ao. Portanto. observa-se que devido a a¸c˜ao de movimento v(x). Estes esfor¸cos internos permitem caracterizar o estado interno de um corpo e surgem devido as for¸cas de liga¸ca˜o entre as part´ıculas do corpo. de forma an´aloga ao caso da part´ıcula. Pode-se dizer que a a¸c˜ao de movimento v(x) representa uma cinem´atica externa da viga que junta- mente com o carregamento distribu´ıdo q(x) resulta numa potˆencia externa. a fun¸c˜ao σxx (x) ter´a que ser dada necessariamente em N/m2 . Supondo que v(x) est´a dada em m/s. sendo por isto denominada tens˜ao.

τyz (x. potˆencia interna por unidade de comprimento. z)γ˙ zx (x. ε˙yy (x. y. y. m2 ms m s m ou seja. ε˙yy (x. z) + τzy (x. y. z). m2 s 2 m sm m3 s m3 . y) nas dire¸c˜oes x e y e tens˜oes de cisalhamento τxy (x. ou dx2 seja. z)ε˙zz (x. y. em geral. y) + τxy (x. associadas respectivamente a ε˙xx (x. y)γ˙ yx (x. Logo. γ˙ xz (x. z)ε˙yy (x. γ˙ zx (x. y. tem-se duas componentes de taxa de deforma¸c˜ao longitudinal nas dire¸co˜es x e y. as componentes de deforma¸c˜ao s˜ao dadas pela derivada das componentes da cinem´atica ∂v1 (x. z)γ˙ xy (x. Para confirmar este fato. tem-se 4 fun¸c˜oes descrevendo o estado interno de for¸cas. y e z denotadas por ε˙xx (x.10) representa uma densidade de potˆencia interna como pode ser visto fazendo uma an´alise dimensional an´aloga ao caso anterior. z). y) e σyy (x. o integrando pi = σxx (x)ε˙xx (x) em (3. al´em de 6 componentes de taxa de deforma¸c˜ao angular denotadas por γ˙ xy (x. y. o integrando pi = Mz (x) representa uma densidade de potˆencia.12) V O modelo s´olido de viga da Figura 3. y. Para verificar este fato. z). z) e σzz (x. De forma an´ aloga a (3. observa- se que. y. y. Analogamente. y. Associadas a estas componentes de deforma¸c˜ao. z) + τyz (x. y) e γ˙ yx (x. y). y. z)ε˙xx (x. τzx (x. y. y) + τyx (x. y. a potˆencia interna ´e dada por    σxx (x. d2 v(x) Na express˜ao anterior. z). os integrandos representam uma densidade de potˆencia pi . z)γ˙ yz (x. y. y. z)γ˙ zy (x. z) + σzz (x. y)ε˙xx (x. z) + σyy (x. potˆencia por unidade de comprimento. (3. z). z) + τxy (x. y. ou seja. z) = ) como ser´a visto posteriormente. y. γ˙ xy (x. a potˆencia interna para o modelo de estado plano ´e dada por  Pi = − [σxx (x. z). z)+   Pi = −  τyx (x. y. Supondo que a componente ∂x v1 seja dada em m/s e a tens˜ao σxx em N/m2 .5 representa o caso mais geral com 3 componentes de taxa de deforma¸ca˜o normal nas dire¸c˜oes x. De forma an´aloga `a equa¸c˜ao (3. y). y. Potˆ encia Interna 3-9 atuante na dire¸c˜ao x. γ˙ yz (x. y.4.12). y)γ˙ xy (x. y. z) e γ˙ zy (x. potˆencia interna por unidade de volume neste caso. y) e γ˙ yx (x. o produto σxx ε˙xx ter´a as seguintes unidades          N 1 N 1m 1 m W atts [σxx ε˙xx ] = = = N = . z). y. y. y. Como ser´a visto ao se estudar o problema de viga. z)+  dV. y) e τyx (x. y) e ε˙yy (x. y. y. y). z). τxz (x. y). al´em de 6 componentes de tens˜ ao cisalhantes τxy (x. y. pi ter´a as seguintes unidades         m/s 1 1 m W atts [pi ] = [N m] = [N m] = N = . denotadas por ε˙xx (x. y. y). y. y)] dV. z)γ˙ yx (x. z) e τzy (x. y. y. ou seja. τyx (x. z). z). z) + τxz (x. z) Como pode ser notado nas equa¸co˜es (3.12) e (3. y). γ˙ yx (x. y.3. Estas fun¸co˜es representam as componentes de tens˜ao normal σxx (x. y.3. z). z) (por exemplo. (3. y) + σyy (x.13). y. tem-se as componentes de tens˜ ao normal σxx (x. observe que o conceito de tens˜ao surgiu a partir da defini¸ca˜o de deforma¸ca˜o e do fato de que a potˆencia interna ´e um funcional linear das a¸c˜oes de deforma¸ca˜o. z)γ˙ xz (x. z) e ε˙zz (x. z). (3.10). y. al´em de duas componentes de taxa de deforma¸c˜ao angular denotadas por γ˙ xy (x.11) 0 dx2 sendo Mz (x) o momento fletor na sec¸ca˜o transversal x da viga. y. basta verificar as unidades de pi . Correspondentes `as componentes de taxa de deforma¸c˜ao. z). Supondo que a a¸c˜ao de movimento ν(x) seja dada em m/s e o momento fletor em N m. σyy (x.13) V τzx (x. a express˜ao anterior pode ser reescrita como uma integral ao longo do comprimento L da viga.  L d2 v(x) Pi = − Mz (x) dx. Considerando agora o modelo bidimensional de viga ilustrado na Figura 3. y)ε˙yy (x. ε˙xx (x. y. y. z).

γ˙ zy ). Multiplicando [D]T por [T]. denominado tra¸co e denotado como tr. tem-se que dx dx2  Pi = − (T. Dv) = − T · DdV. ε˙yy . (3. τyx . Para o caso de um corpo s´olido. (3. verifica-se que no caso geral de um corpo tridimensional.17) sendo D um operador diferencial aplicado a a¸c˜ao cinem´atica v ∈ V.13). o estado de tens˜ ao em cada ponto ´e caracterizado por 9 componentes de tens˜ao (σxx . [T] =  τyx σyy τyz  . bastando manter apenas as com- ponentes n˜ao-nulas nos tensores T e D. pode-se efetuar o produto interno T · D de tensores D e T quaisquer. Por exemplo. ou seja. γ˙ xz σxx + γ˙ yz τyx + ε˙zz τzx γ˙ xz τyx + γ˙ yz σyy + ε˙zz τyz γ˙ xz τxz + γ˙ yz τyz + ε˙zz σzz Somando as componentes da diagonal principal do produto [D]T [T]. o estado de deforma¸c˜ao em cada ponto est´a caracterizado por 9 componentes de deforma¸c˜ao (ε˙xx . ou seja.13). τyz . De forma an´aloga ao caso da potˆencia externa. Logo. O conceito de tensor ser´a introduzido posteriormente. (3.12)).13) pode ser reescrita como   Pi = − T · DdV = − tr([D]T [T])dV. T · D = tr([D]T [T]). indica-se a potˆencia interna Pi de forma geral como Pi = − (T. a equa¸c˜ao (3. tem-se D = 2 e Dv = . pode-se expressar a densi- dade de potˆencia pi como pi = tr([D]T [T]). D) = − (T. Como ser´a visto posteriormente.3. τxz . (3. τxy . D) = − (T. τzy ). (3.14) γ˙ zx γ˙ yz ε˙zz τzx τyz σzz sendo que as coordenadas (x. tr([D]T [T]) = ε˙xx σxx + γ˙ yx τyx + γ˙ zx τzx + γ˙ xy τxy + ε˙yy σyy + γ˙ yz τyz + γ˙ xz τxz + γ˙ yz τyz + ε˙zz σzz .18) V . γ˙ zx . Potˆ encia Interna 3-10 A partir da express˜ao (3.12) e (3. a forma espec´ıfica da potˆencia interna depende da cinem´atica adotada para o modelo em estudo. obt´em- se    ε˙xx γ˙ yx γ˙ zx σxx τxy τxz    [D]T [T] =  γ˙ xy ε˙yy γ˙ yz   τyx σyy τyz  γ˙ xz γ˙ yz ε˙zz τzx τyz σzz   ε˙xx σxx + γ˙ yx τyx + γ˙ zx τzx ε˙xx τxy + γ˙ yx σyy + γ˙ zx τyz ε˙xx τxz + γ˙ yx τyz + γ˙ zx σzz   =  γ˙ xy σxx + ε˙yy τyx + γ˙ yz τzx γ˙ xy τxy + ε˙yy σyy + γ˙ yz τyz γ˙ xy τxz + ε˙yy τyz + γ˙ yz σzz  . obtem-se um n´ umero escalar. z) n˜ao foram indicadas nas componentes apenas para simplificar a nota¸c˜ao. γ˙ yx . γ˙ yz . τzx .13). γ˙ xz . Dv) . σyy . Desta maneira. como pode ser visto a partir das express˜oes (3. Observa-se que o tra¸co ´e exatamente o integrando da express˜ao (3.10) e (3.16) V V Observa-se que a partir do caso geral de um corpo s´olido ´e poss´ıvel obter a express˜ao da potˆencia interna para os modelos uni e bidimensional equa¸co˜es (3. no caso do modelo d2 d2 v(x) unidimensional de viga. (3.15) Desta forma. As matrizes anteriores cont´em as componentes cartesianas dos tensores taxa de deforma¸ca˜o D e de tens˜oes de Cauchy T.10). γ˙ xy . Este produto interno ´e exatamente o tra¸co do produto [D]T [T]. ε˙zz .3. Da mesma forma. Estas componentes de deforma¸c˜ao e tens˜ao podem ser escritas matricialmente como     ε˙xx γ˙ xy γ˙ xz σxx τxy τxz     [D] =  γ˙ yx ε˙yy γ˙ yz  . y.

3. Princ´ Ipio da Potˆ encia Virtual (PPV) 3-11 Neste caso. z). z) e o operador D aplicado em v(x. y. 1 . y. z) ´e proporcional ao gradiente de v(x.4. ou seja. a cinem´atica ser´a dada pelo campo vetorial v(x. y.

y. o conjunto de todas as a¸c˜oes de deforma¸c˜ao Dv define o espa¸co W das a¸co˜es de defor- ma¸c˜oes compat´ıveis cinematicamente com as a¸c˜oes de deforma¸c˜ao v ∈ V . Como se sabe. considere a viga ilustrada na Figura 3. Assim.13).c por Arist´oteles. Nesta configura¸c˜ao a potˆencia externa Pe . Para entender o PPV. ´e designado por W  . introduz-se uma a¸ca˜o de movimento virtual vˆ(x). dada pela taxa de deforma¸c˜ao longitudinal ε˙xx (x) e pela tens˜ao normal σxx (x).3(b). de comprimento se o problema ´e unidimensional).21) implicando que Dv = 0. dada pela a¸c˜ao de movimento v(x) e pela for¸ca distribu´ıda q0 . a potˆencia Pi e o subconjunto N (D).3(a). se iguala a potˆencia interna Pi . neste caso o engaste em x = 0. para toda a¸c˜ao r´ıgida v ∈ V.3(b). y. a potˆencia interna ´e nula. z) = gradv(x. ou seja. pode-se formular o seguinte conceito: a potˆencia interna (isto ´e a resposta do estado interno do corpo a`s a¸c˜oes de movimento) ´e um funcional (no sentido de que fornece um n´ umero a partir de uma a¸c˜ao de movimento) definido por uma densidade de potˆencia interna pi por unidade de volume (de ´area num caso plano. O espa¸co dual de W. a potˆencia interna Pi ´e a integral de uma densidade.6 que a a¸c˜ao virtual vˆ(x) ´e arbitr´aria e respeita os v´ınculos cinem´aticos. Por sua vez. 3. o subconjunto de a¸c˜oes de movimento r´ıgidas no espa¸co das a¸c˜oes de movimento poss´ıveis V. como ilustrado na Figura 3. respectivamente. Para verificar se a viga est´ a realmente em equil´ıbrio. a viga realmente est´a em equil´ıbrio na configura¸ca˜o deformada da Figura 3.19) 2 Tomando-se ainda as equa¸co˜es (3. a partir da configura¸c˜ao deformada dada na Figura 3. a deforma¸c˜ao ´e nula e v ´e uma a¸ca˜o r´ıgida. tem-se a partir de (3. por unidades de comprimento. (3. Logo. (3. Esta ´e uma das condi¸c˜oes do Princ´ıpio das Potˆencias Virtuais discutido na pr´oxima se¸ca˜o. O s´ımbolo N indica o espa¸co nulo de D. procede-se de forma an´aloga aos exemplos de avaliar o peso do objeto ou a tens˜ ao na correia.10). de forma geral. Logo. sendo portanto uma fun¸c˜ao escalar. tem-se que os integrandos representam den- sidades de potˆencia interna. (3. z) .20) Bt Para o caso de uma part´ıcula em movimento ou um corpo em movimento de corpo r´ıgido.6.2 ilustra estes espa¸cos.4 Princ´ıpio da Potˆ encia Virtual (PPV) O Principio das Potˆencias Virtuais (PPV) foi iniciado em torno de 300a. devido a a¸c˜ao da carga distribu´ıda q0 .  Pi = pi dBt . o efeito da . No entanto. Dv) = 0. ou seja.17) que a potˆencia interna deve ser nula. define o subconjunto N (D) de V das a¸c˜oes de movimento r´ıgidas. Caso as potˆencias externa e interna desenvolvidadas durante a a¸c˜ao virtual vˆ(x) sejam iguais. isto ´e . Com base nessa constata¸c˜ao. Pi = − (T. z) + gradvT (x.Bernoulli e definitivamente estabelecido a partir dos trabalhos de D’Alembert. y. foi formulado pela primeira vez nos c´elebres trabalhos de J. (3. ´area e volume. O conjunto de todas as a¸co˜es de movimento v ∈ V para as quais Dv = 0.12) e (3.3(b). A Figura 3. Observe na Figura 3. Assim. Assim. Dv = Dv(x. a viga se deforma at´e atingir uma configura¸c˜ao de equil´ıbrio mostrada na Figura 3. contendo as componentes de esfor¸cos internos.

vˆ − (T. considere um corpo qualquer numa configura¸c˜ao de equil´ıbrio deformada. Esta forma local ´e caracterizado pelo operador D∗ mapeando elementos do espa¸co dos esfor¸cos internos W  no espa¸co dos esfor¸cos externos V  .y. a potˆencia interna ´e nula e a express˜ao (3. e a(x. (3. vˆ = 0. sendo ρ a densidade dada em unidades como Kg/m3 . Ao aplicar o PPV. define-se o espa¸co V das for¸cas externas. obtem-se a mesma condi¸c˜ao de equil´ıbrio deduzida no Cap´ıtulo 2. Para isto basta incluir na express˜ao da potˆencia externa. Al´em disso.z) o campo vetorial da acelera¸c˜ao expressa em geral em m/s2 . reescreve-se a equa¸c˜ao (3.23) se reduz a Pe = f. introduz-se a for¸ca de in´ercia como −ρa(x. Para indicar matematicamente o PPV.9) e (3.21) vem que f. ´e poss´ıvel caracterizar os esfor¸cos externos compat´ıveis com o modelo cinem´atico do problema.4. tem-se novamente uma densidade de for¸ca por unidade de volume.7). (3. Dˆ v ) = 0.3.24) . a¸c˜ao virtual vˆ(x) ´e introduzir uma perturba¸c˜ao a partir da posi¸ca˜o deformada.O produto ρa ter´a como unidades      Kg m N [ρa] = = . m3 s 2 m3 ou seja. y. z) representa uma densidade de for¸ca por unidade de volume. Assim . Princ´ Ipio da Potˆ encia Virtual (PPV) 3-12 Figura 3. Tomando-se uma a¸c˜ao virtual r´ıgida vˆ ∈ N (D).6: A¸ca˜o de movimento virtual vˆ(x) na viga. ou seja.22) Substituindo (3.z). vˆ − (T.23) para qualquer a¸c˜ao virtual vˆ ∈ V. Logo. ou seja. visando avaliar o equil´ıbrio da viga. a partir da qual obt´em-se a forma local dada em termos de uma equa¸ca˜o diferen- cial e condi¸c˜oes de contorno. Impondo-se uma a¸c˜ao de movimento virtual v ˆ. Na express˜ao (3. a for¸ca de in´ercia do corpo. O conjunto formado pela equa¸c˜ao diferencial e condi¸co˜es de contorno ´e denominado Problema de Valor de Contorno (PVC). Desta maneira. tem-se a forma integral de equil´ıbrio. o corpo est´a em equil´ıbrio se a soma das potˆencias externa e interna s˜ao nulas. Pe + Pi = 0. Pode-se generalizar o PPV para o caso de corpos deform´aveis em movimento. b(x.y.23) como f ∗ . Dˆ v ) = 0. (3.

ou seja. pois a componente da for¸ca de in´ercia ´e introduzida como uma for¸ca externa no termo f ∗. pois ao inv´es de se falar de uma componente de taxa de deforma¸ca˜o ε˙xx . A grande vantagem deste pr´ıncipio ´e possibilitar o estudo de problemas dinˆamicos da mesma forma que problemas de equ´ılibrio est´atico. fala-se simplesmente da deforma¸ca˜o εxx . implicando que as a¸c˜oes de movimento s˜ ao descritas por campos de velocidades v ∈V . Pode-se. Como se sabe.4. a velocidade ´e a taxa de varia¸ca˜o do deslocamento no tempo. . empregar a¸c˜oes virtuais t˜ ao pequenas quanto se queira. Princ´ Ipio da Potˆ encia Virtual (PPV) 3-13 sendo f ∗ = f − ρa.3. pode-se caracterizar a a¸c˜ao de movimento atrav´es de um deslocamento. Como os problemas abordados neste texto s˜ao est´aticos. utiliza-se a¸c˜oes de movimento dadas por deslocamentos num pequeno intervalo de tempo. Desta maneira. Este procedimento ser´a adotado ao longo deste texto. Isto simplifica a nota¸c˜ao. As a¸co˜es virtuais tˆem por objetivo introduzir uma perturba¸ca˜o que permita avaliar o estado de equil´ıbrio do corpo. ent˜ao. Toda a formula¸ca˜o aqui apresentada est´a baseada na id´eia de potˆencia. A express˜ ao anterior ´e denominada Pr´ıncipio de D’Alembert. pode-se considerar um deslocamento diferencial num intervalo de tempo tamb´em diferencial.

4. Na abordagem variacional.1: Barra de comprimento L juntamente com sistema de coordenadas. por uma fun¸c˜ao escalar cont´ınua da vari´avel x. 4-1 Cap´ıtulo 4 BARRA 4. define-se a equa¸ca˜o constitutiva para um material el´astico linear isotr´opicop.1. do eixo x do sistema de referˆencia adotado. ou seja.1.2. Pos- teriormente.2(b)).1 Defini¸c˜ ao da Cinem´ atica O modelo cinem´atico consiste em supor que as a¸c˜oes de movimento poss´ıveis s˜ao tais que a se¸ca˜o transver- sal permane¸ca plana e normal ao eixo x (alinhado com a dire¸ca˜o longitudinal da barra). Assim. todos os pontos de uma se¸c˜ao transversal x sofrem um mesmo deslocamento axial u(x) (ver Figura 4. As a¸c˜oes de movimento s˜ao descritas por um campo escalar de deslocamentos u(x). conforme mostrado na Figura 4. a cinem´atica do modelo de barra consiste de a¸c˜oes de movimento axiais u(x) provocando apenas estiramentos ou encurtamentos da barra. Neste cap´ıtulo. Desta forma. ou seja. assume-se o caso de pequenas deforma¸co˜es e material el´astico linear. considera-se a barra como um elemento unidimen- sional. analisando o seu comportamento ao longo da dire¸c˜ao paralela `a dimens˜ao longitudinal. como mostrado na Figura 4. Figura 4. dada pela Lei de Hooke. . Logo. A denomina¸c˜ao axial indica que o deslocamento ´e aplicado ao longo do comprimento da barra. A seguir aplicam-se os 6 primeiros passos da formula¸c˜ao variacional apresentados na Se¸ca˜o ??.1 Formula¸c˜ ao Variacional Barra ´e um elemento estrutural cuja principal caracter´ıstica geom´etrica ´e possuir o comprimento maior que as dimens˜oes da se¸c˜ao transversal. a formula¸c˜ao do problema de barras segue as etapas apresentadas na se¸c˜ao ??.

fazendo com que o comprimento final do elemento seja ∆x = ∆x + ∆u. u(x) ´e cont´ınua} . Esta restri¸c˜oes s˜ao indicadas no subconjunto Kinv das a¸c˜oes de movimento cinematicamente admiss´ıveis. (4. ou seja. (b) Barra deformada. Suponha que a barra sofra um estiramento u(x). as a¸c˜oes de movimento cinematicamente admiss´ıveis s˜ao dadas por fun¸co˜es que respeitam estas restri¸c˜oes. Para uma barra livre. L) . u(0) = 0. ∆x − ∆x ∆x + ∆u − ∆x ∆u = = . fazendo surgir restri¸c˜oes cinem´aticas de deslocamentos. x ∈ (0.1. os respectivos subespa¸cos de a¸c˜oes cinematicamente admiss´ıveis s˜ao dados por Kinv = {u(x).1) Por esta nota¸c˜ao entende-se que V ´e o conjunto das fun¸c˜oes cont´ınuas da vari´avel x ao longo do compri- mento L da barra.4. Define-se a deforma¸ca˜o longitudinal ou normal do elemento de barra como a varia¸c˜ao do comprimento dividido pelo comprimento inicial.2) Kinv = {u(x). ∆x→0 ∆x .2: Cinem´atica do modelo de barra: se¸c˜oes transversais perpendiculares ao eixo x antes e depois dadeforma¸c˜ao. x ∈ (0. Seja ∆x um elemento de barra que dista x da origem do sistema de referˆencia adotado. L). como mostrado na Figura 4. Em geral. u(L) = 0. isto ´e. u(0) = 0. Quando alguma restri¸c˜ao est´a presente. u(x) ´e cont´ınua} . ou seja. ∆u lim . (4. A partir da cinem´atica adotada. L) . os valores de u(x) estar˜ao prescritos em x = 0 e x = L (ver Figura ??).3. pois n˜ao h´a v´ınculos f´ısicos (restri¸c˜oes cinem´ aticas). pode-se definir formalmente o conjunto V das a¸c˜oes de movimento poss´ıveis para a barra como V = {u(x).3. Formula¸ c˜ ao Variacional 4-2 (a) Barra n˜ ao deformada. a barra estar´a apoiada nestes pontos. ∆x ∆x ∆x Tomando-se o limite da rela¸c˜ao anterior para ∆x tendendo a zero. x ∈ (0. L) . Este conjunto pode ser denotado tamb´em como C(0.20). Figura 4.1. Para os casos onde a barra est´a apoiada em x = 0 e em ambas extremidades (ver Figuras 4. constituindo o subconjunto Kinv de V.2 Deforma¸c˜ ao Considere a barra de comprimento L apoiada na extremidade x = 0 ilustrada na Figura 4. todas as fun¸c˜oes v ∈ V s˜ao tamb´em a¸c˜oes admiss´ıveis. O contorno da barra consiste dos pontos nas extremidades com coordenadas x = 0 e x = L. u(x) ´e cont´ınua} . 4. sendo que a letra C indica que as fun¸c˜oes deste conjunto s˜ao cont´ınuas.

3 Movimentos R´ıgidos Como mencionado na Se¸c˜ao ??. Longitudinal indica que a deforma¸c˜ao ocorre ao longo do comprimento da barra. u(x) = u =cte.4. das a¸c˜oes u ∈ V tal que εxx = Du = = 0. du(x) εxx (x) = =0 x ∈ (0. . Neste caso. Formula¸ c˜ ao Variacional 4-3 Figura 4. o deslocamento axial deve ser constante para toda se¸ca˜o x. isto implica em dizer que a deforma¸ca˜o εxx (x) ´e nula para toda se¸c˜ao x ao longo do comprimento da barra. ou seja. Fisicamente. ou seja. du O conjunto de todas as a¸c˜oes r´ıgidas em V. isto implica que a a¸c˜ao r´ıgida s´ o pode ser uma transla¸c˜ao da barra ao longo do eixo x conforme ilustrado na Figura 4. ou seja.5) dx Para que a condi¸c˜ao anterior seja satisfeita. d D= .2 ´e simplesmente a derivada em rela¸ca˜o a x. L) . No caso da barra.4) u(x) −→ εxx (x) = Du(x) = dx 4. dx define o subconjunto N (D) das a¸c˜oes r´ıgida da barra. obt´em-se a deforma¸ca˜o espec´ıfica longitudinal εxx na se¸c˜ao x da barra. D : V −→ W du(x) . Os dois ´ındices x em εxx representam.4. ou seja.1. (4.3) ∆x→0 ∆x dx A deforma¸c˜ao ´e denominada espec´ıfica pois ´e uma quantidade adimensional indicando a porcentagem de estiramento ou encurtamento da barra. ∆u du(x) εxx (x) = lim = . e empregando-se a defini¸c˜ao de derivada. Logo. a potˆencia interna Pi ´e nula para o caso de um movimento de corpo r´ıgido.1. εxx ´e a deforma¸c˜ao no plano x na dire¸c˜ao do eixo x do sistema de referˆencia adotado para o estudo da barra (ver Figura 4. Estes subconjunto ´e definido formalmente como   du N (D) = u(x) ∈ V | u(x) = u = cte.1). Du = =0 . Observa-se que o operador D : V −→ W relaciona a cinem´atica com a deforma¸ca˜o. o operador D indicado na Figura 3. o espa¸co W ´e o conjunto de todas as fun¸c˜oes escalares εxx (x) denominadas dx deforma¸c˜oes longitudinais e obtidas ao se derivar as a¸c˜oes de movimento u(x) ∈ V. ou seja. (4. ou seja.Da mesma maneira.6) dx . respectivamente.3: Estiramento na barra. (4. (4. o plano e a dire¸c˜ao nos quais a deforma¸c˜ao ocorre.

ou seja. Figura 4. Formula¸ c˜ ao Variacional 4-4 Figura 4. W e N (D) e o operador D ´e mostrada na Figura 4.1.4: Movimento de corpo r´ıgido na barra: transla¸c˜ao u ao longo do eixo x. 4.5: Rela¸c˜ao entre os espa¸cos de a¸c˜oes de movimento V e das taxas de deforma¸c˜ao W. implicando que a deforma¸c˜ao εxx ´e nula.4 Potˆ encia Interna A partir da defini¸ca˜o de potˆencia interna Pi dada na Se¸c˜ao ??. Esta fun¸c˜ao escalar ´e denominada tens˜ao normal atuante no plano x na dire¸ca˜o do eixo x. (4. observa-se que associada `a deforma¸c˜ao εxx (x) deve existir uma fun¸c˜ao σxx (x) representando o estado das for¸cas internas na barra. A rela¸c˜ao entre os conjuntos V.4. pode-se decompor a integral de volume anterior em duas integrais ao longo do comprimento e da ´area da se¸c˜ao transversal da barra.5.7) V Como εxx ´e constante em todos os pontos de uma se¸c˜ao transversal. tais que u(x) ´e constante. a potˆencia interna Pi ´e dada pela seguinte integral ao longo do volume V da barra  Pi = − σxx (x)εxx (x) dV. Assim. A denomina¸c˜ao normal indica que a tens˜ ao est´a presente na dire¸c˜ao perpendicular a cada se¸ca˜o transversal x (ver Figura 4.6). N (D) ´e o subconjunto de todas as a¸c˜oes u(x) de V. o movimento de corpo r´ıgido ´e uma transla¸c˜ao da barra ao longo do eixo x. ou . A partir da´ı.1.

(a) Tens˜ ao de tra¸c˜ ao. Em geral. como σxx (x) pode variar apenas de se¸c˜ao para a se¸c˜ao e na ao anterior tem-se uma integral ao longo da a´rea. (4. a for¸ca normal para Nx (x) ´e dada por Nx (x) = σxx (x)A(x). envolve a derivada do deslocamento virtual u ˆ(x). Formula¸ c˜ ao Variacional 4-5 seja. Figura 4. Um valor positivo indica uma tens˜ ao normal de tra¸c˜ao.8) como  L  L du(x) Pi = − Nx (x)εxx (x) dx = − Nx dx. reescreve-se a express˜ao Nx (x) como express˜  Nx (x) = σxx (x) dydz. denomina-se  Nx (x) = σxx (x) dydz (4. (4. (b) Tens˜ ao de compress˜ ao. o resultado est´a em termos de for¸ca.8) 0 A Como a tens˜ao σxx (x) est´a dada em unidades tais como N/m2 e integra-se σxx (x) ao longo da a´rea. como ilustrado na Figura 4. (4. A  sendo que a integral representa a ´area na se¸c˜ao x. A partir da defini¸c˜ao da for¸ca normal. Portanto.  L   Pi = − σxx (x) dydz εxx dx. a partir de (4. ou seja. Logo.4.1.5 Aplica¸c˜ ao do PPV Seja f o conjunto de esfor¸cos externos compat´ıveis com a cinem´atica definida para o modelo unidimen- sional de barra.11) 0 0 dx 4.6.23). A(x) = A dydz. aplica-se o PPV dado na Se¸ca˜o ??. Novamente.11) e do PPV expresso em (3. a deforma¸c˜ao virtual εˆxx (x). Deseja-se caracterizar f .1. pode-se escrever a potˆencia interna Pi dada em (4.10) Observa-se que a tens˜ao σxx (x) ´e constante em cada se¸c˜ao x.12) 0 dx A express˜ao anterior.9) A como for¸ca normal na dire¸c˜ao x. deseja-se obter uma express˜ ao em fun¸c˜ao do deslocamento . Um valor negativo indica uma tens˜ ao normal de compress˜ao. u ˆ − Nx (x) dx. Para isso.6: Distribui¸ca˜o de tens˜ao na se¸c˜ao transversal da barra. Logo. tem-se que para qualquer a¸c˜ao de movimento virtual u ˆ(x)∈V  L dˆ u(x) Pe + Pi = 0 ⇒ f. isto ´e. obtida a partir do PPV. (4.

Formula¸ c˜ ao Variacional 4-6 u ˆ(x) apenas e n˜ao de sua derivada. cuja potˆencia p(x)ˆ u(x) dx associada a um deslocamento  0 L dN (x) x virtual arbitr´ario u ˆ(x). deve existir uma densidade de for¸ca  dx L externa axial distribu´ıda. enquanto o deslocamento virtual axial u ˆ(x) aparece sem deriva¸c˜ao. Este termo ´e importante pois possibilita caracterizar os esfor¸cos internos que est˜ao presentes na barra. a Portanto.13) a a  b = [f (b)g(b) − f (a)g(a)] − f  (x)g(x)dx. Observe que na express˜ao `a esquerda. Para isso. dˆ u(x) dNx (x) Tomando-se f (x) = Nx (x) e g (x) = . Logo. (4. aplica-se sempre o procedimento de integra¸ca˜o por parte quando se deseja diminuir a ordem de diferencia¸c˜ao de uma grandeza da equa¸c˜ao. Este princ´ıpio estabelece que se o corpo est´ a em equil´ıbrio.14) s˜ao caracterizados por for¸cas concentradas P0 e PL . f  (x) = e g(x) = uˆ(x). nas extremidades dNx (x) x = 0 e x = L da barra. tem-se que as esfor¸cos externos compat´ıveis com a repre- senta¸c˜ao (4. denotada por p(x).14) foi determinado integrando-se a potˆencia interna (4. A equa¸ca˜o (4. f (x) n˜ao est´a derivado e ap´os a integra¸c˜ao por partes passa a estar derivado.13). b Lembre- se que dadas duas fun¸c˜oes cont´ınuas f (x) e g(x) definidas no intervalo [a. como o PPV estabelece a igualdade das potˆencias externa e interna para qualquer deslocamento virtual uˆ(x) a partir da posi¸c˜ao de equil´ıbrio. u ˆ = Nx (x) dx = Nx (x)ˆu(x)|L0 − u ˆ(x) dx (4. 0 dx Na express˜ao anterior. a partir da regra de integra¸c˜ao por partes dada em (4. a fun¸c˜ao g(x) n˜ao aparece derivada a` direita da express˜ao anterior. a for¸ca normal Nx (x) est´a derivada. Al´em disso. a integra¸c˜ao por partes resulta num termo no contorno do inteervalo [a. O termo do lado direito da express˜ao (4. respectivamente. tem-se. tem-se for¸cas normais concentradas Nx (L) e Nx (0) nas extremidades da barra.1.14) representa o enunciado integral do equil´ıbrio da barra livre de restri¸c˜oes. b] (pontos x = a e x = b) e uma integral do longo do intervalo.15)   p → densidade de for¸ca axial por unidade de comprimento . 4.1.4. o termo f em (4. Assim. dx dx Logo.6 Caracteriza¸c˜ ao dos Esfor¸cos Externos A express˜ao (4. De forma an´aloga. b]. a partir da configura¸c˜ao deformada do corpo.14) 0 dx 0 dx  L dNx (x) = [Nx (L)ˆ u(L) − Nx (0)ˆ u(0)] − u ˆ(x) dx. Al´em disso. tem-se uma dNx (x) distribui¸c˜ao de for¸ca normal Nx (x) por unidade de comprimento dada por .14) foi obtida a partir da aplica¸c˜ao do PPV. para equilibrar o termo . aplica-se o procedimento de integra¸c˜ao por partes.11) por partes. as potˆencias externa e interna s˜ao as mesmas para qualquer a¸c˜ao virtual de movimento. a express˜ao a f (x)g (x)dx pode ser integrada por partes resultando em  b  b f (x)g (x)dx = f (x)g(x)|ba − f  (x)g(x)dx (4. Diz-se ent˜ao que aumentou-se a ordem de diferencia¸c˜ao de f (x) e diminuiu-se a ordem de diferencia¸c˜ao de g(x).14) ´e 0 dx dado por    P0 → for¸ca axial aplicada em x = 0 f: P L → for¸ca axial aplicada em x = L . respectivamente. dx Logo. ao longo do comprimento L da barra. Neste caso. equilibra a potˆencia interna u ˆ(x) dx. fornecendo ainda uma representa¸c˜ao das for¸cas compat´ıveis com o modelo da barra.12) pode ser reescrita como  L  L dˆ u(x) dNx (x) f. a express˜ao (4.

ou seja. 0 0 dx A express˜ao anterior pode ser rearranjada como  L  dN (x)  x − [Nx (0) + P0 ] u ˆ (0) + [Nx (L) − PL ] u ˆ (L) − + p(x) u ˆ(x) dx = 0. (4.18).  L Pe = f. enquanto que um valor negativo representa uma for¸ca de compress˜ao. (4.1. ou seja.16) no enunciado do PPV (4. L) dx . obt´em-se o esfor¸co normal Nx (x) ao longo do eixo x da barra. A Figura ilustram. (a) Conven¸c˜ ao de sinais.16) 0 Substituindo (4.14). Este conjunto (equa¸c˜ao diferencial + condi¸c˜oes de contorno) define o que se chama Problema de Valor de Contorno (PVC). Pode-se tra¸car um diagrama da for¸ca normal Nx (x). obt´em-se a express˜ao da potˆencia externa das for¸cas f para qualquer a¸c˜ao virtual u ˆ(x)∈V. Figura 4. sendo este diagrama comumente conhecido como diagrama de esfor¸co solicitante.4.    dNx (x)  + p(x) = 0 em x ∈ (0. (4. os 3 termos entre colchetes devem Para que esta equa¸c˜ao seja verdadeira para toda a¸c˜ao virtual u ser simultaneamente nulos. Resolvendo-se a equa¸c˜ao diferencial.7(a). os esfor¸cos externos compat´ıveis com a cinem´atica da barra e a conven¸c˜ao de sinais. A partir da equa¸ca˜o (4. define-se o operador de equilibrio D∗ entre os esfo¸cos externos e internos. Tem-se uma equa¸c˜ao diferencial em termos da for¸ca normal e duas condi¸c˜oes de contorno. respectivamente. Um valor positivo indica que a barra est´a sob tra¸c˜ao. Formula¸ c˜ ao Variacional 4-7 Estes carregamentos est˜ao ilustrados na Figura 4. L) ∗ D Nx (x) = dx .7: Esfor¸cos externos e conven¸c˜ao de sinais na barra.15). A partir de (4. obt´em-se  L  L dNx (x) P0 u ˆ (0) + PL u ˆ (L) + p(x)ˆ u(L) − Nx (0)ˆ u(x) dx = [Nx (L)ˆ u(0)] − u ˆ(x) dx. Este operador pode ser escrito como    d  − Nx (x) em x ∈ (0. u ˆ = P0 u ˆ (0) + PL u ˆ (L) + p(x)ˆ u(x) dx.19)   − Nx (x)|x=0 em x = L  Nx (x)|x=L em x = 0 . (4. (b) Esfor¸cos externos na barra.18)   Nx (L) = PL em x = L  Nx (0) = −P0 em x = 0 A express˜ao anterior define a forma local do problema de barra livre de restri¸c˜oes cinem´ aticas.17) 0 dx ˆ(x) ∈ V.

o espa¸co vetorial dos esfor¸cos externos V  ´e caracterizado por uma fun¸c˜ao escalar cont´ınua p(x) indicando a carga axial distribu´ıda sobre a barra e for¸cas concentradas P0 e PL nas extremidades da barra e tratadas atrav´es como condi¸c˜oes de contorno do problema. denota-se D∗ como D∗ : W → V    d  − Nx (x) = p(x) em x ∈ (0.20) 0 As a¸c˜oes r´ıgidas para o caso de barra. Antes de definir o comportamento do material. Nx (x) → D∗ Nx (x) = dx   − Nx (x)|x=0 = P0 em x = L  Nx (x)|x=L = PL em x = 0 Se uˆ(x) for uma a¸c˜ao de movimento virtual r´ıgida. estabelecendo que a resultante das for¸cas externas deve ser nula. tem-se u ˆ(x) = u ˆ =cte e substituindo na express˜ao anterior vem que    L P0 + PL + p(x) dx u ˆ = 0. Para resolver este tipo de problema e determinar os diagramas de esfor¸cos solicitantes.4. Neste caso. o ˆ(x) ∈ N (D). (4. a potˆencia externa dada em (4. Figura 4.  L P0 + PL + p(x)dx = 0. Neste caso. obt´em-se a condi¸c˜ao de equil´ıbrio da barra. ent˜ao a potˆencia interna ´e nula. aplicam-se os seguintes passos . Formula¸ c˜ ao Variacional 4-8 O operador D∗ mapeia os espa¸cos vetoriais dos esfor¸cos internos W e externos V  . L) .8: Formula¸ca˜o variacional do problema de barra. s˜ao deslocamentos constantes.21) 0 A forma esquem´atica da formula¸c˜ao do problema de barra ´e mostrada na Figura 4. transla¸c˜oes na dire¸c˜ao x. isto ´e.16) PPV estabelece que para qualquer a¸ca˜o virtual r´ıgida u ´e nula para uma barra em equil´ıbrio. apresentam-se alguns exemplos para obter a for¸ca normal na barra atrav´es da integra¸c˜ao da equa¸c˜ao diferencial. (4. isto ´e.8. ou seja.1.  L P0 u ˆ (0) + PL u ˆ(L) + p(x)ˆ u(x) dx = 0. Logo. Portanto. 0 A partir da´ı.

determinar as constantes de integra¸c˜ao atrav´es da aplica¸c˜ao das condi¸c˜oes de contorno. Figura 4. Integra¸ca ˜o da equa¸ca ˜o diferencial: = −p(x) = −p0 → Nx (x) = −p0 x + C1 . Condi¸co dNx (x) 3.1 Tra¸car o diagrama da for¸ca normal para a barra ilustrada na Figura 4. 6. Diagrama da for¸ca normal: Nx (x = 0) = 0 e Nx (x = L) = −p0L.9: Exemplo 4. pois a equa¸c˜ao diferencial indica o equil´ıbrio de esfor¸cos externos e internos. aplica-se o procedimento dado anterior. 2. Equa¸ca 6. Desta maneira. tra¸car os diagramas. ˜es de contorno: x = 0 → Nx (x = 0) = 0.1 (barra submetida a uma carga distribu´ıda constante p0 ). dx 4. integra¸c˜ao da equa¸ca˜o diferencial.4. 5. Exemplo 4. determinar as rea¸co˜es de apoio. ˜o da constante de integra¸ca ˜o final: Nx (x) = −p0 x. Formula¸ c˜ ao Variacional 4-9 1. Determina¸ca ˜o: x = 0 → Nx (x = 0) = −p0 (0) + C1 = 0 → C1 = 0.1. Para resolver este exemplo. escrever a equa¸c˜ao de carregamento. Equa¸ca ˜o do carregamento: p(x) = p0 . o mesmo procedimento anterior pode ser aplicado sem nenhuma modifica¸ca˜o para o caso de problemas hiperest´aticos.9 atrav´es da inte- gra¸ca ˜o da equa¸ca ˜o diferencial. 7. 2. O ponto importante a ser observado ´e que as rea¸c˜oes de apoio s˜ao obtidas automaticamente a partir da solu¸c˜ao do problema. escrever as equa¸c˜oes finais. 1. 3. 4. indicar as condi¸co˜es de contorno. . 5.

10: Exemplo 4.4.4 0. Formula¸ c˜ ao Variacional 4-10 O diagrama da for¸ca normal ´e mostrado abaixo para L = 2m e p0 = 10N/m.1. 1. Este valor tamb´em pode ser obtido pelo diagrama. Diagrama da for¸ca normal: Nx (x = 0) = −p0 L e Nx (x = L) = 0. o sentido positivo da rea¸ca ˜o ´e para cima e portanto contr´ ario ` a dire¸c˜ ao positiva do eixo x. Observa-se que a for¸ca normal varia linearmente. . 5.8 1 1. Logo.6 1. Equa¸ca 6.8 2 x[m] 7. Condi¸co dNx (x) 3. ˜o do carregamento: p(x) = p0 . Rea¸ca ˜o de apoio: neste caso. neste caso para baixo. dx 4. Equa¸ca ˜es de contorno: x = L → Nx (x = L) = 0.4 1. Figura 4. 2.2 (barra submetida a uma carga distribu´ıda constante p0 .2 Tra¸car o diagrama da for¸ca normal para a barra ilustrada na Figura 4.2 0.  Exemplo 4. ˜o da constante de integra¸ca ˜o final: Nx (x) = p0 (x − L). ou seja. RAx = Nx (x = L) = −p0 L = −20N . Determina¸ca ˜o: x = L → Nx (x = L) = p0 L + C1 = 0 → C1 = −p0 L. 5 Nx(x)[N] 0 -5 -10 -15 -20 -25 0 0.10 atrav´es da integra¸ca ˜o da equa¸ca ˜o diferencial. Integra¸ca ˜o da equa¸ca ˜o diferencial: = −p(x) = p0 → Nx (x) = p0 x + C1 .6 0. a rea¸c˜ ao de apoio RAx na extremidade x = L da barra ´e dada pela condi¸ca˜o de contorno.2 1.

2 1. Neste caso. Formula¸ c˜ ao Variacional 4-11 O diagrama da for¸ca normal ´e mostrado abaixo para L = 2m e p0 = 10N/m. 1.4 1. a rea¸ca ˜o de apoio RAx na extremidade x = 0 da barra ´e dada pela ˜o de contorno.8 2 x[m] 7. 5 Nx(x)[N] 0 -5 -10 -15 -20 -25 0 0. dx L 2L p0 4.4 0.3 Tra¸car o diagrama da for¸ca normal para a barra ilustrada na Figura 4. Condi¸co dNx (x) x p0 3. Figura 4.6 1.4. Equa¸ca L ˜es de contorno: x = 0 → Nx (x = 0) = 500. x ˜o do carregamento: p(x) = p0 . 2. 2L .8 1 1. Integra¸ca ˜o da equa¸ca ˜o diferencial: = −p(x) = −p0 → Nx (x) = − x2 + C1 . Exemplo 4.2 0. Aplica-se o mesmo procedimento anterior. Rea¸ca ˜o de apoio: neste caso. Este valor tamb´em pode ser condi¸ca obtido pelo diagrama.11: Exemplo 4. verifica-se que a mesma solu¸ca˜o ´e obtida independente da origem ado- tada para o sistema de referˆencia. Determina¸ca ˜o x = 0 → Nx (x = 0) = ˜o da constante de integra¸ca (0)2 + C1 = 500 → C1 = 500. ou seja.  Destes dois exemplos iniciais. tem-se uma carga distribu´ıda variando linearmente.6 0.1.3 (barra submetida a uma carga distribu´ıda variando linearmente).11 atrav´es da integra¸ca ˜o da equa¸ca ˜o diferencial. Observa-se que a for¸ca normal varia linearmente. RAx = −Nx (x = 0) = p0 L = 20N .

22) A Al´em disso.4 0. a for¸ca normal varia como uma par´ abola. Formula¸ c˜ ao Variacional 4-12 p0 2 ˜o final: Nx (x) = − 5. Da mesma maneira. Devido a este carregamento P .4. o encurtamento δ e a deforma¸c˜ao longitudinal εxx s˜ao dados respectivamente por P δ Nx (x) = −P. cargas de compress˜ao s˜ao negativas.24) L Na Figura 4. Logo.6 0.1. a tens˜ao normal de compress˜ao σxx . δ = L − L. sendo dada pelo alongamento δ dividido pelo comperimento inicial L.23) Como a for¸ca normal e a tens˜ao s˜ao constantes em todas as se¸c˜oes. neste caso.10). tem-se Nx (x = 0) = 500N e Nx (x = L) = −500N . δ εxx = . o sentido positivo da rea¸ca condi¸ca ˜o ´e para cima e portanto contr´ario ` a dire¸ca ˜o positiva do eixo x. Rea¸ca ˜o de apoio: neste caso.25) A L . a rea¸c˜ ao de apoio RAx na extremidade x = L da barra ´e dada pela ˜o de contorno.1. δ = L − L.  4. O diagrama da for¸ca normal ´e ilustrada a seguir.8 1 x[m] 7. (4. Pela conven¸c˜ao adotada. ou seja. Equa¸ca x + 500.εxx tamb´em ´e constante. Este valor tamb´em pode ser obtido pelo diagrama.7 Diagramas de Ensaio de Tra¸c˜ ao e Compress˜ ao Considere a barra de comprimento L e ´area da se¸c˜ao transversal constante A submetida a uma for¸ca axial de tra¸c˜ao P na sua extremidade (ver Figura 4. isto ´e. 2L 6. (4. Observe que devido ao carregamento distribu´ıdo linear. εxx = . (4.2 0. Portanto. (4. Diagrama da for¸ca normal: considerando L = 1m e p0 = 2000N/m. para baixo. Nx (x) = P . Nx(x)[N] 400 200 0 -200 -400 0 0. a barra apresentar´ a um alongamento δ dado pela diferen¸ca entre os comprimentos final L e inicial L da barra. σxx = − .a tens˜ao σxx (x) = σxx tamb´em ser´a constante e a partir da express˜ao (4. tem-se que P σxx = .12(a)).12(b) tem-se a mesma barra submetida agora a uma for¸ca de compress˜ao P . a deforma¸c˜ao espec´ıfica εxx (x) =. ou seja. A for¸ca normal Nx . a for¸ca normal em cada se¸c˜ao transversal x ´e constante com intensidade P . RAx = Nx (x = L) = −500N .

uma rela¸c˜ao entre tens˜ao e deforma¸c˜ao.1.13(b).4. (b) For¸ca axial de compress˜ ao. Materiais como a¸co. P δ calculam-se a tens˜ao σxx = e a deforma¸c˜ao εxx = . A principal caracter´ıstica dos materiais d´ uteis. em geral. Figura 4. mede-se a distˆancia L entre dois pontos originalmente `a distˆancia L. determinando-se o alongamento ou encurtamento δ = L − L . Esta resistˆencia ´e dada por algumas propriedades do material. Para cada valor de P .12. Para um mes- mo material. verificam-se resultados diferentes para os ensaios tomando-se diferentes temperaturas do corpo de prova e a velocidade com que o carregamento ´e aplicado. levantando-se um gr´afico do tipo σxx × εxx .14 ilustra diagramas t´ıpicos para o a¸co e alum´ınio. Portanto. Linear significa que h´a uma rela¸c˜ao linear ou proporcional entre tens˜ ao e deforma¸c˜ao. obtida a partir do diagrama tens˜ao-deforma¸c˜ao. . Pode-se medir tamb´em a varia¸c˜ao ∆d = d − d no diˆametro do corpo de prova. alum´ınio e cobre s˜ao classificados como d´ uteis. Observa-se que o encurtamento δ ´e negativo. os n´ıveis de deforma¸c˜ao e tens˜ao ser˜ao inferiores quando comparado com uma barra de alum´ınio. Para isso. as quais s˜ao determinadas experimentalmente.13(a)). ser´a negativa. Isotr´opico indica que as propriedades do material s˜ao as mesmas para qualquer dire¸c˜ao que seja considerada. ´e apresentar escoamento `a temperatura ambiente. Formula¸ c˜ ao Variacional 4-13 (a) For¸ca axial de tra¸c˜ ao. ou seja. pois o comprimento final L´e menor que o comprimento inicial L. O tipo de ensaio a ser realizado ´e indicado pela equa¸c˜ao constitutiva do material.12: Barra submetida a uma for¸ca axial P na extremidade. assim como a tens˜ao σxx . os materiais d´ uteis e fr´ ageis. toma-se um corpo de provas cil´ındrico com dimens˜oes padronizadas (ver Figura 4. Tomando-se a barra da Figura 4. A denomina¸ca˜o el´astico significa que o material se deforma sob a¸c˜ao de for¸cas. a deforma¸c˜ao εxx . A L denominado diagrama tens˜ao deforma¸c˜ao. Os ensaios de tra¸c˜ao e compress˜ao s˜ao usados para caracterizar as propriedades de um material que seguem o comportamento dado pela Lei de Hooke. sabe-se intuitivamente que se a mesma for feita de a¸co. As caracter´ısticas comuns encontra- das em diagramas de ensaio de tra¸c˜ao e compress˜ao permitem identificar duas importantes classes de materiais. cada material possui uma resistˆencia mecˆanica distinta. Esta equa¸c˜ao representa o comportamento de um material idealizado e estabelece. A Lei de Hooke ´e empregada para materiais met´alicos `a temperatura ambiente. Assim. permitindo caracterizar a deforma¸c˜ao na se¸c˜ao transversal como ser´a visto adiante. A Figura 4. A forma do diagrama tens˜ao-deforma¸c˜ao varia sensivelmente para diferentes materiais. Um exemplo de equa¸ca˜o constitutiva ´e a Lei de Hooke v´alida para materiais el´asticos lineares isotr´opicos. a qual aplica paulatinamente cargas axiais concentradas P nas extremidades do corpo de prova . Submete-se o corpo de prova a uma m´aquina de testes ilustrada na Figura 4. mas retorna a sua forma inicial quando se retiram as for¸cas. Com estas medi¸co˜es.

13: Corpo de prova e m´aquina de teste para ensaio de tra¸c˜ao/compress˜ao. Figura 4. (b) Alum´ınio.14: Diagramas de ensaio de tra¸c˜ao/compress˜ao.4. (a) A¸co. Formula¸ c˜ ao Variacional 4-14 (a) (b) Corpo M´aquina de de en- prova. . saio.1. Figura 4.

Ap´os alcan¸car este valor m´aximo. Assim. A tens˜ao m´axima atingida nesta fase ´e denominada tens˜ao normal u ´ltima e denotada por σult . o seja. Esta linearidade continua at´e se atingir o valor da tens˜ao normal limite de proporcionalidade denotada como σlim .14. Este fato ser´a discutido em mais detalhes posteriormente. fazendo com que a sua resistˆencia aumente e consequentemente exigindo valores de carregamento maiores para se deformar o corpo de prova. verifica-se uma fase de recupera¸c˜ao do material. verifica-se que para alguns materiais. torna-se dif´ıcil determinar a tens˜ ao σlim que caracteriza a fase el´ astica.14(a)). Observando a Figura 4. esta deforma¸c˜ao ´e causada por um deslizamento relativo de camadas de material segundo superf´ıcies obl´ıquas. A partir da tens˜ao de escoamento. Portanto. Em materiais d´ uteis. A partir dos diagramas da Figura 4. deseja-se dimensionar os componentes mecˆ anicos de tal forma que os mesmos permane¸cam na fase el´astica. Valores de tens˜ao no intervalo 0 ≤ σxx ≤ σlim caracterizam a fase el´astica do material.1. Figura 4. ao se aplicar carregamentos P crescentes. o diˆametro do corpo de prova come¸ca a diminuir devido a perda de resistˆencia.15: Fases num diagrama de ensaio de tra¸ca˜o e compress˜ao. A ruptura ocorre segundo uma superf´ıcie de aproximadamente 45 graus com a superf´ıcie inicial do corpo de prova. a tens˜ao m´axima σxxmax deve estar no intervalo max ≤ σ 0 ≤ σxx lim . por quest˜oes de seguran¸ca define-se a tens˜ao normal admiss´ıvel .4. Este fato comprova que a ruptura dos materiais d´ ucteis ocorre devido ao efeito de atrito entre as se¸c˜oes transversais o que caracteriza as tens˜ oes de cisalhamento. permite identificar para alguns materiais um valor de tens˜ao praticamente constante no diagrama (ver Figura 4. a qual ´e carac- terizada por um enrigecimento do material causado por um rearranjamento das part´ıculas do material. Nesta fase do diagrama. ou seja. Para valores acima de σlim . ao se retirar a carga P . apresenta uma grande defor- ma¸c˜ao com um pequeno aumento da carga aplicada. observa-se que o alongamento do material na fase de escoamento ´e sensivelmente maior que o alongamento verificado na fase el´astica. ou seja. ou seja. Assim. uma carga mais baixa ´e suficiente para manter o corpo de prova se deformando at´e atingir a sua ruptura. verifica-se uma estric¸c˜ao do material.15. Em geral. Denomina-se este valor como tens˜ao normal de escoamento do material e denota-se a mesma σesc . o comprimento L da barra aumenta proporcionalmente ao carregamento aplicado. ou seja. o corpo de prova retorna a um estado de tens˜ao nula por linha CD paralela a AB conforme ilustrado na Figura 4. Este alongamento maior durante escoamento. o material se comporta elasticamente. o corpo de prova come¸ca a escoar. Formula¸ c˜ ao Variacional 4-15 Observa-se que existe um trecho onde a rela¸ca˜o tens˜ao-deforma¸ca˜o ´e linear. o corpo de prova apresenta uma deforma¸c˜ao permanente. Isto siginifica que ao se deixar de aplicar a carga P . com a carga axial as maiores tens˜oes de cisalhamento ocorrem em planos que forma um ˆangulo de 45 graus com a carga.14(b). ou seja. o corpo de prova volta a sua forma inicial. Desta maneira. O valor de tens˜ao onde a ruptura ocorre ´e denominada tens˜ao normal de ruptura e indicado como σrup. o trecho inicial do diagrama ´e uma reta com um grande coeficiente angular.

Materiais como o ferro fundido. conclui-se que a ruptura num material fr´agil se deve principalmente `a presen¸ca de tens˜oes normais. a for¸ca F EA na mola e o alongamento x. A partir da´ı.16: Diagrama de ensaio t´ıpico para material fr´agil. Lembre-se que para uma mola de constante el´astica ke . Logo. tem-se F = P . est˜ao relacionados por F = ke x. Observa-se ainda que a magnitude da deforma¸c˜ao ´e muito menor nos materiais fr´ ageis que nos d´uteis. Al´em disso. n˜ao existe diferen¸ca entre as tens˜oes u ´ltima e de ruptura. a fase el´astica passa a ser caracterizada por valores de tens˜ao no intervalo 0 ≤ σxx ≤ σ ¯. Substituindo (4. ou seja. Figura 4. O m´odulo de elasticidade da uma id´eia da resistˆencia do material na fase linear el´ astica. (4. Logo. a equa¸c˜ao da reta que define a fase el´astica ´e dada por σxx = Eεxx . o qual ´e denotado pela letra E.26) k Assim.24) na express˜ao anterior vem que EA P = δ. num ensaio de tra¸ca˜o.4.22) em (4. Formula¸ c˜ ao Variacional 4-16 do material σ ¯ dada a partir da tens˜ ao de escoamento σesc e de um coeficiente de seguran¸ca k pela seguinte equa¸c˜ao σesc σ ¯= . da sua capacidade de resistir a` deforma¸c˜oes quando submetido a carregamentos. n˜ao se observa a estric¸ca˜o do corpo de prova e a ruptura acontece numa superf´ıcie perpendicular a linha de a¸c˜ao do carregamento axial. define-se uma propriedade do material denominada M´ odulo de Elasticidade Longitudinal ou M´odulo de Young.1.16 ilustra o diagrama de ensaio de tra¸ca˜o para um material fr´agil. (4. A partir do coeficiente angular θ da reta da fase linear do diagrama de ensaio de um material d´ util ou fr´agil. No caso da barra. (4.27) Esta equa¸c˜ao ´e denominada Lei de Hooke para o caso de tra¸c˜ao e compress˜ao.28) L EA O termo ´e denominado rigidez do elemento de barra. Como εxx ´e uma quantidade . vidro e rocha s˜ao classificados como fr´ageis e caracterizam-se por uma ruptura do corpo de prova sem nenhuma mudan¸ca sens´ıvel no modo de deforma¸c˜ao do material. Observe que uma barra de material el´astico L linear comporta-se como uma mola. ke = L e x = δ. A Figura 4.

tem-se um encurtamento δ da barra e um consequente aumento das dimens˜oes da se¸c˜ao transversal.17. ou seja. Deseja-se ent˜ao caracterizar esta deforma¸c˜ao transversal na barra. Para isso. Estes valores de tens˜ao podem ser aumentados atrav´es da adi¸c˜ao de ligas met´alicas ao material. respectivamente. alum´ınio (E = 7 × 105 Kgf /cm2 = 7 × 1010 N/m2 = 70GP a) e (E = 11 × 105 Kgf /cm2 = 11 × 1010 N/m2 = 110GP a).17: Comportamento do ensaio de tra¸ca˜o para diferente a¸cos.24). num ensaio de tra¸c˜ao. considere a barra de se¸c˜ao retangular da Figura 4. tratamento t´ermico e processo de material como ilustrado na Figura 4. εyy = εzz = εt . de ruptura σrup e u´ltima σult encontram-se tabeladas para v´ arios materiais. Para materiais fr´ageis.24). observa-se uma maior resistˆencia `a compress˜ao do que a tra¸c˜ao. Logo. de escoamento σesc .1. Denomina-se N/m2 como Pascal (P a). Formula¸ c˜ ao Variacional 4-17 adimensional.8 Coeficiente de Poisson A partir do diagrama de ensaio de tra¸c˜ao.1. as unidades de E s˜ao as mesmas da tens˜ao σxx tais como N/m2 e Kgf /cm2 . Na se¸ca˜o transversal. ∆a a − a ∆b b − b εyy = = e εyy = = .18 submetida a uma for¸ca de tra¸c˜ao P . observa-se que devido ao alongamento δ da barra. 4. σ ¯c ). o m´odulo de elasticidade permanece o mesmo. No entanto. Analogamente. Figura 4. ou seja.4.30) a a b b Verifica-se experimentalmente que todas as dimens˜oes da se¸c˜ao transversal sofrem a mesma deforma¸c˜ao espec´ıfica transversal εt . (4. tem-se tamb´em duas componentes de deforma¸c˜ao espec´ıfica εyy e εzz nas dire¸c˜oes y e z. Lembre-se ainda a seguinte rela¸c˜ao para convers˜ ao de unidades Kgf 10 N N 1 2 = −4 2 = 105 2 = 105 P a = 0. tomam-se as varia¸c˜oes ∆a = a − a e ∆a = b − b divididas por pelas dimens˜oes iniciais a e b. 1M P a. tem-se uma deforma¸c˜ao espec´ıfica transversal εxx dada por (4. Observa-se que os valores das tens˜oes admiss´ıveis (¯ σt . implicando ¯t < σ que σ ¯c . (4. as tens˜oes admiss´ıveis de tra¸c˜ao (¯ σt ) e compress˜ao (¯ σc ) s˜ao iguais. ou seja. Devido a esta for¸ca. Estas componentes de deforma¸c˜ao transversal s˜ao obtidas de forma an´aloga a εxx em (4. Observa-se um mesmo comportamento no diagrama de ensaio para um material d´ util submetido a uma for¸ca de tra¸c˜ao ou compress˜ao. devido a`s varia¸c˜oes nas dimens˜oes a e b para a e b .29) cm 10 m m Valores t´ıpicos do m´odulo de elasticidade s˜ao dados por: a¸co (E = 21 × 105 Kgf /cm2 = 21 × 1010 N/m2 = 210GP a). ocorre uma diminui¸c˜ao da se¸c˜ao transversal. .

(4. as deforma¸co˜es #yy e #zz s˜ao iguais. σxx (x) σxx (x) = E#xx (x) → #xx (x) = .32) d Substituindo (4. durante o escoamento.18: Deforma¸c˜ao transversal numa barra.1. o coeficiente permanece constante. Observa-se que na fase el´astica. Al´em disso.24) e (4. Supondo que a barra possui se¸c˜ao circular com diˆametro inicial d. E . obt´em-se Pd ∆d = −ν . tem-se εxx negativo e εt positivo.31). εt = εyy = εzz = −νεxx . No caso de compress˜ao.9 Lei de Hooke para Barras Como mencinado anteriormente. Sendo ∆d a varia¸ca˜o no diˆametro ap´os a deforma¸c˜ao e empregando (4. O sinal − ´e introduzido apenas para representar o fenˆonemo f´ısico.27) e (4. εyy . Quando a barra ´e tracionada. εzz ). as quais est˜ao relacionadas pelo m´odulo de elasticidade E e coeficiente de Poisson ν a partir das express˜oes (4.31) vem que ∆d #yy = #zz = = −νεxx .19. (4. 3 e para o alum´ınio ν = 0. (4. tem-se ν = 0. AE O coeficiente de Poisson ´e determinado a partir do ensaio de tra¸c˜ao ou compress˜ao medindo-se as dimens˜oes da se¸c˜ao transversal.1. No caso de barra em tra¸c˜ao/compress˜ao para um material segundo a lei de Hooke. Posteriormente. 27.33) E σxx (x) εyy (x) = −νεxx (x) → #yy (x) = −ν . o valor do coeficiente de Poisson aumenta at´e atingir um valor assint´otico. 4. ou seja.4. tem-se uma componente de tens˜ao normal σxx e 3 componentes de deforma¸c˜ao de deforma¸c˜ao longitudinal (εxx . a deforma¸c˜ao longitudinal εxx ´e positiva.28) na rela¸c˜ao anterior. ou seja. Um comportamento t´ıpico est´a ilustrado na Figura 4. (4.31) sendo ν uma constante caracter´ıstica do material chamado Coeficiente de Poisson. Para os a¸cos em geral. enquanto εt ´e negativa pois as dimens˜oes da se¸c˜ao diminuem. verifica-se que εt ´e proporcional `a deforma¸c˜ao espec´ıfica longitudinal εxx . a lei de Hooke ´e uma equa¸c˜ao constitutiva v´alida para materiais el´asticos lineares isotr´opicos. Formula¸ c˜ ao Variacional 4-18 Figura 4.34) E σxx (x) εzz (x) = −νεxx (x) → #zz (x) = −ν .

ou seja. Pode-se substituir σxx (x) dado em (4.1. L) . Ap´os introduzir a lei de Hooke. obt´em-se d2 u(x) EA + p(x) = 0 em x ∈ (0.19: Comportamento do coeficiente de Poisson no ensaio de tra¸c˜ao.38) dx2 . E = E(x). chega-se a um estado de deforma¸c˜ao com 3 componentes longitudinais dadas por εxx .33) na express˜ao da for¸ca norma (4.18).6. Este estado ´e independente do comportamento do material. Ao se introduzir a hip´ otese de material el´astico atrav´es da lei de Hooke. pois o comportamento do material ainda n˜ao havia sido definido. Observa-se que na barra tem-se um estado uniaxial de tens˜ao descrito pela tens˜ao normal σxx (x).4. pretrende-se aplic´a-la para o problema de barra. Substituindo a rela¸c˜ao (4. (4.35) Lembrando a equa¸ca˜o (4.10 Aplica¸c˜ ao da Equa¸c˜ ao Constitutiva ao Problema de Barra Como mencionado no final da Se¸c˜ao 4. (4.36) na equa¸c˜ao diferencial de equil´ıbrio (4.36) dx Procurando generalizar a formula¸c˜ao. obtendo-se Nx (x) = E(x)A(x)εxx (x). 4. como no caso de uma barra constitu´ıda de partes por materiais distintos. (4. efetuando o u´ltimo passo da formula¸c˜ao.37) dx dx Para o caso onde o m´odulo de elasticidade e a ´area da se¸c˜ao s˜ao constantes.35) para εxx (x) vem que du(x) Nx (x) = E(x)A(x) (4. Formula¸ c˜ ao Variacional 4-19 Figura 4.1.10). εyy e εzz . considerou-se inicialmente apenas os 6 primeiros passos da formula¸c˜ao variacional dada na Se¸c˜ao ??. tem-se a equa¸c˜ao diferencial em termos do deslocamento axial u(x)   d du(x) E(x)A(x) + p(x) = 0 em x ∈ (0. assumiu-se tamb´em que o m´odulo de elasticidade pode variar em fun¸c˜ao de x. L) .1.

Isto implica que sob a a¸ca˜o de esfor¸cos externos. determina-se a fun¸c˜ao e o respectivo diagrama da for¸ca normal Nx (x). mas voltar´a a sua forma inicial t˜ao logo o carregamento seja retirado. o componente ir´a se deformar. max ´ 3. estas restri¸c˜oes ser˜ao inclu´ıdas na defini¸c˜ao do espa¸co de a¸c˜oes admiss´ıveis Kinv . a qual deve ser integrada duas vezes para se obter o deslocamento axial u(x) na barra. determina-se a se¸c˜ao mais solicitada. consideram-se os seguintes passos: 1. a se¸c˜ao onde atua o maior valor da for¸ca normal em m´odulo.40) A A . Figura 4. tem-se que a tens˜ao m´axima deve ser inferior a tens˜ao ¯t para barras em tra¸c˜ao e inferior `a tens˜ao normal admiss´ıvel de normal admiss´ıvel de tra¸ca˜o σ ¯c para barras em compress˜ao. entenda-se determinar as dimens˜oes que permitem caracterizar o seu comportamento mecˆanico. O dimensionamento considerado aqui ser´a baseado no valor m´aximo da tens˜ao ao longo da barra. (b) u(x = L) = 0.10). obt´em-se uma equa¸c˜ao dife- rencial de segunda ordem. tem-se que a tens˜ao m´axima σxx e dada por max Nxmax σxx = . No dimensionamento a` tens˜ao m´axima.20: Condi¸c˜oes de contorno em termos de deslocamento numa barra. ou seja. para que a barra permane¸ca na fase el´astica. Observa-se que as condi¸c˜oes de contorno agora podem ser dadas tanto em termos de for¸cas axiais como pelos vincula¸c˜oes presentes nas extremidades da barra. Por dimensionar uma estrutura.4. deseja-se dimensionar os componentes mecˆanicos de tal forma que os mesmos permane¸cam na fase el´astica. o comprimento ´e determinado por restri¸c˜oes construtivas. Assi.20. ou seja. torna-se necess´ario verificar o efeito de flambagem. 4. (a) u(x = 0) = 0. (4. aplicando-se a express˜ao (4. 2.39) A 4. o qual ser´a tratado posteriormente. (c) u(x = 0) = 0 e u(x = L) = 0.11 Verifica¸c˜ ao e Dimensionamento de Barras Em geral. observa-se que para o caso de material el´astico linear isotr´opico. dimensionar a barra significa calcular a dimens˜ao m´ınima da ´area da se¸c˜ao transversal de tal forma que a barra permen¸ca na fase el´astica. Por sua vez. Para barras submetidas a for¸cas axiais de compress˜ao. (4. Formula¸ c˜ ao Variacional 4-20 Logo. A primeira integra¸c˜ao fornece a for¸ca normal Nx (x) = E(x)A(x). Para o caso de barra. sendo este valor denotado Nxmax .1. compress˜ao σ Nxmax Nxmax max = σxx ≤σ ¯t ou max = σxx ≤σ ¯c .1. como ilustrado na Figura 4. com base neste diagrama.

L O termo do lado direito.12 Barras Submetida a Varia¸c˜ ao de Temperatura Considere uma barra de comprimento L submetida a uma varia¸c˜ao de temperatura ∆T positiva. Exerc´ Icios Resolvidos 4-21 5. ε = εxx + εT . basta verificar se a mesma ´e menor σ ¯t que para barra em tra¸c˜ao. 4. (4.45) Portanto. deve-se redimensionar a barra.44) sendo α o coeficiente de dilata¸c˜ao t´ermica do material. Logo εT = α∆T. deve-se verificar que max =≤ σ σxx ¯t ou max ≤ σ σxx ¯c . a deforma¸ca˜o total ε ´e a soma das duas deforma¸c˜oes. (4. ou seja.4.42) π¯ σt π¯ σc No caso de verifica¸c˜ao de uma barra. devido a uma varia¸ca˜o de temperatura a barra sofre uma deforma¸ca˜o longitudinal. tem-se uma deforma¸c˜ao espec´ıfica t´ermica denotada como εT . conhece-se as dimens˜oes da se¸c˜ao transversal e deseja-se verificar se a mesma permanece na fase el´astica quando submetida a um certo carregamento. (4.46) . Para barra em compress˜ao. a a´rea m´ınima A para que a barra permane¸ca na fase el´astica ´e obtida tomando-se a igualdade na express˜ao anterior. Caso uma das duas condi¸c˜oes inferiores n˜ao seja v´alida. Resumindo. a sua ´area ´e dada por A = . A express˜ao anterior pode ser reescrita como L − L = α∆T. isto ´e.43) Neste caso. (4. Por exemplo. compara-se com a tens˜ao σ ¯c . isto ´e. Nxmax Nxmax A= ou A= . Verifica- se ent˜ao um alongamento da barra e o comprimento final L ´e dado por L = L(1 + α∆T ).41) σ ¯t σ ¯c Conhecida a´ ´area da se¸c˜ao transversal. Para isto calcula-se a tens˜ao normal m´axima σxx max usando (4.1. A partir da express˜ ao anterior. para πd2 uma barra circular de diˆ ametro d. representa o alongamento δ = L − L da barra dividido pelo comprimento inicial L. diz-se que a barra permanece na fase el´astica. Com esta tens˜ ao m´axima. 4 determina-se d   4Nxmax 4Nxmax d= ou d= . (4. (4.2. pode-se determinar as suas dimens˜oes.39). Caso esta barra esteja submetida a a¸c˜ao de for¸cas que causam uma deforma¸c˜ao εxx .

4.1.21.2. Exerc´ Icios Resolvidos 4-22 Figura 4. Pede-se tra¸car os dia- gramas da for¸ca normal. Integra¸ca ˜o da equa¸ca ˜o diferencial 2 E(x)A(x) d dx u(x) 2 = −q(x) = −q0 < x − 0 >0 +F2 < x − 1 >−1 −F3 < x − 2 >−1 • 1a integra¸ca ˜o: for¸ca normal Nx (x) = EA du(x) dx = −q0 < x − 0 > +F2 < x − 1 > −F3 < x − 2 > +C1 1 0 0 • 2a integra¸ca ˜o: deslocamento axial EAu(x) = − q20 < x − 0 >2 +F2 < x − 1 >1 −F3 < x − 2 >1 +C1 x + C2 4. Diagrama da for¸ca normal .21: Exerc´ıcio resolvido 4. Condi¸co u(x = 3) = 0 3. dos deslocamentos.4.1 Considere a barra com o carregamento ilustrada na Figura 4. deforma¸co ˜es e tens˜ oes axiais. Equa¸ca ˜es de contorno: Nx (x = 0) = −F1 = −100N 2.2 Exerc´ıcios Resolvidos Exerc´ıcio 4. ˜o do carregamento: q(x) = q0 < x − 0 >0 −F2 < x − 1 >−1 +F3 < x − 2 >−1 1. Determina¸ca ˜o das constantes de integra¸ca ˜o Nx (x = 0) = 0 + 0 − 0 + C1 = −F1 → C1 = −F1 u(x = 3) = − q20 (3)2 + F2 (3 − 1) − F3 (3 − 2) − 100(3) + C2 = 0 → C2 = 250 5. Equa¸co ˜es finais • for¸ca normal: Nx (x) = −q0 x + F2 < x − 1 >0 −F3 < x − 2 >0 −F1 • deslocamento: u(x) = 1 EA (−50x 2 + 350 < x − 1 >1 −200 < x − 2 >1 −100x + 250) 6.

4. Rea¸ca ˜o de apoio RAx = Nx (x = 3) = −100(3) + 350 − 200 − 100 = −250N 8. 5 × 10−5  σxx (x → 2+ ) = 1. 5 × 10−5 εxx (x) = du(x) = 50 × 10−7 (−2x + 5) → dx εxx (x → 2− ) = 0. 0 × 10−5 u(x) = u(x → 3− ) = 0  εxx (x → 2+ ) = −1. 0 × 10−5  εxx (x → 1+ ) = 1.5 1 1. 5 × 10−5 εxx (x) = du(x) = 50 × 10−7 (−2x + 5) → dx εxx (x → 3− ) = −2. 5M P a σxx = Eεxx = −106 (x + 1) → σxx (x → 2− ) = 0.2. 5M P a σxx = Eεxx = −106 (x + 1) → σxx (x → 3− ) = 2.5 3 x[m] 7. Exerc´ Icios Resolvidos 4-23 Nx (x → 0+ ) = −100N Nx (x → 1− ) = −200N Nx (x → 1+ ) = 150N Nx (x → 2− ) = 50N Nx (x → 2+ ) = −150N Nx (x → 3− ) = −250N 200 Nx(x)[N] 150 100 50 0 -50 -100 -150 -200 -250 -300 0 0. Deslocamento. 0 × 10−5 u(x) = 1 EA (−50x 2 + 350(x − 1) − 100x + 250) → u(x → 2− ) = 2. 5M P a . deforma¸ca ao: neste caso.5 2 2. 5 × 10−5  σxx (x → 1+ ) = 1. 5 × 10−5 u(x) = 1 EA (−50x 2 − 100x + 250) → u(x → 1− ) = 1. 0 × 10−5  εxx (x → 0+ ) = −10−5 εxx (x) = du(x) = 50 × 10−7 (−2x − 2) = −10−5 (x + 1) → dx εxx (x → 1− ) = −2 × 10−5  σxx (x → 0+ ) = −1M P a σxx = Eεxx = −106 (x + 1) → σxx (x → 1− ) = −2M P a • trecho 1 < x < 2  u(x → 1+ ) = 1. 5M P a • trecho 2 < x < 3 u(x) = EA1 (−50x2 + 350(x − 1) − 200(x − 2) − 100x + 250) = 50 × 10−7 (−x2 + x + 6)  u(x → 2+ ) = 2. toma-se A = 10−4 m2 e E = 100GP a ˜o e tens˜ • trecho 0 < x < 1  u(x → 0+ ) = 2.

2. Figura 4. Integra¸ca ˜o da equa¸ca ˜o diferencial: EA d udx 1 (x) = −q(x) = 0 – 1a integra¸ca ˜o: for¸ca normal du1 (x) Nx = EA dx = C1 – 2a integra¸ca ˜o: deslocamento axial EAu(x) = C1 x + C2 .5 2 2. Deseja-se determinar a express˜ ao para a for¸ca normal e deslocamento axial em ambos os casos. (b) Barra (c) Barra apoiada com folga sobre mola. (a) Analogia barra-mola. • Barra apoiada sobre mola 1.4. Condi¸co ˜es de contorno: u1 (x = 0) = 0 Nx (x = L) = −ku1 (L) 2 3. Equa¸ca ˜o de carregamento: q(x) = 0 2.2.5e-05 2.5e-05 -2e-05 0 -2. 3e-05 2e-05 u(x)[m] E(x)[m] 1.5 1 1.5e-05 -5e-06 1e-05 -1e-05 5e-06 -1.2 As Figuras 4.5 1 1. ∆u.5 2 2.5 3 x[m] x[m]  Exerc´ıcio 4.5e-05 1e-05 2e-05 5e-06 0 1.22: Exerc´ıcio resolvido 4.22(b) ilustram barras com uma extremidade fixa e apoiada sobre uma mola (funda¸ca ˜o flex´ıvel) e com uma folga ∆u. Exerc´ Icios Resolvidos 4-24 A seguir ilustram-se os gr´ aficos dos deslocamentos e deforma¸ca ˜o ao longo da barra.5 3 0 0.5e-05 -5e-06 -3e-05 0 0.22(a) e 4.

5E2 . E1 = 1. Para a solu¸ca ˜o deste problema. 4.24(a). como ilustrado respectivamente nas Figuras 4. .4. Exerc´ Icios Resolvidos 4-25 4. Equa¸co ˜es finais ∆uL – for¸ca normal: Nx (x) = L 1 ∆uL ∆uL – deslocamento axial: u1 (x) = EA L x = EAL x  Exerc´ıcio 4.3 Determine as for¸cas normais (N1 . Figura 4. Condi¸co ˜es de contorno: u1 (x = 0) = 0 u1 (x = L) = ∆uL 2 3.24(c).23 e sujeita a uma for¸ca F = 1kN . Integra¸ca ˜o da equa¸ca ˜o diferencial: EA d udx 1 (x) = −q(x) = 0 – 1a integra¸ca ˜o: for¸ca normal du1 (x) Nx = EA dx = C1 – 2a integra¸ca ˜o: deslocamento axial EAu(x) = C1 x + C2 4. Determina¸ca ˜o das constantes de integra¸c˜ ao u(x = 0) = C1 (0) + C2 = 0 → C2 = 0 Nx (x = L) = C1 = −ku1 (L) 5. Dados: L1 = 300mm.N2 ) atuando em cada parte da coluna bi-engastada ilustrada na Figura 4. assim como o equil´ıbrio da interface entre os dois trechos. Determina¸ca˜o das constantes de integra¸c˜ ao u1 (x = 0) = C1 (0) + C2 = 0 → C2 = 0 u1 (x = L) = C1 L + 0 = ∆uL → C1 = ∆u L L 5. L2 = 400mm. considera-se a os trechos AB e BC da barra.23: Exerc´ıcio resolvido 4. Equa¸ca ˜o de carregamento: q(x) = 0 2. Equa¸co ˜es finais – for¸ca normal: Nx (x) = −ku1 (L) 1 −ku1 (L) – deslocamento axial: u1 (x) = EA (−ku1 (L)x) = EA x • Barra com folga ∆u 1.2.3. As se¸co ˜es transversais das barras s˜ ao circulares com diˆametros d1 = 50mm e d2 = 125mm.24(b) e 4.

2. assim como a for¸ca normal N1 interface dos dois trechos. 2 • Equa¸c˜ ao diferencial: E1 A1 ddxu21 = 0 • Condi¸co ˜es de contorno u1 (x = 0) = 0 Nx1 (x = L1 ) = N1 – primeira integra¸c˜ ao: for¸ca normal Nx1 = C1 – segunda integra¸ca ˜o: deslocamento axial E1 A1 u1 = C1 x + C2 • Determina¸ca ˜o de C1 e C2 Nx1 (x = L1 ) = C1 = N1 → C1 = N1 E1 A1 u1 (x = 0) = C1 (0) + C2 = 0 → C2 = 0 • Equa¸c˜ oes finais – for¸ca normal: Nx1 (x) = N1 N1 – deslocamento axial: u1 (x) = E1 A1 x Barra 2 (L1 < x < L2 ): neste caso tem-se como inc´ ognitas as constantes de integra¸c˜ ao D1 .3: esfor¸cos nas se¸c˜oes.24: Exerc´ıcio resolvido 4.4. D2 . Exerc´ Icios Resolvidos 4-26 (a) Trecho AB. (b) Equil´ıbrio na interfa. (c) Trecho BC. assim como a for¸ca normal N2 interface dos dois trechos. Figura 4. ce. Barra 1 (0 < x < L1 ): neste caso tem-se como inc´ ognitas as constantes de integra¸ca ˜o C1 . C2 . 2 • Equa¸c˜ ao diferencial: E2 A2 ddxu22 = 0 • Condi¸co ˜es de contorno u2 (x = L1 + L2 ) = 0 Nx2 (x = L1 ) = N2 – primeira integra¸c˜ ao: for¸ca normal Nx2 = D1 – segunda integra¸ca ˜o: deslocamento axial E2 A2 u2 = D1 x + D2 • Determina¸ca ˜o de D1 e D2 Nx2 (x = L1 ) = D1 = N2 E2 A2 u2 (x = L1 + L2 ) = D1 (L1 + L2 ) + D2 = 0 → D2 = −N2 (L1 + L2 ) .

vem que.   0. 32  . F −kN2 − N2 = F → N2 (1 + k) = −F → N2 = − 1+k Logo.48) em (4.   E1 A1 L2 1.4. 32 N1 = 1 = 0. tem-se que. A condi¸c˜ ao de equil´ıbrio ´e a seguinte: Fx = 0 : −N1 + F + N2 = 0 → N1 − N2 = F (4.47) vem que. 32 E2 A2 L1 E2 4 d2 L1 d2 L1 1252 300 Portanto. Logo. ca u1 (x = L1 ) = u2 (x = L1 ) Tomando as equa¸co ˜es anteriores determinadas para os deslocamentos u1 e u2 .47) Condi¸˜o de compatibilidade : tem-se que os deslocamentos axiais u1 e u2 devem ser iguais. N1 1 L1 = [N2 L1 − N2 L1 − N2 L2 ] E1 A1 E2 A2 E1 A1 L2 N1 = − N2 = −kN2 (4. como mostrado na Figura 4.48) E2 A2 L1 Substituindo (4. 5E2 π4 d21 L2 d2 L2 502 400 k= =  π 2 = 1. 32   1 N2 = − 1 = −0. 76KN 1 + 0. 5 = 0.2. Exerc´ Icios Resolvidos 4-27 • Equa¸c˜ oes finais – for¸ca normal: Nx2 (x) = N2 – deslocamento axial: u2 (x) = 1 E2 A2 [N2 x − N2 (L1 + L2 )] Equil´ıbrio da descontinuidade : considera-se o equil´ıbrio da for¸ca normal presente na interface dos trechos AB e BC.24(b).   F k N1 = −k − → N1 = F 1+k 1+k Calculando k. 24KN 1 + 0. 5 12 → k = 1.

06 60 .300 3. Determinar essa for¸ca sendo o volume da barra 400 cm? C0 = 60cm ∂ = 0.4 Determinar o alongamento de uma barra de 3 m de comprimento cuja sec¸c˜ ao transversal area igual a 3 cm . A barra foi solicitada por uma for¸ca de tra¸c˜ tem ´ 2 ao de 6 kgf e o m´ odulo de elasticidade do seu material ´e 2000 tf /cm 2 ? ∂ =? C0 = 3m = 300cm A = 3cm2 P = 6kgf E = 2000tf /cm2 = 2x106 kgf /cm2 ∂= P #0 AE = 6. 60 . 06cm P =? V = 400cm3 E = 21x105 kgf /cm2 ∂ = PAE#0 → P = #∂0 AE → P = #∂0 . Exerc´ Icios Resolvidos 4-28 Exerc´ıcio 4. #V0 .E → P = 0.2.4.2x106 = 3x10−4 cm  Exerc´ıcio 4.21x10 → P = 14000kgf 400 5 .5 Uma barra prism´ atica de a¸co tem 60 cm sob a a¸ca ˜o de uma for¸ca de tra¸ca ˜o.

8x10−4 636.090 9.058 5. Submetendo-se esta barra a uma for¸ca axial de tra¸c˜ ao de 16800 kgf.εxx ! " Material ∂ [cm] εxx σxx kgf /cm2 a¸co 0. .0x10−4 636.030 3.6 Uma barra cil´ındrica tem 2 cm de diˆ ametro e 1 m de comprimento e est´a sendo tracionada por uma for¸ca axial de 2 toneladas.6  Exerc´ıcio 4. Pede-se: a) Determinar a deforma¸ca ˜o espec´ıfica de tra¸ca ˜o apresentada pela barra.0x10−4 636.7 Tem-se uma barra prism´ atica de a¸co de sec¸ca ˜o transversal quadrada vazada de 10 cm de comprimento. verificou-se um aumento de 5 x 10−3 cm no seu comprimento.6 alum´ınio 0. o alongamento. ∂ εxx = #0  Exerc´ıcio 4. a deforma¸c˜ ao espec´ıfica de tra¸ca ˜o nos seguintes casos: a) barra de a¸co (E=21 x 105 kgf/cm2 ) b) barra de alum´ınio (E=7 x 109 kgf/cm2 ) c) barra de cobre (E=11x105 kgf/cm2 ) d = 2cm C0 = 1m = 100cm P = 2tf ∂ =? εxx =? σxx =? ∂ = PAE #0 2 A = πd4 εxx = #∂0 σxx = E. Determinar para esta barra.6 cobre 0.

4. P ! 2" barra for¸ca(kgf) σ A= cm σ ¯ BC 66700 1400 53. dimen- sion´ ˜o aa12 =0.7  Exerc´ıcio 4. Utilizando o m´etodo dos n´os. Determinar: a) Nova a ´rea A’ de se¸ca ˜o transversal b) O volume V’ da barra  a)εT = a a−a = −µε → a = a(1 − µε)  εT = b −b  b = −µε → b = b(1 − µε)    A = a b = a(1 − µε)b(1 − µε) = ab(1 − µε)2 A = A0 (1 − 2µε + µ2 ε2 ) Considerando que ε2´e muito menor que ε: A = A0 (1 − 2µε) A = εA = −2µε [deforma¸ ∆A ca ˜o espec´ıfica da a´rea] V  = a b C = A C # −#  # = ε → C = C(1 + ε) V  = A0 (1 − 2µε)C(1 + ε) V  = V (1 − 2µε)(1 + ε) V  = V (1 + ε − 2µε − 2µ2 ε2 ) Considerando que ε2´e muito menor que ε: V  = V (1 + ε − 2µε) V  = V + V (ε − 2µε) V = εV = ε − 2µε [deforma¸ ∆V ca ˜o espec´ıfica volum´etrica]  . 7cm a1 = 0. Dimensionar as barras sendo as tens˜ oes normais admiss´ıveis a ` tra¸c˜ ao e ` a compress˜ ao 1400 kgf/cm 2 e 750 kgf/cm2 . Sabe-se que a barra apresenta uma deforma¸ca ˜o espec´ıfica longitudinal E e que seu material tem coeficiente de Poisson m. 8a2 )2 = 16 → a2 = 6. 3cm  Exerc´ıcio 4. sec¸c˜ ao transversal retangular de dimens˜ oes iniciais a e b. 7tf Como Ax + Cx = 0 → Ax = −66.  F = 0 : Ax + Cx = 0  x F = 0 : Ay − 50 = 0 → Ay = −50tf  y Mza = 0 : −50.εxx = 21x105 . Exerc´ Icios Resolvidos 4-29 b) Determinar a tens˜ ao normal de tra¸ca˜o atuante no seu interior c) Supondo agora a tens˜ ao calculada no item anterior. a-la. 7tf .2.8. 7tf e FAB = 83.9 Seja uma barra de comprimento inicial l. Como a tens˜ ao admiss´ıvel da barra. 8a2 → a1 = 5.8 A estrutura de figura ´e constitu´ıda das barras AB e BC articuladas nas extremidades.4 + 3Cx = 0 → Cx = 66. 3tf . determina-se que FBC = 66. respectivamente. A tabela abaixo resume o dimensionamento das barras. Desde a rela¸ca 5x10−3 a)εxx = ∂ #0 = 10 = 5x10−4 b)σxx = E.3 AC -83300 -750 35.5x10−4 = 1050kgf /cm2 c)A = Pσ = 16800 1050 = 16cm 2 A = a2 − a1 2 2 a22 − (0.

P = 26250kgf εv = 0. 3 E = 21x105 kgf /cm2 d D = 0. 8D = 6.03%. Dimensionar a barra sabendo-se que a sua deforma¸c˜ ao espec´ıfica volum´etrica ´e d 0. 7cm 2 2 πd2 A = πD 4 − 4 = 4 (D − d ) π 2 2 A = π4 (D2 − (0.8.7. 8D)2 ) D = 7.2(0.003 ε = 1. 8 εV = ε.03 100 µ = 0.3. Dada a rela¸ca ˜o entre os diˆ ametros D =0.2µε 0. Exerc´ Icios Propostos 4-30 Exerc´ıcio 4.4. 5x10−4 σ = Eε = 21x105 .3 Exerc´ıcios Propostos .3) = 7. 7cm d = 0. 1cm  4.10 Uma barra de a¸co de sec¸ca ˜o transversal circular for submetida a a¸ca ˜o de uma for¸ca axial de tra¸ca ˜o de 26250 kgf. 5x10−4 = 1575kgf /cm2 σxx = PA = σ → A = 26250 1575 = 16.

considera-se o caso de tor¸c˜ao em se¸c˜oes gen´ericas. Na abordagem variacional. θ ´e fun¸c˜ao escalar apenas da coordenada x.1 Defini¸c˜ ao da Cinem´ atica No caso da tor¸c˜ao de eixos com se¸c˜oes transversais circulares ou tubulares. podendo-se escrever θ = θ (x). • as a¸c˜oes de movimento produzem uma rota¸c˜ao das se¸c˜oes transversais em torno x. Em outras palavras. z). 5. Na pr´oxima se¸c˜ao. vindo da´ı a importˆancia do problema de tor¸c˜ao. Observa-se que os eixos de se¸c˜ao circular est˜ao presentes em praticamente todos os sistema mecˆanicos.1(b). cada se¸ca ˜o transversal sofre uma rota¸ca ˜o r´ıgida constante.1(a). a formula¸c˜ao do problema de tor¸c˜ao segue as mesmas etapas do caso de barra. Dessa forma. a qual est´a presente em se¸co˜es n˜ao-circulares e origina o empenamento da se¸c˜ao (ver Se¸c˜ao 5.1 Se¸c˜ oes Circulares Como no caso de barras. a rota¸c˜ao θ ´e constante para todos os pontos da se¸c˜ao. n˜ao h´a deforma¸c˜ao longitudinal. como mostrado na Figura otese significa que dado um plano imagin´ario DO1 O2 C. ou seja. . as seguintes hip´ oteses ci- nem´aticas s˜ao feitas em rela¸c˜ao as a¸c˜oes de movimento poss´ıveis definindo o espa¸co vetorial V: • as se¸co˜es transversais planas permanecem planas e normais ao eixo longitudinal x. A posi¸c˜ao de um ponto P na se¸c˜ao transversal x ´e dada por suas coordenadas (y. 5.1. Assume-se ainda que se¸c˜oes transversais paralelas permanecem a uma distˆancia constante entre si. Assume-se nesta formula¸c˜ao que os eixos s˜ao circulares ou tubulares de se¸c˜ao constante. como y = r cos β. as quais podem ser escritas em fun¸c˜ao do aˆngulo β e do raio r. Esta hip´ este se move para D O1 O2 C  sob a a¸c˜ao da rota¸c˜ao.2). crescendo li- nearmente a partir de zero no centro da se¸ca˜o e atingindo o valor m´aximo na periferia. sendo a se¸c˜ao circular um caso particular. ent˜ao. O interesse no estudo de eixos est´a relacionado apenas `a a¸c˜oes de movimento originando tor¸c˜ao das se¸c˜oes em torno da dimens˜ao longitudinal. Como cada se¸c˜ao sofre uma rota¸c˜ao r´ıgida em torno do eixo longitudinal x. (5. ilustrados na Figura 5. como no caso da barra. ilustrado na Figura 5. 5-1 Cap´ıtulo 5 TORC ˜ ¸ AO 5.1) z = r sin β.1(a). o eixo tamb´em ´e um elemento estrutural com uma dimens˜ao longitudinal predominante.

w = z  − z. as simplifica¸c˜oes cos θ ≈ 1 e sin θ ≈ θ s˜ao v´alidas. Portanto v = y cos θ − z sin θ − y. z  ) e inicial (y.1(a)) y  = r cos(β + θ). isto ´e.1: Cinem´atica de tor¸c˜ao circular.2) na express˜ao anterior vem que v = r cos(β + θ) − y.1). . # y sendo a coordenada radial r dada por r = y 2 + z 2 e tan β = . respectivamente. Logo. tem-se que r cos β = y e r sin β = z. z) (ver Figura 5. (b) Varia¸c˜ ao linear do ˆ angulo de tor¸c˜ ao ao longo do eixo. ou seja. w = z cos θ + y sin θ − z. Ap´os a rota¸c˜ao θ da se¸c˜ao x. Figura 5. w = r sin β cos θ + r cos β sin θ − z.5. o ponto P tem as componentes de deslocamento v e w. v = y  − y. para θ pequeno.1(a)). Estas componentes s˜ao dadas pelas diferen¸cas das coordenadas final (y  . Assumindo o caso de pequenas rota¸co˜es. z  ) s˜ao dadas por (ver Figura 5. (5. Desenvolvendo as rela¸c˜oes trigonom´etricas anteriores.1. w = r sin(β + θ) − z. nas dire¸c˜oes y e z do sistema de referˆencia adotado ao se mover para a posi¸c˜ao P  . Desta maneira. Se¸ c˜ oes Circulares 5-2 (a) Se¸c˜ ao transversal. as express˜oes anteriores se reduzem a v = y(1) − z(θ) − y. Substituindo as equa¸c˜oes em (5. cujas coordenadas (y  . w = z(1) + y(θ) − z.2)  z = r sin(β + θ). Mas a partir da equa¸c˜ao (5. obtem-se v = r cos β cos θ − r sin β sin θ − y. o ponto z P se move para a posi¸c˜ao final P  .

em sentido contr´ ario `a dire¸c˜ao positiva do eixo y do sistema de referˆencia adotado (ver Figura 5. ao se girar a se¸c˜ao segundo a dire¸c˜ao positiva do eixo x. Para isto. Portanto $  ut (x. z)ek . Por este motivo. Para indicar a cinem´atica de todos os pontos do eixo. 2 De acordo com as hip´oteses anteriores adotadas. y. As componentes de deslocamento dadas em (5. z) = yθ(x). (5. O sinal negativo em v ´e compat´ıvel 2 com o sentido da rota¸c˜ao. # di as componentes de deslocamento v e w s˜ao m´ınimas no diˆametro interno onde y 2 + z 2 = e m´aximas 2 # de na extremidade da se¸c˜ao pois y 2 + z 2 = . z). y.1. z)     u (x. mas varia entre se¸c˜oes.7) . z)     u1 (x. Neste caso. o que pode ser denotado como θ = θ (x). As Figuras 5. θ = θ (x). ut (x. pode-se reescrever (5. cujas componentes dependem das suas coordenadas (x. z) com as seguintes componentes         u(x.6) sendo ej e ek os versores nas dire¸c˜oes y e z. z)ej + w(x. A coordenada x permite localizar a se¸c˜ao e as coordenadas y e z indicam o ponto P considerado na se¸c˜ao x. z) = y2 + z2 θ(x).3) w = yθ. y. a componente de deslocamento na dire¸c˜ao x ´e nula. ou seja. pois a cinem´atica de cada ponto do eixo ´e descrito por um vetor. u(x. y. y. ou seja. ´e dado substituindo v(x. (5. y. y.2(e) para uma se¸ca˜o circular cheia de diˆametro d. o ˆangulo de tor¸c˜ao θ ´e constante numa mesma se¸c˜ao. y. v = −zθ. z) (ver Figura 5. devido a tor¸c˜ao de um aˆngulo θ na se¸c˜ao tranversal x. y. z) = −zθ(x) .3) incluindo a dependˆencia explic´ıta do ˆangulo de tor¸c˜ao θ com a coordenada x se¸c˜ao. z). 2. existem infinitos pontos.1(a)). o ponto P se move para baixo.2(a)). (5. contr´aria `a dire¸c˜ao positiva do eixo x. z) = v(x. O m´odulo de ut (x. ou seja. y. cada ponto P com coordenadas y e z apresenta as componentes de deslocamento v e w. ou seja. z) = v(x. y. z)   yθ(x)   3 Os ´ındices 1. o ponto P se move para cima fazendo com que v seja positivo e w negativo (ver Figura 5. y. y.5). Observe ainda que as componentes v e w variam linearmente com as coordenadas z e y. ou seja. z) na se¸c˜ao x. y. como ilustrado nas Figuras 5.2(b) e 5. y. y.3) s˜ao v´alidas para um ponto P com coordenadas (y.2(f) consideram o caso de um eixo circular vazado com diˆametros interno di e externo de .5). os deslocamentos v e w s˜ao nulos no centro da se¸c˜ao transversal e # d atingem o valor m´ aximo na extremidade do eixo onde y 2 + z 2 = .2(d)). z) e w(x. Emprega-se a denomina¸c˜ao campo vetorial para u(x. z)  0      u(x.5)   w(x. indicado como ut (x. Como n˜ao ocorre empenamento da se¸c˜ao. (5. z) = −zθ(x). z). pode-se definir uma componente de deslocamento tangencial ut (x. Logo. z) = u2 (x. tem-se infinitos vetores descrevendo a cinem´atica do eixo. z). z) e w(x. Como o eixo ´e cont´ınuo. y. Caso a rota¸c˜ao θ seja negativa. z). y. y. y. Logo v(x. usa-se o conceito de campo vetorial para descrever estes infinitos vetores. y. z) = 0. y. Lembrando que o deslocamento na dire¸c˜ao longitudinal ´e nulo. ou seja.2(c) e 5. z) para cada ponto P do eixo com coordenadas (x. Se¸ c˜ oes Circulares 5-3 ou seja. (5. tem-se que a cinem´atica de um eixo circular ´e dado por um campo vetorial u(x. basta somar vetorialmente v(x. y. y. A partir da cinem´atica dada em (5. ou seja. y. Neste caso.5. z) indicado em (5. 3 s˜ao empregados para expressar a equa¸ca˜o anterior em nota¸c˜ao indicial caso seja necess´ario. u = 0.4) w(x.

0). (b) Se¸c˜ ao cheia (θ(x) > (c) Se¸c˜ ao vazada (θ(x) > 0). (f) Se¸c˜ ao vazada (θ(x) < 0). . Se¸ c˜ oes Circulares 5-4 (a) θ(x) > 0.2: Componentes tranversais de deslocamento na tor¸c˜ao circular.5. Figura 5.1. (e) Se¸c˜ ao cheia (θ(x) < 0). (d) θ(x) < 0.

sendo zero no centro da se¸c˜ao cheia e m´aximo na periferia. ou seja. O caso de se¸c˜oes vazadas ´e an´alogo. (c) θ(x) < 0. esta posi¸ca˜o ´e dada pelo arco AP sendo igual a rβ para o caso de β pequeno. r. y. ut (x) varia linearmente na se¸c˜ao transversal. Se¸ c˜ oes Circulares 5-5 # ou lembrando que r = y 2 + z 2 . todos os elementos u ∈ V s˜ao tamb´em a¸c˜oes admiss´ıveis.5.2 Deforma¸c˜ ao No caso do problema de barra. a posi¸ca˜o do ponto P ´e expressa em fun¸c˜ao das coordenadas radial r e tangencial β. formado pelas fun¸c˜oes respeitando as restri¸c˜oes cinem´aticas.8) O deslocamento tangencial ut pode ser obtido diretamente a partir da Figura 5. θ) = rθ(x).5). z) = rθ(x).3 ilustra o comportamento do deslocamento tangencial para ˆangulos de tor¸ca˜o positivo e negativo. (b) θ(x) > 0. z) da forma (5. tem-se que ut (x.3(a) empregando um sistema de coordenadas polar na se¸c˜ao transversal do eixo. somente o subconjunto Kinv de V. Portanto V = {u.9) Novamente.3: Comportamento do deslocamento tangencial na se¸c˜ao transversal do eixo. constitui as a¸c˜oes de movimento admiss´ıveis. pois n˜ao h´a v´ınculos f´ısicos impedindo o movimento de tor¸c˜ao nas extremidades. as a¸co˜es de movimento s˜ao dadas a partir do ˆangulo de tor¸c˜ao . Desta forma. v3 = yθ(x) e θ(x) ´e uma fun¸c˜ao suave}. u1 = 0. y.1. Portanto. Neste caso. a posi¸c˜ao final P  ´e dada pelo arco AP  . r(β + θ). A Figura 5. (a) Deslocamento tangencial. Analogamente. (5. O conjunto V das a¸co˜es cinematicamente poss´ıveis consiste dos campos de deslocamento u(x. a componente de deforma¸c˜ao longitudinal εxx (x) est´a relacionada a uma a¸ca˜o de estiramento u(x) da barra. sendo θ (x) uma fun¸ca˜o suave de x. (5.10) Para um eixo livre. Logo. No caso de tor¸ca˜o. u2 = −zθ(x). εxx (x) representa fisicamente uma varia¸c˜ao espec´ıfica do comprimento da barra. Figura 5. ut (x. o deslocamento tangencial ser´a simplesmente a diferen¸ca das posi¸c˜oes inicial P e final P  ut = r(β + θ) − rθ. Quando alguma restri¸c˜ao est´a presente. 5. ou seja. (5.1.

Os deslocamentos transversais v e w apresentados por estes pontos s˜ao dados a partir da equa¸c˜ao (5. a deforma¸c˜ao ser´a angular devido `a varia¸c˜ao de θ e n˜ao longitudinal como no caso da barra. y. y. γxz ´e uma componente de deforma¸c˜ao angular no plano x na dire¸c˜ao do eixo z. y. y.4 ilustrando as se¸c˜oes localizadas `a distˆancias x e x + ∆x da origem do sistema de referˆencia. como ser´a visto na pr´oxima se¸c˜ao. ∆x→0 ∆x w(x + ∆x. y. Para isso.4: An´alise da deforma¸ca˜o na tor¸c˜ao circular. z) e (x + ∆x. z) γxy = lim . Observa-se que se todas as se¸c˜oes sofrerem uma mesma rota¸c˜ao θ. sendo ∆θ = θ2 − θ1 a varia¸c˜ao do aˆngulo de tor¸c˜ao entre estas duas se¸c˜oes transversais. y. z) = yθ(x + ∆x) = yθ2 Associado a`s componentes de deslocamento transversal v e w. y. O ´ındice x representa a dire¸c˜ao normal ao plano. z) γxz = lim . respectivamente. antes da tor¸c˜ao do eixo estes pontos possuem as mesmas coordenadas transversais y e z. rota¸c˜oes r´ıgidas θ1 e θ2 . comparam-se os deslocamen- tos v e w de dois pontos em duas se¸c˜oes transversais que apresentam rota¸c˜oes distintas para uma tor¸ca˜o do eixo. Para se obter as componentes de deforma¸c˜ao angular γxy e γxz . Figura 5. os pontos P1 e P2 assumem as posi¸c˜oes finais P1 e P2 . Assim. no problema de tor¸c˜ao circular. Considere ent˜ao os pontos P1 e P2 com coordenadas (x. tem-se as respectivas componentes de deforma¸ca˜o angular γxy e γxz . por v(x. tem-se uma varia¸ca˜o linear do ˆangulo de tor¸c˜ao ao longo do comprimento do eixo (ver Figura 5.1(b)). ou seja. ou seja.5). Se¸ c˜ oes Circulares 5-6 θ(x). ∆x→0 ∆x . o eixo apresentar´ a uma rota¸c˜ao de corpo r´ıgido em torno do eixo x. Neste caso. Os ´ındices y e z indicam a dire¸c˜ao da deforma¸c˜ao. Ap´os a tor¸c˜ao do eixo. z) − v(x.5. respectivamente. as se¸co˜es x e x + ∆x apresentam. y. Analogamente. consideram-se as diferen¸cas dos deslocamentos transversais v e w dos pontos P1 e P2 divididos pela distˆancia ∆x entre as se¸c˜oes e toma- se o limite para ∆x tendendo a zero. z) − w(x. observa-se que o eixo x ´e normal a cada se¸c˜ao. y. Como θ(x) varia em cada se¸c˜ao transversal. Logo. A letra γ ´e usada para indicar uma deforma¸c˜ao angular. z) respectivamente. z) = −zθ(x + ∆x) = −zθ2 w(x + ∆x. y. enquanto ε representa uma deforma¸ca˜o longitudinal. n˜ao havendo assim deforma¸c˜ao do eixo. v(x + ∆x.1. considere a Figura 5. z) = −zθ(x) = −zθ1 w(x. Para caracterizar a deforma¸c˜ao no eixo devido ao aˆngulo de tor¸c˜ao θ(x). z) = yθ(x) = yθ1 . γxy ´e uma deforma¸c˜ao angular no plano x na dire¸c˜ao do eixo y. Logo. como as deforma¸c˜oes ocorrem na se¸c˜oes transversais. v(x + ∆x.

dθ(x) γxy (x. y. z) γxz = lim = . respectivamente. (5. Assim.11) ∆x→0 ∆x dx ∆w dw(x.1. y.5 ilustra as componentes de deforma¸c˜ao angular γxy .12) dx dθ(x) γxz (x. a deforma¸c˜ao tangencial tamb´em varia linearmente com a coordenada radial r na se¸c˜ao trans- versal do eixo. γxy ´e dado tamb´em em radianos e representa uma deforma¸c˜ao angular. pois o campo de deslocamentos tangencial (5. θ) = r . A seguinte rela¸c˜ao ´e v´alida γt = γxy + γxz . y. y. m ou seja. dx dx ou seja. a deforma¸c˜ao tangencial ´e determinada como ut (x + ∆x. θ1 ) rθ2 − rθ1 ∆θ γt (x) = lim = lim = r lim . z) d γxz = = (yθ(x)). y. (5.4) dv(x. r.13) ∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x Portanto. De forma an´aloga ao campo de deslocamentos tangencial. Neste caso. y. y. observa-se que γxy tem como unidade rd [γxy ] = m = rd. bastando para isto substituir v e w dados em (5.9) tamb´em varia linearmente na se¸c˜ao.15) O espa¸co W das a¸c˜oes de deforma¸ca˜o compat´ıveis com a cinem´atica de tor¸c˜ao em se¸c˜oes circulares ´e constitu´ıdo pelas fun¸c˜oes cont´ınuas γxy (x) e γxz (x). r. A Figura 5. (5. θ2 ) − ut (x. relacionando os espa¸cos V das a¸c˜oes de movimento poss´ıveis e W das a¸c˜oes de deforma¸c˜ao compat´ıveis . chega-se a express˜ao final para a deforma¸ca˜o tangencial γt dθ(x) γt (x.5. (5. dx Supondo que as dimens˜ oes estejam em metros e o ˆangulo de tor¸ca˜o em radianos.14) dx Portanto. y. r. ∆x→0 ∆x dx Estas componentes de deforma¸c˜ao podem ser escritas em termos do aˆngulo de tor¸c˜ao. define-se tamb´em uma componente de deforma¸c˜ao angular na dire¸ca˜o tangencial indicada por γt . z) = y . z) d γxy = = (−zθ(x)). Se¸ c˜ oes Circulares 5-7 Denotando v(x + ∆x.9). z) − v(x. γxz e γt . empregando a defini¸c˜ao de derivada. nas dire¸c˜oes y e z e utilizando a defini¸c˜ao de derivada vem que ∆v dv(x. dx dx dw(x. os deslocamentos tangenciais dos pontos P1 e P2 s˜ao dados empregando a equa¸c˜ao (5. z) γxy = lim= . (5. z) = ∆v e w(x + ∆x. Isto ´e esperado. y. Observa-se que o operador de deforma¸c˜ao D. z) = −z . z) − w(x. z) = ∆w como as varia¸c˜oes nos deslocamentos transversais entre os pontos P1 e P2 . y.

1. y. y. Logo dθ(x) γxy (x. z) w(x. d d com a cinem´atica definida em V. θ) = rθ(x) → = γt (x) dx 5. r.17) ut (x. dx dθ(x) Au ´nica condi¸c˜ao para satisfazer as rela¸c˜oes anteriores ´e que = 0 para toda se¸c˜ao transversal do dx eixo. y. y.5: Componentes de deforma¸c˜ao γxy . dx w(x. aplicando D = a uma a¸c˜ao de movimento % & dx dx v(x. z) % & % & d v(x.16)  v(x. z)  →  v(x. z) = −z = 0. (5. y. basta impor que as componentes γxy (x) e γxz (x) sejam simultaneamente nulas. Assim. w(x. de tal forma que dx D: V→W d [rθ(x)] . y.5. z)  =  γxy (x)  dx w(x. ´e dado por D = . z) γxz (x) Considerando a componente tangencial de deslocamento ut . γxz e γt num eixo circular. z) = tem-se as respectivas componentes de deforma¸c˜ao. y. Para isso.3 Movimentos R´ıgidos Os movimentos r´ıgidos s˜ao obtidos impondo-se que a deforma¸c˜ao no eixo deve ser nula. o espa¸co W das a¸co˜es de deforma¸c˜ao compat´ıveis ´e constitu´ıdo por fun¸c˜oes cont´ınuas γt (x) representando a deforma¸c˜ao tangencial. o plano DO1 O2 C . z) γxy (x) Du = = . z) = y = 0. z) γxz (x) O operador D pode ainda ser indicado como D: V  →W      0 0 0   d     . Neste d caso. (5. y. ou seja. o operador de deforma¸c˜ao D tamb´em ´e dado por D = .1.18) dx dθ(x) γxz (x. (5. Logo. z) tangencial u(x. y. y. Se¸ c˜ oes Circulares 5-8 Figura 5. y. Isto implica que θ deve ser uma rota¸c˜ao constante em todas as se¸c˜oes.

6. z) y dV v dx dx  dθ(x) = − [−zτxy (x. z)] dV. o conjunto N (D) ´e composto das a¸c˜oes de movimento dadas em (5. esta soma ´e escrita como uma integral ao longo do volume V do eixo.  Pi = − [τxy (x. y.5. z)] dA dx. Portanto. Substituindo as express˜ oes para as componentes de deforma¸c˜ao dadas em (5. z)γxz (x. y.6: Movimento r´ıgido na tor¸c˜ao circular. z) + yτxz (x. y. y.19) Figura 5. ou seja. (5.1. z)γxy (x. y. Define-se. associa-se a cada uma delas a sua respectiva componente de tens˜ao. z) + τxz (x. y. possui infinitos pontos. o sinal negativo ´e introduzido apenas por conveniˆencia quando da aplica¸c˜ao do PPV. ou seja.1. (5. z) −z + τxz (x. o conjunto N (D) como N (D) = {u. Deve-se somar estas contribui¸c˜oes para cada ponto do eixo. Observa-se que como se tem duas componentes de deforma¸c˜ao. 5.20) v Como mencionado anteriormente. τxy (x) e τxz (x) s˜ao denominadas tens˜oes de cisalhamento atuantes no plano x nas dire¸co˜es y e z. Logo. obtem-se       dθ(x) dθ(x) Pi = − τxy (x. y.12). y.5) sendo θ constante. (5.1(b) sofre apenas uma rota¸ca˜o r´ıgida sem se deformar como mostrado na Figura 5. Se¸ c˜ oes Circulares 5-9 ilustrado na Figura 5. a rela¸ca˜o τxy (x)γxy (x) + τxz (x)γxz (x) representa a densidade de potˆencia interna no ponto. Como o eixo ´e cont´ınuo. u ∈ V | θ (x) = θ constante} . y. y.21) 0 A dx . Como a deforma¸c˜ao ´e angular. v dx A integral de volume anterior pode ser reescrita como integrais ao longo do comprimento L do eixo e da ´area A da se¸c˜ao transversal da seguinte forma  L   dθ(x) Pi = − [−zτxy (x. respectivamente. z)] dV. Para um ponto P qualquer no eixo. z) + yτxz (x.4 Potˆ encia Interna A potˆencia interna permite associar as componentes de deforma¸c˜ao γxy (x) e γxz (x) com as respectivas componentes de tens˜ao τxy (x) e τxz (x) representando as for¸cas internas no eixo. as a¸c˜oes de movimento r´ıgido s˜ao aquelas nas quais todas as se¸c˜oes transversais sofrem a mesma rota¸c˜ao r´ıgida. ent˜ao.

22) em (5. Para interpretar esta integral.22) A como momento longitudinal ou tor¸cor na se¸ca ˜o transversal. De forma an´aloga ao caso de barra. Assim. respectivamente. Se¸ c˜ oes Circulares 5-10 Figura 5. respectivamente. os quais somados fornecem o integrando −zτxy + yτxz na a´rea da se¸c˜ao. considere a Figura 5.7 mostrando um elemento de ´area infinitesimal dA distando y e z.25) 0 dx Logo. y. Estes esfor¸cos s˜ao ilustrados na Figura 5. respectivamente. o espa¸co W  dos esfor¸cos internos ´e constitu´ıdo por fun¸c˜oes escalares cont´ınuas Mx (x) caracterizando o momento tor¸cor em cada se¸c˜ao transversal x do eixo. denomina-se  Mx (x) = [−zτxy (x. Da mesma forma. aplicando a regra dada em (4. resultando em  L  L dM (x) dθ(x) x Pi = − Mx (x) dx = − Mx (x)θ(x)|L 0 + θ(x) dx (5.23) 0 dx Portanto.8(a). os produtos −τxy dA e τxz dA indicam. (5.1. dx . Observe que o momento tor¸cor varia em cada se¸c˜ao x do eixo. A integral ao longo da a´rea resulta num momento ao longo do eixo x.24) 0 dx 0 dx  L dMx (x) = − [Mx (L)θ(L) − Mx (0)θ(0)] + θ(x) dx. de forma an´aloga ao ˆangulo de tor¸c˜ao θ(x). os produtos −zτxy dA e yτxz dA representam momentos na dire¸c˜ao positiva do eixo x. y. em unidades de momento. pode-se integrar a express˜ao da potˆencia interna por partes. z) + yτxz (x.13). (5. z)] dA (5. Supondo que as unidades de comprimento sejam dadas em m e as tens˜oes em N/m2 . resultantes de for¸cas internas no elemento de ´area nas dire¸c˜oes −y e z.7: Resultante em termos de momento tor¸cor na se¸c˜ao transversal do eixo.21). os esfor¸cos internos compat´ıveis com a cinem´atica de tor¸c˜ao circular s˜ao caracterizados por mo- mentos tor¸cores concentrados Mx (L) e Mx (0) nas extremidades do eixo.5. al´em de um momento tor¸cor dMx (x) distribu´ıdo no seu interior. dos eixos z e y do sistema de referˆencia adotado. Observe que τxy e τxz s˜ao as componentes de tens˜ao no plano x (o eixo x ´e normal `as se¸c˜oes do eixo) nas dire¸c˜oes dos eixos y e z. o integrando estar´a dado em N/m. o qual ap´os a integra¸c˜ao fornecer´a um termo em N m. ou seja. substituindo (5. Por sua vez. pode-se reescrever a express˜ao para a potˆencia interna como  L dθ(x) Pi = − Mx (x) dx. Por este motivo.

r.23) na express˜ao anterior vem que ' (  L ˆ dθ(x) f . θ)dA dx. as potˆencias externa e ˆ interna associadas a qualquer a¸c˜ao virtual θ(x) devem ser iguais. r.1. (5. o momento tor¸cor ´e dado pela integral ao longo da ´area A em fun¸c˜ao da tens˜ao de cisalhamento tangencial.5 Aplica¸c˜ ao do PPV Deseja-se caracterizar os esfor¸cos externos f compat´ıveis com a cinem´atica definida para a tor¸c˜ao de eixos circulares.27) 0 A dx Neste caso. Se¸ c˜ oes Circulares 5-11 A potˆencia interna pode ser escrita em fun¸c˜ao da componente de deforma¸c˜ao angular γt .21). reescreve-se o PPV como ' ( ) *  L dM (x) ˆ ˆ ˆ x ˆ f . ou ainda τt (x. (5. θ)dA.24) ap´os a integra¸c˜ao por partes. Como ' (os esfor¸cos externos f n˜ ao foram ainda caracterizados. . de forma an´aloga a (5. a express˜ao anterior pode ser reescrita. ou seja. introduz-se uma a¸ca˜o de tor¸ca˜o virtual θ(x) a partir da posi¸c˜ao deformada. θ)Ip (x) Mx (x) = . θ)A(x).  Pi = − τt (x.  Mx (x) = rτt(x. Para avaliar este estado de equil´ıbrio. r. como  L   dθ(x) Pi = − rτt (x. Para isso.31) 0 dx Considerando a express˜ao para a potˆencia interna (5. ou seja. (5.29) r sendo Ip (x) o momento de in´ercia polar da se¸c˜ao transversal. fornecendo ainda uma representa¸c˜ao dos esfor¸cos externos compat´ıveis com o modelo cinem´atico do eixo. (5. θ)γt (x. substituindo a potˆencia interna dada em (5. θ)dV. ou seja.14). r.1.θˆ − Mx (x) dx = 0. r. Esta equa¸c˜ao ser´a empregada ao se discutir o ensaio de tor¸c˜ao para caracterizar as propriedade de um corpo de prova submetido a` tor¸ca˜o. r. θ) a tens˜ao de cisalhamento ao longo da dire¸c˜ao tangencial num ponto de coordenadas polares (r. γxz e γt . ou seja. θ). (5. τt = τxy + τxz . aplica-se o PPV discutido na Se¸c˜ao ??. τxz e τt est˜ao relacionadas de forma an´aloga `as componentes de deforma¸c˜ao angular γxy .θ − Mx (L)θ(L) − Mx (0)θ(0) + θ(x) dx = 0.28) A A express˜ao anterior pode ser integrada resultando em Mx (x) = rτt (x. Observa-se ainda que as componentes de tens˜ao τxy . Assim. Este princ´ıpio estabelece que o estado de equil´ıbrio de um corpo na sua posi¸c˜ao deformada pode ser avaliado introduzindo uma a¸c˜ao de movimento virtual. Se o eixo est´a realmente em equil´ıbrio nesta configura¸c˜ao. suponha que um eixo tenha sofrido uma tor¸c˜ao e se encontra em equil´ıbrio na sua configura¸c˜ao ˆ deformada. Pe + Pi = 0. denota-se a potˆencia externa como ˆ Pe = f.5.32) 0 dx Este ´e o enunciado integral descrevendo o equil´ıbrio do eixo livre de restri¸c˜oes. (5.30) 5. Substituindo (5.26) v sendo τt (x. r. Logo. θ . (5.

(a) Esfor¸cos internos. sendo TL e T0 os torques externos presentes nas extremidades x = L e x = 0 dMx (x) do eixo.32). denotada por t(x). os esfor¸cos externos presentes no eixo devem ser tais que a potˆencia gerada pelos mesmos durante uma rota¸ca˜o virtual θ(x) ˆ equilibre a potˆencia interna dos esfor¸cos internos para a mesma a¸c˜ao virtual. Figura 5. (5. para equilibrar o termo . equilibra a potˆencia interna θ(x) dx.1. para equilibrar os termos ˆ Mx (L)θ(L) ˆ e Mx (0)θ(0) ˆ da potˆencia interna. Al´em disso. Logo. cuja potˆencia ˆ t(x)θ(x) dx associada a uma rota¸c˜ao virtual arbitr´aria  L 0 ˆ dMx (x) ˆ θ(x). (5. o termo f em (5. Logo.34) no enunciado do PPV (5. deve existir uma densidade de torque externo  L dx distribu´ıdo. 0 0 dx Rearranjando a express˜ ao anterior vem que  L  dM (x)  ˆ + [−Mx (L) + TL ] θˆ (L) − x ˆ [Mx (0) + T0 ] θ(0) + t(x) θ(x) dx = 0 (5.6 Caracteriza¸c˜ ao dos Esfor¸cos Externos Como mencionado na se¸c˜ao anterior. A partir de (5.33).1.32) do PPV. o PPV representa o equil´ıbrio das potˆencias externa e interna para ˆ qualquer a¸c˜ao virtual θ(x) a partir da posi¸c˜ao deformada do eixo. faz-se uma an´ alise da express˜ ao (5. Se¸ c˜ oes Circulares 5-12 5.35) 0 dx .34) 0 Substituindo (5. Assim. (c) Conven¸c˜ ao de sinais para Mx .33)   t → densidade de torque por unidade de comprimento Estes esfor¸cos externos est˜ao ilustrados na Figura 5. obt´em-se  L ) *  L dMx (x) ˆ T0 θˆ (0) + TL θˆ (L) + ˆ t(x)θ(x) ˆ dx − Mx (L)θ(L) ˆ − Mx (0)θ(0) + θ(x) dx = 0. tem-se os respectivos termos TL θ(L) ˆ e T0 θ(0) na express˜ao da potˆencia externa.32) ´e dado por 0 dx    T0 → torque aplicado em x = 0 f: T L → torque aplicada em x = L . obt´em-se a express˜ao da potˆencia externa das for¸cas f para qualquer a¸ca˜o virtual ˆ θ(x) ∈V ' (  L Pe = f. θˆ = T0 θˆ (0) + TL θˆ (L) + ˆ t(x)θ(x) dx. Logo.5. (b) Esfor¸cos externos.8(b). para caracterizar os esfor¸cos externos compat´ıveis com os esfor¸cos internos e consequentemente com a cinem´atica do eixo.8: Esfor¸cos internos e externos e conven¸c˜ao de sinais na tor¸c˜ao circular.

Pode-se tra¸car o diagrama de esfor¸co solicitante para o momento tor¸cor Mx (x) de forma an´aloga ao realizado para a for¸ca normal Nx (x) no caso de barra. ou seja. resultando em    dMx (x)  + t(x) = 0 em x ∈ (0.34) ´e nula para um eixo em equil´ıbrio. L) D∗ Mx (x) = dx . ent˜ao a potˆencia interna ´e nula. (5. A partir da equa¸ca˜o (5. Se¸ c˜ oes Circulares 5-13 ˆ Para que a equa¸c˜ao (5. Este conjunto (equa¸c˜ao diferencial + condi¸c˜oes de contorno) define o Problema de Valor de Contorno (PVC) para a tor¸c˜ao circular. L) dx (5. obt´em-se o momento tor¸cor Mx (x) ao longo do comprimento do eixo. s˜ao rota¸c˜oes constantes em torno do eixo x. o ˆ PPV estabelece que para qualquer a¸c˜ao virtual r´ıgida θ(x) ∈ N (D).37)   − Mx (x)|x=0 em x = L  Mx (x)|x=L em x = 0 O operador D∗ mapeia os espa¸cos vetoriais dos esfor¸cos internos W  e externos V  . o espa¸co vetorial dos esfor¸cos externos V  ´e caracterizado por uma fun¸c˜ao escalar cont´ınua t(x) indicando o torque distribu´ıdo sobre o eixo e torques concentrados T0 e TL nas extremidades do eixo tratados como condi¸co˜es de contorno do problema. obt´em-se a condi¸c˜ao de equil´ıbrio da barra. denota-se D∗ como D∗ : W → V     d  − Mx (x) = t(x) em x ∈ (0.  L T0 θˆ (0) + TL θ(L) ˆ + ˆ t(x)θ(x) dx = 0.39) 0 ˆ As a¸c˜oes r´ıgidas para o eixo. Neste caso. a potˆencia externa dada em (5.  L T0 + TL + t(x) dx = 0. estabelecendo que a resultante dos torques externos deve ser nula.1.40) 0 . (5. 0 A partir da´ı. (5. Portanto. Tem-se uma equa¸c˜ao diferencial em termos do momento tor¸cor e duas condi¸c˜oes de contorno. Este operador pode ser escrito como    d  Mx (x) − em x ∈ (0. Logo. Neste caso. tem-se θ(x) = θˆ =cte e substituindo na express˜ao anterior vem que    L T0 + TL + t(x) dx θˆ = 0.36)   Mx (0) = −T0 em x = 0  Mx (L) = TL em x = L A express˜ ao anterior define a forma local do problema de tor¸c˜ao circular livre de restri¸c˜oes cinem´ aticas. A Figura 5. (5.35) seja v´alida para qualquer a¸c˜ao θ(x) ∈ V.36). L) . os termos entre os colchetes devem ser todos simultaneamente nulos.38) Mx (x) → D∗ Mx (x) = dx   − Mx (x)|x=0 = T0 em x = L  Mx (x)|x=L = TL em x = 0 ˆ Se θ(x) for uma a¸c˜ao de movimento virtual r´ıgida. isto ´e.5. define-se o operador de equilibrio D∗ entre os esfo¸cos externos e internos.8(c) ilustra a conven¸c˜ao de sinais para Mx . Resolvendo-se a equa¸c˜ao diferencial.

9 ilustra a formula¸c˜ao variacional do problema de tor¸c˜ao. toma-se um corpo de prova de comprimento L e com sec¸c˜ao circular constantes com momento de in´ercia polar Ip .5. Deve-se observar que o problema da tor¸c˜ao de eixos. Como aplica-se apenas o torque concentrado T .10: Corpo de prova submetido a ensaio de tor¸c˜ao. a aplica¸c˜ao da equa¸ca˜o consti- tutiva deve-se definir o comportamento de um material el´astico linear quando submetido a uma tor¸ca˜o. uma vez equacionado. Da mesma maneira. o momento tor¸cor em cada se¸c˜ao transversal x ´e constante com intensidade Mx (x) = T . Se¸ c˜ oes Circulares 5-14 Figura 5.a tens˜ao de cisalhamento tangencial τt (x) = . como ilustrado na Figura 5. A Figura 5. ou seja.1. pode-se efetuar um ensaio de tor¸c˜ao visando caracterizar o comportamento de uma material quando submetido a tor¸c˜ao. ´e algebricamente idˆentico ao problema da tra¸c˜ao/compress˜ao de barras.7 Ensaio de Tor¸c˜ ao De forma an´aloga ao ensaio de tra¸c˜ao/compress˜ao numa barra. 5. Para isso. Figura 5.9: Formula¸c˜ao variacional do problema de tor¸c˜ao circular. Fixa-se o mesmo numa extremidade e aplicam-se sucessivamente valores crescentes de torque externo T na outra extremidade. Antes de se efetuar o u ´ltimo passo da formula¸c˜ao variacional.1.10.

11. para cada valor de torque T aplicado. τesc τ¯ = . tem-se que T τt = r. mede-se o ˆangulo de tor¸c˜ao θ. a fase el´astica passa a ser caracterizada por valores de tens˜ao no intervalo 0 ≤ τ ≤ τ¯. torna-se dif´ıcil determinar com exatid˜ao a tens˜ao limite τlim .41) Ip A distor¸c˜ao ou deforma¸ca˜o angular tangencial apresentada pelo eixo ao longo de seu comprimento ´e determinada integrando-se a equa¸ca˜o (5. ou seja.29). respectivamente. Como para alguns materiais.1.42) L Portanto. ou seja.14). 0 0 ou seja. as equa¸c˜oes (5. O valor m´aximo de tens˜ao de cisalhamento ´e denominado tens˜ao u ´ltima τult . sendo τlim a tens˜ao de cisalhamento limite de proporcionalidade. deseja-se dimensionar os eixos de tal forma que os mesmos permane¸cam na fase el´astica. emprega-se a tens˜ao de cisalhamento admiss´ıvel τ¯ para definir a fase el´astica. Levanta- se ent˜ao um gr´afico τt × γt . A partir da express˜ao (5. rθ γt = . Figura 5. (5.42).11: Diagrama de ensaio de tor¸c˜ao. o qual ´e denominado diagrama de ensaio de tor¸c˜ao.41) e (5. a tens˜ao m´axima τtmax deve estar no intervalo 0 ≤ τtmax ≤ τlim . A tens˜ao τ¯ ´e dada a partir da tens˜ao cisalhante de escoamento τesc e de um coeficiente de seguran¸ca k.5. enquanto a tens˜ ao na qual a ruptura ocorre ´e denominada tens˜ao de cisalhamento de ruptura e indicada por τrup . A partir da´ı. (5. (5. Valores de tens˜ao no intervalo 0 ≤ τt ≤ τlim caracterizam a fase el´astica do material. tem-se que  L  θ γt dx = rdθ. Em geral.43) k Assim. Se¸ c˜ oes Circulares 5-15 τt tamb´em ser´a constante. Para um ˆangulo de tor¸c˜ao θ. . calculam-se a tens˜ao tangencial τt e a distor¸c˜ao γt empregando. O comportamento deste diagrama para um material d´ util est´a ilustrado na Figura 5.

Observa-se que a mesma rela¸c˜ao ´e v´alida quando se tomam as componentes cartesianas das tens˜oes (τxy . (5. (5. Logo. 08 × 105 Kgf /cm2 .47) Esta equa¸c˜ao ´e denominada Lei de Hooke para o caso de tor¸c˜ao. τxz ) e deforma¸co˜es (γxy .49) 2(1 + ν) Por exemplo. isto ´e. Experimentalmente. Se¸ c˜ oes Circulares 5-16 Pode-se relacionar as tens˜oes de escoamento a tra¸c˜ao σesc e ao cisalhamento τesc . 3) Substituindo (5.48) A partir do coeficiente de Poisson ν. um eixo de material L GIp el´astico linear comporta-se como uma mola torcional com constante kt = . define-se uma propriedade do material denominada M´ odulo de Elasticidade Transversal. (5. 60] σesc . De forma an´aloga a uma barra. (5. k k ou seja.5. γxz ) de cisalhamento.50) L GIp O termo ´e denominado rigidez `a tor¸ca˜o do eixo. verifica-se que τesc ≈ [0.1. 55.44) Dividindo os dois lados da equa¸c˜ao anterior pelo coeficiente de seguran¸ca k vem que τesc σesc ≈ [0. 60] . (5. 55. a 0. 2(1 + 0.42) em (5. (5. 3) tem-se que o m´odulo de elasticidade transversal do a¸co possui o seguinte valor 21 × 105 G= = 8. tem-se a seguinte rela¸ca˜o entre os m´odulos de elasticidade longitudinal E e transversal G E G= . tomando-se o m´odulo de elasticidade e o coeficiente de Poisson do a¸co (E = 21×105 Kgf /cm2 e ν = 0. a 0. obt´em-se GIp T = θ. 55. a equa¸c˜ao da reta que define a fase el´astica ´e dada por τt = Gγt . o qual ´e denotado pela letra G. a 0. L .47). 60] σ ¯.41) e (5.46) A partir do coeficiente angular da reta na fase linear do diagrama de ensaio de tor¸c˜ao. (5. τxy = Gγxy e τxz = Gγxz . 57¯ σ. τ¯ ≈ [0. a seguinte rela¸ca˜o te´orica ´e v´alida entre a tens˜oes normal e de cisalha- mento admiss´ıveis τ¯ = 0.45) Como ser´a visto posteriormente.

substituindo a express˜ ao anterior em (5.36). obtendo-se dθ(x) τt (x.1.47).47) para um material el´astico linear isotr´opico submetido a` tor¸c˜ao.52) dx A A integral anterior representa o momento de in´ercia polar Ip (x) da se¸ca˜o transversal circular x do eixo.5. substitui-se (5. Para isso.28).51) dx Por sua vez. vem que  dθ(x) Mx (x) = G(x) r 2 dA.8 Aplica¸c˜ ao da Equa¸c˜ ao Constitutiva Definida a lei de Hooke (5. (5. Lembrando que r 2 = y 2 + z 2 vem que   . a aplica¸c˜ao da equa¸c˜ao constitutiva `a equa¸ca˜o de equil´ıbrio (5. pode-se efetuar o u´ltimo passo da formula¸c˜ao variacional. (5. θ) = G(x) r. Se¸ c˜ oes Circulares 5-17 5. ou seja. r.1.14) em (5.

32 A partir de (5. A primeira integra¸c˜ao fornece o momento tor¸cor Mx (x) = G(x)Ip (x) .56) dx2 Logo. tem-se que dθ(x) Mx (x) = .57) dx G(x)Ip (x) .55) dx dx Para um eixo de mesma se¸c˜ao transversal e mesmo material tem-se que G(x) = G e Ip (x) = Ip s˜ao constantes.54) dx A partir da´ı. (5. o momento de in´ercia polar ´e dado por π(d4e − d4i ) Ip = . 2 Ip (x) = r dA = y 2 + z 2 dA.36). estas restri¸co˜es cinem´ aticas em termo dos ˆangulo de tor¸c˜ao s˜ao inclu´ıdas na defini¸c˜ao do espa¸co de a¸c˜oes admiss´ıveis Kinv . a equa¸c˜ao diferencial anterior pode ser simplificada da seguinte forma d2 θ(x) GIp + t(x) = 0. Analogamente. (5. observa-se que para o caso de material el´astico linear isotr´opico. obt´em-se uma equa¸c˜ao dife- rencial de segunda ordem. Logo. (5. para uma 32 se¸c˜ao circular vazada de diˆametros interno di e externo de .53) A A Portanto.54). obt´em-se a equa¸c˜ao diferencial do eixo em termo do ˆangulo de tor¸c˜ao θ(x)   d dθ(x) G(x)Ip (x) + t(x) = 0. dx Observa-se que as condi¸co˜es de contorno agora podem ser dadas tanto em termos de torques concentra- dos e vincula¸c˜oes presentes nas extremidades do eixo como ilustrado na Figura 5. tem-se Ip = . Por sua vez. a qual deve ser integrada duas vezes para se obter uma fun¸c˜ao descrevendo o dθ(x) ˆangulo de tor¸c˜ao θ(x) no eixo.12. a express˜ao do momento tor¸cor para um eixo de material el´astico segundo a lei de Hooke ´e dado por dθ(x) Mx (x) = G(x)Ip (x) (5. πd4 Observa-se que para se¸c˜ao circular de diˆametro d. (5. subtituindo esta rela¸c˜ao na equa¸ca˜o diferencial do momento tor¸cor (5.

d Observa-se que o valor m´aximo da tens˜ao de cisalhamento ocorre na extremidade da se¸c˜ao onde r = . Se¸ c˜ oes Circulares 5-18 (a) θ(x = 0) = 0. y. Figura 5. (a) Mx > 0. obt´em-se que Mx (x) Mx (x) τxy (x. r.1. verifica-se uma varia¸c˜ao linear da tens˜ao de cisalhamento na se¸c˜ao transversal do eixo revelando que a distribui¸c˜ao de tens˜ao ´e compat´ıvel cinematicamente com o campo de deslocamento tangencial. (5. z) = y.59) Ip (x) Ip (x) . γxz ). τxz ) e deforma¸c˜oes (γxy .22). As mesmas equa¸co˜es diferenciais s˜ao obtidas tomando-se as componentes cartesianas das tens˜oes (τxy . (c) θ(x = 0) = 0 e θ(x = L) = 0. (b) θ(x = L) = 0. y. 2 A Figura ilustra o comportamento linear da tens˜ ao de cisalhamento tangencial.48) juntamente com (5.51).5.12) e (5.13: Distribui¸c˜ao da tens˜ ao de cisalhamento na se¸c˜ao de um eixo. a qual substitu´ıda em (5. permite obter a express˜ao da tens˜ao tangencial em termos do momento tor¸cor Mx (x) τt (x. Figura 5. θ) = r. Da mesma maneira. (5. (b) Mx < 0. z) = − z e τxz (x.12: Condi¸c˜oes de contorno em termos do aˆngulo de tor¸c˜ao.58) Ip (x) Logo. bastando para isso empregar as express˜oes (5.

(5. d 32 d Portanto  1/3 16Wx d= . De forma an´aloga ao caso de barra.60) Ip 2 Como n˜ao se conhece as dimens˜oes da se¸c˜ao transversal ainda. Com base neste diagrama. 2 Mxmax d τtmax = . O dimensionamento considerado aqui ser´a baseado no valor m´aximo da tens˜ao de cisalhamento ao longo do eixo. A condi¸c˜ao que o eixo permane¸ca na fase el´astica significa que a tens˜ao de cisalhamento m´axima deve ser inferior a tens˜ao de cisalhamento admiss´ıvel τ¯. para um eixo de diˆametro d.63) O m´odulo de resistˆencia a` tor¸c˜ao m´ınimo ´e obtido. tomando-se a igualdade na express˜ao anterior. 3.64) τ¯ Conhecida Wx .55). 2. (5. ou seja. τtmax ≤ τ¯.62) Wx 4. agrupam-se os termos da express˜ ao anterior envolvendo estas dimens˜oes no m´odulo de resistˆencia tor¸c˜ao Wx dado por 2 Wx = Ip . determina-se a se¸c˜ao mais solicitada. vem que 2 πd4 2 Wx = Ip = Ip = . (5.60) como Mxmax τtmax = . Aplicando-se a express˜ao (5.1. (5.58).61) d Desta forma. Mxmax Wx = . (5. Se¸ c˜ oes Circulares 5-19 5. determinam-se as dimens˜oes da se¸c˜ao transveral. Logo. ou seja. pode-se reescrever a express˜ ao (5.65) π .1. isto ´e. sendo este valor denotado Mxmax .9 Verifica¸c˜ ao e Dimensionamento de Eixos Circulares Dimensionar um eixo significa calcular a dimens˜ ao m´ınima da ´area da se¸c˜ao transversal de tal forma que o eixo permen¸ca na fase el´astica. consideram-se os seguintes passos no dimensionamento a` tens˜ao m´axima: 1. (5. determina-se a fun¸c˜ao e o respectivo diagrama de momento tor¸cor Mx (x) atrav´es da integra¸c˜ao da equa¸c˜ao diferencial (5. a se¸c˜ao onde atua o maior valor do momento tor¸cor em m´odulo. Por exemplo.5. tem-se que a tens˜ao m´axima τtmax ocore no contorno da se¸c˜ao mais d solicitada com r = .

1. Com esta tens˜ao m´axima. G = 80GP a. Pede-se: a) determinar o diˆametro m´ınimo d para que o eixo permane¸ca na fase el´astica. determinar qual eixo ´e mais pesado e qual sofre a maior rota¸c˜ao. as dimens˜oes da se¸c˜ao transversal s˜ao conhecidas e deseja-se verificar se o eixo permanece na fase el´astica quando submetida a um certo carregamento. Caso a condi¸c˜ao n˜ao seja v´alida.1.5. τ¯ = 50M P a. deve-se redimensionar o eixo aplicando o procedimento anterior.14: Eixo com se¸c˜oes circulares cheia e vazada.14 de se¸c˜ao circular com diˆametro d submetido ao carrega- mento indicado. ou seja τtmax ≤ τ¯. 5.10 Exerc´ıcio Resolvido 1. basta verificar se a calcula-se a tens˜ mesma ´e menor que a tens˜ao admiss´ıvel. (a) Equa¸c˜ao do carregamento: t(x) = t0 < x − L 2 >0 (b) Condi¸c˜oes de contorno: θ(x = 0) = 0 Mx (x = L) = Mt d2 θ (c) Integra¸c˜ao da equa¸c˜ao diferencial: GIp dx2 = −t(x) = −t0 < x − L 2 >0 • 1a integra¸c˜ao: momento tor¸cor Mx (x) = GIp dθ(x) dx = −t0 < x − 2 > +C1 L 1 • 2a integra¸c˜ao: ˆangulo de tor¸c˜ao GIp θ(x) = − t20 < x − L2 >2 +C1 x + C2 (d) Determina¸c˜ao das constantes de integra¸c˜ao GIp θ(x = 0) = (0) + C1 (0) + C2 = 0 → C2 = 0 Mx (x = L) = −t0 < L − L2 >1 +C1 = Mt → C1 = Mt + t0 L2 (e) Equa¸co˜es finais • momento tor¸cor Mx (x) = −t0 < x − L 2 >1 +Mt + t0 L2 = −1600 < x − 1 >1 +2600 . to = 1600N m/m. Figura 5. b) determinar a equa¸c˜ao do aˆngulo de tor¸ca˜o. e) baseado nos resultados obtidos. d) para esta nova se¸c˜ao. Pede-se determinar os diˆametros di e de . 8. Considere o eixo ilustrado na Figura 5. Para isto ao normal m´axima τtmax usando (5. determinar a equa¸c˜ao do aˆngulo de tor¸c˜ao. c) suponha agora que a se¸ca˜o do eixo seja circular vazada com diˆametros interno di e externo de . com di /de = 0. Dados: L = 2m. diz-se que o eixo permanece na fase el´astica. (5.62). Se¸ c˜ oes Circulares 5-20 No caso de verifica¸ca˜o de um eixo.66) Neste caso. Mt = 1000N m.

2 0.8 1 1. 65 × 10−2 )4 − (6. I π Wx = dp2 = 32 (d42 − d41 ) d22 = 16d π 2 (d42 − d41 ) 2 d1 Por sua vez. Logo. 51. Substituindo na express˜ ao anterior vem que. tem-se que GIp = 133422. θc (x) = 7. 42 × 10 ) = 1.6 0. 12cm. (i) Equa¸c˜ao do aˆngulo de tor¸c˜ao • Se¸c˜ao circular 4 −2 4 −6 4 32 = 32 (6. 49 × 10−6 (−800 < x − 1 >2 +2600x) • Se¸c˜ao circular vazada momento de in´ercia: Ip = 32 π (d42 − d41 ) = 32 π [(7. Wx = 16dπ 2 [d42 − (0. d2 = diˆametros interno e externo) d2 dimensionamento a tens˜ao: τ = ( M Mx Ip )( 2 ) = Wx = τ x ¯ m´odulo de resistˆencia a` tor¸c˜ao: Wx = Mx τ¯ = 5.5. 12 × 10−2 )4 = 1. 67 × 10 m momento de in´ercia: Ip = πd π Por sua vez. Se¸ c˜ oes Circulares 5-21 • aˆngulo de tor¸c˜ao θ(x) = GI1 p (− t20 < x − L 2 >2 +Mt + t0 L2 x) = 1 GIp (−800 < x − 1 >2 +2600x) (f) Diagrama do momento tor¸cor Mx (x → 0+ ) = 2600N m Mx (x → 1− ) = 2600N m Mx (x → 1+ ) = 2600N m Mx (x → 2− ) = 1000N m Mx(x)[N] 2500 2000 1500 1000 500 0 0 0.6 1. 8d2 )4 ] = 5.8 2 x[m] (g) Se¸c˜ao mais solicitada: Mx (x → 0+ ) = 2600N m (h) Dimensionamento • Se¸c˜ao circular 4 momento de in´ercia da se¸c˜ao: Ip = πd 32 16 13 dimensionamento a tens˜ao: τ = ( M x d 16 ¯ → d = (Mx π¯ Ip )( 2 ) = Mx πd3 = τ τ ) = 6. d2 = 7. GIp = 158811. 8. 78. 42cm • Se¸c˜ao circular vazada (d1 . θv (x) = 6.1.2 1.4 1.4 0. 65cm e d1 = 6. 2 × 10−5 m3 Portanto. 2 × 10−5 Logo. 98 × 10 m−6 4 Neste caso. a rela¸ca˜o entre os diˆametros ´e dada por d2 = 0. Portanto. 30 × 10−6 (−800 < x − 1 >2 +2600x) .

2 0. 5. a massa do eixo de se¸c˜ao cheia ´e superior a do eixo com se¸c˜ao vazada. mc Vc L( π4 )d2 d2 6.00025 0. Neste caso.8 2 x[m] x[m] (j) Rela¸c˜ao entre os pesos As massas mc e mv dos eixos de se¸co˜es circulares cheia e vazada s˜ ao dadas. 30 Assim.0003 0.00015 0.6 0. O problema de tor¸c˜ao ´e muito comum tamb´em em se¸c˜oes n˜ ao-circulares.2 0.8 1 1.4 1. a sua rota¸c˜ao ´e cerca de 20% superior.2 Tor¸c˜ ao de Se¸c˜ oes Gen´ ericas Na se¸c˜ao anterior.0002 0. respectivamente. 652 − 6. como esperado. 122 onde L ´e o comprimento dos eixos. A cinem´atica do problema foi caracterizada por uma rota¸c˜ao r´ıgida de cada se¸c˜ao transversal.005 5e-05 0 0 -0.4 0.8 1 1.025 du(x)/dx[rad] du(x)/dx[rad] 0. Tor¸ c˜ ao de Se¸ c˜ oes Gen´ ericas 5-22 Abaixo ilustram-se os gr´aficos dos ˆangulos de tor¸c˜ao para os casos de se¸c˜ao cheia e vazada. 95 mv Vv L( 4 )(d2 − d1 ) π 2 2 (d2 − d1 ) 2 7.005 0 0.2 1. 49 = = 1. apesar da massa do eixo com se¸c˜ao cheia ser superior ao eixo vazado.2 1. por mc = ρVc e mv = ρVv . 0.1 Defini¸c˜ ao da Cinem´ atica As hip´oteses de Saint-Venant para o problema de tor¸c˜ao em se¸c˜oes gen´ericas s˜ao as seguintes: .6 1. (k) Rela¸c˜ao entre as rota¸c˜oes A partir das express˜oes para as rota¸c˜oes tem-se a seguinte rela¸c˜ao: θc 7. Desta maneira. 5. sendo por isso conhecida como problema de Saint-Venant.02 0. cada se¸c˜ao sofre uma rota¸ca˜o r´ıgida de forma an´aloga `a se¸c˜ao circular.8 2 0 0. Desta maneira.6 0. como ilustrado na Figura 5.6 1.4 0. mas agora tem-se um empenamento das se¸c˜oes tarnsversais. A formula¸c˜ao da tor¸c˜ao em se¸c˜oes gerais foi desenvolvida pelo matem´atico francˆes Saint-Venant. as mesmas n˜ao permanecem ortogonais ao eixo x. Vc e Vv os volumes das se¸c˜oes.015 0. considerou-se o problema de tor¸c˜ao em eixos de se¸c˜ao circular. 19 θv 6. as quais permaneciam ortogonais ao eixo x do sistema de referˆencia ap´os as rota¸c˜oes r´ıgidas.2. a rela¸c˜ao entre as massas ´e a seguinte.4 1. A seguir apresenta-se a formula¸ca˜o deste problema considerando os passos da formula¸c˜ao variacional.01 0. 422 = = = 2 = = 1.5.2.0001 0. ou seja.15 para um eixo de se¸ca˜o quadrada. sendo ρ a densidade do material.

2.16: Cinem´atica da tor¸c˜ao em se¸c˜oes gen´ericas. Figura 5. ou seja.16(b). tem-se os deslocamentos v(x) = −zθ(x) e w(x) = yθ(x). Mas devido ao empenamento da se¸c˜ao.5. o que implica que todas as se¸c˜oes tem o mesmo deslocamento ou empenamento u(x) = ϕ(y. devido `a rota¸c˜ao r´ıgida θ(x) da se¸c˜ao x em rela¸c˜ao ao eixo x do sistema de referˆencia adotado. z). Observa-se que apesar de se considerar uma se¸c˜ao quadrada.15. (a) Deslocamento na se¸c˜ ao (b) Empenamento na dire¸c˜ ao longitudinal. z). (5. u(x) = ϕ(y. incluindo o caso circular. a formula¸ca˜o aqui apresentada ´e v´alida para qualquer tipo de se¸ca˜o transversal. y. z). z) de acordo com as hip´oteses de Saint-Venant. Devido a rota¸ca˜o θ = θ(x) da se¸c˜ao. • cada se¸c˜ao transversal sofre uma rota¸c˜ao r´ıgida θ = θ(x) como no caso da tor¸c˜ao circular. z) assume a posi¸c˜ao P  de coordenadas (y  . z  ) de forma an´aloga ao caso circular. Tor¸ c˜ ao de Se¸ c˜ oes Gen´ ericas 5-23 Figura 5. Assim. z) = ϕ(y. nas dire¸co˜es y e z. Este deslocamento ´e dado pela fun¸c˜ao de empenamento ϕ(y. o ponto P com coordenadas (y. • o deslocamento u na dire¸c˜ao longitudinal n˜ao depende de x. assumindo a posi¸c˜ao final P ” ilustrada na Figura 5. transversal. A Figura 5.15: Empenamento da se¸c˜ao num eixo de se¸c˜ao quadrada. a cinem´atica de tor¸c˜ao em se¸c˜oes gen´ericas ´e dada pelas 3 componentes de deslocamento u(x. A fun¸c˜ao ϕ(y. respectivamente. z) descreve o empenamento da se¸ca˜o e a sua forma espec´ıfica ser´a obtida a partir da solu¸c˜ao do problema.67) .16(a) ilustra a se¸c˜ao quadrada do eixo da Figura 5. Assim. o ponto P  apresenta um deslocamento longitudinal u(x).

z) e (x + ∆x. y.70) ∆x→0 ∆x Como o empenamento n˜ao varia ao longo de x.5. consideram-se duas se¸c˜oes quaisquer localizadas a` distˆancias x e x + ∆x da origem do sistema de referˆencia. sendo θ (x) uma fun¸c˜ao suave de x. pois n˜ao h´a v´ınculos f´ısicos impedindo o movimento de tor¸c˜ao nas extremidades. basta tomar a varia¸c˜ao do deslocamento axial ∆u = u(x + ∆x) − u(x) dividida pela distˆancia ∆x entre as se¸c˜oes e tomar o limite para ∆x tendendo a zero. z) εxx (x) = lim = lim = 0.71) ∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x comprovando a afirma¸c˜ao anterior que a deforma¸c˜ao longitudinal ´e nula. y. y. Logo u(x + ∆x) − u(x) εxx (x) = lim . y. conforme ilustrado na Figura 5. y. z) = 0.18(c). z) e portanto u(x + ∆x) − u(x) ϕ(y. ou seja. y. ϕ(y. Como ocorre um deslocamento axial da se¸c˜ao devido ao empenamento. y. Para verificar isto. fazendo com que os pontos P1 e P2 assumam as posi¸c˜oes finais P1” e P2” . z)   u(x. y. basta tomar a diferen¸ca destes deslocamentos nas duas se¸c˜oes transversais. tem-se u(x + ∆x) = u(x) = ϕ(y. estes pontos assumem as posi¸c˜oes P1 e P2 como ilustrado na Figura 5.18(a). z) = −zθ(x).18(b) considerando a se¸c˜ao transversal do eixo. O conjunto V das a¸c˜oes cinematicamente poss´ıveis consiste dos campos de deslocamento u(x. z)     u1 (x. z) da forma (5. pode-se imaginar que exista uma deforma¸c˜ao longitudinal εxx (x) no eixo. y. somente o subconjunto Kinv de V. z) = yθ(x). (5. z). y. z) − ϕ(y.68)   w(x.2 Deforma¸c˜ ao De forma an´aloga ao caso de tor¸c˜ao circular. Mas conforme ilustrado nas Figuras 5.2. o empenamento da se¸c˜ao tamb´em provoca uma varia¸ca˜o dos deslocamentos transversais v e w. w(x. considere os pontos P1 e P2 com coordenadas (x. de forma an´aloga ao problema de barra. z) dado por         u(x.69) Para um eixo livre. z) 2 = −zθ(x) . Novamente.18(a) e 5. Este efeito ´e an´alogo ao caso da tor¸ca˜o circular e para determinar o efeito da varia¸c˜ao angular ∆θ = θ2 − θ1 nos deslocamentos transversais v e w. Para determinar as componentes de deforma¸c˜ao angular γxy e γxz . Portanto V = {u. y. z)     ϕ(y. todos os elementos u ∈ V s˜ao tamb´em a¸c˜oes admiss´ıveis. Tor¸ c˜ ao de Se¸ c˜ oes Gen´ ericas 5-24 v(x. z) ilustrados ao longo do eixo na Figura 5. (5. ou seja. y. (5. y. (5. uma das hip´oteses de Saint-Venant diz que a fun¸c˜ao de empenamento ϕ(y.2. u1 = ϕ(y.5). Este fato refor¸ca o coment´ ario anterior que a formula¸c˜ao apresentada nesta se¸c˜ao ´e v´alida para se¸c˜oes gen´ericas incluindo a circular como caso particular. . constitui as a¸c˜oes de movimento admiss´ıveis. 5. As componentes de deslocamento anteriores constituem o campo vetorial de deslocamento u(x. tem-se a mesma cinem´ artica da tor¸c˜ao circular. Devido a`s rota¸c˜oes r´ıgidas θ1 e θ2 das se¸c˜oes x e x + ∆x. formado pelas fun¸c˜oes respeitando as restri¸c˜oes cinem´aticas. z) = v(x. Quando alguma restri¸c˜ao est´a presente. aplicar a defini¸c˜ao de εxx (x) usada no caso de barra. z)     u (x. z)     yθ(x)   3 Observa-se que se o empenamento ´e nulo. z) = u (x. v3 = yθ(x) e θ(x) ´e uma fun¸ca˜o suave}.17. No entanto. u2 = −zθ(x). a coordenada x permite localizar a se¸c˜ao e as coordenadas y e z indicam o ponto P considerado na se¸c˜ao x. z) ´e a mesma para todas as se¸c˜oes e consequentemente εxx (x) = 0.

z) e devido a` ∆θ com aquela devido ao empenamento dada por ϕ(y + ∆y. ou seja. y. (5.68) vem que dθ(x) ∂ϕ(y. ∆x→0 ∆x ∆z→0 ∆z e portanto dw(x) ∂ϕ(y.68) vem que dθ(x) ∂ϕ(y. (5.17: Efeito do ˆangulo de tor¸c˜ao. y.5. Logo v(x + ∆x. z) − ϕ(y. y. z + ∆z) − ϕ(y.72) dx ∂y Substituindo a componente v(x) dada em (5. (5. w(x + ∆x. Tor¸ c˜ ao de Se¸ c˜ oes Gen´ ericas 5-25 Figura 5. z) γxz (x) = + . ∆x→0 ∆x ∆y→0 ∆y Utilizando as defini¸c˜oes de derivada total para o primeiro termo e de derivada parcial para o segundo termo (pois ϕ ´e uma fun¸c˜ao de duas vari´aveis) tem-se a componente angular γxy dv(x) ∂ϕ(y.2. z) ϕ(y + ∆y. z) e devido `a ∆θ com aquela devido ao empenamento dada por ϕ(y. y. Portanto. y. z) ϕ(y. z) γxz = lim + lim . Observa-se que o operador de deforma¸c˜ao D. z) − v(x. z) − ϕ(y. z) γxy = lim + lim . z) − w(x. .74) dx ∂z Substituindo a componente w(x) dada em (5. tomando os limites para ∆x e ∆y tendendo a zero. z + ∆z) − ϕ(y. y. y. z) γxy (x) = + .73) dx ∂y Para determinar γxz .75) dx ∂y O espa¸co W das a¸c˜oes de deforma¸c˜ao compat´ıveis com a cinem´atica de tor¸c˜ao em se¸c˜oes circulares ´e constitu´ıdo pelas fun¸c˜oes cont´ınuas γxy (x) e γxz (x). z) γxy (x) = −z + . z) − w(x. z) − v(x. z) γxz (x) = y + . para determinar a componente de deforma¸ca˜o angular γxy deve-se somar a varia¸ca˜o v(x + ∆x. y. (5. procede-se de forma an´aloga somando-se a varia¸c˜ao w(x + ∆x. z) e tomando-se os limites para ∆x e ∆z tendendo a zero. z).

. (c) Efeito do empenamento. Figura 5.2. (b) Tor¸ca ˜o na se¸c˜ ao transversal.5.18: Deforma¸c˜ao angular na tor¸c˜ao em se¸c˜oes gen´ericas. Tor¸ c˜ ao de Se¸ c˜ oes Gen´ ericas 5-26 (a) Empenamento na se¸c˜ ao transversal.

respectivamente. em rela¸c˜ao a y e z obtem-se dθ(x) ϕ(y. z)  ∂ d  w(x.2. z)  ∂ d  0 0     0     . dx ∂y dθ(x) ∂ϕ(y.19 ilustra uma rota¸c˜ao de 90 graus em torno e uma transla¸c˜ao igual a constante C. as fun¸c˜oes f (z) e g(y) devem ser constantes. f (z) − g(y) = 0.5. (5. f (z) = g(y) = C. (5. dx dx ou ainda dθ(x) 2yz + [f (z) − g(y)] = 0 dx dθ(x) Para satisfazer a rela¸c˜ao acima. u ∈ V | θ (x) = θ constante e u(x) = C} . devem ser igual a esta mesma constante. z) γxz = y + = 0. z) = −yz + g(y). dx ∂z Integrando as express˜oes anteriores. y. implicando que θ(x) = θ ´e constante para dx toda se¸c˜ao transversal do eixo. os movimentos de corpo r´ıgido de um eixo de se¸c˜ao gen´erica ´e composto de uma rota¸c˜ao r´ıgida em torno do eixo x e uma transla¸c˜ao ao longo de x. y. dθ(x) ∂ϕ(y. basta impor que as componentes de deforma¸c˜ao γxy (x) e γxz (x) sejam simultaneamente nulas. ou seja. ϕ(y. o conjunto N (D) como N (D) = {u. z)  =  γxy (x)  w(x. z) = yz + f (z). Portanto.78) . e consequentemente o deslocamento axial u(x). (5.76)  ∂ d  0 ∂y dx de tal forma que D: V→W     0 0 0     ϕ(y. Logo. z) = C. sendo C uma constante. u(x) = C. y. y. Assim. Tor¸ c˜ ao de Se¸ c˜ oes Gen´ ericas 5-27 relacionando os espa¸cos V das a¸c˜oes de movimento poss´ıveis e W das a¸c˜oes de deforma¸c˜ao compat´ıveis com a cinem´atica definida em V. ´e indicado neste de forma matricial como   0 0 0  ∂ d   0  D=  ∂y dx  . deve-se ter = 0. isto ´e. dx sendo f (z) e g(y) fun¸c˜oes obtidas pelo processo de integra¸ca˜o. ou seja. z)  →   ∂y dx   v(x.68) sendo θ constante e u(x) = C. Igualando as express˜ oes anteriores vem que dθ(x) dθ(x) yz + f (z) = −yz + g(y). Define-se. z) γxy = −z + = 0.2. dx dθ(x) ϕ(y. Al´em disso. ou seja. ent˜ao. implicando que a fun¸c˜ao de empenamento.77)  v(x. z) γxz (x) 0 ∂y dx 5. A Figura 5.3 Movimentos R´ıgidos Para determinar os movimentos de corpo r´ıgido. o conjunto N (D) ´e composto das a¸c˜oes de movimento dadas em (5.

z) y + dV v dx ∂y dx ∂y     dθ(x) ∂ϕ (y. torna-se necess´ario analisar o significado f´ısico do integrando na . obtem-se       dθ(x) ∂ϕ(y. z) = − [−zτxy (x. (5. z)γxz (x. Logo. obtem-se a mesma express˜ao (5. a potˆencia interna passa ser dada por  L    dθ(x) ∂ϕ(y. z) + τxz (x.19: Exemplo de movimento r´ıgido na tor¸c˜ao gen´erica (rota¸c˜ao de 90 graus e transla¸ca˜o em x). y. Para um ponto P qualquer no eixo. possui infinitos pontos. esta soma ´e escrita como uma integral ao longo do volume V do eixo. z)] dV. y. z)γxy (x. 5. a potˆencia interna ´e dada por  Pi = − [τxy (x. 0L dx = L. ou seja. z) Pi = − Mx (x) dx − L τxy (x) + τxz (x) dA. z)] dV − τxy (xy.  L   dθ(x)  L   ∂ϕ(y. y. z) Pi = − τxy (x. z) ∂ϕ(y. A segunda integral ao longo do comprimento do eixo ´e igual a L.79) v Substituindo as componentes de deforma¸c˜ao dadas em (5. z) dθ(x) ∂ϕ(y. tem-se as componentes de tens˜ao de cisalhamento τxy (x) e τxz (x) associadas `as componentes de deforma¸c˜ao angular γxy (x) e γxz (x). y. z)  ∂ϕ(y.2. z) + τxz (x. A potˆencia interna permite associar as componentes de deforma¸c˜ao γxy (x) e γxz (x) com as respectivas componentes de tens˜ao τxy (x) e τxz (x). Como o eixo ´e cont´ınuo.80) 0 A dx 0 A ∂y ∂z A primeira integral de a´rea na express˜ao anterior representa o momento tor¸cor na se¸ca˜o. y.5.81) 0 dx A ∂y ∂z Observe que se n˜ ao ocorre o empenamento da se¸c˜ao. Estas componentes de tens˜ao representam o estado das for¸cas internas nas dire¸co˜es y e z para cada ponto do eixo. Deve-se somar estas contribui¸co˜es para cada ponto do eixo. z) dV. ou seja.2. V dx V ∂y ∂z A integral de volume anterior pode ser reescrita como integrais ao longo do comprimento L do eixo e da ´area A da se¸ca˜o transversal. ou seja. z) −z + + τxz (x.75). Tor¸ c˜ ao de Se¸ c˜ oes Gen´ ericas 5-28 Figura 5. y. Antes de prosseguir. (5. (5. z) ∂ϕ (y. de forma an´aloga ao caso de tor¸c˜aocircular (ver equa¸c˜ao (5. a rela¸c˜ao τxy (x)γxy (x) + τxz (x)γxz (x) representa a densidade de potˆencia interna no ponto. z)  Pi = − (−zτxy + yτxz ) dA dx − τxy + τxz dA dx.73) e (5.22)). Logo.4 Potˆ encia Interna De forma an´aloga ao caso de tor¸c˜ao circular. y. z) + yτxz (xy.23) para o caso de tor¸c˜ao circular. y.

z)ny + τxz (x)nz ]ϕ(y. z) = m= . al´em de um momento tor¸cor dMx (x) distribu´ıdo no seu interior. y.  L dθ(x) Pi = − Mx (x) dx. z) ∂ϕ(y. vem que     ∂τxy (x.    ∂ϕ(y. z) ∂τxz (x.81) deve ser nula.2. z) τxy (x) + τxz (x) dA = 0. Estes esfor¸cos s˜ao ilustrados na Figura 5.84) 0 dx Logo. tem-se resultantes de for¸cas na a´rea e no per´ımetro da se¸c˜ao. a express˜ ao para a potˆencia interna se reduz a mesma obtida para a tor¸c˜ao circular. Supondo que as componentes de tens˜ao estejam dadas em N/m2 e os comprimentos em m.83) 0 dx Integrando a express˜ao anterior por partes. ao longo da ´area A e do per´ımetro ∂A da se¸c˜ao. a integral de ´area em (5. ∂y ∂z m m N N [τxy (x.82) A ∂y ∂z Assim. o primeiro integrando representa uma tens˜ ao e o segundo uma densidade de for¸ca por unidade de comprimento. z) N m N m N τxy (x) + τxz (x) = 2 + 2 = 2. Integrando estes termos.20(a). (5. ou seja. y. y. ∂y ∂z m m m m m Portanto. y. (5. os esfor¸cos internos presentes na se¸c˜ao s˜ao representados por momentos tor¸cores. o integrando resulta numa tens˜ao. pois devido a`s a¸c˜oes de movimento. z) = m = 2. y. z)∂A = 0. no caso de tor¸c˜ao em se¸c˜oes gen´ericas. z) ∂τxz (x.8(a). ou seja. m2 m Portanto. Fazendo uma an´alise dimensional dos integrandos entre os colchetes na express˜ao anterior tem-se que   ∂τxy (x.82) deve ser nula. os esfor¸cos internos compat´ıveis com a cinem´atica de tor¸c˜ao gen´erica s˜ao caracterizados por mo- mentos tor¸cores concentrados Mx (L) e Mx (0) nas extremidades do eixo. z)dA + [τxy (x. a qual integrada sob a ´area produz uma resultante de for¸cas na se¸c˜ao transversal. . z) ∂ϕ(y. Logo. z) − + ϕ(y. deve-se lembrar que a integral de ´area (5. as quais devem ser nulas.85) A ∂y ∂z ∂A sendo ∂A o contorno da ´area da se¸c˜ao tranversal e ny e nz os co-senos diretores do vetor normal n num ponto P na extremidade da se¸c˜ao como ilustrado na Figura 5. z) N/m2 N + ϕ(y.81). o espa¸co  dx W dos esfor¸cos internos ´e constitu´ıdo por fun¸c˜oes escalares cont´ınuas Mx (x) caracterizando o momento tor¸cor em cada se¸c˜ao transversal x do eixo. z)ny + τxz (x)nz ]ϕ(y. (5. Tor¸ c˜ ao de Se¸ c˜ oes Gen´ ericas 5-29 a´rea da se¸c˜ao tranversal da equa¸c˜ao (5. y. vem que  L dMx (x) Pi = − [Mx (L)θ(L) − Mx (0)θ(0)] + θ(x) dx. Observa-se que esta resultante de for¸ca ´e incompat´ıvel com o modelo de tor¸c˜ao. Portanto. respectivamente. o integrando ter´a como unidades   ∂ϕ(y. Integrando por partes esta equa¸c˜ao. (5.5. No entanto.

87). z)ny +τxz (x. suponha que um eixo tenha sofrido uma tor¸c˜ao e se encontra em equil´ıbrio na sua configura¸ca˜o deformada. (5.ˆ z). z)nz ]ϕ(y. P. obt´em-se a seguinte express˜ao idˆentica a (5. neste caso. a express˜ao anterior ser´a nula no caso em que os dois termos entre colchetes s˜ao simultaneamente . tem-se ainda que (5.85) deve ser nula para qualquer empenamento virtual ϕ(y.6 Caracteriza¸c˜ ao dos Esfor¸cos Externos Seguindo o mesmo procedimento considerado na Se¸c˜ao 5. z) ∂τxz (x.38). aplica-se o PPV visando carac- terizar as condi¸c˜oes de equil´ıbrio do corpo e consequentemente os esfor¸cos externos f compat´ıveis com a cinem´atica definida. introduz-se uma a¸c˜ao de tor¸ca˜o virtual dada por uma ˆ rota¸c˜ao virtual θ(x) e um empenamento tamb´em virtual ϕ(y.8(b) e o operador de equil´ıbrio D∗ est´a dado em (5. O PPV estabelece que o estado de equil´ıbrio de um corpo na sua posi¸c˜ao deformada pode ser avaliado introduzindo-se uma a¸c˜ao de movimento virtual.1.2.θˆ − Mx (L)θ(L) ˆ ˆ − Mx (0)θ(0) + θ(x) dx = 0. ˆ z)∂A = 0.     ∂τxy (x. Logo. Como o empenamento virtual ϕ(y. A diferen¸ca principal para a solu¸c˜ao do problema de tor¸c˜ao gen´erica em rela¸c˜ao ao caso de tor¸c˜ao circular provem do empenamento da se¸c˜ao e da equa¸c˜ao (5.2. ou seja. z) − + ϕ(y. ˆ z) ´e ar- bitr´ario.(5.6. Al´em disso.5 Aplica¸c˜ ao do PPV Como j´a realizado anteriormente para o caso de barra e tor¸ca˜o circular. 5. ˆ z). (b) Componentes de tens˜ ao no ponto to P .5. Para avaliar este estado de equil´ıbrio. para a tor¸c˜ao de se¸c˜oes gen´ericas.20: Elemento de ´area em torno do ponto P . Tor¸ c˜ ao de Se¸ c˜ oes Gen´ ericas 5-30 (a) Elemento de a ´rea em torno do pon. y. ' ( ) *  L dMx (x) ˆ f . y. Figura 5. Efetuando o mesmo procedimento considerado para a tor¸c˜ao circular. y.36).87) A ∂y ∂z ∂A 5.32).86) 0 dx Mas na tor¸c˜ao de se¸c˜oes gen´ericas. verifica-se que a distribui¸ca˜o de momento tor¸cor na se¸c˜ao transversal ´e obtida resolvendo o PVC (5. ˆ z)dA+ [τxy (x. Assim. os esfor¸cos externos compat´ıveis com a cinem´atica de se¸c˜oes gen´ericas est˜ao ilustrados na Figura 5.2. y.

55) em termo do ˆangulo de tor¸c˜ao. τt e τn .5. A Figura 5. chega-se a` conclus˜ao que a tens˜ao de cisalhamento na borda da se¸c˜ao possui a dire¸ca˜o tangente. Como n˜ao foi explicado ainda como efetuar a transforma¸c˜ao de tens˜oes. comparando-se a condi¸c˜ao de contorno em (5. y. z) e τxz (x.20(a) ilustra um elemento de ´area dA da se¸ca˜o transversal. z) + =0 ∂y ∂z . utiliza-se a decomposi¸c˜ao de for¸cas empregando os co-senos diretores ny e nz do vetor normal n no ponto P .2. τxz dA. τxy dA. z) e τxz (x. s˜ao dados pelos co-senos da normal n com os eixos y e z. y. Logo. ds sendo ds um elemento diferencial ao longo do per´ımetro da se¸c˜ao. z) est˜ao relacionadas `as respectivas componentes de deforma¸c˜ao angular γxy (x. z) = G(x)γxz (x. (5. y. Aplicando-se esta rela¸c˜ao constitutiva na equa¸c˜ao diferencial de equil´ıbrio em termos do momento tor¸cor (5. y. (5. considere o elemento de ´area dA da Figura 5.90) τt = τxz ny − τxy nz . Este PVC ´e de primeira ordem mas possui duas fun¸c˜oes como inc´ognitas.88)  τxy (x. ds (5. τn = τxy ny + τxz nz .20(b) em torno do ponto P no contorno da se¸c˜ao. as seguintes rela¸c˜oes s˜ao v´alidas τn dA = (τxy dA)ny + (τxz dA)nz . y. y. z). Por sua vez. z)ny + τxz (x. z).21 ilustra a formula¸c˜ao variacional da tor¸ca˜o de se¸co˜es gen´ericas.92) τxz (x. juntamente com o vetor normal n no ponto P e seus co-senos diretores ny e nz .91) Logo. os quais.7 Aplica¸c˜ ao da Equa¸c˜ ao Constitutiva A Lei de Hooke para um material el´astico linear isotr´opico estabelece que as componentes de tens˜ ao de cisalhamento τxy (x. nas dire¸c˜oes y.20(a).36). ou seja τxy (x. y. z) atrav´es do m´ odulo de elasticidade transversal G(x) da se¸c˜ao x. determinam-se as componentes de tens˜ao nas dire¸c˜oes normal e tangente. 5. tangencial e normal. τt dA e τn dA representam as for¸cas internas atuantes no ponto P nas mesmas dire¸c˜oes.88). . Simplificando o termo comum dA nas express˜oes anteriores. y. A Figura 5. y. z) = G(x)γxy (x. (5. τt dA = (τxz dA)ny − (τxy dA)nz .2. respectivamente. obtem-se a mesma equa¸c˜ao diferencial (5. por sua vez. Tor¸ c˜ ao de Se¸ c˜ oes Gen´ ericas 5-31 nulos. A partir da Figura 5.89) dz nz = cos nz = . Isto resulta no seguinte PVC bidimensional em termos das componentes de tens˜ao   ∂τxy (x. Indicam-se as componentes de tens˜ao neste ponto τxy . ou seja.88) com τn . τxz . respectivamente. Para interpretar o significado da condi¸ca˜o de contorno em (5. τxy (x. z. y. y. y. ou seja. z)nz = 0 o qual deve ser resolvido para a posterior determina¸c˜ao da fun¸c˜ao de empenamento. z). determinam-se as seguintes rela¸co˜es para ny e nz dy ny = cos ny = − . y. z) ∂τxz (x. (5. y. z) e γxz (x. pois a tens˜ao normal τn deve ser nula.

z) dθ(x) 2 = G(x) − . z) e escrevem-se as componentes de tens˜ao τxy (x. ∂z  ∂y∂z dx  ∂ 2 φ(y.88). vem que     ∂τxy (x) ∂τxz (x) ∂ ∂φ(y.88). ∂y ∂y∂y dx . ∂y Substituindo estas express˜oes na equa¸c˜ao diferencial dada em (5.73) e (5. ∂y ∂z ∂y ∂z ∂z ∂y ou seja. em rela¸c˜ao a z e y vem que   ∂ 2 φ(y. ∂y ∂z dx Derivando as express˜ oes anteriores. O ponto central aqui ´e resolver o PVC (5. y. z) ∂ϕ(y. ∂z  ∂y dx  (5. introduz-se a fun¸c˜ao tens˜ao φ(y.93) ∂φ(y.93) em termos da fun¸c˜ao tens˜ao φ(y. z) ∂ϕ(y. z) + = + = 0. z) e τxz (x. z) dθ(x) = G(x)γxz (x) = G(x) +y . as componentes de tens˜ao definidas em (5. respectivamente. Para simplificar a solu¸ca˜o deste PVC.2. z) dθ(x) − 2 = G(x) − . z) τxy (x) = .21: Formula¸ca˜o variacional do problema de tor¸c˜ao de se¸c˜oes gen´ericas. z) dθ(x) = G(x)γxy (x) = G(x) −z . y. z) ∂ϕ(y.92) vem que   ∂φ(y.94) −∂φ(y. y. z) ∂ϕ(y. ∂z (5. z) e τxz (x.88).75) em (5. Observa-se que a sua solu¸c˜ao fornece as fun¸c˜oes τxy (x. Tor¸ c˜ ao de Se¸ c˜ oes Gen´ ericas 5-32 Figura 5. z) τxz (x) = − . z) da seguinte forma ∂φ(y. Por sua vez. z) ∂ −∂φ(y.5. z) descrevendo o estado de tens˜ao nos pontos do eixo. z) satisfazem o PVC (5. y. substituindo (5.93) e as componentes de deforma¸c˜ao angular (5.

a distribui¸c˜ao de tens˜oes para um eixo de se¸c˜ao arbitr´aria submetido `a tor¸c˜ao.2. z) + = F (x) ∂y 2 ∂z 2 . z) ´e constante ao longo do contorno da se¸c˜ao tranversal.101) ∂s implicando que a fun¸c˜ao tens˜ao φ(y. z) ∂ 2 φ(y. z) dy ∂φ(y. (5. z) ∂ 2 φ(y. z). z) satisfazendo a equa¸c˜ao diferencial (5.97) ∂y 2 ∂z 2 Substituindo (5. (5. Logo ∂ 2 φ(y. ∂φ(y. esta constante pode ser escolhida de forma arbitr´aria e ser´a tomada aqui como igual a zero [?].5.98) ∂z ∂y Empregando a regra da cadeia. consiste em determinar a fun¸c˜ao tens˜ao φ(y.97) e que se anula no contorno da se¸c˜ao. ou seja. z) ∂ 2 φ(y. pode-se derivar a fun¸ca˜o tens˜ao φ(y. a derivada anterior pode ser reescrita como ∂φ(y. Logo    ∂φ(y. z) τxy (x)ny + τxz (x)nz = ny − nz = 0. (5. z) ∂φ(y. num PVC de segunda ordem cuja inc´ognita ´e uma fun¸c˜ao escalar φ(y. basta substituir (5. tem-se que ∂φ(y. z) dz = + . Para isto.96) dx tem-se a equa¸ca˜o diferencial de segunda ordem em termos da fun¸c˜ao tens˜ao ∂ 2 φ(y. z) ∂φ(y. (5. z) ∂φ(y.100) ∂s ∂y ∂z Da condi¸c˜ao de contorno (5. (5. z) ao longo do per´ımetro da se¸ca˜o empregando o elemento diferencial ds como ∂φ(y. z) e τxz (x. (5. z) ao longo do per´ımetro da se¸c˜ao deve ser nula. Tor¸ c˜ ao de Se¸ c˜ oes Gen´ ericas 5-33 Subtraindo a segunda express˜ao anterior da primeira. z) pode ser resumido como  2  ∂ φ(y. z). z) ∂φ(y. (5. Logo.99) ∂s ∂y ds ∂z ds Substituindo (5.103) A ∂z ∂y . z) = 0. (5.95) ∂y 2 ∂z 2 dx Denotando dθ(x) F (x) = −2G(x) . z) + = F (x). z)|∂A =0 Pode-se expressar ainda o momento tor¸cor Mx (x) em termos de fun¸c˜ao tens˜ao φ(y. z). Para eixos maci¸cos. Observa-se que a introdu¸c˜ao da fun¸ca˜o tens˜ao permitiu transformar o PVC de primeira ordem com inc´ogintas τxy (x.88). y. vem que a varia¸c˜ao de φ(y.22). z) dθ(x) + = −2G(x) . z). z) Mx (x) = −z +y dydz. z) ∂φ(y. y.93) na condi¸ca˜o de contorno dada em (5.102)  φ(y. permite eliminar fun¸c˜ao de empenamento ϕ(y. O PVC em termo de φ(y.89). (5. z) = ny − nz .98).93) em (5. denominada fun¸c˜ao tens˜ao.

Desta maneira. A dz dy ∂A Como φ(y. Figura 5. Substituindo a express˜ao anterior na equa¸c˜ao diferencial em (5. a express˜ao anterior toma a seguinte forma  Mx (x) = 2 φ(y. z) + yφ(y. Tor¸ c˜ ao de Se¸ c˜ oes Gen´ ericas 5-34 Integrando a express˜ao anterior por partes vem que:     dz dy Mx (x) = − −φ(y. obt´em-se a seguinte rela¸c˜ao para a constante m a2 b2 m= F (x). (5.88) e efetuando as derivadas indicadas.8 Distribui¸c˜ ao da Tens˜ ao de Cisalhamento Se¸ c˜ ao transversal el´ıptica A Figura 5. z)] ∂A. z) = m 2 + 2 − 1 . z) da seguinte forma   y2 z2 φ(y. (5.106) b a sendo m uma constante. z) − φ(y. (5. z) ao longo da a´rea A representa o volume delimitado pela fun¸c˜ao tens˜ao e a se¸ca˜o transversal. (b) Distribui¸c˜ ao da tens˜ ao de ci- salhamento. (5.22(a). (a) Se¸c˜ ao transversal.107) 2(a2 + b2 ) .2. o contorno da se¸c˜ao transversal ´e descrito pela equa¸c˜ao de elipse y2 z2 + 2 = 1. 5. Neste caso.88) s˜ao satisfeitas tomando-se uma fun¸c˜ao tens˜ao φ(y.2. ilustra uma se¸c˜ao transversal el´ıptica com raios maior e menor a e b.22: Se¸c˜ao transversal el´ıptica. o momento tor¸cor em cada se¸c˜ao transversal do eixo ´e proporcional ao volume definido pela fun¸c˜ao tens˜ao. z)dA.5.104) A A integral de φ(y. z) ´e nula ao longo do contorno ∂A da se¸c˜ao. z) dA + [−zφ(y. respectivamente.105) b2 a A equa¸c˜ao diferencial e a condi¸ca˜o de contorno dados em (5.

substituindo esta express˜ao em (5. a tens˜ao de cisalhamento . (5. determina-se uma express˜ao para F (x). Portanto   Mx (x) y2 z2 φ(y. calculam-se as componentes de tens˜ao τxy e τxz . Substituindo estas rela¸c˜oes em (5.114) 2Mx (x) τxz (x) = − y. sebstituindo F (x) em (5. z) = + 2 − 1 F (x).108) em (5. basta substituir (5.104). (5. Desta maneira.2. πab3 τxy z Observa-se que a rela¸c˜ao entre as componentes de tens˜ ao ´e proporcional a . πa3 b (5.109). Tor¸ c˜ ao de Se¸ c˜ oes Gen´ ericas 5-35 Por sua vez.109) (a + b ) b A a A A  c˜ao anterior. 2(a2 + b2 ) F (x) = − Mx (x).111) 2(a2 + b2 ) A partir da´ı. Determinada a fun¸c˜ao tens˜ao φ(y. verifica-se que πba3 Iy (x) = .108). Logo 2Mx (x) τxy (x) = z.93) e efetuando as derivadas indicadas.113) em (5. z). A u ´ltima integral fornece a a´rea A da se¸c˜ao transversal. (5. tem se uma express˜ao da fun¸c˜ao tens˜ao em termos do momento tor¸cor Mx (x). Logo. tem-se que   a2 b2 y2 z2 φ(y. substituindo (5. respectivamente. A = A dA.5. em rela¸c˜ao aos eixos y e zdo sisema de referˆencia adotado. (5.22(b). as duas primeiras integrais representam os momentos de in´ercia Iz (x) = A y 2 dA Na equa¸  2 e Iy (x) = A z dA da se¸c˜ao transversal. sendo constante τxz y ao longo de um raio OA como indicado na Figura 5.106). z)dA A      a2 b2 1 1 = 2 2 F (x) 2 2 y dA + 2 z dA − 2 dA .110) Iz (x) = . z) = − + 2 −1 . (5.113) πab b2 a Observa-se que a expess˜ao do momento tor¸cor Mx (x) ´e obtida integrando-se a equa¸c˜ao diferencial (5.  Mx (x) = 2 φ(y. ou seja.36). ou seja.112) πa3 b3 Por sua vez. Para uma se¸c˜ao na forma de uma elipse. Para isto. 43 πab (5. 4 A = πab.108) 2(a2 + b2 ) b2 a Pode-se obter uma express˜ao para F (x) em termos do momento tor¸cor Mx (x) . obt´em-se πa3 b3 Mx (x) = − F (x).

tem-se a varia¸c˜ao ∆θ do ˆangulo de tor¸c˜ao no eixo. A Figura 5. resultante τt = τxy + τxz tem uma dire¸c˜ao constante coincidente com a tangente ao contorno do ponto A.96) como dθ(x) F (x) =− . Tor¸ c˜ ao de Se¸ c˜ oes Gen´ ericas 5-36 (a) Mx > 0. ou seja. vem que dθ(x) (a2 + b2 ) Mx (x) = .22(b) e 5. Portanto. tem-se τxz = 0 e τt = τxy . (b) Mx < 0. a partir de (5. isto ´e. a express˜ao anterior se reduz a (a2 + b2 ) ∆θ = T L. para o qual τt = τxz e y = b.23: Distribui¸c˜ao de tens˜ao em se¸c˜ao transversal el´ıptica. tem-se que a express˜ ao anterior se reduz `a equa¸c˜ao (5.115) πab πab2 d Observa-se que a = b = . Pode-se reescrever (5.114) 2Mx (x) 2Mx (x) τtmax (x) = 3 b= . a componente τxy ´e nula e a ten¸ca˜o tengencial τt ´e igual a τxz .117) πa3 b3 G 0 G(x) Se o eixo est´a submetido apenas a um torque concentrado T nas extremidades (neste caso. observa-se que a ten¸ca˜o de cisalhamento m´axima τtmax na se¸ca˜o x ocorre na borda da se¸c˜ao transversal e na extremidade do eixo menor da elipse. o torque distribu´ıdo ´e nulo.116) dx πa3 b3 G(x) Integrando-se a express˜ ao anterior ao longo do comprimento do eixo.118) πa3 b3 G . (5. ou seja. o momento tor¸cor ´e constante no eixo e igual ao torque T aplicado. Assumindo ainda que o m´ odulo de elasticidade transversal G(x) ´e constante. (5. Das Figuras 5. Figura 5.5. G(x) = G = cte. Ao longo da linha OB.23.2.  (a2 + b2 ) L Mx (x) ∆θ = dx (5. ao longo da linha OC. Analogamente. t(x) = 0). (5.23 ilustra a tens˜ao resultante τt para momentos tor¸cores positivo e negativo.115) para a tens˜ao 2 de cisalhamento m´axima na se¸c˜ao circular.112). dx 2G(x) Substituindo (5.

5 0.119) sendo πa3 b3 G G (A)4 Kt = = (5. considere uma chapa com um furo fixada nas suas extremidades. A membrana estar´a ent˜ao submetida a uma .122) πa3 b3 G(x) Esta express˜ao representa a equa¸c˜ao de uma hip´erbole como ilustrado na Figura 5. considera-se a equa¸c˜ao de uma membrana fina. Analogia de membrana Para outros tipos de se¸c˜oes transversais. emprega-se a analogia de membrana introduzida por Prandtl. Assim. z) 1 (a2 + b2 ) Mx (x) τxy (x) = G(x) −z → = − 3 + z.5 1 0. Para ilustrar o problema de membrana fina.88) torna-se dif´ıcil e trabalhosa. ao inv´es de se resolver a equa¸c˜ao diferencial (5. z) = Mx (x) yz.120) (a2 + b2 )L 4π Ip a rigidez `a tor¸ca˜o. b = 1). como ilustrado na Figura 5.117) como T = Kt ∆θ.24: Fun¸c˜ao de empenamento em se¸c˜oes el´ıpticas (Mx = 1000.5.116) em (5. a = 2. 0 −50 −100 −150 −200 −250 2 1.8 1 0.121) 4 4 Para determinar a fun¸c˜ao de empenamento ϕ(y. G = 1. z).94).4 0. (5.6 0. (5.2. obtendo-se   % & ∂ϕ(y. a solu¸c˜ao do problema de valor de contorno (5.25(a).24. Nestes casos. Observa-se que momento de in´ercia polar para uma se¸c˜ao el´ıptica ´e dado por πab3 πba3 Ip = Iy + Iz = + . z) dθ(x) ∂ϕ(y. ∂y dx ∂y πa b πa3 b3 G(x) Simplicando a express˜ ao anterior e efetuando-se a integra¸c˜ao vem que (b2 − a2 ) ϕ(y.88) do problema de tor¸ca˜o. Tor¸ c˜ ao de Se¸ c˜ oes Gen´ ericas 5-37 Pode-se reescrever (5. Sobre o furo coloca-se sab˜ao l´ıquido e infla-se ar continuamente para formar uma bolha ou uma membrana fina.2 0 0 Figura 5. substituem-se τxy dado em (5.114) e (5. (5.

as seguintes conclusˆoes podem ser colocadas [?. Tor¸ c˜ ao de Se¸ c˜ oes Gen´ ericas 5-38 carga distribu´ıda constante de intensidade q(x) e uma tra¸c˜ao uniforme por unidade de comprimento de contorno denotada por S. (5. Figura 5. (a) Membrana fina.125) C1 ab2 C2 ab3 G(x) .123) e (5.26) como [?] Mx (x) Mx (x)L τ max (x) = e θ(x) = . (5.5. z) deve ser nula no contorno. A flecha w(y.123) ∂y ∂z S Como a membrana est´a fixa na extremidade. pode-se estudar o problema de tor¸ca˜o fazendo uma analogia com uma membrana fina cujo contorno ´e idˆentico ao da se¸c˜ao transversal considerada. Empregando-se a analogia da membrana.2. • duas vezes o volume formado pela membrana e o eixo x ´e proporcional ao momento tor¸cor na se¸c˜ao (ver equa¸c˜ao (5. ou seja.88). z) q 2 + 2 =− . (5. w(y. conforme ilustrado na Figura 5. z) da membrana ´e dada por [?] ∂ 2 w(y. determinam-se express˜oes para a tens˜ao de cisalhamento m´axima τ max (x) e do aˆngulo de tor¸c˜ao θ(x) numa se¸c˜ao x de um eixo de se¸ca˜o retangular de base b e altura a (ver Figura 5.25: Analogia da membrana.124) representam o PVC para uma membrana fina fixada na sua extremidade.124) As express˜oes (5. z) = 0. (b) Carregamento na membrana.104)).25(b). z) ∂ 2 w(y. ?]: • a tens˜ao de cisalhamento em qualquer ponto ´e proporcional `a inclina¸c˜ao da membrana deformada neste mesmo ponto. a flecha w(y. • a dire¸c˜ao da tens˜ao de cisalhamento num ponto forma um aˆngulo reto com a inclina¸c˜ao da membrana no mesmo ponto. Observa-se que o PVC do problema de membrana fina ´e idˆentico ao problema de tor¸c˜ao (5. Desta maneira. A partir desta analogia.

312 0.125). Tor¸ c˜ ao de Se¸ c˜ oes Gen´ ericas 5-39 b sendo L o comprimento do eixo. para o c´ alculo da tens˜ao de cisalhamento m´axima. 263 4. Apenas utilizam-se express˜oes diferentes. Os valores das constantes C1 e C2 dependem da rela¸c˜ao e est˜ao dadas a na Tabela 5. 219 0. 249 3. 282 0. 231 0. 281 5. emprega-se o mesmo procedimento apresentado na Se¸c˜ao 5.27.115) e (5.26: Eixo de se¸c˜ao retangular b Para se¸c˜oes retangulares estreitas.2. a b C1 C2 1.125) n˜ao podem ser aplicadas para calcular as tens˜ oes nestes raios. Nestes casos. 5.5. 291 0. basta tomar a altura a nas equa¸c˜oes (5. 5 0.125) como sendo igual ao comprimento da se¸c˜ao transversal desenvolvida. 1406 1. 1661 1.9. 229 2. tais como (5. Para isto. 2 0. 267 0.1: Coeficientes para a tor¸c˜ao de se¸c˜oes retangulares [?]. as equa¸c˜oes (5. . Observa-se que para o caso de se¸c˜oes com ˆangulos reentrantes ocorre concentra¸co˜es de tens˜ao que dependem dos raios r dos filetes. 0 0.2.1. 0 0. tem-se que → ∞. 1958 2. Utiliza-se este caso para aplicar as express˜ oes a (5. 0 0. 291 10. 0 0. 246 0. Figura 5. Uma discuss˜ao para estes casos est´a apresentada em [?].1. 258 0. 5 0. 312 ∞ 0. 333 Tabela 5. 208 0. 0 0.9 Verifica¸c˜ ao e Dimensionamento Para verificar ou dimensionar um eixo de se¸c˜ao gen´erica.125) em eixos de paredes finas com se¸c˜oes transversais do tipo ilustradas na Figura 5. 333 0. 0 0.

Tor¸ c˜ ao de Se¸ c˜ oes Gen´ ericas 5-40 (a) Retangular. (d) Perfil U. (c) Perfil circular.2.5.27: Analogia da membrana com se¸c˜oes retangulares. (b) Perfil L. . Figura 5.

como nos casos de barra e eixo. 6. Neste cap´ıtulo. consideram-se vigas prism´aticas uniformes (de se¸c˜ao transversal constante) com comprimento longitudinal como dimens˜ao predominante. o interesse reside em a¸co˜es de movimento chamadas a¸c˜ oes de flex˜ao. fazendo-se a hip´otese que o comprimento ´e bem maior que as dimens˜oes da se¸c˜ao transversal. Posteriormente. apresenta-se na pr´oxima se¸ca˜o o modelo de Euler-Bernoulli ou de flex˜ ao pura.1. No caso de vigas. ou seja. tornando-se fundamental o estudo da formula¸c˜ao de vigas. Para incluir este efeito. deve-se considerar o modelo de Timoshenko. a viga ´e tratada com um modelo unidimensional. A diferen¸ca b´asica entre estes modelos est´a relacionada ao fato que a formula¸ca˜o de Euler-Bernouilli n˜ao considera a deforma¸c˜ao de cisalhamento presente nas se¸c˜oes traanversais.2. consideram-se os modelos de viga de Euler-Bernouilli e de Timoshenko. O problema principal est´a relacionado `as a¸c˜oes de movimento causando a flex˜ao da viga conforme mostrado na Figura 6. Assim.1 Introdu¸c˜ ao Um outro elemento estrutural unidimensional ´e a viga. 6-1 Cap´ıtulo 6 VIGA 6. como ilustrado na Figura 6. Figura 6. . Observa-se que a an´alise de vigas ´e bastante comum em problemas de engenharia. deslocamentos transversais na dire¸ca˜o do eixo y associados a rota¸c˜oes das se¸c˜oes transversais em torno do eixo z.2 Modelo de Euler-Bernoulli Na teoria cl´assica de Euler-Bernoulli ou de flex˜ao pura.1: Sistema de coordenadas da viga. discute-se a viga de Timoshenko. O sistema cartesiano de referˆencia empregado passa pelo centro de gravidade da se¸c˜ao tranversal. Para esta finalidade.

a se¸c˜ao AB assume a posi¸c˜ao indicada por A”B”. A seguir. denotado por v(x). Em outras palavras. Esta hip´ otese est´a ilustrada na Figura 6. Figura 6. Observe que devido a rota¸ca˜o de um ˆangulo α em torno do eixo z. Modelo de Euler-Bernoulli 6-2 Figura 6.3(b) para a mesma se¸c˜ao AB. constante em todos os pontos da se¸c˜ao. mas permanece plana. juntamente com uma rota¸c˜ao r´ıgida em torno do eixo z.6. de acordo com o sistema de coordenadas mostrado na Figura 6. em cada se¸ca˜o transversal x.2.3(a) para uma se¸c˜ao AB distante x da origem do sistema de referˆencia.2.1. (a) A¸c˜ ao de movimento. como ilustrado na Figura 6. aplicam-se os passos da formula¸c˜ao variacional para este modelo de viga.3: Cinem´atica da viga de Euler-Bernouilli. (b) Se¸c˜ ao AB em detalhes.1 Defini¸c˜ ao da Cinem´ atica A hip´otese cinem´atica no modelo de Euler-Bernouilli consiste em supor que as a¸co˜es de movimento poss´ıveis devem ser tais que as se¸co˜es permanecem planas. as a¸c˜oes de movimento poss´ıveis fazem com que. . indeformadas e ortogonais ao eixo longitudinal x da viga. ocorre uma rota¸ca˜o r´ıgida de um aˆngulo α em torno do eixo z e a se¸c˜ao gira at´e atingir a posi¸c˜ao final A”B”.2: Exemplo de viga em flex˜ao. 6. Observe que inicialmente a se¸c˜ao assume a posi¸c˜ao A B  devido ao deslocamento transversal r´ıgido v(x) na dire¸c˜ao do eixo y do sistema de referˆencia. A partir da´ı. ocorra um deslocamento vertical r´ıgido. o ponto A B  apresenta um deslocamento ∆u na dire¸c˜ao longitudinal x e um deslocamento ∆v na dire¸c˜ao y. n˜ ao-deformada e ortogonal ao eixo da viga. Ap´os a a¸c˜ao de flex˜ao.

u3 (x) = 0}.6.3(b). Isto ´e an´alogo a tomar o limite para ∆x tendendo a zero.2) 2   w(x)     u (x)     v(x)   3   0 dv(x) Observa-se que θz (x) = representa a rota¸c˜ao da se¸c˜ao transversal em x em rela¸ca˜o ao eixo z dx do sistema de referˆencia. A Figura 6.4 ilustra o comportamento do deslocamento axial u(x) para rota¸co˜es positiva (θz (x) > 0) e negativa (θz (x) < 0). . o qual passa pelo centro de gravidade da se¸c˜ao. ∆x Logo ∆v u(x) ∆v (∆v)2 =− → ∆u = −y + . (6. o deslocamento axial u(x) na se¸c˜ao x ´e dado por   ∆v ∆v u(x) = lim −y = −y lim . Portanto. Modelo de Euler-Bernoulli 6-3 A partir da Figura 6. tem-se que ∆x e ∆v s˜ao tamb´em pequenos e termo pode ∆x ser desprezado. Supondo que o ponto A est´a a uma distˆancia y do eixo x. u2 (x) = v (x) . o conjunto das a¸c˜oes admiss´ıveis coincide com V. observa-se que o deslocamento axial ∆u do ponto A ´e dado pela diferen¸ca entre as posi¸c˜oes final e inicial deste ponto. as a¸c˜oes de movimento na flex˜ ao s˜ao dadas por um campo vetorial u(x) variando apenas com x e possuindo as seguintes componentes         dv(x)   u(x)     u1 (x)     −y   u= v(x) = u (x) = dx . o deslocamento longitudinal ocorre no sentido negativo do eixo x do sistema de referˆencia como pode ser visto na Figura 6. dv(x) V = {u| u1 = u(x) = −y . Resumindo. y − ∆v y − ∆v ∆v tan α = .3) dx Para uma viga livre. ou seja. (6. ou seja θz (x) > 0. verifica-se que devido a a¸c˜ao de flex˜ao o deslocamento axial u(x) varia linearmente na se¸ca˜o.1) dx Portanto. as seguintes rela¸c˜oes s˜ao v´alidas para a tangente do aˆngulo α ∆x u(x) tan α = =− . O sinal negativo em u(x) vem do fato que quando a rota¸c˜ao ´e positiva. O conjunto das a¸c˜oes cinematicamente poss´ıveis V ´e definido por. ∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x Aplicando a defini¸c˜ao de derivada vem que dv(x) u(x) = −y .2.3(b). ∆u = x − ∆x − x = −∆x. ∆x y − ∆v ∆x ∆x (∆v)2 Supondo que o ˆangulo α ´e pequeno. (6.

Modelo de Euler-Bernoulli 6-4 (a) θz (x) > 0. (c) θz (x) < 0. (b) θz (x) > 0. .2.4: Deslocamento longitudinal u(x) variando linearmente na se¸c˜ao transversal AB da viga. (d) θz (x) < 0. Figura 6.6.

5 ilustra duas se¸co˜es arbitr´arias AB e CD. ou seja.4. Modelo de Euler-Bernoulli 6-5 6. ou seja. tem-se uma componente de deforma¸c˜ao longitudinal εyy (x) associada a v(x). os quais s˜ao dados em fun¸c˜ao dos desloca- dv(x) dv(x + ∆x) mentos tranversais v(x) e v(x+∆x). as quais distam. Devido a a¸c˜ao de flex˜ao. (6.6.2. respectivamente. procede-se de forma an´aloga aos casos de barra e tor¸c˜ao. a deforma¸c˜ao longitu- dinal na viga apresenta uma varia¸c˜ao linear de acordo com a coordenada y do ponto considerado. Empregando a defini¸ca˜o de derivada vem que   d dv(x) d2 v(x) εxx (x) = −y = −y . De forma an´aloga ao caso de barra. dx dx A varia¸c˜ao espec´ıfica do deslocamento axial entre estas se¸c˜oes ´e dada por     dv(x + ∆x) dv(x) d −y − −y [v(x + ∆x) − v(x)] ∆u u(x + ∆x) − u(x) dx dx = = = −y dx . ∆x x + ∆x − x ∆x ∆x A deforma¸c˜ao espec´ıfica εxx (x) ´e dada tomando-se o limite da rela¸c˜ao anterior para ∆x tendendo a zero.4) dx dx dx2 Portanto. Figura 6. por u(x) = −y e u(x+∆x) = −y . estas se¸c˜oes apresentam deslocamentos axiais u(x) e u(x+∆x). Este comportamento ´e an´alogo `aquele do deslocamento axial u(x) e est´a ilustrado na Figura 6. a componente de deforma¸c˜ao asso- ciada a u(x) ´e a deforma¸c˜ao espec´ıfica longitudinal εxx (x). basta tomar a . as se¸c˜oes transversais apresentam um deslocamento axial u(x) variando linearmente na se¸c˜ao. x e x + ∆x da origem do sistema de referˆencia da viga. toma-se a varia¸c˜ao dos deslocamentos axiais de duas se¸co˜es arbitr´arias na viga. Para determinar uma express˜ao para εxx (x).2. respectivamente. Para caracterizar esta componente.   d    ∆u [v(x) − v(x + ∆x)]    d ∆v εxx (x) = lim = lim −y dx = −y lim .5: Deforma¸c˜ao na viga de Euler-Bernouilli.2 Deforma¸c˜ ao Devido a cinem´atica adotada para a viga. ∆x→0 ∆x ∆x→0   ∆x   dx ∆x→0 ∆x   sendo ∆v = v(x) − v(x + ∆x) a varia¸c˜ao dos deslocamentos transversais entre as se¸c˜oes AB e CD. Como o deslocamento transversal v(x) est´a agindo na dire¸c˜ao vertical y. enquanto na barra εxx (x) ´e constante em todos os pontos da se¸ca˜o. A Figura 6.

3 Movimentos R´ıgidos Como mencionado na Se¸c˜ao ??. ∆x x + ∆x − x ou seja. atrav´es da defini¸c˜ao de derivada tem-se que dv(x) εyy (x) = . ∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x Portanto. cada se¸c˜ao sofre um deslocamento transversal constante v(x) e a varia¸ca˜o do mesmo na dv(x) se¸c˜ao ´e nula. o espa¸co W ´e o conjunto de dx todas as fun¸c˜oes escalares εxx (x). dx Este resultado est´a de acordo com a hip´otese do modelo de Euler-Bernouilli que as se¸co˜es transversais permanecem n˜ao-deformadas. ou seja. (6. Logo. que a u ´nica componente de deforma¸c˜ao n˜ao-nula ´e εxx (x) de forma an´aloga ao caso da barra. Analogamente. Portanto γxy (x) = 0.2. ou seja. (6.5. ent˜ao. D : V −→ W d2 v(x) .5) dx No entanto. indica a dire¸c˜ao da deforma¸ca˜o. de forma an´aloga ao efetuado para εxx (x). o eixo x ´e normal a toda se¸c˜ao tranversal da viga). Modelo de Euler-Bernoulli 6-6 diferen¸ca entre os deslocamentos transversais v(x) e v(x + ∆x) das se¸c˜oes AB e CD mostradas na Figura 6. Da mesma maneira. a componente de deforma¸c˜ao εyy (x) ´e dada pelo limite para ∆x tendendo a zero da seguinte rela¸c˜ao ∆v v(x + ∆x) − v(x + ∆x) = . Desta maneira.6. d2 v(x) εxx (x) = −y =0 x ∈ (0.8) dx2 A rela¸c˜ao anterior pode ser reescrita como   d dv(x) εxx (x) = y = 0.6) Conclui-se.7) u(x) −→ εxx (x) = Du(x) = −y dx2 6. (6. Isto implica em dizer que a deforma¸c˜ao εxx (x) ´e nula para toda se¸c˜ao x ao longo do comprimento da viga. pois as se¸c˜oes permanecem pla- nas e ortogonais ao eixo da viga. Observa-se que o operador de deforma¸c˜ao D : V −→ W relaciona a cinem´atica com a deforma¸c˜ao. enquanto o segundo ´ındice. d O operador de deforma¸c˜ao D ´e dado por D = −y . Lembre-se que o primeiro ´ındice siginifica o plano no qual a deforma¸c˜ao est´a presente (neste caso. a potˆencia interna Pi ´e nula para o caso de um movimento de corpo r´ıgido.2. y neste caso. ∆v v(x + ∆x) − v(x) εyy (x) = lim = lim . a componente de deforma¸ca˜o cisalhante γxy (x) ´e nula. dx dx . ou seja. denominadas deforma¸c˜oes longitudinais e obtidas ao se derivar as a¸c˜oes de movimento u(x) ∈ V. = 0. (6. a deforma¸ca˜o espec´ıfica εyy (x) associada a v(x) ´e zero. L) .

Logo. N (D) ´e o subconjunto de todas as a¸co˜es de movimento u(x) de V.6. ou seja. V dx2 .6. tais que ´e constante. ou seja. Estes subconjunto ´e definido dx2 formalmente como   dv(x) d2 v(x) N (D) = u(x) ∈ V | = cte. uma fun¸c˜ao σxx (x) representando o estado das for¸cas internas nas se¸c˜oes da viga na dire¸ca˜o do eixo x. possui infinitos pontos. emprega-se uma integral para representar esta soma.10) V Substituindo a express˜ao (6. dv(x) Para que a condi¸c˜ao anterior seja satisfeita.4) para εxx (x) vem que    d2 v(x) Pi = − σxx (x) −y dV. Esta fun¸c˜ao escalar ´e denominada tens˜ao normal atuante no plano x na dire¸c˜ao do eixo x e est´a relacionada a εxx (x) atrav´es do conceito de potˆencia interna. O produto σxx (x)εxx (x) representa a N m densidade de trabalho interno em cada ponto da viga. Isto implica que a viga apresenta uma rota¸c˜ao r´ıgida constante em torno do eixo z como ilustrado na Figura 6. define o subconjunto N (D) das a¸co˜es r´ıgida da viga.6: Movimento de corpo r´ıgido na viga: rota¸c˜ao em torno do eixo z.4 Potˆ encia Interna Como a u ´nica componente de deforma¸c˜ao n˜ao-nula ´e εxx (x). deve-se somar os produtos σxx (x)εxx (x) para cada ponto da viga. deve existir.9) dx dx2 dv(x) ou seja. a potˆencia interna Pi ´e dada pela seguinte integral ao longo do volume V da viga  Pi = − σxx (x)εxx (x) dV.2. (6. a rota¸c˜ao deve ser constante para toda se¸c˜ao transver- dx sal. dx implicando que a deforma¸c˜ao εxx (x) ´e nula. Du(x) = −y =0 .2. O conjunto de todas as a¸c˜oes r´ıgidas em V. pois este termo possui unidades do tipo 2 . das a¸c˜oes u ∈ V tal que εxx = Du(x) = d2 v(x) −y = 0. (6. Como a viga ´e cont´ınua. de forma an´aloga ao caso de barra. Modelo de Euler-Bernoulli 6-7 Figura 6. 6. m m Para obter o trabalho interno total.

(6. Observe o termo σxx (x)dA representa uma for¸ca na dire¸c˜ao x que ao ser multiplicada pelo distˆancia y resulta num momento na dire¸c˜ao z. (6.6.7: Momento fletor na se¸c˜ao transversal da viga de Euler-Bernouilli. Assim. (b) σxx < 0. o espa¸co W dos esfor¸cos internos ´e definido por fun¸c˜oes cont´ınuas Mz (x) representando a resultante em termos de momento fletor nas se¸c˜oes da viga. A A integral anterior representa o momento est´atico de ´area ou momento de primeira ordem Msz (x) da se¸ca˜o transversal em rela¸c˜ao ao eixo z do sistema de referˆencia. O efeito deste momento ´e provocar uma flex˜ao na viga.11) 0 A dx2 A integral sob a a´rea resulta num momento na dire¸c˜ao z do sistema de referˆencia da viga. ou seja. Modelo de Euler-Bernoulli 6-8 Pode-se decompor a integral de volume anterior em duas integrais.12) em (6. (6. sendo por isto denominado momento fletor em rela¸ca ˜o ao eixo z do sistema de referˆencia adotado e denotado por Mz (x). Como na express˜ao anterior σxx (x) depende apenas de x e n˜ao de y e z. Este fato est´a ilustrado na Figura 6.14) Substituindo (6. no caso da viga de Euler-Bernouilli.2. (6.  L   d2 v(x) Pi = − − yσxx (x)dA dx. sendo uma ao longo do comprimento L e a outra na a´rea A da se¸c˜ao transversal da viga.13) A Portanto Mz (x) = −σxx (x)Msz (x).11) vem que  L d2 v(x) Pi = − Mz (x) dx.7 para um elemento infinitesimal de ´area dA. Logo  Mz (x) = − yσxx (x) dA. Figura 6. Logo  Msz (x) = y dA. (6.12) A (a) σxx > 0. pode-se reescrevˆe-la como  Mz (x) = −σxx (x) y dA.15) 0 dx2 .

isto ´e. do eixo y do sistema de referˆencia.19) e do PPV expresso em (3.16). ou seja. dx2 % & d2 Mz (x) Nm N 2 = 2 = . deve-se derivar (6.6.15) duas vezes por parte. Observe que a derivada representa dx uma for¸ca.   + L d2 v(x) L dMz (x) dv(x) dv(x) ++L Pi = − Mz (x) dx = dx − Mz (x) (6. = − v(x) dx − M (x) + v(x) dx +0 + z 0 dx2 dx 0 Logo. a partir de (6. Logo. ou dx2 seja.19) 0 dx2 d2 Mz (x) Finalmente. (6.18) 0 dx2 a qual pode ainda ser expandida como    L d2 Mz (x) ) * Pi = − v(x) dx + −Mz (L)θˆz (L) + Mz (0)θˆz (0) + [Vy (L) vˆ(L) − Vy (0) vˆ(0)] (6.17) dx dv(x) Lembrando que a rota¸c˜ao ´e indicada como θz (x) = e substituindo a express˜ao anterior em dx (6. obt´em-se a forma final para a potˆencia interna na viga  L d2 Mz (x) Pi = − v(x) dx − Mz (x)θz (x)|L L 0 + Vy (x) v(x)|0 . esta for¸ca ´e denotada por Vy (x) e denominada for¸ca cortante. obt´em-se uma express˜ao com uma integral ao longo do com- dMz (x) primento da viga e dois conjuntos de termos no contorno. al´em de uma carga distribu´ıda ao longo de seu comprimento. Para caracterizar f . Portanto. Como o momento est´a na dire¸ca˜o z e o comprimento da viga em x. Desta forma. uma carga distribu´ıda internamente ao longo do comprimento da viga.2.16) 0 dx2 0 dx dx dx +0  + + L d2 Mz (x) dv(x) ++L dMz (x) +L + . Para verificar este fato. tem-se que para qualquer a¸c˜ao de movimento virtual u ˆ(x)∈V Pe + Pi = 0. pois se o momento fletor estiver dado em N m e emprega-se m para denotar comprimento. que de forma an´aloga a cortante.8(a). (6. ou seja. 6. Logo.2.5 Aplica¸c˜ ao do PPV Seja f o conjunto de esfor¸cos externos compat´ıveis com a cinem´atica definida para o modelo de viga de Euler-Bernouilli. Estes esfor¸cos est˜ao ilustrados na Figura 6. dx m m Observe ainda.23). Para obter uma rela¸c˜ao contendo apenas v(x). a seguinte rela¸c˜ao ´e v´alida para o momento fletor e a for¸ca cortante na viga dMz (x) Vy (x) = . d2 Mz (x) basta checar as unidades de . tem-se uma for¸ca transversal na dire¸c˜ao y. esta carga distribu´ıda est´a presente na dire¸c˜ao vertical. Modelo de Euler-Bernoulli 6-9 Verifica-se que o deslocamento transversal v(x) est´a derivado duas vezes na express˜ao da potˆencia interna. paralela a cada se¸c˜ao transversal da viga. ou seja. os esfor¸cos internos compat´ıveis com a cinem´atica de viga em flex˜ao s˜ao for¸cas cortantes e momentos fletores concentrados nas extremidades da viga. aplica-se o PPV dado na Se¸c˜ao ??. a derivada resulta num termo em N . . ap´os a integra¸c˜ao por partes. observe que o termo representa uma for¸ca por unidade de comprimento.

como o PPV estabelece a igualdade das potˆencias externa e interna para qualquer deslocamento virtual u ˆ(x) a partir da posi¸c˜ao de equil´ıbrio. (a) Esfor¸cos internos.2. 6. Figura 6. (6. tem-se for¸cas transversais concentradas V0 e VL .8(b).2. Desta maneira. os termos Vy (L) vˆ(L) e Vy (0) vˆ(0) da potˆencia interna. O termo relativo `a potˆencia interna em (6. para equilibrar a carga distribu´ıda transversal interna d2 Mz (x) . denotada por q(x). q(x)ˆ (6. de tal forma que os termos VL vˆ(L) e V0 vˆ(0) da potˆencia externa associada equilibre. equilibre a potˆencia  L 2 0 d Mz (x) interna vˆ(x)dx. nas extremidades x = 0 e x = L da viga. (c) Conven¸c˜ ao de sinais.8(a)).20). Logo. deve exisitir uma uma densidade de for¸ca externa transversal distribu´ıda.20) 0 dx2 A equa¸ca˜o anterior representa o enunciado integral do equil´ıbrio da viga livre de restri¸c˜oes. Este termo ´e importante pois possibilita caracterizar os esfor¸cos internos que est˜ao presentes na viga (veja Figura 6. respectivamente.22) 0 . Portanto. respectivamente. Modelo de Euler-Bernoulli 6-10 Logo. u ˆ = v (x) dx + ML θˆz (L) + M0 θˆz (0) + VL vˆ(L) + V0 vˆ(0). aos termos da potˆencia interna Mz (L)θˆz (L) e Mz (0)θˆz (0). fornecendo ainda uma representa¸c˜ao das for¸cas compat´ıveis com o modelo de viga de Euler-Bernouilli. u ˆ+ − v ˆ (x) dx+ −Mz (L)θˆz (L) + Mz (0)θˆz (0) +[Vy (L) vˆ(L) − Vy (0) vˆ(0)] . ML : momentos fletores nos extremos da viga f: .20) foi determinado atrav´es da integra¸c˜ao por partes. a partir da configura¸c˜ao deformada do corpo. Estes esfor¸cos externos est˜ao mostrados na Figura 6.6 Caracteriza¸c˜ ao dos Esfor¸cos Externos O PPV estabelece que se o corpo est´a em equil´ıbrio. VL : esfor¸cos cortantes nos extremos da viga   M0 .8: Esfor¸cos internos e externos na viga de Euler-Bernouilli. (b) Esfor¸cos externos. Finalmente. a express˜ao da potˆencia externa das for¸cas f para qualquer a¸c˜ao virtual u ˆ (x)∈V ´e escrita como  L Pe = f.    L d2 Mz (x) ) * f. dx2  L cuja potˆencia q(x)ˆ v (x) dx associada a um deslocamento virtual arbitr´ ario vˆ(x). Momentos puros M0 e ML concentrados na dire¸c˜ao z devem estar presentes de tal forma que os termos da potˆencia externa virtual ML θˆz (L) e M0 θˆz (0) se igualem. as potˆencias externa e interna s˜ao as mesmas para qualquer a¸ca˜o virtual de movimento.(6.21)   carregamento transversal distribu´ıdo   q(x) : por unidade de comprimento A partir da express˜ao anterior. pode-se caracterizar os esfor¸cos externos compat´ıveis com a representa¸c˜ao (6. respectivamente. os 0 dx2 esfor¸cos externos compat´ıveis com o modelo cinem´atico da viga s˜ao dados por    V0 .6.

 2   d Mz (x)   − q(x) = 0 x ∈ (0.20) e rearranjando os termos. ou seja. A conven¸c˜ao de sinais est´a ilustrada na Figura 6.25)     − x=L   dx   − Mz (x)|x=0   x=0  Mz (x)|x=L x=L O operador D∗ mapeia os espa¸cos vetoriais dos esfor¸cos internos W e externos V  . enquanto a cortante negativa indica um giro no sentido anti-hor´ario (z positivo). enquanto as fibras da parte de cima est˜ao comprimidas. duas condi¸c˜oes de contorno em termos da for¸ca cortante e mais duas em termo do momento fletor.6. dx dx Substituindo a express˜ao para a for¸ca cortante (6.23)   x=L      M z (0) = −M0 x=0  Mz (L) = ML x=L A express˜ ao anterior define a forma local ou o problema de valor de contorno da viga livre de res- tri¸c˜oes cinem´aticas.24) dx A partir da equa¸c˜ao (6. Resolvendo-se a equa¸c˜ao diferencial. (6.2. L)   dx2   dM z (x)   x=0 D∗ Mz (x) = dx dMz (x) . (6. sendo estes diagramas conhecidos como diagramas de esfor¸cos solicitantes para o problema de viga.8(c). Um valor positivo indica que as fibras da parte de baixo da viga est˜ao tracionadas (sentido positivo do eixo z). L)   dx2   Vy (0) = V0 x=0 Vy (L) = −VL . Pode-se tra¸car diagramas da for¸ca cortante Vy (x) e do momento fletor Mz (x). obt´em-se uma fun¸c˜ao descrevendo o momento fletor Mz (x) ao longo do eixo x da viga. for¸cas transversais concentradas V0 e VL e momentos puros . define-se o operador de equilibrio D∗ entre os esfo¸cos externos e internos. implica que este elemento gire no sentido hor´ario (z negativo). Um valor negativo indica que as fibras de baixo est˜ao comprimidas e as de cima tracionadas. ˆ(x) ∈ V. Neste caso. os 3 termos entre colchetes Para que esta equa¸c˜ao seja verdadeira para toda a¸ca˜o virtual u devem ser simultaneamente nulos. dVy (x) − q(x) = 0 (6. vem que  % & L d2 Mz (x) − + q vˆ dx + [−Mz (L) + ML ] θˆz (L) + [Mz (0) + M0 ] θˆz (0) + 0 dx2 [Vy (L) + VL ] vˆ (L) + [−Vy (0) + V0 ] vˆ(0) = 0. Este operador pode ser escrito como  2   d Mz (x)    x ∈ (0. o espa¸co vetorial dos esfor¸cos externos V  ´e caracterizado por uma fun¸c˜ao escalar cont´ınua q(x) indicando a carga transversal distribu´ıda sobre a viga.17).23). Modelo de Euler-Bernoulli 6-11 Substituindo (6.22) no enunciado do PPV (6. A equa¸ca˜o diferencial em termos do momento fletor dada em (6. Tem-se uma equa¸c˜ao diferencial em termos do momento fletor. Observe que a for¸ca cortante positiva em duas se¸c˜oes de um elemento de viga. isto ´e.23) pode ser reescrita como   d dMz (x) − q(x) = 0. chega-se na equa¸ca˜o diferencial de equil´ıbrio em termos da cortante.

12).4) na express˜ao anterior vem que d2 v(x) σxx (x) = −E(x) y. reescreve-se o momento fletor Mz (x) como   d2 v(x) 2 d2 v(x) Mz (x) = − −E(x) 2 y dA = E(x) y 2 dA.28) dx2 Por sua vez. (6. substituindo a express˜ao anterior em (6.27) Substituindo (6.26) Mz (x) → D∗ Mz (x) = dMz (x)     − x=L   dx   − Mz (x)|x=0   x=0  Mz (x)|x=L x=L A forma esquem´atica da formula¸ca˜o do problema de barra ´e mostrada na Figura 6. a componente de tens˜ao σxx (x) est´a relacionada `a componente de deforma¸c˜ao εxx (x) atrav´es do m´odulo de elasticidade longitudinal E(x) do material. L)   dx2   dM z (x)   x=0 dx . Figura 6. isto ´e. denota-se D∗ como D∗ : W → V   2   d Mz (x)    x ∈ (0.6. (6. A dx dx2 A .7 Aplica¸c˜ ao da Equa¸c˜ ao Constitutiva Para um material el´astico linear isotr´opico.2.2. (6. σxx (x) = E(x)εxx (x). 6. Modelo de Euler-Bernoulli 6-12 concentrados M0 e ML nas extremidades da viga. Portanto.9. Estes esfor¸cos concentrados s˜ao tratados como condi¸co˜es de contorno do problema.9: Formula¸c˜ao do modelo de viga de Euler-Bernouilli.

as restri¸c˜oes cinem´ aticas em termos do deslocamento e rota¸ca˜o. Observa-se que as condi¸c˜oes de contorno podem ser dx dadas tanto em termos de for¸cas e momentos concentrados como em fun¸c˜ao de deslocamentos e rota¸c˜oes. (6.2.29) dx2 πd4 Para se¸c˜ao circular com diˆametro d. a express˜ao da cortante Vy (x) = EIz . deve-se integrar a equa¸c˜ao diferencial quatro vezes.10: Condi¸co˜es de contorno na viga. θz (x = 0) = 0. do momento fletor Mz (x) = EIz .23) vem que   d2 d2 v(x) E(x)Iz (x) − q(x) = 0.10.28). tem-se uma fun¸c˜ao fornecendo o deslocamento transversal ou flecha v(x) ao longo da viga. fornecendo.30) dx3 Substituindo Mz (x) na equa¸c˜ao diferencial do momento fletor indicada em (6. Logo. v(x = L) = 0 e θz (x = L) = 0. a express˜ ao anterior se reduz a d4 v(x) EIz − q(x) = 0. Para isso. Como a cortante ´e a derivada do momento fletor vem que 12 d3 v(x) Vy (x) = E(x)Iz (x) . res- d3 v(x) d2 v(x) pectivamente. tem-se a express˜ao final para o momento fletor d2 v(x) Mz (x) = E(x)Iz (x) .32) dx4 Estas duas u ´ltimas express˜oes representam a equa¸c˜ao diferencial de quarta ordem do deslocamento transversal da viga.31) dx2 dx2 Para uma viga de um mesmo material e se¸c˜ao transversal constante tem-se E(x) = E e Iz (x) = Iz . Modelo de Euler-Bernoulli 6-13  Lembrando que Iz (x) = A y 2 dA ´e o momento de in´ercia de ´area da se¸c˜ao tranversal x em rela¸c˜ao ao eixo z. (6. (6.33) dx Ey . 64 bh3 tem-se Iz = . da dx3 dx2 dv(x) rota¸ca˜o e do deslocamento transversal v(x). (6. obt´em-se d2 v(x) σxx (x) 2 =− . (a) v(x = 0) = 0 e θz (x = 0) = 0. (6. Figura 6. s˜ao inclu´ıdas na defini¸c˜ao do espa¸co de a¸co˜es admiss´ıveis Kinv . Por sua vez. (c) v(x = 0) = 0. ilustradas na Figura 6. A partir de (6. Como solu¸c˜ao. (b) v(x = L) = 0 e θz (x = L) = 0. tem-se Iz = . No caso de se¸c˜ao retangular de base b e altura h.6.

11: Tens˜oes de tra¸c˜ao e compress˜ao na se¸c˜ao transversal da viga. ou seja. consideram-se apenas se¸c˜oes transversais sim´etricas.6.2. (b) Mz (x) < 0. (6. Como mencionado anteriormente. Para confirmar este fato. como indicado na Figura 6. o sistema de referˆencia da viga passa pelo centro de gravidade da se¸c˜ao.37) Iz (x) A  Para que a equa¸c˜ao anterior seja nula ´e necess´ario que o momento est´atico Msz (x) = A y dA seja nulo. basta determinar a origem do eixo y na se¸c˜ao transversal da viga. Modelo de Euler-Bernoulli 6-14 a qual substitu´ıda em (6.34).11. (a) Mz (x) > 0.   Fx = 0 : A σxx dA = 0 (6. Neste modelo de viga. Como se considera apenas a flex˜ao pura.36) Substituindo-se (6. as fibras da parte de cima da viga estar˜ao em tra¸c˜ao ou compress˜ao. (6. implicando que o eixo z. Figura 6.29) resulta na seguinte express˜ ao para o momento fletor na viga Mz (x) σxx (x) = − y. (c) Mz (x) > 0. e portanto o sistema de referˆencia indicado na Figura 6.35) E(x) E(x)Iz (x) Verifica-se ent˜ao que a tens˜ ao e a deforma¸c˜ao normais variam linearmente com a coordenada y na se¸c˜ao transversal da viga. . vem que  Mz (x) − y dA = 0. (6. a resultante das for¸cas na dire¸c˜ao x em qualquer se¸c˜ao ´e nula. com flex˜ao ao longo do plano de simetria definido pelo eixo z. atingindo o valor m´aximo no contorno da se¸ca˜o. Dependendo do sinal do momento fletor.34) na express˜ao anterior e observando que Mz e Iz n˜ao variam com y e z ao longo de uma mesma se¸c˜ao x. tem-se que a componente de deforma¸c˜ao longitudinal εxx associada a σxx ´e dada por σxx (x) Mz (x) εxx (x) = =− y.12. (d) Mz (x) > 0.1. como ilustrado na Figura 6. passa pelo centro de gravidade da se¸c˜ao transversal da viga. a partir de (6.27) e (6.34) Iz (x) Da mesma maneira. segundo o eixo y. O eixo z ´e denominado linha neutra da se¸ca˜o transversal e a uni˜ao destas linhas em cada se¸c˜ao define a superf´ıcie neutra.

consideram-se os seguintes passos no dimensionamento `a tens˜ao m´axima: 1. tem-se que a tens˜ao normal m´axima σxx se¸ca˜o mais solicitada. determinam-se as fun¸c˜oes e os respectivos diagramas da for¸ca cortante Vy (x) e do momento fletor Mz (x) atrav´es da integra¸c˜ao da equa¸c˜ao diferencial (6.41) . (6.2. ou seja. max ocore no contorno da 3. (6.6. (6.12: Linha e superf´ıcie neutras na viga. O dimensionamento considerado aqui ser´ a baseado no valor m´aximo da tens˜ao normal na viga. (6.40) Wz 4. max Mzmax max σxx = y . Com base neste diagrama. ou seja. sendo este valor denotado Mzmax . Logo.34).38) Iz Como n˜ao se conhece as dimens˜oes da se¸c˜ao transversal ainda. Aplicando-se a express˜ao (6.39) y max Desta pode-se reescrever a express˜ ao (6. 2.38) como max Mzmax σxx = . sendo a coordenada y = y max . De forma an´aloga aos casos de barra e eixo. determina-se a se¸c˜ao mais solicitada. A condi¸c˜ao que o eixo permane¸ca na fase el´astica significa que a tens˜ao normal m´axima deve ser menor ou igual a tens˜ao normal admiss´ıvel σ ¯ do material.2.31). max σxx ≤σ ¯. agrupam-se os termos da express˜ ao anterior envolvendo estas dimens˜oes no m´odulo de resistˆencia a` flex˜ao Wz dado por Iz Wx = . 6.8 Dimensionamento e Verifica¸c˜ ao Dimensionar uma viga significa calcular as dimens˜oes m´ınimas da se¸c˜ao transversal de tal forma que a viga permane¸ca na fase el´astica. a se¸ca˜o onde atua o maior momento fletor em m´odulo. Modelo de Euler-Bernoulli 6-15 Figura 6.

13: Equa¸c˜ao diferencial: viga submetida a carga distribu´ıda.43) d/2 32 π No caso de uma se¸ca˜o retangular de base b e altura h. determinam-se as dimens˜oes da se¸c˜ao transveral.6. max σxx ≤σ ¯. (6. ˜o do carregamento: q(x) = −500 1. determinam-se os seus valores.38). deve-se redimensionar a viga. Condi¸co x = 3 → Mz = 0 d2 M 3. No caso de verifica¸ca˜o de uma viga.13. (6. isto ´e. Com esta tens˜ao m´axima. ou seja. para uma se¸ca˜o circular de diˆametro d tem-se que  1/3 πd4 /64 πd3 32Wz Wz = = → d= .44) h/2 6 e conhecendo-se a rela¸ca˜o entre b e h. Figura 6. tomando-se a igualdade na express˜ao anterior. (6. diz-se que a viga permanece na fase el´astica. Modelo de Euler-Bernoulli 6-16 O m´odulo de resistˆencia a` flex˜ao m´ınimo ´e obtido. vem que bh3 /12 bh2 Wz = = → bh2 = 6Wz .42) σ¯ Conhecido Wz . Para isto.1 Tra¸car os diagramas da for¸ca cortante e momento fletor para a viga ilustrada na Figura 6. Equa¸ca ˜es de contorno: x = 0 → Mz = 0 2.45) Neste caso. Por exemplo. basta verificar se a mesma ´e menor ou igual que a tens˜ao admiss´ıvel do material. calcula-se a tens˜ao normal m´axima σxx max usando (6. Integra¸ca ˜o da equa¸ca ˜o diferencial: dx2 = −500 • 1a integra¸ca ˜o (cortante): Vy = Mz dx = −500x + C1 • 2a ˜o (momento fletor): Mz = −250x2 + C1 x + C2 integra¸ca . (6. aplicando o procedimento anterior. Exemplo 6. atrav´es da integra¸ca ˜o da equa¸ca ˜o diferencial. as dimens˜oes da se¸c˜ao transversal s˜ao conhecidas e deseja-se verificar se a mesma permanece na fase el´astica quando submetida a um certo carregamento. Caso a condi¸c˜ao n˜ao seja v´alida. Mzmax Wz = .2.

5 2 2.6.5 3 x[m] x[m] Exemplo 6. Condi¸co x = 2 → Mz = −200N . atrav´es da integra¸ca ˜o da equa¸ca ˜o diferencial. Equa¸ca ˜es de contorno: x = 2 → Vy = −100N 2. 5 N m 800 600 Vy(x)[N] Mz(x)[N.2. Modelo de Euler-Bernoulli 6-17 4. 5) = 0 Mz (x = 1.5 1 1.m] 600 500 400 400 200 0 300 -200 200 -400 100 -600 0 -800 0 0. Figura 6. ˜o do carregamento: q(x) = −q0 (1 − Lx ) = −500(2 − x) 1. 5) = 562.14. Equa¸co ˜es finais: • for¸ca cortante: Vy = −500x + 750 • momento fletor: Mz = −250x2 + 750x 6.5 2 2. Diagramas Vy (x = 0) = 750N Mz (x = 0) = 0 Vy (x = 3) = −750N Mz (x = 3) = 0 Vy (x = 1.5 1 1.5 3 0 0.2 Tra¸car os diagramas da for¸ca cortante e momento fletor para a viga ilustrada na Figura 6.14: Equa¸c˜ao diferencial: carga distribu´ıda linear. Determina¸ca ˜o das constantes de integra¸ca ˜o Mz (x = 0) = −250(0) + C1 (0) + C2 = 0 → C2 = 0 Mz (x = 3) = −250(3)2 + C1 (3) + 0 = 0 → C1 = 750 5.

2. respectivamente.8 2 0 0.6. Modelo de Euler-Bernoulli 6-18 d2 M 3.4 0. Integra¸ca ˜o da equa¸ca ˜o diferencial: dx2 = −500(2 − x) • 1a integra¸ca ˜o (cortante): Vy = dMz dx = −100x + 250x2 + C1 • 2a integra¸ca ˜o (momento fletor): Mz = −500x2 + 250 3 3 x + C1 x + C2 4. Equa¸ca ˜es de contorno: x = 2 → Mz = 500 2.m] Vy(x)[N] 0 800 -100 600 -200 -300 400 -400 200 -500 0 -600 -700 0 0.2 0.4 1.4 0.6 0.3 Tra¸car os diagramas da for¸ca cortante e momento fletor para a viga ilustrada na Figura 6.8 1 1.2 1. Exemplo 6. Condi¸co restri¸ca otula): x = 1 → Mz = 0 ˜o adicional (r´ d2 M 3.8 1 1. 33 N m Mz(x)[N.8 2 x[m] x[m] Observa-se que devido a carga distribu´ıda linear. atrav´es da integra¸ca ˜o da equa¸ca ˜o diferencial.4 1.2 0. Diagramas Vy (x = 0) = 900N Mz (x = 0) = − 2000 3 Nm Vy (x = 2) = −100N Mz (x = 2) = −200 N m Vy (x = 1) = 150N Mz (x = 1) = −183. os gr´ aficos da cortante e do momento fletor variam de forma quadr´atica e c´ ubica. Determina¸ca ˜o das constantes de integra¸ca ˜o Vy (x = 2) = −1000(2) + 250(4) + C1 = −100 → C1 = 900 Mz (x = 2) = −500(4) + 250 3 (8) + 900(2) + C2 = 0 → C2 = − 2000 3 5.2 1. Integra¸ca ˜o da equa¸ca ˜o diferencial: dx2 = −1000 • 1a integra¸ca ˜o (cortante): Vy = dMz dx = −1000x + C1 .6 1.15. ˜o do carregamento: q(x) = −1000 1.6 1.6 0. Equa¸co ˜es finais • for¸ca cortante: Vy = −1000x + 250x2 + 900 • momento fletor: Mz = 500x2 + 250 3 3 x + 900x − 2000 3 6.

4 1.4 1.8 1 1. ˜o (momento fletor): Mz = −500x2 + C1 x + C2 • 2a integra¸ca 4.6.2 1. determinam-se C1 = 2000 e C2 = −1500.8 2 x[m] x[m] . Diagramas Vy (x = 0) = 2000N Mz (x = 0) = 1500 N m Vy (x = 1) = 1000N Mz (x = 1) = 0 Vy (x = 2) = 0 Mz (x = 2) = 500 N m Vy(x)[N] Mz(x)[N. Equa¸co ˜es finais: • for¸ca cortante: Vy = −1000x + 2000 • momento fletor: Mz = −500x2 + 2000x + −1500 6.6 1.4 + C1 .2 1.4 0.4 0.6 1.2.15: Equa¸c˜ao diferencial: viga com r´otula.2 0.m] 2000 500 1500 0 1000 -500 500 -1000 0 -1500 0 0. Modelo de Euler-Bernoulli 6-19 Figura 6.8 2 0 0.2 + C2 = 500 → 2C1 + C2 = 2500 Mz (x = 1) = −500 + C1 + C2 = 0 → C1 + C2 = 500 Reolvendo o sistema definido pelas duas equa¸co ˜es anteriores.8 1 1.6 0.6 0. Determina¸ca ˜o das constantes de integra¸ca ˜o Mz (x = 2) = −500.2 0. 5.

c) a dimens˜ ao m´ınima B para que os requisitos de tens˜ ao e deslocamento m´ aximo sejam respeitados. Integra¸ca ˜o da equa¸ca ˜o diferencial: EIz dx • 1a integra¸ca ˜o: for¸ca cortante d3 v EIz dx3 = Vy (x) = −q0 x + C1 • 2a integra¸ca ˜o: momento fletor d2 v 2 EIz dx2 = Mz (x) = −q0 x2 + C1 x + C2 • 3a integra¸ca ˜o: rota¸c˜ ao x3 2 θz (x) = −q0 6 + C1 x2 + C2 x + C3 • 4a integra¸ca ˜o: deslocamento transversal 4 3 2 EIz v(x) = −q0 x24 + C1 x6 + C2 x2 + C3 x + C4 4. ˜o do carregamento: q(x) = −q0 1. deflex˜ ao angular (rota¸ca ˜o) e deflex˜ao linear (flecha). A viga deve suportar uma carga uniformemente distribu´ıda qo = 10. b) as rea¸co ˜es de apoio. Para esta viga solicita-se: a) as equa¸c˜ oes e os diagramas de esfor¸co cortante.16: Viga bi-engastada. O material do qual a viga ser´ a constru´ıda possue um m´ odulo de elasticidade longitudinal (Young) E = 2. Figura 6. Equa¸ca 2.000N/m ao longo de um v˜ ao L = 5m. Condi¸co ˜es de contorno v(x = 0) = 0 v(x = L) = 0 θz (x = 0) = 0 θz (x = L) = 0 4 4 = −q0 d v 3.1 A viga bi-engastada mostrada na Figura 6. Modelo de Euler-Bernoulli 6-20 6. tem-se C1 = q0 L2 e C2 = q0 L12 . tal como mostrado. momento fletor. 0x106 N/mm2 . Outro dado de projeto ´e que a flecha m´ axima n˜ao deve ultrapassa vmax = L/1000.6. Resolvendo o sistema constitu´ıdo das duas equa¸c˜ .9 Exerc´ıcios resolvidos Exerc´ıcio 6.16 dever´ a ser constru´ıda com um material cuja tens˜ ao normal admiss´ıvel de trabalho ´e no m´ aximo σ¯ = 200N/mm2 .2. Por raz˜ oes construtivas a se¸ca ˜o transversal de viga dever´ a ser um retˆ angulo com dimens˜ oes B × 3B. Determina¸ca ˜o das constantes de integra¸ca ˜o 4 3 2 EIz v(0) = −q0 (0) (0) (0) 24 + C1 6 + C2 2 + C3 (0) + C4 = 0 → C4 = 0 3 2 θz (0) = −q0 (0)6 + C1 (0)2 + C2 (0) + C3 = 0 → C3 = 0 4 3 2 4 3 2 EIz v(L) = −q0 L24 + C1 L6 + C2 L2 + C3 L + C4 = 0 → −q0 L24 + C1 L6 + C2 L2 = 0 3 2 3 2 θz (L) = −q0 L6 + C1 L2 + C2 L + C3 = 0 → −q0 L6 + C1 L2 + C2 L = 0 2 oes anteriores.2.

2 1.6 0.8 1 1.2 1.6. rota¸c˜ ao e deflex˜ ao Vy(x)[N] 30 100 Mz(x)[N. Por sua vez.4 0.2 0.2 0.8 1 1. Iz = BH 12 = 12 = 9 4 3 3 3 4 B e ymax = 2 B.6 0.8 2 x[m] x[m] 10 4 dv(x)/dx[rad] v(x)[m] 2 5 0 0 -2 -5 -4 -10 -6 0 0.8 2 0 0.2 0.2. Wz = 2 B .2 1.2 1.  1  1 Mz max Mz 2Mzmax 3 (2)(20833.8 2 x[m] x[m] 7. Diagramas da for¸ca cortante. Rea¸co ˜es nos apoios For¸cas: RAy = Vy (x = 0) = 25000N RBy = Vy (x = L) = 25000N Momentos: MAz = Mz (x = 0) = −20833. Dimensionamento • Dimensionamento ` a tens˜ao Iz 3 B(3B)3 O m´ ˜o ´e dado por Wz = ymax odulo de resistˆencia da se¸ca .8 1 1. 1mm Wz 2B 3σzzmax (3)(200) . Logo.4 1. Modelo de Euler-Bernoulli 6-21 5. No dimensionamento da se¸ ca ˜o.4 1.6 1.6 0.6 1. 4)(103 ) 3 σ ¯= = 3 max 3 →B= = → B = 41. 4N m MBz = Mz (x = L) = −20833.8 2 0 0.6 0.4 0.4 0. considera-se o m´ odulo do momento fletor m´ aximo. 4N m 8. momento fletor.4 0.4 1.6 1.2 0.4 1.8 1 1.m] 20 10 50 0 0 -10 -20 -50 -30 -40 -100 -50 0 0. Logo.6 1. Equa¸co ˜es finais • for¸ca cortante: Vy (x) = −q0 x + q0 L2 2 2 • momento fletor: Mz (x) = −q0 x2 + q0 L x2 − q0 L12 3 2 • rota¸ca ˜o: EIz θz (x) = −q0 x6 + q0 L x4 − q0 L2 12 x 4 3 2 • deslocamento: EIz v(x) = −q0 x24 + q0 L x12 −q0 L2 x24 6.

Modelo de Euler-Bernoulli 6-22 • Dimensionamento ` a flecha m´ axima L Do diagrama. para este caso. deve-se tomar o valor da altura da se¸ca ˜o dado pelo dimensionamento `a tens˜ ao. . b) equil´ıbrio entre os dois trechos. assim como o equilibrio da interface entre os dois trechos. 1mm.6. Pede-se determinar as equa¸co˜es de cada trecho. O valor da deflex˜ ao linear m´ axima ´e dado por. considera-se a os trechos AB e BC da viga. L L4 L3 = q0 → Iz = 1000q0 1000 384EIz 384E ao para Iz em fun¸ca Substituindo a express˜ ˜o de B. 9 L3 Iz = B 4 = 1000q0 → B = 29. Exerc´ıcio 6.17 constitu´ıda de duas se¸co ˜es trans- versais indicada por E1 Iz1 e E2 Iz2 . tem-se que a flexa m´ axima ocorre em x = 2. obt´em-se. bem como as equa¸c˜ oes de equil´ıbrio e compatibilidade cinem´ atica possibilitando resolver o problema.17: Viga constitu´ıda de dois trechos distintos Para a solu¸c˜ ao deste problema. B = 41. c) e b). 16mm 4 384E Desta maneira.18: Viga da quest˜ao 2: a) trecho AB. Figura 6. c) trecho BC. Figura 6. tem-se. L ( L )4 ( L )3 ( L )2 L4 L4 EIz v(x = ) = −q0 2 + q0 L 2 − q0 L2 2 = −q0 → vmax = −q0 2 24 12 24 384 384EIz Igualando o m´ odulo deste resultado com a express˜ ao da flexa m´ axima admiss´ıvel. ou seja.2 Considere a viga hiperest´ atica mostrada na Figura 6. como ilustrado respectivamente nas Figuras 6. Indique os n´ umeros de equa¸co ˜es e de inc´ognitas explicitamente.2. observa-se que.18a).

• Condi¸co ˜es de contorno V2y (x = L1 ) = V2 Mz (x = L1 ) = M2 v2 (x = L1 + L2 ) = 0 Mz (x = L1 + L2 ) = M1 4 • Integra¸ca ˜o diferencial: E2 Iz2 ddxv42 = −q0 < x − L1 >0 ˜o da equa¸ca d3 v2 V2y = E2 Iz2 = −q0 < x − L1 >1 +D1 dx3 d2 v2 M2z = E2 Iz2 = −q0 < x − L1 >2 +D1 x + D2 dx2 dv2 q0 x2 E2 Iz2 = − < x − L1 >3 +D1 + D2 x + D3 dx 6 2 q0 x3 x2 E2 Iz2 v2 = − < x − L1 >4 +D1 + D2 + D3 x + D4 24 6 2 Substituindo as condi¸co ˜es de contorno nas express˜ oes anteriores. As condi¸co ˜es de equil´ıbrio s˜ ao as seguintes:  1. Viga 2 (trecho BC) : neste caso tem-se como inc´ ao D1 . C4 . + C2 x + C3 dx 6 2 x4 x3 x2 E1 Iz1 v1 = −q0 + C1 .2. + C2 + C3 x + C4 24 6 2 Substituindo as condi¸co ˜es de contorno nas express˜ oes anteriores. determinam-se mais 4 equa¸co ˜es. C2 . Modelo de Euler-Bernoulli 6-23 Viga 1 (trecho AB) : neste caso tem-se como inc´ ognitas as constantes de integra¸ca ˜o C1 .6. Fy = 0 : V1 + V2 − q0 ∆x = 0 → lim V1 + V2 = 0 → V1 = −V2 ∆x→0  2 2.18b). Equil´ıbrio : considera-se o equil´ıbrio dos esfor¸cos presentes na interface dos dois trechos. Mz4 = 0 : −M1 − V1 ∆x + q0 ∆x 2 + M2 = 0 → lim −M1 + M2 = 0 → M1 = M2 ∆x→0 . ognitas as constantes de integra¸c˜ assim como os esfor¸cos cortante V2 e momento fletor M2 na interface dos dois trechos. D3 . D2 . como mostrado na Figura 6. D4 . C3 . determinam-se 4 equa¸co ˜es. • Condi¸co ˜es de contorno v1 (x = 0) = 0 θ1z (x = 0) = 0 V1y (x = L1 ) = V1 Mz (x = L1 ) = M1 4 • Integra¸ca ˜o da equa¸ca d v ˜o diferencial: E1 Iz1 dx 4 = q (x) = −q0 d3 v1 E1 Iz1 = V1y = −q0x + C1 dx3 d2 v1 x2 E1 Iz1 = M1z = −q 0 + C1 x + C2 dx2 2 dv1 x3 x2 E1 Iz1 = −q0 + C1 . assim como os esfor¸cos cortante V1 e momento fletor M1 na interface dos dois trechos.

Condi¸co ˜es de contorno v(x = 0) = 0 Vy (x = L2 ) = 0 dv L dx (x = 0) = 0 Mz (x = 2) =0 4 4 = −q0 < x − 0 > +C1 d v 1 3. C3 . Figura 6.19 ilustra duas vigas hiperest´ aticas engastadas nas extremidades submetida a uma carga distribu´ıda qo . v1 (L1 ) = v2 (L1 ) θ1z (L1 ) = θ2z (L1 ) chegando-se a mais duas equa¸co ˜es. Modelo de Euler-Bernoulli 6-24 O equil´ıbrio fornece duas equa¸co ˜es adicionais relacionando os esfor¸cos na interface dos dois trechos. Equa¸ca 2. C2 .3 A Figura 6. tem-se 12 equa¸co ˜es a partir da integra¸ca ˜o das express˜ oes dos trechos AB e BC. v2 e rota¸co ˜es θ1z . b) com r´otula. sem r´ otula : considera-se neste caso a viga da Figura 6. D2 . Deseja-se comparar a rota¸ca ˜o na metade da viga para os casos com e sem r´ otula.6. Solu¸ c˜ ao : a partir do desenvolvimento anterior tem-se 12 inc´ ognitas. θ2z na interface dos dois trechos devem ser iguais.19a). D4 ) e os esfor¸cos na interface (V1 . as constantes do trecho AB (C1 .19: Vigas a) sem r´otula. Integra¸ca ˜o da equa¸ca ˜o diferencial: EIz dx • 1a integra¸ca ˜o: for¸ca cortante d3 v EIz dx 3 = V y = −q0 • 2 integra¸ca a ˜o: momento fletor d2 v EIz dx2 = Mz = − q20 < x − 0 >2 +C1 x + C2 • 3a integra¸ca ˜o: rota¸ca ˜o dv EIz dx = − q60 < x − 0 >3 + C21 x2 + C2 x + C3 • 4a integra¸ca ˜o: deslocamento transversal EIz v = − q20 4 < x − 0 >4 + C61 x3 + C22 x2 + C3 x + C4 . V2 . M1 . C4 ). Logo.2. Da mesma maneira. Exerc´ıcio 6. M2 ). D3 . assim como do equil´ıbrio e das condi¸c˜ oes de compatibilidade da interface dos trechos AB e BC. ou seja. Compatibilidade cinem´ atica : tem-se que os deslocamentos v1 . tomando-se apenas o trecho 0 < x < L/2. ˜o do carregamento: q(x) = −q0 < x − 0 >0 1. do trecho BC (D1 .

19b). pois n˜ ao h´a transmiss˜ ao de momento entre os dois trechos separados pela r´ otula. com r´ otula : considera-se neste caso a viga da Figura 6. a rota¸ca ˜o ser´ a a mesma. Equa¸co ˜es finais: • for¸ca cortante: Vy = −q0 < x − 0 >1 +q0 L2 = −q0(x − L2 ) 2 2 • momento fletor: Mz = −q0 x2 + q0 L2 x − q0 L8 3 2 2 • rota¸ca dv ˜o: EIz θz (x) = EIz dx = −q0 x6 + q0 Lx4 − q0 L8 x 4 3 2 2 • deslocamento: EIz v = −q0 x2 4 + q0 Lx 12 − q0 16 L x L 6. ou seja q0 L3 θ2 (x) = 48EIz . Esta descontinuidade deve ser inclu´ıda na equa¸ca ˜o do carregamento atrav´es de um termo de singularidade com um expoente igual −3. ˜o do carregamento: q(x) = −q0 < x − 0 >0 +EIz ∆θ < x − 1. 3 θ1 (x) = − 48EI q0 L z Tomando-se o trecho L/2 < x < L.2. Observa-se que ∆θ constitui-se numa inc´ ognita a ser obtida impondo-se a condi¸ca ˜o de restri¸ca ˜o que o momento fletor na r´otula ´e nulo. Determina¸ca ˜o das constantes de integra¸c˜ ao q0 EIz v(0) = − 24 (0) + 6 (0) + 2 (0) + C3 + C4 = 0 → C4 = 0 C1 C2 .6. Integra¸ca ˜o da equa¸ca ˜o diferencial: • 1a integra¸ca ˜o: for¸ca cortante EIz dx3 = Vy = −q0 < x − 0 >1 +EIz ∆θ < x − L2 >−2 +C1 d3 v • 2a integra¸ca ˜o: momento fletor d2 v q0 −1 +C x + C 2 = Mz = − 2 < x − 0 > +EIz ∆θ < x − 2 > 2 L EIz dx 1 2 • 3 integra¸ca a ˜o: rota¸ca˜o dv EIz dx = − q60 < x − 0 >3 +EIz ∆θ < x − L2 >0 + C21 x2 + C2 x + C3 • 4a integra¸ca ˜o: deslocamento transversal q0 EIz v = − 2 4 < x − 0 >4 +EIz ∆θ < x − L2 >1 + C61 x3 + C22 x2 + C3 x + C4 5. A r´ otula induz a uma descontinuidade de rota¸ca ˜o ∆θ em x = L/2. Condi¸co ˜es de contorno v(x = 0) = v(x = L) = 0 dv dv dx (x = 0) = dx (x = L) = 0 L ˜o adicional: Mz (x = 3. Restri¸ca 2) =0 4. Modelo de Euler-Bernoulli 6-25 4. Equa¸ca L 2 >−3 2. Rota¸ca ˜o em x = 2 dv(x= L ) 2 EIz θ1 (x) = EIz dx 2 = −q0 61 ( L2 )3 + q0 L4 ( L2 )2 − q0 L8 ( L2 ) Logo. Deve-se multiplicar este termo por EIz para ficar compat´ıvel com a equa¸ca ˜o da rota¸ca ˜o a ser obtida pela terceira integral da equa¸c˜ ao diferencial da viga. de tal forma que a rota¸ca ˜o total em x = L/2 seja nula. mas com sinal trocado. Determina¸ca ˜o das constantes de integra¸c˜ ao q0 EIz v(0) = − 24 (0) + 6 (0) + 2 (0) + C3 + C4 = 0 → C4 = 0 C1 C2 EIz dv(0) dx = − 6 (0) + 2 0 + C2 (0) + C3 = 0 → C3 = 0 q0 C1 Vy ( L2 ) = −q0 ( L2 ) + C1 = 0 → C1 = q0 L2 2 Mz ( L2 ) = − q20 ( L2 )2 + q0 L L 2 (2) + C2 = 0 → C2 = −q0 L8 5.

Condi¸co ˜es de contorno v(x = 0) = v(x = L3 ) = 0 Mz (x = 0) = Mz (x = L3 ) = 0 3. momento fletor.20: Rota¸c˜oes θ1 e θ2 . A Figura 6.      L2 L EIz     q0 L3   2  C1   6   L3 L2  q0 L4  EIz  C2 = 6 2 2   EI ∆θ     24   L 1 0 z  q0 L2  2 8 A solu¸ca˜o deste sistema fornece as constantes C1 e C2 .21a) e b) ilustram uma passarela de pedestres constru´ıda por partes pr´e- moldadas unidas atrav´es de apoios constituindo uma r´ otula (Figura 6. descontinuidade ∆θ.6.22. Na Figura 6. rota¸c˜ ao e deflex˜ ao para os modelos sem e com r´otula como mostrados na Figura 6.21c)). Modelo de Euler-Bernoulli 6-26 EIz dv(0) q0 dx = − 6 (0) + C1 2 (0) + C2 (0) + C3 = 0 → C3 =0 q0 L3 2 EIz dv(L) dx = − 6 + EIz ∆θ + C12L + C2 L = 0 4 3 2 EIz v(L) = − q024L + EIz ∆θ L2 + C16L + C22L = 0 Mz ( L2 ) = − q20 ( L2 )2 + C1 ( L2 ) + C2 = 0 As 3 u ´ltimas equa¸co ˜es anteriores podem ser reescritas como um sistema de equa¸co ˜es da seguinte maneira. Integra¸ca ˜o da equa¸ca ˜o diferencial d4 v −q −1 +R −1 EIz dx 4 = 0 + RBy < x − L1 > Cy < x − L2 > . Restri¸co ˜es adicionais v(x = L1 ) = v(x = L2 ) = 0 4. ˜o de carregamento: q(x) = −q0 + RBy < x − L1 >−1 +RCy < x − L2 >−1 1. mostrando que a rota¸ca ˜o ´e descont´ınua nesta se¸ca ˜es θ1 e θ2 .4 As Figuras 6. Equa¸ca 2.20 ilustra as rota¸co assim como a descontinuidade ∆θ. Figura 6.21d) mostra a forma como a passarela est´a apoiada na rampa atrav´es de uma coluna. assim como a descontinuidade de rota¸ca ˜o ∆θ.2. ˜o. Deseja-se comparar o compor- tamento em termos da cortante. Exerc´ıcio 6.22a). sem r´ otula : considera-se neste caso a viga da Figura 6. 2 q0 L3 C1 = q02L C2 = − q08L ∆θ = 24EI z Observa-se que ∆θ ´e igual a duas vezes a rota¸ca ˜o obtida para a viga sem r´ otula em x = L/2.

Figura 6. c) detalhe da r´otula.2. b) com r´otula. d) apoio na rampa.22: Modelos para a passarela: a) sem r´otula. .6. Modelo de Euler-Bernoulli 6-27 Figura 6.21: Passarela de pedestres: a) e b) vista geral.

l1 = 2m. l3 = 5. obt´em-se as constantes C1 a C4 . 8392m. tem-se as equa¸co ˜es finais para a cortante. assim como as rea¸co pelas equa¸co ˜es de apoio RBy e RCy . Modelo de Euler-Bernoulli 6-28 • 1a integra¸ca ˜o: for¸ca cortante Vy (x) = −q0 x + RBy < x − L1 >0 +RCy < x − L2 >0 +C1 • 2a integra¸ca ˜o: momento fletor 2 Mz (x) = −q0 x2 + RBy < x − L1 >1 +RCy < x − L2 >1 +C1 x + C2 • 3a integra¸ca ˜o: rota¸ca ˜o 3 R R 2 EIz ∆θ(x) = −q0 x6 + 2By < x − L1 >2 + 2Cy < x − L2 >2 +C1 x2 + C2 x + C3 • 4a integra¸ca ˜o: deslocamento transversal 4 R R 3 2 EIz v(x) = −q0 x24 + 6By < x − L1 >3 + 6Cy < x − L2 >3 +C1 x6 + C2 x2 + C3 x + C4 5. Restri¸co ˜es adicionais v(x = L2 ) = v(x = L3 ) = 0 Mz (x = L1 ) = Mz (x = L4 ) = 0 4. 0m. l2 = 3. momento fletor. A partir da´ı. com r´ otula : 1. 71N . O ponto onde ocorre o m´ aximo momento fletor ´e x = 0.23. Condi¸co ˜es de contorno v(x = 0) = v(x = L5 ) = 0 Mz (x = 0) = Mz (x = L5 ) = 0 3. 28N e RBy = RCy = 1660. Determina¸ca ˜o das constantes de integra¸c˜ ao • extremidades da viga (condi¸c˜ oes em termos de deslocamentos): (0) RBy (0) R (0) EIz v(0) = −q0 24 + 6 + Cy6 + C1 (0) + C2 (0) + C3 (0) + C4 = 0 4 R R 3 2 EIz v(L3 ) = −q0 (L24 3) + 6By (L3 −L1 )3 + 6Cy (L3 −L2 )3 +C1 (L63 ) +C2 (L23 ) +C3 (L3 )+C4 = 0 • extremidades da viga (condi¸c˜ oes em termos de momentos): (0) Mz (0) = −q0 2 + RBy (0) + RCy (0) + C1 (0) + C2 = 0 2 Mz (L3 ) = −q0 (L23 ) + RBy (L3 − L1 )1 + RCy (L3 − L2 )1 + C1 (L3 ) + C2 = 0 • apois intermedi´arios da viga (restri¸c˜ oes adicionais): (L1 )4 RBy R 3 2 EIz v(L1 ) = −q0 24 + 6 (L1 −L1 ) + 6Cy (L1 −L2 )3 +C1 (L61 ) +C2 (L21 ) +C3 (L1 )+C4 = 0 3 4 RBy (L2 )3 (L2 )2 2) EIz v(L2 ) = −q0 (L24 3 RCy 6 (L2 −L1 ) + 6 (L2 −L2 ) +C1 6 +C2 2 +C3 (L2 )+C4 + 3 =0 Tomando qo = 1000N/m.2. Os valores das rea¸co ˜es de apoio s˜ ao RAy = RDy = 839. Equa¸ca ˜o de carregamento q(x) = −q0 + EIz ∆θB < x − L1 >−3 +RCy < x − L2 >−1 +RDy < x − L3 >−1 +EIz ∆θE < x − L4 >−3 2. Integra¸ca ˜o da equa¸ca ˜o diferencial EIz dx4 = −q0 + EIz ∆θB < x − L1 >−3 +RCy < x − L2 >−1 +RDy < x − L3 >−1 +EIz ∆θE < d4 v x − L4 >−3 • 1a integra¸ca ˜o: for¸ca cortante Vy (x) = −q0 x+EIz ∆θB < x−L1 >−2 +RCy < x−L2 >0 +RDy < x−L3 >0 +EIz ∆θE < x − L4 >−2 +C1 . estando os gr´ aficos ilustrados na Figura 6. 0m e resolvendo o sistema formando ˜es anteriores.6. rota¸ca˜o e deflex˜ao.

rota¸c˜ao e deflex˜ao.2. momento fletor. • 2a integra¸ca ˜o: momento fletor Mz (x) = −q0 x2 + EIz ∆θB < x − L1 >−1 +RCy < x − L2 >1 +RDy < x − L3 >1 2 +EIz ∆θE < x − L4 >−1 +C1 x + C2 • 3a integra¸ca ˜o: rota¸ca˜o 3 R R dv EIz dx (x) = −q0 x6 + EIz ∆θB < x − L1 >0 + 2Cy < x − L2 >2 + Dy 2 < x − L3 >2 2 +EIz ∆θE < x − L4 >0 +C1 x2 + C2 x + C3 • 4a integra¸ca ˜o: deflex˜ ao 4 R R EIz v(x) = −q0 x24 + EIz ∆θB < x − L1 >1 + 6Cy < x − L2 >3 + Dy 6 < x − L3 >3 3 2 +EIz ∆θE < x − L4 >1 +C1 x6 + C2 x2 + C3 x + C4 5. Modelo de Euler-Bernoulli 6-29 Vy[x] Mz[x] 1500 400 1000 500 200 x x 1 2 3 4 5 1 2 3 4 5 -500 -200 -1000 -400 -1500 EIthetaz[x] EIv[x] 300 50 200 x 100 1 2 3 4 5 x -50 1 2 3 4 5 -100 -100 -200 -300 -150 Figura 6.6.23: Passarela sem r´otula: gr´aficos da cortante. Determina¸ca ˜o das constantes de integra¸c˜ ao • extremidades da viga (condi¸c˜ oes em termos de deslocamentos): R R EIz v(0) = −q0 (0) 24 + EIz ∆θ B (0) + 6Cy (0) + Dy (0) (0) 6 (0) + EIz ∆θE (0) + C1 6 + C2 2 + C3 (0) + C4 = 0 4 R R EIz v(L5 ) = −q0 (L24 5) +EIz ∆θB (L5 −L1 )1 + 6Cy (L5 −L2 )3 + Dy6 (L5 −L3 ) +EIz ∆θE (L5 − 3 3 2 L4 )1 + C1 (L65 ) + C2 (L25 ) + C3 (L5 ) + C4 = 0 • extremidades da viga (condi¸c˜ oes em termos de momentos): (0) Mz (0) = −q0 2 + EIz ∆θB (0) + RCy (0) + RDy (0) +EIz ∆θE (0) + C1 (0) + C2 = 0 2 Mz (L5 ) = −q0 (L25 ) + EIz ∆θB (0)−1 + RCy (L5 − L2 )1 + RDy (L5 − L3 )1 + EIz ∆θE (0)−1 + C1 (L5 ) + C2 = 0 • r´ otulas (restri¸co ˜es adicionais): (L1 )2 Mz (L1 ) = −q0 2 + EIz ∆θB (0)−1 + RCy (L1 − L2 )1 + RDy (L1 − L3 )1 + EIz ∆θE (0)−1 + C1 (L1 ) + C2 = 0 .

l2 = 2. assim como as descontinuidades de rota¸ca rea¸co ˜o EIz ∆B e EIz ∆E . obt´em-se as constantes C1 a C4 . os deslocamentos transversais s˜ ao mais pronunciados no modelo considerando as r´ otulas. 5m. 0m. momento fletor. 0m e resolvendo o sistema formando pelas equa¸c˜oes anteriores. 0m. Observa-se o decrescimento nos .25. rota¸ca˜o e deflex˜ ao. x = 0. 78. Comparando-se os gr´ aficos das Figuras 6. l5 = 5. tem-se um crescimento dos valores no trecho entre as r´ otulas.24. estando os gr´ aficos ilustrados na Figura 6. 8392m e x = 4. l4 = 3. Finalmente.24: Passarela com r´otula: gr´aficos da cortante. rota¸c˜ao e deflex˜ao. J´ a para o momento fletor. Vy[x] Mz[x] 1500 400 1000 500 200 x x 1 2 3 4 5 1 2 3 4 5 -500 -200 -1000 -400 -1500 EIthetaz[x] EIv[x] 300 50 200 x 100 1 2 3 4 5 x -50 1 2 3 4 5 -100 -100 -200 -300 -150 Figura 6. Refazendo o caso com a r´ otula nestas posi¸co ˜es.23 e 6.2. A partir da´ı. 1608m. 5m. 0N .23. momento fletor. ou seja.6. as ˜es de apoio RBy e RCy . tem-se os diagramas ilustrados na Figura 6. l3 = 3. A partir do gr´afico do momento fletor da Figura 6. Deve-se observar. a descontinuidade das rota¸c˜ oes nos pontos onde est˜ ao as r´ otulas.24 verifica-se que as rea¸c˜ oes de apoio s˜ ao semelhantes para os dois modelos. enquanto EIz ∆B = EIz ∆E = 277. tem-se as equa¸co ˜es finais para a cortante. 0N e RBy = RCy = 1750. conclui-se que as r´ otulas deveriam estar colo- cadas nos pontos de momento m´ aximo. como esperado. Modelo de Euler-Bernoulli 6-30 2 Mz (L4 ) = −q0 (L24 ) + EIz ∆θB (0)−1 + RCy (L4 − L2 )1 + RDy (L4 − L3 )1 + EIz ∆θE (0)−1 + C1 (L4 ) + C2 = 0 • apois intermedi´arios da viga (restri¸c˜ oes adicionais): (L2 )4 R R EIz v(L2 ) = −q0 24 + EIz ∆θB (L2 − L1 )1 + 6Cy (L2 − L2 )3 + Dy 6 (0) + EIz ∆θE (0) + 3 2 C1 (L62 ) + C2 (L22 ) + C3 (L2 ) + C4 = 0 4 RCy EIz v(L3 ) = −q0 (L24 3) +EIz ∆θB (L3 −L1 )1 + 3 RDy 6 (L3 −L2 ) + 6 (L3 −L3 ) +EIz ∆θE (0)+ 3 )3 )2 C1 (L63 + C2 (L23 + C3 (L3 ) + C4 = 0 Tomando qo = 1000N/m. Os valores das rea¸c˜ ao RAy = oes de apoio s˜ RDy = 750. l1 = 1.

. momento fletor.6. No entanto. Modelo de Euler-Bernoulli 6-31 valores das rea¸co ˜es nos apoios da viga. Vy[x] Mz[x] 1500 500 1000 250 x 500 1 2 3 4 5 -250 x 1 2 3 4 5 -500 -500 -750 -1000 -1000 -1500 EIthetaz[x] EIv[x] 200 1000 x 1 2 3 4 5 -200 500 -400 x -600 1 2 3 4 5 -500 -800 -1000 -1000 -1200 Figura 6. rota¸c˜ao e deflex˜ao.2. o momento fletor e a deflex˜ ao crescem sensivelmente na regi˜ ao entre as r´otulas e os apoios intermedi´ arios.25: Passarela com r´otula nos pontos de m´aximo momento: gr´ aficos da cortante.

fazendo com que a se¸c˜ao AB atinja a posi¸c˜ao final A B  . ser˜ao deformados de maneira distinta. de tal forma a corrigir a distor¸c˜ao no centr´ oide da se¸ca˜o.6. Para vigas curtas.3. tem-se uma deforma¸c˜ao β(x). os elementos da viga. (b) Se¸c˜ ao AB em detalhes. Mas como a viga de Timoshenko considera o cisalhamento.28(a). P B  . Logo. assumida constante na se¸c˜ao. a cinem´atica deste modelo ´e analoga ao anterior.3.26: Cinem´atica da viga de Timoshenko.28(b) O m´odulo de Timoshenko aqui desenvolvido considera que as se¸c˜oes permanecem ainda planas. Na verdade a distor¸c˜ao β(x) n˜ao ´e constante na se¸ca˜o. isola-se a extremidade da viga e toma-se um elemento infinitesimal. Figura 6. Na Figura 6.28(a). bastando incluir o efeito da distor¸c˜ao β(x) no centr´oide da se¸c˜ao no c´ alculo do deslocamentoaxial u(x). De forma an´aloga ao modelo de Euler. No entanto. como aqueles ilustrados na Figura 6. incluem-se um fator de cisalhamento.26 para a mesma viga da Figura 6. a partir da Figura 6.3 Modelo de Timoshenko O modelo de Euler-Bernoulli n˜ao considera o cisalhamento nas se¸c˜oes transversais durante a flex˜ao da viga. Neste caso. cuja formula¸c˜ao ser´a deduzida a seguir. a distor¸c˜ao m´axima ocorre na linha neutra. caracterizando o empenamento da se¸c˜ao como ilustrado na Figura 6. o efeito de cisalhamento ´e importante e emprega-se a viga de Timoshenko.1 Defini¸c˜ ao da Cinem´ atica De forma an´aloga ao m´odulo de Euller-Bernoulli.28(a). (a) A¸c˜ ao de movimento. Como a distor¸c˜ao varia na se¸c˜ao. as a¸c˜oes de movimento poss´ıveis na viga de Timoshenko devem ser tais que as se¸c˜oes transversais permane¸cam planas.26(a).26(b). Assim. Posteriormente. verifica-se que −u sin θz = .6. Estas hip´oteses est˜ao ilustradas na Figura 6. sendo nula nas partes superior e inferior da se¸ca˜o. as se¸c˜oes tˆem uma deforma¸ca˜o angular e n˜ao permanecem ortogonais ao eixo da viga. assume-se que toda a se¸c˜ao transversal x sofre uma distor¸c˜ao constante β(x). Remontando estes elemetos resulta numa se¸ca˜o que n˜ao ´e mais perpendicular a linha neutra. 6. Assim. a se¸ca˜o transversal AB sofre um deslocamento transversal r´ıgido v(x) e uma rota¸c˜ao r´ıgida α(x) em torno do eixo z. Modelo de Timoshenko 6-32 6. atingindo a posi¸c˜ao intermedi´aria A B  mostrada na Figura 6. ocorrendo um empenamento como ilustrado na Figura 6.27 para uma viga de se¸c˜ao retangular. o qual ap´os a distor¸ca˜o apresenta a forma ilustrada na Figura 6.

27: Empenamento de se¸c˜ao na viga de Timoshenko. (6. u2 (x) = v (x) . basta considerar novamente a Figura 6. Observa-se que P B  = P B  = y pois a se¸ca˜o n˜ao apresenta varia¸c˜ao de seu tamanho.7). o conjunto das a¸co˜es cinematicamente poss´ıveis V ´e descrito por V = {{u| u1 = u(x) = −yθz (x). a deforma¸c˜ao espec´ıfica εxx (x) ´e obtida a partir de u(x + ∆x) − u(x) εxx (x) = lim . Logo. u3 (x) = 0}} . Modelo de Timoshenko 6-33 Figura 6.3. θz (x) ´e pequeno e sin θz (x) ≈ θz (x). (6. α(x) = a rota¸c˜ao devido a flex˜ao da viga e a distor¸c˜ao da dx se¸c˜ao devido ao cisalhamento β(x). Desta maneira. Logo.48) 6.6. a cinem´atica da viga de Timoshenko ´e descrita por um campo vetorial u(x) com as seguintes componentes       u1 (x)     −yθz (x)   u(x) = u (x) 2 = v(x) . nos quais se tinham apenas componentes de de- forma¸c˜ao longitudinal ou transversal. Logo u(x) = −y sin θz (x). no modelo de viga de Timoshenko tem-se ambas componentes longitudinal εxx (x) e angular γxy (x). de forma an´aloga `a equa¸c˜ao (6. Considerando pequenas deforma¸c˜oes. ∆x→0 ∆x .2 Deforma¸c˜ ao Ao contr´ario dos problemas anteriormente estudados.47)   u (x)       3 0 Assim. u(x) = −yθz (x) = −y[α(x) + β(x)]. (6. isto ´e. ocorrendo apenas distor¸c˜ao.3. ∆u Para determinar εxx (x).6 e a varia¸c˜ao espec´ıfica do ∆x deslocamento axial u(x) da viga entre as se¸c˜oes AB e CD. chega-se `a express˜ ao para o deslocamento axial u(x).46) dv(x) sendo θz (x) a rota¸c˜ao total da se¸c˜ao.

tem-se β1 e β2 pequenos e portanto tan β1 ≈ β1 e tan β2 ≈ β2 . chega-se a express˜ao final para εxx (x). Substituindo (6. (6. ∆x Fazendo ∆x → 0 e ∆y → 0. ∆y ∆v tan β2 = .3. (6.28: An´alise do empenamento na extremidade da viga. (b) Empenamento na extremidade final.49) dx Para determinar a distor¸c˜ao ou deforma¸ca˜o angular na se¸c˜ao x. Figura 6. a partir das express˜oes anteriores ∆u du(x) β1 (x) = lim = . observa-se que ∆u tan β1 = .29.51) ∆x→0 ∆x dx . ∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x Empregando a defini¸c˜ao de derivada. Da Figura 6.6. (6.50) ∆y→0 ∆y dy ∆v dv(x) β1 (x) = lim = . dθz (x) εxx (x) = −y . ou seja. Logo. considere o elemento infinitesimal de viga ilustrado na Figura 6.28(b) apresentado antes e depois da distor¸c˜ao na Figura 6.46) vem que −yθz (x + ∆x) − (−yθz (x)) θz (x + ∆x) − θz (x) εxx (x) = lim = −y lim .29. Modelo de Timoshenko 6-34 (a) Elemento infinitesimal.

Logo.52) dy dx Substituindo a cinem´atica dada em (6. dx Da primeira equa¸c˜ao. (b) Ap´ os a distor¸c˜ ao.3 Movimentos R´ıgidos No caso de movimentos r´ıgidos.47) vem que dv(x) γxy (x) = −θz (x) + .53) dx Neste caso. (6.6. dx dv(x) γxy (x) = −θz (x) + = 0.(6. Logo.6. Modelo de Timoshenko 6-35 (a) Antes da distor¸c˜ ao. A distor¸c˜ao total na se¸c˜ao x ´e dada pela soma de β1 (x) e β2 (x).3. um movimento r´ıgido corresponde a uma rota¸c˜ao constante em torno do eixo z conforme ilustrado na Figura 6.55) . o subconjunto das a¸c˜oes r´ıgidas ´e dado por N (D) = {u(x) ∈ V | θz (x) = θz = cte} . (6. Portanto dθz (x) εxx (x) = −y = 0. tem-se que θz (x) = θz ´e constante para toda se¸c˜ao x. Logo du(x) dv(x) γxy (x) = β1 (x) + β2 (x) = + . indicando a deforma¸ca˜o do plano x (ou se¸c˜ao x) na dire¸c˜ao do eixo y. Figura 6. Esta distor¸c˜ao ´e denotada por γxy (x).3.29: Elemento de viga distorcido no plano xy. o operador de deforma¸ca˜o D ´e indicado em forma matricial como D: V→W     d    dθz (x)     dx 0  −yθz (x)  −y  εxx (x) .54) u(x) → Du(x) =   1  d  = dx = v(x)   dv(x)   γxy (x) θz (x) + y dx dx 6. as componentes de deforma¸c˜ao s˜ao nulas. (6.

tem-se que  L  L  L dMz (x) dVy (x) Pi = θz (x)dx− Mz (x)θz (x)|L 0− v(x)dx+ Vy (x)v(x)|L 0− Vy (x)θz (x)dx.3. respectivamente. respectivamente. em Newtons (N) e metro (m).6. dx m m m m   dVy (x) N − = .61) 0 dx 0 dx 0 Remanejando as express˜oes anteriores.4 Potˆ encia Interna Associadas `as componentes de deforma¸c˜ao espec´ıfica εxx (x) e angular γxy (x).58) A Vy (x) = − τxy (x)dA. (6. o momento fletor Mz (x) na dire¸c˜ao do eixo z e a cortante Vy (x) na dire¸c˜ao de y.56) V Substituindo as componentes de deforma¸c˜ao e decompondo a integral de volume ao longo da ´area A da se¸c˜ao e do comprimento L da viga vem que  L   dθz (x)  L   dv(x)  Pi = − −σxx (x)ydA dx − −τxy (x)dA θz (x) − dx.3. (6. respectivamente.  Mz (x) = − σxx (x)ydA. o segundo termo representa uma densidade de for¸ca transversal. (6. De forma an´aloga ao modelo de Euler-Bernouilli. ou seja. (6. a potˆencia interna ´e expressa como  L  L  L dθz (x) dv(x) Pi = − Mz (x) dx + Vy (x) dx − Vy (x)θz (x)dx. (6. uma distribui¸ca˜o de for¸ca cortante Vy (x) . ou seja. obt´em-se  L  dM (x)  dVy (x)  L  z Pi = − Vy (x) θz (x)dx + − v(x)dx 0 dx 0 dx + [−Mz (L)θz (L) + Mz (0)θz (0)] + [Vy (L)v(L) − Vy (0)v(0)] . o primeiro termo representa uma densidade de momento fletor Mz (x). a express˜ao da potˆencia interna ´e dada por  Pi = − [σxx (x)εxx (x) + τxy (x)γxy (x)] dV. as quais representam o estado das for¸cas internas. Modelo de Timoshenko 6-36 6.59) A Desta maneira. nas dire¸c˜oes x e y em cada ponto com coordenada x do modelo unidimensional de viga. (6. na dire¸c˜ao z.57) 0 A dx 0 A dx Os termos entre colchetes representam. Por sua vez.62) Supondo que as for¸cas e os comprimentos estejam expressos. tem-se as componentes de tens˜ao normal σxx (x) e de cisalhamento τxy (x). ou seja. os dois termos entre colchetes nas integrais da express˜ ao anterior tem as seguintes unidades   dMz (x) Nm Nm Nm Nm − Vy (x) = −N = − = . dx m Assim. tem-se um momento fletor Mz (x) distribu´ıdo por unidade de comprimento da viga.(6.60) 0 dx 0 dx 0 Integrando por partes as duas primeiras integrais na express˜ao anterior.

ent˜ao a soma das ˆ(x) ∈ V ´e nula. Estes esfor¸cos internos est˜ao ilustrados na Figura 6. Portanto. (a) Esfor¸cos internos.5 Aplica¸c˜ ao do PPV O PPV estabelece que se a viga est´a em equilibrio na sua configura¸c˜ao deformada. Figura 6. a for¸ca cortante e o momento fletor nas se¸c˜oes transversais da viga. Logo potˆencias externa Pe e interna Pi para qualquer a¸c˜ao virtual u Pe + Pi = 0.30(a). tem-se os momentos fletores (Mz (L) e Mz (0)) e for¸cas cortantes (Vy (L) e Vy (0)) concentradas nas extremidades da viga. Estes s˜ ao os esfor¸cos internos presentes ao longo do comprimento da viga. Modelo de Timoshenko 6-37 na dire¸c˜ao de y por unidade de comprimento da viga.63) . Al´em disso. 6.6.30: Esfor¸cos internos e externos no modelo de Timoshenko. o espa¸co W  dos esfor¸cos internos ´e constituido por fun¸c˜oes Vy (x) e Mz (x) representando.3. respectivamente.3. (b) Esfor¸cos externos. (6.

virtual u Substituindo (6. de tal forma que a potˆencia externa 0 q(x)ˆ v (x)dx equilibre o termo interno. resultando na forma local ou no PVC da viga de Timoshenko. u ˆ + − Vy (x) θˆz (x)dx + − vˆ(x)dx 0 dx 0 dx ) * + −Mz (L)θˆz (L) + Mz (0)θˆz (0) + [Vy (L)ˆ v (L) − Vy (0)ˆ v (0)] .62) para a potˆencia interna na equa¸c˜ao anterior e sendo f o conjunto de esfor¸cos externos compat´ıveis com a cinem´atica definida para o modelo de viga de Timoshenko.65) no enunciado do PPV (6.64) 6. de tal forma que a respectiva con-   dMz (x) tribui¸ca˜o de potˆencia externa 0L mz (x)θˆz (x)dx equilibre o termo da potˆencia interna 0L + Vy (x) θˆz (x)dx dx   L dVy (x) ˆ para a rota¸c˜ao virtual θz (x). deve existir um esfor¸co externo correspondente. todos os termos Para que a express˜ao anterior seja v´alida para toda a¸ca˜o virtual arbitr´aria u entre colchetes devem ser nulos. ou seja.62).65) 0 0 sendo θˆz (x) e vˆ(x). a qual permite caracterizar os esfor¸cos externos compat´ıveis com o modelo de viga de Timoshenko. Finalmente. de tal forma a equilibrar os momentos fletores e for¸cas cortantes nos extremos da viga. deve existir uma densidade de momento fletor dirtribu´ıdo mz (x). L)   dx     dVy (x)   − q(x) = 0 x ∈ (0. Modelo de Timoshenko 6-38 Substituindo a express˜ao (6. a potˆencia externa ´e escrita Pe como  L  L Pe = mz (x)θˆz (x)dx + v (x)dx + ML θˆz (L) + M0 θˆz (0) + VL vˆ(L) + V0 vˆ(0). A partir da´ı.3. a rota¸c˜ao em z e o deslocamento transversal em y relativos a` a¸c˜ao ˆ (x) ∈ V.64) e reagrupando os termos vem que      L dMz (x)  dVy (x) 0 − Vy (x) + mz (x) θˆz (x)dx + 0L − + q(x) vˆ(x)dx dx dx (6. (6. q(x)ˆ (6.30(b). dMz (x) Logo. (6. L) dx Vy (0) = V0 x=0 . momentos puros (M0 e ML ) e for¸cas transversais externas (V0 e VL ) devem estar presentes nas extremidades x = 0 e x = L.6. Para cada termo correspondente a um esfor¸co interno em (6.67)     Vy (L) = −VL   x=L     Mz (0) = −M0 x=0  Mz (L) = ML x=L .   dMz (x)   − Vy (x) + mz (x) = 0 x ∈ (0.3. Os esfor¸cos externos compat´ıveis com a cinem´atica da viga de Timoshenko est˜ao ilustrados na Figura 6. respectivamente. Analogamente. para equilibar a parcela da potˆencia interna 0 − vˆ(x)dx L dx deve existir uma carga distribu´ıda transversal q(x). basta analisar a equa¸ca˜o (6.66) + [−Mz (L) + ML ] θˆz (L) + [Mz (0) + M0 ] θˆz (0) + [Vy (L) + VL ] vˆ(L) + [Vy (0) + V0 ] vˆ(0) = 0. ˆ(x) ∈ V.6 Caracteriza¸c˜ ao dos Esfor¸cos Externos Para determinar a express˜ao da potˆencia externa Pe . para equilibrar a parcela da potˆencia interna relativa ao momento fletor distribu´ıdo + dx Vy (x).64) estabelecendo o PPV. pode-se denotar o PPV como  L  dM (x)   L  dVy (x) z f.

M0 e ML relativos aos esfor¸cos externos definem o espa¸co vetorial V  . V0 . obt´em-se a mesma equa¸c˜ao diferencial de equil´ıbrio em termos do momento fletor do modelo de Euller-Bernoulli. Vy (x) = . Para isto basta derivar a primeira equa¸c˜ao e substituir o resultado na segunda. (6. recupera-se a defini¸ca˜o da for¸ca cortante dada em (6. (6. na viga de Timoshenko tem-se duas equa¸c˜oes diferenciais.71) τxy (x) = G(x)γxy (x).49) e (6. VL . d2 Mz (x) dmz (x) 2 = q(x) − . a tens˜ao de cisalhamento τxy (x) na se¸ca˜o x relaciona-se com a deforma¸c˜ao angular γxy (x) atrav´es do m´odulo de elasticidade transversal G(x) da se¸c˜ao.69) dx2 Al´em disso.3.67).7 Aplica¸c˜ ao da Equa¸c˜ ao Constitutiva A Lei de Hooke para um material el´astico linear isotr´opico estabelece que a tens˜ao normal σxx (x) est´a relacionada `a deforma¸c˜ao espec´ıfica εxx (x) atrav´es do m´odulo de elasticidade longitudinal E(x). Pode-se obter uma u ´nica equa¸c˜ao diferencial de equil´ıbrio. (6.3. (6. o qual pode ser denotado como D∗ :  W → V    Mz (x) ∗ Mz (x) →D Vy (x) Vy (x)    d  dMz (x) −1   − Vy (x)  dx    dx        d     dVy (x) .73)  dx  dv(x) τxy (x) = G(x) − θz (x) . (6. isto ´e.53) nas rela¸c˜oes anteriores.17) a partir da primeira equa¸ca˜o.68) dx dx Supondo que o momento distribu´ıdo mz (x) ´e nulo. (6.6. Modelo de Timoshenko 6-39 Logo. ou dMz (x) seja. Logo σxx (x) = E(x)εxx (x).74) dx . dx A partir de (6. ou seja.70)  0    Mz (x)  dx  Mz (x) dx →  0 1|x=0   = Vy (x)   Vy (x)  Vy (x)|x=0   0 −1|x=L    −Vy (x)|x=L      −1|x=0    0   −Mz (x)|x=0  1|x=L 0 Mz (x)|x=L Observa-se que os termos mz (x). (6. define-se o operador diferencial de equil´ıbrio D∗ entre os esfor¸cos internos e externos. q(x).72) Substituindo as express˜ oes das componentes de deforma¸c˜ao (6. A Figura 6.31 apresenta de forma esquem´atica a formula¸c˜ao da viga de Timoshenko. 6. tem-se que dθz (x) σxx (x) = E(x)y . as quais est˜ao acopladas atrav´es da for¸ca cortante Vy (x). Da mesma forma. d2 Mz (x) = q(x).

(6. A partir da equa¸c˜ao anterior.31: Formula¸ca˜o variacional da viga de Timoshenko.75) fornece a rela¸c˜ao (6.76) dx E(x)Iz (x) a qual substitu´ıda em (6.75) dx A dx  sendo Iz (x) = A y 2 dA o momento de in´ercia da se¸ca˜o transversal em rela¸c˜ao ao eixo z do sistema de referˆencia. observa-se que − − θz (x) = β(x) e dx substituindo na express˜ao anterior vem que Vy (x) = G(x)A(x)β(x). substituindo (6.46). A dx dx A dx   dv(x) sendo A(x) a a´rea da se¸c˜ao transversal x. como ilustrado na Figura 6. ou seja. obt´em-se a seguinte rela¸c˜ao para a derivada de θz (x) dθz (x) Mz (x) = .11. Modelo de Timoshenko 6-40 Figura 6.74) na express˜ao (6.77) Iz (x) Logo. substituindo (6.3. (6.79) dx G(x)A(x) . a tens˜ao normal de flex˜ao σxx (x) varia linearmente na se¸c˜ao tranversal de uma viga para os modelos de viga de Bernouilli e Timoshenko.78) A partir desta rela¸c˜ao. (6.73) na express˜ao (6. Analogamente. tem-se que   dv(x) Vy (x) β(x) = − − θz (x) = .6.59) da for¸ca cortante        dv(x) dv(x) dv(x) Vy (x) = − G(x) − θz (x) dA − G(x) − θz (x) dA = − − θz (x) G(x)A(x). Por sua vez. (6. A partir de (6.58) do momento fletor.28) da tens˜ao normal σxx (x) em fun¸c˜ao do momento fletor Mz (x) na se¸c˜ao x. Mz (x) σxx (x) = − y. tem-se que  dθz (x) dθz (x) Mz (x) = E(x) y 2 dA = E(x)Iz (x) . (6.

a distribui¸c˜ao constante de tens˜ao de cisalhamento dada no modelo de Timoshenko (ver equa¸c˜ao (6.80) A(x) Logo. a tens˜ ao de cisalhamento tem a mesma dire¸c˜ao da for¸ca cortante. pois dividiu-se a for¸ca cortante Vy (x) pela a´rea A(x). Portanto. Desta maneira. nas extremidades inferior e superior da se¸c˜ao transversal n˜ao h´a for¸cas transversais externas presentes. Kc ´e dado pela raz˜ao entre a deforma¸ca˜o de . implicando que a for¸ca cortante Vy (x) ´e nula nessas extremidades. O sinal negativo indica que a for¸ca cortante positiva est´a orientada para baixo. (a) Vy (x) > 0. por exemplo. Para isso. introduz-se um fator adimensional de corre¸c˜ao ou de cisalhamento Kc . (6. (b) Vy (x) > 0. no modelo de Timoshenko a tens˜ao de cisalhamento τxy (x) ´e constante em cada se¸c˜ao e repre- senta uma tens˜ao m´edia.3. Este comportamento est´ a ilustrado na Figura 6. a tens˜ ao de cisalhamento τxy (x) tamb´em ´e zero. contr´aria ao eixo y. Assim. ou seja.6. o qual passa pelo centr´oide da se¸c˜ao. Consequentemente. (d) Vy (x) < 0. todos os esfor¸cos internos e externos ilustrados na Figura 6.80)) n˜ao ´e exata. Vy (x) τxy (x) = − .32 e est´a de acordo com a hip´otese de que a distor¸ca˜o β(x) ´e constante na se¸ca˜o transversal. De acordo com a defini¸c˜ao mais comumente aceita. Todos os problemas estudados at´e este ponto s˜ao tratados como modelos unidimensionais.32: Comportamento constante da tens˜ao de cisalhamento na viga de Timoshenko.8(c). Modelo de Timoshenko 6-41 a qual substitu´ıda em (6.74) fornece a express˜ ao para a tens˜ao de cisalhamento τxy (x) em fun¸c˜ao da for¸ca cortante Vy (x) na se¸c˜ao.30 est˜ao presentes ao longo do eixo x da viga. (c) Vy (x) < 0. Figura 6. Al´em disso. conforme ilustrado na Figura 6.

3. Este fator ser´a calculado para se¸co˜es retangulares e circulares na pr´oxima se¸c˜ao. deriva-se (6. G(x) = G). . (6. obtendo-se d3 θz (x) EIz + q(x) = 0. Observa-se que se o cisalhamento for nulo. dx3 dx2 dx dx2 dx dx3 e substitui-se em (6. (6.83) Kc A(x) Existem v´arias maneiras de se calcular Kc .82) Vy (x) τxy (x) = − . respectivamente. (6.32). (6. Supondo que o momento distribu´ıdo dx mz (x) seja nulo e os parˆametros relativos a`s propriedades do material e da se¸c˜ao transversal s˜ao constantes (E(x) = E. empregando esta rela¸c˜ao em (6. dx a qual substitu´ıda na express˜ao anterior resulta na equa¸c˜ao diferencial de quarta ordem em termos de v(x) dada para o modelo de flex˜ao pura em (6. A(x) = A.75) e (6.86). Iz (x) = Iz . Timoshenko] A(x)G(x) Vy (x) 1 Kc = . (6. nas vari´aveis v(x) e θz (x). β(x) = 0.87) dx2 dx O sistema de equa¸c˜oes diferenciais anterior pode ser reescrito como duas equa¸c˜oes independentes. tem-se que   d2 θz (x) dv(x) EIz 2 + Kc AG − θz (x) = 0. (6.67). Pode-se agora substituir as express˜oes (6.87).86)     d3 θz (x) d2 v(x) dθz (x) d2 v(x) dθz (x) d3 θz (x) EIz + Kc AG − = 0 → Kc AG − = −EIz . ?. podendo-se consultar as referˆencias [?.85) dx dx As express˜oes anteriores  constituem  um sistema de equa¸c˜oes diferenciais e est˜ao acopladas pois o dv(x) termo Kc G(x)A(x) − θz (x) aparece em ambas equa¸c˜oes.82) para o momento fletor e a for¸ca cortante nas equa¸c˜oes diferenciais indicadas em (6.6. ou seja.88) dx3 O efeito deste procedimento ´e retirar o segundo termo da equa¸c˜ao (6. obtendo as seguintes equa¸c˜oes em termos da rota¸c˜ao θz (x) e do deslocamento transversal v(x)     d dθz (x) dv(x) E(x)Iz (x) + Kc A(x)G(x) − θz (x) + mz (x) = 0.84) dx dx dx    d dv(x) Kc G(x)A(x) − θz (x) − q(x) = 0. (6.78) e (6. o qual se refere ao cisalha- dv(x) mento na viga. Portanto [?. Modelo de Timoshenko 6-42 Vy (x) cisalhamento m´edia dividida pela deforma¸c˜ao real γxy (x). (6.79). ?.86) dx dx   d2 v(x) dθz (x) Kc GA − − q(x) = 0. ?]. por Vy (x) = Kc G(x)A(x)β(x). respectivamente.81) A(x)G(x) γxy (x) Logo. tem-se que a for¸ca cortante e a tens˜ ao de cisalha- mento passam a ser dadas. tem-se θz (x) = α(x) = . Para isso.

90) Al´em disso. 1.88).4 Considere a viga bi-apoiada com carregamento distribu´ıdo constante ilustrada na Figu- ra 6.88). Modelo de Timoshenko 6-43 A equa¸c˜ao em termos de v(x) ´e obtida diferenciando (6. dx4 EIz dx2 EIz Multiplicando a equa¸c˜ao anterior pelo fator .89). o momento fletor deve ser nulo nestas se¸co ˜es. (a) Sistema de coordenadas xy.6. v(x = 0) = v(x = L) = 0. Para isso. Equa¸ca 2.3. os deslocamentos nas extremidades s˜ ao nulos. determina-se a rota¸ca ao diferencial (6.2.88) e (6. Determinar as equa¸co ˜es da rota¸c˜ ao θz (x) e do deslocamento transversal v(x) atrav´es da integra¸ca ˜o das equa¸co ˜es diferenciais (6. aplica-se o mesmo procedimento de solu¸ca˜o da Se¸ca ˜o 6. (6.89) dx4 Ks GA dx2 Exemplo 6. (6.5. determina-se a equa¸ca˜o final Ks GA d4 v(x) EIz d2 q(x) EIz − + q(x) = 0. (6. vem que dx EIz d4 v(x) Kc GA d2 q(x) Kc GA + q(x) − = 0.33: Viga com carregemento distribu´ıdo do Exemplo 1. Condi¸co ˜es de contorno Como a viga est´ a bi-apoiada. como n˜ ao h´ a momentos puros nas extremidades. Figura 6. dx4 dx3 dx2 d3 θz (x) q(x) e introduzindo 3 =− obtido a partir de (6.33(a). Mz (x = 0) = Mz (x = L) = 0.87) duas vezes   d4 v(x) d3 θz (x) d2 q(x) Kc GA − − = 0. ˜o θz (x) integrando-se a equa¸c˜ Inicialmente. ˜o de carregamento: q(x) = −q.91) . Logo. (b) Viga deformada. ou seja.

Modelo de Timoshenko 6-44 3. 2  2  .92) de terceira ordem.93). Portanto (0)2 Mz (x = 0) = q + C1 (0) + C2 = 0 → C2 = 0.93) a qual ser´ a empregada a seguir. Condi¸ca ˜o auxiliar A equa¸ca ˜o diferencial (6. Integra¸ca ˜o da equa¸ca ˜o diferencial d2 θz (x) • Primeira integra¸ca ˜o: EIz = qx + C1 dx2 dθz (x) x2 • Segunda integra¸ca˜o: Mz (x) = EIz = q + C1 x + C2 dx 2 x 3 x2 • Terceira Integra¸ca ˜o: EIz θz (x) = q + C1 + C2 x + C3 6 2 6.91) s˜ao dθz (x) empregadas pois segundo (6.91) e auxiliar (6. Determina¸ca ˜o das constantes de integra¸ca ˜o Aplicando-se as condi¸c˜ oes de contorno (6.92) dx3 4. Sendo (6. 2 (L)2 qL Mz (x = L) = q + C1 (L) + C2 = 0 → C1 = − . necessitam-se dx de trˆes equa¸c˜ oes para determinar as constantes de integra¸c˜ ao provenientes do processo de integra¸c˜ ao. As condi¸c˜ oes de con- torno (6.8(b). Como a viga est´a bi-apoiada e o carregemento distribu´ıdo ´e constante ao longo de seu comprimento. Apenas as condi¸c˜oes (6. (6. conforme ilustrado na Figura 6. obt´em-se as constantes C1 . 5. Equa¸ca ˜o diferencial d3 θz (x) EIz =q (6. C2 e C3 .75) Mz (x) = EIz . tem-se que a rota¸ca ˜o na metade da viga ´e nula.90) em termos de deslocamento n˜ ao s˜ ao u ´teis neste caso.6. Isto fornece a condi¸ca ˜o auxiliar θz (x = L/2) = 0.92) ´e de terceira ordem em termos da rota¸ca ˜o θz (x).3.

3 .

2 % 2 2 & q x3 x2 5qL3 θz (x) = −L + . Equa¸co ˜es finais Substituindo as constantes C1 . tem-se as seguintes express˜ oes finais x2 L q Mz (x) = q − q x = (x − L)x. EIz 6 4 48 . 2 EIz 6 2 2 48 7. C2 e C3 nas express˜ oes do momento fletor e de rota¸c˜ ao.2 L L   L 1  2 2 L  5qL3 θz (x = )= q + C1 + (0) + C3  = 0 → C3 = .

Modelo de Timoshenko 6-45 Agora.97) constituem as 4 condi¸co ˜es de contorno em termos de v(x) necess´arias para a solu¸c˜ ao do problema.94) e (6. ˜o de carregamento: q(x) = −q.96) dx2 Kc GA dv(x = L) q = − . determina-se o deslocamento transversal v(x) atrav´es da equa¸ca ˜o (6.44).95) vem que dv(x = 0) q = − . as express˜ oes dadas em (6. tem-se a seguinte rela¸ca ˜o   d2 v(x) 1 dθz (x) 2 = −q(x) + . tem-se que d2 q(x) = 0.89). Condi¸co ˜es de contorno As condi¸co ˜es de contorno s˜ ao as mesmas indicadas em (6. Equa¸ca ˜o diferencial Como o carregamento ´e constante na viga. 3. Aplica-se o mesmo procedimento anterior.89) simplifica-se para d4 v(x) EIz = q(x) = −q. Equa¸ca 2.91) vem que dθz (x = 0) dθz (x = 0) Mz (x = 0) = EIz =0→ = 0. dx2 Logo.90) e (6.98) dx4 4.94) dx dx dθz (x = L) dθz (x = L) Mz (x = L) = EIz =0→ = 0.97) dx2 Kc GA Portanto. (6.90). a equa¸ca ˜o diferencial (6.3.95) dx dx De (6. 1.87).6.96) e (6. (6. (6. (6. (6. dx Kc GA dx Tomando a express˜ ao anterior para x = 0 e x = L e empregando (6. a partir de (6. Integra¸ca ˜o da equa¸ca ˜o diferencial d3 v(x) • Primeira integra¸ca ˜o: EIz = −qx + D1 dx3 d2 θz (x) x2 • Segunda integra¸ca˜o: EIz = −q + D1 x + D2 dx2 2 dv(x) x3 x2 • Terceira Integra¸ca ˜o: EIz = −q + D1 + D2 x + D3 dx 6 2 x4 x3 x2 • Quarta integra¸ca ˜o: EIz v(x) = −q + D1 + D2 + D3 x + D4 24 6 2 . No entanto. (6.75) e (6.

96) e (6. d2 v(x = 0) (0)2 q q EIz = −q + D1 (0) + D2 = → D2 = . 24 2 (L)4 qL L3 q L2 EIz v(x = L) = −q + ( )+ + D3 (L) + 0 = 0 → D3 = 0. Equa¸ca ˜o final Substituindo D1 a D4 na equa¸ca ˜o de deslocamento v(x). dx2 2 Kc AG Kc AG d2 v(x = L) (L)2 q q qL EIz = −q + D1 (L) + = → D1 = . tem-se que %   & q x4 Lx3 x2 L3 L v(x) = − + + + − − x . Determina¸ca ˜o das constantes de integra¸ca ˜o Aplicando as condi¸co ˜es de contorno dadas em (6. EIz 24 12 2Kc AG 24 2Kc AG Simplificando a express˜ ao anterior vem que   q x4 Lx3 L3 x q . dx2 2 Kc AG Kc AG 2 (0)4 (0)2 EIz v(x = 0) = −q + D1 (0) + D2 + D3 (0) + D1 = 0 → D4 = 0. D2 . Modelo de Timoshenko 6-46 5. determinam-se as constantes D1 . D3 e D4 .90).6.3. 24 2 6 Kc AG 2 6. (6.97).

99) EIz 24 12 24 2EIz Kc AG  Exemplo 6.91). emprega-se o mesmo procedimento anterior.5 Resolver o exemplo anterior utilizando o sistema de coordenadas xy ilustrado na Figura 6. (6. Neste caso. v(x) = − − + + + x2 − Lx . em termos do momento fletor Mz (x).34(a) para a especifica¸ca˜o das condi¸c˜ oes de contorno. as condi¸co rota¸ca ˜es de contorno (6. Basicamente. s˜ ao expressas da seguinte maneira no sistema de referˆencia xy . transladou-se o eixo y da extremidade para a metade da viga. Para determinar a ˜o θz (x).

.

.

dθz x = − L2 dθz x = − L2 Mz x = − L2 = EIz =0→ = 0. dx .

dx .

100) . (6.

EIz 6 2 EIz 6 2 . 6 2 vem que % & % & 1 x3 x2 1 x3 x2 θz (x) = −q + C1 + C3 = −θz (x) = − q + C1 + C3 . Observa-se que θz (x) ´e uma fun¸ca ˜o antisim´etrica em rela¸ca ˜o ao eixo y. dx dx A Figura 6. Isto implica que θz (x) = −θz (−x) (6.101) Utilizando esta rela¸ca ˜o na expess˜ ao para a rota¸ca ˜o θz (x) obtida no exemplo anterior.34(b) ilustra a rota¸ca˜o θz (x) para a viga considerada. dθz x = L 2 dθz x = L 2 Mz x = L 2 = EIz =0→ = 0. ou seja x3 x2 EIz θz (x) = −q + C1 + C2 x + C3 .

3. observa-se que o deslocamento v(x) ´e sim´etrico em rela¸c˜ ao ao eixo y. Logo C1 x2 + 2C3 = 0. (6.34(a). (6. Como C1 e C3 s˜ao constantes. dx 2 lembrando que C1 = 0 e aplicando a segunda condi¸ca ˜o de contorno dada em (6.34: Viga com carregamento distribu´ıdo do Exemplo 2. procede-se de forma an´ aloga ao exemplo anterior e integra-se a equ¸ca ˜o diferencial (6. tem-se as seguintes express˜ oes finais   q L2 Mz (x) = − x2 − .104) 24 6 2 A partir da Figura 6. 2 2 8 Substituindo as constantes C1 . C2 e C3 nas express˜ oes do momento fletor e da rota¸ca ˜o. dx2 2 .105) Substituindo (6.100) vem que L ( L )2 qL2 Mz (x = ) = −q 2 + C2 → C2 = .6. que D1 = D3 = 0. obt´em-se. ou seja. a u ´nica condi¸ca ˜o para que express˜ ao anterior seja v´ alida para qualquer x ´e que C1 = C3 = 0. de forma an´ ao.102) 2 4   q x3 L2 x θz (x) = + . (6. obtendo-se x4 x3 x2 EIz v(x) = −q + D1 + D2 + D3 x + D4. Tomando agora a express˜ao do momento fletor dθz (x) x2 Mz (x) = EIz = −q + C1 x + C2 . aloga ao caso da rota¸c˜ Para determinar D2 .103) 2EIz 3 4 No que se refere ao deslocamento transversal v(x). (6. emprega-se a condi¸ca ˜o (6.105).96) na express˜ao d2 v(x) x2 EIz = −q + D1 x + D2 . v(x) = v(−x). (c) Viga deformada. (b) Rota¸c˜ ao.98). Figura 6. Modelo de Timoshenko 6-47 (a) Sistema de coordenadas xy’.104) em (6.

 6. ou seja.81)). pretende-se assumir uma certa forma de varia¸c˜ao da tens˜ ao de cisalhamento na se¸c˜ao.3. Timoshenko]. de tal maneira a se ter uma distribui¸c˜ao de tens˜ao mais pr´oxima do real. menor o efeito do cisalha- mento. No entanto. (6. circular e perfis I. Modelo de Timoshenko 6-48 Lembrando que D1 = 0 e de (6. Da condi¸ca qL2 qL4 D4 = + . o que ´e imposs´ıvel. dx 2 Kc AG 8EIz Kc AG ˜o de contorno v(x = L/2) = 0. obt´em-se c1 = c2 = 0 e portanto τxy (y) = 0. quando comparada com a tens˜ao constante dada pelo modelo de Timoshenko.96) vem que d2 v(x = −L/2) (L/2)2 q qL2 q EIz 2 = −q + D2 = → D2 = + .27. enquanto o efeito do cisalhamen- to est´ a dado pelo segundo termo. a qual por sua vez depende do empenamento.32. Assim .3. . introduziu-se o fator de cisalhamento Kc (ver equa¸c˜ao (6. quanto menor o comprimento da viga. τxy (y) = c1 y + c2 . como mencionado anteriormente. verifica-se que quanto maior o comprimento da viga. (6. Procurando minimizar este problema. as hip´oteses cinem´aticas assumidas para a viga de Timoshenko induzem uma distribui¸c˜ao constante da tens˜ao de cisalhamento nas se¸co˜es transversais da viga. assume-se que a tens˜ao de cisalhamento varia de forma linear com a coordenada y. 8Kc AG 384EIz Substituindo as constantes D1 e D4 na express˜ ao de v(x) vem que %  2  4 & %  2 & qL4 x x qL2 x v(x) = 1 − 24 + 16 + 1−4 . o c´alculo do Kc como aqui definido depende da deforma¸c˜ao de cisalhamento real na se¸c˜ao.8 Distribui¸c˜ ao da Tens˜ ao de Cisalhamento Conforme ilustrado na Figura 6. (6.108)   a  τxy (y = a/2) = c1 + c2 = 0 2 Resolvendo-se o sistema de equa¸c˜oes anterior. A solu¸c˜ao exata deste problema est´a descrita em [?. Logo      a  τxy (y = −a/2) = −c1 + c2 = 0  2 . Se¸ c˜ ao retangular A Figura 6. isto ´e. esta distribui¸c˜ao constante n˜ ao esta de acordo com o empenamento observado nas se¸co˜es. obt´em-se D4 . Como a distribui¸c˜ao constante n˜ao ´e exata. Como a constante que multiplica o primeiro termo ´e proporcional a L4 e o segundo a L2 . Nesta se¸c˜ao. Consideram-se a seguir os casos de se¸c˜oes transversais retangular.106) 384EIz L L 8EIz L O primeiro termo da express˜ ao anterior representa a flex˜ ao da viga.35(a) ilustra a distribui¸c˜ao constante da tens˜ ao de cisalhamento numa de se¸c˜ao retangular de base b e altura a. como ilustrado na Figura 6.6. mais importante o efeito do cisalhamento. pois a tens˜ ao de cisalhamento n˜ao ´e necessariamente nula na se¸ca˜o. No entanto.107) Os coeficientes c1 e c2 s˜ao determinados sabendo-se que a tens˜ao de cisalhamento ´e nula nas extre- midades da se¸c˜ao.

110)   a 2 a  τxy (y = a/2) = −c1 + c2 + c3 = 0 2 2 Somando as duas express˜ oes anteriores vem que  2 a −2c1 + 2c3 = 0. c2 e c3 . Vy (x) ´e conhecida e substituindo em (6. As duas primeiras s˜ao as mesmas anteriores. uma varia¸c˜ao quadr´atica. ent˜ao. a tens˜ao de cisalhamento ´e nula nas extremidades da se¸c˜ao. tem-se um ponto de m´aximo ou m´ınimo no centro da se¸c˜ao. ou seja. (6.3. sabe-se que a for¸ca cortante Vy (x) ´e obtida atrav´es da solu¸c˜ao do PVC (6. pois a par´ abola tem uma concavidade para baixo como ilustrado na Figura 6.35(b). (6.114) a A(x) − Iz (x) 2 . 2 a partir da qual se tira uma rela¸c˜ao entre c1 e c3  2 a c3 = c1 . (6. τxy (y) = −c1 y 2 + c2 y + c3 .113) tem-se que   % 2 & a Vy (x) = − τxy (y)dA = −c1 −y 2 dA A A 2 %    & 2 a = −c1 dA − 2 y dA . 2 A A A primeira integral da express˜ao anterior representa a a´rea A(x) da se¸c˜ao x. isto ´e. Assim em (6.112) dy Substituindo (6. Para resolver esta indetermina¸c˜ao.59).113) 2 A constante c1 ´e indeterminada. c1 ´e dada por Vy (x) c1 = −  2 .   2     a a  τxy (y = −a/2) = −c1 − c2 + c3 = 0  2  2 . Modelo de Timoshenko 6-49 Assume-se. ou seja.111) e (6. Portanto. Portanto.111) 2 A terceira condi¸c˜ao necess´aria para determinar os coeficientes ´e obtida da simetria da se¸ca˜o em rela¸c˜ao ao eixo z do sistema de referˆencia. pois o valor da tens˜ao de cisalhamento m´axima ´e ainda desconhecida.6. dτxy (y) = −2c1 y + c2 dy ´e nula para y = 0.67). Para determinar as costantes c1 . (6. Logo dτxy (0) = −2c1 (0) + c2 = 0 → c2 = 0. Esta condi¸ca˜o implica que a derivada primeira de τxy (y).109) Toma-se o coeficiente c1 negativo. neste caso em y = 0. enquanto a segunda ´e o momento de in´ercia Iz (x) em rela¸c˜ao ao eixo z do sistema de referˆencia.112) em (6.109) tem-se que %  & 2 a τxy (y) = c1 − y2 . (6. Como a tens˜ao ´e nula nas duas extremidades e varia como uma par´abola. necessitam-se 3 condi¸co˜es. (6.

(b) distribui¸c˜ ao parab´ olica. Modelo de Timoshenko 6-50 Substituindo (6.115) a 2 A(x) − Iz (x) 2 (a) distribui¸c˜ ao constante. y) = −  2 −y 2 .115).35: Distribui¸c˜ao da tens˜ ao de cisalhamento na se¸c˜ao retangular. ou seja. Figura 6. (6. %  & 2 Vy (x) a τxy (x. obt´em-se a tens˜ao de cisalhamento τxy (x. vem que %  & 2 Vy (x) a τxy (x. (6.3. usando a rela¸c˜ao anterior em (6.117) 2Iz (x) 2 . (6. obt´em-se  2  2 a a ba3 ba3 ba3 A(x) − Iz (x) = ab − = − = 2Iz (x). Para determinar este valor m´aximo.114) em (6.36: Tens˜ao parab´olica na se¸c˜ao retangular.6.36 ilustra a varia¸c˜ao parab´olica da tens˜ao de cisalhamento na se¸c˜ao.116) 2 2 12 4 12 Logo.113).115). Nas extremidades a tens˜ao ´e nula e no centro assume um valor m´aximo. Observa-se ainda que a tens˜ao de cisalhamento τxy (x. Figura 6. y) tem a mesma dire¸ca˜o da for¸ca cortante Vy (x). A Figura 6. Lembrando que para uma se¸c˜ao retangular A(x) = ab e Iz (x) = ba3 /12. considere o denominador na equa¸c˜ao (6. y) na se¸c˜ao x variando de forma quadr´atica com a coordenada y. y) = − −y 2 .

2Iz (x) 4 2 12 4 8 A(x) ou seja max 3 Vy (x) τxy (x. Deseja-se calcular o momento est´atico Msz (x) da a´rea hachurada em rela¸ca˜o ao eixo z do sistema de referˆencia. 2 b Substituindo a express˜ao anterior em (6. y) qc (x.120) y y 2 y + 2 2 Uma outra forma de se calcular Msz (x) ´e obtida a partir da Figura 6.120) ou (6. A(x) Considere agora a a´rea hachurada na se¸c˜ao retangular mostrada na Figura 6. (6. Logo Vy (x) a2 Vy (x) a2 12 Vy (x) max τxy (x. y) τxy (x.118) 2 A(x) Portanto. (6. ou seja.122) vem que %  & 2 h 2Msz (x) −y 2 = .119) A Tomando-se dA = bdy. y) = − . (6.37(a).     %  & 2 h 1 h b h Msz (x) = b −y +y = −y 2 .122) s˜ao iguais e representam o momento est´atico de uma a´rea que dista y do centr´oide da se¸c˜ao retangular. (6. o momento est´ atico passa a ser dado por   +h %  & y 2 ++ 2 h h 2 2 2 b h Msz (x) = bydy = b ydy = b + = −y 2 . (6. (6. como ilustrado na Figura 6.37(a). (6. Portanto. O fluxo de cisalhamento qc (x.117) tem-se que Vy (x)Msz (x. a partir de (6.3. tem-se que  Msz (x) ydA. Pela defini¸c˜ao.124) Iz (x) . a qual por sua vez est´a a uma distˆancia x da origem do sistema de referˆencia adotado. y) = − = − ba3 =− . ?]. y) na se¸ca˜o x de uma a´rea distando y do centr´oide da se¸ca˜o ´e dado por Vy (x)Ms (x. Assim.121)     1 h 1 h sendo A = b( h2 − y) a ´area considerada e y¯ = y + −y = + y a distˆancia do centr´oide da ´area 2 2 2 2 hachurada ao centr´oide da se¸c˜ao retangular.123) bIz (x) Esta ´e a express˜ ao comumente obtida de forma indireta a partir da flex˜ao da viga nos textos de resistˆencia dos materiais [?. a tens˜ao de cisalhamento m´axima numa se¸ca˜o retangular ´e 50% maior que a tens˜ao m´edia Vy (x) obtida pelo modelo de Timoshenko.6.37(b).120) e (6. y) = . Msz (x) = A¯ y. y) = − . Modelo de Timoshenko 6-51 max na se¸ A tens˜ao de cisalhamento m´axima τxy ca˜o x ´e obtida para y = 0.122) 2 2 2 2 2 Como era esperado as express˜oes (6.

6. reescreve-se a tens˜ao de cisalhamento como qc (x. Modelo de Timoshenko 6-52 Supondo que as for¸cas s˜ao dadas em N e os comprimentos em m. Esta hip´ otese n˜ao ´e v´alida para a se¸c˜ao circular. m m Logo.81) como a rela¸ca˜o entre a deforma¸ca˜o m´edia γxy (x) = τxy (x)/G(x) = −Vy (x)/A(x)G(x) e a deforma¸c˜ao real no centr´oide. y) = . a tens˜ao de cisalhamento em cada ponto do contorno possui a dire¸ca˜o tangente. as dire¸c˜oes das tens˜oes de cisalhamento nos pontos A e P interceptam-se num . a tens˜ao no ponto m´edio P da corda AA tem a mesma dire¸c˜ao vertical da for¸ca cortante. y) representa a quantidade de for¸ca na dire¸c˜ao y por unidade de comprimento que a se¸ca˜o pode transmitir.124) em (6. qc (x. Substituindo (6. de forma an´aloga ao problema de tor¸c˜ao.37: Momento est´atico na se¸c˜ao retangular. implicitamente assumiu-se que a tens˜ ao est´a distribu´ıda verticalmente na se¸c˜ao transversal e ´e paralela a for¸ca cortante. y) τxy (x. tem-se a deforma¸c˜ao correspondente τxy (x) 3 Vy (x) γxy (x) = =− . como ilustrado na Figura 6. A partir de (6. Se¸ c˜ ao circular Observa-se que em (6.118) e da Lei de Hooke.126) G(x) 2 A(x)G(x) Para obter Kc basta efetuar a divis˜ao Vy (x) − A(x)G(x) 2 Kc = = .125) b O coeficiente de cisalhamento foi definido na express˜ ao (6. Figura 6.3. (b) Distˆ ancia y¯.105). (6. (6.123). (6. Devido a simetria da se¸c˜ao.38(a) para os ponto A e A. o fluxo de cisalhamento possui as seguintes unidades N m3 N [qc (x. a tens˜ ao no centr´oide ´e m´axima. No caso da se¸c˜ao retangular. Logo. ao assumir uma varia¸c˜ao quadr´atica com y para a tens˜ao de cisalhamento numa se¸c˜ao retangular. Neste caso. y)] = = .127) 3 Vy (x) 3 − 2 A(x)G(x) (a) Elemento de a ´rea dA = bdy.

y) = ydA = 2 y R2 − y 2 dy. que a dire¸c˜ao da tens˜ao de cisalhamento em qualquer outro ponto Q da linha AA tamb´em seja dirigida para o ponto P . ent˜ ao.123) ´e tomada como o comprimento da corda AA dada segundo a Figura 6.109). Logo. a base b em (6. empregando a defini¸c˜ao do momento est´atico vem que   R $ Msz (x.38(b) como $ b = AA = 2 R2 − y 2 . Desta maneira.38: Tens˜ao de cisalhamento numa se¸c˜ao circular. ilustrada na Figura 6.38(a). Assume-se. Deve-se calcular o momento est´atico em rela¸ca˜o ao eixo z da ´area acima da linha AA. (6. (b) Momento est´ atico. Figura 6. Modelo de Timoshenko 6-53 (a) Tens˜ ao tangente. Isto permite empregar a equa¸c˜ao (6.38(b). considere o elemento de ´area dA dado por $ dA = 2 R2 − y 2 dy. A outra hip´otese ´e admitir que as componentes verticais das tens˜oes de cisalhamento sejam iguais em todos os pontos da linha AA.128) sendo R o raio da se¸ca˜o circular. ponto P  ao longo do eixo y como ilustrado na Figura 6.3. Para isso. determina-se 2 2 .6. Neste caso. A y Efetuando a integra¸c˜ao anterior. (c) Elemento de ´ area.123) para calcular a componente vertical τxy da tens˜ao de cisalhamento. Esta foi a mesma hip´otese utilizada para se¸c˜oes retangulares quando se assumiu uma varia¸c˜ao quadr´atica de τxy (y) em (6. ´e poss´ıvel determinar a dire¸c˜ao da tens˜ao de cisalhamento em qualquer ponto na corda AA e por consequˆencia em qualquer ponto da se¸c˜ao. a qual dista y do eixo z.

Iz (x) 2 R2 − y 2 ou seja.129) 3 Substituindo (6.   Vy (x) R2 − y 2 τxy (x.128) e (6. (6.123) vem que 2 2 3 Vy (x) 3 R − y 2 2 τxy (x. y) = R − y2 2 . (6.3 Msz (x.130) 3Iz (x) .129) em (6. y) = − # . y) = − .

De forma an´aloga ao efetuado para se¸c˜ao retangular. Timoshenko] Vy (x) σtmax (x) = −1. (6. (6. considere o elemento de ´area dA no contorno da se¸c˜ao.135) 3 A(x) Desta maneira. τxy dA e τt dA.6. o qual passa pelo centro de gravidade da se¸c˜ao. o erro na express˜ao (6. respectivamente. (6.131) R2 − y 2 Substituindo (6.134) 3πR 3 πR2 4 Lembrando que a ´area da se¸c˜ao circular ´e A(x) = πR2 . y = 0) = − R . A(x) Observa-se que a m´axima tens˜ao de cisalhamento exata. (6.38(c). (6.132) Iz (x) A partir desta express˜ao.137) 4 . (6. A partir da Figura 6. o coeficiente de cisalhamento ´a obtido a partir de (6. (6.136) A(x) Assim. observa-se que (τt dA) cos β = τxy dA. vem que Vy (x) $ 2 τt (x. Modelo de Timoshenko 6-54 Para determinar a tens˜ao de cisalhamento tangencial τt nos pontos A e A.133) 3Iz (x) πR4 Substituindo o momento de in´ercia Iz (x) = tem-se que 4 R2 4 Vy (x) τtmax (x) = −Vy (x) 4 =− . ´e dada por [?. 38 . o que pode ser considerado bastante rezo´avel sob o ponto de vista de engenharia. observa-se que a tens˜ao de cisalhamento m´axima na se¸c˜ao x ocorre nos pontos da se¸ca˜o situados ao longo do eixo z.3. As for¸cas resultantes nas dire¸c˜oes y e tangente no elemento de ´area dA s˜ao.130)na express˜ ao anterior. obt´em-se a seguinte express˜ao final para σtmax 4 Vy (x) τtmax (x) = − . a tens˜ao de cisalhamento m´axima na se¸c˜ao circular ´e cerca de 33% maior que a tens˜ao Vy (x) m´edia determinada na formula¸c˜ao da viga de Timoshenko.135) sendo igual a 3 Kc = . Portanto R τxy R τt = # . Logo Vy (x) 2 τtmax (x) = τt (x. y) = − R R − y2 . # R2 − y 2 sendo cos β = . obtida considerando-se o empenamento real da se¸c˜ao.135) ´e cerca de 4%.

ou seja. o momento est´atico ´e dado de forma an´aloga a (6. Os dois retˆangulos horizontais s˜ao denominados mesas enquanto o retˆangulo vertical ´e a alma. Figura 6. consideram-se os 3 cortes na se¸c˜ao. Nesta se¸c˜ao. Para determinar a distribui¸c˜ao da tens˜ao de cisalhamento em perfis I. (c) − h2 ≤ y ≤ − h21 .4. para o c´alculo do momento est´atico.120). desprezando-se os raios internos.39 faz parte de um conjunto de se¸co˜es transversais padronizadas utilizados frequentemente em estruturas em geral. considera-se que as tens˜oes s˜ao paralelas a for¸ca cortante e uniformemente distribu´ıdas na espessura da alma. Perfil I O perfil I ilustrado na Figura 6. (a) h1 2 ≤y≤ h 2.6. ilustrados na Figura 6. Modelo de Timoshenko 6-55 Figura 6. O dimensionamento de vigas constru´ıdas com perfis laminados ser´a discutido na Se¸ca˜o 6.39: Perfil I. Tomando-se a ´area indicada na Figura 6. Estes perfis podem ser considerados como 3 retˆangulos. (b) − h21 ≤ y ≤ h 2. apresenta-se como determinar a distribui¸c˜ao da tens˜ao de cisalhamento em perfis I.40: Cortes no perfil I. de forma an´aloga `a se¸c˜ao retangular.3. Como se tem duas transi¸c˜oes de espessura entre as mesas e a alma.  .40(a).40.

139) 2Iz (x) 2 . y) = − −y 2 .  h 2 Msz (x.123) vem que %  & 2 Vy (x) h τxy (x. (6.138) Substituindo a express˜ao anterior em (6. y) = y ydA = b 2 h 2 − y2 h1 2 ≤y≤ h 2 (6.

143). Efetuando as integra¸co˜es indicadas. (6. O momento est´atico ´e dado neste campo por  h 2 Msz (x.140) e (6.141) 2 2 2 2 2 Logo. y = 0) = bh − h21 (b − b1 )  8I z (x) (6. obt´em-se % 2 & %   2 & 2 b1 h1 b h h1 Msz (x. 2   Vy (x) ! 2 "  max  τxy = τxy (x. Isto indica uma descontinuidade da tens˜ao na interface da mesa e da alma. y = ± = bh − bh21 2 8Iz (x) Observe a diferen¸ca da tens˜ao de cisalhamento para y = h21 calculada em (6. pode-se considerar a a´rea abaixo devido a seguinte rela¸c˜ao entre os momentos est´aticos  h  − h2 2 Msz (x.142) 2b1 Iz (x) 2 2 2 h1 Para y = 0 e y = ± . Au ´ltima a´rea ´e obtida com um corte na mesa inferior do perfil como mostrado na Figura 6. as tens˜ oes m´axima e m´ınima na alma. y y Logo  % 2 & − h2 b h1 Msz (x.6.140). (6. y Ao inv´es de se calcular o momento est´atico da a´rea acima do corte. a tens˜ao de cisalhamento ´e dada por  % 2 & %   2 & 2 Vy (x) h1 h h1 τxy (x. y) = ydA = ydA. tem-se. tem-se as mesmas express˜oes indicadas 2 2 em (6. y) = −y 2 + − . y y 2 onde se separou a express˜ao anterior em duas integrais devido a mudan¸ca de espessura em b1 na alma para b na mesa. y) = ydA. y) = b1 −y 2 +b − . ou seja. respectivemente.40(c). (6. y = = h − h21  2 8Iz (x) . obt´em-se 2 2      h1 Vy (x) ! 2 " max  τxy x.140)   min x.3. . . y) = ydA = −y 2 − h2 ≤ y ≤ − h21 . (6. y = h = 0  τxy 2 O momento est´atico da a´rea indicada na Figura 6. Modelo de Timoshenko 6-56 h1 h Calculando a tens˜ ao para y = e y = .143)   h1 Vy (x) ! 2 "  τxy min = τxy x.144) y 2 2 h h Calculando-se os momentos est´aticos para y = − e y = .40(b) ´e dado por  h  h1  h 2 2 2 Msz (x. y) = ydA = b1 ydy + b h1 ydy − h21 ≤ y ≤ h2 .

h1 se aproxima de h. ou seja.   h/2 Va (x) = − τxy (x)dA = −b1 τxy (x)dy A −h/2   %  & %   2 & Vy (x) h/2 h1 2 h 2 h1 = − b1 − y2 + b − dy. a express˜ao anterior simplifica- b1 h31 se para o momento de in´ercia Iz (x) = da alma.6. (6.143). No entanto. obt´em-se uma boa aproxima¸c˜ao para a tens˜ao de cisalhamento m´axima dividindo-se a for¸ca cortante pela a´rea da alma apenas. 12 b(h − h1 )3 b(h − h1 ) (h + h1 )2 [Iz (x)]m = + .147) 12 12 2 4 Quando a espessura das mesas ´e pequena.145) se aproxima da cortante Vy (x). Modelo de Timoshenko 6-57 Figura 6. b1 h31 [Iz (x)]a = . O mesmo acontece para o termo entre colchetes na 12 express˜ao (6. a alma absorve toda for¸ca cortante.3. para espessuras de mesa pequenas.145). (6. Para mostrar isto.146) Por sua vez.142) na ´area da alma. Isto se deve ao fato que as tens˜ oes de cisalhamento na alma integradas nas suas ´areas fornecem uma for¸ca Va (x) que ´e praticamente igual a cortante Vy (x). considere as express˜oes (6. De forma an´aloga `as se¸c˜oes circular e rertangular. a tens˜ao de cisalhamento m´axima em perfis I ocorre no centr´oide da se¸c˜ao e est´a dada na equa¸c˜ao (6.41 ilustra a distribui¸c˜ao da tens˜ao de cisalhamento num perfil I. pois a for¸ca Va (x) dada em (6.145) 6Iz (x) 2 2 2 12 O momento de in´ercia Iz (x) da se¸c˜ao ´e dado pela soma dos momentos de in´ercia da alma [Iz (x)]a e das mesas [Iz (x)]m em rela¸c˜ao ao centr´oide da se¸ca˜o. (6. isto ´e. A Figura 6. Observa-se a desconti- nuidade da tens˜ao nos pontos com mudan¸ca de espessura entre a alma e as mesas. 12 2 4 Observa-se que se utilizou o teorema dos eixos paralelos para o c´ alculo de [Iz (x)]m . Logo % & b1 h31 b(h − h1 )3 b(h − h1 ) (h + h1 )2 Iz (x) = +2 + . 2Iz (x) −h/2 2 2 2 Integrando a express˜ao anterior obt´em-se % & Vy (x) b(h − h1 ) (h − h1 ) h1 b1 h31 Va (x) = − + .59) e (6. ou seja. Assim.41: Distribui¸c˜ao de tens˜ao no perfil I. Iz (x) = [Iz (x)]z + 2 [Iz (x)]m . .

respectivamente. . utiliza-se como crit´erio de desempate a se¸c˜ao com a maior for¸ca cortante.6.42: Perfis laminados. zontal. Estes perfis podem ser colocados na posi¸c˜ao vertical (Figuras 6. σxx max Mzmax σxx = (6. momentos de in´ercia.42(b)) e horizontal (Figuras 6.8 e est´a dado a seguir.42(c) e 6.42(a) e 6. Calcula-se o m´odulo de resistˆencia a flex˜ max . σ¯ umero de perfis. Esta se¸c˜ao ´e aquela onde o momento fletor absoluto ´e m´aximo. m´odulo de resistˆencia. Sendo np o n´ por Wz Wzp = . Figura 6. tal. ou seja. (e) Perfil duplo U na tical. chega-se a seguinte express˜ ao para Wz Mzmax Wz = .4 Perfis Padronizados Visando a redu¸c˜ao de custos na constru¸c˜ao de estruturas mecˆanicas constitu´ıdas de vigas.42(a) e 6. Al´em disso.67). na vertical. (a) Perfil I na ver. (d) Perfil U na horizon. As propriedades destes perfis (tais como dimens˜oes.4. ao Wz atrav´es da express˜ao para a m´axima tens˜ao normal 2. Caso se tenha mais de uma se¸c˜ao com o mesmo momento fletor m´aximo.42 ilustra alguns perfis padronizados tais como I e U. (b) Perfil U (c) Perfil I na hori. definiram-se alguns tipos padronizados de se¸c˜oes transversais. O momento fletor m´aximo ´e denotado como Mzmax . tem-se que o m´odulo de resistˆencia a` flex˜ao Wzp de cada perfil ´e dado 3. para as Figuras 6.42(d)). 1.42(e). A Figura 6. A partir desta condi¸c˜ao e da rela¸ca˜o anterior. ´area. tal como ilustrado na Figura 6. tem-se np = 1 e np = 2. Determinar a se¸ca˜o mais solicitada da viga atrav´es da solu¸ca˜o do PVC (6.148) Wz No dimensionamento a` flex˜ao pura.2. vertical. Perfis Padronizados 6-58 6. np Por exemplo. pode-se soldar ou rebitar v´arios perf´ıs para construir a se¸ca˜o da viga. etc) encontram-se tabeladas e s˜ao utilizadas para a sele¸c˜ao de um perfil apropriado ap´os o dimensionamento da viga. O procedimento para o dimensionamento de vigas `a flex˜ao pura empregando perfis ´e an´alogo `aquele apresentado na Se¸c˜ao 6. imp˜oe-se que σxx max seja igual a tens˜ao normal admiss´ıvel σ ¯ do material.42(e) para um perfil duplo U.

43: Efeito do peso pr´oprio devido ao peso da viga. emprega-se a coluna referente ao eixo y − y (ver Figura 6. este processo ´e iterativo at´e selecionar um perfil adequado.4. Deve-se verificar se a viga permanece na fase el´astica considerando-se o seu peso pr´oprio dado pelo seu peso espec´ıfico como uma carga distribu´ıda constante. lembrando-se que Mzmax ´e obtido agora incluin- do o peso pr´oprio no carregamento original da viga (ver Figura 6. 0cm) = 0. deve-se utilizar a coluna da tabela correspondente x − x. 7854cm2 4 4 . Sabendo-se o m´odulo de resistˆencia m´ınimo de cada perfil para que a viga permane¸ca na fase el´astica.7Kgf/m. momento de in´ercia em rela¸c˜ se¸ca ao ao eixo que passa pelo furo dos rebites Izz = 83.6. Caso contr´ario. (b) . Esta se¸c˜ rebites est˜ ao ´e utilizada na viga mostrada na Figura 6.43(a) ilustra uma viga bi- apoiada a qual foi dimensionada com o procedimento aqui explicado. Forca de cisalhamento que o rebite pode suportar (Fd ) : πd2 π Ad = = (1.43(b)). Figura 6.44b). Se σxx max assim calculado for inferior a σ ¯ . 5.7Kgf/m. 6. Desprezar a retirada de material causada pelo furo do rebite. 24cm4 . 6. 2U6”. Os ao colocados exatamente na linha que cruza o centro geom´etrico y1 do perfil U. Dados: H = 400mm.42). indica que foram selecionados 2 perfis U de 6” de altura e peso espec´ıfico de 35.44b). Indica-se o perfil selecionado fornecendo o n´ umero de perfis.4. Calcula-se a nova tens˜ao m´axima atrav´es de (6. como mostrado na Figura 6.1 Exerc´ıcios resolvidos Exerc´ıcio 6. aplicando o procedimento anterior. Dados geom´etricos do perfil U: distˆ ˜o y1 = 14. (a) . Ap´os selecionado o perfil. 35. a qual est´ a engastada numa extremidade e sujeita a uma for¸ca concentrada F = 120kN na outra extremidade.148). Sabe-se que o material dos rebites suporta uma tens˜ao m´axima de cisalhamento τmax = 35N/mm2 . pede-se qual o espa¸camento homogˆeneo Ld entre os rebites. Caso o perfil esteja na horizontal. seleciona-se na tabela aquele perfil cujo m´odulo de resistˆencia ´e maior ou igual a Wzp . 0mm.5 Uma viga foi constru´ıda a partir de duas chapas de dimens˜ ao H × t e de dois perfis U.44a). como mostrado na Figura 6. a viga permanece na fase el´astica. recalcula-se a viga incluindo o peso pr´ oprio como carregamento distribu´ıdo conforme ilustrado na Figura 6. A jun¸c˜ ao das pe¸cas ´e feita com rebites de diˆ ametro d = 10. Sob estas condi¸co ˜es. deve-se redimensionar a viga. Perfis Padronizados 6-59 4. Por exemplo. 4cm2 . A Figura 6. t = 15mm. o tipo. 5mm.43(b). Em geral. Observa-se que se o perfil estiver na vertical. ´ ancia da base at´e o centro geom´etrico da se¸ca area da ˜o transversal do perfil A = 35. a altura e o peso espec´ıfico.

5cm) (40cm)3 ) . %  2 & H Izz = 2 × IzzC + Izzu + Au − y1 ×2 2 onde IzzC = tH 3 /12 ´e o momento de in´ercia das chapas. 7854 = 2748.45: a) se¸c˜ao transversal.6. 9N mm2 1cm C´ alculo do momento de in´ercia total (Izz ) da se¸ca ˜o Figura 6.Ad = 35 0. Perfis Padronizados 6-60 Figura 6. respectivamente.45a) ilustra a se¸ca ˜o transversal da viga com as dimens˜ oes necess´ arias para o c´ alculo do momento de in´ercia da se¸c˜ ao. Logo. Izzu e Au representam.  2 N 10mm Fd = τmax .4. b) momento est´atico. Observa-se que. A Figura 6. b) viga.44: Quest˜ao 2: a) se¸c˜ao transversal. 7854cm2 = 3500 × 0. o momento de in´ercia e a ´ area da se¸ca ˜o obtidos de uma tabela de perfis U. (1.

55)2 Izz = 16000cm4 + 2x [83. * Izzτ = 2x + x2 83. 4cm2 (20cm − 1. 24cm4 + (35. 23] cm4 = 40528. 24cm4 + 35. . 45cm)2 12 ) * Izz = 2x8000cm4 + x2 83. 4) (18. 94cm4 Fluxo de cisalhamento (for¸ca por unidade de comprimento) atuando em um perfil U: Vy qc = − Qz (y) Izz onde Vy = F = 120KN = 120000N . 24 + 12181.

Perfis Padronizados 6-61 C´ alculo do momento est´ atico de ´ area Aqui testa-se o desbalanceamento de for¸ca normal atuando em uma sec¸ca ˜odo perfil U.6.45b). Portanto.     H Qz = ξdA(ξ) = ξdAu = − y1 Au A(y) Au 2   .4. como ilustrado na Figura 6.

A partir da´ı. 3 Izz 40528. deve-se verificar em que ponto da viga. a qual deve suportar uma for¸ca concentrada m´ axima P = 300kN .6 A Figura 6. em todo o perfil U F 120000N N qc = − . peso espec´ıfico 3 γ = 78kN/mm .46a) ilustra uma ponte rolante com um v˜ ao central L = 25m.47 ilustra alguns pontos de aplica¸c˜ ao de P e os respectivos diagramas da for¸ca cortante e momento fletor.Qz (y) = − 4 656. 67cm3 = 1944.0. Figura 6. Adota-se um coeficiente de seguran¸ca igual a 2. a carga P causa o maior momento fletor. 9N Fd = LD → LD = = N → LD = 2. sendo dado por. 94cm cm Metade deste fluxo deve ser suportado pelos rebites fixos em cada lado. Deseja-se dimensionar a viga cobrindo este v˜ ao segundo as m´ aximas tens˜oes normal e de cisalhamento. 45) 35.46b).46: a) ponte rolante. tens˜ ao de escoamento σe = 200N/mm2 . PL (300)(25) Mxmax (P ) = = = 1875kN m 4 4 . tens˜ ao de cisalhamento τ = 150N/mm2 . 3 cm  Exerc´ıcio 6. Dimensionamento ` a flex˜ao pura (tens˜ao normal) : inicialmente. b) se¸c˜ao transversal da viga central. Dados do material: m´ odulo de elasticidade E = 210kN/mm2 . 67cm3 2 Fluxo de cizalhamento. Deseja-se ainda dimensionar a solda das chapas de a¸co da se¸ca ˜o. 4cm2 = Qz = 656. tem-se que o maior momento fletor ocorre quando a for¸ca estiver aplicada no centro do v˜ ao. sendo constitu´ıda de chapas de a¸co de espessuras t1 = 25mm e t2 = 8mm. sendo a altura H1 ≤ 80cm. 828cm 2 qc 1944. A se¸ca ˜o transversal da viga est´ a ilustrada na Figura 6. A Figura 6. H Qz = − y1 Au = (20 − 1. Fazendo o balan¸co de for¸cas: qc 2FD 2 × 2748.

5b1 cm3 ymax 40 . σe σmax = = 100N/mm2 2 Logo. Tal procedimento ´e justific´ avel pois em geral para este tipo de perfil. a m´ axima tens˜ ao de flex˜ ao na viga ´e calculada como. os momentos de in´ercia das mesas correspondem a cerca de 80% a 90% do valor total. 1875kN m Wzmin = ⇒ Wzmin = 18750 × 103 mm3 100N/mm2 Na se¸ca˜o transversal da viga. como ilustrado na Figura 6. Perfis Padronizados 6-62 Figura 6. Izz 7500b1 Wzz = = = 187. 752 = 1502cm2 . 5b1 cm2 e y¯2 = 38. o m´ odulo de resistˆencia m´ınimo Wzmin ser´ a. A partir da´ı. Tomando-se os valores da tens˜ao de escoamento e do coeficiente de seguran¸ca dados.4. Mzmax Mzmax Mzmax σxxmax = ymax = ⇒ Wzmin = Izz Wzmin σxxmax onde Wzmin representa o m´ odulo de resistˆencia a ` flex˜ ao m´ınimo para que a viga permane¸ca na fase el´ astica. Como estimativa inicial. deve-se calcular o momento de in´ercia da se¸c˜ ao. Portanto. Assim.6. .47: Aplica¸ca˜o do carregamento em v´arios pontos e respectivos esfor¸cos. despreza-se as almas da se¸ca ˜o e calcula-se o momento de in´ercia em fun¸c˜ ao apenas das mesas. a m´axima tens˜ ao normal na viga ´e dada por. -  Izz = 2 Izz + y¯2 A onde. o qual pode ser calculado a partir de Wzmin . tem-se como inc´ ognita o valor de b1 .48a). area da se¸ca   b1 t31 Izz =2 + b1 t1 y¯2 → Izz = 7500b1 cm4 12 O m´ odulo de resistˆencia a ` flex˜ ao em fun¸ca ˜o de b1 ´e dado por. Para isso. a ´ ˜o ´e A = b1 t1= 2.

48b). Deve-se no entanto verificar o peso pr´ oprio. Para evitar este ˜o construtiva e portanto b1 = 50cm.49.4. basta somar os respectivos valores para se obter o momento m´ aximo. Como o problema ´e linear e para os dois carregamentos (carga P e peso oprio qpp ) os momentos m´ pr´ aximos est˜ ao na mesma se¸ca ˜o. 77 × 103 cm4 12 12 Por sua vez. Uma vez incoveniente. Mas. b1 H13 (b1 − 2t2 ) (H1 − 2t2 )3 IzzR = − = 431.6. o m´ odulo de resistˆencia a ` flex˜ ao real WzR ´e o seguinte. Dimensionamento incluindo o peso pr´ oprio : considera-se o peso pr´ oprio como uma carga unifor- mente distribu´ıda de intensidade qpp aplicada sobre cada viga como mostrado na Figura 6. 77 × 103 WzR = = = 10794cm3 ymax 40 Deve-se ent˜ ao verificar se este m´ odulo de resistˆencia para as duas vigas ´e superior ao valor m´ınimo determinado anteriormente. Wzmin = 18750cm3 = 187. b) perfil completo. IzzR 431. conforme mostrado na Figura 6. 1 P L qpp L2 Mzpp max = + 2 4 8 .48: Se¸co˜es transversais: a) estimativa inicial. Como cada viga est´a bi-apoiada. o momento fletor m´ aximo devido ao peso pr´ oprio ocorre em x = L/2 com valor igual a qpp L2 /8. pode-se calcular o momento de in´ercia real IzzR da se¸c˜ ao completa. c) perfil refor¸cado. incluindo as almas. a largura da viga ser´ a maior que a sua altura. Logo. Logo. Perfis Padronizados 6-63 Figura 6. WzR (2vigas) = (10794)(2) = 21588cm3 ≥ Wzmin = 18750cm3 concluindo-se que a se¸ca ˜o dimensionada permanece na fase el´ astica. 5b1 ⇒ b1 = 100cm Caso se adote este valor de b1 . considera-se duas vigas como solu¸ca fixado o valor de b1 .

Perfis Padronizados 6-64 Figura 6. Dado o peso espec´ıfico γ do material.4.49: Carregamento original e efeito do peso pr´oprio da viga.6. 9 × 103 Wzref = H = = 18750cm3 2 40 Analogamente. 45 × 103 N m. 1 P L qpp L2 Mzpp max = + = 11630N. 75N/mm2 > σmax = 100N/mm2 WzR 10794 Assim. pp Mzppmax 11630 σxx max = = = 107. por b1 H13 (b1 − 2t2 ) (H − 4t1 )3 Izzref = − = 749.cm 2 4 8 . Neste caso. obt´em-se o momento fletor Mzref max e a tens˜ ref ao σxx max de flex˜ ao m´ aximos em cada viga. Pp γV γAL qpp = = = → qpp = 2886N/m L L L O peso de uma viga ser´a qpp L = 72150N e o momento fletor m´ aximo igual a qpp L2 /8 = 255. ao se incluir o peso pr´ oprio. respectivamente. o volume ´e igual a ´ ao A = 370cm2 vezes o comprimento area da se¸c˜ L. Logo. Neste caso. Para contornar este problema. Dividindo-se por L. qppref = γAref = 4774N/m Ppref = qppref L = 119300N ≈ 120kN Da mesma maneira. tem-se os seguintes valores para a intensidade da carga distribu´ıda devido ao peso oprio qppref e ao pr´ pr´ oprio peso Ppref de uma viga. 9 × 103 cm4 12 12 Izzref 749. verifica-se que a tens˜ao excede o valor m´ aximo admiss´ıvel e a viga n˜ ao permanece mais na fase el´astica. o momento de in´ercia Izzref e o m´ odulo de resitˆencia a ao Wzref no perfil refor¸cado para uma viga ser˜ ` flex˜ ao dados. refor¸ca-se a se¸c˜ ao transversal como ilustrado na Figura 6.48c). para calcular o peso pr´ oprio Pp basta multiplicar γ pelo volume V da viga. o momento fletor m´aximo em cada viga ´e calculado como. Por sua vez. tem-se a intensidade da carga distribu´ıda devido ao peso pr´ oprio.cm 2 4 8 sendo a respectiva tens˜ ao normal m´ axima para uma viga igual a. 1 P L qppref L2 Mzref max = + = 131 × 106 N.

a Figura 6.48c). y2 . deve-se calcular o fluxo para as 3 alturas y1 . tem-se que a for¸ca na ponte P = 300kN ´e igualmente suportada por cada uma delas.50: For¸ca cortante m´axima na viga. Dimensionamento ao cisalhamento : a partir do valor da tens˜ ao de cisalhamento do material τ = 2 150N/mm e do coeficiente de seguran¸ca. o fluxo de cisalhamento numa altura y da se¸c˜ ao transversal ´e calculado como.50 mostra que o caso mais cr´ıtico em termos da cortante. tem-se que a tens˜ ao de cisalhamento m´ axima admiss´ıvel τmax ser´ a. Portanto. Deve-se. Assim. a for¸ca cortante m´axima Vymax em cada uma das vigas ser´ a 1 Vymax = Vy (P ) + Vy (qpp ) = (300 + 120) = 210kN 2 De forma geral. entretanto. Perfis Padronizados 6-65 ref Mzref σxx max = max = 6987N/cm2 < σmax = 100N/mm2 Wzref verificando-se neste caso que a tens˜ ao m´ axima na viga ´e inferior ao valor admiss´ıvel fornecido.6. ocorre quando este peso estiver concentrado nas extremidades da viga. aproximadamente igual a 120kN . Vy (x) qc (y) = − Qz (y) Izz (x) p Como ilustrado na Figura 6. Os respectivos momentos est´ aticos est˜ ao dados por. adota-se a se¸ca ˜o transversal ilustrada na Figura 6.51a).   2. Deve-se determinar a m´ axima for¸ca cortante na viga. 5 Qzp (y = y1 ) = y¯1 A1 = 40 − A1 = 4844cm3 2 Qzp (y = y2 ) = Qzp (y = y1 ) + y¯2 A2 = 9375cm3   H − 2t1 Qzp (y = y3 ) = Qzp (y = y2 ) + A3 y¯3 = Qzp (y = y2 ) + 2 (H − 2t1 ) t2 = 10360cm3 2 . Como a solu¸c˜ ao construtiva ´e constitu´ıda de duas vigas. y3 indicadas. 150 τmax = = 75N/mm2 2 Figura 6. Em rela¸ca˜o ao peso pr´oprio. verificar o dimensionamento ao cisalhamento.4.

Logo. .51: a) c´alculo dos momentos est´aticos. Perfis Padronizados 6-66 Figura 6.6. V (x) ao calculados como qc (y) = − Izzy (x) Qzp (y). os respectivos fluxos s˜ qc1 = 1356N/cm qc2 = 2625N/cm qc1 = 2900N/cm As respetivas tens˜ oes de cisalhamento s˜ ao obtidas como. A partir da´ı. b) distribui¸c˜ao das tens˜oes de cisalhamento.4.

τxy y2− = q c1 2 q c2 τxy (y1 ) = b1 = 0. 40N/mm2 . 27N/cm = 16.

Como os valores de tens˜ ao de cisalhamento s˜ ao inferiores ao valor admiss´ıvel τmax . Os respectivos fluxos de cisalhamento s˜ ao dados por. 9mm R2 = 2τmax = 0. q c1 q c2 R1 = 2τmax = 0. 09cm = 0.51b). Deseja-se determinar os valores de R1 e R2 . 2t2 q q c3 τxy y2+ = bc12 = 0. 75mm  . vem que.52 mostra o esquema de solda adotado na se¸ca ˜o transversal de cada viga. qc1 = τR1 (2R1 ) qc1 = τR2 (2R1 ) Figura 6. 52N/mm2 τxy (y3 ) = 2t2 = 18. Dimensionamento de solda : a Figura 6.52: Esquema da solda. 12N/mm2 estando ilustradas na Figura 6. 175cm = 1. verifica-se que a viga dimensionada n˜ ao falhar´ a por cisalhamento. oes τR1 e τR2 com a tens˜ Igualando as tens˜ ao de cisalhamento admiss´ıvel τmax .

2) Figura 7. M = RAy x 0≤x≤a M = RAy x − P1 (x − a) a≤x≤b (7. estando os apoios. 7-1 Cap´ıtulo 7 FUNC ˜ ¸ OES DE SINGULARIDADE Para tra¸car os diagramas de esfor¸cos solicitantes atrav´es das equa¸c˜oes diferenciais de equil´ıbrio.1: Viga submetida a for¸cas e momentos concentrados. considere a viga da Figura 7.1) M = RAy x − P1 (x − a) + Mb b≤x≤c M = RAy x − P1 (x − a) + Mb + P2 (x − c) c≤x≤L As express˜oes anteriores podem ser escritas numa u ´nica equa¸c˜ao como. assim como a presen¸ca de apoios em qualquer se¸c˜ao da viga e n˜ao apenas nas extremidades.1 submetida `a a¸ca˜o das for¸cas e momentos concentrados indicados. Verificam-se as seguintes express˜oes para o momento fletor ao longo das quatro se¸c˜oes distintas. M = R1 < x − 0 >1 −P1 < x − a >1 +Mb < x − b >0 +P2 < x − c >1 (7. As fun¸c˜oes de singularidade permitem o tratamento de carregamentos descont´ınuos. Os exemplos apresentados at´e agora consideram apenas carrega- mentos distribu´ıdos ao longo de toda a viga. Como exemplo. deve-se integrar a express˜ ao do carregamento. tais como for¸cas e momentos pontuais. . as cargas concentradas e os momentos puros aplicados nas extremidades da viga e tratados atrav´es das condi¸c˜oes de contorno.

neste caso. conforme ilustrado na Figura 7. ou seja.5) < x − a >n+1 n<0 Esta nota¸c˜ao permite representar uma for¸ca concentrada atrav´es de um termo < x − a >−1 e o momento puro como < x − a >−2 .7) 1 + e−nx onde n ´e um n´ umero inteiro. como. tem-se a seguinte regra para a integra¸c˜ao de < x − a >n . q(x) = −P1 < x − a >−1 +Mb < x − b >−2 +P2 < x − c >−1 (7. 7-2 Para isso. considere a fun¸c˜ao hn (x) na vari´ avel independente x dada por. Al´em disso. 1 1 n=1→ h1 (x) = n=5→ h5 (x) = 1 + e−x 1 + e−5x 1 1 n = 20 → h20 (x) = n = 100 → h100 (x) = 1 + e−20x 1 + e−100x . respectivamente para n > 0 e n = 0. a express˜ ao torna-se o binˆomio (x − a)n ou 1. Desta maneira. a integridade do carregamento da viga na Figura 7.  0 se 0 < x < a < x − a >n = n>0 (7. introduz-se a seguinte fun¸c˜ao simb´olica. Para demonstrar tal fato.2. tratadas como condi¸c˜oes de contorno. ´e nula at´e x atingir a. tem-se uma fun¸c˜ao distinta. Para cada valor de n.2: Nota¸c˜ao simb´olica para < x − a >n . Figura 7.   <x−a>n+1 n≥0 < x − a > dx = n n+1 (7. 1 hn (x) = (7. por exemplo.4) 1 se a < x < ∞ Observa-se que a express˜ao < x − a >n n˜ao existe.1 ´e expressa como.3) (x − a)n se a < x < ∞  0 se 0 < x < a <x−a >0 = (7.6) sendo as rea¸co˜es de apoio. Para x > a.

2 0. mostrada na Figura 7.9) n→∞ . Verifica-se que a express˜ao em (7. observa-se que hn (x) ´e uma fam´ılia com infinitas fun¸c˜oes definidas pelo parˆametro n. hn (x) = h(n.6 0.2 -4 -2 2 4 -4 -2 2 4 Figura 7.  1 se x > 0 H(x) = (7.6 0. n e x1 ou seja.4a). 7-3 1 1 0.a partir desta defini¸c˜ao e dos gr´aficos da Figura 7.4 0. estando alguns gr´aficos de hn (x) ilustrados Figura 7.7) possui os seguintes valores limites: 1 x → 0 ⇒ hn = x → ∞ ⇒ hn = 1 x → −∞ ⇒ hn = 0 2 A defini¸c˜ao original da fun¸c˜ao de Heaviside ou de passo unit´ ario H(x).3: Gr´aficos de hn (x) para n = 1.4 0.6 0. pode-se imaginar hn (x) como uma fun¸c˜ao de duas vari´aveis.4 0. ´e dada por.2 -4 -2 2 4 -4 -2 2 4 1 1 0. lim hn (x) = H (x) (7.3. 10. verifica-se que o limite das fun¸c˜oes hn (x) para x → ∞ ´e a fun¸ca˜o de Heaviside.8 0. Torna-se interessante analisar o comportamento da sequˆencia de fun¸c˜oes hn (x) obtidas ao se variar o parˆametro n. 5. x).4 0.8 0.8 0.2 0. ou seja. Logo.8) 0 se x < 0 Figura 7.4: Fun¸c˜ao de Heaviside: a) H(x).8 0. 20.6 0. Desta forma. b) H(x − a) Assim.3.

pode- se empregar a fam´ılia de fun¸c˜oes hn (x) e utiliz´a-las para definir o delta de Dirac como uma fun¸c˜ao generalizada. No entanto. Para isto considere a derivada da express˜ao (7.7).  0 se x = 0 δ(x) = (7.5: Delta de Dirac: a) δ(x).11) +∞ se x = 0 ou ainda. aproximam a defini¸ca˜o do delta de Dirac. 7-4 A partir da´ı. que as derivadas de hn (x). o termo < x − a >0 pode ser expresso como. sendo v´alida no sentido de fun¸c˜ao generalizada.14) n→∞ dx .12) +∞ se x = x0 A seguinte propriedade do delta de Dirac ´e v´alida. por exemplo. Tomando-se novamente a sequˆencia ou a fam´ılia de fun¸co˜es d1 hn (x) e variando-se o parˆametro n tem-se.10) Por sua vez.  0 se x = 0 δ(x − x0 ) = (7. a fun¸ca˜o delta de Dirac ´e definida usualmente como. dhn (x) n d1 hn (x) = = nx (7. a qual constitui-se numa extens˜ao da an´alise cl´assica de fun¸c˜oes. 1 5 n = 1 → d1 h1 (x) = n = 5 → d1 h5 (x) = 5x ex (1 + e−x )2 e (1 + e−5x )2 2 100 n = 20 → d1 h2 0(x) = e20x (1 + e−20x )2 n = 100 → d1 h100 (x) = 100x 0 e (1 + e−100x )2 A Figura 7. dhn (x) lim = δ (x) (7. Verifica-se.`a medida que n cresce.6 ilustra os gr´aficos das fun¸c˜oes d1 hn (x) para v´arios valores de n. Logo. ent˜ ao.  +∞ δ(x − x0 )f (x)dx = f (x0 ) −∞ Esta defini¸c˜ao de δ(x) n˜ao coincide com o conceito cl´asico e fun¸c˜ao. b) δ(x − xo ). < x − a >0 = H(x − a) = 1 para x > a (7.13) dx e (1 + e−nx )2 Figura 7.

15 0.4 0.4). a fam´ılia de fun¸c˜oes hn (x) ´e continuamente diferenci´avel.16) dx dx Logo. No entanto.2 1 0.5 3 1 2 0. pois     d d d d d d2 δ (x) = H(x) = lim hn (x) = lim hn (x) (7. observa-se que para x = a a express˜ao x−a assume o valor +∞. Para comprovar tal fato. da´ı. dhn (x) d d lim = lim hn (x) = H(x) = δ (x) (7.7.5 5 2 4 1.7). pois pela pr´opria defini¸c˜ao (7. tem-se uma singularidade neste ponto.8 0.17) dx2 enx (1 + e−nx )2 e2nx (1 + e−nx )3 d2 Novamente.10) e utilizando (7. ou seja. A medida que n cresce.15) vem que. Logo. 1 n Como < x − a >−n = (x − a)−n para x > a.1 pode ser escrita como.15) n→∞ dx dx n→∞ dx onde for poss´ıvel trocar a ordem do limite com a deriva¸ca˜o. d2 n2 2n2 hn (x) = − (7. ou seja. surgindo. estas fun¸co˜es aproximam a derivada do delta de Dirac. tem-se que o limite de hn (x) para n → ∞ ´e a fun¸ca˜o de Heaviside.5 1 -4 -2 2 4 -4 -2 2 4 Figura 7.05 0. d d < x − a >0 = H(x − a) = δ(x − a) =< x − a >−1 (7.18) dx dx dx dx dx n→∞ n→∞ dx2 . variando-se n tem-se a fam´ılia de fun¸c˜oes hn (x). considere a derivada segunda de hn (x). q(x) = P1 < x − a >−1 = P1 δ(x − a) = P1 Analogamente.2 0.6: Derivadas de hn (x) para v´ arios valores de n. a partir de (7. Derivando a express˜ ao (7.25 1.1 0. estando os gr´aficos para v´arios dx2 valores de n ilustrados na Figura 7.2 -4 -2 2 4 -4 -2 2 4 2. a denomina¸c˜ao de fun¸co˜es de singularidade. a intensidade do momento Mb ser´a dada por q(x) = Mb < x − b >−2 . 7-5 0.6 0. a intensidade da carga concentrada P1 da viga na Figura 7.

A partir de (7. 10. na express˜ao (7. 20. 1) • carregamento:  L L 0 0<x< q(x) = −q0 < x − >0 = 2 2 −q0 (x − L2 ) = −q0 x > L2 2) . d d2 d < x − a >−1 = 2 H(x − a) = δ(x − a) =< x − a >−2 dx dx dx Verifica-se que < x − a >−2 possui uma singularidade em x = a. como por exemplo.1. ou ainda a derivada primeira do delta de Dirac. Desta maneira. verifica-se que a derivada segunda da fun¸c˜ao de Heaviside.05 1 -4 -2 2 4 -4 -2 2 4 -1 -0.7. as fun¸co˜es de singularidade s˜ao empregadas para denotar a intensidade q(x) do carregamento ao longo da viga.1 10 40 5 20 -4 -2 2 4 -4 -2 2 4 -5 -20 -10 -40 d2 Figura 7.05 -2 -0.7: Gr´aficos de dx2 hn (x) para n = 1.6) para a viga da Figura 7.2 Exemplos A seguir apresentam-se as express˜oes da intensidade do carregamento para v´arios casos. 5.0.1 2 0. A partir de (7. tem-se que.16). aproxima o efeito de um momento concentrado em torno da origem. 7.17) e da Figura 7. 7-6 0.

3) • carregamento: L −1 L 3 3 q(x) = −F1 < x − > −M1 < x − >−2 +M2 < x − L >−2 −F2 < x − L >−1 4 2 4 4    q(x) = 0 0 < x < L4   −F (x − L )−1 L L q(x) = 1 4 4 <x< 2  −F1 (x − L −1 − M (x − L )−2 L 3   4) 1 2 2 < x < 4L  L −1 L −2 −F1 (x − 4 ) − M1 (x − 2 ) + M2 (x − 34 L)−2 − F2 (x − 34 L)−1 3 4L < x < L 4) . torna-se necess´ario somar o termo q0 < x − L2 >0 de tal forma que a resultante em termos da carga distribu´ıda seja nula no trecho L/2 < x < L. o termo q0 < x − o >0 implica que a carga distribu´ıda est´a presente ao longo de todo o comprimento da viga. Como q0 atua somente at´e x = L/2. 7-7 • carregamento:    −q0 0 < x < L2 L 3 q(x) = −q0 < x − 0 > +q0 < x − >0 −F < x − L >−1 = 0 0 L 3 2 < x < 4L 2 4   −F (x − L )−1 3 4 4L < x < L • neste caso.

Para isso. 2 7) . resultando ainda numa carga constante 2 2 1 a qual ´e anulada somando q0 < x − 3 L >. 7-8 • carregamento: q0 q0 x q(x) = − < x − 0 >1 = − (x − 0)1 = −q0 L L L 5) • carregamento:  q0 L 0 0 < x < L2 q(x) = − L < x − >1 = 2 2 − 2qL0 < x − L 2 >1 L 2 <x<L 6) • carregamento: q0 L q0 2 2 q(x) = − L < x − >1 + L < x − L >1 +q0 < x − L >0 3 3 3 3 3    0 0 < x < L3  q0 q(x) = − L (x − L3 ) L 2 3 < x < 3L   3  − qL0 (x − L )1 + qL0 (x − 2 L)1 + q0 (x − 2 L)0 2 3 3 3 3L <x<L 3 3 • novamente o termo −3 qL0 < x − L3 >1 implica que a carga distribu´ıda est´a presente no trecho q0 3 L < x < L. soma-se o termo 3 L < x − 3 L > .

a carga distribu´ıda desejada no trecho L3 < x < 23 L ´e dada pela soma de uma carga constante de intensidade −q0 < x − L3 >0 com o termo linear qL0 < x − L3 >1 . 8) • carregamento: L −1 L 3 3 q(x) = −F < x − > +q0 < x − >0 −F < x − L >−1 −q0 < x − L >0 4 4 4 4    0 0 < x < L4 q(x) = −F < x − L4 >−1 +q0 < x − L >0 L 3 4 < x < 4L   −F < x − L >−1 +q < x − 4 4 0 L 4 >0 −F < x − 2L 4 >−1 3 4L < x < L • observa-se que deve-se subtrair o termo q0 < x − 34 L >0 para que a intensidade da carga seja nula no trecho 34 L < x < L4 . No entanto. . 7-9 • carregamento: L 0 q0 L q0 2 q(x) = −q0 < x − > + L < x − >1 − 2 < x − L >1 3 3 3 3 L 3  L   0 0<x<  q0 3 q(x) = −q0 (x − L3 )0 + L (x − L3 )1 L 2 3 < x < 3L   3  −q0 + q0 (x − L3 )1 − q0 (x − 23 L)1 2 L L 3L < x < L 3 3 • neste exemplo. deve-se 3 q0 considerar ainda a subtra¸c˜ao da express˜ao 2 L < x − 23 L > para que a resultante no intervalo 3 2 3L < x < L seja nula.

7-10 9) • carregamento:  L 0 0 < x < L2 q(x) = −q0 < x − >0 = 2 −q0 L 2 <x<L 10) • carregamento:  L L 0 0 < x < L2 q(x) = −q0 < x − >0 +RBy < x − >−1 = 2 2 −q0 + RBy (x − L2 )−1 L 2 <x<L • condi¸ c˜ oes de contorno: Vy (x = L) = 0 Mz (x = 0) = 0 Mz (x = L) = 0 11) • carregamento: πx L 3 q(x) = −sen + RAy < x − >−1 +RBy < x − L >−1 L 4 4    −sen L πx 0 < x < L4 L −1 q(x) = −sen πx + RAy (x − 4) L 3 4 < x < 4L   L L −1 −sen πx L + RAy (x − 4) + RBy (x − 34 L)−1 3 4L < x < L .

3 Exerc´ıcios Resolvidos 1.8: Fun¸co˜es de singularidade: viga do exerc´ıcio 1. Tra¸car os diagramas de esfor¸cos solicitantes para a viga indicada na Figura 7.0. (a) Equa¸c˜ao do carregamento: q(x) = −q0 < x − L 2 >0 (b) Condi¸c˜oes de contorno: Vy (x = L) = 0 Mz (x = L) = 0 d2 M (c) Integra¸c˜ao da equa¸c˜ao diferencial: dx2 = −q0 < x − L 2 > 0 • 1a integra¸c˜ao dx = −q0 < x − 2 > +C1 (cortante): Vy = dM z L 1 • 2a integra¸c˜ao (momento fletor): Mz = − q20 < x − L2 >2 +C1 x + C2 (d) Determina¸c˜ao das constantes de integra¸c˜ao Vy (x = L) = −q0 (L − L2 ) + C1 = 0 → C1 = q0 L2 Mz (x = L) = − q20 (L − L2 )2 + q0 L2 L + C2 = 0 → C2 = − 38 q0 L2 (e) Equa¸co˜es finais • for¸ca cortante: Vy = −q0 < x − L2 >1 +q0 L2 • momento fletor: Mz = − q20 < x − L2 >2 +q0 L2 x − 38 q0 L2 (f) Diagramas da for¸ca cortante e momento fletor: para L = 2m e q0 = 50N tem-se os diagramas abaixo. 7-11 • condi¸ c˜ oes de contorno: Vy (x = 0) = 0 Mz (x = 0) = 0 Vy (x = L) = 0 Mz (x = L) = 0 7.8. Vy (x → 0+ ) = q0 L2 Mz (x → 0+ ) = − 38 q0 L2 − − 2 Vy (x → L2 ) = q0 L2 Mz (x → L2 ) = −q0 L8 + + 2 Vy (x → L2 ) = q0 L2 Mz (x → L2 ) = −q0 L8 Vy (x → L− ) = 0 Mz (x → L− ) = 0 . Figura 7.

Vy (x → 0+ ) = F2 Mz (x → 0+ ) = 0 − − Vy (x → L2 ) = F2 Mz (x → L2 ) = F L4 + Vy (x → L2 ) = − F2 Mz (x → L2 )+ = F L4 Vy (x → L− ) = − F2 Mz (x → L− ) = 0 .6 0. 7-12 70 20 Vy(x)[N] Mz(x)[N.8 1 1.6 1.m] 60 0 50 40 -20 30 -40 20 10 -60 0 -80 -10 -20 -100 0 0.8 2 0 0.4 1.4 0.6 1.9: Fun¸co˜es de singularidade: viga do exerc´ıcio 2. (a) Equa¸c˜ao do carregamento: q(x) = −F < x − L2 >−1 (b) Condi¸co˜es de contorno: Mz (x = 0) = 0 Mz (x = L) = 0 (c) Integra¸c˜ao da equa¸c˜ao diferencial: d2 M = −F < x − L −1 dx2 2 > • 1a integra¸c˜ao (cortante): Vy = dMz dx = −F < x − L2 >0 +C1 • 2a integra¸c˜ao (momento fletor): Mz = −F < x − L2 >1 +C1 x + C2 (d) Determina¸c˜ao das constantes de integra¸c˜ao Mz (x = 0) = −F (0) + C1 (0) + C2 = 0 → C2 = 0 Mz (x = L) = −F L2 + C1 L + 0 = 0 → C1 = F2 (e) Equa¸co˜es finais • for¸ca cortante: Vy = −F < x − L2 >0 + F2 • momento fletor: Mz = −F < x − L2 >1 + F2 x (f) Diagramas da for¸ca cortante e do momento fletor: para L = 2m e F = 50N tem-se os diagramas abaixo.2 0.8 2 x[m] x[m] 2.6 0. Figura 7. Tra¸car os diagramas de esfor¸cos solicitantes para a viga indicada na Figura 7.2 0.2 1.2 1.4 1.8 1 1.4 0.9.

Tra¸car os diagramas de esfor¸cos solicitantes para a viga indicada na Figura 7.4 1.10: Fun¸c˜oes de singularidade: viga do exerc´ıcio 3.6 0.4 1.8 2 x[m] x[m] 3.6 1.6 0. 7-13 Vy(x)[N] 35 30 Mz(x)[N.8 2 0 0.2 0.2 1.8 1 1.4 0.8 1 1.2 0. (a) Equa¸c˜ao do carregamento: q(x) = −F < x − L2 >−1 (b) Condi¸co˜es de contorno: Mz (x = 0) = M Mz (x = L) = −M (c) Integra¸c˜ao da equa¸c˜ao diferencial: d2 M = −F < x − L −1 dx2 2 > • 1a integra¸c˜ao (cortante): Vy = dMz dx = −F < x − L2 >0 +C1 • 2a integra¸c˜ao (momento fletor): Mz = −F < x − L2 >1 +C1 x + C2 (d) Determina¸c˜ao das constantes de integra¸c˜ao Mz (x = 0) = −F (0) + C1 (0) + C2 = M → C2 = M Mz (x = L) = −F L2 + C1 L + M = −M → C1 = 2M F L + 2 (e) Equa¸co˜es finais • for¸ca cortante: Vy = −F < x − L2 >0 2M F L + 2 • momento fletor: Mz = −F < x − 2 >1 +( L + F2 )x + M L 2M (f) Diagramas da for¸cacortante e do momento fletor: para L = 2m.6 1. Figura 7.m] 30 20 25 10 20 15 0 10 -10 5 -20 0 -5 -30 -10 0 0.2 1.10. Vy (x → 0+ ) = 2M F L + 2 Mz (x → 0+ ) = M − − Vy (x → L2 ) = − 2M F L + 2 Mz (x → L2 ) = F L4 + + Vy (x → L2 ) = − 2M L − 2 F Mz (x → L2 ) = F L4 − Vy (x → L ) = − L − 2 2M F Mz (x → L− ) = −M . F = 50N e M = 10N m tem-se os seguintes diagramas.4 0.

4 1.6 1.6 0.4 1.4 0. (a) Equa¸c˜ao do carregamento: q(x) = −q0 < x − 0 >0 +RBy < x − L 2 >−1 = −q0 + RBy < x − L 2 >−1 (b) Condi¸c˜oes de contorno: Vy (x = 0) = 0 Mz (x = 0) = 0 Mz (x = L) = 0 (c) Integra¸c˜ao da equa¸c˜ao diferencial: d2 M dx2 = −q0 + RBy < x − L 2 >−1 • 1a integra¸c˜ao (cortante): Vy = dM dx = −q0 < x − 0 > +RBy < x − 2 > +C1 z 1 L 0 • 2a integra¸c˜ao (momento fletor): Mz = − q20 < x − 0 >2 +RBy < x − L2 >1 +C1 x + C2 (d) Determina¸c˜ao das constantes de integra¸c˜ao Vy (x = 0) = 0 + 0 + C1 = 0 → C1 = 0 Mz (x = 0) = 0 + 0 + C2 = 0 → C2 = 0 2 Mz (x = L) = −q0 L2 + RBy L2 = 0 → RBy = q0 L (e) Equa¸c˜oes finais • for¸ca cortante: Vy = −q0 x + q0 L < x − L2 >0 • momento fletor: Mz = − q20 x2 + q0 L < x − L2 >1 .8 2 0 0.m] 20 25 20 10 15 0 10 -10 5 -20 0 -30 -5 -40 -10 -50 -15 0 0.8 1 1. Tra¸car os diagramas de esfor¸cos solicitantes para a viga indicada na Figura 7.2 0.2 1.11: Fun¸c˜oes de singularidade: viga do exerc´ıcio 4.8 1 1.11. 7-14 30 30 Vy(x)[N] Mz(x)[N.2 0.6 0.6 1.4 0.2 1.8 2 x[m] x[m] 4. Figura 7.

6 0.4 1.2 0. Tra¸car os diagramas de esfor¸cos solicitantes para a viga indicada na Figura 7. .12: Fun¸c˜oes de singularidade: viga do exerc´ıcio 5. tem-se os seguintes diagramas.2 1.4 1. Vy (x → 0+ ) = 0 Mz (x → 0+ ) = 0 − − 2 Vy (x → L2 ) = −q0 L2 Mz (x → L2 ) = −q0 L4 + + 2 Vy (x → L2 ) = q0 L2 Mz (x → L2 ) = −q0 L4 Vy (x → L− ) = 0 Mz (x → L− ) = 0 Vy(x)[N] 15 Mz(x)[N.2 1.4 0. tem-se C1 = 34 q0 L e C2 = −q0 L4 .8 1 1. (a) Equa¸c˜ao do carregamento: q(x) = −q0 < x − 0 >0 = −q0 (b) Condi¸c˜oes de contorno: Mz (x = L) = 0 L (c) Restri¸c˜ao adicional (r´otula): Mz (x = 2) = 0 2 (d) Integra¸c˜ao da equa¸ca˜o diferencial: ddxM2 = −q0 • 1a integra¸c˜ao (cortante): Vy = dM dx = −q0 x + C1 z • 2a integra¸c˜ao (momento fletor): Mz = − q20 x2 + C1 x + C2 (e) Determina¸c˜ao das constantes de integra¸c˜ao 2 Mz (x = L) = −q0 L2 + C1 L + C2 = 0 → 2C1 L + 2C2 = q0 L2 2 Mz (x = L 2) = −q0 L8 + C1 L2 + C2 = 0 → 4C1 L + 8C2 = q0 L2 2 Resolvendo o sistema com as duas equa¸c˜oes anteriores.12. 7-15 (f) Diagramas da for¸ca cortante e do momento fletor: para L = 2m e q0 = 50N .4 0.8 2 x[m] x[m] 5.8 2 0 0.m] 60 10 40 5 0 20 -5 0 -10 -15 -20 -20 -40 -25 -30 -60 -35 0 0.6 0.2 0. Figura 7.6 1.6 1.8 1 1.

13: Fun¸c˜oes de singularidade: viga do exerc´ıcio 6.8 1 1.13.m] 80 20 60 10 0 40 -10 20 -20 -30 0 -40 -20 -50 -40 -60 0 0.2 1. tem-se os diagramas.8 2 0 0.2 1.4 1.8 2 x[m] x[m] 6.2 0. 7-16 (f) Equa¸c˜oes finais • for¸ca cortante: Vy = −q0 < x − 0 >1 + 34 q0 L 2 • momento fletor: Mz = − q20 < x − 0 >2 + 34 q0 Lx − q0 L4 (g) Diagramas da for¸ca cortante e momento fletor: para L = 2m e q0 = 50N . 2 Vy (x → 0+ ) = 34 q0 L Mz (x → 0+ ) = −q0 L4 − − Vy (x → L2 ) = q0 L4 Mz (x → L2 ) = 0 + + Vy (x → L2 ) = q0 L4 Mz (x → L2 ) = 0 Vy (x → L− ) = −q0 L4 Mz (x → L− ) = 0 Vy(x)[N] Mz(x)[N.6 1. Figura 7.4 0.6 0. Tra¸car os diagramas de esfor¸cos solicitantes para a viga indicada na Figura 7. (a) Equa¸c˜ao do carregamento: q(x) = −q0 < x − 0 >0 +RAy < x − L 4 >−1 +RBy < x − 34 L >−1 (b) Condi¸c˜oes de contorno: Mz (x = 0) = 0 Vy (x = 0) = −F Mz (x = L) = 0 Vy (x = L) = F (c) Integra¸c˜ao da equa¸ca˜o diferencial: d2 M dx2 = −q0 < x − 0 >0 +RAy < x − L 4 >−1 +RBy < x − 34 L >−1 • 1a integra¸c˜ao: cortante Vy = dM dx = −q0 x + RAy < x − 4 > +RBy < x − 4 L > +C1 z L 0 3 0 q0 2 • 2 integra¸c˜ao: momento fletor Mz = − 2 x + RAy < x − 4 > +RBy < x − 34 L >1 a L 1 +C1 x + C2 .8 1 1.6 0.4 0.2 0.6 1.4 1.

8 2 0 0. tem-se neste ponto um valor m´aximo no diagrama de momento fletor. tem-se os seguintes diagramas.8 1 1.2 1.2 0.8 1 1.6 0. 7.6 0.2 0. 7-17 (d) Determina¸c˜ao das constantes de integra¸c˜ao Vy (x = 0) = −q0 (0) + RAy (0) + RBy (0) + C1 = −F → C1 = −F Mz (x = 0) = − q20 (0) + RAy (0) + RBy (0) + C1 (0) + C2 = 0 → C2 = 0 Vy (x = L) = −q0 L + RAy + RBy − F = F → RAy + RBy = 2F + q0 L 2 Mz (x = L) = −q0 L2 + 34 LRAy + L4 RBy − F L = 0 → 3RAy + RBy = 4F + 2q0 L Resolvendo o sistema definido pelas duas u´ltimas equa¸c˜oes. (a) Equa¸c˜ao do carregamento: p(x) = −p0 < x − 0 >0 −F1 < x − L 3 >−1 +F2 < x − 23 L >−1 (b) Condi¸c˜ao de contorno: Nx (x = L) = 0 .4 1.6 1.m] 0 50 -10 0 -20 -50 -30 -40 -100 0 0. Tra¸car o diagrama da for¸ca normal para a barra indicada na Figura 7.14. Vy (x → 0+ ) = −F Mz (x → 0+ ) = 0 − − 2 Vy (x → L4 ) = −F Mz (x → L4 ) = −q0 L32 − F L4 + + 2 Vy (x → L4 ) = q0 L4 Mz (x → L4 ) = −q0 L32 − F L4 Vy (x → L2 ) = 0 Mz (x → L2 ) = −f L4 Vy (x → 34 L− ) = −q0 L4 Mz (x → 34 L− ) = −q0 L32 − F L4 2 Mz (x → 34 L− ) = −q0 L32 − F L4 2 Vy (x → 34 L+ ) = −q0 L4 + F Vy (x → L− ) = F Mz (x → L− ) = 0 100 10 Vy(x)[N] Mz(x)[N.2 1. obtem-se RAy = RBy = q0 L2 + F. (e) Equa¸co˜es finais • for¸ca cortante: Vy = −q0x + RAy < x − L4 >0 +RBy < x − 34 L >0 −F • momento fletor: Mz = − q20 x2 + RAy < x − L4 >1 +RBy < x − 34 L >1 −F x (f) Diagramas da for¸ca cortante e do momento fletor: para L = 2m.8 2 x[m] x[m] L Observa-se que como a cortante anula-se em x = 2. F = 50N e q0 = 50N .6 1.4 1.4 0.4 0.

7-18

Figura 7.14: Fun¸c˜oes de singularidade: barra do exerc´ıcio 7.

(c) Integra¸c˜ao da equa¸c˜ao diferencial
dx = −p(x) → Nx = −p0 < x − 0 > −F1 < x − >0 +F2 < x − 23 L >0 +C1
dNx 1 L
3
(d) Determina¸c˜ao da constante de integra¸c˜ao
x = L → Nx = p0 L − F1 − F2 + C1 = 0 → C1 = F1 + F2 − p0 L
(e) Equa¸ca˜o final
Nx = −p0 < x − 0 >1 −F1 < x − L
3 >0 +F2 < x − 23 L >0 +F1 + F2 − p0 L
(f) Diagrama da for¸ca normal: para L = 3m, F1 = 150N , F2 = 100N e p0 = 40N , tem-se o
seguinte diagrama.

Nx (x → 0+ ) = F1 + F2 − p0 L Nx (x → L3 ) = F1 + F2 − 23 p0 L
+
Nx (x → L3 ) = F2 − 23 p0 L Nx (x → 23 L− ) = F2 − 13 p0 L
Nx (x → 23 L+ ) = − 13 p0 L Nx (x → L− ) = 0

200
Nx(x)[N.m]

150

100

50

0

-50
0 0.5 1 1.5 2 2.5 3
x[m]

8. Tra¸car o diagrama do momento tor¸cor para a viga indicada na Figura 7.15.

(a) Equa¸c˜ao do carregamento: t(x) = −t0 < x − L
2 >0 +T1 < x − L
2 >−1
(b) Condi¸c˜ao de contorno: Mx (x = L) = T2

7-19

Figura 7.15: Fun¸c˜oes de singularidade: viga do exerc´ıcio 8.

(c) Integra¸c˜ao da equa¸c˜ao diferencial
dx = −t(x) → Mx = t0 < x − 2 > −T1 < x −
dMx L 1 L
2 >0 +C1
(d) Determina¸c˜ao da constante de integra¸c˜ao
x = L → Mx = t0 L2 − T1 + C1 = T2 → C1 = T2 + T1 − t0 L2
(e) Equa¸ca˜o final
Mx = t0 < x − L
2 >1 −T1 < x − L
2 >0 +T2 + T1 − t0 L2
(f) Diagrama do momento tor¸cor: para L = 2m, T1 = 10N m, T2 = 30N m e t0 = 20N m tem-se o
seguinte diagrama.

Mx (x → 0+ ) = 0 Mx (x → L2 ) = T2 + T1 − t0 L2
+
Mx (x → L2 ) = T2 − t0 L2 Mx (x → L− ) = T2

Mx(x)[N.m]
40

30

20

10

0

-10

0 0.2 0.4 0.6 0.8 1 1.2 1.4 1.6 1.8 2

x[m]

8-1

Cap´ıtulo 8

´
SOLIDOS

8.1 Introdu¸c˜
ao
O prop´osito deste texto ´e a apresenta¸c˜ao de uma metodologia para o tratamento e an´alise de tens˜ oes e
deforma¸c˜oes em corpos s´olidos. Inicialmente ser´a descrita a cinem´atica do problema, pemitindo estabele-
cer o conceito geral de deforma¸c˜ao. Atrav´es do conceito de Trabalho Interno e da aplica¸c˜ao do Princ´ıpio
dos Trabalhos Virtuais ser˜ao deduzidas as equa¸c˜oes diferenciais para o equil´ıbrio tridimensional, ap´ os a
introdu¸c˜ao do conceito de tens˜ao. Finalmente ser˜ao deduzidas as equa¸c˜oes de Navier, atrav´es das apli-
ca¸c˜ao do modelo consitutivo (rela¸c˜oes entre tens˜ao e deforma¸c˜oes em fun¸c˜ao do tipo de material), nesse
caso a lei de Hooke, para materiais el´asticos, homogˆeneos e isotr´ opicos. A fim de permitir uma nota¸ca˜o
mais compacta e generalizada para a formula¸c˜ao dos modelos, as equa¸c˜oes ser˜ao reescritas utilizando o
conceito matem´atico de tensores, seguindo-se os mesmos passos descritos anteriormente.
Com o intuito de exemplificar e aplicar os resultados obtidos com a formula¸ca˜o geral para a an´alise
de tens˜oes e deforma¸c˜oes em s´olidos tridimensionais, ser˜ao formulados os modelos unidimensionais de
problemas de barra, viga e tor¸c˜ao, deduzidos do modelo mais geral, levando-se em conta as hip´oteses
cinem´aticas simplificadoras para cada caso.
A formula¸c˜ao apresentada ser´a baseada na mecˆ anica dos meios cont´ınuos que ´e o ramo da mecˆanica
que trata do estudo de tens˜oes em s´olidos, l´ıquidos e gases, bem como a deforma¸c˜ao e o fluxo desses
materiais. O termo cont´ınuo aqui utilizado significa que s˜ao desconsiderados os efeitos decorrentes da
estrutura molecular da mat´eria, imaginando-a como sendo isenta de vazios e descontinuidades. Do ponto
de vista matem´ atico isso implica em dizer que as fun¸c˜oes empregadas no modelamento devem ser suaves
e possuir derivadas cont´ınuas em todo o dom´ınio analizado.
O conceito de cont´ınuo permite o uso de artif´ıcios matem´aticos do c´alculo diferencial, possibilitando o
estudo de distribui¸c˜oes complexas e n˜ao uniformes de tens˜ ao e deforma¸c˜ao dos corpos e, ao mesmo tempo,
definir modelos f´ısicos considerados aceit´aveis na descri¸c˜ao do comportamento mat´eria como um todo.
Esta metodologia permite que ramos da mecˆanica como elasticidade, plasticidade e mecˆanica dos fuidos
estable¸cam previs˜oes quantitativas bastante razo´aveis para uma larga faixa de problemas de an´ alise de
tens˜oes, deforma¸c˜oes e fluxo material no campo da engenharia.
Considerando-se que atualmente o uso de ferramentas computacionais ´e uma realidade cada vez mais
presente no cotidiano da engenharia, para a solu¸c˜ao de problemas envolvendo grande complexidade, como
a solu¸c˜ao anal´ıtica de equa¸c˜oes diferenciais, ser´a apresentada ao final uma proposta de aproxima¸ca˜o da
solu¸c˜ao das equa¸c˜oes de equil´ıbrio, permitindo o uso de ferramentas num´ericas, como o j´a consagrado
M´etodo dos Elementos Finitos (MEF), entre outros. De forma simplificada, o m´etodo utilizado consiste
em, partindo-se da forma forte das equa¸c˜oes diferenciais, atrav´es da integra¸c˜ao por partes deve-se obter
uma forma fraca para o modelo, ou seja, a redu¸c˜ao da ordem de diferenciabilidade das fun¸c˜oes inc´ognitas
para o problema, permitindo a obten¸c˜ao de uma solu¸c˜ao aproximada, atrav´es de modelos discretos, mais

8.2. Defini¸
ca
˜o da Cinem´
atica 8-2

f´aceis de serem implementados computacionalmente.

8.2 Defini¸c˜
ao da Cinem´
atica
Considere um corpo tridimensional B e um sistema de referˆencia cartesiano ilustrados na Figura 8.1. Seja
P1 um ponto qualquer do corpo B com coordenadas (x, y, z) segundo o sistema de referˆencia adotado,
denotando-se P1 (x, y, z). Sendo {ex , ey , ez } uma base ortonormal do sistema de referˆencia, o vetor posi¸c˜ao
rP1 do ponto P1 ´e definido como

rP1 = xex + yey + zez .

Suponha agora que o corpo B sofra um deslocamento. Neste caso, o ponto P1 assume a posi¸c˜ao final
P1 (x , y  , z  ) e o respectivo vetor posi¸c˜ao ´e dado por

rP1 = x ex + y ey + z ez .

Figura 8.1: Cinem´atica de um Corpo S´olido

Define-se o vetor deslocamento u do ponto P1 como a diferen¸ca entre as suas posi¸c˜oes final (x , y  , z  )
e inicial (x, y, z), ou seja,

u = rP1 − rP1 = (x − x)ex + (y − y)ey + (z − z)ez . (8.1)

Observa-se que u = (x − x), v = (y  − y) e w = (z  − z) s˜ao, respectivamente, as componentes do vetor
deslocamento u nas dire¸co˜es x, y e z. Logo, a express˜
ao anterior pode ser reescrita como

u = uex + vey + wez , (8.2)

ou em forma matricial,
 

 u 

u= v . (8.3)

 w 

otese de meio cont´ınuo, o corpo B possui infinitos pontos. Cada um destes pontos
Devido a hip´
apresenta um vetor deslocamento u quando o corpo se move. Logo, a cinem´atica de um corpo s´olido

8.3. Deforma¸
ca
˜o 8-3

´e descrita por infinitos vetores deslocamentos iguais ao vetor (8.3). Estes infinitos vetores definem um
campo vetorial de deslocamento u(x, y, z). Assim, ao se substituir as coordenadas (x, y, z) de um ponto
arbitr´ario P1 , u(x, y, z) fornece o respectivo vetor de deslocamentos u do ponto de acordo com (8.3).
Assim, a cinem´atica de um corpo s´olido ´e dada pelo campo vetorial de deslocamentos
 

 u(x, y, z) 

u(x, y, z)= u(x, y, z)ex + v(x, y, z)ey + w(x, y, z)ez = v(x, y, z) . (8.4)

 w(x, y, z) 

8.3 Deforma¸c˜
ao
Deseja-se agora caracterizar a varia¸c˜ao de distˆancia entre dois pontos arbitr´arios do corpo s´olido antes e
depois da a¸c˜ao de deslocamento. Isto permitir´a definir o que se entende por deforma¸c˜ao do corpo s´olido.
Considere os pontos arbitr´arios P1 (x, y, z) e P2 (x + ∆x, y + ∆y, z + ∆z) ilustrados na Figura 8.2 e seus
respectivos vetores posi¸ca˜o

rP1 = xex + yey + zez (8.5)

e

rP2 = (x + ∆x)ex + (y + ∆y)ey + (z + ∆z)ez .

De acordo com a Figura 8.2, a distˆancia d entre os pontos P1 e P2 ´e dada pela diferen¸ca entre o seus
vetores posi¸c˜ao, ou seja,

d = rP2 − rP1 = ∆xex + ∆yey + ∆zez .

Ap´os a a¸c˜ao de deslocamento do corpo de acordo com a cinem´atica (8.4), os pontos P1 e P2 assumem,
respectivamente, as posi¸c˜oes finais P1 (x , y  , z  ) e P2 (x + ∆x , y  + ∆y  , z  + ∆z  ) com os seguintes vetores
posi¸c˜ao

rP1 = x ex + y ey + z ez (8.6)

e

rP2 = (x + ∆x )ex + (y + ∆y )ey + (z + ∆z )ez . (8.7)

Portanto, a distˆancia d entre os pontos P1 e P2 ap´os o deslocamento do corpo ´e dada por

d = rP2 − rP1 = ∆x ex + ∆y ey + ∆z ez .

A partir da Figura 8.2 e adotando procedimento an´alogo ao utilizado na obten¸c˜ao da equa¸c˜ao (8.4),
tem-se que os vetores deslocamento dos pontos P1 e P2 entre as configura¸co˜es inicial e final s˜ao dados,
respectivamente, por

u(x) = rP1 − rP1 = u(x)ex + v(x)ey + w(x)ez ,
u(x ) = rP2 − rP2 = u(x )ex + v(x )ey + w(x )ez ,

sendo x = (x, y, z) e x = (x + d) = (x + ∆x, y + ∆y, z + ∆z).

8.3. Deforma¸
ca
˜o 8-4

Figura 8.2: Deforma¸c˜ao de um Corpo S´
olido

A partir destas express˜oes, pode-se escrever os vetores posi¸c˜ao dos pontos P1 e P2 em fun¸c˜ao de seus
vetores deslocamento, ou seja,

rP1 = rP1 + u(x)
= [x + u(x)] ex + [y + v(x)] ey + [z + w(x)] ez ,
rP2 = rP2 + u(x )
! " ! " ! "
= x + ∆x + u(x ) ex + y + ∆y + v(x ) ey + z + ∆z + w(x ) ez .

Portanto, expressa-se d como

d = rP2 − rP1 = (∆x + ∆u)ex + (∆y + ∆v)ey + (∆z + ∆w)ez , (8.8)

sendo a diferen¸ca dos deslocamentos entre os pontos P1 e P2 nas dire¸c˜oes x, y e z dados por

∆u = u(x ) − u(x) = u(x + ∆x, y + ∆y, z + ∆z) − u(x, y, z),
∆v = v(x ) − v(x) = v(x + ∆x, y + ∆y, z + ∆z) − v(x, y, z),
∆w = w(x ) − w(x) = w(x + ∆x, y + ∆y, z + ∆z) − w(x, y, z).

Finalmente, a varia¸c˜ao de distˆancia ∆d ´e dada por

∆d = d − d =∆uex + ∆vey + ∆wez . (8.9)

Considere-se agora os elementos tridimensionais ilustrados na Figura 8.3 cujas diagonais s˜ao dadas,
respectivamente, por d e d . O elemento n˜ao-deformado ´e um cubo de dimens˜oes ∆x, ∆y e ∆z e suas
arestas s˜ao linhas retas formando ˆangulos retos entre si. Ap´os o deslocamento, este cubo se deforma
para uma nova configura¸c˜ao entre os pontos P1 e P2 com dimens˜ oes ∆x , ∆y  e ∆z. As arestas se
alongam e os ˆangulos entre as arestas deixam de ser retos apresentando distor¸c˜oes. Deseja-se caracterizar
estes alongamentos e distor¸c˜oes definindo a deforma¸ca˜o em cada ponto do corpo s´ olido. Para facilitar a
apresenta¸c˜ao, consideram-se os planos xy, xz e yz individualmente.
As Figuras 8.4a e 8.4b ilustram as proje¸c˜oes dos elementos n˜ao-deformado e deformado no plano xy
com os respectivos deslocamentos u e v dos pontos P1 e P2 e as distor¸c˜oes γ1 e γ2 . Analisa-se inicialmente
apenas o caso em que ocorre somente alongamentos do elemento nas dire¸c˜oes x e y, conforme ilustrado

8.3. Deforma¸
ca
˜o 8-5

(a) Forma Inicial (b) Forma Deformado

Figura 8.3: Elementos Diferenciais

na Figura 8.4a. O alongamento na dire¸c˜ao x ser´a dado pela varia¸c˜ao de comprimento ∆x − ∆x dividido
pelo comprimento inicial ∆x, ou seja,
∆x − ∆x
.
∆x
Por sua vez, a partir da Figura 8.4a, tem-se que ∆x = ∆x + ∆u. Logo,
∆x − ∆x ∆x + ∆u − ∆x ∆u
= = . (8.10)
∆x ∆x ∆x
Fazendo ∆x pequeno, tem-se que o ponto P1 se aproxima de P2 e define-se a deforma¸c˜ao espec´ıfica
longitudinal do ponto P1 na dire¸c˜ao x como o limite para ∆x tendendo a zero, ou seja,
∆u u(x + ∆x, y + ∆y, z + ∆z) − u(x, y, z)
εxx (x, y, z) = lim = lim . (8.11)
∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x
O limite anterior ´e a pr´opria defini¸c˜ao de derivada parcial pois o deslocamento u depende das coordenadas
(x, y, z) de cada ponto. Portanto,
∂u(x, y, z)
εxx (x, y, z) = . (8.12)
∂x
Este mesmo procedimento pode ser repetido para se obter a deforma¸c˜ao espec´ıfica longitudinal de P1
na dire¸c˜ao y, ou seja,
∆v v(x + ∆x, y + ∆y, z + ∆z) − v(x, y, z)
εyy (x, y, z) = lim = lim . (8.13)
∆y→0 ∆x ∆y→0 ∆y
Portanto,
∂v(x, y, z)
εyy (x, y, z) = . (8.14)
∂y
De maneira an´aloga, conforme a Figura 8.4c, analisando somente a dire¸c˜ao para a y onde ocorre
apenas uma distor¸c˜ao γ1 , a seguinte rela¸c˜ao trigonom´etrica ´e v´alida
∆v
tan γ1 = . (8.15)
∆x
Tomando-se ∆x pequeno, tem-se que a tangente de γ1 ´e aproximadamente igual a γ1 , ou seja, tan γ1 ≈ γ1 .
Logo, a seguinte rela¸c˜ao ´e v´alida
∆v v(x + ∆x, y + ∆y, z + ∆z) − v(x, y, z) ∂v(x, y, z)
γ1 = lim = lim = . (8.16)
∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x ∂x

(8. z) no plano xz ∂u(x. y. tem-se que tan γ2 ≈ γ2 e portanto ∆u u(x + ∆x. efetua-se o mesmo procedimento anterior. z) = γ1 + γ2 = + . y. y. ∂v(x.4d. y. y + ∆y. z) εzz (x. determinando-se a deforma¸c˜ao espec´ıfica longitudinal do ponto P1 na dire¸c˜ao z como ∂w(x. y. ou seja. z) = (8.8. y. ´e dada pela soma de γ1 e γ2 . z) = γ3 + γ4 = + . z) γ¯xy (x. y. y. z) ∂u(x. denotada como γ¯xy (x. z) γ¯xz (x.4: Deforma¸c˜oes no plano xy Considerando agora apenas uma distor¸c˜ao γ2 .3. ∆y Tomando-se agora ∆y pequeno. y. y. z) γ2 = lim = lim = .20) ∂z ∂x .19) ∂z e a distor¸c˜ao γ¯xz (x. z).17) ∆y→0 ∆y ∆y→0 ∆y ∂y A distor¸c˜ao total no plano xy. z + ∆z) − u(x. ∆u tan γ2 = . nesse caso. Deforma¸ ca ˜o 8-6 (a) (b) (c) (d) Figura 8. y. z) ∂u(x. (8. z) ∂w(x. y.18) ∂x ∂y Analogamente para o plano xz com os respectivos deslocamentos u e w dos pontos P1 e P2 e as distor¸co˜es γ3 e γ4 . conforme Figura 8. (8.

de tal forma que pode-se falar do estado de deforma¸c˜ao em P1 . as distor¸c˜oes γ¯xy . Assim. tem-se que o estado de deforma¸c˜ao em cada ponto de um corpo s´ olido ´e caracterizado por 6 componentes de deforma¸c˜ao. z) γ¯yz (x. (8. z) = γ5 + γ6 = + . y. z)   ε (x.4. y. z)   0 0       ∂y    εyy (x. A distˆancia d entre estes pontos pode ser feita t˜ao pequena quanto se queira. 8. as quais estabelecem uma rela¸c˜ao de varia¸c˜ao espec´ıfica das componentes de deslocamento ao longo de uma determinada dire¸c˜ao.2. y. y. est´a totalmente baseada na id´eia de diferencial. y. Define-se corpo r´ıgido como aquele em que a distˆancia entre dois pontos quaisquer permanece constante para qualquer a¸c˜ao de movimento. εyy e εzz s˜ao quantidades adimensionais. z)    ∂y ∂x        γ¯yz (x.2 s˜ao iguais ent˜ao o corpo s´olido sofreu um deslocamento r´ıgido. z) dada por ∂v(x. y. deve-se ressaltar que a dedu¸c˜ao anterior. y. z)  ∂ ∂   0   ∂z ∂x   ∂ ∂  0 ∂z ∂y ou ainda {ε} = [L]{u}. comparou-se a cinem´atica relativa de dois pontos arbitr´arios P1 e P2 do corpo s´olido. Movimento de Corpo R´ Igido 8-7 Finalmente. Por sua vez. z) .4 Movimento de Corpo R´ıgido Se as normas dos vetores d e d ilustrados na Figura 8.22)   γ¯xy (x. y. z) ∂w(x. y. sendo [L] um operador diferencial. y. A partir da Figura 8. z)    γ¯xz (x. tem-se a distor¸c˜ao γ¯yz (x. z)           ∂   u(x. Observa-se que as componentes de deforma¸c˜ao espec´ıficas εxx . y. Isto implica que todas as componentes de . tomando-se o plano yz. assim como a Mecˆ anica do Cont´ınuo. z)   0 0   zz  ∂z  = ∂ ∂  v(x. y. (8. z)           0   w(x.8. Finalmente.21) ∂z ∂y As componentes de deforma¸ca˜o anteriores podem se reorganizadas numa forma matricial da seguinte maneira   ∂  0 0   ∂x     ∂   εxx (x. γ¯xz e γ¯yz representam deforma¸co˜es angulares e s˜ao dadas em radianos. y.

ent˜ao tem-se apenas uma transla¸ca˜o r´ıgida. O trabalho interno associa `as deforma¸c˜oes um conjunto de esfor¸cos internos compat´ıveis com as pr´oprias componentes de deforma¸c˜ao e com a cinem´atica do problema. (8.8.25)   w    (xθ − yθ )   0 y x sendo u0 . o vetor deslocamento ´e dado por   ex ey ez   u(x. y e z respectivamente. tem-se as respectivas tens˜oes normais σxx .23)   ∂v ∂u   γ¯xy = + =0   ∂x ∂y     ∂u ∂w   γ¯xz = + =0   ∂z ∂x   ∂v ∂w   γ¯yz = + =0 ∂z ∂y Se a cinem´atica u = {u v w}T ´e tal que as componentes de deslocamento u. θy e θz constantes para todos os pontos do corpo B. Entretanto. v0 .24) sendo (θy z − θz y) = u. z). v e w s˜ao constantes para todos os pontos de B. tem-se as respectivas componentes de tens˜ao cisalhante τxy . y. 1 O termo (x. Da mesma maneira. Novamente. deforma¸c˜ao em cada ponto do corpo s˜   ∂u   εxx = =0   ∂x     ∂v   εyy = =0   ∂y     ∂w  εzz = =0 ∂z . associadas `as distor¸c˜oes γ¯xy . Dessa forma.5. τxz e τyz . (8. . as condi¸c˜oes anteriores s˜ao satisfeitas. w0 . γ¯xz e γ¯yz . θx . Trabalho Interno 8-8 ao nulas. o deslocamento anterior implica que as componentes de deforma¸ca˜o sejam nulas. O trabalho interno para um elemento diferencial de volume dV do corpo s´olido ´e dado por dTı = − [σxx εxx + σyy εyy + σzz εzz + τxy γ¯xy + τxz γ¯xz + τyz γ¯yz ] . Assim. (8. Nesse caso. σyy e σzz . (θz x − θx z) = v e (θx y − θy z) = w. θy e θz constantes em torno dos eixos x. um deslocamento r´ıgido geral ´e dado pela soma de uma transla¸ca˜o e uma rota¸ca˜o r´ıgida da seguinte forma       u0     (yθz − zθy )   u = u0 + r × θ = v 0 + (zθx − xθ ) z . Se agora o corpo apresenta rota¸c˜oes θx . z) = r × θ = det  x y z  θx θy θz = (yθz − zθy )ex + (zθx − xθz )ey + (xθy − yθx )ez . εyy e εzz em cada ponto do corpo. associado a`s componentes de deforma¸c˜ao normal εxx . y. ou seja1 .5 Trabalho Interno No caso de corpos deform´aveis. 8. emprega-se o conceito de trabalho interno para se determinar os esfor¸cos internos associados `as deforma¸c˜oes decorrentes das a¸c˜oes cinem´ aticas impostas ao corpo. z)ser´a suprimido das express˜ oes apenas com o objetivo de simplificar a nota¸ca ˜o. y. deve-se lembrar que tanto as componentes de deforma¸c˜ ao quanto as componentes de deslocamento representam fun¸c˜oes cont´ınuas das vari´ aveis (x.

y e z. y. deve existir uma fun¸ca˜o cont´ınua σxx . ver Figura 8. (8. (8.(8. (8. Em geral. atrav´es da integral de volume  Tı = − [σxx εxx + σyy εyy + σzz εzz + τxy γ¯xy + τxz γ¯xz + τyz γ¯yz ] dV . ou seja. Trabalho Interno 8-9 O sinal − ´e introduzido apenas por conveniˆencia quando da aplica¸c˜ao do Princ´ıpio dos Trabalhos Virtuais. O trabalho interno total ´e obtido atrav´es da soma do trabalho de cada elemento diferencial.30)   V ∂y V ∂y S     ∂g ∂f  f dV = − gdV + f gnz dS V ∂z V ∂z S sendo f e g fun¸c˜oes escalares e cont´ınuas no dom´ınio V e nx . as tens˜oes de cisalhamento τxy . ao se realizar a integra¸c˜ao no volume do corpo V .5. Considerando que as componentes de tens˜ ao e de deslocamento presentes na equa¸c˜ao (??) s˜ao cont´ınuas em todo o dom´ınio do corpo. pode-se realizar o procedimento de integra¸c˜ao por partes de forma a reduzir a sua ordem de diferencia¸c˜ao nas componentes de deslocamento. A fun¸c˜ao σxx ´e denominada componente de tens˜ao normal na dire¸c˜ao x. Por sua vez.5. xz e yz respectivamente. z). τxz e τyz s˜ao respons´aveis pelas distor¸c˜oes nos planos xy. normal `a superf´ıcie S (contorno de V ). como aparecem na equa¸c˜ao (??) para o trabalho interno. Substituindo as componentes de deforma¸c˜ao na express˜ao do trabalho.    N m [σxx εxx dV ] = 2 [m3 ] = [N m] . dependentes de x. (8. Aplicando esse conceito para cada integral de volume na express˜ao do trabalho interno (??). ´e definida como       ∂g ∂f   f dV = − gdV + f gnx dS    V ∂x ∂g V ∂x ∂f S f dV = − y gdV + f gn dS . ny e nz s˜ao as componentes do vetor n =nx ex + ny ey + nz ez .31)          ∂v ∂w ∂τyz ∂τyz   − τyz ( + )dV = v+ w dV − (τyz vnz + τyz wny ) dS V ∂z ∂y V ∂z ∂y S .27) m m Logo. obtˆem- m2 se unidades de trabalho ou energia [N m]. (8. tem-se que       ∂u ∂σxx   − σxx dV = udV − σxx unx dS   V ∂x V ∂x S . .29) ∂v ∂w ∂v ∂w +τyz + + τyz + dV ∂z ∂y ∂z ∂y As tens˜ oes normais representadas por σxx .26) V Fazendo uma an´ alise dimensional do primeiro termo no integrando da express˜ao anterior.8. deseja-se obter uma express˜ao em termos das componentes do deslocamento do corpo e n˜ao de suas derivadas. representando   os esfor¸cos internos normais na dire¸c˜ao x. y e z respectivamente.28) V ∂x ∂y ∂x ∂z ∂y ∂z ∂y ∂z ∂y    ∂u  ∂v ∂u ∂v ∂w Tı = − V σxx + σxx + σxx + τyz +  ∂x  ∂y  ∂x  ∂z ∂y . . sabe-se que a unidade resultante deve ser igual a trabalho interno. que ´e um n´umero adimensional por defini¸c˜ao. tem-se que        ∂u ∂v ∂u ∂v ∂w ∂v ∂w ∂v ∂w Tı = − σxx + σxx + σxx + τyz + + τyz + + τyz + dV.. σyy e σzz na equa¸c˜ao (??) s˜ao respons´aveis pelo alonga- mento do corpo nas dire¸c˜oes x. Assim. a integra¸c˜ao por partes para fun¸c˜oes cont´ınuas quaisquer f e g. N com dimens˜ ao . ou seja. dependente da posi¸c˜ao (x. associada `a deforma¸ca˜o εxx . expresso em [m3 ]. De uma forma geral.

∂x conhecida tamb´em como for¸ca interna de corpo. se o corpo est´a em equil´ıbrio.37) ∂x m2 m m3   N [σxx nx ] = .39)   w  ˆ  . (8. Este princ´ıpio estabelece que.32) sendo      ∂σxx ∂τxy ∂τxz ∂τxy ∂σyy ∂τyz TıV = + + u+ + + v (8. os trabalhos externo e interno s˜ao os mesmos para qualquer a¸ca˜o virtual de movimento    ˆ   u  u ˆ= vˆ . (8.33) V ∂x ∂y ∂z ∂x ∂y ∂z    ∂τxz ∂τyz ∂σzz + + + w dV (8. (8. TıV e TıS representam o trabalho interno. respectivamente.34) ∂x ∂y ∂z e  TıS = − [(σxx nx + τxy ny + τxz nz ) u + (τxy nx + σyy ny + τyz nz ) v (8. tamb´em conhecida como for¸ca interna de superf´ıcie. 8. obt´em-se Tı = TıV + TıS .8. das for¸cas internas de volume e superf´ıcie do corpo.6 Princ´ıpio dos Trabalhos Virtuais (PTV) Os objetivos do PTV s˜ ao estabelecer os esfor¸cos externos compat´ıveis com os esfor¸cos internos e determi- nar uma express˜ao local para o equil´ıbrio entre estes esfor¸cos. (8. J´a o termo [σxx nx ] representa a carga interna distribu´ıda na superf´ıcie do s´olido.6.38) m2   ∂σxx Logo. Princ´ Ipio dos Trabalhos Virtuais (PTV) 8-10 Figura 8. o termo representa uma densidade de for¸ca interna por unidade de volume do s´olido.5: Integra¸c˜ao por partes tridimensional Substituindo as express˜ oes anteriores na equa¸c˜ao (??) e reagrupando os termos. observa-se que       ∂σxx N 1 N = = .36) Fazendo uma an´ alise dimensional dos integrandos das express˜oes de TıV e TıS . (8.35) S + (τxz nx + τyz ny + σzz nz ) w] dS. Assim.

o peso P do corpo ´e sempre poss´ıvel de ser determinado.47) Substituindo as express˜ oes dos trabalhos das for¸cas de volume e superf´ıcie da equa¸c˜ao (8.45) em (8.48) ∂τxz ∂τyz ∂σzz + + + + bz wˆ dV = 0 ∂x ∂y ∂w . imp˜oe-se uma a¸c˜ao de movimento u ˆ para retirar o corpo do seu estado de equil´ıbrio. obtem-se Te = −Tı = −TıV − TıS . E ´ importante salientar que. Aplicando o PTV ´e poss´ıvel concluir que Te = −P h. que levou o corpo da sua configura¸c˜ao original de equil´ıbrio at´e a altura h ´e definida como virtual. O termo a¸ca ˜o virtual significa que o princ´ıpio ´e v´alido para toda e qualquer a¸c˜ao hipot´etica de movimento.45) V S Para que haja equil´ıbrio entre os trabalhos dos esfor¸cos externos e internos ´e preciso que para qualquer a¸c˜ao virtual u ˆ TeV = −TıV . ergue-se o corpo at´e uma altura gen´erica h.44) V S  = (bx u ˆ + by v ˆ + bz w)dV ˆ + (tx u ˆ + ty v ˆ + tz w)dS. respectivamente.8.40) sendo Te e Tı os trabalhos das for¸cas externas e internas agindo sobre o corpo.40). (8. pelo PTV pode-se concluir que.47) e agrupando os termos das integrais de volume e de superf´ıcie tem-se que      ∂σxx ∂τxy ∂τxz ∂τxy ∂σyy ∂τyz + + + bx uˆ+ + + + by vˆ V ∂x ∂y  ∂z ∂x  ∂y ∂z (8.6. a partir de sua configura¸c˜ao deformada.42) sendo TeV e TeS . por isso que a a¸c˜ao de movimento u ˆ. sendo P o peso do corpo em quest˜ao.46) e (8. b como sendo a densidade das for¸cas externas por unidade de volume e t como a for¸ca externa distribu´ıda na superf´ıcie do s´olido. desde que compat´ıvel com a cinem´ atica do problema. Definindo as fun¸c˜oes vetoriais.46) TeS = −TıS . (8. Para avaliar intuitivamente o peso de um corpo qualquer a partir de sua configura¸ca˜o de equil´ıbrio. o trabalho externo das for¸cas de corpo e de superf´ıcie necess´ arios para garantir o equil´ıbrio. esfor¸cos externos de volume e superf´ıcie. (8. ˆ (8. (8. Dessa forma. pequena ou grande. independentemente do valor de num´erico de h. nesse caso o peso) armazenada no corpo na nova configura¸c˜ao de equil´ıbrio. Substituindo o resultado da equa¸c˜ao (??) em (8. Define-se o PTV como Te + Tı = 0. De maneira simplificada. o trabalho das for¸cas externas necess´ario para fazer com que o corpo abandone sua configura¸ca˜o de equil´ıbrio ´e igual a` energia potencial gravitacional (trabalho das for¸cas internas. de tal forma que. TeV + TeS = −TıV − TıS . (8.41) Para que ocorra equil´ıbrio.43)   = bT u ˆdV + tT u ˆdS (8. Princ´ Ipio dos Trabalhos Virtuais (PTV) 8-11 aplicada sobre o corpo. realizando um trabalho externo Te . tem-se Te = TeV + TeS (8. ´e preciso que haja em contrapartida aos esfor¸cos internos.

Homogˆeneo indica que o as propriedades do material s˜ao iguais para todos os pontos do corpo.50)   ∂x ∂y ∂z     ∂τxz ∂τyz ∂σzz  + + + bz = 0 ∂x ∂y ∂w e as condi¸c˜oes de contorno    σxx nx + τxy ny + τxz nz − tx = 0 τ n +σ n +τ n −t = 0 . xy x yy y yz z y (8.7. caracterizando o comportamento de um determinado tipo de material e suas respostas dado um carregamento aplicado.50) define o sistema de equa¸c˜oes diferenciais de equil´ıbrio entre as for¸cas de volume externas e internas v´alido em todo o dom´ınio do corpo s´olido.51) define as condi¸c˜oes de contorno na superf´ıcie do corpo. . Isotr´opico significa que as propriedades mecˆanicas medidas ao longo de uma dire¸c˜ao s˜ao iguais quando medidas em todas as outras dire¸c˜oes. s˜ao os materiais met´alicos (a¸co. Um exemplo de materiais que obedecem esta lei para uma faixa definida como faixa el´ astica. 8. que obedece o modelo constitutivo conhecido como Lei de Hooke. linear. cobre. um aumento no valor das tens˜oes provoca um aumento proporcional no valor das deforma¸c˜oes. Assim. Assim. Agora ser˜ao definidas equa¸co˜es. pois descrevem o comportamento do material em decorrˆencia de sua constitui¸c˜ao interna. foram estabelecidos os conceitos de deforma¸c˜ao e tens˜ao aplic´aveis a qualquer material em equil´ıbrio que satisfa¸ca as hip´oteses de meio cont´ınuo. ou seja. O conjundo de equa¸co˜es em (8.49) + (τxz nx + τyz ny + σzz nz − tz ) w] ˆ dS = 0. O conjunto de equa¸c˜oes em (8.7 Lei de Hooke Generalizada At´e o momento. esta formula¸c˜ao ´e v´alida para qualquer meio cont´ınuo independentemente do tipo de material com o qual o meio ´e formado. homogˆeneo e isotr´ opico.51) definem o Problema de Valor de Contorno (PVC) para o equ´ılbrio de s´olidos em trˆes dimens˜oes. Nenhuma hip´otese simplificadora foi introduzida. As equa¸c˜oes constitutivas correspondem `a formula¸c˜ao ma- tem´atica do modelo de comportamento de um material idealizado. n˜ao existem deforma¸c˜oes permanentes ap´ os cessar o carregamento. define-se o s´ olido el´astico. pode-se concluir que as equa¸co˜es (??) e (??) ser˜ao satisfeitas somente quando as equa¸c˜oes diferenciais    ∂σxx ∂τxy ∂τxz   + + + bx = 0   ∂x ∂y ∂z  ∂τ ∂σ ∂τ xy yy yz + + y +b =0 (8. Nesse contexto. Lei de Hooke Generalizada 8-12 e  [(σxx nx + τxy ny + τxz nz − tx ) u ˆ + (τxy nx + σyy ny + τyz nz − ty ) vˆ S (8.8. Linear significa que a rela¸c˜ao entre as tens˜oes e deforma¸c˜oes ´e uma fun¸c˜ao linear. Como u ˆ = {ˆ ˆ T ´e uma a¸c˜ao de deslocamento virtual arbitr´ u vˆ w} aria compat´ıvel com a cinem´ atica do problema.) a` temperatura ambiente.51)   τ n +τ n +σ n −t =0 xz x yz y zz z z forem satisfeitas simultaneamente. etc. al´em da continuidade das a¸c˜oes cinematicamente poss´ıveis e de pequenas deforma¸c˜oes. Os sistemas de equa¸c˜oes em (8. Por el´astico deve-se entender que o material retorna a sua forma inicial. visando aproximar as observa¸co˜es experimentais do comportamento do material em uma determinada faixa de aplica¸c˜ao.50) e (8. alum´ınio. Tais equa¸c˜oes s˜ao denominadas equa¸co ˜es constitutivas.

(8. O inverso ocorre no caso de compress˜ao. σyy σyy = Eεyy ⇒ εyy = .58) E E E E σyy v v 1 εyy = − σxx − σzz = [σyy − v(σxx + σzz )]. Por exemplo. apresentando o mesmo comportamento em todas as dire¸c˜oes. (8. (8. (8.55) E Analogamente para as outras dire¸c˜oes. (8. no caso de um carregamento na dire¸c˜ao x. Assim. (8. Logo. considerando a isotropia do material v εxx = εzz = −vεyy ⇒ εxx = εzz = − σyy . verificam-se encurtamentos do corpo nas dire¸c˜oes perpendiculares (neste caso y e z).54) E No caso de um carregamento unixial.56) E v εxx = εyy = −vεzz ⇒ εxx = εyy = − σzz .62) 2(1 + v) E E 2(1 + v) τyz = G¯ γyz = γ¯yz ⇒ γ¯yz = τyz . na maioria dos casos. verifica-se que E 2(1 + v) τxy = G¯ γxy = γ¯xy ⇒ γ¯xy = τxy .55) (8. (8. Considerando um alongamento εxx do corpo na dire¸c˜ao x.60) E E E E Analogamente.53) E σzz σzz = Eεzz ⇒ εzz = . ou seja. O sinal de − nas equa¸c˜oes (8. Para carregamentos triaxiais (tens˜oe normais nas dire¸c˜oes x.8. quando submetido a um carregamento uniaxial.59) E E E E σzz v v 1 εzz = − σyy − σxx = [σzz − v(σyy + σxx )].57) E A propriedade v ´e denominada Coeficiente de Poisson. (8. (8.7. tem-se que v εyy = εzz = −vεxx ⇒ εyy = εzz = − σxx . considerando agora o caso de cisalhamento puro do material. Um valor t´ıpico para o a¸co ´e v = 0. tens˜oes normais em uma u´nica dire¸c˜ao. ocorre uma redu¸c˜ao do diˆametro. Percebe-se tamb´em que tais materiais s˜ao isotr´opicos. observam-se deforma¸c˜oes nas dire¸c˜oes perpendiculares ao carre- gamento. (8. simultaneamente) observa-se que existe uma sobreposi¸c˜ao dos efeitos dos carregamentos em cada dire¸c˜ao. 33. (8. atrav´es de experimentos que.63) 2(1 + v) E .61) 2(1 + v) E E 2(1 + v) τxz = G¯ γxz = γ¯xz ⇒ γ¯xz = τxz . representando o comportamento el´astico do material. (8.56) e (8. superpondo os efeitos vem que σxx v v 1 εxx = − σyy − σzz = [σxx − v(σyy + σzz )]. Lei de Hooke Generalizada 8-13 Observa-se. os quais s˜ao proporcionais ao alongamento na dire¸ca˜o x.52) E sendo E definido como M´odulo de Elasticidade Longitudinal ou M´odulo de Young. quando esses materiais s˜ao solicitados uniaxialmente.57) ´e empregado apenas para representar o fenˆ omeno f´ısico observado. para o caso de uma barra tracionada na dire¸c˜ao longitudinal. Portanto. y e z. existe uma faixa onde a rela¸c˜ao tens˜ao versus deforma¸c˜ao apresenta um comportamento linear el´astico definido como σxx σxx = Eεxx ⇒ εxx = .

Lei de Hooke Generalizada 8-14 O termo G ´e denominado M´odulo de Elasticidade Transversal. (8. que os efeitos do cisalhamento em um determinado plano n˜ao provocam distor¸c˜oes nos outros planos.7. tem-se que Expandindo a express˜ E Ev σxx = εxx + (εyy + εzz ). atrav´es das equa¸c˜oes (8. τxz e τyz s˜ao independentes (desacoplados). τxy . A Figura 8.6 iustra os tipos de carrega- mentos atuante em um corpo s´olido.63). sendo   1−v v v 0 0 0  v 1−v v 0 0 0     1−v   v v 0 0 0   1 − 2v  E   [D] = [C]−1 =  0 0 0 0 0 .62) e (8.64) (1 + v)(1 − 2v) (1 + v)(1 − 2v) .     εxx         εyy     ε   zz {ε} = .8. ou seja.61) (8. (1 + v)(1 − 2v)   2    1 − 2v   0 0 0 0 0   2  1 − 2v 0 0 0 0 0 2 ao para σxx . Pode-se escrever as rela¸c˜oes anteriores na forma matricial {ε} = [C]{σ}. E  0 0 0 2(1 + v) 0 0    0 0 0 0 2(1 + v) 0  0 0 0 0 0 2(1 + v) e     σxx         σyy     σ   zz {σ} =   τxy         τxz       τyz A matriz [C] pode ser invertida. permitindo expressar as componentes de tens˜ao em fun¸c˜ao das componentes de deforma¸c˜ao {σ} = [D]{ε}. Deve-se observar. Desta forma.   γ¯xy         γ¯xz       γ¯yz   1 −v −v 0 0 0  −v 1 −v 0 0 0    1  −v −v 1 0 0 0   [C] =  .

(8.8. tem-se ∂e ∂εxx ∂ ∂ 2 u ∂εyy ∂ ∂ 2 u ∂εzz λ + 2µ +µ ( 2 + )+µ ( 2 + ) + bx = 0.69) ∂x ∂x ∂y ∂y ∂x ∂z ∂z ∂x Observa-se ainda. (8. (8. e = εxx + εyy + εzz . linear.71) ∂z ∂z ∂x ∂z 2 ∂x ∂z ∂y 2 ∂x Substituindo estas rela¸c˜oes em (8. (8.50) vem ∂ ∂ ∂ (2µεxx + λe) + (µ¯ γxy ) + (µ¯ γxz ) + bx = 0 ∂x ∂y ∂z ∂e ∂εxx ∂ ∂u ∂v ∂ ∂u ∂w λ + 2µ +µ ( + )+µ ( + ) + bx = 0. tem-se ao final as express˜ oes da Lei de Hooke generalizada para um material el´astico. obt´em- (1 + v)(1 − 2v) se E Ev σxx = εxx + (εxx + εyy + εzz ) = 2µεxx + λe. ∂ ∂u ∂v ∂2u ∂ ∂v ∂ 2 u ∂εyy ( + ) = + ( ) = + . (8. (8.72) ∂x ∂x ∂y ∂y ∂x ∂z ∂y ∂x . homogˆeneo e isotr´opico    σxx = 2µεxx + λe     σyy = 2µεzz + λe   σ = 2µε + λe zz zz .68)   τxy = µ¯γxy     τ = µ¯ γ   xz xz τyz = µ¯ γyz 8.65) (1 + v) (1 + v)(1 − 2v) sendo µ e λ os coeficientes de Lam´e dados por E µ = . homogˆeneo e isotr´opico as componentes de tens˜ao em cada ponto do corpo em fun¸c˜ao das respectivas componentes de deforma¸c˜ao. ou seja.8 Aplica¸c˜ ao da Equa¸c˜ ao Constitutiva As express˜oes anteriores fornecem para um s´olido el´ astico.70) ∂y ∂y ∂x ∂y 2 ∂x ∂y ∂y 2 ∂x ∂ ∂u ∂w ∂2u ∂ ∂w ∂ 2 u ∂εzz ( + ) = + ( ) = + . (8.66) 2(1 + v) Ev λ = .8. (8. Aplica¸ c˜ ao da Equa¸ c˜ ao Constitutiva 8-15 Ev Somando e subtraindo o termo εxx do lado direito da equa¸c˜ao (??) e rearranjando. Para a primeira equa¸c˜ao de (8. linear.50) obtˆem-se as condi¸c˜oes de equil´ıbrio em termos das componentes de deslocamento.67) (1 + v)(1 − 2v) O termo e representa a dilata¸c˜ao do corpo. Substituin- do estas rela¸c˜oes nas equa¸c˜oes de equil´ıbrio (8.69). Efetuando o mesmo procedimento para as demais componentes de tens˜ao normal.

74)   ∂y ∂x2 ∂y 2 ∂z 2 y     ∂e ∂ 2 ∂ 2 ∂ 2   (λ + µ) + µ( 2 + 2 + 2 )w + bz = 0 ∂z ∂x ∂y ∂z Observa-se que enquanto as equa¸c˜oes de equil´ıbrio (8. podendo-se citar os tensores de deforma¸c˜ao. Antes disso por´em.73) ∂x ∂x ∂y ∂z Efetuando o mesmo procedimento para as duas outras equa¸co˜es em (8. Os tensores de segunda ordem s˜ao usados extensivamente em Mecˆanica. tensores de quarta ordem s˜ao empregados para a representa¸c˜ao de equa¸co˜es constitutivas de materiais. (8.9 Formula¸c˜ ao Empregando Tensores A formula¸c˜ao empregada at´e agora utilizou n´ umeros escalares e vetores como entes matem´aticos b´asicos. Um outro conceito matem´atico de grande importˆancia no estudo de problemas de Mecˆanica ´e o tensor. A seguir. O seu uso permite apresentar de forma compacta e elegante a formula¸c˜ao de v´arios problemas.50) s˜ao v´alidas para qualquer meio cont´ınuo tridimensional em pequenas deforma¸c˜oes. Assim. No caso de n˜ao existir uma solu¸ca˜o fechada para um dado problema. Por sua vez. como tensores de ordens zero e um. Todo corpo tem como caracter´ıstica f´ısica principal o fato de ocupar regi˜ oes do espa¸co euclidiano tridimensional. torna-se conveniente selecionar uma delas. Formula¸ c˜ ao Empregando Tensores 8-16 ∂εxx ∂2u Lembrando-se que e = εxx + εyy + εzz e = e reagrupando os termos ∂x ∂x2 ∂e ∂2 ∂2 ∂2 (λ + µ) + µ( 2 + 2 + 2 )u + bx = 0. torna-se importante apresentar uma defini¸c˜ao para um corpo.9. as equa¸c˜oes de Navier fornecem o equil´ıbrio em termos de deslocamentos apenas para um material que obedece a lei de Hooke. Para tanto ser˜ao seguidos os mesmos passos utilizados anteriormente. Estes detalhes ser˜ao importantes apenas quando se adota um sistema de coordenadas espec´ıfico para o estudo de um problema. obtˆem-se ao final as Equa¸c˜oes de Navier em termos das componentes de deslocamento e da dilata¸c˜ao e. de tens˜ao e de in´ercia. formula-se o problema de corpos s´olidos introduzindo o conceito de tensor. Assim. deno- minada configura¸ca˜o de referˆencia B. um corpo qualquer pode ocupar diferentes regi˜oes em tempos distintos.50).74) pode ser obtida E apenas em alguns casos muito particulares. o conceito de tensor representa uma generaliza¸c˜ao. identificando pontos do corpo com as suas posi¸co˜es em B.    ∂e ∂2 ∂2 ∂2   (λ + µ) + µ( + + )u + bx = 0   ∂x ∂x2 ∂y 2 ∂z 2   2 2 2 ∂e ∂ ∂ ∂ (λ + µ) + µ( + + )v + b = 0 . 8. pois estes podem ser definidos. Os elementos de E s˜ao denominados pontos. ou seja. ´e poss´ıvel concentrar-se apenas nos conceitos envolvidos nas equa¸c˜oes sem se preocupar com detalhes desnecess´arios sob o ponto de vista da apresenta¸ca˜o de uma formula¸c˜ao. Na verdade.8.9.1 Corpo O espa¸co geom´etrico em considera¸c˜ao no estudo da Mecˆanica do Cont´ınuo ´e o espa¸co euclidiano tridi- mensional E. Desta . 8. Embora nenhuma destas regi˜ oes possa ser associada ao corpo.de escalares e vetores. (8. aplicam-se t´ecnicas de solu¸c˜ao num´erica como o M´etodo dos Elementos Finitos (MEF). ´ importante salientar que a solu¸c˜ao anal´ıtica do sistema de equa¸c˜oes em (8. Uma outra vantagem ´e que as equa¸c˜oes expressas na forma tensorial s˜ao independentes do sistema de coorde- nadas empregado. respectivamente.

O conjunto de vetores obtidos pela diferen¸ca de pontos de E forma na verdade um espa¸co de vetores ou espa¸co vetorial V. a diferen¸ca entre dois pontos x e y ´e definida como sendo um vetor.3 Cinem´ atica Como visto na Se¸c˜ao 8. assim como da sua dire¸c˜ao e sentido. Apesar de uma das vantagens de se empregar tensores ´e obter express˜oes gerais para qualquer sistema de coordena- das.9.8. y. fornece as componentes de deslocamento u. a cinem´atica de um corpo s´olido ´e descrita por um campo vetorial u. isto ´e. z). e2 . Apenas quando se adota um sistema de coordenadas. A partir da´ı. Os contornos do corpo B e da parte P s˜ao indicados.2 Vetores Intuitivamente.9. (8. ey e ez . f (x) fornece um n´ umero real ou escalar. e3 } e um ponto arbitr´ario o de E denominado origem.2. v∈V . pode-se falar das componentes de um vetor. z)   8. para cada valor de x. f (x) pode representar o deslocamento axial num problema de barra. um corpo B passa a ser uma regi˜ao regular de E. z) . y ∈ E. Entretanto. + d + dn+1 dx 2 dx2 n! dx(n) (n + 1)! . Formula¸ c˜ ao Empregando Tensores 8-17 maneira. v=y−x x. a cinem´atica de um s´olido tridimensional em termos de deslocamento pode ser denotada como     u(x. y. Observa-se que em v´arios problemas t n˜ao representa necessariamente o tempo. Um vetor ´e definido formalmente como a diferen¸ca de pontos de E. designando uma certa configura¸ca˜o Bt do corpo.7. 8. utilizam-se a seguir coordenadas cartesianas (x. 8. tf ]. y=x+v x ∈ E. com coordenadas (x. (8.77)   w(x. a qual ´e indicada por P. respectivamente.9. v e w nas dire¸c˜oes ex . . Estes conceitos est˜ ao ilustrados na Figura 8. as coordenadas de qualquer ponto x passam a ser dadas pelo vetor posi¸c˜ao r = x − o em rela¸c˜ao a origem o. z) para manter compatibilidade com a nota¸c˜ao empregada na primeira parte deste cap´ıtulo. ou ainda o deslocamento transversal num problema de flex˜ao de vigas. respectivamente. Estes conceitos est˜ao ilustrados na Figura 8. Logo. df (x) 1 d2 f (x) 2 1 d(n) f (x) n 1 f (y) = f (x) + d+ d + . y.8 A seguir apresenta-se a formula¸c˜ao de s´olido introduzindo o conceito de tensor. Qualquer subregi˜ao regular limitada de B ´e chamada parte. Assim. observa-se que a soma de dois pontos n˜ao possui nenhum significado. por ∂B e ∂P.76) Um sistema de coordendas consiste de uma base ortonormal {e1 . Observa-se ainda que a soma entre um ponto x e um vetor v define um novo ponto y. sendo os pontos de B denominados pontos materiais. y. o qual para cada ponto do corpo. y. . Pode-se expandir a fun¸c˜ao f na vizinhan¸ca de y utilizando a s´erie de Taylor. y. Como um corpo pode ocupar diferentes regi˜oes ao longo de um movimento. z) = v(x. Por exemplo.75) Pode-se ent˜ao colocar a seguinte importante observa¸c˜ao. ou seja. (8. torna-se necess´ario a introdu¸c˜ao de um parˆametro t ∈ [t0 .4 Deforma¸c˜ ao Seja f (x) uma fun¸c˜ao da vari´avel x. ou seja. z)   u(x.9.

Pode-se dizer que f depende do vetor posi¸c˜ao x = (x. mas depende das vari´aveis x. quando d = (y − x) vai para zero. A norma euclidiana de d ´e indicada por d e d 2 = (x − x)2 + (y  − y)2 + (z  − z)2 . ou seja     ∂f (x)            ∂f∂x (x)  {∇f (x)} = . o gradiente de f (x) ´e dado por   ∂f (x) ∂f (x) ∂f (x) ∇f (x) = . Assim. (8.78) ´e substitu´ıda pelo vetor dx gradiente de f . f = f (x.84) Nesse caso. y. (8. Isso significa que quando y se aproxima de x. y e z. Logo     fx (x)   {f (x)} = yf (x) . y. ou seja.78) dx sendo d = (y − x) e O(d2 ) um termo de ordem d2 . Formula¸ c˜ ao Empregando Tensores 8-18 df (x) = f (x) + d + O(d2 ).9. (8. y.79) y→x y − x y→x y − x y→x Suponha agora que f ´e uma fun¸c˜ao que fornece valores escalares.81)   ∂y         ∂f (x)     ∂z Por sua vez. z) de um ponto do corpo s´olido. isto ´e. z).85) ∂x ∂y ∂z . O( d 2 ) ´e um termo de ordem d 2. pode-se expandir f em torno de x da seguinte maneira f (y) = f (x) + ∇f T (x)d+O( d 2 ). o termo O( d 2 ) significa que o mesmo vai para zero mais rapidamente do que a norma d quando y tende a x. z ) e x =(x. d2 (y − x)2 lim = lim = lim (y − x) = 0. (8. y. tem-se que f (y) = f (x) + ∇f (x)d+O( d 2 ).82) y→x y − x y→x y − x y→x Seja f agora uma fun¸ca˜o vetorial dependente das vari´ aveis x. denotando-se como f = f (x. (8. f tem componentes nas dire¸c˜oes x. y e z. (8. Desta maneira. d2 tende a zero mais rapidamente.83)   f (x)   z Expandindo f em torno do ponto x.8. d 2 y−x 2 lim = lim = lim y − x = 0.80) sendo d =(y − x) o vetor diferen¸ca entre as posi¸c˜oes y = (x . y e z. z) = f (x). df Como f ´e agora uma fun¸ca˜o de 3 vari´avies. ou seja. Logo. a primeira derivada em (8. (8. Utilizando-se a s´erie de Taylor. y . z) = f (x). (8.

77). Formula¸ c˜ ao Empregando Tensores 8-19 Por sua vez como f ´e uma fun¸c˜ao vetorial.86) por um vetor v com componentes cartesianas (vx . Utilizando um sistema de coordenadas com uma base {e1 . definem-se as componentes de T como Tij = eı · Tej . y.     ∂fx ∂fx ∂fx   ∂fx ∂fx ∂fx    ∂x ∂y ∂z      ∂x vx + ∂y vy + ∂z vz          ∂fy ∂fy ∂fy   vx   ∂f ∂f ∂f    y y y    vy  =  x v + y v + z v  .86)  ∂x ∂y ∂z   ∂fz (x) ∂fz (x) ∂fz (x)  ∂x ∂y ∂z Assim. (8. Observe que ao se multiplicar a representa¸c˜ao matricial do tensor ∇f dada em (8. vz ). Desta maneira. (8. Assim. pode-se falar das componentes de um tensor.87) e (8. Como a tranforma¸c˜ao ´e linear. e2 . Expandindo u(x) na vizinhan¸ca de x de forma an´aloga `a equa¸ca˜o (8. define-se um tensor T como uma transforma¸c˜ao linear do espa¸co vetorial V em V denotando-se como Tu = v. Apenas quando se utiliza um sistema de coordenadas.8. cada um dos compnentes do lado direito da equa¸c˜ao (??) ´e um vetor an´alogo ao da equa¸c˜ao (8.90) .9. De forma an´aloga ao caso de vetores.89) sendo α um n´ umero escalar. e3 }. tem- se uma defini¸c˜ao formal do conceito de tensor. T31 T32 T33 A cinem´atica de um corpo s´olido tamb´em ´e descrita por uma fun¸c˜ao vetorial u dependente do vetor posi¸c˜ao x = (x. tem-se como resultado o vetor v. ou seja.  (8. z) como indicado em (8. Expandindo cada um dos componentes vem que   ∂fx (x) ∂fx (x) ∂fx (x)  ∂x ∂y ∂z     ∂fy (x) ∂fy (x) ∂fy (x)  [∇f (x)] =   .86) ´e a representa¸ca˜o matricial do tensor ∇f (x) segundo o sistema cartesiano. Na verdade a equa¸c˜ao (8. y. formalmente. tem-se como resultado um outro vetor. as seguintes propriedades s˜ao v´alidas T(u + v) = Tu + Tv.  ∂x ∂y ∂z  v    ∂x ∂y ∂z    ∂fz ∂fz ∂fz  z   ∂fz ∂fz ∂fz     vx + vy + vz   ∂x ∂y ∂z ∂x ∂y ∂z Torna-se importante aqui estabelecer o conceito de tensor. em termos de componentes   T11 T12 T13   [T] = [Tij ] =  T21 T22 T23  .89) definem um tensor. (8. As equa¸c˜oes (8.88) T(αu) = α(Tu).81).84) vem que u(y) = u(x) + ∇u(x)d+O( d 2 ). z) ´e uma matriz de ordem 3. vy . (8.87) Isto implica que ao se aplicar o tensor T num vetor qualquer u. o gradiente de uma fun¸c˜ao vetorial f dependente do vetor posi¸c˜ao x = (x.

93) 2 2 2 2 1 1 = [∇u + ∇uT ] + [∇u − ∇uT ].8. Formula¸ c˜ ao Empregando Tensores 8-20 sendo ∇u(x) o gradiente do campo de deslocamentos calculado em x .99) 1 1 2γ ¯xz 2γ¯yz εzz . basta trocar as linhas pelas colunas em (8.   ∂u ∂v ∂w  ∂x ∂x ∂x    T  ∂u ∂v ∂w  [∇u ] =  .96).95) em (8. (8. (8.94) 2 2 Neste caso. (8. cuja representa¸c˜ao no sistema cartesiano ´e dada por   ∂u ∂u ∂u  ∂x ∂y ∂z     ∂v ∂v ∂v  [∇u] =   . Logo.  (8.96) 2 1 Ω = [∇u − ∇uT ]. Para se obter a representa¸c˜ao matricial de ∇uT no sistema cartesiano. a express˜ ao (8.90) pode ser reescrita como u(x + d) = u(x) + ∇u(x)d+O( d 2 ). ∇uT ´e o tensor transposto de ∇u.91) e (8.97) 2 A representa¸c˜ao matricial do tensor de pequenas deforma¸c˜oes E no sistema cartesiano ´e obtida subs- tituindo (8.  (8. Logo. (8. (8. pode-se reescrever (8. como 1 E = [∇u + ∇uT ].95)  ∂y ∂y ∂y   ∂u ∂v ∂w  ∂z ∂z ∂z Definem-se os tensores de deforma¸c˜ao E(x) e rota¸ca˜o Ω(x) infinitesimais. Efetuando as opera¸c˜oes indicadas vem que       ∂u 1 ∂v ∂u 1 ∂w ∂u  2 + 2 +    ∂x  ∂x ∂y  ∂x ∂z    1 ∂u ∂v ∂v 1 ∂w ∂v  [E)] =   2 ∂y + ∂x 2 + .92) Observe que o tensor gradiente do campo de deforma¸ca˜o pode ser escrito como 1 1 ∇u = ∇u + ∇u 2 2 1 1 1 1 = ∇u + ∇uT + ∇u − ∇uT (8.91). (8.91)  ∂x ∂y ∂z   ∂w ∂w ∂w  ∂x ∂y ∂z Como d = y − x.98)     ∂y  ∂y ∂z   1 ∂u ∂w 1 ∂v ∂w ∂w  2 ∂z + ∂x 2 ∂z + ∂y ∂x Observa-se que as componentes cartesianas de E apresentam uma rela¸ca˜o direta com as componentes de deforma¸c˜ao deduzidas anteriormente na Se¸ca˜o ??.98) como   1 1 εxx 2γ¯xy 2γ¯xz  1 1  [E] =  2 γ¯xy εyy 2γ¯yz . tem-se que y = x + d. respectivamente.9. ou seja.

a simetria de um tensor T ´e definida como T = TT . (8. (8. ou seja.103) ou de forma geral Tij = Tji .106)  2 ∂y  ∂x    2 ∂z ∂y    1 ∂u ∂w ∂v ∂w  −2 − − 12 − 0 ∂z ∂x ∂z ∂y Pode-se escrever o tensor Ω da seguinte maneira     0 −Ωz Ωy   [Ω] = Ωz 0 −Ωx . considere o elemento diferencial de um meio s´olido sofrendo uma distor¸ca˜o γ1 no plano xy. conforme mostrado na Figura 8. isto implica que T12 = T21 . Ωy e Ωz indicam as rota¸c˜oes infinitesimais de cada ponto x em torno dos eixos cartesianos x. (8.9a. O tensor E ´e sim´etrico pois γxy = γyx .108) 2 .107)    −Ωy Ωx 0  pois Ωx . (8. εyy e εzz representam as deforma¸c˜oes espec´ıficas nas dire¸c˜oes x.97). y e z calculadas no ponto x. (8.100) γzx γzy εzz As componentes da diagonal principal εxx . obt´em-se as componentes do tensor de rota¸c˜ao infinitesimal Ω substituindo (8. γ¯xz e γ¯yz nos planos xy. xz e yz dadas em (8. γ¯yz = 2γyz . 2.102) Em termos de componentes. γ¯xy = 2γxy . (8. enquanto o subscrito y indica a dire¸c˜ao da deforma¸c˜ao. Observe que a diagonal do elemento apresenta uma rota¸c˜ao Ω1 em torno do eixo z no sentido anti-hor´ario. y e z respectivamente. para γxz e γyz (veja Figura 8. T13 = T31 .8.22) s˜ao duas vezes as respectivas distor¸co˜es γxy . (8. i. As componentes fora da diagonal principal s˜ao as componentes de deforma¸c˜ao cisalhante ou distor¸c˜ao.9a. Formula¸ c˜ ao Empregando Tensores 8-21 ´ comum escrever o tensor de deforma¸c˜ao infinitesimal da seguinte maneira E   εxx γxy γxz   [E] =  γyx εyy γyz  .9.101) Em geral.104) Lembre-se que a primeira letra em γxy indica o plano x. Analogamente.91) e (8.4). Observe que as distor¸c˜oes totais γ¯xy . Para verificar que isto ´e verdadeiro.105) Analogamente. as seguintes rela¸c˜oes s˜ao v´alidas 1 2β = 2α + γ1 ⇒ β = a + γ1 . γxz = γzx . Logo       ∂u ∂v ∂u ∂w  0 1 − 1 −    2 ∂y ∂x 2  ∂z ∂x     1 ∂u ∂v 1 ∂v ∂w  [Ω] =   − − 0 − . 3 .95) em (8. γ¯xz = 2γxz . T23 = T32 . j = 1. γyz = γzy . (8. γxz e γyz . (8. Dos ˆangulos indicados na Figura 8.

portanto. (8. (8.123) . (8.9.114) ∂v ∂u Substituindo (8. onde o elemento sofre uma distor¸ca˜o total γ1 + γ2 (ver Figura 8. (8.97) em (8.113) em (??) e lembrando que γ2 = e γ2 = vem que ∂x ∂y   1 ∂v ∂u Ωz = − .96) e (8. (8. isto implica que T12 = −T21 . para i. Formula¸ c˜ ao Empregando Tensores 8-22 β + Ω1 = a + γ1 . a diagonal apresenta uma rota¸c˜ao r´ıgida local Ωz dada por Ωz = Ω1 + Ω2 . tem-se que a diagonal do elemento apresenta uma rota¸c˜ao Ω2 em torno de z no sentido hor´ario e. j = 1.122) Substituindo (8. (8. mostrada na Figura 8.9e). i = j . T13 = −T31 .116) 2 ∂z ∂y   1 ∂u ∂w Ωy = − .117) 2 ∂z ∂x Observe ainda de (8. (8.107) que o tensor Ω ´e anti-sim´etrico. (8. Da Figura 8.110) e (8.9d e 8.119) T11 = T22 = T33 = 0.109) Substituindo () (8.118) Em termos de componentes. (8.9b 1 2β = 2α + γ2 ⇒ β = a + γ2 . (8. (8. (8. um tensor T ´e anti-sim´etrico se T = −TT . 3 Tij = −Tji .113) 2 Para o caso geral.111) 2 β − Ω2 = a + γ2 . tem-se que   1 ∂v ∂w Ωx = − .111) em (8. para os demais planos (ver Figuras 8.115) 2 ∂x ∂y Analogamente. de valor negativo.112) 1 Ω2 = − γ2 .9b. (8.8.121) Tij = 0 i=j .9c).94) tem-se que ∇u = E + Ω.120) ou de forma geral. 2. De forma geral.109) vem que 1 1 a + γ1 + Ω1 = a + γ1 ⇒ Ω1 = γ1 . T23 = −T32 .112) e substituindo (8. (8. (8.110) 2 2 Considerando agora que o elemento sofra uma distor¸c˜ao γ2 .

92) vem que u(x + d) = u(x) + E(x)d + Ω(x)d+O( d 2 ).8. pois mostra que o campo de deslocamnentos de um meio cont´ınuo tridimensional cont´em uma parcela relativa a` deforma¸ca˜o infinitesimal.129) Esta rela¸c˜ao ´e bastante importante.131) Pode-se utilizar a espress˜ ao anterior para mostrar que as componentes do tensor E est˜ao realmente relacionadas ao caso de pequenas deforma¸c˜oes.132) A partir da Figura 8. se a rota¸c˜ao r´ıgida n˜ ao estiver presente. e outra com- preendendo uma rota¸c˜ao infintesimal.133) . (8. Rescreve-se (8. estejam bem pr´oximos. conforme ilustrado na Figura ??a.129). observa-se que. Uma rota¸c˜ao r´ıgida infinitesimal ocorre na vizinhan¸ca de cada ponto do corpo. Suponha que a viga seja constru´ıda de chapas unidas atrav´es de pinos.11. respectivamente. Logo.123) em (8. (8. denotando-as da seguinte forma E = ∇S u. (8. este exemplo simples mostra que a parcela da rota¸c˜ao infinitesimal (8. na equa¸ca˜o (8. (8. apenas as componentes de deforma¸c˜ao em E n˜ao s˜ao suficientes para levar um corpo da sua configura¸ca˜o original at´e a sua configura¸c˜ao defor- mada.127) Ω = ∇ u. Removendo os pinos da parte superior e fletindo cada chapa separadamente. u(x + d) = u(x) + ∇u(x)d. Substituindo (8. Formula¸ c˜ ao Empregando Tensores 8-23 ou seja. (8.11. (8.131) como u(x + d) − u(x) = ∇u(x)d. (8. Para ilustrar este fato considere a viga em balan¸co tratada como um corpo. as partes sim´etrica e anti-sim´etrica do gradiente de u. dada pelo tensor Ω.128) Substituindo agora (8.124) sendo as partes sim´etrica AS e anti-sim´etrica AA de A dadas. dada pelo tensor E. observa-se que d = d + u(x + d) − u(x).9. o tensor gradiente de deslocamento ´e dado pela soma de um tensor sim´etrico E e um tensor anti-sim´etrico Ω. tem-se que a norma do vetor d ´e bem pequena. A = AS +AA . Logo. Esta decomposi¸c˜ao ´e valida para qualquer tensor A.131) na express˜ ao anterior vem que d = d+∇u(x)d =[I+∇u(x)]d. a geometria deformada obtida n˜ao ´e correta (ver Figura ??c). por 1 AS = (A + AT ).130) ou ainda. A (8. A Figura ??b ilustra a geometria deformada da viga conforme esperado. respectivamente.125) 2 1 AA = (A − AT ). (8. Logo. despreza-se o termo O( d 2 ) e obt´em-se a seguinte express˜ao para o campo de deslocamentos infinitesimal na vizinhan¸ca de y = x + d u(x + d) = u(x) + E(x)d + Ω(x)d.129) est´a sempre presente quando um corpo sofre uma deforma¸c˜ao.126) 2 Diz-se assim que E e Ω representam. Considerando agora que os pontos y = x + d e x. ilustrados na Figura 8. Assim. a menos que exista uma rota¸ca˜o r´ıgida dos pontos. (8.

(8.9. (8.142) 2 Dados dois tensores A e B. a express˜ao (8. (8. portanto 1 E∗ = {[I + ∇uT ][ı + ∇u] − I} 2 1 = [I+∇u+∇uT + ∇uT ∇u − I] 2 1 1 = [∇u + ∇uT ] + ∇uT ∇u 2 2 1 = E + ∇uT ∇u. . (8.136) ∆d = d · d − d · d = F(x)d · F(x)d − d · d. Para se obter a deforma¸c˜ao do ponto P1 .139) pode ser reescrita como ∆d =2E∗ (x)d · d.139) Denominando 1 E∗ (x) = [FT (x)F(x) − I]. tem-se que (A + B)T = AT + BT . (8. Formula¸ c˜ ao Empregando Tensores 8-24 sendo ı o tensor identidade cuja representa¸c˜ao matricial ´e dada por   1 0 0   I = 0 1 0 . v 2 = v · v. ou seja.137) ∆d = FT (x)F(x)d · d − d · d = [FT (x)F(x) − I]d · d.137) Dado um tensor A.143) Como ıT = I.136) A equa¸c˜ao (8.133) assume a seguinte forma d = F(x)d.135) como o tensor gradiente de deforma¸c˜ao. (8. (8. Neste caso. (8. o termo n˜ao-linear 12 ∇uT ∇u torna-se desprez´ıvel e o tensor E∗ se reduz ao pr´oprio tensor de deforma¸c˜ao infinitesimal E. atrav´es do tensor F e da distˆancia inicial d. tem-se que o transposto AT de A ´e o u ´nico tensor com a seguinte propriedade u · Av = A u · v.135) em (8. (8.134) 0 0 1 Denominando agora F(x) = I+∇u(x). u < ε e ∇u < ε.140).144) 2 Com base na equa¸c˜ao (8. No entanto.136) permite determinar a dsistˆancia d entre P1 e P2 ap´os a deforma¸c˜ao.8.140) 2 como o tensor de deform¸c˜ao de Cauchy-Green. tem-se que (8. (8. Lembre-se que o comprimento v 2 de um vetor qualqer v ´e obtido pelo produto escalar com ele mesmo.138) para quaisquer vetores u e v. para pequenas deforma¸c˜oes as normas de u ´e pequena. Com base nesse conceito. com ε da ordem de 10−4 por exemplo. a equa¸ca˜o (8. Logo usando (8. basta tomar a diferen¸ca entre os comprimentos dos vetores d e d.141) Substituindo (8. vem que 1 E∗ (x) = {[I+∇u(x)]T [I+∇u(x)] − I}. ou seja. pode-se observar que o tensor de Cauchy-Green fornece uma medida de deforma¸c˜ao geral.144). aplic´avel tanto para pequenas quanto para grandes deforma¸c˜oes. T (8.

Portanto. (8. (8. ou seja. tem-se uma transla¸c˜ao a partir de uma posi¸c˜ao. Nesse caso.      0 −Ωz Ωy   v1     v3 Ωy − v2 Ωz     Ωv =  Ωz 0 −Ωx  v2 = v Ω −v Ω 1 z 3 x . os demais termos da s´erie de Taylor s˜ao automaticamente iguais a zero.9. Como u0 .152) para todo vetor v = {v1 v2 v3 }T .8.     u0   u(x) = u(x + d) = u0 = v 0 .149)   w  0 sendo u0 .92) simplifica-se para u(x + d) = u(x)+∇u0 d.146) Substituindo esta rela¸ca˜o em (8.145). basta expandir os dois lados.153)   v     v Ω −v Ω  −Ωy Ωx 0 3 2 x 1 y . existe um vetor axial ω. as respectivas componentes do tensor de deforma¸c˜ao E s˜ao nulas. o que caracteriza um movimento de corpo r´ıgido. y e z e 3 rota¸coes em torno dos eixos x. conforme ilustrado na Figura 8. (8. as componentes do vetor ω. Uma deforma¸c˜ao ´e homgˆenea se o gradiente do campo de deslocamento ∇u ´e constante para todos os pontos x do corpo. y e z. tal que Ωv = ω × v. correspondentes a`s 3 transla¸c˜oes nas dire¸c˜oes x. Logo. Deseja-se verificar como as a¸c˜oes r´ıgidas podem ser representadas utilizando os conceitos apresentados na se¸c˜ao anterior. ou seja. (8. (8.11.150) Como o movimento ´e r´ıgido. u(x + d) = ∇u0 d. ou seja. v0 e w0 as componentes de transla¸c˜ao nas dire¸c˜oes x.145) Observa-se que o termo O( d 2 ) ´e nulo pois sendo ∇u0 constante. Para verificar isto. as rota¸c˜oes r´ıgidas em torno dos eixos x.145) ´e nulo.5 Movimentos de Corpo R´ıgido Como se sabe. logo u(x + d) = u(x). v0 e w0 s˜ao constantes. tem-se que ∇u0 d = 0. Al´em disso. Como exemplo de deforma¸ca˜o homogˆenea. Formula¸ c˜ ao Empregando Tensores 8-25 8. indicando-se ∇u = ∇u0 .12.148) Dessa forma. Ωy e Ωz . um corpo tridimensional tem 6 movimentos r´ıgidos.ver Figura 8. u(x + d) = Ω(x)d. s˜ao Ωx .9. a parte sim´etrica de ∇u0 . Como todos os pontos do corpo sofrem um mesmo deslocamento. Considere agora uma rota¸c˜ao r´ıgida do corpo em torno do ponto P1 . Nesse caso. como o gradiente do campo de deslocamentos ´e nulo. (8.147) Como d ´e a distˆancia entre dois pontos arbitr´arios do corpo. o tensor de deforma¸c˜ao infinitesimal E ´e nula. isto ´e. y e z. (8. y e z. suponha que o sistema de referˆencia cartesiano esteja centrado em P1 .151) Associado a todo tensor anti-sim´etrico Ω. tem-se que o campo de desloca- mentos u0 para uma transla¸ca˜o ´e constante para todos os pontos do corpo. o deslocamento u(x) do ponto P1 na equa¸c˜ao (8. ent˜ao a express˜ao anterior ´e nula se ∇u0 = 0. Nesse caso. (8. (8. a express˜ao (8.

γyx . (8. Paraverificar  este N fato. Da mesma maneira. o estado de tens˜ao em cada ponto de um corpo s´olido segundo um sistema cartesiano ´e dado pelas 9 componentes de tens˜ao ilustradas em Figura ??. (8.    ω1 = Ωx ω =Ω 2 y . Formula¸ c˜ ao Empregando Tensores 8-26      ex ey ez   v1     v3 ω2 − v2 ω3     ω × v =  ω1 ω2 ω3  v2 = v ω −v ω 1 3 3 1 . τzx . Denotando por tı a densidade de trabalho interno.154)     v ω −v ω  v1 v2 v3  v3  2 1 1 2  Portanto.160) tem-se que a express˜ao (8.9. um movimento geral de corpo r´ıgido ser´a dado pela superposi¸c˜ao dos movimentos de transla¸ca˜o e rota¸c˜ao.159) m2 m m3 Logo.9. (8. a express˜ao geral do trabalho interno para um corpo tridimensional ´e escrita como  Tı = − [σxx εxx + · · · + τzy γzy ]dV . A partir da´ı. pode-se escrever u(x + d) = ω × d. γyz e γzy . tem-se as respectivas componentes de tenss˜ao normal σxx . γxz . tem-se m2 que      N m Nm [σxx εxx ] = = . ou seja. Adimitindo que a tens˜ao ´e dada em .155)   ω =Ω 3 z Com base nesses resultados. expressos por (8.100). y e z.157) como obtido anteriormente na Se¸ca˜o 8. (8. 8. τyx .158) pode ser reescrita como  Tı = − tı dV . Assim. τyz e τzy . fornecendo o estado das for¸cas internas cisalhantes no ponto x segundo os planos xy. o estado das for¸cas internas no ponto x nas dire¸c˜oes x.149) e (8. tem-se as 6 componentes de tens˜ao de cisalhamento τxy .156).158) V O integrando da express˜ ao anterior representa uma densidade de trabalho interno. (8. Assim uma a¸c˜ao r´ıgida geral pode ser escrita como u(x) = u0 + ω × d. faz-se uma an´alise dimensional do termo σxx εxx . Associadas `as deforma¸c˜oes normais εxx . (8. τxz .8. associadas `as distor¸c˜oes γxy . (8. εyy e εzz . (8.156) Logo. a unidade do termo σxx εxx ´e dada como trabalho por unidade de volume. o estado de deforma¸c˜ao em cada ponto ´e dado pelas 9 componentes indicadas em (8. γzx .161) V .4. respectivamente. xz e yz.6 Trabalho Interno No caso geral de pequenas deforma¸c˜oes num s´olido. σyy e σzz representando. tı = σxx εxx + · · · + τzy γzy .

(??????) (8. (8. a · b = b · a.163) Este produto escalar de vetores ´e um caso particular do conceito mais geral de produto interno. (8. (8. o produto interno E · T ´e definido como E · T = tr(ET T).160). o qual pode ser aplicado a outras entidades matem´aticas.169) Para um movimento r´ıgido.8. Da mesma maneira.170) V .162) τzx τzy σzz O tensor de tens˜oes de Cauchy T representa o estado interno de tens˜oes para cada ponto x de coorde- nasdas x. (8.166) Comparando (??) e (8.165) sendo tr(.167) Assim. o qual ´e dado pela soma dos termos da diagonal principal. A partir de (8. assim como a decomposi¸c˜ao de ∇u em suas partes sim´etrica E e anti-sim´etrica Ω. o trabalho interno ´e nulo para um movimento r´ıgido. tais como fun¸c˜oes e tensores. Substituindo as componentes cartesianas de E e T e efetuando o produto  T   εxx γxy γxz σxx τxy τxz     E · T = tr  γyx εyy γyz   τyx σyy τyz  γzx γzy εzz τzx τzy σzz = σxx εxx + · · · + τzy γzy .169). y e z de um s´olido tridimensional. Sabe-se que produto escalar de dois vetores a = {a1 a2 a3 }T e b = {b1 b2 b3 }T ´e calculado como a · b = a1 b1 + a2 b2 + a3 b3 .161) e (8. Observa-se tamb´em que o produto interno de vetores ´e comutativo. observa-se que a densidade de trabalho interno tı ´e o pr´oprio produto interno E · T. pode-se escrever a express˜ao final do trabalho interno da seguinte forma  Tı = − T · EdV. ou seja. ou seja. enquanto que Ω ´e constante. T · ∇u = T · (E + Ω) = T · E + T · Ω. Formula¸ c˜ ao Empregando Tensores 8-27 Denotam-se as componentes de tens˜ao no ponto x atrav´es do tensor de tens˜oes de Cauchy T(x). tem-se que para um movimento r´ıgido  Tı = T · ΩdV = 0.) o tra¸co de um tensor. as componentes de E s˜ao nulas. (8.168) V Cosidere agora o produto interno dos tensores T e ∇u. tı = T · E. ou seja. cuja representa¸c˜ao matricial no sistema cartesiano ´e a seguinte   σxx τxy τxz   [T] =  τyx σyy τyz  .164) Tomando-se os tensores de pequenas deforma¸coes E e de tens˜oes T. (8.9. (8. (8.

170). Este resultado ´e de central importˆ ancia em Mecˆanica sendo um dos resultados do teorema de Cauchy. Para isso. tem-se que  [(τyx − τxy )Ωz + (τxz − τzx )Ωy + (τyz − τzy )Ωx dV = 0.174) ao anterior em termos das compnentes cartesianas de v(v1 . observa-se que a rota¸ca˜o infinitesimal n˜ao realiza trabalho (trabalho de deforma¸c˜ao?????). definem-se os conceitos de divergˆencia de um vetor e de um tensor. obt´em-se  T   σxx τxy τxz 0 −Ωz Ωy     T · Ω = tr  τyx σyy τyz   Ωz 0 Ωx  τzx τzy σzz −Ωy −Ωx 0 = (τyx − τxy )Ωz + (τxz − τzx )Ωy + (τyz − τzy )Ωx . ou seja.173)   τ =τ yz zy Este resultado implica que o tensor de tens˜oes de Cauchy T ´e sim´etrico. tem-se que Expandindo a express˜   ∂v1 ∂v1 ∂v1  ∂x ∂y ∂z     ∂v2 ∂v2 ∂v2  div v = tr    = ∂v1 + ∂v2 + ∂v3 . A · B =0.   ∂y     v        ∂   3 ∂z Por sua vez. T = TT .    τxy = τyx xzτ zx=τ . a divergˆencia de um tensor A ´e definida como (div A) · v = div (AT v). (8.8. Dado um vetor v. Resta agora integrar por partes a express˜ao do trabalho interno. a equa¸c˜ao anterior ´e satisfeita apenas quando os termos entre colchetes forem simultaneamente nulos. Finalmente. Um outra importante resultado ´e que o produto interno de um tensor sim´etrico A por um tensor antissim´etrico B ´e sempre nulo.9. ou seja. v2 . (8. (8.175)    ∂x ∂y ∂z  ∂x ∂y ∂z  ∂v3 ∂v3 ∂v3  ∂x ∂y ∂z ou ainda. Ωy e Ωz s˜ao constantes. ou seja. v3 ).172) V Como Ωx . (8. na formula¸ca˜o variacional.176) . No entanto. (8. define-se o seu divergente como div v = tr(∇v). Formula¸ c˜ ao Empregando Tensores 8-28 Realizando o produto interno indicado. (8.    ∂             v1   ∂x ∂    div v = 2 · v = ∇ · v. a simetria do tensor de tens˜oes ´e uma consequˆencia da defini¸ca˜o de trabalho e do fato que num movimento r´ıgido as componentes de deforma¸c˜ao s˜ao nulas.171) Substituindo o resultado anterior em (8.

181) V V O teorema da divergˆencia permite transformar uma integral ao longo do volume V numa integral ao longo da superf´ıcie S do corpo.182) V S sendo n o campo vetorial das normais `a superf´ıcie S. v2 e v3 em evidˆencia     ∂A11 ∂A12 ∂A13     ( + + )       ∂x ∂y ∂z    ∂A ∂A ∂A    v1   21 22 23 (div A) · v = ( + + ) · v . (8. (8. (8.178)   ∂y     A v +A v +A v         ∂  13 1 23 2 33 3 ∂z Realizando o produto escalar e colocando v1 .168) e lembrando que E =∇S u e T = TT  ) * Tı = − div (TT u) − (div T) · u dV  V  = (div T) · udV − div (Tu)dV. este teorema implica que   div vdV = v · ndS. Sendo A um tensor e u um vetor. enquanto a divergˆencia de um tensor ´e um vetor.     ∂A11 ∂A12 ∂A13     ( + + )     ∂x ∂y ∂z    ∂A ∂A ∂A  21 22 23 div A = ( + + ) . (8.8.179)   ∂x ∂y ∂z         ∂A31 ∂A32 ∂A33    ( + + )  ∂x ∂y ∂z Observe que a divergˆencia de um vetor ´e um n´ umero escalar. . (8. Sendo v um campo vetorial. a seguinte rela¸ca˜o ´e v´alida A · ∇u = div (AT u) − (div A) · u. (8.180) Usando esta rela¸ca˜o em (8.9.      2   v3   ∂x ∂y ∂z    ∂A31 ∂A32 ∂A33     ( + + )   ∂x ∂y ∂z Portanto.177)   A v +A v +A v   13 1 23 2 33 3 Aplicando agora o conceito de divergˆencia de um vetor    ∂             A11 v1 + A21 v2 + A31 v3   ∂x ∂    (div A) · v = 12 1 · 22 2 23 3 A v +A v +A v . Formula¸ c˜ ao Empregando Tensores 8-29 Desenvolvendo o lado direito da express˜ ao anterior  T   A11 A12 A13   v1      (div A) · v = div  A21 A22 A23  v2    v   A31 A32 A33 3     A11 v1 + A21 v2 + A31 v3   = div A v +A v +A v 12 1 22 2 23 3 .

9. (8. considerando que u ˆ ´e arbitr´ario.189) ´e. (8. pois ´e v´alida para qualquer sistema de coordenadas adotado.189) ´e v´alido para qualquer meio cont´ınuo (s´olido. No entanto.181).188) V S para todo deslocamento virtual uˆ. Formula¸ c˜ ao Empregando Tensores 8-30 Aplicando este teorema na segunda integral da equa¸c˜ao (8. obitido em na Se¸c˜ao ??. (8. . a densidade de for¸ca externa por volume e a carga externa distribu´ıda na superf´ıcie do s´ olido e u ˆ uma dada a¸c˜ao cinem´atica virtual.8.185) ´e dada por   T Te = b u ˆdV + tT u ˆdS. respectivamente.9. (8. e = εxx + εyy + εzz a dilata¸ca˜o e µ e λ os coeficientes de Lam´e.184) S S S Substituindo este resultado em (8. pode ser escrita tensorialmente como T = 2µE + λeı. 8.68) na Se¸c˜ao ??. (8.190) sendo T o tensor de tens˜oes de Cauchy. Como observado anteriormente. sem d´ uvida. os termos entre parˆenteses devem ser simultˆaneamente nulos. a nota¸ca˜o anterior ´e abstrata.185) V S que representa a integra¸c˜ao por partes da express˜ao do trabalho interno na forma tensorial. a express˜ ao do trabalho externo compat´ıvel com (8. (8. uma apresenta¸c˜ao mais compacta e elegante para o problema de equil´ıbrio de corpos tridimensionais. tem-se   (div T + b) · u ˆdV + (−Tn + t) · u ˆdS = 0. (8.186) V S sendo b e t. E o tensor de pequenas deforma¸co˜es. l´ıquido ou g´as) em pequenas deforma¸c˜oes.138) e a simetria de T    u · T ndS = T u · T ndS = T Tn · udS.7 Aplica¸c˜ ao do PTV Conforme visto na Se¸c˜ao ??. Para que a express˜ao anterior seja nula. Aplicando o PTV Te + Tı = 0.187) e reagrupando os termos de forma conveniente. ou seja. Al´em disto. 8.181) vem que   div TudV = Tu · ndS.8 Aplica¸c˜ ao da Equa¸c˜ ao Constitutiva A Lei de Hooke geral dada em (8. o PVC (8. (8. obt´em-se   Tı = divT · udV − Tn · udS.189) Tn = t As equa¸c˜oes anteriores representam o mesmo Problema de Valor de Contorno (PVC) em termos de tens˜ao.9. ı o tensor identidade.183) V S Usando a defini¸c˜ao de tensor transposto (8. (8.  div T + b = 0 .

197) e (8. (8. as quais s˜ao as mesmas express˜oes que s˜ao obtidas a partir de (8.191) τzx τzy σzz γzx γzy εzz 0 0 1 Por exemplo.190) s˜ao idˆenticas.199) Expandindo a equa¸c˜ao anterior no sistema cartesiano.192) Como os coeficientes de Lam´e s˜ao constantes. (8.74). (8.8.193) Analisando o primeiro termo da express˜ao anterior. pode-se escrever µdiv ∇u + µdiv ∇T u+λdiv eı + b = 0.193) observa-se o seguinte   ∂e             e 0 0  ∂x ∂e    div eı = div  0 e 0  = = ∇e.189) est´a dado em termos das componentes de tens˜ao.       σxx τxy τxz εxx γxy γxz 1 0 0        τyx σyy τyz  = 2µ  γyx εyy γyz  + λe  0 1 0  .195) Por sua vez. tem-se que     ∂u ∂u ∂u   ∂2u ∂2u ∂2u        ∂x ∂y ∂z   ∂x2 + ∂y 2 + ∂z 2 ) (           ∂v ∂v ∂v  ∂2 v ∂2v ∂2v div ∇u = div    = ( + + )  ∂x ∂y ∂z     ∂x2 ∂y 2 ∂z 2     ∂w ∂w ∂w    ∂2w ∂2w ∂2w       ∂x ∂y ∂z  ( + + )  ∂x2 ∂y 2 ∂z 2 = ∆u.194) sendo ∆ o operador Laplaciano.194). ∂u ∂v ∂w div u = tr(∇u) = + + = εxx + εyy + εzz = e. σxx = 2µεxx + λe ou τxy = 2µγxy . (8.193). ou seja. Para obter as equa¸c˜oes de Navier em termos dos deslocamentos. isto ´e. a seguinte express˜ ao ´e v´alida div ∇T u = ∇(div u). Formula¸ c˜ ao Empregando Tensores 8-31 Para verificar que (8. obt´em-se as mesmas 3 equa¸c˜oes dadas em (8. basta substituir (8.68). div ∇T u = ∇e.197) Para o terceiro termo de (8.198) em (8. . (8. (8.68) e (8. tem-se as equa¸c˜oes de Navier v´alidas para um s´olido de Hooke em nota¸c˜ao tensorial.190) em (8.9. escalar ou vetorial.189).196) ∂x ∂y ∂z Logo. definido como div ∇ψ. para todo campo ψ. (8.193). a divergˆencia ´e um operador linear e E ´e fun¸ca˜o de ∇u. (8. expande-se (8. (8. µ∆u + (µ + λ)∇e + b = 0. Logo div (2µE + λeI) + b = 0.190) segundo o sistema de coordenadas cartesiano. (8.198)   ∂y  0 0 e      ∂e    ∂z Substituindo (8. Para o segundo termo de (8. O PVC de equil´ıbrio em (8.

8.9.6: Carregmentos atuando sobre um corpo tridimensional . Formula¸ c˜ ao Empregando Tensores 8-32 (a) (b) (c) (d) (e) Figura 8.

8: Defini¸c˜ao de Vetores e Sistemas de Referˆencia .9.7: Defini¸ca˜o de Corpo (a) (b) Figura 8. Formula¸ c˜ ao Empregando Tensores 8-33 Figura 8.8.

9: Rota¸co˜es de Corpo R´ıgido (a) (b) (c) Figura 8. Formula¸ c˜ ao Empregando Tensores 8-34 (a) (b) (c) (d) (e) Figura 8.10: Interpreta¸ca˜o da rota¸c˜ao r´ıgida de uma viga.9.8. .

12: Rota¸c˜ao R´ıgida Local .9. Formula¸ c˜ ao Empregando Tensores 8-35 Figura 8.8.11: Deforma¸c˜ao de um Corpo S´olido Figura 8.

y. ou seja. no caso do sistema cartesiano. nesse caso       u(x. a dire¸c˜ao do eixo x. y. z) ⇒ u(x) = 0 . No caso de barra submetidas a esfor¸cos de tra¸c˜ao e/ou compress˜ao. s´ o existem a¸c˜oes cinem´ aticas ao longo do eixo x. y. ap´os a deforma¸c˜ao. cuja principal caracter´ıstica geom´etrica ´e possuir o comprimento bem maior que as dimens˜ oes da se¸c˜ao transversal. z)     u(x)   u(x. considerando os modelos unidimensionais de problemas de barra. um elemento estrutural. z)       0 Assim. viga e tor¸c˜ao.1 Cinem´ atica A cinem´atica do modelo de barra consiste de a¸c˜oes de moviemento axiais. o tensor de pequenas deforma¸co˜es se reduz a   du(x) 1 . deduzidos do modelo mais geral. as se¸c˜oes transver- sais permanecem perpendiculares ao eixo da barra.1. ou seja.2 Deforma¸c˜ ao Com base na hip´ otese cinem´atica anterior. 9. z) = v(x.1. levando-se em conta as hip´oteses cinem´aticas simplificadoras para cada caso. As a¸c˜oes de movimento r´ıgido correspondem `a transla¸c˜oes na dire¸c˜ao do eixo x. 9-36 Cap´ıtulo 9 CASOS PARTICULARES DE UM ´ SOLIDO Neste cap´ıtulo ser˜ao exemplificados os resultados obtidos com a formula¸ca˜o geral de s´olidos tridimen- sionais. 9. y.1)   w(x. cosidera-se a barra como sendo um elemento unidimensional e analisa-se o seu comportamento ao longo da dire¸c˜ao paralela `a dimens˜ao longitudinal.1 Barra Pode-se definir como barra. sendo agora as componentes v e w nulas e o vetor deslocamento somente dependente da dire¸c˜ao x. (9. 9.

 0 0  [E] = ∇u(x) + ∇T u(x) =  dx  2  0 0 0 .2) 0 0 0 . (9.

(9.4) 0 0 0 Consequentemente. atrav´es do equil´ıbrio entre os trabalhos externo e interno. Barra 9-37 ou seja   εxx (x) 0 0   [E] =  0 0 0 . Dessa forma.1. e Nx (x) = σxx (x)A a for¸ca interna normal a` superficie da se¸c˜ao transversal. ser´a aplicado o PTV. A a ´area da se¸c˜ao transversal. os trabalho externo compat´ıvel com a cinem´ atica da barra.1. Integrando por partes a express˜ao do trabalho interno.1. nesse caso. (9. somente a componente de tens˜ao normal σxx (x). assim Te + Tı = 0.3) 0 0 0 9.7) Portanto. (9. para qualquer a¸c˜ao cinem´atica virtual u ˆ(x) deve ser  L Te = p(x)ˆ u(x)dx + PL u ˆ(L) + P0 (0)ˆ u(0).5) 0 dx 0 dx sendo L o comprimento da barra. L) dx dx . a express˜ao do Trabalho Interno para o problema da barra ´e dada por   Tı = − T·E=− σxx (x)εxx (x)dV V V  L    du(x) du(x) = − dV = − σxx (x) σxx (x)dA dx V dx 0 A dx  L  L du(x) du(x) = − σxx (x)A dx = − Nx (x) dx.3 Trabalho Interno Associada a deforma¸c˜ao εxx (x) deve existir.8)   Nx (0) = P0 em x = 0  Nx (L) = PL em x = L . (9.6) 0 dx 9. pode-se estabelecer o problema de valor de contorno para uma barra submetida a carregamentos axiais da seguinte maneira    dNx (x) dσxx (x)  =A = −p(x) para x ∈ (0. (9. 0 sendo p(x) a carga externa distribu´ıda por unidade de comprimento axialmente sobre a barra e PL e P0 os esfor¸cos externos axiais concentrados nas extremidades em x = 0 e x = L. considerada constante ao longo do comprimento. vem  L dNx (x) Tı = u(x)dx − Nx (L)u(L) + Nx (0)u(0). assim o tensor de tens˜ oes de Cauchy se reduz a   σxx (x) 0 0   [T] =  0 0 0 .4 PTV A fim de se avaliar os esfor¸cos externos agindo sobre a barra. (9.9.

dessa forma.11) (1 + v)(1 − 2v) tem-se a lei de Hooke simplificada para o modelo unidimensional de barra du(x) σxx (x) = Eεxx (x) = E (9. esses efeitos s˜ ao desconsi- derados.15) se reduz para d2 u EA = −ρ(x)g.13) dx2 considerando E constante.10) 2(1 + v) Ev λ = . lembrando-se que. s´o s˜ao admitidas for¸cas de corpo na dire¸c˜ao longitudinal da barra. L) dx2 . lembrando-se que εyy e εzz s˜ao desconsiderados no modelo unidi- mensional ∂εxx ∂2u (λ + µ) + µ 2 + bx = 0 ∂x ∂x dεxx d2 u (λ + µ) + µ 2 + bx = 0 dx dx d du d2 u (λ + µ) ( ) + µ 2 + bx = 0 dx dx dx d2 u (2µ + λ) 2 = −bx dx d2 u E 2 = −bx . (9. (9.12) dx Substituindo essa equa¸c˜ao no PVC do modelo de barra tem-se que   d du(x) A E = −p(x) dx dx d2 u(x) EA = −p(x).5 Aplica¸c˜ ao da Equa¸c˜ ao Constitutiva Apesar de existirem.15) dx ou seja. devido ao efeito de Poisson. (9. Cosiderando o peso pr´oprio distribu´ıdo pelo volume ρ(x)g bx = . Dessa forma a equa¸c˜ao (9.9. Assim o problema de valor de contorno para uma barra segundo a lei de Hooke ´e    d2 u(x)  EA = −p(x) para x ∈ (0. E µ = . por sua vez. no caso unidimensional.1. (9. para o caso tridimensional as componentes de tens˜ ao σyy e σyy e as componentes de deforma¸ca˜o εyy e εzz .13).14)   u(0) = u0 em x = 0  u(L) = uL em x = L As equa¸co˜es de Navier. .16) dx2 que ´e um resultado equivalente ao obtido em (9. (9.9) ou. Barra 9-38 9. A sendo ρ(x) a massa espec´ıfica por unidade de comprimento g a acelera¸c˜ao da gravidade local e A a ´area de se¸c˜ao trasnversal da barra. para o modelo de barra a lei de Hooke simplifica-se para σxx = (2µ + λ)εxx (9.1. (9.

(9. nesse caso trata-se do modelo de viga de Timoshenko. Flex˜ ao Pura em Vigas Prism´ aticas 9-39 9. Dessa forma. pode-se mostrar que o campo de deslocamentos deduzido a partir dessas hip´oteses ´e     −yθ(x)   u(x) = v(x) .2. ´e um modelo unidimensional.9. assim como a barra. o que ´e razo´avel para vigas de grande comprimento. 9.2. 9. o interesse ´e focado em a¸c˜oes de movimento chamadas de a¸co ˜es de flex˜ ao. deslocamentos transversais na dire¸c˜ao do eixo y do sistema cartesiano. a componente u(x) = −yθ(x) varia linearmente com a posi¸c˜ao y de cada ponto da se¸c˜ao transversal e v(x) ´e o deslocamento vertical das se¸c˜oes.2 Deforma¸c˜ ao Com base nessas hip´oteses o tensor de pequenas deforma¸c˜oes se reduz para   d2 v(x) 1  −y . A hip´otese cinem´atica do modelo de Euler-Bernoulli consiste em supor que as a¸c˜oes de movimento poss´ıveis devem ser tais que as se¸c˜oes permanecem planas. Nesse caso. associados a rota¸c˜oes das se¸c˜oes transversais em torno do eixo z. Se forem considerados os efeitos de cisalhamento. duas se¸c˜oes paralelas permanecem paralelas ap´os a deforma¸c˜ao. dx a rota¸c˜ao das se¸c˜oes em rela¸ca˜o ao eixo horizontal. pois considera a dimens˜ ao longitu- dinal muito maior que as dimens˜oes da se¸c˜ao transversal. Ser´a apresentado nessa se¸c˜ao o modelo de viga de Euler-Bernoulli que desconsidera os efeitos de cisalhamento. antes e depois da configura¸c˜ao deformada. Resumidamente.2. indeformadas e ortogonais ao eixo x da viga. Dessa forma. consideram-se vigas prism´aticas uniformes (de se¸c˜ao trasn- versal constante) com comprimento longitudinal como dimens˜ ao predominante.1 Cinem´ atica Na teoria de Euler-Bernoulli ou flex˜ao pura. ou seja.2 Flex˜ ao Pura em Vigas Prism´ aticas O modelo de viga.17)     0 sendo dv(x) θ(x) = .

com base nas hip´oteses adotadas.20) dx O modelo de Euler-Bernoulli desconsidera os efeitos de cisalhamento. deve ser constante para todos os pontos de uma mesma se¸c˜ao transversal. (9. (9.19) 0 0 0 Apesar de existir uma componente de deslocamento a dire¸c˜ao y. (9. . ou seja. o que a caracteriza como uma componente de movimento de corpo r´ıgido. 0 0  [E] = ∇u(x) + ∇T u(x) =  dx2  2  0 0 0 . de modo que para este modelo de viga. ou seja dv(x) = 0. v(x).18) 0 0 0 ou seja   εxx (x) 0 0   [E] =  0 0 0 . a mesma. a u ´nica componente de deforma¸c˜ao n˜ao nula ´e εxx (x).

22) 0 dx sendo L o comprimento da viga. somente a componente de tens˜ao normal σxx (x).9. 9. nesse caso.2.2. A a ´area da se¸c˜ao transversal.25) dx a for¸ca cortante interna atuando na se¸c˜ao e dv(x) θ(x) = . 0 sendo q(x) a carga externa distribu´ıda por unidade de comprimento trasnversalmente sobre a viga. . ser´a aplicado o PTV.21) 0 0 0 Consequentemente. (9. vem  L d2 Mz (x) dMz (L) dMz (0) dv(L) dv(0) Tı = v(x)dx − v(L) + v(0) + Mz (L) − Mz (0) . Flex˜ ao Pura em Vigas Prism´ aticas 9-40 9.23) 0 dx2 dx dx dx dx ou  L d2 Mz (x) Tı = v(x)dx − Vy (L)v(L) + Vy (0)v(0) + Mz (L)θ(L) − Mz (0)θ(0). assim o tensor de tens˜ oes de Cauchy se reduz a   σxx (x) 0 0   [T] =  0 0 0 .3 Trabalho Interno Associada a deforma¸c˜ao εxx (x) deve existir. (9. os trabalho externo compat´ıvel com a cinem´ a¸ca˜o cinem´atica virtual vˆ(x) deve ser  L Te = ˆ v (x)dx + VL vˆ(L) + V0 vˆ(0) + M0 θ(L) q(x)ˆ ˆ + ML θ(0). (9.2. (9. (9. Integrando por partes duas vezes a express˜ao do trabalho interno.24) 0 dx2 sendo dMz (x) Vy (x) = . dx a rota¸c˜ao da se¸c˜ao transversal. considerada constante ao longo do comprimento. assim Te + Tı = 0. e Mz (x) o momento fletor interno agindo na viga ao longo do eixo longitudinal. as caragas concentrados nas extremidades em x = 0 e x = L.4 PTV A fim de se avaliar os esfor¸cos externos agindo sobre a viga. ML e M0 os momentos externos concentrados e VL e V0 . (9. para qualquer Portanto. a express˜ao do Trabalho Interno para o problema da viga de Euler-Bernoulli ´e dada por   Tı = − T·E=− σxx (x)εxx (x)dV V V     L   d2 v(x) d2 v(x) = − σxx (x) −y dV = − −yσxx (x)dA dx V dx2 0 A dx2  L du(x) = − Mz (x) dx.26) atica da viga de Euler Bernoulli.

   d4 v(x)   EI = q(x) para x ∈ (0. para o modelo de viga a lei de Hooke simplifica-se para du(x) d2 v(x) σxx (x) = Eεxx (x) = E = −E y (9. (9.32)   Mz (L) = ML em x = L     Vy (0) = V0 em x = 0   Vy (0) = VL em x = L sendo    d3 v(x)   Vy (x) = EIz   dx 3  2 d v(x) . (9.31) dx4 Assim o problema de valor de contorno para uma viga segundo a lei de Hooke ´e.5 Aplica¸c˜ ao da Equa¸c˜ ao Constitutiva Analogamente ao caso da barra.30) A Considerando E e Iz constantes e substituindo a express˜ ao de Mz (x) no PVC para a viga tem-se que   d2 d2 v(x) EIz = q(x) dx2 dx2 d4 v(x) EIz = q(x). Flex˜ ao Pura em Vigas Prism´ aticas 9-41 Dessa forma.29) A dx2 dx2 A Definindo o momento est´atico de a´rea ou momento de in´ercia para se¸c˜ao transversal  Iz (x) = y 2 dA. (9. atrav´es do equil´ıbrio entre os trabalhos externo e interno.2.2. L)   dx2   M (0) = M z 0 em x = 0 . (9.9.33)  Mz (x) = EIz   dx2   dv(x)   θ(x) = dx .27)   Mz (L) = ML em x = L     Vy (0) = V0 em x = 0   Vy (0) = VL em x = L 9. (9. L)   z dx4   Mz (0) = M0 em x = 0 .28) dx dx2 Pela defini¸c˜ao do momento fletor tem-se que  Mz (x) = −yσxx (x)dA A   d2 v(x) 2 d2 v(x) Mz (x) = E y dA = E y 2 dA. (9. pode-se estabelecer o problema de valor de contorno para uma viga submetida a carregamentos transversais da seguinte maneira  2   d Mz (x)   = q(x) para x ∈ (0.

n˜ao permanecendo planas consequentemente.34)   yθ(x)   sendo θ(x) a rota¸c˜ao ou aˆngulo de tor¸c˜ao das se¸c˜oes ao longo do eixo x. assume-se que as se¸c˜oes paralelas mantˆem mesma distˆancia entre si. possui apenas uma dimens˜ ao predominante que ´e o comprimento longitudinal. ou seja.2 Deforma¸c˜ ao Com base nas hip´oteses cinem´aticas assumidas para o problema de tor¸c˜ao de eixos circulares. Este modelo ´e aplicado apenas a eixos circulares prism´aticos. Nesses casos ocorre uma rota¸c˜ao e empenamento das se¸c˜oes em rela¸c˜ao ao eixo z. como no caso da barra. o modelo de tor¸c˜ao para eixos considera que o eixo ´e unidimensional.3.3. cada se¸c˜ao transversal sofre uma rota¸c˜ao r´ıgida constante.3 Tor¸c˜ ao de Eixos Circulares Prism´ aticos Analogamente aos modelos de barra e de viga. (9. a tor¸c˜ao da se¸c˜oes. n˜ao h´a deforma¸c˜ao longitudinal. Em outras palavras. 9. (9. sendo que o interesse principal ´e a determinar a rota¸c˜ao das se¸c˜oes ao longo do eixo x. pode-se concluir que as u ´nicas componentes de deforma¸c˜ao poss´ıveis. maci¸cos ou tubulares. o que n˜ao ocor- re para eixo com se¸c˜oes n˜ao circulares. pode-se chegar ao seguinte campo de deslocamentos em coordenadas cartesianas    0   u(x) = −zθ(x) . ou seja o tensor de pequenas deforma¸c˜oes se reduz a   1 1 0 2γ¯xy (x) 2γ¯xz (x)  1  [E] =  2γ¯xy (x) 0 0 . as seguintes hip´oteses cinem´aticas s˜ao consideradas.3.35) 1 2 ¯xz (x) γ 0 0 ou   dθ(x) 1 dθ(x)  0 − 12 z 2 y dx   dx   dθ(x)  [E(x)] =  − 12 z 0 0 . Verifica-se que esta hip´otese ´e verdadeira para eixos prism´aticos com se¸c˜ao circular. ou seja. 9. Adimite-se tamb´em que as a¸c˜oes de movimento produzem uma rota¸c˜ao nos pontos de uma se¸c˜ao transversal. Al´em do mais. (9.36)  dx    1 dθ(x) 2y dx 0 0 . Com base nessas hip´oteses cinem´aticas.1 Cinem´ atica No caso da tor¸c˜ao de eixos com se¸c˜oes transversais circulares. em fun¸ca˜o das tens˜oes de cisalhamento aplicadas no eixo. isto ´e. Primeiramente assume-se que as se¸c˜oes trasnversais planas permanecem planas e normais ao eixo longitudinal x.9. Tor¸ c˜ ao de Eixos Circulares Prism´ aticos 9-42 9. s˜ao as distor¸c˜oes totais nos planos xy e xz. que cresce linearmente a partir de zero no centro da se¸c˜ao e atingindo o valor m´aximo na periferia. avaliando a rota¸ca˜o de um ponto gen´erico de uma se¸c˜ao circular.

Dessa forma.43) Portanto. Tor¸ c˜ ao de Eixos Circulares Prism´ aticos 9-43 9. ser´a aplicado o PTV. (9. pode-se estabelecer o problema de valor de contorno para um eixo da seguinte maneira    dMx (x)  = −t(x) para x ∈ (0. (9.4 PTV A fim de se avaliar os esfor¸cos externos agindo sobre o eixo. (9. os trabalho externo compat´ıvel com a cinem´ atica da barra. Deve-se observar que o momento tor¸cor. e definindo  Mx (x) = [−zτxy (x) + yτxy (x)] dA. varia linearmente em cada se¸c˜ao do eixo x. (9.38) V dx  L   dθ(x) = − [−zτxy (x) + yτxy (x)] dA dx.44)   Mx (0) = T0 em x = 0  Mx (L) = TL em x = L . para qualquer a¸c˜ao cinem´atica ˆ virtual θ(x) deve ser  L Te = ˆ t(x)θ(x)dx ˆ + TL θ(L) ˆ + T0 (0)θ(0).3. assim Te + Tı = 0. Mx (x) (9.42) 0 dx 9.3. A a ´area da se¸c˜ao transversal. Assim. (9. vem  L dMx (x) Tı = θ(x)dx − Mx (L)θ(L) + Mx (0)θ(0).3.37) τxz (x) 0 0 Consequentemente. de forma an´aloga ao ˆangulo de tor¸c˜ao θ(x). (9. de forma que o tensor de tens˜ oes de Cauchy se reduz a   0 τxy (x) τxz (x)   [T] =  τxy (x) 0 0 . a express˜ao do Trabalho Interno para o problema de tor¸c˜ao ´e dada por   Tı = − T·E=− [τxy (x)τxy (x) + τxy (x)τxy (x)] dV V V       dθ(x) dθ(x) = − τxy (x) −z + τxy (x) y dV V dx dx  dθ(x) = − [−zτxy (x) + yτxy (x)] dV (9.41) 0 dx Integrando por partes a express˜ao do trabalho interno. atrav´es do equil´ıbrio entre os trabalhos externo e interno. 0 sendo t(x) o torque externo distribu´ıdo por unidade de comprimento axialmente sobre o eixo e TL e T0 os torques externos concentrados nas extremidades em x = 0 e x = L. L) dx . pode-se se reescrever a express˜ao do trabalho interno como  L dθ(x) Tı = − dx.9.40) A como sendo o momento momento longitudinal ou tor¸cor interno na se¸c˜ao trasnversal.39) 0 A dx sendo L o comprimento da barra. considerada constante ao longo do comprimento.3 Trabalho Interno Associadas `as deforma¸c˜oes γ¯xy (x) e γ¯xz (x) devem existir as componentes de tens˜ao τxy (x) e τxz (x).

5 Aplica¸c˜ ao da Equa¸c˜ ao Constitutiva Para o problema de tor¸c˜ao de eixos circulares a lei de Hooke simplifica-se para  τxy = µεxy = G¯ γxy . r. (9.51) dx2 considerando G e IP constantes.52)   θ(0) = θ0 em x = 0  θ(L) = θL em x = L . Estado Plano de Tens˜ oes 9-44 9.46)   τ = Gy dθ(x) xz dx Pode-se demonstrar que.45) τxz = µεxz = G¯ γxz sendo G o M´odulo de Elasticidade Trasnversal.50) dx sendo IP (x) o Momento Polar de In´ercia da se¸c˜ao transversal do eixo. define-se dθ(x) τt (x.49) A E atrav´es da lei de Hooke  dθ(x) Mx (x) = G r 2 dA dx A dθ(x) = GIP (x) . (9. (9.4. (9. perpendicular ao raio da se¸ca˜o e a deforma¸c˜ao cisalhante longitudinal dθ(x) γ¯t (x. r. (9.9. (9. (9. θ) a tes˜ao de cisalhamento tangencial. Assim o problema de valor de contorno para um eixo segundo a lei de Hooke ´e    d2 θ(x)  GIP 2 = −t(x) para x ∈ (0. θ)rdA. r. Substituindo essa equa¸c˜ao no PVC do modelo tor¸c˜ao tem-se que   d dθ(x) GIP (x) = −t(x) dx dx d2 θ(x) GIP = −t(x). L) dx . Substituindo as componentes de deforma¸c˜ao   dθ(x)  τxy = −Gz dx .47) dx sendo r 2 = y 2 +z 2 o raio de posi¸c˜ao do ponto em analisado e τt (x. (9. θ) = G r. r.48) dx Sendo assim. θ) = γ¯xy (x) + γ¯xz (x) = r. adotando-se um sistema de coordenadas polares para as se¸c˜oes transversais do eixo. ´e poss´ıvel demonstrar tamb´em que  Mx (x) = τt (x.3.

y) σyy = σyy (x. y) τxy = τxy (x. ver se¸ca ˜o ??. isto ´e. • as componentes de for¸cas de volume agem somente no plano xy e s˜ao independentes de z. Al´em disso. Estado Plano de Tens˜ oes 9-45 Figura 9. σxx = σxx (x. por exemplo.53) ∂w Observa-se ainda que w = 0 e a deforma¸c˜ao εzz = pode ser determinada em fun¸c˜ao de σxx e σyy . como ilustrado na Figura 9.4 Estado Plano de Tens˜ oes O modelo simplificado para o estado plano de tens˜ oes ´e razo´avel quando duas dimens˜oes prevalecem e o carregamento ´e aplicado apenas da dire¸c˜ao do plano principal do corpo. a varia¸c˜ao destas u ´ltimas em rela¸c˜ao a z ´e desprez´ıvel.1 As hip´oteses b´asicas para os problemas de estado plano tens˜ao s˜ao: • a espessura do corpo ´e pequena se comparada com as dimens˜oes nas dire¸co˜es x e y. y) τxy (x.53). as mesmas s˜ ao apenas aproximadas. y) σzz = τzy = τzx = 0 (9. y) σyy (x. entretanto. ou seja. simplificam-se as equa¸c˜oes da elasticidade como. τzx ) s˜ao pequenas comparando-se com σxx . y) 1 Deve-se observar. que apesar destas hip´ oteses serem razo´ aveis para a pr´ atica da engenharia. ty = ty (x. sendo fun¸c˜ao apenas de x e y. Logo as as componentes o tensor de tens˜oe de Cauchy simplificam-se para. • todas as for¸cas agindo no corpo s˜ao planares e independentes de z. assume-se que as componentes de tens˜ao no plano z (σzz .1: Estado Plano de Tens˜oes 9. pois violam as equa¸co ˜es de compatibilidade do modelo tridimensional. σyy e τxy . by = by (x. Com estas hip´oteses1 . y). • n˜ao h´a for¸cas agindo nas faces normais ao eixo z. % &   σxx (x. que ser˜ ao tratadas posterior- mente. y) [T] = b= τxy (x. y) by (x. bx = bx (x.4. y) bx (x.9. tx = tx (x. ∂z Tomando-se (9. y). y) e bz = 0. em problemas envolvendo chapas com o comprimento o ea largura muito maiores que a espessura. . y) e tz = 0. τzy .

determina-se a deforma¸c˜ao εzz como. ou seja. εyy = . y).5 Estado Plano de Deforma¸c˜ oes Este modelo geralmente ´e usado para representar o comportamento de estruturas de grande comprimento. • as for¸cas de volume e aquelas aplicadas nas superf´ıcies do corpo. As hip´oteses de deforma¸c˜ao plana s˜ao: • os deslocamentos das faces normais ao eixo z s˜ao nulos.5. os deslocamentos normais a essa dire¸c˜ao podem ser assumidos como nulos. εzz = ee= + + . isto ´e εxx = εxx (x.57) ∂z ∂x ∂y ∂z ∂z (µ + λ) ∂x ∂y Assim. γxy = 12 + . y) ∂τxy (x.       σxx τxy 0 εxx γxy 0 e 0 0        τxy σyy 0  = 2µ  γxy εyy 0  + λ 0 e 0  (9. pois a espessura do corpo ´e muito grande em compara¸c˜ao a`s dimens˜oes representativas nas dire¸c˜oes x e y. y)  + + by (x. Com estas hip´otese tem-se.     ∂w ∂u ∂v ∂w ∂w λ ∂u ∂v 2µ +λ + + = 0 ⇒ εzz = =− + (9. σzz = 0 e pode ser determinado a partir do valor das outras componentes. u = u (x. a equa¸ca˜o de Navier pode ser reescrita da seguinte forma. s˜ao independentes de z. normais `as dire¸c˜oes x e y. y) µ ∂x ∂y ∂x ∂x∂y  ∂ 2v ∂ 2 v  + (µ + λ)  ∂ 2 u ∂2v  + =0 (9. Por este motivo. Neste caso. y) w=0 (9. Estado Plano de Deforma¸ c˜ oes 9-46    ∂σxx (x.59) Isto significa que as deforma¸c˜oes decorrentes de w tamb´em se anulam. y)  +   +  ∂x2 ∂y 2 ∂x∂y ∂y 2 9. a equa¸c˜ao constitutiva assume a seguinte forma.56) 0 0 0 0 0 εzz 0 0 e   ∂u ∂u ∂v ∂v ∂w ∂u ∂v ∂w sendo εxx = . εxy = εxy (x. εyy = εyy (x. y) ∂σyy (x. ∂x ∂y ∂x ∂y ∂y ∂x ∂y ∂z De (9. y) v = v (x.58)     by (x. y) = 0 T+b=0⇒ ∂x ∂y (9.54)   ∂τxy (x. y).9.55) τxy nx + σyy ny = ty Seguindo o mesmo esquema.  2   2    ∂ u ∂2u     ∂ u ∂2v      2 + 2   2 +  bx (x. ver Figura 9.2. tais como tubula¸c˜oes.56). .60) sendo as demais independentes de z. y)  + + bx (x. y) = 0 ∂x ∂y  σxx nx + τxy ny = tx Tn = t ⇒ (9. εzz = εyz = εxz = 0 (9. y).

y)   + + bx (x. y) τxy (x. y)     0 0 σzz (x. y)  =0 ∂z  σxx n1 + τxy n2 = tx Tn = t ⇒ (9. y) T+b=0⇒ + + by (x. De fato.62) τxy n1 + σyy n2 = ty Seguindo o mesmo esquema. (9. y) 0   bx (x. a equa¸c˜ao constitutiva (??) assume a seguinte forma.5.61)   ∂x ∂y     ∂σzz (x.63) 0 0 σzz 0 0 0 0 0 e De (9. y) σyy (x. Estado Plano de Deforma¸ c˜ oes 9-47 Figura 9. a u ´nica diferen¸ca entre os dois casos (estado plano de deforma¸co˜es e de tens˜ oes) s˜ao as condi¸c˜oes de contorno usadas na resolu¸c˜ao da equa¸c˜ao de Navier. y) 0    ∂σxx (x.60).       σxx τxy 0 εxx γxy 0 e 0 0        τxy σyy 0  = 2µ  γxy εyy 0  + λ  0 e 0  .64) A equa¸c˜ao de Navier ´e exatamente a mesma obtida para tens˜ao plana. y) 0  b= by (x.9. y) = 0   ∂x ∂y  ∂τxy (x.2: Estado Plano de Deforma¸c˜oes Considerando as hip´oteses (9. σzz = 2λ (εxx + εyy ) (9.56) determina-se a componente de tens˜ao σzz . y) ∂τxy (x. y) = 0 (9. y)     [T] =  τxy (x. y) ∂σyy (x. .59) e (9. as seguintes simplifica¸c˜oes s˜ao poss´ıveis nas equa¸c˜oes do caso s´olido:     σxx (x.

A. n) deve ser sempre dado. . x3 a1 x1 + a2 x2 + a3 x3 = p. . . pode haver uma confus˜ao entre a defini¸c˜ao do conceito e a sua representa¸ca˜o em nota¸c˜ao indicial. A.1). xi ou xi s˜ao ambos v´alidos. combina¸c˜oes lineares e somat´orios.2) i=1 . . . (A. a express˜ ao anterior ´e escrita como ax + by + cz = d. ou seja. emprega-se a nota¸c˜ao direta para a defini¸ca˜o de conceitos. Desta maneira. enquanto a representa¸c˜ao em nota¸ca˜o indicial ´e indicada como vi . x2 . . a2 . n). Este ´ındice pode ser denotado como um subscrito ou sobrescrito. a nota¸ca˜o indicial ´e bastante u ´til. Essa equa¸c˜ao pode ser escrita em termos do seguinte somat´orio 3 ai xi = p. Logo. a defini¸c˜ao de vetor ´e independente da sua representa¸c˜ao em nota¸c˜ao indicial. deve-se definir o conceito de nota¸c˜ao indicial. .2 Conven¸c˜ ao de Somat´ orio Considere a equa¸c˜ao de um plano no sistema de referˆencia cartesiano tridimensional com eixos x1 . 2. . Neste texto. A-1 Apˆ endice A NOTAC ˜ INDICIAL ¸ AO A nota¸c˜ao indicial ´e uma forma compacta de se representar e manipular sistemas de equa¸co˜es. O intervalo de varia¸c˜ao do ´ındice i (i = 1. Quando escrito isoladamente. . 2. Por exemplo. No entanto. . o s´ımbolo xi indica qualquer uma das vari´aveis x1 . De forma geral.1 Defini¸c˜ ao de Nota¸ c˜ ao Indicial Um conjunto de vari´aveis x1 . Foi introduzida por Einstein para denotar grandezas em espa¸cos de dimens˜ao superior a 3. (A. . Um sistema de nota¸c˜oes usando ´ındices ´e denominado nota¸ca ˜o indicial. . como por exemplo ao se trabalhar com equa¸c˜oes constitutivas de materiais.1) sendo a1 . denotam-se as express˜ oes como em (A. A nota¸c˜ao indicial permite escrever as express˜oes numa forma compacta. em v´arias situa¸c˜oes. . . Embora v´arios conceitos em Mecˆanica do Cont´ınuo possam ser introduzidos empregando a nota¸ca˜o indicial. Basicamente. Usualmente. xn . ao se empregar ´ındices. sendo a nota¸c˜ao indicial usada apenas para ilustrar e operar sobre os conceitos j´a definidos. limita-se o seu uso neste texto. . a3 e p constantes. x2 . um vetor v ´e dado pela diferen¸ca de pontos do espa¸co euclidiano. xn ´e geralmente denotado como xi (i = 1. x2 . o significado de ´ındices repetidos e livres e as opera¸c˜oes empregando estes ´ındices. .

  b c +b c +b c 31 1 32 2 33 3 Verifica-se ainda que as 3 express˜ oes anteriores indicam o produto de uma matriz [B] por um vetor {c}.    b11 b12 b13   c1     bij cj = [B]{c} =  b21 b22 b23  c2 . Assim. denota-se a equa¸c˜ao anterior como ai xi = p.A.2. Considerando o ´ındice i inicialmente vem que    α11 β1k + α12 β2k + α13 β3k αi1 β1k + αi2 β2k + αi3 β3k = α β 21 1k 22 2k +α β 23 3k +α β . Logo. tomando a express˜ ao anterior vem que i = 1 → b11 c1 + b12 c2 + b13 c3 . por exemplo ai xi pode ser denotado como aj xj sem alterar o significado da express˜ao. enquanto j ´e um ´ındice repetido. O intervalo de varia¸c˜ao de um ´ındice ´e o conjunto de n´umeros inteiros de 1 a n. Em geral. 2 ou 3 respectivamente para problemas uni. j=1 Por sua vez. pois o s´ımbolo usado no somat´orio se torna indiferente no resultado final. Observa-se que j ´e um ´ındice repetido e aplica-se a conven¸ca ˜o do somat´ orio. (A.2 Expandir a express˜ ao αij βjk em nota¸c˜ao indicial para i. j = 1. 3. 3 αij βjk = αij βjk = αi1 β1k + αi2 β2k + αi3 β3k . Cada valor de i corresponder´a a uma equa¸ca˜o.3) A conven¸c˜ao ´e a seguinte: a repeti¸ca˜o de um ´ındice num termo representar´ a um somat´ orio com respeito a esse ´ındice no seu intervalo de varia¸ca ˜o. Aplica-se ent˜ ao a conven¸c˜ ao do somat´ orio. bi e tridimensionais. ou seja. Neste caso. 2. bij cj representa as 3 equa¸co ˜es seguintes    b11 c1 + b12 c2 + b13 c3 bij cj = b c +b c +b c 21 1 22 2 23 3 .   b31 b32 b33  c3   Exemplo A. i e k s˜ ao ´ındices livres e para cada ´ındice deve-se expandir 3 equa¸co ˜es resultando num total de 9 equa¸co ˜es. onde i e k representam ´ındices livres. ou seja. ou seja. Portanto.1 Expandir a express˜ ao bij cj dada em nota¸ca ˜o indicial para i.   α β +α β +α β 31 1k 32 2k 33 3k . 3 bij cj = bij cj = bi1 c1 + bi2 c2 + bi3 c3 . n ser´a 1. i = 3 → b31 c1 + b32 c2 + b33 c3 . i = 2 → b21 c1 + b22 c2 + b23 c3 . 3. na Mecˆanica do Cont´ınuo. j. Observe os exemplos a seguir. k = 1. Conven¸ ca ˜o de Somat´ orio A-2 Introduzindo a conven¸ca ˜o de somat´ orio. i ´e um ´ındice n˜ ao-repetido ou livre e seu intervalo de varia¸ca ˜o tamb´em ´e de 1 a 3. j ´e um ´ındice repetido pois aparece duas vezes no termo bij cj . 2. Como este ´ındice ´e empregado apenas para uma soma ´e chamado ´ındice falso ou repetido. Exemplo A. Um ´ındice que n˜ao ´e somado ´e denominado ´ındice livre e indica o n´umero de equa¸c˜oes associado ao termo em nota¸c˜ao indicial. j=1 Neste caso.

No segundo exemplo. as quais podem ser denotadas matricialmente como o seguinte produto de duas matrizes [α] e [β] de ordem 3    α11 α12 α13 β11 β12 β13    αij βjk = [α][β] =  α21 α22 α23   β21 β22 β23  . obtendo-se um total de 9 equa¸co˜es. 3 representa as 9 equa¸co ˜es anteriores. k = 1. expande-se o ´ındice k. j.   3 y3 = a3m xm = m=1 a3m xm = a31 x1 + a32 x2 + a33 x3 . Considere agora mais dois exemplos. m = 1. que um ´ındice repetido faz com que a express˜ao cres¸ca na dire¸ca˜o horizontal ao se aplicar a conven¸c˜ao do somat´orio. α31 α32 α33 β31 β32 β33  Verifica-se. Conven¸ ca ˜o de Somat´ orio A-3 Para cada um das 3 equa¸co ˜es anteriores. 2.A. Por sua vez. A express˜ ao yi = aim xm (i. 2. J´a os ´ındices livres i e k indicam o n´ umero de equa¸co˜es na dire¸c˜ao vertical. Nos exemplos anteriores.2.   α β +α β +α β 31 13 32 23 33 33 Portanto. fazendo com que a express˜ao em nota¸c˜ao indicial se expanda na dire¸c˜ao vertical. a express˜ ao αij βjk em nota¸c˜ ao indicial com i. Logo. m = 1.1.    α11 β11 + α12 β21 + α13 β31 α11 β1k + α12 β2k + α13 β3k = α β 11 12 +α β 12 22 +α β 13 32 . 3).   α β +α β +α β 21 13 22 23 23 33    α31 β11 + α32 β21 + α33 β31 α31 β1k + α32 β2k + α33 β3k = α β 31 12 +α β 32 22 33 32 +α β . 2.   α β +α β +α β 11 13 12 23 13 33    α21 β11 + α22 β21 + α23 β31 α21 β1k + α22 β2k + α23 β3k = α β 21 12 +α β 22 22 +α β 23 32 . o ´ındice repetido j ´e somado de 1 a 3 abrindo as express˜oes horizontalmente. Figura A. deve-se expandir cada um deles no intervalo de 1 a 3. 3) representa um sistema de equa¸co˜es como pode ser visto pelo desenvolvimento dos ndices a seguir. Observa-se que i ´e um ´ındice livre enquanto m ´e um ´ındice repetido. como se tem dois ´ındices livres (i e k). o ´ındice livre indica o n´ umero total de equa¸c˜oes. Expandindo o ´ındice livre i e aplicando a conven¸ca ˜o de somat´ orio para m vem que  3   y1 = a1m xm = m=1 a1m xm = a11 x1 + a12 x2 + a13 x3 yi = aim xm = y2 = a2m xm = 3m=1 a2m xm = a21 x1 + a22 x2 + a23 x3 . ent˜ao. Esta id´eia est´a ilustrada na Figura A.1: ´Indices livre e repetido. Exemplo A.3 Considere a express˜ ao em nota¸ca˜o indicial yi = aim xm (i.

j e k s˜ao todos ´ındices livres. ou seja. como por exemplo ai + bi = ci . expandindo os ´ındices livres i e j tem-se 9 equa¸c˜ oes e aplicando a conven¸ca˜o de somat´ orio para cada uma delas vem que     T11 = a1m x1m = 3m=1 a1m x1m = a11 x11 + a12 x12 + a13 x13      T12 = a1m x2m = 3m=1 a1m x2m = a11 x21 + a12 x22 + a13 x23      T13 = a1m x3m = 3m=1 a1m x3m = a11 x31 + a12 x32 + a13 x33      = 3m=1  T21 = a2m x1m  a2m x1m = a21 x11 + a22 x12 + a23 x13 T22 = a2m x2m = 3m=1 a2m x2m = a21 x21 + a22 x22 + a23 x23 .      T23 = a2m x3m = 3m=1 a2m x3m = a21 x31 + a22 x32 + a23 x33      T31 = a3m x1m = 3m=1 a3m x1m = a31 x11 + a32 x12 + a33 x13        T32 = a3m x2m = 3m=1 a3m x2m = a31 x21 + a32 x22 + a33 x23   T33 = a3m x3m = 3m=1 a3m x3m = a31 x31 + a32 x32 + a33 x33 ˜es anteriores podem ser escritas na forma matricial [T ] = [A][X]T . 2. Verifica–se ainda i=1 que a express˜ ao yi = aim xm (i. m = 1. sendo i um ´ındice livre e j um ´ındice repetido. (A. 2.   y    3 a31 a32 a33  x3   Exemplo A. 2. 2. 3) ´e a mesma que yj = ajm xm (j. O ´ındice livre presente em cada termo de uma equa¸c˜ao deve ser o mesmo. j = 1. ou seja. Delta de Kronecker A-4 A express˜ ˜es da forma {y} = [A]{x}. pois um ´ındice nunca pode ser repetido  3 mais de uma vez.4 Na express˜ ao Tij = aim xjm (i. Al´em disso. j. As equa¸co      T11 T12 T13 a11 a12 a13 x11 x21 x31       T21 T22 T23  =  a21 a22 a23   x12 x22 x32  . express˜oes como ai bi ci n˜ao s˜ao definidas na nota¸ca˜o indicial. ai bi ci .3. Neste u ´ltimo caso. 3). ou seja. Logo. ou seja. ao anterior representa um sistema de equa¸co        y1   a11 a12 a13   x1     y2 =  a21 a22 a23  x2 . m = 1. No entanto.4) 1 se i = j . ou seja. pois i. ai = bj ´e uma express˜ ao sem significado. 3) tem-se que i e j s˜ ao ´ındices livres enquanto m ´e um ´ındice repetido. ai + bi cj dj = 0. aparecem uma u ´nica vez nos termos do lado esquerdo e direito. mant´em-se o sinal de somat´orio. A.A. T31 T32 T33 a31 a32 a33 x13 x23 x33  Observa-se que uma equa¸c˜ao do tipo Tij = Tik n˜ao tem significado em nota¸c˜ao indicial. 3) ´e denominado delta de Kronecker e definido como  0 se i = j δij = . a letra usada para denotar o ´ındice repetido n˜ao altera o resultado final. m = 1.3 Delta de Kronecker O s´ımbolo δij (i.

5) δ12 = δ21 = δ13 = δ31 = δ23 = δ32 = 0. Observa-se que i e j s˜ ao ´ındices repetidos e deve-se aplicar a conven¸ca ˜o do somat´ orio.7) 4. Delta de Kronecker A-5 Como i e j s˜ao ´ındices livres no termo δij e ambos variam de 1 a 3. tem-se     δ11 δ12 δ13 1 0 0      δ21 δ22 δ23  =  0 1 0  .    3 m=1 δ3m am = δ31 a1 + δ32 a2 + δ33 a3 = a3 3. δim Tmj = Tij .    3 m=1 δ3m Tmj = δ31 T1j + δ32 T2j + δ33 T3j = T3j Em particular δim δmj = δij e δim δmj δjn = δim δmn = δin . 3 3 3 3 δij δji = δij δji = δij δji = δ1j δj1 + δ2j δj2 + δ3j δj3 i.6) Em nota¸c˜ao matricial. Exemplo A.j=1 i=1 j=1 j=1 = (δ11 δ11 + δ21 δ12 + δ31 δ13 ) + (δ12 δ21 + δ22 δ22 + δ32 δ23 ) + (δ13 δ31 + δ23 δ32 + δ33 δ33 ). J´ a m ´e um ´ındice repetido e aplica-se a conven¸ca ˜o do somat´orio. (A.A. δij δji = 3. . 1. i ´e um ´ındice repetido e aplicando a conven¸ca ˜o do somat´ orio 3 δii = δii = δ11 + δ22 + δ33 = 1 + 1 + 1 = 3. δ31 δ32 δ33 0 0 1 ou seja. o delta de Kronecker se reduz `a matriz identidade de ordem 3. expandindo o ´ındice livre i e aplicando a conven¸ca˜o do somat´orio para m vem que    3  m=1 δ1m Tmj = δ11 T1j + δ12 T2j + δ13 T3j = T1j 3 δim Tmj = m=1 δ2m Tmj = δ21 T1j + δ22 T2j + δ23 T3j = T2j = Tij . ou seja. δii = 3. (A.5 Empregando-se as conven¸co ˜es da nota¸ca ˜o indicial e os valores dados em (A. (A. Os ´ındices i e j s˜ ao livres enquanto m ´e um ´ındice repetido. tem-se um total de 9 valores dados segundo a defini¸c˜ao de δij por δ11 = δ22 = δ33 = 1. podendo ser denotado como [δij ] = [I]. i=1 2. δim am = ai . Verifica-se que i ´e um ´ındice livre. Portanto    3  m=1 δ1m am = δ11 a1 + δ12 a2 + δ13 a3 = a1 3 δim am = m=1 δ2m am = δ21 a1 + δ22 a2 + δ23 a3 = a2 = ai . tem-se 3 equa¸co ˜es. mostrar as seguintes propriedades do delta de Kronecker.5).3. Logo. Variando-se i de 1 a 3. Neste caso.

+ + + a31 a32 a33 + A equa¸ca˜o anterior pode ser denotada como 3 3 3 3 |A| = eijk ai1 aj2 ak3 = eijk ai1 aj2 ak3 = eijk ai1 aj2 ak3 . 2.5).4 S´ımbolo de Permuta¸c˜ ao A Figura A. e2 .2 ilustra os ´ındices i.A. hor´ario. no sentido hor´ario. 2. 2.11) i. Como exemplo de aplica¸c˜ao. (A. eijk = 1 quando os subscritos permutam na ordem 1.8) 5. S´ Imbolo de Permuta¸ c˜ ao A-6 Substituindo os valores dados em (A. Figura A. tem-se que δij δji = 3. do hor´ario.j. Finalmente.10)   e =0 ijk nos demais casos Em outras palavras. e3 s˜ ao vetores unit´ arios perpendiculares entre si. (A.1. eijk = −1 caso a permuta¸c˜ao seja no sentido hor´ario. . o termo eijk se anula sempre que os valores de quaisquer dois ´ındices coincidem. 3 no sentido hor´ario e 213 132=e = e321 = −1 1. 2. k e 1. o produto interno ou escalar 1 destes vetores pode ser escrito como ei · ej = δij .k=1 i=1 j=1 k=1 1 Ver Se¸ca ˜oB. como por exemplo e112 = 0. 3 no sentido anti-hor´ario . considere o determinante |A| de uma matriz [A] + + + a + + 11 a12 a13 + + + |A| = + a21 a22 a23 + = a11 a22 a33 + a21 a32 a13 + a31 a12 a23 − a11 a32 a23 − a21 a12 a33 − a31 a22 a13 . 3 ordenados nos sentidos hor´ario e anti-hor´ario.2: S´ımbolo de permuta¸ca˜o. (A. ou seja. (a) 123 em sen. sentido anti. (d) ijk em senti- tido hor´ ario. (b) 123 em (c) ijk em senti. j.9)  A. Por sua vez.4. Se e1 . do anti-hor´ ario. Utilizam-se estes ´ındices para definir o s´ımbolo de permuta¸c˜ao eijk da seguinte forma    e123 = e231 = e312 = 1 1. 3. (A.

j. e112 = e212 = e211 = 0). i ´e um ´ındice livre enquanto j e k s˜ ao ´ındices repetidos. 3 eijk aj ak =   3 j.k=1 i=1 j=1 k=1 i=1 j=1 Lembrando a defini¸ca ˜o (A. k ´ındices livres e eijk o s´ımbolo de permuta¸ca˜o. somando as 3 express˜ oes anteriores 3 eijk ejki = ei21 e21i + ei31 e31i + ei12 e12i + ei32 e32i + ei13 e13i + ei23 e23i .k=1 e3jk aj ak = e312 a1 a2 + e321 a2 a1 = a1 a2 − a2 a1 = 0 Logo.j i i=1 3 3 3 eij3 ej3i = ei13 e13i + ei23 e23i + ei33 e33i = ei13 e13i + ei23 e23i . i. eijk aj ak = 0. Exemplo A.j=1 i=1 i=1 Portanto. expandindo o somat´orio em i e mantendo apenas os termos n˜ ao-nulos do s´ımbolo de permuta¸ca ˜o (ver defini¸ca ˜o (A. Logo.A.3) eijm eklm = δik δjl − δil δjk . i=1 De forma an´aloga. i.10) do s´ımbolo de permuta¸ca ˜o.k=1 e2jk aj ak = e213 a1 a3 + e231 a3 a1 = a1 a3 − a3 a1 = 0 . empregando a conven¸ca ˜o do somat´ orio para i e j e a defini¸ca ˜o (A. 2. i. eijk ejki = 6. De forma an´ aloga ao caso anterior.12) como pode ser comprovado manipulando-se os ´ındices. Neste caso.6 Mostrar que as seguintes rela¸c˜ oes expressas em nota¸ca ˜o indicial s˜ ao v´ alidas. O delta de Kronecker e o s´ımbolo de permuta¸c˜ao est˜ao associados pela identidade (ver exerc´ıcio resolvido A.ji=1 3